Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 28 Quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015 Páx. 6041

III. Outras disposições

Conselharia de Economia e Indústria

ORDEM de 30 de janeiro de 2015 pela que se estabelecem as bases reguladoras para a concessão, em regime de concorrência competitiva, de subvenções para a melhora da imagem, modernização, estabelecimento de novas fórmulas e médios de comercialização no sector comerciante retallista e artesanal galego, e se procede à sua convocação para o ano 2015 (código de procedimento IN201H).

A Conselharia de Economia e Indústria da Xunta de Galicia possui, entre outras competências, as referidas ao artesanato, ao comércio interior e ao planeamento e desenvolvimento das estruturas comerciais, nos termos recolhidos no Decreto 110/2013, de 4 de julho, pelo que se estabelece a estrutura orgânica da Conselharia de Economia e Indústria. Dentro destas cabe assinalar, especificamente, a promoção, fomento, modernização e desenvolvimento do comércio e do artesanato e a programação e gestão de ajudas destinadas a estes fins.

O comércio e o artesanato têm uma importância fundamental para a economia galega, ao tempo que actuam como um elemento vertebrador das nossas vilas e cidades. Estas actividades na actualidade estão submetidas a um profundo processo de mudança, que exixe realizar um esforço para a melhora de imagem, modernização e adaptação contínua, com a finalidade de atingir uma maior competitividade.

Assim as mudanças no sector comercial e artesanal devem orientar-se à sua modernização mediante o estabelecimento de novas fórmulas de comercialização e distribuição não incorporadas com anterioridade pela pessoa comerciante ou artesã, que impliquem mudanças significativos na sua actividade e redundem na sua competitividade.

Com esta finalidade, a Conselharia de Economia e Indústria publica esta ordem de ajudas, dirigida a comerciantes retallistas e artesãos assim como às federações de comerciantes sem fim de lucro e às associações profissionais de artesãos, para a posta em marcha daquelas actuações que requeiram de acções conjuntas para atingir uma maior eficácia, que tem por objecto a modernização destes sectores para a sua adaptação às novas tendências do comprado e para que sejam um motor de crescimento das nossas vilas e cidades.

A teor do exposto, em virtude das competências que tem atribuídas a Conselharia de Economia e Indústria em matéria de comércio interior, e no exercício das atribuições que me foram conferidas, a Ordem da Conselharia de Economia e Fazenda de 11 de fevereiro de 1998 pela que se regula a tramitação antecipada dos expedientes de gasto, modificada pela Ordem de 27 de novembro de 2000 e pela Ordem de 25 de outubro de 2001, possibilita a tramitação antecipada dos expedientes de gasto imputables ao capítulo VII no exercício imediatamente anterior ao dos orçamentos com cargo aos cales se vão imputar os correspondentes gastos, sempre que exista crédito adequado e suficiente no projecto de Lei de orçamentos gerais aprovado pelo Conselho da Xunta da Galiza do dia 17 de outubro de 2014.

De acordo com o disposto no artigo 3.1 da Ordem da Conselharia de Economia e Fazenda de 11 de fevereiro de 1998, a tramitação antecipada poderá chegar no máximo ata o momento anterior ao da disposição ou compromisso de gasto. Assim mesmo, segundo o estabelecido no artigo 5 da supracitada ordem, todos os actos de trâmite ditados em desenvolvimento desta ordem percebem-se condicionados a que, uma vez aprovada a Lei de orçamentos gerais da Comunidade Autónoma da Galiza para o ano 2015, subsistan as mesmas circunstâncias de facto e de direito existentes no momento da sua aprovação.

Com este fim, no projecto de Lei de orçamentos gerais da Comunidade Autónoma da Galiza para o ano 2015, está consignado crédito com um custo de 2.500.000,00 € nas aplicações orçamentais e com as desagregações seguintes para atender as ajudas da presente ordem:

08.02.751A.770.1: 1.900.000,00 €.

08.02.751A.770.2: 400.000,00 €.

08.02.751A.781.1: 200.000,00 €.

A teor do exposto, em virtude das competências que tem atribuídas a Conselharia de Economia e Indústria em matéria de comércio interior e no exercício das atribuições que me foram conferidas,

DISPONHO:

Artigo 1. Convocação e bases reguladoras

1. Esta ordem tem por objecto aprovar as bases pelas que se regerá a concessão de subvenções da Conselharia de Economia e Indústria para a melhora de imagem, modernização, estabelecimento de novas fórmulas e médios de comercialização no sector comerciante retallista e artesanal galego, e se procede à sua convocação para o ano 2015.

2. Assim mesmo, por meio desta ordem convocam-se as supracitadas subvenções para o ano 2015.

3. Para a concessão destas subvenções destina-se 2.500.000,00 €, com cargo às aplicações orçamentais seguintes:

Aplicação orçamental

Montante (€)

Beneficiários

08.02.751A.770.1 «Melhora competitiva do comércio retallista. Renovação comércio retallista, fomento do emprendemento e regeneração comercial»

1.900.000,00

Artigo 1, número 1) e 2) das bases reguladoras

08.02.751A.770.2 «Melhora competitiva do comércio retallista. Apoio à modernização e inovação das PME comerciais»

400.000,00

Artigo 1, número 1) e 2) das bases reguladoras

08.02.751A.781.1 «Asociacionismo comercial e serviços para PME comerciais»

200.000,00

Artigo 1, número 3) e 4) das bases reguladoras

dos orçamentos gerais da Comunidade Autónoma da Galiza, para 2015.

Estas quantidades poder-se-ão incrementar em função das solicitudes apresentadas e de acordo com a disponibilidade de crédito, quando o aumento venha derivado de uma geração, ampliação ou incorporação de crédito, a existência de remanentes de outras convocações financiadas com cargo ao mesmo crédito ou a créditos incluídos no mesmo programa ou em programas do mesmo serviço.

O incremento do crédito ficará condicionado à declaração de disponibilidade do crédito como consequência das circunstâncias antes assinaladas e, se é o caso, depois de aprovação da modificação orçamental que proceda.

Nestes casos, publicar-se-á a ampliação de crédito pelos mesmos meios que esta convocação, sem tudo bom publicidade implique a abertura de prazo para apresentar novas solicitudes nem o início de um novo cómputo de prazo para resolver.

Artigo 2. Solicitudes e prazo de apresentação

1. As solicitudes deverão apresentar-se preferivelmente por via electrónica através do formulario normalizado de solicitude (anexo IV) disponível na sede electrónica da Xunta de Galicia, https://sede.junta.és, de acordo com o estabelecido nos artigos 27 da Lei 11/2007, de 22 de junho, de acesso dos cidadãos aos serviços públicos, e 24 do Decreto 198/2010, pelo que se regula o desenvolvimento da Administração electrónica na Xunta de Galicia e nas entidades dela dependentes. Para a apresentação das solicitudes será necessário o documento nacional de identidade electrónico ou qualquer dos certificados electrónicos reconhecidos pela sede da Xunta de Galicia.

2. Alternativamente, também se poderão apresentar as solicitudes em suporte papel por qualquer dos médios estabelecidos no artigo 38.4 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum, utilizando o formulario normalizado disponível na sede electrónica da Xunta de Galicia.

3. O prazo para a apresentação de solicitudes será de um mês contado a partir do dia seguinte ao da publicação desta ordem no Diário Oficial da Galiza. Para estes efeitos, perceber-se-á que o prazo vence o dia cujo ordinal coincida com o que serviu de partida, que é o de publicação no DOG e, se é feriado, o primeiro dia hábil seguinte.

Artigo 3. Prazo de duração do procedimento de concessão

Uma vez finalizado o prazo para a apresentação de solicitudes, estas serão tramitadas e valoradas de acordo com o procedimento estabelecido nas bases reguladoras, que não poderá ter uma duração superior a cinco meses, contados a partir do dia seguinte ao do remate de apresentação de solicitudes.

Artigo 4. Informação aos interessados

Sobre este procedimento administrativo, que tem o código IN201H, poder-se-á obter informação através dos seguintes meios:

1. Na guia de procedimentos e serviços da Xunta de Galicia no endereço:

https://sede.junta.és

2. Página web oficial da Conselharia de Economia e Indústria:

http://economiaeindustria.xunta.es, na sua epígrafe de ajudas.

3. Nos telefones 981 54 55 25 ou 981 54 55 07 da Direcção-Geral de Comércio.

4. No endereço electrónico cei.dxc.axudas@xunta.es

5. Presencialmente, na Direcção-Geral de Comércio da Conselharia de Economia e Indústria, Edifício Administrativo de São Caetano, 3º andar, 15071 Santiago de Compostela.

Assim mesmo, para questões gerais sobre este ou outro procedimento, poderá fazer-se uso do telefone de informação geral da Xunta de Galicia: 012 (desde o resto do Estado: 902 12 00 12).

A sede electrónica da Xunta de Galicia tem à disposição das pessoas interessadas uma série de modelos normalizados dos trâmites mais comummente utilizados na tramitação administrativa, que poderão ser apresentados em qualquer dos lugares e registros estabelecidos no artigo 38.4 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum.

Artigo 5. Recursos

Contra a presente ordem, que põe fim à via administrativa, poderão interpor-se os seguintes recursos, sem prejuízo de que os interessados possam exercer quaisquer outro que considerem procedente:

1. Recurso potestativo de reposición ante o conselheiro de Economia e Indústria, no prazo de um mês contado a partir do dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

2. Recurso contencioso-administrativo ante a Sala do Contencioso-Administrativo do Tribunal Superior de Justiça da Galiza, no prazo de dois meses contados a partir do dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Disposição derradeira primeira. Habilitação para o desenvolvimento

Faculta-se a pessoa titular da Direcção-Geral de Comércio para ditar, no âmbito das suas competências, as resoluções precisas para o desenvolvimento e aplicação desta ordem.

Disposição derradeira segunda. Vigorada

Esta ordem vigorará o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, 30 de janeiro de 2015

Francisco José Conde López
Conselheiro de Economia e Indústria

ANEXO I
Bases reguladoras para a concessão em regime de concorrência competitiva, de subvenções para a melhora de imagem, modernização, estabelecimento de novas fórmulas e médios de comercialização no sector comerciante retallista e artesanal galego, e se procede à sua convocação para o ano 2015 (código de procedimento IN201H)

Artigo 1. Objecto e regime das subvenções

1. As subvenções reguladas por estas bases têm por objecto a concessão de subvenções para a melhora de imagem, modernização, estabelecimento de novas fórmulas e médios de comercialização no sector comerciante retallista e artesanal galego.

2. O procedimento de concessão destas subvenções tramitar-se-á em regime de concorrência competitiva, e ficará sujeito ao regime de ajudas de minimis, pelo que não poderão exceder os limites cuantitativos (200.000,00 euros num período de três anos) estabelecidos no Regulamento (UE) nº 1407/2013 da Comissão, de 18 de dezembro de 2013, relativo à aplicação dos artigos 107 e 108 do Tratado de funcionamento da União Europeia às ajudas de minimis (DOUE 24.12.2013, L352/1).

3. Com carácter geral, e de acordo com o estabelecido no artigo 29.1 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza (em diante Lei 9/2007), considerar-se-ão subvencionáveis os gastos e investimentos que, de modo indubidable, respondam à natureza da actuação subvencionada.

Em concreto, considerar-se-ão subvencionáveis as seguintes actuações, sempre que estas sejam realizadas e com efeito pagas desde o 1 de janeiro de 2015 até a data limite de justificação estabelecida no artigo 19.

1) Para os comerciantes retallistas:

a) Acondicionamento do local comercial, sempre que a superfície resultante não supere os 150 m2. Não será de aplicação esta limitação de superfície para as actividades enquadradas baixo a epígrafe do IAE 653.1. Esta actuação será subvencionável na superfície comercial dedicada à venda.

Para estas actuações, o investimento máximo subvencionável será de 10.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 40 %.

b) Medidas orientadas à melhora da imagem exterior e aquisição de moblaxe e equipamento dedicado ao desenvolvimento da actividade comercial e para uso exclusivo na superfície de venda.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 5.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 40 %.

2) Para os comerciantes retallistas e titulares de obradoiros artesanais:

a) Ferramentas ou programas informáticos que melhorem a gestão do estabelecimento/obradoiro e o desenho dos seus produtos.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 4.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 50 %.

b) Desenvolvimento e implantação de sistemas de empaquetado e etiquetaxe dirigido a melhorar a logística e a comercialização do produto e o desenho da sua apresentação.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 5.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 50 %.

c) Novos sistemas de comercialização que combinem o comércio online e offline, pondo à disposição dos clientes recursos tecnológicos, assim como a implantação e actualização de páginas web ou aplicações para dispositivos móveis, dirigidas a melhorar a comercialização dos produtos e que contem com loja online e passarela de pagamento. Ficam excluídas deste ponto as acções de publicidade, assim como os trabalhos de fotografia quando não exista implantação da web.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 6.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 50 %.

d) Novos sistemas de comercialização e informação ao consumidor que impliquem a utilização das redes sociais para a venda. Ficam excluídas deste ponto as acções de publicidade.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 8.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 50 %.

Os beneficiários só poderão solicitar uma actuação por cada epígrafe, e o investimento máximo subvencionável por beneficiário será:

Para os comerciantes retallistas 38.000,00 € (IVE excluído) e para os titulares de obradoiros artesanais 23.000,00 € (IVE excluído) e a percentagem de subvenção a que se especifica em cada epígrafe.

3) Para as federações de comerciantes:

a) Para o desenvolvimento do m-commerce, aplicações informáticas (Apps) e webs para telemóveis. No desenho incluir-se-á no mínimo: desenho gráfico da aplicação, desenvolvimento e a publicação nas plataformas, assim como os idiomas. Deverão incluir actividades de promoção, publicidade, ofertas, etc.

Os projectos que se implantem deverão implicar ao menos 50 estabelecimentos comerciais.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 6.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 50 %.

Cada federação só poderá apresentar a solicitude para uma aplicação informática (apps).

4) Para as associações profissionais de artesãos:

a) Sistemas que, acrescentados ao produto ou ao seu empaquetado ou envase completem a sua informação, assinalando o processo de elaboração, a história, a rastrexabilidade ou outros valores acrescentados.

Neste caso, os projectos que se implantem deverão implicar ao menos 20 obradoiros.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 90.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 70 %.

b) Projectos de desenho e criação de novos produtos a partir da colaboração de dois ou mais artesãos e um desenhador.

Para estas actuações o investimento máximo subvencionável será de 80.000,00 €, IVE excluído, e a percentagem de subvenção do 70 %.

Os beneficiários só poderão solicitar uma actuação para cada epígrafe.

Em nenhum caso o custo da aquisição dos gastos subvencionáveis poderá ser superior ao valor de mercado.

Segundo o artigo 29.8 da Lei 9/2007, em nenhum caso se consideram gastos subvencionáveis os impostos indirectos quando sejam susceptíveis de recuperação ou compensação nem os impostos pessoais sobre a renda.

Assim mesmo, não serão subvencionáveis nesta ordem de ajudas, os seguintes conceitos:

– Ordenadores.

– Bolsas, etiquetas e caixas convencionais.

– Impresoras.

– Televisões.

– Sistemas de alarme ou similares.

– Os impostos recuperables ou repercutibles pelo beneficiário.

Artigo 2. Financiamento e concorrência

1. As subvenções que se estabeleçam para as actuações previstas nesta ordem financiar-se-ão com crédito correspondente às seguintes aplicações orçamentais 08.02.751A.770.1 «Melhora competitiva do comércio retallista. Renovação comércio retallista, fomento do emprendemento e regeneração comercial»; 08.02.751A.770.2 «Melhora competitiva do comércio retallista. Apoio à modernização e inovação das PME comerciais» e 08.02.751A.781.1 «Asociacionismo comercial e serviços para PME comerciais», com a seguinte desagregação:

08.02.751A.770.1: 1.900.000,00 €.

08.02.751A.770.2: 400.000,00 €.

08.02.751A.781.1: 200.000,00 €.

A concessão das subvenções fica condicionada à existência de crédito adequado e suficiente no momento da resolução de concessão.

2. O montante das subvenções reguladas nesta ordem em nenhum caso poderá ser de tal quantia que, isolada ou em concorrência com outras ajudas e subvenções das diferentes administrações ou quaisquer dos seus entes públicos e privados, nacionais ou internacionais, supere o custo total do investimento subvencionável.

3. As subvenções previstas nesta ordem serão incompatíveis com qualquer outra das reguladas por esta conselharia e entes dependente, para os mesmos conceitos subvencionáveis.

Artigo 3. Beneficiários

Poderão ser beneficiários das subvenções, sem prejuízo de reunir os demais requisitos estabelecidos nestas bases as pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas, comunidades de bens ou qualquer outro tipo de unidade económica ou património separado sem personalidade jurídica, legalmente constituídas, assim como as federações de comerciantes e as associações profissionais de artesãos, que em todos os casos cumprirão ademais os seguintes requisitos:

a) Comerciantes retallistas:

– Que desenvolvam a sua actividade comercial na Galiza e, assim mesmo, o seu domicílio social e fiscal consista na Comunidade Autónoma.

– Que, tendo a condição de peme conforme os requisitos estabelecidos pela Comissão Europeia na sua Recomendação 2003/361/CE, de 6 de maio de 2003 (DOUE 124, de 20 de maio, p. 36), empreguem menos de dez (10) trabalhadores e não tenham a consideração de grande estabelecimento comercial segundo a normativa aplicable.

– Que esteja dado de alta em algumas das epígrafes do IAE que se relacionam no anexo II e que este constitua a actividade principal do solicitante.

– Que figurem inscritos no Registro Galego de Comércio ou ter solicitada a inscrição com anterioridade à data de finalización do prazo de apresentação de solicitudes. As secções do Registro nas quais deber inscrever-se ou estar inscritos são:

Para comerciantes retallistas: procedimento IN227A-Secção primeira.

Para venda online: procedimento IN227C-Secção terceira.

Para venda ambulante: procedimento IN227D-Secção quarta.

O cumprimento deste requisito será comprovado de oficio pelo órgão instrutor e em nenhum caso a sua habilitação será motivo de requirimento.

b) Titulares de obradoiros artesanais:

– Que o obradoiro artesão figure inscrito no Registro Geral de Artesanato da Galiza.

– Que façam uso da marca «Artesanato da Galiza».

c) As federações de comerciantes sem fins de lucro, que estejam legalmente constituídas e cujo âmbito de actuação se desenvolva na Comunidade Autónoma da Galiza.

– Que figurem inscritas no Registro Galego de Comércio, no procedimento IN227F-Secção sexta.

d) As associações profissionais de artesãos da Galiza legalmente constituídas.

– Que ao menos 10 dos seus membros figurem inscritos no Registro Galego de Artesanato.

Não poderão ser beneficiários/as destas ajudas as empresas em crise, conforme a definição prevista no artigo 2 número 18 do Regulamento (CE) nº 651/2014, de 17 de junho de 2014, pelo que se declaram determinadas categorias de ajudas compatíveis com o comprado interior em aplicação dos artigos 107 e 108 do Tratado (DOUE 26.06.2014, L 187/1).

Artigo 4. Solicitudes

4.1. As solicitudes para participar no procedimento da concessão da subvenção apresentarão na forma e prazo que se indica na convocação. Junto com a solicitude deverá apresentar-se a seguinte documentação:

4.1.1. Documentação jurídico-administrativa da entidade solicitante (original ou cópia compulsada) que deverá estar em vigor:

Se é uma pessoa física:

– Só no caso de não autorizar a sua verificação, documento nacional de identidade ou número de identificação de estrangeiro.

No caso de pessoa jurídica:

– Número de identificação fiscal.

– Acta, escrita ou documento de constituição, estatutos e, se é o caso, modificação deles, devidamente legalizados. A referida documentação deverá acreditar que o seu objecto social abrange a actividade para a qual se solicita a subvenção.

– Só no caso de não autorizar a sua verificação, documento nacional de identidade e documento acreditativo de poder bastante para actuar ante a Administração do representante legal da entidade solicitante.

No caso de agrupamentos de pessoas físicas ou jurídicas, públicas ou privadas sem personalidade jurídica, comunidades de bens ou qualquer outro tipo de unidade económica ou património separado sem personalidade jurídica:

– Número de identificação fiscal.

– Acta, escrita ou documento de constituição, estatutos e, se é o caso, modificação deles, devidamente legalizados. A referida documentação deverá acreditar que o seu objecto social abrange a actividade para a qual se solicita a subvenção.

Deverão constar expressamente (anexo V) os compromissos de execução assumidos por cada membro do agrupamento e o montante de subvenção que se aplicará por cada um, que terão igualmente a consideração de beneficiários. Deverá nomear-se um representante único do agrupamento, com poderes suficientes para cumprir as obrigas que correspondem ao agrupamento. Não poderá dissolver-se até que transcorra o prazo de prescrição previsto nos artigos 35 e 63 da Lei de subvenções da Galiza.

No caso de federações de comerciantes ou associações profissionais de artesãos:

– Acta e estatutos de constituição e modificações posteriores, se é o caso, e habilitação da sua inscrição no registro correspondente, assim como o código de identificação fiscal.

– Poder suficiente de quem represente à entidade solicitante, junto com o seu documento nacional de identidade, só no caso de não autorizar a sua verificação.

– Certificado expedido pela pessoa que exerça a secretaria ou representação da federação ou associação profissional de artesãos que acredite o número de associados que a integram.

– No caso de estar exento do imposto sobre o valor acrescentado (IVE), documentação acreditativa da mencionada isenção.

– Para as federações de comerciantes, relatório da mesa local de comércio correspondente, relativo à solicitude de subvenção, de conformidade com o disposto no artigo 3.b) do Decreto 183/2011, de 15 de setembro, pelo que se regulam as mesas locais de comércio.

4.1.2. No caso de comerciantes retallistas, certificação expedida pela Agência Tributária na qual se indiquem as epígrafes do imposto de actividades económicas em que figura dada de alta a entidade solicitante. Se está dado de alta em mais de uma actividade económica, justificar qual delas é a principal, no caso de sociedades declaração anual do IVE (modelo 390) do ano anterior; no caso de pessoas físicas IRPF do ano anterior; no caso de comunidades de bens ou sociedades civis documento acreditativo oficial da actividade principal.

4.1.3. Certificações emitidas pelos organismos competentes acreditativas de estar ao dia no cumprimento das suas obrigas com a Agência Estatal da Administração Tributária, a Tesouraria Geral da Segurança social e a Conselharia de Fazenda da Xunta de Galicia.

As certificações indicadas nos pontos 4.1.2 e 4.1.3 só se devem apresentar em caso que a entidade solicitante recuse expressamente a autorização ao órgão xestor para que a solicite de oficio. Se o certificado dispõe de código electrónico de verificação com a Administração pública correspondente, poderá apresentar-se o supracitado documento sem compulsar.

4.1.4. No caso de comerciantes retallistas: relatório emitido pela Segurança social de vida laboral com todos os códigos de conta de cotação do solicitante ou, se é o caso, certificação da Segurança social da não existência de trabalhadores.

4.1.5. Projecto e memória de viabilidade de cada uma das actuações para as quais se solicita subvenção, que incluirá a sua descrição, objectivos e valoração económica das actuações que se pretendem executar. No caso dos comerciantes retallistas que solicitem as actuações definidas no artigo 1, número 1), a) e b) das bases da convocação, remeterão ao mesmo tempo fotografias ou documentos gráficos do local antes de iniciar as actuações.

4.1.6. Facturas ou, no seu defeito, facturas pró forma ou orçamento detalhada de gastos previstos para a realização de cada uma das actividades ou aquisições para as quais se solicita subvenção. Não terão a consideração de orçamentos as estimações de gastos realizadas pelo solicitante e que careçam do suporte da oferta do provedor ou tarifa oficial do gasto, nem se admitirão aqueles orçamentos que não apresentem a suficiente desagregação para determinar o carácter subvencionável dos conceitos relacionados nele.

As ofertas apresentadas e os provedores eleitos supõem uma documentação vinculante para o desenvolvimento do projecto no caso de ser beneficiário da ajuda. Não se considerarão subvencionáveis, parcial ou totalmente, aqueles investimentos dos cales não se presente documentação económica completa conforme ao aqui recolhido.

4.1.7. Para os efeitos assinalados no artigo 10 destas bases, apresentar-se, de ser o caso, a seguinte documentação que em nenhum caso será objecto de requirimento:

Para os comerciantes retallistas e titulares de obradoiros artesanais:

– Certificado expedido pelo órgão competente de estar integrado num shopping aberto, associação de comerciantes, empresários ou artesãos.

– Alta no imposto de actividades económicas do local aberto durante o ano 2014.

Para as federações de comerciantes ou associações profissionais de artesãos:

– Certificação emitida pela pessoa que exerça a secretaria da entidade solicitante, onde se faça constar a relação de estabelecimentos comerciais ou obradoiros artesãos que estão implicados na implantação do projecto.

– Em caso que o projecto implique o estabelecimento de uma política ambiental que contribua à melhora da sustentabilidade, emprego de materiais ecológicos e reciclables em envases, embalagens, assim como a adopção de outras medidas de redução de impacto ambiental, certificado emitido pela secretaria da entidade.

A documentação complementar poder-se-á apresentar electronicamente utilizando qualquer procedimento de cópia dixitalizada do documento original. Neste caso, as cópias dixitalizadas apresentadas garantirão a fidelidade com o original baixo a responsabilidade da pessoa solicitante ou representante. A Administração poderá requerer a exibição do documento original para o cotexo da cópia electrónica apresentada segundo o disposto no artigo 35.2 da Lei 11/2007, de 22 de junho, de acesso dos cidadãos aos serviços públicos e 22.3 do Decreto 198/2010, de 2 de dezembro, pelo que se regula o desenvolvimento da Administração electrónica na Xunta de Galicia e nas entidades dela dependentes.

A documentação complementar também se poderá apresentar em formato papel em qualquer dos lugares e registros estabelecidos no artigo 38.4 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum.

As cópias dos documentos desfrutarão da mesma validade e eficácia que os seus originais sempre que exista constância de que sejam autênticas.

Sempre que se realize a apresentação de documentos separadamente da solicitude, a pessoa interessada ou representante deverá mencionar o código e o órgão responsável do procedimento, o número de expediente e o número ou código único de registro.

Artigo 5. Consentimentos e autorizações

1. A tramitação do procedimento requer a verificação de dados em poder das administrações públicas. Portanto, os modelos de solicitude incluirão autorizações expressas ao órgão xestor para realizar as comprobações oportunas que acreditem a veracidade dos dados. Em caso que não se autorize o órgão xestor para realizar esta operação, deverão achegar-se os documentos comprobantes dos dados nos termos exixidos pelas normas reguladoras do procedimento.

2. Às solicitudes das pessoas interessadas dever-se-ão juntar os documentos ou informações previstos nesta norma, salvo que estes já estivessem em poder da Administração geral e do sector público autonómico da Galiza; neste caso, as pessoas interessadas poderão acolher-se ao estabelecido na letra f) do artigo 35 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum, sempre que se faça constar a data e o órgão ou a dependência em que foram apresentados ou, se é o caso, emitidos, e quando não transcorressem mais de cinco anos desde a finalización do procedimento a que correspondam.

Nos supostos de imposibilidade material de obter o documento, o órgão competente poderá requerer à pessoa solicitante ou representante a sua apresentação, ou, no seu defeito, a habilitação por outros meios dos requisitos a que se refere o documento, com anterioridade à formulação da proposta de resolução.

3. A apresentação da solicitude de concessão de subvenção pela pessoa interessada ou representante comportará a autorização ao órgão xestor para solicitar as certificações que devam emitir a Agência Estatal da Administração Tributária, a Tesouraria Geral da Segurança social e a conselharia competente em matéria de fazenda da Xunta de Galicia segundo o estabelecido no artigo 20.3 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza. Não obstante, a pessoa solicitante poderá recusar expressamente o consentimento; deverá apresentar neste caso a certificação nos termos previstos regulamentariamente.

4. De conformidade com o artigo 13.4 da Lei 4/2006, de 30 de junho, de transparência e de boas práticas na Administração pública galega, e com o previsto no Decreto 132/2006, de 27 de julho, pelo que se regulam os registros públicos criados nos artigos 44 e 45 da Lei 7/2005, de 29 de dezembro, de orçamentos gerais da Comunidade Autónoma da Galiza para o ano 2006, a Conselharia publicará na sua página web oficial a relação dos beneficiários e o montante das ajudas concedidas. Incluirá, igualmente, as referidas ajudas e as sanções que, como consequência delas, possam impor-se nos correspondentes registros públicos, pelo que a apresentação da solicitude leva implícita a autorização para o tratamento necessário dos dados dos beneficiários e a referida publicidade.

Artigo 6. Dados de carácter pessoal

De conformidade com a Lei orgânica 15/1999, do 13 dezembro, de protecção de dados de carácter pessoal, os dados pessoais recolhidos na tramitação desta disposição, cujo tratamento e publicação autorizam as pessoas interessadas mediante a apresentação de solicitudes, serão incluídos num ficheiro denominado Relações administrativas com a cidadania e entidades» cujo objecto é gerir o presente procedimento, assim como para informar as pessoas interessadas sobre o seu desenvolvimento. O órgão responsável deste ficheiro é a Secretaria-Geral Técnica da Conselharia de Economia e Indústria. Os direitos de acesso, rectificação, cancelamento e oposição poder-se-ão exercer ante a Secretaria-Geral Técnica da Conselharia de Economia e Indústria, mediante o envio de uma comunicação ao seguinte endereço: Edifício Administrativo São Caetano, s/n, bloco 5, planta 4ª, 15781  Santiago de Compostela, ou através de um correio electrónico a lopd.industria@xunta.es

Artigo 7. Órgãos competentes

A Direcção-Geral de Comércio será o órgão competente para a instrução do procedimento de concessão da subvenção, assim como para realizar a proposta de resolução ao conselheiro, correspondendo ao conselheiro de Economia e Indústria ditar a resolução que corresponda, sem prejuízo da delegação noutros órgãos.

Artigo 8. Instrução dos procedimentos

1. De conformidade com o estabelecido no artigo 71 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum, se a solicitude não reúne algum dos requisitos exixidos nestas bases reguladoras ou na correspondente convocação, requerer-se-á a pessoa interessada para que, num prazo de dez dias hábeis, emende a falta ou presente os documentos preceptivos. Neste requirimento fá-se-á indicação expressa de que, se assim não o fizer, se terá por desistido na sua petição, depois da correspondente resolução, que deverá ser ditada nos termos previstos no artigo 42 da supracitada lei.

2. Sem prejuízo do disposto no parágrafo anterior, poderá requerer-se o solicitante para que subministre quantos dados, documentos complementares e esclarecimentos resultem necessários para a tramitação e resolução do procedimento.

3. Uma vez revistas as solicitudes e feitas as emendas, aqueles expedientes administrativos que reúnam todos os requisitos e a documentação necessária serão remetidos à comissão encarregada da sua valoração, de acordo com o estabelecido no artigo seguinte.

4. Os expedientes que não cumpram as exixencias contidas nestas bases ou na normativa de aplicação, ou que não contenham a documentação necessária, ficarão à disposição do órgão instrutor para que formule a proposta de resolução de inadmissão, na qual se indicarão as causas desta.

Artigo 9. Comissão de valoração

1. A comissão de valoração será o órgão colexiado encarregado de valorar as solicitudes de acordo com os critérios objectivos fixados no artigo seguinte, assim como de propor a concessão ou denegação das subvenções aos interessados.

2. A composição da comissão de valoração será a seguinte:

1º. Presidente: subdirector/a da Direcção-Geral de Comércio.

2º. Vogal: um/a chefe/a de serviço da Direcção-Geral de Comércio.

3º. Vogal: um/a chefe/a de secção da Direcção-Geral de Comércio.

4º. Vogal: um/a técnico da Direcção-Geral de Comércio, que fará as funções de secretário.

3. Na proposta de concessão que formule a comissão figurarão de modo individualizado os solicitantes propostos para obter a subvenção, especificando-se a valoração que lhes corresponde segundo os critérios recolhidos no artigo seguinte. Assim mesmo, indicar-se-á o montante da subvenção para cada um deles, até esgotar o crédito disponível.

4. O resto das actuações subvencionáveis ficará em reserva para ser atendidas, bem com o crédito que ficara livre de produzir-se alguma renúncia ou modificação nos projectos inicialmente subvencionados, bem com o incremento dos créditos orçamentais destinados a estas subvenções. Para estes efeitos, poderão realizar-se sucessivas propostas de resolução conforme o assinalado neste artigo.

Artigo 10. Critérios de valoração

a) Para os comerciantes retallistas e titulares de obradoiros artesanais:

a.1) Adesão ao sistema arbitral de consumo de forma indefinida: 2 pontos.

a.2) Por pertença a uma associação de comerciantes, empresários ou artesãos, ou por estar integrado num shopping aberto: 2 pontos.

a.3) Não perceber nenhuma ajuda convocada pela Direcção-Geral de Comércio nos últimos 3 anos (2012-2014): 3 pontos.

a.4) Por exercer a actividade num município de menos de 5.000 habitantes: 2 pontos.

a.5) Em caso que o local onde se desenvolve a actividade esteja situado nas câmaras municipais dos planos: Impulsiona-Lugo, Impulsiona-Ourense, Plano Ferrol, Eume e Ortegal ou Plano Revive Costa da Morte, os quais se indicam a seguir: 1 ponto.

– Câmaras municipais das comarcas de Ferrol, Eume e Ortegal: câmaras municipais da Capela, As Pontes de García Rodríguez, Ares, Cabanas, Cariño, Cedeira, Cerdido, Fene, Ferrol, Mañón, Moeche, Monfero, Mugardos, Narón, Neda, Ortigueira, Pontedeume, San Sadurniño, As Somozas, Valdoviño.

– Câmaras municipais da Costa da Morte: A Laracha, Cabana de Bergantiños, Camariñas, Carballo, Carnota, Cee, Corcubión, Coristanco, Dumbría, Fisterra, Laxe, Malpica de Bergantiños, Mazaricos, Muros, Muxía, Ponteceso, Santa Comba, Vimianzo, Zas.

– Câmaras municipais da província de Lugo.

– Câmaras municipais da província de Ourense.

a.6) Pela abertura de um novo estabelecimento comercial durante o ano 2014: 1 ponto.

No caso de comerciantes retallistas que não possuam estabelecimento comercial aberto, para os efeitos dos pontos a.4) e a.5), considerar-se-á o município de exercício e desenvolvimento da sua actividade aquele onde se localize o seu domicílio fiscal.

Uma vez esgotado o crédito disponível, em caso que mais de uma solicitude obtenha a mesma pontuação, o desempate realizar-se-á tendo em conta os seguintes critérios:

1. Não perceber nenhuma ajuda convocada pela Direcção-Geral de Comércio nos últimos 3 anos (2012-2014).

2. Exercer a actividade num município de menos de 5.000 habitantes.

3. Adesão ao sistema arbitral de consumo.

b) Para as federações de comerciantes e associações profissionais de artesãos.

b.1) A qualidade do projecto, a adequação dos objectivos e a necessidade e coerência da actuação a subvencionar, de 1 a 5 pontos.

b.2) Implantação dos projectos.

No caso de federações de comerciantes:

Se a implantação do projecto implica a mais de 50 estabelecimentos comerciais, 2 pontos; de 61 a 70 estabelecimentos comerciais, 3 pontos; 71 estabelecimentos comerciais ou mais 4 pontos.

No caso de associações profissionais de artesãos:

Se a implantação do projecto implica a mais de 20 obradoiros, 2 pontos; de 31 a 39 obradoiros, 3 pontos; 40 obradoiros ou mais 4 pontos.

b.3) Se o projecto implica o estabelecimento de uma política ambiental que contribua à melhora da sustentabilidade, emprego de materiais ecológicos e reciclables em envases, embalagens, assim como a adopção de outras medidas de redução de impacto ambiental, 2 pontos.

Uma vez esgotado o crédito disponível, em caso que mais de uma solicitude obtenha a mesma pontuação, o desempate realizar-se-á tendo em conta os seguintes critérios:

1. A maior pontuação na qualidade do projecto, na adequação dos objectivos e na necessidade e coerência da actuação para subvencionar.

2. A maior implantação dos projectos.

A documentação que acredite o cumprimento dos critérios estabelecidos neste artigo em nenhum caso será objecto de requirimento.

Artigo 11. Audiência

1. Instruído o procedimento, e imediatamente antes de redigir a proposta de resolução, pôr-se-á de manifesto os interessados para que, num prazo de dez dias, possam formular alegações e apresentar os documentos e justificações que considerem pertinentes.

2. Não obstante, poder-se-á prescindir do trâmite a que se refere o ponto anterior quando não figurem no procedimento nem se vão ter em conta na resolução outros factos nem outras alegações ou provas que as aducidas pelo interessado.

Artigo 12. Resolução e notificação

1. Uma vez concluído o trâmite de audiência, o instrutor formulará a proposta de resolução, que se elevará, através do órgão instrutor, ao conselheiro.

2. O conselheiro, em vista da proposta, ditará a correspondente resolução que deverá estar devidamente motivada e expressará, quando menos, a actuação que se subvenciona e o seu custo, assim como a subvenção concedida e a sua quantia ou, se é o caso, a causa de denegação.

Em nenhum caso o montante das subvenções concedidas poderá superar o custo da actividade que vai desenvolver o beneficiário, ou, se é o caso, a percentagem máxima do investimento subvencionável estabelecido.

3. O prazo máximo para resolver e notificar a resolução ao interessado será de cinco meses, contados a partir do dia seguinte ao do remate de apresentação de solicitudes. Se transcorresse o prazo máximo para resolver sem que recaese resolução expressa, os interessados poderão perceber desestimadas as suas solicitudes por silêncio administrativo.

4. Todas as resoluções serão notificadas de acordo com o estabelecido na Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum.

Nessa notificação comunicar-se-á o montante previsto da ajuda, expressado em equivalente bruto de subvenção, e o seu carácter de ajuda de minimis, em aplicação do Regulamento (UE) nº 1407/2013 da Comissão, de 18 de dezembro de 2013, relativo à aplicação dos artigos 107 e 108 do Tratado de funcionamento da União Europeia às ajudas de minimis (DOUE 24.12.2013, L352/1).

As resoluções de inadmissão ou desestimación de solicitudes notificar-se-ão individualmente, com indicação das suas causas.

Artigo 13. Regime de recursos

As resoluções ditadas ao abeiro da correspondente ordem de convocação porão fim à via administrativa e contra é-las poderão interpor-se os seguintes recursos, sem prejuízo de que os interessados possam exercer quaisquer outro que considerem procedente:

1. Recurso potestativo de reposición ante o conselheiro de Economia e Indústria, no prazo de um mês contado a partir do dia seguinte ao da notificação da resolução, se esta for expressa, ou de três meses contados a partir do seguinte a aquele em que se produza o acto presumível.

2. Recurso contencioso-administrativo ante a Sala do Contencioso-Administrativo do Tribunal Superior de Justiça da Galiza, no prazo de dois meses contados desde o dia seguinte ao da notificação da resolução, se esta for expressa, ou de seis meses contados a partir do seguinte a aquele em que se produza o acto presumível.

Artigo 14. Modificação da resolução

1. Toda a alteração das condições tidas em conta para a concessão da subvenção e, em todo o caso, a obtenção concorrente de subvenções ou ajudas outorgadas por outras administrações ou entes públicos ou privados, nacionais ou internacionais, poderão dar lugar à modificação da resolução de concessão.

2. O órgão competente para a concessão da subvenção poderá acordar a modificação da resolução por instância do beneficiário, cumprindo-se, em todo o caso, os seguintes requisitos:

1º. Que a actividade, conduta ou modificação do projecto esteja compreendida dentro da finalidade das normas ou bases reguladoras.

2º. Que se acredite a inexistência de prejuízos a terceiros.

3º. Que os novos elementos e circunstâncias que motivem a modificação, de ter concorrido na concessão inicial, não suponham a denegação da ajuda ou subvenção.

3. O beneficiário deverá solicitar a modificação mediante instância dirigida ao conselheiro de Economia e Indústria junto com a documentação acreditativa do cumprimento dos requisitos assinalados no ponto anterior, com um limite de vinte dias hábeis antes da data de finalización do prazo de justificação do investimento.

4. O acto pelo que se acorde a modificação da resolução ou, se é o caso, se recuse, será ditado pelo órgão concedente depois da instrução do correspondente expediente, no qual se dará audiência aos interessados na forma prevista no artigo 11 destas bases.

Artigo 15. Aceitação e renúncia

1. Sem prejuízo dos recursos que procedam contra a resolução, transcorridos dez dias hábeis desde a notificação ou publicação desta sem que o interessado comunicasse expressamente a sua renúncia à subvenção, perceber-se-á que a aceita e, desde esse momento, adquirirá a condição de beneficiário.

2. A renúncia à subvenção, devidamente motivada, poder-se-á fazer por qualquer meio que permita a sua constância, de acordo com o estabelecido no artigo 91 da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum.

3. Em caso de que se comunicasse a renúncia em prazo, o conselheiro ditará a correspondente resolução nos termos do artigo 42.1 da mesma lei.

Artigo 16. Obrigas dos beneficiários

São obrigas do beneficiário:

1º. Cumprir o objectivo, executar o projecto, realizar a actividade ou adoptar o comportamento que fundamenta a concessão da subvenção.

2º. Justificar ante o órgão concedente o cumprimento dos requisitos e das condições, assim como a realização da actividade e o cumprimento da finalidade que determinem a concessão ou o desfrute da subvenção.

3º. Submeter às actuações de comprobação que efectuará o órgão concedente, ou a qualquer outra actuação, seja de comprobação e controlo financeiro, que possam realizar os órgãos de controlo competentes, tanto autonómicos coma estatais ou comunitários, para o qual se achegará quanta informação lhes seja requerida no exercício das actuações anteriores.

4º. Comunicar ao órgão concedente a obtenção de outras subvenções, ajudas, ingressos ou recursos que financiem as actividades subvencionadas, especificando aquelas ajudas de minimis obtidas, para os efeitos de poder comprovar o cumprimento do limite cuantitativo ao que faz referência o artigo 1.2 destas bases. Assim mesmo, comunicar a modificação das circunstâncias que fundamentaram a concessão da subvenção.

5º. Acreditar com anterioridade a se ditar a proposta de resolução de concessão que está ao dia no cumprimento das suas obrigas tributárias e face à Segurança social e que não tem pendente de pagamento nenhuma outra dívida com a Administração pública da Comunidade Autónoma, na forma que se determine regulamentariamente, e sem prejuízo do estabelecido na disposição adicional décimo oitava da Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum.

Esta comunicação deverá efectuar no momento em que se conheça e, em todo o caso, com anterioridade à justificação da aplicação dada aos fundos percebidos.

6º. Manter os investimentos subvencionados com a ajuda outorgada e a aplicação dos fundos recebidos, durante um período de três anos desde a sua concessão.

7º. Proceder ao reintegro dos fundos percebidos nos supostos previstos no artigo 33 da supracitada lei.

8º. Conservar os documentos xustificativos da aplicação dos fundos recebidos, incluídos os documentos electrónicos em canto possam ser objecto das actuações de comprobação e controlo.

Artigo 17. Obrigas específicas de publicidade

Adoptar as medidas de difusão contidas no ponto 3 do artigo 15 da Lei 9/2007, de subvenções da Galiza.

Os beneficiários deverão dar a adequada publicidade do carácter público do financiamento em todas as actuações que derivem da execução do projecto, em cumprimento do artigo 15.3º da Lei 9/2007, de subvenções da Galiza. Em concreto, as entidades beneficiárias de ajudas deverão fazer constar o cofinanciamento dos activos adquiridos ao abeiro desta ajuda com fundos da Xunta de Galicia através da Conselharia de Economia e Indústria. Para isto empregarão adhesivos ou distintivos similares com a lenda «Projecto confinanciado», acompanhada do escudo normalizado da Xunta de Galicia.

Artigo 18. Subcontratación

Percebe-se que um beneficiário subcontrata quando concerta com terceiros a execução total ou parcial da actividade que constitua o objecto da subvenção. Fica fora deste conceito a contratação daqueles gastos em que tenha que incorrer o beneficiário para a realização por sim mesmo da actividade subvencionada.

Será de aplicação o disposto nos artigos 27 da Lei 9/2007 e 43 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o regulamento da Lei 9/2007.

Faz-se especial indicação de que as pessoas ou entidades subcontratadas não poderão estar vinculadas com a entidade solicitante salvo que concorram as seguintes circunstâncias:

1ª. Que a contratação se realize de acordo com as condições normais de mercado.

2ª. Que se solicite e conceda a sua autorização prévia (a solicitude de autorização e a sua justificação apresentar-se-ão junto com a solicitude de subvenção).

Artigo 19. Justificação da subvenção

1. O pagamento da subvenção ficará condicionada à apresentação, nos lugares assinalados no artigo 2.2. da convocação e ata o 10 de outubro de 2015, do original ou cópia compulsada da seguinte documentação:

a) Xustificantes dos investimentos: facturas dos provedores e demais documentos de valor probatorio equivalente no trânsito jurídico mercantil e com eficácia administrativa nos termos que se estabeleçam regulamentariamente (montante sem IVE e montante total), em relação com os gastos subvencionáveis, emitidas dentro do período compreendido entre o 1 de janeiro de 2015 e a data limite de justificação.

b) Justificação dos pagamentos: acreditar-se-á através de transferência bancária, certificação bancária ou extracto de pagamento compreendido entre data de início do projecto e a data limite da justificação do projecto. Nestes documentos deverão ficar claramente identificados o receptor e o emissor do pagamento, assim como o número de factura objecto do pagamento e a data dele. Não se admitirão os pagamentos em efectivo.

Assim mesmo, não se admitirão como xustificantes os obtidos através da internet se não estão validados pela entidade bancária ou dispõem de códigos para a sua verificação por terceiros na sede electrónica da supracitada entidade bancária.

c) Fotografias das zonas reformadas que mostrem as obras realizadas objecto da subvenção, assim como das actuações de melhora da imagem, que serão tomadas desde o mesmo ângulo desde o que se realizaram as remetidas com a solicitude.

d) Anexo VI da ordem de convocação devidamente assinado.

e) Em caso que a subvenção concedida tenha por objecto a construção de uma página web, habilitação do registro do domínio da página.

f) Em caso que o solicitante recusasse expressamente a autorização ao órgão xestor, certificações expedidas pelos organismos competentes, acreditativas de estar ao dia no cumprimento das suas obrigas tributárias e com a Segurança social, e de não ter pendente de pagamento nenhuma dívida, por nenhum conceito, com a Administração pública da Comunidade Autónoma. Se o certificado dispõe de código electrónico de verificação com a Administração pública correspondente, poderá apresentar-se o dito documento sem compulsar.

2. Os órgãos competentes da Conselharia de Economia e Indústria poderão solicitar os esclarecimentos ou relatórios relativos à justificação do investimento que considerem convenientes.

Artigo 20. Pagamento

1. Recebida a documentação xustificativa da subvenção, os órgãos competentes da conselharia, antes de proceder ao seu pagamento, poderão realizar as actuações de comprobação oportunas para verificar o cumprimento da actividade subvencionada.

2. O libramento da subvenção abonar-se-á num único pagamento, mediante transferência bancária à entidade financeira ao número de conta designado pelo beneficiário.

3. As subvenções minoraranse proporcionalmente se o investimento justificado é inferior ao orçamento que serviu de base para a resolução de concessão, sempre que esteja garantida a consecução do objecto. Em caso de concorrência com outras subvenções ou ajudas observar-se-á o estabelecido no artigo 2 desta ordem.

Artigo 21. Não cumprimento, reintegros e sanções

1. Nos supostos de falta de justificação, de concorrência de alguma das causas previstas no artigo 33 da Lei de subvenções da Galiza ou de não cumprimento dos deveres contidos nestas bases reguladoras, na convocação ou na demais normativa aplicable, assim como das condições que, se é o caso, se estabeleçam na resolução de concessão, produzir-se-á a perda do direito ao cobramento total ou parcial da subvenção, assim como o reintegro total ou parcial das quantidades percebidas e a exixencia do juro de mora correspondente desde o momento do pagamento da subvenção, incluindo a data em que se acorde a origem do reintegro.

2. O procedimento para declarar a origem da perda deste direito será o estabelecido no artigo 38 da Lei de subvenções da Galiza.

3. Não cumprimento parcial: sempre que se cumpram os requisitos ou condições essencial tomados em conta na concessão das ajudas, a Direcção-Geral de Comércio poderá apreciar um não cumprimento parcial, e deverá resolver sobre o seu alcance, aplicando a mesma ponderación que tivesse a condição incumprida na resolução de concessão e, se e o caso, estabelecendo a obriga de reintegro.

Quando se trate de condições referentes à quantia ou conceitos da base subvencionável, o alcance do não cumprimento determinar-se-á proporcionalmente ao gasto deixado de praticar ou aplicado a conceitos diferentes dos considerados subvencionáveis e, se é o caso, deverão reintegrarse as quantidades percebidas na dita proporção. Com carácter geral, se o não cumprimento supera o 65 % da base subvencionável do projecto, perceber-se-á que o dito não cumprimento é total, e deverão reintegrarse todas as quantidades percebidas e os seus juros de demora.

4. Aos beneficiários das subvenções reguladas nestas bases ser-lhes-á de aplicação o regime de infracções e sanções previsto no título IV da dita Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

Artigo 22. Controlo

1. A Conselharia de Economia e Indústria poderá levar a cabo as actividades de inspecção que considere oportunas para controlar o cumprimento das subvenções.

2. À parte do anterior, as subvenções estarão submetidas à função interventora e de controlo financeiro exercido pela Intervenção Geral da Comunidade Autónoma, nos termos que estabelece o título III da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

Assim mesmo, estará submetida às actuações de comprobação previstas na legislação do Tribunal de Contas e do Conselho de Contas, assim como, de ser o caso, às dos serviços financeiros da Comissão Europeia e do Tribunal de Contas Europeu.

Artigo 23. Publicidade

No prazo máximo de três meses, contado desde a data de resolução da concessão, publicar-se-á no Diário Oficial da Galiza a relação das subvenções concedidas com indicação da norma reguladora, beneficiário, crédito orçamental, quantia e finalidade da subvenção.

Não obstante o anterior, quando os montantes das subvenções concedidas, individualmente consideradas, sejam de quantia inferior a 3.000 euros, não será necessária a publicação no Diário Oficial da Galiza, e será substituída pela publicação das subvenções concedidas na página web da Conselharia de Economia e Indústria.

Artigo 24. Remisión normativa

Para todo o não previsto nestas bases se aplicará o previsto na Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza; no regulamento desta lei, aprovado pelo Decreto 11/2009, de 8 de janeiro; na Lei 30/1992, de 26 de novembro, de regime jurídico das administrações públicas e do procedimento administrativo comum; no texto refundido da Lei de regime financeiro e orçamental da Galiza, aprovado pelo Decreto legislativo 1/1999, de 7 de outubro, e modificado pela Lei 5/2000, de 28 de dezembro; na Lei de orçamentos gerais da Comunidade Autónoma da Galiza vigente na anualidade, no Regulamento (UE) nº 1407/2013 da Comissão, de 18 de dezembro, relativo à aplicação dos artigos 107 e 108 do Tratado de funcionamento da União Europeia às ajudas de minimis (DOUE 24.12.2013, L352/1) e no resto de normativa que resulte de aplicação.

ANEXO II
Epígrafes do IAE subvencionáveis

641. Comércio a varejo de frutas, verduras, hortalizas e tubérculos.

642. Comércio a varejo de carnes e miúdos; de produtos derivados cárnicos elaborados: de ovos, aves, coelhos de granja, caça; e de produtos derivados deles.

643. Comércio a varejo de peixes e de outros produtos da pesca e da acuicultura e caracois.

644. Comércio a varejo de pan, pastelaría, confeitaría e similares, e de leite e produtos lácteos.

645. Comércio a varejo de vinhos e bebidas de todas classes.

647.1. Comércio a varejo de produtos alimenticios e de bebidas em estabelecimentos com vendedor.

647.2. Comércio a varejo de produtos alimenticios e de bebidas em regime de autoservizo ou misto em estabelecimentos cuja sala de vendas tenha uma superfície inferior a 120 metros quadrados.

647.3. Comércio a varejo de qualquer classe de produtos alimenticios e de bebidas em regime de autoservizo ou misto em supermercados, denominados assim quando a superfície da sua sala de vendas se encontre compreendida entre 120 e 399 metros quadrados.

651. Comércio a varejo de produtos têxtiles, confecção, calçado, peles e artigos de couro.

652.2. Comércio a varejo de produtos de drogaría, perfumaria e cosmética, limpeza, pinturas, vernices, disolventes, papéis e outros produtos para a decoración e de produtos químicos.

652.3. Comércio a varejo de produtos de perfumaria e cosmética, e de artigos para higiene e aseo pessoal.

652.4. Comércio a varejo de plantas e ervas em herbolarios.

653. Comércio a varejo de artigos para o equipamento do fogar e a construção.

654.2. Comércio a varejo de accesorios e peças de recambio para veículos.

654.5. Comércio a varejo de toda a classe de maquinaria.

657. Comércio a varejo de instrumentos musicais em geral, assim como dos seus accesorios.

659.2. Comércio a varejo de mobles de escritório e máquinas e equipamentos de escritório.

659.3. Comércio a varejo de aparelhos e instrumentos médicos, ortopédicos, ópticos e fotográficos.

659.4. Comércio a varejo de livros, jornais, artigos de papelaría e escritorio e artigos de debuxo e belas artes.

659.5. Comércio a varejo de artigos de xoiaría, reloxaría, prataría e bixutaría.

659.6. Comércio a varejo de brinquedos, artigos de desporto, roupa desportiva, de vestido, calçado e lacado, armas, cartucharía e artigos de pirotecnia.

659.7. Comércio a varejo de sementes, fertilizantes, flores e plantas e pequenos animais.

661.3. Comércio a varejo em armazéns populares, percebendo por tais aqueles estabelecimentos que oferecem em secções múltiplas e vendem em autoservizo ou em preselección um variado relativamente amplo e pouco aprofundo de bens de consumo, com uma gama de preços baixa e um serviço reduzido.

662.2. Comércio a varejo de toda a classe de artigos.

663. Comércio a varejo fora de um estabelecimento comercial permanente.

ANEXO III
Câmaras municipais com menos de 5.000 habitantes (cifras oficiais da população o 1.1.2013)

A Corunha

Lugo

Câmara municipal

Hab.

Câmara municipal

Hab.

Câmara municipal

Hab.

Aranga

2051

Abadín

2721

Ribas de Sil

1033

Baña, A

3849

Alfoz

1946

Ribeira de Piquín

609

Boimorto

2154

Antas de Ulla

2171

Riotorto

1417

Boqueixón

4370

Vazia

1420

Samos

1502

Cabana de Bergantiños

4716

Baralha

2798

Saviñao, O

4202

Cabanas

3287

Barreiros

3061

Sober

2469

Capela, A

1366

Becerreá

3048

Taboada

3173

Cariño

4337

Begonte

3231

Trabada

1228

Carnota

4504

Bóveda

1570

Triacastela

739

Cerdido

1258

Carballedo

2465

Valadouro, O

2100

Cesuras

2131

Castroverde

2840

Vicedo, O

1898

Coirós

1751

Cervantes

1563

Xermade

2071

Corcubión

1654

Cervo

4430

Xove

3497

Curtis

4112

Corgo, O

3761

Dodro

2934

Cospeito

4954

Dumbría

3216

Folgoso do Courel

1136

Fisterra

4907

Fonsagrada, A

4059

Frades

2509

Friol

4071

Irixoa

1442

Guntín

2980

Laxe

3267

Incio, O

1822

Lousame

3493

Láncara

2839

Mañón

1507

Lourenzá

2348

Mazaricos

4141

Meira

1769

Mesía

2849

Mondoñedo

4074

Moeche

1335

Monterroso

3888

Monfero

2109

Muras

723

Oza dos Ríos

3204

Navia de Suarna

1299

Paderne

2534

Negueira de Muñiz

217

Pino, O

4708

Nogais, As

1270

Rois

4818

Ourol

1123

San Sadurniño

3020

Palas de Rei

3613

Santiso

1785

Pantón

2772

Sobrado

2016

Paradela

2004

Somozas, As

1249

Pára-mo, O

1520

Toques

1265

Pastoriza, A

3362

Tordoia

3817

Pedrafita do Cebreiro

1175

Touro

3919

Pobra do Brollón, A

1894

Traço

3343

Pol

1757

Val do Dubra

4136

Pontenova, A

2610

Vilarmaior

1247

Portomarín

1654

Vilasantar

1362

Quiroga

3552

Zas

4983

Rábade

1637

Ourense

Pontevedra

Câmara municipal

Hab.

Câmara municipal

Hab.

Câmara municipal

Hab.

Amoeiro

2257

Monterrei

2875

Agolada

2745

Arnoia, A

1048

Muíños

1744

Arbo

2967

Avión

2323

Nogueira de Ramuín

2271

Barro

3712

Baltar

1028

Oímbra

2019

Campo Lameiro

1982

Bande

1890

Paderne de Allariz

1545

Catoira

3421

Baños de Molgas

1727

Padrenda

2135

Cerdedo

1865

Beade

465

Parada de Sil

642

Cotobade

4359

Beariz

1136

Peroxa, A

2030

Covelo

2800

Blancos, Os

908

Petín

986

Crescente

2314

Boborás

2737

Piñor

1280

Cuntis

4913

Bola, A

1361

Pobra de Trives, A

2319

Dozón

1241

Bolo, O

1060

Pontedeva

644

Forcarei

3820

Calvos de Randín

1028

Porqueira

961

Fornelos de Montes

1864

Carballeda de Avia

1438

Punxín

776

Lama, A

2862

Carballeda de Valdeorras

1727

Quintela de Leirado

671

Mondariz

4800

Cartelle

3037

Rairiz de Veiga

1527

Mondariz-Balnear

656

Castrelo de Miño

1675

Ramirás

1712

Moraña

4400

Castrelo do Val

1138

Riós

1751

Neves, As

4192

Castro Caldelas

1412

Rua, A

4685

Ouça

3094

Cenlle

1278

Rubiá

1518

Pazos de Borbén

3113

Chandrexa de Queixa

560

San Amaro

1202

Pontecesures

3113

Coles

3171

San Cibrao das Viñas

4906

Portas

3033

Cortegada

1231

San Cristovo de Cea

2497

Rodeiro

2844

Cualedro

1876

San Xoán de Río

657

Entrimo

1311

Sandiás

1316

Esgos

1208

Sarreaus

1365

Gomesende

895

Taboadela

1603

Gudiña, A

1508

Teixeira, A

406

Irixo, O

1685

Toén

2527

Larouco

557

Trasmiras

1500

Laza

1487

Veiga, A

1000

Leiro

1724

Verea

1112

Lobeira

855

Viana do Bolo

3163

Lobios

2130

Vilamarín

2121

Maceda

3025

Vilamartín de Valdeorras

1826

Manzaneda

971

Vilar de Barrio

1528

Maside

2920

Vilar de Santos

923

Melón

1396

Vilardevós

2062

Merca, A

2119

Vilariño de Conso

660

Mezquita, A

1169

Xunqueira de Ambía

1620

Montederramo

854

Xunqueira de Espadanedo

862

Fonte: INE. Padrón autárquico de habitantes. Extraído de: http://www.ine.es

missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file