Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 149 Segunda-feira, 7 de agosto de 2017 Páx. 37132

I. Disposições gerais

Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária

DECRETO 71/2017, de 24 de maio, pelo que se estabelecem seis currículos de títulos profissionais básicos.

O Estatuto de autonomia da Galiza, no seu artigo 31, determina que é da competência plena da Comunidade Autónoma galega o regulamento e a administração do ensino em toda a sua extensão, níveis e graus, modalidades e especialidades, no âmbito das suas competências, sem prejuízo do disposto no artigo 27 da Constituição e nas leis orgânicas que, conforme o ordinal primeiro do seu artigo 81, o desenvolvam, das faculdades que lhe atribui ao Estado o número 30 do ponto 1 do artigo 149 da Constituição, e da alta inspecção precisa para o seu cumprimento e garantia.

A Lei orgânica 5/2002, de 19 de junho, das qualificações e da formação profissional, tem por objecto a ordenação de um sistema integral de formação profissional, qualificações e acreditação que responda com eficácia e transparência às demandas sociais e económicas através das modalidades formativas.

No artigo 10, números 1 e 2, da supracitada lei estabelece-se que a Administração geral do Estado, de conformidade com o que se dispõe no artigo 149.1, 30ª e 7ª da Constituição espanhola, e depois da consulta ao Conselho Geral de Formação Profissional, determinará os títulos de formação profissional e os certificados de profissionalismo que constituirão as ofertas de formação profissional referidas ao Catálogo nacional de qualificações profissionais, cujos conteúdos poderão alargar as administrações educativas no âmbito das suas competências.

No artigo 8.1 estabelece-se, além disso, que os títulos de formação profissional e os certificados de profissionalismo terão carácter oficial e validade em todo o território do Estado e serão expedidos pelas administrações competente.

A Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação, estabelece no capítulo V do seu título I os princípios gerais da formação profissional inicial e dispõe no artigo 39.6 que o Governo, depois da consulta às comunidades autónomas, estabelecerá os títulos correspondentes aos estudos de formação profissional, assim como os aspectos básicos do currículo de cada uma delas.

A Lei 2/2011, de 4 de março, de economia sustentável, e a Lei orgânica 4/2011, de 11 de março, complementar da Lei de economia sustentável, introduziram modificações na Lei orgânica 5/2002, de 19 de junho, e na Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, no marco legal dos ensinos de formação profissional, que pretenderam, entre outros aspectos, adecuar a oferta formativa às demandas dos sectores produtivos.

Pela sua vez, a Lei orgânica 8/2013, de 9 de dezembro, para a melhora da qualidade educativa, no seu ordinal terceiro do artigo único, introduz o número 10 no artigo 3 da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação, e acredite os ciclos de formação profissional básica.

Além disso, no número trinta e três e seguintes da Lei orgânica 8/2013, modifica-se a Lei orgânica 2/2006, incluindo os ciclos formativos de formação profissional básica dentro da formação profissional do sistema educativo, como medida para facilitar a permanência dos alunos e as alunas no sistema educativo e oferecer-lhes maiores possibilidades para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. Estes ciclos incorporam, ademais dos módulos associados a unidades de competência do Catálogo nacional de qualificações profissionais, módulos relacionados com os blocos comuns de Ciências Aplicadas e de Comunicação e Ciências Sociais, que permitirão aos alunos e às alunas alcançar e desenvolver as competências da aprendizagem permanente ao longo da vida para prosseguir estudos de ensino secundário postobrigatorio.

O Real decreto 1147/2011, de 29 de julho, estabelece a ordenação geral da formação profissional do sistema educativo, tomando como base o Catálogo nacional de qualificações profissionais, as directrizes fixadas pela União Europeia e outros aspectos de interesse social.

No seu artigo 8 estabelece que as administrações educativas, no âmbito das suas competências, estabelecerão os currículos correspondentes alargando e contextualizando os conteúdos dos títulos à realidade socioeconómica do território da sua competência e respeitando o seu perfil profissional.

No artigo 10 do Decreto 107/2014, de 4 de setembro, pelo que se regulam aspectos específicos da formação profissional básica dos ensinos de formação profissional do sistema educativo na Galiza e se estabelecem vinte e um currículos de títulos profissionais básicos, estabelece-se que a estrutura dos currículos dos ciclos formativos de formação profissional básica será a mesma que para o resto da formação profissional do sistema educativo da Galiza.

Publicado o Real decreto 774/2015, de 28 de agosto, pelo que se estabelecem seis títulos de formação profissional básica do Catálogo de títulos dos ensinos de formação profissional, e de acordo com a disposição adicional primeira do Decreto 107/2014, corresponde à conselharia com competências em matéria de educação estabelecer os currículos correspondentes no âmbito da Comunidade Autónoma da Galiza conforme o tecido produtivo da Galiza.

Consonte o anterior, este decreto desenvolve o currículo de seis ciclos formativos de formação profissional básica, adaptando ao campo profissional e de trabalho da realidade socioeconómica galega e às necessidades de qualificação do sector produtivo quanto à especialização e polivalencia, e possibilita uma inserção laboral imediata e uma projecção profissional futura.

Os currículos que se estabelecem neste decreto desenvolvem-se tendo em conta o perfil profissional do título através dos objectivos gerais que o estudantado deve alcançar ao finalizar o ciclo formativo e os objectivos próprios de cada módulo profissional, expressados através de uma série de resultados de aprendizagem, percebidos como as competências que devem adquirir os alunos e as alunas num contexto de aprendizagem, que lhes permitirão conseguir os sucessos profissionais necessários para desenvolver as suas funções com sucesso no mundo laboral.

Associada a cada resultado de aprendizagem, estabelece-se uma série de conteúdos de tipo conceptual, procedemental e actitudinal redigidos de forma integrada, que proporcionarão o suporte de informação e destreza preciso para alcançar as competências profissionais, pessoais e sociais próprias do perfil do título.

Neste sentido, a inclusão do módulo de Formação em centros de trabalho possibilita que o estudantado complete a formação adquirida no centro educativo mediante a realização de um conjunto de actividades de produção e/ou de serviços, que não terão carácter laboral, em situações reais de trabalho no contorno produtivo do centro, de acordo com as exixencias derivadas do Sistema nacional de qualificações e formação profissional.

A inclusão da formação relativa à prevenção de riscos laborais, de obrigada impartição em todos os ciclos formativos de formação profissional básica, aumenta a empregabilidade do estudantado que supere estes ensinos e facilita a sua incorporação ao mundo do trabalho, ao capacitalo para levar a cabo responsabilidades profissionais equivalentes às que precisam as actividades de nível básico em prevenção de riscos laborais, estabelecidas no Real decreto 39/1997, de 17 de janeiro, pelo que se aprova o Regulamento dos serviços de prevenção.

Além disso, de acordo com o artigo 10 do citado Decreto 114/2010, de 1 de julho, com a finalidade de facilitar a formação ao longo da vida, estabelece-se a divisão de determinados módulos profissionais em unidades formativas de menor duração, respeitando, em todo o caso, a necessária coerência da formação associada a cada uma delas.

Na sua virtude, por proposta do conselheiro de Cultura, Educação e Ordenação Universitária, no exercício da facultai outorgada pelo artigo 34 da Lei 1/1983, de 22 de fevereiro, reguladora da Junta e da sua Presidência, consultados o Conselho Galego de Formação Profissional e o Conselho Escolar da Galiza, de acordo com o Conselho Consultivo e depois de deliberação do Conselho da Xunta da Galiza, na sua reunião do dia vinte e quatro de maio de dois mil dezassete,

DISPONHO:

Artigo 1. Objecto e âmbito de aplicação

1. Este decreto tem por objecto estabelecer os currículos que serão de aplicação na Comunidade Autónoma da Galiza para os ensinos de formação profissional básica relativas aos títulos estabelecidos no Real decreto 774/2015, de 28 de agosto, pelo que se estabelecem seis títulos de formação profissional básica do Catálogo de títulos dos ensinos de formação profissional.

2. Para cada currículo determinam-se a identificação do título, o seu perfil profissional, o contorno profissional, a prospectiva do título no sector ou nos sectores, os ensinos do ciclo formativo, a correspondência dos módulos profissionais com as unidades de competência para a sua acreditação ou validação, os parâmetros do contexto formativo para cada módulo profissional no que se refere a espacios, equipamentos, títulos e especialidades do professorado, e as suas equivalências para os efeitos de docencia, assim como os ciclos formativos de grau médios aos cales o título permite a aplicação de critérios preferente para la admissão em caso de concorrência competitiva.

3. Os elementos recolhidos neste decreto não constituem regulação do exercício de nenhuma profissão regulada.

Artigo 2. Currículos de formação profissional básica que se estabelecem

Os currículos de formação profissional básica que se estabelecem são os que se relacionam a seguir, cujas especificações se descrevem nos anexo que se indicam:

– Anexo I: currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría.

– Anexo II: currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios.

– Anexo III: currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Manutenção de Habitações.

– Anexo IV: currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Fabricação de Elementos Metálicos.

– Anexo V: currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Instalações Electrotécnicas e Mecânica.

– Anexo VI: currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Manutenção de Embarcações Desportivas e de Recreio.

Disposição adicional primeira. Autorização a centros privados para a impartição dos ensinos regulados neste decreto

A autorização a centros privados para a impartição dos ensinos regulados neste decreto exixir que desde o inicio do curso escolar se cumpram os requisitos de professorado, espacios e equipamentos regulados neste decreto.

Disposição adicional segunda. Desenvolvimento do currículo

Consonte o estabelecido no artigo 13 do Decreto 107/2014, de 4 de setembro, pelo que se regulam aspectos específicos da formação profissional básica dos ensinos de formação profissional do sistema educativo na Galiza e se estabelecem vinte e um currículos de títulos profissionais básicos, os currículos estabelecidos neste decreto serão objecto de um posterior desenvolvimento curricular, através das programações elaboradas para cada módulo profissional, de acordo com as especificações para o resto da formação profissional.

Estas programações concretizarão e adaptarão o currículo às características do contorno socioprodutivo, tomando como referência o perfil profissional do ciclo formativo através dos seus objectivos gerais e dos resultados de aprendizagem estabelecidos para cada módulo profissional.

Disposição derradeiro primeira. Desenvolvimento normativo

1. Autoriza-se a pessoa titular da conselharia com competências em matéria de educação para ditar as disposições que sejam necessárias para o desenvolvimento do estabelecido neste decreto.

2. Autoriza-se a pessoa titular da conselharia com competências em matéria de educação para modificar os anexo no relativo a equipamentos, quando por razões de obsolescencia ou actualização tecnológica assim se justifique.

Disposição derradeiro segunda. Entrada em vigor

Este decreto entrará em vigor o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, vinte e quatro de maio de dois mil dezassete

Alberto Núñez Feijóo
Presidente

Román Rodríguez González
Conselheiro de Cultura, Educação e Ordenação Universitária

ANEXO I
Currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría

1. Identificação do título.

O título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría fica identificado pelos seguintes elementos:

– Denominação: título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría.

– Nível: formação profissional básica.

– Duração: 2.000 horas.

– Famílias profissionais: Hotelaria e Turismo, e Indústrias Alimentárias.

– Referente europeu: CINE-3.5.3 (Classificação internacional normalizada da educação).

2. Perfil profissional.

2.1. Competência geral do título.

A competência geral do título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría consiste em fazer a recepção de matérias primas, preelaborar e elaborar produtos básicos de panadaría e pastelaría, apresentar para a sua venda e dispensá-los, aplicando os protocolos estabelecidos, as normas de higiene alimentária, de prevenção de riscos laborais e de protecção ambiental correspondentes, e comunicando-se de forma oral e escrita em línguas galega e castelhana, assim como em alguma língua estrangeira.

2.2. Competências do título.

As competências profissionais, pessoais e sociais, e as competências para a aprendizagem permanente do título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría são as que se relacionam:

a) Realizar tarefas básicas de recepção e preparação de matérias primas e produtos auxiliares para a elaboração de produtos de panadaría e pastelaría, evitando danos e controlando o ritmo do processo.

b) Preparar a zona de trabalho (mesas, maquinaria e utensilios) e subministrar as matérias primas requeridas.

c) Repor géneros e matérias primas, seguindo instruções, nas zonas de preelaboración e elaboração de produtos básicos de panadaría e pastelaría.

d) Regenerar produtos conservados de panadaría e pastelaría, utilizando as técnicas adequadas de desconxelación.

e) Realizar preelaboracións e elaborações complexas de panadaría, bolaría e pastelaría, seguindo instruções e aplicando as técnicas de manipulação de matérias primas.

f) Conservar preelaboracións e elaborações de panadaría, bolaría e pastelaría, utilizando diferentes métodos (refrigeração, envasamento ao vazio, etc.), garantindo a sua regeneração e o seu uso posteriores.

g) Envasar, embalar e etiquetar produtos de panadaría e pastelaría destinados à venda, e colocar-lhes dispositivos de segurança, manejando máquinas e equipamentos adequados.

h) Apresentar de maneira atractiva os produtos acabados de panadaría, bolaría e pastelaría para facilitar a sua promoção e a sua venda consonte a imagem da empresa, utilizando critérios comerciais e outras indicações.

i) Atender a clientela durante a venda ou em qualquer outro momento, seguindo o procedimento e os protocolos estabelecidos.

j) Comunicar ao pessoal superior as disfunções e as anomalías observadas no funcionamento de equipamentos e utensilios, utilizando fichas ou outros procedimentos de comunicação estabelecidos.

k) Obter e comunicar informação destinada à autoaprendizaxe e ao seu uso em diferentes contextos do seu âmbito pessoal, social ou profissional, mediante recursos ao seu alcance e os próprios das tecnologias da informação e da comunicação.

l) Resolver problemas predicibles relacionados com os âmbitos físico, social, pessoal e produtivo, utilizando o razoamento científico e os elementos proporcionados pelas ciências aplicadas e sociais.

m) Actuar de maneira saudável em contextos quotidianos que favoreçam o desenvolvimento pessoal e social, analisando hábitos e influências positivas para a saúde humana.

n) Valorar actuações encaminhadas à conservação ambiental, diferenciando as consequências das actividades quotidianas que possam afectar o equilíbrio do ambiente.

ñ) Actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas, apreciando o seu uso como fonte de enriquecimento pessoal e social.

o) Comunicar-se com claridade, precisão e fluidez em contextos sociais ou profissionais e por diferentes médios, canais e suportes ao seu alcance, utilizando e adecuando recursos linguísticos orais e escritos próprios das línguas galega e castelhana.

p) Comunicar-se em situações habituais de carácter laboral, pessoal e social, utilizando recursos linguísticos básicos em língua estrangeira.

q) Realizar explicações singelas sobre acontecimentos e fenômenos característicos das sociedades contemporâneas a partir da informação histórica e geográfica ao seu dispor.

r) Adaptar-se às novas situações laborais originadas por mudanças tecnológicas e organizativo na sua actividade laboral, utilizando as ofertas formativas ao seu alcance e localizando os recursos mediante as tecnologias da informação e da comunicação.

s) Cumprir as tarefas próprias do seu nível com autonomia e responsabilidade, empregando critérios de qualidade e eficiência no trabalho atribuído e efectuando-o de forma individual ou como membro de uma equipa.

t) Comunicar-se eficazmente, respeitando a autonomia e a competência das pessoas que intervêm no seu âmbito de trabalho, contribuindo à qualidade do trabalho realizado.

u) Assumir e cumprir as medidas de prevenção de riscos e segurança laboral na realização das actividades laborais, evitando danos pessoais, laborais e ambientais.

v) Cumprir as normas de qualidade e de acessibilidade e desenho universais que afectam a sua actividade profissional.

w) Actuar com espírito emprendedor, iniciativa pessoal e responsabilidade na eleição dos procedimentos da sua actividade profissional.

x) Exercer os seus direitos e cumprir as obrigações derivadas da sua actividade profissional, de acordo com o estabelecido na legislação vigente, participando activamente na vida económica, social e cultural.

2.3. Relação de qualificações e unidades de competência do Catálogo nacional de qualificações profissionais incluídas no título.

2.3.1. Qualificações profissionais completas:

Operações básicas de pastelaría, HOT414_1 (Real decreto 1179/2008, de 11 de julho), que abrange as seguintes unidades de competência:

UC1333_1: executar operações básicas de aprovisionamento interno e conservação de preelaboracións e elaborações de pastelaría.

UC1334_1: preelaborar, elaborar e apresentar elaborações singelas de pastelaría e assistir em elaborações complexas.

2.3.2. Qualificações profissionais incompletas:

a) Operações auxiliares de elaboração na indústria alimentária, INA172_1 (Real decreto 1228/2006, de 27 de outubro):

UC0543_1: realizar tarefas de apoio à recepção e à preparação das matérias primas.

UC0545_1: manejar equipamentos e instalações para o envasamento, o acondicionamento e a empaquetaxe de produtos alimentários, seguindo instruções de trabalho de carácter normalizado e dependente.

b) Actividades auxiliares de comércio, COM412_1 (Real decreto 1179/2008, de 11 de julho):

UC1329_1: proporcionar-lhe à clientela atenção e informação operativa, estruturada e protocolizada.

2.4. Contorno profissional.

2.4.1. As pessoas com este título exercem a sua actividade em panadarías e pastelarías trabalhando por conta alheia em pequenas, medianas e grandes empresas deste sector produtivo. Além disso, podem desenvolver a sua actividade seguindo instruções e com um certo grau de autonomia, em pequenos estabelecimentos dedicados à produção e à venda desses produtos.

2.4.2. As ocupações e os postos de trabalho mais destacáveis são os seguintes:

– Auxiliar de panadaría e bolaría.

– Auxiliar de pastelaría.

– Auxiliar de armazém de pastelaría.

– Empregado/a de estabelecimento de pastelaría.

– Auxiliar de armazém.

– Auxiliar de venda.

2.5. Prospectiva do sector ou dos sectores relacionados com o título.

a) As actividades relacionadas com o sector produtivo de panadaría e pastelaría estão submetidas a uma funda transformação, devida principalmente às mudanças introduzidas pela povoação consumidora nos seus hábitos de vida quotidianos.

b) O facto de que Espanha seja um destino turístico que recebe anualmente milhões de visitantes provenientes de qualquer lugar do mundo, demandando produtos gastronómicos muito variados e acordes com os seus gustos, está a contribuir a que as panadarías e as pastelarías alarguem e diversifiquen as suas ofertas.

c) As mudanças sociais relacionadas com o modelo familiar e o incremento de domicílios unipersoais estão a fazer com que os produtos deste subsector aumentem a sua presença, de modo especial os relacionados com a pastelaría salgada.

d) Para dar resposta à demanda actual do sector da panadaría e a pastelaría requer-se o uso de maquinaria especializada e de novas tecnologias que se ajustam mais às necessidades do serviço.

e) A panadaría e a pastelaría, cuja produção vai destinada ao consumo humano, é um sector que demanda um estrito respeito pela correspondente normativa de segurança e higiene, que garante a qualidade do produto.

f) É importante o manejo de línguas estrangeiras, já que estes/as profissionais, ademais de elaborar produtos de panadaría e pastelaría, realizarão vendas, pelo que terão trato directo com clientela nacional e estrangeira.

g) Finalmente, neste mundo globalizado e interconectado, faz-se imprescindível a atitude favorável para o trabalho em equipa, a autoformación e a adequada responsabilidade para alcançar as competências próprias do perfil.

3. Ensinos do ciclo formativo.

3.1. Objectivos gerais do título.

Os objectivos gerais do ciclo formativo de formação profissional básica de Actividades de Panadaría e Pastelaría são os seguintes:

a) Identificar e valorar as matérias primas que se utilizam na elaboração de produtos de panadaría e pastelaría e as suas aplicações em cada fase do processo produtivo para a realização de tarefas básicas de recepção e preparação de matérias primas e produtos auxiliares.

b) Realizar a manutenção básica de maquinaria, moldes e utensilios utilizados na elaboração de produtos de panadaría e pastelaría, para a posta a ponto da zona de trabalho.

c) Aplicar as técnicas e maquinarias adequadas segundo o tipo de produtos preelaborados ou elaborados, para proceder à sua conservação e posterior regeneração.

d) Aplicar procedimentos e utilizar os equipamentos adequados para etiquetar, envasar e embalar produtos de panadaría e pastelaría.

e) Aplicar as técnicas que se requerem para realizar preelaboracións e elaborações de pastelaría e panadaría.

f) Empregar procedimentos de registro e transmissão de informação para a comunicação de disfunções e anomalías.

g) Aplicar procedimentos de acabamento e apresentação dos produtos de panadaría e pastelaría para su atractiva exposição e venda.

h) Aplicar protocolos de venda de produtos de pastelaría e panadaría para a atenção à clientela.

i) Reconhecer as especificações que devem cumprir as áreas de trabalho, os equipamentos e as instalações para realizar as operações de limpeza e higiene.

j) Aplicar medidas hixiénico-sanitárias, conhecendo a normativa de segurança alimentária para intervir nas operações de conservação, regeneração, preelaboración e elaboração de produtos de panadaría e pastelaría.

k) Identificar materiais e técnicas de empaquetaxe em relação com o tipo de produto e com a imagem da empresa, para realizar a apresentação atractiva de produto.

l) Identificar as necessidades da clientela e a informação precisa para as satisfazer, aplicando técnicas e protocolos de resolução de incidências e queixas para atender a clientela.

m) Compreender os fenômenos que acontecem no âmbito natural mediante o conhecimento científico como um saber integrado, assim como conhecer e aplicar os métodos para identificar e resolver problemas básicos nos campos do conhecimento e da experiência.

n) Desenvolver habilidades para formular, interpretar e resolver problemas, e aplicar o razoamento de cálculo matemático para se desenvolver na sociedade e no âmbito laboral, e para gerir os seus recursos económicos.

ñ) Identificar e compreender os aspectos básicos de funcionamento do corpo humano e pólos em relação com a saúde individual e colectiva, e valorar a higiene e a saúde para permitir o desenvolvimento e o afianzamento de hábitos saudáveis de vida em função do contorno.

o) Desenvolver hábitos e valores acordes com a conservação e a sustentabilidade do património natural, compreendendo a interacção entre os seres vivos e o meio natural, para valorar as consequências que derivam da acção humana sobre o equilíbrio ambiental.

p) Desenvolver as destrezas básicas das fontes de informação utilizando com sentido crítico as tecnologias da informação e da comunicação, para obter e comunicar informação nos contornos pessoal, social ou profissional.

q) Reconhecer características básicas de produções culturais e artísticas, aplicando técnicas de análise básica dos seus elementos, para actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas.

r) Desenvolver e afianzar habilidades e destrezas linguísticas, e alcançar o nível requerido de precisão, claridade e fluidez, utilizando os conhecimentos sobre as línguas galega e castelhana, para se comunicar no seu contexto social, na sua vida quotidiana e na actividade laboral.

s) Desenvolver habilidades linguísticas básicas em língua estrangeira para se comunicar de forma oral e escrita em situações habituais e predicibles da vida quotidiana e profissional.

t) Reconhecer causas e traços próprios de fenômenos e acontecimentos contemporâneos, a sua evolução histórica e a sua distribuição geográfica, para explicar as características próprias das sociedades contemporâneas.

u) Desenvolver valores e hábitos de comportamento baseados em princípios democráticos, aplicando-os nas suas relações sociais habituais e na resolução pacífica dos conflitos.

v) Comparar e seleccionar recursos e ofertas formativas existentes para a aprendizagem ao longo da vida, para se adaptar às novas situações laborais e pessoais.

w) Desenvolver a iniciativa, a criatividade e o espírito emprendedor, assim como a confiança em sim mesmo/a, a participação e o espírito crítico, para resolver situações e incidências da actividade profissional ou de índole pessoal.

x) Desenvolver trabalhos em equipa assumindo os deveres, cooperando com as demais pessoas com tolerância e respeito, para a realização eficaz das tarefas e como médio de desenvolvimento pessoal.

y) Utilizar as tecnologias da informação e da comunicação para se informar, se comunicar, aprender e facilitar as tarefas laborais.

z) Relacionar os riscos laborais e ambientais com a actividade laboral, com o propósito de utilizar as medidas preventivas correspondentes para a protecção pessoal, evitando danos ambientais e às demais pessoas.

aa) Desenvolver as técnicas da sua actividade profissional assegurando a eficácia e a qualidade no seu trabalho, e propor, se procede, melhoras nas actividades de trabalho.

ab) Reconhecer os seus direitos e deveres como agente activo na sociedade, tendo em conta o marco legal que regula as condições sociais e laborais, para participar na cidadania democrática.

ac) Analisar e valorar a participação, o respeito, a tolerância e a igualdade de oportunidades para desenvolver os valores do princípio de igualdade de trato e não discriminação entre homens e mulheres nem por nenhuma outra condição nem circunstância pessoal nem social, assim como a prevenção da violência de género e o conhecimento da realidade homossexual, transsexual, transxénero e intersexual.

3.2. Módulos profissionais.

Os módulos deste ciclo formativo são os que se relacionam:

MP3005. Atenção à clientela.

MP3007. Processos básicos de panadaría.

MP3009. Ciências aplicadas I.

MP3011. Comunicação e sociedade I.

MP3012. Comunicação e sociedade II.

MP3017. Processos básicos de pastelaría.

MP3026. Dispensação em panadaría e pastelaría.

MP3042. Ciências aplicadas II.

MP3133. Operações auxiliares na indústria alimentária.

MP3153. Formação em centros de trabalho.

4. Desenvolvimento de módulos.

4.1. Módulo profissional: Atenção à clientela.

• Código: MP3005.

• Duração: 58 horas.

4.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Atende possível clientela, reconhecendo as técnicas de comunicação.

– QUE1.1. Analisou-se o comportamento da clientela possível.

– QUE1.2. Adaptaram-se adequadamente a atitude e o discurso à situação de partida.

– QUE1.3. Obteve-se a informação necessária da possível clientela.

– QUE1.4. Favoreceu-se a comunicação com o emprego de técnicas e atitudes apropriadas ao desenvolvimento desta.

– QUE1.5. Manteve-se uma conversa utilizando as fórmulas, o léxico comercial e os nexos de comunicação (pedir esclarecimentos, solicitar informação, pedir a alguém que repita, etc.).

– QUE1.6. Deu-se resposta a uma pergunta de singela solução, utilizando o léxico comercial ajeitado.

– QUE1.7. Expressou-se oralmente um tema prefixado ante um grupo ou numa relação de comunicação na que intervêm dois/duas interlocutores/as.

– QUE1.8. Manteve-se uma atitude conciliadora e sensível para as demais pessoas, demonstrando cordialidade e amabilidade no trato.

– QUE1.9. Transmitiu-se informação com claridade, de forma ordenada e com estrutura clara e precisa.

• RA2. Comunica à possível clientela as possibilidades do serviço e justifica desde o ponto de vista técnico.

– QUE2.1. Analisou-se a tipoloxía de público.

– QUE2.2. Diferenciou-se clientela de provedores/as e do público em geral.

– QUE2.3. Reconheceu-se a terminologia básica de comunicação comercial.

– QUE2.4. Diferenciou-se entre informação e publicidade.

– QUE2.5. Adecuáronse as respostas em função das perguntas do público.

– QUE2.6. Informou-se a clientela acerca das características do serviço, nomeadamente das qualidades esperables.

– QUE2.7. Asesorouse a clientela sobre a opção mais recomendable, quando existam várias possibilidades, e informou das características e dos acabamentos previsíveis de cada uma.

– QUE2.8. Solicitou-se-lhe à clientela que comunique a eleição da opção eleita.

• RA3. Informa a provável clientela do serviço realizado e justifica as operações executadas.

– QUE3.1. Fez-se entrega à clientela dos artigos processados e informou dos serviços realizados nos artigos.

– QUE3.2. Transmitiram-se à clientela, de maneira oportuna, as operações que cumpra levar a cabo nos artigos entregues e os tempos previstos para isso.

– QUE3.3. Identificaram-se os documentos de entrega associados ao serviço ou produto.

– QUE3.4. Recolheu-se a conformidade da clientela com o acabamento obtido e, caso contrário, tomou-se nota adequadamente das suas objecções.

– QUE3.5. Valorou-se a pulcritude e a correcção, tanto no vestir como na imagem corporal, elementos chave na atenção à clientela.

– QUE3.6. Manteve-se sempre o respeito para a clientela.

– QUE3.7. Tentou-se a fidelización da clientela com o bom resultado do trabalho.

– QUE3.8. Definiu-se o período de garantia e as obrigações legais aparelladas.

• RA4. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados do serviço de atenção à clientela.

– QUE4.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para o desenvolvimento da atenção à clientela.

– QUE4.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso da atenção à clientela.

– QUE4.3. Reconheceram-se os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com a atenção à clientela.

• RA5. Atende reclamações de possível clientela e reconhece o protocolo de actuação.

– QUE5.1. Ofereceram-se-lhe alternativas à clientela ante reclamações doadamente corrixibles, expondo claramente os tempos e as condições das operações que cumpra realizar, assim como o nível de probabilidade de modificação esperable.

– QUE5.2. Reconheceram-se os aspectos principais em que incide a legislação em relação com as reclamações.

– QUE5.3. Subministrou-se-lhe à clientela a informação e a documentação necessárias para a apresentação de uma reclamação escrita, de ser o caso.

– QUE5.4. Recolheram-se os formularios apresentados pela clientela para a realização de uma reclamação.

– QUE5.5. Cobriu-se uma folha de reclamação.

– QUE5.6. Partilhou-se informação com a equipa de trabalho.

4.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Atenção à clientela.

• Processo de comunicação. Agentes e elementos que intervêm.

• Barreiras e dificuldades comunicativas.

• Comunicação verbal: emissão e recepção de mensagens orais.

• Motivação, frustração e mecanismos de defesa. Comunicação não verbal.

BC2. Venda de produtos e serviços.

• O/a vendedor/ora: características, funções e atitudes; qualidades e aptidões para a venda e o seu desenvolvimento.

• Exposição das qualidades dos produtos e serviços.

• O/a vendedor/ora profissional: modelo de actuação. Relações com a clientela.

• Técnicas de venda.

BC3. Informação à clientela.

• Papéis, objectivos e relação entre profissionais e a clientela.

• Tipoloxía de clientela e a sua relação com a prestação do serviço.

• Atenção personalizada como base da confiança na oferta de serviço.

• Necessidades e gustos da clientela, e critérios para a sua satisfacção.

• Objecções da clientela e o seu tratamento.

BC4. Iniciativa emprendedora na atenção à clientela.

• A pessoa emprendedora no serviço de atenção à clientela.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação na actividade de atenção à clientela.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com a atenção à clientela.

BC5. Tratamento de reclamações.

• Técnicas utilizadas na actuação ante reclamações. Gestão de reclamações. Alternativas reparadoras. Elementos formais que contextualizan uma reclamação.

• Documentos necessários ou provas numa reclamação. Procedimento de recolhida das reclamações.

4.1.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função de atenção e serviço à clientela, tanto na informação prévia como na posvenda do produto ou serviço.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Comunicação com a clientela.

– Informação do produto como base do serviço.

– Atenção de reclamações.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais e), g), h), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais i), j), k), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Descrição dos produtos que comercializam e dos serviços que prestam empresas tipo.

– Realização de exercícios de expressão oral, aplicando as normas básicas de atenção ao público.

– Resolução de situações standard mediante exercícios de simulação.

4.2. Módulo profissional: Processos básicos de panadaría.

• Código: MP3007.

• Duração: 246 horas.

4.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Elabora pães de diferentes tipos, utilizando matérias primas e maquinaria, e aplicando as técnicas básicas.

– QUE1.1. Identificaram-se e relacionaram-se as matérias primas que se utilizam em panadaría com as suas qualidades físicas (cores, texturas, etc.).

– QUE1.2. Prepararam-se os utensilios, a maquinaria e as matérias primas para a elaboração de pães, segundo a ficha técnica de procedimentos.

– QUE1.3. Reconheceu-se a regulamentação hixiénico-sanitária para a fabricação e a elaboração de diferentes produtos.

– QUE1.4. Relacionou-se a fermentação dos lévedos (prensado ou fresco, químico, etc.) com os tipos de massas e com a elaboração de pães.

– QUE1.5. Reconheceram-se as texturas próprias das principais massas de acordo com standard de idoneidade que se requerem para cada tipo de pan (elasticidade, olor, cor, etc.).

– QUE1.6. Obteve-se a massa seguindo o procedimento estabelecido.

– QUE1.7. Valoraram-se os tempos de repouso das massas e a fermentação dos lévedos para a obtenção de um produto que dê um resultado óptimo.

– QUE1.8. Deu-se-lhes forma às massas para obter o acabamento e a apresentação desejados do produto.

– QUE1.9. Valorou-se a aplicação das medidas correctas ante deviações para evitar incidências.

– QUE1.10. Aplicaram-se as técnicas de cocción ajeitado para elaborar diferentes tipos de pães (comum, especial, semicocido, etc.).

– QUE1.11. Seguiram-se as fases da elaboração dos tipos de pães mais habituais.

– QUE1.12. Aplicaram-se técnicas de conservação e regeneração segundo a natureza do pan.

– QUE1.13. Justificou-se a caducidade dos produtos ou a sua data de consumo preferente.

– QUE1.14. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração das massas.

• RA2. Elabora recheados salgados aptos para a sua utilização posterior em produtos de panadaría, utilizando géneros crus (vegetais, frutos secos, etc.) e técnicas básicas de cocción e fritura.

– QUE2.1. Realizou-se o aprovisionamento de utensilios de trabalho e matérias primas a partir de fichas técnicas.

– QUE2.2. Verificou-se o funcionamento da maquinaria e dos equipamentos e, de ser o caso, deixou-se constância escrita das anomalías detectadas.

– QUE2.3. Elaboraram-se recheados de diversos tipos segundo os produtos utilizados (verduras, picados de carne, frutos secos, etc.) e as técnicas básicas de manipulação de alimentos crus.

– QUE2.4. Valoraram-se as técnicas de cocción estabelecidas para diversos tipos de recheado, de acordo com procedimentos de verificação e segundo requisitos de qualidade e acabamento.

– QUE2.5. Controlou-se o processo de cocción, valorando tempos e temperaturas e aplicando procedimento de rectificação, segundo as observações realizadas.

– QUE2.6. Armazenaram para a sua conservação os produtos elaborados em recipientes e equipamentos atribuídos e a temperaturas adequadas.

– QUE2.7. Utilizaram-se os métodos e os equipamentos estabelecidos na regeneração de produtos a temperatura de serviço.

– QUE2.8. Justificou-se a caducidade dos produtos ou a sua data de consumo preferente.

– QUE2.9. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza durante os procedimentos de elaboração e cocción para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração de acredita-mas e recheados doces e salgados, valorando as normas de higiene na elaboração de alimentos.

• RA3. Elabora e decora produtos de bolaría, utilizando técnicas e normas básicas de produção que os façam aptos para o consumo e atractivos para a venda.

– QUE3.1. Realizou-se o aprovisionamento de utensilios de trabalho e matérias primas para a sua posterior elaboração a partir da valoração das fichas técnicas.

– QUE3.2. Verificou-se de forma manual o funcionamento da maquinaria e dos equipamentos e, de ser o caso, informou-se das anomalías detectadas.

– QUE3.3. Reconheceram-se as texturas próprias das principais massas para bolaría de acordo com standard de idoneidade que se requerem para cada tipo de pan (elasticidade, olor, cor, etc.).

– QUE3.4. Valoraram-se, de acordo com as técnicas básicas empregadas, os tempos de repouso das massas, a fermentação dos lévedos, o acabamento e a apresentação do produto de bolaría.

– QUE3.5. Aplicaram-se as técnicas de cocción e fritura adequadas para a elaboração de diferentes produtos de bolaría (madalenas, berlinas, ensaimadas, etc.).

– QUE3.6. Dispuseram-se os elementos de decoração seguindo os critérios estéticos estabelecidos.

– QUE3.7. Realizaram-se decorações básicas para apresentar os produtos de bolaría de maneira mais atractiva.

– QUE3.8. Aplicaram-se técnicas de conservação segundo a natureza dos produtos de bolaría.

– QUE3.9. Justificou-se a caducidade dos produtos ou a data de consumo preferente.

– QUE3.10. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração das massas.

– QUE3.11. Empregaram-se as normas de segurança e higiene na manipulação de produtos.

• RA4. Elabora acredita-mas e coberturas para produtos de bolaría, utilizando técnicas e normas básicas de produção.

– QUE4.1. Realizou-se o aprovisionamento de utensilios de trabalho e matérias primas para a sua posterior elaboração, a partir de fichas técnicas.

– QUE4.2. Verificou-se de forma manual o funcionamento da maquinaria e dos equipamentos e, de ser o caso, informou-se das anomalías detectadas.

– QUE4.3. Classificaram-se e caracterizaram-se diversos tipos de acredita-mas, recheados e coberturas, segundo o tipo de produto e o seu acabamento.

– QUE4.4. Prepararam-se os ingredientes necessários (leite, ovo, chocolate, açúcares, etc.) para a elaboração de acredita-mas e coberturas de diferentes tipos.

– QUE4.5. Identificou-se a função de cada ingrediente.

– QUE4.6. Interpretou-se a formulação de cada produto.

– QUE4.7. Reconheceram-se as texturas próprias das principais acredita-mas e coberturas para bolaría de acordo com standard de idoneidade que se requerem para cada tipo de elaboração (elasticidade, olor, cor, etc.).

– QUE4.8. Realizaram-se as técnicas de cocción adequadas para a elaboração de acredita-mas e coberturas (acredita-ma pasteleira, cobertura de chocolate, cobertura de açúcar, etc.), e aplicaram-se medidas correctoras para arranjar possíveis erros.

– QUE4.9. Realizaram-se operações de batedura, amasadura, refinación, etc., utilizando a maquinaria adequada.

– QUE4.10. Realizaram-se coberturas básicas para apresentar os produtos de bolaría de maneira atractiva.

– QUE4.11. Contrastaram-se as características dos produtos obtidos segundo a sua elaboração.

– QUE4.12. Aplicaram-se técnicas de conservação e regeneração, segundo a natureza dos produtos de bolaría.

– QUE4.13. Justificou-se a caducidade dos produtos ou a sua data de consumo preferente.

– QUE4.14. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração das massas.

– QUE4.15. Empregaram-se as normas de segurança e higiene alimentárias.

4.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Elaboração de pães de diferentes tipos utilizando maquinaria e matérias primas.

• Matérias primas.

• Maquinaria e utensilios.

• Lévedos.

• Características das massas.

• Preparação e fermentação das massas.

• Acabamento e apresentação dos pães.

• Técnicas de cocción para os pães e fritura para determinados produtos de bolaría.

• Fases da elaboração do pan.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Caducidade e data de consumo preferente.

• Limpeza de maquinaria e normas hixiénico-sanitárias.

BC2. Elaboração de recheados salgados para pães e bolos.

• Matérias primas para o recheado.

• Maquinaria.

• Elaboração de recheados a partir de verduras, frutos secos, produtos cárnicos, escabeches, etc.

• Características dos recheados.

• Técnicas de cocción.

• Controlo da elaboração.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Técnicas de conservação e envasamento dos recheados elaborados.

• Caducidade e data de consumo preferente.

• Regeneração dos recheados conservados.

• Limpeza de maquinaria e normas hixiénico-sanitárias.

BC3. Elaboração e decoração de produtos de bolaría.

• Matérias primas.

• Posta a ponto da maquinaria.

• Características das massas de bolaría.

• Técnicas de cocción e fritura segundo os produtos de bolaría.

• Decorações básicas para a apresentação dos produtos de bolaría.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Técnicas de conservação e envasamento dos produtos de bolaría.

• Caducidade e data de consumo preferente.

• Limpeza de maquinaria e normas hixiénico-sanitárias.

BC4. Elaboração de acredita-mas e coberturas para os produtos de bolaría.

• Matérias primas.

• Posta a ponto da maquinaria.

• Função e formulação.

• Características das acredita-mas e da cobertura para os produtos de bolaría.

• Características das acredita-mas e coberturas.

• Elaboração de diferentes tipos de acredita-mas e coberturas.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Caducidade e data de consumo preferente.

• Decorações básicas para a apresentação dos produtos de bolaría.

• Técnicas de conservação e envasado dos produtos de bolaría.

• Limpeza de maquinaria e normas hixiénico-sanitárias.

4.2.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contém a formação necessária para desempenhar funções de recepção, distribuição e regeneração de matérias primas utilizadas no processo de panadaría e bolaría, assim como a preparação do lugar de trabalho e as correspondentes tarefas relacionadas com a elaboração de uma ampla gama de produtos. Também intervém na apresentação atractiva e comercial dos produtos e na sua venda.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), f), g), i), t), u), v), w), x), y), z), aa) e ab) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais b), c), d), e), f), g), h), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Conservação, regeneração e distribuição pela área de trabalho dos géneros de panadaría.

– Elaboração de massas, recheados, acredita-mas e coberturas para produtos de panadaría e bolaría.

– Acabamento e apresentação dos produtos de panadaría, assim como a participação na sua venda.

4.3. Módulo profissional: Ciências aplicadas I.

• Código: MP3009.

• Duração: 175 horas.

4.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve problemas matemáticos em situações quotidianas, utilizando os elementos básicos da linguagem matemática e as suas operações.

– QUE1.1. Identificaram-se os tipos de números e utilizaram-se para interpretar adequadamente a informação cuantitativa.

– QUE1.2. Realizaram-se cálculos com eficácia mediante cálculo mental ou mediante algoritmos de lapis e calculadora (física ou informática).

– QUE1.3. Utilizaram-se as TIC como médio de procura de informação.

– QUE1.4. Operou-se com potências de expoñente natural e inteiro aplicando as propriedades.

– QUE1.5. Utilizou-se a notação científica para representar números muito grandes ou muito pequenos e operar com eles.

– QUE1.6. Representaram-se os números reais sobre a recta numérica.

– QUE1.7. Caracterizou-se a proporção como expressão matemática.

– QUE1.8. Compararam-se magnitudes estabelecendo o seu tipo de proporcionalidade.

– QUE1.9. Utilizou-se a regra de três para resolver problemas em que intervêm magnitudes directamente e inversamente proporcionais.

– QUE1.10. Aplicou-se o juro simples e composto em actividades quotidianas.

• RA2. Reconhece as instalações e o material de laboratório e valora-os como recursos necessários para a realização das actividades práticas.

– QUE2.1. Identificaram-se as técnicas experimentais que se vão realizar.

– QUE2.2. Manipularam-se adequadamente os materiais instrumentais do laboratório.

– QUE2.3. Tiveram-se em conta as condições de higiene e segurança para as técnicas experimentais que se vão realizar.

• RA3. Identifica propriedades fundamentais da matéria nas formas em que se apresenta na natureza, manejando as suas magnitudes físicas e as suas unidades fundamentais em unidades do sistema métrico decimal.

– QUE3.1. Descreveram-se as propriedades da matéria.

– QUE3.2. Praticaram-se as mudanças de unidades de comprimento, massa e capacidade.

– QUE3.3. Identificou-se a equivalência entre unidades de volume e capacidade.

– QUE3.4. Efectuaram-se medidas em situações reais utilizando as unidades do sistema métrico decimal e utilizando a notação científica.

– QUE3.5. Identificou-se a denominação das mudanças de estado da matéria.

– QUE3.6. Identificaram-se, com exemplos singelos, diferentes sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos.

– QUE3.7. Identificaram-se os estados de agregação em que se apresenta a matéria e utilizaram-se modelos cinéticos para explicar as mudanças de estado.

– QUE3.8. Identificaram-se sistemas materiais em relação com o seu estado na natureza.

– QUE3.9. Reconheceram-se os estados de agregação de uma substancia dada a sua temperatura de fusão e de ebulição.

– QUE3.10. Estabeleceram-se diferenças entre ebulição e evaporación utilizando exemplos singelos.

• RA4. Utiliza o método mais adequado para a separação de componentes de misturas singelas em relação com o processo físico ou químico em que se baseia.

– QUE4.1. Identificou-se e descreveu-se o que se considera substancia pura e mistura.

– QUE4.2. Estabeleceram-se as diferenças fundamentais entre misturas e compostos.

– QUE4.3. Discrimináronse os processos físicos e químicos.

– QUE4.4. Seleccionaram-se, de uma listagem de substancias, as misturas, os compostos e os elementos químicos.

– QUE4.5. Aplicaram-se de forma prática diferentes separações de misturas por métodos singelos.

– QUE4.6. Descreveram-se as características gerais básicas de materiais em relação com as profissões, utilizando as TIC.

– QUE4.7. Trabalhou-se em equipa na realização de tarefas.

• RA5. Reconhece como a energia está presente aos processos naturais, descrevendo fenômenos simples da vida real.

– QUE5.1. Identificaram-se situações da vida quotidiana nas cales se põe de manifesto a intervenção da energia.

– QUE5.2. Reconheceram-se diversas fontes de energia.

– QUE5.3. Estabeleceram-se grupos de fontes de energia renovável e não renovável.

– QUE5.4. Mostraram-se as vantagens e os inconvenientes (obtenção, transporte e utilização) das fontes de energia renováveis e não renováveis, utilizando as TIC.

– QUE5.5. Aplicaram-se mudanças de unidades de energia.

– QUE5.6. Mostrou-se, em diferentes sistemas, a conservação da energia.

– QUE5.7. Descreveram-se processos relacionados com a manutenção do organismo e da vida nos que se aprecia claramente o papel da energia.

• RA6. Localiza as estruturas anatómicas básicas discriminando os sistemas ou os aparelhos a que pertencem e associando às funções que produzem no organismo.

– QUE6.1. Identificaram-se e descreveram-se os órgãos que configuram o corpo humano, e associaram ao sistema ou ao aparelho correspondente.

– QUE6.2. Relacionou-se cada órgão, sistema e aparelho com a sua função, e indicaram-se as suas associações.

– QUE6.3. Descreveu-se a fisioloxía do processo de nutrição e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

– QUE6.4. Descreveu-se a fisioloxía do processo de reprodução e identificou-se a função das estruturas anatómicas do aparelho reprodutor.

– QUE6.5. Detalhou-se como funciona o processo de relação e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos sistemas nervoso e endócrino.

– QUE6.6. Utilizaram-se ferramentas informáticas para descrever adequadamente aparelhos e sistemas.

• RA7. Diferencia a saúde da doença, relacionando os hábitos de vida com as doenças mais frequentes e reconhecendo os princípios básicos de defesa contra elas.

– QUE7.1. Identificaram-se situações de saúde e de doença para as pessoas.

– QUE7.2. Descreveram-se os mecanismos encarregados da defesa do organismo.

– QUE7.3. Identificaram-se e classificaram-se as doenças infecciosas e não infecciosas mais comuns na povoação, e reconheceram-se as suas causas, a sua prevenção e os seus tratamentos.

– QUE7.4. Relacionaram-se os agentes que causam as doenças infecciosas habituais com o contágio produzido.

– QUE7.5. Descreveu-se a acção das vacinas, dos antibióticos e de outras achegas da ciência médica para o tratamento e a prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.6. Reconheceu-se o papel das campanhas de vacinação na prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.7. Descreveu-se o tipo de doações e os problemas que se produzem nos transplantes.

– QUE7.8. Reconheceram-se situações de risco para a saúde relacionadas com o contorno profissional mais próximo.

– QUE7.9. Desenharam-se pautas de hábitos saudáveis relacionados com situações quotidianas.

• RA8. Elabora menús e dietas equilibradas singelas diferenciando os nutrientes que contêm e adaptando aos parâmetros corporais e a situações diversas.

– QUE8.1. Discriminouse entre o processo de nutrição e o de alimentação.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os nutrientes necessários para a manutenção da saúde.

– QUE8.3. Reconheceu-se a importância de uma boa alimentação e do exercício físico no cuidado do corpo humano.

– QUE8.4. Relacionaram-se as dietas com a saúde, diferenciando entre as necessárias para a manutenção da saúde e as que podem conduzir a uma diminuição desta.

– QUE8.5. Realizou-se o cálculo sobre balanços calóricos em situações habituais do contorno.

– QUE8.6. Calculou-se o metabolismo basal e os seus resultados, e representou-se num diagrama estabelecendo comparações e conclusões.

– QUE8.7. Elaboraram-se menús para situações concretas, investigando na rede as propriedades dos alimentos.

• RA9. Resolve situações quotidianas, utilizando expressões alxébricas singelas e aplicando os métodos de resolução mais adequados.

– QUE9.1. Concretizaram-se propriedades ou relações de situações singelas mediante expressões alxébricas.

– QUE9.2. Simplificar expressões alxébricas singelas utilizando métodos de desenvolvimento e factorización.

– QUE9.3. Resolveram-se problemas da vida quotidiana em que cumpra a formulação e a resolução de equações de primeiro grau.

– QUE9.4. Resolveram-se problemas singelos utilizando métodos gráficos e as TIC.

4.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de problemas mediante operações básicas.

• Reconhecimento e diferenciação dos tipos de números. Representação na recta real.

• Utilização da hierarquia das operações.

• Interpretação e utilização dos números reais e das operações em diferentes contextos.

• Notação científica. Representação e operações de soma, resta, multiplicação e divisão.

• Proporcionalidade directa e inversa. Regra de três. Comparação de magnitudes.

• As percentagens na economia.

• Técnicas de procura de informação com as tecnologias da informação e da comunicação.

BC2. Reconhecimento de materiais e instalações de laboratório.

• Normas gerais de trabalho no laboratório.

• Normas de segurança e higiene no laboratório.

• Materiais de laboratório: tipos e utilidade.

• Técnicas experimentais. Manejo da instrumentação do laboratório na realização de actividades práticas.

BC3. Identificação das formas da matéria.

• Unidades de comprimento, capacidade e massa no sistema métrico decimal: cálculos, equivalências e medidas. Uso da notação científica.

• Matéria: propriedades.

• Classificação da matéria segundo o seu estado de agregação e composição.

• Estados de agregação: sólido, líquido e gasoso. Temperatura de fusão e de ebulição.

• Sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos. Estados de agregação dos materiais na natureza.

• Natureza corpuscular da matéria. Mudanças de estado e modelos cinéticos.

BC4. Separação de misturas e substancias.

• Substancias puras e misturas: identificação, descrição e diferenciação.

• Substancias puras: elementos e compostos. Tabela periódica.

• Técnicas básicas de separação de misturas no laboratório. Processos físicos e químicos que intervêm.

• Características básicas dos materiais relacionados com o perfil profissional.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC5. Reconhecimento da energia nos processos naturais.

• Manifestações da energia na natureza: fontes de energia e processos em que esta intervém.

• Fontes de energia renovável e não renovável: identificação. Vantagens e inconvenientes de cada uma.

• A energia na vida quotidiana: identificação de situações próximas.

• Formas de energia e a sua transformação. Lei de conservação da energia.

• Energia, calor e temperatura. Unidades mais habituais do Sistema internacional.

BC6. Localização de estruturas anatómicas básicas.

• Níveis de organização da matéria viva. Órgãos, aparelhos e sistemas. Relações entre eles e as suas funções.

• Fisioloxía do processo de nutrição: aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

• Fisioloxía do processo de relação: sistemas nervoso e endócrino.

• Fisioloxía do processo de reprodução: aparelho reprodutor e desenvolvimento embrionário.

BC7. Diferenciação entre saúde e doença.

• Saúde e doença: conceito e diferenciação.

• Tipos de doenças: infecciosas e não infecciosas; doenças de transmissão sexual. Causas, prevenção e tratamentos.

• Mecanismos encarregados da defesa do organismo. Sistema inmunitario.

• Higiene e prevenção de doenças. Tratamento face à doenças infecciosas. Vacinas.

• Transplantes e doações.

• Saúde mental: prevenção de toxicomanias e de trastornos alimentários.

• Hábitos de vida saudáveis relacionados com as doenças mais frequentes e com situações quotidianas.

BC8. Elaboração de menús e de dietas.

• Alimentos e nutrientes: diferenciação. Reconhecimento de nutrientes presentes nos alimentos.

• Alimentação e saúde. Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação.

• Conceito e elaboração de dietas. Tipos de dietas. Elaboração de menús.

• Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação. Importância de uma boa alimentação e do exercício físico.

BC9. Resolução de equações singelas.

• Progressões aritméticas e xeométricas.

• Tradução de situações da linguagem verbal à alxébrica.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, multiplicação e factor comum.

• Desenvolvimento e factorización de expressões alxébricas. Identidades notáveis.

• Resolução de equações de primeiro grau com uma incógnita.

• Aplicação de métodos gráficos de resolução de problemas.

4.3.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja consciente tanto da sua própria pessoa como do meio que o rodeia.

Os conteúdos deste módulo contribuem a afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da vida quotidiana.

Além disso, utilizam a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de índole diversa, aplicados a qualquer situação, tanto na vida quotidiana como na vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a química, a biologia e a geoloxia, enfócase aos conceitos principais e aos princípios das ciências, involucrando o estudantado na resolução de problemas singelos e na realização de outras tarefas significativas, e permite-lhe trabalhar de forma autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais l), m), n), ñ), o), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais k), l), m), n), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Utilização dos números e das suas operações para resolver problemas.

– Reconhecimento das formas da matéria.

– Reconhecimento e uso de material de laboratório básico.

– Identificação e localização das estruturas anatómicas.

– Realização de exercícios de expressão oral, aplicando as normas básicas de atenção ao público.

– Importância da alimentação para uma vida saudável.

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

4.4. Módulo profissional: Comunicação e sociedade I.

• Código: MP3011.

• Duração: 206 horas.

4.4.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana I.

• Código: MP3011_13.

• Duração: 88 horas.

4.4.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias singelas de composição e as normas linguísticas básicas.

– QUE1.1. Analisou-se a estrutura de textos orais procedentes dos médios de comunicação de actualidade e identificaram-se as suas características principais.

– QUE1.2. Aplicaram-se as habilidades básicas para realizar uma escuta activa, identificando o sentido global e os conteúdos específicos de uma mensagem oral.

– QUE1.3. Realizou-se um bom uso dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Analisaram na compreensão os usos e os níveis da língua, assim como as normas linguísticas, aplicaram na composição de mensagens orais, e reviram-se e eliminaram-se os usos discriminatorios, nomeadamente nas relações de género.

– QUE1.5. Utilizou-se a terminologia gramatical adequada na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, aplicando à composição autónoma de textos breves seleccionados estratégias de leitura comprensiva e de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada e progressiva.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua idoneidade para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas ferramentas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, extraindo conclusões para a sua aplicação nas actividades de aprendizagem e reconhecendo possíveis usos discriminatorios desde a perspectiva de género.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, e reviram-se e reformuláronse as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de textos escritos de utilização diária, reconhecendo usos e níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro e preciso.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistemáticas na elaboração de textos escritos que permitem a valoração das aprendizagens desenvolvidas e a reformulação das necessidades de aprendizagem para melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário adequado ao contexto.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais e comprovou-se a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura castelhana anteriores ao século XIX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE3.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua castelhana no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE3.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua castelhana a partir de textos literários.

• RA4. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura em língua galega anteriores ao século XX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE4.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua galega no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE4.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua galega a partir de textos literários.

• RA5. Conhece a formação da língua galega e da língua castelhana e as diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como os fenômenos de contacto de línguas, sendo consciente da necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo.

– QUE5.1. Analisaram-se as características de formação da língua galega e da língua castelhana.

– QUE5.2. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana anterior ao século XX.

– QUE5.3. Analisaram-se os fenômenos de contacto de línguas, atendendo a situações de bilingüismo, diglosia, interferencias e o conflito linguístico.

– QUE5.4. Valorou-se a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.4.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Aplicação de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Pautas para evitar a disrupción em situações de comunicação oral.

• Intercâmbio comunicativo: elementos extralingüísticos da comunicação oral; usos orais informais e formais da língua; adequação ao contexto comunicativo.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral. Organização da frase: estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana.

• Composições orais: exposições orais singelas sobre factos da actualidade; apresentações orais singelas; uso de meios de apoio (meios audiovisuais e TIC).

BC2. Utilização de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Tipos de textos. Características de textos próprios da vida quotidiana e profissional.

• Estratégias de leitura: elementos textuais.

• Pautas para a utilização de dicionários diversos.

• Estratégias básicas no processo de composição escrita.

• Apresentação de textos escritos em diferentes suportes. Aplicação das normas gramaticais e ortográfico em língua castelhana e em língua galega.

• Textos escritos. Principais conectores textuais em língua castelhana e em língua galega. Aspectos básicos das formas verbais nos textos, com especial atenção às perífrases verbais, à concordancia e à coerência temporária e modal. Funções substantivo, adxectiva e adverbial do verbo. Sintaxe (enunciado, frase e oração; sujeito e predicado; complemento directo, indirecto, de regime, circunstancial, agente e atributo). Estruturas subordinadas (substantivo, adxectivas e adverbiais).

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Leitura de textos literários em língua castelhana anteriores ao século XIX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua castelhana a partir da Idade Média e até o século XVIII.

• Narrativa: temas e estilos recorrentes segundo a época literária.

• Poesia: temas e estilos recorrentes segundo a época literária. Interpretação.

• Teatro: temas e estilos segundo a época literária.

BC4. Leitura de textos literários em língua galega anteriores ao século XX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua galega desde a Idade Média e até o século XIX.

• A literatura medieval.

• A literatura dos Séculos Escuros.

• A literatura do século XIX: etapas e obras mais significativas.

BC5. Conhecimento da formação da língua galega e da língua castelhana e das diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como os fenômenos de contacto de línguas.

• A formação da língua galega e da língua castelhana.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana até o século XIX.

• Análise dos fenômenos de contacto de línguas (bilingüismo, diglosia, conflito linguístico e interferencias).

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Valoração do plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

• Crítica dos prejuízos linguísticos.

4.4.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa I.

• Código: MP3011_23.

• Duração: 59 horas.

4.4.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, elaborando apresentações orais de pouca extensão, bem estruturadas, relativas a situações habituais de comunicação quotidiana e frequente de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se as estratégias de escuta activa para a compreensão precisa das mensagens recebidas.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico de mensagens directas ou recebidas mediante formatos electrónicos, valorando as situações de comunicação e os seus envolvimentos no uso do vocabulário empregue.

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global do texto oral que apresenta a informação de forma secuenciada e progressiva em situações habituais frequentes e de conteúdo predicible.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación comum e evidente que ajudam a perceber o sentido geral da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se apresentações orais breves de textos descritivos, narrativos e instrutivos dos âmbitos pessoal, público ou profissional, de acordo com um guião singelo, aplicando a estrutura de cada tipo de texto e utilizando, de ser o caso, meios informáticos.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas adaptadas a contextos diferentes (formal, não formal e situações profissionais) e um repertório essencial e restringido de expressões, frases e palavras de situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE1.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se as normas de relações sociais básicas e estandarizadas dos países onde se fale a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade onde se fale a língua estrangeira.

• RA2. Participa em conversas em língua inglesa utilizando uma linguagem singela e clara em situações habituais frequentes dos âmbitos pessoal ou profissional, activando estratégias de comunicação básicas.

– QUE2.1. Dialogouse, de maneira dirigida e seguindo um guião bem estruturado, utilizando um repertório memorizado de modelos de orações e conversas breves e básicas, sobre situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible.

– QUE2.2. Manteve-se a interacção utilizando estratégias de comunicação singelas para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.3. Utilizaram-se estratégias básicas de compensação para suplir carências na língua estrangeira, como a observação da pessoa interlocutora e a procura da sua ajuda para facilitar a bidireccionalidade da comunicação.

– QUE2.4. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório essencial e restringido de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE2.5. Expressou-se com verdadeira claridade, utilizando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos escritos breves e singelos em língua inglesa, em situações de comunicações habituais e frequentes dos âmbitos pessoal, público ou profissional, desenvolvendo estratégias estruturadas de composição, e aplica estratégias de leitura comprensiva.

– QUE3.1. Leu-se o texto de forma comprensiva, reconhecendo os seus traços básicos e o seu conteúdo global, e analisou-se o seu intuito e o seu contexto.

– QUE3.2. Identificaram-se as ideias fundamentais e o intuito comunicativo básico do texto.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, em situações habituais frequentes, de conteúdo muito predicible.

– QUE3.4. Completaram-se e reorganizáronse frases e orações, atendendo ao propósito comunicativo e a normas gramaticais básicas.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e adequados a um propósito comunicativo, seguindo modelos estruturados.

– QUE3.6. Utilizou-se o léxico essencial adequado para situações frequentes e para o contexto dos âmbitos pessoal ou profissional.

– QUE3.7. Mostrou-se interesse pela boa apresentação dos textos escritos, respeitando as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas, e seguindo singelas pautas de revisão.

– QUE3.8. Utilizaram-se dicionários impressos e em linha e correctores ortográfico dos processadores na composição dos textos.

– QUE3.9. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.4.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Compreensão e produção de textos orais básicos em língua inglesa.

• Ideias principais em telefonemas, mensagens, ordens e indicações muito claras.

• Descrição geral de pessoas, lugares e objectos dos âmbitos profissional e público.

• Narração e explicação sobre situações habituais e frequentes do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, expressões e frases singelas frequentes para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal ou profissional.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais em presente e passado; verbos principais, modais e auxiliares. Funções comunicativas associadas a situações habituais e frequentes. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso para iniciar, ordenar e finalizar.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos de carácter básico que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais.

• Estratégias fundamentais de compreensão e escuta activa.

• Formatos electrónicos mais usuais.

BC2. Participação em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de compreensão e escuta activa para iniciar, manter e rematar a interacção.

• Elaboração de mensagens e textos singelos em língua inglesa.

• Compreensão da informação global e da ideia principal de textos básicos quotidianos, dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Léxico frequente para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas e singelas dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Composição de textos escritos muito breves, singelos e bem estruturados.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Elementos linguísticos fundamentais atendendo aos tipos de textos, aos contextos e aos propósitos comunicativos tendo em conta um enfoque centrado no uso da língua e na sua dimensão social.

• Propriedades básicas do texto.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Estratégias de planeamento e de correcção escrita.

• Estratégias de expressão e de interacção escrita.

• Usos sociais da língua: informação geral, opinião e valoração.

• Funções comunicativas mais habituais dos âmbitos pessoal, público ou profissional em meios escritos.

• Coerência espacio-temporária e coesão através do uso de recursos singelos para iniciar, desenvolver ou rematar um texto escrito.

• Conteúdos léxico-semánticos singelos e básicos da língua inglesa.

• Tempos e formas verbais. Relações temporárias: anterioridade, posterioridade e simultaneidade.

• Estruturas gramaticais básicas.

• A oração simples e a oração composta com and/or/but.

• Dicionários impressos e em linha, e correctores ortográfico.

4.4.3. Unidade formativa 3: Sociedade I.

• Código: MP3011_33.

• Duração: 59 horas.

4.4.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Valora a evolução histórica das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga, assim como as suas relações com as paisagens naturais, analisando os factores e os elementos implicados, e desenvolvendo atitudes e valores de aprecio do património natural e artístico.

– QUE1.1. Descreveram mediante a análise de fontes gráficas as principais características de uma paisagem natural, e reconheceram-se essas características no contorno mais próximo.

– QUE1.2. Explicaram-se a localização, o deslocamento e a adaptação ao meio dos grupos humanos do período da hominización, até o domínio técnico dos metais por parte das principais culturas que o exemplifican.

– QUE1.3. Relacionaram-se as características dos fitos artísticos mais significativos do período prehistórico com a organização social e com o corpo de crenças, e valoraram-se as suas diferenças com as sociedades actuais.

– QUE1.4. Valorou-se a persistencia destas sociedades nas actuais, em especial no território galego e peninsular, identificando e comparando as suas principais características.

– QUE1.5. Discrimináronse as principais características que requer a análise das obras arquitectónicas e escultóricas mediante exemplos arquetípicos, diferenciando estilos canónicos.

– QUE1.6. Julgou-se o impacto das primeiras sociedades humanas na paisagem natural, analisando as características das cidades antigas e a sua evolução na actualidade no território galego e peninsular.

– QUE1.7. Analisou-se a persistencia na Galiza, na Península Ibérica e nos territórios extrapeninsulares espanhóis das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga.

– QUE1.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE1.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora a construção do espacio europeu até as primeiras transformações industriais das sociedades agrárias, analisando as suas características principais, assim como a sua persistencia na sociedade actual e no contorno imediato.

– QUE2.1. Analisou-se a transformação do mundo antigo no medieval, reconhecendo a evolução do espacio europeu, as suas relações com o espacio extraeuropeo e as características mais significativas das sociedades medievais na Galiza e em Espanha.

– QUE2.2. Valoraram-se as características das paisagens agrárias medievais e a sua persistencia nas sociedades actuais galega e espanhola, identificando os seus elementos principais.

– QUE2.3. Valoraram-se as consequências da construção dos impérios coloniais na América do Norte nas culturas autóctones e nas europeias.

– QUE2.4. Analisou-se o modelo político e social da monarquia absoluta durante a Idade Moderna nas principais potências europeias, assim como as suas peculiaridades na Galiza e em Espanha.

– QUE2.5. Valoraram-se os indicadores demográficos básicos das transformações na povoação europeia, espanhola e galega durante o período analisado.

– QUE2.6. Descreveram-se as principais características da análise das obras pictóricas através do estudo de exemplos arquetípicos das escolas e dos estilos que se sucedem na Europa, em Espanha e na Galiza desde o Renacemento até a irrupção das vanguardas históricas.

– QUE2.7. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do perfil do título, analisando as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE2.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando as tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE2.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho em equipa.

4.4.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades prehistóricas e antigas e a sua relação com o meio natural.

• Paisagens naturais: aspectos gerais e locais.

• Sociedades prehistóricas.

• Nascimento das cidades: habitat urbano e a sua evolução; gráficos de representação urbana; sociedades urbanas antigas; cultura grega (extensão, traços, fitos principais e características essenciais da arte grega); cultura romana (características essenciais da arte romana); sociedades prehistóricas e antigas no território galego e peninsular.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (guiões, esquemas, resumos, etc.); ferramentas singelas de localização cronolóxica; vocabulário seleccionado e específico.

BC2. Valoração da criação do espacio europeu na Idade Média e na Idade Moderna.

• Europa medieval: persistencia de usos e costumes (espacio agrário e as suas características); contacto com outras culturas.

• Europa das monarquias absolutas: grandes monarquias europeias (localização e evolução sobre o mapa no contexto europeu); monarquia absoluta em Espanha; evolução do sector produtivo durante o período.

• Colonização da América do Norte.

• Galiza nas épocas medieval e moderna.

• Estudo da povoação: evolução demográfica do espacio europeu; comentário de gráficas de povoação (pautas e instrumentos básicos).

• Evolução da arte europeia, espanhola e galega das épocas medieval e moderna. Pautas básicas para o comentário de obras pictóricas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (resumos, fichas temáticas, biografias, folhas de cálculo ou similares, etc.); vocabulário específico.

4.4.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja quem de reconhecer as características básicas dos fenômenos relacionados com a actividade humana e melhorar as suas habilidades comunicativas.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra conhecimentos básicos relativos a ciências sociais, língua galega e literatura, língua castelhana e literatura, e língua inglesa, estará enfocada ao uso de ferramentas básicas da análise textual, à elaboração de informação estruturada oral e escrita, à localização espacio-temporária dos fenômenos sociais e culturais, ao respeito pela diversidade de crenças e às pautas de relação quotidiana em diferentes sociedades e grupos humanos, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e em equipa.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana I, Comunicação em língua inglesa I, e Sociedade I.

A língua galega e literatura, e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais ñ), o), p), q), r), s), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais n), ñ), o), p), q), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas a:

– Concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar a integração do estudantado nas situações de aprendizagem propostas, mediante a aplicação de estratégias motivadoras.

– Potenciação da autonomia na execução das actividades e na gestão do seu tempo de aprendizagem, no âmbito das competências e dos contidos do âmbito sociolinguístico.

– Realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e em equipa.

– Uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance, fomentando o uso das TIC, que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações estruturadas da realidade.

– Uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração do estudantado nas actividades de aprendizagem, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade.

– Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens singelas orais e escritas, mediante o seu uso em diferentes tipos de situações comunicativas e textuais do contorno do estudantado.

– Uso de um vocabulário adequado às situações do seu contorno, que orientará a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho em equipa que permita a integração do estudantado nas actividades educativas com garantia de sucesso.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes presentes no contorno do estudantado, em relação com as necessidades derivadas do uso da língua com diferentes/as falantes.

– Desenvolvimento de hábitos de leitura que permitam a satisfacção com a produção literária, mediante o uso de textos seleccionados acordes com as suas necessidades e características.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração motivadora de saberes que lhe permitam ao estudantado analisar e valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Utilização de recursos e fontes de informação ao seu alcance para organizar a informação que extraia, para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação da diversidade dos grupos humanos e os seus sucessos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas do contorno do estudantado a partir da análise da informação disponível e da formulação de explicações justificadas e a reflexão sobre a sua actuação ante estas, em situações de aprendizagem pautadas.

– Potenciação das capacidades de observação e critérios para a satisfacção com as expressões artísticas mediante a análise pautada de produções artísticas arquetípicas, apreciando os seus valores estéticos e temáticos.

4.5. Módulo profissional: Comunicação e sociedade II.

• Código: MP3012.

• Duração: 135 horas.

4.5.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana II.

• Código: MP3012_13.

• Duração: 67 horas.

4.5.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias razoadas de composição e as normas linguísticas correctas em cada caso.

– QUE1.1. Aplicaram-se as técnicas da escuta activa na análise de mensagens orais procedentes de diversas fontes.

– QUE1.2. Reconheceu-se o intuito comunicativo e a estrutura e coesão da comunicação oral, valorando possíveis respostas.

– QUE1.3. Realizou-se um uso correcto dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Aplicaram-se as técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

– QUE1.5. Analisaram-se os usos e os níveis da língua e as normas linguísticas na compreensão e aplicaram na composição de mensagens orais, valorando e eliminando os usos discriminatorios.

– QUE1.6. Utilizou-se a terminologia gramatical correcta na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando à composição autónoma de textos de progressiva complexidade estratégias de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua adequação para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas técnicas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, reconhecendo possíveis usos discriminatorios.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, revendo e reformulando as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de diversos textos escritos de uso académico ou profissional, reconhecendo os usos e os níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro, preciso e adequado ao formato e ao contexto comunicativo.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistematizadas na preparação de textos escritos que permitem melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário correcto segundo as normas linguísticas e a finalidade.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais, comprovando a precisão e a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade, reconhecendo o intuito do autor ou da autora e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE3.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua castelhana no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE3.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua castelhana, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA4. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade, reconhecendo o intuito da autora ou do autor e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE4.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua galega no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE4.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua galega, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA5. Conhece e valora a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol e as principais características das variedades geográficas da língua galega e da língua castelhana, assim como as diferentes etapas, desde começos do século XX, da história social da língua galega e da língua castelhana, valorando a função do standard, a necessidade de normalizar a língua galega e rejeitando os prejuízos linguísticos.

– QUE5.1. Identificou-se a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol, valorando a diversidade linguística como um elemento de enriquecimento cultural e outorgando-lhe a todas as línguas o mesmo valor e a mesma função comunicativa.

– QUE5.2. Reconhece-se a variedade interna das línguas castelhana e galega como símbolo da riqueza do nosso património linguístico.

– QUE5.3. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

– QUE5.4. Valorou-se a função do standard de qualquer língua, assim como a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.5.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Técnicas de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Exposição de ideias e argumentos: organização e preparação dos contidos (ilación, sucessão e coerência); estrutura.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral: organização da frase (estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana); coerência semántica.

• Uso de recursos audiovisuais.

• Técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

BC2. Uso de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Trabalhos, relatórios, ensaios e outros textos académicos, científicos e profissionais.

• Aspectos linguísticos que há que ter em conta: registros comunicativos da língua e factores que condicionar o seu uso; variações das formas deícticas em relação com a situação; estilo directo e indirecto.

• Estratégias de leitura com textos académicos.

• Apresentação de textos escritos.

• Compreensão e produção de textos escritos: conectores textuais (causa, consequência, condição e hipótese); formas verbais nos textos (perífrases verbais; concordancia e coerência temporária e modal); sintaxe (complementos; frases compostas); estratégias para melhorar o interesse da pessoa receptora.

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Interpretação de textos literários em língua castelhana desde o século XIX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária do período estudado.

• A literatura em língua castelhana nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua castelhana.

BC4. Interpretação de textos literários em língua galega desde começos do século XX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• A literatura em língua galega nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua galega.

BC5. Conhecimento e respeito pela diversidade linguística, a história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX e valoração do standard e da necessidade de normalizar a língua galega.

• A situação sociolinguístico das línguas do Estado espanhol.

• A variedade interna da língua castelhana e da língua galega.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

• Funções e valor da língua standard.

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Reconhecimento e rejeição dos prejuízos linguísticos, valorando o plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

4.5.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa II.

• Código: MP3012_23.

• Duração: 34 horas.

4.5.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, aplicando os princípios da escuta activa e elaborando apresentações orais de pouca extensão, claras e estruturadas, relativas a temas e aspectos concretos, frequentes e quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se sistematicamente as estratégias de escuta activa para a compreensão global e específica das mensagens recebidas, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo de mensagens directas ou empregando um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso, estruturadores (de abertura, continuidade e pechamento).

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global e as ideias principais do texto oral e de estruturas gramaticais básicas em orações singelas, de situações habituais frequentes e de conteúdo predicible e concreto.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación essenciais que ajudam a perceber o sentido global e as ideias principais e secundárias da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se composições e apresentações orais breves de acordo com um guião estruturado, aplicando o formato e os traços próprios de cada tipo de texto de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e marcadores de discurso para iniciar, enlaçar, ordenar e finalizar o discurso em situações habituais frequentes e aspectos concretos.

– QUE1.7. Expressou-se a informação usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis, aceitando-se as pautas e pequenas vacilações.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se e valoraram-se as normas de relação social e as normas de cortesía mais frequentes dos países onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se e valoraram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade e do lugar de trabalho onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.11. Identificaram-se as principais atitudes e os comportamentos profissionais em situações de comunicação habituais do âmbito profissional.

• RA2. Mantém conversas singelas e breves em língua inglesa em situações habituais e concretas, cara a cara ou por meios técnicos, do âmbito pessoal, público e profissional, empregando estratégias de comunicação básica.

– QUE2.1. Dialogouse seguindo um guião sobre temas e aspectos concretos e frequentes do âmbito pessoal, público e profissional.

– QUE2.2. Descreveram-se, narraram-se e explicaram-se experiências próprias.

– QUE2.3. Escutou-se e dialogouse em interacções singelas, quotidianas da vida profissional, pública e pessoal, solicitando e proporcionando informação com verdadeiro detalhe.

– QUE2.4. Manteve-se a interacção utilizando diversas estratégias de comunicação essenciais para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.5. Utilizaram-se estratégias de compensação para suplir carências na língua estrangeira (parafrasear, linguagem corporal e ajudas audiovisuais), para facilitar a comunicação entre as pessoas interlocutoras.

– QUE2.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório essencial e limitado de expressões, frases, palavras frequentes e marcadores de discurso lineais.

– QUE2.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis e compreensível, aceitando-se algumas pausas e vacilações, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos breves e singelos com verdadeiro detalhe em língua inglesa relativos a situações de comunicação habituais do âmbito pessoal, público e profissional, aplicando estratégias de leitura comprensiva e desenvolvendo estratégias sistemáticas de composição.

– QUE3.1. Leu-se o texto reconhecendo os traços essenciais do género, o seu intuito, o seu contexto e a sua estrutura, e interpretando o seu conteúdo global e específico sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE3.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico do texto, o sentido geral, a informação essencial e as partes principais, mesmo quando o texto se organiza de diferente maneira.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso básicos e lineais, em situações habituais frequentes e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.4. Completaram-se frases, orações e textos singelos atendendo ao propósito comunicativo, com estruturas gramaticais de escassa complexidade, em situações habituais e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e singelos, adequados a um propósito comunicativo, empregando os conectores mais frequentes para enlaçar as orações.

– QUE3.6. Respeitaram-se as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas seguindo pautas sistemáticas e concretas de revisão e correcção.

– QUE3.7. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.5.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Interpretação e comunicação de textos orais quotidianos em língua inglesa.

• Distinção de ideias principais e secundárias, informação essencial de textos orais breves e singelos.

• Descrição de aspectos concretos de pessoas, lugares, serviços básicos, objectos e gestões singelas.

• Experiências dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Narração, explicações e intercâmbio de acontecimentos e experiências do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, frases e expressões para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal e profissional.

• Tipos de textos e a sua estrutura.

• Recursos tecnológicos.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais simples e compostas. Funções comunicativas associadas a situações habituais do âmbito pessoal, público e profissional. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Orações simples e subordinadas de escassa complexidade.

• Estratégias de compreensão e escuta activa.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais e das normas de cortesía.

• Reconhecimento e uso de expressões relacionadas com os costumes e os ritos numa comunidade de pessoas utentes da língua inglesa.

BC2. Interacção em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de interacção para manter e seguir uma conversa.

• Uso de frases estandarizadas.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Informação global e específica de mensagens de escassa dificultai referentes a assuntos básicos quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Composição de textos escritos breves e bem estruturados.

• Léxico para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas, necessárias, singelas e concretas dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Terminologia específica da área profissional do estudantado.

• Recursos gramaticais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Uso das orações simples e compostas na linguagem escrita.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Propriedades básicas do texto.

• Normas socioculturais nas relações dos âmbitos pessoal, público e profissional em situações quotidianas.

• Estratégias de planeamento da mensagem.

4.5.3. Unidade formativa 3: Sociedade II.

• Código: MP3012_33.

• Duração: 34 horas.

4.5.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Infire as características essenciais das sociedades contemporâneas a partir do estudo da sua evolução histórica, analisando os traços básicos da sua organização social, política e económica em diferentes momentos, e a sucessão de transformações e conflitos acaecidos.

– QUE1.1. Discrimináronse as consequências para a organização das sociedades actuais das correntes ideológicas que a cimentaron, situando no tempo e no espacio.

– QUE1.2. Valorou-se o modelo globalizado actual de relações económicas mediante o estudo das transformações económicas produzidas como consequência das inovações tecnológicas e os sistemas organizativo da actividade produtiva.

– QUE1.3. Categorizáronse as características da organização social contemporânea, em especial a galega e a espanhola, analisando a estrutura e as relações sociais da povoação actual e a sua evolução durante o período, utilizando gráficas e fontes directas seleccionadas.

– QUE1.4. Examinou-se a evolução das relações internacionais contemporâneas, elaborando explicações causais e consecutivas que permitam desenvolver opiniões próprias sobre os conflitos actuais.

– QUE1.5. Valorou-se o processo de unificação do espacio europeu, analisando a sua evolução, os seus princípios e as suas instituições significativas, e argumentou-se a sua influência nas políticas nacionais dos países membros da União Europeia.

– QUE1.6. Associou-se a evolução dos acontecimentos históricos globais com a evolução histórica do Estado espanhol e do território galego, identificando as suas fases de evolução, os principais conflitos e a sua situação actual.

– QUE1.7. Identificaram-se os traços essenciais da arte contemporânea, em especial a galega e a espanhola, e a sua evolução até os nossos dias, construindo opiniões e critérios próprios de ordem estética.

– QUE1.8. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do título e descreveram-se as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE1.9. Elaboraram-se instrumentos pautados de recolhida e difusão de informação que permitam a avaliação das aprendizagens realizadas, utilizando o vocabulário preciso.

– QUE1.10. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora os princípios básicos do sistema democrático analisando as suas instituições e as organizações políticas e económicas em que se manifesta, inferindo pautas de actuação para acomodar o seu comportamento ao cumprimento dos supracitados princípios.

– QUE2.1. Reconheceram-se os princípios básicos da Declaração universal de direitos humanos e a sua situação no mundo de hoje, valorando o seu envolvimento para a vinda quotidiana.

– QUE2.2. Analisaram-se os princípios reitores, as instituições e as normas de funcionamento das principais instituições internacionais, julgando o seu papel nos conflitos mundiais.

– QUE2.3. Valorou-se a importância da mediação e da resolução de conflitos na extensão do modelo democrático, desenvolvendo critérios próprios e razoados para a resolução destes.

– QUE2.4. Julgaram-se os traços essenciais do modelo democrático espanhol valorando o contexto histórico do seu desenvolvimento.

– QUE2.5. Valorou-se o envolvimento do princípio de não discriminação nas relações pessoais e sociais do contorno, julgando comportamentos próprios e alheios e inferindo pautas e acções apropriadas para acomodar a atitude aos direitos e às obrigações que disso derivam.

– QUE2.6. Elaborou-se informação pautada e organizada para a sua utilização em situações de trabalho colaborativo e contraste de opiniões.

4.5.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades contemporâneas.

• Construção dos sistemas democráticos: a Ilustração e as suas consequências, a sociedade liberal e a sociedade democrática.

• Estrutura económica e a sua evolução. Princípios de organização económica. Economia globalizada actual. A segunda globalização. Terceira globalização: problemas do desenvolvimento. Evolução do sector produtivo próprio na Galiza e em Espanha.

• Relações internacionais. Grandes potências e conflito colonial. Guerra Civil europeia. Descolonización e Guerra Fria. Mundo globalizado actual. Principais instituições internacionais. Galiza e Espanha no marco de relações actual.

• Construção europeia. Galiza e Espanha na Europa.

• Arte contemporânea: ruptura do cânone clássico; o cine e o cómic como entretenimento de massas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: trabalho colaborativo; apresentações e publicações web.

BC2. Valoração das sociedades democráticas.

• Declaração universal de direitos humanos: os direitos humanos na vida quotidiana; conflitos internacionais actuais.

• Modelo democrático espanhol: construção da Espanha democrática; Constituição espanhola. A organização do Estado espanhol. O Estado das autonomias. O Estatuto de autonomia da Galiza.

• Princípio de não discriminação na convivência diária. Resolução de conflitos.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas. Processos e pautas para o trabalho colaborativo. Preparação e apresentação de informação para actividades deliberativas. Normas de funcionamento e atitudes no contraste de opiniões.

4.5.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente do estudantado e contém a formação para melhorar as suas possibilidades de desenvolvimento pessoal, social e profissional, utilizando os passos do método científico, mediante a análise dos principais fenômenos relacionados com as actividades humanas no mundo contemporâneo, com o desenvolvimento de estratégias comunicativas suficientes em línguas galega e castelhana, e com os fundamentos da comunicação em língua inglesa em diferentes situações habituais.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra matérias como as ciências sociais, a língua galega e literatura, a língua castelhana e literatura, e língua inglesa, enfocarase à aquisição de ferramentas de análise espacio-temporária, ao tratamento de textos orais e escritos, à elaboração de mensagens estruturadas e ao respeito para outras sociedades, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e colaborativa, para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana II, Comunicação em língua inglesa II, e Sociedade II.

A língua galega e literatura, e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais ñ), o), p), q), r), s), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais n), ñ), o), p), q), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas para:

– Concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar o envolvimento activo do estudantado no seu processo formativo, onde a prática e a funcionalidade das aprendizagens constituam um contínuum que facilite a realização das actividades que leve a cabo o estudantado.

– Potenciação da autonomia e da iniciativa pessoal, para utilizar as estratégias adequadas no âmbito sociolinguístico.

– Realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o desenvolvimento e o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e colaborativo.

– Uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações razoadas da realidade.

– Garantia do acesso à informação para todo o estudantado, fomentando o uso das TIC.

– Uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração de competências e conteúdos, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade para permitir a adaptação do estudantado à realidade pessoal, social e profissional.

– Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional e a sua adaptação aos requisitos profissionais do seu contorno.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens orais e escritas, mediante o seu uso em situações comunicativas e textuais de diferentes tipos.

– Uso de um vocabulário adequado às situações da vida pessoal, social e profissional que deverá vehicular a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho colaborativo que permita desenvolver o conceito de inteligência colectiva e a sua relação com o âmbito profissional.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes característica das sociedades contemporâneas, mais especificamente no âmbito das culturas de fala inglesa.

– Criação de hábitos de leitura e critérios estéticos próprios que lhe permitam ao estudantado a satisfacção com a produção literária, com maior afondamento na produção nas línguas galega e castelhana.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração de saberes que permitam o estudo de um fenômeno relacionado com as ciências sociais desde uma perspectiva multidiciplinar que lhe permitam ao estudantado valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Uso de estratégias e destrezas de actuação, recursos e fontes de informação ao seu alcance para se achegar ao método científico e organizar a informação que extraia para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação das mudanças e das transformações sofridas pelos grupos humanos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas da sociedade actual a partir da análise da informação disponível e da concreção de hipóteses próprias e razoadas de explicação dos fenômenos observados em situação de aprendizagem.

– Potenciação das capacidades de apreciação e de criação, de educação do gosto pelas artes, mediante o desenvolvimento de conteúdos e actividades que se relacionem com obras e expressões artísticas seleccionadas.

4.6. Módulo profissional: Processos básicos de pastelaría.

• Código: MP3017.

• Duração: 325 horas.

4.6.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Conserva géneros crus e elaborados para a sua posterior regeneração e o seu uso, operando com equipamentos singelos e utilizando técnicas específicas para o tipo de produto.

– QUE1.1. Reconheceram-se, classificaram-se e caracterizaram-se as matérias primas que se utilizam em pastelaría com as suas qualidades físicas (cor, tamanho, sabor, etc.).

– QUE1.2. Identificaram-se as formas em que se subministram as matérias primas utilizadas em pastelaría, seguindo os procedimentos estabelecidos.

– QUE1.3. Diferenciaram-se métodos de conservação de géneros de pastelaría (congelação ou envase ao vazio).

– QUE1.4. Realizaram-se as operações precisas para regenerar géneros crus ou elaborados, tendo em conta o seu envasamento, a sua armazenagem e a sua conservação.

– QUE1.5. Aplicaram-se as operações prévias que necessitam os produtos crus e elaborados em função do método ou do equipamento elegido para a sua regeneração.

– QUE1.6. Reconheceu-se a importância de obter o máximo rendimento das matérias primas e dos produtos conservados para rendibilizar os custos e evitar desgastes innecesarios.

– QUE1.7. Realizaram-se todas as operações tendo em conta a normativa hixiénico-sanitária, de segurança laboral e de protecção ambiental.

• RA2. Prepara massas de pastelaría doce e salgada, utilizando técnicas básicas de elaboração de produtos (amasado, fermentação, etc.).

– QUE2.1. Prepararam-se os utensilios de trabalho e as matérias primas para a sua posterior elaboração a partir da valoração das fichas técnicas.

– QUE2.2. Descreveram-se e analisaram-se as características das massas de pastelaría.

– QUE2.3. Classificaram-se os tipos de massas de pastelaría, doces e salgadas.

– QUE2.4. Preparou-se a massa para frituras, aplicando procedimentos segundo o tipo e o acabamento previsto (chulas, rosquillas, churros, empanadillas, etc.).

– QUE2.5. Realizou-se a fritura dos produtos, valorando o tempo e a temperatura de cocción e aplicando os procedimentos de volteo e outros, segundo os requisitos de qualidade e acabamento.

– QUE2.6. Prepararam-se as massas batidas e emulsionadas para produtos enfornados (biscoitos, plum cakes, madalenas, etc.), segundo a receita e o procedimento de aplicação.

– QUE2.7. Aplicaram-se as massas batidas e emulsionadas, e verificou-se a sua fluidez, a sua cor e a sua flexibilidade sobre o produto, segundo os acabamentos previstos.

– QUE2.8. Controlou-se o processo de enfornamento, valorando tempos e temperaturas e aplicando procedimentos de rectificação, segundo as observações realizadas.

– QUE2.9. Identificaram-se as massas susceptíveis de conservação por meio do tratamento por frio.

– QUE2.10. Descreveu-se o procedimento de regeneração das elaborações congeladas.

– QUE2.11. Valorou-se a utilização dos moldes, os equipamentos e as temperaturas das massas obtidas, segundo se destinem ao seu uso imediato ou a armazenamento.

– QUE2.12. Aplicaram-se procedimentos no uso das matérias primas e dos meios energéticos, e avaliou-se o seu efeito nos custos de produção.

– QUE2.13. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza durante os procedimentos de elaboração e cocción para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração de massas, valorando as normas de higiene na elaboração de alimentos.

• RA3. Prepara massas doces e salgadas de pouca complexidade, utilizando técnicas básicas de cocinhado para obter produtos de pastelaría acabados ou preparados de uso posterior.

– QUE3.1. Prepararam-se os utensilios de trabalho e as matérias primas para a sua posterior elaboração a partir da valoração das fichas técnicas.

– QUE3.2. Descreveram-se e analisaram-se as características das massas doces e salgadas.

– QUE3.3. Classificaram-se os tipos de massas de pastelaría, doces e salgadas.

– QUE3.4. Prepararam-se massas básicas doces e salgadas (sable, choux, brioche, quebrada, de follado básico, etc.) aplicando procedimentos segundo o tipo e o acabamento previsto.

– QUE3.5. Valorou-se o tempo e a temperatura de cocción e aplicaram-se os procedimentos requeridos de qualidade e acabamento.

– QUE3.6. Prepararam-se as massas batidas e emulsionadas para produtos ao forno (sable, choux, brioche, quebrada, de follado básico, etc.) segundo a receita e o procedimento de aplicação.

– QUE3.7. Aplicaram-se sobre o produto as massas doces e salgadas, verificando a sua fluidez, a sua cor e a sua textura, segundo os acabamentos previstos.

– QUE3.8. Controlou-se o processo de enfornamento, valorando tempos e temperaturas, e aplicaram-se procedimentos de rectificação segundo as observações realizadas.

– QUE3.9. Identificaram-se as massas susceptíveis de conservação por meio do tratamento por frio.

– QUE3.10. Descreveu-se o procedimento de regeneração das elaborações congeladas.

– QUE3.11. Valorou-se a utilização de moldes, recipientes, equipamentos e temperaturas das massas obtidas, segundo se destinem ao seu uso imediato ou ao seu armazenamento.

– QUE3.12. Aplicaram-se procedimentos adequados no uso das matérias primas e dos meios energéticos, e avaliou-se o seu efeito nos custos de produção.

– QUE3.13. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza durante os procedimentos de elaboração e cocción, para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração de massas, valorando as normas de higiene na elaboração de alimentos.

• RA4. Realiza actividades auxiliares na preparação de acredita-mas e recheados doces e salgados, utilizando técnicas básicas de elaboração, de jeito que resultem aptos para o seu consumo e uso posterior em produtos de pastelaría.

– QUE4.1. Prepararam-se os utensilios de trabalho e as matérias primas para a sua posterior elaboração, a partir da valoração das fichas técnicas.

– QUE4.2. Classificaram-se e caracterizaram-se os tipos de recheados e acredita-mas em função das suas aplicações e das suas especificações.

– QUE4.3. Prepararam-se acredita-mas básicas elaboradas a partir de produtos lácteos ou batidos, e diversos tipos de recheados, doces e salgados, realizados a partir de frutas, verduras, arroces, picado, etc., aplicando procedimentos segundo o tipo e o acabamento previsto.

– QUE4.4. Valorou-se o tempo e a temperatura de cocción, e aplicaram-se os procedimentos requeridos de qualidade e acabamento.

– QUE4.5. Prepararam-se acredita-mas e recheados para produtos enfornados, segundo a receita e o procedimento de aplicação.

– QUE4.6. Aplicaram-se as acredita-mas e os recheados sobre o produto e verificou-se a sua fluidez, a sua cor e a sua textura, segundo os acabamentos previstos.

– QUE4.7. Controlou-se o processo de cocción, valorando tempos e temperaturas, e aplicaram-se procedimentos de rectificação, em função das observações realizadas.

– QUE4.8. Identificaram-se os recheados e as acredita-mas susceptíveis de conservação mediante o tratamento por frio.

– QUE4.9. Descreveu-se o procedimento de regeneração das elaborações congeladas.

– QUE4.10. Valorou-se a utilização de moldes, equipamentos e temperaturas das massas e dos recheados obtidos, segundo se destinem ao seu uso imediato ou a armazenamento.

– QUE4.11. Aplicaram-se procedimentos no uso das matérias primas e dos meios energéticos, e avaliou-se o seu efeito nos custos de produção.

– QUE4.12. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza durante os procedimentos de elaboração e cocción para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração de acredita-mas e recheados doces e salgados, com valoração das normas de higiene na elaboração de alimentos.

• RA5. Realiza actividades auxiliares à preparação de xaropes, confeituras e xelatinas, utilizando técnicas básicas de elaboração de jeito que resultem aptos para o seu consumo e para o seu uso posterior em produtos de pastelaría.

– QUE5.1. Prepararam-se os utensilios de trabalho e as matérias primas para a sua posterior elaboração, a partir da valoração das fichas técnicas.

– QUE5.2. Classificaram-se e caracterizaram-se os tipos de xaropes, confeituras e xelatinas, assim como as suas aplicações e as suas especificações.

– QUE5.3. Prepararam-se xaropes, confeituras e xelatinas realizados a partir de frutas, licores e açúcares, entre outros, aplicando procedimentos segundo o tipo e o acabamento previsto.

– QUE5.4. Prepararam-se xaropes, confeituras e xelatinas para produtos enfornados segundo a receita e o procedimento de aplicação.

– QUE5.5. Aplicaram-se sobre o produto xaropes, confeituras e xelatinas, e verificou-se a sua fluidez, a sua cor e a sua extensão, segundo os acabamentos previstos.

– QUE5.6. Controlou-se o processo de elaboração, valorando tempos e temperaturas, e aplicaram-se procedimentos de rectificação, em função das observações realizadas.

– QUE5.7. Identificaram-se tipos de xaropes, confeituras e xelatinas susceptíveis de conservação mediante o tratamento por frio.

– QUE5.8. Descreveu-se o procedimento de regeneração das elaborações congeladas.

– QUE5.9. Valorou-se a utilização de moldes, equipamentos e temperaturas dos xaropes, as xelatinas e as confeituras obtidas, segundo se destinem ao seu uso imediato ou a armazenamento.

– QUE5.10. Aplicaram-se procedimentos no uso das matérias primas e dos meios energéticos, e avaliou-se o seu efeito nos custos de produção.

– QUE5.11. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza durante os procedimentos de elaboração e cocción para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração de acredita-mas e recheados, com valoração das normas de higiene na elaboração de alimentos.

• RA6. Prepara chocolates, preparações com gelo picado, batidos, sumos, cafés, infusións e outras bebidas elaboradas a partir de especificações para o seu consumo directo.

– QUE6.1. Prepararam-se os utensilios de trabalho e as matérias primas para a sua posterior elaboração a partir da valoração das fichas técnicas.

– QUE6.2. Classificaram-se e caracterizaram-se os tipos de chocolates, preparações com gelo picado, batidos, sumos, cafés, infusións e outras bebidas, assim como as suas aplicações e as suas especificações.

– QUE6.3. Prepararam-se bebidas específicas de pastelarías realizadas a partir de frutas, licores e açúcares, entre outros, aplicando procedimentos segundo o tipo e o acabamento previsto.

– QUE6.4. Valorou-se o tempo e a temperatura de elaboração, e aplicaram-se os procedimentos requeridos, segundo os requisitos de qualidade e acabamento.

– QUE6.5. Prepararam-se bebidas específicas de pastelaría para produtos enfornados, segundo a receita e o procedimento de aplicação.

– QUE6.6. Aplicaram-se bebidas específicas de pastelaría e verificou-se a sua fluidez, a sua cor e a sua textura sobre o produto, segundo os acabamentos previstos.

– QUE6.7. Controlou-se o processo de elaboração, valorando tempos e temperaturas, e aplicaram-se procedimentos de rectificação, em função das observações realizadas.

– QUE6.8. Identificaram-se chocolates, preparações com gelo picado, batidos, sumos, cafés, infusións e outras bebidas susceptíveis de conservação por meio do tratamento por frio.

– QUE6.9. Descreveu-se o procedimento de regeneração das elaborações conservadas em frio.

– QUE6.10. Valorou-se a utilização de recipientes, equipamentos e temperaturas das bebidas específicas obtidas, segundo se destinem ao seu uso imediato ou a armazenamento.

– QUE6.11. Aplicaram-se procedimentos no uso das matérias primas e dos meios energéticos, e avaliou-se o seu efeito nos custos de produção.

– QUE6.12. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza durante os procedimentos de elaboração e cocción, para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração de bebidas específicas de pastelaría, com valoração das normas de higiene na elaboração de alimentos.

• RA7. Cumpre as normas hixiénico-sanitárias de segurança laboral e de manipulação de alimentos para evitar riscos laborais, ambientais e de toxiinfeccións alimentárias em pastelaría.

– QUE7.1. Cumpriram-se as normas hixiénico-sanitárias, de segurança laboral e de manipulação de alimentos em pastelaría referentes a instalações, maquinaria e utensilios.

– QUE7.2. Valorou-se o perigo que supõe a manipulação de materiais, ferramentas, utensilios e máquinas utilizados em pastelaría.

– QUE7.3. Aplicaram-se as medidas de segurança e de protecção pessoal e colectiva na execução de operações na área de trabalho.

– QUE7.4. Identificaram-se as causas mais frequentes de acidentes na manipulação de materiais, ferramentas, máquinas e equipamentos de trabalho empregues.

– QUE7.5. Reconheceu-se a etiquetaxe dos utensilios e dos produtos de limpeza, tendo em conta as suas propriedades e aplicações, para garantir a eficácia, a segurança e o respeito ambiental.

– QUE7.6. Seleccionaram-se os produtos e os utensilios de limpeza autorizados, tendo em conta a maquinaria e os utensilios utilizados nas elaborações de produtos de pastelaría.

– QUE7.7. Verificou-se a eficácia dos métodos de limpeza e desinfecção.

– QUE7.8. Aplicaram-se as normas de gestão de refugallos e lixo.

4.6.2. Conteúdos básicos.

BC1. Conservação e regeneração de géneros crus e elaborados.

• Matérias primas.

• Apresentação das matérias primas.

• Métodos de conservação das matérias primas.

• Envasamento das matérias primas.

• Métodos e equipamentos para a regeneração das matérias primas.

• Limpeza de maquinaria e normas hixiénico-sanitárias.

BC2. Preparação de massas doces e salgadas de pastelaría.

• Fichas técnicas, maquinaria e utensilios.

• Massas básicas.

• Frituras.

• Batidas e emulsionadas.

• Enfornamento de massas.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Armazenamento, conservação e uso das massas.

• Equipamentos para regenerar massas.

• Métodos de limpeza.

• Normas hixiénico-sanitárias.

BC3. Preparação de massas doces e salgadas básicas.

• Fichas técnicas, maquinaria e utensilios.

• Massas básicas, doces e salgadas.

• Métodos de cocción das massas.

• Massas batidas e emulsionadas.

• Enfornamento de massas.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Armazenamento, conservação e uso das massas doces e salgadas.

• Equipamentos para regenerar massas.

• Métodos de limpeza.

• Normas hixiénico-sanitárias.

BC4. Preparação de acredita-mas e recheados doces e salgados.

• Fichas técnicas, maquinaria e utensilios.

• Acredita-mas e recheados básicos.

• Métodos de cocción de acredita-mas e recheados.

• Enfornamento de acredita-mas e recheados.

• Rectificações de acredita-mas e recheados.

• Armazenamento, conservação e uso de acredita-mas e recheados doces e salgados.

• Equipamentos para regenerar acredita-mas e recheados.

• Métodos de limpeza.

• Normas hixiénico-sanitárias.

BC5. Preparação de xaropes, confeituras e xelatinas.

• Fichas técnicas, maquinaria e utensilios.

• Xaropes, confeituras e xelatinas.

• Métodos de cocción de xaropes, confeituras e xelatinas.

• Aplicações de xaropes, confeituras e xelatinas.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Armazenamento, conservação e uso dos xaropes, confeituras e xelatinas.

• Equipamentos para regenerar xaropes, confeituras e xelatinas.

• Métodos de limpeza.

• Normas hixiénico-sanitárias.

BC6. Preparação de chocolates, preparações com gelo picado, batidos, sumos, cafés e infusións.

• Fichas técnicas, maquinaria e utensilios.

• Bebidas de uso em pastelaría.

• Métodos de elaboração das bebidas de uso em pastelaría.

• Aplicações das bebidas de uso em pastelaría.

• Defeitos e correcção das elaborações.

• Armazenamento, conservação e uso dos xaropes, confeituras e xelatinas.

• Equipamentos para regenerar as bebidas de uso em pastelaría.

• Métodos de limpeza.

• Normas hixiénico-sanitárias.

BC7. Cumprimento das normas hixiénico-sanitárias de segurança laboral, e de manipulação de alimentos.

• Normativa hixiénico-sanitária e de segurança laboral.

• Identificação de riscos e perigos.

• Causas frequentes de acidentes.

• Prevenção de riscos.

• Os produtos de limpeza.

• Protecção ambiental.

4.6.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contém a formação necessária para desempenhar funções de recepção, distribuição e regeneração de matérias primas utilizadas no processo de pastelaría, assim como a preparação do lugar de trabalho e as correspondentes tarefas relacionadas com a elaboração de uma ampla gama de produtos. Também intervém na apresentação atractiva e comercial dos produtos e na sua venda.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), f), g), i), t), u), v), w), x), y), z), aa) e ab) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), b), c), d), e), f), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Descrição, preparação e utilização de maquinaria, moldes e utensilios próprios da pastelaría.

– Conservação, regeneração e distribuição pela área de trabalho dos géneros.

– Participação na elaboração de massas, massas, acredita-mas, recheados, xaropes, confeituras, xelatinas, etc.

– Acabamento e apresentação dos produtos de pastelaría, assim como a participação na sua venda.

4.7. Módulo profissional: Dispensação em panadaría e pastelaría.

• Código: MP3026.

• Duração: 165 horas.

4.7.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Monta expositores, elementos atractivos e de animação em pontos destinados à venda de produtos de panadaría e pastelaría, aplicando critérios comerciais próprios das técnicas de escaparatismo.

– QUE1.1. Reconheceram-se as fases do processo de montagem de um gabinete de venda de produtos de panadaría e pastelaría.

– QUE1.2. Seleccionaram-se e agruparam-se por sectores, dentro do ponto de venda, os lugares idóneos onde situar os produtos de panadaría e pastelaría.

– QUE1.3. Analisaram-se as características dos expositores e das vitrinas.

– QUE1.4. Montaram-se expositores e góndolas de produtos de panadaría e pastelaría com critérios comerciais, para incrementar as vendas.

– QUE1.5. Diferenciaram-se, dentro do ponto de venda, as zonas frias e quentes para a distribuição dos produtos.

– QUE1.6. Compararam-se critérios comerciais de desenho e decoração dos pontos de venda, segundo a distribuição dos produtos.

– QUE1.7. Renovaram-se os expositores em função da estacionalidade.

– QUE1.8. Diferenciaram-se os tipos de moblaxe e os elementos promocionais utilizados nos pontos de venda, segundo a idoneidade do produto que se exponha.

– QUE1.9. Seguiram-se as normas de segurança e prevenção de riscos laborais e as instruções de fábrica relativas à montagem e ao uso da moblaxe.

• RA2. Coloca em mostradores, escaparates e expositores produtos de panadaría e pastelaría, atendendo às características dos produtos e seguindo técnicas básicas de venda.

– QUE2.1. Identificaram-se critérios físicos e comerciais que determinam a colocação de produtos de panadaría e pastelaría em diferentes zonas e níveis.

– QUE2.2. Diferenciaram-se os efeitos em o/na consumidor/ora dos modelos de situar os produtos.

– QUE2.3. Compararam-se os métodos utilizados para a classificação do produto por grupos e por categorias nos expositores.

– QUE2.4. Rotáronse as apresentações dos produtos para captar o interesse da clientela.

– QUE2.5. Colocaram-se os produtos de panadaría e pastelaría segundo o grupo, a situação a respeito do obradoiro, o efeito visual que se queira alcançar, etc.

– QUE2.6. Marcaram-se as etiquetas de identificação, venda e controlo dos produtos, utilizando leitores ópticos e equipamentos de leitura de códigos de barras.

– QUE2.7. Aplicaram-se as medidas específicas de manipulação e higiene dos produtos.

• RA3. Coloca etiquetas e dispositivos de segurança e dispensa os produtos de panadaría e pastelaría, valorando a relevo do sistema de codificación no controlo do ponto de venda e as técnicas de dispensação à clientela.

– QUE3.1. Valorou-se o funcionamento dos dispositivos de segurança no ponto de venda.

– QUE3.2. Aplicou-se o procedimento na asignação do código de barras aos produtos, identificando etiquetas normalizadas e códigos de barras.

– QUE3.3. Verificou-se que a codificación do produto concorde com as suas características, propriedades, localização e formas de conservação (temperatura, tempo, etc.).

– QUE3.4. Elaboraram-se documentos e relatórios sobre erros detectados na etiquetaxe, utilizando aplicações informáticas (processador de textos, folha de cálculo, etc.).

– QUE3.5. Colocaram-se dispositivos de segurança nos produtos de panadaría e pastelaría expostos para a venda, utilizando os sistemas de protecção pertinente.

– QUE3.6. Valorou-se a importância de codificar os produtos para o seu controlo do ponto de venda.

– QUE3.7. Situaram-se correctamente os produtos de panadaría e pastelaría no ponto de venda.

– QUE3.8. Dispensaram-se-lhe à clientela os produtos de panadaría e pastelaría, atendendo à sua atractiva apresentação, à protecção do contido e ao singelo transporte.

– QUE3.9. Efectuou-se o cobramento dos produtos dispensados a o/à cliente/a, aplicando procedimentos e sistemas de caixa estabelecidos.

– QUE3.10. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza para manter em perfeito estado o ponto de venda e de dispensação à clientela.

• RA4. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados dos labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

– QUE4.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para os labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

– QUE4.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso nos labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

– QUE4.3. Reconheceram-se os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com os labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

4.7.2. Conteúdos básicos.

BC1. Montagem de expositores e elementos atractivos e de animação em pontos destinados à venda de produtos de panadaría e pastelaría.

• Fases do processo de montagem.

• Tipos de góndolas e expositores para a montagem de produtos.

• Zonas fria e quentes para distribuição dos produtos.

• Desenho e decoração dos pontos de venda, segundo a estacionalidade ou os produtos.

• Normas de segurança e prevenção de riscos laborais.

BC2. Colocação de produtos de panadaría e pastelaría em mostradores, escaparates e expositores.

• Função do mostrador, escapar-te-á e expositor.

• Desenho e decoração de escaparates. Técnicas de escaparatismo.

• Classificação de produtos doces e salgados de panadaría e pastelaría, segundo as zonas de exposição.

• Normas de segurança e prevenção de riscos laborais.

BC3. Colocação de etiquetas, dispositivos de segurança e dispensação dos produtos de panadaría e pastelaría.

• Procedimento de asignação de códigos de segurança.

• Dispositivos de segurança nos pontos de venda.

• Colocação dos dispositivos de segurança.

• Leitores ópticos e códigos de barras.

• Verificação de etiquetaxe com o produto.

• Detecção e informação de erros na etiquetaxe.

• Técnicas de dispensação de produtos de panadaría e pastelaría.

• Operações de cobramento (meios de pagamento, cartões, transferência, reembolso, efectivo e novas tecnologias).

• Descontos, promoções e vales.

BC4. Iniciativa emprendedora nos labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

• A pessoa emprendedora nos labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação nos labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com os labores de dispensação em panadaría e pastelaría.

4.7.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação necessária para realizar actividades básicas de venda de produtos de panadaría e pastelaría.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Realização de montagens de elementos de animação do ponto de venda, expositores, cartazes e escaparates.

– Etiquetaxe de produtos e colocação de dispositivos de segurança.

– Dispensação e cobramento de produtos de panadaría e pastelaría.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais f), g), h), j), k), t), u), v), w), x), y), z), aa) e ab) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais g), h), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Montagem dos produtos de pastelaría e panadaría nos expositores e escaparates, tendo em conta a temperatura da zona.

– Elaboração manual ou mediante o emprego de ferramentas informáticas singelas de cartazes (nomeadamente de preços) e de etiquetas, rotulando diferentes tipos de letra e associando formas e cores à imagem que se queira transmitir.

– Empaquetaxe de produtos de maneira atractiva, utilizando os materiais adequados e motivos ornamentais acordes com a imagem da empresa.

4.8. Módulo profissional: Ciências aplicadas II.

• Código: MP3042.

• Duração: 162 horas.

4.8.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve situações quotidianas aplicando os métodos de resolução de equações e de sistemas, valorando a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica.

– QUE1.1. Utilizaram-se identidades notáveis nas operações com polinomios.

– QUE1.2. Obtiveram-se valores numéricos a partir de uma expressão alxébrica.

– QUE1.3. Resolveram-se equações de primeiro e segundo grau singelas de modo alxébrico e gráfico.

– QUE1.4. Resolveram-se problemas quotidianos e de outras áreas de conhecimento mediante equações e sistemas.

– QUE1.5. Valorou-se a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica para representar situações formuladas na vida real.

– QUE1.6. Resolveram-se sistemas de equações singelos.

• RA2. Resolve problemas singelos de diversa índole, através da sua análise contrastada e aplicando as fases do método científico.

– QUE2.1. Formularam-se hipóteses singelas, a partir de observações directas ou indirectas recopiladas por diferentes meios.

– QUE2.2. Analisaram-se diversas hipóteses e emitiu-se uma primeira aproximação à sua explicação.

– QUE2.3. Planificaram-se métodos e procedimentos experimentais singelos de diversa índole para refutar ou não a sua hipótese.

– QUE2.4. Trabalhou-se em equipa na formulação da solução.

– QUE2.5. Recopilaram-se os resultados dos ensaios de verificação e reflectiram-se num documento de maneira coherente.

– QUE2.6. Defendeu-se o resultado com argumentações e provas, e verificações ou refutacións das hipóteses emitidas.

• RA3. Realiza medidas directas e indirectas de figuras xeométricas presentes em contextos reais, utilizando os instrumentos, as fórmulas e as técnicas necessárias.

– QUE3.1. Utilizaram-se instrumentos apropriados para medir ângulos, comprimentos, áreas e volumes de corpos e de figuras xeométricas, interpretando as escalas de medida.

– QUE3.2. Utilizaram-se estratégias (semelhanças e descomposição em figuras mais singelas, etc.) para estimar ou calcular medidas indirectas no mundo físico.

– QUE3.3. Utilizaram-se as fórmulas para calcular perímetros, áreas e volumes, e atribuíram-se as unidades correctas.

– QUE3.4. Trabalhou-se em equipa na obtenção de medidas.

– QUE3.5. Utilizaram-se as TIC para representar figuras.

• RA4. Interpreta gráficas de duas magnitudes calculando os parâmetros significativos destas e relacionando-o com funções matemáticas elementares e os principais valores estatísticos.

– QUE4.1. Expressou-se a equação da recta de diversas formas.

– QUE4.2. Representou-se graficamente a função cuadrática aplicando métodos singelos para a sua representação.

– QUE4.3. Representou-se graficamente a função inversa.

– QUE4.4. Representou-se graficamente a função exponencial.

– QUE4.5. Extraiu-se informação de gráficas que representem os tipos de funções associadas a situações reais.

– QUE4.6. Utilizou-se o vocabulário adequado para a descrição de situações relacionadas com o azar e com a estatística.

– QUE4.7. Elaboraram-se e interpretaram-se tabelas e gráficos estatísticos.

– QUE4.8. Analisaram-se características da distribuição estatística obtendo medidas de centralización e de dispersão.

– QUE4.9. Aplicaram-se as propriedades dos acontecimentos e a probabilidade.

– QUE4.10. Resolveram-se problemas quotidianos mediante cálculos de probabilidade singelos.

• RA5. Aplica técnicas físicas ou químicas, utilizando o material necessário para a realização de práticas de laboratório singelas, medindo as magnitudes implicadas.

– QUE5.1. Verificou-se a disponibilidade do material básico utilizado num laboratório.

– QUE5.2. Identificaram-se e mediram-se magnitudes básicas (massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.).

– QUE5.3. Identificaram-se tipos de biomoléculas presentes em materiais orgânicos e inorgánicos.

– QUE5.4. Descreveram-se a célula e os tecidos animais e vegetais mediante a sua observação através de instrumentos ópticos.

– QUE5.5. Elaboraram-se relatórios de ensaios onde se inclui a justificação, o procedimento seguido, os resultados obtidos e as conclusões.

– QUE5.6. Aplicaram-se as normas de trabalho no laboratório.

• RA6. Reconhece as reacções químicas que se produzem nos processos biológicos e na indústria, argumentando a sua importância na vida quotidiana e descrevendo as mudanças que se produzem.

– QUE6.1. Identificaram-se reacções químicas principais da vida quotidiana, da natureza e da indústria.

– QUE6.2. Descreveram-se as manifestações de reacções químicas.

– QUE6.3. Descreveram-se os componentes principais de uma reacção química e a intervenção da energia nela.

– QUE6.4. Reconheceram-se algumas reacções químicas tipo (combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica).

– QUE6.5. Identificaram-se os componentes e o processo de reacções químicas singelas mediante ensaios de laboratório.

– QUE6.6. Elaboraram-se relatórios utilizando as TIC sobre as indústrias mais destacáveis (alimentária, cosmética e de reciclagem), descrevendo de forma singela os processos que têm lugar nelas.

– QUE6.7. Aplicaram-se as normas de segurança no trabalho de laboratório.

• RA7. Identifica aspectos positivos e negativos do uso da energia nuclear, e descreve os efeitos da contaminação gerada na sua aplicação.

– QUE7.1. Analisaram-se efeitos positivos e negativos do uso da energia nuclear.

– QUE7.2. Diferenciaram-se os processos de fusão e de fisión nuclear.

– QUE7.3. Identificaram-se alguns problemas sobre verteduras nucleares produto de catástrofes naturais ou de má gestão e mal manutenção das centrais nucleares.

– QUE7.4. Argumentou-se sobre a problemática dos resíduos nucleares.

– QUE7.5. Trabalhou-se em equipa e utilizaram-se as TIC.

• RA8. Identifica as mudanças que se produzem no planeta Terra argumentando as suas causas e tendo em conta as diferenças entre relevo e paisagem.

– QUE8.1. Identificaram-se os agentes geológicos externos e qual é a sua acção sobre o relevo.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os tipos de meteorización e identificaram-se as suas consequências no relevo.

– QUE8.3. Analisou-se o processo de erosão, reconhecendo os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.4. Descreveu-se o processo de transporte discriminando os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.5. Analisou-se o processo de sedimentación discriminando os agentes geológicos externos que intervêm, as situações e as consequências no relevo.

• RA9. Categoriza os poluentes atmosféricos principais identificando as suas origens e relacionando-as com os seus efeitos.

– QUE9.1. Reconheceram-se os fenômenos da contaminação atmosférica e os principais agentes que a causam.

– QUE9.2. Investigou-se sobre o fenômeno da chuva ácida, as suas consequências imediatas e futuras, e como seria possível evitá-la.

– QUE9.3. Descreveu-se o efeito estufa argumentando as suas causas ou agentes que contribuem a ele, assim como as medidas para a sua redução.

– QUE9.4. Descreveu-se a problemática que ocasiona a perda paulatina da camada de ozónio e as consequências para a saúde das pessoas, o equilíbrio da hidrosfera e as povoações.

• RA10. Identifica os poluentes da água tendo em conta a relação entre o seu efeito no ambiente e o seu tratamento de depuração.

– QUE10.1. Reconheceu-se e valorou-se o papel da água na existência e na sobrevivência da vida no planeta.

– QUE10.2. Identificou-se o efeito nocivo da contaminação dos acuíferos nas povoações de seres vivos.

– QUE10.3. Identificaram-se possíveis poluentes em amostras de água de diferente origem, planificando e realizando ensaios de laboratório.

– QUE10.4. Analisaram-se os efeitos produzidos pela contaminação da água e o uso responsável desta.

• RA11. Contribui ao equilíbrio ambiental, analisando e argumentando as linhas básicas sobre o desenvolvimento sustentável e propondo acções para a sua melhora e a sua conservação.

– QUE11.1. Analisaram-se os envolvimentos positivos de um desenvolvimento sustentável.

– QUE11.2. Propuseram-se medidas elementares encaminhadas a favorecer o desenvolvimento sustentável.

– QUE11.3. Desenharam-se estratégias básicas para possibilitar a manutenção do ambiente.

– QUE11.4. Trabalhou-se em equipa na identificação dos objectivos para a melhora ambiental.

• RA12. Relaciona as forças que aparecem em situações habituais com os efeitos produzidos tendo em conta o seu contributo ao movimento ou ao repouso dos objectos e as magnitudes postas em jogo.

– QUE12.1. Discrimináronse movimentos quotidianos em função da sua trajectória e da sua celeridade.

– QUE12.2. Relacionaram-se entre sim a distância percorrida, a velocidade, o tempo e a aceleração, expressando-as em unidades de uso habitual.

– QUE12.3. Representaram-se vectorialmente determinadas magnitudes como a velocidade e a aceleração.

– QUE12.4. Relacionaram-se os parâmetros que definem o movimento rectilíneo uniforme utilizando as expressões gráfica e matemática.

– QUE12.5. Realizaram-se cálculos singelos de velocidades em movimentos com aceleração constante.

– QUE12.6. Descreveu-se a relação causa e efeito em diferentes situações, para encontrar a relação entre forças e movimentos.

– QUE12.7. Aplicaram-se as leis de Newton em situações da vida quotidiana.

• RA13. Identifica os aspectos básicos da produção, o transporte e a utilização da energia eléctrica, e os factores que intervêm no seu consumo, descrevendo as mudanças produzidas e as magnitudes e valores característicos.

– QUE13.1. Identificaram-se e manejaram-se as magnitudes físicas básicas para ter em conta no consumo de electricidade na vida quotidiana.

– QUE13.2. Analisaram-se os hábitos de consumo e de poupança eléctrico e estabeleceram-se linhas de melhora neles.

– QUE13.3. Classificaram-se as centrais eléctricas e descreveu-se a transformação energética nelas.

– QUE13.4. Analisaram-se as vantagens e as desvantaxes das centrais eléctricas.

– QUE13.5. Descreveram-se basicamente as etapas da distribuição da energia eléctrica desde a sua xénese à pessoa utente.

– QUE13.6. Trabalhou-se em equipa na recompilação de informação sobre centrais eléctricas em Espanha.

• RA14. Prevêem a possibilidade de aparecimento de doenças básicas, utilizando técnicas de manutenção e desinfecção dos utensilios e dos aparelhos utilizados nas actuações derivadas da sua profissão.

– QUE14.1. Caracterizaram-se microorganismos e parasitas comuns que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

– QUE14.2. Categorizáronse os principais agentes causantes de infecções por contacto com materiais infectados ou contaminados.

– QUE14.3. Reconheceram-se as doenças infecciosas e parasitarias mais frequentes que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

– QUE14.4. Propuseram-se formas de prevenção de infecções e parasitoses que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

– QUE14.5. Identificaram-se as principais substancias utilizadas no processamento dos alimentos que podem actuar como tóxicos.

– QUE14.6. Analisou-se e protocolizouse o procedimento de lavagem das mãos antes e depois de qualquer manipulação, com o objecto de prevenir a transmissão de doenças.

– QUE14.7. Identificaram-se e tipificar diferentes tipos de desinfectantes e métodos de esterilização.

– QUE14.8. Analisaram-se e experimentaram-se diversos procedimentos de desinfecção e esterilização.

4.8.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de equações e de sistemas em situações quotidianas.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, produto, cociente e factor comum.

• Obtenção de valores numéricos em fórmulas. Regra de Ruffini.

• Polinomios: raízes e factorización. Teorema do resto e teorema do factor.

• Resolução alxébrica e gráfica de equações de primeiro e de segundo grau.

• Resolução de sistemas de equações singelos.

• Técnicas de resolução de problemas com equações e sistemas.

• Linguagem alxébrica. Precisão e simplicidade na tradução de situações reais.

BC2. Resolução de problemas singelos.

• Método científico.

• Fases do método científico: observação, elaboração de hipóteses, experimentação, análise de resultados, e leis ou teorias.

• Aplicação das fases do método científico a situações singelas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação, respeito e ordem. Elaboração de relatórios.

BC3. Realização de medidas em figuras xeométricas.

• Pontos e rectas.

• Rectas secantes e paralelas.

• Ângulo: medida.

• Polígonos: descrição dos seus elementos e classificação.

• Triángulos. Semelhança; teoremas de Tais e de Pitágoras.

• Circunferencia e os seus elementos. Medida e cálculo de comprimentos, áreas e volumes. Asignação de unidades.

• Cálculo de medidas indirectas. Semelhanças; descomposição em figuras mais simples.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação e respeito. Apresentação de resultados.

• Uso de aplicações informáticas de xeometría dinâmica para o estudo e a representação de figuras xeométricas.

BC4. Interpretação de gráficos.

• Interpretação de um fenômeno descrito mediante um enunciado, uma tabela, uma gráfica ou uma expressão analítica.

• Funções lineais. Equação da recta.

• Funções cuadráticas. Representação gráfica.

• Representação gráfica da função inversa e da função exponencial.

• Uso de aplicações informáticas para a representação, a simulação e a análise da gráfica de uma função.

• Estatística. Tabelas e gráficos estatísticos. Medidas de centralización e dispersão.

• Cálculo de probabilidades. Propriedades dos acontecimentos e da probabilidade. Resolução de problemas.

BC5. Aplicação de técnicas físicas ou químicas.

• Material básico no laboratório. Inventário.

• Normas de trabalho no laboratório.

• Medida de magnitudes fundamentais: comprimento, massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.

• Reconhecimento de biomoléculas orgânicas e inorgánicas.

• Microscopio óptico e lupa binocular: fundamentos ópticos e manejo; utilização para descrever a célula e os tecidos animais e vegetais.

• Relatórios de trabalho no laboratório: estrutura e formato.

BC6. Reconhecimento de reacções químicas quotidianas.

• Reacção química. Componentes e processos. Ensaios de laboratório.

• Condições de produção das reacções químicas: intervenção de energia.

• Reacções químicas em âmbitos da vida quotidiana, da natureza e na indústria.

• Reacções químicas básicas: combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica.

• Processos que têm lugar nas indústrias mais destacáveis (alimentárias, cosmética e de reciclagem).

• Normas de segurança no trabalho de laboratório.

BC7. Identificação de aspectos relativos à contaminação nuclear.

• Origem da energia nuclear.

• Tipos de processos para a obtenção e o uso da energia nuclear: fusão e fisión.

• Resíduos radiactivos provenientes das centrais nucleares: problemática da sua gestão e do seu tratamento.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC8. Identificação das mudanças no relevo e na paisagem da Terra.

• Agentes geológicos externos e internos.

• Acção dos agentes geológicos externos: meteorización, erosão, transporte e sedimentación.

• Identificação dos resultados da acção dos agentes geológicos.

• Relevo e paisagem. Factores condicionante.

BC9. Categorización dos poluentes atmosféricos principais.

• Conceito.

• Chuva ácida.

• Efeito estufa.

• Destruição da camada de ozónio.

BC10. Identificação de poluentes da água.

• Água: factor essencial para a vinda no planeta.

• Contaminação da água: causas e efeitos.

• Tratamentos de depuração e potabilización de água.

• Métodos de armazenamento da água proveniente dos desxeamentos, as descargas fluviais e a chuva.

BC11. Equilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável.

• Conceito e aplicações do desenvolvimento sustentável.

• Factores que incidem sobre a conservação do ambiente.

• Acções que contribuem à manutenção e a melhora do equilíbrio ambiental.

BC12. Influência das forças sobre o estado de repouso e de movimento dos corpos.

• Classificação dos movimentos segundo a sua trajectória e a sua aceleração.

• Distância percorrida, velocidade e aceleração. Unidades do Sistema internacional e mais habituais. Cálculos em movimentos com aceleração constante.

• Magnitudes escalares e vectoriais: distância percorrida, velocidade e aceleração.

• Movimento rectilíneo uniforme: características. Interpretação gráfica.

• Força: resultado de uma interacção. Relação entre forças e movimentos.

• Representação de forças aplicadas a um sólido em situações habituais. Resultante.

• Leis de Newton.

BC13. Produção e utilização da energia eléctrica.

• Electricidade e desenvolvimento tecnológico.

• Matéria e electricidade.

• Magnitudes básicas manejadas no consumo de electricidade: energia e potência. Aplicações na vida quotidiana: interpretação do recebo da luz.

• Hábitos de consumo e poupança de electricidade.

• Sistemas de produção de energia eléctrica: tipos de centrais eléctricas, as suas vantagens e as suas desvantaxes.

• Transporte e distribuição da energia eléctrica: etapas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades; elaboração de relatórios.

BC14. Prevenção de doenças.

• Microorganismos e parasitas mais comuns que afectam as pessoas.

• Classificação das doenças infecciosas e parasitarias que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

• Limpeza, conservação, cuidado e armazenamento do material de trabalho.

• Protocolo do lavado de mãos.

• Tipos de desinfectantes e formas de uso.

• Limpeza, desinfecção e esterilização do material de trabalho. Riscos derivados do seu deficiente procedimento de desinfecção e esterilização.

• Riscos provenientes de uma deficiente limpeza do pessoal, do material e do lugar de trabalho.

• Medidas de protecção pessoal segundo o perfil profissional.

4.8.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que, utilizando os passos do razoamento científico, basicamente a observação e a experimentação, o estudantado aprenda a interpretar fenômenos naturais e, do mesmo modo, possa afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da sua vida quotidiana.

Igualmente forma-se para que utilize a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de diferente índole, aplicados a qualquer situação, na sua vida quotidiana e na sua vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a física e a química, a biologia e a geoloxia, enfocarase aos conceitos principais e aos princípios das ciências, involucrando o estudantado na solução de problemas e noutras tarefas significativas, e permitir-lhe-á trabalhar de forma autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais l), m), n), ñ), o), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais k), l), m), n), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

– Interpretação de gráficos e curvas.

– Aplicação, quando proceda, do método científico.

– Valoração do ambiente e da influência dos poluentes.

– Características da energia nuclear.

– Aplicação de procedimentos físicos e químicos elementares.

– Realização de exercícios de expressão oral.

– Representação de forças.

– Cuidados básicos da pele.

– Prevenção de doenças.

4.9. Módulo profissional: Operações auxiliares na indústria alimentária.

• Código: MP3133.

• Duração: 146 horas.

4.9.1. Unidade formativa 1: Recepção, controlo e preparação.

• Código: MP3133_12.

• Duração: 59 horas.

4.9.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Colabora no trabalho de recepção e controlo de matérias primas e de produtos auxiliares, registando as medições prévias e executando posteriores instruções.

– QUE1.1. Distinguiram-se as tarefas próprias da recepção cualitativa e cuantitativa.

– QUE1.2. Interpretaram-se as instruções recebidas e a documentação associada à recepção de matérias primas e produtos auxiliares.

– QUE1.3. Reconheceram-se as matérias primas e as suas características, em relação com o processo e com o produto final.

– QUE1.4. Realizaram-se as medições prévias e registaram-se os dados.

– QUE1.5. Transportaram-se e depositaram-se as matérias primas atendendo às instruções de trabalho.

– QUE1.6. Realizaram-se todas as operações tendo em conta a normativa hixiénico-sanitária, de segurança laboral e de protecção ambiental.

• RA2. Prepara as matérias primas e os produtos auxiliares, realizando as operações básicas necessárias e atendendo às instruções do processo prévio à elaboração.

– QUE2.1. Pôs-se a ponto o material que se vai necessitar para o preprocesamento das matérias primas.

– QUE2.2. Seleccionou-se a matéria prima que se necessita tendo em conta o produto que se vai obter.

– QUE2.3. Limpou-se a matéria prima eliminando os resíduos e as partes sobrantes.

– QUE2.4. Cortaram-se em anacos, despezáronse, moéronse ou picaram-se as matérias primas e os produtos entrantes, nos casos necessários.

– QUE2.5. Controlou-se o ritmo do processo evitando atascos ou excessos na entrada.

– QUE2.6. Realizaram-se todas as operações tendo em conta a normativa hixiénico-sanitária, de segurança laboral e de protecção ambiental.

4.9.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Controlo e recepção de matérias primas.

• Matérias primas: classificação.

• Produtos auxiliares principais utilizados na indústria alimentária.

• Recepção de mercadorias na indústria alimentária. Operações e comprovações gerais. Recepção cualitativa e cuantitativa.

• Medição e cálculo de quantidades de matérias primas em função dos processos de fabricação que se vão desenvolver.

• Utensilios e equipamentos de controlo e valoração de matérias primas: posta a ponto e controlo.

• Registros e anotações de matérias primas recebidas.

• Conservação de matérias primas e materiais auxiliares.

• Aditivos e médios estabilizadores.

BC2. Preparação de matérias primas e produtos auxiliares.

• Operações básicas de preparação de matérias primas. Tipos de operações e descrição.

• Operações e equipamentos específicos: resultados.

• Maquinaria e equipamentos específicos: posta a ponto e manejo.

4.9.2. Unidade formativa 2: Envasamento e embalagem de produtos alimentários.

• Código: MP3133_22.

• Duração: 87 horas.

4.9.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Prepara materiais de envasamento, acondicionamento e embalagem de produtos alimentários, regulando os equipamentos específicos segundo as instruções de trabalho.

– QUE1.1. Identificaram-se os tipos e as modalidades principais de envasamento e embalagem de produtos alimentários.

– QUE1.2. Reconheceram-se os materiais de embalagem.

– QUE1.3. Seleccionaram-se os utensilios e os materiais apropriados para o trabalho de envasar e configurar.

– QUE1.4. Realizou-se a limpeza dos envases nas condições de higiene necessárias.

– QUE1.5. Regularam-se os equipamentos da linha de envasamento segundo as instruções recebidas.

– QUE1.6. Associou-se o tipo de envasamento, acondicionamento e embalagem com o processo de produção e com o produto obtido.

– QUE1.7. Comprovaram-se os materiais de acondicionamento associados à apresentação final.

– QUE1.8. Aplicou-se a normativa hixiénico-sanitária e as medidas de segurança e prevenção de riscos laborais e ambientais associados às operações de preparação de materiais e de equipamentos.

• RA2. Envasa e acondiciona os produtos alimentários, controlando as linhas automáticas do processo de acordo com as instruções estabelecidas.

– QUE2.1. Supervisionaram-se e puseram-se a ponto as máquinas e os equipamentos principais e médios auxiliares do processo de envasamento.

– QUE2.2. Realizou-se o controlo de enchedura, pechamento e etiquetaxe dos envases de produtos alimentários.

– QUE2.3. Registou nas folhas e nos partes de trabalho o reconto de consumibles e dos envases produzidos.

– QUE2.4. Reconheceu-se o lugar onde devem aloxarse os envases contados.

– QUE2.5. Estabeleceu-se a forma e o lugar onde devem depositar-se os sobrantes e os resíduos para a sua recuperação ou eliminação.

– QUE2.6. Aplicou-se a normativa hixiénico-sanitária e as medidas de segurança e prevenção de riscos laborais e ambientais associados à utilização de máquinas e equipamentos de envasamento e acondicionamento de produtos.

• RA3. Empaqueta e embala os produtos alimentários envasados, operando com equipamentos automáticos ou semiautomáticos segundo as instruções de trabalho.

– QUE3.1. Comprovou-se a disposição correcta nas linhas ou nos equipamentos dos materiais principais e auxiliares de embalagem.

– QUE3.2. Operou com as máquinas de embalagem, controlando o seu funcionamento.

– QUE3.3. Comprovaram-se as operações finais de embalagem.

– QUE3.4. Identificou-se o lugar e a forma onde depositar os resíduos da embalagem para a sua recuperação.

– QUE3.5. Registou-se o número de consumibles e pacotes ou unidades produzidas.

– QUE3.6. Aplicou-se a normativa hixiénico-sanitária e as medidas de segurança e prevenção de riscos laborais e ambientais associados às operações de embalagem.

4.9.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Preparação de materiais.

• Funções e efeitos do envasamento dos produtos alimentários.

• Características e propriedades dos materiais utilizados para o envasamento de produtos alimentários.

• Principais tipos e modalidades de envasamento de produtos alimentários.

• Envases metálicos: materiais, tipos, características e utilização.

• Envases de vidro e cerâmica: materiais, tipos, características e utilização.

• Envases de papel e cartón: materiais, tipos, características e utilização.

• Outros envases: bolsas, bandexas, etc.

• Materiais de acondicionamento: envolturas diversas. Produtos e materiais de acompañamento e apresentação.

• Recubrimento.

• Etiquetas, rotulación e elementos de identificação e informação.

BC2. Envasamento e acondicionado de produtos alimentários.

• Operações de envasamento e acondicionado.

• Formação do envase in situ.

• Manipulação e preparação de envases.

• Tipos ou sistemas de encerramento.

• Procedimentos de acondicionado e identificação.

• Operações de envasamento, regulação e manejo.

• Tipos básicos, principais compostos e funcionamento do envasamento.

• Equipamentos auxiliares.

• Máquinas manuais e automáticas de envasamento e acondicionamento.

BC3. Empaquetaxe e embalagem de produtos alimentários.

• Materiais de embalagem.

• Manipulação e preparação de materiais de embalagem.

• Procedimentos de empaquetaxe, retractilamento, orientação e formação de lote.

• Rotulación e identificação de lote.

• Paletización e movimento de palés.

• Destino e colocação de sobrantes e resíduos de envasamento, acondicionamento e embalagem.

• Máquinas de embalagem: tipos básicos, principais compostos e funcionamento da embalagem. Equipamentos auxiliares de embalagem.

• Manutenção elementar e posta a ponto.

• Maquinas manuais de embalagem. Máquinas automáticas e robotizadas.

• Linhas automatizado integrais.

4.9.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação necessária para realizar as funções de controlo e recepção de matérias primas, e de envasamento e empaquetaxe de produtos alimentários.

A definição destas funções abrange aspectos como:

– Aplicação de técnicas básicas de preparação de matérias primas.

– Preparação de materiais e equipamentos de envasamento e empaquetaxe.

– Envasamento e acondicionamento de produtos alimentários.

– Empaquetaxe e embalagem.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), i), j), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), b), g), r), s), t), u), v), w) e x).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Recepção de mercadorias.

– Preparação de matérias primas e auxiliares.

– Modalidades e tipos de envasamento.

– Operações de envasamento e acondicionamento.

– Operações de embalagem.

– Retirada de resíduos.

– Detecção dos defeitos relacionados com o processo.

4.10. Módulo profissional: Formação em Centros de Trabalho.

• Código: MP3153.

• Duração: 320 horas.

4.10.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Realiza operações básicas de recepção, armazenamento e conservação de géneros de panadaría e pastelaría, identificando e utilizando médios, equipamentos e instrumentos de controlo.

– QUE1.1. Interpretaram-se as instruções recebidas e identificou-se a documentação associada aos processos de recepção.

– QUE1.2. Utilizaram-se os equipamentos e os instrumentos de controlo, de acordo com as instruções ou os procedimentos estabelecidos.

– QUE1.3. Identificou-se a adequação cualitativa e cuantitativa das mercadorias recebidas com respeito à solicitadas, de acordo com as instruções e com os procedimentos estabelecidos.

– QUE1.4. Comunicaram-se em tempo e forma adequados as deviações ou as anomalías detectadas no processo de recepção.

– QUE1.5. Aplicaram-se correctamente os critérios adequados para realizar as operações de armazenamento, tendo em conta as instruções e as normas estabelecidas.

– QUE1.6. Realizaram-se correctamente os procedimentos para o envasamento e a conservação de géneros, utilizando meios e aplicando técnicas, segundo instruções e/ou normas estabelecidas.

– QUE1.7. Realizaram-se todas as operações tendo em conta a normativa hixiénico-sanitária, de segurança laboral e de protecção ambiental.

• RA2. Executa operações básicas de preelaboración, interpretando e relacionando instruções e/ou normas estabelecidas com a aplicação de procedimentos inherentes às actividades que cumpra desenvolver.

– QUE2.1. Interpretaram-se as instruções recebidas e a documentação associada às operações de preelaboración.

– QUE2.2. Prepararam-se as máquinas, a bateria, os utensilios e as ferramentas realizando as operações necessárias para o seu uso e manutenção, segundo instruções ou procedimentos estabelecidos.

– QUE2.3. Transferiram-se e distribuíram-se adequadamente as matérias primas aos lugares de trabalho, tendo em conta os procedimentos estabelecidos.

– QUE2.4. Executaram-se os procedimentos de regeneração que precisem as matérias primas atendendo ao seu estado, aplicando técnicas segundo normas estabelecidas.

– QUE2.5. Realizaram-se as tarefas de preparação, limpeza, cortes e obtenção de peças, utilizando correctamente equipamentos, utensilios e/ou ferramentas.

– QUE2.6. Desenvolveram-se os procedimentos de conservação tendo em conta as necessidades das matérias primas e o seu uso posterior.

• RA3. Realiza actividades auxiliares de preparação de massas de panadaría, bolaría e pastelaría doce e salgada, utilizando técnicas básicas de elaboração de produtos (amasado, fermentação, etc.).

– QUE3.1. Descreveram-se as características do produto que se vai elaborar.

– QUE3.2. Prepararam-se os utensilios de trabalho e as matérias primas para a sua posterior elaboração.

– QUE3.3. Detalharam-se as matérias de panadaría, bolaría e pastelaría que intervêm no processo de uma determinada elaboração.

– QUE3.4. Elaboraram-se produtos de panadaría, bolaría e pastelaría de diferentes tipos.

– QUE3.5. Elaboraram-se acredita-mas e picados de diferentes tipos para o recheado de produtos de panadaría, bolaría e pastelaría.

– QUE3.6. Elaboraram-se produtos de panadaría, bolaría e pastelaría utilizando diversos tipos de cocción (enfornado, frituras, etc.).

– QUE3.7. Aplicaram-se procedimentos no uso das matérias primas e dos meios energéticos, e avaliou-se o seu efeito nos custos de produção.

– QUE3.8. Aplicaram-se métodos e produtos de limpeza durante os procedimentos de elaboração e cocción para manter a ponto a maquinaria e os utensilios utilizados na elaboração de massas, com valoração das normas de higiene na elaboração de alimentos.

• RA4. Coloca elementos de animação do ponto de venda e repõe produtos, seguindo os critérios comerciais, e detecta espacios e necessidades de abastecimento.

– QUE4.1. Diferenciaram-se os tipos da moblaxe utilizada no ponto de venda e os elementos promocionais utilizados adopto.

– QUE4.2. Montaram-se expositores de produtos e góndolas.

– QUE4.3. Colocou-se cartelaría e outros elementos de animação em espacios destinados para isso.

– QUE4.4. Utilizaram-se equipamentos de leitura de códigos de barras (leitores ópticos) para a identificação e o controlo dos produtos.

– QUE4.5. Colocaram-se produtos em expositores de diversos tipos, seguindo os critérios comerciais e de imagem da empresa.

– QUE4.6. Colocaram-se-lhes dispositivos de segurança e etiquetas aos produtos, manualmente ou utilizando os equipamentos adequados em cada caso.

– QUE4.7. Empaquetáronse e apresentaram-se os produtos de maneira atractiva, de acordo com os critérios comerciais e de imagem da empresa.

– QUE4.8. Limparam-se e acondicionáronse mostradores, escaparates e andeis para a correcta colocação dos produtos.

• RA5. Atende a clientela realizando vendas, cobramentos e devoluções, e resolvendo queixas.

– QUE5.1. Manteve-se uma atitude de cordialidade, respeito e amabilidade no trato, demonstrando interesse e preocupação por atender satisfatoriamente as necessidades da clientela.

– QUE5.2. Obteve-se a informação necessária da clientela, favorecendo a comunicação com o emprego de técnicas e atitudes apropriadas.

– QUE5.3. Deram-se respostas adequadas a perguntas da clientela, utilizando o léxico comercial acaído e o protocolo estabelecido na empresa.

– QUE5.4. Manejaram-se caixas rexistradoras para realizar cobramentos e devoluções de produtos.

– QUE5.5. Utilizaram-se meios de pagamento electrónico na realização de cobramentos e devoluções.

– QUE5.6. Aplicaram-se técnicas de venda básicas adequadas cada situação que se presente ao ponto de venda.

– QUE5.7. Demonstrou-se responsabilidade ante os erros.

– QUE5.8. Informou-se a clientela acerca das características dos produtos ou dos serviços, nomeadamente das qualidades esperables.

• RA6. Cumpre critérios de segurança e higiene, actuando segundo normas hixiénico-sanitárias, de segurança laboral e de protecção ambiental.

– QUE6.1. Reconheceram-se as normas hixiénico-sanitárias de obrigado cumprimento relacionadas com as práticas de manipulação, tanto as recolhidas na normativa como as específicas da própria empresa.

– QUE6.2. Reconheceram-se os comportamentos e as atitudes susceptíveis de produzir contaminação nos alimentos.

– QUE6.3. Reconheceu-se a vestimenta de trabalho completa e os seus requisitos de limpeza, e cumpriram-se as pautas ao respeito.

– QUE6.4. Aplicaram-se as boas práticas de manipulação de alimentos no desenvolvimento dos processos de produção culinaria.

– QUE6.5. Aplicaram-se os meios de protecção contra cortes, queimaduras e ferimentos do pessoal manipulador.

– QUE6.6. Realizaram-se as operações de recolhida, selecção, classificação, eliminação e vertedura de resíduos nos lugares destinados para isso, aplicando as medidas de protecção ambiental estabelecidas.

– QUE6.7. Utilizaram-se os tipos de energia e os recursos menos prexudiciais para o ambiente.

• RA7. Mantém relações profissionais adequadas, actuando de forma responsável e respeitosa tanto com os procedimentos e as normas da empresa como com o resto de membros da equipa.

– QUE7.1. Reconheceram-se e interpretaram-se as normas e os procedimentos da empresa relacionados com o comportamento interno nela.

– QUE7.2. Incorporou-se pontualmente ao posto de trabalho e não se abandonou antes do estabelecido sem justificação.

– QUE7.3. Actuou-se com diligência e responsabilidade ante as instruções recebidas.

– QUE7.4. Manteve-se uma comunicação eficaz e respeitosa com o resto de membros da equipa.

– QUE7.5. Actuou-se mantendo uma atitude de colaboração e de coordinação com o resto de membros da equipa.

– QUE7.6. Manteve-se uma atitude de aprendizagem e actualização ante observações realizadas sobre o desempenho das funções.

4.10.2. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contribui a completar as competências e os objectivos gerais próprios do título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría que se alcançassem no centro educativo, ou a desenvolver competências características de difícil consecução nele.

Contribui, ademais, ao afianzamento de hábitos de ordem, pontualidade, responsabilidade e pulcritude.

5. Requisitos mínimos de qualidade do contexto formativo.

5.1. Espaços.

Os espacios necessários para o desenvolvimento dos ensinos do ciclo formativo de formação profissional básica de Actividades de Panadaría e Pastelaría são os seguintes:

Espaço formativo

Superfície em m2

(30 alunos/as)

Superfície em m2

(20 alunos/as)

Grau de utilização

Sala de aulas polivalente

60

40

50 %

Obradoiro de cocinha

210

160

30 %

Obradoiro de panadaría e pastelaría

150

120

20 %

A conselharia com competências em matéria de educação poderá autorizar unidades para menos de trinta postos escolares, pelo que será possível reduzir os espacios formativos proporcionalmente ao número de alunos e alunas, tomando como referência para a determinação das superfícies necessárias as cifras indicadas nas colunas segunda e terceira da tabela.

O grau de utilização expressa em tanto por cento e com carácter orientativo a ocupação em horas do espacio prevista para a impartição dos ensinos no centro educativo, por um grupo de estudantado, a respeito da duração total destas. O centro educativo, no exercício da sua autonomia e em função da distribuição horária semanal dos módulos profissionais e da titoría, poderá determinar outro grau de utilização.

Na margem permitida pelo grau de utilização, os espacios formativos estabelecidos podem ser ocupados por outros grupos de alunos e alunas que cursem o mesmo ou outros ciclos formativos, ou outras etapas educativas.

Em todo o caso, as actividades de aprendizagem associadas aos espacios formativos (com a ocupação expressa pelo grau de utilização) poderão realizar-se em superfícies utilizadas também para outras actividades formativas afíns.

5.2. Equipamentos mínimos.

Espaço formativo

Equipamentos

Sala de aulas polivalente

  • Equipamentos audiovisuais.
  • Equipamentos informáticos em rede e com conexão à internet. Software de aplicação.

Obradoiro de cocinha

  • Economato-bodega com andeis.
  • Armazém para material com andeis.
  • Office.
  • Quarto de lixo refrixerado, com caldeiros para o lixo.
  • Vestiarios de alunos, alunas, professores e professoras com armarios.
  • Sanitários.

Obradoiro de panadaría e pastelaría

  • Serviços auxiliares de água e energia eléctrica.
  • Chãos, paredes, teitos, protecção de janelas e desaugadoiros segundo a normativa técnico-sanitária vigente.
  • Câmaras de refrigeração, congelação e fermentação.
  • Vitrinas expositoras com sistema de refrigeração e iluminação.
  • Mesas de trabalho de aço inoxidable com rodas.
  • Mesa de trabalho com mesado de mármore, com rodas.
  • Moblaxe de aço inoxidable para guardar os utensilios.
  • Batedores, amasadoras, divisoras, laminadoras, enchedoras ou inxectoras.
  • Fritideiras, for-nos, banhos maría e cazos eléctricos.
  • Pá de forno e luvas de protecção do calor.
  • Cocinha com, ao menos, quatro focos de calor.
  • Temperador de cobertura.
  • Elaboradora de gelados ou manteigadora.
  • Balanças de precisão e básculas.
  • Braço triturador, varas e forno microondas.
  • Carroças portalatas e o seu correspondente jogo de latas para enfornar.
  • Termómetros, cronómetros, pesaxaropes ou refractómetros, cepillos, pinceis, coitelas e outros utensilios próprios da profissão.
  • Utensilios para conter: cuncos, cubetas, bandexas e moldes.
  • Utensilios para medir: xerras medidoras.
  • Utensilios para misturar: línguas e espátulas.
  • Utensilios para estender e cortar (roletes vários): espátulas e facas de diferente tamanho.
  • Utensilios para escudelar. Jogos de boquillas para mangas pasteleiras e mangas reutilizables e de um só uso.
  • Aros, fiador de ovo, chinos, coadores, barutos, pranchas queimadoras de açúcar, aranhas, cazos, mármore, moldes para bombóns e garfos de banho.
  • Louza para empratar e jogo de cobertos.
  • Envasadora ao vazio e material para o envasamento, a embalagem, a decoração e o escapar-te-á. Etiquetadora.
  • Lavalouza industrial.
  • Vertedoiros e lavamáns.
  • Bateria de cocción.

6. Professorado.

6.1. Especialidades do professorado do sector público às cales se atribui a impartição dos módulos profissionais associados ao perfil profissional.

Módulo profissional

Especialidade do professorado

Corpo

  • MP3007. Processos básicos de panadaría.
  • MP3017. Processos básicos de pastelaría.
  • MP3026. Dispensação em panadaría e pastelaría.
  • MP3133. Operações auxiliares na indústria alimentária.
  • Cocinha e Pastelaría.
  • Operações de Processo.
  • Operações e Equipamentos de Elaboração de Produtos Alimentários.

Professorado técnico de formação profissional.

  • Professorado especialista, de ser o caso.
  • MP3005. Atenção à clientela.
  • Processos Comerciais.
  • Cocinha e Pastelaría.
  • Operações de Processo.
  • Operações e Equipamentos de Elaboração de Produtos Alimentários.

Professorado técnico de formação profissional.

  • MP3153. Formação em centros de trabalho.
  • Cocinha e Pastelaría.
  • Operações de Processo.
  • Operações e Equipamentos de Elaboração de Produtos Alimentários.

Professorado técnico de formação profissional.

6.2. Títulos requeridos para a impartição dos módulos profissionais, para os centros de titularidade privada ou de titularidade pública de outras administrações diferentes das educativas:

Módulos profissionais

Títulos

  • MP3005. Atenção à clientela.
  • MP3007. Processos básicos de panadaría.
  • MP3017. Processos básicos de pastelaría.
  • MP3026. Dispensação em panadaría e pastelaría.
  • MP3133. Operações auxiliares na indústria alimentária.
  • MP3153. Formação em centros de trabalho.
  • Licenciado/a, engenheiro/a, arquitecto/a ou o título de grau correspondente, ou outros títulos equivalentes.

6.3. Títulos habilitantes para os efeitos de docencia para a impartição dos módulos profissionais, para os centros de titularidade privada ou de titularidade pública de outras administrações diferentes das educativas.

Módulos profissionais

Títulos

  • MP3005. Atenção à clientela.
  • MP3007. Processos básicos de panadaría.
  • MP3017. Processos básicos de pastelaría.
  • MP3026. Dispensação em panadaría e pastelaría.
  • MP3133. Operações auxiliares na indústria alimentária.
  • MP3153. Formação em centros de trabalho.
  • Diplomado/a, engenheiro/a técnico/a ou arquitecto/a técnico/a, ou o título de grau correspondente, ou outros títulos equivalentes.
  • Técnico superior em Direcção de Cocinha, técnico superior em Direcção de Serviços em Restauração ou outros títulos equivalentes.

7. Correspondência entre módulos profissionais e unidades de competência para a sua acreditação ou validação.

Módulos profissionais

Unidades de competência acreditables

  • MP3005. Atenção à clientela.
  • UC1329_1: proporcionar-lhe à clientela atenção e informação operativa, estruturada e protocolizada.
  • MP3017. Processos básicos de pastelaría.
  • UC1333_1: executar operações básicas de aprovisionamento interno e conservação de preelaboracións e elaborações de pastelaría.
  • UC1334_1: preelaborar, elaborar e apresentar elaborações singelas de pastelaría e assistir em elaborações complexas.
  • MP3133. Operações auxiliares em la indústria alimentária.
  • UC0543_1: realizar tarefas de apoio à recepção e à preparação das matérias primas.
  • UC0545_1: manejar equipamentos e instalações para o envasamento, o acondicionamento e a empaquetaxe de produtos alimentários, seguindo instruções de trabalho de carácter normalizado e dependente.

8. Ciclos formativos de grau médios aos cales o título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría permite a aplicação de critérios de preferência para a admissão em caso de concorrência competitiva.

O título profissional básico em Actividades de Panadaría e Pastelaría terá preferência para a admissão a todos os títulos de grau médio das famílias profissionais de:

– Hotelaria e Turismo.

– Indústrias Alimentárias.

– Comércio e Márketing.

9. Distribuição horária.

Organização dos módulos profissionais do ciclo formativo de formação profissional básica de Actividades de Panadaría e Pastelaría para o regime ordinário.

Curso

Módulo profissional

Duração

horas

  • MP3005. Atenção à clientela.

58

  • MP3009. Ciências aplicadas I.

175

  • MP3011. Comunicação e sociedade I.

206

  • MP3017. Processos básicos de pastelaría.

325

  • MP3133. Operações auxiliares na indústria alimentária

146

Total 1º

(FCE)

910

  • MP3007. Processos básicos de panadaría.

246

  • MP3012. Comunicação e sociedade II.

135

  • MP3026. Dispensação em panadaría e pastelaría.

165

  • MP3042. Ciências aplicadas II.

162

Total 2º

(FCE)

708

  • MP3153. Formação em centros de trabalho.

320

Titoría.

No primeiro curso do ciclo formativo dedicar-se-ão 35 horas à titoría e 27 horas no segundo curso.

10. Unidades formativas.

Organização dos módulos profissionais em unidades formativas de menor duração.

Módulo profissional

Unidades formativas

Duração

horas

  • MP3011. Comunicação e sociedade I.
  • MP3011_13. Comunicação em línguas galega e castelhana I.

88

  • MP3011_23. Comunicação em língua inglesa I.

59

  • MP3011_33. Sociedade I.

59

  • MP3012. Comunicação e sociedade II.
  • MP3012_13. Comunicação em línguas galega e castelhana II.

67

  • MP3012_23. Comunicação em língua inglesa II.

34

  • MP3012_33. Sociedade II.

34

  • MP3133. Operações auxiliares na indústria alimentária.
  • MP3133_12. Recepção, controlo e preparação.

59

  • MP3133_22. Envasamento e embalagem de produtos alimentários.

87

ANEXO II
Currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios

1. Identificação do título.

O título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios fica identificado pelos seguintes elementos:

– Denominação: título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios.

– Nível: formação profissional básica.

– Duração: 2.000 horas.

– Família profissional: Serviços Socioculturais e à Comunidade.

– Referente europeu: CINE-3.5.3 (Classificação internacional normalizada da educação).

2. Perfil profissional.

2.1. Competência geral do título.

A competência geral do título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios consiste em realizar actividades domésticas de limpeza, cocinha, cuidado de roupa e apoio a pessoas no âmbito doméstico, assim como realizar operações básicas de limpeza em edifícios, escritórios e locais comerciais, seguindo instruções e respeitando as normas de qualidade e a normativa ambiental e de segurança e higiene no trabalho vigente, e comunicando-se de forma oral e escrita em línguas galega e castelhana, assim como em alguma língua estrangeira.

2.2. Competências do título.

As competências profissionais, pessoais e sociais, e as competências para a aprendizagem permanente do título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios são as que se relacionam:

a) Limpar, hixienizar e desinfectar aseos, cocinhas e estâncias em domicílios particulares e edifícios, aplicando as técnicas e os produtos adequados, segundo prescrições de uso estabelecidas.

b) Organizar e, de ser o caso, realizar as actividades domésticas relacionadas com a elaboração de alimentos em domicílios particulares, conservando, manipulando, armazenando e cocinhando os produtos adquiridos em condições hixiénicas e saudáveis, e segundo as instruções recebidas.

c) Lavar, passar-lhe o ferro, ordenar e coser a roupa do fogar e peças de vestir, garantindo a sua manutenção nas condições requeridas, utilizando produtos e equipamentos específicos.

d) Limpar chãos, cristais, paredes e teitos em domicílios, edifícios, escritórios e locais, aplicando as técnicas requeridas e os produtos associados.

e) Limpar, encerar e abrillantar superfícies em domicílios, edifícios, escritórios e locais, utilizando maquinaria específica, baixo a supervisão de pessoal superior responsável.

f) Realizar actividades de apoio (limpeza corporal, vestido, deslocação, etc.) a crianças/as e a pessoas adultas não dependentes presentes numa unidade convivencial, segundo necessidades específicas e instruções recebidas, mantendo uma atitude de respeito e profissionalismo.

g) Dar resposta no âmbito doméstico durante o desenvolvimento da sua actividade profissional a situações de emergência e risco para a saúde.

h) Resolver problemas predicibles relacionados com os âmbitos físico, social, pessoal e produtivo, utilizando o razoamento científico e os elementos proporcionados pelas ciências aplicadas e sociais.

i) Actuar de maneira saudável em contextoscotiáns que favoreçam o desenvolvimento pessoal e social, analisando hábitos e influências positivas para a saúde humana.

j) Valorar actuações encaminhadas à conservação ambiental, diferenciando as consequências das actividades quotidianas que possam afectar o equilíbrio do ambiente.

k) Obter e comunicar informação destinada à autoaprendizaxe e ao seu uso em diferentes contextos do seu ambiente pessoal, social ou profissional, mediante recursos ao seu alcance e os próprios das tecnologias da informação e da comunicação.

l) Actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas, apreciando o seu uso como fonte de enriquecimento pessoal e social.

m) Comunicar-se com claridade, precisão e fluidez em contextos sociais ou profissionais e por diferentes médios, canais e suportes ao seu alcance, utilizando e adecuando recursos linguísticos orais e escritos próprios das línguas galega e castelhana.

n) Comunicar-se em situações habituais de carácter laboral, pessoal e social, utilizando recursos linguísticos básicos em língua estrangeira.

ñ) Realizar explicações singelas sobre acontecimentos e fenômenos característicos das sociedades contemporâneas a partir da informação histórica e geográfica ao seu dispor.

o) Adaptar-se às novas situações laborais originadas por mudanças tecnológicas e organizativo na sua actividade laboral, utilizando as ofertas formativas ao seu alcance e localizando os recursos mediante as tecnologias da informação e da comunicação.

p) Cumprir as tarefas próprias do seu nível com autonomia e responsabilidade, empregando critérios de qualidade e eficiência no trabalho atribuído e efectuando-o de forma individual ou como membro de uma equipa.

q) Comunicar-se eficazmente, respeitando a autonomia e a competência das pessoas que intervêm no seu âmbito de trabalho, contribuindo à qualidade do trabalho realizado.

r) Assumir e cumprir as medidas de prevenção de riscos e segurança laboral na realização das actividades laborais, evitando danos pessoais, laborais e ambientais.

s) Cumprir as normas de qualidade e de acessibilidade e desenho universais que afectam a sua actividade profissional.

t) Actuar com espírito emprendedor, iniciativa pessoal e responsabilidade na eleição dos procedimentos da sua actividade profissional.

u) Exercer os seus direitos e cumprir as obrigações derivadas da sua actividade profissional, de acordo com o estabelecido na legislação vigente, participando activamente na vida económica, social e cultural.

2.3. Relação de qualificações e unidades de competência do Catálogo nacional de qualificações profissionais incluídas no título.

2.3.1. Qualificações profissionais completas:

a) Emprego doméstico, SSC413_1 (Real decreto 1179/2008, de 11 de julho, pelo que se complementa o Catálogo nacional de qualificações profissionais mediante o estabelecimento de dezassete qualificações profissionais de nível 1, correspondentes a determinadas famílias profissionais), que abrange as seguintes unidades de competência:

UC1332_1: efectuar o processo de lavagem, passada de ferro e cosedura básica manual de peças de vestir e roupa de fogar, e a preparação de camas, em domicílio particular.

UC1330_1: realizar a limpeza de domicílios particulares.

UC1331_1: realizar o processo de elaboração de alimentos nas suas fases de compra, organização, manipulação, cocinhado e conservação, em domicílio particular.

b) Limpeza de superfícies e moblaxe em edifícios e locais, SSC319_1 (Real decreto 1368/2007, de 19 de outubro, pelo que se complementa o Catálogo nacional de qualificações profissionais, mediante o estabelecimento de seis qualificações profissionais da família profissional de Serviços socioculturais e à comunidade), que abrange as seguintes unidades de competência:

UC1087_1: realizar a limpeza de cristais em edifícios e locais.

UC0996_1: levar a cabo a limpeza da moblaxe situada no interior dos espacios onde intervir.

UC1088_1: realizar a limpeza e o tratamento de superfícies em edifícios e locais, utilizando maquinaria.

UC0972_1: realizar a limpeza de chãos, paredes e teitos em edifícios e locais.

2.3.2. Qualificações profissionais incompletas:

Operações básicas de cocinha, HOT091_1 (Real decreto 295/2004, de 20 de fevereiro, pelo que se estabelecem determinadas qualificações profissionais que se incluem no Catálogo nacional de qualificações profissionais, assim como os seus correspondentes módulos formativos que se incorporam ao catálogo modular de formação profissional):

UC0255_1: executar operações básicas de aprovisionamento, preelaboración e conservação culinarios.

2.4. Contorno profissional.

2.4.1. As pessoas com este título hão exercer a sua actividade por conta alheia em domicílios particulares e em empresas públicas ou privadas de quaisquer tamanho. Ademais, poderão desenvolver a sua actividade profissional no sector da limpeza e hixienización de qualquer classe de edifícios, locais, centros ou instituições sanitárias e de saúde, públicos ou privados, indústrias, elementos de transporte (terrestre, aéreo ou marítimo), máquinas, espacios e instalações, suportes publicitários e moblaxe urbana. Desempenhará as suas funções seguindo instruções recebidas e baixo a supervisão directa de pessoal responsável e poderá trabalhar de forma autónoma ou integrar-se numa equipa de trabalho.

2.4.2. As ocupações e os postos de trabalho mais destacáveis são os seguintes:

– Limpador/ora doméstico/a.

– Cociñeiro/a doméstico/a.

– Pasador/ora de ferro doméstico/a.

– Empregado/a de fogar.

– Limpador/ora.

– Peão especialista de limpeza.

– Especialista de limpeza.

– Limpador/ora de cristais.

2.5. Prospectiva do sector ou dos sectores relacionados com o título.

a) Os hábitos de vida derivados da inserção laboral dos membros das unidades convivenciais propiciarão um aumento de pessoas que prestem actividades de apoio no âmbito doméstico, incluído o apoio a pessoas adultas não dependentes e a crianças. Esta situação favorece uma maior empregabilidade das pessoas com este título de técnico básico, ao requerer profissionais com maior competência e versatilidade na realização de actividades domésticas e em empresas de contratações de limpeza.

b) A progressiva implantação das novas tecnologias e a crescente complexidade dos electrodomésticos e da maquinaria industrial de limpeza fã necessária uma actualização permanente neste campo, para se adaptar às mudanças que se vão introduzindo, pelo que se requerem pessoas com capacidade de aprendizagem, organização do seu próprio trabalho e um elevado nível de discrição, responsabilidade e manejo seguro das instalações e dos equipamentos.

c) O forte crescimento do sector de serviços e a vinculação destes/as profissionais básicos/as ao sector hoteleiro, de lavandarías, residências de estudantes, residências da terceira idade, centros de dia, albergues, apartamentos turísticos, hospitais, etc. aumentam as suas possibilidades de inserção laboral.

3. Ensinos do ciclo formativo.

3.1. Objectivos gerais do título.

Os objectivos gerais do ciclo formativo de formação profissional básica de Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios são os seguintes:

a) Aplicar técnicas de limpeza de moblaxe e desinfecção de aseos, cocinhas e estâncias, seleccionando o procedimento requerido e utilizando os recursos necessários, segundo prescrições estabelecidas para os produtos empregues.

b) Preparar e elaborar os pratos de comida caseira mais habituais, utilizando técnicas básicas de cocinha e receita culinarias, e aplicando normas de higiene.

c) Lavar, passar-lhes o ferro e coser à mão roupa de fogar e peças de vestir, seleccionando e aplicando a técnica requerida em função da sua natureza, as suas características, o seu tipo e o seu estado, para as conservar em condições de bom uso.

d) Aplicar técnicas de limpeza de chãos, cristais e paramentos de materiais diversos, utilizando os produtos requeridos e segundo recomendações de uso, para evitar riscos próprios e a outras pessoas.

e) Aplicar técnicas industriais de limpezas e tratamento de superfícies, utilizando as principais máquinas específicas, seguindo as prescrições estabelecidas no uso dos produtos empregues e nos manuais de conservação e manutenção.

f) Realizar, de modo simulado, actividades de acompañamento no cuidado de crianças e pessoas adultas não dependentes e descrever e valorar as actividades segundo as necessidades quotidianas ou pontuais de uma unidade convivencial e o tipo de serviço que se desenvolva.

g) Descrever os procedimentos para a solicitude de ajuda ou os protocolos estabelecidos e, de ser o caso, realizar operações singelas de suporte vital básico, e descrever os aspectos para considerar na comunicação das incidências detectadas.

h) Compreender os fenômenos que acontecem no âmbito natural mediante o conhecimento científico como um saber integrado, assim como conhecer e aplicar os métodos para identificar e resolver problemas básicos nos campos do conhecimento e da experiência.

i) Desenvolver habilidades para formular, interpretar e resolver problemas, e aplicar o razoamento de cálculo matemático para se desenvolver na sociedade e no âmbito laboral, e para gerir os seus recursos económicos.

j) Identificar e compreender os aspectos básicos de funcionamento do corpo humano e pólos em relação com a saúde individual e colectiva, e valorar a higiene e a saúde,para permitir o desenvolvimento e o afianzamento de hábitos saudáveis de vida em função do contorno.

k) Desenvolver hábitos e valores acordes com a conservação e a sustentabilidade do património natural, compreendendo a interacção entre os seres vivos e o meio natural, para valorar as consequências que derivam da acção humana sobre o equilíbrio ambiental.

l) Desenvolver as destrezas básicas das fontes de informação utilizando com sentido crítico as tecnologias da informação e da comunicação, para obter e comunicar informação nos contornos pessoal, social ou profissional.

m) Reconhecer características básicas de produções culturais e artísticas, aplicando técnicas de análise básica dos seus elementos, para actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas.

n) Desenvolver e afianzar habilidades e destrezas linguísticas, e alcançar o nível requerido de precisão, claridade e fluidez, utilizando os conhecimentos sobre as línguas galega e castelhana para se comunicar no seu contexto social, na sua vida quotidiana e na actividade laboral.

ñ) Desenvolver habilidades linguísticas básicas em língua estrangeira para se comunicar de forma oral e escrita em situações habituais e predicibles da vida quotidiana e profissional.

o) Reconhecer causas e traços próprios de fenômenos e acontecimentos contemporâneos, a sua evolução histórica e a sua distribuição geográfica, para explicar as características próprias das sociedades contemporâneas.

p) Desenvolver valores e hábitos de comportamento baseados em princípios democráticos, aplicando-os nas suas relações sociais habituais e na resolução pacífica dos conflitos.

q) Comparar e seleccionar recursos e ofertas formativas existentes para a aprendizagem ao longo da vida, para se adaptar às novas situações laborais e pessoais.

r) Desenvolver a iniciativa, a criatividade e o espírito emprendedor, assim como a confiança em sim mesmo/a, a participação e o espírito crítico, para resolver situações e incidências da actividade profissional ou de índole pessoal.

s) Desenvolver trabalhos em equipa assumindo os deveres e cooperando com as demais pessoas com tolerância e respeito, para a realização eficaz das tarefas e como médio de desenvolvimento pessoal.

t) Utilizar as tecnologias da informação e da comunicação para se informar, se comunicar, aprender e facilitar as tarefas laborais.

u) Relacionar os riscos laborais e ambientais com a actividade laboral, com o propósito de utilizar as medidas preventivas correspondentes para a protecção pessoal, evitando danos ambientais e às demais pessoas.

v) Desenvolver as técnicas da sua actividade profissional, assegurando a eficácia e a qualidade no seu trabalho, e propor, se procede, melhoras nas actividades de trabalho.

w) Reconhecer os seus direitos e deveres como agente activo na sociedade, tendo em conta o marco legal que regula as condições sociais e laborais, para participar na cidadania democrática.

x) Analisar e valorar a participação, o respeito, a tolerância e a igualdade de oportunidades para desenvolver os valores do princípio de igualdade de trato e não discriminação entre homens e mulheres nem por nenhuma outra condição nem circunstância pessoal nem social, assim como a prevenção da violência de género e o conhecimento da realidade homossexual, transsexual, transxénero e intersexual.

3.2. Módulos profissionais.

Os módulos deste ciclo formativo são os que se relacionam:

MP3009. Ciências aplicadas I.

MP3011. Comunicação e sociedade I.

MP3012. Comunicação e sociedade II.

MP3042. Ciências aplicadas II.

MP3098. Manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

MP3102. Cocinha doméstica.

MP3104. Limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

MP3116. Limpeza com máquinas.

MP3145. Actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

MP3146. Segurança no âmbito doméstico.

MP3147. Formação em centros de trabalho.

4. Desenvolvimento de módulos.

4.1. Módulo profissional: Ciências aplicadas I.

• Código: MP3009.

• Duração: 175 horas.

4.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve problemas matemáticos em situações quotidianas, utilizando os elementos básicos da linguagem matemática e as suas operações.

– QUE1.1. Identificaram-se os tipos de números e utilizaram-se para interpretar adequadamente a informação cuantitativa.

– QUE1.2. Realizaram-se cálculos com eficácia mediante cálculo mental ou mediante algoritmos de lapis e calculadora (física ou informática).

– QUE1.3. Utilizaram-se as TIC como médio de procura de informação.

– QUE1.4. Operou-se com potências de expoñente natural e inteiro aplicando as propriedades.

– QUE1.5. Utilizou-se a notação científica para representar números muito grandes ou muito pequenos e operar com eles.

– QUE1.6. Representaram-se os números reais sobre a recta numérica.

– QUE1.7. Caracterizou-se a proporção como expressão matemática.

– QUE1.8. Compararam-se magnitudes estabelecendo o seu tipo de proporcionalidade.

– QUE1.9. Utilizou-se a regra de três para resolver problemas em que intervêm magnitudes directamente e inversamente proporcionais.

– QUE1.10. Aplicou-se o juro simples e composto em actividades quotidianas.

• RA2. Reconhece as instalações e o material de laboratório e valora-os como recursos necessários para a realização das actividades práticas.

– QUE2.1. Identificaram-se as técnicas experimentais que se vão realizar.

– QUE2.2. Manipularam-se adequadamente os materiais instrumentais do laboratório.

– QUE2.3. Tiveram-se em conta as condições de higiene e segurança para as técnicas experimentais que se vão realizar.

• RA3. Identifica propriedades fundamentais da matéria nas formas em que se apresenta na natureza, manejando as suas magnitudes físicas e as suas unidades fundamentais em unidades do sistema métrico decimal.

– QUE3.1. Descreveram-se as propriedades da matéria.

– QUE3.2. Praticaram-se as mudanças de unidades de comprimento, massa e capacidade.

– QUE3.3. Identificou-se a equivalência entre unidades de volume e capacidade.

– QUE3.4. Efectuaram-se medidas em situações reais utilizando as unidades do sistema métrico decimal e utilizando a notação científica.

– QUE3.5. Identificou-se a denominação das mudanças de estado da matéria.

– QUE3.6. Identificaram-se, com exemplos singelos, diferentes sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos.

– QUE3.7. Identificaram-se os estados de agregação em que se apresenta a matéria e utilizaram-se modelos cinéticos para explicar as mudanças de estado.

– QUE3.8. Identificaram-se sistemas materiais em relação com o seu estado na natureza.

– QUE3.9. Reconheceram-se os estados de agregação de uma substancia dada a sua temperatura de fusão e de ebulição.

– QUE3.10. Estabeleceram-se diferenças entre ebulição e evaporación utilizando exemplos singelos.

• RA4. Utiliza o método mais adequado para a separação de componentes de misturas singelas em relação com o processo físico ou químico em que se baseia.

– QUE4.1. Identificou-se e descreveu-se o que se considera substancia pura e mistura.

– QUE4.2. Estabeleceram-se as diferenças fundamentais entre misturas e compostos.

– QUE4.3. Discrimináronse os processos físicos e químicos.

– QUE4.4. Seleccionaram-se, de uma listagem de substancias, as misturas, os compostos e os elementos químicos.

– QUE4.5. Aplicaram-se de forma prática diferentes separações de misturas por métodos singelos.

– QUE4.6. Descreveram-se as características gerais básicas de materiais em relação com as profissões, utilizando as TIC.

– QUE4.7. Trabalhou-se em equipa na realização de tarefas.

• RA5. Reconhece como a energia está presente aos processos naturais, descrevendo fenômenos simples da vida real.

– QUE5.1. Identificaram-se situações da vida quotidiana em que se põe de manifesto a intervenção da energia.

– QUE5.2. Reconheceram-se diversas fontes de energia.

– QUE5.3. Estabeleceram-se grupos de fontes de energia renovável e não renovável.

– QUE5.4. Mostraram-se as vantagens e os inconvenientes (obtenção, transporte e utilização) das fontes de energia renováveis e não renováveis, utilizando as TIC.

– QUE5.5. Aplicaram-se mudanças de unidades de energia.

– QUE5.6. Mostrou-se, em diferentes sistemas, a conservação da energia.

– QUE5.7. Descreveram-se processos relacionados com a manutenção do organismo e da vida nos cales se aprecia claramente o papel da energia.

• RA6. Localiza as estruturas anatómicas básicas discriminando os sistemas ou os aparelhos a que pertencem e associando às funções que produzem no organismo.

– QUE6.1. Identificaram-se e descreveram-se os órgãos que configuram o corpo humano, e associaram ao sistema ou ao aparelho correspondente.

– QUE6.2. Relacionou-se cada órgão, sistema e aparelho com a sua função, e indicaram-se as suas associações.

– QUE6.3. Descreveu-se a fisioloxía do processo de nutrição e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

– QUE6.4. Descreveu-se a fisioloxía do processo de reprodução e identificou-se a função das estruturas anatómicas do aparelho reprodutor.

– QUE6.5. Detalhou-se como funciona o processo de relação e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos sistemas nervoso e endócrino.

– QUE6.6. Utilizaram-se ferramentas informáticas para descrever adequadamente aparelhos e sistemas.

• RA7. Diferencia a saúde da doença, relacionando os hábitos de vida com as doenças mais frequentes e reconhecendo os princípios básicos de defesa contra elas.

– QUE7.1. Identificaram-se situações de saúde e de doença para as pessoas.

– QUE7.2. Descreveram-se os mecanismos encarregados da defesa do organismo.

– QUE7.3. Identificaram-se e classificaram-se as doenças infecciosas e não infecciosas mais comuns na povoação, e reconheceram-se as suas causas, a sua prevenção e os seus tratamentos.

– QUE7.4. Relacionaram-se os agentes que causam as doenças infecciosas habituais com o contágio produzido.

– QUE7.5. Descreveu-se a acção das vacinas, dos antibióticos e de outras achegas da ciência médica para o tratamento e a prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.6. Reconheceu-se o papel das campanhas de vacinação na prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.7. Descreveu-se o tipo de doações e os problemas que se produzem nos transplantes.

– QUE7.8. Reconheceram-se situações de risco para a saúde relacionadas com o contorno profissional mais próximo.

– QUE7.9. Desenharam-se pautas de hábitos saudáveis relacionados com situações quotidianas.

• RA8. Elabora menús e dietas equilibradas singelas diferenciando os nutrientes que contêm e adaptando aos parâmetros corporais e a situações diversas.

– QUE8.1. Discriminouse entre o processo de nutrição e o de alimentação.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os nutrientes necessários para a manutenção da saúde.

– QUE8.3. Reconheceu-se a importância de uma boa alimentação e do exercício físico no cuidado do corpo humano.

– QUE8.4. Relacionaram-se as dietas com a saúde, diferenciando entre as necessárias para a manutenção da saúde e as que podem conduzir a uma diminuição desta.

– QUE8.5. Realizou-se o cálculo sobre balanços calóricos em situações habituais do contorno.

– QUE8.6. Calculou-se o metabolismo basal e os seus resultados, e representou-se num diagrama estabelecendo comparações e conclusões.

– QUE8.7. Elaboraram-se menús para situações concretas, investigando na rede as propriedades dos alimentos.

• RA9. Resolve situações quotidianas, utilizando expressões alxébricas singelas e aplicando os métodos de resolução mais adequados.

– QUE9.1. Concretizaram-se propriedades ou relações de situações singelas mediante expressões alxébricas.

– QUE9.2. Simplificar expressões alxébricas singelas utilizando métodos de desenvolvimento e factorización.

– QUE9.3. Resolveram-se problemas da vida quotidiana em que cumpra a formulação e a resolução de equações de primeiro grau.

– QUE9.4. Resolveram-se problemas singelos utilizando métodos gráficos e as TIC.

4.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de problemas mediante operações básicas.

• Reconhecimento e diferenciação dos tipos de números. Representação na recta real.

• Utilização da hierarquia das operações.

• Interpretação e utilização dos números reais e das operações em diferentes contextos.

• Notação científica. Representação e operações de soma, resta, multiplicação e divisão.

• Proporcionalidade directa e inversa. Regra de três. Comparação de magnitudes.

• As percentagens na economia.

• Técnicas de procura de informação com as tecnologias da informação e da comunicação.

BC2. Reconhecimento de materiais e instalações de laboratório.

• Normas gerais de trabalho no laboratório.

• Normas de segurança e higiene no laboratório.

• Materiais de laboratório: tipos e utilidade.

• Técnicas experimentais. Manejo da instrumentação do laboratório na realização de actividades práticas.

BC3. Identificação das formas da matéria.

• Unidades de comprimento, capacidade e massa no sistema métrico decimal: cálculos, equivalências e medidas. Uso da notação científica.

• Matéria: propriedades.

• Classificação da matéria segundo o seu estado de agregação e composição.

• Estados de agregação: sólido, líquido e gasoso. Temperatura de fusão e de ebulição.

• Sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos. Estados de agregação dos materiais na natureza.

• Natureza corpuscular da matéria. Mudanças de estado e modelos cinéticos.

BC4. Separação de misturas e substancias.

• Substancias puras e misturas: identificação, descrição e diferenciação.

• Substancias puras: elementos e compostos. Tabela periódica.

• Técnicas básicas de separação de misturas no laboratório. Processos físicos e químicos que intervêm.

• Características básicas dos materiais relacionados com o perfil profissional.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC5. Reconhecimento da energia nos processos naturais.

• Manifestações da energia na natureza: fontes de energia e processos em que esta intervém.

• Fontes de energia renovável e não renovável: identificação. Vantagens e inconvenientes de cada uma.

• A energia na vida quotidiana: identificação de situações próximas.

• Formas de energia e a sua transformação. Lei de conservação da energia.

• Energia, calor e temperatura. Unidades mais habituais do Sistema internacional.

BC6. Localização de estruturas anatómicas básicas.

• Níveis de organização da matéria viva. Órgãos, aparelhos e sistemas. Relações entre eles e as suas funções.

• Fisioloxía do processo de nutrição: aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

• Fisioloxía do processo de relação: sistemas nervoso e endócrino.

• Fisioloxía do processo de reprodução: aparelho reprodutor e desenvolvimento embrionário.

BC7. Diferenciação entre saúde e doença.

• Saúde e doença: conceito e diferenciação.

• Tipos de doenças: infecciosas e não infecciosas; doenças de transmissão sexual. Causas, prevenção e tratamentos.

• Mecanismos encarregados da defesa do organismo. Sistema inmunitario.

• Higiene e prevenção de doenças. Tratamento face à doenças infecciosas. Vacinas.

• Transplantes e doações.

• Saúde mental: prevenção de toxicomanias e de trastornos alimentários.

• Hábitos de vida saudáveis relacionados com as doenças mais frequentes e com situações quotidianas.

BC8. Elaboração de menús e de dietas.

• Alimentos e nutrientes: diferenciação. Reconhecimento de nutrientes presentes nos alimentos.

• Alimentação e saúde. Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação.

• Conceito e elaboração de dietas. Tipos de dietas. Elaboração de menús.

• Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação. Importância de uma boa alimentação e do exercício físico.

BC9. Resolução de equações singelas.

• Progressões aritméticas e xeométricas.

• Tradução de situações da linguagem verbal à alxébrica.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, multiplicação e factor comum.

• Desenvolvimento e factorización de expressões alxébricas. Identidades notáveis.

• Resolução de equações de primeiro grau com uma incógnita.

• Aplicação de métodos gráficos de resolução de problemas.

4.1.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja consciente tanto da sua própria pessoa como do meio que o rodeia.

Os conteúdos deste módulo contribuem a afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da vida quotidiana.

Além disso, utilizam a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de índole diversa, aplicados a qualquer situação, tanto na vida quotidiana como na vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a química, a biologia e a geoloxia, enfócase nos conceitos principais e nos princípios das ciências, involucrando o estudantado na resolução de problemas singelos e na realização de outras tarefas significativas, e permite-lhe trabalhar de forma autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais h), i), j), k), l), m), n), ñ), s), t), u), v) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais j), k), l), m), q), r), s), t) e u).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Utilização dos números e das suas operações para resolver problemas.

– Reconhecimento das formas da matéria.

– Reconhecimento e uso de material de laboratório básico.

– Identificação e localização das estruturas anatómicas.

– Realização de exercícios de expressão oral, aplicando as normas básicas de atenção ao público.

– Importância da alimentação para uma vida saudável.

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

4.2. Módulo profissional: Comunicação e sociedade I.

• Código: MP3011.

• Duração: 206 horas.

4.2.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana I.

• Código: MP3011_13.

• Duração: 88 horas.

4.2.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias singelas de composição e as normas linguísticas básicas.

– QUE1.1. Analisou-se a estrutura de textos orais procedentes dos médios de comunicação de actualidade e identificaram-se as suas características principais.

– QUE1.2. Aplicaram-se as habilidades básicas para realizar uma escuta activa, identificando o sentido global e os conteúdos específicos de uma mensagem oral.

– QUE1.3. Realizou-se um bom uso dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Analisaram na compreensão os usos e os níveis da língua, assim como as normas linguísticas, aplicaram na composição de mensagens orais e reviram-se e eliminaram-se os usos discriminatorios, nomeadamente nas relações de género.

– QUE1.5. Utilizou-se a terminologia gramatical adequada na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, aplicando à composição autónoma de textos breves seleccionados estratégias de leitura comprensiva e de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada e progressiva.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua idoneidade para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas ferramentas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, extraindo conclusões para a sua aplicação nas actividades de aprendizagem e reconhecendo possíveis usos discriminatorios desde a perspectiva de género.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, e reviram-se e reformuláronse as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de textos escritos de utilização diária, reconhecendo usos e níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro e preciso.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistemáticas na elaboração de textos escritos que permitem a valoração das aprendizagens desenvolvidas e a reformulação das necessidades de aprendizagem para melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário adequado ao contexto.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais e comprovou-se a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura castelhana anteriores ao século XIX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE3.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua castelhana no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE3.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua castelhana a partir de textos literários.

• RA4. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura em língua galega anteriores ao século XX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE4.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua galega no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE4.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua galega a partir de textos literários.

• RA5. Conhece a formação da língua galega e da língua castelhana e as diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como os fenômenos de contacto de línguas, sendo consciente da necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo.

– QUE5.1. Analisaram-se as características de formação da língua galega e da língua castelhana.

– QUE5.2. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana anterior ao século XX.

– QUE5.3. Analisaram-se os fenômenos de contacto de línguas, atendendo a situações de bilingüismo, diglosia, interferencias e o conflito linguístico.

– QUE5.4. Valorou-se a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.2.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Aplicação de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Pautas para evitar a disrupción em situações de comunicação oral.

• Intercâmbio comunicativo: elementos extralingüísticos da comunicação oral; usos orais informais e formais da língua; adequação ao contexto comunicativo.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral. Organização da frase: estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana.

• Composições orais: exposições orais singelas sobre factos da actualidade; apresentações orais singelas; uso de meios de apoio (meios audiovisuais e TIC).

BC2. Utilização de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Tipos de textos. Características de textos próprios da vida quotidiana e profissional.

• Estratégias de leitura: elementos textuais.

• Pautas para a utilização de dicionários diversos.

• Estratégias básicas no processo de composição escrita.

• Apresentação de textos escritos em diferentes suportes. Aplicação das normas gramaticais e ortográfico em língua castelhana e em língua galega.

• Textos escritos. Principais conectores textuais em língua castelhana e em língua galega. Aspectos básicos das formas verbais nos textos, com especial atenção às perífrases verbais, à concordancia e à coerência temporária e modal. Funções substantivo, adxectiva e adverbial do verbo. Sintaxe (enunciado, frase e oração; sujeito e predicado; complemento directo, indirecto, de regime, circunstancial, agente e atributo). Estruturas subordinadas (substantivo, adxectivas e adverbiais).

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Leitura de textos literários em língua castelhana anteriores ao século XIX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua castelhana a partir da Idade Média e até o século XVIII.

• Narrativa: temas e estilos recorrentes segundo a época literária.

• Poesia: temas e estilos recorrentes segundo a época literária. Interpretação.

• Teatro: temas e estilos segundo a época literária.

BC4. Leitura de textos literários em língua galega anteriores ao século XX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua galega desde a Idade Média e até o século XIX.

• A literatura medieval.

• A literatura dos Séculos Escuros.

• A literatura do século XIX: etapas e obras mais significativas.

BC5. Conhecimento da formação da língua galega e da língua castelhana e das diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como dos fenômenos de contacto de línguas.

• A formação da língua galega e da língua castelhana.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana até o século XIX.

• Análise dos fenômenos de contacto de línguas (bilingüismo, diglosia, conflito linguístico e interferencias).

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Valoração do plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

• Crítica dos prejuízos linguísticos.

4.2.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa I.

• Código: MP3011_23.

• Duração: 59 horas.

4.2.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, elaborando apresentações orais de pouca extensão, bem estruturadas, relativas a situações habituais de comunicação quotidiana e frequente de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se as estratégias de escuta activa para a compreensão precisa das mensagens recebidas.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico de mensagens directas ou recebidas mediante formatos electrónicos, valorando as situações de comunicação e os seus envolvimentos no uso do vocabulário empregue.

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global do texto oral que apresenta a informação de modo secuenciado e progressivo em situações habituais frequentes e de conteúdo predicible.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación comum e evidente que ajudam a perceber o sentido geral da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se apresentações orais breves de textos descritivos, narrativos e instrutivos dos âmbitos pessoal, público ou profissional, de acordo com um guião singelo, aplicando a estrutura de cada tipo de texto e utilizando, de ser o caso, meios informáticos.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas adaptadas a contextos diferentes (formal, não formal e situações profissionais) e um repertório essencial e restringido de expressões, frases e palavras de situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE1.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se as normas de relações sociais básicas e estandarizadas dos países onde se fale a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade onde se fale a língua estrangeira.

• RA2. Participa em conversas em língua inglesa utilizando uma linguagem singela e clara em situações habituais frequentes dos âmbitos pessoal ou profissional, activando estratégias de comunicação básicas.

– QUE2.1. Dialogouse, de maneira dirigida e seguindo um guião bem estruturado, utilizando um repertório memorizado de modelos de orações e conversas breves e básicas, sobre situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible.

– QUE2.2. Manteve-se a interacção utilizando estratégias de comunicação singelas para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.3. Utilizaram-se estratégias básicas de compensação para suplir carências na língua estrangeira, como a observação da pessoa interlocutora e a procura da sua ajuda para facilitar a bidireccionalidade da comunicação.

– QUE2.4. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório essencial e restringido de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE2.5. Expressou-se com verdadeira claridade, utilizando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos escritos breves e singelos em língua inglesa, em situações de comunicações habituais e frequentes dos âmbitos pessoal, público ou profissional, desenvolvendo estratégias estruturadas de composição, e aplica estratégias de leitura comprensiva.

– QUE3.1. Leu-se o texto de forma comprensiva, reconhecendo os seus traços básicos e o seu conteúdo global, e analisou-se o seu intuito e o seu contexto.

– QUE3.2. Identificaram-se as ideias fundamentais e o intuito comunicativo básico do texto.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, em situações habituais frequentes, de conteúdo muito predicible.

– QUE3.4. Completaram-se e reorganizáronse frases e orações, atendendo ao propósito comunicativo e a normas gramaticais básicas.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e adequados a um propósito comunicativo, seguindo modelos estruturados.

– QUE3.6. Utilizou-se o léxico essencial adequado para situações frequentes e para o contexto dos âmbitos pessoal ou profissional.

– QUE3.7. Mostrou-se interesse pela boa apresentação dos textos escritos, respeitando as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas, e seguindo singelas pautas de revisão.

– QUE3.8. Utilizaram-se dicionários impressos e em linha e correctores ortográfico dos processadores na composição dos textos.

– QUE3.9. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.2.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Compreensão e produção de textos orais básicos em língua inglesa.

• Ideias principais em telefonemas, mensagens, ordens e indicações muito claras.

• Descrição geral de pessoas, lugares e objectos dos âmbitos profissional e público.

• Narração e explicação sobre situações habituais e frequentes do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, expressões e frases singelas frequentes para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal ou profissional.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais em presente e passado; verbos principais, modais e auxiliares. Funções comunicativas associadas a situações habituais e frequentes. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso para iniciar, ordenar e finalizar.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos de carácter básico que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais.

• Estratégias fundamentais de compreensão e escuta activa.

• Formatos electrónicos mais usuais.

BC2. Participação em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de compreensão e escuta activa para iniciar, manter e rematar a interacção.

• Elaboração de mensagens e textos singelos em língua inglesa.

• Compreensão da informação global e da ideia principal de textos básicos quotidianos, dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Léxico frequente para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas e singelas dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Composição de textos escritos muito breves, singelos e bem estruturados.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Elementos linguísticos fundamentais atendendo aos tipos de textos, aos contextos e aos propósitos comunicativos, tendo em conta um enfoque centrado no uso da língua e na sua dimensão social.

• Propriedades básicas do texto.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Estratégias de planeamento e de correcção escrita.

• Estratégias de expressão e de interacção escrita.

• Usos sociais da língua: informação geral, opinião e valoração.

• Funções comunicativas mais habituais dos âmbitos pessoal, público ou profissional em meios escritos.

• Coerência espacio-temporária e coesão através do uso de recursos singelos para iniciar, desenvolver ou rematar um texto escrito.

• Conteúdos léxico-semánticos singelos e básicos da língua inglesa.

• Tempos e formas verbais. Relações temporárias: anterioridade, posterioridade e simultaneidade.

• Estruturas gramaticais básicas.

• A oração simples e a oração composta com and/or/but.

• Dicionários impressos e em linha, e correctores ortográfico.

4.2.3. Unidade formativa 3: Sociedade I.

• Código: MP3011_33.

• Duração: 59 horas.

4.2.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Valora a evolução histórica das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga, assim como as suas relações com as paisagens naturais, analisando os factores e os elementos implicados e desenvolvendo atitudes e valores de aprecio do património natural e artístico.

– QUE1.1. Descreveram mediante a análise de fontes gráficas as principais características de uma paisagem natural e reconheceram-se essas características no contorno mais próximo.

– QUE1.2. Explicaram-se a localização, o deslocamento e a adaptação ao meio dos grupos humanos do período da hominización, até o domínio técnico dos metais por parte das principais culturas que o exemplifican.

– QUE1.3. Relacionaram-se as características dos fitos artísticos mais significativos do período prehistórico com a organização social e com o corpo de crenças, e valoraram-se as suas diferenças com as sociedades actuais.

– QUE1.4. Valorou-se a persistencia destas sociedades nas actuais, em especial no território galego e peninsular, identificando e comparando as suas principais características.

– QUE1.5. Discrimináronse as principais características que requer a análise das obras arquitectónicas e escultóricas mediante exemplos arquetípicos, diferenciando estilos canónicos.

– QUE1.6. Julgou-se o impacto das primeiras sociedades humanas na paisagem natural, analisando as características das cidades antigas e a sua evolução na actualidade no território galego e peninsular.

– QUE1.7. Analisou-se a persistencia na Galiza, na Península Ibérica e nos territórios extrapeninsulares espanhóis das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga.

– QUE1.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE1.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora a construção do espacio europeu até as primeiras transformações industriais das sociedades agrárias, analisando as suas características principais, assim como a sua persistencia na sociedade actual e no contorno imediato.

– QUE2.1. Analisou-se a transformação do mundo antigo no medieval, reconhecendo a evolução do espacio europeu, as suas relações com o espacio extraeuropeo e as características mais significativas das sociedades medievais na Galiza e em Espanha.

– QUE2.2. Valoraram-se as características das paisagens agrárias medievais e a sua persistencia nas sociedades actuais galega e espanhola, identificando os seus elementos principais.

– QUE2.3. Valoraram-se as consequências da construção dos impérios coloniais na América do Norte nas culturas autóctones e nas europeias.

– QUE2.4. Analisou-se o modelo político e social da monarquia absoluta durante a Idade Moderna nas principais potências europeias, assim como as suas peculiaridades na Galiza e em Espanha.

– QUE2.5. Valoraram-se os indicadores demográficos básicos das transformações na povoação europeia, espanhola e galega durante o período analisado.

– QUE2.6. Descreveram-se as principais características da análise das obras pictóricas através do estudo de exemplos arquetípicos das escolas e dos estilos que se sucedem na Europa, em Espanha e na Galiza desde o Renacemento até a irrupção das vanguardas históricas.

– QUE2.7. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do perfil do título, analisando as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE2.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando as tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE2.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e com o trabalho em equipa.

4.2.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades prehistóricas e antigas e a sua relação com o meio natural.

• Paisagens naturais: aspectos gerais e locais.

• Sociedades prehistóricas.

• Nascimento das cidades: habitat urbano e a sua evolução; gráficos de representação urbana; sociedades urbanas antigas; cultura grega (extensão, traços, fitos principais e características essenciais da arte grega); cultura romana (características essenciais da arte romana); sociedades prehistóricas e antigas no território galego e peninsular.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (guiões, esquemas, resumos, etc.); ferramentas singelas de localização cronolóxica; vocabulário seleccionado e específico.

BC2. Valoração da criação do espacio europeu na Idade Média e na Idade Moderna.

• Europa medieval: persistencia de usos e costumes (espacio agrário e as suas características); contacto com outras culturas.

• Europa das monarquias absolutas: grandes monarquias europeias (localização e evolução sobre o mapa no contexto europeu); monarquia absoluta em Espanha; evolução do sector produtivo durante o período.

• Colonização da América do Norte.

• Galiza nas épocas medieval e moderna.

• Estudo da povoação: evolução demográfica do espacio europeu; comentário de gráficas de povoação (pautas e instrumentos básicos).

• Evolução da arte europeia, espanhola e galega das épocas medieval e moderna. Pautas básicas para o comentário de obras pictóricas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (resumos, fichas temáticas, biografias, folhas de cálculo ou similares, etc.); vocabulário específico.

4.2.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja quem de reconhecer as características básicas dos fenômenos relacionados com a actividade humana e melhorar as suas habilidades comunicativas.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra conhecimentos básicos relativos a ciências sociais, língua galega e literatura, língua castelhana e literatura, e língua inglesa, estará enfocada ao uso de ferramentas básicas da análise textual, à elaboração de informação estruturada oral e escrita, à localização espacio-temporária dos fenômenos sociais e culturais, ao respeito pela diversidade de crenças e às pautas de relação quotidiana em diferentes sociedades e grupos humanos, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e em equipa.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana I, Comunicação em língua inglesa I e Sociedade I.

A língua galega e literatura, e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais n), o), p), q), r), s), t), u), v) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais m), n), ñ), o), p), q), r), s), t) e u).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas a:

– Concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar a integração do estudantado nas situações de aprendizagem propostas, mediante a aplicação de estratégias motivadoras.

– Potenciação da autonomia na execução das actividades e na gestão do seu tempo de aprendizagem, no âmbito das competências e dos contidos do âmbito sociolinguístico.

– Realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e em equipa.

– Uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance, fomentando o uso das TIC, que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações estruturadas da realidade.

– Uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração do estudantado nas actividades de aprendizagem, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade.

– Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens singelas orais e escritas, mediante o seu uso em diferentes tipos de situações comunicativas e textuais do contorno do estudantado.

– Uso de um vocabulário adequado às situações do seu contorno, que orientará a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho em equipa que permita a integração do estudantado nas actividades educativas com garantia de sucesso.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes presentes no contorno do estudantado, em relação com as necessidades derivadas do uso da língua com diferentes/as falantes.

– Desenvolvimento de hábitos de leitura que permitam a satisfacção com a produção literária, mediante o uso de textos seleccionados acordes com as suas necessidades e características.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração motivadora de saberes que lhe permitam ao estudantado analisar e valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Utilização de recursos e fontes de informação ao seu alcance para organizar a informação que extraia, para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação da diversidade dos grupos humanos e os seus sucessos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas do contorno do estudantado a partir da análise da informação disponível e da formulação de explicações justificadas e a reflexão sobre a sua actuação ante estas, em situações de aprendizagem pautadas.

– Potenciação das capacidades de observação e critérios para a satisfacção com as expressões artísticas mediante a análise pautada de produções artísticas arquetípicas, apreciando os seus valores estéticos e temáticos.

4.3. Módulo profissional: Comunicação e sociedade II.

• Código: MP3012.

• Duração: 135 horas.

4.3.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana II.

• Código: MP3012_13.

• Duração: 67 horas.

4.3.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias razoadas de composição e as normas linguísticas correctas em cada caso.

– QUE1.1. Aplicaram-se as técnicas da escuta activa na análise de mensagens orais procedentes de diversas fontes.

– QUE1.2. Reconheceu-se o intuito comunicativo e a estrutura e coesão da comunicação oral, valorando possíveis respostas.

– QUE1.3. Realizou-se um uso correcto dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Aplicaram-se as técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

– QUE1.5. Analisaram-se os usos e os níveis da língua e as normas linguísticas na compreensão e aplicaram na composição de mensagens orais, valorando e eliminando os usos discriminatorios.

– QUE1.6. Utilizou-se a terminologia gramatical correcta na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando à composição autónoma de textos de progressiva complexidade estratégias de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua adequação para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas técnicas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, reconhecendo possíveis usos discriminatorios.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, revendo e reformulando as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de diversos textos escritos de uso académico ou profissional, reconhecendo os usos e os níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro, preciso e adequado ao formato e ao contexto comunicativo.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistematizadas na preparação de textos escritos que permitem melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário correcto segundo as normas linguísticas e a finalidade.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais, comprovando a precisão e a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade, reconhecendo o intuito do autor ou da autora e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE3.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua castelhana no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE3.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua castelhana, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA4. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade, reconhecendo o intuito da autora ou do autor e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE4.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua galega no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE4.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua galega, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA5. Conhece e valora a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol e as principais características das variedades geográficas da língua galega e da língua castelhana, assim como as diferentes etapas, desde começos do século XX, da história social da língua galega e da língua castelhana, valorando a função do standard, a necessidade de normalizar a língua galega e rejeitando os prejuízos linguísticos.

– QUE5.1. Identificou-se a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol, valorando a diversidade linguística como um elemento de enriquecimento cultural e outorgando-lhes a todas as línguas o mesmo valor e a mesma função comunicativa.

– QUE5.2. Reconhece-se a variedade interna das línguas castelhana e galega como símbolo da riqueza do nosso património linguístico.

– QUE5.3. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

– QUE5.4. Valorou-se a função do standard de qualquer língua, assim como a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.3.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Técnicas de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Exposição de ideias e argumentos: organização e preparação dos contidos (ilación, sucessão e coerência); estrutura.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral: organização da frase (estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana); coerência semántica.

• Uso de recursos audiovisuais.

• Técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

BC2. Uso de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Trabalhos, relatórios, ensaios e outros textos académicos, científicos e profissionais.

• Aspectos linguísticos que há que ter em conta: registros comunicativos da língua e factores que condicionar o seu uso; variações das formas deícticas em relação com a situação; estilo directo e indirecto.

• Estratégias de leitura com textos académicos.

• Apresentação de textos escritos.

• Compreensão e produção de textos escritos: conectores textuais (causa, consequência, condição e hipótese); formas verbais nos textos (perífrases verbais; concordancia e coerência temporária e modal); sintaxe (complementos; frases compostas); estratégias para melhorar o interesse da pessoa receptora.

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Interpretação de textos literários em língua castelhana desde o século XIX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária do período estudado.

• A literatura em língua castelhana nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua castelhana.

BC4. Interpretação de textos literários em língua galega desde começos do século XX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• A literatura em língua galega nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua galega.

BC5. Conhecimento e respeito pela diversidade linguística, a história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX e valoração do standard e da necessidade de normalizar a língua galega.

• A situação sociolinguístico das línguas do Estado espanhol.

• A variedade interna da língua castelhana e da língua galega.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

• Funções e valor da língua standard.

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Reconhecimento e rejeição dos prejuízos linguísticos, valorando o plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

4.3.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa II.

• Código: MP3012_23.

• Duração: 34 horas.

4.3.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, aplicando os princípios da escuta activa e elaborando apresentações orais de pouca extensão, claras e estruturadas, relativas a temas e aspectos concretos, frequentes e quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se sistematicamente as estratégias de escuta activa para a compreensão global e específica das mensagens recebidas, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo de mensagens directas ou empregando um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso, estruturadores (de abertura, continuidade e pechamento).

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global e as ideias principais do texto oral e de estruturas gramaticais básicas em orações singelas, de situações habituais frequentes e de conteúdo predicible e concreto.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación essenciais que ajudam a perceber o sentido global e as ideias principais e secundárias da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se composições e apresentações orais breves de acordo com um guião estruturado, aplicando o formato e os traços próprios de cada tipo de texto de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e marcadores de discurso para iniciar, enlaçar, ordenar e finalizar o discurso em situações habituais frequentes e aspectos concretos.

– QUE1.7. Expressou-se a informação usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis, aceitando-se as pautas e pequenas vacilações.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se e valoraram-se as normas de relação social e as normas de cortesía mais frequentes dos países onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se e valoraram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade e do lugar de trabalho onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.11. Identificaram-se as principais atitudes e os comportamentos profissionais em situações de comunicação habituais do âmbito profissional.

• RA2. Mantém conversas singelas e breves em língua inglesa em situações habituais e concretas, cara a cara ou por meios técnicos, do âmbito pessoal, público e profissional, empregando estratégias de comunicação básica.

– QUE2.1. Dialogouse seguindo um guião sobre temas e aspectos concretos e frequentes do âmbito pessoal, público e profissional.

– QUE2.2. Descreveram-se, narraram-se e explicaram-se experiências próprias.

– QUE2.3. Escutou-se e dialogouse em interacções singelas, quotidianas da vida profissional, pública e pessoal, solicitando e proporcionando informação com verdadeiro detalhe.

– QUE2.4. Manteve-se a interacção utilizando diversas estratégias de comunicação essenciais para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.5. Utilizaram-se estratégias de compensação para suplir carências na língua estrangeira (parafrasear, linguagem corporal e ajudas audiovisuais), para facilitar a comunicação entre as pessoas interlocutoras.

– QUE2.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório essencial e limitado de expressões, frases, palavras frequentes e marcadores de discurso lineais.

– QUE2.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis e compreensível, aceitando-se algumas pausas e vacilações, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos breves e singelos com verdadeiro detalhe em língua inglesa relativos a situações de comunicação habituais do âmbito pessoal, público e profissional, aplicando estratégias de leitura comprensiva e desenvolvendo estratégias sistemáticas de composição.

– QUE3.1. Leu-se o texto reconhecendo os traços essenciais do género, o seu intuito, o seu contexto e a sua estrutura, e interpretando o seu conteúdo global e específico sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE3.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico do texto, o sentido geral, a informação essencial e as partes principais, mesmo quando o texto se organiza de diferente maneira.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso básicos e lineais, em situações habituais frequentes e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.4. Completaram-se frases, orações e textos singelos atendendo ao propósito comunicativo, com estruturas gramaticais de escassa complexidade, em situações habituais e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e singelos, adequados a um propósito comunicativo, empregando os conectores mais frequentes para enlaçar as orações.

– QUE3.6. Respeitaram-se as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas seguindo pautas sistemáticas e concretas de revisão e correcção.

– QUE3.7. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.3.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Interpretação e comunicação de textos orais quotidianos em língua inglesa.

• Distinção de ideias principais e secundárias, informação essencial de textos orais breves e singelos.

• Descrição de aspectos concretos de pessoas, lugares, serviços básicos, objectos e gestões singelas.

• Experiências dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Narração, explicações e intercâmbio de acontecimentos e experiências do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, frases e expressões para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal e profissional.

• Tipos de textos e a sua estrutura.

• Recursos tecnológicos.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais simples e compostas. Funções comunicativas associadas a situações habituais do âmbito pessoal, público e profissional. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Orações simples e subordinadas de escassa complexidade.

• Estratégias de compreensão e escuta activa.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais e das normas de cortesía.

• Reconhecimento e uso de expressões relacionadas com os costumes e os ritos numa comunidade de pessoas utentes da língua inglesa.

BC2. Interacção em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de interacção para manter e seguir uma conversa.

• Uso de frases estandarizadas.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Informação global e específica de mensagens de escassa dificultai referentes a assuntos básicos quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Composição de textos escritos breves e bem estruturados.

• Léxico para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas, necessárias, singelas e concretas dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Terminologia específica da área profissional do estudantado.

• Recursos gramaticais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Uso das orações simples e compostas na linguagem escrita.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Propriedades básicas do texto.

• Normas socioculturais nas relações dos âmbitos pessoal, público e profissional em situações quotidianas.

• Estratégias de planeamento da mensagem.

4.3.3. Unidade formativa 3: Sociedade II.

• Código: MP3012_33.

• Duração: 34 horas.

4.3.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Infire as características essenciais das sociedades contemporâneas a partir do estudo da sua evolução histórica, analisando os traços básicos da sua organização social, política e económica em diferentes momentos, e a sucessão de transformações e conflitos acaecidos.

– QUE1.1. Discrimináronse as consequências para a organização das sociedades actuais das correntes ideológicas que as cimentaron, situando no tempo e no espacio.

– QUE1.2. Valorou-se o modelo globalizado actual de relações económicas mediante o estudo das transformações económicas produzidas como consequência das inovações tecnológicas e os sistemas organizativo da actividade produtiva.

– QUE1.3. Categorizáronse as características da organização social contemporânea, em especial a galega e a espanhola, analisando a estrutura e as relações sociais da povoação actual e a sua evolução durante o período, utilizando gráficas e fontes directas seleccionadas.

– QUE1.4. Examinou-se a evolução das relações internacionais contemporâneas, elaborando explicações causais e consecutivas que permitam desenvolver opiniões próprias sobre os conflitos actuais.

– QUE1.5. Valorou-se o processo de unificação do espacio europeu, analisando a sua evolução, os seus princípios e as suas instituições significativas, e argumentou-se a sua influência nas políticas nacionais dos países membros da União Europeia.

– QUE1.6. Associou-se a evolução dos acontecimentos históricos globais com a evolução histórica do Estado espanhol e do território galego, identificando as suas fases de evolução, os principais conflitos e a sua situação actual.

– QUE1.7. Identificaram-se os traços essenciais da arte contemporânea, em especial a galega e a espanhola, e a sua evolução até os nossos dias, construindo opiniões e critérios próprios de ordem estética.

– QUE1.8. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do título e descreveram-se as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE1.9. Elaboraram-se instrumentos pautados de recolhida e difusão de informação que permitam a avaliação das aprendizagens realizadas, utilizando o vocabulário preciso.

– QUE1.10. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora os princípios básicos do sistema democrático analisando as suas instituições e as organizações políticas e económicas em que se manifesta, inferindo pautas de actuação para acomodar o seu comportamento ao cumprimento dos supracitados princípios.

– QUE2.1. Reconheceram-se os princípios básicos da Declaração universal de direitos humanos e a sua situação no mundo de hoje, valorando o seu envolvimento para a vinda quotidiana.

– QUE2.2. Analisaram-se os princípios reitores, as instituições e as normas de funcionamento das principais instituições internacionais, julgando o seu papel nos conflitos mundiais.

– QUE2.3. Valorou-se a importância da mediação e da resolução de conflitos na extensão do modelo democrático, desenvolvendo critérios próprios e razoados para a resolução destes.

– QUE2.4. Julgaram-se os traços essenciais do modelo democrático espanhol valorando o contexto histórico do seu desenvolvimento.

– QUE2.5. Valorou-se o envolvimento do princípio de não discriminação nas relações pessoais e sociais do contorno, julgando comportamentos próprios e alheios e inferindo pautas e acções apropriadas para acomodar a atitude aos direitos e às obrigações que disso derivam.

– QUE2.6. Elaborou-se informação pautada e organizada para a sua utilização em situações de trabalho colaborativo e contraste de opiniões.

4.3.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades contemporâneas.

• Construção dos sistemas democráticos: a Ilustração e as suas consequências, a sociedade liberal e a sociedade democrática.

• Estrutura económica e a sua evolução. Princípios de organização económica. Economia globalizada actual. A segunda globalização. Terceira globalização: problemas do desenvolvimento. Evolução do sector produtivo próprio na Galiza e em Espanha.

• Relações internacionais. Grandes potências e conflito colonial. Guerra Civil europeia. Descolonización e Guerra Fria. Mundo globalizado actual. Principais instituições internacionais. Galiza e Espanha no marco de relações actual.

• Construção europeia. Galiza e Espanha na Europa.

• Arte contemporânea: ruptura do cânone clássico; o cine e o cómic como entretenimento de massas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: trabalho colaborativo; apresentações e publicações web.

BC2. Valoração das sociedades democráticas.

• Declaração universal de direitos humanos: os direitos humanos na vida quotidiana; conflitos internacionais actuais.

• Modelo democrático espanhol: construção da Espanha democrática; Constituição espanhola. A organização do Estado espanhol. O Estado das autonomias. O Estatuto de autonomia da Galiza.

• Princípio de não discriminação na convivência diária. Resolução de conflitos.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas. Processos e pautas para o trabalho colaborativo. Preparação e apresentação de informação para actividades deliberativas. Normas de funcionamento e atitudes no contraste de opiniões.

4.3.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente do estudantado e contém a formação para melhorar as suas possibilidades de desenvolvimento pessoal, social e profissional, utilizando os passos do método científico, mediante a análise dos principais fenômenos relacionados com as actividades humanas no mundo contemporâneo, com o desenvolvimento de estratégias comunicativas suficientes em línguas galega e castelhana e com os fundamentos da comunicação em língua inglesa em diferentes situações habituais.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra matérias como as ciências sociais, a língua galega e literatura, a língua castelhana e literatura, e língua inglesa, enfocarase à aquisição de ferramentas de análise espacio-temporária, ao tratamento de textos orais e escritos, à elaboração de mensagens estruturadas e ao respeito para outras sociedades, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e colaborativo, para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana II, Comunicação em língua inglesa II e Sociedade II.

A língua galega e literatura, e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais ñ), o), p), q), r), s), t), u), v) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais m), n), ñ), o), p), q), r), s), t) e u).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas para:

– Concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar o envolvimento activo do estudantado no seu processo formativo, onde a prática e a funcionalidade das aprendizagens constituam um contínuum que facilite a realização das actividades que leve a cabo o estudantado.

– Potenciação da autonomia e da iniciativa pessoal, para utilizar as estratégias adequadas no âmbito sociolinguístico.

– Realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o desenvolvimento e o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e colaborativo.

– Uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações razoadas da realidade.

– Garantia do acesso à informação para todo o estudantado, fomentando o uso das TIC.

– Uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração de competências e conteúdos, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade para permitir a adaptação do estudantado à realidade pessoal, social e profissional.

– Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional e a sua adaptação aos requisitos profissionais do seu contorno.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens orais e escritas, mediante o seu uso em situações comunicativas e textuais de diferentes tipos.

– Uso de um vocabulário adequado às situações da vida pessoal, social e profissional que deverá vehicular a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho colaborativo que permita desenvolver o conceito de inteligência colectiva e a sua relação com o âmbito profissional.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes característica das sociedades contemporâneas, mais especificamente no âmbito das culturas de fala inglesa.

– Criação de hábitos de leitura e critérios estéticos próprios que lhe permitam ao estudantado a satisfacção com a produção literária, com maior afondamento na produção nas línguas galega e castelhana.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração de saberes que permitam o estudo de um fenômeno relacionado com as ciências sociais desde uma perspectiva multidiciplinar que lhe permita ao estudantado valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Uso de estratégias e destrezas de actuação, recursos e fontes de informação ao seu alcance para se achegar ao método científico e organizar a informação que extraia para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação das mudanças e das transformações sofridas pelos grupos humanos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas da sociedade actual a partir da análise da informação disponível e da concreção de hipóteses próprias e razoadas de explicação dos fenômenos observados em situação de aprendizagem.

– Potenciação das capacidades de apreciação e de criação, de educação do gosto pelas artes, mediante o desenvolvimento de conteúdos e actividades que se relacionem com obras e expressões artísticas seleccionadas.

4.4. Módulo profissional: Ciências aplicadas II.

• Código: MP3042.

• Duração: 162 horas.

4.4.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve situações quotidianas aplicando os métodos de resolução de equações e de sistemas, valorando a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica.

– QUE1.1. Utilizaram-se identidades notáveis nas operações com polinomios.

– QUE1.2. Obtiveram-se valores numéricos a partir de uma expressão alxébrica.

– QUE1.3. Resolveram-se equações de primeiro e segundo grau singelas de modo alxébrico e gráfico.

– QUE1.4. Resolveram-se problemas quotidianos e de outras áreas de conhecimento mediante equações e sistemas.

– QUE1.5. Valorou-se a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica para representar situações formuladas na vida real.

– QUE1.6. Resolveram-se sistemas de equações singelos.

• RA2. Resolve problemas singelos de diversa índole, através da sua análise contrastada e aplicando as fases do método científico.

– QUE2.1. Formularam-se hipóteses singelas, a partir de observações directas ou indirectas recopiladas por diferentes meios.

– QUE2.2. Analisaram-se diversas hipóteses e emitiu-se uma primeira aproximação à sua explicação.

– QUE2.3. Planificaram-se métodos e procedimentos experimentais singelos de diversa índole para refutar ou não a sua hipótese.

– QUE2.4. Trabalhou-se em equipa na formulação da solução.

– QUE2.5. Recopilaram-se os resultados dos ensaios de verificação e reflectiram-se num documento de maneira coherente.

– QUE2.6. Defendeu-se o resultado com argumentações e provas, e verificações ou refutacións das hipóteses emitidas.

• RA3. Realiza medidas directas e indirectas de figuras xeométricas presentes em contextos reais, utilizando os instrumentos, as fórmulas e as técnicas necessárias.

– QUE3.1. Utilizaram-se instrumentos apropriados para medir ângulos, comprimentos, áreas e volumes de corpos e de figuras xeométricas, interpretando as escalas de medida.

– QUE3.2. Utilizaram-se estratégias (semelhanças e descomposição em figuras mais singelas, etc.) para estimar ou calcular medidas indirectas no mundo físico.

– QUE3.3. Utilizaram-se as fórmulas para calcular perímetros, áreas e volumes, e atribuíram-se as unidades correctas.

– QUE3.4. Trabalhou-se em equipa na obtenção de medidas.

– QUE3.5. Utilizaram-se as TIC para representar figuras.

• RA4. Interpreta gráficas de duas magnitudes calculando os parâmetros significativos destas e relacionando-os com funções matemáticas elementares e os principais valores estatísticos.

– QUE4.1. Expressou-se a equação da recta de diversas formas.

– QUE4.2. Representou-se graficamente a função cuadrática aplicando métodos singelos para a sua representação.

– QUE4.3. Representou-se graficamente a função inversa.

– QUE4.4. Representou-se graficamente a função exponencial.

– QUE4.5. Extraiu-se informação de gráficas que representem os tipos de funções associadas a situações reais.

– QUE4.6. Utilizou-se o vocabulário adequado para a descrição de situações relacionadas com o azar e com a estatística.

– QUE4.7. Elaboraram-se e interpretaram-se tabelas e gráficos estatísticos.

– QUE4.8. Analisaram-se características da distribuição estatística obtendo medidas de centralización e de dispersão.

– QUE4.9. Aplicaram-se as propriedades dos acontecimentos e a probabilidade.

– QUE4.10. Resolveram-se problemas quotidianos mediante cálculos de probabilidade singelos.

• RA5. Aplica técnicas físicas ou químicas, utilizando o material necessário para a realização de práticas de laboratório singelas, medindo as magnitudes implicadas.

– QUE5.1. Verificou-se a disponibilidade do material básico utilizado num laboratório.

– QUE5.2. Identificaram-se e mediram-se magnitudes básicas (massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.).

– QUE5.3. Identificaram-se tipos de biomoléculas presentes em materiais orgânicos e inorgánicos.

– QUE5.4. Descreveram-se a célula e os tecidos animais e vegetais mediante a sua observação através de instrumentos ópticos.

– QUE5.5. Elaboraram-se relatórios de ensaios onde se inclui a justificação, o procedimento seguido, os resultados obtidos e as conclusões.

– QUE5.6. Aplicaram-se as normas de trabalho no laboratório.

• RA6. Reconhece as reacções químicas que se produzem nos processos biológicos e na indústria, argumentando a sua importância na vida quotidiana e descrevendo as mudanças que se produzem.

– QUE6.1. Identificaram-se reacções químicas principais da vida quotidiana, da natureza e da indústria.

– QUE6.2. Descreveram-se as manifestações de reacções químicas.

– QUE6.3. Descreveram-se os componentes principais de uma reacção química e a intervenção da energia nela.

– QUE6.4. Reconheceram-se algumas reacções químicas tipo (combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica).

– QUE6.5. Identificaram-se os componentes e o processo de reacções químicas singelas mediante ensaios de laboratório.

– QUE6.6. Elaboraram-se relatórios utilizando as TIC sobre as indústrias mais destacáveis (alimentária, cosmética e de reciclagem), descrevendo de forma singela os processos que têm lugar nelas.

– QUE6.7. Aplicaram-se as normas de segurança no trabalho de laboratório.

• RA7. Identifica aspectos positivos e negativos do uso da energia nuclear, e descreve os efeitos da contaminação gerada na sua aplicação.

– QUE7.1. Analisaram-se efeitos positivos e negativos do uso da energia nuclear.

– QUE7.2. Diferenciaram-se os processos de fusão e de fisión nuclear.

– QUE7.3. Identificaram-se alguns problemas sobre verteduras nucleares produto de catástrofes naturais ou de má gestão e mal manutenção das centrais nucleares.

– QUE7.4. Argumentou-se sobre a problemática dos resíduos nucleares.

– QUE7.5. Trabalhou-se em equipa e utilizaram-se as TIC.

• RA8. Identifica as mudanças que se produzem no planeta Terra argumentando as suas causas e tendo em conta as diferenças entre relevo e paisagem.

– QUE8.1. Identificaram-se os agentes geológicos externos e qual é a sua acção sobre o relevo.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os tipos de meteorización e identificaram-se as suas consequências no relevo.

– QUE8.3. Analisou-se o processo de erosão, reconhecendo os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.4. Descreveu-se o processo de transporte discriminando os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.5. Analisou-se o processo de sedimentación discriminando os agentes geológicos externos que intervêm, as situações e as consequências no relevo.

• RA9. Categoriza os poluentes atmosféricos principais identificando as suas origens e relacionando-as com os seus efeitos.

– QUE9.1. Reconheceram-se os fenômenos da contaminação atmosférica e os principais agentes que a causam.

– QUE9.2. Investigou-se sobre o fenômeno da chuva ácida, as suas consequências imediatas e futuras, e como seria possível evitá-la.

– QUE9.3. Descreveu-se o efeito estufa argumentando as suas causas ou agentes que contribuem a ele, assim como as medidas para a sua redução.

– QUE9.4. Descreveu-se a problemática que ocasiona a perda paulatina da camada de ozónio e as consequências para a saúde das pessoas, o equilíbrio da hidrosfera e as povoações.

• RA10. Identifica os poluentes da água tendo em conta a relação entre o seu efeito no ambiente e o seu tratamento de depuração.

– QUE10.1. Reconheceu-se e valorou-se o papel da água na existência e na sobrevivência da vida no planeta.

– QUE10.2. Identificou-se o efeito nocivo da contaminação dos acuíferos nas povoações de seres vivos.

– QUE10.3. Identificaram-se possíveis poluentes em amostras de água de diferente origem, planificando e realizando ensaios de laboratório.

– QUE10.4. Analisaram-se os efeitos produzidos pela contaminação da água e o uso responsável desta.

• RA11. Contribui ao equilíbrio ambiental, analisando e argumentando as linhas básicas sobre o desenvolvimento sustentável e propondo acções para a sua melhora e a sua conservação.

– QUE11.1. Analisaram-se os envolvimentos positivos de um desenvolvimento sustentável.

– QUE11.2. Propuseram-se medidas elementares encaminhadas a favorecer o desenvolvimento sustentável.

– QUE11.3. Desenharam-se estratégias básicas para possibilitar a manutenção do ambiente.

– QUE11.4. Trabalhou-se em equipa na identificação dos objectivos para a melhora ambiental.

• RA12. Relaciona as forças que aparecem em situações habituais com os efeitos produzidos, tendo em conta o seu contributo ao movimento ou ao repouso dos objectos e as magnitudes postas em jogo.

– QUE12.1. Discrimináronse movimentos quotidianos em função da sua trajectória e da sua celeridade.

– QUE12.2. Relacionaram-se entre sim a distância percorrida, a velocidade, o tempo e a aceleração, expressando-as em unidades de uso habitual.

– QUE12.3. Representaram-se vectorialmente determinadas magnitudes como a velocidade e a aceleração.

– QUE12.4. Relacionaram-se os parâmetros que definem o movimento rectilíneo uniforme utilizando as expressões gráfica e matemática.

– QUE12.5. Realizaram-se cálculos singelos de velocidades em movimentos com aceleração constante.

– QUE12.6. Descreveu-se a relação causa e efeito em diferentes situações, para encontrar a relação entre forças e movimentos.

– QUE12.7. Aplicaram-se as leis de Newton em situações da vida quotidiana.

• RA13. Identifica os aspectos básicos da produção, o transporte e a utilização da energia eléctrica, e os factores que intervêm no seu consumo, descrevendo as mudanças produzidas e as magnitudes e valores característicos.

– QUE13.1. Identificaram-se e manejaram-se as magnitudes físicas básicas para ter em conta no consumo de electricidade na vida quotidiana.

– QUE13.2. Analisaram-se os hábitos de consumo e de poupança eléctrico e estabeleceram-se linhas de melhora neles.

– QUE13.3. Classificaram-se as centrais eléctricas e descreveu-se a transformação energética nelas.

– QUE13.4. Analisaram-se as vantagens e as desvantaxes das centrais eléctricas.

– QUE13.5. Descreveram-se basicamente as etapas da distribuição da energia eléctrica desde a sua xénese à pessoa utente.

– QUE13.6. Trabalhou-se em equipa na recompilação de informação sobre centrais eléctricas em Espanha.

• RA14. Prevêem a possibilidade de aparecimento de doenças básicas, utilizando técnicas de manutenção e desinfecção dos utensilios e dos aparelhos utilizados nas actuações derivadas da sua profissão.

– QUE14.1. Caracterizaram-se microorganismos e parasitas comuns que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

– QUE14.2. Categorizáronse os principais agentes causantes de infecções por contacto com materiais infectados ou contaminados.

– QUE14.3. Reconheceram-se as doenças infecciosas e parasitarias mais frequentes que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

– QUE14.4. Propuseram-se formas de prevenção de infecções e parasitoses que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

– QUE14.5. Identificaram-se as principais substancias utilizadas no processamento dos alimentos que podem actuar como tóxicos.

– QUE14.6. Analisou-se e protocolizouse o procedimento de lavagem das mãos antes e depois de qualquer manipulação, com o objecto de prevenir a transmissão de doenças.

– QUE14.7. Identificaram-se e tipificar diferentes tipos de desinfectantes e métodos de esterilização.

– QUE14.8. Analisaram-se e experimentaram-se diversos procedimentos de desinfecção e esterilização.

4.4.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de equações e de sistemas em situações quotidianas.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, produto, cociente e factor comum.

• Obtenção de valores numéricos em fórmulas. Regra de Ruffini.

• Polinomios: raízes e factorización. Teorema do resto e teorema do factor.

• Resolução alxébrica e gráfica de equações de primeiro e de segundo grau.

• Resolução de sistemas de equações singelos.

• Técnicas de resolução de problemas com equações e sistemas.

• Linguagem alxébrica. Precisão e simplicidade na tradução de situações reais.

BC2. Resolução de problemas singelos.

• Método científico.

• Fases do método científico: observação, elaboração de hipóteses, experimentação, análise de resultados e leis ou teorias.

• Aplicação das fases do método científico a situações singelas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação, respeito e ordem. Elaboração de relatórios.

BC3. Realização de medidas em figuras xeométricas.

• Pontos e rectas.

• Rectas secantes e paralelas.

• Ângulo: medida.

• Polígonos: descrição dos seus elementos e classificação.

• Triángulos. Semelhança; teoremas de Tais e de Pitágoras.

• Circunferencia e os seus elementos. Medida e cálculo de comprimentos, áreas e volumes. Asignação de unidades.

• Cálculo de medidas indirectas. Semelhanças; descomposição em figuras mais simples.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação e respeito. Apresentação de resultados.

• Uso de aplicações informáticas de xeometría dinâmica para o estudo e a representação de figuras xeométricas.

BC4. Interpretação de gráficos.

• Interpretação de um fenômeno descrito mediante um enunciado, uma tabela, uma gráfica ou uma expressão analítica.

• Funções lineais. Equação da recta.

• Funções cuadráticas. Representação gráfica.

• Representação gráfica da função inversa e da função exponencial.

• Uso de aplicações informáticas para a representação, a simulação e a análise da gráfica de uma função.

• Estatística. Tabelas e gráficos estatísticos. Medidas de centralización e dispersão.

• Cálculo de probabilidades. Propriedades dos acontecimentos e da probabilidade. Resolução de problemas.

BC5. Aplicação de técnicas físicas ou químicas.

• Material básico no laboratório. Inventário.

• Normas de trabalho no laboratório.

• Medida de magnitudes fundamentais: comprimento, massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.

• Reconhecimento de biomoléculas orgânicas e inorgánicas.

• Microscopio óptico e lupa binocular: fundamentos ópticos e manejo; utilização para descrever a célula e os tecidos animais e vegetais.

• Relatórios de trabalho no laboratório: estrutura e formato.

BC6. Reconhecimento de reacções químicas quotidianas.

• Reacção química. Componentes e processos. Ensaios de laboratório.

• Condições de produção das reacções químicas: intervenção de energia.

• Reacções químicas em âmbitos da vida quotidiana, da natureza e na indústria.

• Reacções químicas básicas: combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica.

• Processos que têm lugar nas indústrias mais destacáveis (alimentária, cosmética e de reciclagem).

• Normas de segurança no trabalho de laboratório.

BC7. Identificação de aspectos relativos à contaminação nuclear.

• Origem da energia nuclear.

• Tipos de processos para a obtenção e o uso da energia nuclear: fusão e fisión.

• Resíduos radiactivos provenientes das centrais nucleares: problemática da sua gestão e do seu tratamento.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC8. Identificação das mudanças no relevo e na paisagem da Terra.

• Agentes geológicos externos e internos.

• Acção dos agentes geológicos externos: meteorización, erosão, transporte e sedimentación.

• Identificação dos resultados da acção dos agentes geológicos.

• Relevo e paisagem. Factores condicionante.

BC9. Categorización dos poluentes atmosféricos principais.

• Conceito.

• Chuva ácida.

• Efeito estufa.

• Destruição da camada de ozónio.

BC10. Identificação de poluentes da água.

• Água: factor essencial para a vinda no planeta.

• Contaminação da água: causas e efeitos.

• Tratamentos de depuração e potabilización de água.

• Métodos de armazenamento da água proveniente dos desxeamentos, as descargas fluviais e a chuva.

BC11. Equilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável.

• Conceito e aplicações do desenvolvimento sustentável.

• Factores que incidem sobre a conservação do ambiente.

• Acções que contribuem à manutenção e a melhora do equilíbrio ambiental.

BC12. Influência das forças sobre o estado de repouso e de movimento dos corpos.

• Classificação dos movimentos segundo a sua trajectória e a sua aceleração.

• Distância percorrida, velocidade e aceleração. Unidades do sistema internacional e mais habituais. Cálculos em movimentos com aceleração constante.

• Magnitudes escalares e vectoriais: distância percorrida, velocidade e aceleração.

• Movimento rectilíneo uniforme: características. Interpretação gráfica.

• Força: resultado de uma interacção. Relação entre forças e movimentos.

• Representação de forças aplicadas a um sólido em situações habituais. Resultante.

• Leis de Newton.

BC13. Produção e utilização da energia eléctrica.

• Electricidade e desenvolvimento tecnológico.

• Matéria e electricidade.

• Magnitudes básicas manejadas no consumo de electricidade: energia e potência. Aplicações na vida quotidiana: interpretação do recebo da luz.

• Hábitos de consumo e poupança de electricidade.

• Sistemas de produção de energia eléctrica: tipos de centrais eléctricas, as suas vantagens e as suas desvantaxes.

• Transporte e distribuição da energia eléctrica: etapas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades; elaboração de relatórios.

BC14. Prevenção de doenças.

• Microorganismos e parasitas mais comuns que afectam as pessoas.

• Classificação das doenças infecciosas e parasitarias que afectam a pele e o aparelho dixestivo.

• Limpeza, conservação, cuidado e armazenamento do material de trabalho.

• Protocolo do lavado de mãos.

• Tipos de desinfectantes e formas de uso.

• Limpeza, desinfecção e esterilização do material de trabalho. Riscos derivados do seu deficiente procedimento de desinfecção e esterilização.

• Riscos provenientes de uma deficiente limpeza do pessoal, do material e do lugar de trabalho.

• Medidas de protecção pessoal segundo o perfil profissional.

4.4.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que, utilizando os passos do razoamento científico, basicamente a observação e a experimentação, o estudantado aprenda a interpretar fenômenos naturais e, do mesmo modo, possa afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da sua vida quotidiana.

Igualmente forma-se para que utilize a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de diferente índole, aplicados a qualquer situação, na sua vida quotidiana e na sua vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a física e a química, a biologia e a geoloxia, enfocarase nos conceitos principais e nos princípios das ciências, involucrando o estudantado na solução de problemas e noutras tarefas significativas, e permitir-lhe-á trabalhar de maneira autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais h), i), j), k), l), m), n), ñ), s), t), u), v) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais k), l), m), n), p), q), r), s), t), u) e v).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

– Interpretação de gráficos e curvas.

– Aplicação, quando proceda, do método científico.

– Valoração do ambiente e da influência dos poluentes.

– Características da energia nuclear.

– Aplicação de procedimentos físicos e químicos elementares.

– Realização de exercícios de expressão oral.

– Representação de forças.

– Cuidados básicos da pele.

– Prevenção de doenças.

4.5. Módulo profissional: Manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

• Código: MP3098.

• Duração: 175 horas.

4.5.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Lava peças de vestir e roupa de fogar utilizando meios mecânicos ou de forma manual, aplicando os procedimentos adequados e seguindo instruções de fábrica.

– QUE1.1. Classificaram-se e organizaram-se as peças têxtiles por lote para a sua lavagem à mão ou à máquina, atendendo a critérios de hábitos e uso doméstico e pessoal, ao estado de limpeza de cada peça e ao procedimento de lavagem que se vá utilizar, interpretando as instruções de fábrica sobre a cor e o tecido.

– QUE1.2. Seleccionou-se o programa de lavagem e centrifugado mecânico adequado a cada lote de roupa, interpretando o manual de uso do electrodoméstico empregue.

– QUE1.3. Realizou-se a dosificación dos produtos de lavagem (deterxentes, suavizantes, acondicionadores, etc.), nas proporções indicadas por fábrica e segundo os requisitos do programa seleccionado.

– QUE1.4. Realizou-se a lavagem à mão das peças que o requeiram, utilizando os procedimentos e os produtos adequados a cada tipo de peça.

– QUE1.5. Aplicaram-se medidas de rectificação do lavado, relacionando o estado esperado e o resultado obtido, segundo o tipo de peça e o procedimento de lavagem aplicado.

– QUE1.6. Aplicaram-se os procedimentos de manutenção a nível utente/a para garantir o funcionamento da lavadora e a conservação das peças têxtiles, revendo tomadas e saídas de água, tambores, filtros e outros elementos, segundo as instruções de fábrica.

– QUE1.7. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais relacionadas com o uso da lavadora e com os produtos empregues.

– QUE1.8. Valorou-se o impacto ambiental do lavado da roupa.

• RA2. Seca peças de vestir e roupa de fogar utilizando meios mecânicos ou tradicionais, e justifica os procedimentos requeridos e as instruções de fábrica.

– QUE2.1. Classificaram-se e organizaram-se as peças têxtiles para o seu secado, atendendo às características do tecido, segundo as recomendações de fábrica.

– QUE2.2. Seleccionou-se o programa de secado adequado a cada lote de roupa, valorando critérios de velocidade, tempo e grau de humidade requeridos, segundo o manual de uso do electrodoméstico empregue.

– QUE2.3. Escorréronse peças e dosificáronse os produtos utilizados no secado (protectores da cor, suavizantes, etc.), segundo o programa seleccionado e nas proporções indicadas por fábrica.

– QUE2.4. Identificaram-se as máquinas para realizar o secado (secadora e lavadora-secadora).

– QUE2.5. Utilizaram-se a secadora e a lavadora-secadora tendo em conta critérios de adequação às instruções facilitadas nas etiquetas.

– QUE2.6. Aplicaram-se os procedimentos de manutenção de utente/a para garantir o funcionamento da secadora e a conservação das peças têxtiles, revendo saídas de água, tambores, filtros e outros elementos, segundo as instruções de fábrica.

– QUE2.7. Realizou-se o tendido manual nos espacios indicados, segundo as condições de ventilação e a exposição às fontes de calor, aplicando procedimentos adequados para manter a integridade dos tecidos.

– QUE2.8. Aplicaram-se as medidas de prevenção no secado de peças, segundo o tipo de procedimento e, de ser o caso, à máquina empregada, valorando rutinas desenvolvidas e danos evitados.

• RA3. Passa-lhes o ferro a peças de vestir e roupa de fogar utilizando meios mecânicos ou manuais, garantindo a conservação e a higiene das peças e aplicando procedimentos adequados, segundo as instruções de fábrica.

– QUE3.1. Classificaram-se e organizaram-se por lote as peças têxtiles para lhes passar o ferro, atendendo às características do tecido, segundo recomendações de fábrica.

– QUE3.2. Seleccionou-se o programa adequado para lhe passar o ferro a cada lote de roupa, valorando critérios de tempo, temperatura e quantidade de vapor requeridos, segundo o manual de uso do electrodoméstico empregue.

– QUE3.3. Aplicaram-se os procedimentos de manutenção a nível utente/a para garantir o funcionamento do electrodoméstico de passar o ferro, segundo as instruções de fábrica.

– QUE3.4. Passou-se o ferro e aplicaram-se as medidas complementares (aplicação de protectores, colocação da peça, produtos de acondicionamento, etc.) e de rectificação, e valoraram-se os resultados obtidos e os resultados esperados.

– QUE3.5. Aplicaram-se as medidas de prevenção de danos posturais e de segurança ao passar o ferro às peças, segundo o tipo de procedimento e, de ser o caso, à máquina empregada, e valoraram-se as rutinas desenvolvidas e os danos evitados.

– QUE3.6. Prepararam-se e ordenaram-se as peças para a sua conservação nos espacios adequados, e valoraram-se o procedimento e os produtos requeridos para garantir a manutenção das peças.

– QUE3.7. Organizou-se o processo de maneira que permita a poupança de energia.

• RA4. Realiza arranjos básicos em peças de vestir e roupa de fogar, para o que selecciona os utensilios em função do tecido e da necessidade das peças, para alcançar a sua reparação e o seu aspecto apropriado.

– QUE4.1. Comprovou-se o estado da roupa e valoraram-se, de ser o caso, os arranjos que cumpra realizar (furados, esgazaduras, corchetes e/ou botões desprendidos, pregos desfeitos, costuras que abrem, etc.).

– QUE4.2. Seleccionou-se a técnica requerida de acordo com o tipo de tecido, a peça e a necessidade identificada, e valorou-se o resultado esperado segundo critérios de uso e estéticos.

– QUE4.3. Relacionaram-se os utensilios e as ferramentas com as técnicas empregadas, em função da intervenção que se vá realizar e das necessidades de arranjo que possam apresentar.

– QUE4.4. Aplicaram-se as técnicas de arranjos básicos, identificando as dificuldades e os riscos possíveis associados à sua utilização.

– QUE4.5. Manteve-se ordenada a cesta de costura, descreveram-se os elementos que contém e identificaram-se os lugares para guardar os utensilios, as ferramentas e os materiais.

• RA5. Ordena a roupa no espacio atribuído e organiza estâncias aplicando critérios de temporalidade e estacionalidade, facilitando a sua conservação e o seu uso, e valorando critérios de descanso, limpeza e ordem.

– QUE5.1. Identificaram-se espacios adequados para a armazenagem da roupa de cama e utensilios de descanso.

– QUE5.2. Estabeleceram-se critérios para a ordem da roupa de cama e os utensilios de descanso.

– QUE5.3. Identificaram-se os ritmos e os usos de mudança de roupa e tratamento dos utensilios de descanso (voltear, rechear almofadas, colocar cobertores, etc.), segundo hábitos da unidade convivencial ou empresa.

– QUE5.4. Estabeleceram-se diferentes programações para o mudo de roupa de cama e tratamento dos utensilios de descanso, garantindo a higiene, segundo os usos identificados e os protocolos estabelecidos.

– QUE5.5. Seleccionou-se a roupa de cama de acordo com as instruções recebidas, considerando o tipo de cama, a temperatura e as preferências pessoais.

– QUE5.6. Realizaram-se as tarefas prévias a fazer a cama (ventilação da estância, aireación das peças e comprovação do estado do colchón).

– QUE5.7. Realizou-se o procedimento convencional de fazer as camas, valorando a forma de colocação da roupa e dos complementos utilizados, e evitando deficiências estéticas.

– QUE5.8. Aplicaram-se as medidas de prevenção previamente à realização da tarefa de fazer a cama (armazenagem e selecção da roupa que cumpra utilizar).

– QUE5.9. Aplicaram-se as medidas de prevenção durante a tarefa de fazer a cama, valorando as rutinas desenvolvidas e os danos evitados, segundo o tipo de cama e a roupa empregada.

• RA6. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados dos labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

– QUE6.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para os labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

– QUE6.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso nos labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

– QUE6.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com os labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

4.5.2. Conteúdos básicos.

BC1. Técnicas de lavagem de peças de vestir e roupa de fogar.

• Características: fibras, cores, grau de sujeira e tamanho.

• Interpretação da etiquetaxe da roupa.

• Recolhida de roupa de fogar e peças de vestir.

• Classificação e separação da roupa para o lavado.

• Tratamentos especiais.

• Revisão das peças antes do lavado.

• Processos manual e automático de lavagem de roupa de fogar e peças de vestir.

• Análise de resultados e aplicação de medidas de rectificação.

• Máquinas de lavagem: características e normas de uso. Selecção de programas adequados ao tipo de roupa e às suas características.

• Manutenção básica da lavadora e da lavadora-secadora. Revisão de pontos básicos para o funcionamento: tomadas e saídas de água, filtros, etc.

• Aplicação de produtos específicos para lavar e desmanchar.

• Dosificación de produtos específicos para lavar e desmanchar.

• Procedimentos específicos para desmanchar.

• Prevenção de riscos relacionados com o procedimento de lavagem e com o uso da lavadora e dos produtos de lavagem.

• Normas de segurança e impacto ambiental do lavado de roupa.

BC2. Técnicas de secado de peças de vestir e roupa de fogar.

• Classificação e organização das peças têxtiles para o seu secado, atendendo às características do tecido e às recomendações de fábrica.

• Selecção do programa de secado adequado à roupa seleccionada (velocidade, tempo, grau de humidade, etc.), segundo o manual de uso da secadora.

• Escorredura de peças e dosificación de produtos utilizados no secado.

• Fases do processo de secado.

• Técnica de tendido e recolhida da roupa.

• Tipoloxía de electrodomésticos: secadora e lavadora-secadora.

• Utilização da secadora e da lavadora-secadora.

• Revisão de pontos básicos para o funcionamento (tomadas e saídas de água, filtros, etc.).

• Interpretação de etiquetaxe da roupa.

• Tendido manual: espacios, condições de ventilação e procedimentos para assegurar manutenção dos tecidos.

• Normas de segurança e de redução do consumo de energia no secado.

• Manutenção de primeiro nível, prevenção e actuação ante os incidentes mais comuns neste tipo de máquinas.

BC3. Procedimentos para lhe passar o ferro à roupa.

• Classificação e organização da roupa para lhe passar o ferro, segundo as características do tecido e as recomendações de fábrica.

• Selecção de programa de passar o ferro, segundo as características do tecido e as recomendações de fábrica.

• Manutenção básica do electrodoméstico para garantir o seu funcionamento.

• Processo de passar o ferro. Medidas complementares e de rectificação em função de resultados.

• Técnicas manuais e com máquina de passar o ferro.

• Processo de colocação em espacios habilitados.

• Medidas de prevenção de danos posturais e segurança ao passar o ferro para evitar danos.

• Normas de segurança e de redução do consumo de energia ao passar o ferro.

• Manutenção de primeiro nível, prevenção e actuação ante os incidentes mais comuns neste tipo de máquinas.

BC4. Técnicas básicas de costura e de peças de vestir e roupa de fogar.

• Revisão do estado da roupa para valorar os arranjos precisos.

• Selecção de técnicas de costura: tipos e características de tecidos.

• Materiais de costura: selecção em função da técnica e do tecido.

• Técnicas básicas de costura à mão e à máquina (ganduxar, rematar, meter o baixo, coser botões, etc.).

• Prevenção de riscos associados à tarefa de coser a roupa.

• Ordenação da caixa de costura.

BC5. Ordenação da roupa no espacio atribuído e organização de estâncias.

• Espaços e critérios de organização da roupa de cama e dos utensilios do descanso.

• Valoração, planeamento e tratamento de utensilios de descanso.

• Valoração, planeamento e realização de rutinas na mudança de roupa de cama.

• Elementos de uma cama.

• Tipos de roupa de cama. Selecção de acordo com os gustos, a temperatura, as preferências, etc.

• Tarefas prévias a fazer a cama (ventilação, comprovação do estado do colchón, peças, etc.).

• Procedimento de fazer as camas. Importância da estética.

• Prevenção de riscos ergonómicos na realização de camas e na selecção e ordem da roupa.

BC6. Iniciativa emprendedora nos labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

• A pessoa emprendedora nos labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação nos labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com os labores de manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

4.5.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função da manutenção de peças de vestir e roupa do fogar.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Preparação de equipamentos de lavagem, secado, passada de ferro.

– Utilização de técnicas de lavagem, secado e passada de ferro.

– Arranjo e reparação de peças de vestir e roupa do fogar, mediante técnicas de costura básicas.

– Manutenção de peças de vestir e roupa do fogar: higiene e desinfecção.

– Prevenção de riscos associados às actividades domésticas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais c), g), l), n), p), q), r), s), t), u), v) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais c), g), h), i), j), l), ñ), o), p), q), r), s) e t).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Classificação de peças de vestir e roupa do fogar segundo as suas características para lavagem, secado e passada de ferro.

– Utilização de produtos e utensilios para o lavado e a passada de ferro.

– Utilização de equipamentos específicos de lavagem, secado e passada de ferro.

– Técnicas básicas de costura.

– Normas de prevenção de riscos laborais associados às actividades domésticas.

– Normas de prevenção ambientais.

4.6. Módulo profissional: Cocinha doméstica.

• Código: MP3102.

• Duração: 237 horas.

4.6.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Elabora listas para a compra de alimentos e outros produtos segundo o orçamento estabelecido, com adequação às características da unidade convivencial e respeitando as normas de consumo (caducidade, limite de consumo ou conservação, etc.), e garante a sua reposição.

– QUE1.1. Identificaram-se as matérias primas alimentárias de uso comum na cocinha e descreveram-se as principais variedades e qualidades.

– QUE1.2. Estabeleceram-se critérios de elaboração da lista da compra.

– QUE1.3. Comprovaram-se as existências de alimentos e produtos necessários na despensa, e determinaram-se as necessidades de reposição.

– QUE1.4. Estabeleceu-se um programa de revisão e reposição de produtos a partir dos hábitos de consumo do contorno familiar.

– QUE1.5. Determinou-se o tipo de estabelecimento mais adequado para realizar a compra, consonte a lista e as instruções recebidas.

– QUE1.6. Analisaram-se a publicidade e as ofertas existentes.

– QUE1.7. Estabeleceram-se critérios para a selecção de produtos.

– QUE1.8. Interpretaram-se as características e a informação das etiquetas dos produtos que fazem parte de uma lista de compra.

– QUE1.9. Comprovou-se a data de caducidade das matérias primas e dos produtos comprados.

– QUE1.10. Realizou-se a compra dos alimentos e dos produtos previstos e indicaram-se as possibilidades do seu transporte em condições de segurança.

– QUE1.11. Descreveu-se a organização da compra no transporte dos produtos, aplicando métodos de conservação.

– QUE1.12. Identificaram-se os riscos associados à deslocação das compras desde o estabelecimento ao domicílio, aplicando as medidas de prevenção correspondentes.

• RA2. Realiza operações de armazenamento de alimentos e outros produtos de uso domiciliário, e justifica os meios utilizados na sua preservação e na sua conservação em condições de higiene e bom uso.

– QUE2.1. Classificaram-se os produtos atendendo ao tipo de actuação requerida para a sua armazenagem e a sua conservação.

– QUE2.2. Descreveu-se o procedimento de manipulação de alimentos para a sua armazenagem e a sua conservação, extremando as medidas de higiene.

– QUE2.3. Aplicaram-se métodos singelos de conservação e envasamento de géneros crus e semielaborados, e de elaborações culinarias terminadas de uso comum.

– QUE2.4. Descreveu-se o procedimento de congelação de produtos crus e semielaborados, e de elaborações culinarias.

– QUE2.5. Aplicaram-se procedimentos de congelação em produtos crus e semielaborados, e de elaborações culinarias.

– QUE2.6. Identificaram-se os espacios para a colocação e a armazenagem dos produtos, em função das suas características e das suas necessidades.

– QUE2.7. Aplicaram-se procedimentos hixiénicos para a prevenção de riscos no armazenamento e na conservação de produtos de alimentos e de outros produtos de uso domiciliário.

• RA3. Realiza operações de preelaboración dos produtos culinarios mais comuns nas elaborações culinarias que se vão realizar, valorando critérios de consumo e caducidade, a partir de um plano de actuação.

– QUE3.1. Descreveram-se as características dos produtos, dos cortes ou das peças que se utilizam adopto em preelaboración, e relacionaram com os procedimentos culinarios mais comuns.

– QUE3.2. Descreveram-se os critérios aplicável para obter o máximo proveito das matérias primas utilizadas na preelaboración, para evitar custos e desgastes innecesarios.

– QUE3.3. Descreveram-se os principais procedimentos de regeneração que precisam as matérias primas de uso mais comum para a sua posterior preelaboración.

– QUE3.4. Descreveram-se os procedimentos que se lhes aplicam aos ingredientes que fazem parte da elaboração, antes do cocinhado (lavadura, desconxelación, corte, etc.).

– QUE3.5. Aplicou-se o tratamento requerido para limpar fruta ou verduras, ou as latas antes de abrir, para assegurar a inocuidade.

– QUE3.6. Seleccionaram-se e utilizaram-se os utensilios, as ferramentas e os equipamentos de trabalho conforme as instruções recebidas e a actividade que se vá realizar.

– QUE3.7. Realizou-se a manutenção a nível utente/a para garantir o funcionamento das ferramentas e dos equipamentos utilizados, de acordo com as instruções de fábrica.

– QUE3.8. Identificaram-se os riscos associados ao uso de utensilios, ferramentas e equipamentos de trabalho, aplicando as medidas de prevenção correspondentes.

– QUE3.9. Aplicaram-se as normas básicas de higiene para a prevenção de riscos sanitários nas operações de preelaboración de alimentos.

• RA4. Elabora menús singelos, aplicando as técnicas domésticas de cocinha e seguindo o plano de actuação estabelecido, em função das características das pessoas destinatarias.

– QUE4.1. Tiveram-se em conta as características e as necessidades de os/das comensais.

– QUE4.2. Descreveram-se a elaboração das receita de cocinha mais habituais, tendo em conta a relação entre o número de comensais, as quantidades de ingredientes e o tempo que se utilize.

– QUE4.3. Identificaram-se e descreveram-se as características do enxoval, os utensilios e os electrodomésticos que se utilizam na elaboração de menús.

– QUE4.4. Utilizaram-se os equipamentos, as máquinas e as ferramentas básicas de cocinha, tendo em conta a relação entre os utensilios adequados e o tipo de elaboração culinaria.

– QUE4.5. Seleccionaram-se e utilizaram-se as principais técnicas de cocinha doméstica (asar, cocer, frixir, descascar, picar, etc.) em relação com o tipo de comida que se realize.

– QUE4.6. Realizaram-se as principais técnicas de cocinha doméstica seguindo as instruções incluídas na receita que se vai elaborar.

– QUE4.7. Aplicaram-se as normas de conservação da comida preparada, de acordo com o plano de trabalho.

– QUE4.8. Aplicaram-se as normas básicas de higiene para a prevenção de riscos sanitários nas técnicas domésticas de cocinha.

– QUE4.9. Identificaram-se as normas básicas para a manipulação de alimentos.

• RA5. Realiza a limpeza da louza, dos utensilios e dos electrodomésticos, da cocinha e da zona de trabalho, aplicando critérios de eficácia e organização, seguindo o plano de actuação do trabalho.

– QUE5.1. Classificaram-se a louza e os utensilios utilizados na preparação, no cocinhado, na conservação e no consumo de alimentos, e seleccionou-se o procedimento para a sua a limpeza.

– QUE5.2. Realizaram-se operações de lavagem à mão, seguindo a sequência adequada e aplicando os produtos eficazmente.

– QUE5.3. Ordenaram-se a louza e os utensilios nos departamentos do lavalouza ocupando racionalmente todo o espacio, e seleccionou-se um programa que garanta o uso racional da água.

– QUE5.4. Classificaram-se os resíduos domésticos gerados para a sua eliminação, de acordo com a normativa ambiental.

– QUE5.5. Ordenaram-se e classificaram-se a louza e os utensilios limpos, e situaram no lugar apropriado.

– QUE5.6. Elegeu-se o método de limpeza do espacio e dos electrodomésticos em função das características desse espacio.

– QUE5.7. Identificaram-se os riscos associados à limpeza da cocinha e dos electrodomésticos, aplicando as medidas de prevenção correspondentes.

– QUE5.8. Identificaram-se os possíveis riscos associados à limpeza da cocinha e dos electrodomésticos utilizados, e indicaram-se as actuações preventivas para levar a cabo.

• RA6. Identifica e prevêem riscos de toxiinfeccións alimentárias nas operações de manipulação de alimentos e preparação de comidas, aplicando as normas básicas e as condições hixiénico-sanitárias relacionadas com a cocinha doméstica.

– QUE6.1. Aplicaram-se normas de higiene pessoal.

– QUE6.2. Aplicaram-se as normas hixiénico-sanitárias relacionadas com instalações, locais, utensilios e manipulação de alimentos.

– QUE6.3. Aplicaram-se as normas hixiénico-sanitárias relacionadas com a salubridade da água.

– QUE6.4. Interpretou-se a etiquetaxe de produtos e utensilios de limpeza mais comuns utilizados na cocinha doméstica, para garantir a higiene.

– QUE6.5. Identificaram-se os principais produtos e utensilios de limpeza autorizados e adequados, tendo em conta a sua finalidade.

– QUE6.6. Realizou-se a eliminação adequada dos refugallos sólidos para evitar a transmissão de doenças.

– QUE6.7. Realizou-se a eliminação das águas superficiais através de desaugadoiros.

– QUE6.8. Descreveram-se as toxiinfeccións alimentárias mais comuns e identificaram-se as suas causas possíveis.

– QUE6.9. Identificaram-se os riscos associados às principais toxiinfeccións alimentárias.

– QUE6.10. Descreveram-se os graves efeitos provocados pelas principais toxiinfeccións por não cumprimento da normativa hixiénico-sanitária alimentária.

– QUE6.11. Aplicaram-se procedimentos que garantam a limpeza e a desinfecção ajeitadas.

4.6.2. Conteúdos básicos.

BC1. Procedimento de compra de alimentos e produtos para o domicilio.

• Identificação das matérias primas necessárias para a cocinha: variedades e qualidades.

• Processo de elaboração da lista da compra.

• Necessidades da unidade convivencial. Orçamento da unidade de convivência.

• Hábitos de consumo.

• Comprovação de existências e necessidades de reposição de acordo com a capacidade de armazenamento do fogar.

• Processo de selecção de estabelecimentos. Análise dos estabelecimentos: vantagens e inconvenientes.

• Ofertas.

• Publicidade.

• Selecção de produtos: critérios.

• Etiquetaxe de produtos: características e informação.

• Normas de consumos. Consumo preferente. Data de caducidade dos produtos de uso comum na cocinha doméstica.

• Organização da compra no transporte e no fogar.

• Saúde postural. Técnicas de transporte de ónus.

BC2. Realização de operações de armazenamento de alimentos e de outros produtos de uso domiciliário.

• Separação dos produtos segundo as características de armazenamento e conservação.

• Procedimento de manipulação de alimentos para a sua armazenagem e a sua conservação.

• Aplicação de métodos singelos de conservação e envasamento de alimentos, segundo o tipo de produtos.

• Procedimento de congelação, segundo o tipo de produtos.

• Aplicação do procedimento de congelação em diferentes produtos.

• Identificação de espacios para a colocação e a armazenagem dos produtos em função de características e das necessidades.

• Aplicação de procedimentos hixiénicos para a prevenção de riscos no armazenamento e na conservação.

BC3. Realização de operações de preelaboración de produtos culinarios.

• Procedimentos prévios ao cocinhado: corte, peladura, picada, lavadura e desconxelación.

• Critérios para aproveitar e fazer rendíveis as matérias primas.

• Limpeza e preparações prévias à lavadura e ao corte de fruta, verdura ou latas.

• Procedimentos de execução de cortes básicos a géneros de cocinha.

• Operações básicas: elementos.

• Critérios de selecção de utensilios, ferramentas e equipamentos de trabalho segundo a actividade que se realize.

• Labores de manutenção de ferramentas e equipamentos para utilizar na cocinha.

• Normas de higiene para a prevenção de riscos sanitários em operações de preelaboración de alimentos.

• Aplicação de medidas de prevenção de riscos laborais na utilização de utensilios, ferramentas e equipamentos de trabalho.

BC4. Aplicação de técnicas domésticas de cocinha.

• Características e necessidades dos componentes da unidade convivencial.

• Elaboração de menús.

• Técnicas de cocinha: cocción, asado, fritura, peladura, picada, etc.

• Procedimentos de execução das diferentes técnicas.

• Descrição e classificação da bateria, os utensilios e as ferramentas de cocinha.

• Uso de equipamentos, máquinas e ferramentas básicas de cocinha, em função da elaboração culinaria.

• Receita, fichas técnicas, etc.

• Interpretação e execução das instruções recebidas.

• Aplicação das normas de conservação da comida preparada.

• Aplicação de normas mínimas de higiene em qualquer processo de elaboração ou manipulação de alimentos.

• Medidas de prevenção de riscos laborais.

BC5. Aplicação de procedimentos de limpeza da louza, dos utensilios e dos electrodomésticos, da cocinha e da zona de trabalho.

• Classificação de louza e utensilios para a sua limpeza.

• Procedimentos de limpeza e hixienización de superfícies: critérios.

• Técnicas de limpeza em electrodomésticos: limpeza e secado.

• Técnicas de limpeza da louza e dos utensilios: processos manuais ou automáticos.

• Aplicação de produtos e utensilios de limpeza.

• Consumo racional de água.

• Classificação e ordem de louza e utensilios limpos para os situar adequadamente.

• Classificação e eliminação de resíduos domésticos.

• Prevenção de riscos laborais na limpeza da cocinha, utensilios e electrodomésticos.

• Aplicação das normas de prevenção de riscos laborais.

BC6. Riscos de toxiinfeccións alimentárias nas operações culinarias.

• Aplicação de normas de higiene pessoal.

• Aplicação de normas hixiénico-sanitárias nas instalações, nos utensilios, na manipulação de alimentos e na salubridade da água.

• Interpretação de etiquetas de produtos e utensilios de limpeza utilizados na cocinha doméstica.

• Identificação dos produtos e utensilios de limpeza mais adequados.

• Eliminação de resíduos sólidos e de águas superficiais.

• Toxiinfeccións alimentárias mais comuns: causas.

• Riscos associados. Efeitos do não cumprimento da normativa.

• Aplicação de procedimentos de limpeza e desinfecção.

4.6.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada às funções da cocinha doméstica, de realização da compra, de preparação do lugar de trabalho e das tarefas relacionadas com as preelaboracións e a regeneração de alimentos em cocinha.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Compra e reposição de alimentos para a realização de menús singelos.

– Preparação de equipamentos específicos para a cocinha doméstica.

– Utilização de técnicas de cocinha doméstica.

– Utilização de aplicações de normas hixiénico-sanitárias para a elaboração de alimentos.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais b), l), n), p), q), r), s), t), u) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais b), i), j), l), ñ), o), p), q), r), s) e t).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Fases de realização da compra e de conservação das matérias primas.

– Fases de preelaboración de matérias primas em cocinha, incluindo os seus tratamentos básicos.

– Utilização de técnicas de cocinha e de conservação de produtos cocinhados.

– Utilização de equipamentos específicos para a cocinha doméstica.

– Valoração dos menús segundo a quantidade e os requisitos alimentários específicos de os/das comensais (alerxias, crianças/as, pessoas maiores, dietas, etc.).

– Interpretação e execução das instruções recebidas.

4.7. Módulo profissional: Limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

• Código: MP3104.

• Duração: 231 horas.

4.7.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Identifica os factores que afectam os procedimentos de limpeza domiciliária e descreve as possíveis acções em função de cada espacio e das suas características e circunstâncias.

– QUE1.1. Descreveram-se os principais procedimentos de limpeza atendendo às características da estância, em função do uso e das pessoas que a utilizam.

– QUE1.2. Descreveu-se a utilização responsável da água e da energia durante a limpeza de domicílios particulares.

– QUE1.3. Descreveu-se a importância da ventilação dos espacios, tendo em conta o tempo e as condições meteorológicas.

– QUE1.4. Descreveram-se as principais propriedades, as funções e os modos de aplicação de produtos de limpeza em função dos procedimentos de limpeza.

– QUE1.5. Interpretou-se a informação e as condições de manipulação da etiquetaxe e da ficha técnica dos produtos de limpeza.

– QUE1.6. Verificou-se a execução dos passos previstos.

– QUE1.7. Descreveu-se a importância de aplicar as normas básicas de prevenção de riscos laborais na utilização dos produtos e equipamentos associados à limpeza de domicílios.

• RA2. Realiza a limpeza de moblaxe e objectos, aplicando os procedimentos, os utensilios e os produtos necessários, de acordo com os requisitos e com as instruções recebidas.

– QUE2.1. Descreveram-se os factores que condicionar a limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais, e reconheceram-se os materiais.

– QUE2.2. Identificaram-se os materiais e o tipo de moblaxe situada no interior dos espacios que se vão limpar, e descreveram-se as suas características e os cuidados necessários durante a limpeza.

– QUE2.3. Descreveu-se a sequência lógica das actividades, os meios e os produtos para empregar, e o tempo estimado de execução.

– QUE2.4. Classificaram-se os utensilios e os produtos de limpeza de acordo com o tipo de moblaxe e com os objectos que se tenham que limpar.

– QUE2.5. Realizaram-se as tarefas prévias à limpeza, preparando as condições necessárias de ventilação e execução.

– QUE2.6. Realizou-se a sequência de actividades para cada técnica.

– QUE2.7. Procedeu à limpeza dos mobles e dos objectos decorativos mais habituais no domicílio, depois de seleccionar os procedimentos, os utensilios e os produtos necessários de acordo com os requisitos e com as instruções recebidas.

– QUE2.8. Realizou-se uma limpeza utilizando os produtos requeridos para garantir a manutenção das qualidades da moblaxe e dos objectos do domicílio.

– QUE2.9. Realizou-se a retirada selectiva de resíduos nos espacios que se limparam e valoraram-se os benefícios ambientais.

– QUE2.10. Inspeccionou-se, no final do trabalho, o lugar que se limpou, para detectar possíveis restos de sujeira e para cumprir o plano de trabalho estabelecido e, de ser o caso, formalizou-se a documentação requerida.

– QUE2.11. Limparam-se os utensilios empregues, garantindo a sua conservação.

– QUE2.12. Aplicaram-se as normas básicas de prevenção de riscos laborais na realização da limpeza de domicílios.

• RA3. Realiza a limpeza de paredes, janelas, portas, chãos e tapetes, aplicando os procedimentos, os utensilios e os produtos necessários, de acordo com os requisitos e com as instruções recebidas.

– QUE3.1. Realizaram-se as tarefas prévias à limpeza de paredes, janelas, portas, chãos e tapetes no interior de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais, preparando as condições necessárias de ventilação e execução.

– QUE3.2. Procedeu à limpeza de paredes, janelas, portas e chãos, depois de seleccionar os procedimentos, os utensilios e os produtos necessários, de acordo com os requisitos e com as instruções recebidas.

– QUE3.3. Procedeu à limpeza de tapetes, em função do tecido, depois de seleccionar os procedimentos, os utensilios e os produtos necessários, de acordo com os requisitos e com as instruções recebidas.

– QUE3.4. Utilizaram-se os electrodomésticos adequados em função da superfície de limpeza.

– QUE3.5. Realizou-se uma limpeza, utilizando os produtos adequados para garantir a manutenção das qualidades de paredes, janelas, portas, chãos e tapetes.

– QUE3.6. Realizou-se a retirada selectiva de resíduos de paredes, janelas, portas, chãos e tapetes que se limparam, valorando os benefícios ambientais.

– QUE3.7. Inspeccionou-se a limpeza realizada, no final do trabalho, para detectar possíveis restos de sujeira.

– QUE3.8. Limparam-se e classificaram-se os utensilios empregues, garantindo a sua conservação.

– QUE3.9. Aplicaram-se as normas básicas de prevenção de riscos laborais na realização da limpeza de domicílios.

• RA4. Realiza a limpeza de superfícies acristaladas, aplicando os procedimentos, os utensilios e produtos necessários, de acordo com os requisitos e com as instruções recebidas.

– QUE4.1. Relacionaram-se as características dos tipos de superfícies acristaladas com os procedimentos que haja que utilizar na sua limpeza.

– QUE4.2. Identificaram-se os accesorios e os médios auxiliares de limpeza de cristais, e descreveram-se as suas características e o seu uso.

– QUE4.3. Identificaram-se os produtos em função da superfície que cumpra limpar.

– QUE4.4. Realizou-se a limpeza de cristais, utilizando os accesorios e os médios auxiliares requeridos para a limpeza.

– QUE4.5. Limparam-se os elementos do contorno (marcos, persianas, grades, etc.).

– QUE4.6. Comprovou-se a eficácia e a utilidade da limpeza realizada.

– QUE4.7. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos estabelecidas, de acordo com as características dos trabalhos de limpeza.

– QUE4.8. Aplicaram-se as medidas de segurança específicas para trabalhos em altura.

• RA5. Realiza a limpeza de quartos de banho e aseos, aplicando os procedimentos de hixienización e desinfecção, utensilios e produtos necessários, de acordo com os requisitos e com as instruções recebidas.

– QUE5.1. Descreveram-se os factores que condicionar a limpeza de quartos de banho e aseos em domicílios, escritórios e locais.

– QUE5.2. Identificaram-se os materiais e o tipo de moblaxe existente no interior de quartos de banho e aseos em domicílios, escritórios e locais.

– QUE5.3. Descreveu-se o processo de desinfecção que se utiliza nos quartos de banho.

– QUE5.4. Descreveu-se o processo de desinfecção e hixienización dos aseos, tendo em conta a normativa de sanidade pública neste âmbito.

– QUE5.5. Identificaram-se e classificaram-se os utensilios e os produtos de limpeza seguindo as instruções de uso e dosificación, de acordo com o tipo de uso dos quartos de banho e seguindo as actuações previstas.

– QUE5.6. Limparam-se, desinfectaram-se e hixienizáronse os quartos de banho e os aseos.

– QUE5.7. Estabeleceram-se sequências para a eliminação de manchas, seguindo passos e produtos adequados.

– QUE5.8. Eliminaram-se as manchas em quartos de banho de domicílios e locais.

– QUE5.9. Realizaram-se as acções para a eliminação de resíduos depositados em recipientes específicos, garantindo a sua hixienización e a sua desinfecção.

– QUE5.10. Realizou-se a retirada selectiva de resíduos de quartos de banho, com valoração dos benefícios ambientais.

– QUE5.11. Realizou-se a manutenção dos dispensadores nos aseos.

– QUE5.12. Inspeccionou-se a limpeza de quartos de banho e aseos, no final do trabalho, para detectar possíveis restos de sujeira.

– QUE5.13. Aplicaram-se as normas básicas de prevenção de riscos laborais na realização da limpeza de quartos de banho em domicílios e aseos em escritórios e locais.

• RA6. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados dos labores de limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

– QUE6.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para os labores de limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

– QUE6.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso nos labores de limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

– QUE6.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com os labores de limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

4.7.2. Conteúdos básicos.

BC1. Factores determinante nos procedimentos de limpeza domiciliária.

• Procedimentos de limpeza de estâncias, segundo as características da estância e as pessoas que a usam.

• Utilização responsável da água e da energia.

• Ventilação de espacios: critérios.

• Produtos de limpeza: propriedades, funções e modos de aplicação.

• Etiquetaxe dos produtos de limpeza. Condições de manipulação.

• Verificação do trabalho executado.

• Riscos laborais derivados da utilização de produtos de limpeza.

• Utilização de equipamentos de protecção individual.

• Saúde postural.

BC2. Realização da limpeza de moblaxe e de objectos.

• Tipoloxía de espacios e elementos de limpeza.

• Identificação da composição de materiais e superfícies.

• Caracterización de materiais e superfícies. Cuidados durante a limpeza.

• Organização do trabalho: tempos, frequência, tarefas prévias e médios.

• Selecção e uso dos utensilios de limpeza.

• Processos de conservação de utensilios de limpeza.

• Tipoloxía de produtos de limpeza.

• Identificação de riscos para a saúde derivados de um mal uso dos produtos de limpeza.

• Técnicas de limpeza da moblaxe e dos objectos do domicílio.

• Sequência de actividades em cada técnica.

• Eliminação de resíduos. Reciclagem.

• Avaliação do trabalho realizado.

• Documentação relacionada com o seguimento e o controlo do plano de trabalho.

• Manutenção e conservação dos utensilios de limpeza empregados.

• Normativa de previsão de riscos laborais.

BC3. Limpeza de paredes, janelas, portas, chãos e tapetes.

• Tarefas prévias à limpeza: ventilação e preparação.

• Identificação da composição de materiais e superfícies de chãos e pavimentos, paredes e teitos em domicílios, edifícios, escritórios e locais.

• Interpretação das instruções recebidas.

• Procedimento de limpeza de paredes, janelas, portas e chãos: ordem das tarefas.

• Etiquetaxe de tapetes e interpretação das etiquetas.

• Procedimento de limpeza de tapetes: ordem das tarefas.

• Selecção e uso dos utensilios e dos produtos de limpeza, em função da limpeza que se vá realizar.

• Utilização de electrodomésticos: aspiradoras de singelo manejo.

• Classificação e separação de resíduos.

• Eliminação nos contedores adequados.

• Técnicas de verificação das tarefas de limpeza, de acordo com o plano estabelecido.

• Conservação e manutenção de utensilios específicos utilizados para a limpeza de paredes, janelas, chãos e tapetes.

• Utilização de equipamentos de protecção individual.

• Normas de prevenção de riscos laborais.

BC4. Limpeza de superfícies acristaladas.

• Limpeza de cristais em espacios exteriores e interiores.

• Utilização dos utensilios e das ferramentas de trabalho: critérios que se devem seguir.

• Procedimento de limpeza de superfícies acristaladas.

• Limpeza de elementos do contorno: marcos, persianas, grades, etc.

• Utilização de produtos de limpeza específicos.

• Controlo da eficácia e da utilidade da limpeza realizada.

• Identificação dos riscos relacionados com a limpeza de cristais.

• Utilização dos equipamentos de protecção individual.

• Aplicação de medidas de segurança ante a presença de pessoas no contorno de trabalho.

BC5. Limpeza de quartos de banho.

• Factores que condicionar a limpeza de quartos de banho e aseos.

• Materiais e moblaxe de quartos de banho e aseos: características.

• Processo de desinfecção e hixienización de quartos de banho. Normativa sanitária.

• Utensilios específicos e produtos de limpeza: características, instruções de uso e doses.

• Técnicas de limpeza e desinfecção de quartos de banho em domicílios.

• Técnicas de limpeza e desinfecção e hixienización de aseos em escritórios e locais.

• Tipos de manchas em quartos de banho de domicílios e em aseos de escritórios e locais: produtos e processos.

• Eliminação de resíduos.

• Classificação e separação de resíduos.

• Manutenção de dispensadores.

• Controlo do trabalho.

• Normativa de previsão de riscos laborais.

BC6. Iniciativa emprendedora nos labores de manutenção básico da limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

• A pessoa emprendedora nos labores de limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação nos labores de limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com os labores de limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

4.7.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função da manutenção da limpeza da moblaxe e dos objectos do domicílio, assim como em edifícios, escritórios e locais.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Domínio e aplicação de técnicas de limpeza e manutenção em domicílio, e em edifícios, escritórios e locais.

– Diferenciação de moblaxe, materiais e objectos em função do sua manutenção e as suas aplicações.

– Realização de operações relacionadas com a manutenção para quartos de banho de domicílios e aseos em escritórios e locais.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), d), g), l), n), p), q), r), s), t), u) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), d), g), h), i), j), l), ñ), o), p), q), r), s) e t).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Utilização de técnicas de limpeza e manutenção em domicílio e em edifícios, escritórios e locais.

– Utilização de técnicas de limpeza e manutenção de chãos, paredes e teitos, e tapetes de domicílio e de edifícios, escritórios e locais.

– Utilização de produtos e utensilios de limpeza.

– Aplicação de técnicas de limpeza de zonas acristaladas de domicílios e aseos de escritórios e locais.

– Utilização de produtos e utensilios de limpeza.

– Aplicação de técnicas de manutenção de quartos de banho de domicílios e aseos de escritórios e locais.

4.8. Módulo profissional: Limpeza com máquinas.

• Código: MP3116.

• Duração: 90 horas.

4.8.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Determina os procedimentos de limpeza industrial e de tratamento de chãos, seleccionando as máquinas, os accesorios e os produtos em função das características do pavimento e da sua superfície.

– QUE1.1. Identificaram-se os tipos de sujeira que se geram e se acumulam segundo o tipo de materiais que revestem as superfícies que cumpra limpar e a origem da sujeira, que dão lugar a intervenções diferenciadas de limpeza.

– QUE1.2. Descreveram-se os procedimentos de limpeza e de tratamento de chãos (varredura, esfregado, decapaxe, enceradura, abrillantamento e cristalización, aspiração, peiteado, etc.) em relação com os tipos de superfície onde se aplicam e com a origem da sujeira.

– QUE1.3. Identificaram-se e classificaram-se os equipamentos.

– QUE1.4. Identificaram-se as principais aplicações em relação com os trabalhos que permitam realizar.

– QUE1.5. Comprovaram-se as conexões e a idoneidade entre as máquinas e os equipamentos, e arranjaram-se, de ser o caso, os erros detectados.

– QUE1.6. Realizou-se a manutenção de utente/a para garantir o funcionamento dos equipamentos.

– QUE1.7. Adoptaram-se as medidas de segurança necessárias para evitar os riscos laborais derivados da conexão e da desconexión dos equipamentos.

– QUE1.8. Situaram-se os equipamentos tendo em conta critérios de ergonomía e saúde laboral.

• RA2. Varre chãos utilizando a maquinaria industrial e os seus accesorios e valorando o funcionamento e a qualidade da limpeza, tendo em conta as características da superfície que cumpra limpar e o tipo de sujeira que se tenha que eliminar.

– QUE2.1. Identificaram-se e classificaram-se os tipos de varredoras, accesorios e utensilios de limpeza, e assinalaram-se as suas possibilidades, o modo de utilização e o processo de aplicação.

– QUE2.2. Descreveram-se os procedimentos de limpeza com as varredoras.

– QUE2.3. Identificaram-se as principais aplicações em relação com os trabalhos que permitem realizar, tendo em conta as características da superfície que cumpra limpar e o tipo de sujeira que se deva eliminar.

– QUE2.4. Comprovaram-se as conexões da varredora e arranjaram-se, de ser o caso, os erros detectados.

– QUE2.5. Realizou-se a manutenção para garantir o funcionamento das varredoras.

– QUE2.6. Adoptaram-se as medidas de segurança necessárias para evitar os riscos laborais derivados da conexão e da desconexión dos equipamentos.

– QUE2.7. Manejou-se a varredora tendo em conta critérios de ergonomía e saúde laboral, assim como as características da superfície que se vá limpar e o tipo de sujeira que se elimine.

• RA3. Esfrega chãos utilizando a maquinaria industrial e os seus accesorios, valorando o funcionamento e a qualidade da limpeza, tendo em conta as características da superfície que se vá limpar e o tipo de sujeira gerada e acumulada que haja que eliminar.

– QUE3.1. Identificaram-se e classificaram-se os tipos de fregadoras, accesorios e utensilios de limpeza, e assinalaram-se as suas possibilidades, o modo de utilização e o processo de aplicação.

– QUE3.2. Descreveram-se os procedimentos de limpeza com as fregadoras.

– QUE3.3. Identificaram-se as principais aplicações em relação com os trabalhos que permitam realizar.

– QUE3.4. Delimitou-se o perímetro de chão que cumpra trabalhar para evitar quedas ou acidentes.

– QUE3.5. Realizou-se a manutenção para garantir o funcionamento das fregadoras.

– QUE3.6. Adoptaram-se as medidas de segurança necessárias para evitar os riscos laborais derivados da conexão e da desconexión dos equipamentos.

– QUE3.7. Manejou-se a fregadora tendo em conta critérios de ergonomía e saúde laboral.

• RA4. Abrillanta, cristaliza ou encera chãos utilizando a maquinaria industrial seleccionada e os seus accesorios, valorando o funcionamento e a qualidade da limpeza, e tendo em conta as características da superfície que se vá limpar.

– QUE4.1. Descreveu-se o procedimento de decapaxe para eliminar os restos de cera, antigos cristalizados e/ou a sujeira excessiva do chão.

– QUE4.2. Realizou-se a decapaxe das superfícies para eliminar camadas antigas do tratamento que tivesse o chão e para preparar a superfície para uma nova aplicação, aplicando a técnica requerida segundo o pavimento existente.

– QUE4.3. Identificaram-se e classificaram-se os tipos de maquinaria, accesorios e utensilios de limpeza, e assinalaram-se as suas possibilidades, o modo de utilização e o processo de aplicação.

– QUE4.4. Descreveram-se os procedimentos de decapaxe com rotativa.

– QUE4.5. Descreveram-se os procedimentos de abrillantamento e cristalización do chão.

– QUE4.6. Descreveram-se os procedimentos de enceradura ou aplicação de emulsións do chão.

– QUE4.7. Descreveram-se os procedimentos de selaxe de pavimentos porosos.

– QUE4.8. Realizou-se a enceradura, o abrillantamento ou cristalización, ou a selaxe de superfícies, aplicando a técnica requerida segundo o pavimento existente.

– QUE4.9. Identificaram-se as principais aplicações em relação com os trabalhos que permitam realizar.

– QUE4.10. Eliminou-se o perímetro de chão onde se vá trabalhar, para evitar quedas ou acidentes.

– QUE4.11. Realizou-se a manutenção de utente/a para garantir o funcionamento da maquinaria utilizada.

– QUE4.12. Adoptaram-se as medidas de segurança necessárias para evitar os riscos laborais derivados da conexão e da desconexión dos equipamentos.

– QUE4.13. Manejou-se a enceradora tendo em conta critérios de ergonomía e saúde laboral.

– QUE4.14. Manejou-se a rotativa para tarefas de abrillantamento ou cristalización, tendo em conta critérios de ergonomía e saúde laboral.

• RA5. Mantém operativas as máquinas de limpeza, realizando as actividades requeridas nos manuais de uso e a manutenção correspondente.

– QUE5.1. Caracterizaram-se as máquinas, as ferramentas e os accesorios relacionados com as operações de limpeza.

– QUE5.2. Reconheceram-se as aplicações das máquinas, das ferramentas e dos accesorios relacionados com as operações de limpeza.

– QUE5.3. Aplicou-se o plano de manutenção preventivo, de seguimento e de supervisão da maquinaria, de acordo com as instruções de fábrica.

– QUE5.4. Realizaram-se as operações de posta em marcha e paragem das máquinas, seguindo os procedimentos estabelecidos.

– QUE5.5. Realizaram-se as operações de preparação e manutenção das máquinas, das ferramentas e dos accesorios relacionados com as operações de limpeza.

– QUE5.6. Comprovaram-se as condições de prevenção e segurança nas actividades de preparação de máquinas, ferramentas e accesorios relacionados com as operações de limpeza.

– QUE5.7. Realizaram-se todas as operações tendo em conta a normativa de prevenção de riscos, de segurança laboral e de protecção ambiental.

4.8.2. Conteúdos básicos.

BC1. Procedimentos de limpeza industrial e tratamento de chãos.

• Características da superfície para limpar.

• Tipos de sujeira gerada e acumulada nas superfícies para limpar.

• Procedimentos de limpeza e tratamento de chãos.

• Equipamentos empregues na limpeza.

• Operações básicas utilizadas na limpeza industrial.

• Riscos laborais derivados da utilização de equipamentos.

• Saúde postural.

BC2. Varredura de chãos com maquinaria industrial.

• Conhecimento das características das máquinas varredoras industriais e dos seus accesorios.

• Interpretação e execução das instruções recebidas.

• Tipos de produtos de limpeza com máquinas de varredura.

• Desenvolvimento das tarefas de limpeza com pessoas no seu posto de trabalho ou nas imediações (pessoas em trânsito).

• Normas de prevenção de riscos laborais.

BC3. Esfregado de chãos com maquinaria industrial.

• Conhecimento das características das máquinas fregadoras industriais e dos seus accesorios.

• Interpretação e execução das instruções recebidas.

• Tipos de produtos de limpeza com máquinas de esfregar.

• Desenvolvimento das tarefas de limpeza com pessoas no seu posto de trabalho ou nas imediações (pessoas em trânsito).

• Normas de prevenção de riscos laborais.

• Normas de saúde ambiental.

BC4. Abrillantamento de chãos com maquinaria industrial.

• Conhecimento das características dá máquina rotativa e dos seus accesorios.

• Técnica de decapaxe.

• Técnica de enceradura ou aplicação de emulsións.

• Técnica de abrillantamento e cristalización.

• Procedimentos, produtos, ferramentas e maquinaria.

• Desenvolvimento das tarefas de decapaxe, enceradura e abrillantamento e cristalización com pessoas no seu posto de trabalho ou nas imediações (pessoas em trânsito).

• Normas de prevenção de riscos laborais.

• Normas de saúde ambiental.

BC5. Manutenção básica de máquinas de limpeza.

• Conhecimento das características das operações de manutenção básico de máquinas de limpeza.

• Descrição das ferramentas e da maquinaria industrial para a limpeza.

• Procedimentos de uso.

• Manutenção preventiva da maquinaria industrial.

• Tipos, adequação e normativa.

4.8.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função da limpeza de chãos com máquinas industriais.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Preparação de equipamentos.

– Utilização de técnicas.

– Aplicações de máquinas de varredura, esfregado, decapaxe, enceradura e abrillantamento ou cristalización.

– Manutenção básica da maquinaria para limpeza.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais e), g), l), n), p), q), r), s), t), u) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais d), e), g), h), i), j), l), ñ), o), p), q), r), s), t) e u).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Utilização de equipamentos industriais de limpeza.

– Utilização de equipamentos específicos de varredura, esfregado, decapaxe, enceradura e abrillantamento.

– Aplicação das normas de segurança laboral e medidas de protecção individual na utilização da maquinaria industrial de limpeza.

4.9. Módulo profissional: Actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

• Código: MP3145.

• Duração: 117 horas.

4.9.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Realiza operações simuladas de apoio a crianças/as e outras pessoas não dependentes, identificando e descrevendo as actuações que haja que realizar em função da pessoa destinataria.

– QUE1.1. Identificaram-se as características das pessoas não dependentes na unidade convivencial.

– QUE1.2. Identificaram-se as actividades incluídas no plano de actuação ou nas instruções recebidas.

– QUE1.3. Valorou-se a importância da adaptação do plano de actuação às características de os/das crianças/as e das pessoas não dependentes.

– QUE1.4. Tiveram-se em conta as necessidades e as demandas que se devem cobrir com os/com as crianças/as e com as pessoas não dependentes.

– QUE1.5. Respeitaram-se as características próprias da unidade de convivência.

– QUE1.6. Favoreceu-se a autonomia pessoal de os/das crianças/as.

– QUE1.7. Identificaram-se os elementos do plano de trabalho doméstico com pessoas não dependentes.

– QUE1.8. Respeitaram-se as directrizes e as orientações estabelecidas.

– QUE1.9. Manteve-se uma atitude positiva na realização das tarefas encomendadas.

• RA2. Mantém uma comunicação simulada com pessoas de sexo e idade diferentes, aplicando técnicas básicas de comunicação, e descreve normas de bom comportamento.

– QUE2.1. Identificaram-se as características dos possíveis membros de uma unidade doméstica de convivência.

– QUE2.2. Adaptaram-se a atitude e o discurso à situação comunicativa.

– QUE2.3. Obteve-se a informação necessária dos membros da unidade de convivência (crianças/as, pessoas maiores, etc.).

– QUE2.4. Valorou-se a importância da comunicação para evitar possíveis conflitos ou malentendidos.

– QUE2.5. Manteve-se uma conversa fluída e, de ser o caso, solicitou-se a informação e esclarecimentos pertinente.

– QUE2.6. Manteve-se uma atitude conciliadora e sensível para as demais pessoas, demonstrando empatía, cordialidade e amabilidade no trato.

– QUE2.7. Valorou-se a importância das habilidades sociais no desempenho do labor profissional.

• RA3. Realiza operações relacionadas com as necessidades básicas e de acompañamento de crianças e meninas, aplicando as pautas de alimentação, higiene e descanso requeridas.

– QUE3.1. Identificaram-se as actividades relacionadas com a alimentação, a higiene e o descanso com os requisitos de idade das crianças e das meninas, e as condições do plano de actuação.

– QUE3.2. Identificaram-se e descreveram-se as características dos principais tipos de menús e a sua adequação à idade de o/da criança/a.

– QUE3.3. Prepararam-se menús adaptados às necessidades de os/das crianças/as.

– QUE3.4. Descreveram-se as possíveis alerxias e intolerâncias alimentárias, assim como as possíveis actuações.

– QUE3.5. Descreveram-se e aplicaram-se pautas de actuação em relação com o aseo, a higiene, o vestido, o descanso e o sono infantil.

– QUE3.6. Realizaram-se actividades básicas de entretenimento infantil.

– QUE3.7. Descreveram-se e realizaram-se as rutinas diárias estabelecidas.

– QUE3.8. Realizaram-se operações relacionadas com a atenção às necessidades básicas de os/das crianças/as em função das suas características.

– QUE3.9. Valorou-se a importância de favorecer a autonomia nas actividades relacionadas com a satisfacção das necessidades básicas de os/das crianças/as.

• RA4. Realiza actividades relacionadas com as necessidades básicas e de acompañamento a pessoas adultas não dependentes, aplicando as instruções recebidas e atendendo às características das pessoas.

– QUE4.1. Identificaram-se as actividades relacionadas com a alimentação, a higiene e o descanso com os requisitos de idade das pessoas adultas não dependentes e as condições do plano de actuação.

– QUE4.2. Identificaram-se e descreveram-se as características dos principais tipos de menús e a sua adequação à idade da pessoa adulta não dependente.

– QUE4.3. Descreveram-se as possíveis alerxias e intolerâncias alimentárias, assim como as possíveis actuações.

– QUE4.4. Prepararam-se menús para as pessoas adultas não dependentes.

– QUE4.5. Descreveram-se e aplicaram-se pautas de actuação em relação com o vestido, o calçado e o descanso das pessoas adultas não dependentes.

– QUE4.6. Valorou-se a importância das actividades relacionadas com a satisfacção das necessidades das pessoas adultas.

• RA5. Realiza actividades de informação relacionadas com a unidade de convivência, transmitindo possíveis incidências e descrevendo comunicações habituais e a estrutura que deve ter a mensagem.

– QUE5.1. Descreveram-se os princípios da inteligência emocional em relação com o processo de comunicação de incidências.

– QUE5.2. Comunicaram-se as incidências surgidas de uma maneira precisa, clara e concisa.

– QUE5.3. Descreveram-se as tarefas realizadas, de acordo com as instruções recebidas.

– QUE5.4. Coordenou-se a intervenção com outros/as profissionais.

– QUE5.5. Manteve-se sempre o respeito pelas pessoas do seu âmbito profissional.

– QUE5.6. Demonstrou-se uma atitude positiva para a aprendizagem.

– QUE5.7. Valorou-se a importância da autocrítica no desenvolvimento das suas funções.

– QUE5.8. Valorou-se a importância da correcção no vestir e da pulcritude na imagem pessoal.

• RA6. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados das actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

– QUE6.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para as actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

– QUE6.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso nas actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

– QUE6.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com as actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

4.9.2. Conteúdos básicos.

BC1. Aplicação de técnicas de acompañamento de pessoas não dependentes.

• Tipoloxía das pessoas não dependentes.

• Características da unidade convivencial.

• Necessidades e demandas de os/das crianças/as.

• Favorecemento da autonomia.

• Necessidades e demandas das pessoas não dependentes.

• Elementos do plano de trabalho doméstico com pessoas não dependentes.

• Grau de realização de actividades por parte das pessoas não dependentes (colaboração, realização e treino).

• Atitude positiva ante as tarefas que cumpra realizar.

BC2. Aplicação de técnicas básicas de comunicação na unidade de convivência.

• Características da comunicação na unidade convivencial. Adaptações necessárias.

• Atitudes na situação comunicativa.

• Comunicação com crianças/as e com pessoas maiores.

• Valoração da comunicação na solução de conflitos.

• Escuta activa.

• Habilidades sociais na comunicação.

• Valoração da comunicação no desempenho do labor profissional.

BC3. Atenção às necessidades básicas de os/das crianças/as.

• Necessidades básicas de os/das crianças/as.

• Planeamento das rutinas diárias e acompañamento na sua realização.

• Características dos menús infantis. Adequação às necessidades de os/das crianças/as.

• Preparação de menús adaptados às necessidades de os/das crianças/as.

• Alerxias e intolerâncias alimenticias: actuações ante elas.

• Higiene infantil: pautas.

• Descanso infantil: pautas.

• Vestido infantil: ajudas.

• Identificação das rutinas diárias.

• Treino na realização de rutinas diárias: aseo, alimentação, descanso e vestido.

• Valoração da importância de favorecer a autonomia na realização de actividades básicas.

BC4. Atenção às necessidades básicas das pessoas adultas não dependentes.

• Acompañamento às pessoas adultas não dependentes da unidade convivencial.

• Planeamento das rutinas diárias: instruções.

• Tipos de menús e adequação às necessidades das pessoas adultas não dependentes.

• Alerxias e intolerâncias.

• Preparação de menús para pessoas adultas não dependentes.

• Pautas de actuação em relação com o vestido, o calçado e o descanso das pessoas adultas não dependentes.

• Valoração da satisfacção de necessidades básicas de forma autónoma.

BC5. Informação relacionada com a unidade de convivência.

• Aplicação dos princípios da inteligência emocional à comunicação de incidências.

• Transmissão de incidências.

• Descrição das actividades realizadas de acordo com as instruções realizadas.

• Coordinação com outros/as profissionais.

• Respeito pelas tarefas de outros/as profissionais.

• Atitudes positivas para o desenvolvimento do trabalho diário.

• Autocrítica no desenvolvimento do labor profissional.

• Correcção da imagem pessoal no desenvolvimento das suas funções.

BC6. Iniciativa emprendedora nas actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

• A pessoa emprendedora nas actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação nas actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com as actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

4.9.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função da manutenção de peças de vestir e roupa do fogar.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Acompañamento a pessoas não dependentes.

– Utilização de técnicas de comunicação específicas.

– Cuidado, alimentação e aseo de crianças/as.

– Ajuda ao calçado e ao vestido de crianças/as e, de ser o caso, de pessoas maiores não dependentes.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais f), g), l), n), p), q), r), s), t), u) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais f), g), h), i), j), l), m), ñ), o), p), q), r), s), t) e u).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre simulação de situações de comunicação e tarefas de atenção a crianças e meninas de diferentes idades e a pessoas adultas não dependentes.

4.10. Módulo profissional: Segurança no âmbito doméstico.

• Código: MP3146.

• Duração: 90 horas.

4.10.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Realiza actividades relacionadas com a segurança das instalações domésticas (electricidade, gás e conduções de água), comprovando o seu correcto funcionamento e valorando os pontos potenciais de risco e as pautas de intervenção.

– QUE1.1. Identificaram-se as características e o funcionamento das instalações domésticas, com ajuda de planos ou esbozos, identificando os pontos principais de risco.

– QUE1.2. Realizou-se a revisão das instalações, identificaram-se possíveis situações de deterioração, mal funcionamento ou ausência de medidas de prevenção, e propuseram-se alternativas de resolução.

– QUE1.3. Identificaram-se os pontos de risco eléctrico (interruptores, tomadas de corrente e pontos de luz), em relação com o bom uso e com os elementos de protecção correspondentes.

– QUE1.4. Identificaram-se elementos relativos às billas e aos desaugadoiros (filtros, borrachas ou similares, etc.), em relação com possíveis avarias e a sua prevenção.

– QUE1.5. Colocaram-se os meios para impedir o acesso ou o contacto acidental aos pontos de risco das instalações domésticas das pessoas mais vulneráveis por motivos de idade ou limitações físicas presentes no domicílio, valorou-se a sua utilidade e propuseram-se alternativas.

– QUE1.6. Identificaram-se os elementos utilizados para a protecção contra descargas eléctricas, escapes de gás ou avarias de água, e comprovou-se o seu funcionamento para evitar riscos de acidentes nas pessoas e nos objectos.

– QUE1.7. Descreveram-se as pautas de actuação ante possíveis acidentes ou situações de risco relacionadas com as conduções domésticas, valorando a prontitude e a serenidade na actuação.

– QUE1.8. Identificaram-se as coberturas das pólizas de seguros e os serviços de manutenção por acidentes.

– QUE1.9. Valoraram-se os riscos e os protocolos de actuação em caso de emergência.

• RA2. Aplica medidas de prevenção relacionadas com a exposição ou a inxestión de produtos tóxicos ou alimentários em mal estado, valorando as situações e condutas de risco, e as pautas de intervenção.

– QUE2.1. Identificaram-se riscos potenciais por inxestión ou exposição a produtos tóxicos ou perigosos num contorno dado, interpretando a informação de fábrica.

– QUE2.2. Identificaram-se possíveis riscos pela inxestión de alimentos em mal estado, valorando sintomatologias habituais, a partir de informação sobre saúde e higiene alimentária.

– QUE2.3. Estabeleceram-se medidas de armazenamento e conservação para evitar inxestións acidentais, derramos ou o incremento da toxicidade pelo estado de envases, e para prevenir o acesso de pessoas com maior risco por motivos de idade ou limitações físicas.

– QUE2.4. Estabeleceram-se medidas de conservação e consumo de produtos alimentários, tanto em cru como cocinhados, a partir de informação obtida de fábrica e informação nutricional.

– QUE2.5. Identificaram-se as pautas de actuação em caso de derramo de produtos químicos no fogar.

– QUE2.6. Elaborou-se um plano de conservação, reposição e substituição de produtos tóxicos.

– QUE2.7. Aplicaram-se as pautas de actuação relacionadas com situações de intoxicação, descrevendo o conteúdo da informação para lhes facilitar às pessoas e o procedimento de comunicação em relação com os/com as profissionais implicados/as.

• RA3. Aplica medidas de prevenção de primeira intervenção em relação com situações de risco frequente para a segurança de pessoas e bens no âmbito doméstico, tendo em conta o contorno e as características da unidade convivencial.

– QUE3.1. Identificaram-se os riscos potenciais para a segurança de bens e pessoas de um contorno dado (roubos, agressões, envorcadura de objectos sobre pessoas no interior ou para o exterior, etc.), valorando hábitos quotidianos e riscos frequentes a partir de informação da unidade convivencial.

– QUE3.2. Aplicaram-se medidas para evitar o acesso de pessoas intrusas, tanto em presença como em ausência de gente no domicílio, aplicando os protocolos derivados das recomendações dos organismos competente.

– QUE3.3. Aplicaram-se medidas para evitar a envorcadura de objectos perigosos no interior do domicílio ou para o exterior, valorando os riscos para as pessoas afectadas e as suas consequências jurídicas.

– QUE3.4. Descreveram-se as prestações das pólizas de seguro, valorando os beneficiosos da sua aplicação nas actividades do fogar e a responsabilidade civil.

– QUE3.5. Aplicaram-se as pautas de actuação relacionadas com situações de risco e de segurança de pessoas e bens domésticos, descrevendo o conteúdo da informação para lhes facilitar às pessoas e o procedimento de comunicação em relação com os/com as profissionais implicados/as.

• RA4. Aplica técnicas relacionadas com primeiros auxílios de primeira intervenção e descreve os protocolos aplicável.

– QUE4.1. Aplicaram-se critérios para a valoração relacionados com acidentes pessoais.

– QUE4.2. Descreveram-se técnicas de desobstrución da via aérea aplicadas sobre elementos simulados.

– QUE4.3. Descreveram-se técnicas de primeiros auxílios de primeira intervenção e aplicaram-se sobre elementos simulados, seguindo o protocolo estabelecido.

– QUE4.4. Descreveram-se e aplicaram-se as técnicas básicas e, de ser o caso, instrumentais de reanimação cardiopulmonar sobre manequíns, utilizando equipamento de oxixenoterapia e desfibrilador automático.

– QUE4.5. Descreveram-se as causas, os sintomas, as pautas de actuação e os aspectos preventivos nas lesões, nas patologias ou nos traumatismos mais significativos, em função da actividade.

– QUE4.6. Aplicaram-se primeiros auxílios de primeira intervenção ante a simulação de patologias orgânicas de urgência e de lesões por agentes físicos, químicos e biológicos.

– QUE4.7. Descreveram-se os elementos imprescindíveis numa caixa de primeiros auxílios (instrumentos, material de cura e fármacos básicos).

– QUE4.8. Descreveram-se as estratégias básicas de comunicação com a pessoa supostamente acidentada e com as acompanhantes, em relação com estados emocionais básicos.

– QUE4.9. Descreveram-se técnicas básicas aplicável a possíveis situações de de o, ansiedade, angústia ou agresividade.

4.10.2. Conteúdos básicos.

BC1. Medidas de prevenção relacionadas com as instalações domésticas.

• Leitura de planos e esbozos de instalações domésticas de luz, água e gás.

• Riscos associados: descargas eléctricas; inundações no fogar; comportamento dos gases e efeitos sobre as pessoas; riscos mais frequentes para pessoas de maior risco por razões de idade ou limitação física.

• Revisão de instalações; alternativas de solução.

• Manutenção e reparação básicos das conduções eléctricas e de água do domicílio.

• Enchufes, interruptores e pontos de luz da instalação eléctrica.

• Billas e desaugadoiros: tipos, componentes e procedimentos de ajuste e substituição.

• Meios para evitar acidentes em relação com as conduções do fogar, tendo em conta a idade e as limitações físicas das pessoas que vivem no domicílio.

• Elementos de protecção de descargas eléctricas, escapes de gás e inundações.

• Pautas de intervenção ante inundações, ante escapes de gás e ante descargas eléctricas.

• Coberturas de seguros e serviços de manutenção por acidentes, rompimentos e derramos das conduções do fogar.

• Seguros do fogar e serviços de manutenção e reparação de conduções domésticas.

• Valoração do risco e protocolos de comunicação aos serviços de emergência.

BC2. Medidas de prevenção relacionadas com a exposição ou a inxestión de produtos tóxicos ou alimentários.

• Produtos tóxicos no fogar: classificação segundo composição e risco potencial; interpretação da informação de fábrica.

• Risco de inxestión de alimentos em mal estado: sintomatologia.

• Conservação e consumo de alimentos a partir de informação nutricional e de fábrica.

• Medidas de armazenamento e conservação de produtos no fogar para evitar riscos de acidente, intoxicação, etc.

• Pautas para resolver derramos de produtos químicos no âmbito doméstico.

• Plano de conservação, reposição e substituição de produtos tóxicos.

• Valoração do risco e protocolos de comunicação aos serviços de emergência.

BC3. Medidas de prevenção relacionadas com situações de risco frequente para a segurança de pessoas e bens no âmbito doméstico.

• Riscos para a segurança das pessoas e dos bens segundo a composição das unidades convivenciais.

• Pautas de prevenção do acesso de pessoas intrusas.

• Pautas de actuação ante o roubo de bens.

• Pautas para prevenir a envorcadura de objectos perigosos no interior do domicílio e para o exterior do domicílio.

• Seguros: tipos e coberturas.

• Gestões para a solicitude de aplicação de coberturas. Documentação.

• Valoração do risco e protocolos de comunicação aos serviços de emergência.

BC4. Técnicas de suporte vital e primeiros auxílios de primeira intervenção.

• Critérios de valoração de acidentes pessoais no fogar.

• Hemorraxias: tipos.

• Queimaduras: tipos.

• Vendaxes: tipos.

• Reanimação.

• Respiração boca a boca.

• Técnicas de expulsión de inxestión acidental de alimentos, líquidos, objectos, etc.

• Aplicação de técnicas básicas de primeiros auxílios.

• Protocolo de actuação face a emergências: avaliação inicial de o/da paciente, planeamento da actuação, localização e modos de acesso, identificação de possíveis riscos, protecção da zona e acesso à pessoa acidentada.

• Caixa de primeiros auxílios: instrumentos, material de cura e fármacos básicos.

• Estratégias de comunicação em situações de acidente e estados emocionais básicos.

• Técnicas aplicável em situações de de o, ansiedade, angústia ou agresividade.

4.10.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função de prevenção de riscos domésticos.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Utilização de técnicas de prevenção de riscos associados à manipulação de produtos tóxicos e à inxestión de alimentos em mal estado.

– Comprovação de elementos das instalações domesticas para prevenir acidentes no âmbito doméstico.

– Utilização de técnicas de prevenção de incêndios.

– Actuação face aos acidentes ocorridos no fogar.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais, g), l), n), p), q), r), s), t), u) e w) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais g), h), i), j), k), l), ñ), o), p), q), r), s), t) e u).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Utilização de técnicas de prevenção de riscos associados à actividade doméstica.

– Utilização de técnicas de prevenção de acidentes no âmbito doméstico.

– Actuação face aos acidentes ocorridos no fogar.

4.11. Módulo profissional: Formação em centros de trabalho.

• Código: MP3147.

• Duração: 320 horas.

4.11.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Efectua as operações de limpeza, secado, passada de ferro e arranjos básicos de costura de peças de vestir e roupa de fogar, aplicando as técnicas e os procedimentos apropriados em cada processo, de acordo com as instruções recebidas.

– QUE1.1. Prepararam-se e ajustaram-se as máquinas, os equipamentos e as ferramentas, seguindo os procedimentos estabelecidos.

– QUE1.2. Prepararam-se os produtos com adequação às peças de vestir e à roupa de fogar.

– QUE1.3. Realizaram-se as operações de limpeza, secado e passada de ferro com a qualidade mínima exixible, seguindo as instruções recebidas.

– QUE1.4. Seleccionou-se a técnica de costura doméstica de acordo com o tipo de tecido e com a circunstância que a requeira (furados, esgazaduras, corchetes ou botões desprendidos, pregos desfeitos, costuras que abrem, etc.).

– QUE1.5. Seleccionou-se a roupa de cama, as tarefas prévias a fazer a cama e a mudança de roupa, de acordo com as instruções recebidas e tendo em conta o tipo de cama, a temperatura e as preferências pessoais.

– QUE1.6. Realizou-se um esforço por cumprir as tarefas nas margens de tempo estabelecidas.

– QUE1.7. Adoptaram-se medidas de segurança e higiene postural durante a realização do trabalho.

• RA2. Realiza elaborações culinarias singelas, interpretando e relacionando instruções e/ou documentos relacionados com a aplicação de técnicas, normas e procedimentos de trabalho preestablecidos.

– QUE2.1. Aplicaram-se procedimentos de armazenamento de alimentos e outros produtos de uso domiciliário, garantindo a sua preservação e a sua conservação em condições de higiene.

– QUE2.2. Prepararam-se máquinas, a bateria, utensilios e ferramentas, e realizaram-se as operações necessárias para o seu uso e a sua manutenção, segundo instruções recebidas.

– QUE2.3. Realizaram-se as tarefas de preparação, limpeza, cortes e obtenção de peças, utilizando correctamente equipamentos, utensilios e/ou ferramentas, conforme as instruções recebidas.

– QUE2.4. Acondicionouse a área de trabalho e dispuseram-se os materiais e os utensilios para manter as condições de limpeza e segurança requeridas, de acordo com as ordens de trabalho.

– QUE2.5. Executaram-se as tarefas para a realização de elaborações culinarias singelas, seguindo as instruções recebidas.

– QUE2.6. Aplicaram-se as normas de conservação da comida preparada, de acordo com o plano de trabalho.

– QUE2.7. Aplicaram-se procedimentos de limpeza e recolheram-se e guardaram-se os utensilios e os materiais utilizados.

– QUE2.8. Aplicaram-se as normas básicas de higiene para a prevenção de riscos sanitários nas técnicas domésticas de cocinha.

• RA3. Realiza a limpeza em domicílios, edifícios, locais e escritórios, seleccionando as acções em função das características de cada espacio e cumprindo as instruções recebidas e/ou o plano de trabalho atribuído.

– QUE3.1. Analisaram-se as instruções e as ordens de trabalho ou outra documentação recebida.

– QUE3.2. Seleccionou-se o material de trabalho, tanto consumibles como maquinaria, segundo instruções.

– QUE3.3. Realizou-se a limpeza da moblaxe e dos objectos situados no interior de domicílios particulares, utilizando os utensilios e os produtos necessários de acordo com as instruções recebidas.

– QUE3.4. Realizou-se a limpeza da moblaxe em edifícios, escritórios e locais, de acordo com as instruções recebidas, e cumpriu-se a documentação requerida.

– QUE3.5. Realizou-se a limpeza de quartos de banho e aseos, com os produtos necessários para a sua hixienización e a sua desinfecção, de acordo com as instruções recebidas.

– QUE3.6. Realizaram-se os processos de limpeza domiciliária, de edifícios, de local e de escritórios, com adequação a tempos e normas.

– QUE3.7. Responsabilizou do trabalho que desenvolve e dos materiais e da maquinaria que emprega, mostrando iniciativa e honradez.

– QUE3.8. Aplicaram-se as normas básicas de prevenção de riscos laborais na realização da limpeza domiciliária e em edifícios, escritórios e locais.

• RA4. Realiza os procedimentos de limpeza de chãos, paredes, teitos e zonas acristaladas, seleccionando utensilios e produtos em função das suas características, de acordo com as instruções estabelecidas.

– QUE4.1. Analisaram-se as instruções e as ordens de trabalho, ou outra documentação recebida.

– QUE4.2. Seleccionou-se o material de trabalho, tanto consumibles como maquinaria, segundo instruções.

– QUE4.3. Realizou-se a limpeza de chãos, tapetes, paredes, janelas e teitos de domicílios particulares com os utensilios e com os produtos necessários, de acordo com as instruções recebidas.

– QUE4.4. Realizou-se a limpeza de chãos, tapetes, paredes e teitos em edifícios, escritórios e locais com os utensilios e com os produtos necessários, de acordo com o plano de trabalho estabelecido, e cobriu-se a documentação requerida.

– QUE4.5. Aplicaram-se os procedimentos de limpeza de superfícies acristaladas em edifícios, escritórios e locais, de acordo com as instruções recebidas.

– QUE4.6. Realizaram-se os processos de limpeza domiciliária, de edifícios, locais e escritórios, com adequação a tempos e normas.

– QUE4.7. Aplicaram-se as normas básicas de prevenção de riscos laborais na realização da limpeza de chãos, paredes, teitos e zonas acristaladas em domicílios e em edifícios, escritórios e locais.

– QUE4.8. Aplicaram-se os protocolos estabelecidos de eliminação de resíduos, em relação com o tratamento dos resíduos produzidos.

• RA5. Aplicaram-se os procedimentos de limpeza industrial e de tratamento de chãos, seleccionando as máquinas, os accesorios e os produtos em função das características do trabalho encomendado.

– QUE5.1. Identificaram-se e classificaram-se os tipos de maquinaria, accesorios e utensilios de limpeza, e assinalaram-se as suas possibilidades, a maneira de utilização e o processo de aplicação.

– QUE5.2. Delimitou-se o perímetro de chão onde trabalhar, para evitar quedas ou acidentes.

– QUE5.3. Identificaram-se as principais aplicações das máquinas industriais e associaram aos trabalhos que permitem realizar.

– QUE5.4. Varreram-se os chãos com a maquinaria industrial seleccionada e com os seus accesorios, de acordo com as características da superfície que se vá limpar.

– QUE5.5. Realizaram-se os procedimentos de limpeza com as fregadoras industriais.

– QUE5.6. Realizaram-se os procedimentos de limpeza com as enceradoras.

– QUE5.7. Realizaram-se os procedimentos de abrillantamento e cristalización do chão.

– QUE5.8. Realizou-se a manutenção de primeiro nível da maquinaria utilizada.

– QUE5.9. Adoptaram-se as medidas de segurança necessárias para evitar os riscos laborais derivados do manejo de maquinaria industrial utilizada na limpeza de chãos.

– QUE5.10. Manejou-se a maquinaria industrial, tendo em conta critérios de ergonomía e saúde laboral.

• RA6. Realiza tarefas de acompañamento a crianças/as e outras pessoas não dependentes no domicílio, seguindo as instruções recebidas.

– QUE6.1. Realizaram-se tarefas de atenção às necessidades básicas de os/das crianças/as em relação com a alimentação, a higiene e o descanso, segundo as instruções recebidas.

– QUE6.2. Realizaram-se tarefas de acompañamento a pessoas adultas não dependentes, de acordo com as instruções recebidas.

– QUE6.3. Informou-se a pessoa responsável da unidade de convivência acerca das actividades realizadas.

– QUE6.4. Respeitaram-se as directrizes e as orientações estabelecidas.

– QUE6.5. Manteve-se uma atitude positiva na realização das tarefas encomendadas.

– QUE6.6. Manteve-se uma atitude conciliadora e sensível para as demais pessoas, demonstrando empatía, cordialidade e amabilidade no trato.

• RA7. Aplica medidas de prevenção dos riscos associados ao trabalho no âmbito doméstico, valorando a importância da prevenção de acidentes, e justifica o seu uso.

– QUE7.1. Identificaram-se os riscos que podem ocasionar os produtos químicos utilizados no fogar.

– QUE7.2. Identificaram-se os principais riscos físicos (quedas, queimaduras, cortes, etc.) que podem ocorrer nas actividades domésticas.

– QUE7.3. Previram-se os possíveis riscos por um mal manejo das instalações de gás.

– QUE7.4. Identificaram-se os acidentes produzidos pela incorrecta manipulação de alimentos e líquidos na cocinha.

– QUE7.5. Tomaram-se medidas de precaução para evitar incêndios durante a elaboração das comidas.

– QUE7.6. Evitaram-se incêndios por inflamação de fósforos ou lenços de cocinha.

– QUE7.7. Actuou-se correctamente ante qualquer acidente produzido no fogar por risco químico ou físico, ou por intoxicação alimentária.

– QUE7.8. Conheceram-se as técnicas básicas de primeiros auxílios, em caso necessário.

– QUE7.9. Valorou-se a importância da actuação imediata ante um acidente por intoxicação alimentária ou por lume.

– QUE7.10. Valorou-se a necessidade de actuação do 112 ou dos bombeiros.

– QUE7.11. Valorou-se a comunicação do acidente à pessoa responsável da unidade familiar.

4.11.2. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contribui a completar as competências e os objectivos gerais próprios do título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios que se alcançassem no centro educativo, ou a desenvolver competências características de difícil consecução nele.

Contribui, ademais, ao afianzamento de hábitos de ordem, pontualidade, responsabilidade e pulcritude.

5. Requisitos mínimos de qualidade do contexto formativo.

5.1. Espaços.

Os espacios necessários para o desenvolvimento dos ensinos do ciclo formativo de formação profissional básica de Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios são os seguintes:

Espaço formativo

Superfície em m2

(30 alunos/as)

Superfície em m2

(20 alunos/as)

Grau de utilização

Sala de aulas polivalente

60

40

50 %

Obradoiro de actividades domésticas

120

80

50 %

A conselharia com competências em matéria de educação poderá autorizar unidades para menos de trinta postos escolares, pelo que será possível reduzir os espacios formativos proporcionalmente ao número de alunos e alunas, tomando como referência para a determinação das superfícies necessárias as cifras indicadas nas colunas segunda e terceira da tabela.

O grau de utilização expressa em tanto por cento e com carácter orientativo a ocupação em horas do espacio prevista para a impartição dos ensinos no centro educativo, por um grupo de estudantado, a respeito da duração total destas. O centro educativo, no exercício da sua autonomia e em função da distribuição horária semanal dos módulos profissionais e da titoría, poderá determinar outro grau de utilização.

Na margem permitida pelo grau de utilização, os espacios formativos estabelecidos podem ser ocupados por outros grupos de alunos e alunas que cursem o mesmo ou outros ciclos formativos, ou outras etapas educativas.

Em todo o caso, as actividades de aprendizagem associadas aos espacios formativos (com a ocupação expressa pelo grau de utilização) poderão realizar-se em superfícies utilizadas também para outras actividades formativas afíns.

5.2. Equipamentos mínimos.

Espaço formativo

Equipamentos

Sala de aulas polivalente

  • Equipamentos audiovisuais.
  • Equipamentos informáticos em rede e com conexão à internet. Software de aplicação.

Obradoiro de actividades domésticas

  • Moblaxe adequada para cada espacio.
  • Maquinaria e equipamentos para lavagem acuoso.
  • Maquinaria e equipamentos para secado e passada de ferro.
  • Maquinaria e ferramentas para o arranjo de peças de vestir e roupa de fogar. Máquina de coser simples.
  • Peças de vestir de tecidos diferentes.
  • Carroças equipadas de limpeza.
  • Material de limpeza.
  • Aspiradoras, pulidoras e enceradoras.
  • Varredora fregadora.
  • Máquina rotativa de limpeza.
  • Elementos de moblaxe e lenzaría para o fogar.
  • Elementos de moblaxe de escritório.
  • Geradores de calor: fogóns, fritideiras, quentadores tipo «salamandra», pranchas e for-nos. Microondas.
  • Geradores de frio: câmaras de refrigeração e congelação.
  • Bateria de cocinha: material de cocción, de preparação e conservação, e accesorios.
  • Louza e cobertos básicos.
  • Pequenos electrodomésticos: batedores, licuadoras, espremedores, cortadoras, picadoras e braços trituradores.
  • Material neutro: mesas de trabalho, lavamáns, carroças, andeis, sinos e armarios.
  • Enchufes, interruptores, cabos e lámpadas.
  • Billas, tubos e elementos botes sifónicos.
  • Caixa de ferramentas.
  • Caixa de costura básica.
  • Caixa de primeiros auxílios.
  • Equipamentos e médios de segurança.

6. Professorado.

6.1. Especialidades do professorado do sector público às cales se atribui a impartição dos módulos profissionais associados ao perfil profissional.

Módulo profissional

Especialidade do professorado

Corpo

  • MP3098. Manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.
  • MP3102. Cocinha doméstica.
  • MP3104. Limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.
  • MP3116. Limpeza com máquinas.
  • MP3145. Actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.
  • MP3146. Segurança no âmbito doméstico.
  • Patronaxe e Confecção.
  • Cocinha e Pastelaría.
  • Serviços de Restauração.
  • Serviços à Comunidade.

Professorado técnico de formação profissional.

  • Professorado especialista, de ser o caso.
  • MP3147. Formação em centros de trabalho.
  • Patronaxe e Confecção.
  • Cocinha e Pastelaría.
  • Serviços de Restauração.
  • Serviços à Comunidade.

Professorado técnico de formação profissional.

6.2. Títulos requeridos para a impartição dos módulos profissionais, para os centros de titularidade privada ou de titularidade pública de outras administrações diferentes das educativas:

Módulos profissionais

Títulos

  • MP3098. Manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.
  • MP3102. Cocinha doméstica.
  • MP3104. Limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.
  • MP3116. Limpeza com máquinas.
  • MP3145. Actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.
  • MP3146. Segurança no âmbito doméstico.
  • MP3147. Formação em centros de trabalho.
  • Licenciado/a, engenheiro/a, arquitecto/a ou o título de grau correspondente, ou outros títulos equivalentes.

6.3. Títulos habilitantes para os efeitos de docencia para a impartição dos módulos profissionais, para os centros de titularidade privada ou de titularidade pública de outras administrações diferentes das educativas.

Módulos profissionais

Títulos

  • MP3098. Manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.
  • MP3102. Cocinha doméstica.
  • MP3104. Limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.
  • MP3116. Limpeza com máquinas.
  • MP3145. Actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.
  • MP3146. Segurança no âmbito doméstico.
  • MP3147. Formação em centros de trabalho.
  • Diplomado/a, engenheiro/a técnico/a ou arquitecto/a técnico/a, ou o título de grau correspondente, ou outros títulos equivalentes.
  • Técnico superior em Patronaxe e Moda, ou outros títulos equivalentes.
  • Técnico superior em Processos de Confecção Industrial ou outros títulos equivalentes.
  • Técnico superior em Direcção de Cocinha ou outros títulos equivalentes.
  • Técnico superior em Direcção de Serviços em Restauração ou outros títulos equivalentes.

7. Correspondência entre módulos profissionais e unidades de competência para a sua acreditação ou validação.

Módulos profissionais

Unidades de competência acreditables

  • MP3098. Manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.
  • UC1332_1: efectuar o processo de lavagem, passada de ferro e cosedura básica manual de peças de vestir e roupa de fogar, e a preparação de camas, em domicílio particular.
  • MP3102. Cocinha doméstica.
  • UC0255_1: executar operações básicas de aprovisionamento, preelaboración e conservação culinarios.
  • UC1331_1: realizar o processo de elaboração de alimentos nas suas fases de compra, organização, manipulação, cocinhado e conservação, em domicílio particular.
  • MP3104. Limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.
  • UC0972_1: realizar a limpeza de chãos, paredes e teitos em edifícios e locais.
  • UC0996_1: levar a cabo a limpeza da moblaxe situada no interior dos espacios onde intervir.
  • UC1087_1: realizar a limpeza de cristais em edifícios e locais.
  • UC1330_1: realizar a limpeza de domicílios particulares.
  • MP3116. Limpeza com máquinas.
  • UC1088_1: realizar a limpeza e o tratamento de superfícies em edifícios e locais, utilizando maquinaria.

8. Ciclos formativos de grau médios aos cales o título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios permite a aplicação de critérios de preferência para a admissão em caso de concorrência competitiva.

O título profissional básico em Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios terá preferência para a admissão a todos os títulos de grau médio das famílias profissionais de:

– Têxtil, confecção e pele.

– Hotelaria e turismo.

– Serviços socioculturais e à comunidade.

9. Distribuição horária.

Organização dos módulos profissionais do ciclo formativo de formação profissional básica de Actividades Domésticas e Limpeza de Edifícios para o regime ordinário.

Curso

Módulo profissional

Duração

horas

  • MP3009. Ciências aplicadas I.

175

  • MP3011. Comunicação e sociedade I.

206

  • MP3098. Manutenção de peças de vestir e roupa de fogar.

175

  • MP3102. Cocinha doméstica.

237

  • MP3145. Actividades de apoio a pessoas não dependentes na unidade convivencial.

117

Total 1º

(FCE)

910

  • MP3012. Comunicação e sociedade II.

135

  • MP3042. Ciências aplicadas II.

162

  • MP3104. Limpeza de domicílios particulares, edifícios, escritórios e locais.

231

  • MP3116. Limpeza com máquinas.

90

  • MP3146. Segurança no âmbito doméstico.

90

Total 2º

(FCE)

708

  • MP3147. Formação em centros de trabalho.

320

Titoría.

No primeiro curso do ciclo formativo dedicar-se-ão 35 horas à titoría e 27 horas no segundo curso.

10. Unidades formativas.

Organização dos módulos profissionais em unidades formativas de menor duração.

Módulo profissional

Unidades formativas

Duração

horas

  • MP3011. Comunicação e sociedade I.
  • MP3011_13. Comunicação em línguas galega e castelhana I

88

  • MP3011_23. Comunicação em língua inglesa I

59

  • MP3011_33. Sociedade I

59

  • MP3012. Comunicação e sociedade II.
  • MP3012_13. Comunicação em línguas galega e castelhana II

67

  • MP3012_23. Comunicação em língua inglesa II

34

  • MP3012_33. Sociedade II

34

ANEXO III
Currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Manutenção de Habitações

1. Identificação do título.

O título profissional básico em Manutenção de Habitações fica identificado pelos seguintes elementos:

– Denominação: título profissional básico em Manutenção de Habitações.

– Nível: formação profissional básica.

– Duração: 2.000 horas.

– Família profissional: Instalação e Manutenção.

– Referente europeu: CINE-3.5.3 (Classificação internacional normalizada da educação).

2. Perfil profissional.

2.1. Competência geral do título.

A competência geral do título profissional básico em Manutenção de Habitações consiste em realizar operações básicas de montagem e manutenção de elementos de fontanaría, calefacção e climatização, pequenas reparações e substituição de elementos singelos em instalações electrotécnicas, em revestimentos contínuos, em azulexado e em pintura, assim como a montagem e a colocação de moblaxe prefabricada e complementos mobiliarios da habitação, com a qualidade indicada, aplicando as normas de prevenção de riscos laborais e protecção ambiental correspondentes, e comunicando-se de forma oral e escrita em línguas galega e castelhana, assim como em alguma língua estrangeira.

2.2. Competências do título.

As competências profissionais, pessoais e sociais, e as competências para a aprendizagem permanente do título profissional básico em Manutenção de Habitações são as que se relacionam:

a) Seleccionar materiais, ferramentas e máquinas-ferramenta para a substituição, a montagem ou a colocação de elementos ou reparações nas instalações, de superfícies ou de elementos de moblaxe da habitação, a partir de ordens de trabalho ou instruções.

b) Abrir rozas e gabias para tender canalizações eléctricas, tubaxes de evacuação e subministração de água, circuitos de calefacção e climatização básica.

c) Ensamblar elementos de tubaxes de evacuação e subministração de água e instalações de calefacção.

d) Montar pequenas instalações de rega automática depois de elaborar, de ser o caso, pequenos esquemas de montagem, assegurando a cobertura de toda a superfície e a poupança de água.

e) Instalar equipamentos sanitários da habitação conectando à rede de evacuação e de água.

f) Realizar operações de montagem de unidades interiores e exteriores de equipamentos de climatização doméstica e do sua manutenção de primeiro nível.

g) Realizar operações de ensamblaxe de condutos de ventilação em fibra ou similar, assim como operações de acabamento de superfícies e de selaxe de juntas.

h) Substituir elementos singelos que compõem as instalações electrotécnicas no âmbito de habitação, a partir das instruções recebidas ou dos manuais de uso.

i) Reparar zonas deterioradas de revestimentos contínuos de paredes e teitos, pintando a superfície afectada e substituindo elementos cerámicos (solados e azulexados).

j) Montar e colocar moblaxe prefabricada, complementos mobiliarios e accesorios de fogar, e realizar as reparações básicas e a substituição de ferraxes nessa moblaxe.

k) Realizar provas funcional dos elementos substituídos, empregando os instrumentos e o procedimento requerido.

l) Manter em funcionamento e bom estado de uso as máquinas-ferramenta, os equipamentos, as ferramentas e os utensilios, cumprindo os procedimentos estabelecidos nos manuais de fábrica.

n) Resolver problemas predicibles relacionados com os âmbitos físico, social, pessoal e produtivo, utilizando o razoamento científico e os elementos proporcionados pelas ciências aplicadas e sociais.

ñ) Actuar de maneira saudável em contextoscotiáns que favoreçam o desenvolvimento pessoal e social, analisando hábitos e influências positivas para a saúde humana.

o) Valorar actuações encaminhadas à conservação ambiental, diferenciando as consequências das actividades quotidianas que possam afectar o equilíbrio do ambiente.

p) Obter e comunicar informação destinada à autoaprendizaxe e ao seu uso em diferentes contextos do seu ambiente pessoal, social ou profissional mediante recursos ao seu alcance e os próprios das tecnologias da informação e da comunicação.

q) Actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas, apreciando o seu uso como fonte de enriquecimento pessoal e social.

r) Comunicar-se com claridade, precisão e fluídez em contextos sociais ou profissionais e por diferentes médios, canais e suportes ao seu alcance, utilizando e adecuando recursos linguísticos orais e escritos próprios das línguas galega e castelhana.

s) Comunicar-se em situações habituais de carácter laboral, pessoal e social, utilizando recursos linguísticos básicos em língua estrangeira.

t) Realizar explicações singelas sobre acontecimentos e fenômenos característicos das sociedades contemporâneas a partir da informação histórica e geográfica ao seu dispor.

u) Adaptar-se às novas situações laborais originadas por mudanças tecnológicas e organizativo na sua actividade laboral, utilizando as ofertas formativas ao seu alcance e localizando os recursos mediante as tecnologias da informação e da comunicação.

v) Cumprir as tarefas próprias do seu nível com autonomia e responsabilidade, empregando critérios de qualidade e eficiência no trabalho atribuído e efectuando-o de forma individual ou como membro de uma equipa.

w) Comunicar-se eficazmente, respeitando a autonomia e a competência das pessoas que intervêm no seu âmbito de trabalho, contribuindo à qualidade do trabalho realizado.

x) Assumir e cumprir as medidas de prevenção de riscos e segurança laboral na realização das actividades laborais, evitando danos pessoais, laborais e ambientais.

y) Cumprir as normas de qualidade e de acessibilidade e desenho universais que afectam a sua actividade profissional.

z) Actuar com espírito emprendedor, iniciativa pessoal e responsabilidade na eleição dos procedimentos da sua actividade profissional.

aa) Exercer os seus direitos e cumprir as obrigações derivadas da sua actividade profissional, de acordo com o estabelecido na legislação vigente, participando activamente na vida económica, social e cultural.

2.3. Relação de qualificações e unidades de competência do Catálogo nacional de qualificações profissionais incluídas no título.

Qualificação profissional completa.

Operações de fontanaría e calefacção-climatização doméstica, IMA367_1 (Real decreto 182/2008, de 8 de fevereiro), que abrange as seguintes unidades de competência:

UC1154_1: realizar a instalação de tubaxes, preparando, cortando e unindo tubos para a condução de água e desaugadoiros.

UC1155_1: realizar operações básicas de instalação e manutenção de aparelhos sanitários, radiadores e aparelhos de climatização de uso doméstico.

2.4. Contorno profissional.

2.4.1. As pessoas com este título exercem a sua actividade por conta alheia em grandes, medianas e pequenas empresas dedicadas à fabricação e à montagem de produtos mecânicos e electromecánicos, assim como à montagem e à manutenção de instalações de fontanaría, calefacção e climatização.

2.4.2. As ocupações e os postos de trabalho mais destacáveis são os seguintes:

– Axudante/a de pintor/ora.

– Axudante/a de manutenção de instalações electrotécnicas.

– Axudante/a de fontaneiro/a.

– Axudante/a montador/ora de equipamentos de calefacção.

– Axudante/a mantedor/ora de equipamentos de calefacção.

– Axudante/a montador/ora de equipamentos de climatização.

– Axudante/a mantedor/ora de equipamentos de climatização.

– Instalador/ora de redes de subministração e distribuição de água.

– Montador/ora de mobles prefabricados de madeira ou similares.

2.5. Prospectiva do sector ou dos sectores relacionados com o título.

a) O perfil profissional deste título, dentro do sector terciario, evolui para um perfil de profissional que possa realizar as reparações singelas e mais comuns e multiprofesionais que se requeiram no âmbito doméstico, assim como a montagem de elementos e utensilios de moblaxe, dando resposta às necessidades das pessoas utentes, para adecuar e adaptar as habitações às suas preferências decorativas.

b) A manutenção de habitações prevê um forte crescimento, da mão das companhias aseguradoras como serviço à sua clientela.

c) O desenvolvimento de novas tecnologias está a fazer possível a mudança de materiais e de equipamentos para alcançar uma maior eficiência energética e segurança eléctrica, de previsível implantação obrigatória nos próximos anos.

d) A competitividade das empresas construtoras dedicadas à edificação e à obra civil estarão cada vez mais ligadas à sua capacidade de satisfazer as necessidades da clientela quanto às características do produto e do serviço oferecido.

e) Devido à mudança de modelo social e ao pulo da introdução de novas tecnologias e novos materiais nas habitações, surge a necessidade de profissionais polivalentes capazes de resolver situações específicas das pessoas utentes das habitações, tais como avarias simples de uma habitação, montagem de mobles, moblaxe doméstica e anteparos, reparações singelas de elementos de fontanaría, climatização, albanelaría básica, pintura e reparações simples na instalação eléctrica e domótica.

3. Ensinos do ciclo formativo.

3.1. Objectivos gerais do título.

Os objectivos gerais do ciclo formativo de formação profissional básica de Manutenção de Habitações são os seguintes:

a) Identificar as ferramentas, as máquinas e os meios de montagem e manutenção, e descrever as suas características e as suas aplicações, para seleccionar as ferramentas, as máquinas e os meios necessários na intervenção.

b) Utilizar diferentes técnicas para realizar gabias e rozas de instalações, utilizando as ferramentas mais adequadas e em condições de qualidade e segurança.

c) Aplicar técnicas de implantação ou traçado utilizando esbozos e planos de pequenas instalações electrotécnicas e de fontanaría, para a abertura de rozas e gabias.

d) Construir conduções de fluidos aplicando técnicas básicas de soldadura e união, identificando as principais fases do processo e as características básicas dos elementos utilizados para ensamblar tubaxes de cobre, PVC e novos materiais.

e) Realizar provas de estanquidade regulamentar relacionando especificações das instalações domésticas de distribuição, evacuação e saneamento com as comprovações que haja que realizar.

f) Identificar os elementos que intervêm nas instalações básicas de rega automática e as suas características, elaborando a listagem de elementos que intervêm numa estrutura singela para a montagem dessas instalações.

g) Realizar operações de montagem e a prova funcional de instalações básicas de rega automática.

h) Relacionar os elementos de redes domésticas de distribuição, evacuação e saneamento com os sistemas para a sua instalação, a sua sujeição e a sua regulação, ajustando billas, válvulas de corte e tubaxes de desaugamento, para montar equipamentos sanitários.

i) Realizar operações de montagem de redes domésticas de distribuição, evacuação e saneamento, e efectuar orçamentos de pequenas instalações habituais.

j) Realizar operações de montagem de equipamentos de ar acondicionado e climatização doméstica, e de manutenção de utente/a, interpretando manuais de uso.

k) Realizar operações de ensamblaxe e construção de condutos da instalação de redes convencionais de ventilação, aplicando técnicas básicas de mecanizado e união.

l) Instalar e desinstalar elementos singelos de instalações electrotécnicas e domóticas de habitações, e descrever a sua função e as provas que cumpra realizar.

m) Realizar operações de revestimento contínuo de superfícies e pintado, assim como de colocação de elementos cerámicos (solado e azulexado), aplicando a técnica mais adequada e utilizando adhesivos, massas e morteiros necessários para cada intervenção.

n) Realizar operações de uniões fixas e desmontables de elementos de mobles pequenos e singelos, e montar e desmontar ferraxes e pechaduras singelas, assim como identificar e montar os complementos e accesorios do fogar mais habituais, aplicando a técnica correspondente.

ñ) Mecanizar elementos singelos de materiais metálicos e não metálicos utilizados na habitação, aplicando a técnica requerida em função do elemento e do material.

o) Realizar operações de verificação da conexão e a montagem de elementos instalados ou substituídos, utilizando os equipamentos de medida requeridos e realizando as provas funcional correspondentes.

p) Compreender os fenômenos que acontecem no âmbito natural mediante o conhecimento científico como um saber integrado, assim como conhecer e aplicar os métodos para identificar e resolver problemas básicos nos campos do conhecimento e da experiência.

q) Desenvolver habilidades para formular, interpretar e resolver problemas, e aplicar o razoamento de cálculo matemático para desenvolver na sociedade e no âmbito laboral, e para gerir os seus recursos económicos.

r) Identificar e compreender os aspectos básicos de funcionamento do corpo humano e pô-los em relação com a saúde individual e colectiva, e valorar a higiene e a saúde para permitir o desenvolvimento e o afianzamento de hábitos saudáveis de vida em função do contorno.

s) Desenvolver hábitos e valores acordes com a conservação e a sustentabilidade do património natural, compreendendo a interacção entre os seres vivos e o meio natural, para valorar as consequências que derivam da acção humana sobre o equilíbrio ambiental.

t) Desenvolver as destrezas básicas das fontes de informação utilizando com sentido crítico as tecnologias da informação e da comunicação, para obter e comunicar informação nos contornos pessoal, social ou profissional.

u) Reconhecer características básicas de produções culturais e artísticas, aplicando técnicas de análise básica dos seus elementos, para actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas.

v) Desenvolver e afianzar habilidades e destrezas linguísticas, e alcançar o nível requerido de precisão, claridade e fluidez, utilizando os conhecimentos sobre as línguas galega e castelhana, para comunicar-se no seu contexto social, na sua vida quotidiana e na actividade laboral.

w) Desenvolver habilidades linguísticas básicas em língua estrangeira para comunicar-se de forma oral e escrita em situações habituais e predicibles da vida quotidiana e profissional.

x) Reconhecer causas e traços próprios de fenômenos e acontecimentos contemporâneos, a sua evolução histórica e a sua distribuição geográfica, para explicar as características próprias das sociedades contemporâneas.

y) Desenvolver valores e hábitos de comportamento baseados em princípios democráticos, aplicando-os nas suas relações sociais habituais e na resolução pacífica dos conflitos.

z) Comparar e seleccionar recursos e ofertas formativas existentes para a aprendizagem ao longo da vida, para adaptar-se às novas situações laborais e pessoais.

aa) Desenvolver a iniciativa, a criatividade e o espírito emprendedor, assim como a confiança em sim mesmo/a, a participação e o espírito crítico, para resolver situações e incidências da actividade profissional ou de índole pessoal.

ab) Desenvolver trabalhos em equipa assumindo os deveres, cooperando com as demais pessoas com tolerância e respeito, para a realização eficaz das tarefas e como médio de desenvolvimento pessoal.

ac) Utilizar as tecnologias da informação e da comunicação para informar-se, comunicar-se, aprender e facilitar as tarefas laborais.

ad) Relacionar os riscos laborais e ambientais com a actividade laboral, com o propósito de utilizar as medidas preventivas correspondentes para a protecção pessoal, evitando danos ambientais e às demais pessoas.

ae) Desenvolver as técnicas da sua actividade profissional assegurando a eficácia e a qualidade no seu trabalho, e propor, se procede, melhoras nas actividades de trabalho.

af) Reconhecer os seus direitos e deveres como agente activo na sociedade, tendo em conta o marco legal que regula as condições sociais e laborais, para participar na cidadania democrática.

ag) Analisar e valorar a participação, o respeito, a tolerância e a igualdade de oportunidades para desenvolver os valores do princípio de igualdade de trato e não discriminação entre homens e mulheres nem por nenhuma outra condição nem circunstância pessoal nem social, assim como a prevenção da violência de género e o conhecimento da realidade homossexual, transsexual, transxénero e intersexual.

3.2. Módulos profissionais.

Os módulos deste ciclo formativo são os que se relacionam:

MP3009. Ciências aplicadas I.

MP3011. Comunicação e sociedade I.

MP3012. Comunicação e sociedade II.

MP3019. Ciências aplicadas II.

MP3023. Redes de evacuação.

MP3024. Fontanaría e calefacção básica.

MP3025. Montagem de equipamentos de climatização.

MP3088. Manutenção básica de instalações electrotécnicas em habitações.

MP3090. Operações de conservação na habitação e montagem de accesorios.

MP3096. Formação em centros de trabalho.

4. Desenvolvimento de módulos.

4.1. Módulo profissional: Ciências aplicadas I.

• Código: MP3009.

• Duração: 175 horas.

4.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve problemas matemáticos em situações quotidianas, utilizando os elementos básicos da linguagem matemática e as suas operações.

– QUE1.1. Identificaram-se os tipos de números e utilizaram-se para interpretar adequadamente a informação cuantitativa.

– QUE1.2. Realizaram-se cálculos com eficácia mediante cálculo mental ou mediante algoritmos de lapis e calculadora (física ou informática).

– QUE1.3. Utilizaram-se as TIC como médio de procura de informação.

– QUE1.4. Operou-se com potências de expoñente natural e inteiro aplicando as propriedades.

– QUE1.5. Utilizou-se a notação científica para representar números muito grandes ou muito pequenos e operar com eles.

– QUE1.6. Representaram-se os números reais sobre a recta numérica.

– QUE1.7. Caracterizou-se a proporção como expressão matemática.

– QUE1.8. Compararam-se magnitudes estabelecendo o seu tipo de proporcionalidade.

– QUE1.9. Utilizou-se a regra de três para resolver problemas em que intervêm magnitudes directamente e inversamente proporcionais.

– QUE1.10. Aplicou-se o juro simples e composto em actividades quotidianas.

• RA2. Reconhece as instalações e o material de laboratório e valora-os como recursos necessários para a realização das actividades práticas.

– QUE2.1. Identificaram-se as técnicas experimentais que se vão realizar.

– QUE2.2. Manipularam-se adequadamente os materiais instrumentais do laboratório.

– QUE2.3. Tiveram-se em conta as condições de higiene e segurança para as técnicas experimentais que se vão realizar.

• RA3. Identifica propriedades fundamentais da matéria nas formas em que se apresenta na natureza, manejando as suas magnitudes físicas e as suas unidades fundamentais em unidades do sistema métrico decimal.

– QUE3.1. Descreveram-se as propriedades da matéria.

– QUE3.2. Praticaram-se as mudanças de unidades de comprimento, massa e capacidade.

– QUE3.3. Identificou-se a equivalência entre unidades de volume e capacidade.

– QUE3.4. Efectuaram-se medidas em situações reais utilizando as unidades do sistema métrico decimal e utilizando a notação científica.

– QUE3.5. Identificou-se a denominação das mudanças de estado da matéria.

– QUE3.6. Identificaram-se, com exemplos singelos, diferentes sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos.

– QUE3.7. Identificaram-se os estados de agregação em que se apresenta a matéria e utilizaram-se modelos cinéticos para explicar as mudanças de estado.

– QUE3.8. Identificaram-se sistemas materiais em relação com o seu estado na natureza.

– QUE3.9. Reconheceram-se os estados de agregação de uma substancia dada a sua temperatura de fusão e de ebulição.

– QUE3.10. Estabeleceram-se diferenças entre ebulição e evaporación utilizando exemplos singelos.

• RA4. Utiliza o método mais adequado para a separação de componentes de misturas singelas em relação com o processo físico ou químico em que se baseia.

– QUE4.1. Identificou-se e descreveu-se o que se considera substancia pura e mistura.

– QUE4.2. Estabeleceram-se as diferenças fundamentais entre misturas e compostos.

– QUE4.3. Discrimináronse os processos físicos e químicos.

– QUE4.4. Seleccionaram-se, de uma listagem de substancias, as misturas, os compostos e os elementos químicos.

– QUE4.5. Aplicaram-se de forma prática diferentes separações de misturas por métodos singelos.

– QUE4.6. Descreveram-se as características gerais básicas de materiais em relação com as profissões, utilizando as TIC.

– QUE4.7. Trabalhou-se em equipa na realização de tarefas.

• RA5. Reconhece como a energia está presente aos processos naturais, descrevendo fenômenos simples da vida real.

– QUE5.1. Identificaram-se situações da vida quotidiana nas cales se põe de manifesto a intervenção da energia.

– QUE5.2. Reconheceram-se diversas fontes de energia.

– QUE5.3. Estabeleceram-se grupos de fontes de energia renovável e não renovável.

– QUE5.4. Mostraram-se as vantagens e os inconvenientes (obtenção, transporte e utilização) das fontes de energia renováveis e não renováveis, utilizando as TIC.

– QUE5.5. Aplicaram-se mudanças de unidades de energia.

– QUE5.6. Mostrou-se, em diferentes sistemas, a conservação da energia.

– QUE5.7. Descreveram-se processos relacionados com a manutenção do organismo e da vida nos que se aprecia claramente o papel da energia.

• RA6. Localiza as estruturas anatómicas básicas discriminando os sistemas ou os aparelhos a que pertencem e associando às funções que produzem no organismo.

– QUE6.1. Identificaram-se e descreveram-se os órgãos que configuram o corpo humano, e associaram ao sistema ou ao aparelho correspondente.

– QUE6.2. Relacionou-se cada órgão, sistema e aparelho com a sua função, e indicaram-se as suas associações.

– QUE6.3. Descreveu-se a fisioloxía do processo de nutrição e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

– QUE6.4. Descreveu-se a fisioloxía do processo de reprodução e identificou-se a função das estruturas anatómicas do aparelho reprodutor.

– QUE6.5. Detalhou-se como funciona o processo de relação e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos sistemas nervoso e endócrino.

– QUE6.6. Utilizaram-se ferramentas informáticas para descrever adequadamente aparelhos e sistemas.

• RA7. Diferencia a saúde da doença, relacionando os hábitos de vida com as doenças mais frequentes e reconhecendo os princípios básicos de defesa contra elas.

– QUE7.1. Identificaram-se situações de saúde e de doença para as pessoas.

– QUE7.2. Descreveram-se os mecanismos encarregados da defesa do organismo.

– QUE7.3. Identificaram-se e classificaram-se as doenças infecciosas e não infecciosas mais comuns na povoação, e reconheceram-se as suas causas, a sua prevenção e os seus tratamentos.

– QUE7.4. Relacionaram-se os agentes que causam as doenças infecciosas habituais com o contágio produzido.

– QUE7.5. Descreveu-se a acção das vacinas, dos antibióticos e de outras achegas da ciência médica para o tratamento e a prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.6. Reconheceu-se o papel das campanhas de vacinação na prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.7. Descreveu-se o tipo de doações e os problemas que se produzem nos transplantes.

– QUE7.8. Reconheceram-se situações de risco para a saúde relacionadas com o contorno profissional mais próximo.

– QUE7.9. Desenharam-se pautas de hábitos saudáveis relacionados com situações quotidianas.

• RA8. Elabora menús e dietas equilibradas singelas diferenciando os nutrientes que contêm e adaptando aos parâmetros corporais e a situações diversas.

– QUE8.1. Discriminouse entre o processo de nutrição e o de alimentação.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os nutrientes necessários para a manutenção da saúde.

– QUE8.3. Reconheceu-se a importância de uma boa alimentação e do exercício físico no cuidado do corpo humano.

– QUE8.4. Relacionaram-se as dietas com a saúde, diferenciando entre as necessárias para a manutenção da saúde e as que podem conduzir a uma diminuição desta.

– QUE8.5. Realizou-se o cálculo sobre balanços calóricos em situações habituais do contorno.

– QUE8.6. Calculou-se o metabolismo basal e os seus resultados, e representou-se num diagrama estabelecendo comparações e conclusões.

– QUE8.7. Elaboraram-se menús para situações concretas, investigando na rede as propriedades dos alimentos.

• RA9. Resolve situações quotidianas, utilizando expressões alxébricas singelas e aplicando os métodos de resolução mais adequados.

– QUE9.1. Concretizaram-se propriedades ou relações de situações singelas mediante expressões alxébricas.

– QUE9.2. Simplificar expressões alxébricas singelas utilizando métodos de desenvolvimento e factorización.

– QUE9.3. Resolveram-se problemas da vida quotidiana em que cumpra a formulação e a resolução de equações de primeiro grau.

– QUE9.4. Resolveram-se problemas singelos utilizando métodos gráficos e as TIC.

4.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de problemas mediante operações básicas.

• Reconhecimento e diferenciação dos tipos de números. Representação na recta real.

• Utilização da hierarquia das operações.

• Interpretação e utilização dos números reais e das operações em diferentes contextos.

• Notação científica. Representação e operações de soma, resta, multiplicação e divisão.

• Proporcionalidade directa e inversa. Regra de três. Comparação de magnitudes.

• As percentagens na economia.

• Técnicas de procura de informação com as tecnologias da informação e da comunicação.

BC2. Reconhecimento de materiais e instalações de laboratório.

• Normas gerais de trabalho no laboratório.

• Normas de segurança e higiene no laboratório.

• Materiais de laboratório: tipos e utilidade.

• Técnicas experimentais. Manejo da instrumentação do laboratório na realização de actividades práticas.

BC3. Identificação das formas da matéria.

• Unidades de comprimento, capacidade e massa no sistema métrico decimal: cálculos, equivalências e medidas. Uso da notação científica.

• Matéria: propriedades.

• Classificação da matéria segundo o seu estado de agregação e composição.

• Estados de agregação: sólido, líquido e gasoso. Temperatura de fusão e de ebulição.

• Sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos. Estados de agregação dos materiais na natureza.

• Natureza corpuscular da matéria. Mudanças de estado e modelos cinéticos.

BC4. Separação de misturas e substancias.

• Substancias puras e misturas: identificação, descrição e diferenciação.

• Substancias puras: elementos e compostos. Tabela periódica.

• Técnicas básicas de separação de misturas no laboratório. Processos físicos e químicos que intervêm.

• Características básicas dos materiais relacionados com o perfil profissional.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC5. Reconhecimento da energia nos processos naturais.

• Manifestações da energia na natureza: fontes de energia e processos em que esta intervém.

• Fontes de energia renovável e não renovável: identificação. Vantagens e inconvenientes de cada uma.

• A energia na vida quotidiana: identificação de situações próximas.

• Formas de energia e a sua transformação. Lei de conservação da energia.

• Energia, calor e temperatura. Unidades mais habituais do Sistema internacional.

BC6. Localização de estruturas anatómicas básicas.

• Níveis de organização da matéria viva. Órgãos, aparelhos e sistemas. Relações entre eles e as suas funções.

• Fisioloxía do processo de nutrição: aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

• Fisioloxía do processo de relação: sistemas nervoso e endócrino.

• Fisioloxía do processo de reprodução: aparelho reprodutor e desenvolvimento embrionário.

BC7. Diferenciação entre saúde e doença.

• Saúde e doença: conceito e diferenciação.

• Tipos de doenças: infecciosas e não infecciosas; doenças de transmissão sexual. Causas, prevenção e tratamentos.

• Mecanismos encarregados da defesa do organismo. Sistema inmunitario.

• Higiene e prevenção de doenças. Tratamento face à doenças infecciosas. Vacinas.

• Transplantes e doações.

• Saúde mental: prevenção de toxicomanias e de trastornos alimentários.

• Hábitos de vida saudáveis relacionados com as doenças mais frequentes e com situações quotidianas.

BC8. Elaboração de menús e de dietas.

• Alimentos e nutrientes: diferenciação. Reconhecimento de nutrientes presentes nos alimentos.

• Alimentação e saúde. Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação.

• Conceito e elaboração de dietas. Tipos de dietas. Elaboração de menús.

• Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação. Importância de uma boa alimentação e do exercício físico.

BC9. Resolução de equações singelas.

• Progressões aritméticas e xeométricas.

• Tradução de situações da linguagem verbal à alxébrica.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, multiplicação e factor comum.

• Desenvolvimento e factorización de expressões alxébricas. Identidades notáveis.

• Resolução de equações de primeiro grau com uma incógnita.

• Aplicação de métodos gráficos de resolução de problemas.

4.1.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja consciente tanto da sua própria pessoa como do meio que o rodeia.

Os conteúdos deste módulo contribuem a afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da vida quotidiana.

Além disso, utilizam a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de índole diversa, aplicados a qualquer situação, tanto na vida quotidiana como na vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a química, a biologia e a geoloxia, enfócase aos conceitos principais e aos princípios das ciências, involucrando o estudantado na resolução de problemas singelos e na realização de outras tarefas significativas, e permite-lhe trabalhar de forma autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais p), q), r), s), t), x), y), z), aa), bb), cc), dd), ee) e ff) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais n), ñ), o), p), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Utilização dos números e das suas operações para resolver problemas.

– Reconhecimento das formas da matéria.

– Reconhecimento e uso de material de laboratório básico.

– Identificação e localização das estruturas anatómicas.

– Realização de exercícios de expressão oral, aplicando as normas básicas de atenção ao público.

– Importância da alimentação para uma vida saudável.

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

4.2. Módulo profissional: Comunicação e sociedade I.

• Código: MP3011.

• Duração: 206 horas.

4.2.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana I.

• Código: MP3011_13.

• Duração: 88 horas.

4.2.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias singelas de composição e as normas linguísticas básicas.

– QUE1.1. Analisou-se a estrutura de textos orais procedentes dos médios de comunicação de actualidade e identificaram-se as suas características principais.

– QUE1.2. Aplicaram-se as habilidades básicas para realizar uma escuta activa, identificando o sentido global e os conteúdos específicos de uma mensagem oral.

– QUE1.3. Realizou-se um bom uso dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Analisaram na compreensão os usos e os níveis da língua, assim como as normas linguísticas, aplicaram na composição de mensagens orais, e reviram-se e eliminaram-se os usos discriminatorios, nomeadamente nas relações de género.

– QUE1.5. Utilizou-se a terminologia gramatical adequada na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, aplicando à composição autónoma de textos breves seleccionados estratégias de leitura comprensiva e de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada e progressiva.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua idoneidade para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas ferramentas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, extraindo conclusões para a sua aplicação nas actividades de aprendizagem e reconhecendo possíveis usos discriminatorios desde a perspectiva de género.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, e reviram-se e reformuláronse as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de textos escritos de utilização diária, reconhecendo usos e níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro e preciso.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistemáticas na elaboração de textos escritos que permitem a valoração das aprendizagens desenvolvidas e a reformulação das necessidades de aprendizagem para melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário adequado ao contexto.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais e comprovou-se a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura castelhana anteriores ao século XIX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE3.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua castelhana no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE3.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua castelhana a partir de textos literários.

• RA4. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura em língua galega anteriores ao século XX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE4.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua galega no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE4.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua galega a partir de textos literários.

• RA5. Conhece a formação da língua galega e da língua castelhana e as diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como os fenômenos de contacto de línguas, sendo consciente da necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo.

– QUE5.1. Analisaram-se as características de formação da língua galega e da língua castelhana.

– QUE5.2. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana anterior ao século XX.

– QUE5.3. Analisaram-se os fenômenos de contacto de línguas, atendendo a situações de bilingüismo, diglosia, interferencias e o conflito linguístico.

– QUE5.4. Valorou-se a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.2.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Aplicação de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Pautas para evitar a disrupción em situações de comunicação oral.

• Intercâmbio comunicativo: elementos extralingüísticos da comunicação oral; usos orais informais e formais da língua; adequação ao contexto comunicativo.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral. Organização da frase: estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana.

• Composições orais: exposições orais singelas sobre factos da actualidade; apresentações orais singelas; uso de meios de apoio (meios audiovisuais e TIC).

BC2. Utilização de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Tipos de textos. Características de textos próprios da vida quotidiana e profissional.

• Estratégias de leitura: elementos textuais.

• Pautas para a utilização de dicionários diversos.

• Estratégias básicas no processo de composição escrita.

• Apresentação de textos escritos em diferentes suportes. Aplicação das normas gramaticais e ortográfico em língua castelhana e em língua galega.

• Textos escritos. Principais conectores textuais em língua castelhana e em língua galega. Aspectos básicos das formas verbais nos textos, com especial atenção às perífrases verbais, à concordancia e à coerência temporária e modal. Funções substantivo, adxectiva e adverbial do verbo. Sintaxe (enunciado, frase e oração; sujeito e predicado; complemento directo, indirecto, de regime, circunstancial, agente e atributo). Estruturas subordinadas (substantivo, adxectivas e adverbiais).

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Leitura de textos literários em língua castelhana anteriores ao século XIX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua castelhana a partir da Idade Média e até o século XVIII.

• Narrativa: temas e estilos recorrentes segundo a época literária.

• Poesia: temas e estilos recorrentes segundo a época literária. Interpretação.

• Teatro: temas e estilos segundo a época literária.

BC4. Leitura de textos literários em língua galega anteriores ao século XX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua galega desde a Idade Média e até o século XIX.

• A literatura medieval.

• A literatura dos Séculos Escuros.

• A literatura do século XIX: etapas e obras mais significativas.

BC5. Conhecimento da formação da língua galega e da língua castelhana e das diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como os fenômenos de contacto de línguas.

• A formação da língua galega e da língua castelhana.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana até o século XIX.

• Análise dos fenômenos de contacto de línguas (bilingüismo, diglosia, conflito linguístico e interferencias).

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Valoração do plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

• Crítica dos prejuízos linguísticos.

4.2.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa I.

• Código: MP3011_23.

• Duração: 59 horas.

4.2.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, elaborando apresentações orais de pouca extensão, bem estruturadas, relativas a situações habituais de comunicação quotidiana e frequente de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se as estratégias de escuta activa para a compreensão precisa das mensagens recebidas.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico de mensagens directas ou recebidas mediante formatos electrónicos, valorando as situações de comunicação e os seus envolvimentos no uso do vocabulário empregue.

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global do texto oral que apresenta a informação de modo secuenciado e progressivo em situações habituais frequentes e de conteúdo predicible.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación comum e evidente que ajudam a perceber o sentido geral da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se apresentações orais breves de textos descritivos, narrativos e instrutivos dos âmbitos pessoal, público ou profissional, de acordo com um guião singelo, aplicando a estrutura de cada tipo de texto e utilizando, de ser o caso, meios informáticos.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas adaptadas a contextos diferentes (formal, não formal e situações profissionais) e um repertório essencial e restringido de expressões, frases e palavras de situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE1.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se as normas de relações sociais básicas e estandarizadas dos países onde se fale a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade onde se fale a língua estrangeira.

• RA2. Participa em conversas em língua inglesa utilizando uma linguagem singela e clara em situações habituais frequentes dos âmbitos pessoal ou profissional, activando estratégias de comunicação básicas.

– QUE2.1. Dialogouse, de maneira dirigida e seguindo um guião bem estruturado, utilizando um repertório memorizado de modelos de orações e conversas breves e básicas, sobre situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible.

– QUE2.2. Manteve-se a interacção utilizando estratégias de comunicação singelas para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.3. Utilizaram-se estratégias básicas de compensação para suplir carências na língua estrangeira, como a observação da pessoa interlocutora e a procura da sua ajuda para facilitar a bidireccionalidade da comunicação.

– QUE2.4. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório essencial e restringido de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE2.5. Expressou-se com verdadeira claridade, utilizando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos escritos breves e singelos em língua inglesa, em situações de comunicações habituais e frequentes dos âmbitos pessoal, público ou profissional, desenvolvendo estratégias estruturadas de composição, e aplica estratégias de leitura comprensiva.

– QUE3.1. Leu-se o texto de forma comprensiva, reconhecendo os seus traços básicos e o seu conteúdo global, e analisou-se o seu intuito e o seu contexto.

– QUE3.2. Identificaram-se as ideias fundamentais e o intuito comunicativo básico do texto.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, em situações habituais frequentes, de conteúdo muito predicible.

– QUE3.4. Completaram-se e reorganizáronse frases e orações, atendendo ao propósito comunicativo e a normas gramaticais básicas.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e adequados a um propósito comunicativo, seguindo modelos estruturados.

– QUE3.6. Utilizou-se o léxico essencial adequado para situações frequentes e para o contexto dos âmbitos pessoal ou profissional.

– QUE3.7. Mostrou-se interesse pela boa apresentação dos textos escritos, respeitando as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas, e seguindo singelas pautas de revisão.

– QUE3.8. Utilizaram-se dicionários impressos e em linha e correctores ortográfico dos processadores na composição dos textos.

– QUE3.9. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.2.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Compreensão e produção de textos orais básicos em língua inglesa.

• Ideias principais em telefonemas, mensagens, ordens e indicações muito claras.

• Descrição geral de pessoas, lugares e objectos dos âmbitos profissional e público.

• Narração e explicação sobre situações habituais e frequentes do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, expressões e frases singelas frequentes para desenvolver-se em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal ou profissional.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais em presente e passado; verbos principais, modais e auxiliares. Funções comunicativas associadas a situações habituais e frequentes. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso para iniciar, ordenar e finalizar.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos de carácter básico que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais.

• Estratégias fundamentais de compreensão e escuta activa.

• Formatos electrónicos mais usuais.

BC2. Participação em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de compreensão e escuta activa para iniciar, manter e rematar a interacção.

• Elaboração de mensagens e textos singelos em língua inglesa.

• Compreensão da informação global e da ideia principal de textos básicos quotidianos, dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Léxico frequente para desenvolver-se em transacções e gestões quotidianas e singelas dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Composição de textos escritos muito breves, singelos e bem estruturados.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Elementos linguísticos fundamentais atendendo aos tipos de textos, aos contextos e aos propósitos comunicativos tendo em conta um enfoque centrado no uso da língua e na sua dimensão social.

• Propriedades básicas do texto.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Estratégias de planeamento e de correcção escrita.

• Estratégias de expressão e de interacção escrita.

• Usos sociais da língua: informação geral, opinião e valoração.

• Funções comunicativas mais habituais dos âmbitos pessoal, público ou profissional em meios escritos.

• Coerência espacio-temporária e coesão através do uso de recursos singelos para iniciar, desenvolver ou rematar um texto escrito.

• Conteúdos léxico-semánticos singelos e básicos da língua inglesa.

• Tempos e formas verbais. Relações temporárias: anterioridade, posterioridade e simultaneidade.

• Estruturas gramaticais básicas.

• A oração simples e a oração composta com and/or/but.

• Dicionários impressos e em linha, e correctores ortográfico.

4.2.3. Unidade formativa 3: Sociedade I.

• Código: MP3011_33.

• Duração: 59 horas.

4.2.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Valora a evolução histórica das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga, assim como as suas relações com as paisagens naturais, analisando os factores e os elementos implicados, e desenvolvendo atitudes e valores de aprecio do património natural e artístico.

– QUE1.1. Descreveram mediante a análise de fontes gráficas as principais características de uma paisagem natural, e reconheceram-se essas características no contorno mais próximo.

– QUE1.2. Explicaram-se a localização, o deslocamento e a adaptação ao meio dos grupos humanos do período da hominización, até o domínio técnico dos metais por parte das principais culturas que o exemplifican.

– QUE1.3. Relacionaram-se as características dos fitos artísticos mais significativos do período prehistórico com a organização social e com o corpo de crenças, e valoraram-se as suas diferenças com as sociedades actuais.

– QUE1.4. Valorou-se a persistencia destas sociedades nas actuais, em especial no território galego e peninsular, identificando e comparando as suas principais características.

– QUE1.5. Discrimináronse as principais características que requer a análise das obras arquitectónicas e escultóricas mediante exemplos arquetípicos, diferenciando estilos canónicos.

– QUE1.6. Julgou-se o impacto das primeiras sociedades humanas na paisagem natural, analisando as características das cidades antigas e a sua evolução na actualidade no território galego e peninsular.

– QUE1.7. Analisou-se a persistencia na Galiza, na Península Ibérica e nos territórios extrapeninsulares espanhóis das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga.

– QUE1.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE1.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora a construção do espacio europeu até as primeiras transformações industriais das sociedades agrárias, analisando as suas características principais, assim como a sua persistencia na sociedade actual e no contorno imediato.

– QUE2.1. Analisou-se a transformação do mundo antigo no medieval, reconhecendo a evolução do espacio europeu, as suas relações com o espacio extraeuropeo e as características mais significativas das sociedades medievais na Galiza e em Espanha.

– QUE2.2. Valoraram-se as características das paisagens agrárias medievais e a sua persistencia nas sociedades actuais galega e espanhola, identificando os seus elementos principais.

– QUE2.3. Valoraram-se as consequências da construção dos impérios coloniais na América do Norte nas culturas autóctones e nas europeias.

– QUE2.4. Analisou-se o modelo político e social da monarquia absoluta durante a Idade Moderna nas principais potências europeias, assim como as suas peculiaridades na Galiza e em Espanha.

– QUE2.5. Valoraram-se os indicadores demográficos básicos das transformações na povoação europeia, espanhola e galega durante o período analisado.

– QUE2.6. Descreveram-se as principais características da análise das obras pictóricas através do estudo de exemplos arquetípicos das escolas e dos estilos que se sucedem na Europa, em Espanha e na Galiza desde o Renacemento até a irrupção das vanguardas históricas.

– QUE2.7. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do perfil do título, analisando as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE2.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando as tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE2.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho em equipa.

4.2.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades prehistóricas e antigas e a sua relação com o meio natural.

• Paisagens naturais: aspectos gerais e locais.

• Sociedades prehistóricas.

• Nascimento das cidades: habitat urbano e a sua evolução; gráficos de representação urbana; sociedades urbanas antigas; cultura grega (extensão, traços, fitos principais e características essenciais da arte grega); cultura romana (características essenciais da arte romana); sociedades prehistóricas e antigas no território galego e peninsular.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (guiões, esquemas, resumos, etc.); ferramentas singelas de localização cronolóxica; vocabulário seleccionado e específico.

BC2. Valoração da criação do espacio europeu na Idade Média e na Idade Moderna.

• Europa medieval: persistencia de usos e costumes (espacio agrário e as suas características); contacto com outras culturas.

• Europa das monarquias absolutas: grandes monarquias europeias (localização e evolução sobre o mapa no contexto europeu); monarquia absoluta em Espanha; evolução do sector produtivo durante o período.

• Colonização da América do Norte.

• Galiza nas épocas medieval e moderna.

• Estudo da povoação: evolução demográfica do espacio europeu; comentário de gráficas de povoação (pautas e instrumentos básicos).

• Evolução da arte europeia, espanhola e galega das épocas medieval e moderna. Pautas básicas para o comentário de obras pictóricas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (resumos, fichas temáticas, biografias, folhas de cálculo ou similares, etc.); vocabulário específico.

4.2.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja quem de reconhecer as características básicas dos fenômenos relacionados com a actividade humana e melhorar as suas habilidades comunicativas.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra conhecimentos básicos relativos a ciências sociais, língua galega e literatura, língua castelhana e literatura, e língua inglesa, estará enfocada ao uso de ferramentas básicas da análise textual, à elaboração de informação estruturada oral e escrita, à localização espacio-temporária dos fenômenos sociais e culturais, ao respeito pela diversidade de crenças e às pautas de relação quotidiana em diferentes sociedades e grupos humanos, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e em equipa.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana I, Comunicação em língua inglesa I e Sociedade I.

A língua galega e literatura e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais u), v), w), x), y), z), aa), bb), cc), dd), ee) e ff) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais p), q), r), s), t), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas a:

– Concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar a integração do estudantado nas situações de aprendizagem propostas, mediante a aplicação de estratégias motivadoras.

– Potenciação da autonomia na execução das actividades e na gestão do seu tempo de aprendizagem, no âmbito das competências e dos contidos do âmbito sociolinguístico.

– Realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e em equipa.

– Uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance, fomentando o uso das TIC, que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações estruturadas da realidade.

– Uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração do estudantado nas actividades de aprendizagem, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade.

– Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens singelas orais e escritas, mediante o seu uso em diferentes tipos de situações comunicativas e textuais do contorno do estudantado.

– Uso de um vocabulário adequado às situações do seu contorno, que orientará a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho em equipa que permita a integração do estudantado nas actividades educativas com garantia de sucesso.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes presentes no contorno do estudantado, em relação com as necessidades derivadas do uso da língua com diferentes/as falantes.

– Desenvolvimento de hábitos de leitura que permitam a satisfacção com a produção literária, mediante o uso de textos seleccionados acordes com as suas necessidades e características.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração motivadora de saberes que lhe permitam ao estudantado analisar e valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Utilização de recursos e fontes de informação ao seu alcance para organizar a informação que extraia, para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação da diversidade dos grupos humanos e os seus sucessos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas do contorno do estudantado a partir da análise da informação disponível e da formulação de explicações justificadas e a reflexão sobre a sua actuação ante estas, em situações de aprendizagem pautadas.

– Potenciação das capacidades de observação e critérios para a satisfacção com as expressões artísticas mediante a análise pautada de produções artísticas arquetípicas, apreciando os seus valores estéticos e temáticos.

4.3. Módulo profissional: Comunicação e sociedade II.

• Código: MP3012.

• Duração: 135 horas.

4.3.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana II.

• Código: MP3012_13.

• Duração: 67 horas.

4.3.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias razoadas de composição e as normas linguísticas correctas em cada caso.

– QUE1.1. Aplicaram-se as técnicas da escuta activa na análise de mensagens orais procedentes de diversas fontes.

– QUE1.2. Reconheceu-se o intuito comunicativo e a estrutura e coesão da comunicação oral, valorando possíveis respostas.

– QUE1.3. Realizou-se um uso correcto dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Aplicaram-se as técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

– QUE1.5. Analisaram-se os usos e os níveis da língua e as normas linguísticas na compreensão e aplicaram na composição de mensagens orais, valorando e eliminando os usos discriminatorios.

– QUE1.6. Utilizou-se a terminologia gramatical correcta na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando à composição autónoma de textos de progressiva complexidade estratégias de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua adequação para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas técnicas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, reconhecendo possíveis usos discriminatorios.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, revendo e reformulando as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de diversos textos escritos de uso académico ou profissional, reconhecendo os usos e os níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro, preciso e adequado ao formato e ao contexto comunicativo.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistematizadas na preparação de textos escritos que permitem melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário correcto segundo as normas linguísticas e a finalidade.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais, comprovando a precisão e a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade, reconhecendo o intuito do autor ou da autora e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE3.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua castelhana no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE3.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua castelhana, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA4. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade, reconhecendo o intuito da autora ou do autor e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE4.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua galega no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE4.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua galega, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA5. Conhece e valora a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol e as principais características das variedades geográficas da língua galega e da língua castelhana, assim como as diferentes etapas, desde começos do século XX, da história social da língua galega e da língua castelhana, valorando a função do standard, a necessidade de normalizar a língua galega e rejeitando os prejuízos linguísticos.

– QUE5.1. Identificou-se a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol, valorando a diversidade linguística como um elemento de enriquecimento cultural e outorgando-lhes a todas as línguas o mesmo valor e a mesma função comunicativa.

– QUE5.2. Reconhece-se a variedade interna das línguas castelhana e galega como símbolo da riqueza do nosso património linguístico.

– QUE5.3. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

– QUE5.4. Valorou-se a função do standard de qualquer língua, assim como a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.3.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Técnicas de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Exposição de ideias e argumentos: organização e preparação dos contidos (ilación, sucessão e coerência); estrutura.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral: organização da frase (estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana); coerência semántica.

• Uso de recursos audiovisuais.

• Técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

BC2. Uso de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Trabalhos, relatórios, ensaios e outros textos académicos, científicos e profissionais.

• Aspectos linguísticos que há que ter em conta: registros comunicativos da língua e factores que condicionar o seu uso; variações das formas deícticas em relação com a situação; estilo directo e indirecto.

• Estratégias de leitura com textos académicos.

• Apresentação de textos escritos.

• Compreensão e produção de textos escritos: conectores textuais (causa, consequência, condição e hipótese); formas verbais nos textos (perífrases verbais; concordancia e coerência temporária e modal); sintaxe (complementos; frases compostas); estratégias para melhorar o interesse da pessoa receptora.

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Interpretação de textos literários em língua castelhana desde o século XIX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária do período estudado.

• A literatura em língua castelhana nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua castelhana.

BC4. Interpretação de textos literários em língua galega desde começos do século XX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• A literatura em língua galega nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua galega.

BC5. Conhecimento e respeito pela diversidade linguística, a história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX e valoração do standard e da necessidade de normalizar a língua galega.

• A situação sociolinguístico das línguas do Estado espanhol.

• A variedade interna da língua castelhana e da língua galega.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

• Funções e valor da língua standard.

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Reconhecimento e rejeição dos prejuízos linguísticos, valorando o plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

4.3.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa II.

• Código: MP3012_23.

• Duração: 34 horas.

4.3.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, aplicando os princípios da escuta activa e elaborando apresentações orais de pouca extensão, claras e estruturadas, relativas a temas e aspectos concretos, frequentes e quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se sistematicamente as estratégias de escuta activa para a compreensão global e específica das mensagens recebidas, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo de mensagens directas ou empregando um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso, estruturadores (de abertura, continuidade e pechamento).

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global e as ideias principais do texto oral e de estruturas gramaticais básicas em orações singelas, de situações habituais frequentes e de conteúdo predicible e concreto.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación essenciais que ajudam a perceber o sentido global e as ideias principais e secundárias da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se composições e apresentações orais breves de acordo com um guião estruturado, aplicando o formato e os traços próprios de cada tipo de texto de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e marcadores de discurso para iniciar, enlaçar, ordenar e finalizar o discurso em situações habituais frequentes e aspectos concretos.

– QUE1.7. Expressou-se a informação usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis, aceitando-se as pautas e pequenas vacilações.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se e valoraram-se as normas de relação social e as normas de cortesía mais frequentes dos países onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se e valoraram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade e do lugar de trabalho onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.11. Identificaram-se as principais atitudes e os comportamentos profissionais em situações de comunicação habituais do âmbito profissional.

• RA2. Mantém conversas singelas e breves em língua inglesa em situações habituais e concretas, cara a cara ou por meios técnicos, do âmbito pessoal, público e profissional, empregando estratégias de comunicação básica.

– QUE2.1. Dialogouse seguindo um guião sobre temas e aspectos concretos e frequentes do âmbito pessoal, público e profissional.

– QUE2.2. Descreveram-se, narraram-se e explicaram-se experiências próprias.

– QUE2.3. Escutou-se e dialogouse em interacções singelas, quotidianas da vida profissional, pública e pessoal, solicitando e proporcionando informação com verdadeiro detalhe.

– QUE2.4. Manteve-se a interacção utilizando diversas estratégias de comunicação essenciais para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.5. Utilizaram-se estratégias de compensação para suplir carências na língua estrangeira (parafrasear, linguagem corporal e ajudas audiovisuais), para facilitar a comunicação entre as pessoas interlocutoras.

– QUE2.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório essencial e limitado de expressões, frases, palavras frequentes e marcadores de discurso lineais.

– QUE2.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis e compreensível, aceitando-se algumas pausas e vacilações, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos breves e singelos com verdadeiro detalhe em língua inglesa relativos a situações de comunicação habituais do âmbito pessoal, público e profissional, aplicando estratégias de leitura comprensiva e desenvolvendo estratégias sistemáticas de composição.

– QUE3.1. Leu-se o texto reconhecendo os traços essenciais do género, o seu intuito, o seu contexto e a sua estrutura, e interpretando o seu conteúdo global e específico sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE3.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico do texto, o sentido geral, a informação essencial e as partes principais, mesmo quando o texto se organiza de diferente maneira.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso básicos e lineais, em situações habituais frequentes e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.4. Completaram-se frases, orações e textos singelos atendendo ao propósito comunicativo, com estruturas gramaticais de escassa complexidade, em situações habituais e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e singelos, adequados a um propósito comunicativo, empregando os conectores mais frequentes para enlaçar as orações.

– QUE3.6. Respeitaram-se as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas seguindo pautas sistemáticas e concretas de revisão e correcção.

– QUE3.7. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.3.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Interpretação e comunicação de textos orais quotidianos em língua inglesa.

• Distinção de ideias principais e secundárias, informação essencial de textos orais breves e singelos.

• Descrição de aspectos concretos de pessoas, lugares, serviços básicos, objectos e gestões singelas.

• Experiências dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Narração, explicações e intercâmbio de acontecimentos e experiências do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, frases e expressões para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal e profissional.

• Tipos de textos e a sua estrutura.

• Recursos tecnológicos.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais simples e compostas. Funções comunicativas associadas a situações habituais do âmbito pessoal, público e profissional. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Orações simples e subordinadas de escassa complexidade.

• Estratégias de compreensão e escuta activa.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais e das normas de cortesía.

• Reconhecimento e uso de expressões relacionadas com os costumes e os ritos numa comunidade de pessoas utentes da língua inglesa.

BC2. Interacção em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de interacção para manter e seguir uma conversa.

• Uso de frases estandarizadas.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Informação global e específica de mensagens de escassa dificultai referentes a assuntos básicos quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Composição de textos escritos breves e bem estruturados.

• Léxico para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas, necessárias, singelas e concretas dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Terminologia específica da área profissional do estudantado.

• Recursos gramaticais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Uso das orações simples e compostas na linguagem escrita.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Propriedades básicas do texto.

• Normas socioculturais nas relações dos âmbitos pessoal, público e profissional em situações quotidianas.

• Estratégias de planeamento da mensagem.

4.3.3. Unidade formativa 3: Sociedade II.

• Código: MP3012_33.

• Duração: 34 horas.

4.3.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Infire as características essenciais das sociedades contemporâneas a partir do estudo da sua evolução histórica, analisando os traços básicos da sua organização social, política e económica em diferentes momentos, e a sucessão de transformações e conflitos acaecidos.

– QUE1.1. Discrimináronse as consequências para a organização das sociedades actuais das correntes ideológicas que a cimentaron, situando no tempo e no espacio.

– QUE1.2. Valorou-se o modelo globalizado actual de relações económicas mediante o estudo das transformações económicas produzidas como consequência das inovações tecnológicas e os sistemas organizativo da actividade produtiva.

– QUE1.3. Categorizáronse as características da organização social contemporânea, em especial a galega e a espanhola, analisando a estrutura e as relações sociais da povoação actual e a sua evolução durante o período, utilizando gráficas e fontes directas seleccionadas.

– QUE1.4. Examinou-se a evolução das relações internacionais contemporâneas, elaborando explicações causais e consecutivas que permitam desenvolver opiniões próprias sobre os conflitos actuais.

– QUE1.5. Valorou-se o processo de unificação do espacio europeu, analisando a sua evolução, os seus princípios e as suas instituições significativas, e argumentou-se a sua influência nas políticas nacionais dos países membros da União Europeia.

– QUE1.6. Associou-se a evolução dos acontecimentos históricos globais com a evolução histórica do Estado espanhol e do território galego, identificando as suas fases de evolução, os principais conflitos e a sua situação actual.

– QUE1.7. Identificaram-se os traços essenciais da arte contemporânea, em especial a galega e a espanhola, e a sua evolução até os nossos dias, construindo opiniões e critérios próprios de ordem estética.

– QUE1.8. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do título e descreveram-se as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE1.9. Elaboraram-se instrumentos pautados de recolhida e difusão de informação que permitam a avaliação das aprendizagens realizadas, utilizando o vocabulário preciso.

– QUE1.10. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora os princípios básicos do sistema democrático analisando as suas instituições e as organizações políticas e económicas em que se manifesta, inferindo pautas de actuação para acomodar o seu comportamento ao cumprimento dos supracitados princípios.

– QUE2.1. Reconheceram-se os princípios básicos da Declaração universal de direitos humanos e a sua situação no mundo de hoje, valorando o seu envolvimento para a vinda quotidiana.

– QUE2.2. Analisaram-se os princípios reitores, as instituições e as normas de funcionamento das principais instituições internacionais, julgando o seu papel nos conflitos mundiais.

– QUE2.3. Valorou-se a importância da mediação e da resolução de conflitos na extensão do modelo democrático, desenvolvendo critérios próprios e razoados para a resolução destes.

– QUE2.4. Julgaram-se os traços essenciais do modelo democrático espanhol valorando o contexto histórico do seu desenvolvimento.

– QUE2.5. Valorou-se o envolvimento do princípio de não discriminação nas relações pessoais e sociais do contorno, julgando comportamentos próprios e alheios e inferindo pautas e acções apropriadas para acomodar a atitude aos direitos e às obrigações que disso derivam.

– QUE2.6. Elaborou-se informação pautada e organizada para a sua utilização em situações de trabalho colaborativo e contraste de opiniões.

4.3.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades contemporâneas.

• Construção dos sistemas democráticos: a Ilustração e as suas consequências, a sociedade liberal e a sociedade democrática.

• Estrutura económica e a sua evolução. Princípios de organização económica. Economia globalizada actual. A segunda globalização. Terceira globalização: problemas do desenvolvimento. Evolução do sector produtivo próprio na Galiza e em Espanha.

• Relações internacionais. Grandes potências e conflito colonial. Guerra Civil europeia. Descolonización e Guerra Fria. Mundo globalizado actual. Principais instituições internacionais. Galiza e Espanha no marco de relações actual.

• Construção europeia. Galiza e Espanha na Europa.

• Arte contemporânea: ruptura do cânone clássico; o cine e a banda desenhada como entretenimento de massas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: trabalho colaborativo; apresentações e publicações web.

BC2. Valoração das sociedades democráticas.

• Declaração universal de direitos humanos: os direitos humanos na vida quotidiana; conflitos internacionais actuais.

• Modelo democrático espanhol: construção da Espanha democrática; Constituição espanhola. A organização do Estado espanhol. O Estado das autonomias. O Estatuto de autonomia da Galiza.

• Princípio de não discriminação na convivência diária. Resolução de conflitos.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas. Processos e pautas para o trabalho colaborativo. Preparação e apresentação de informação para actividades deliberativas. Normas de funcionamento e atitudes no contraste de opiniões.

4.3.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente do estudantado e contém a formação para melhorar as suas possibilidades de desenvolvimento pessoal, social e profissional, utilizando os passos do método científico, mediante a análise dos principais fenômenos relacionados com as actividades humanas no mundo contemporâneo, com o desenvolvimento de estratégias comunicativas suficientes em línguas galega e castelhana e com os fundamentos da comunicação em língua inglesa em diferentes situações habituais.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra matérias como as ciências sociais, a língua galega e literatura, a língua castelhana e literatura, e língua inglesa, enfocarase à aquisição de ferramentas de análise espacio-temporária, ao tratamento de textos orais e escritos, à elaboração de mensagens estruturadas e ao respeito para outras sociedades, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e colaborativo, para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana II, Comunicação em língua inglesa II e Sociedade II.

A língua galega e literatura e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais u), v), w), x), y), z), aa), bb), cc), dd), ee) e ff) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais p), q), r), s), t), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas cara:

– À concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar o envolvimento activo do estudantado no seu processo formativo, onde a prática e a funcionalidade das aprendizagens constituam um contínuum que facilite a realização das actividades que leve a cabo o estudantado.

– À potenciação da autonomia e da iniciativa pessoal, para utilizar as estratégias adequadas no âmbito sociolinguístico.

– À realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o desenvolvimento e o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e colaborativo.

– Ao uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações razoadas da realidade.

– À garantia do acesso à informação para todo o estudantado, fomentando o uso das TIC.

– Ao uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração de competências e conteúdos, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade para permitir a adaptação do estudantado à realidade pessoal, social e profissional.

– À Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional e a sua adaptação aos requisitos profissionais do seu contorno.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens orais e escritas, mediante o seu uso em situações comunicativas e textuais de diferentes tipos.

– Uso de um vocabulário adequado às situações da vida pessoal, social e profissional que deverá vehicular a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho colaborativo que permita desenvolver o conceito de inteligência colectiva e a sua relação com o âmbito profissional.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes característica das sociedades contemporâneas, mais especificamente no âmbito das culturas de fala inglesa.

– Criação de hábitos de leitura e critérios estéticos próprios que lhe permitam ao estudantado a satisfacção com a produção literária, com maior afondamento na produção nas línguas galega e castelhana.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração de saberes que permitam o estudo de um fenômeno relacionado com as ciências sociais desde uma perspectiva multidiciplinar que lhe permitam ao estudantado valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Uso de estratégias e destrezas de actuação, recursos e fontes de informação ao seu alcance para se achegar ao método científico e organizar a informação que extraia para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação das mudanças e das transformações sofridas pelos grupos humanos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas da sociedade actual a partir da análise da informação disponível e da concreção de hipóteses próprias e razoadas de explicação dos fenômenos observados em situação de aprendizagem.

– Potenciação das capacidades de apreciação e de criação, de educação do gosto pelas artes, mediante o desenvolvimento de conteúdos e actividades que se relacionem com obras e expressões artísticas seleccionadas.

4.4. Módulo profissional: Ciências aplicadas II.

• Código: MP3019.

• Duração: 162 horas.

4.4.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve situações quotidianas aplicando os métodos de resolução de equações e de sistemas, valorando a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica.

– QUE1.1. Utilizaram-se identidades notáveis nas operações com polinomios.

– QUE1.2. Obtiveram-se valores numéricos a partir de uma expressão alxébrica.

– QUE1.3. Resolveram-se equações de primeiro e segundo grau singelas de modo alxébrico e gráfico.

– QUE1.4. Resolveram-se problemas quotidianos e de outras áreas de conhecimento mediante equações e sistemas.

– QUE1.5. Valorou-se a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica para representar situações formuladas na vida real.

– QUE1.6. Resolveram-se sistemas de equações singelos.

• RA2. Resolve problemas singelos de diversa índole, através da sua análise contrastada e aplicando as fases do método científico.

– QUE2.1. Formularam-se hipóteses singelas, a partir de observações directas ou indirectas recopiladas por diferentes meios.

– QUE2.2. Analisaram-se diversas hipóteses e emitiu-se uma primeira aproximação à sua explicação.

– QUE2.3. Planificaram-se métodos e procedimentos experimentais singelos de diversa índole para refutar ou não a sua hipótese.

– QUE2.4. Trabalhou-se em equipa na formulação da solução.

– QUE2.5. Recopilaram-se os resultados dos ensaios de verificação e reflectiram-se num documento de maneira coherente.

– QUE2.6. Defendeu-se o resultado com argumentações e provas, e verificações ou refutacións das hipóteses emitidas.

• RA3. Realiza medidas directas e indirectas de figuras xeométricas presentes em contextos reais, utilizando os instrumentos, as fórmulas e as técnicas necessárias.

– QUE3.1. Utilizaram-se instrumentos apropriados para medir ângulos, comprimentos, áreas e volumes de corpos e de figuras xeométricas, interpretando as escalas de medida.

– QUE3.2. Utilizaram-se estratégias (semelhanças e descomposição em figuras mais singelas, etc.) para estimar ou calcular medidas indirectas no mundo físico.

– QUE3.3. Utilizaram-se as fórmulas para calcular perímetros, áreas e volumes, e atribuíram-se as unidades correctas.

– QUE3.4. Trabalhou-se em equipa na obtenção de medidas.

– QUE3.5. Utilizaram-se as TIC para representar figuras.

• RA4. Interpreta gráficas de duas magnitudes calculando os parâmetros significativos destas e relacionando-o com funções matemáticas elementares e os principais valores estatísticos.

– QUE4.1. Expressou-se a equação da recta de diversas formas.

– QUE4.2. Representou-se graficamente a função cuadrática aplicando métodos singelos para a sua representação.

– QUE4.3. Representou-se graficamente a função inversa.

– QUE4.4. Representou-se graficamente a função exponencial.

– QUE4.5. Extraiu-se informação de gráficas que representem os tipos de funções associadas a situações reais.

– QUE4.6. Utilizou-se o vocabulário adequado para a descrição de situações relacionadas com o azar e com a estatística.

– QUE4.7. Elaboraram-se e interpretaram-se tabelas e gráficos estatísticos.

– QUE4.8. Analisaram-se características da distribuição estatística obtendo medidas de centralización e de dispersão.

– QUE4.9. Aplicaram-se as propriedades dos acontecimentos e a probabilidade.

– QUE4.10. Resolveram-se problemas quotidianos mediante cálculos de probabilidade singelos.

• RA5. Aplica técnicas físicas ou químicas, utilizando o material necessário para a realização de práticas de laboratório singelas, medindo as magnitudes implicadas.

– QUE5.1. Verificou-se a disponibilidade do material básico utilizado num laboratório.

– QUE5.2. Identificaram-se e mediram-se magnitudes básicas (massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.).

– QUE5.3. Identificaram-se tipos de biomoléculas presentes em materiais orgânicos e inorgánicos.

– QUE5.4. Descreveram-se a célula e os tecidos animais e vegetais mediante a sua observação através de instrumentos ópticos.

– QUE5.5. Elaboraram-se relatórios de ensaios onde se inclui a justificação, o procedimento seguido, os resultados obtidos e as conclusões.

– QUE5.6. Aplicaram-se as normas de trabalho no laboratório.

• RA6. Reconhece as reacções químicas que se produzem nos processos biológicos e na indústria, argumentando a sua importância na vida quotidiana e descrevendo as mudanças que se produzem.

– QUE6.1. Identificaram-se reacções químicas principais da vida quotidiana, da natureza e da indústria.

– QUE6.2. Descreveram-se as manifestações de reacções químicas.

– QUE6.3. Descreveram-se os componentes principais de uma reacção química e a intervenção da energia nela.

– QUE6.4. Reconheceram-se algumas reacções químicas tipo (combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica).

– QUE6.5. Identificaram-se os componentes e o processo de reacções químicas singelas mediante ensaios de laboratório.

– QUE6.6. Elaboraram-se relatórios utilizando as TIC sobre as indústrias mais destacáveis (alimentária, cosmética e de reciclagem), descrevendo de forma singela os processos que têm lugar nelas.

– QUE6.7. Aplicaram-se as normas de segurança no trabalho de laboratório.

• RA7. Identifica aspectos positivos e negativos do uso da energia nuclear, e descreve os efeitos da contaminação gerada na sua aplicação.

– QUE7.1. Analisaram-se efeitos positivos e negativos do uso da energia nuclear.

– QUE7.2. Diferenciaram-se os processos de fusão e de fisión nuclear.

– QUE7.3. Identificaram-se alguns problemas sobre verteduras nucleares produto de catástrofes naturais ou de má gestão e mal manutenção das centrais nucleares.

– QUE7.4. Argumentou-se sobre a problemática dos resíduos nucleares.

– QUE7.5. Trabalhou-se em equipa e utilizaram-se as TIC.

• RA8. Identifica as mudanças que se produzem no planeta Terra argumentando as suas causas e tendo em conta as diferenças entre relevo e paisagem.

– QUE8.1. Identificaram-se os agentes geológicos externos e qual é a sua acção sobre o relevo.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os tipos de meteorización e identificaram-se as suas consequências no relevo.

– QUE8.3. Analisou-se o processo de erosão, reconhecendo os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.4. Descreveu-se o processo de transporte discriminando os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.5. Analisou-se o processo de sedimentación discriminando os agentes geológicos externos que intervêm, as situações e as consequências no relevo.

• RA9. Categoriza os poluentes atmosféricos principais identificando as suas origens e relacionando-as com os seus efeitos.

– QUE9.1. Reconheceram-se os fenômenos da contaminação atmosférica e os principais agentes que a causam.

– QUE9.2. Investigou-se sobre o fenômeno da chuva ácida, as suas consequências imediatas e futuras, e como seria possível evitá-la.

– QUE9.3. Descreveu-se o efeito estufa argumentando as suas causas ou agentes que contribuem a ele, assim como as medidas para a sua redução.

– QUE9.4. Descreveu-se a problemática que ocasiona a perda paulatina da camada de ozónio e as consequências para a saúde das pessoas, o equilíbrio da hidrosfera e as povoações.

• RA10. Identifica os poluentes da água tendo em conta a relação entre o seu efeito no ambiente e o seu tratamento de depuração.

– QUE10.1. Reconheceu-se e valorou-se o papel da água na existência e na sobrevivência da vida no planeta.

– QUE10.2. Identificou-se o efeito nocivo da contaminação dos acuíferos nas povoações de seres vivos.

– QUE10.3. Identificaram-se possíveis poluentes em amostras de água de diferente origem, planificando e realizando ensaios de laboratório.

– QUE10.4. Analisaram-se os efeitos produzidos pela contaminação da água e o uso responsável desta.

• RA11. Contribui ao equilíbrio ambiental, analisando e argumentando as linhas básicas sobre o desenvolvimento sustentável e propondo acções para a sua melhora e a sua conservação.

– QUE11.1. Analisaram-se os envolvimentos positivos de um desenvolvimento sustentável.

– QUE11.2. Propuseram-se medidas elementares encaminhadas a favorecer o desenvolvimento sustentável.

– QUE11.3. Desenharam-se estratégias básicas para possibilitar a manutenção do ambiente.

– QUE11.4. Trabalhou-se em equipa na identificação dos objectivos para a melhora ambiental.

• RA12. Relaciona as forças que aparecem em situações habituais com os efeitos produzidos tendo em conta o seu contributo ao movimento ou ao repouso dos objectos e as magnitudes postas em jogo.

– QUE12.1. Discrimináronse movimentos quotidianos em função da sua trajectória e da sua celeridade.

– QUE12.2. Relacionaram-se entre sim a distância percorrida, a velocidade, o tempo e a aceleração, expressando-as em unidades de uso habitual.

– QUE12.3. Representaram-se vectorialmente determinadas magnitudes como a velocidade e a aceleração.

– QUE12.4. Relacionaram-se os parâmetros que definem o movimento rectilíneo uniforme utilizando as expressões gráfica e matemática.

– QUE12.5. Realizaram-se cálculos singelos de velocidades em movimentos com aceleração constante.

– QUE12.6. Descreveu-se a relação causa e efeito em diferentes situações, para encontrar a relação entre forças e movimentos.

– QUE12.7. Aplicaram-se as leis de Newton em situações da vida quotidiana.

• RA13. Identifica os aspectos básicos da produção, o transporte e a utilização da energia eléctrica, e os factores que intervêm no seu consumo, descrevendo as mudanças produzidas e as magnitudes e valores característicos.

– QUE13.1. Identificaram-se e manejaram-se as magnitudes físicas básicas para ter em conta no consumo de electricidade na vida quotidiana.

– QUE13.2. Analisaram-se os hábitos de consumo e de poupança eléctrico e estabeleceram-se linhas de melhora neles.

– QUE13.3. Classificaram-se as centrais eléctricas e descreveu-se a transformação energética nelas.

– QUE13.4. Analisaram-se as vantagens e as desvantaxes das centrais eléctricas.

– QUE13.5. Descreveram-se basicamente as etapas da distribuição da energia eléctrica desde a sua xénese à pessoa utente.

– QUE13.6. Trabalhou-se em equipa na compilación de informação sobre centrais eléctricas em Espanha.

• RA14. Identifica os componentes básicos de circuitos eléctricos singelos, realizando medidas e determinando os valores das magnitudes que os caracterizam.

– QUE14.1. Identificaram-se os elementos básicos de um circuito singelo em relação com os existentes na vida quotidiana.

– QUE14.2. Puseram-se de manifesto os factores dos que depende a resistência de um motorista.

– QUE14.3. Experimentaram-se sobre circuitos elementares as variações de uma magnitude básica em função das mudanças produzidas nas outras.

– QUE14.4. Realizaram-se esquemas de circuitos eléctricos singelos interpretando as situações sobre estes.

– QUE14.5. Descreveram-se e exemplificáronse as variações produzidas nas associações série, paralelo e mistas.

– QUE14.6. Calcularam-se magnitudes eléctricas elementares no contorno habitual de consumo.

4.4.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de equações e de sistemas em situações quotidianas.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, produto, cociente e factor comum.

• Obtenção de valores numéricos em fórmulas. Regra de Ruffini.

• Polinomios: raízes e factorización. Teorema do resto e teorema do factor.

• Resolução alxébrica e gráfica de equações de primeiro e de segundo grau.

• Resolução de sistemas de equações singelos.

• Técnicas de resolução de problemas com equações e sistemas.

• Linguagem alxébrica. Precisão e simplicidade na tradução de situações reais.

BC2. Resolução de problemas singelos.

• Método científico.

• Fases do método científico: observação, elaboração de hipóteses, experimentação, análise de resultados, e leis ou teorias.

• Aplicação das fases do método científico a situações singelas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação, respeito e ordem. Elaboração de relatórios.

BC3. Realização de medidas em figuras xeométricas.

• Pontos e rectas.

• Rectas secantes e paralelas.

• Ângulo: medida.

• Polígonos: descrição dos seus elementos e classificação.

• Triángulos. Semelhança; teoremas de Tais e de Pitágoras.

• Circunferencia e os seus elementos. Medida e cálculo de comprimentos, áreas e volumes. Asignação de unidades.

• Cálculo de medidas indirectas. Semelhanças; descomposição em figuras mais simples.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação e respeito. Apresentação de resultados.

• Uso de aplicações informáticas de xeometría dinâmica para o estudo e a representação de figuras xeométricas.

BC4. Interpretação de gráficos.

• Interpretação de um fenômeno descrito mediante um enunciado, uma tabela, uma gráfica ou uma expressão analítica.

• Funções lineais. Equação da recta.

• Funções cuadráticas. Representação gráfica.

• Representação gráfica da função inversa e da função exponencial.

• Uso de aplicações informáticas para a representação, a simulação e a análise da gráfica de uma função.

• Estatística. Tabelas e gráficos estatísticos. Medidas de centralización e dispersão.

• Cálculo de probabilidades. Propriedades dos acontecimentos e da probabilidade. Resolução de problemas.

BC5. Aplicação de técnicas físicas ou químicas.

• Material básico no laboratório. Inventário.

• Normas de trabalho no laboratório.

• Medida de magnitudes fundamentais: comprimento, massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.

• Reconhecimento de biomoléculas orgânicas e inorgánicas.

• Microscopio óptico e lupa binocular: fundamentos ópticos e manejo; utilização para descrever a célula e os tecidos animais e vegetais.

• Relatórios de trabalho no laboratório: estrutura e formato.

BC6. Reconhecimento de reacções químicas quotidianas.

• Reacção química. Componentes e processos. Ensaios de laboratório.

• Condições de produção das reacções químicas: intervenção de energia.

• Reacções químicas em âmbitos da vida quotidiana, da natureza e na indústria.

• Reacções químicas básicas: combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica.

• Processos que têm lugar nas indústrias mais destacáveis (alimentárias, cosmética e de reciclagem).

• Normas de segurança no trabalho de laboratório.

BC7. Identificação de aspectos relativos à contaminação nuclear.

• Origem da energia nuclear.

• Tipos de processos para a obtenção e o uso da energia nuclear: fusão e fisión.

• Resíduos radiactivos provenientes das centrais nucleares: problemática da sua gestão e do seu tratamento.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC8. Identificação das mudanças no relevo e na paisagem da Terra.

• Agentes geológicos externos e internos.

• Acção dos agentes geológicos externos: meteorización, erosão, transporte e sedimentación.

• Identificação dos resultados da acção dos agentes geológicos.

• Relevo e paisagem. Factores condicionante.

BC9. Categorización dos poluentes atmosféricos principais.

• Conceito.

• Chuva ácida.

• Efeito estufa.

• Destruição da camada de ozónio.

BC10. Identificação de poluentes da água.

• Água: factor essencial para a vinda no planeta.

• Contaminação da água: causas e efeitos.

• Tratamentos de depuração e potabilización de água.

• Métodos de armazenamento da água proveniente dos desxeamentos, as descargas fluviais e a chuva.

BC11. Equilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável.

• Conceito e aplicações do desenvolvimento sustentável.

• Factores que incidem sobre a conservação do ambiente.

• Acções que contribuem à manutenção e a melhora do equilíbrio ambiental.

BC12. Influência das forças sobre o estado de repouso e de movimento dos corpos.

• Classificação dos movimentos segundo a sua trajectória e a sua aceleração.

• Distância percorrida, velocidade e aceleração. Unidades do Sistema internacional e mais habituais. Cálculos em movimentos com aceleração constante.

• Magnitudes escalares e vectoriais: distância percorrida, velocidade e aceleração.

• Movimento rectilíneo uniforme: características. Interpretação gráfica.

• Força: resultado de uma interacção. Relação entre forças e movimentos.

• Representação de forças aplicadas a um sólido em situações habituais. Resultante.

• Leis de Newton.

BC13. Produção e utilização da energia eléctrica.

• Electricidade e desenvolvimento tecnológico.

• Matéria e electricidade.

• Magnitudes básicas manejadas no consumo de electricidade: energia e potência. Aplicações na vida quotidiana: interpretação do recebo da luz.

• Hábitos de consumo e poupança de electricidade.

• Sistemas de produção de energia eléctrica: tipos de centrais eléctricas, as suas vantagens e as suas desvantaxes.

• Transporte e distribuição da energia eléctrica: etapas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades; elaboração de relatórios.

BC14. Identificação componentes de circuitos básicos.

• Elementos de um circuito eléctrico.

• Componentes básicos de um circuito eléctrico. Cálculo da resistência de um motorista.

• Elaboração e interpretação de esquemas eléctricos.

• Circuitos série, paralelo e misto.

• Magnitudes eléctricas básicas.

• Realização de medidas experimentais de resistência, voltaxe e intensidade.

• Cálculo da energia consumida e da potência dissipada nos componentes eléctricos.

4.4.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que, utilizando os passos do razoamento científico, basicamente a observação e a experimentação, o estudantado aprenda a interpretar fenômenos naturais e, do mesmo modo, possa afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da sua vida quotidiana.

Igualmente, forma-se para que utilize a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de diferente índole, aplicados a qualquer situação, na sua vida quotidiana e na sua vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a física e a química, a biologia e a geoloxia, enfocarase aos conceitos principais e aos princípios das ciências, involucrando o estudantado na solução de problemas e noutras tarefas significativas, e permitir-lhe-á trabalhar de forma autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais p), q), r), s), t), x), y), z), aa), bb), cc), dd), ee) e ff) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais n), ñ), o), p), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

– Interpretação de gráficos e curvas.

– Aplicação, quando proceda, do método científico.

– Valoração do ambiente e da influência dos poluentes.

– Características da energia nuclear.

– Aplicação de procedimentos físicos e químicos elementares.

– Realização de exercícios de expressão oral.

– Representação de forças.

4.5. Módulo profissional: Redes de evacuação.

• Código: MP3023.

• Duração: 157 horas.

4.5.1. Unidade formativa 1: Implantação de redes de evacuação.

• Código: MP3023_12.

• Duração: 57 horas.

4.5.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Acondiciona a zona de trabalho, descreve as operações que cumpra realizar e identifica equipamentos e materiais.

– QUE1.1. Interpretou-se a documentação gráfica.

– QUE1.2. Reconheceram-se os elementos que haja que instalar.

– QUE1.3. Extraiu-se a informação destacável para levar a cabo a preparação da zona de trabalho.

– QUE1.4. Identificaram-se as operações que se vão realizar.

– QUE1.5. Limpou-se o contorno das zonas em que se vão realizar os trabalhos.

– QUE1.6. Aprovisionáronse os materiais, os equipamentos e as ferramentas.

– QUE1.7. Realizaram-se operações de abertura de rozas.

– QUE1.8. Classificaram-se os resíduos de abertura de rozas.

– QUE1.9. Abriram-se e compactáronse gabias no terreno.

– QUE1.10. Mantiveram-se as zonas de trabalho da sua responsabilidade em condições de ordem, limpeza e segurança.

– QUE1.11. Aplicaram-se as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

– QUE1.12. Operou-se com autonomia nas actividades propostas.

4.5.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Acondicionamento da zona de trabalho e aprovisionamento de materiais.

• Sistemas de unidades. Medida de magnitudes. Comprimentos, superfícies e volumes, pressões e temperaturas.

• Representação gráfica (manual) de instalações de redes de evacuação. Interpretação de escalas.

• Manejo de equipamentos de medida.

• Identificação de componentes.

• Manejo de ferramentas portátiles.

• Técnicas de marcação de caixas e rozas.

• Técnicas de classificação dos resíduos.

• Técnicas de evacuação de resíduos.

• Marcação de elementos.

• Ordem de desmontaxe e montagem de elementos.

• Condições de segurança.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

4.5.2. Unidade formativa 2: Montagem e manutenção de redes de evacuação de água.

• Código: MP3023_22.

• Duração: 100 horas.

4.5.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Monta redes gerais de evacuação de água, tendo em conta a função que realiza cada componente.

– QUE1.1. Descreveu-se a função de cada elemento no conjunto da instalação.

– QUE1.2. Identificou-se o sistema de montagem (vertical, horizontal, pendentes, conexões, etc.).

– QUE1.3. Fez-se a implantação da instalação.

– QUE1.4. Realizou-se a montagem da estrutura necessária (estada, trabalho vertical e suxeiccións) para a instalação de evacuação de água.

– QUE1.5. Montaram-se os elementos (pechamentos hidráulicos, baixantes, contentores pendurados, elementos de conexão, etc.) de uma rede geral de evacuação de um edifício ou de uma habitação tipo.

– QUE1.6. Montaram-se os elementos (pechamentos hidráulicos, baixantes, contentores pendurados, elementos de conexão, fosa séptica, etc.) de uma habitação unifamiliar.

– QUE1.7. Preparou-se o morteiro necessário para a sujeição das conduções tendo em conta a ausência de vibrações e o isolamento acústico.

– QUE1.8. Conectaram-se os elementos da instalação.

– QUE1.9. Realizaram-se provas de funcionamento.

– QUE1.10. Colaborou-se com os/com as colegas/as para a realização dos trabalhos.

– QUE1.11. Aplicaram-se as medidas requeridas pela legislação de tratamento de águas.

– QUE1.12. Retirou-se o material sobrante e classificou para o seu aproveitamento ou a sua reciclagem.

• RA2. Monta redes de evacuação de águas pluviais, tendo em conta a função que realiza cada componente.

– QUE2.1. Descreveu-se a função de cada elemento no conjunto da instalação e o seu sistema de montagem (vertical, horizontal, pendentes, conexões, etc.).

– QUE2.2. Identificou-se o sistema de montagem (vertical, horizontal, pendentes, conexões, etc.).

– QUE2.3. Fez-se a implantação da instalação.

– QUE2.4. Montaram-se as conduções de uma rede de evacuação de águas pluviais de evacuação de um edifício ou de uma habitação tipo (canlóns, baixantes, contentores pendurados ou soterrados, elementos de conexão, etc.).

– QUE2.5. Aplicaram-se técnicas de ancoraxe e sujeição, e as normas de segurança estabelecidas.

– QUE2.6. Realizaram-se operações de conexão dos elementos da rede de evacuação à rede geral (contentores, arquetas, poços, etc.).

– QUE2.7. Realizaram-se provas de funcionamento.

– QUE2.8. Colaborou-se com os/com as colegas/as para a realização dos trabalhos.

– QUE2.9. Retirou-se o material sobrante e classificou para o seu aproveitamento ou a sua reciclagem.

– QUE2.10. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

• RA3. Monta redes de evacuação de águas residuais, tendo em conta a função que realiza cada componente.

– QUE3.1. Descreveu-se a função de cada elemento no conjunto de uma instalação de evacuação de águas residuais.

– QUE3.2. Identificou-se o sistema de montagem (vertical, horizontal, pendentes, conexões, etc.).

– QUE3.3. Fez-se a implantação da instalação.

– QUE3.4. Uniram-se e tenderam-se as tubaxes de evacuação de águas residuais apresentando desde cada equipamento sanitário ao contentor ou à baixante correspondente, seguindo as instruções correspondentes.

– QUE3.5. Uniu-se cada condução da rede de evacuação de águas residuais de um quarto de banho a cada equipamento sanitário ou elemento terminal.

– QUE3.6. Insonorizáronse as tubaxes de evacuação.

– QUE3.7. Conectou-se a rede de evacuação de águas residuais aos elementos (contentores, arquetas, poços, etc.) da rede geral de evacuação do edifício, seguindo a normativa correspondente.

– QUE3.8. Realizaram-se provas de funcionamento.

– QUE3.9. Colaborou-se com os/com as colegas/as para a realização dos trabalhos.

– QUE3.10. Retirou-se o material sobrante e classificou para o seu aproveitamento ou a sua reciclagem.

– QUE3.11. Aplicaram-se as medidas requeridas pela legislação de tratamento de águas.

• RA4. Mantém redes de evacuação de águas, e associa as disfunções com a sua possível causa.

– QUE4.1. Descreveram-se as possíveis disfunções que podem apresentar as redes gerais de evacuação, as redes de águas pluviais e as redes de águas residuais.

– QUE4.2. Relacionaram-se as disfunções das redes com as operações de manutenção.

– QUE4.3. Seleccionaram-se equipamentos, ferramentas e utensilios necessários para as operações de manutenção.

– QUE4.4. Realizaram-se operações de reparação e manutenção de instalações das redes conforme a normativa.

– QUE4.5. Realizaram-se provas de funcionamento.

– QUE4.6. Aplicaram-se as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

– QUE4.7. Aplicaram-se as medidas requeridas pela legislação de tratamento de águas.

– QUE4.8. Retirou-se o material sobrante e classificou para o seu aproveitamento ou a sua reciclagem.

4.5.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Montagem de redes gerais de evacuação de águas.

• Tipoloxía das instalações de evacuação de águas.

• Características dos materiais das tubaxes.

• Configurações dos sistemas de evacuação.

• Elementos que compõem as instalações.

• Técnicas de montagem e união de tubaxes plásticas, de gres e de fundición.

• Especificações de prevenção de riscos laborais na montagem.

• Legislação sobre tratamento de águas.

BC2. Montagem de redes de evacuação de águas pluviais.

• Tipoloxía das instalações de evacuação de águas pluviais.

• Características dos materiais das tubaxes.

• Configurações dos sistemas de evacuação.

• Elementos que compõem as instalações.

• Técnicas de montagem e união de canlóns e tubaxes.

• Sistemas de sujeição.

• Provas de estanquidade.

• Instalações de recuperação da água de chuva.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

BC3. Montagem de redes de evacuação de águas residuais.

• Tipoloxía das instalações de evacuação de águas residuais.

• Características dos materiais das tubaxes.

• Configurações dos sistemas de evacuação.

• Elementos que compõem as instalações.

• Técnicas de montagem e união.

• Provas de estanquidade.

• Legislação sobre tratamento de águas.

BC4. Manutenção de redes de evacuação.

• Comprovações periódicas de estanquidade.

• Revisão de sifóns e válvulas.

• Diminuição de caudais.

• Eliminação de atascos.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

• Legislação sobre tratamento de águas.

4.5.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função de montagem e manutenção de redes de evacuação de águas.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Acondicionamento da zona de trabalho.

– Montagem de redes gerais de evacuação de água.

– Montagem de redes de evacuação de águas pluviais.

– Monta de redes de evacuação de águas residuais.

– Conservação de redes de evacuação de águas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), l), o), x), y), z), aa), bb), cc), dd), ee) e ff) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), b), f), h), k), l), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Selecção de materiais e equipamentos para a execução de instalações de evacuação de águas.

– Técnicas de união e montagem de instalações de evacuação de águas.

– Procedimentos para a manutenção e a conservação de redes de evacuação de águas.

Sugere-se começar pelo estudo do sistema de unidades e continuar com a representação gráfica de redes de evacuação e as suas escalas. A seguir recomenda-se seguir com a implantação da instalação e, por último, com a montagem da instalação.

4.6. Módulo profissional: Fontanaría e calefacção básica.

• Código: MP3024.

• Duração: 157 horas.

4.6.1. Unidade formativa 1: Operações básicas de instalação em fontanaría.

• Código: MP3024_13.

• Duração: 75 horas.

4.6.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Elabora orçamentos, identificando o custo dos materiais e dos recursos, para uma instalação tipo numa habitação ou num edifício.

– QUE1.1. Relacionaram-se os elementos da instalação com a documentação gráfica.

– QUE1.2. Estimou-se o tempo necessário para executar as instalações.

– QUE1.3. Determinaram-se os equipamentos de trabalho necessários para realizar as instalações.

– QUE1.4. Compararam-se equipamentos e elementos de diversos subministradores mediante catálogos físicos ou virtuais.

– QUE1.5. Identificou-se o material para empregar nas tubaxes e o sistema de instalação mais adequado.

– QUE1.6. Valorou-se o montante dos materiais que se vão instalar.

– QUE1.7. Valorou-se o custo da desmontaxe de instalações existentes.

– QUE1.8. Confeccionouse o orçamento utilizando meios informáticos.

– QUE1.9. Tiveram-se em consideração os requisitos das especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

• RA2. Prepara as zonas de trabalho identificando as operações que se vão realizar, os equipamentos e os materiais na oficina de instalações.

– QUE2.1. Localizou-se o lugar concreto onde se instala cada equipamento ou tubaxe.

– QUE2.2. Marcou-se nos paramentos o traçado das conduções.

– QUE2.3. Realizaram-se operações de albanelaría básica nas zonas de trabalho.

– QUE2.4. Realizaram-se as tradeaduras necessárias para os elementos de fixação das sujeição das tubaxes.

– QUE2.5. Realizaram-se as rozas para o acople de tubaxes.

– QUE2.6. Realizou-se a recolhida selectiva de resíduos.

– QUE2.7. Acondicionáronse as superfícies.

– QUE2.8. Realizaram-se os trabalhos com ordem e limpeza.

– QUE2.9. Aprovisionáronse os restos de materiais para a sua posterior retirada.

– QUE2.10. Utilizaram-se os elementos de protecção necessários.

– QUE2.11. Tiveram-se em conta as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

• RA3. Monta redes de subministração de água a edifícios, tendo em conta a função de cada componente da instalação na oficina de instalações.

– QUE3.1. Identificou-se o percurso das tubaxes de subministração de água.

– QUE3.2. Seleccionou-se o tipo de tubaxe mais adequado para cada instalação (cobre, polipropileno, polibutileno, polietileno reticulado ou multicapa), assim como os seus accesorios.

– QUE3.3. Seleccionou-se o illante mais adequado a cada tipo de tubaxe segundo a normativa vigente.

– QUE3.4. Seleccionou-se o sistema de união das tubaxes (embutidas, soldadas, pegadas, etc.).

– QUE3.5. Seleccionou-se o sistema de protecção mecânica para as tubaxes (tubo corrugado, etc.).

– QUE3.6. Aprovisionáronse os materiais e os elementos necessários para realizar a massa para tampar as tubaxes.

– QUE3.7. Montaram-se os elementos de sujeição das tubaxes.

– QUE3.8. Montaram-se as tubaxes aos elementos de sujeição ou acoplaram-se nas rozas realizadas.

– QUE3.9. Uniram-se as tubaxes utilizando o sistema que corresponda a cada material.

– QUE3.10. Realizaram-se as operações de albanelaría necessárias para finalizar o encaixe das tubaxes.

– QUE3.11. Realizaram-se as provas que indica a normativa sobre as instalações interiores e as instalações de AQS.

– QUE3.12. Manteve-se limpa e ordenada a zona de trabalho.

– QUE3.13. Utilizaram-se os elementos de protecção adequados aos trabalhos.

– QUE3.14. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais requeridas.

• RA4. Monta aparelhos sanitários, identificando a sequência de operações de montagem e posta em marcha segundo a instalação proposta, para a montagem na oficina de instalações.

– QUE4.1. Relacionou-se a documentação técnica com os elementos que haja que instalar (lavabos, inodoros, pratos de ducha, bañeiras, vertedoiros, lavapratos, cabines de hidromasaxe ou saunas).

– QUE4.2. Descreveram-se as principais características dos aparelhos sanitários (caudal, diámetro das conexões, etc.).

– QUE4.3. Aprovisionáronse as ferramentas e os materiais necessários para realizar a montagem dos aparelhos.

– QUE4.4. Apresentaram-se os aparelhos no lugar que ocuparão na instalação.

– QUE4.5. Montaram-se os suportes e as fixações dos aparelhos.

– QUE4.6. Montaram-se e conectaram-se os aparelhos sanitários às tubaxes correspondentes (abastecimentos, desaugadoiros, sifóns e filtros).

– QUE4.7. Montaram-se e regularam-se as billas de cada aparelho sanitário (cisternas fluxores, billas e economizadores).

– QUE4.8. Realizaram-se as provas de estanquidade sobre as instalações conforme a normativa.

– QUE4.9. Montaram-se e conectaram-se termos eléctricos, termos com bomba de calor, quentadores de gás e eléctricos para produção de AQS, conforme a normativa.

– QUE4.10. Aplicaram-se critérios de segurança no transporte e na manipulação dos ónus.

– QUE4.11. Colaborou-se com os/com as colegas/as na montagem dos equipamentos.

• RA5. Realiza instalações de rega automática distribuindo os elementos e aplicando técnicas básicas de montagem na oficina de instalações.

– QUE5.1. Configurou-se a instalação em função da área de rega.

– QUE5.2. Seleccionaram-se os elementos necessários para acometer a instalação de rega (tubaxes, aspersores, programadores e bombas).

– QUE5.3. Aprovisionáronse os materiais, as ferramentas e os equipamentos.

– QUE5.4. Realizaram-se as gabias na parcela objecto da instalação.

– QUE5.5. Tenderam-se e conectaram-se as tubaxes segundo as instruções de montagem.

– QUE5.6. Cobriram-se as gabias e deixou-se o terreno nivelado.

– QUE5.7. Realizaram-se provas de estanquidade e alcance da instalação.

– QUE5.8. Aprovisionouse o material sobrante para o seu posterior aproveitamento ou a reciclagem.

– QUE5.9. Utilizaram-se as medidas de segurança requeridas para realizar as instalações.

– QUE5.10. Aplicaram-se as medidas ambientais requeridas.

4.6.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Elaboração de orçamentos.

• Medições.

• Estimação do custo dos materiais.

• Estimação de tempos de trabalho.

• Aplicação das tecnologias da informação e da comunicação na elaboração de orçamentos.

• Requisitos da aplicação das especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

BC2. Montagem de redes de subministração de água.

• Sistemas de instalação.

• Execução de redes de tubaxes.

• Protecções: térmicas, contra esforços mecânicos e contra ruídos.

• Características dos materiais das tubaxes.

• Rede de água fria.

• Instalação de água quente sanitária.

• Elementos que compõem a rede de água fria.

• Sistemas de tratamento de água.

• Instalações de água quente sanitária: termos eléctricos, quentadores de gás, termos com bomba de calor e quentadores eléctricos.

• Protecção contra retornos.

• Técnicas de montagem e união de tubaxes plásticas, de gres e de fundición (cobre, polipropileno, polibutileno, polietileno reticulado e multicapa): pegadas, embutidas, soldadas, etc.

• Medidas de prevenção de riscos laborais aplicável.

BC3. Acondicionamento da zona de trabalho.

• Sistemas de unidades. Medida de magnitudes. Comprimentos, superfícies, volumes e pressão.

• Manejo de equipamentos de medida.

• Interpretação de planos.

• Manejo de ferramentas portátiles.

• Técnicas de marcação de ocos e rozas.

• Técnicas de classificação dos resíduos.

• Técnicas de evacuação de resíduos.

• Marcação de elementos.

• Ordem de desmontaxe e montagem de elementos.

• Condições de segurança.

BC4. Montagem de aparelhos sanitários.

• Interpretação de planos e documentação técnica.

• Aparelhos sanitários (lavabos, inodoros, pratos de ducha, bañeiras, vertedoiros e lavapratos): tipoloxía.

• Técnicas de montagem de aparelhos sanitários.

• Billas (fluxores, billas, filtros e economizadores): tipos; regulação.

• Medidas de segurança aplicável.

BC5. Realização de instalações de rega automática.

• Instalações de rega automática.

• Tipos de aspersores.

• Configuração de instalações de rega automática.

• Elementos constituíntes de uma instalação de rega.

• Características dos materiais das tubaxes.

• Técnicas de montagem e união de tubaxes plásticas.

• Especificações ambientais aplicável.

4.6.2. Unidade formativa 2: Operações básicas de instalação em calefacção.

• Código: MP3024_23.

• Duração: 52 horas.

4.6.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Monta instalações de calefacção, e identifica os elementos e a sua função na instalação.

– QUE1.1. Compilouse a documentação técnica destacável a modo de trabalho sobre uma instalação tipo de calefacção numa habitação ou num edifício tipo.

– QUE1.2. Interpretou-se a documentação gráfica (planos e esquemas) dos elementos implicados na instalação e o sistema de instalação (monotubo, bitubo, chão radiante, etc.).

– QUE1.3. Aprovisionáronse as ferramentas (cortatubos para diferentes tubaxes, chaves fixas, alicates, bico de loro, desaparafusadores, lámpadas de gás, soldadura branda, equipamento de soldadura por termofusión para polipropileno, equipamento de pressão para multicapa, polietileno) e os equipamentos necessários (tubaxes, radiadores, unitermos, fancoils, válvulas, caldeiras, bombas de calor aerotérmicas e xeotérmicas, e bombas recirculadoras).

– QUE1.4. Descreveu-se a função de cada elemento (radiadores, chão radiante, unitermos, fancoils e geradores de calor), assim como os seus elementos de controlo (termóstatos e válvulas), para instalar no conjunto da instalação tipo proposta para montar na oficina de instalações.

– QUE1.5. Fixaram-se aos paramentos os elementos de sujeição dos equipamentos e das tubaxes que se vão instalar.

– QUE1.6. Uniram-se e tenderam-se as tubaxes do sistema de emissão (radiadores, aerotermos ou chão radiante).

– QUE1.7. Conectaram-se os elementos terminais ao equipamento de produção de calor.

– QUE1.8. Realizou-se a conexão eléctrica para o funcionamento da instalação (caldeiras, termóstatos e válvulas de zona).

– QUE1.9. Realizaram-se as provas de pressão conforme a normativa.

– QUE1.10. Aprovisionouse o material sobrante para o seu posterior aproveitamento ou a sua reciclagem.

– QUE1.11. Utilizaram-se as medidas de segurança requeridas para realizar as instalações.

– QUE1.12. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

4.6.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Montagem de instalações de calefacção.

• Conceitos básicos de electricidade aplicada ao controlo de uma instalação de calefacção formada por uma caldeira, uma bomba recircualdora para calefacção, dois termóstatos de zona e um termóstato de AQS.

• Sistemas de instalação: esquemas hidráulicos e eléctricos de instalações tipo em calefacção.

• Execução de redes de tubaxes para instalações de calefacção. Técnicas de montagem e união de tubaxes plásticas e metálicas.

• Características dos materiais das tubaxes.

• Elementos que compõem a instalação de calefacção.

• Provas: de estanquidade e de resistência mecânica.

• Ajuste e equilibraxe em circuitos de água para calefacção.

• Especificações de prevenção de riscos laborais aplicável.

4.6.3. Unidade formativa 3: Operações básicas de manutenção em instalações de fontanaría e calefacção.

• Código: MP3024_33.

• Duração: 30 horas.

4.6.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Mantém instalações de redes de subministração de água e calefacção identificando as operações que se vão realizar, tendo em conta a relação entre as disfunções e as suas possíveis soluções.

– QUE1.1. Aplicou-se a normativa específica para cada tipo de instalação.

– QUE1.2. Preparou-se o material e os equipamentos necessários.

– QUE1.3. Prepararam-se os equipamentos de prevenção de riscos necessários.

– QUE1.4. Realizou-se o baleiramento das instalações.

– QUE1.5. Lavaram-se as instalações depois do seu baleiramento.

– QUE1.6. Realizou-se a enchedura das instalações.

– QUE1.7. Realizou-se a manutenção das instalações seguindo critérios hixiénico-sanitários.

– QUE1.8. Realizaram-se provas de funcionamento.

– QUE1.9. Aplicaram-se técnicas de poupança de água e de eficiência energética.

– QUE1.10. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

4.6.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Manutenção de redes de subministração de água e calefacção.

• Medidas para tomar ante interrupção do serviço.

• Nova posta em serviço.

• Avarias e reparação.

• Instalações de calefacção.

• Programa de manutenção.

• Revisão e limpeza de filtros.

• Revisão de bombas.

• Revisão do estado do isolamento térmico.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

4.6.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função de montagem de instalações de fontanaría e calefacção básica.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Elaboração de orçamentos.

– Preparação das zonas de trabalho.

– Montagem de redes de subministração de água.

– Montagem de instalações de rega automática.

– Montagem de instalações de calefacção básica.

– Montagem de aparelhos sanitários.

– Manutenção de instalações de subministração de água e calefacção.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), e), f), g), h), i), o), x), y), z), aa), bb), cc), dd), ee) e ff) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), b), c), d), e), k), l), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Selecção de materiais e equipamentos para a execução de instalações de subministração de água e calefacção.

– Técnicas de união e montagem de tubaxes e equipamentos de instalações de água e calefacção.

– Procedimentos para a manutenção e a conservação de instalações de fontanaría e calefacção.

Sugere-se começar seguindo a ordem estabelecida nas unidades formativas realizando em cada uma o orçamento sobre um plano dado, a desagregação de material e as ordens de pedido. A seguir passa à oficina de instalações a realizar as implantações, a montagem, as provas correspondentes e a posta em marcha. Depois de realizadas as duas primeiras unidades formativas, proceder-se-á a realizar a terceira unidade formativa.

4.7. Módulo profissional: Montagem de equipamentos de climatização.

• Código: MP3025.

• Duração: 97 horas.

4.7.1. Unidade formativa 1: Operações básicas em instalações de ventilação.

• Código: MP3025_12.

• Duração: 49 horas.

4.7.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Instala equipamentos de ventilação e conduções de ar, e descreve o seu funcionamento e a sequência de operações.

– QUE1.1. Compilouse a documentação técnica destacável e, sobre o plano de uma instalação de ventilação uma habitação ou edifício tipo, elaborou-se um orçamento e uma folha de pedido de material para a sua posterior montagem na oficina de instalações.

– QUE1.2. Identificaram-se elementos, dimensões e características dos condutos que se vão instalar.

– QUE1.3. Relacionou-se o traçado da instalação com as perdas de ónus.

– QUE1.4. Reconheceram-se as principais características dos equipamentos de ventilação.

– QUE1.5. Construíram-se os condutos de uma rede de distribuição de ar (em chapa, fibra de vidro ou PVC).

– QUE1.6. Realizaram-se operações de montagem de condutos e elementos.

– QUE1.7. Realizaram-se provas de funcionamento da instalação de ventilação.

– QUE1.8. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais requeridas.

– QUE1.9. Colaborou-se com os/com as colegas/as na montagem das instalações.

– QUE1.10. Recolheu-se a zona de trabalho e aprovisionáronse os materiais sobrantes para a sua reutilização ou a sua reciclagem.

• RA2. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados da montagem de instalações de ventilação.

– QUE2.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para a montagem de instalações de ventilação.

– QUE2.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso na montagem de instalações de ventilação.

– QUE2.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com a montagem de instalações de ventilação.

• RA3. Monta suportes para unidades exteriores identificando e aplicando as normas de segurança.

– QUE3.1. Interpretou-se a documentação gráfica e reconheceram-se os elementos que haja que instalar.

– QUE3.2. Seleccionaram-se os elementos de sujeição que há que utilizar para a montagem de unidades exteriores.

– QUE3.3. Avaliou-se o risco associado às operações de montagem que se vão realizar.

– QUE3.4. Seleccionaram-se os equipamentos de protecção necessários para realizar a montagem.

– QUE3.5. Montaram-se os elementos de segurança necessários para este tipo de instalação.

– QUE3.6. Montaram-se os suportes de sujeição das unidades exteriores.

– QUE3.7. Comprovou-se a fiabilidade da montagem das sujeição.

– QUE3.8. Aplicaram-se as especificações de prevenção de riscos laborais requeridas nas operações de montagem.

– QUE3.9. Colaborou-se com os/com as colegas/as na montagem das sujeição.

4.7.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Instalação de equipamentos de ventilação e condutos de ar.

• Interpretação de documentação técnica (perdas de ónus, velocidades, diámetros de condutos, grades, difusores, etc.).

• Ventiladores: tipos e características.

• Grades e difusores: tipos e características.

• Técnicas de montagem de ventiladores.

• Construção de condutos (em chapa ou fibra de vidro).

• Ferramentas para a construção de condutos (cortadoras de chapa, encartadoras e ferramentas manuais para fibra de vidro).

• Montagem de condutos (sistemas para sujeitar e colgar).

• Aplicação das especificações de prevenção de riscos laborais requeridas.

BC2. Iniciativa emprendedora na montagem de instalações de ventilação.

• A pessoa emprendedora na montagem de instalações de ventilação.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação na montagem de instalações de ventilação.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com a montagem de instalações de ventilação.

BC3. Técnicas de segurança na montagem de instalações em altura.

• Riscos derivados da montagem de instalações de climatização.

• Estadas: tipoloxía; montagem e utilização.

• Linha de vida: montagem e utilização.

• Equipamentos de protecção.

• Aplicação das especificações de prevenção de riscos laborais requeridas na montagem.

4.7.2. Unidade formativa 2: Operações básicas para a instalação de equipamentos de climatização.

• Código: MP3025_22.

• Duração: 48 horas.

4.7.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Prepara as zonas de trabalho identificando as operações que se vão realizar, os equipamentos e os materiais na oficina de instalações.

– QUE1.1. Reconheceram-se os elementos que haja que instalar.

– QUE1.2. Interpretou-se a documentação gráfica (debuxos e esbozos), identificando os elementos implicados nas instalações de fontanaría.

– QUE1.3. Identificou-se o lugar de montagem de cada equipamento.

– QUE1.4. Identificou-se o traçado de uma rede de condutos e as dimensões de cada trecho.

– QUE1.5. Prepararam-se os materiais e os equipamentos necessários para realizar as instalações.

– QUE1.6. Realizaram-se as tradeaduras necessárias para a ancoraxe dos elementos de sujeição dos equipamentos ou condutos.

– QUE1.7. Montaram-se os equipamentos de protecção necessários para os riscos que implica a montagem (estadas, linha de vida, etc.).

– QUE1.8. Manteve-se limpa e ordenada a zona de trabalho.

– QUE1.9. Aplicaram-se as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

– QUE1.10. Utilizaram-se os equipamentos de protecção necessários para realizar os trabalhos com segurança.

• RA2. Prepara os materiais e os equipamentos necessários para a montagem das instalações.

– QUE2.1. Montaram-se as unidades interiores e exteriores de equipamentos de climatização doméstica (bombas de calor ar-ar, ar-água e água-água).

– QUE2.2. Montaram-se as tubaxes de refrixerante e conectaram aos equipamentos.

– QUE2.3. Realizou-se a instalação eléctrica e de controlo para o correcto funcionamento dos equipamentos.

– QUE2.4. Montaram-se dispositivos para a evacuação de condensados.

– QUE2.5. Conectaram-se os desaugadoiros dos equipamentos de climatização doméstica à rede de evacuação.

– QUE2.6. Colaborou-se com os/com as colegas/as na montagem e posta em marcha das instalações.

– QUE2.7. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

– QUE2.8. Recolheu-se a zona de trabalho.

– QUE2.9. Seleccionaram-se os materiais sobrantes para a sua reutilização ou a sua reciclagem.

• RA3. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados da montagem de equipamentos de climatização.

– QUE3.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para a montagem de equipamentos de climatização.

– QUE3.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso na montagem de equipamentos de climatização.

– QUE3.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com a montagem de equipamentos de climatização.

• RA4. Monta equipamentos domésticos de climatização, e descreve o seu funcionamento e a sequência de operações.

– QUE4.1. Documentou-se a interpretação das instalações.

– QUE4.2. Identificou-se a função de cada elemento no conjunto da instalação.

– QUE4.3. Seleccionou-se o sistema de montagem de cada equipamento e tubaxe.

– QUE4.4. Seleccionou-se a canalização eléctrica e os motoristas para a montagem dos equipamentos de climatização.

4.7.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Acondicionamento de zonas de trabalho para instalações de ventilação e climatização doméstica.

• Sistemas de unidades. Medida de magnitudes. Comprimentos, superfícies, volumes, pressão e temperatura.

• Conceitos básicos de electricidade aplicada ao controlo de uma instalação de climatização formada por uma bomba de calor ar-ar, ar-água e água-água, assim como os elementos necessários para o seu correcto funcionamento (termóstatos, radiadores, fancoils, cabezais electrotérmicos e chão radiante, segundo proceda com o equipamento instalado).

• Manejo de equipamentos de medida (termómetros, manómetros e flexómetro).

• Esquemas de instalações. Sobre o esquema de uma instalação tipo de uma habitação ou de um edifício, desenvolvimento do orçamento e o aprovisionamento de materiais para realizar a montagem na oficina de instalações.

• Manejo de ferramentas portátiles (chicharra, curvadoras de tubo, cortatubos, alicates, chaves fixas, flexómetro, balança de ónus, bomba de vazio e detector de fugas).

• Aplicação das especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

BC2. Montagem de equipamentos de climatização doméstica.

• Tipoloxía dos equipamentos.

• Introdução ao manejo de gases refrixerantes (carrega e recuperação).

• Interpretação de documentação técnica.

• Tendido de tubaxes de refrixerante.

• Prova de pressão, esvazio e ónus de refrixerante.

• Evacuação de condensados (bombas de condensados).

• Aplicação das medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

BC3. Iniciativa emprendedora na montagem de equipamentos de climatização.

• A pessoa emprendedora na montagem de equipamentos de climatização.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação na montagem de equipamentos de climatização.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com a montagem de equipamentos de climatização.

BC4. Técnicas de segurança na montagem de instalações em altura.

• Riscos derivados da montagem de instalações de climatização.

• Estadas: tipoloxía; montagem e utilização.

• Linha de vida: montagem e utilização.

• Equipamentos de protecção.

• Aplicação das especificações de prevenção de riscos laborais requeridas na montagem.

4.7.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função de montagem de equipamentos de climatização doméstica e pequenas redes de ventilação.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Preparação das zonas de trabalho.

– Montagem de equipamentos domésticos de climatização.

– Montagem de equipamentos de ventilação e construção de condutos de ar.

– Técnicas de segurança aplicada à montagem de instalações de climatização.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), j), k), o), x), y), z), aa), bb), cc), dd), ee) e ff) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), b), f), g), k), l), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Selecção de materiais e ferramentas para a montagem de equipamentos de climatização doméstica.

– Técnicas de montagem de equipamentos de climatização doméstica.

– Técnicas de construção e montagem de condutos de ventilação.

– Técnicas de segurança face aos riscos inherentes à montagem de instalações de climatização.

Sugere-se começar pelo estudo de um sistema de ventilação formado por um ventilador centrífugo e uma linha de condutos com um cóbado de 90º e quatro grades, o orçamento, o aprovisionamento de materiais e a posterior montagem na oficina de instalações.

A seguir sugere-se realizar o estudo da climatização de uma habitação tipo realizando o orçamento dos equipamentos e o aprovisionamento de materiais necessários para a sua montagem na oficina de instalações (bombas de calor ar-ar, água-água, ar-água, climatizadores, bombas circuladoras, suportes, unidades interiores split parede, baixa silueta, casete e só teito).

4.8. Módulo profissional: Manutenção básica de instalações electrotécnicas em habitações.

• Código: MP3088.

• Duração: 254 horas.

4.8.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Identifica os elementos, as ferramentas e os equipamentos utilizados em instalações eléctricas de habitações, em relação com a sua função e a sua aplicação na instalação.

– QUE1.1. Identificaram-se os tipos de esquemas e planos de uma instalação eléctrica em habitação, segundo o grau de electrificação.

– QUE1.2. Identificaram-se os condutos, os tubos, as canalizações e os accesorios de fixação, segundo o tipo de instalação (acoplada, de superfície, etc.).

– QUE1.3. Identificaram-se os tipos de cabos segundo a sua aplicação nas instalações eléctricas.

– QUE1.4. Classificaram-se as caixas, os registros, os mecanismos (interruptores, conmutadores, tomadas de corrente, etc.) segundo a sua função e a sua aplicação.

– QUE1.5. Identificou-se o quadro geral de mando e protecção segundo o grau de electrificação da habitação.

– QUE1.6. Identificaram-se as luminarias e a sua fonte de luz (fluorescente, halóxena, LED, etc.), em relação com o espacio e onde se vão colocar, e com o seu uso.

– QUE1.7. Identificaram-se a nível básico, sensores, actuadores, equipamentos de controlo e elementos típico utilizados nas instalações domóticas, segundo a sua função e a sua aplicação, consultando catálogos técnicos.

– QUE1.8. Associaram com as operações que se vão realizar as ferramentas seleccionadas e os equipamentos básicos utilizados na montagem e na manutenção.

– QUE1.9. Seleccionaram-se elementos, equipamentos e ferramentas de instalações eléctricas ou domóticas para efectuar a sua montagem e a sua manutenção.

• RA2. Realiza operações de montagem de canalizações, suportes e caixas de instalações eléctricas básicas de baixa tensão e/ou domótica de habitações, efectuando a implantação do traçado e aplicando a técnica de montagem correspondente.

– QUE2.1. Realizou-se o traçado utilizando esbozos e planos básicos de instalações e comprovou-se que se corresponda com os planos.

– QUE2.2. Prepararam-se os espacios destinados às caixas e canalizações.

– QUE2.3. Identificaram-se as ferramentas empregadas segundo o tipo de conduto (tubos, canal, etc.).

– QUE2.4. Aplicaram-se diferentes técnicas na sujeição de tubos e canalizações (mediante tacos e parafusos, abrazadeiras, grampas, fixações químicas, etc.).

– QUE2.5. Realizaram-se uniões de tubos e canais, entre outros, empregando as técnicas e os elementos adequados.

– QUE2.6. Realizaram-se as operações de montagem de canalizações, suportes, caixas de registro da instalação eléctrica e envolvente do quadro geral de mando e protecção, respeitando a sua integridade.

– QUE2.7. Montaram-se as canalizações, os suportes, as caixas de registro e as de conexão de elementos da instalação domótica, respeitando a sua integridade.

– QUE2.8. Realizaram-se os trabalhos utilizando com segurança, ordem e limpeza os equipamentos de protecção individual requeridos, e respeitando as normas de protecção ambiental.

– QUE2.9. Ajustou-se o abastecimento de material, ferramentas e equipamentos ao ritmo das operações que cumpra realizar.

– QUE2.10. Realizaram-se os trabalhos de montagem de forma ordenada e metódica, baixo a supervisão do pessoal técnico responsável.

• RA3. Realiza operações de cableamento entre elementos sob tubo, canalização ou superfície das instalações eléctricas de baixa tensão e/ou domóticas, aplicando técnicas de montagem de acordo com a tipoloxía dos cabos e as características da instalação.

– QUE3.1. Identificaram-se as características principais dos cabos (secção, isolamento, número de por os, cor, etc.).

– QUE3.2. Identificaram-se os tipos de agrupamento de cabos segundo a sua aplicação na instalação (cabos monofío, cabos multifío, mangas, etc.).

– QUE3.3. Relacionaram-se as cores dos cabos com a sua aplicação, de acordo com o código correspondente.

– QUE3.4. Identificaram-se os tipos de guias pasacables mais habituais e a forma de sujeição, e descreveu-se a sua utilização.

– QUE3.5. Aplicaram-se técnicas de sujeição do cabo na guia, em função do tipo de cabo e ocupando o mínimo espacio.

– QUE3.6. Introduziram-se os cabos pelo tubo ou a canalização correspondente sem danar as suas características.

– QUE3.7. Realizou-se o tendido de cabos utilizando a guia pasacables adequada.

– QUE3.8. Aplicou-se a técnica requerida para a montagem de cabos em superfície, assegurando a sua fixação e estética.

– QUE3.9. Prepararam-se os cabos tendidos deixando o comprimento ajeitado para possibilitar a sua conexão e a sua etiquetaxe.

– QUE3.10. Utilizaram-se os equipamentos de protecção individual requeridos.

– QUE3.11. Realizaram-se os trabalhos de cableamento com ordem e limpeza, respeitando as normas de segurança e protecção ambiental.

– QUE3.12. Realizaram-se os trabalhos de cableamento de forma ordenada e metódica, baixo a supervisão do pessoal técnico responsável.

• RA4. Realiza operações de montagem e substituição de mecanismos e elementos das instalações eléctricas e/ou domóticas de habitações, aplicando a técnica de conexão requerida e os elementos de conexão correspondentes.

– QUE4.1. Identificaram-se os mecanismos e os elementos das instalações, e indicou-se a sua função e a sua aplicação.

– QUE4.2. Identificaram-se as principais funções dos mecanismos e dos elementos nas instalações (interruptores, conmutadores, sensores, etc.).

– QUE4.3. Conectaram-se os elementos do quadro geral de mando e protecção, aplicando as técnicas correspondentes.

– QUE4.4. Colocaram-se e fixaram-se mecanismos, detectores, actuadores e equipamentos de controlo das instalações electrotécnicas da habitação, aplicando as técnicas correspondentes.

– QUE4.5. Prepararam-se as terminais de conexão segundo o seu tipo.

– QUE4.6. Conectaram-se os cabos com os mecanismos e os aparelhos eléctricos, assegurando um bom contacto eléctrico e a correspondência entre o cabo e a terminal do aparelho ou mecanismo.

– QUE4.7. Colocaram-se embelecedores e tampas quando assim se requerera.

– QUE4.8. Utilizaram-se as ferramentas e os materiais segundo requisitos e com critérios de segurança.

– QUE4.9. Realizaram-se com ordem e limpeza os trabalhos de montagem e substituição de mecanismos e elementos, respeitando as normas de segurança e protecção ambiental.

– QUE4.10. Realizaram-se de forma ordenada e metódica os trabalhos de montagem e substituição de mecanismos e elementos, baixo a supervisão do pessoal técnico responsável.

• RA5. Comprova o funcionamento de instalações eléctricas e/ou domóticas de habitações, tendo em conta a relação da disfunção produzida com o mecanismo, com o elemento afectado ou com a má conexão.

– QUE5.1. Identificaram-se as avarias tipo em instalações eléctricas e domóticas de habitações, e indicou-se o elemento afectado.

– QUE5.2. Comprovaram-se os efeitos produzidos por uma disfunção ou má conexão dos elementos electrotécnicos no funcionamento da instalação.

– QUE5.3. Comprovou-se o funcionamento eléctrico de elementos de instalações utilizando as ferramentas e os equipamentos requeridos.

– QUE5.4. Comprovou-se o funcionamento da instalação e dos seus elementos, efectuando provas funcional ou comprovações eléctricas elementares.

– QUE5.5. Aplicaram-se as normas de segurança e protecção ambiental nas intervenções realizadas.

– QUE5.6. Realizaram-se de forma ordenada e metódica os trabalhos de verificação, baixo a supervisão do pessoal técnico responsável.

– QUE5.7. Elaborou-se um relatório, utilizando um formato estabelecido, onde se indicam as operações realizadas.

• RA6. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados dos labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

– QUE6.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para os labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

– QUE6.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso nos labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

– QUE6.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com os labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

4.8.2. Conteúdos básicos.

BC1. Identifica os elementos, as ferramentas e os equipamentos utilizados em instalações eléctricas de habitações.

• Características básicas de uma instalação eléctrica em habitação: elementos da instalação de enlace. Graus de electrificação, circuitos, esquemas e planos.

• Tipos de canalizações: acopladas, de superfície, etc.

• Condutos: tubos e canalizações.

• Accesorios de fixação para condutos.

• Cabos eléctricos: tipos e características principais segundo a sua aplicação.

• Caixas, registros e mecanismos (interruptores, conmutadores, tomadas de corrente, etc.): características e aplicações.

• Quadro geral de mando e protecção: tipos, dimensões e características mais importantes.

• Luminarias e a sua fonte de luz (fluorescente, halóxena, LED, etc.).

• Elementos básicos utilizados em instalações domóticas (sensores, actuadores e equipamentos de controlo): função e aplicação.

• Ferramentas e equipamentos utilizados na montagem e na manutenção de instalações: características e modo de emprego.

• Segurança nas instalações eléctricas em habitações. Equipamentos de protecção individual e colectiva.

• Posta a terra das instalações.

• Protecção contra sobrecargas e curtocircuítos.

• Protecção contra sobretensións transitorias e permanentes.

• Protecção contra contactos directos e indirectos. Dispositivos.

BC2. Montagem de canalizações, suportes e caixas em instalações eléctricas de baixa tensão e/ou domóticas em habitações.

• Implantação do traçado.

• Técnicas de montagem em função do tipo de instalação.

• Tradeadura segundo os tipos de superfície.

• Fixações: tipos e características.

• Ferramentas.

• Preparação, mecanizado e execução de quadros ou armarios e canalizações. Médios e equipamentos.

• Médios e equipamentos de segurança. Prevenção de acidentes. Normativa básica de segurança eléctrica em baixa tensão. Riscos em altura.

BC3. Cableamento entre equipamentos e elementos de instalações eléctricas e domóticas de habitações.

• Cabos eléctricos: características principais (secção, isolamento, número de por os, cor, etc.).

• Técnicas de instalação e tendido dos motoristas. Guias pasacables: tipos e características. Precauções.

• Elementos de conexão de cabos. Separação de circuitos. Identificação e etiquetaxe.

• Medidas de segurança e protecção em instalações eléctricas em habitações.

BC4. Substituição e/ou montagem de mecanismos e elementos das instalações eléctricas e domóticas em habitações.

• Interruptores, conmutadores, premedores, etc.: tipos e características.

• Técnicas de montagem e substituição de componentes em instalações: mecanismos, elementos de protecção, tomadas de corrente, receptores eléctricos, elementos domóticos (sensores, actuadores e equipamentos de controlo), etc.

• Aparelhos de protecção (dispositivos de protecção contra contactos directos e indirectos, contra sobrecargas e curtocircuítos e contra sobretensións transitorias e permanentes): tipos e características.

• Preparação e execução de terminais, empalmes e conexões: médios e equipamentos.

• Tomadas de corrente: conexão.

• Receptores eléctricos: conexão.

• Medidas de segurança e protecção na substituição e/ou montagem de mecanismos e elementos de instalações eléctricas e domóticas em habitações.

BC5. Comprovação do funcionamento de instalações eléctricas e/ou domóticas de habitações.

• Reparação de avarias. Substituição de elementos. Técnicas rutineiras de manutenção correctivo.

• Avarias tipo em instalações eléctricas de baixa tensão e/ou domóticas, em habitações.

• Medida das magnitudes eléctricas básicas: tensão, intensidade, potência, resistência, continuidade e isolamento. Manejo de equipamentos de medida.

• Precauções e medidas de segurança e protecção.

BC6. Iniciativa emprendedora nos labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

• A pessoa emprendedora nos labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação nos labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com os labores de manutenção básico de instalações electrotécnicas em habitações.

4.8.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação necessária para desempenhar a função de realizar operações auxiliares de montagem e manutenção de instalações eléctricas de baixa tensão e domóticas em edifícios.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Identificação de equipamentos, elementos, ferramentas e médios auxiliares.

– Montagem de equipamentos, canalizações e suportes, e tendido de cabos.

– Manutenção de utente/a ou de primeiro nível.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), l), o), x), y), z), aa), ab), ac), ad), ae) e af) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), b), f), h), k), l), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo versarão sobre:

– Identificação de equipamentos, médios auxiliares e ferramentas para a realização da montagem e a manutenção das instalações.

– Aplicação de técnicas de montagem de equipamentos e elementos das instalações.

– Realização de medidas das magnitudes específicas das instalações.

4.9. Módulo profissional: Operações de conservação na habitação e montagem de accesorios.

• Código: MP3090.

• Duração: 275 horas.

4.9.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Realiza operações de preparação e manutenção do posto de trabalho, depois de seleccionar as ferramentas, os médios auxiliares e os materiais que se vão utilizar.

– QUE1.1. Identificaram-se as ferramentas, os médios auxiliares e os materiais, e descreveram-se as suas características e a sua forma de emprego.

– QUE1.2. Identificaram-se as zonas de actuação, segundo o tipo da intervenção que se vá realizar.

– QUE1.3. Mantiveram-se limpas e ordenadas as zonas implicadas na intervenção.

– QUE1.4. Classificaram-se e geriram-se os resíduos, segundo a sua procedência e o seu nível de perigo.

– QUE1.5. Sinalizaram-se as zonas de actuação, utilizando os elementos de sinalização em função dos requisitos de segurança e o nível de perigo das zonas de actuação.

– QUE1.6. Identificou-se a utilidade e o uso dos médios auxiliares e dos médios de protecção colectiva.

– QUE1.7. Descreveram-se as características e as aplicações dos médios auxiliares e dos elementos de protecção colectiva.

– QUE1.8. Identificaram-se os equipamentos de protecção individual.

• RA2. Realiza operações de preparação e uso básico de morteiros, massas de xeso e adhesivos, tendo em conta a relação entre as dosificacións, as instruções de uso e as suas aplicações.

– QUE2.1. Identificaram-se os componentes dos morteiros e das misturas, segundo a sua aplicação.

– QUE2.2. Respeitou-se a dosificación, a granulometría do árido, o tipo de cemento, e os tipos de areias e de qual no caso de morteiros.

– QUE2.3. Seleccionou-se o meio de preparação em função da quantidade e da composição.

– QUE2.4. Realizou-se a mistura e comprovou-se que presente a devida homoxeneidade.

– QUE2.5. Identificaram-se e caracterizaram-se os tipos de revestimentos básicos.

– QUE2.6. Realizaram-se as operações elementares de revestimento.

– QUE2.7. Humedeceuse o paramento.

– QUE2.8. Fez-se a implantação do paramento com mestras verticais.

– QUE2.9. Prepararam-se os ressaltes e os ocos que cumpra respeitar.

– QUE2.10. Aplicou-se o espesor mínimo do revestimento acabado.

– QUE2.11. Alisouse com regra o paramento.

– QUE2.12. Humedeceuse a revocadura depois da aplicação do revestimento.

– QUE2.13. Operou com as ferramentas aplicando os equipamentos de protecção individual e de segurança requeridos.

– QUE2.14. Realizaram-se os trabalhos com ordem e limpeza.

• RA3. Realiza operações auxiliares de albanelaría para instalações de fontanaría, saneamento, electricidade e climatização, aplicando a técnica correspondentes e sem deterioração dos elementos que se vão instalar.

– QUE3.1. Efectuaram-se as operações básicas de demolição.

– QUE3.2. Realizaram-se rozas em paramentos verticais ou em chãos.

– QUE3.3. Realizaram-se gabias elementares aplicando a técnica correspondente a partir de instruções recebidas.

– QUE3.4. Realizaram-se as operações básicas de compactación de chãos (terras e outros).

– QUE3.5. Limpou-se a zona intervinda depois de realizar a operação.

– QUE3.6. Retiraram-se e geriram-se os resíduos sobrantes da actuação.

– QUE3.7. Realizaram-se técnicas básicas de soldadura e união das instalações relacionadas.

– QUE3.8. Realizaram-se provas de estanquidade nas instalações domésticas de distribuição, evacuação e saneamento.

– QUE3.9. Comprovou-se o resultado obtido e o possível uso na montagem da instalação.

– QUE3.10. Determinaram-se as possíveis medidas de correcção em função dos resultados obtidos.

– QUE3.11. Operou com as ferramentas adequadas, aplicando os equipamentos de protecção individual e segurança requeridos.

– QUE3.12. Interpretaram-se esbozos e planos de pequenas instalações para a abertura de rozas.

• RA4. Realiza operações singelas de colocação e substituição de elementos cerámicos, solados e azulexados, e de revestimentos contínuos de superfícies, aplicando a técnica correspondente e com a estética requerida.

– QUE4.1. Preparou-se a zona de trabalho e distribuíram-se os materiais e as ferramentas que se vão empregar.

– QUE4.2. Seleccionaram-se materiais cerámicos em função do seu tipo, as suas características e as suas aplicações.

– QUE4.3. Eliminaram-se os elementos danados utilizando a ferramenta requerida e aplicando protecções para não afectar a zona em bom estado.

– QUE4.4. Limpou-se e preparou-se a base da zona danada ou da zona em que cumpra intervir, aplicando a técnica correspondente.

– QUE4.5. Adaptaram-se as peças aos requisitos de situação, aplicando a técnica correspondente.

– QUE4.6. Colocaram-se os elementos cerámicos, solados ou azulexados de maneira acorde ao contorno, utilizando o material de união ou pegamento requerido.

– QUE4.7. Comprovou-se o resultado da intervenção observando o nível e o aliñamento com o resto de peças, e respeitando a estética do conjunto.

– QUE4.8. Retiraram-se e geriram-se os resíduos sobrantes, e limparam-se as superfícies de trabalho e o contorno.

– QUE4.9. Utilizaram-se as ferramentas com os requisitos correspondentes e com os equipamentos de protecção individual e segurança requeridos.

• RA5. Realiza operações singelas de pintado de diferentes superfícies de interior e exterior, aplicando as misturas correspondentes e a técnica requerida em função das características da superfície que haja que pintar.

– QUE5.1. Preparou-se a zona de trabalho e distribuíram-se os materiais e as ferramentas que se vão empregar.

– QUE5.2. Preparou-se a zona para pintar eliminando fendas, deteriorações, desniveis, possíveis humidades, etc., aplicando a técnica requerida.

– QUE5.3. Preparou-se a superfície para a intervenção nivelándoa e alisándoa.

– QUE5.4. Despexáronse e cobriram-se as zonas circundantes e os elementos para evitar possíveis acidentes ou evitar manchas no seu contorno.

– QUE5.5. Utilizou-se o tipo de pintura adequado em função das características do suporte.

– QUE5.6. Adecuouse a cor aos requisitos solicitados ou estéticos da zona, aplicando a carta de cores correspondente.

– QUE5.7. Pintou-se a zona com as técnicas adequadas e com a mistura correspondente.

– QUE5.8. Comprovou-se o resultado da intervenção, identificaram-se possíveis defeitos e realizaram-se as correcções oportunas, respeitando a estética do conjunto.

– QUE5.9. Protegeu-se o contorno para evitar manchas e deteriorações.

– QUE5.10. Limpou-se e recolheu-se o material, e comprovou-se que não se manchara nem se danara a zona de trabalho.

– QUE5.11. Utilizaram-se os equipamentos de protecção individual e protecção requeridos.

• RA6. Realiza operações auxiliares na montagem e instalação de mobles prefabricados e singelos, aplicando as técnicas requeridas e seguindo instruções de montagem.

– QUE6.1. Descreveu-se o procedimento de tomada de medidas e de situação do moble que se vá montar ou dos elementos que se vão construir.

– QUE6.2. Obtiveram-se os dados e as medidas para a montagem ou a construção a partir de esbozos singelos.

– QUE6.3. Realizaram-se uniões fixas e desmontables de elementos de moble singelos, aplicando a técnica correspondente.

– QUE6.4. Comprovou-se que a inclinação do quanto nas folhas seja a adequada e que a eleição das ferraxes de abertura seja a correcta, à direita e à esquerda.

– QUE6.5. Efectuou-se a instalação sem que os elementos arquitectónicos, os cercos nem os precercos, as instalações nem as pessoas sofram danos.

– QUE6.6. Realizou-se a recolhida de produtos para a sua reciclagem.

– QUE6.7. Realizaram-se os trabalhos ordenadamente, com pulcritude e segurança, aplicando as técnicas e os procedimentos adequados e avaliando correctamente os resultados e a qualidade do processo, sempre baixo a supervisão do pessoal técnico responsável.

– QUE6.8. Aplicaram-se as normas de segurança e prevenção de riscos laborais.

• RA7. Realiza operações de ajuste de peças, ferraxes e mecanismos, tendo em conta a sua relação com a sua função no elemento de carpintaría ou moble.

– QUE7.1. Relacionaram-se os sistemas de fixação de elementos com os suportes aos que se fixam.

– QUE7.2. Identificaram-se as principais ferraxes para utilizar em mobles e elementos de carpintaría para uniões com ou sem movimento, e descreveu-se a sua função.

– QUE7.3. Enumerar os factores para ter em conta no ajuste de subconxuntos na instalação de mobles.

– QUE7.4. Colocaram-se as peças, as ferraxes e os mecanismos segundo as instruções de montagem, e verificou-se a sua adequação e que cumpram com a função para a que se instalaram.

– QUE7.5. Comprovou-se a idoneidade das ferramentas e dos médios utilizados para a instalação.

– QUE7.6. Verificou-se que o deslocamento das peças móveis se realize sem impedimento e que responda às especificações requeridas.

– QUE7.7. Aplicaram-se as normas de segurança e prevenção de riscos laborais.

• RA8. Realiza operações básicas de mecanizado sobre madeira e derivados, elementos metálicos e não metálicas com ferramentas manuais ou com maquinaria portátil, aplicando a técnica correspondente em função do material e as condições de mecanizado.

– QUE8.1. Seleccionaram-se as máquinas e as ferramentas em função do tipo de mecanizado que cumpra realizar.

– QUE8.2. Realizaram-se as operações de limado, seguindo os procedimentos estabelecidos.

– QUE8.3. Realizaram-se as operações de serraxe manual aplicando a técnica correspondente.

– QUE8.4. Realizaram-se as operações de tradeadura, depois de seleccionar as ferramentas adequadas para cada material, e descreveram-se as suas características.

– QUE8.5. Realizaram-se as operações de remache em peças metálicas de maneira que se assegure a união, aplicando a técnica correspondente.

– QUE8.6. Comprovou-se a qualidade do produto resultante e corrigiram-se as anomalías detectadas.

– QUE8.7. Aplicaram-se as normas de segurança e saúde laboral, utilizando correctamente as protecções das máquinas e os meios individuais de protecção.

– QUE8.8. Manteve-se a área de trabalho com o grau apropriado de ordem e limpeza.

• RA9. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados dos labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

– QUE9.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para os labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

– QUE9.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso nos labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

– QUE9.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com os labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

4.9.2. Conteúdos básicos.

BC1. Preparação e manutenção do posto de trabalho.

• Ferramentas: trolla, espátula, maza, etc.

• Médios auxiliares: estadas, tabelas com cabaletes, escadas, etc.

• Selecção de ferramentas, médios auxiliares e materiais.

• Classificação e gestão de resíduos.

• Identificação de sinais de segurança.

• Sinalização das zonas de actuação.

• Equipamentos de protecção individual: características e uso.

• Medidas de protecção colectivas.

BC2. Preparação e uso básico de massas, morteiros e adhesivos.

• Instruções de fabricante. Interpretação e dosificación.

• Características e tipos de grava e areia. Granulometría do árido.

• Xesos: tipos, características e aplicações.

• Adhesivos: tipos, características e aplicações.

• Técnica de mistura de materiais: precauções.

• Características e tipos de revestimentos: recebos, gornecementos e revocaduras.

• Características e tipos de morteiros: componentes.

• Condições de prevenção e segurança. Uso dos equipamentos de protecção individual e colectiva.

• Cemento: tipos, características e aplicações.

BC3. Realização de operações auxiliares de albanelaría.

• Materiais básicos de albanelaría: tipos, características e aplicações.

• Materiais básicos de instalações em habitações.

• Ferramentas e máquinas básicas de albanelaría.

• Operações auxiliares de albanelaría para a realização de instalações na habitação: fontanaría, electricidade, antenas, carpintaría, climatização, etc.

• Condições de prevenção e segurança. Uso dos equipamentos de protecção individual e colectiva.

BC4. Realização de operações singelas de colocação e substituição de elementos cerámicos, solados e azulexados, e de revestimentos contínuos.

• Materiais cerámicos, solados e azulexados: tipos, características e aplicações.

• Diferenciação dos tipos de peças em solados e azulexados.

• Equipamentos e ferramentas que se empregam no solado e no azulexado: características.

• Preparação de massas e pegamentos, e a sua relação com os elementos de cerâmica, solado e azulexado que se utilizem.

• Técnicas utilizadas na substituição de peças em solados e azulexados.

• Condições de prevenção e segurança. Uso dos equipamentos de protecção individual e colectiva.

BC5. Realização de operações básicas de pintado de diferentes superfícies de interior e exterior.

• Materiais e pinturas: tipos e características.

• Ferramentas utilizadas no pintado: tipos, características e utilização. Limpeza e conservação.

• Uso de pinturas em função do tipo de superfície e de acabamento que se queira obter.

• Técnicas de pintado à mão e com máquinas singelas.

• Precauções para ter em conta observar durante o pintado.

• Condições de prevenção e segurança. Uso dos equipamentos de protecção individual e colectiva.

• Materiais de protecção do contorno durante os trabalhos de pintado.

BC6. Realização de operações de montagem e instalação de mobles prefabricados e singelos.

• Ferramentas e materiais empregados na instalação e na montagem de mobles prefabricados e elementos de carpintaría: tipos, características e uso.

• Interpretação de esbozos básicos de montagem e instalação de mobles.

• Montagem de mobles prefabricados. Instruções de montagem.

• Protecção ambiental na recolhida e na reciclagem de produtos.

• Condições de prevenção e segurança. Uso dos equipamentos de protecção individual.

BC7. Realização de operações de ajuste de peças, ferraxes e mecanismos de elementos de carpintaría ou moble.

• Ferraxes, mecanismos, peças e accesorios que se utilizam na montagem de mobles e portas.

• Ferramentas empregadas nas operações de montagem e ajustes de ferraxes: tipos, utilização e conservação.

• Sistemas de fixação de ferraxes e suportes utilizados.

• Condições de prevenção e segurança. Uso dos equipamentos de protecção individual.

BC8. Realização de operações básicas de mecanizado sobre madeira e derivados, elementos metálicos e não metálicos.

• Ferramentas e máquinas empregadas nas operações de mecanizado de madeira e elementos metálicos: tipos, utilização e conservação.

• Selecção da ferramenta e dos utensilios em função do material que se vá mecanizar.

• Técnicas de limadura.

• Técnicas de serraxe.

• Técnicas de tradeadura.

• Técnicas de remache em peças metálicas.

• Precauções para ter em conta na realização de mecanizados.

• Condições de prevenção e segurança. Uso dos equipamentos de protecção individual.

BC9. Iniciativa emprendedora nos labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

• A pessoa emprendedora nos labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação nos labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com os labores de conservação na habitação e de montagem de accesorios.

4.9.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação necessária para realizar operações de albanelaría básica em edifícios ou conjuntos de edifícios.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Aplicação de técnicas de albanelaría e pintura básicas.

– Medidas de segurança para adoptar.

– Montagem de mobles modulares.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), b), c), d), e), m), n), ñ), o), x), y), z), aa), ab), ac), ad), ae) e af) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), b), c), i), j), k), l), u), v), w), x), y), z) e aa).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Preparação de lugares de faena nas obras.

– Elaboração e aplicação de massas, morteiros e adhesivos.

– Realização de operações básicas de pintado.

– Ajudas de albanelaría aos ofício.

– Técnicas de montagem de mobles modulares.

4.10. Módulo profissional: Formação em centros de trabalho.

• Código: MP3096.

• Duração: 320 horas.

4.10.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Realiza operações de manutenção básico de habitações, respeitando as boas práticas e as normas de segurança.

– QUE1.1. Identificaram-se os elementos de actuação.

– QUE1.2. Despexáronse as zonas onde se vá operar, de acordo com os critérios de segurança.

– QUE1.3. Realizaram-se operações de ajuda à fontanaría, à electricidade, ao saneamento e à climatização.

– QUE1.4. Pintaram-se as zonas reparadas segundo as tipoloxías, os acabamentos e os materiais das reparações.

– QUE1.5. Realizaram-se as operações tendo em conta a normativa de segurança.

– QUE1.6. Montaram-se e instalaram-se elementos de carpintaría e moble assegurando a sua correcta funcionalidade.

– QUE1.7. Colocaram-se adequadamente as peças, as ferraxes e os mecanismos segundo as instruções de montagem, e verificou-se que cumpram a sua função.

– QUE1.8. Verificou-se que o deslocamento das peças móveis se realize sem impedimento e que responda às especificações do projecto.

– QUE1.9. Colocaram-se as ferraxes na proporção e na altura adequadas, para conseguir a sujeição correcta da folha da porta ou janela.

– QUE1.10. Rectificaram-se os baixos das portas trás a instalação de chãos de madeira ou moquetas.

• RA2. Realiza operações auxiliares de manutenção em instalações eléctricas e/ou domóticas em habitações, seguindo os processos do sistema de qualidade estabelecido na empresa e os correspondentes protocolos de segurança.

– QUE2.1. Identificaram-se os elementos de equipamentos eléctricos e/ou domóticos, a sua função e a sua disposição.

– QUE2.2. Realizou-se a colocação e a fixação dos elementos da instalação.

– QUE2.3. Montaram-se e/ou substituíram-se os elementos da instalação.

– QUE2.4. Realizaram-se e comprovaram-se as conexões eléctricas dos elementos.

– QUE2.5. Operou-se respeitando os critérios de segurança pessoal e material, com a qualidade requerida.

– QUE2.6. Realizaram-se as operações com critérios de respeito pelo ambiente.

– QUE2.7. Participou-se dentro do grupo de trabalho mostrando iniciativa e interesse.

• RA3. Realiza operações de montagem e manutenção de instalações de fontanaría, seguindo a documentação técnica e as instruções de montagem.

– QUE3.1. Identificaram-se os elementos das instalações, a sua função e a sua disposição.

– QUE3.2. Prepararam-se as ferramentas e os equipamentos necessários para a montagem ou a manutenção das instalações.

– QUE3.3. Preparou-se a zona de trabalho para a montagem ou a manutenção das instalações.

– QUE3.4. Realizaram-se operações de união de tubaxes e accesorios das instalações.

– QUE3.5. Utilizaram-se as ferramentas e os equipamentos para a montagem das instalações.

– QUE3.6. Realizaram-se operações de manutenção das instalações de subministração e evacuação de água.

– QUE3.7. Repararam-se disfunções nas instalações e devolveu-se-lhes o serviço.

– QUE3.8. Realizaram-se as provas das instalações segundo a regulamentação vigente.

– QUE3.9. Operou-se respeitando os critérios de segurança pessoal e material, com a qualidade requerida.

– QUE3.10. Realizaram-se as operações com critérios de respeito pelo ambiente.

– QUE3.11. Participou-se dentro do grupo de trabalho mostrando iniciativa e interesse.

• RA4. Realiza operações de montagem de instalações de calefacção e climatização doméstica, seguindo a documentação técnica e as instruções de montagem.

– QUE4.1. Identificaram-se os elementos das instalações, a sua função e a sua disposição.

– QUE4.2. Prepararam-se as ferramentas e os equipamentos necessários para a montagem ou a manutenção das instalações.

– QUE4.3. Preparou-se a zona de trabalho para a montagem ou a manutenção das instalações.

– QUE4.4. Realizaram-se operações de união de tubaxes e elementos terminais das instalações.

– QUE4.5. Utilizaram-se as ferramentas e os equipamentos para a montagem das instalações.

– QUE4.6. Construíram-se e montaram-se condutos de ventilação.

– QUE4.7. Realizaram-se operações de manutenção das instalações de calefacção.

– QUE4.8. Repararam-se disfunções nas instalações de calefacção.

– QUE4.9. Realizaram-se as provas das instalações segundo a regulamentação vigente.

– QUE4.10. Operou-se respeitando os critérios de segurança pessoal e material, com a qualidade requerida.

– QUE4.11. Realizaram-se as operações com critérios de respeito pelo ambiente.

– QUE4.12. Participou-se dentro do grupo de trabalho mostrando iniciativa e interesse.

• RA5. Realiza operações de manutenção preventivo nas instalações a cargo da empresa, seguindo indicações e segundo os planos de manutenção correspondentes.

– QUE5.1. Realizaram-se intervenções de manutenção preventivo sobre a instalação.

– QUE5.2. Realizaram-se revisões do estado dos equipamentos e dos elementos das instalações.

– QUE5.3. Seleccionaram-se e utilizaram-se as ferramentas e os instrumentos para as operações de manutenção preventivo.

– QUE5.4. Realizaram-se as operações com critérios de respeito pelo ambiente.

– QUE5.5. Colaborou-se dentro do grupo de trabalho mostrando iniciativa e interesse.

– QUE5.6. Determinaram-se as possíveis medidas de correcção em função dos resultados obtidos.

– QUE5.7. Realizaram-se todas as operações tendo em conta a normativa de segurança laboral e de protecção ambiental.

• RA6. Actua conforme as normas de prevenção de riscos laborais da empresa.

– QUE6.1. Cumpriu-se a normativa geral sobre prevenção e segurança, assim como a estabelecida pela empresa.

– QUE6.2. Identificaram-se os factores e as situações de risco que se apresentam no seu âmbito de actuação no centro de trabalho.

– QUE6.3. Adoptaram-se atitudes relacionadas com a actividade para reduzir os riscos laborais e ambientais.

– QUE6.4. Empregou-se o equipamento de protecção individual (EPI) estabelecido para cada operação.

– QUE6.5. Utilizaram-se os dispositivos de protecção das máquinas, os equipamentos e as instalações nas actividades.

– QUE6.6. Actuou-se segundo o plano de prevenção.

– QUE6.7. Manteve-se a zona de trabalho livre de riscos, com ordem e limpeza.

– QUE6.8. Trabalhou-se com critérios de redução do consumo de energia e da geração de resíduos.

• RA7. Actua de modo responsável e integra no sistema de relações técnico-sociais da empresa.

– QUE7.1. Executaram-se com diligência as instruções recebidas.

– QUE7.2. Responsabilizou do trabalho que desenvolve e comunicou-se eficazmente com a pessoa adequada em cada momento.

– QUE7.3. Cumpriram-se os requisitos e as normas técnicas, demonstrou-se um bom fazer profissional e finalizou-se o trabalho num tempo limite razoável.

– QUE7.4. Mostrou-se uma atitude de respeito para as normas e aos procedimentos estabelecidos.

– QUE7.5. Organizou-se o trabalho realizado de acordo com as instruções e os procedimentos estabelecidos, cumprindo as tarefas em ordem de prioridade e actuando sob critérios de segurança e qualidade nas intervenções.

– QUE7.6. Coordenou-se a actividade que se desempenha com o resto do pessoal e informou de qualquer mudança, necessidade destacável ou continxencia.

– QUE7.7. Incorporou-se pontualmente ao posto de trabalho, levou a cabo os descansos instituídos e não abandonou o centro de trabalho antes do estabelecido sem motivos devidamente justificados.

– QUE7.8. Consultou-se adequadamente a pessoa responsável imediata acerca da informação necessária ou as dúvidas que se tenham para o desempenho dos seus labores.

– QUE7.9. Realizou-se o trabalho consonte as indicações realizadas por pessoal de nível superior, e formularam-se as possíveis modificações ou sugestões no lugar e no modo adequados.

4.10.2. Operações pedagógicas.

Este módulo profissional contribui a completar as competências e os objectivos gerais próprios do título profissional básico em Manutenção de Habitações que se alcançassem no centro educativo, ou a desenvolver competências características de difícil consecução nele.

Contribui, ademais, ao afianzamento de hábitos de ordem, pontualidade, responsabilidade e pulcritude.

5. Requisitos mínimos de qualidade do contexto formativo.

5.1. Espaços.

Os espacios necessários para o desenvolvimento dos ensinos do ciclo formativo de formação profissional básica de Manutenção de Habitações são os seguintes:

Espaço formativo

Superfície em m2

(30 alunos/as)

Superfície em m2

(20 alunos/as)

Grau de utilização

Sala de aulas polivalente

60

40

50 %

Obradoiro polivalente de manutenção de habitações

150

120

50 %

A conselharia com competências em matéria de educação poderá autorizar unidades para menos de trinta postos escolares, pelo que será possível reduzir os espacios formativos proporcionalmente ao número de alunos e alunas, tomando como referência para a determinação das superfícies necessárias as cifras indicadas nas colunas segunda e terceira da tabela.

O grau de utilização expressa em tanto por cento e com carácter orientativo a ocupação em horas do espacio prevista para a impartição dos ensinos no centro educativo, por um grupo de estudantado, a respeito da duração total destas. O centro educativo, no exercício da sua autonomia e em função da distribuição horária semanal dos módulos profissionais e da titoría, poderá determinar outro grau de utilização.

Na margem permitida pelo grau de utilização, os espacios formativos estabelecidos podem ser ocupados por outros grupos de alunos e alunas que cursem o mesmo ou outros ciclos formativos, ou outras etapas educativas.

Em todo o caso, as actividades de aprendizagem associadas aos espacios formativos (com a ocupação expressa pelo grau de utilização) poderão realizar-se em superfícies utilizadas também para outras actividades formativas afíns.

5.2. Equipamentos mínimos.

Espaço formativo

Equipamentos

Sala de aulas polivalente

  • Equipamentos audiovisuais.
  • Equipamentos informáticos em rede e com conexão à internet. Software de aplicação.

Obradoiro polivalente de manutenção de habitações

  • Cabines ou zonas de práticas para a realização de azulexados e práticas de revestimentos contínuos e picados de paramentos e solados.
  • Médios auxiliares: escadas, tabelas com cabaletes e tabuleiros para estadas, corpos de estada e mesas de trabalho.
  • Artesas, esportas, cubos e formigoneira eléctrica.
  • Ferramentas manuais: mazas, picas, trollos e espátulas.
  • Ferramentas de medição e nivelación: níveis de água, miras metálicas e cordas de marcação.
  • Aparelhos sanitários.
  • Kit de ferramentas para trabalho de tubaxes.
  • Bombas centrífugas para calefacção.
  • Bombas centrífugas para água sanitária.
  • Bancos de trabalho com tornos.
  • Painéis ou zonas de instalações eléctricas.
  • Painéis ou zonas de instalações climatização.
  • Equipamentos bomba de calor partidos para climatização doméstica.
  • Equipamentos bomba de calor compactos para climatização doméstica.
  • Equipamentos de soldadura para tubaxes.
  • Material para a construção de tubaxes para climatização.
  • Maquinaria portátil: serra circular, serra de calar, trades, desaparafusador, lixadora de banda, lixadora orbital e fresadora.
  • Ferramenta manual de carpintaría: formóns, martelos, desaparafusadores, limas, limas grosas, cepillos e serras.
  • Material eléctrico e domótico: elementos de protecção e manobra, receptores, mecanismos, caixas, canalizações, caixas de registro e detectores.
  • Instrumentos e aparelhos de medida eléctricos.

6. Professorado.

6.1. Especialidades do professorado do sector público às cales se atribui a impartição dos módulos profissionais associados ao perfil profissional.

Módulo profissional

Especialidade do professorado

Corpo

  • MP3023. Redes de evacuação.
  • MP3024. Fontanaría e calefacção básica.
  • MP3025. Montagem de equipamentos de climatização.
  • MP3088. Manutenção básica de instalações electrotécnicas em habitações.
  • MP3090. Operações de conservação na habitação e montagem de accesorios.
  • Instalação e Manutenção de Equipamentos Térmicos e de Fluidos.
  • Instalações Electrotécnicas.
  • Soldadura.

Professorado técnico de formação profissional.

  • Professorado especialista, de ser o caso.
  • MP3096. Formação em centros de trabalho.
  • Instalação e Manutenção de Equipamentos Térmicos e de Fluidos.
  • Instalações Electrotécnicas.
  • Soldadura.

Professorado técnico de formação profissional.

6.2. Títulos requeridos para a impartição dos módulos profissionais, para os centros de titularidade privada ou de titularidade pública de outras administrações diferentes das educativas:

Módulos profissionais

Títulos

  • MP3023. Redes de evacuação.
  • MP3024. Fontanaría e calefacção básica.
  • MP3025. Montagem de equipamentos de climatização.
  • MP3088. Manutenção básica de instalações electrotécnicas em habitações.
  • MP3090. Operações de conservação na habitação e montagem de accesorios.
  • MP3096. Formação em centros de trabalho.
  • Licenciado/a, engenheiro/a, arquitecto/a ou o título de grau correspondente, ou outros títulos equivalentes.

6.3. Títulos habilitantes para os efeitos de docencia para a impartição dos módulos profissionais, para os centros de titularidade privada ou de titularidade pública de outras administrações diferentes das educativas.

Módulos profissionais

Títulos

  • MP3023. Redes de evacuação.
  • MP3024. Fontanaría e calefacção básica.
  • MP3025. Montagem de equipamentos de climatização.
  • MP3088. Manutenção básica de instalações electrotécnicas em habitações.
  • MP3090. Operações de conservação na habitação e montagem de accesorios.
  • MP3096. Formação em centros de trabalho.
  • Diplomado/a, engenheiro/a técnico/a ou arquitecto/a técnico/a, ou o título de grau correspondente, ou outros títulos equivalentes.
  • Técnico/a superior em Construções Metálicas ou outros títulos equivalentes.

7. Correspondência entre módulos profissionais e unidades de competência para a sua acreditação ou validação.

Módulos profissionais

Unidades de competência acreditables

  • MP3023. Redes de evacuação.
  • UC1154_1: realizar a instalação de tubaxes, preparando, cortando e unindo tubos para a condução de água e desaugadoiros.
  • MP3024. Fontanaría e calefacção básica.
  • MP3025. Montagem de equipamentos de climatização.
  • UC1155_1: realizar operações básicas de instalação e manutenção de aparelhos sanitários, radiadores e aparelhos de climatização de uso doméstico.

8. Ciclos formativos de grau médios aos cales o título profissional básico em Manutenção de Habitações permite a aplicação de critérios de preferência para a admissão em caso de concorrência competitiva.

O título profissional básico em Manutenção de Habitações terá preferência para a admissão a todos os títulos de grau médio das famílias profissionais de:

– Instalação e Manutenção.

– Edificação e Obra civil.

– Electricidade e Electrónica.

– Madeira, Moble e Cortiza.

9. Distribuição horária.

Organização dos módulos profissionais do ciclo formativo de formação profissional básica de Manutenção de Habitações para o regime ordinário.

Curso

Módulo profissional

Duração

horas

  • MP3009. Ciências aplicadas I.

175

  • MP3011. Comunicação e sociedade I.

206

  • MP3024. Fontanaría e calefacção básica.

157

  • MP3025. Montagem de equipamentos de climatização.

97

  • MP3090. Operações de conservação na habitação e montagem de accesorios.

275

Total 1º

(FCE)

910

  • MP3012. Comunicação e sociedade II.

135

  • MP3019. Ciências aplicadas II.

162

  • MP3023. Redes de evacuação.

157

  • MP3088. Manutenção básica de instalações electrotécnicas em habitações.

254

Total 2º

(FCE)

708

  • MP3096. Formação em centros de trabalho.

320

Titoría.

No primeiro curso do ciclo formativo dedicar-se-ão 35 horas à titoría e 27 horas no segundo curso.

10. Unidades formativas.

Organização dos módulos profissionais em unidades formativas de menor duração.

Módulo profissional

Unidades formativas

Duração

horas

  • MP3011. Comunicação e sociedade I.
  • MP3011_13. Comunicação em línguas galega e castelhana I.

88

  • MP3011_23. Comunicação em língua inglesa I.

59

  • MP3011_33. Sociedade I.

59

  • MP3012. Comunicação e sociedade II.
  • MP3012_13. Comunicação em línguas galega e castelhana II.

67

  • MP3012_23. Comunicação em língua inglesa II.

34

  • MP3012_33. Sociedade II.

34

  • MP3023. Redes de evacuação.
  • MP3023_12. Implantação de redes de evacuação.

57

  • MP3023_22. Montagem e manutenção de redes de evacuação de água.

100

  • MP3024. Fontanaría e calefacção básica.
  • MP3024_13. Operações básicas de instalação em fontanaría.

75

  • MP3024_23. Operações básicas de instalação em calefacção.

52

  • MP3024_33. Operações básicas de manutenção em instalações de fontanaría e calefacção.

30

  • MP3025. Montagem de equipamentos de climatização.
  • MP3025_12. Operações básicas em instalações de ventilação

49

  • MP3025_22. Operações básicas para a instalação de equipamentos de climatização

48

ANEXO IV
Currículo do ciclo formativo de formação profissional básica do título profissional básico em Fabricação de Elementos Metálicos

1. Identificação do título.

O título profissional básico em Fabricação de Elementos Metálicos fica identificado pelos seguintes elementos:

– Denominação: título profissional básico em Fabricação de Elementos Metálicos.

– Nível: formação profissional básica.

– Duração: 2.000 horas.

– Famílias profissionais: Fabricação Mecânica, e Electricidade e Electrónica.

– Referente europeu: CINE-3.5.3 (Classificação internacional normalizada da educação).

2. Perfil profissional.

2.1. Competência geral do título.

A competência geral do título profissional básico em Fabricação de Elementos Metálicos consiste em realizar operações básicas de mecanizado e montagem para a fabricação mecânica com materiais metálicos (férricos e não férricos), assim como realizar operações auxiliares na montagem e na manutenção de elementos e equipamentos eléctricos e electrónicos, operando com a qualidade indicada, cumprindo as normas de prevenção de riscos laborais e protecção ambiental correspondentes, e comunicando-se de forma oral e escrita em línguas galega e castelhana, assim como em alguma língua estrangeira.

2.2. Competências do título.

As competências profissionais, pessoais e sociais, e as competências para a aprendizagem permanente do título profissional básico em Fabricação de Elementos Metálicos são as que se relacionam:

a) Preparar o posto de trabalho, as ferramentas, a maquinaria auxiliar e os equipamentos de mecanizado e montagem na oficina e/ou de instalação e manutenção em obra.

b) Realizar uniões fixas e desmontables em materiais metálicos e não metálicos, seguindo critérios de segurança, funcionalidade e economia.

c) Realizar a montagem e o ajuste de elementos metálicos e não metálicos mediante ferramentas portátiles, conseguindo os ajustes, a igualación e a escorregadura das partes móveis.

d) Alimentar e descargar as máquinas ou os sistemas automáticos para a realização de operações de mecanizado e tratamento.

e) Realizar as operações de soldaxe de acordo com especificações, preparando os equipamentos e os elementos de materiais metálicos, mediante procedimentos com eléctrodo revestido de rútilo.

f) Verificar as uniões realizadas, utilizando os instrumentos básicos de medida e controlo.

g) Identificar as operações que se devem realizar, interpretando a documentação técnica (planos e processos de fabricação, ordens de trabalho, etc.) de produtos de caldeiraría ligeira.

h) Cortar manualmente chapas e perfis, por procedimentos mecânicos, automáticos e semiautomáticos, para obter produtos de caldeiraría ligeira.

i) Conformar por procedimentos convencionais chapas e perfis para obter produtos de caldeiraría ligeira.

j) Substituir os elementos defectuosos, desmontando e montando os equipamentos e realizando os ajustes necessários, para manter e reparar instalações e equipamentos.

k) Realizar a manutenção de máquinas, equipamentos, úteis e instalações, cumprindo os procedimentos estabelecidos nos manuais para o seu uso e a sua conservação.

l) Verificar a conexão e os parâmetros característicos da instalação, utilizando os equipamentos de medida em condições de qualidade e segurança, para realizar operações de manutenção.

m) Resolver problemas predicibles relacionados com os âmbitos físico, social, pessoal e produtivo, utilizando o razoamento científico e os elementos proporcionados pelas ciências aplicadas e sociais.

n) Actuar de maneira saudável em contextoscotiáns que favoreçam o desenvolvimento pessoal e social, analisando hábitos e influências positivas para a saúde humana.

ñ) Valorar actuações encaminhadas à conservação ambiental, diferenciando as consequências das actividades quotidianas que possam afectar o equilíbrio do ambiente.

o) Obter e comunicar informação destinada à autoaprendizaxe e ao seu uso em diferentes contextos do seu ambiente pessoal, social ou profissional mediante recursos ao seu alcance e os próprios das tecnologias da informação e da comunicação.

p) Actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas, apreciando o seu uso como fonte de enriquecimento pessoal e social.

q) Comunicar-se com claridade, precisão e fluidez em contextos sociais ou profissionais e por diferentes médios, canais e suportes ao seu alcance, utilizando e adecuando recursos linguísticos orais e escritos próprios das línguas galega e castelhana.

r) Comunicar-se em situações habituais de carácter laboral, pessoal e social, utilizando recursos linguísticos básicos em língua estrangeira.

s) Realizar explicações singelas sobre acontecimentos e fenômenos característicos das sociedades contemporâneas a partir da informação histórica e geográfica ao seu dispor.

t) Adaptar-se às novas situações laborais originadas por mudanças tecnológicas e organizativo na sua actividade laboral, utilizando as ofertas formativas ao seu alcance e localizando os recursos mediante as tecnologias da informação e da comunicação.

u) Cumprir as tarefas próprias do seu nível com autonomia e responsabilidade, empregando critérios de qualidade e eficiência no trabalho atribuído e efectuando-o de forma individual ou como membro de uma equipa.

v) Comunicar-se eficazmente, respeitando a autonomia e a competência das pessoas que intervêm no seu âmbito de trabalho, contribuindo à qualidade do trabalho realizado.

w) Assumir e cumprir as medidas de prevenção de riscos e segurança laboral na realização das actividades laborais, evitando danos pessoais, laborais e ambientais.

x) Cumprir as normas de qualidade e de acessibilidade e desenho universais que afectam a sua actividade profissional.

y) Actuar com espírito emprendedor, iniciativa pessoal e responsabilidade na eleição dos procedimentos da sua actividade profissional.

z) Exercer os seus direitos e cumprir as obrigações derivadas da sua actividade profissional, de acordo com o estabelecido na legislação vigente, participando activamente na vida económica, social e cultural.

2.3. Relação de qualificações e unidades de competência do Catálogo nacional de qualificações profissionais incluídas no título.

2.3.1. Qualificações profissionais completas:

a) Operações auxiliares de fabricação mecânica, FME031_1 (Real decreto 295/2004, de 20 de fevereiro), que abrange as seguintes unidades de competência:

UC0087_1: realizar operações básicas de fabricação.

UC0088_1: realizar operações básicas de montagem.

b) Operações auxiliares de montagem e manutenção de equipamentos eléctricos e electrónicos, ELE481_1 (Real decreto 144/2011, de 4 de fevereiro), que abrange as seguintes unidades de competência:

UC1559_1: realizar operações de ensamblaxe na montagem de equipamentos eléctricos e electrónicos.

UC1560_1: realizar operações de conexão na montagem de equipamentos eléctricos e electrónicos.

UC1561_1: realizar operações auxiliares na manutenção de equipamentos eléctricos e electrónicos.

2.4. Contorno profissional.

2.4.1. As pessoas com este título exercem a sua actividade por conta alheia em grandes, medianas e pequenas empresas dedicadas à fabricação e à montagem de elementos metálicos mediante procedimentos de soldadura e caldeiraría ligeira, assim como à montagem e à manutenção de equipamentos eléctricos e electrónicos, sempre baixo a supervisão de pessoal com título superior. A actividade está regulada pelo regulamento electrotécnico de baixa tensão.

2.4.2. As ocupações e os postos de trabalho mais destacáveis são os seguintes:

– Operário/a de instalações eléctricas de baixa tensão.

– Axudante/a de montador/ora de antenas receptoras de rádio, televisão terrestre e televisão por satélite.

– Operador/ora de ensamblaxe de equipamentos eléctricos e electrónicos.

– Montador/ora de componentes em placas de circuito impresso.

– Auxiliar de manutenção de equipamentos eléctricos e electrónicos.

– Probador/ora axustador/ora de placas e equipamentos eléctricos e electrónicos.

– Peões de indústrias manufactureiras.

– Auxiliares de processos automatizado.

– Peões e auxiliares de indústrias metalúrxicas, de fabricação de produtos metálicos e manufactureiras.

– Auxiliar soldador/ora de materiais de aço ao carbono por arco eléctrico com eléctrodo revestido de rútilo.

– Auxiliar de soldador/ora de estruturas metálicas pesadas e ligeiras, e de tubaxes.

– Auxiliar de oxicortador/ora à mão.

– Auxiliar de cortador/ora de metais por plasmar à mão.

– Auxiliares de processos automatizado.

– Auxiliar de carpinteiro/a metálico/a.

– Auxiliar de montador/ora de estruturas metálicas.

2.5. Prospectiva do sector ou dos sectores relacionados com o título.

a) O perfil profissional dentro do sector produtivo evolui para um incremento na tomada de decisões próprias dos processos automatizado e para a realização de funções de planeamento, manutenção, qualidade e prevenção de riscos laborais na pequena empresa.

b) As estruturas organizativo tendem a configurar-se sobre a base de decisões descentralizadas, relações funcional do trabalho em equipa, rotação de postos de trabalho e canais de participação.

c) A evolução tecnológica tende a sistemas energeticamente mais eficientes, pelo uso da electrónica, de automatismos e de novos materiais.

d) O sector produtivo aponta a uma evolução para as competências relacionadas com o emprego de energias renováveis, sistemas electrónicos que incrementam o rendimento e máquinas com altos rendimentos energéticos.

e) Os processos de montagem e manutenção terão que se adaptar à normativa referente aos tratamentos e à gestão de resíduos e agentes poluentes.

f) O desenvolvimento de novas tecnologias está a fazer possível a mudança de materiais e equipamentos para alcançar uma maior eficiência energética e segurança eléctrica, de previsível implantação obrigatória nos próximos anos.

g) As empresas nas que exerce a sua actividade tendem a delegar funções e responsabilidades nestes/as profissionais, e nelas observa-se a preferência por um perfil polivalente, com um alto grau de autonomia e com capacidade para a toma de decisões, para o trabalho em equipa e para a coordinação com profissionais de outros sectores.

h) A recuperação e a classificação de resíduos e chatarras, e o tratamento adequado de resíduos tóxicos e perigosos fazem-se totalmente imprescindíveis.

i) As estruturas organizativo tendem a configurar-se sobre a base de decisões descentralizadas e equipamentos participativos de gestão, potenciando a autonomia e a capacidade de decisão.

j) As características do comprado de trabalho, a mobilidade laboral e a abertura económica obrigam a formar profissionais polivalentes capazes de se adaptar às novas situações socioeconómicas, laborais e organizativo do sector.

3. Ensinos do ciclo formativo.

3.1. Objectivos gerais do título.

Os objectivos gerais do ciclo formativo de formação profissional básica de Fabricação de Elementos Metálicos são os seguintes:

a) Aplicar o plano de manutenção de equipamentos e uso de espacios em oficina e obra, interpretando as especificações estabelecidas para preparar o posto de trabalho.

b) Seleccionar os equipamentos, as ferramentas e os accesorios necessários, identificando os critérios que há que aplicar para realizar uniões fixas e desmontables.

c) Manejar as ferramentas portátiles adequadas, interpretando as especificações do procedimento que há que aplicar para realizar a montagem e o ajuste de elementos.

d) Seleccionar os utensilios, as ferramentas, os equipamentos e os meios de montagem e de segurança, reconhecendo os materiais reais e considerando as operações que se vão realizar, para se abastecer dos recursos e dos médios.

e) Identificar e manejar as ferramentas utilizadas para mecanizar e unir elementos das instalações em diferentes situações que se produzam no mecanizado e na união de elementos das instalações.

f) Operar com os equipamentos de corte térmico ou mecânico, sobre chapas e perfis metálicos de formas definidas, para obter produtos metálicos e de caldeiraría ligeira, aplicando o plano de prevenção de riscos laborais e ambientais.

g) Utilizar equipamentos de medida relacionando os parâmetros que cumpra medir com a configuração dos equipamentos e com a sua aplicação nas instalações, de acordo com as instruções de fábrica, para realizar provas e verificações.

h) Substituir os elementos defectuosos, desmontando e montando os equipamentos e realizando os ajustes necessários, para manter e reparar instalações e equipamentos.

i) Verificar a conexão e parâmetros característicos da instalação, utilizando os equipamentos de medida, em condições de qualidade e segurança, para realizar operações de manutenção.

j) Realizar uniões fixas e desmontables em materiais metálicos e não metálicos, seguindo critérios de segurança, funcionalidade e economia.

k) Realizar a montagem e o ajuste de elementos metálicos e não metálicos mediante ferramentas portátiles, conseguindo os ajustes, a igualación e a escorregadura das partes móveis.

l) Interpretar manuais de uso de máquinas, equipamentos, utensilios e instalações, identificando a sequência de operações para realizar a sua manutenção básica.

m) Compreender os fenômenos que acontecem no âmbito natural mediante o conhecimento científico como um saber integrado, assim como conhecer e aplicar os métodos para identificar e resolver problemas básicos nos campos do conhecimento e da experiência.

n) Desenvolver habilidades para formular, interpretar e resolver problemas, e aplicar o razoamento de cálculo matemático para se desenvolver na sociedade e no âmbito laboral, e para gerir os seus recursos económicos.

ñ) Identificar e compreender os aspectos básicos de funcionamento do corpo humano e pólos em relação com a saúde individual e colectiva, e valorar a higiene e a saúde para permitir o desenvolvimento e o afianzamento de hábitos saudáveis de vida em função do contorno.

o) Desenvolver hábitos e valores acordes com a conservação e a sustentabilidade do património natural, compreendendo a interacção entre os seres vivos e o meio natural, para valorar as consequências que derivam da acção humana sobre o equilíbrio ambiental.

p) Desenvolver as destrezas básicas das fontes de informação utilizando com sentido crítico as tecnologias da informação e da comunicação, para obter e comunicar informação nos contornos pessoal, social ou profissional.

q) Reconhecer características básicas de produções culturais e artísticas, aplicando técnicas de análise básica dos seus elementos, para actuar com respeito e sensibilidade para a diversidade cultural, o património histórico-artístico e as manifestações culturais e artísticas.

r) Desenvolver e afianzar habilidades e destrezas linguísticas, e alcançar o nível requerido de precisão, claridade e fluidez, utilizando os conhecimentos sobre as línguas galega e castelhana, para se comunicar no seu contexto social, na sua vida quotidiana e na actividade laboral.

s) Desenvolver habilidades linguísticas básicas em língua estrangeira para se comunicar de forma oral e escrita em situações habituais e predicibles da vida quotidiana e profissional.

t) Reconhecer causas e traços próprios de fenômenos e acontecimentos contemporâneos, a sua evolução histórica e a sua distribuição geográfica, para explicar as características próprias das sociedades contemporâneas.

u) Desenvolver valores e hábitos de comportamento baseados em princípios democráticos, aplicando-os nas suas relações sociais habituais e na resolução pacífica dos conflitos.

v) Comparar e seleccionar recursos e ofertas formativas existentes para a aprendizagem ao longo da vida, para se adaptar às novas situações laborais e pessoais.

w) Desenvolver a iniciativa, a criatividade e o espírito emprendedor, assim como a confiança em sim mesmo/a, a participação e o espírito crítico, para resolver situações e incidências da actividade profissional ou de índole pessoal.

x) Desenvolver trabalhos em equipa assumindo os deveres, cooperando com as demais pessoas com tolerância e respeito, para a realização eficaz das tarefas e como médio de desenvolvimento pessoal.

y) Utilizar as tecnologias da informação e da comunicação para se informar, se comunicar, aprender e facilitar as tarefas laborais.

z) Relacionar os riscos laborais e ambientais com a actividade laboral, com o propósito de utilizar as medidas preventivas correspondentes para a protecção pessoal, evitando danos ambientais e às demais pessoas.

aa) Desenvolver as técnicas da sua actividade profissional assegurando a eficácia e a qualidade no seu trabalho, e propor, se procede, melhoras nas actividades de trabalho.

ab) Reconhecer os direitos e deveres como agente activo na sociedade, tendo em conta o marco legal que regula as condições sociais e laborais, para participar na cidadania democrática.

ac) Analisar e valorar a participação, o respeito, a tolerância e a igualdade de oportunidades para desenvolver os valores do princípio de igualdade de trato e não discriminação entre homens e mulheres nem por nenhuma outra condição nem circunstância pessoal nem social, assim como a prevenção da violência de género e o conhecimento da realidade homossexual, transsexual, transxénero e intersexual.

3.2. Módulos profissionais.

Os módulos deste ciclo formativo são os que se relacionam:

MP3009. Ciências aplicadas I.

MP3011. Comunicação e sociedade I.

MP3012. Comunicação e sociedade II.

MP3015. Equipamentos eléctricos e electrónicos.

MP3019. Ciências aplicadas II.

MP3020. Operações básicas de fabricação.

MP3021. Soldadura e carpintaría metálica.

MP3022. Carpintaría de aluminio e PVC.

MP3073. Operações básicas de caldeiraría ligeira.

MP3079. Formação em centros de trabalho.

4. Desenvolvimento de módulos.

4.1. Módulo profissional: Ciências aplicadas I.

• Código: MP3009.

• Duração: 175 horas.

4.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve problemas matemáticos em situações quotidianas, utilizando os elementos básicos da linguagem matemática e as suas operações.

– QUE1.1. Identificaram-se os tipos de números e utilizaram-se para interpretar adequadamente a informação cuantitativa.

– QUE1.2. Realizaram-se cálculos com eficácia mediante cálculo mental ou mediante algoritmos de lapis e calculadora (física ou informática).

– QUE1.3. Utilizaram-se as TIC como médio de procura de informação.

– QUE1.4. Operou-se com potências de expoñente natural e inteiro aplicando as propriedades.

– QUE1.5. Utilizou-se a notação científica para representar números muito grandes ou muito pequenos e operar com eles.

– QUE1.6. Representaram-se os números reais sobre a recta numérica.

– QUE1.7. Caracterizou-se a proporção como expressão matemática.

– QUE1.8. Compararam-se magnitudes estabelecendo o seu tipo de proporcionalidade.

– QUE1.9. Utilizou-se a regra de três para resolver problemas em que intervêm magnitudes directamente e inversamente proporcionais.

– QUE1.10. Aplicou-se o juro simples e composto em actividades quotidianas.

• RA2. Reconhece as instalações e o material de laboratório e valora-os como recursos necessários para a realização das actividades práticas.

– QUE2.1. Identificaram-se as técnicas experimentais que se vão realizar.

– QUE2.2. Manipularam-se adequadamente os materiais instrumentais do laboratório.

– QUE2.3. Tiveram-se em conta as condições de higiene e segurança para as técnicas experimentais que se vão realizar.

• RA3. Identifica propriedades fundamentais da matéria nas formas em que se apresenta na natureza, manejando as suas magnitudes físicas e as suas unidades fundamentais em unidades do sistema métrico decimal.

– QUE3.1. Descreveram-se as propriedades da matéria.

– QUE3.2. Praticaram-se as mudanças de unidades de comprimento, massa e capacidade.

– QUE3.3. Identificou-se a equivalência entre unidades de volume e capacidade.

– QUE3.4. Efectuaram-se medidas em situações reais utilizando as unidades do sistema métrico decimal e utilizando a notação científica.

– QUE3.5. Identificou-se a denominação das mudanças de estado da matéria.

– QUE3.6. Identificaram-se, com exemplos singelos, diferentes sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos.

– QUE3.7. Identificaram-se os estados de agregação em que se apresenta a matéria e utilizaram-se modelos cinéticos para explicar as mudanças de estado.

– QUE3.8. Identificaram-se sistemas materiais em relação com o seu estado na natureza.

– QUE3.9. Reconheceram-se os estados de agregação de uma substancia dada a sua temperatura de fusão e de ebulição.

– QUE3.10. Estabeleceram-se diferenças entre ebulição e evaporación utilizando exemplos singelos.

• RA4. Utiliza o método mais adequado para a separação de componentes de misturas singelas em relação com o processo físico ou químico em que se baseia.

– QUE4.1. Identificou-se e descreveu-se o que se considera substancia pura e mistura.

– QUE4.2. Estabeleceram-se as diferenças fundamentais entre misturas e compostos.

– QUE4.3. Discrimináronse os processos físicos e químicos.

– QUE4.4. Seleccionaram-se, de uma listagem de substancias, as misturas, os compostos e os elementos químicos.

– QUE4.5. Aplicaram-se de forma prática diferentes separações de misturas por métodos singelos.

– QUE4.6. Descreveram-se as características gerais básicas de materiais em relação com as profissões, utilizando as TIC.

– QUE4.7. Trabalhou-se em equipa na realização de tarefas.

• RA5. Reconhece como a energia está presente aos processos naturais, descrevendo fenômenos simples da vida real.

– QUE5.1. Identificaram-se situações da vida quotidiana nas cales se põe de manifesto a intervenção da energia.

– QUE5.2. Reconheceram-se diversas fontes de energia.

– QUE5.3. Estabeleceram-se grupos de fontes de energia renovável e não renovável.

– QUE5.4. Mostraram-se as vantagens e os inconvenientes (obtenção, transporte e utilização) das fontes de energia renováveis e não renováveis, utilizando as TIC.

– QUE5.5. Aplicaram-se mudanças de unidades de energia.

– QUE5.6. Mostrou-se, em diferentes sistemas, a conservação da energia.

– QUE5.7. Descreveram-se processos relacionados com a manutenção do organismo e da vida nos que se aprecia claramente o papel da energia.

• RA6. Localiza as estruturas anatómicas básicas discriminando os sistemas ou os aparelhos a que pertencem e associando às funções que produzem no organismo.

– QUE6.1. Identificaram-se e descreveram-se os órgãos que configuram o corpo humano, e associaram ao sistema ou ao aparelho correspondente.

– QUE6.2. Relacionou-se cada órgão, sistema e aparelho com a sua função, e indicaram-se as suas associações.

– QUE6.3. Descreveu-se a fisioloxía do processo de nutrição e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

– QUE6.4. Descreveu-se a fisioloxía do processo de reprodução e identificou-se a função das estruturas anatómicas do aparelho reprodutor.

– QUE6.5. Detalhou-se como funciona o processo de relação e identificou-se a função das estruturas anatómicas dos sistemas nervoso e endócrino.

– QUE6.6. Utilizaram-se ferramentas informáticas para descrever adequadamente aparelhos e sistemas.

• RA7. Diferencia a saúde da doença, relacionando os hábitos de vida com as doenças mais frequentes e reconhecendo os princípios básicos de defesa contra elas.

– QUE7.1. Identificaram-se situações de saúde e de doença para as pessoas.

– QUE7.2. Descreveram-se os mecanismos encarregados da defesa do organismo.

– QUE7.3. Identificaram-se e classificaram-se as doenças infecciosas e não infecciosas mais comuns na povoação, e reconheceram-se as suas causas, a sua prevenção e os seus tratamentos.

– QUE7.4. Relacionaram-se os agentes que causam as doenças infecciosas habituais com o contágio produzido.

– QUE7.5. Descreveu-se a acção das vacinas, dos antibióticos e de outras achegas da ciência médica para o tratamento e a prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.6. Reconheceu-se o papel das campanhas de vacinação na prevenção de doenças infecciosas.

– QUE7.7. Descreveu-se o tipo de doações e os problemas que se produzem nos transplantes.

– QUE7.8. Reconheceram-se situações de risco para a saúde relacionadas com o contorno profissional mais próximo.

– QUE7.9. Desenharam-se pautas de hábitos saudáveis relacionados com situações quotidianas.

• RA8. Elabora menús e dietas equilibradas singelas diferenciando os nutrientes que contêm e adaptando aos parâmetros corporais e a situações diversas.

– QUE8.1. Discriminouse entre o processo de nutrição e o de alimentação.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os nutrientes necessários para a manutenção da saúde.

– QUE8.3. Reconheceu-se a importância de uma boa alimentação e do exercício físico no cuidado do corpo humano.

– QUE8.4. Relacionaram-se as dietas com a saúde, diferenciando entre as necessárias para a manutenção da saúde e as que podem conduzir a uma diminuição desta.

– QUE8.5. Realizou-se o cálculo sobre balanços calóricos em situações habituais do contorno.

– QUE8.6. Calculou-se o metabolismo basal e os seus resultados, e representou-se num diagrama estabelecendo comparações e conclusões.

– QUE8.7. Elaboraram-se menús para situações concretas, investigando na rede as propriedades dos alimentos.

• RA9. Resolve situações quotidianas, utilizando expressões alxébricas singelas e aplicando os métodos de resolução mais adequados.

– QUE9.1. Concretizaram-se propriedades ou relações de situações singelas mediante expressões alxébricas.

– QUE9.2. Simplificar expressões alxébricas singelas utilizando métodos de desenvolvimento e factorización.

– QUE9.3. Resolveram-se problemas da vida quotidiana em que cumpra a formulação e a resolução de equações de primeiro grau.

– QUE9.4. Resolveram-se problemas singelos utilizando métodos gráficos e as TIC.

4.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de problemas mediante operações básicas.

• Reconhecimento e diferenciação dos tipos de números. Representação na recta real.

• Utilização da hierarquia das operações.

• Interpretação e utilização dos números reais e das operações em diferentes contextos.

• Notação científica. Representação e operações de soma, resta, multiplicação e divisão.

• Proporcionalidade directa e inversa. Regra de três. Comparação de magnitudes.

• As percentagens na economia.

• Técnicas de procura de informação com as tecnologias da informação e da comunicação.

BC2. Reconhecimento de materiais e instalações de laboratório.

• Normas gerais de trabalho no laboratório.

• Normas de segurança e higiene no laboratório.

• Materiais de laboratório: tipos e utilidade.

• Técnicas experimentais. Manejo da instrumentação do laboratório na realização de actividades práticas.

BC3. Identificação das formas da matéria.

• Unidades de comprimento, capacidade e massa no sistema métrico decimal: cálculos, equivalências e medidas. Uso da notação científica.

• Matéria: propriedades.

• Classificação da matéria segundo o seu estado de agregação e composição.

• Estados de agregação: sólido, líquido e gasoso. Temperatura de fusão e de ebulição.

• Sistemas materiais homoxéneos e heterogéneos. Estados de agregação dos materiais na natureza.

• Natureza corpuscular da matéria. Mudanças de estado e modelos cinéticos.

BC4. Separação de misturas e substancias.

• Substancias puras e misturas: identificação, descrição e diferenciação.

• Substancias puras: elementos e compostos. Tabela periódica.

• Técnicas básicas de separação de misturas no laboratório. Processos físicos e químicos que intervêm.

• Características básicas dos materiais relacionados com o perfil profissional.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC5. Reconhecimento da energia nos processos naturais.

• Manifestações da energia na natureza: fontes de energia e processos em que esta intervém.

• Fontes de energia renovável e não renovável: identificação. Vantagens e inconvenientes de cada uma.

• A energia na vida quotidiana: identificação de situações próximas.

• Formas de energia e a sua transformação. Lei de conservação da energia.

• Energia, calor e temperatura. Unidades mais habituais do Sistema internacional.

BC6. Localização de estruturas anatómicas básicas.

• Níveis de organização da matéria viva. Órgãos, aparelhos e sistemas. Relações entre eles e as suas funções.

• Fisioloxía do processo de nutrição: aparelhos dixestivo, circulatorio, respiratório e excretor.

• Fisioloxía do processo de relação: sistemas nervoso e endócrino.

• Fisioloxía do processo de reprodução: aparelho reprodutor e desenvolvimento embrionário.

BC7. Diferenciação entre saúde e doença.

• Saúde e doença: conceito e diferenciação.

• Tipos de doenças: infecciosas e não infecciosas; doenças de transmissão sexual. Causas, prevenção e tratamentos.

• Mecanismos encarregados da defesa do organismo. Sistema inmunitario.

• Higiene e prevenção de doenças. Tratamento face à doenças infecciosas. Vacinas.

• Transplantes e doações.

• Saúde mental: prevenção de toxicomanias e de trastornos alimentários.

• Hábitos de vida saudáveis relacionados com as doenças mais frequentes e com situações quotidianas.

BC8. Elaboração de menús e de dietas.

• Alimentos e nutrientes: diferenciação. Reconhecimento de nutrientes presentes nos alimentos.

• Alimentação e saúde. Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação.

• Conceito e elaboração de dietas. Tipos de dietas. Elaboração de menús.

• Hábitos saudáveis relacionados com a alimentação. Importância de uma boa alimentação e do exercício físico.

BC9. Resolução de equações singelas.

• Progressões aritméticas e xeométricas.

• Tradução de situações da linguagem verbal à alxébrica.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, multiplicação e factor comum.

• Desenvolvimento e factorización de expressões alxébricas. Identidades notáveis.

• Resolução de equações de primeiro grau com uma incógnita.

• Aplicação de métodos gráficos de resolução de problemas.

4.1.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja consciente tanto da sua própria pessoa como do meio que o rodeia.

Os conteúdos deste módulo contribuem a afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da vida quotidiana.

Além disso, utilizam a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de índole diversa, aplicados a qualquer situação, tanto na vida quotidiana como na vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a química, a biologia e a geoloxia, enfócase aos conceitos principais e aos princípios das ciências, involucrando o estudantado na resolução de problemas singelos e na realização de outras tarefas significativas, e permite-lhe trabalhar de forma autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais i), m), n), ñ), o), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais g), h), i), q), r), s), t), u), v), w), x), y) e z).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Utilização dos números e das suas operações para resolver problemas.

– Reconhecimento das formas da matéria.

– Reconhecimento e uso de material de laboratório básico.

– Identificação e localização das estruturas anatómicas.

– Realização de exercícios de expressão oral, aplicando as normas básicas de atenção ao público.

– Importância da alimentação para uma vida saudável.

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

4.2. Módulo profissional: Comunicação e sociedade I.

• Código: MP3011.

• Duração: 206 horas.

4.2.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana I.

• Código: MP3011_13.

• Duração: 88 horas.

4.2.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias singelas de composição e as normas linguísticas básicas.

– QUE1.1. Analisou-se a estrutura de textos orais procedentes dos médios de comunicação de actualidade e identificaram-se as suas características principais.

– QUE1.2. Aplicaram-se as habilidades básicas para realizar uma escuta activa, identificando o sentido global e os conteúdos específicos de uma mensagem oral.

– QUE1.3. Realizou-se um bom uso dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Analisaram na compreensão os usos e os níveis da língua, assim como as normas linguísticas, aplicaram na composição de mensagens orais, e reviram-se e eliminaram-se os usos discriminatorios, em concreto nas relações de género.

– QUE1.5. Utilizou-se a terminologia gramatical adequada na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, aplicando à composição autónoma de textos breves seleccionados estratégias de leitura comprensiva e de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada e progressiva.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua idoneidade para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas ferramentas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, extraindo conclusões para a sua aplicação nas actividades de aprendizagem e reconhecendo possíveis usos discriminatorios desde a perspectiva de género.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, e reviram-se e reformuláronse as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de textos escritos de utilização diária, reconhecendo usos e níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro e preciso.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistemáticas na elaboração de textos escritos que permitem a valoração das aprendizagens desenvolvidas e a reformulação das necessidades de aprendizagem para melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário adequado ao contexto.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais e comprovou-se a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura castelhana anteriores ao século XIX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE3.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua castelhana no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE3.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua castelhana a partir de textos literários.

• RA4. Realiza a leitura de textos literários representativos da literatura em língua galega anteriores ao século XX, gerando critérios estéticos para a construção do gosto pessoal.

– QUE4.1. Contrastaram-se as etapas de evolução da literatura em língua galega no período considerado e reconheceram-se as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de uma obra literária adequada ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos protocolizados de recolhida de informação.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais razoadas sobre os aspectos mais e menos apreciados de uma obra e sobre o envolvimento entre o seu conteúdo e as próprias experiências vitais.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias para a compreensão de textos literários, tendo em conta os temas e os motivos básicos.

– QUE4.5. Apresentou-se informação sobre períodos, autores/as e obras da literatura em língua galega a partir de textos literários.

• RA5. Conhece a formação da língua galega e da língua castelhana e as diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como os fenômenos de contacto de línguas, sendo consciente da necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo.

– QUE5.1. Analisaram-se as características de formação da língua galega e da língua castelhana.

– QUE5.2. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana anterior ao século XX.

– QUE5.3. Analisaram-se os fenômenos de contacto de línguas, atendendo a situações de bilingüismo, diglosia, interferencias e o conflito linguístico.

– QUE5.4. Valorou-se a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.2.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Aplicação de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Pautas para evitar a disrupción em situações de comunicação oral.

• Intercâmbio comunicativo: elementos extralingüísticos da comunicação oral; usos orais informais e formais da língua; adequação ao contexto comunicativo.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral. Organização da frase: estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana.

• Composições orais: exposições orais singelas sobre factos da actualidade; apresentações orais singelas; uso de meios de apoio (meios audiovisuais e TIC).

BC2. Utilização de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Tipos de textos. Características de textos próprios da vida quotidiana e profissional.

• Estratégias de leitura: elementos textuais.

• Pautas para a utilização de dicionários diversos.

• Estratégias básicas no processo de composição escrita.

• Apresentação de textos escritos em diferentes suportes. Aplicação das normas gramaticais e ortográfico em língua castelhana e em língua galega.

• Textos escritos. Principais conectores textuais em língua castelhana e em língua galega. Aspectos básicos das formas verbais nos textos, com especial atenção às perífrases verbais, à concordancia e à coerência temporária e modal. Funções substantivo, adxectiva e adverbial do verbo. Sintaxe (enunciado, frase e oração; sujeito e predicado; complemento directo, indirecto, de regime, circunstancial, agente e atributo). Estruturas subordinadas (substantivo, adxectivas e adverbiais).

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Leitura de textos literários em língua castelhana anteriores ao século XIX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua castelhana a partir da Idade Média e até o século XVIII.

• Narrativa: temas e estilos recorrentes segundo a época literária.

• Poesia: temas e estilos recorrentes segundo a época literária. Interpretação.

• Teatro: temas e estilos segundo a época literária.

BC4. Leitura de textos literários em língua galega anteriores ao século XX.

• Pautas para a leitura de fragmentos literários.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• Características estilísticas e temáticas da literatura em língua galega desde a Idade Média e até o século XIX.

• A literatura medieval.

• A literatura dos Séculos Escuros.

• A literatura do século XIX: etapas e obras mais significativas.

BC5. Conhecimento da formação da língua galega e da língua castelhana e das diferentes etapas da sua história social até o século XIX, assim como os fenômenos de contacto de línguas.

• A formação da língua galega e da língua castelhana.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana até o século XIX.

• Análise dos fenômenos de contacto de línguas (bilingüismo, diglosia, conflito linguístico e interferencias).

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Valoração do plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

• Crítica dos prejuízos linguísticos.

4.2.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa I.

• Código: MP3011_23.

• Duração: 59 horas.

4.2.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, elaborando apresentações orais de pouca extensão, bem estruturadas, relativas a situações habituais de comunicação quotidiana e frequente de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se as estratégias de escuta activa para a compreensão precisa das mensagens recebidas.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico de mensagens directas ou recebidas mediante formatos electrónicos, valorando as situações de comunicação e os seus envolvimentos no uso do vocabulário empregue.

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global do texto oral que apresenta a informação de modo secuenciado e progressivo em situações habituais frequentes e de conteúdo predicible.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación comum e evidente que ajudam a perceber o sentido geral da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se apresentações orais breves de textos descritivos, narrativos e instrutivos dos âmbitos pessoal, público ou profissional, de acordo com um guião singelo, aplicando a estrutura de cada tipo de texto e utilizando, de ser o caso, meios informáticos.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas adaptadas a contextos diferentes (formal, não formal e situações profissionais) e um repertório essencial e restringido de expressões, frases e palavras de situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE1.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se as normas de relações sociais básicas e estandarizadas dos países onde se fale a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade onde se fale a língua estrangeira.

• RA2. Participa em conversas em língua inglesa utilizando uma linguagem singela e clara em situações habituais frequentes dos âmbitos pessoal ou profissional, activando estratégias de comunicação básicas.

– QUE2.1. Dialogouse, de maneira dirigida e seguindo um guião bem estruturado, utilizando um repertório memorizado de modelos de orações e conversas breves e básicas, sobre situações habituais frequentes e de conteúdo altamente predicible.

– QUE2.2. Manteve-se a interacção utilizando estratégias de comunicação singelas para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.3. Utilizaram-se estratégias básicas de compensação para suplir carências na língua estrangeira, como a observação da pessoa interlocutora e a procura da sua ajuda para facilitar a bidireccionalidade da comunicação.

– QUE2.4. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório essencial e restringido de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, segundo o propósito comunicativo do texto.

– QUE2.5. Expressou-se com verdadeira claridade, utilizando uma entoación e uma pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e as dúvidas frequentes, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos escritos breves e singelos em língua inglesa, em situações de comunicações habituais e frequentes dos âmbitos pessoal, público ou profissional, desenvolvendo estratégias estruturadas de composição, e aplica estratégias de leitura comprensiva.

– QUE3.1. Leu-se o texto de forma comprensiva, reconhecendo os seus traços básicos e o seu conteúdo global, e analisou-se o seu intuito e o seu contexto.

– QUE3.2. Identificaram-se as ideias fundamentais e o intuito comunicativo básico do texto.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais básicas e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso lineais, em situações habituais frequentes, de conteúdo muito predicible.

– QUE3.4. Completaram-se e reorganizáronse frases e orações, atendendo ao propósito comunicativo e a normas gramaticais básicas.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e adequados a um propósito comunicativo, seguindo modelos estruturados.

– QUE3.6. Utilizou-se o léxico essencial adequado para situações frequentes e para o contexto dos âmbitos pessoal ou profissional.

– QUE3.7. Mostrou-se interesse pela boa apresentação dos textos escritos, respeitando as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas, e seguindo singelas pautas de revisão.

– QUE3.8. Utilizaram-se dicionários impressos e em linha e correctores ortográfico dos processadores na composição dos textos.

– QUE3.9. Mostrou-se uma atitude reflexiva acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.2.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Compreensão e produção de textos orais básicos em língua inglesa.

• Ideias principais em telefonemas, mensagens, ordens e indicações muito claras.

• Descrição geral de pessoas, lugares e objectos dos âmbitos profissional e público.

• Narração e explicação sobre situações habituais e frequentes do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, expressões e frases singelas frequentes para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal ou profissional.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais em presente e passado; verbos principais, modais e auxiliares. Funções comunicativas associadas a situações habituais e frequentes. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso para iniciar, ordenar e finalizar.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos de carácter básico que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais.

• Estratégias fundamentais de compreensão e escuta activa.

• Formatos electrónicos mais usuais.

BC2. Participação em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de compreensão e escuta activa para iniciar, manter e rematar a interacção.

• Elaboração de mensagens e textos singelos em língua inglesa.

• Compreensão da informação global e da ideia principal de textos básicos quotidianos, dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Léxico frequente para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas e singelas dos âmbitos pessoal, público ou profissional.

• Composição de textos escritos muito breves, singelos e bem estruturados.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Elementos linguísticos fundamentais atendendo aos tipos de textos, aos contextos e aos propósitos comunicativos tendo em conta um enfoque centrado no uso da língua e na sua dimensão social.

• Propriedades básicas do texto.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Estratégias de planeamento e de correcção escrita.

• Estratégias de expressão e de interacção escrita.

• Usos sociais da língua: informação geral, opinião e valoração.

• Funções comunicativas mais habituais dos âmbitos pessoal, público ou profissional em meios escritos.

• Coerência espacio-temporária e coesão através do uso de recursos singelos para iniciar, desenvolver ou rematar um texto escrito.

• Conteúdos léxico-semánticos singelos e básicos da língua inglesa.

• Tempos e formas verbais. Relações temporárias: anterioridade, posterioridade e simultaneidade.

• Estruturas gramaticais básicas.

• A oração simples e a oração composta com and/or/but.

• Dicionários impressos e em linha, e correctores ortográfico.

4.2.3. Unidade formativa 3: Sociedade I.

• Código: MP3011_33.

• Duração: 59 horas.

4.2.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Valora a evolução histórica das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga, assim como as suas relações com as paisagens naturais, analisando os factores e os elementos implicados, e desenvolvendo atitudes e valores de aprecio do património natural e artístico.

– QUE1.1. Descreveram mediante a análise de fontes gráficas as principais características de uma paisagem natural, e reconheceram-se essas características no contorno mais próximo.

– QUE1.2. Explicaram-se a localização, o deslocamento e a adaptação ao meio dos grupos humanos do período da hominización, até o domínio técnico dos metais por parte das principais culturas que o exemplifican.

– QUE1.3. Relacionaram-se as características dos fitos artísticos mais significativos do período prehistórico com a organização social e com o corpo de crenças, e valoraram-se as suas diferenças com as sociedades actuais.

– QUE1.4. Valorou-se a persistencia destas sociedades nas actuais, em especial no território galego e peninsular, identificando e comparando as suas principais características.

– QUE1.5. Discrimináronse as principais características que requer a análise das obras arquitectónicas e escultóricas mediante exemplos arquetípicos, diferenciando estilos canónicos.

– QUE1.6. Julgou-se o impacto das primeiras sociedades humanas na paisagem natural, analisando as características das cidades antigas e a sua evolução na actualidade no território galego e peninsular.

– QUE1.7. Analisou-se a persistencia na Galiza, na Península Ibérica e nos territórios extrapeninsulares espanhóis das sociedades prehistóricas e da Idade Antiga.

– QUE1.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE1.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora a construção do espacio europeu até as primeiras transformações industriais das sociedades agrárias, analisando as suas características principais, assim como a sua persistencia na sociedade actual e no contorno imediato.

– QUE2.1. Analisou-se a transformação do mundo antigo no medieval, reconhecendo a evolução do espacio europeu, as suas relações com o espacio extraeuropeo e as características mais significativas das sociedades medievais na Galiza e em Espanha.

– QUE2.2. Valoraram-se as características das paisagens agrárias medievais e a sua persistencia nas sociedades actuais galega e espanhola, identificando os seus elementos principais.

– QUE2.3. Valoraram-se as consequências da construção dos impérios coloniais na América do Norte nas culturas autóctones e nas europeias.

– QUE2.4. Analisou-se o modelo político e social da monarquia absoluta durante a Idade Moderna nas principais potências europeias, assim como as suas peculiaridades na Galiza e em Espanha.

– QUE2.5. Valoraram-se os indicadores demográficos básicos das transformações na povoação europeia, espanhola e galega durante o período analisado.

– QUE2.6. Descreveram-se as principais características da análise das obras pictóricas através do estudo de exemplos arquetípicos das escolas e dos estilos que se sucedem na Europa, em Espanha e na Galiza desde o Renacemento até a irrupção das vanguardas históricas.

– QUE2.7. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do perfil do título, analisando as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE2.8. Elaboraram-se instrumentos singelos de recolhida de informação mediante estratégias de composição protocolizadas, utilizando as tecnologias da informação e da comunicação.

– QUE2.9. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho em equipa.

4.2.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades prehistóricas e antigas e a sua relação com o meio natural.

• Paisagens naturais: aspectos gerais e locais.

• Sociedades prehistóricas.

• Nascimento das cidades: habitat urbano e a sua evolução; gráficos de representação urbana; sociedades urbanas antigas; cultura grega (extensão, traços, fitos principais e características essenciais da arte grega); cultura romana (características essenciais da arte romana); sociedades prehistóricas e antigas no território galego e peninsular.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (guiões, esquemas, resumos, etc.); ferramentas singelas de localização cronolóxica; vocabulário seleccionado e específico.

BC2. Valoração da criação do espacio europeu na Idade Média e na Idade Moderna.

• Europa medieval: persistencia de usos e costumes (espacio agrário e as suas características); contacto com outras culturas.

• Europa das monarquias absolutas: grandes monarquias europeias (localização e evolução sobre o mapa no contexto europeu); monarquia absoluta em Espanha; evolução do sector produtivo durante o período.

• Colonização da América do Norte.

• Galiza nas épocas medieval e moderna.

• Estudo da povoação: evolução demográfica do espacio europeu; comentário de gráficas de povoação (pautas e instrumentos básicos).

• Evolução da arte europeia, espanhola e galega das épocas medieval e moderna. Pautas básicas para o comentário de obras pictóricas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: recursos básicos (resumos, fichas temáticas, biografias, folhas de cálculo ou similares, etc.); vocabulário específico.

4.2.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que o estudantado seja quem de reconhecer as características básicas dos fenômenos relacionados com a actividade humana e melhorar as suas habilidades comunicativas.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra conhecimentos básicos relativos a ciências sociais, língua galega e literatura, língua castelhana e literatura, e língua inglesa, estará enfocada ao uso de ferramentas básicas da análise textual, à elaboração de informação estruturada oral e escrita, à localização espacio-temporária dos fenômenos sociais e culturais, ao respeito pela diversidade de crenças e às pautas de relação quotidiana em diferentes sociedades e grupos humanos, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e em equipa.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana I, Comunicação em língua inglesa I, e Sociedade I.

A língua galega e literatura, e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais o), p), q), r), s), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais ñ), o), p), q), r), s), t), u), v), w), x), y) e z).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas a:

– Concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar a integração do estudantado nas situações de aprendizagem propostas, mediante a aplicação de estratégias motivadoras.

– Potenciação da autonomia na execução das actividades e na gestão do seu tempo de aprendizagem, no âmbito das competências e dos contidos do âmbito sociolinguístico.

– Realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e em equipa.

– Uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance, fomentando o uso das TIC, que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações estruturadas da realidade.

– Uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração do estudantado nas actividades de aprendizagem, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade.

– Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens singelas orais e escritas, mediante o seu uso em diferentes tipos de situações comunicativas e textuais do contorno do estudantado.

– Uso de um vocabulário adequado às situações do seu contorno, que orientará a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho em equipa que permita a integração do estudantado nas actividades educativas com garantia de sucesso.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes presentes no contorno do estudantado, em relação com as necessidades derivadas do uso da língua com diferentes/as falantes.

– Desenvolvimento de hábitos de leitura que permitam a satisfacção com a produção literária, mediante o uso de textos seleccionados acordes com as suas necessidades e características.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração motivadora de saberes que lhe permitam ao estudantado analisar e valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Utilização de recursos e fontes de informação ao seu alcance para organizar a informação que extraia, para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação da diversidade dos grupos humanos e os seus sucessos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas do contorno do estudantado a partir da análise da informação disponível e da formulação de explicações justificadas e a reflexão sobre a sua actuação ante estas, em situações de aprendizagem pautadas.

– Potenciação das capacidades de observação e critérios para a satisfacção com as expressões artísticas mediante a análise pautada de produções artísticas arquetípicas, apreciando os seus valores estéticos e temáticos.

4.3. Módulo profissional: Comunicação e sociedade II.

• Código: MP3012.

• Duração: 135 horas.

4.3.1. Unidade formativa 1: Comunicação em línguas galega e castelhana II.

• Código: MP3012_13.

• Duração: 67 horas.

4.3.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias comunicativas para interpretar e comunicar informação oral em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando os princípios da escuta activa, estratégias razoadas de composição e as normas linguísticas correctas em cada caso.

– QUE1.1. Aplicaram-se as técnicas da escuta activa na análise de mensagens orais procedentes de diversas fontes.

– QUE1.2. Reconheceu-se o intuito comunicativo e a estrutura e coesão da comunicação oral, valorando possíveis respostas.

– QUE1.3. Realizou-se um uso correcto dos elementos de comunicação não verbal nas argumentações e nas exposições.

– QUE1.4. Aplicaram-se as técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

– QUE1.5. Analisaram-se os usos e os níveis da língua e as normas linguísticas na compreensão e aplicaram na composição de mensagens orais, valorando e eliminando os usos discriminatorios.

– QUE1.6. Utilizou-se a terminologia gramatical correcta na compreensão das actividades gramaticais propostas e na sua resolução.

• RA2. Utiliza estratégias comunicativas para comunicar informação escrita em língua galega e em língua castelhana, no âmbito laboral e noutros contextos, aplicando à composição autónoma de textos de progressiva complexidade estratégias de análise, síntese e classificação, de maneira estruturada.

– QUE2.1. Valoraram-se e analisaram-se as características principais dos tipos de textos em relação com a sua adequação para o trabalho que se deseja realizar e em função da sua finalidade.

– QUE2.2. Utilizaram-se diversas técnicas de procura na compreensão de um texto escrito, aplicando estratégias de reinterpretação de conteúdos.

– QUE2.3. Aplicaram-se sistematicamente estratégias de leitura comprensiva na interpretação dos textos, reconhecendo possíveis usos discriminatorios.

– QUE2.4. Resumiu-se o conteúdo de um texto escrito, extraindo a ideia principal, as secundárias e o propósito comunicativo, revendo e reformulando as conclusões obtidas.

– QUE2.5. Analisou-se a estrutura de diversos textos escritos de uso académico ou profissional, reconhecendo os usos e os níveis da língua, e pautas de elaboração.

– QUE2.6. Aplicaram-se as principais normas gramaticais e ortográfico na redacção de textos, de forma que o texto final resulte claro, preciso e adequado ao formato e ao contexto comunicativo.

– QUE2.7. Utilizou-se o léxico específico da família profissional do título.

– QUE2.8. Desenvolveram-se pautas sistematizadas na preparação de textos escritos que permitem melhorar a comunicação escrita.

– QUE2.9. Seguiram-se pautas de apresentação de trabalhos escritos tendo em conta o conteúdo, o formato e o público destinatario, utilizando um vocabulário correcto segundo as normas linguísticas e a finalidade.

– QUE2.10. Resolveram-se actividades de compreensão e análise das estruturas gramaticais, comprovando a precisão e a validade das inferencias realizadas.

• RA3. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade, reconhecendo o intuito do autor ou da autora e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE3.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua castelhana no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE3.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE3.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE3.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE3.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua castelhana, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA4. Interpreta textos literários representativos da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade, reconhecendo o intuito da autora ou do autor e relacionando-os com o seu contexto histórico, sociocultural e literário.

– QUE4.1. Descreveram-se os movimentos literários em língua galega no período considerado, reconhecendo as obras mais representativas.

– QUE4.2. Valorou-se a estrutura e o uso da linguagem na leitura pessoal de obras adequadas ao nível, situando-a no seu contexto e utilizando instrumentos pautados.

– QUE4.3. Expressaram-se opiniões pessoais fundamentadas sobre os aspectos apreciados em obras literárias.

– QUE4.4. Aplicaram-se estratégias de análise de textos literários, reconhecendo os temas e os motivos, os elementos simbólicos e a funcionalidade dos recursos estilísticos mais significativos.

– QUE4.5. Informou-se sobre um autor ou uma autora, um período ou uma obra da literatura em língua galega, recolhendo de forma analítica a informação correspondente.

• RA5. Conhece e valora a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol e as principais características das variedades geográficas da língua galega e da língua castelhana, assim como as diferentes etapas, desde começos do século XX, da história social da língua galega e da língua castelhana, valorando a função do standard, a necessidade de normalizar a língua galega e rejeitando os prejuízos linguísticos.

– QUE5.1. Identificou-se a situação sociolinguístico das diferentes línguas do Estado espanhol, valorando a diversidade linguística como um elemento de enriquecimento cultural e outorgando-lhe a todas as línguas o mesmo valor e a mesma função comunicativa.

– QUE5.2. Reconhece-se a variedade interna das línguas castelhana e galega como símbolo da riqueza do nosso património linguístico.

– QUE5.3. Identificaram-se as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

– QUE5.4. Valorou-se a função do standard de qualquer língua, assim como a necessidade de normalizar a língua galega no marco do plurilingüismo, rejeitando os prejuízos linguísticos.

4.3.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Utilização de estratégias de comunicação oral em língua galega e em língua castelhana.

• Textos orais.

• Técnicas de escuta activa na compreensão de textos orais.

• Exposição de ideias e argumentos: organização e preparação dos contidos (ilación, sucessão e coerência); estrutura.

• Aplicação das normas linguísticas na comunicação oral: organização da frase (estruturas gramaticais básicas em língua galega e em língua castelhana); coerência semántica.

• Uso de recursos audiovisuais.

• Técnicas de organização de reuniões e de participação nelas.

BC2. Uso de estratégias de comunicação escrita em língua galega e em língua castelhana.

• Trabalhos, relatórios, ensaios e outros textos académicos, científicos e profissionais.

• Aspectos linguísticos que há que ter em conta: registros comunicativos da língua e factores que condicionar o seu uso; variações das formas deícticas em relação com a situação; estilo directo e indirecto.

• Estratégias de leitura com textos académicos.

• Apresentação de textos escritos.

• Compreensão e produção de textos escritos: conectores textuais (causa, consequência, condição e hipótese); formas verbais nos textos (perífrases verbais; concordancia e coerência temporária e modal); sintaxe (complementos; frases compostas); estratégias para melhorar o interesse da pessoa receptora.

• Léxico específico da família profissional do título.

BC3. Interpretação de textos literários em língua castelhana desde o século XIX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária do período estudado.

• A literatura em língua castelhana nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua castelhana desde o século XIX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua castelhana.

BC4. Interpretação de textos literários em língua galega desde começos do século XX.

• Instrumentos para a recolhida de informação da leitura de uma obra literária.

• A literatura em língua galega nos seus géneros.

• Evolução da literatura em língua galega desde começos do século XX até a actualidade.

• Expressão de opiniões fundamentadas sobre textos e obras literárias em língua galega.

BC5. Conhecimento e respeito pela diversidade linguística, a história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX e valoração do standard e da necessidade de normalizar a língua galega.

• A situação sociolinguístico das línguas do Estado espanhol.

• A variedade interna da língua castelhana e da língua galega.

• Características das etapas da história social da língua galega e da língua castelhana desde começos do século XX.

• Funções e valor da língua standard.

• Adopção de atitudes positivas para a normalização da língua galega e conhecimento do processo.

• Reconhecimento e rejeição dos prejuízos linguísticos, valorando o plurilingüismo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

4.3.2. Unidade formativa 2: Comunicação em língua inglesa II.

• Código: MP3012_23.

• Duração: 34 horas.

4.3.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Utiliza estratégias para interpretar e comunicar informação oral em língua inglesa, aplicando os princípios da escuta activa e elaborando apresentações orais de pouca extensão, claras e estruturadas, relativas a temas e aspectos concretos, frequentes e quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

– QUE1.1. Aplicaram-se sistematicamente as estratégias de escuta activa para a compreensão global e específica das mensagens recebidas, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE1.2. Identificou-se o intuito comunicativo de mensagens directas ou empregando um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso, estruturadores (de abertura, continuidade e pechamento).

– QUE1.3. Identificou-se o sentido global e as ideias principais do texto oral e de estruturas gramaticais básicas em orações singelas, de situações habituais frequentes e de conteúdo predicible e concreto.

– QUE1.4. Identificaram-se traços fonéticos e de entoación essenciais que ajudam a perceber o sentido global e as ideias principais e secundárias da mensagem.

– QUE1.5. Realizaram-se composições e apresentações orais breves de acordo com um guião estruturado, aplicando o formato e os traços próprios de cada tipo de texto de âmbito pessoal, público ou profissional.

– QUE1.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais básicas e marcadores de discurso para iniciar, enlaçar, ordenar e finalizar o discurso em situações habituais frequentes e aspectos concretos.

– QUE1.7. Expressou-se a informação usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis, aceitando-se as pautas e pequenas vacilações.

– QUE1.8. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

– QUE1.9. Identificaram-se e valoraram-se as normas de relação social e as normas de cortesía mais frequentes dos países onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.10. Identificaram-se e valoraram-se os costumes ou as actividades quotidianas da comunidade e do lugar de trabalho onde se fala a língua estrangeira.

– QUE1.11. Identificaram-se as principais atitudes e os comportamentos profissionais em situações de comunicação habituais do âmbito profissional.

• RA2. Mantém conversas singelas e breves em língua inglesa em situações habituais e concretas, cara a cara ou por meios técnicos, do âmbito pessoal, público e profissional, empregando estratégias de comunicação básica.

– QUE2.1. Dialogouse seguindo um guião sobre temas e aspectos concretos e frequentes do âmbito pessoal, público e profissional.

– QUE2.2. Descreveram-se, narraram-se e explicaram-se experiências próprias.

– QUE2.3. Escutou-se e dialogouse em interacções singelas, quotidianas da vida profissional, pública e pessoal, solicitando e proporcionando informação com verdadeiro detalhe.

– QUE2.4. Manteve-se a interacção utilizando diversas estratégias de comunicação essenciais para mostrar o interesse e a compreensão.

– QUE2.5. Utilizaram-se estratégias de compensação para suplir carências na língua estrangeira (parafrasear, linguagem corporal e ajudas audiovisuais), para facilitar a comunicação entre as pessoas interlocutoras.

– QUE2.6. Utilizaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório essencial e limitado de expressões, frases, palavras frequentes e marcadores de discurso lineais.

– QUE2.7. Expressou-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e uma pronúncia razoáveis e compreensível, aceitando-se algumas pausas e vacilações, num registro formal ou neutro e sempre que as condições acústicas sejam boas e a mensagem não esteja distorsionada.

• RA3. Elabora textos breves e singelos com verdadeiro detalhe em língua inglesa relativos a situações de comunicação habituais do âmbito pessoal, público e profissional, aplicando estratégias de leitura comprensiva e desenvolvendo estratégias sistemáticas de composição.

– QUE3.1. Leu-se o texto reconhecendo os traços essenciais do género, o seu intuito, o seu contexto e a sua estrutura, e interpretando o seu conteúdo global e específico sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

– QUE3.2. Identificou-se o intuito comunicativo básico do texto, o sentido geral, a informação essencial e as partes principais, mesmo quando o texto se organiza de diferente maneira.

– QUE3.3. Identificaram-se estruturas gramaticais e orações singelas, e um repertório limitado de expressões, frases, palavras e marcadores de discurso básicos e lineais, em situações habituais frequentes e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.4. Completaram-se frases, orações e textos singelos atendendo ao propósito comunicativo, com estruturas gramaticais de escassa complexidade, em situações habituais e concretas de conteúdo predicible.

– QUE3.5. Elaboraram-se textos breves e singelos, adequados a um propósito comunicativo, empregando os conectores mais frequentes para enlaçar as orações.

– QUE3.6. Respeitaram-se as normas gramaticais, ortográfico e tipográficas seguindo pautas sistemáticas e concretas de revisão e correcção.

– QUE3.7. Mostrou-se uma atitude reflexiva e crítica acerca da informação que suponha qualquer tipo de discriminação.

4.3.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Interpretação e comunicação de textos orais quotidianos em língua inglesa.

• Distinção de ideias principais e secundárias, informação essencial de textos orais breves e singelos.

• Descrição de aspectos concretos de pessoas, lugares, serviços básicos, objectos e gestões singelas.

• Experiências dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Narração, explicações e intercâmbio de acontecimentos e experiências do presente, do passado e do futuro.

• Léxico, frases e expressões para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas dos âmbitos pessoal e profissional.

• Tipos de textos e a sua estrutura.

• Recursos tecnológicos.

• Recursos gramaticais. Tempos e formas verbais simples e compostas. Funções comunicativas associadas a situações habituais do âmbito pessoal, público e profissional. Elementos linguísticos fundamentais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Orações simples e subordinadas de escassa complexidade.

• Estratégias de compreensão e escuta activa.

• Pronúncia de fonemas ou grupos fónicos que apresentem maior dificultai.

• Uso de registros adequados nas relações sociais e das normas de cortesía.

• Reconhecimento e uso de expressões relacionadas com os costumes e os ritos numa comunidade de pessoas utentes da língua inglesa.

BC2. Interacção em conversas em língua inglesa.

• Estratégias de interacção para manter e seguir uma conversa.

• Uso de frases estandarizadas.

BC3. Interpretação e elaboração de mensagens singelas escritas em língua inglesa.

• Informação global e específica de mensagens de escassa dificultai referentes a assuntos básicos quotidianos dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Composição de textos escritos breves e bem estruturados.

• Léxico para se desenvolver em transacções e gestões quotidianas, necessárias, singelas e concretas dos âmbitos pessoal, público e profissional.

• Terminologia específica da área profissional do estudantado.

• Recursos gramaticais. Marcadores do discurso. Domínio singelo do discurso: coerência e coesão. Uso das orações simples e compostas na linguagem escrita.

• Estratégias e técnicas de compressão de leitura.

• Propriedades básicas do texto.

• Normas socioculturais nas relações dos âmbitos pessoal, público e profissional em situações quotidianas.

• Estratégias de planeamento da mensagem.

4.3.3. Unidade formativa 3: Sociedade II.

• Código: MP3012_33.

• Duração: 34 horas.

4.3.3.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Infire as características essenciais das sociedades contemporâneas a partir do estudo da sua evolução histórica, analisando os traços básicos da sua organização social, política e económica em diferentes momentos, e a sucessão de transformações e conflitos acaecidos.

– QUE1.1. Discrimináronse as consequências para a organização das sociedades actuais das correntes ideológicas que a cimentaron, situando no tempo e no espacio.

– QUE1.2. Valorou-se o modelo globalizado actual de relações económicas mediante o estudo das transformações económicas produzidas como consequência das inovações tecnológicas e os sistemas organizativo da actividade produtiva.

– QUE1.3. Categorizáronse as características da organização social contemporânea, em especial a galega e a espanhola, analisando a estrutura e as relações sociais da povoação actual e a sua evolução durante o período, utilizando gráficas e fontes directas seleccionadas.

– QUE1.4. Examinou-se a evolução das relações internacionais contemporâneas, elaborando explicações causais e consecutivas que permitam desenvolver opiniões próprias sobre os conflitos actuais.

– QUE1.5. Valorou-se o processo de unificação do espacio europeu, analisando a sua evolução, os seus princípios e as suas instituições significativas, e argumentou-se a sua influência nas políticas nacionais dos países membros da União Europeia.

– QUE1.6. Associou-se a evolução dos acontecimentos históricos globais com a evolução histórica do Estado espanhol e do território galego, identificando as suas fases de evolução, os principais conflitos e a sua situação actual.

– QUE1.7. Identificaram-se os traços essenciais da arte contemporânea, em especial a galega e a espanhola, e a sua evolução até os nossos dias, construindo opiniões e critérios próprios de ordem estética.

– QUE1.8. Analisou-se a evolução do sector ou dos sectores produtivos próprios do título e descreveram-se as suas transformações e os principais fitos de evolução nos seus sistemas organizativo e tecnológicos.

– QUE1.9. Elaboraram-se instrumentos pautados de recolhida e difusão de informação que permitam a avaliação das aprendizagens realizadas, utilizando o vocabulário preciso.

– QUE1.10. Desenvolveram-se comportamentos acordes com o desenvolvimento do próprio esforço e o trabalho colaborativo.

• RA2. Valora os princípios básicos do sistema democrático analisando as suas instituições e as organizações políticas e económicas em que se manifesta, inferindo pautas de actuação para acomodar o seu comportamento ao cumprimento dos supracitados princípios.

– QUE2.1. Reconheceram-se os princípios básicos da Declaração universal de direitos humanos e a sua situação no mundo de hoje, valorando o seu envolvimento para a vinda quotidiana.

– QUE2.2. Analisaram-se os princípios reitores, as instituições e as normas de funcionamento das principais instituições internacionais, julgando o seu papel nos conflitos mundiais.

– QUE2.3. Valorou-se a importância da mediação e da resolução de conflitos na extensão do modelo democrático, desenvolvendo critérios próprios e razoados para a resolução destes.

– QUE2.4. Julgaram-se os traços essenciais do modelo democrático espanhol valorando o contexto histórico do seu desenvolvimento.

– QUE2.5. Valorou-se o envolvimento do princípio de não discriminação nas relações pessoais e sociais do contorno, julgando comportamentos próprios e alheios e inferindo pautas e acções apropriadas para acomodar a atitude aos direitos e às obrigações que disso derivam.

– QUE2.6. Elaborou-se informação pautada e organizada para a sua utilização em situações de trabalho colaborativo e contraste de opiniões.

4.3.3.2. Conteúdos básicos.

BC1. Valoração das sociedades contemporâneas.

• Construção dos sistemas democráticos: a Ilustração e as suas consequências, a sociedade liberal e a sociedade democrática.

• Estrutura económica e a sua evolução. Princípios de organização económica. Economia globalizada actual. A segunda globalização. Terceira globalização: problemas do desenvolvimento. Evolução do sector produtivo próprio na Galiza e em Espanha.

• Relações internacionais. Grandes potências e conflito colonial. Guerra Civil europeia. Descolonización e Guerra Fria. Mundo globalizado actual. Principais instituições internacionais. Galiza e Espanha no marco de relações actual.

• Construção europeia. Galiza e Espanha na Europa.

• Arte contemporânea: ruptura do cânone clássico; o cine e o cómic como entretenimento de massas.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas: trabalho colaborativo; apresentações e publicações web.

BC2. Valoração das sociedades democráticas.

• Declaração universal de direitos humanos: os direitos humanos na vida quotidiana; conflitos internacionais actuais.

• Modelo democrático espanhol: construção da Espanha democrática; Constituição espanhola. A organização do Estado espanhol. O Estado das autonomias. O Estatuto de autonomia da Galiza.

• Princípio de não discriminação na convivência diária. Resolução de conflitos.

• Tratamento e elaboração de informação para as actividades educativas. Processos e pautas para o trabalho colaborativo. Preparação e apresentação de informação para actividades deliberativas. Normas de funcionamento e atitudes no contraste de opiniões.

4.3.4. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente do estudantado e contém a formação para melhorar as suas possibilidades de desenvolvimento pessoal, social e profissional, utilizando os passos do método científico, mediante a análise dos principais fenômenos relacionados com as actividades humanas no mundo contemporâneo, com o desenvolvimento de estratégias comunicativas suficientes em línguas galega e castelhana, e com os fundamentos da comunicação em língua inglesa em diferentes situações habituais.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra matérias como as ciências sociais, a língua galega e literatura, a língua castelhana e literatura, e língua inglesa, enfocarase à aquisição de ferramentas de análise espacio-temporária, ao tratamento de textos orais e escritos, à elaboração de mensagens estruturadas e ao respeito para outras sociedades, involucrando o estudantado em tarefas significativas que lhe permitam trabalhar de forma autónoma e colaborativo, para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

Para facilitar a organização dos contidos, este módulo divide-se em três unidades formativas: Comunicação em línguas galega e castelhana II, Comunicação em língua inglesa II, e Sociedade II.

A língua galega e literatura, e a língua castelhana e literatura abordam desde um enfoque comunicativo que justifica o seu tratamento integrado numa única unidade formativa. Em qualquer caso, de acordo com a legislação vigente, no processo de ensino e aprendizagem devem-se usar ambas as línguas nas destrezas de compreensão e de produção para que o estudantado finalize esta formação sendo competente nas duas.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais o), p), q), r), s), t), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais ñ), o), p), q), r), s), t), u), v), w), x), y) e z).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo estarão orientadas para:

– Concreção de um plano personalizado de formação que tenha como objectivo alcançar o envolvimento activo do estudantado no seu processo formativo, onde a prática e a funcionalidade das aprendizagens constituam um contínuum que facilite a realização das actividades que leve a cabo o estudantado.

– Potenciação da autonomia e da iniciativa pessoal, para utilizar as estratégias adequadas no âmbito sociolinguístico.

– Realização de dinâmicas sobre o desenvolvimento de habilidades sociais que favoreçam o desenvolvimento e o assentamento de hábitos de disciplina e de trabalho individual e colaborativo.

– Uso de estratégias, recursos e fontes de informação ao seu alcance que contribuam à reflexão sobre a valoração da informação necessária para construir explicações razoadas da realidade.

– Garantia do acesso à informação para todo o estudantado, fomentando o uso das TIC.

– Uso de métodos globalizadores (projectos, centros de interesse, etc.) que permitam a integração de competências e conteúdos, concretizado numa metodoloxía de trabalho que os relacione com a actualidade para permitir a adaptação do estudantado à realidade pessoal, social e profissional.

– Programação de actividades que se relacionem, sempre que seja possível, com capacidades que derivem do perfil profissional e a sua adaptação aos requisitos profissionais do seu contorno.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com a aprendizagem das línguas estão relacionadas com:

– Uso da língua na interpretação e na elaboração de mensagens orais e escritas, mediante o seu uso em situações comunicativas e textuais de diferentes tipos.

– Uso de um vocabulário adequado às situações da vida pessoal, social e profissional que deverá vehicular a concreção dos contidos, das actividades e dos exemplos utilizados no módulo.

– Selecção e execução de estratégias didácticas que facilitem a autoaprendizaxe e que incorporem o uso da língua em situações de comunicação o mais reais possíveis, utilizando as possibilidades das tecnologias da informação e da comunicação (correio electrónico, SMS, internet, redes sociais, etc.).

– Uso das técnicas de comunicação para potenciar o trabalho colaborativo que permita desenvolver o conceito de inteligência colectiva e a sua relação com o âmbito profissional.

– Apreciação da variedade cultural e de costumes característica das sociedades contemporâneas, mais especificamente no âmbito das culturas de fala inglesa.

– Criação de hábitos de leitura e critérios estéticos próprios que lhe permitam ao estudantado a satisfacção com a produção literária, com maior afondamento na produção nas línguas galega e castelhana.

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo em relação com as ciências sociais estão relacionadas com:

– Integração de saberes que permitam o estudo de um fenômeno relacionado com as ciências sociais desde uma perspectiva multidiciplinar que lhe permitam ao estudantado valorar a diversidade das sociedades humanas.

– Uso de estratégias e destrezas de actuação, recursos e fontes de informação ao seu alcance para se achegar ao método científico e organizar a informação que extraia para favorecer a sua integração no trabalho educativo.

– Reconhecimento da pegada do passado na vida diária mediante a apreciação das mudanças e das transformações sofridas pelos grupos humanos ao longo do tempo.

– Valoração dos problemas da sociedade actual a partir da análise da informação disponível e da concreção de hipóteses próprias e razoadas de explicação dos fenômenos observados em situação de aprendizagem.

– Potenciação das capacidades de apreciação e de criação, de educação do gosto pelas artes, mediante o desenvolvimento de conteúdos e actividades que se relacionem com obras e expressões artísticas seleccionadas.

4.4. Módulo profissional: Equipamentos eléctricos e electrónicos.

• Código: MP3015.

• Duração: 236 horas.

4.4.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Identifica o material, as ferramentas e o equipamento necessários para a montagem e a ensamblaxe de equipamentos eléctricos e electrónicos, e descreve as suas principais características e a sua funcionalidade.

– QUE1.1. Identificaram-se e classificaram-se os elementos e os componentes tipo de um equipamento eléctrico ou electrónico, em função da sua aplicação e da sua situação.

– QUE1.2. Identificaram-se e classificaram-se os tipos de terminais e conectores mais utilizados em equipamentos eléctricos ou electrónicos.

– QUE1.3. Identificaram-se e classificaram-se as ancoraxes e as sujeição tipo (parafusos, clips, pestanas, etc.) de um equipamento eléctrico ou electrónico, em função da sua aplicação, da rixidez e da estabilidade.

– QUE1.4. Identificaram-se e classificaram-se as ferramentas (aparafusador eléctrico, aparafusadores planos e de estrela, chaves, etc.) normalmente empregadas na ensamblaxe de um equipamento eléctrico ou electrónico em função da sua aplicação e idoneidade.

– QUE1.5. Identificaram-se e classificaram-se os meios e os equipamentos de segurança pessoal (luvas de protecção, lentes, máscara, etc.), em função da sua aplicação e tendo em conta as ferramentas que se vão utilizar.

• RA2. Determina a sequência das operações de montagem e desmontaxe de equipamentos eléctricos e electrónicos, interpretando esquemas e identificando os passos.

– QUE2.1. Reconheceu-se a simbologia de representação gráfica dos elementos e dos componentes dos equipamentos eléctricos e electrónicos.

– QUE2.2. Interpretou-se o procedimento e a sequência de montagem e conexão, a partir de esquemas ou guias de montagem.

– QUE2.3. Identificou-se cada elemento representado no esquema com o elemento real.

– QUE2.4. Identificou-se o procedimento e a sequência de montagem e conexão dos elementos (inserção de cartões, fixação de elementos, etc.).

– QUE2.5. Definiu-se o processo e a sequência de montagem e conexão a partir do esquema ou da guia de montagem.

• RA3. Monta e desmonta elementos de equipamentos eléctricos ou electrónicos, interpretando esquemas e guias de montagem, nas condições de qualidade e segurança estabelecidas.

– QUE3.1. Seleccionaram-se os esquemas e as guias de montagem indicados para um modelo determinado.

– QUE3.2. Seleccionaram-se as ferramentas indicadas nos esquemas e nas guias de montagem.

– QUE3.3. Prepararam-se os elementos e os materiais que se vão utilizar, seguindo procedimentos normalizados.

– QUE3.4. Identificou-se a localização dos elementos no equipamento.

– QUE3.5. Ensambláronse os componentes seguindo procedimentos normalizados, aplicando as normas de segurança destes.

– QUE3.6. Fixaram-se os componentes com os elementos de sujeição indicados nos esquemas ou nas guias de montagem, aplicando o par de aperto ou pressão estabelecidos.

– QUE3.7. Aplicaram-se técnicas de montagem de componentes e conectores electrónicos em placas de circuito impresso.

– QUE3.8. Aplicaram-se técnicas de desmontaxe de equipamentos eléctricos ou electrónicos.

– QUE3.9. Cumpriram-se os requisitos de segurança estabelecidos.

– QUE3.10. Elaborou-se um relatório que recolha as actividades desenvolvidas e os resultados obtidos.

– QUE3.11. Realizaram-se os trabalhos com ordem, limpeza e qualidade, respeitando as normas de segurança e protecção ambiental.

– QUE3.12. Operou-se com autonomia nas actividades propostas, mantendo uma atitude responsável, ordenada e metódica.

• RA4. Conecta elementos em equipamentos eléctricos ou electrónicos aplicando técnicas básicas, e verifica a continuidade nas condições de qualidade e segurança estabelecidas.

– QUE4.1. Seleccionaram-se os esquemas e as guias de montagem indicados para um modelo determinado de conexão.

– QUE4.2. Seleccionaram-se as ferramentas indicadas nos esquemas e nas guias de conexão.

– QUE4.3. Seleccionou-se o tipo de conector e o cableamento apropriado para cada elemento.

– QUE4.4. Dispuseram-se e colocaram-se as peças do conector e os cabos.

– QUE4.5. Dispuseram-se e colocaram-se as protecções pessoais e dos elementos.

– QUE4.6. Acondicionáronse os cabos (descascar, esticar e ordenar) seguindo procedimentos.

– QUE4.7. Inseriram-se as peças do conector na ordem correcta e uniram-se os cabos (soldar, crimpar, embornar, etc.) da forma estabelecida no procedimento.

– QUE4.8. Realizou-se a conexão (soldadura, embornado e conector) segundo o procedimento estabelecido (posição de elementos, inserção do elemento, manobra de fixação, etc.).

– QUE4.9. Verificou-se a correcta conexão dos elementos que conformam o equipamento.

– QUE4.10. Cumpriram-se as medidas de segurança na utilização de equipamentos e ferramentas.

– QUE4.11. Dispuseram-se e colocaram-se as etiquetas nos cabos, segundo o procedimento estabelecido.

– QUE4.12. Trataram-se os resíduos gerados de acordo com a normativa ambiental.

– QUE4.13. Realizaram-se os trabalhos com ordem, limpeza e qualidade, respeitando as normas de segurança.

– QUE4.14. Operou-se com autonomia nas actividades propostas, mantendo uma atitude responsável, ordenada e metódica.

• RA5. Realiza a manutenção básica de equipamentos eléctricos e electrónicos, aplicando as técnicas estabelecidas em condições de qualidade e segurança.

– QUE5.1. Seleccionaram-se os esquemas e as guias indicados para um modelo determinado.

– QUE5.2. Seleccionaram-se as ferramentas segundo as operações que haja que realizar.

– QUE5.3. Identificaram-se os elementos para substituir, assim como as suas características e a sua funcionalidade.

– QUE5.4. Aprovisionáronse os elementos de substituição.

– QUE5.5. Seleccionaram-se as ferramentas necessárias para as operações que se vão realizar.

– QUE5.6. Abriu-se o equipamento desmontando a carcasa e as protecções, e desmontáronse os elementos que cumpra substituir, empregando as técnicas e as ferramentas apropriadas, segundo os requisitos de cada intervenção.

– QUE5.7. Montaram-se os elementos de substituição empregando as técnicas e as ferramentas apropriadas, segundo os requisitos de cada intervenção.

– QUE5.8. Verificou-se o funcionamento correcto do equipamento eléctrico ou electrónico depois de finalizado o processo, com as protecções habilitadas e a carcasa novamente montada.

– QUE5.9. Elaborou-se um relatório com as operações realizadas num documento com o formato estabelecido.

– QUE5.10. Realizaram-se os trabalhos com ordem, limpeza e qualidade, respeitando as normas de segurança.

– QUE5.11. Operou-se com autonomia nas actividades propostas, mantendo uma atitude responsável, ordenada e metódica.

4.4.2. Conteúdos básicos.

BC1. Identificação de materiais, ferramentas e equipamentos de montagem, ensamblaxe, conexão e manutenção.

• Corrente alterna e contínua. Magnitudes eléctricas. Relação entre magnitudes. Instrumentos de medida (polímetro, wattímetro, osciloscopio, etc.).

• Circuitos eléctricos básicos (elementos pasivos e activos, protecções, etc.).

• Conectores: características e tipoloxía.

• Cabos: características e tipoloxía. Normalização.

• Fibra óptica: aplicações mais usuais; tipoloxía e características.

• Tipos de equipamentos: máquinas ferramenta, electrodomésticos, equipamentos informáticos, de audio, de vídeo e de comunicações, e equipamentos industriais.

• Ferramentas manuais e máquinas ferramenta.

• Materiais auxiliares. Elementos de ensamblaxe e sujeição: função, tipoloxía e características.

BC2. Processo de montagem e manutenção de equipamentos.

• Simbologia eléctrica e electrónica: normalização.

• Interpretação de planos e esquemas.

• Identificação de componentes comerciais. Catálogos.

• Identificação de conectores e cabos comerciais. Catálogos.

• Interpretação de esquemas e guias de montagem e desmontaxe.

• Interpretação de esquemas e guias de conexão.

• Caracterización das operações.

• Sequência de operações.

• Selecção de ferramentas e equipamentos. Tipoloxía das ferramentas.

• Interpretação de ordens de trabalho.

• Elaboração de relatórios.

• Prevenção de riscos, saúde laboral e protecção ambiental.

• Riscos na manipulação de sistemas e instalações.

BC3. Montagem e desmontaxe de equipamentos.

• Componentes electrónicos: tipos, características e funções básicas.

• Técnicas de montagem e inserção de componentes electrónicos.

• Ferramentas manuais: tipoloxía e características. Estação de soldadura, confomadora e ferramenta de manipulação de componentes de montagem superficial (SMD).

• Técnicas de soldadura branda: aplicações mais habituais. Precauções para ter em conta.

• Utilização de ferramentas manuais e máquinas ferramenta. Segurança no manejo de ferramentas e máquinas.

• Técnicas de montagem e ensamblaxe de equipamentos eléctricos e electrónicos.

• Montagem de elementos accesorios.

• Técnicas de substituição de elementos e componentes de equipamentos eléctricos e electrónicos.

• Operações de etiquetaxe e controlo.

• Equipamentos de protecção e segurança.

• Prevenção de riscos, saúde laboral e protecção ambiental.

BC4. Aplicação de técnicas de conexão e conectorización.

• Técnicas de conexão: características e aplicações.

• Soldadura, embornado e fixação de conectores.

• Ferramentas manuais e máquinas ferramenta: crimpadora, tenaces, pelacables, soldador, etc.

• Operações de etiquetaxe e controlo.

• Elementos de fixação: bridas, pechamentos de torsión, elementos pasacables, etc.

• Equipamentos de protecção e segurança.

• Prevenção de riscos, saúde laboral e protecção ambiental.

BC5. Aplicação de técnicas de substituição de elementos.

• Esquemas e guias.

• Aprovisionamento de elementos.

• Características eléctricas dos equipamentos e/ou dos seus elementos para substituir: tensão e corrente; corrente alterna e corrente contínua; resistência eléctrica; potência eléctrica.

• Ancoraxes e sujeição: tipos e características.

• Manutenção preventiva e manutenção correctivo. Operações básicas de manutenção preventivo. Vida útil.

• Planos de emergência.

• Actuação em caso de acidente.

• Elaboração de relatórios. Partes de avarias. Histórico de avarias e partes de trabalho.

• Prevenção de riscos, saúde laboral e protecção ambiental. Tratamento dos resíduos gerados. Separação e reciclagem.

4.4.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação necessária para realizar operações de ensamblaxe, conexão e manutenção básico de equipamentos eléctricos e electrónicos.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Identificação de equipamentos, elementos, ferramentas e médios auxiliares.

– Montagem de equipamentos, canalizações e suportes.

– Tendido de cabos.

– Manutenção de utente ou de primeiro nível.

A formação do módulo contribui a atingir os objectivos gerais d), e), g), h), i), j), k), l), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, personais e sociais j), k), l), r), s), t), v), w), x), y) e z).

As linhas de actuação no processo ensino e aprendizagem que permitem alcançar os objectivos do módulo versarão sobre:

– Identificação e caracterización dos equipamentos, os médios auxiliares e as ferramentas para a realização da montagem e a manutenção das instalações.

– Aplicação de técnicas de montagem de equipamentos e elementos das instalações.

– Tomada de medidas das magnitudes típico das instalações.

– Manutenção das instalações.

4.5. Módulo profissional: Ciências aplicadas II.

• Código: MP3019.

• Duração: 162 horas.

4.5.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Resolve situações quotidianas aplicando os métodos de resolução de equações e de sistemas, valorando a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica.

– QUE1.1. Utilizaram-se identidades notáveis nas operações com polinomios.

– QUE1.2. Obtiveram-se valores numéricos a partir de uma expressão alxébrica.

– QUE1.3. Resolveram-se equações de primeiro e segundo grau singelas de modo alxébrico e gráfico.

– QUE1.4. Resolveram-se problemas quotidianos e de outras áreas de conhecimento mediante equações e sistemas.

– QUE1.5. Valorou-se a precisão, a simplicidade e a utilidade da linguagem alxébrica para representar situações formuladas na vida real.

– QUE1.6. Resolveram-se sistemas de equações singelos.

• RA2. Resolve problemas singelos de diversa índole, através da sua análise contrastada e aplicando as fases do método científico.

– QUE2.1. Formularam-se hipóteses singelas, a partir de observações directas ou indirectas recopiladas por diferentes meios.

– QUE2.2. Analisaram-se diversas hipóteses e emitiu-se uma primeira aproximação à sua explicação.

– QUE2.3. Planificaram-se métodos e procedimentos experimentais singelos de diversa índole para refutar ou não a sua hipótese.

– QUE2.4. Trabalhou-se em equipa na formulação da solução.

– QUE2.5. Recopilaram-se os resultados dos ensaios de verificação e reflectiram-se num documento de maneira coherente.

– QUE2.6. Defendeu-se o resultado com argumentações e provas, e verificações ou refutacións das hipóteses emitidas.

• RA3. Realiza medidas directas e indirectas de figuras xeométricas presentes em contextos reais, utilizando os instrumentos, as fórmulas e as técnicas necessárias.

– QUE3.1. Utilizaram-se instrumentos apropriados para medir ângulos, comprimentos, áreas e volumes de corpos e de figuras xeométricas, interpretando as escalas de medida.

– QUE3.2. Utilizaram-se estratégias (semelhanças e descomposição em figuras mais singelas, etc.) para estimar ou calcular medidas indirectas no mundo físico.

– QUE3.3. Utilizaram-se as fórmulas para calcular perímetros, áreas e volumes, e atribuíram-se as unidades correctas.

– QUE3.4. Trabalhou-se em equipa na obtenção de medidas.

– QUE3.5. Utilizaram-se as TIC para representar figuras.

• RA4. Interpreta gráficas de duas magnitudes calculando os parâmetros significativos destas e relacionando-o com funções matemáticas elementares e os principais valores estatísticos.

– QUE4.1. Expressou-se a equação da recta de diversas formas.

– QUE4.2. Representou-se graficamente a função cuadrática aplicando métodos singelos para a sua representação.

– QUE4.3. Representou-se graficamente a função inversa.

– QUE4.4. Representou-se graficamente a função exponencial.

– QUE4.5. Extraiu-se informação de gráficas que representem os tipos de funções associadas a situações reais.

– QUE4.6. Utilizou-se o vocabulário adequado para a descrição de situações relacionadas com o azar e com a estatística.

– QUE4.7. Elaboraram-se e interpretaram-se tabelas e gráficos estatísticos.

– QUE4.8. Analisaram-se características da distribuição estatística obtendo medidas de centralización e de dispersão.

– QUE4.9. Aplicaram-se as propriedades dos acontecimentos e a probabilidade.

– QUE4.10. Resolveram-se problemas quotidianos mediante cálculos de probabilidade singelos.

• RA5. Aplica técnicas físicas ou químicas, utilizando o material necessário para a realização de práticas de laboratório singelas, medindo as magnitudes implicadas.

– QUE5.1. Verificou-se a disponibilidade do material básico utilizado num laboratório.

– QUE5.2. Identificaram-se e mediram-se magnitudes básicas (massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.).

– QUE5.3. Identificaram-se tipos de biomoléculas presentes em materiais orgânicos e inorgánicos.

– QUE5.4. Descreveram-se a célula e os tecidos animais e vegetais mediante a sua observação através de instrumentos ópticos.

– QUE5.5. Elaboraram-se relatórios de ensaios onde se inclui a justificação, o procedimento seguido, os resultados obtidos e as conclusões.

– QUE5.6. Aplicaram-se as normas de trabalho no laboratório.

• RA6. Reconhece as reacções químicas que se produzem nos processos biológicos e na indústria, argumentando a sua importância na vida quotidiana e descrevendo as mudanças que se produzem.

– QUE6.1. Identificaram-se reacções químicas principais da vida quotidiana, da natureza e da indústria.

– QUE6.2. Descreveram-se as manifestações de reacções químicas.

– QUE6.3. Descreveram-se os componentes principais de uma reacção química e a intervenção da energia nela.

– QUE6.4. Reconheceram-se algumas reacções químicas tipo (combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica).

– QUE6.5. Identificaram-se os componentes e o processo de reacções químicas singelas mediante ensaios de laboratório.

– QUE6.6. Elaboraram-se relatórios utilizando as TIC sobre as indústrias mais destacáveis (alimentária, cosmética e de reciclagem), descrevendo de forma singela os processos que têm lugar nelas.

– QUE6.7. Aplicaram-se as normas de segurança no trabalho de laboratório.

• RA7. Identifica aspectos positivos e negativos do uso da energia nuclear e descreve os efeitos da contaminação gerada na sua aplicação.

– QUE7.1. Analisaram-se efeitos positivos e negativos do uso da energia nuclear.

– QUE7.2. Diferenciaram-se os processos de fusão e de fisión nuclear.

– QUE7.3. Identificaram-se alguns problemas sobre verteduras nucleares produto de catástrofes naturais ou de má gestão e mal manutenção das centrais nucleares.

– QUE7.4. Argumentou-se sobre a problemática dos resíduos nucleares.

– QUE7.5. Trabalhou-se em equipa e utilizaram-se as TIC.

• RA8. Identifica as mudanças que se produzem no planeta Terra argumentando as suas causas e tendo em conta as diferenças entre relevo e paisagem.

– QUE8.1. Identificaram-se os agentes geológicos externos e qual é a sua acção sobre o relevo.

– QUE8.2. Diferenciaram-se os tipos de meteorización e identificaram-se as suas consequências no relevo.

– QUE8.3. Analisou-se o processo de erosão, reconhecendo os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.4. Descreveu-se o processo de transporte discriminando os agentes geológicos externos que intervêm e as consequências no relevo.

– QUE8.5. Analisou-se o processo de sedimentación discriminando os agentes geológicos externos que intervêm, as situações e as consequências no relevo.

• RA9. Categoriza os poluentes atmosféricos principais identificando as suas origens e relacionando-as com os seus efeitos.

– QUE9.1. Reconheceram-se os fenômenos da contaminação atmosférica e os principais agentes que a causam.

– QUE9.2. Investigou-se sobre o fenômeno da chuva ácida, as suas consequências imediatas e futuras, e como seria possível evitá-la.

– QUE9.3. Descreveu-se o efeito estufa argumentando as suas causas ou agentes que contribuem a ele, assim como as medidas para a sua redução.

– QUE9.4. Descreveu-se a problemática que ocasiona a perda paulatina da camada de ozónio e as consequências para a saúde das pessoas, o equilíbrio da hidrosfera e as povoações.

• RA10. Identifica os poluentes da água tendo em conta a relação entre o seu efeito no ambiente e o seu tratamento de depuração.

– QUE10.1. Reconheceu-se e valorou-se o papel da água na existência e na sobrevivência da vida no planeta.

– QUE10.2. Identificou-se o efeito nocivo da contaminação dos acuíferos nas povoações de seres vivos.

– QUE10.3. Identificaram-se possíveis poluentes em amostras de água de diferente origem, planificando e realizando ensaios de laboratório.

– QUE10.4. Analisaram-se os efeitos produzidos pela contaminação da água e o uso responsável desta.

• RA11. Contribui ao equilíbrio ambiental, analisando e argumentando as linhas básicas sobre o desenvolvimento sustentável e propondo acções para a sua melhora e a sua conservação.

– QUE11.1. Analisaram-se os envolvimentos positivos de um desenvolvimento sustentável.

– QUE11.2. Propuseram-se medidas elementares encaminhadas a favorecer o desenvolvimento sustentável.

– QUE11.3. Desenharam-se estratégias básicas para possibilitar a manutenção do ambiente.

– QUE11.4. Trabalhou-se em equipa na identificação dos objectivos para a melhora ambiental.

• RA12. Relaciona as forças que aparecem em situações habituais com os efeitos produzidos tendo em conta o seu contributo ao movimento ou ao repouso dos objectos e as magnitudes postas em jogo.

– QUE12.1. Discrimináronse movimentos quotidianos em função da sua trajectória e da sua celeridade.

– QUE12.2. Relacionaram-se entre sim a distância percorrida, a velocidade, o tempo e a aceleração, expressando-as em unidades de uso habitual.

– QUE12.3. Representaram-se vectorialmente determinadas magnitudes como a velocidade e a aceleração.

– QUE12.4. Relacionaram-se os parâmetros que definem o movimento rectilíneo uniforme utilizando as expressões gráfica e matemática.

– QUE12.5. Realizaram-se cálculos singelos de velocidades em movimentos com aceleração constante.

– QUE12.6. Descreveu-se a relação causa e efeito em diferentes situações, para encontrar a relação entre forças e movimentos.

– QUE12.7. Aplicaram-se as leis de Newton em situações da vida quotidiana.

• RA13. Identifica os aspectos básicos da produção, o transporte e a utilização da energia eléctrica, e os factores que intervêm no seu consumo, descrevendo as mudanças produzidas e as magnitudes e valores característicos.

– QUE13.1. Identificaram-se e manejaram-se as magnitudes físicas básicas para ter em conta no consumo de electricidade na vida quotidiana.

– QUE13.2. Analisaram-se os hábitos de consumo e de poupança eléctrico e estabeleceram-se linhas de melhora neles.

– QUE13.3. Classificaram-se as centrais eléctricas e descreveu-se a transformação energética nelas.

– QUE13.4. Analisaram-se as vantagens e as desvantaxes das centrais eléctricas.

– QUE13.5. Descreveram-se basicamente as etapas da distribuição da energia eléctrica desde a sua xénese à pessoa utente.

– QUE13.6. Trabalhou-se em equipa na compilación de informação sobre centrais eléctricas em Espanha.

• RA14. Identifica os componentes básicos de circuitos eléctricos singelos, realizando medidas e determinando os valores das magnitudes que os caracterizam.

– QUE14.1. Identificaram-se os elementos básicos de um circuito singelo em relação com os existentes na vida quotidiana.

– QUE14.2. Puseram-se de manifesto os factores dos quais depende a resistência de um motorista.

– QUE14.3. Experimentaram-se sobre circuitos elementares as variações de uma magnitude básica em função das mudanças produzidas nas outras.

– QUE14.4. Realizaram-se esquemas de circuitos eléctricos singelos interpretando as situações sobre estes.

– QUE14.5. Descreveram-se e exemplificáronse as variações produzidas nas associações série, paralelo e mistas.

– QUE14.6. Calcularam-se magnitudes eléctricas elementares no contorno habitual de consumo.

4.5.2. Conteúdos básicos.

BC1. Resolução de equações e de sistemas em situações quotidianas.

• Transformação de expressões alxébricas. Operações alxébricas de soma, diferença, produto, cociente e factor comum.

• Obtenção de valores numéricos em fórmulas. Regra de Ruffini.

• Polinomios: raízes e factorización. Teorema do resto e teorema do factor.

• Resolução alxébrica e gráfica de equações de primeiro e de segundo grau.

• Resolução de sistemas de equações singelos.

• Técnicas de resolução de problemas com equações e sistemas.

• Linguagem alxébrica. Precisão e simplicidade na tradução de situações reais.

BC2. Resolução de problemas singelos.

• Método científico.

• Fases do método científico: observação, elaboração de hipóteses, experimentação, análise de resultados e leis ou teorias.

• Aplicação das fases do método científico a situações singelas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação, respeito e ordem. Elaboração de relatórios.

BC3. Realização de medidas em figuras xeométricas.

• Pontos e rectas.

• Rectas secantes e paralelas.

• Ângulo: medida.

• Polígonos: descrição dos seus elementos e classificação.

• Triángulos. Semelhança; teoremas de Tais e de Pitágoras.

• Circunferencia e os seus elementos. Medida e cálculo de comprimentos, áreas e volumes. Asignação de unidades.

• Cálculo de medidas indirectas. Semelhanças; descomposição em figuras mais simples.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, cooperação e respeito. Apresentação de resultados.

• Uso de aplicações informáticas de xeometría dinâmica para o estudo e a representação de figuras xeométricas.

BC4. Interpretação de gráficos.

• Interpretação de um fenômeno descrito mediante um enunciado, uma tabela, uma gráfica ou uma expressão analítica.

• Funções lineais. Equação da recta.

• Funções cuadráticas. Representação gráfica.

• Representação gráfica da função inversa e da função exponencial.

• Uso de aplicações informáticas para a representação, a simulação e a análise da gráfica de uma função.

• Estatística. Tabelas e gráficos estatísticos. Medidas de centralización e dispersão.

• Cálculo de probabilidades. Propriedades dos acontecimentos e da probabilidade. Resolução de problemas.

BC5. Aplicação de técnicas físicas ou químicas.

• Material básico no laboratório. Inventário.

• Normas de trabalho no laboratório.

• Medida de magnitudes fundamentais: comprimento, massa, peso, volume, densidade, temperatura, etc.

• Reconhecimento de biomoléculas orgânicas e inorgánicas.

• Microscopio óptico e lupa binocular: fundamentos ópticos e manejo; utilização para descrever a célula e os tecidos animais e vegetais.

• Relatórios de trabalho no laboratório: estrutura e formato.

BC6. Reconhecimento de reacções químicas quotidianas.

• Reacção química. Componentes e processos. Ensaios de laboratório.

• Condições de produção das reacções químicas: intervenção de energia.

• Reacções químicas em âmbitos da vida quotidiana, da natureza e na indústria.

• Reacções químicas básicas: combustión, oxidación, descomposição, neutralización, síntese, aeróbica e anaeróbica.

• Processos que têm lugar nas indústrias mais destacáveis (alimentárias, cosmética e de reciclagem).

• Normas de segurança no trabalho de laboratório.

BC7. Identificação de aspectos relativos à contaminação nuclear.

• Origem da energia nuclear.

• Tipos de processos para a obtenção e o uso da energia nuclear: fusão e fisión.

• Resíduos radiactivos provenientes das centrais nucleares: problemática da sua gestão e do seu tratamento.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades, normas, ordem e elaboração de relatórios.

BC8. Identificação das mudanças no relevo e na paisagem da Terra.

• Agentes geológicos externos e internos.

• Acção dos agentes geológicos externos: meteorización, erosão, transporte e sedimentación.

• Identificação dos resultados da acção dos agentes geológicos.

• Relevo e paisagem. Factores condicionante.

BC9. Categorización dos poluentes atmosféricos principais.

• Conceito.

• Chuva ácida.

• Efeito estufa.

• Destruição da camada de ozónio.

BC10. Identificação de poluentes da água.

• Água: factor essencial para a vinda no planeta.

• Contaminação da água: causas e efeitos.

• Tratamentos de depuração e potabilización de água.

• Métodos de armazenamento da água proveniente dos desxeos, das descargas fluviais e da chuva.

BC11. Equilíbrio ambiental e desenvolvimento sustentável.

• Conceito e aplicações do desenvolvimento sustentável.

• Factores que incidem sobre a conservação do ambiente.

• Acções que contribuem à manutenção e a melhora do equilíbrio ambiental.

BC12. Influência das forças sobre o estado de repouso e de movimento dos corpos.

• Classificação dos movimentos segundo a sua trajectória e a sua aceleração.

• Distância percorrida, velocidade e aceleração. Unidades do Sistema internacional e mais habituais. Cálculos em movimentos com aceleração constante.

• Magnitudes escalares e vectoriais: distância percorrida, velocidade e aceleração.

• Movimento rectilíneo uniforme: características. Interpretação gráfica.

• Força: resultado de uma interacção. Relação entre forças e movimentos.

• Representação de forças aplicadas a um sólido em situações habituais. Resultante.

• Leis de Newton.

BC13. Produção e utilização da energia eléctrica.

• Electricidade e desenvolvimento tecnológico.

• Matéria e electricidade.

• Magnitudes básicas manejadas no consumo de electricidade: energia e potência. Aplicações na vida quotidiana: interpretação do recebo da luz.

• Hábitos de consumo e poupança de electricidade.

• Sistemas de produção de energia eléctrica: tipos de centrais eléctricas, as suas vantagens e as suas desvantaxes.

• Transporte e distribuição da energia eléctrica: etapas.

• Trabalho em equipa: compartimento de tarefas e de responsabilidades; elaboração de relatórios.

BC14. Identificação de componentes de circuitos básicos.

• Elementos de um circuito eléctrico.

• Componentes básicos de um circuito eléctrico. Cálculo da resistência de um motorista.

• Elaboração e interpretação de esquemas eléctricos.

• Circuitos série, paralelo e misto.

• Magnitudes eléctricas básicas.

• Realização de medidas experimentais de resistência, voltaxe e intensidade.

• Cálculo da energia consumida e da potência dissipada nos componentes eléctricos.

4.5.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo contribui a alcançar as competências para a aprendizagem permanente e contém a formação para que, utilizando os passos do razoamento científico, basicamente a observação e a experimentação, o estudantado aprenda a interpretar fenômenos naturais e, do mesmo modo, possa afianzar e aplicar hábitos saudáveis em todos os aspectos da sua vida quotidiana.

Igualmente, forma-se para que utilize a linguagem operacional das matemáticas na resolução de problemas de diferente índole, aplicados a qualquer situação, na sua vida quotidiana e na sua vida laboral.

A estratégia de aprendizagem para o ensino deste módulo, que integra ciências como as matemáticas, a física e a química, a biologia e a geoloxia, enfocarase aos conceitos principais e aos princípios das ciências, involucrando o estudantado na solução de problemas e noutras tarefas significativas, e permitir-lhe-á trabalhar de forma autónoma para construir a sua própria aprendizagem e culminar em resultados reais gerados por ele mesmo.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais i), m), n), ñ), p), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais m), n), ñ), q), r), s), t), u), v), w), x) e z).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Resolução de problemas, tanto no âmbito científico como no quotidiano.

– Interpretação de gráficos e curvas.

– Aplicação, quando proceda, do método científico.

– Valoração do ambiente e da influência dos poluentes.

– Características da energia nuclear.

– Aplicação de procedimentos físicos e químicos elementares.

– Realização de exercícios de expressão oral.

– Representação de forças.

4.6. Módulo profissional: Operações básicas de fabricação.

• Código: MP3020.

• Duração: 179 horas.

4.6.1. Unidade formativa 1: Técnicas manuais básicas de arranque de lavra.

• Código: MP3020_12.

• Duração: 89 horas.

4.6.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Organiza o seu trabalho na execução de limadura, serraxe, roscaxe, etc., interpretando a informação contida nas especificações do produto que se vá mecanizar.

– QUE1.1. Interpretou-se a simbologia normalizada aplicável em fabricação mecânica.

– QUE1.2. Compreenderam-se as instruções orais e escritas recebidas para a realização do trabalho.

– QUE1.3. Extraiu-se de folhas de trabalho, catálogos e outros documentos a informação necessária que permita pôr em prática o processo de trabalho.

– QUE1.4. Explicaram-se as operações que cumpra realizar, de forma que permitam a realização do processo, ajustando às especificações assinaladas.

– QUE1.5. Realizaram-se a mão alçada debuxos singelos que representem os produtos que haja que obter.

– QUE1.6. Tiveram-se em conta as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridos na organização do trabalho.

– QUE1.7. Mantiveram-se as zonas de trabalho da sua responsabilidade em condições de ordem, limpeza e segurança.

– QUE1.8. Operou-se com autonomia nas actividades propostas.

• RA2. Prepara materiais, utensilios e ferramentas de limadura, serraxe, roscaxe, etc., reconhecendo as suas características e as suas aplicações.

– QUE2.1. Realizou-se o abastecimento dos materiais necessários para o processo de mecanizado.

– QUE2.2. Comprovou-se que os meios e as ferramentas que se vão utilizar estejam nas condições de uso que permitam aproveitar optimamente o seu rendimento.

– QUE2.3. Seleccionaram-se as ferramentas e os utensilios em função do tipo do material e da qualidade requerida.

– QUE2.4. Efectuou-se o transporte de materiais e equipamentos aplicando as normas de segurança requeridas.

– QUE2.5. Realizou-se a manutenção e o cuidado dos médios empregados no processo depois de finalizado.

– QUE2.6. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais requeridas.

– QUE2.7. Planificaram-se metodicamente as tarefas que cumpra realizar com previsão das dificuldades e o modo de superá-las.

• RA3. Realiza operações básicas de limadura, serraxe, roscaxe, etc., seleccionando as ferramentas e aplicando as técnicas de fabricação.

– QUE3.1. Realizou-se a preparação e a limpeza das superfícies das peças que haja que limar, serrar, roscar, etc.

– QUE3.2. Traçaram-se e marcaram-se as peças segundo especificações requeridas ou instruções recebidas.

– QUE3.3. Manipularam-se e colocaram-se as peças empregando as ferramentas e os utensilios apropriados.

– QUE3.4. Realizaram-se as operações de limadura, serraxe, roscaxe, etc., seguindo as especificações recebidas.

– QUE3.5. Aplicou-se a normativa de prevenção de riscos laborais na execução das operações de limadura, serraxe, roscaxe, etc.

– QUE3.6. Realizaram-se os trabalhos com ordem e limpeza.

• RA4. Realiza operações de verificação sobre as peças obtidas, tendo em conta a relação entre as características do produto final e as especificações técnicas.

– QUE4.1. Identificaram-se e descreveram-se os instrumentos básicos de medida e controlo, e o seu funcionamento.

– QUE4.2. Operou com os instrumentos de verificação e controlo segundo os procedimentos estabelecidos.

– QUE4.3. Compararam-se as medições realizadas com os requisitos expressados no plano ou nas folhas de verificação.

– QUE4.4. Realizou-se o registro dos resultados nas fichas e nos documentos ajeitados.

– QUE4.5. Reflectiram-se nos informes as incidências observadas durante o controlo de matérias primas, das operações de mecanizado e das peças mecanizadas.

– QUE4.6. Realizou-se a manutenção de uso dos aparelhos utilizados.

– QUE4.7. Operou-se com rigor nos procedimentos desenvolvidos.

4.6.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Organização do trabalho de limadura, serraxe, roscaxe, etc.

• Recepção do plano.

• Interpretação do processo.

• Representação gráfica.

• Normalização, tolerâncias e acabamentos superficiais.

• Qualidade, normativas e catálogos.

• Planeamento das tarefas.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais nos trabalhos de mecanizado.

BC2. Preparação de materiais, utensilios e ferramentas.

• Conhecimentos de materiais.

• Propriedades e aplicações.

• Máquinas ferramenta manuais.

• Manutenção de primeiro nível dos médios empregados.

• Medidas de prevenção de riscos laborais aplicável.

BC3. Operações básicas de fabricação.

• Traçado plano.

• Traçado ao ar.

• Ferramentas manuais.

• Execução das operações básicas de limadura, serraxe, roscaxe, etc.

• Técnica de aplicação dos métodos de união.

• Normas de prevenção de riscos laborais aplicável às operações básicas de limadura, serraxe, roscaxe, etc.

BC4. Verificação de peças de limadura, serraxe, roscaxe, etc.

• Preparação de materiais para a verificação e o controlo.

• Instrumentos de medida para magnitudes lineais e angulares (calibre, goniómetro, galgas, etc.).

• Instrumentos de verificação de superfícies planas e angulares.

• Procedimento de verificação e controlo.

• Interpretação dos resultados obtidos.

4.6.2. Unidade formativa 2: Técnicas mecânicas básicas de arranque de lavra.

• Código: MP3020_22.

• Duração: 90 horas.

4.6.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Organiza o seu trabalho na execução de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc., interpretando a informação contida nas especificações do produto que se vá mecanizar.

– QUE1.1. Interpretou-se a simbologia normalizada aplicável em fabricação mecânica.

– QUE1.2. Compreenderam-se as instruções orais e escritas recebidas para a realização do trabalho.

– QUE1.3. Extraiu-se de folhas de trabalho, catálogos e outros documentos a informação necessária que permita pôr em prática o processo de trabalho.

– QUE1.4. Explicaram-se as operações que cumpra realizar, de modo que permitam a realização do processo, ajustando às especificações assinaladas.

– QUE1.5. Realizaram-se a mão alçada debuxos singelos que representem os produtos que haja que obter.

– QUE1.6. Tiveram-se em conta as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridos na organização do trabalho.

– QUE1.7. Mantiveram-se as zonas de trabalho da sua responsabilidade em condições de ordem, limpeza e segurança.

– QUE1.8. Operou-se com autonomia nas actividades propostas.

• RA2. Prepara materiais, utensilios e máquinas de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc., reconhecendo as suas características e as suas aplicações.

– QUE2.1. Realizou-se o abastecimento dos materiais necessários para o processo de mecanizado.

– QUE2.2. Comprovou-se que os meios, as ferramentas e os equipamentos que se vão utilizar estejam nas condições de uso que permitam aproveitar optimamente o seu rendimento.

– QUE2.3. Seleccionaram-se as ferramentas, os utensilios e as máquinas em função do tipo do material e da qualidade requerida.

– QUE2.4. Efectuou-se o transporte de materiais e equipamentos aplicando as normas de segurança requeridas.

– QUE2.5. Realizou-se a manutenção e o cuidado dos médios empregados no processo, depois de finalizado.

– QUE2.6. Ajustou-se o abastecimento de material, ferramentas e equipamentos ao ritmo da intervenção.

– QUE2.7. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais requeridas.

– QUE2.8. Planificaram-se metodicamente as tarefas que cumpra realizar, com previsão das dificuldades e o modo de superá-las.

• RA3. Realiza operações básicas de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc., seleccionando as ferramentas e os equipamentos, conforme as técnicas de fabricação.

– QUE3.1. Realizou-se a preparação e a limpeza das superfícies das peças que cumpra tradear, tornear, fresar, etc.

– QUE3.2. Traçaram-se e marcaram-se as peças segundo especificações requeridas ou instruções recebidas.

– QUE3.3. Manipularam-se e colocaram-se as peças empregando as ferramentas e os utensilios apropriados.

– QUE3.4. Ajustaram-se os parâmetros de mecanizado em função do material, das características da peça e das ferramentas empregadas.

– QUE3.5. Realizaram-se as operações de mecanizado ná máquina ajeitada, em função do material e da qualidade requerida.

– QUE3.6. Realizaram-se as operações de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc., seguindo as especificações recebidas.

– QUE3.7. Aplicou-se a normativa de prevenção de riscos laborais na execução das operações de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc.

– QUE3.8. Realizaram-se os trabalhos com ordem e limpeza.

• RA4. Manipula ónus na alimentação e descarga de máquinas e sistemas automáticos para a realização de operações de fabricação, e descreve os dispositivos e o processo.

– QUE4.1. Descreveram-se os processos auxiliares de fabricação mecânica em mecanizado, soldadura, caldeiraría, etc.

– QUE4.2. Analisaram-se os procedimentos de alimentação e descarga de sistemas automáticos de fabricação mecânica.

– QUE4.3. Descreveram-se os procedimentos de manipulação de ónus.

– QUE4.4. Ajustaram-se os parâmetros de operação segundo as instruções recebidas.

– QUE4.5. Efectuaram-se operações de ónus e descarga de máquinas automáticas segundo as especificações requeridas.

– QUE4.6. Vigiou-se o sistema automatizar para o seu correcto funcionamento, detendo o sistema ante qualquer anomalía que ponha em risco a qualidade do produto.

– QUE4.7. Aplicaram-se os requisitos de segurança na manipulação e no transporte de ónus.

– QUE4.8. Comunicaram-se as incidências surgidas e registaram no documento apropriado.

– QUE4.9. Aplicou-se a normativa de prevenção de riscos laborais na manipulação de máquinas e equipamentos.

– QUE4.10. Mostrou-se uma atitude responsável e de interesse pela melhora do processo.

– QUE4.11. Mantiveram-se hábitos de ordem e limpeza.

• RA5. Realiza operações de verificação sobre as peças obtidas, tendo em conta a relação entre as características do produto final e as especificações técnicas.

– QUE5.1. Identificaram-se e descreveram-se os instrumentos básicos de medida e controlo, e o seu funcionamento.

– QUE5.2. Operou com os instrumentos de verificação e controlo segundo os procedimentos estabelecidos.

– QUE5.3. Compararam-se as medições realizadas com os requisitos expressados no plano ou nas folhas de verificação.

– QUE5.4. Realizou-se o registro dos resultados nas fichas e nos documentos apropriados.

– QUE5.5. Reflectiram-se nos informes as incidências observadas durante o controlo de matérias primas, das operações de mecanizado e das peças mecanizadas.

– QUE5.6. Realizou-se a manutenção de uso dos aparelhos utilizados.

– QUE5.7. Operou-se com rigor nos procedimentos desenvolvidos.

4.6.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Organização do trabalho de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc.

• Recepção do plano.

• Interpretação do processo.

• Representação gráfica.

• Normalização, tolerâncias e acabamentos superficiais.

• Qualidade, normativas e catálogos.

• Planeamento das tarefas.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais nos trabalhos de mecanizado.

BC2. Preparação de materiais, utensilios e máquinas.

• Principais ferramentas auxiliares.

• Manipulação de ónus.

• Manutenção de primeiro nível dos médios empregados.

• Medidas de prevenção de riscos laborais aplicável.

BC3. Operações básicas de fabricação.

• Ferramentas auxiliares.

• Máquinas ferramenta: normas de emprego e utilização.

• Execução das operações básicas de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc.

• Normas de prevenção de riscos laborais aplicável às operações básicas de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc.

BC4. Manipulação de ónus na alimentação e na descarga de máquinas e sistemas automáticos.

• Operações auxiliares e de ónus e descarga.

• Sistemas de alimentação e descarga de máquinas.

• Sistemas de segurança empregados nos sistemas de ónus e descarga.

• Normas de prevenção de riscos laborais aplicável às operações de ónus e descarga de materiais.

BC5. Verificação de peças de tradeadura, torneadura, fresaxe, etc.

• Preparação de materiais para a verificação e o controlo.

• Instrumentos de medida para magnitudes lineais e angulares (relógio comparador, calas, galgas, etc.).

• Instrumentos de verificação de superfícies planas e angulares.

• Procedimento de verificação e controlo.

• Interpretação dos resultados obtidos.

4.6.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função de construção e montagem de produtos de construções metálicas.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Preparação do posto de trabalho.

– Interpretação de planos singelos.

– Reconhecimento de materiais e equipamentos para o mecanizado.

– Execução de operações básicas de mecanizados por arranque de lavra.

– Verificação de produtos elaborados.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais a), e), u), v), w), x), y), z) aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais a), d) q), r), s), t), u), v), w), x), y) e z).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Selecção de materiais e equipamentos para o mecanizado.

– Técnicas de mecanizado por arranque de lavra.

– Controlo de processos e de qualidade dos produtos.

4.7. Módulo profissional: Soldadura e carpintaría metálica.

• Código: MP3021.

• Duração: 175 horas.

4.7.1. Unidade formativa 1: Soldadura na carpintaría metálica.

• Código: MP3021_12.

• Duração: 100 horas.

4.7.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Prepara os equipamentos de soldadura por arco eléctrico, oxiacetilénica, MIG-MAG e TIG, e reconhece as suas características e as suas aplicações.

– QUE1.1. Identificaram-se os componentes de um posto de trabalho de soldadura por arco eléctrico, soldadura oxiacetilénica, MIG-MAG e TIG.

– QUE1.2. Descreveu-se o funcionamento dos componentes de um posto de trabalho de soldadura por arco, oxiacetilénica, MIG-MAG e TIG.

– QUE1.3. Regularam-se as variables de trabalho (pressão, caudal, corrente, intensidade e dardo da chama) segundo o trabalho que cumpra realizar e o processo que se vá usar.

– QUE1.4. Seleccionou-se o material de achega em relação com as características técnicas dos elementos que haja que unir.

– QUE1.5. Seleccionaram-se e montaram-se os accesorios segundo as operações que ser vão realizar.

– QUE1.6. Realizaram-se as uniões soldadas utilizando as técnicas normalizadas.

– QUE1.7. Realizou-se a limpeza, a lubricación e a manutenção de primeiro nível dos equipamentos de soldadura.

– QUE1.8. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE1.9. Manteve-se uma atitude metódica e ordenada no processo de preparação.

– QUE1.10. Aplicaram-se os equipamentos de protecção individual ajeitado em cada fase da preparação.

• RA2. Realiza as operações básicas de soldadura sobre materiais férricos, tendo em conta a relação entre a técnica que se vá utilizar e as características do produto final.

– QUE2.1. Prepararam-se os bordos das peças que se vão unir.

– QUE2.2. Executaram-se os processos de soldadura e uniões de acordo com as características técnicas dos produtos.

– QUE2.3. Verificaram-se com equipamentos ou medições as peças obtidas, e corrigiram-se os possíveis defeitos.

– QUE2.4. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE2.5. Aplicaram-se as normas de segurança e saúde laboral utilizando correctamente as protecções das máquinas e os meios individuais de protecção.

4.7.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Preparação dos equipamentos de soldadura por arco eléctrico, oxiacetilénica, MIG-MAG e TIG.

• Regulação dos parâmetros, das intensidades e de caudais.

• Tipos de eléctrodos e a sua eleição.

• Tipos de fios e de varas, e a sua eleição.

• Tipo de gases.

• Tipos de tungstenos.

• Pressões e chama do soprete.

• Dispositivos de segurança nos equipamentos de soldadura.

• Normas de segurança.

• Medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

BC2. Operações básicas de soldadura.

• Procedimento de soldadura oxiacetilénica.

• Procedimento de soldadura por arco eléctrico.

• Procedimento de soldadura MIG-MAG.

• Procedimento de soldadura TIG.

• Técnicas de soldadura.

• Óptimo aproveitamento dos recursos.

• Verificação de peças.

• Medidas de prevenção de riscos laborais aplicável.

4.7.2. Unidade formativa 2: Montagem na carpintaría metálica.

• Código: MP3021_22.

• Duração: 75 horas.

4.7.2.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Prepara materiais de carpintaría metálica férrica, em relação com as características do produto final, interpretando a documentação técnica.

– QUE1.1. Identificaram-se os materiais que haja que utilizar, os perfis, as ferraxes e os meios de união, de acordo com os elementos que se vão construir.

– QUE1.2. Seleccionaram-se os materiais para empregar no processo.

– QUE1.3. Comprovaram-se as características dos perfis, das ferraxes e dos médios de união.

– QUE1.4. Realizaram-se esbozos, vistas e secções sobre as peças individuais que formam o conjunto.

– QUE1.5. Descreveram-se as características básicas de perfis, ferraxes e médios de união.

– QUE1.6. Transmitiu-se a informação com claridade, de forma ordenada e estruturada.

– QUE1.7. Aplicaram-se as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

– QUE1.8. Manteve-se uma atitude ordenada e metódica.

• RA2. Prepara as máquinas e as ferramentas de construções metálicas, e reconhece as suas características e as suas aplicações.

– QUE2.1. Identificaram-se e classificaram-se as máquinas e as ferramentas em função das suas prestações no processo de fabricação.

– QUE2.2. Identificaram-se os dispositivos das máquinas e os seus sistemas de controlo.

– QUE2.3. Seleccionaram-se e montaram-se os accesorios e as ferramentas, segundo as operações que se vão realizar.

– QUE2.4. Comprovou-se o estado de funcionalidade dos accesorios e das ferramentas para executar um correcto mecanizado.

– QUE2.5. Realizou-se o ajuste e o reaxuste dos equipamentos e das ferramentas em função da operação que haja que executar.

– QUE2.6. Realizou-se a limpeza, a lubricación e a manutenção de primeiro nível dos equipamentos e das ferramentas.

– QUE2.7. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais requeridas.

– QUE2.8. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE2.9. Manteve-se uma atitude metódica e ordenada no processo de preparação.

• RA3. Realiza as operações básicas de mecanizado por conformación sobre materiais férricos, tendo em conta a relação entre a técnica que se vai utilizar e as características do produto final.

– QUE3.1. Descreveram-se as fases de processo de mecanizado em função das características de material e da técnica de mecanizado.

– QUE3.2. Estabeleceu-se uma ordem de execução em função do óptimo aproveitamento dos recursos.

– QUE3.3. Realizou-se a recalcadura, a esticada, o aplanamento, a curvaxe e o prego de perfis e chapas de acordo com procedimentos normalizados.

– QUE3.4. Alimentaram-se correctamente máquinas manuais tendo em conta as propriedades dos materiais.

– QUE3.5. Alimentaram-se máquinas automáticas, tendo em conta o processo que se vá desenvolver e os parâmetros dá máquina.

– QUE3.6. Verificaram-se com equipamentos ou medições as peças obtidas, e corrigiram-se os possíveis defeitos.

– QUE3.7. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE3.8. Aplicaram-se as normas de segurança e saúde laboral utilizando correctamente as protecções das máquinas e os meios individuais de protecção.

• RA4. Realiza as operações básicas de montagem de produtos férricos, tendo em conta a relação entre as suas fases e as características do produto final.

– QUE4.1. Realizou-se o plano de montagem do produto que haja que obter.

– QUE4.2. Descreveram-se as fases de processo de montagem em função das peças que se vão unir.

– QUE4.3. Seleccionaram-se os accesorios, os meios de união e as ferramentas, em função da ordem de execução.

– QUE4.4. Colocaram-se as peças que se vão montar para obter um produto de qualidade.

– QUE4.5. Realizaram-se as uniões fixas e desmontables seguindo critérios de segurança, funcionalidade e economia.

– QUE4.6. Verificaram-se as características dimensionais e xeométricas dos produtos obtidos, e corrigiram-se possíveis defeitos.

– QUE4.7. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE4.8. Aplicaram-se as normas de segurança e saúde laboral utilizando correctamente as protecções das máquinas e os meios individuais de protecção.

– QUE4.9. Manteve-se uma atitude metódica e ordenada no processo de preparação.

• RA5. Transporta produtos de carpintaría metálica férrica, e selecciona as embalagens e os utensilios de transporte.

– QUE5.1. Seleccionaram-se os produtos de embalagem de acordo com as características do produto final.

– QUE5.2. Seleccionaram-se os suportes e os meios de amarre ajeitado para a sua inmobilización durante o transporte.

– QUE5.3. Realizou-se a embalagem dos produtos com os materiais apropriados e protegendo os pontos débis de deterioração.

– QUE5.4. Identificaram-se mediante etiquetas ou outros meios especificados os produtos embalados.

– QUE5.5. Manipulou-se o produto embalado com segurança e cuidado até a sua colocação no meio de transporte.

– QUE5.6. Realizaram-se as sujeição com os meios ajeitados e verificou-se a inmobilización.

– QUE5.7. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais na embalagem e no transporte de ónus.

– QUE5.8. Realizou-se a descarga e a desembalaxe do produto de acordo com normas de segurança, para evitar a sua deterioração.

– QUE5.9. Manteve-se uma atitude metódica e ordenada no processo de embalagem e transporte.

4.7.2.2. Conteúdos básicos.

BC1. Preparação de materiais de carpintaría metálica férrica.

• Tipos de perfis.

• Tipos de chapas.

• Formas comerciais.

• Realização de esbozos, vistas e secções.

• Tipos de ferraxes.

• Meios de união.

• Cálculo da medida e do número de perfis que haja que cortar.

• Medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

BC2. Preparação de máquinas e ferramentas de construções metálicas.

• Montagem e desmontaxe de ferramentas, utensilios e peças.

• Máquinas de conformación.

• Dispositivos de segurança.

• Normas de segurança.

• Equipamentos de protecção individual.

• Dispositivos de máquinas para a segurança activa.

• Medidas de prevenção de riscos laborais aplicável.

BC3. Operações básicas de mecanizado por conformación.

• Procedimentos de esticada, aplanamento, curvaxe e prego de perfis e chapas.

• Máquinas manuais.

• Técnica de mecanizado por arranque lavra e conformación.

• Óptimo aproveitamento dos recursos.

• Máquinas automáticas.

• Verificação de peças.

• Medidas de prevenção de riscos laborais aplicável.

BC4. Operações básicas de montagem de produtos férricos.

• Planos de montagens.

• Processo de montagem.

• Meios de uniões fixas e desmontables.

• Realização de uniões fixas e desmontables.

• Verificação de produtos.

• Especificações de prevenção de riscos laborais aplicável.

BC5. Transporte de produtos de carpintaría metálica férrica.

• Suportes e médios de sujeição.

• Medidas de segurança para o transporte.

• Procedimentos de inmobilización de produtos férricos.

• Procedimentos de descarga e desembalaxe dos produtos.

• Normas de segurança durante a manipulação e o transporte.

• Medidas de prevenção de riscos laborais na embalagem e no transporte de ónus aplicável.

4.7.3. Orientações pedagógicas.

Este módulo profissional contém a formação associada à função de construção e montagem de produtos férricos de construções metálicas.

A definição desta função abrange aspectos como:

– Diferenciação de tipos de materiais comerciais.

– Reconhecimento de produtos e técnicas para a sua construção.

– Preparação de máquinas, equipamentos de soldadura e ferramentas.

– Construção de portas, janelas, balcóns, bancos, andeis, moegas e depósitos.

– Técnicas de mecanizado por conformación e soldadura.

– Verificação de produtos elaborados.

A formação do módulo contribui a alcançar os objectivos gerais b), c), e), u), v), w), x), y), z), aa) e bb) do ciclo formativo e as competências profissionais, pessoais e sociais b), c), e), q), r), s), t), u), v), w), x), y) e z).

As linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem que permitem alcançar as competências do módulo versarão sobre:

– Selecção de materiais.

– Técnicas de construção de produtos.

– Controlo de processos e de qualidade dos produtos.

4.8. Módulo profissional: Carpintaría de aluminio e PVC.

• Código: MP3022.

• Duração: 175 horas.

4.8.1. Unidade formativa 1: Elaborações em aluminio.

• Código: MP3022_12.

• Duração: 110 horas.

4.8.1.1. Resultados de aprendizagem e critérios de avaliação.

• RA1. Prepara materiais de aluminio, em relação com as características do produto final, interpretando a documentação técnica.

– QUE1.1. Identificaram-se os materiais que se vão utilizar, os perfis, as ferraxes e os meios de união, de acordo com os elementos que haja que construir.

– QUE1.2. Seleccionaram-se os materiais para empregar no processo.

– QUE1.3. Comprovaram-se as características dos perfis, das ferraxes e dos médios de união.

– QUE1.4. Realizaram-se esbozos, vistas e secções sobre as peças individuais que formam o conjunto.

– QUE1.5. Descreveram-se as características básicas dos perfis, das ferraxes e dos médios de união.

– QUE1.6. Transmitiu-se a informação com claridade, de forma ordenada e estruturada.

– QUE1.7. Aplicaram-se as especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais requeridas.

– QUE1.8. Manteve-se uma atitude ordenada e metódica.

• RA2. Prepara as máquinas e as ferramentas do aluminio, reconhecendo as suas características e as suas aplicações.

– QUE2.1. Identificaram-se e classificaram-se as máquinas e as ferramentas em função das suas prestações no processo de fabricação.

– QUE2.2. Identificaram-se os dispositivos das máquinas e os seus sistemas de controlo.

– QUE2.3. Seleccionaram-se e montaram-se os accesorios e as ferramentas, segundo as operações que se vão realizar.

– QUE2.4. Comprovou-se o estado de funcionalidade dos accesorios e das ferramentas para executar um correcto mecanizado.

– QUE2.5. Realizou-se o ajuste e o reaxuste dos equipamentos e das ferramentas em função da operação que haja que executar.

– QUE2.6. Realizou-se a limpeza, a lubricación e a manutenção de primeiro nível dos equipamentos e das ferramentas.

– QUE2.7. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE2.8. Manteve-se uma atitude metódica e ordenada no processo de preparação.

– QUE2.9. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais requeridas.

• RA3. Realiza as operações de mecanizado sobre materiais de aluminio, tendo em conta a relação entre a técnica que se vá utilizar e as características do produto final.

– QUE3.1. Descreveram-se as fases de processo de mecanizado em função das características de material e da técnica de mecanizado.

– QUE3.2. Estabeleceu-se uma ordem de execução em função do óptimo aproveitamento dos recursos.

– QUE3.3. Realizou-se a sujeição dos perfis de aluminio nas condições de segurança requeridas.

– QUE3.4. Realizou-se a tronza, a cuñaxe, o encaixe, a fresaxe, a tradeadura e a roscaxe de perfis e chapas de aluminio de acordo com os procedimentos normalizados.

– QUE3.5. Realizou-se o remate das peças mecanizadas para a sua posterior ensamblaxe.

– QUE3.6. Verificaram-se com equipamentos ou medições as peças obtidas, e corrigiram-se os possíveis defeitos.

– QUE3.7. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE3.8. Aplicaram-se as normas de segurança e saúde laboral utilizando correctamente as protecções de máquinas e os meios individuais de protecção.

• RA4. Reconhece as capacidades associadas à iniciativa emprendedora, identificando os requisitos derivados da montagem de produtos de aluminio.

– QUE4.1. Caracterizou-se o perfil de pessoa emprendedora e descreveram-se os requisitos e as atitudes necessárias para a montagem de produtos de aluminio.

– QUE4.2. Valorou-se a importância da iniciativa individual, da criatividade, da colaboração, da motivação e da formação no sucesso na montagem de produtos de aluminio.

– QUE4.3. Reconhece os factores de risco inherentes à actividade emprendedora relacionada com a montagem de produtos de aluminio.

• RA5. Realiza as operações de montagem de produtos de aluminio, tendo em conta a relação entre as suas fases e as características do produto final.

– QUE5.1. Descreveram-se as fases de processo de ensamblaxe e montagem em função das peças que se vão unir.

– QUE5.2. Seleccionaram-se os accesorios, os meios de união e as ferramentas, em função da ordem de execução.

– QUE5.3. Realizou-se a montagem de bisagras, ferraxes e accesorios sobre os elementos mecanizados.

– QUE5.4. Realizaram-se as uniões fixas e desmontables seguindo critérios de segurança, funcionalidade e economia.

– QUE5.5. Realizou-se a ensamblaxe dos componentes da estrutura e comprovou-se a sua rixidez e a sua funcionalidade.

– QUE5.6. Verificaram-se as características dimensionais e xeométricas dos produtos obtidos, e corrigiram-se possíveis defeitos.

– QUE5.7. Manteve-se a área de trabalho com o grau ajeitado de ordem e limpeza.

– QUE5.8. Aplicaram-se as normas de segurança requeridas na montagem de produtos de aluminio.

– QUE5.9. Manteve-se uma atitude metódica e ordenada no processo de preparação.

• RA6. Transporta produtos de aluminio, e selecciona as embalagens e os utensilios de transportes.

– QUE6.1. Seleccionaram-se os produtos de embalagem de acordo com as características do produto final.

– QUE6.2. Seleccionaram-se os suportes e os meios de amarre ajeitado para a sua inmobilización durante o transporte.

– QUE6.3. Realizou-se a embalagem dos produtos com os materiais apropriados e protegendo os pontos débis de deterioração.

– QUE6.4. Identificaram-se mediante etiquetas ou outros meios especificados os produtos embalados.

– QUE6.5. Manipulou-se o produto embalado com segurança e cuidado até a sua colocação no meio de transporte.

– QUE6.6. Realizaram-se as sujeição com os meios adequados e verificou-se a inmobilización.

– QUE6.7. Realizou-se a descarga e a desembalaxe do produto de acordo com normas de segurança para evitar a sua deterioração.

– QUE6.8. Aplicaram-se as medidas de prevenção de riscos laborais na embalagem e no transporte de ónus.

– QUE6.9. Manteve-se uma atitude metódica e ordenada no processo de embalagem e transporte.

4.8.1.2. Conteúdos básicos.

BC1. Preparação de materiais de carpintaría de aluminio.

• Perfis comerciais de aluminio.

• Manejo de perfis.

• Utensilios de para a cuñaxe e o encaixe.

• Tipos de ferraxes.

• Elementos e materiais de união.

• Especificações de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

BC2. Preparação de máquinas e ferramentas do aluminio.

• Ferramentas empregadas.

• Montagem e desmontaxe de ferramentas, utensilios e peças.

• Máquinas empregadas em carpintaría de aluminio.

• Cuñaxe e formas de cuños.

• Dispositivos de segurança.

• Medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

• Equipamentos de protecção individual.

• Dispositivos de máquinas para a segurança activa.

BC3. Mecanizado de materiais de aluminio.

• Procedimentos de tronza, cuñaxe, encaixe, fresaxe, tradeadura e roscaxe de perfis e chapas.

• Técnicas de remate.

• Máquinas automáticas.

• Verificação de peças.

• Medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável.

BC4. Iniciativa emprendedora na montagem de produtos de aluminio.

• A pessoa emprendedora na montagem de produtos de aluminio.

• Iniciativa, criatividade, colaboração, motivação e formação na montagem de produtos de aluminio.

• O risco como factor inherente à actividade emprendedora relacionada com a montagem de produtos de aluminio.

BC5. Montagem de produtos de aluminio.

• Fases do processo de montagem.

• Accesorios.

• Meios de uniões fixas e desmontables.

• Realização de uniões fixas e desmontables.

• Normas sobre estanquidade e métodos de execução.

• Verificação e ajuste dos elementos montados.

• Normas de segurança e saúde laboral durante a montagem.

• Utilização das protecções nas máquinas e os meios individuais de protecção.

• Manutenção da área de trabalho.

• Medidas de prevenção de riscos laborais e ambientais aplicável na montagem.

BC6. Transporte de p