Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 183 Segunda-feira, 26 de setembro de 2022 Páx. 49595

I. Disposições gerais

Conselharia de Cultura, Educação, Formação Profissional e Universidades

DECRETO 155/2022, de 15 de setembro, pelo que se estabelecem a ordenação e o currículo da educação primária na Comunidade Autónoma da Galiza.

I

A Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação, recentemente modificada pela Lei orgânica 3/2020, de 29 de dezembro, regula no capítulo terceiro do seu título preliminar a definição de currículo e enumerar os elementos que o integram, e também estabelece que o currículo deverá estar orientado a facilitar o desenvolvimento educativo do estudantado, garantindo a sua formação integral, contribuindo ao pleno desenvolvimento da sua personalidade e preparando para o exercício pleno dos direitos humanos e de uma cidadania activa e democrática na sociedade actual, sem que em nenhum caso possa supor uma barreira que gere abandono escolar ou impeça o acesso e o exercício do direito à educação.

Além disso, com as modificações introduzidas pela citada Lei orgânica 3/2020, de 29 de dezembro, realiza-se uma nova distribuição de competências entre o Estado e as comunidades autónomas, e estabelece-se que, com o fim de assegurar uma formação comum e garantir a validade dos títulos correspondentes, o Governo fixará, em relação com os objectivos, as competências, os conteúdos, os critérios de avaliação e os aspectos básicos do currículo que constituem os ensinos mínimos. Esses ensinos mínimos requererão 50 por cento dos horários escolares para as comunidades autónomas que tenham língua cooficial, como é o caso da Comunidade Autónoma da Galiza. As administrações educativas, pela sua vez, serão as responsáveis por estabelecer o currículo correspondente para o seu âmbito territorial, do qual farão parte os aspectos básicos antes mencionados. Finalmente, corresponderá aos próprios centros docentes desenvolver e completar, de ser o caso, o currículo de cada etapa e ciclo no uso da sua autonomia, tal como se recolhe na própria lei.

Por outra parte, com relação à educação primária, a nova redacção da lei modifica alguns aspectos da ordenação e da organização dos ensinos dessa etapa.

Em desenvolvimento do anterior, o Real decreto 157/2022, de 1 de março, pelo que se estabelecem a ordenação e os ensinos mínimos da educação primária, aprovou e concretizou a nível estatal os ensinos mínimos para a educação primária e determinou os aspectos básicos do currículo, assim como outros aspectos da sua ordenação, tais como a avaliação e a promoção, a atenção às diferenças individuais, a autonomia dos centros e os documentos e relatórios de avaliação.

A Comunidade Autónoma da Galiza tem atribuída no artigo 31 do Estatuto de autonomia da Galiza, aprovado pela Lei orgânica 1/1981, de 6 de abril, competência plena sobre a regulação e a administração do ensino em toda a sua extensão, níveis e graus, modalidades e especialidades, no âmbito das suas competências, sem prejuízo do disposto no artigo 27 da Constituição espanhola e nas leis orgânicas que, conforme o ponto primeiro do artigo 81 desta, o desenvolvam e das faculdades que atribui ao Estado o número 30 do ponto 1 do artigo 149 da Constituição espanhola, e da alta inspecção necessária para o seu cumprimento e a sua garantia.

Neste contexto, este decreto tem por objecto estabelecer a ordenação e o currículo da educação primária na Comunidade Autónoma da Galiza, de acordo com o disposto na Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação, e no Real decreto 157/2022, de 1 de março, pelo que se estabelece a ordenação e os ensinos mínimos da educação primária.

II

São muitos as mudanças que se têm produzido nos últimos anos nos comportamentos sociais, mudanças que também afectam o papel da educação e a percepção que a sociedade tem desta. Entre essas mudanças cabe destacar o uso generalizado das tecnologias da informação e da comunicação em múltiplos aspectos da vida quotidiana, que está a modificar a maneira em que as pessoas participam na sociedade, e as suas capacidades para construir a própria personalidade e para aprender ao longo da vida.

O sistema educativo galego não pode permanecer alheio a estas contínuas mudanças que devem ter um reflexo na aprendizagem das pessoas ao longo da vida, com diferentes enfoques para adaptar a formação aos requisitos actuais e futuros. Entre os muitos enfoques que há que ter presentes destacam os direitos da infância como princípio reitor; a igualdade de género através da coeducación e a aprendizagem da igualdade efectiva de mulheres e homens, a prevenção da violência de género e o a respeito da diversidade afectivo-sexual; a inclusão educativa para que todo o estudantado tenha garantias de sucesso na educação por meio de uma dinâmica de melhora contínua dos centros docentes e uma maior personalización da aprendizagem; a importância de atender ao desenvolvimento sustentável que inclui a educação para a paz e os direitos humanos, a compreensão internacional e a educação intercultural, assim como a educação para a transição ecológica; e também a mudança digital que se está produzindo nas nossas sociedades e que forçosamente afecta a actividade educativa. A sociedade no seu conjunto reclama um sistema educativo moderno, menos rígido, mais aberto, multilingüe e cosmopolita, que desenvolva todo o potencial e o talento do estudantado.

Todas estas importantes considerações têm que estar presentes na configuração de um currículo galego para a etapa da educação primária, que permita estabelecer e homoxeneizar no território os direitos formativos e de aprendizagem do estudantado, mas também guiar o professorado nos processos de ensino e aprendizagem que ponha em prática, permitindo-lhe ter uma base mais clara sobre a que desenvolver a sua docencia segundo as idades do estudantado. Nesse sentido, uma das funções do currículo será a de indicar-lhes às e aos docentes sobre o que se pretende atingir e proporcionar-lhes pautas de acção e orientações sobre como conseguí-lo. Ademais, constitui um referente dentro do próprio sistema educativo para as avaliações da qualidade deste, percebidas como a sua capacidade para atingir os intuitos educativos fixados.

O currículo da educação primária pretende garantir uma formação adequada e integral, que se centre no desenvolvimento das competências chave e que seja equilibrada, porque incorpora na sua justa medida componentes formativos associados à comunicação, à formação artística, às humanidades, às ciências, à tecnologia e à actividade física.

A etapa de educação primária participa do processo de aquisição das competências chave para a aprendizagem permanente que aparecem recolhidas na Recomendação do Conselho da União Europeia de 22 de maio de 2018. Neste decreto, estas competências chave adaptaram ao contexto escolar, assim como aos princípios e fins do sistema educativo.

O currículo estabelecido neste decreto baseia na potenciação da aprendizagem por competências, integradas nos elementos curriculares para propiciar uma renovação na prática docente e no processo de ensino e aprendizagem. Estabelecem-se novos enfoques na aprendizagem e na avaliação, que vão supor uma importante mudança nas tarefas para o estudantado, e propostas metodolóxicas inovadoras.

A aprendizagem baseada em competências caracteriza-se pela sua transversalidade, o seu dinamismo e o seu carácter integral. O processo de ensino e aprendizagem competencial deve abordar-se desde todas as áreas de conhecimento e por parte das diversas instâncias que conformam a comunidade educativa, tanto nos âmbitos formais coma nos não formais e informais; o seu dinamismo reflecte-se em que as competências chave não se adquirem num determinado momento e permanecem inalterables, senão que implicam um processo de desenvolvimento mediante o qual os indivíduos vão adquirindo maiores níveis de desempenho no seu uso.

Para alcançar este processo de mudança curricular é preciso favorecer uma visão interdisciplinaria e, de modo especial, possibilitar-lhe uma maior autonomia à função docente, de forma que permita satisfazer as demandas de uma maior personalización da educação. O rol do pessoal docente é fundamental, pois deve ser quem de desenhar tarefas ou situações de aprendizagem que possibilitem a resolução de problemas e a aplicação dos conhecimentos aprendidos, já que os conteúdos estão subordinados à acção.

Todos estes enfoques estão considerados neste decreto e vão unidos ao reconhecimento de uma maior autonomia dos centros docentes, aumentando a sua capacidade de decisão no desenvolvimento do currículo.

III

Desde o ponto de vista formal, o decreto conta com trinta e cinco artigos estruturados em quatro títulos, cinco disposições adicionais, uma disposição transitoria única, uma disposição derrogatoria única e três disposições derradeiro.

O título preliminar, relativo às disposições gerais, estabelece o objecto e o âmbito de aplicação do decreto e concreta os fins e os princípios gerais da etapa de educação primária no marco do sistema educativo.

O título I, que se denomina Organização e desenvolvimento, distribui-se em quatro capítulos.

No capítulo primeiro define-se o currículo e os elementos que o conformam, concretizam-se os objectivos gerais e as competências chave para esta etapa educativa e introduz-se, com carácter anovador, o perfil de saída ao termo do ensino básico. Aborda-se a organização das áreas da etapa e a sua estrutura curricular, referida aos objectivos, aos critérios de avaliação, aos contidos e às orientações pedagógicas. A organização da etapa articula-se sobre os ciclos e os cursos, sem perder de vista o seu carácter global e integrador, que exixir a máxima coordinação e ressalta a importância da função titorial. Aborda-se, também, o horário e o agrupamento das áreas em âmbitos.

No capítulo segundo regula-se o desenvolvimento do currículo, potenciando a autonomia dos centros e estabelecendo o conteúdo que deverão ter a concreção curricular e as programações didácticas. Neste capítulo também se tratam os princípios pedagógicos da intervenção educativa, os elementos transversais e a importância da coordinação da etapa da educação primária com a prévia de educação infantil e a posterior de educação secundária obrigatória.

No capítulo terceiro trata-se o papel da titoría, assim como a atenção à diversidade.

No capítulo quarto regula-se a avaliação e a promoção e estabelece-se o grau de aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa como os referentes para as avaliações; também se regula a avaliação de diagnóstico que se realizará no quarto curso, assim como o direito do estudantado a uma avaliação objectiva, e a participação e o direito à informação das mães, dos pais ou das pessoas titoras legais.

O título II regula os documentos oficiais de avaliação do estudantado; nele define-se quais devem ser os documentos e os relatórios de avaliação, regulam-se as actas de avaliação, o expediente académico, o historial académico, o relatório final de etapa e o relatório pessoal por deslocação, e estabelecem-se também as garantias para a autenticidade, segurança e confidencialidade dos documentos oficiais de avaliação.

Por último, o título III dedica-se a diferentes planos educativos relevantes e estratégicos para o sistema educativo galego, entroncados com os compromissos assumidos pelos diferentes sistemas a nível europeu no Marco para a cooperação europeia em educação e formação, e com as necessidades próprias de um sistema destinado a proporcionar ao estudantado as competências cruciais para as cidadãs e os cidadãos do século XXI. Regulam-se certos aspectos das bibliotecas escolares e o fomento de uma aproximação à leitura, e do processo de educação digital, no qual a promoção do uso das tecnologias da informação e da comunicação constitui um factor essencial para facilitar mudanças metodolóxicos que proporcionem novos elementos e oportunidades para o sucesso educativo na Galiza. Igualmente, faz-se fincapé na promoção de estilos de vida saudáveis entre o estudantado desta etapa, essencial para o seu desenvolvimento.

O decreto finaliza com cinco disposições adicionais, relativas à adaptação de referências normativas, ao ensino da religião, à aprendizagem de línguas estrangeiras, às tarefas extraescolares e ao calendário escolar; mas uma disposição transitoria, uma disposição derrogatoria e três disposições derradeiro.

Neste decreto incluem-se, ademais, três anexo: o anexo I, relativo ao perfil de saída ao termo do ensino básico, no que se estabelecem as competências chave e os descritores operativos que regerão na etapa; o anexo II, sobre o currículo de cada área da etapa, que se estrutura em introdução, objectivos, critérios de avaliação e conteúdos organizados em blocos para cada um dos cursos da etapa, e orientações pedagógicas; e o anexo III, no qual se regula o horário escolar das áreas em cada um dos cursos da etapa.

IV

Desde o ponto de vista da melhora da qualidade normativa, este decreto adecúase aos princípios de boa regulação previstos no artigo 129 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas, assim como aos princípios de necessidade, proporcionalidade, segurança jurídica, transparência, acessibilidade, simplicidade e eficácia, que se recolhem no artigo 37 da Lei 14/2013, de 26 de dezembro, de racionalização do sector público autonómico.

No que se refere aos princípios de necessidade e eficácia, trata de uma norma necessária para a regulação da ordenação e do currículo da etapa da educação primária conforme a nova redacção da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, trás as modificações introduzidas pela Lei orgânica 3/2020, de 29 de dezembro, e o Real decreto 157/2022, de 1 de março, pelo que se estabelece a ordenação e os ensinos mínimos da educação primária.

De acordo com os princípios de proporcionalidade e de simplicidade, contém a regulação imprescindível da estrutura destes ensinos ao não existir nenhuma alternativa regulatoria menos restritiva de direitos.

Conforme os princípios de segurança jurídica e eficiência, resulta coherente com o ordenamento jurídico e permite uma gestão mais eficiente dos recursos públicos.

Cumpre também com os princípios de transparência e acessibilidade, já que se identifica claramente o seu propósito e durante o procedimento de tramitação da norma permitiu-se a participação activa das pessoas potenciais destinatarias através dos trâmites de consulta pública prevenida e de publicação no portal de transparência e governo aberto da Xunta de Galicia.

Na sua virtude, por proposta do conselheiro de Cultura, Educação, Formação Profissional e Universidades, em exercício das faculdades outorgadas pelo artigo 34 da Lei 1/1983, de 22 de fevereiro, de normas reguladoras da Junta e da sua Presidência, consultado o Conselho Escolar da Galiza, de acordo com o Conselho Consultivo e depois de deliberação do Conselho da Xunta da Galiza, na sua reunião de quinze de setembro de dois mil vinte e dois,

DISPONHO:

TÍTULO PRELIMINAR

Disposições gerais

Artigo 1. Objecto

Este decreto tem por objecto estabelecer a ordenação e o currículo da educação primária na Comunidade Autónoma da Galiza, de acordo com o disposto na Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação, e no Real decreto 157/2022, de 1 de março, pelo que se estabelecem a ordenação e os ensinos mínimos da educação primária.

Artigo 2. Âmbito de aplicação

Este decreto será de aplicação nos centros docentes correspondentes ao âmbito de gestão da Comunidade Autónoma da Galiza que dêem os ensinos de educação primária.

Artigo 3. A etapa de educação primária

1. A educação primária é uma etapa educativa que constitui, junto com a educação secundária obrigatória e os ciclos formativos de grau básico, a educação básica.

2. A educação primária compreende três ciclos de dois cursos académicos cada um e organiza-se em áreas que terão um carácter global e integrador, as quais estarão orientadas ao desenvolvimento das competências chave do estudantado e poderão organizar-se em âmbitos.

Artigo 4. Fins

A finalidade da educação primária é facilitar ao estudantado as aprendizagens da expressão e da compreensão oral, a leitura, a escrita, o cálculo, as habilidades lógicas e matemáticas, a aquisição de noções básicas da cultura e o hábito de convivência, assim como os de estudo e trabalho, o sentido artístico, a criatividade e a afectividade, com o fim de garantir uma formação integral que contribua ao pleno desenvolvimento da sua personalidade, e de prepará-lo para cursar com aproveitamento a educação secundária obrigatória.

Artigo 5. Princípios gerais

1. A educação primária é uma etapa que compreende seis cursos académicos e tem carácter obrigatório e gratuito.

2. Com carácter geral, cursar-se-á entre os seis e os doce anos de idade e o estudantado incorporar-se-á ao primeiro curso da educação primária no ano natural em que cumpra seis anos.

3. A acção educativa nesta etapa procurará a integração das diferentes experiências e aprendizagens do estudantado desde uma perspectiva global e adaptar-se-á aos seus ritmos de trabalho.

4. As medidas organizativo, metodolóxicas e curriculares que se adoptem regerão pelos princípios do desenho universal para a aprendizagem.

Artigo 6. Currículo

1. De conformidade com o artigo 6.1 da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação, o conjunto de objectivos, competências, conteúdos, métodos pedagógicos e critérios de avaliação da educação primária constitui o currículo desta etapa.

2. Para os efeitos deste decreto perceber-se-á por:

a) Objectivos da etapa: sucessos que se espera que o estudantado alcance ao finalizar a etapa e cuja consecução está vinculada à aquisição das competências chave.

b) Competências chave: desempenhos que se consideram imprescindíveis para que o estudantado possa progredir com garantias de sucesso no seu itinerario formativo e enfrentar os principais reptos e desafios globais e locais. São a adaptação ao sistema educativo das competências chave estabelecidas na Recomendação do Conselho da União Europeia de 22 de maio de 2018 relativa às competências chave para a aprendizagem permanente e aparecem recolhidas no perfil de saída do estudantado ao termo do ensino básico. Além disso, esses desempenhos evidéncianse nas capacidades para aplicar de forma integrada os conteúdos próprios de cada ensino e etapa educativa, com o fim de alcançar a realização adequada de actividades e a resolução eficaz de problemas complexos.

c) Perfil de saída: concreção dos princípios e fins do sistema educativo referidos à educação básica que fundamenta o resto de decisões curriculares. O perfil de saída identifica e define as competências chave que o estudantado deve desenvolver ao finalizar a educação básica, e introduz orientações sobre o nível de desempenho esperado ao me o ter da educação primária e da educação secundária obrigatória através dos correspondentes descritores operativos.

d) Objectivos de área: desempenhos que o estudantado deve poder despregar em actividades ou em situações cuja abordagem requer as aprendizagens associadas aos contidos de cada área ou âmbito. Os objectivos das áreas constituem um elemento de conexão entre, por uma banda, o perfil de saída do estudantado e, por outra, os critérios de avaliação e os conteúdos das áreas ou dos âmbitos. Os objectivos de área correspondem com as competências específicas estabelecidas no Real decreto 157/2022, de 1 de março.

e) Critérios de avaliação: referentes que indicam os níveis de desempenho esperados no estudantado nas situações ou actividades a que se referem os objectivos de cada área nun momento determinado do seu processo de aprendizagem. Nesse sentido, actuam como uma ponte de conexão entre os conteúdos e os objectivos da área, pelo que são o referente específico para avaliar a aprendizagem do estudantado, e descrevem aquilo que se quer valorar e que o estudantado deve alcançar, tanto em conhecimentos como em competências.

f) Conteúdos: conhecimentos, destrezas e atitudes próprios de uma área ou de um âmbito e cuja aprendizagem é necessária para adquirir o nível de desempenho indicado nos critérios de avaliação e para o alcanço dos objectivos da área. Os conteúdos estão enunciado na forma de saberes básicos de acordo com o assinalado no artigo 10.1 do Real decreto 157/2022, de 1 de março.

g) Orientações pedagógicas: indicações para orientar o professorado no desenho e no planeamento das estratégias, nos procedimentos e nas acções docentes, de modo consciente e reflexivo, com a finalidade de possibilitar a aprendizagem do estudantado que lhe permita o sucesso dos objectivos e a aquisição das competências chave.

Artigo 7. Objectivos da etapa

A educação primária contribuirá a desenvolver nas meninas e nas crianças as capacidades que lhes permitam:

a) Conhecer e apreciar os valores e as normas de convivência, aprender a obrar de acordo com elas de forma empática, preparar para o exercício activo da cidadania e respeitar os direitos humanos, assim como o pluralismo próprio de uma sociedade democrática.

b) Desenvolver hábitos de trabalho individual e de equipa, de esforço e de responsabilidade no estudo, assim como atitudes de confiança em sim mesmo, sentido crítico, iniciativa pessoal, curiosidade, interesse e criatividade na aprendizagem, e espírito emprendedor.

c) Adquirir habilidades para a resolução pacífica de conflitos e a prevenção da violência, que lhes permitam desenvolver-se com autonomia no âmbito escolar e familiar, assim como nos grupos sociais com que se relacionam.

d) Conhecer, compreender e respeitar as diferentes culturas e as diferenças entre as pessoas, a igualdade de direitos e oportunidades de homens e mulheres e a não discriminação de pessoas por motivos de etnia, orientação ou identidade sexual, religião ou crenças, deficiência ou outras condições.

e) Conhecer e utilizar de maneira apropriada a língua galega e a língua castelhana e desenvolver hábitos de leitura.

f) Adquirir, ao menos, numa língua estrangeira a competência comunicativa básica que lhes permita expressar e compreender mensagens singelas e desenvolver-se em situações quotidianas.

g) Desenvolver as competências matemáticas básicas e iniciar na resolução de problemas que requeiram a realização de operações elementares de cálculo, conhecimentos xeométricos e estimações, assim como ser capazes de aplicar às situações da sua vida quotidiana.

h) Conhecer os aspectos fundamentais das ciências da natureza, as ciências sociais, a geografia, a história e a cultura.

i) Desenvolver as competências tecnológicas básicas e iniciar-se na sua utilização para a aprendizagem, utilizando um espírito crítico ante o seu funcionamento e as mensagens que recebem e elaboram.

j) Utilizar diferentes representações e expressões artísticas e iniciar na construção de propostas visuais e audiovisuais.

k) Valorar a higiene e a saúde, aceitar o próprio corpo e o das outras pessoas, respeitar as diferenças e utilizar a educação física, o desporto e a alimentação como médios para favorecer o desenvolvimento pessoal e social.

l) Conhecer e valorar os animais mais próximos ao ser humano e adoptar modos de comportamento que favoreçam a empatía e o seu cuidado.

m) Desenvolver as suas capacidades afectivas em todos os âmbitos da personalidade e nas suas relações com os demais, assim como uma atitude contrária à violência, aos prejuízos de qualquer tipo e aos estereótipos sexistas.

n) Desenvolver hábitos quotidianos de mobilidade activa trabalhadora independente saudável, fomentando a educação viária e atitudes de respeito que incidam na prevenção dos acidentes rodoviários.

ñ) Conhecer, apreciar e valorar as singularidades culturais, linguísticas, físicas e sociais da Galiza, pondo de relevo as mulheres e os homens que realizaram achegas importantes à cultura e à sociedade galegas.

Artigo 8. Competências chave e perfil de saída do estudantado ao termo do ensino básico

1. As competências chave da etapa, para os efeitos deste decreto, são as seguintes:

a) Competência em comunicação linguística (CCL).

b) Competência plurilingüe (CP).

c) Competência matemática e competência em ciência, tecnologia e engenharia (STEM).

d) Competência digital (CD).

e) Competência pessoal, social e de aprender a aprender (CPSAA).

f) Competência cidadã (CC).

g) Competência emprendedora (CE).

h) Competência em consciência e expressão culturais (CCEC).

2. As competências chave da etapa, assim como os descritores operativos do grau da sua aquisição que esteja previsto ao finalizar a etapa, interpretar-se-ão de acordo com as definições contidas no anexo I.

3. O currículo que estabelece este decreto tem por objecto garantir o desenvolvimento das competências chave previsto no perfil de saída. A concreção do currículo que realizem os centros docentes nos seus projectos educativos e funcional terá como referente o supracitado perfil de saída.

TÍTULO I

Organização e desenvolvimento

CAPÍTULO I

Organização

Artigo 9. Áreas

1. As áreas da educação primária que se dão em todos os cursos são as seguintes:

a) Ciências da Natureza.

b) Ciências Sociais.

c) Educação Física.

d) Educação Plástica e Visual.

e) Língua Castelhana e Literatura.

f) Língua Estrangeira.

g) Língua Galega e Literatura.

h) Matemáticas.

i) Música e Dança.

2. Às áreas incluídas no ponto anterior acrescentar-se-á no sexto curso:

– Educação em Valores Cívico e Éticos.

3. As áreas de Ciências da Natureza e de Ciências Sócias constituem o desdobramento da área de Conhecimento do Meio Natural, Social e Cultural, e as áreas de Educação Plástica e Visual e de Música e Dança constituem o desdobramento da área de Educação Artística.

4. A área de Língua Galega e Literatura terá um tratamento no centro análogo à de Língua Castelhana e Literatura, de modo que se garanta, em todo o caso, o objectivo de competência linguística suficiente em ambas as línguas oficiais segundo o estabelecido no artigo 6 do Decreto 79/2010, de 20 de maio, para o plurilingüismo no ensino não universitário.

5. A organização em áreas perceber-se-á sem prejuízo do carácter global da etapa, dada a necessidade de integrar as diferentes experiências e aprendizagens do estudantado nestas idades.

Artigo 10. Estrutura das áreas

1. A organização em áreas desenvolve no anexo II seguindo, a respeito de cada área, a seguinte estrutura:

a) Introdução.

b) Objectivos, que serão comuns para todos os ciclos da etapa.

c) Critérios de avaliação e conteúdos, organizados em blocos para cada um dos cursos da etapa.

d) Orientações pedagógicas.

2. O agrupamento por blocos dos critérios de avaliação e dos contidos de cada área não supõe uma sequência estabelecida nem implica uma organização fechada; ao invés, permite organizar de diferentes formas os elementos curriculares e adoptar a metodoloxía mais ajeitado às características das aprendizagens e do grupo de alunas e alunos a que vão dirigidos.

Artigo 11. Horário

1. O ónus horário semanal em períodos lectivos para cada uma das áreas dos diferentes cursos da etapa é a que figura no anexo III.

Este horário deve perceber-se como o tempo semanal necessário para o trabalho em cada uma das áreas, sem esquecer do carácter global e integrador da etapa.

2. A distribuição das áreas em cada jornada e durante a semana realizar-se-á atendendo exclusivamente a razões pedagógicas e organizativo. Nesse sentido, os centros docentes, no uso da sua autonomia, poderão organizar o horário lectivo em cada jornada em sessões ou médias sessões que se poderão agrupar com o fim de potenciar estratégias metodolóxicas para o desenvolvimento das competências chave ou de trabalho interdisciplinario, respeitando em todo o caso o horário semanal previsto no anexo III para cada uma das áreas.

3. As actividades escolares desenvolver-se-ão, quando menos, ao longo de vinte e cinco horas semanais.

Artigo 12. Agrupamento de áreas em âmbitos

1. Os centros docentes poderão estabelecer agrupamentos de áreas em âmbitos no marco do estabelecido a este respeito pela conselharia com competências em matéria de educação.

2. O currículo dos âmbitos constituídos por agrupamentos de áreas incluirá os objectivos, os critérios de avaliação e os conteúdos das áreas que os conformam, assim como o horário atribuído ao conjunto delas.

CAPÍTULO II

Desenvolvimento do currículo

Artigo 13. Autonomia dos centros

1. Os centros docentes disporão de autonomia pedagógica, de organização e de gestão, no marco da legislação vigente e nos termos recolhidos na Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, e nas normas que a desenvolvem; favorecerão o trabalho em equipa do professorado e estimularão a actividade investigadora a partir da sua prática docente. A conselharia com competências em matéria de educação fomentará e favorecerá a aplicação por parte dos centros docentes do disposto neste número.

2. Os centros docentes, no uso da sua autonomia, desenvolverão e completarão, de ser o caso, o currículo da educação primária e fixarão a sua concreção e incorporá-la-ão ao seu projecto educativo e funcional, que impulsionará e desenvolverá os princípios, os objectivos e a metodoloxía próprios de uma aprendizagem competencial orientada ao exercício de uma cidadania activa.

3. Além disso, os centros docentes poderão estabelecer medidas de flexibilización na organização das áreas, nos ensinos, nos espaços e nos tempos, e promover alternativas metodolóxicas, com o fim de personalizar e melhorar a capacidade de aprendizagem e os resultados de todo o estudantado, nos termos estabelecidos pela conselharia com competências em matéria de educação.

4. No exercício da sua autonomia, os centros docentes poderão adoptar experimentações, inovações pedagógicas, programas educativos, planos de trabalho, formas de organização, normas de convivência ou ampliação do calendário escolar ou do horário lectivo de áreas ou âmbitos, nos termos estabelecidos pela conselharia com competências em matéria de educação e dentro das possibilidades que permita a normativa aplicável, incluída a laboral, sem que, em nenhum caso, suponha discriminação de nenhum tipo, nem comporte a imposição de achegas às mães, aos pais ou às pessoas titoras legais, nem de exixencias para as administrações educativas.

Artigo 14. Concreção curricular

1. A concreção curricular é o marco que estabelece o Claustro de professorado com os critérios e as decisões para orientar o desenvolvimento do currículo por parte do professorado e a coordinação interdisciplinaria por parte dos órgãos de coordinação didáctica, para garantir a coerência na actuação docente.

2. A concreção curricular da etapa incluirá, no mínimo:

a) A adequação dos objectivos da etapa ao contexto do centro.

b) O contributo à aquisição das competências chave.

c) Os critérios para desenvolver os princípios pedagógicos e incorporar os elementos transversais.

d) Os critérios de carácter geral sobre a metodoloxía.

e) Os critérios de carácter geral sobre os materiais e recursos didácticos.

f) Os critérios para o desenho das actividades complementares.

g) Os critérios para o desenho dos planos específicos de reforço para o estudantado que deva permanecer um ano mais no mesmo curso.

h) Os critérios gerais para a avaliação e a promoção.

i) As decisões e os critérios gerais para a elaboração e avaliação das programações didácticas.

j) Os critérios para a participação do centro em projectos, planos e programas.

k) O procedimento para a revisão, avaliação e modificação da concreção curricular.

3. A conselharia com competências em matéria de educação promoverá o uso das tecnologias da informação e da comunicação na elaboração e modificação da concreção curricular.

Artigo 15. Programações didácticas

1. Os centros docentes desenvolverão o currículo dos ensinos de educação primária mediante a elaboração das correspondentes programações didácticas para cada uma das áreas ou âmbitos seguindo as decisões e os critérios gerais estabelecidos na concreção curricular, e tendo em conta o disposto nos correspondentes regulamentos orgânicos.

2. As programações didácticas das áreas ou âmbitos dos ensinos de educação primária incluirão, no mínimo, os seguintes elementos:

a) Introdução.

b) Objectivos da área e o seu contributo ao desenvolvimento das competências chave.

c) Relação de unidades didácticas, percebidas como a parte do currículo da área que se trabalhará, com a sua secuenciación e temporización.

d) Metodoloxía.

– Concreções metodolóxicas.

– Materiais e recursos didácticos.

e) Avaliação.

– Procedimento para a avaliação inicial.

– Critérios de qualificação com indicação do grau mínimo de consecução para a superação da área e critérios de recuperação.

f) Medidas de atenção à diversidade.

g) Transversal.

– Concreção dos elementos transversais.

– Actividades complementares.

h) Prática docente.

– Procedimento para avaliar o processo do ensino e a prática docente com os seus indicadores de sucesso.

– Procedimento de seguimento, avaliação e propostas de melhora da programação.

3. A equipa docente realizará o seguimento das programações didácticas de cada área, com indicação do seu grau de cumprimento e, em caso de deviações, com uma justificação razoada.

4. A conselharia com competências em matéria de educação promoverá o uso das tecnologias da informação e da comunicação na elaboração e no seguimento das programações didácticas.

Artigo 16. Princípios pedagógicos

1. Na educação primária pôr-se-á especial énfase em garantir a inclusão educativa, a atenção personalizada ao estudantado e às suas necessidades de aprendizagem, a participação e a convivência, a prevenção de dificuldades de aprendizagem e a posta em prática de mecanismos de reforço e flexibilización, alternativas metodolóxicas ou outras medidas adequadas tão em seguida como se detecte quaisquer destas situações.

2. A intervenção educativa buscará desenvolver e assentar progressivamente as bases que lhe facilitem ao estudantado uma adequada aquisição das competências chave previstas no perfil de saída, tendo sempre em conta o seu processo madurativo individual, assim como os níveis de desempenho esperados para esta etapa.

3. A metodoloxía didáctica será fundamentalmente comunicativa, inclusiva, activa e participativa, e dirigida ao sucesso dos objectivos e das competências chave. Neste sentido, prestar-se-á atenção ao desenvolvimento de metodoloxías que permitam integrar os elementos do currículo mediante o desenvolvimento de tarefas e actividades relacionadas com a resolução de problemas em contextos da vida real. Além disso, a acção educativa procurará a integração das diferentes experiências e aprendizagens do estudantado, terá em conta os seus diferentes ritmos e preferências de aprendizagem, favorecerá a capacidade de aprender por sim mesmo, fomentará o trabalho colaborativo e em equipa e potenciará a aprendizagem significativa que promova a autonomia e a reflexão. Para estes efeitos, ter-se-ão em conta as orientações pedagógicas estabelecidas no anexo II para cada uma das áreas.

4. Com o objecto de fomentar a integração das competências chave, os centros docentes dedicarão um tempo do horário lectivo, nos termos recolhidos na sua concreção curricular, à realização de projectos significativos para o estudantado e à resolução colaborativa de problemas, reforçando a autoestima, a autonomia, a reflexão e a responsabilidade.

Além disso, para favorecer uma aquisição eficaz das competências chave, deverão desenhar-se actividades de aprendizagem que lhe permitam ao estudantado avançar em mais de uma competência ao mesmo tempo. Nesse sentido, as aprendizagens que tenham carácter instrumental para a aquisição de outras competências chave receberão especial consideração.

5. A leitura constitui um factor fundamental para o desenvolvimento das competências chave, é de especial relevo o desenvolvimento de estratégias de compreensão de leitura de todo o tipo de textos e imagens, em quaisquer suporte e formato. Com o fim de fomentar o hábito e o domínio da leitura, assim como o da comunicação, os centros docentes organizarão a sua prática docente de modo que se garanta a incorporação de um tempo diário de leitura e prática da oratoria nos termos recolhidos na sua concreção curricular. Para facilitar esta prática, a conselharia com competências em matéria de educação promoverá planos de fomento da leitura e de alfabetização em diversos meios, tecnologias e linguagens. Para isso contar-se-á, de ser o caso, com a colaboração das famílias ou pessoas titoras legais e do voluntariado, assim como com o intercâmbio de boas práticas.

6. Os centros docentes darão de modo integrado o currículo de todas as línguas da sua oferta educativa, com o fim de favorecer que todos os conhecimentos e as experiências linguísticas do estudantado contribuam ao desenvolvimento da sua competência comunicativa plurilingüe. No projecto linguístico do centro concretizar-se-ão as medidas tomadas para a impartição do currículo integrado das línguas. Estas medidas incluirão, ao menos, acordos sobre critérios metodolóxicos básicos de actuação em todas as línguas, acordos sobre a terminologia que se vá empregar e o tratamento que se lhes dará aos contidos e aos critérios de avaliação similares nas diferentes áreas linguísticas, de modo que se evite a repetição dos aspectos comuns à aprendizagem de qualquer língua.

7. As línguas oficiais utilizar-se-ão só como apoio no processo de aprendizagem da língua estrangeira. No supracitado processo priorizarase a compreensão, a expressão e a interacção oral.

8. Prestar-se-á especial atenção ao princípio de igualdade, pondo o foco na eliminação dos contidos sexistas e estereótipos que suponham discriminação entre mulheres e homens, com especial atenção nos livros de texto e materiais educativos.

9. Sem prejuízo do seu tratamento específico em algumas das áreas da etapa, a compreensão da leitura, a expressão oral e escrita, a comunicação audiovisual, a competência digital, o fomento da criatividade, do espírito científico e do emprendemento trabalhar-se-ão em todas as áreas.

10. De igual modo, desde todas as áreas promover-se-á a igualdade entre mulheres e homens, a educação para a paz, a educação para o consumo responsável e o desenvolvimento sustentável e a educação para a saúde, incluída a afectivo-sexual.

11. Além disso, prestar-se-á especial atenção à orientação educativa, à acção titorial e à educação emocional e em valores.

Artigo 17. Elementos transversais

1. Na etapa de educação primária tratar-se-ão, no mínimo, aqueles conteúdos de carácter transversal que se recolhem nos números 9, 10 e 11 do artigo 16.

2. Do mesmo modo, promover-se-á a aprendizagem da prevenção e resolução pacífica de conflitos em todos os âmbitos da vida pessoal, familiar e social, assim como dos valores que sustentam a liberdade, a justiça, a igualdade, o pluralismo político, a paz, a democracia, o respeito pelos direitos humanos e a rejeição de qualquer tipo de violência, a pluralidade e o respeito pelo Estado de direito.

3. Evitar-se-ão os comportamentos, estereótipos e conteúdos sexistas, assim como aqueles que suponham discriminação por razão da orientação sexual ou da identidade de género. Além disso, empregar-se-á uma linguagem livre de prejuízos e estereótipos sexistas e que seja não sexista, nos termos estabelecidos legalmente.

4. A conselharia com competências em matéria de educação fomentará as medidas para que o estudantado participe em actividades que lhe permitam afianzar o espírito emprendedor e a iniciativa empresarial a partir de aptidões como a criatividade, a autonomia, a iniciativa, o trabalho em equipa, a confiança num mesmo e o sentido crítico.

Artigo 18. Coordinação entre etapas

Para garantir a continuidade do processo de formação e uma transição e evolução positiva desde a educação infantil à educação primária e desde esta à educação secundária obrigatória, a conselharia com competências em matéria de educação e os centros docentes estabelecerão mecanismos para realizar a coordinação entre as diferentes etapas.

CAPÍTULO III

Titoría e atenção à diversidade

Artigo 19. Titoría e orientação

1. Na educação primária, a orientação e a acção titorial acompanharão o processo educativo individual e colectivo do estudantado. Além disso, fomentará na etapa o respeito mútuo e a cooperação entre iguais, com especial atenção à igualdade de género.

2. Cada grupo de alunas e alunos terá uma mestre titora ou um mestre titor.

3. Desde a titoría coordenar-se-á a intervenção educativa do conjunto do professorado que incida sobre o mesmo grupo de alunas e alunos de acordo com o que estabeleça a conselharia com competências em matéria de educação, e manter-se-á uma relação permanente com as mães, com os pais ou com as pessoas titoras legais, com o fim de facilitar o exercício dos direitos reconhecidos no artigo 4.1.d) e g) da Lei orgânica 8/1985, de 3 de julho, reguladora do direito à educação, e no artigo 6.1 da Lei galega 4/2011, de 30 de junho, de convivência e participação da comunidade educativa.

4. As pessoas titoras informarão regularmente as mães, os pais ou as pessoas titoras legais do seu estudantado sobre o processo educativo das suas filhas, dos seus filhos ou das pessoas que tutelem. Esta informação subministrar-se-á, no mínimo, com uma periodicidade trimestral e incluirá as valorações realizadas em cada área, assim como a informação relativa ao seu processo de integração socioeducativa.

5. Ao longo do terceiro ciclo, desde a titoría coordenar-se-á a incorporação de elementos de orientação académica e profissional que incluam, ao menos, a progressiva descoberta de estudos e profissões e a geração de interesses vocacionais livres de estereótipos sexistas.

Artigo 20. Atenção à diversidade

1. Na etapa da educação primária pôr-se-á especial énfase na atenção à diversidade do estudantado, na detecção precoz das suas necessidades específicas e no estabelecimento de mecanismos de apoio e reforço tão pronto como se detectem dificuldades de aprendizagem, com o objecto de reforçar a inclusão, assegurar o direito a uma educação de qualidade e para evitar a permanência num mesmo curso. Os mecanismos de apoio e reforço serão tanto organizativo como curriculares e entre estes poderão considerar-se o apoio no grupo ordinário, os agrupamentos flexíveis ou as adaptações do currículo.

2. Os centros docentes adoptarão as medidas necessárias, nos termos estabelecidos pela conselharia com competências em matéria de educação, para responder às necessidades educativas concretas das suas alunas e dos seus alunos, tendo em conta os seus diferentes ritmos e preferências de aprendizagem.

Estas medidas estarão orientadas a permitir que todo o estudantado possa alcançar os objectivos e as competências chave da etapa, assim como o nível de desempenho esperado ao me o ter da educação primária, de acordo com o perfil de saída, pelo que em nenhum caso poderão supor uma discriminação que impeça a quem beneficie delas atingir a promoção ao seguinte ciclo ou etapa.

Em particular, favorecer-se-á a flexibilización e o emprego de alternativas metodolóxicas no ensino e na avaliação da língua estrangeira, especialmente com o estudantado que presente dificuldades na sua compreensão e expressão.

Igualmente, estabelecer-se-ão as medidas mais adequadas para que as condições de realização dos processos associados à avaliação se adaptem às necessidades deste estudantado.

3. A escolarização do estudantado com necessidade específica de apoio educativo regerá pelos princípios de normalização e inclusão e assegurará a sua não-discriminação e a igualdade efectiva no acesso e na permanência no sistema educativo, e poderão introduzir-se medidas de flexibilización das diferentes etapas educativas, quando se considere necessário.

4. A identificação e a valoração do estudantado com necessidade específica de apoio educativo e, de ser o caso, a intervenção educativa derivada dessa valoração realizarão da forma mais temporã possível, nos termos que determine a conselharia com competências em matéria de educação. Os centros docentes deverão adoptar as medidas necessárias para fazer realidade essa identificação, valoração e intervenção. Neste processo de identificação e valoração serão preceptivamente ouvidas e informadas as mães, os pais ou as pessoas titoras legais do estudantado. A conselharia com competências em matéria de educação regulará os procedimentos que permitam resolver as discrepâncias que possam surgir, sempre tendo em conta o interesse superior do menor e a vontade das famílias que mostrem a sua preferência pelo regime mais inclusivo.

5. A conselharia com competências em matéria de educação estabelecerá as condições de acessibilidade ao currículo do estudantado com necessidades educativas especiais, os recursos de apoio que favoreçam esse acesso e, de ser o caso, os procedimentos oportunos quando seja necessário realizar adaptações que se apartem significativamente dos critérios de avaliação e dos contidos do currículo, com o fim de dar resposta a este estudantado que as precise, buscando permitir-lhe o máximo desenvolvimento possível das competências chave.

6. A escolarização do estudantado com altas capacidades intelectuais, identificado como tal segundo o procedimento e nos termos que estabeleça a conselharia com competências em matéria de educação, poderá flexibilizarse conforme a normativa vigente, de forma que possa reduzir-se um curso a duração da etapa, quando se preveja que esta é sob medida mais adequada para o desenvolvimento do seu equilíbrio pessoal e a sua socialização. Esta flexibilización poderá incluir tanto a impartição de conteúdos e a aquisição de competências próprias de cursos superiores como a ampliação de conteúdos e competências do curso corrente, assim como outras medidas.

7. A escolarização do estudantado que se incorpore de modo tardio ao sistema educativo, a que se refere o artigo 78 da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, realizar-se-á atendendo às suas circunstâncias, aos seus conhecimentos, à sua idade e ao seu historial académico. Quando apresentem graves carências em alguma das línguas oficiais da Galiza e/ou desfasamento curricular, receberão, nos termos estabelecidos pela conselharia com competências em matéria de educação, uma atenção específica que será, em todo o caso, simultânea à sua escolarização no grupo ordinário, com o que partilhará o maior tempo possível do horário semanal.

Quem presente um desfasamento no seu nível de competência curricular de dois ou mais cursos poderá ser escolarizado no curso inferior ao que lhe corresponderia por idade. Para este estudantado adoptar-se-ão as medidas de reforço necessárias que facilitem a sua integração escolar e a recuperação, de ser o caso, do seu desfasamento e que lhe permitam continuar com aproveitamento a sua aprendizagem. No caso de superar esse desfasamento, incorporará ao curso correspondente à sua idade.

8. Para a atenção à diversidade do estudantado de educação primária estar-se-á ao disposto no Decreto 229/2011, de 7 de dezembro, pelo que se regula a atenção à diversidade do estudantado dos centros docentes da Comunidade Autónoma da Galiza em que se dão os ensinos estabelecidos na Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, assim como na normativa que o desenvolve.

CAPÍTULO IV

Avaliação, participação e direito à informação

Artigo 21. Avaliação

1. Os referentes para a valoração do grau de aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos das áreas e da etapa na avaliação das áreas serão os critérios de avaliação que figuram no anexo II.

Os referentes no caso do estudantado com adaptação curricular serão os incluídos na supracitada adaptação, sem que isto possa impedir-lhe a promoção ao curso ou à etapa seguinte.

2. A avaliação do estudantado será global, contínua e formativa, e terá em conta o grau de desenvolvimento das competências chave e o seu progresso no conjunto dos processos de aprendizagem.

3. No contexto deste processo de avaliação contínua, quando o progresso de uma aluna ou de um aluno não seja o ajeitado, estabelecer-se-ão medidas de reforço educativo. Estas medidas adoptarão em qualquer momento do curso, tão em seguida como se detectem as dificuldades, e estarão dirigidas a garantir a aquisição das aprendizagens imprescindíveis para continuar o processo educativo.

4. Na avaliação promover-se-á o uso generalizado de instrumentos de avaliação variados, diversos e adaptados às diferentes situações de aprendizagem que permitam a valoração objectiva de todo o estudantado.

5. A avaliação das aprendizagens das alunas e dos alunos terá um carácter formativo e será um instrumento para a melhora tanto dos processos de ensino como dos processos de aprendizagem. Nesse sentido, o professorado avaliará tanto as aprendizagens do estudantado como os processos de ensino e a sua própria prática docente, para o qual estabelecerá indicadores de sucesso nas programações docentes.

6. Com independência do seguimento realizado ao longo do curso, a equipa docente, coordenado pela titora ou pelo titor do grupo, valorará, de forma colexiada, o progresso do estudantado numa única sessão de avaliação que terá lugar ao finalizar o período lectivo do curso académico.

Artigo 22. Promoção

1. Ao finalizar os cursos segundo, quarto e sexto da etapa, e como consequência do processo de avaliação, a equipa docente do grupo, na sessão de avaliação final, decidirá sobre a promoção do estudantado. A decisão será adoptada de modo colexiado, tendo em conta os critérios de promoção e tomando especialmente em consideração a informação e o critério do professorado titor. A promoção no resto de cursos da etapa será automática.

2. O estudantado que atinja a promoção de curso com alguma área com qualificação negativa receberá os apoios necessários para recuperar as aprendizagens que não alcançasse o curso anterior.

3. O estudantado que não atinja a promoção permanecerá um ano mais no mesmo curso. A permanência no mesmo curso considerar-se-á uma medida de carácter excepcional e tomar-se-á se, trás aplicar as medidas ordinárias suficientes, adequadas e personalizadas para atender o desfasamento curricular ou as dificuldades de aprendizagem da aluna ou do aluno, a equipa docente considera que a permanência um ano mais no mesmo curso é sob medida mais adequada para favorecer o seu desenvolvimento. Nesse caso, a equipa docente organizará um plano específico de reforço para que, durante esse curso, a aluna ou o aluno possa alcançar o grau de aquisição das competências chave correspondentes. A decisão de permanência no mesmo curso só poderá adoptar-se uma vez durante a etapa, ouvidas as mães, os pais ou as pessoas titoras legais, e terá, em todo o caso, carácter excepcional.

4. Ao finalizar os cursos segundo, quarto e sexto da etapa, o professorado titor emitirá um relatório sobre o grau de aquisição das competências chave de cada aluna ou aluno, no qual indique, de ser o caso, as medidas de reforço que se devem prever no ciclo ou na etapa seguinte.

5. Com o fim de garantir a continuidade do processo de formação do estudantado, cada aluna ou aluno disporá ao finalizar a etapa de um informe sobre a sua evolução e o grau de desenvolvimento das competências chave.

6. A conselharia com competências em matéria de educação estabelecerá as características dos relatórios finais de ciclo e etapa a que se referem os números 4 e 5 anteriores.

Artigo 23. Avaliação de diagnóstico

No quarto curso de educação primária, todos os centros docentes realizarão uma avaliação de diagnóstico das competências chave adquiridas pelo seu estudantado, segundo disponha a conselharia com competências em matéria de educação. Esta avaliação terá carácter informativo, formativo e orientador para os centros docentes, para o professorado, para o estudantado e as suas famílias ou pessoas titoras legais, e para o conjunto da comunidade educativa. Esta avaliação, de carácter censual, terá como marco de referência o estabelecido de acordo com o artigo 144.1 da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio.

Artigo 24. Direito do estudantado a uma avaliação objectiva

Com o fim de garantir o direito das alunas e dos alunos a que a sua dedicação, o seu esforço e o seu rendimento sejam valorados e reconhecidos conforme critérios de plena objectividade, os centros docentes adoptarão as medidas precisas para fazer públicos e comunicar às mães, aos pais ou às pessoas titoras legais os critérios de avaliação, os instrumentos de avaliação e os critérios de promoção que, em todo o caso, atenderão às características da avaliação disposto na legislação vigente e, em particular, ao carácter global, contínuo e formativo da avaliação nesta etapa.

Artigo 25. Participação e direito à informação de mães, pais ou pessoas titoras legais

1. De conformidade com o estabelecido no artigo 4.2.e) da Lei orgânica 8/1985, de 3 de julho, reguladora do direito à educação, e no artigo 24 do Real decreto 157/2022, de 1 de março, e de acordo com as previsões da Lei 4/2011, de 30 de junho, de convivência e participação da comunidade educativa, as mães, os pais ou as pessoas titoras legais deverão participar e apoiar a evolução do processo educativo das suas filhas, dos seus filhos ou das pessoas que tutelem, assim como conhecer as decisões relativas à sua avaliação e à promoção, colaborar nas medidas de apoio ou reforço que adoptem os centros docentes para facilitar o seu progresso educativo e terão acesso aos documentos oficiais de avaliação e às provas e aos documentos das avaliações que se lhes realizem às suas filhas, aos seus filhos ou às pessoas tuteladas, na parte referida à aluna ou ao aluno de que se trate, sem prejuízo do a respeito da garantias estabelecidas na Lei orgânica 3/2018, de 5 de dezembro, de protecção de dados pessoais e garantia dos direitos digitais; no Regulamento (UE) 2016/679, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de abril de 2016, relativo à protecção das pessoas físicas no que respeita ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação destes dados e pelo que se derrogar a Directiva 95/46/CE, e demais normativa aplicável em matéria de protecção de dados de carácter pessoal. Para esta finalidade, o acesso às actas de avaliação poderá substituir por um boletim individualizado com a informação da acta referida à aluna ou ao aluno de que se trate.

2. Igualmente, os centros docentes promoverão compromissos educativos com as mães, com os pais ou com as pessoas titoras legais do seu estudantado em que se consignem as actividades que as pessoas integrantes da comunidade educativa se comprometem a desenvolver para facilitar o progresso académico do estudantado.

TÍTULO II

Documentos oficiais de avaliação

Artigo 26. Documentos e relatórios de avaliação

1. Na educação primária, os documentos oficiais de avaliação são as actas de avaliação, o expediente académico, o historial académico, o relatório final de etapa e, de ser o caso, o relatório pessoal por deslocação.

2. O historial académico e, de ser o caso, o relatório pessoal por deslocação consideram-se documentos básicos para garantir a mobilidade do estudantado por todo o território nacional.

3. Os documentos oficiais de avaliação deverão recolher sempre a norma que estabelece o currículo correspondente. Quando tenham que produzir efeito fora do âmbito da Comunidade Autónoma da Galiza, observar-se-á o disposto no artigo 15.3 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas.

4. A custodia e o arquivamento dos documentos oficiais de avaliação correspondem aos centros docentes em que se realizassem os estudos. O labor de cobrir e custodiar estes documentos será supervisionado pela Inspecção educativa.

Artigo 27. Actas de avaliação

1. As actas de avaliação estender-se-ão para cada um dos cursos e fecharão ao termo do período lectivo. Compreenderão, ao menos, a relação nominal do estudantado que compõe o grupo junto com os resultados da avaliação das áreas ou dos âmbitos e as decisões sobre promoção e permanência.

2. Os resultados da avaliação expressar-se-ão nos termos de insuficiente (IN) para as qualificações negativas e suficiente (SU), bem (BÊ), notável (NT) ou sobresaliente (SB) para as qualificações positivas. A estes me os ter achegar-se-lhes-á, com carácter informativo, uma qualificação numérica, sem empregar decimais, numa escala de um a dez, com as seguintes correspondências:

– Insuficiente: 1, 2, 3 ou 4.

– Suficiente: 5.

– Ben: 6.

– Notável: 7 ou 8.

– Sobresaliente: 9 ou 10.

3. No caso dos âmbitos que integrem diferentes áreas, o resultado da avaliação expressar-se-á mediante uma única qualificação, sem prejuízo dos procedimentos que possam estabelecer-se para manter informados da sua evolução nas diferentes áreas a aluna ou o aluno e as suas mães, os seus pais ou as suas pessoas titoras legais.

4. As actas de avaliação serão assinadas pela pessoa que exerça a titoría do grupo e levarão a aprovação da directora ou do director do centro.

Artigo 28. Expediente académico

1. O expediente académico recolherá, junto com os dados de identificação do centro, os da aluna ou do aluno, assim como a informação relativa ao seu processo de avaliação. Abrirá no momento de incorporação ao centro e recolherá, ao menos, os resultados da avaliação das áreas ou dos âmbitos, as decisões de promoção de etapa, as medidas de apoio educativo e as adaptações curriculares que se adoptassem para a aluna ou o aluno.

2. No caso de existirem áreas que fossem cursadas de forma integrada num âmbito, no expediente figurará, junto com a denominação do supracitado âmbito, a indicação expressa das áreas integradas nele.

3. O expediente académico será assinado pela pessoa que exerça a secretaria do centro e levará a aprovação da directora ou do director do centro.

Artigo 29. Historial académico

1. O historial académico terá valor acreditador dos ensinos realizados. No mínimo recolherá os dados identificativo da aluna ou do aluno, as áreas cursadas em cada um dos anos de escolarização, as medidas curriculares e organizativo aplicadas, os resultados da avaliação, as decisões sobre promoção e permanência, a informação relativa às mudanças de centro e as datas em que se produzissem os diferentes factos. Deverá figurar, além disso, a indicação das áreas que se cursaram com adaptações curriculares.

2. Com o objecto de garantir a mobilidade do estudantado, quando várias áreas fossem cursadas integradas num âmbito, fá-se-á constar, no historial a qualificação obtida em cada uma delas. Esta qualificação será a mesma que figure no expediente para o âmbito correspondente.

3. Trás finalizar a etapa, o historial académico de educação primária entregar-se-lhes-á às mães, aos pais ou às pessoas titoras legais da aluna ou do aluno. Igualmente, enviar-se-á uma cópia do historial académico e do informe final de etapa a que se refere o artigo seguinte ao centro de educação secundária em que vá prosseguir os seus estudos a aluna ou o aluno, depois do pedido do supracitado centro.

4. O historial académico será assinado pela pessoa que exerça a secretaria do centro e levará a aprovação da directora ou do director do centro.

Artigo 30. Informe final de etapa

1. O relatório final de etapa recolherá informação sobre a evolução e o grau de desenvolvimento das competências chave da aluna ou do aluno ao finalizar a etapa, segundo o disposto pela conselharia com competências em matéria de educação.

2. O relatório final de etapa será assinado pela pessoa que exerça a titoría do grupo da aluna ou do aluno e levará a aprovação da directora ou do director do centro.

Artigo 31. Relatório pessoal por deslocação

1. Quando uma aluna ou um aluno se transfira a outro centro antes de finalizar a etapa para prosseguir os seus estudos, o centro de origem remeterá ao de destino, por pedido deste, uma cópia do historial académico e o relatório pessoal por deslocação. O centro receptor abrirá o correspondente expediente académico. A matrícula adquirirá carácter definitivo uma vez recebida a cópia do historial académico.

2. O relatório pessoal por deslocação conterá os resultados das avaliações que se realizassem, as medidas curriculares e organizativo que, de ser o caso, foram aplicadas e todas as observações que se considerem oportunas sobre o progresso geral da aluna ou do aluno.

3. O relatório pessoal por deslocação será assinada pela pessoa que exerça a titoría do grupo da aluna ou do aluno e levará a aprovação da directora ou do director do centro.

Artigo 32. Autenticidade, segurança e confidencialidade

1. A conselharia com competências em matéria de educação estabelecerá os procedimentos oportunos para garantir a autenticidade dos documentos oficiais de avaliação, a integridade dos dados recolhidos neles e a sua supervisão e custodia, assim como a sua conservação e a sua deslocação em caso de supresión ou extinção do centro.

2. No referente à obtenção dos dados pessoais do estudantado, à sua cessão de uns centros docentes a outros e à segurança e à confidencialidade destes, atender-se-á o disposto na legislação vigente em matéria de protecção de dados de carácter pessoal e, em todo o caso, o estabelecido na disposição adicional vigésimo terceira da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio.

3. Os documentos oficiais de avaliação e os seus procedimentos de validação descritos nos pontos anteriores poderão ser substituídos pelos seus equivalentes realizados por meios electrónicos, informáticos ou telemático, sempre que fique garantida a sua autenticidade, integridade e conservação, e sempre que se cumpram as garantias e os requisitos estabelecidos pela Lei orgânica 3/2018, de 5 de dezembro, de protecção de dados pessoais e garantia dos direitos digitais; pelo Regulamento (UE) 2016/679, do Parlamento Europeu e do Conselho, de 27 de abril de 2016, relativo à protecção das pessoas físicas no que respeita ao tratamento de dados pessoais e à livre circulação destes dados e pelo que se derrogar a Directiva 95/46/CE; pela Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas, e pela normativa que as desenvolve.

4. O expediente electrónico do estudantado estará constituído, ao menos, pelos dados contidos nos documentos oficiais de avaliação e cumprirá o estabelecido no Real decreto 4/2010, de 8 de janeiro, pelo que se regula o Esquema nacional de interoperabilidade no âmbito da Administração electrónica e demais normativa aplicável.

TÍTULO III

Planos educativos

Artigo 33. Bibliotecas escolares e aproximação à leitura

1. Os centros docentes deverão incluir dentro do seu projecto educativo e funcional um plano de leitura com a finalidade de promover a leitura, que se concretizará anualmente na programação geral anual através de actuações destinadas ao fomento da leitura, da escrita e das habilidades no uso, no tratamento e na produção da informação, em apoio da aquisição das competências chave.

2. Os centros docentes contarão com uma biblioteca escolar e deverão incluir dentro do seu projecto educativo e funcional um plano de biblioteca, que se concretizará anualmente na programação geral anual através das correspondentes actuações, com a finalidade de promovê-la como centro de referência de recursos da leitura, da informação e da aprendizagem. Além disso, a biblioteca escolar será um ponto de encontro entre estudantado, professorado e famílias que facilite a comunicação, a criatividade, as aprendizagens, o trabalho colaborativo e os intercâmbios culturais no centro, ademais de servir como instrumento de apoio para o desenvolvimento do plano de leitura.

Artigo 34. Educação digital

1. Os centros docentes deverão incluir dentro do seu projecto educativo e funcional a sua estratégia digital através de um plano digital de centro, que se concebe como um instrumento para melhorar o desenvolvimento da competência digital da comunidade educativa, o uso das tecnologias digitais no processo de ensino e aprendizagem e a transformação dos centros em organizações educativas digitalmente competente, e que se concretizará anualmente na programação geral anual através das correspondentes actuações.

2. A conselharia com competências em matéria de educação e as equipas directivas dos centros docentes promoverão o uso das tecnologias da informação e da comunicação na sala de aulas como meio didáctico apropriado e valioso para desenvolver as tarefas de ensino e aprendizagem.

3. A conselharia com competências em matéria de educação oferecerá plataformas digitais e tecnológicas de acesso para toda a comunidade educativa, que poderão incorporar recursos didácticos achegados pelas administrações educativas e outros agentes para o seu uso partilhado, sem prejuízo das competências que no âmbito das tecnologias da informação e da comunicação possam corresponder a outras entidades integrantes do sector público autonómico.

4. Os contornos virtuais de aprendizagem que se empreguem nos centros docentes sustidos com fundos públicos facilitarão a aplicação de planos educativos específicos, desenhados pelos centros docentes para a consecução de objectivos concretos do currículo, e deverão contribuir à extensão do conceito de sala de aulas no tempo e no espaço.

5. Os centros docentes que desenvolvam o currículo completo num contorno digital deverão estabelecer um projecto de educação digital que fará parte do seu projecto educativo e deverá contar com a aprovação da conselharia competente em matéria educativa, segundo o procedimento que se estabeleça.

Artigo 35. Promoção de estilos de vida saudáveis

1. Os centros docentes deverão incluir dentro do seu projecto educativo e funcional um plano de actividades físicas e hábitos saudáveis com a finalidade da prática diária de desporto e exercício físico durante a jornada escolar e da promoção de uma vida activa, saudável e autónoma por parte das alunas e dos alunos, e que se concretizará anualmente na programação geral anual através das correspondentes actuações.

2. O desenho, a coordinação e a supervisão das medidas que se adoptem serão assumidas pelo professorado com a qualificação ou especialização adequada, e de acordo com os recursos disponíveis.

Disposição adicional primeira. Adaptação de referências

1. As referências realizadas pela normativa vigente às áreas e disciplinas de educação primária perceber-se-ão realizadas às áreas correspondentes recolhidas neste decreto.

2. As referências contidas no número 3 do artigo 6 do Decreto 79/2010, de 20 de maio, relativas a Conhecimento do Meio Natural, Social e Cultural percebem-se feitas às Ciências da Natureza e às Ciências Sociais, para os efeitos da sua impartição em língua galega.

Disposição adicional segunda. Ensinos de Religião e Projecto Competencial

1. Os ensinos de religião incluirão na educação primária de acordo com o estabelecido na disposição adicional segunda da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio.

2. A conselharia com competências em matéria de educação garantirá que, ao começo do curso, as mães, os pais ou as pessoas titoras legais possam manifestar a sua vontade de que as suas filhas, os seus filhos ou as pessoas que tutelem recebam ou não ensino de religião.

3. Os centros docentes disporão as medidas organizativo para que as alunas e os alunos cujas mães, pais ou pessoas titoras legais não optassem por que cursem ensinos de religião recebam a devida atenção educativa. Esta atenção planificar-se-á e programará pelos centros docentes através da área de Projecto Competencial, cujo currículo será o que se recolhe no anexo II deste decreto, que se dirige ao desenvolvimento das competências transversais através da realização de projectos significativos para o estudantado e da resolução colaborativa de problemas, reforçando a autoestima, a autonomia, a reflexão e a responsabilidade, e que poderá configurar-se a modo de trabalho monográfico ou projecto interdisciplinario ou de colaboração com um serviço à comunidade. Em todo o caso, as actividades propostas nesta área irão dirigidas a reforçar os aspectos mais transversais do currículo, favorecendo a interdisciplinariedade e a conexão entre os diferentes saberes.

As actividades a que se refere este ponto em nenhum caso comportarão a aprendizagem de conteúdos curriculares associados ao conhecimento do feito religioso nem a nenhuma área da etapa.

A atribuição docente do Projecto Competencial corresponde ao professorado de qualquer das especialidades do corpo de mestres.

4. A avaliação do ensino da Religião Católica e do Projecto Competencial realizar-se-á nos mesmos termos e com os mesmos efeitos que a das outras áreas da educação primária. A avaliação dos ensinos das diferentes confesións religiosas ajustar-se-á ao estabelecido nos acordos de cooperação subscritos pelo Estado.

5. A determinação do currículo do ensino de Religião Católica e das diferentes confesións religiosas com que o Estado subscreveu acordos de cooperação em matéria educativa será competência, respectivamente, da hierarquia eclesiástica e das correspondentes autoridades religiosas.

6. Com o fim de garantir o princípio de igualdade e a livre concorrência entre todo o estudantado, as qualificações que se obtiveram na avaliação dos ensinos de Religião e do Projecto Competencial não se computarán nas convocações em que devam entrar em concorrência os expedientes académicos.

Disposição adicional terceira. Aprendizagem de línguas estrangeiras

1. Na impartição de áreas em línguas estrangeiras, os centros docentes aplicarão o disposto no capítulo IV do Decreto 79/2010, de 20 de maio, sem que isso suponha modificação dos aspectos regulados neste decreto e na normativa básica estatal correspondente. Neste caso, procurar-se-á que ao longo da etapa as alunas e os alunos adquiram a terminologia própria das áreas na língua estrangeira e nas duas línguas oficiais da Galiza.

2. Os centros docentes que dêem uma parte das áreas do currículo em línguas estrangeiras aplicarão, em todo o caso, os critérios para a admissão do estudantado estabelecidos na Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio.

Disposição adicional quarta. Tarefas extraescolares

1. Os centros docentes incluirão dentro da sua programação geral anual, segundo o marco de autonomia pedagógica e organizativo, as pautas e/ou os critérios gerais sobre o uso das tarefas extraescolares na etapa de educação primária, de modo que entronque com o desenvolvimento adequado das competências chave do estudantado segundo os seus diferentes processos e ritmos de aprendizagem, atendendo a um princípio de progresividade ao longo da etapa educativa.

2. No caso do seu estabelecimento ter-se-á em conta um encaixe adequado na vida das famílias, de modo que se facilite a participação activa destas na aprendizagem e a adequada conciliação da vida pessoal e familiar, com respeito aos tempos de lazer do estudantado. Ao tempo fomentar-se-á a responsabilidade das alunas e dos alunos na sua formação e a sua autonomia, em linha com uma cultura do esforço e do trabalho.

Disposição adicional quinta. Calendário escolar

1. O calendário escolar compreenderá um mínimo de 175 dias lectivos.

2. Em qualquer caso, no cômputo do calendário escolar incluir-se-ão os dias dedicados às avaliações de diagnóstico de quarto curso.

Disposição transitoria única. Aplicabilidade do Decreto 105/2014, de 4 de setembro, pelo que se estabelece o currículo da educação primária na Comunidade Autónoma da Galiza

O Decreto 105/2014, de 4 de setembro, pelo que se estabelece o currículo da educação primária na Comunidade Autónoma da Galiza, será de aplicação nos cursos segundo, quarto e sexto de educação primária, durante o curso académico 2022/23, sem prejuízo do disposto na disposição transitoria segunda do Real decreto 157/2022, de 1 de março.

Disposição derrogatoria única. Derogação normativa

1. Fica derrogar o Decreto 105/2014, de 4 de setembro, pelo que se estabelece o currículo da educação primária na Comunidade Autónoma da Galiza. Não obstante o anterior, será de aplicação nos cursos segundo, quarto e sexto de educação primária, durante o curso académico 2022/23.

2. Ficam derrogar todas as disposições de igual ou inferior categoria que se oponham ao disposto neste decreto.

Disposição derradeiro primeira. Calendário de implantação

O disposto no presente decreto implantará para os cursos primeiro, terceiro e quinto no curso escolar 2022/23, e para os cursos segundo, quarto e sexto no curso escolar 2023/24.

Disposição derradeiro segunda. Desenvolvimento normativo

Faculta-se a pessoa titular da conselharia com competências em matéria de educação para ditar quantas disposições sejam precisas, no relativo à organização e às matérias próprias do seu departamento, e o desenvolvimento deste decreto.

Disposição derradeiro terceira. Entrada em vigor

Este decreto entrará em vigor o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, quinze de setembro de dois mil vinte dois

Alfonso Rueda Valenzuela
Presidente

Román Rodríguez González
Conselheiro de Cultura, Educação, Formação Profissional e Universidades

ANEXO I

Perfil de saída do estudantado ao acabar o ensino básico

O perfil de saída do estudantado ao acabar o ensino básico é a ferramenta em que se concretizam os princípios e os fins do sistema educativo galego referidos ao supracitado período. O perfil identifica e define, em conexão com os reptos do século XXI, as competências chave que se espera que as alunas e os alunos desenvolvessem ao completar esta fase do seu itinerario formativo.

O perfil de saída é único e o mesmo para todo o território do Estado. É a pedra angular de todo o currículo, a matriz que cohesiona e para onde converxen os objectivos das diferentes etapas que constituem o ensino básico. Concebe-se, portanto, como o elemento que deve fundamentar as decisões curriculares, assim como as estratégias e as orientações metodolóxicas na prática lectiva. Deve ser, ademais, o fundamento da aprendizagem permanente e o referente da avaliação interna e externa das aprendizagens do estudantado, em particular no relativo à tomada de decisões sobre promoção entre os diferentes cursos, assim como à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória.

O perfil de saída parte de uma visão à vez estrutural e funcional das competências chave, cuja aquisição por parte do estudantado se considera indispensável para o seu desenvolvimento pessoal, para resolver situações e problemas dos diferentes âmbitos da sua vida, para criar novas oportunidades de melhora, assim como para alcançar a continuidade do seu itinerario formativo e facilitar e desenvolver a sua inserção e participação activa na sociedade e no cuidado das pessoas, da contorna natural e do planeta. Garante-se assim a consecução do duplo objectivo de formação pessoal e de socialização previsto para o ensino básico no artigo 4.4 da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação (LOE), com o fim de dotar cada aluna ou aluno das ferramentas imprescindíveis para que desenvolva um projecto de vida pessoal, social e profissional satisfatório. Este projecto constitui-se como o elemento articulador das diversas aprendizagens que lhe permitirão enfrentar com sucesso os desafios e os reptos a que terá que enfrontarse para levá-lo a cabo.

O referente de partida para definir as competências recolhidas no perfil de saída foi a Recomendação do Conselho da União Europeia de 22 de maio de 2018, relativa às competências chave para a aprendizagem permanente. A ancoraxe do perfil de saída à Recomendação do Conselho reforça o compromisso do sistema educativo galego com o objectivo de adoptar umas referências comuns que fortaleçam a coesão entre os sistemas educativos da União Europeia e facilitem que a sua cidadania, se assim o considera, possa estudar e trabalhar ao longo da sua vida tanto no seu próprio país como noutros países da sua contorna.

No perfil, as competências chave da Recomendação europeia vincularam-se com os principais reptos e desafios globais do século XXI a que o estudantado se vai ver confrontado e ante os quais necessitará desenvolver essas mesmas competências chave. Do mesmo modo, incorporaram-se também os reptos recolhidos no documento Key Drivers of Curricula Change in the 21st Century do Escritório Internacional de Educação da UNESCO, assim como os objectivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 adoptada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em setembro de 2015.. 

A vinculação entre competências chave e reptos do século XXI é a que lhes dará sentido às aprendizagens, ao achegar a escola a situações, questões e problemas reais da vida quotidiana, o que, pela sua vez, proporcionará o necessário ponto de apoio para favorecer situações de aprendizagem significativas e relevantes, tanto para o estudantado como para o pessoal docente. Quer-se garantir que todo o estudantado que supere com sucesso o ensino básico e, portanto, atinja o perfil de saída, saiba activar as aprendizagens adquiridas para responder aos principais desafios a que deverá fazer frente ao longo da sua vida:

– Desenvolver uma atitude responsável a partir da tomada de consciência da degradação do ambiente e dos maus tratos animais baseada no conhecimento das causas que os provocam, agravam ou melhoram, desde uma visão sistémica, tanto local como global.

– Identificar os diferentes aspectos relacionados com o consumo responsável, valorar as suas repercussões sobre o bem individual e o comum, julgar criticamente as necessidades e os excessos e exercer um controlo social face à vulneração dos seus direitos.

– Desenvolver estilos de vida saudável a partir da compreensão do funcionamento do organismo e a reflexão crítica sobre os factores internos e externos que incidem nela, assumindo a responsabilidade pessoal e social no cuidado próprio e no cuidado das demais pessoas, assim como na promoção da saúde pública.

– Desenvolver um espírito crítico, empático e proactivo para detectar situações de inequidade e exclusão a partir da compreensão das causas complexas que as originam.

– Perceber os conflitos como elementos connaturais à vida em sociedade que devem resolver-se de maneira pacífica.

– Analisar de maneira crítica e aproveitar as oportunidades de todo o tipo que oferece a sociedade actual, em particular, as da cultura na era digital, avaliando os seus benefícios e riscos e fazendo um uso ético e responsável que contribua à melhora da qualidade de vida pessoal e colectiva.

– Aceitar a incerteza como uma oportunidade para articular respostas mais criativas, aprendendo a manejar a ansiedade que pode levar aparellada.

– Cooperar e conviver em sociedades abertas e cambiantes, valorando a diversidade pessoal e cultural como fonte de riqueza e interessando-se por outras línguas e culturas.

– Sentir-se parte de um projecto colectivo, tanto no âmbito local como no global, desenvolvendo empatía e xenerosidade.

– Desenvolver as habilidades que lhe permitam seguir aprendendo ao longo da vida, desde a confiança no conhecimento como motor do desenvolvimento e a valoração crítica dos riscos e benefícios deste último.

A resposta a estes e outros desafios –entre os que existe uma absoluta interdependencia– necessita dos conhecimentos, destrezas e atitudes que subxacen às competências chave e são abordados nas diferentes áreas, âmbitos e matérias que compõem o currículo. Estes conteúdos disciplinares são imprescindíveis, porque sem eles o estudantado não perceberia o que ocorre ao seu por volta e, portanto, não poderia valorar criticamente a situação nem, muito menos, responder adequadamente. O essencial da integração dos reptos no perfil de saída consiste em que acrescentam uma exixencia de actuação, a qual conecta com o enfoque competencial do currículo: a meta não é a mera aquisição de conteúdos, senão aprender a utilizá-los para solucionar necessidades presentes na realidade.

Estes desafios implicam adoptar uma posição ética exixente, já que supõem articular a procura legítima do bem-estar pessoal respeitando o bem comum. Requerem, ademais, transcender a mirada local para analisar e comprometer-se também com os problemas globais. Tudo isso exixir, por uma banda, uma mente complexa, capaz de pensar em termos sistémicos, abertos e com um alto nível de incerteza e, por outra, a capacidade de empatizar com aspectos relevantes, ainda que não nos afectem de maneira directa, o que implica assumir os valores de justiça social, equidade e democracia, assim como desenvolver um espírito crítico e proactivo para as situações de injustiça, inequidade e exclusão.

Competências chave que se devem adquirir.

As competências chave que se recolhem no perfil de saída são a adaptação ao sistema educativo galego das competências chave estabelecidas na citada Recomendação do Conselho da União Europeia. Esta adaptação responde à necessidade de vincular as supracitadas competências com os reptos e desafios do século XXI, com os princípios e fins do sistema educativo estabelecidos na LOE e com o contexto escolar, já que a Recomendação se refere à aprendizagem permanente que deve produzir-se ao longo de toda a vida, enquanto que o perfil remete a um momento preciso e limitado do desenvolvimento pessoal, social e formativo do estudantado: a etapa do ensino básico.

Com carácter geral, deve perceber-se que a consecução das competências e dos objectivos previstos na LOE para as diferentes etapas educativas está vinculada à aquisição e ao desenvolvimento das competências chave recolhidas neste perfil de saída, que são as seguintes:

CCL: competência em comunicação linguística.

CP: competência plurilingüe.

STEM: competência matemática e competência em ciência, tecnologia e engenharia.

CD: competência digital.

CPSAA: competência pessoal, social e de aprender a aprender.

CC: competência cidadã.

CE: competência emprendedora.

CCEC: competência em consciência e expressão culturais.

A transversalidade é uma condição inherente ao perfil de saída, no sentido de que todas as aprendizagens contribuem à sua consecução. Da mesma maneira, a aquisição de cada uma das competências chave contribui à aquisição de todas as demais. Não existe hierarquia entre elas nem pode estabelecer-se uma correspondência exclusiva com uma única área, âmbito ou matéria, senão que todas se concretizam nas aprendizagens das diferentes áreas, âmbitos ou matérias e, pela sua vez, se adquirem e desenvolvem a partir das aprendizagens que se produzem no seu conjunto.

Descritores operativos das competências chave no ensino básico.

No que diz respeito à dimensão aplicada das competências chave, definiu-se para cada uma delas um conjunto de descritores operativos, partindo dos diferentes marcos europeus de referência existentes.

Os descritores operativos das competências chave constituem, junto com os objectivos gerais da etapa, o marco referencial a partir do qual se concretizam os objectivos de cada área, âmbito ou matéria. Esta vinculação entre descritores operativos e objectivos propícia que da avaliação destes últimos, através dos correspondentes critérios de avaliação associados, possa colixirse o grau de aquisição das competências chave definidas no perfil de saída e, portanto, a consecução das competências chave e dos objectivos gerais previstos para a etapa.

Dado que as competências se adquirem necessariamente de forma secuencial e progressiva, incluem-se também no perfil os descritores operativos que orientam sobre o nível de desempenho esperado ao completar a educação primária, favorecendo e explicitando assim a continuidade, a coerência e a coesão entre as duas etapas que compõem o ensino obrigatório.

CCL: competência em comunicação linguística.

A competência em comunicação linguística supõe interactuar de forma oral, escrita, signada ou multimodal de maneira coherente e adequada em diferentes âmbitos e contextos e com diferentes propósitos comunicativos. Implica mobilizar, de maneira consciente, o conjunto de conhecimentos, destrezas e atitudes que permitem compreender, interpretar e valorar criticamente mensagens orais, escritas, signadas ou multimodais evitando os riscos de manipulação e desinformação, assim como comunicar-se eficazmente com outras pessoas de maneira cooperativa, criativa, ética e respeitosa.

A competência em comunicação linguística constitui a base para o pensamento próprio e para a construção do conhecimento em todos os âmbitos do saber. Por isso o seu desenvolvimento está vinculado à reflexão explícita sobre o funcionamento da língua nos géneros discursivos específicos de cada área de conhecimento, assim como aos usos da oralidade, a escrita ou a signación para pensar e para aprender. Por último, faz possível apreciar a dimensão estética da linguagem e desfrutar da cultura literária.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ CCL1. Expressa factos, conceitos, pensamentos, opiniões ou sentimentos de forma oral, escrita, signada ou multimodal, com claridade e adequação a diferentes contextos quotidianos da sua contorna pessoal, social e educativa, e participa em interacções comunicativas com atitude cooperativa e respeitosa, tanto para intercambiar informação e criar conhecimento como para construir vínculos pessoais.

▪ CCL1. Expressa-se de forma oral, escrita, signada ou multimodal com coerência, correcção e adequação aos diferentes contextos sociais, e participa em interacções comunicativas com atitude cooperativa e respeitosa tanto para intercambiar informação, criar conhecimento e transmitir opiniões como para construir vínculos pessoais.

▪ CCL2. Compreende, interpreta e valora textos orais, escritos, signados ou multimodais singelos dos âmbitos pessoal, social e educativo, com acompañamento pontual, para participar activamente em contextos quotidianos e para construir conhecimento.

▪ CCL2. Compreende, interpreta e valora com atitude crítica textos orais, escritos, signados ou multimodais dos âmbitos pessoal, social, educativo e profissional para participar em diferentes contextos de maneira activa e informada e para construir conhecimento.

▪ CCL3. Localiza, selecciona e contrasta, com o devido acompañamento, informação singela procedente de duas ou mais fontes, avaliando a sua fiabilidade e utilidade em função dos objectivos de leitura, e integra-a e transforma-a em conhecimento para comunicá-la adoptando um ponto de vista criativo, crítico e pessoal à vez que respeitoso com a propriedade intelectual.

▪ CCL3. Localiza, selecciona e contrasta de maneira progressivamente autónoma informação procedente de diferentes fontes, avaliando a sua fiabilidade e pertinência em função dos objectivos de leitura e evitando os riscos de manipulação e desinformação, e integra-a e transforma-a em conhecimento para comunicá-la adoptando um ponto de vista criativo, crítico e pessoal à vez que respeitoso com a propriedade intelectual.

▪ CCL4. Lê obras diversas adequadas ao seu progresso madurativo, seleccionando aquelas que melhor se ajustam aos seus gustos e interesses; reconhece o património literário como fonte de desfrutar e de aprendizagem individual e colectivo; e mobiliza a sua experiência pessoal e leitora para construir e partilhar a sua interpretação das obras e para criar textos de intuito literária a partir de modelos singelos.

▪ CCL4. Lê com autonomia obras diversas adequadas à sua idade, seleccionando as que melhor se ajustam aos seus gustos e interesses, aprecia o património literário como canal privilegiado da experiência individual e colectiva e mobiliza a sua própria experiência biográfica e os seus conhecimentos literários e culturais para construir e partilhar a sua interpretação das obras e para criar textos de intuito literária de progressiva complexidade.

▪ CCL5. Põe as suas práticas comunicativas ao serviço da convivência democrática, a gestão dialogada dos conflitos e a igualdade de direitos de todas as pessoas, e detecta os usos discriminatorios, assim como os abusos de poder, para favorecer a utilização não só eficaz senão também ética dos diferentes sistemas de comunicação.

▪ CCL5. Põe as suas práticas comunicativas ao serviço da convivência democrática, a resolução dialogada dos conflitos e a igualdade de direitos de todas as pessoas, e evita os usos discriminatorios, assim como os abusos de poder, para favorecer a utilização não só eficaz senão também ética dos diferentes sistemas de comunicação.

CP: competência plurilingüe.

A competência plurilingüe implica utilizar diferentes línguas, orais ou signadas, de forma apropriada e eficaz, para a aprendizagem e a comunicação. Esta competência supõe reconhecer e respeitar os perfis linguísticos individuais e aproveitar as experiências próprias para desenvolver estratégias que permitam mediar e fazer transferências entre línguas, incluídas as clássicas, e, de ser o caso, manter e adquirir destrezas na língua ou línguas familiares e nas línguas oficiais. Integra, além disso, dimensões históricas e interculturais orientadas a conhecer, valorar e respeitar a diversidade linguística e cultural da sociedade com o objectivo de fomentar a convivência democrática.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ CP1. Usa, ao menos, uma língua, ademais da língua ou línguas familiares, para responder a necessidades comunicativas singelas e predicibles, de maneira adequada tanto ao seu desenvolvimento e interesses como a situações e contextos quotidianos dos âmbitos pessoal, social e educativo.

▪ CP1. Usa eficazmente uma ou mais línguas, ademais da língua ou línguas familiares, para responder as suas necessidades comunicativas, de maneira apropriada e adequada tanto ao seu desenvolvimento e interesses como a diferentes situações e contextos dos âmbitos pessoal, social, educativo e profissional.

▪ CP2. A partir das suas experiências, reconhece a diversidade de perfis linguísticos e experimenta estratégias que, de maneira guiada, lhe permitem realizar transferências singelas entre diferentes línguas para comunicar-se em contextos quotidianos e alargar o seu repertório linguístico individual.

▪ CP2. A partir das suas experiências, realiza transferências entre diferentes línguas como estratégia para comunicar-se e alargar o seu repertório linguístico individual.

▪ CP3. Conhece e respeita a diversidade linguística e cultural presente à sua contorna, e reconhece e compreende o seu valor como factor de diálogo, para melhorar a convivência.

▪ CP3. Conhece, valora e respeita a diversidade linguística e cultural presente à sociedade, integrando-a no seu desenvolvimento pessoal como factor de diálogo, para fomentar a coesão social.

STEM: competência matemática e competência em ciência, tecnologia e engenharia.

A competência matemática e competência em ciência, tecnologia e engenharia (competência STEM, pelas suas siglas em inglês) entranha a compreensão do mundo utilizando os métodos científicos, o pensamento e representação matemáticos, a tecnologia e os métodos da engenharia para transformar a contorna de forma comprometida, responsável e sustentável.

A competência matemática permite desenvolver e aplicar a perspectiva e o razoamento matemáticos com o fim de resolver diversos problemas em diferentes contextos.

A competência em ciência supõe a compreensão e explicação da contorna natural e social, utilizando um conjunto de conhecimentos e metodoloxías, incluídas a observação e a experimentação, com o fim de formular perguntas e extrair conclusões baseadas em provas para poder interpretar e transformar o mundo natural e o contexto social.

A competência em tecnologia e engenharia compreende a aplicação dos conhecimentos e metodoloxías próprios das ciências para transformar a nossa sociedade de acordo com as necessidades ou desejos das pessoas num marco de segurança, responsabilidade e sustentabilidade.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ STEM1. Utiliza, de maneira guiada, alguns métodos indutivos e dedutivos próprios do razoamento matemático em situações conhecidas, e selecciona e emprega algumas estratégias para resolver problemas reflectindo sobre as soluções obtidas.

▪ STEM1. Utiliza métodos indutivos e dedutivos próprios do razoamento matemático em situações conhecidas, e selecciona e emprega diferentes estratégias para resolver problemas analisando criticamente as soluções e reformulando o procedimento, se for necessário.

▪ STEM2. Utiliza o pensamento científico para perceber e explicar alguns dos fenômenos que ocorrem ao seu arredor, confiando no conhecimento como motor de desenvolvimento, utilizando ferramentas e instrumentos adequados, fazendo-se perguntas e realizando experimentos singelos de forma guiada.

▪ STEM2. Utiliza o pensamento científico para perceber e explicar os fenômenos que ocorrem ao seu arredor, confiando no conhecimento como motor de desenvolvimento, fazendo-se perguntas e comprovando hipóteses mediante a experimentação e a indagação, utilizando ferramentas e instrumentos adequados, apreciando a importância da precisão e a veracidade e mostrando uma atitude crítica sobre o alcance e as limitações da ciência.

▪ STEM3. Realiza, de forma guiada, projectos, e desenha, fabrica e avalia diferentes protótipos ou modelos, adaptando-se ante a incerteza, para gerar em equipa um produto criativo com um objectivo concreto; e procura a participação de todo o grupo e resolve pacificamente os conflitos que possam surgir.

▪ STEM3. Formula e desenvolve projectos desenhando, fabricando e avaliando diferentes protótipos ou modelos para gerar ou utilizar produtos que dêem solução a uma necessidade ou um problema de forma criativa e em equipa, e procura a participação de todo o grupo, resolve pacificamente os conflitos que possam surgir, adapta-se ante a incerteza e valora a importância da sustentabilidade.

▪ STEM4. Interpreta e transmite os elementos mais relevantes de alguns métodos e resultados científicos, matemáticos e tecnológicos de forma clara e veraz, utilizando a terminologia científica apropriada, em diferentes formatos (debuxos, diagramas, gráficos, símbolos…) e aproveitando de forma crítica, ética e responsável a cultura digital para partilhar e construir novos conhecimentos.

▪ STEM4. Interpreta e transmite os elementos mais relevantes de processos, razoamentos, demostrações, métodos e resultados científicos, matemáticos e tecnológicos de forma clara e precisa e em diferentes formatos (gráficos, tabelas, diagramas, fórmulas, esquemas, símbolos...), aproveitando de forma crítica a cultura digital e incluindo a linguagem matemático-formal com ética e responsabilidade, para partilhar e construir novos conhecimentos.

▪ STEM5. Participa em acções fundamentadas cientificamente para promover a saúde e preservar o ambiente e os seres vivos, aplicando princípios de ética e segurança e praticando o consumo responsável.

▪ STEM5. Empreende acções fundamentadas cientificamente para promover a saúde física, mental e social, e preservar o ambiente e os seres vivos; e aplica princípios de ética e segurança na realização de projectos para transformar a sua contorna próxima de forma sustentável, valorando o seu impacto global e praticando o consumo responsável.

CD: competência digital.

A competência digital implica o uso seguro, saudável, sustentável, crítico e responsável pelas tecnologias digitais para a aprendizagem, para o trabalho e para a participação na sociedade, assim como a interacção com estas.

Inclui a alfabetização em informação e dados, a comunicação e a colaboração, a educação mediática, a criação de conteúdos digitais (incluída a programação), a segurança (incluído o bem-estar digital e as competências relacionadas com a ciberseguridade), assuntos relacionados com a cidadania digital, a privacidade, a propriedade intelectual, a resolução de problemas e o pensamento computacional e crítico.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ CD1. Realiza procuras guiadas na internet e faz uso de estratégias singelas para o tratamento digital da informação (palavras-chave, selecção de informação relevante, organização de dados...) com uma atitude crítica sobre os conteúdos obtidos.

▪ CD1. Realiza procuras na internet atendendo a critérios de validade, qualidade, actualidade e fiabilidade; selecciona os resultados de maneira crítica e arquivar, para recuperá-los, referencialos e reutilizalos, respeitando a propriedade intelectual.

▪ CD2. Acredite, integra e reelabora conteúdos digitais em diferentes formatos (texto, tabela, imagem, audio, vinde-o, programa informático...) mediante o uso de diferentes ferramentas digitais para expressar ideias, sentimentos e conhecimentos, respeitando a propriedade intelectual e os direitos de autor dos contidos que reutiliza.

▪ CD2. Gere e utiliza a sua contorna pessoal digital de aprendizagem para construir conhecimento e criar conteúdos digitais, mediante estratégias de tratamento da informação e o uso de diferentes ferramentas digitais; selecciona e configura a mais adequada em função da tarefa e das suas necessidades de aprendizagem permanente.

▪ CD3. Participa em actividades ou projectos escolares mediante o uso de ferramentas ou plataformas virtuais para construir novo conhecimento, comunicar-se, trabalhar cooperativamente e partilhar dados e conteúdos em contornas digitais restringir e supervisionados de maneira segura, com uma atitude aberta e responsável ante o seu uso.

▪ CD3. Comunica-se, participa, colabora e interactúa partilhando conteúdos, dados e informação mediante ferramentas ou plataformas virtuais, e gere de maneira responsável as suas acções, a presença e visibilidade na rede, para exercer uma cidadania digital activa, cívico e reflexiva.

▪ CD4. Conhece os riscos e adopta, com a orientação do docente, medidas preventivas ao usar as tecnologias digitais para proteger os dispositivos, os dados pessoais, a saúde e o ambiente, e inicia na adopção de hábitos de uso crítico, seguro, saudável e sustentável das supracitadas tecnologias.

▪ CD4. Identifica riscos e adopta medidas preventivas ao usar as tecnologias digitais para proteger os dispositivos, os dados pessoais, a saúde e o ambiente, e para tomar consciência da importância e necessidade de fazer um uso crítico, legal, seguro, saudável e sustentável das supracitadas tecnologias. 

▪ CD5. Inicia no desenvolvimento de soluções digitais singelas e sustentáveis (reutilização de materiais tecnológicos, programação informática por blocos, robótica educativa…) para resolver problemas concretos ou reptos propostos de maneira criativa, e solicita ajuda em caso necessário.

▪ CD5. Desenvolve aplicações informáticas singelas e soluções tecnológicas criativas e sustentáveis para resolver problemas concretos ou responder a reptos propostos, mostrando interesse e curiosidade pela evolução das tecnologias digitais e pelo seu desenvolvimento sustentável e uso ético.

CPSAA: competência pessoal, social e de aprender a aprender.

A competência pessoal, social e de aprender a aprender implica a capacidade de reflectir sobre um mesmo para autocoñecerse, aceitar-se e promover um crescimento pessoal constante; gerir o tempo e a informação eficazmente, colaborar com outros de forma construtiva, manter a resiliencia e gerir a aprendizagem ao longo da vida. Inclui também a capacidade de lhe fazer frente à incerteza e à complexidade, de adaptar às mudanças, de aprender a gerir os processos metacognitivos, de identificar condutas contrárias à convivência e desenvolver estratégias para abordá-las, contribuir ao bem-estar físico, mental e emocional próprio e das demais pessoas, desenvolvendo habilidades para cuidar-se a sim mesmo e a quem o rodeia através da corresponsabilidade; ser capaz de levar uma vida orientada ao futuro, assim como expressar empatía e abordar os conflitos num contexto integrador e de apoio.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ CPSAA1. É consciente das próprias emoções, ideias e comportamentos pessoais e emprega estratégias para gerí-las em situações de tensão ou conflito, adaptando às mudanças e harmonizándoos para alcançar os seus próprios objectivos.

▪ CPSAA1. Regula e expressa as suas emoções, fortalecendo o optimismo, a resiliencia, a autoeficacia e a procura de propósito e motivação para a aprendizagem, para gerir os reptos e mudanças e harmonizalos com os seus próprios objectivos.

▪ CPSAA2. Conhece os riscos mais relevantes e os principais activos para a saúde, adopta estilos de vida saudáveis para o seu bem-estar físico e mental, e detecta e busca apoio ante situações violentas ou discriminatorias.

▪ CPSAA2. Compreende os riscos para a saúde relacionados com factores sociais, consolida estilos de vida saudável nos âmbitos físico e mental, reconhece condutas contrárias à convivência e aplica estratégias para abordá-las.

▪ CPSAA3. Reconhece e respeita as emoções e experiências das demais pessoas, participa activamente no trabalho em grupo, assume as responsabilidades individuais atribuídas e emprega estratégias cooperativas dirigidas à consecução de objectivos partilhados.

▪ CPSAA3. Compreende proactivamente as perspectivas e as experiências das demais pessoas e incorpora-as à sua aprendizagem, para participar no trabalho em grupo, distribuindo e aceitando tarefas e responsabilidades de maneira equitativa e empregando estratégias cooperativas.

▪ CPSAA4. Reconhece o valor do esforço e a dedicação pessoal para a melhora da sua aprendizagem e adopta posturas críticas em processos de reflexão guiados.

▪ CPSAA4. Realiza autoavaliacións sobre o seu processo de aprendizagem, buscando fontes fiáveis para validar, sustentar e contrastar a informação e para obter conclusões relevantes.

▪ CPSAA5. Planea objectivos em curto prazo, utiliza estratégias de aprendizagem autorregulada e participa em processos de auto e coavaliación, reconhecendo as suas limitações e sabendo buscar ajuda no processo de construção do conhecimento.

▪ CPSAA5. Planea objectivos em médio prazo e desenvolve processos metacognitivos de retroalimentación para aprender dos seus erros no processo de construção do conhecimento.

CC: competência cidadã.

A competência cidadã contribui a que alunas e alunos possam exercer uma cidadania responsável e participar plenamente na vida social e cívico, baseando na compreensão dos conceitos e nas estruturas sociais, económicas, jurídicas e políticas, assim como no conhecimento dos acontecimentos mundiais e no compromisso activo com a sustentabilidade e com o sucesso de uma cidadania mundial. Inclui a alfabetização cívico, a adopção consciente dos valores próprios de uma cultura democrática fundada no a respeito dos direitos humanos, a reflexão crítica sobre os grandes problemas éticos do nosso tempo e o desenvolvimento de um estilo de vida sustentável acorde com os objectivos de desenvolvimento sustentável expostos na Agenda 2030.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ CC1. Percebe os processos históricos e sociais mais relevantes relativos à sua própria identidade e cultura, reflecte sobre as normas de convivência e aplica-as de maneira construtiva, dialogante e inclusiva em qualquer contexto.

▪ CC1. Analisa e compreende ideias relativas à dimensão social e cidadã da sua própria identidade, assim como aos feitos culturais, históricos e normativos que a determinam, demonstrando respeito pelas normas, empatía, equidade e espírito construtivo na interacção com os demais em qualquer contexto.

▪ CC2. Participa em actividades comunitárias, na tomada de decisões e na resolução dos conflitos de forma dialogada e respeitosa com os procedimentos democráticos, os princípios e valores da União Europeia e a Constituição espanhola, os direitos humanos e da infância, o valor da diversidade e o sucesso da igualdade de género, a coesão social e os objectivos de de-senvolvemento sustentável.

▪ CC2. Analisa e assume fundadamente os princípios e valores que emanan do processo de integração europeia, a Constituição espanhola e os direitos humanos e da infância, participando em actividades comunitárias, como a tomada de decisões ou a resolução de conflitos, com atitude democrática, respeito pela diversidade e compromisso com a igualdade de género, a coesão social, o desenvolvimento sustentável e o sucesso da cidadania mundial.

▪ CC3. Reflecte e dialoga sobre valores e problemas éticos de actualidade, compreendendo a necessidade de respeitar diferentes culturas e crenças, de cuidar a contorna, de rejeitar prejuízos e estereótipos, e de opor-se a qualquer forma de discriminação ou violência.

▪ CC3. Compreende e analisa problemas éticos fundamentais e de actualidade, considerando criticamente os valores próprios e alheios e desenvolvendo julgamentos próprios para enfrentar a controvérsia moral com atitude dialogante, argumentativa, respeitosa e oposta a qualquer tipo de discriminação ou violência.

▪ CC4. Compreende as relações sistémicas entre as acções humanas e a contorna e inicia na adopção de estilos de vida sustentáveis, para contribuir à conservação da biodiversidade desde uma perspectiva tanto local como global.

▪ CC4. Compreende as relações sistémicas de interdependencia, ecodependencia e interconexión entre actuações locais e globais, e adopta, de forma consciente e motivada, um estilo de vida sustentável e ecosocialmente responsável.

CE: competência emprendedora.

A competência emprendedora implica desenvolver um enfoque vital dirigido a actuar sobre oportunidades e ideias, utilizando os conhecimentos específicos necessários para gerar resultados de valor para outras pessoas. Achega estratégias que permitem adaptar a mirada para detectar necessidades e oportunidades, treinar o pensamento para analisar e avaliar a contorna, e para criar e reformular ideias utilizando a imaginação, a criatividade, o pensamento estratégico e a reflexão ética, crítica e construtiva dentro dos processos criativos e de inovação; e acordar a disposição para aprender a arriscar e a enfrentar a incerteza. Além disso, implica tomar decisões baseadas na informação e no conhecimento e colaborar de maneira ágil com outras pessoas, com motivação, empatía e habilidades de comunicação e de negociação, para levar as ideias expostas à acção mediante o planeamento e gestão de projectos sustentáveis de valor social, cultural e económico-financeiro.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ CE1. Reconhece necessidades e reptos que enfrentar e elabora ideias originais, utilizando destrezas criativas e tomando consciência das consequências e efeitos que as ideias pudessem gerar na contorna, para propor soluções valiosas que respondam às necessidades detectadas.

▪ CE1. Analisa necessidades e oportunidades e enfrenta reptos com sentido crítico, fazendo balanço da sua sustentabilidade, valorando o impacto que possam supor na contorna, para apresentar ideias e soluções inovadoras, éticas e sustentáveis, dirigidas a criar valor no âmbito pessoal, social, educativo e profissional.

▪ CE2. Identifica fortalezas e debilidades próprias utilizando estratégias de autocoñecemento e inicia no conhecimento de elementos económicos e financeiros básicos, aplicando-os a situações e problemas da vida quotidiana, para detectar aqueles recursos que possam levar as ideias originais e valiosas à acção.

▪ CE2. Avalia as fortalezas e debilidades próprias, fazendo uso de estratégias de autocoñecemento e autoeficacia, e compreende os elementos fundamentais da economia e das finanças, aplicando conhecimentos económicos e financeiros a actividades e situações concretas, utilizando destrezas que favoreçam o trabalho colaborativo e em equipa, para reunir e optimizar os recursos necessários que levem à acção uma experiência emprendedora que gere valor.

▪ CE3. Acredite ideias e soluções originais, planifica tarefas, coopera com outros em equipa, valorando o processo realizado e o resultado obtido, para levar a cabo uma iniciativa emprendedora, considerando a experiência como uma oportunidade para aprender.

▪ CE3. Desenvolve o processo de criação de ideias e soluções valiosas e tomada decisões, de maneira razoada, utilizando estratégias ágeis de planeamento e gestão, e reflecte sobre o processo realizado e o resultado obtido, para levar a termo o processo de criação de protótipos inovadores e de valor, considerando a experiência como uma oportunidade para aprender.

CCEC: competência em consciência e expressão culturais.

A competência em consciência e expressão culturais supõe compreender e respeitar o modo em que as ideias, as opiniões, os sentimentos e as emoções se expressam e se comunicam de forma criativa em diferentes culturas e por meio de uma ampla gama de manifestações artísticas e culturais. Implica também um compromisso com a compreensão, o desenvolvimento e a expressão das ideias próprias e do sentido do lugar que se ocupa ou do papel que se desempenha na sociedade. Além disso, requer a compreensão da própria identidade em evolução e do património cultural num mundo caracterizado pela diversidade, assim como a tomada de consciência de que a arte e outras manifestações culturais podem supor uma maneira de mirar o mundo e de dar-lhe forma.

Descritores operativos

Ao completar a educação primária,

a aluna ou o aluno…

Ao completar o ensino básico,

a aluna ou o aluno…

▪ CCEC1. Reconhece e aprecia os aspectos fundamentais do património cultural e artístico, compreendendo as diferenças entre diferentes culturas e a necessidade de respeitá-las.

▪ CCEC1. Conhece, aprecia criticamente e respeita o património cultural e artístico, implicando-se na sua conservação e valorando o enriquecimento inherente à diversidade cultural e artística.

▪ CCEC2. Reconhece e interessa-se pelas especificidades e intencionalidades das manifestações artísticas e culturais mais destacadas do património, identificando os meios e suportes, assim como as linguagens e os elementos técnicos que as caracterizam.

▪ CCEC2. Desfruta, reconhece e analisa com autonomia as especificidades e intencionalidades das manifestações artísticas e culturais mais destacadas do património, distinguindo os meios e suportes, assim como as linguagens e os elementos técnicos que as caracterizam.

▪ CCEC3. Expressa ideias, opiniões, sentimentos e emoções de forma criativa e com uma atitude aberta e inclusiva, empregando diferentes linguagens artísticas e culturais, integrando o seu próprio corpo, interactuando com a contorna e desenvolvendo as suas capacidades afectivas.

▪ CCEC3. Expressa ideias, opiniões, sentimentos e emoções por meio de produções culturais e artísticas, integrando o seu próprio corpo e desenvolvendo a autoestima, a criatividade e o sentido do lugar que ocupa na sociedade, com uma atitude empática, aberta e colaborativa.

▪ CCEC4. Experimenta de forma criativa com diferentes meios e suportes, e diversas técnicas plásticas, visuais, audiovisuais, sonoras ou corporais, para elaborar propostas artísticas e culturais.

▪ CCEC4. Conhece, selecciona e utiliza com criatividade diversos meios e suportes, assim como técnicas plásticas, visuais, audiovisuais, sonoras ou corporais, para a criação de produtos artísticos e culturais, tanto de forma individual como colaborativa, identificando oportunidades de desenvolvimento pessoal, social e laboral, assim como de emprendemento.

ANEXO II

Currículo das áreas

1. Ciências da Natureza.

1.1. Introdução.

A área de Ciências da Natureza concebe-se como um âmbito cujo objectivo principal é que as meninas e as crianças cheguem a ser pessoas activas, responsáveis e respeitosas com o mundo em que vivem, adquirindo os conhecimentos essenciais e os princípios básicos do meio natural para que possam construir um mundo mais solidário, justo, igualitario e sustentável.

As ciências naturais supõem, portanto, compreender a ciência como um processo de investigação, através da observação sistemática, a medição, a experimentação e a formulação de hipóteses, como base do método científico e eixo central da matéria, tentando assim dar resposta aos principais problemas de uma sociedade globalizada, tendo em conta o rápido desenvolvimento e progresso científico-tecnológico.

Para isso, o estudantado deve adquirir conceitos, destrezas e atitudes relacionadas com o conhecimento e a organização dos seres vivos, a matéria, as forças e as formas de energia, assim como com o funcionamento do corpo humano, para abordar a importância do cuidado da saúde e o bem-estar emocional, o respeito para os seres vivos e à sua contorna a favor da consecução e da manutenção dos objectivos de desenvolvimento sustentável.

Por outra parte, a digitalização das contornas de aprendizagem faz preciso que o estudantado faça um uso seguro, eficaz e responsável pela tecnologia, que, junto com a promoção do espírito emprendedor e o desenvolvimento das destrezas e técnicas básicas do processo tecnológico, facilitarão a realização de projectos interdisciplinares cooperativos nos cales se resolva um problema ou se dê resposta a uma necessidade da contorna próxima, de jeito que o estudantado possa achegar soluções criativas e inovadoras através do desenvolvimento de um protótipo final com valor ecosocial.

Ao longo de toda a etapa partirá do desenvolvimento cognitivo e emocional do estudantado, achegando à descoberta activo através da formulação de perguntas, da procura de informação de diferentes fontes seguras e fiáveis, assim como da realização de experimentos sobre investigações relacionadas com os diferentes elementos naturais, favorecendo a realização de tarefas de aprendizagem integradas e contextualizadas que permitam a utilização tanto do pensamento lógico como do pensamento lateral.

A área de Ciências da Natureza estrutúrase em quatro blocos de conteúdos que deverão aplicar-se em diferentes contextos reais para favorecer uma aprendizagem holística e competencial do estudantado.

No bloco 1, Cultura científica, o estudantado desenvolve destrezas e estratégias próprias do pensamento científico através da indagação e a descoberta do mundo que o rodeia, pondo em valor o impacto da ciência na nossa sociedade. Além disso, integra os conhecimentos necessários para o desenvolvimento dos blocos restantes, com o que tem um carácter transversal.

O bloco 2, A vida no nosso planeta, integra conteúdos relacionados com o funcionamento do corpo humano, a prevenção de condutas de risco que provocam doenças quotidianas no ser humano e a aquisição de hábitos saudáveis que incidem no bem-estar físico, emocional e social. Estes conteúdos serão desenvoltos ao longo do 1º ciclo e alargados no último curso do 2º e 3º ciclo.

Este bloco engloba também as relações que estabelecem os seres vivos com a contorna e o cuidado da biodiversidade, o conhecimento das características dos animais e das plantas, a sua conservação e o meio em que vivem. Conteúdos que serão desenvoltos ao longo do 1º ciclo e alargados no primeiro curso do 2º e 3º ciclo.

O bloco 3, Matéria, forças e energia, inclui as propriedades dos diferentes tipos de matéria, a experimentação dos fenômenos físicos e químicos, assim como os efeitos das forças sobre os objectos. Desenvolvem-se as diferentes fontes de energia que podemos encontrar na contorna, assim como as máquinas e os aparelhos de uso quotidiano e a energia que utilizam, analisando as suas consequências ambientais e contribuindo aos objectivos de desenvolvimento sustentável.

O bloco 4, Tecnologia e digitalização, orienta-se de modo transversal ao resto de blocos desde dois âmbitos. Por uma banda, busca habilitar o estudantado no manejo básico de uma variedade de ferramentas e recursos digitais como médio para satisfazer as suas necessidades de aprendizagem, de buscar e compreender informação, de reelaborar e criar conteúdo, comunicar-se de forma efectiva e desenvolver-se numa ambiente digital de forma responsável e segura. Por outra parte, também desenvolve estratégias próprias do pensamento de desenho e do pensamento computacional para resolver problemas que dêem solução a uma necessidade concreta.

A gradação destes contidos, a sua programação e secuenciación não deve seguir necessariamente uma ordem cronolóxica determinada, senão que hão de trabalhar-se de maneira integrada, adaptando aos intuitos didácticas e demandas formativas que requeira o estudantado em cada ciclo.

1.2. Objectivos.

Objectivos da matéria

OBX1. Expor e dar resposta a questões científicas singelas, utilizando diferentes técnicas, instrumentos e modelos próprios do pensamento científico, para interpretar e explicar factos e fenômenos que ocorrem no meio natural.

▪ Os enfoques didácticos para o ensino das ciências hão de partir da curiosidade do estudantado por compreender o mundo que o rodeia, favorecendo a participação activa nos diferentes processos de indagação e exploração próprios do pensamento científico.

▪ Portanto, o estudantado há de poder identificar e formular pequenos problemas, recorrer a fontes e provas fiáveis; obter, analisar e classificar informação, gerar hipóteses, fazer predições, realizar comprovações e interpretar, argumentar e comunicar os resultados.

▪ Para que esta forma de trabalho gere verdadeiras aprendizagens, o professorado deve assumir o papel de facilitador e guia, proporcionando ao estudantado as condições, pautas, estratégias e materiais didácticos que favoreçam o desenvolvimento destas destrezas. Graças ao carácter manipulativo e vivencial das actividades, oferecer-se-lhe-ão ao estudantado experiências que o ajudem a construir a sua própria aprendizagem. Ademais, é necessário contextualizar as actividades na contorna mais próxima, de forma que o estudantado seja capaz de aplicar o aprendido em diferentes contextos e situações. Deste modo, ademais, estimula-se o interesse pela aquisição de novas aprendizagens e pela procura de soluções a problemas que possam apresentar na vida quotidiana.

OBX2. Conhecer e tomar consciência do próprio corpo, assim como das emoções e sentimentos próprios e alheios, aplicando o conhecimento científico, para desenvolver hábitos saudáveis e para conseguir o bem-estar físico, emocional e social.

▪ A tomada de consciência do próprio corpo desde idades temporãs permite ao estudantado aprender a conhecê-lo, cuidá-lo, valorá-lo e controlá-lo, à vez que melhora a execução dos movimentos e a sua relação com a contorna, sendo ademais o corpo a via de expressão dos sentimentos e das emoções. A sua regulação e expressão fortalecem o optimismo, a resiliencia, a empatía e a procura de propósitos e permitem gerir construtivamente os reptos e as mudanças que surgem na sua contorna.

▪ O conhecimento científico que adquire o estudantado sobre o corpo humano e os riscos para a saúde ao longo da sua escolaridade deve vincular-se com acções de prevenção mediante o desenvolvimento de hábitos, estilos e comportamentos de vida saudáveis. Isto, unido à educação afectivo-sexual, adaptada ao seu nível madurativo, que é imprescindível para o crescimento, o desenvolvimento e o bem-estar de uma pessoa sã em todas as suas dimensões físicas, emocionais e sociais.

OBX3. Identificar as características dos diferentes elementos ou sistemas do meio natural, analisando a sua organização e propriedades, e estabelecendo relações entre estes, para reconhecer o seu valor, conservá-lo, melhorá-lo e empreender acções para o seu uso responsável.

▪ Conhecer os diferentes elementos e sistemas que conformam o meio natural é o primeiro passo para compreender e valorar a sua riqueza e diversidade. Por isso, este objectivo persegue que o estudantado não só conheça os diferentes elementos do meio que o rodeia, de maneira rigorosa e sistémica, senão que estabeleça relações entre estes. Desta forma, busca-se que o estudantado conheça, compreenda, valore e proteja o meio natural e que respeite e cuide os seres vivos que nele habitam.

▪ Compreender, por exemplo, como os seres vivos, incluídos os seres humanos, se adaptam à contorna em que vivem e estabelecem relações com elementos bióticos ou abióticos ou como se comporta a matéria ante a presença de diferentes forças, permite ao estudantado adquirir um conhecimento científico conectado que mobilizará nas investigações ou nos projectos que realize.

OBX4. Identificar as causas e consequências da intervenção humana na contorna, para melhorar a capacidade de enfrentar problemas, buscar soluções e actuar de maneira individual e cooperativa na sua resolução, e para pôr em prática estilos de vida sustentáveis e consequentes com o respeito, com o cuidado e com a protecção das pessoas e do planeta.

▪ Conhecer como evoluiu a interacção do ser humano com o mundo que o rodeia no uso e no aproveitamento dos recursos naturais, assim como a relação das máquinas e dos objectos de uso quotidiano com a necessidade de energia para o seu funcionamento, resulta essencial para que o estudantado reflicta e seja consciente dos limites da biosfera, dos problemas associados com o consumo acelerado de bens e do estabelecimento de um modelo energético baseado nos combustíveis fósseis.

▪ Desta maneira o estudantado poderá enfrentar os reptos e desafios da sociedade contemporânea desde a perspectiva da sustentabilidade e compreender as relações de interdependencia e ecodependencia, assim como a importância que têm para nós o respeito para os seres vivos e ao ambiente, em particular, ao valor da biodiversidade e ao desenvolvimento de estilos de vida sustentável.

▪ É preciso, portanto, dotar o estudantado de ferramentas que facilitem o seu empoderaento como agentes de mudança ecosocial desde uma perspectiva emprendedora e uma atitude crítica e cooperativa. Isto supõe que desenhem, participem e se involucren em actividades que permitam avançar para os objectivos de desenvolvimento sustentável de maneira consciente e contextualizada. Assim serão partícipes da construção de modelos de relação e convivência baseados na empatía, a cooperação e o a respeito da pessoas e ao planeta.

OBX5. Utilizar dispositivos e recursos digitais de forma segura, responsável e eficiente, para buscar informação, comunicar-se e trabalhar de maneira individual, em equipa e em rede, e para reelaborar e criar conteúdo digital de acordo com as necessidades digitais do contexto educativo.

▪ Nas últimas décadas, as tecnologias da informação e da comunicação foram entrando e integrando-se nas nossas vidas, e expandíronse a todos os âmbitos da nossa sociedade, proporcionando conhecimentos e numerosas ferramentas que ajudam numa multidão de tarefas da vida quotidiana.

▪ A variedade de dispositivos e aplicações que existem na actualidade faz necessário introduzir o conceito de digitalização da contorna pessoal de aprendizagem, percebido como o conjunto de dispositivos e recursos digitais que cada aluna ou aluno utiliza de acordo com as suas necessidades de aprendizagem e que lhe permitem realizar as tarefas de forma eficiente, segura e sustentável, levando a cabo um uso responsável dos recursos digitais. Portanto, este objectivo aspira a preparar o estudantado para desenvolver-se num ambiente digital que vai mais ali do simples manejo de dispositivos e a procura de informação na rede. O desenvolvimento da competência digital permitirá compreender e valorar o uso que se lhe dá à tecnologia, aumentar a produtividade e a eficiência no próprio trabalho, desenvolver estratégias de interpretação, organização e análise da informação, reelaborar e criar conteúdo, comunicar-se através de meios informáticos e trabalhar de forma cooperativa. Além disso, este objectivo implica conhecer estratégias para fazer um uso crítico e seguro da contorna digital, tomando consciência dos riscos, aprendendo como evitá-los ou minimizá-los, e pedir ajuda quando seja preciso e resolver os possíveis problemas tecnológicos da forma mais autónoma possível. Este uso da contorna digital ir-se-á introduzindo de forma gradual e adecuándose ao nível madurativo do estudantado.

OBX6. Resolver problemas através de projectos de desenho e da aplicação do pensamento computacional para gerar cooperativamente um produto criativo e inovador que responda a necessidades concretas.

▪ A elaboração de projectos baseados em actividades cooperativas supõe o desenvolvimento coordenado, conjunto e interdisciplinar dos contidos das diferentes áreas para dar resposta a um repto ou problema da contorna física, natural, social, cultural ou tecnológica, utilizando técnicas próprias do desenvolvimento de projectos de desenho e do pensamento computacional. A detecção de necessidades, o desenho, a criação e prova de protótipos, assim como a avaliação dos resultados, são fases essenciais do desenvolvimento de projectos de desenho para a obtenção de um produto final com valor ecosocial. Por outra parte, o pensamento computacional utiliza a descomposição de um problema em partes mais singelas, o reconhecimento de patrões, a realização de modelos, a selecção da informação relevante e a criação de algoritmos para automatizar processos da vida quotidiana. Ambas as estratégias não são excluíntes, pelo que podem ser utilizadas de forma conjunta de acordo com as necessidades do projecto.

▪ A realização deste tipo de projectos fomenta, ademais, a criatividade e a inovação ao gerar situações de aprendizagem onde não existe uma única solução correcta, senão que toda a decisão, errónea ou acertada, se apresenta como uma oportunidade para obter informação válida que ajudará a elaborar uma melhor solução. Estas situações propiciam, ademais, uma contorna adequada para o trabalho cooperativo, onde se desenvolvem destrezas como a argumentação, a comunicação efectiva de ideias complexas, a tomada de decisões partilhadas e a gestão dos conflitos de forma dialogada.

1.3. Critérios de avaliação e conteúdos.

Primeiro ciclo.

1º curso.

Área de Ciências da Natureza

Primeiro ciclo

1º curso

Bloco 1. Cultura científica

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Formular perguntas e realizar predições sobre objectos, factos e fenômenos próximos através da observação.

OBX1

▪ QUE1.2. Buscar informação singela de diferentes fontes seguras e fiáveis de forma guiada, utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural.

OBX1

▪ QUE1.3. Participar em experimentos guiados, de maneira individual ou em equipa, utilizando diferentes técnicas de indagação, empregando instrumentos de forma segura e registando dados de maneira singela.

OBX1

▪ QUE1.4. Comunicar de forma oral ou gráfica o resultado das investigações com ajuda de um guião, comparando a informação e os resultados obtidos com as predições realizadas.

OBX1

Conteúdos

▪ Iniciação ao conhecimento científico presente à vida quotidiana tendo em conta a importância do cuidado do planeta.

▪ Fomento da curiosidade e da iniciativa na realização das diferentes investigações através da observação e formulação de hipóteses.

▪ Iniciação às técnicas de indagação, de maneira individual ou em equipa, adequadas às necessidades da investigação.

▪ Realização de experimentos singelos utilizando o método científico de forma guiada.

▪ Uso de instrumentos para realizar observações e medições singelas registando os dados obtidos.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Elaboração guiada de textos básicos, murais, painéis, esquemas ou apresentações para recolher conclusões.

Bloco 2. A vida no nosso planeta

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Reconhecer as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados de forma pautada.

OBX3

▪ QUE2.2. Reconhecer conexões singelas e directas entre diferentes elementos do meio natural por meio da observação, a manipulação e a experimentação.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.3. Mostrar atitudes de respeito para o desfruto da natureza, reconhecendo-a como um bem comum.

OBX3

▪ QUE2.4. Reconhecer hábitos de vida saudáveis, valorando a importância de uma alimentação variada, equilibrada e sustentável, a higiene, o exercício físico, o contacto com a natureza, o descanso e o uso adequado das tecnologias.

OBX2

▪ QUE2.5. Conhecer as principais partes do corpo, identificando os órgãos implicados na realização das funções vitais.

OBX2

▪ QUE2.6. Distinguir acções que favoreçam o bem-estar emocional e social reconhecendo as emoções próprias e as dos demais e identificando as relações familiares e escolares a que pertence.

OBX2

Conteúdos

▪ Necessidades básicas dos seres vivos e a diferença com os objectos inertes.

▪ Observação e identificação de animais e plantas da sua contorna a partir das suas características observables.

▪ As relações entre os seres humanos, os animais e as plantas.

▪ Cuidado e respeito para os seres vivos e a contorna em que vivem.

▪ Hábitos saudáveis relacionados com o bem-estar físico do ser humano: higiene, alimentação variada, equilibrada e sustentável, exercício físico, contacto com a natureza, descanso e cuidado do corpo como médio para prevenir possíveis doenças.

▪ Identificação e descrição das partes do corpo humano.

▪ Conhecimento e experimentação com os órgãos dos sentidos para relacionar-se com a sua contorna.

▪ Hábitos saudáveis relacionados com o bem-estar emocional e social: identificação e verbalización das próprias emoções e respeito pelas dos demais.

Bloco 3. Matéria, forças e energia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Reconhecer as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação e utilizando as ferramentas e os processos adequados de forma pautada.

OBX3

▪ QUE3.2. Analisar o efeito das forças sobre determinados objectos de uso comum realizando experiências singelas com máquinas e aparelhos.

OBX4

▪ QUE3.3. Mostrar hábitos de vida sustentável e tomar consciência da importância do respeito, dos cuidados e da protecção do planeta, identificando a relação da vida das pessoas com as suas acções sobre os elementos e recursos do meio.

OBX4

Conteúdos

▪ Tipos de materiais segundo a sua procedência.

▪ Propriedades observables dos materiais (cor, dureza, cheiro, sabor e textura) e o seu uso em objectos da vida quotidiana.

▪ Mudanças observables na matéria através da sua experimentação.

▪ Observação e identificação de máquinas e aparelhos na sua vida quotidiana.

▪ Uso responsável dos materiais: reduzir, reutilizar e reciclar.

Bloco 4. Tecnologia e digitalização

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo de forma segura.

OBX5

▪ QUE4.2. Realizar, de forma guiada, um produto final singelo que dê solução a um problema de desenho, experimentando em equipa diferentes protótipos e utilizando de forma segura os materiais adequados.

OBX6

▪ QUE4.3. Participar na resolução guiada de problemas singelos de programação utilizando o pensamento computacional.

OBX6

▪ QUE4.4. Trabalhar de forma cooperativa respeitando as normas básicas de convivência.

OBX6

Conteúdos

▪ Digitalização da contorna pessoal de aprendizagem:

– Identificação de dispositivos e recursos da contorna digital de aprendizagem segundo o contexto educativo.

– Conhecimento dos componentes básicos de um computador.

– Recursos digitais para comunicar-se com pessoas conhecidas em contornas conhecidas e seguras.

▪ Projectos de desenho e pensamento computacional:

– Identificação e manipulação de materiais, ferramentas e objectos adequados para a montagem de um projecto singelo relacionado com a vida quotidiana.

– Iniciação à programação adaptando ao nível de compreensão e à sua manipulação (plataformas digitais de iniciação à programação, robótica educativa…).

– Estratégias básicas de trabalho em equipa.

2º curso.

Área de Ciências da Natureza

Primeiro ciclo

2º curso

Bloco 1. Cultura científica

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Formular perguntas e realizar predições sobre objectos, factos e fenômenos próximos através da observação.

OBX1

▪ QUE1.2. Buscar informação singela de diferentes fontes seguras e fiáveis de forma guiada, utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural.

OBX1

▪ QUE1.3. Participar em experimentos guiados, de maneira individual ou em equipa, utilizando diferentes técnicas de indagação, empregando instrumentos de forma segura e registando dados de maneira singela.

OBX1

▪ QUE1.4. Comunicar de forma oral ou gráfica o resultado das investigações com ajuda de um guião, comparando a informação e os resultados obtidos com as predições realizadas.

OBX1

Conteúdos

▪ Iniciação ao conhecimento científico presente à vida quotidiana tendo em conta a importância do cuidado do planeta.

▪ Fomento da curiosidade e da iniciativa na realização das diferentes investigações através da observação e formulação de hipóteses.

▪ Iniciação às técnicas de indagação, de maneira individual ou em equipa, adequadas às necessidades da investigação.

▪ Realização de experimentos singelos utilizando o método científico de forma guiada.

▪ Uso de instrumentos para realizar observações e medições singelas registando os dados obtidos.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Elaboração guiada de textos básicos, murais, painéis, esquemas ou apresentações para recolher conclusões.

Bloco 2. A vida no nosso planeta

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Reconhecer as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação utilizando as ferramentas e os processos adequados de forma pautada.

OBX3

▪ QUE2.2. Mostrar atitudes de respeito para o desfruto da natureza, reconhecendo-a como um bem comum.

OBX3

▪ QUE2.3. Reconhecer hábitos de vida saudáveis, valorando a importância de uma alimentação variada, equilibrada e sustentável, a higiene, o exercício físico, o contacto com a natureza, o descanso e o uso adequado das tecnologias.

OBX2

▪ QUE2.4. Conhecer as principais partes do corpo, identificando os órgãos implicados na realização das funções vitais.

OBX2

▪ QUE2.5. Distinguir acções que favoreçam o bem-estar emocional e social, reconhecendo as emoções próprias e as dos demais e identificando as relações familiares e escolares a que pertence.

OBX2

Conteúdos

▪ As adaptações dos seres vivos ao seu habitat, concebido como o lugar em que cobrem as suas necessidades.

▪ Observação de um animal ou de uma planta, no seu meio natural ou reproduzindo o meio no centro educativo.

▪ Classificação e identificação de animais e plantas da sua contorna a partir das suas características observables.

▪ Importância no cuidado e respeito para os seres vivos e a contorna em que vivem, evitando a degradação do solo, do ar ou da água.

▪ Hábitos saudáveis relacionados com o bem-estar físico do ser humano: higiene, alimentação variada, equilibrada e sustentável, exercício físico, contacto com a natureza, descanso e cuidado do corpo como médio para prevenir possíveis doenças.

▪ Reconhecimento das mudanças do corpo através do tempo. As etapas da vida.

▪ Observação, identificação e função das principais partes do corpo. Ósos, articulações e músculos.

▪ Introdução das funções de relação, reprodução e nutrição como funções vitais. Principais órgãos implicados.

▪ Hábitos saudáveis relacionados com o bem-estar emocional e social: estratégias de identificação das próprias emoções e respeito pelas dos demais. Sensibilidade e aceitação da diversidade presente à sala de aulas e na sociedade. Educação afectivo-sexual.

Bloco 3. Matéria, forças e energia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Reconhecer as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados de forma pautada.

OBX3

▪ QUE3.2. Reconhecer através de pequenas investigações o comportamento da luz e do são ante diferentes corpos.

OBX3

▪ QUE3.3. Analisar o efeito das forças sobre determinados objectos de uso comum, realizando experiências singelas com máquinas e aparelhos.

OBX4

▪ QUE3.4. Mostrar hábitos de vida sustentável e tomar consciência da importância do respeito, os cuidados e a protecção do planeta, identificando a relação da vida das pessoas com as suas acções sobre os elementos e recursos do meio.

OBX4

Conteúdos

▪ Identificação da matéria e das suas propriedades.

▪ Propriedades observables dos materiais, a sua procedência e o seu uso em objectos da vida quotidiana de acordo com as necessidades de desenho para os que foram fabricados.

▪ As substancias puras e as misturas: distinguir e separar misturas heterogéneas mediante diferentes meios através da experimentação.

▪ A luz e o som como me as for de energia presentes na vida quotidiana.

▪ Observação e identificação de máquinas e aparelhos da sua contorna.

▪ Estruturas resistentes, estáveis e úteis. Experimentação e observação dos efeitos das forças sobre estruturas construídas com materiais de uso comum na sala de aulas.

▪ Uso responsável dos materiais: reduzir, reutilizar e reciclar.

Bloco 4. Tecnologia e digitalização

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo de forma segura.

OBX5

▪ QUE4.2. Realizar, de forma guiada, um produto final singelo que dê solução a um problema de desenho, experimentando em equipa diferentes protótipos e utilizando de forma segura os materiais adequados.

OBX6

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.3. Mostrar de forma oral ou gráfica o produto final dos projectos de desenho, explicando os passos seguidos com ajuda de um guião.

OBX6

▪ QUE4.4. Participar na resolução guiada de problemas singelos de programação utilizando o pensamento computacional.

OBX6

▪ QUE4.5. Trabalhar de forma cooperativa, respeitando as normas básicas de convivência.

OBX6

Conteúdos

▪ Digitalização da contorna pessoal de aprendizagem

– Conhecimento dos componentes básicos de um computador.

– Identificação, classificação e funções dos dispositivos digitais da contorna de aprendizagem, assim como a sua manipulação.

– Recursos digitais para comunicar-se com pessoas conhecidas em contornas conhecidas e seguras.

▪ Projectos de desenho e pensamento computacional

– Identificação e classificação de materiais, ferramentas e objectos adequados para a montagem de um projecto singelo relacionado com a vida quotidiana.

– Fases dos projectos de desenho: identificação de necessidades, desenho, protótipo e comunicação.

– Iniciação à programação adaptando ao nível de compreensão e à sua manipulação (plataformas digitais de iniciação à programação, robótica educativa...).

– Estratégias básicas de trabalho em equipa.

Segundo ciclo.

3º curso.

Área de Ciências da Natureza

Segundo ciclo

3º curso

Bloco 1. Cultura científica

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Formular perguntas e realizar predições razoadas sobre objectos, factos e fenômenos do meio natural através da observação.

OBX1

▪ QUE1.2. Buscar e seleccionar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis, adquirindo léxico cientista básico, utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural.

OBX1

▪ QUE1.3. Realizar experimentos guiados, de forma individual ou em equipa, utilizando diferentes técnicas de indagação e instrumentos de forma segura, realizando observações e medições precisas, registando os dados correctamente.

OBX1

▪ QUE1.4. Comunicar os resultados das investigações através de diferentes formatos, comparando os resultados obtidos com as predições realizadas.

OBX1

Conteúdos

▪ A importância do uso da ciência e da tecnologia para ajudar a compreender as causas das próprias acções, tomar decisões razoadas e realizar tarefas de forma mais eficiente.

▪ Fomento da curiosidade, a iniciativa e a constância na realização das diferentes investigações através da observação e formulação de hipóteses.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Procedimentos de indagação adequados às necessidades da investigação, identificação e classificação da informação relevante, de maneira individual ou em equipa.

▪ Realização de experimentos, de maneira individual ou em equipa, utilizando o método científico.

▪ Uso de instrumentos e dispositivos apropriados para realizar observações e medições precisas de acordo com as necessidades da investigação, registando os seus resultados.

▪ Comunicação guiada dos resultados da investigação, de forma oral ou escrita, utilizando diferentes suportes (textos orais ou escritos, maquetas, apresentações, murais…).

Bloco 2. A vida no nosso planeta

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Identificar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação, utilizando as ferramentas e processos adequados.

OBX3

▪ QUE2.2. Identificar conexões singelas entre diferentes elementos do meio natural mostrando compreensão das relações que se estabelecem nele.

OBX3

▪ QUE2.3. Conhecer e proteger o meio natural, valorando-o como um bem comum, adoptando condutas respeitosas para o seu desfruto e propondo acções para a sua conservação e melhora.

OBX3

Conteúdos

▪ Os reinos da natureza desde uma perspectiva geral e integrada. Utilização de chaves e guias para classificar e identificar os diferentes reinos através das suas características observables.

▪ Características e classificação de animais articulados e invertebrados. Observação e comparação das diversas formas em que realizam as funções vitais.

▪ Classificação das plantas através das suas características observables. Análise, através da experimentação, da sua capacidade de adaptação ao meio em que vivem e realizam as funções vitais.

▪ Identificação de um ecosistema e dos elementos que o compõem. Observação de um ecosistema próximo recolhendo dados em diferentes suportes e elaborando hipóteses de forma guiada.

▪ Relação do ser humano com os ecosistema. Exemplos de bons e maus usos dos recursos naturais do nosso planeta e das suas consequências.

▪ Valoração da biodiversidade e importância da sua conservação. Respeito pelos seres vivos da contorna. Animais em perigo de extinção.

Bloco 3. Matéria, forças e energia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Identificar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE3.2. Conhecer diferentes formas e fontes de energia, identificando os seus usos na vida quotidiana.

OBX4

▪ QUE3.3. Reconhecer através de pequenas investigações diferentes formas de produção do calor e dos seus efeitos sobre os corpos.

OBX3

▪ QUE3.4. Analisar os efeitos das forças sobre determinados objectos de uso comum, realizando experiências singelas e pequenas investigações com máquinas e aparelhos.

OBX4

▪ QUE3.5. Identificar problemas ecosociais, propor possíveis soluções e pôr em prática hábitos de vida sustentável, reconhecendo comportamentos respeitosos de cuidado e protecção da contorna e de uso sustentável dos recursos naturais, e expressar as mudanças positivas e negativas causados no meio pela acção humana.

OBX4

Conteúdos

▪ Identificação dos estados em que se apresenta a matéria na nossa contorna. Mudanças de estado da água.

▪ Fontes de energia renováveis e não renováveis.

▪ O calor e as suas formas de produção. Mudanças de estado e instrumentos de medida. Efeitos do calor sobre a matéria através da experimentação.

▪ Propriedades das máquinas simples, a sua observação e manipulação. Aplicações e usos na vida quotidiana.

▪ Uso responsável dos recursos naturais do planeta. Impacto ambiental: contaminação e resíduos.

Bloco 4. Tecnologia e digitalização

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais de forma segura e de acordo com as necessidades do contexto educativo, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual e em equipa, reelaborando e criando conteúdos digitais singelos.

OBX5

▪ QUE4.2. Construir em equipa um produto final singelo que dê solução a um problema de desenho, propondo possíveis soluções, experimentando diferentes protótipos e utilizando de forma segura as ferramentas, técnicas e os materiais adequados.

OBX6

▪ QUE4.3. Apresentar o produto final dos projectos de desenho em diferentes formatos explicando os passos seguidos.

OBX6

▪ QUE4.4. Resolver, de forma guiada, problemas singelos de programação, modificando algoritmos de acordo com princípios básicos do pensamento computacional.

OBX6

▪ QUE4.5. Participar em diversas tarefas em equipa, desenvolvendo diferentes róis que favoreçam o objectivo final de um projecto respeitando as normas básicas de convivência.

OBX6

Conteúdos

▪ Digitalização da contorna pessoal de aprendizagem:

– Dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo.

– Procuras guiadas de informação na internet seguras e eficientes.

– Tratamento e elaboração de textos singelos para comunicar informação (título, formato, edição, guardar arquivo e partilhar através de plataformas digitais).

– Conhecimento das regras básicas de segurança e privacidade para navegar pela internet.

– Recursos e plataformas digitais restringir e seguras para comunicar-se com outras pessoas. Etiqueta digital, regras básicas de cortesía e respeito.

– Estratégias para fomentar o bem-estar digital. Reconhecimento dos riscos associados a um uso inadequado e pouco seguro das tecnologias digitais (tempo excessivo de uso, ciberacoso, acesso a conteúdos inadequados, publicidade e mensagens não desejadas…) e estratégias de actuação.

▪ Projectos de desenho e pensamento computacional:

– Identificação e selecção dos materiais, ferramentas e objectos adequados para a elaboração de um projecto.

– Fases dos projectos de desenho: identificação de necessidades, desenho, protótipo e prova, avaliação e comunicação.

– Iniciação à programação. Recursos digitais (plataformas digitais de iniciação à programação, aplicações de programação por blocos, robótica educativa...).

– Vocabulário básico do âmbito tecnológico.

– Técnicas cooperativas singelas para o trabalho em equipa, estratégias para a gestão de conflitos e promoção de condutas empáticas e inclusivas.

4º curso.

Área de Ciências da Natureza

Segundo ciclo

4º curso

Bloco 1. Cultura científica

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Formular perguntas e realizar predições razoadas sobre objectos, factos e fenômenos do meio natural através da observação.

OBX1

▪ QUE1.2. Buscar e seleccionar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis, adquirindo léxico cientista básico e utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural.

OBX1

▪ QUE1.3. Realizar experimentos guiados, de forma individual ou em equipa, utilizando diferentes técnicas de indagação e instrumentos de forma segura; realizar observações e medições precisas, registando os dados correctamente.

OBX1

▪ QUE1.4. Comunicar os resultados das investigações através de diferentes formatos, comparando os resultados obtidos com as predições realizadas.

OBX1

Conteúdos

▪ Importância do uso da ciência e da tecnologia para ajudar a compreender as causas das próprias acções, tomar decisões razoadas e realizar tarefas de forma mais eficiente.

▪ Fomento da curiosidade, a iniciativa e a constância na realização das diferentes investigações através da observação e formulação de hipóteses.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Procedimentos de indagação adequados às necessidades da investigação, identificação e classificação da informação relevante, de maneira individual ou em equipa.

▪ Realização de experimentos, de maneira individual ou em equipa, utilizando o método científico.

▪ Uso de instrumentos e dispositivos apropriados para realizar observações e medições precisas de acordo com as necessidades da investigação, registando os seus resultados.

▪ Comunicação guiada dos resultados da investigação, de forma oral ou escrita, utilizando diferentes suportes (textos orais ou escritos, maquetas, apresentações, murais…).

Bloco 2. A vida no nosso planeta

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Conhecer a morfologia externa e interna do corpo, identificando os aparelhos e órgãos implicados na realização das funções vitais.

OBX2

▪ QUE2.2. Adoptar hábitos de vida saudáveis valorando a importância de uma alimentação variada, equilibrada e sustentável, o exercício físico, o contacto com a natureza, o descanso, a higiene, o uso adequado das novas tecnologias e a prevenção de acidentes e doenças.

OBX2

▪ QUE2.3. Identificar atitudes que fomentem o bem-estar emocional e social, gerindo as emoções próprias e respeitando as dos demais, mostrando empatía e estabelecendo relações afectivas saudáveis.

OBX2

Conteúdos

▪ Aspectos básicos das funções vitais do ser humano: relação, nutrição e reprodução. Importância dos órgãos dos sentidos e do seu cuidado para relacionar-se com a contorna.

▪ Importância da função de nutrição para o ser humano e identificação dos aparelhos relacionados com é-la (dixestivo, respiratório, circulatorio e excretor).

▪ O sistema nervoso e o aparelho locomotor. Os ósos, as articulações e os músculos. Hábitos de higiene postural nas suas actividades diárias.

▪ Pautas para uma alimentação saudável e sustentável. Pirámide dos alimentos e classificação em função dos seus nutrientes principais.

▪ Pautas para a prevenção de doenças, riscos e acidentes na sua contorna mais próxima. Doenças relacionadas com o processo da alimentação e a aceitação do próprio corpo.

▪ Pautas que fomentem uma saúde emocional e social adequadas: higiene do são-no, gestão do lazer e do tempo livre, contacto com a natureza, uso adequado de dispositivos digitais e estratégias para o fomento de relações sociais saudáveis. Educação afectivo-sexual.

Bloco 3. Matéria, forças e energia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Identificar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE3.2. Reconhecer, através de pequenas investigações, diferentes formas de produção do calor e os seus efeitos sobre os corpos.

OBX3

▪ QUE3.3. Analisar os efeitos das forças sobre determinados objectos de uso comum realizando experiências singelas e pequenas investigações com máquinas e aparelhos.

OBX4

▪ QUE3.4. Identificar problemas ecosociais, propor possíveis soluções e pôr em prática hábitos de vida sustentável, reconhecendo comportamentos respeitosos de cuidado e protecção da contorna e uso sustentável dos recursos naturais e expressando as mudanças positivas e negativas causados no meio pela acção humana.

OBX4

Conteúdos

▪ Mudanças reversibles e irreversíveis que experimenta a matéria desde um estado inicial a um final para reconhecer os processos e as transformações que ocorrem na matéria em situações da vida quotidiana.

▪ Características e propriedades do calor. Materiais motoristas e illantes, instrumentos de medição e aplicações na vida quotidiana.

▪ Forças de contacto e a distância. Efeito sobre os objectos dependendo do seu tamanho, massa e forma.

▪ Máquinas simples, o seu efeito sobre as forças e aplicações na natureza e usos na vida quotidiana. Planeamento e montagem de alguma máquina de construção singela.

▪ Uso responsável dos recursos naturais do planeta. Importância da qualidade do ar e da água da nossa contorna.

Bloco 4. Tecnologia e digitalização

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais, de acordo com as necessidades do contexto educativo e de forma segura, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual e em equipa, reelaborando e criando conteúdos digitais singelos.

OBX5

▪ QUE4.2. Construir em equipa um produto final singelo que dê solução a um problema de desenho, propondo possíveis soluções, experimentando diferentes protótipos e utilizando de forma segura as ferramentas, técnicas e materiais adequados.

OBX6

▪ QUE4.3. Apresentar o produto final dos projectos de desenho em diferentes formatos e explicando os passos seguidos.

OBX6

▪ QUE4.4. Resolver, de forma guiada, problemas singelos de programação, modificando algoritmos de acordo com princípios básicos do pensamento computacional.

OBX6

▪ QUE4.5. Participar em diversas tarefas em equipa, desenvolvendo diferentes róis que favoreçam o objectivo final de um projecto e respeitando as normas básicas de convivência.

OBX6

Conteúdos

▪ Digitalização da contorna pessoal de aprendizagem:

– Dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo.

– Estratégias de procura guiada de informação na internet seguras e eficientes (valoração, discriminação, selecção e organização).

– Tratamento e elaboração de textos singelos para comunicar informação (título, formato, edição, guardar arquivo e partilhar através de plataformas digitais).

– Aplicação das regras básicas de segurança e privacidade para navegar pela internet para proteger a contorna digital pessoal de aprendizagem.

– Recursos e plataformas digitais restringir e seguras para comunicar-se com outras pessoas. Etiqueta digital, regras básicas de cortesía e respeito e estratégias para resolver problemas na comunicação digital.

– Estratégias para fomentar o bem-estar digital. Reconhecimento dos riscos associados a um uso inadequado e pouco seguro das tecnologias digitais (tempo excessivo de uso, ciberacoso, acesso a conteúdos inadequados, publicidade e correios não desejados…) e estratégias de actuação.

▪ Projectos de desenho e pensamento computacional:

– Planeamento de um projecto singelo, identificando e seleccionando adequadamente os materiais, as ferramentas e os objectos necessários para a sua consecução.

– Fases dos projectos de desenho: identificação de necessidades, desenho, protótipo e prova, avaliação e comunicação.

– Iniciação à programação. Recursos digitais (plataformas digitais de iniciação à programação, aplicações de programação por blocos, robótica educativa...).

– Vocabulário básico do âmbito tecnológico.

– Técnicas cooperativas para o trabalho em equipa, estratégias para a gestão de conflitos e promoção de condutas empáticas e inclusivas.

Terceiro ciclo.

5º curso.

Área de Ciências da Natureza

Terceiro ciclo

5º curso

Bloco 1. Cultura científica

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Formular perguntas e realizar predições razoadas sobre um tema específico relacionado com o meio natural através da observação.

OBX1

▪ QUE1.2. Buscar, seleccionar e contrastar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis, adquirindo léxico cientista básico e utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.3. Desenhar e realizar experimentos guiados, de forma individual ou em equipa, utilizando diferentes técnicas de indagação e modelos, empregando os instrumentos e dispositivos apropriados de forma segura, registando correctamente as observações e medições realizadas.

OBX1

▪ QUE1.4. Analisar a informação e os resultados obtidos, e comunicar as conclusões das investigações, utilizando linguagem científica e explicando os passos seguidos.

OBX1

Conteúdos

▪ A ciência, a tecnologia e a engenharia como actividades humanas. As profissões STEM na actualidade desde uma perspectiva de género, relacionadas com o desenvolvimento de hábitos de vida sustentável e com o cuidado do planeta.

▪ Fomento da curiosidade, a iniciativa, a constância e o sentido da responsabilidade na realização das diferentes investigações, enunciando hipóteses.

▪ Vocabulário científico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Procura de informação através de diferentes fontes, de maneira individual e em equipa.

▪ Experimentação sobre questões científicas relacionadas com as necessidades actuais da sociedade.

▪ Instrumentos e dispositivos apropriados para realizar observações e medições precisas de acordo com as necessidades da investigação.

▪ Fases da investigação científica (observação, formulação de perguntas e predições, planeamento e realização de experimentos, recolhida e análises de informação e dados…).

▪ Comunicação dos resultados da investigação, de forma oral ou escrita, utilizando diferentes suportes (textos orais ou escritos, maquetas, apresentações, murais…).

Bloco 2. A vida no nosso planeta

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Conhecer a estrutura e organização dos seres vivos identificando as suas características e funções.

OBX3

▪ QUE2.2. Identificar e analisar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE2.3. Estabelecer conexões singelas entre diferentes elementos do meio natural mostrando compreensão das relações que se estabelecem nele.

OBX3

▪ QUE2.4. Valorar, proteger e mostrar atitudes de conservação e melhora do meio natural, através de propostas e acções que reflictam compromissos e condutas em favor da sustentabilidade.

OBX3

Conteúdos

▪ Estrutura e níveis de organização dos seres vivos: tipos de células, tecidos, órgãos, aparelhos e sistemas.

▪ Os reinos da natureza desde uma perspectiva geral e integrada a partir do estudo e da análise das características de diferentes ecosistema. Os seres vivos: características, classificação e tipos.

▪ Características próprias dos animais que permitem a sua classificação e diferenciação em subgrupos relacionados com a sua capacidade adaptativa ao meio e a realização das funções vitais: obtenção de energia, relação com a contorna e perpetuación da espécie. Animais autóctones da Galiza.

▪ Características próprias das plantas que permitem a sua classificação em relação com a sua capacidade adaptativa ao meio e a realização das funções vitais: obtenção de energia, relação com a contorna e perpetuación da espécie. A importância da fotosíntese para a vinda na terra. Plantas autóctones da Galiza.

▪ Os ecosistemas como lugar onde intervêm factores bióticos e abióticos, mantendo um equilíbrio entre os diferentes elementos e recursos. Relações entre os seres vivos de um ecosistema, correntes alimentárias, características, componentes e tipos de ecosistema.

▪ Relação do ser humano com os ecosistema para cobrir as necessidades da sociedade. Exemplos de bons e maus usos dos recursos naturais do nosso planeta e as suas consequências, reconhecendo as acções humanas que modificam o meio natural e contribuem à extinção de espécies. Importância da biodiversidade.

Bloco 3. Matéria, forças e energia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Identificar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural através de metodoloxías de indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE3.2. Reconhecer e explicar as diferentes formas e fontes de energia, identificando os seus usos na vida quotidiana e a sua influência no desenvolvimento sustentável.

OBX4

▪ QUE3.3. Participar com atitude emprendedora na procura, no contraste e na avaliação de propostas para enfrentar problemas ecosociais, buscar soluções e actuar para a sua resolução, a partir da análise crítica das causas e consequências da intervenção humana na contorna.

OBX4

▪ QUE3.4. Identificar as causas e consequências da intervenção humana na contorna para partir do uso de máquinas simples e compostas.

OBX4

Conteúdos

▪ Propriedades da matéria. Massa e volume. Cálculo da massa e do volume através da experimentação.

▪ As fontes de energia renováveis e não renováveis.

▪ A energia eléctrica. Os circuitos eléctricos e as estruturas robotizadas. Atracção e repulsión de ónus eléctricas.

▪ Influência das fontes de energia renováveis no contributo ao desenvolvimento sustentável.

▪ Fontes, transformações, transferência e uso responsável da energia na vida quotidiana para enfrentar problemas ecosociais.

▪ Identificação, características e funções das máquinas simples e compostas de uso quotidiano.

Bloco 4. Tecnologia e digitalização

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Utilizar recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo, de forma segura e eficiente, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual, em equipa e em rede, reelaborando e criando conteúdos digitais singelos.

OBX5

▪ QUE4.2. Conhecer os principais avanços da ciência e da tecnologia, identificando os seus riscos e os benefícios na sociedade.

OBX6

▪ QUE4.3. Formular problemas de desenho que se resolvam com a criação de um protótipo ou solução digital, avaliando as necessidades da contorna e estabelecendo objectivos concretos.

OBX6

▪ QUE4.4. Desenhar possíveis soluções aos problemas expostos de acordo com técnicas singelas de projectos de desenho e pensamento computacional, mediante estratégias básicas de gestão de projectos cooperativos.

OBX6

▪ QUE4.5. Desenvolver um produto final que dê solução a um problema de desenho, experimentando em equipa diferentes protótipos ou soluções digitais e utilizando de forma segura e guiada as ferramentas, os dispositivos, as técnicas e os materiais adequados.

OBX6

▪ QUE4.6. Comunicar o desenho de um produto final, adaptando a mensagem e o formato à audiência, explicando os passos seguidos e propondo possíveis reptos para futuros projectos.

OBX6

Conteúdos

▪ Digitalização da contorna pessoal de aprendizagem:

– Dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo.

– Estratégias de procura de informação na internet seguras e eficientes (valoração, discriminação, selecção, organização e propriedade intelectual).

– Estratégias de recolhida, armazenamento e representação de dados para facilitar a sua compreensão e análise.

– Tratamento e elaboração de textos singelos para recolher e comunicar informação (formato de texto, ajuste de página, inserção de imagens…). Gestão de arquivos.

– Regras básicas de segurança e privacidade para navegar pela internet e para proteger a contorna digital pessoal de aprendizagem.

– Recursos e plataformas digitais restringir e seguras para comunicar-se com outras pessoas. Etiqueta digital, regras básicas de cortesía e respeito e estratégias para resolver problemas na comunicação digital.

– Estratégias para fomentar o bem-estar digital. Reconhecimento dos riscos associados a um uso inadequado e pouco seguro das tecnologias digitais (tempo excessivo de uso, ciberacoso, dependência tecnológica, acesso a conteúdos inadequados…) e estratégias de actuação.

▪ Projectos de desenho e pensamento computacional:

– Influência do desenvolvimento tecnológico na melhora das condições de vida e de trabalho na sociedade actual.

– Avanços da ciência na contorna (medicina, tecnologias da informação e da comunicação, cinema, desporto…).

– Observação e formulação de situações problema derivadas de necessidades que surjam na sua contorna próxima.

– Iniciação às fases do pensamento computacional (criação de esquemas ou diagramas singelos para planificar acções, descomposição de uma tarefa em partes mais singelas, desenvolvimento de diferentes estratégias para a resolução de um problema).

– Técnicas para potenciar o trabalho cooperativo, a coesão de grupo e a resolução pacífica de conflitos.

– Estratégias em situações de incerteza: adaptação e mudança de estratégia quando seja necessário, e valoração do erro próprio e o dos demais como oportunidade de aprendizagem.

– Desenho, protótipo, prova e avaliação de um projecto de desenho singelo que tenha relevo na sua contorna.

– Construção de projectos singelos, utilizando de forma guiada diferentes materiais, ferramentas, objectos, dispositivos e recursos digitais seguros e adequados para a consecução do projecto.

– Linguagem singela de programação por blocos e as relações lógicas entre eles (executar movimentos, sensores, motores, impressão 3D…).

– Apresentação dos projectos desenvoltos, utilizando diferentes suportes e estratégias de comunicação e explicando de forma oral e escrita as estratégias seguidas.

6º curso.

Área de Ciências da Natureza

Terceiro ciclo

6º curso

Bloco 1. Cultura científica

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Formular perguntas e realizar predições razoadas sobre um tema específico relacionado com o meio natural através da observação.

OBX1

▪ QUE1.2. Buscar, seleccionar e contrastar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis, adquirindo léxico cientista básico e utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural.

OBX1

▪ QUE1.3. Desenhar e realizar experimentos guiados, de forma individual ou em equipa, utilizando diferentes técnicas de indagação e modelos, empregando os instrumentos e dispositivos apropriados de forma segura e registando correctamente as observações e medições realizadas.

OBX1

▪ QUE1.4. Analisar a informação e os resultados obtidos e comunicar as conclusões das investigações utilizando uma linguagem científica e explicando os passos seguidos.

OBX1

Conteúdos

▪ A ciência, a tecnologia e a engenharia como actividades humanas. As profissões STEM na actualidade desde uma perspectiva de género relacionadas com o desenvolvimento de hábitos de vida sustentável e com o cuidado do planeta.

▪ Fomento da curiosidade, da iniciativa, da constância e do sentido da responsabilidade na realização das diferentes investigações enunciando hipóteses.

▪ Vocabulário científico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Procura de informação através de diferentes fontes, de maneira individual e em equipa.

▪ Experimentação sobre questões científicas relacionadas com as necessidades actuais da sociedade.

▪ Instrumentos e dispositivos apropriados para realizar observações e medições precisas de acordo com as necessidades da investigação.

▪ Fases da investigação científica (observação, formulação de perguntas e predições, planeamento e realização de experimentos, recolhida e análises de informação e dados…).

▪ Comunicação dos resultados da investigação, de forma oral ou escrita, utilizando diferentes suportes (textos orais ou escritos, maquetas, apresentações, murais…).

Bloco 2. A vida no nosso planeta

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Conhecer a morfologia externa e interna do corpo, identificando os aparelhos e órgãos implicados na realização das funções vitais.

OBX2

▪ QUE2.2. Adoptar hábitos de vida saudáveis valorando a importância de uma alimentação variada, equilibrada e sustentável, o exercício físico, o contacto com a natureza, o descanso, a higiene e a prevenção de acidentes e doenças.

OBX2

▪ QUE2.3. Identificar atitudes que fomentem o bem-estar emocional e social, fomentando relações afectivas saudáveis e reflectindo sobre o uso adequado de novas tecnologias e a gestão do tempo livre.

OBX2

Conteúdos

▪ Conhecimento do corpo humano: anatomía e fisioloxía. Células, tecidos, órgãos, aparelhos e sistemas.

▪ Aspectos básicos das funções vitais do ser humano desde uma perspectiva integrada: obtenção de energia, relação com a contorna e perpetuación da espécie.

▪ A função da relação. Os órgãos dos sentidos, o sistema nervoso e o aparelho locomotor.

▪ A função da nutrição e os aparelhos que intervêm (respiratório, dixestivo, circulatorio e excretor).

▪ A função da reprodução. O aparelho reprodutor e os órgãos que intervêm.

▪ As mudanças físicas, emocionais e sociais que supõe a puberdade e a adolescencia, para aceitá-los de forma positiva tanto num mesmo como nos demais. Educação afectivo-sexual.

▪ Pautas para uma alimentação saudável e sustentável: menús saudáveis e equilibrados. A importância da cesta da compra e da etiquetaxe dos produtos alimenticios para conhecer os seus nutrientes e a sua achega energética.

▪ Principais doenças que afectam os aparelhos e sistemas do organismo humano. Doenças relacionadas com o processo da alimentação e a aceitação do próprio corpo. Pautas para a sua prevenção.

▪ Pautas para a prevenção de riscos e acidentes. Conhecimento de actuações básicas de primeiros auxílios.

▪ Pautas que fomentem uma saúde emocional e social adequadas: higiene do sonho, prevenção e consequências do consumo de drogas, gestão saudável do lazer e do tempo livre, contacto com a natureza, uso adequado de dispositivos digitais, estratégias para o fomento de relações sociais saudáveis e fomento do cuidado das pessoas.

Bloco 3. Matéria, forças e energia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Identificar e analisar as características e as propriedades da matéria através de metodoloxías de indagação, utilizando as ferramentas, os instrumentos e processos adequados.

OBX3

▪ QUE3.2. Reconhecer e explicar as diferentes formas e fontes de energia, identificando os seus usos na vida quotidiana e a sua influência no desenvolvimento sustentável.

OBX4

▪ QUE3.3. Reconhecer, através de pequenas investigações, as propriedades do ar, analisando os princípios básicos do voo.

OBX3

Conteúdos

▪ Propriedades da matéria. Conceito de densidade e a sua relação com a flotabilidade de um objecto num líquido.

▪ Realização de experiências para estudar as propriedades de diferentes materiais de uso comum.

▪ As fontes de energia renováveis e não renováveis e a sua influência no contributo ao desenvolvimento sustentável da sociedade.

▪ As formas de energia e as suas transformações.

▪ As propriedades do ar e a sua interacção com os objectos dependendo da sua forma. As forças implicadas no voo. Princípios básicos da aerodinámica.

Bloco 4. Tecnologia e digitalização

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Utilizar recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo de forma segura e eficiente, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual, em equipa e em rede, reelaborando e criando conteúdos digitais singelos.

OBX5

▪ QUE4.2. Expor problemas de desenho que se resolvam com a criação de um protótipo ou de uma solução digital, avaliando as necessidades da contorna e estabelecendo objectivos concretos.

OBX6

▪ QUE4.3. Desenhar possíveis soluções aos problemas expostos de acordo com técnicas singelas de pensamento de desenho e pensamento computacional, mediante estratégias básicas de gestão de projectos cooperativos.

OBX6

▪ QUE4.4. Desenvolver um produto final que dê solução a um problema de desenho, experimentando em equipa diferentes protótipos ou soluções digitais e utilizando de forma segura e guiada as ferramentas, os dispositivos, as técnicas e os materiais adequados.

OBX6

▪ QUE4.5. Comunicar o desenho de um produto final, adaptando a mensagem e o formato à audiência, explicando os passos seguidos e propondo possíveis reptos para futuros projectos.

OBX6

Conteúdos

▪ Digitalização da contorna pessoal de aprendizagem:

– Dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo.

– Estratégias de procura de informação na internet seguras e eficientes (valoração, discriminação, selecção, organização e propriedade intelectual).

– Estratégias de recolhida, armazenamento e representação de dados para facilitar a sua compreensão e análise.

– Tratamento e elaboração de textos singelos para recolher e comunicar informação (formato de texto, ajuste de página, inserção de imagens…). Gestão de arquivos.

– Regras básicas de segurança e privacidade para navegar pela internet e para proteger a contorna digital pessoal de aprendizagem.

– Recursos e plataformas digitais restringir e seguras para comunicar-se com outras pessoas. Etiqueta digital, regras básicas de cortesía e respeito e estratégias para resolver problemas na comunicação digital.

– Estratégias para fomentar o bem-estar digital. Reconhecimento dos riscos associados a um uso inadequado e pouco seguro das tecnologias digitais (tempo excessivo de uso, ciberacoso, dependência tecnológica, acesso a conteúdos inadequados, etc.) e estratégias de actuação.

▪ Projectos de desenho e pensamento computacional:

– Observação e formulação de situações problema derivadas de necessidades que surjam na sua contorna próxima.

– Fases do pensamento computacional (criação de esquemas ou diagramas singelos para planificar acções, descomposição de uma tarefa em partes mais singelas, desenvolvimento de diferentes estratégias para a resolução de um problema).

– Técnicas para potenciar o trabalho cooperativo, a coesão de grupo e a resolução pacífica de conflitos.

– Estratégias em situações de incerteza: adaptação e mudança de estratégia quando seja necessário, e valoração do erro próprio e do dos demais como oportunidade de aprendizagem.

– Desenho, protótipo, prova e avaliação de um projecto de desenho singelo que tenha relevo na sua contorna.

– Construção de projectos singelos, utilizando de forma guiada diferentes materiais, ferramentas, objectos, dispositivos e recursos digitais seguros e adequados para a consecução do projecto.

– Linguagem singela de programação por blocos e as relações lógicas entre eles (executar movimentos, sensores, motores, impressão 3D…).

– Apresentação dos projectos desenvoltos, utilizando diferentes suportes e estratégias de comunicação, explicando de forma oral e escrita as estratégias seguidas.

1.4. Orientações pedagógicas.

A intervenção educativa na área de Ciências da Natureza desenvolverá o seu currículo e tratará de assentar de modo gradual e progressivo nos diferentes níveis da etapa as aprendizagens que lhe facilitem ao estudantado o sucesso dos objectivos da área e, em combinação com o resto de áreas, uma adequada aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa.

Neste sentido, no desenho das actividades, o professorado terá que considerar a relação existente entre os objectivos da área e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída e as linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem, que se apresentam nos apartados seguintes, e seleccionar aqueles critérios de avaliação do currículo que se ajustem à finalidade buscada, assim como empregá-los para verificar as aprendizagens do estudantado e o seu nível de desempenho.

Relação entre os objectivos da área de Ciências da Natureza e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída estabelecidos no anexo I.

Objectivos

da área

Competências chave

CCL

CP

STEM

CD

CPSAA

CC

CE

CCEC

OBX1

1-2-3

2-4

1-2

4

OBX2

5

1-2-3

3

OBX3

1-2-4-5

1

4

1

1

OBX4

5

2-5

4

1-3-4

1

OBX5

3

1

4

1-2-3-4-5

4

OBX6

3-4

5

3-4-5

1-3

4

Linhas de actuação não processo de ensino e aprendizagem.

– O uso de diferentes métodos que tenham em conta os diferentes ritmos e estilos de aprendizagem do estudantado, potenciando as suas habilidades mais destacables e fazendo fincapé na atenção à diversidade do estudantado, na atenção individualizada, na prevenção das dificuldades de aprendizagem e na posta em prática de mecanismos de reforço e ampliação.

– A realização de projectos significativos e de actualidade que partam dos conhecimentos prévios do estudantado e do seu contorno próximo, assim como dos seus centros de interesse, os quais fomentarão a sua curiosidade e a motivação pela aprendizagem.

– Actividades que partam da observação e experimentação para conhecer os fenômenos naturais da vida quotidiana e a compreensão das mudanças da contorna causados pela actividade humana de modo vivencial e transversal. Pôr-se-á em prática o método científico através de diversas investigações e trabalhos, desenvolvendo assim uma atitude de rigor e pensamento crítico ante fenômenos que sucedem no seu contorno mais próximo.

– O desenvolvimento de habilidades para trabalhar de forma cooperativa e colaborativa facilitará a própria aprendizagem, partilhando-a e favorecendo a inclusão de todo o estudantado. Reforçará a autoestima, o espírito crítico, a reflexão e a responsabilidade, favorecendo a capacidade de aprender por sim mesmos e promovendo o trabalho em equipa e o emprendemento.

– Conteúdos trabalhados arredor da realização de tarefas de aprendizagem integradas que facilitem a contextualización de projectos, pequenas investigações no meio, actividades de experimentação, resolução de problemas concretos, realização de debates sobre temas de actualidade (ambientais, de saúde, novas tecnologias, consumo...), nas cales o estudantado avanço no desempenho das suas competências ao longo da etapa, elegendo em cada caso a metodoloxía adequada em função das necessidades que se apresentem.

– Metodoloxías que partam de um enfoque globalizador e interdisciplinar baseado numa aprendizagem competencial, que permita conectar conteúdos das diferentes matérias curriculares ademais de abordar os diferentes elementos transversais, tendo em conta os recursos dos centros educativos, principalmente a biblioteca escolar como fonte de aprendizagem e recursos.

– O desenvolvimento de atitudes positivas com respeito ao bem-estar pessoal, social e físico, assim como a capacidade de respeitar a diversidade nos demais. Potenciar-se-ão actividades em que o estudantado descubra e tome consciência da necessidade de cuidar o próprio corpo, reconhecendo aqueles factores que prejudicam a nossa saúde física e mental e incidindo na importância dos hábitos saudáveis.

– A relevo das tecnologias digitais e as contornas virtuais de aprendizagem na sociedade actual faz necessário que o estudantado as integre na sua aprendizagem fazendo um uso seguro, crítico e responsável desde idades temporãs.

– Tarefas em que o estudantado tenha que planificar, desenhar, propor e comunicar diferentes propostas a situações apresentadas, fomentando a criatividade, empregando a informação proporcionada pelos meios tecnológicos e utilizando de modo eficiente diferentes ferramentas e dispositivos digitais.

– O uso de diferentes procedimentos e instrumentos variados (rubricas, registros anecdóticos, listas de cotexo, organizadores gráficos, portafolios, dianas de avaliação, provas orais, chaves dicotómicas…), que permitirá uma avaliação objectiva da totalidade do estudantado.

– O espírito crítico que permita conhecer porque há profissões tão feminizadas ou masculinizadas e a apresentação de pessoas que representem sucessos e rupturas de teitos de cristal no âmbito profissional.

2. Ciências Sociais.

2.1. Introdução.

Os reptos do século XXI demandan que o nosso sistema educativo proporcione as ferramentas para que o estudantado possa desenvolver o seu projecto vital com garantias de sucesso. A área de Ciências Sociais concebe-se com o objectivo de que as meninas e as crianças cheguem a ser pessoas activas, responsáveis e respeitosas com a sua contorna próxima e afastada.

Numa sociedade cada vez mais diversa e cambiante, é necessário promover novas formas de sentir, de pensar e de actuar, favorecedoras da inclusão do estudantado e acordes com mais um mundo justo, solidário e sustentável. O devir do tempo e a interpretação da acção humana como responsável pela mudança implicam que o estudantado tenha que adoptar um conhecimento de sim mesmo e da contorna que o rodeia, adaptando-se a ele e sendo capaz de contribuir ao seu avanço e conservação. Isto supõe também, o reconhecimento da diversidade como riqueza pluricultural, a resolução pacífica de conflitos e a aplicação crítica dos mecanismos democráticos de participação cidadã, tudo isso fundamentado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, na Convenção sobre os Direitos da Criança, nos princípios recolhidos no Estatuto de autonomia da Galiza e na Constituição, nos valores do europeísmo e no compromisso cívico e social.

O estudantado deve adquirir os conhecimentos, as destrezas e atitudes relacionadas com o uso seguro e fiável das fontes de informação e com a educação para o desenvolvimento sustentável e a cidadania global, que inclui entre outros: o conhecimento e o impulso para trabalhar a favor da consecução dos objectivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030, o respeito pela diversidade etnocultural e afectivo-sexual, a coesão social, o espírito emprendedor, a valoração e conservação do património, o emprendemento social e ambiental e a defesa da igualdade efectiva entre mulheres e homens; em resumo, meninas e crianças comprometidos com o planeta e com as pessoas, que chegarão a ser pessoas adultas com interesses e inquietudes para conservar a contorna que os rodeia.

O desenvolvimento de uma cultura científica baseada na indagação for-ma uma cidadania com pensamento crítico, capaz de tomar decisões ante as situações que se lhe exponham, já seja no âmbito pessoal, social ou educativo. Os processos de indagação favorecem o trabalho interdisciplinar e a relação dos diferentes conhecimentos e destrezas que possui o estudantado. Desde esta óptica, proporcionar-lhe uma base científica sólida e bem estruturada ao estudantado ajudá-lo-á a compreender o mundo em que vive, animá-lo-á a cuidá-lo, respeitá-lo e valorá-lo, propiciando o caminho para uma transição ecológica justa.

Noutra ordem de coisas, a digitalização da sociedade requer que o estudantado faça um uso seguro, eficaz e responsável pelas tecnologias da informação e da comunicação, que facilitará a realização de projectos interdisciplinares cooperativos nos cales se resolva um problema ou se dê resposta a uma necessidade da contorna próxima. Junto com a promoção do espírito emprendedor e o desenvolvimento das destrezas e técnicas básicas do processo tecnológico, o estudantado poderá achegar soluções criativas e inovadoras a problemas presentes da sociedade, desenvolvendo propostas práticas que apliquem os princípios da aprendizagem serviço.

Para tudo isso, é necessário partir dos centros de interesse do estudantado e da sua realidade próxima, achegando à descoberta, à observação e à indagação dos diferentes elementos naturais, sociais e culturais do mundo que o rodeia.

A área de Ciências Sociais engloba diferentes disciplinas e relaciona-se com outras áreas do currículo, o que favorece uma aprendizagem holística e competencial. Para determinar as competências específicas, que são o eixo vertebrador do currículo, tomaram-se como referência os objectivos gerais da etapa e o perfil de saída do estudantado ao termo do ensino básico.

A avaliação dos objectivos da área realiza-se través dos critérios de avaliação, que medem tanto os resultados coma os processos, de uma maneira aberta, flexível e interconectada dentro do currículo.

Os critérios de avaliação e os conteúdos, por sua parte, estrutúranse em quatro blocos, que deverão aplicar-se em diferentes contextos reais para alcançar o sucesso dos objectivos da área.

O primeiro bloco, Ciência e tecnologia, apresenta uma ampla variedade de temas relacionados com o âmbito científico, onde o estudantado desenvolve destrezas e estratégias através da investigação. Deste modo, inicia nos princípios básicos do método científico, que propícia a indagação e a descoberta do mundo que o rodeia, pondo em valor o impacto da ciência na nossa sociedade desde uma perspectiva de género.

Por outra parte, este bloco pretende também habilitar o estudantado no manejo básico de uma variedade de ferramentas e recursos digitais como médio para satisfazer as suas necessidades de aprendizagem, buscar e compreender a informação, criar conteúdo, comunicar-se de forma efectiva e desenvolver-se num ambiente digital de forma responsável, segura e crítica, dando-lhe a oportunidade de partilhar a sua experiência com outros contextos educativos.

O bloco O mundo e o desenvolvimento sustentável ajuda a que o estudantado conheça as interacções entre as actividades humanas e o meio natural e social, assim como o impacto ambiental que geram. Desta forma, involucrarase na aquisição de hábitos de vida sustentável e na participação em actividades que ponham em valor os cuidados do meio que o rodeia e que lhe permitam avançar para os objectivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030 de maneira consciente, contextualizada e vivenciada, fazendo uso da contorna para perceber de uma maneira prática como cuidá-lo e respeitá-lo.

No bloco Viver em sociedade, o estudantado introduzirá no contexto social de uma maneira mais cívico, democrática, sustentável e comprometida, permitindo-lhe elaborar uma interpretação pessoal da sua contorna próxima e do mundo. Faz-se especial énfase na rejeição de qualquer tipo de discriminação e na convivência pacífica, com o objectivo de formar uma futura cidadania responsável, participativa e solidária.

O bloco Lições do passado presta-lhes atenção aos reptos e situações do presente e da contorna local e global, tomando como referência a realidade histórica mais próxima, até obter uma compreensão mais global. Parte de uns conhecimentos básicos da história da Galiza e de Espanha, respeitando e valorando os aspectos comuns e de carácter diverso, utilizando o pensamento histórico e as relações de causalidade, simultaneidade e sucessão como médio para perceber a evolução das sociedades ao longo do tempo e do espaço.

A gradação destes contidos, a sua programação e a sua secuenciación não deve seguir necessariamente uma ordem cronolóxica determinada, senão que hão de adecuarse aos intuitos didácticos e formativos que marca o estudantado em cada ciclo, partindo dos seus interesses, motivações e das circunstâncias que se dêem na realidade da sala de aulas e na sua comunidade. As práticas inovadoras neste âmbito supõem uma oportunidade para aplicar metodoloxías activas, que situem o estudantado como protagonista do processo. Neste sentido, as situações de aprendizagem hão de ser um espaço aberto que fomente a curiosidade e a observação analítica para construir uma própria posição pessoal ante a realidade, uma posição que deve considerar-se potencialmente transformadora da realidade social existente.

2.2. Objectivos.

Objectivos da área

OBX1. Utilizar dispositivos e recursos digitais de forma segura, responsável e eficiente, para buscar informação, comunicar-se e trabalhar de maneira individual, em equipa e em rede.

▪ Nas últimas décadas, as tecnologias da informação e da comunicação (TIC) foram-se introduzindo e integrando nas nossas vidas, e expandíronse a todos os âmbitos da nossa sociedade, e proporcionaram-nos conhecimentos e numerosas ferramentas que ajudam em multidão de tarefas da vida quotidiana. Esta situação avança a passos axigantados, de maneira que as TIC se fã cada vez mais imprescindíveis; dispositivos móveis e tecnológicos são uma constante actualmente em diversos âmbitos.

▪ A cidadania do amanhã desenvolver-se-á num ambiente digital, que implicará uma série de conhecimentos não somente técnicos, senão também de discriminação de informação. A diferença de outrora, grande parte da informação que manejamos hoje em dia encontra-se em dispositivos e recursos digitais e é muito importante a sua procura e selecção. Há que ter em conta que as nossas alunas e alunos nascem na era digital, com verdadeiras habilidades para manejar os supracitados dispositivos e na nossa mão está ensinar-lhes a filtrar toda aquela informação pouco útil, irrelevante ou errónea.

▪ Um aspecto importante e inherente às tecnologias são os riscos associados ao seu uso. É imprescindível saber como actuar em caso de perda de dados, ciberacoso, ameaças à privacidade, dependência, conteúdos inapropiados… Por isso se trabalhará activamente desde os centros na prevenção deste tipo de situações, dando-lhe umas pautas de actuação a toda a comunidade educativa.

OBX2. Expor e dar resposta a questões científicas singelas, utilizando diferentes técnicas, instrumentos e modelos próprios do pensamento científico, para interpretar e explicar factos e fenômenos que ocorrem no meio natural, social e cultural.

▪ As Ciências Sociais contribuem ao desenvolvimento pessoal e social do estudantado, achegando-lhe recursos para integrar-se e participar activamente na sociedade em que vive, compreendendo o mundo que o rodeia, favorecendo a participação activa nos diferentes processos de indagação e exploração próprios do pensamento científico. Os diversos âmbitos de estudo desta área incentivarão este pensamento científico, aplicando aos aspectos geográficos, sociais e históricos; isso levará a uma compreensão do mundo de uma maneira mais global.

▪ Para que esta forma de trabalho gere verdadeiras aprendizagens, o professorado deve assumir o papel de facilitador e guia, proporcionando ao estudantado as condições, pautas, estratégias e os materiais didácticos que favoreçam estas destrezas. Contextualizaranse as actividades na contorna mais próxima, buscando que o estudantado seja capaz de aplicar o aprendido em diferentes contextos, extrapolando o conhecimento científico a outro tipo de situações, de maneira global e interdisciplinar. Deste modo, ademais, estimula-se o interesse pela aquisição de novas aprendizagens e pela procura de soluções a problemas que possam formular na vida quotidiana.

OBX3. Identificar as características dos diferentes elementos ou sistemas do meio natural, social e cultural, analisando a sua organização e as propriedades e estabelecendo relações entre estes, para reconhecer o valor do património cultural, conservá-lo, melhorá-lo e empreender acções para o seu uso responsável.

▪ Iniciar-se como futuros cidadãos e cidadãs para participar na sociedade e interactuar com o meio implica compreender a realidade em que se vive (natural, social e cultural), valorando a sua riqueza e diversidade. Nesta área proporcionam-se recursos para conhecer e compreender a contorna quotidiana, vivê-la, respeitá-la, valorá-la, conservá-la, protegê-la e transformá-la, para melhorá-la. Ao fazer fincapé no mundo que nos rodeia, no desenvolvimento de atitudes críticas e na aceitação das diferenças, leva-se a cabo um achegamento a realidades diferentes no espaço e no tempo. É importante visibilizar os problemas relacionados com o uso do espaço e as suas transformações, as mudanças e as adaptações protagonizados pelos humanos através do tempo para as suas necessidades, e as diferentes organizações sociais que foram desenvolvendo-se.

▪ A tomada de consciência do contínuo uso e exploração dos recursos da contorna deve favorecer que o estudantado desenvolva acções de uso sustentável, conservação e melhora do património natural e cultural do território galego, considerando-o como um bem comum. Ademais, deve promover o compromisso e a proposta de actuações originais e éticas que respondam a reptos naturais, sociais e culturais expostos.

OBX4. Identificar as causas e consequências da intervenção humana na contorna, desde os pontos de vista social, económico, cultural, tecnológico e ambiental, para melhorar a capacidade de enfrentar problemas, buscar soluções e actuar de maneira individual e cooperativa na sua resolução, e para pôr em prática estilos de vida sustentáveis e consequentes com o respeito, o cuidado e a protecção das pessoas e do planeta.

▪ Conhecer como evoluiu a interacção do ser humano com o mundo que o rodeia no uso e aproveitamento dos bens comuns mediante processos tecnológicos cada vez mais avançados resulta essencial para que o estudantado reflicta e seja consciente dos limites da biosfera, dos problemas associados com o consumo acelerado de bens e o estabelecimento de um modelo energético baseado nos combustíveis fósseis. Desta maneira poderá enfrentar os reptos e desafios da sociedade contemporânea de forma sustentável.

▪ Compreender as relações de interdependencia e ecodependencia, assim como a importância que têm para nós, como seres sociais dependentes, os achados que nos achega a comunidade, é o ponto de partida para poder identificar e aprofundar nas diferentes problemáticas que formula o modelo de sociedade actual e o seu impacto no âmbito local e global. É preciso, portanto, dotar o estudantado de ferramentas que facilitem o seu empoderaento como agentes de mudança ecosocial desde uma perspectiva emprendedora e cooperativa. Isto supõe que desenhe, participe e se involucre em actividades que permitam avançar para os objectivos de desenvolvimento sustentável da Agenda 2030, de maneira consciente e contextualizada. Assim, será participe da construção de modelos de relação e convivência baseados na empatía, na cooperação e no a respeito da pessoas e ao planeta.

OBX5. Observar, compreender e interpretar continuidades e mudanças do meio natural, social e cultural, analisando relações de causalidade, simultaneidade e sucessão, para explicar e valorar as relações entre diferentes elementos e acontecimentos.

▪ Conhecer os traços das diferentes sociedades ao longo do tempo e o papel que mulheres e homens desempenharam nestas como protagonistas individuais e colectivos da história deve-lhe servir ao estudantado para relacionar as diferentes épocas e identificar as acções e os factos mais destacados em cada uma delas. Os elementos e as manifestações culturais de cada sociedade são a expressão de complexas relações económicas, sociais e políticas, assim como dos valores, crenças e ideias que as sustentam, mas também das suas múltiplas identidades, do talento dos seus integrantes e das relações com outras culturas. Compreender essa rede dinâmica de interacções é o fundo de toda a interpretação e valoração crítica do passado, sentando as bases das suas próprias ideias futuras. Além disso, resulta de vital importância o conhecimento e a conservação da idiosincrasia galega, mantendo vivos os valores e as ideias que a caracterizam e contribuindo à sua transmissão a futuras gerações.

▪ O conhecimento e a contextualización de acontecimentos relevantes desde um ponto de vista histórico resultam fundamentais para que o estudantado compreenda a forma em que o passado contribui na configuração do presente. A investigação de tais acontecimentos, estabelecendo relações de causalidade, simultaneidade e sucessão entre eles, e identificando os aspectos dinâmicos e os mais estáveis, permite ao indivíduo uma maior e melhor compreensão de sim mesmo e das suas relações com os demais e com a contorna, e dispõem-no na melhor situação para adoptar uma atitude objectiva e analítica com respeito à actualidade e para assumir um compromisso responsável e consciente dos reptos do futuro.

OBX6. Reconhecer e valorar a diversidade e a igualdade de género, mostrando empatía e respeito por outras culturas e reflectindo sobre questões éticas, para contribuir ao bem-estar individual e colectivo de uma sociedade em contínua transformação e ao sucesso dos valores de integração europeia.

▪ A diversidade é um traço característico das sociedades contemporâneas e formula reptos para a vinda em democracia. A análise comparativa entre diferentes sociedades e territórios no mundo mostra a coexistencia de diferentes formas de organização social e política derivadas de diversos factores. A realidade pluricultural da contorna favorece a tomada de consciência da diversidade e a riqueza patrimonial existentes, promovendo uma atitude de respeito e diálogo com pessoas e culturas diferentes. A interconexión mundial, os processos de integração, como o da União Europeia e os movimentos migratorios, conectam com esta realidade múltipla e diversa, que é necessário enfrentar desde os princípios de igualdade, da respeito dos direitos humanos e da infância e desde os valores do europeísmo, para prevenir prejuízos e atitudes discriminatorias e favorecer a inclusão e a coesão social.

▪ No seio da sociedade encontrámos-nos, ademais, com outros tipos de diversidade associados à etnicidade, ao género, à idade, às crenças, à identidade, à orientação sexual ou à situação funcional das pessoas, que precisam de atitudes baseadas no respeito, na valoração das suas diferenças e na inclusão. Especial importância cobram os comportamentos relativos à igualdade entre mulheres e homens, que tem que implicar acções comprometidas para evitar toda a atitude discriminatoria. Todos estes comportamentos e valores devem desenvolver-se na contorna familiar e social do estudantado, através do exercício de uma cidadania activa, responsável, participativa e solidária.

OBX7. Participar na contorna e na vida social de forma eficaz e construtiva desde o a respeito dos valores democráticos, aos direitos humanos e da infância e aos princípios e valores do Estatuto de autonomia da Galiza, da Constituição espanhola e da União Europeia, valorando a função do Estado e das suas instituições na manutenção da paz e da segurança integral cidadã, para gerar interacções respeitosas e equitativas e promover a resolução pacífica e dialogada dos conflitos.

▪ Compreender a organização e o funcionamento de uma sociedade no seu território e valorar o papel das administrações na garantia dos serviços públicos e bens comuns é fundamental para a educação cidadã e a participação democrática. A sociedade demanda uma cidadania comprometida e crítica que participe de maneira activa no âmbito escolar e noutras actividades que tenham influência no bem-estar da comunidade. Neste marco de convivência, o estudantado deve tomar consciência da importância das normas de conduta social, da mobilidade segura, saudável e sustentável, e da distribuição de direitos e responsabilidades entre pessoas de maneira igualitaria e dialogada, desenvolvendo destrezas comunicativas e de escuta activa, de pensamento crítico e de resolução pacífica de conflitos, valorando a função que o Estado e as suas instituições desempenham na manutenção da segurança integral e da defesa como um compromisso cívico e solidário ao serviço da paz.

▪ Os princípios e valores do Estatuto de autonomia da Galiza, da Constituição espanhola e da União Europeia, junto com os do Estado e das instituições democráticas, implicam o exercício de uma cidadania activa que contribua a manter e cumprir as suas obrigações cívico e favoreça a justiça social, a dignidade humana, a liberdade, a igualdade, o Estado de direito e o a respeito dos direitos humanos e às minorias etnoculturais. A adopção consciente de valores como a equidade, o respeito, a justiça, a solidariedade e a igualdade entre mulheres e homens preparam o estudantado para enfrentar os reptos e desafios do século XXI.

2.3. Critérios de avaliação e conteúdos.

Primeiro ciclo.

1º curso.

Área de Ciências Sociais

Primeiro ciclo

1º curso

Bloco 1. Ciência e tecnologia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais de forma segura e de acordo com as necessidades do contexto educativo.

OBX1

▪ QUE1.2. Mostrar curiosidade por objectos, factos e fenômenos próximos, formulando perguntas e realizando predições.

OBX2

▪ QUE1.3. Buscar informação singela de diferentes fontes seguras e fiáveis de forma guiada, utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural, social e cultural.

OBX2

▪ QUE1.4. Participar em experimentos pautados ou guiados, quando a investigação o requeira, utilizando diferentes técnicas singelas de indagação, empregando de forma segura instrumentos e registando as observações de forma clara.

OBX2

▪ QUE1.5. Estabelecer acordos de forma dialóxica e democrática como parte de grupos próximos à sua contorna, identificando as responsabilidades individuais e empregando uma linguagem inclusiva e não violenta.

OBX7

Conteúdos

▪ Procedimentos de indagação adequados às necessidades da investigação (observação no tempo, identificação e classificação, procura de patrões...).

▪ Instrumentos e dispositivos apropriados para realizar observações e medições de acordo com as necessidades das diferentes investigações elementares sobre diversos aspectos da contorna social e da sua própria pessoa, empregando os pessoais e modelos.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ A curiosidade e a iniciativa na realização das diferentes investigações.

▪ Ocupação e trabalho. Identificação das principais actividades profissionais e laborais de mulheres e homens na contorna.

▪ Propostas de trabalho que surjam de uma situação problema, de um acontecimento ou de uma inquietude da contorna que os rodeia. Estratégias de trabalho individual e cooperativo.

▪ Dispositivos e recursos da contorna digital de aprendizagem de acordo com as necessidades do contexto educativo.

Bloco 2. O mundo e o desenvolvimento sustentável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Reconhecer as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural, social e cultural através da indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados de forma pautada.

OBX3

▪ QUE2.2. Reconhecer conexões singelas e directas entre diferentes elementos do meio natural, social e cultural por meio da observação, da manipulação e da experimentação.

OBX3

▪ QUE2.3. Mostrar estilos de vida sustentável e valorar a importância do respeito, dos cuidados, da corresponsabilidade e da protecção dos elementos e seres do planeta, identificando a relação da vida das pessoas com as suas acções sobre os elementos e recursos do meio como o solo e a água.

OBX4

Conteúdos

▪ A Terra, o Sol, a Lua e as estrelas como componentes da sua contorna espacial mais próximo.

▪ A vida na Terra. Fenômenos atmosféricos e a sua repercussão nos ciclos biológicos e na vida diária.

▪ Reptos sobre situações quotidianas. Funções básicas do pensamento espacial e temporário para a interacção com o meio e a resolução de situações da vida quotidiana. Itinerarios e trajectos, deslocamentos e viagens.

▪ Conhecimento da nossa contorna. Paisagens naturais e paisagens humanizadas, e os seus elementos. A acção humana sobre o meio e as suas consequências.

▪ Estilos de vida sustentável. O uso da água, a mobilidade sustentável e a gestão dos resíduos.

Bloco 3. Viver em sociedade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Mostrar curiosidade por objectos, factos e fenômenos próximos, formulando perguntas e realizando predições.

OBX2

▪ QUE3.2. Recolher informação sobre manifestações culturais da própria contorna, mostrando a respeito de outras pessoas, valorando a sua diversidade e riqueza e apreciando-a como fonte de aprendizagem.

OBX6

▪ QUE3.3. Mostrar atitudes que fomentem a igualdade de género e as condutas não sexistas reconhecendo modelos positivos na contorna próxima.

OBX6

▪ QUE3.4. Identificar instituições próximas, assinalando e valorando as funções que realizam em defesa de uma boa convivência.

OBX7

▪ QUE3.5. Conhecer e interiorizar normas básicas para a convivência no uso de espaços públicos, especialmente como peões ou como utentes dos médios de locomoción, tomando consciência da importância da mobilidade segura, saudável e sustentável tanto para as pessoas como para o planeta.

OBX7

Conteúdos

▪ Identidade e âmbitos de pertença: família, escola, aldeia/vila/bairro e cidade, Galiza. Festas tradicionais galegas e gastronomía popular.

▪ A escola: organização escolar, os membros e os seus róis, espaços físicos e recursos.

▪ Os deveres e direitos das pessoas. A assembleia de classe como momento para a reflexão, o diálogo, a escuta activa e a resolução pacífica de conflitos.

▪ Igualdade de género e conduta não sexista.

▪ Segurança viária. Normas básicas nos deslocamentos como peões e utentes dos médios de transporte.

▪ A vida em colectividade. A família. Diversidade familiar. Compromissos, corresponsabilidade, participação e normas na contorna familiar, vicinal e escolar. Prevenção, gestão e resolução dialogada de conflitos.

▪ Ocupação e trabalho. Identificação com perspectiva de género das principais actividades profissionais e laborais na contorna.

Bloco 4. Lições do passado

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Mostrar atitudes de respeito ante o património natural e cultural, reconhecendo-o como um bem comum.

OBX3

▪ QUE4.2. Ordenar temporariamente factos da contorna social e cultural próxima, empregando noções básicas de medida e sucessão.

OBX5

▪ QUE4.3. Conhecer pessoas e grupos sociais relevantes da história, assim como me as for de vida do passado, incorporando a perspectiva de género.

OBX5

Conteúdos

▪ Medida do tempo na vida quotidiana e as suas equivalências. Unidades temporárias básicas (dia, semana, mês, ano), situando acontecimentos da história pessoal e identificando mudanças que se produzem ao longo do tempo.

▪ A percepção do tempo. Conceitos temporários básicos: antes, depois, durante, passado, presente e futuro.

▪ As expressões e produções artísticas da contorna próxima.

▪ Recursos e médios analóxicos e digitais. As fontes orais e a memória colectiva. A história local e a biografia familiar, mulheres e homens como sujeitos da história.

2º curso.

Área de Ciências Sociais

Primeiro ciclo

2º curso

Bloco 1. Ciência e tecnologia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais de forma segura e de acordo com as necessidades do contexto educativo.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.2. Mostrar curiosidade por objectos, factos e fenômenos próximos, formulando perguntas e realizando predições.

OBX2

▪ QUE1.3. Buscar informação singela de diferentes fontes seguras e fiáveis de forma guiada, utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural, social e cultural.

OBX2

▪ QUE1.4. Participar em experimentos pautados ou guiados, quando a investigação o requeira, utilizando diferentes técnicas singelas de indagação, empregando de forma segura instrumentos e registando as observações de forma clara.

OBX2

▪ QUE1.5. Estabelecer acordos de forma dialóxica e democrática como parte de grupos próximos à sua contorna, identificando as responsabilidades individuais e empregando uma linguagem inclusiva e não violenta.

OBX7

Conteúdos

▪ Procedimentos de indagação adequados às necessidades da investigação (observação no tempo, identificação e classificação, procura de patrões...).

▪ Técnicas para uma correcta exposição oral dos resultados da investigação.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ A curiosidade e a iniciativa na realização das diferentes investigações.

▪ Tipos de profissões presentes na contorna próxima e relacionadas com a ciência e a tecnologia, desde uma perspectiva de género: similitudes, diferenças e ferramentas que empregam.

▪ Propostas de trabalho que suponham um processo de investigação e acção por parte do estudantado e facilitem o processo de autorregulação de aprendizagens. Cooperação e diálogo.

▪ Possibilidades seguras de procura guiada de informação na internet.

Bloco 2. O mundo e o desenvolvimento sustentável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Reconhecer as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural, social e cultural através da indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados de forma pautada.

OBX3

▪ QUE2.2. Reconhecer conexões singelas e directas entre diferentes elementos do meio natural, social e cultural por meio da observação, da manipulação e da experimentação.

OBX3

▪ QUE2.3. Mostrar estilos de vida sustentável e valorar a importância do respeito, dos cuidados, da corresponsabilidade e da protecção dos elementos e seres do planeta, identificando a relação da vida das pessoas com as suas acções sobre os elementos e recursos do meio como o solo e a água.

OBX4

Conteúdos

▪ A Terra no universo. Elementos, movimentos e dinâmicas relacionados com a Terra e com o universo e as suas consequências na vida diária e na contorna. Sequências temporárias e mudanças estacionais.

▪ Fenômenos atmosféricos. Observação, reflexão e registro de dados atmosféricos. Comprovação do observado nos diferentes meios de comunicação.

▪ Orientações espaciais, noções básicas para que lhe permitam orientar-se num debuxo, num plano ou em maquetas simples da contorna mais próxima.

▪ Responsabilidade ecosocial. Acções para a conservação, a melhora e o uso sustentável dos bens comuns.

▪ Hábitos de vida sustentável. O ar como elemento imprescindível para a vinda. A contaminação atmosférica.

Bloco 3. Viver em sociedade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Mostrar curiosidade por objectos, factos e fenômenos próximos, formulando perguntas e realizando predições.

OBX2

▪ QUE3.2. Recolher informação sobre manifestações culturais da própria contorna, mostrando a respeito de outras pessoas, valorando a sua diversidade e riqueza e apreciando-a como fonte de aprendizagem.

OBX6

▪ QUE3.3. Mostrar atitudes que fomentem a igualdade de género e as condutas não sexistas, reconhecendo modelos positivos na contorna próxima.

OBX6

▪ QUE3.4. Identificar instituições próximas, assinalando e valorando as funções que realizam em defesa de uma boa convivência.

OBX7

▪ QUE3.5. Conhecer e interiorizar normas básicas para a convivência no uso de espaços públicos, especialmente como peões ou como utentes dos médios de locomoción, tomando consciência da importância da mobilidade segura, saudável e sustentável tanto para as pessoas como para o planeta.

OBX7

Conteúdos

▪ Identidade e diversidade cultural: existência de realidades diferentes e aproximação às diferentes etnoculturas presentes na contorna. A convivência com os demais e a rejeição às atitudes discriminatorias. Cultura da paz e não violência.

▪ A localidade e o seu governo. A câmara municipal e os seus serviços básicos. O exercício activo da cidadania. A pertença a grupos sociais da localidade: desportivos, recreativos, culturais…

▪ Igualdade de género e conduta não sexista.

▪ Segurança viária. A cidade como espaço de convivência. Normas básicas nos deslocamentos como peões ou como utentes dos médios de locomoción.

▪ A vida em sociedade. Espaços, recursos e serviços da contorna percebidos como bens comuns e partilhados. Formas e modos de interacção social em espaços públicos desde uma perspectiva de género.

▪ Meios de transporte mais comuns na contorna, reconhecendo os mais adequados para as pessoas e/ou mercadorias.

Bloco 4. Lições do passado

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Mostrar atitudes de respeito ante o património natural e cultural, reconhecendo-o como um bem comum.

OBX3

▪ QUE4.2. Ordenar temporariamente factos da contorna social e cultural próxima, empregando noções básicas de medida e sucessão.

OBX5

▪ QUE4.3. Conhecer pessoas e grupos sociais relevantes da história, assim como me as for de vida do passado, incorporando a perspectiva de género.

OBX5

Conteúdos

▪ Uso de objectos e artefactos da vida quotidiana como fontes para reflectir sobre a mudança e a continuidade, as causas e as consequências.

▪ O ciclo vital e as relações interxeracionais. Árvore xenealóxica singela dos membros da sua família. Tomada de consciência do passo do tempo, ordenando os factos mais importantes da sua vida, da família, da sua contorna…

▪ As expressões e produções artísticas através do tempo. O património material e inmaterial local. Cuidado e conservação.

▪ Recursos e médios analóxicos e digitais. As fontes orais e a memória colectiva. A história local e a biografia familiar, mulheres e homens como sujeitos da história.

Segundo ciclo.

3º curso.

Área de Ciências Sociais

Segundo ciclo

3º curso

Bloco 1. Ciência e tecnologia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais, de acordo com as necessidades do contexto educativo de forma segura, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual e em equipa, reelaborando e criando conteúdos digitais singelos.

OBX1

▪ QUE1.2. Formular perguntas e realizar predições razoadas, demonstrando curiosidade pelo meio natural, social e cultural próximo.

OBX2

▪ QUE1.3. Buscar e seleccionar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis, utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural, social e cultural e adquirindo léxico cientista básico.

OBX2

▪ QUE1.4. Realizar experimentos guiados utilizando diferentes técnicas de indagação e modelos, empregando de forma segura instrumentos e dispositivos, realizando observações e medições precisas e registando-as correctamente.

OBX2

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.5. Realizar actividades no contexto da comunidade escolar, assumindo responsabilidades e estabelecendo acordos de forma dialogada e democrática e empregando uma linguagem inclusiva e não violenta.

OBX7

Conteúdos

▪ Procedimentos de indagação adequados às necessidades da investigação (observação no tempo, identificação e classificação, procura de patrões, criação de modelos, investigação através de procura de informação, experimentos com controlo de variables...).

▪ Instrumentos e dispositivos apropriados para realizar observações e medições precisas de acordo com as necessidades da investigação.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Fomento da curiosidade, da iniciativa e da constância na realização das diferentes investigações.

▪ Avanços no passado relacionados com a ciência e com a tecnologia que contribuíram a transformar a nossa sociedade mostrando modelos que incorporem uma perspectiva de género.

▪ Propostas de trabalho cooperativo que suponham um processo de investigação e acção por parte do estudantado e facilitem o processo de autorregulação de aprendizagens. Cooperação e diálogo. Estratégias para a prevenção e resolução de conflitos.

▪ Dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo. A sala de aulas virtual.

Bloco 2. O mundo e o desenvolvimento sustentável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Identificar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural, social e cultural através de metodoloxías da indagação e utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE2.2. Identificar conexões singelas entre diferentes elementos do meio natural, social e cultural, mostrando compreensão das relações que se estabelecem.

OBX3

▪ QUE2.3. Identificar problemas ecosociais, propor possíveis soluções e pôr em prática estilos de vida sustentável, reconhecendo comportamentos respeitosos de cuidado, corresponsabilidade e protecção da contorna e uso sustentável dos recursos naturais, e expressando as mudanças positivas e negativas causados no meio pela acção humana.

OBX4

Conteúdos

▪ A Terra e as catástrofes naturais. Elementos, movimentos e dinâmicas que ocorrem no universo.

▪ O clima e a paisagem. Os fenômenos atmosféricos. Tomada e registro de dados e variables meteorológicas (temperatura, humidade, vento, precipitações) e a sua representação gráfica e visual: o climograma.

▪ Conhecimento do espaço. Representação do espaço. Representação da Terra através do balão terráqueo, dos mapas e de outros recursos digitais. Uso de planos do bairro ou da localidade, como representação gráfica de espaços. Interpretação de lendas e símbolos cartográficos elementares em mapas.

▪ A mudança climática. Introdução às causas e consequências da mudança climática e o seu impacto nas paisagens da Terra.

▪ Responsabilidade ecosocial. Ecodependencia e interdependencia entre pessoas, sociedades e meio natural.

▪ Estilos de vida sustentável. O consumo e a produção responsáveis, a alimentação equilibrada e sustentável, o uso eficiente da água e da energia, a mobilidade segura, saudável e sustentável, e a prevenção e a gestão dos resíduos.

Bloco 3. Viver em sociedade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Analisar a importância demográfica, cultural e económica das migrações na actualidade, valorando com respeito e empatía a achega da diversidade cultural ao bem-estar individual e colectivo.

OBX6

▪ QUE3.2. Valorar positivamente as acções que fomentam a igualdade de género e as condutas não sexistas, reconhecendo modelos positivos ao longo da história.

OBX6

▪ QUE3.3. Conhecer os principais órgãos de governo e as funções de diversas administrações e serviços públicos, valorando a importância da sua gestão para a segurança integral cidadã e a participação democrática.

OBX7

▪ QUE3.4. Interiorizar normas básicas para a convivência no uso dos espaços públicos como peões ou como utentes dos médios de locomoción, identificando os sinais de trânsito e tomando consciência da importância de uma mobilidade segura, saudável e sustentável, tanto para as pessoas como para o planeta.

OBX7

Conteúdos

▪ Desigualdade social e acesso aos recursos. Usos do espaço pelo ser humano e evolução das actividades produtivas.

▪ Costumes, tradições e manifestações culturais da contorna. Respeito pela diversidade cultural que convive na contorna da coesão social. A cultura da paz e não violência.

▪ Organização política e territorial da Galiza.

▪ Organização e funcionamento da sociedade. As principais instituições e entidades da contorna local, regional e nacional e os serviços públicos que prestam. Estrutura administrativa da Galiza.

▪ Ocupação e distribuição da povoação no espaço e análise dos principais problemas e reptos demográficos. Representação gráfica e cartográfica da povoação. A organização do território na Galiza.

▪ Igualdade de género e conduta não sexista. Análise e reflexão sobre os estereótipos de género.

▪ Segurança viária. A cidade como espaço de convivência. Normas de circulação, sinais e marcas viárias. Mobilidade segura, saudável e sustentável, como peões ou como utentes dos médios de locomoción.

▪ Compromissos e normas para a vinda em sociedade.

Bloco 4. Lições do passado

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Proteger o património natural e cultural e valorá-lo como um bem comum, adoptando condutas respeitosas para o seu desfruto e propondo acções para a sua conservação e melhora.

OBX3

▪ QUE4.2. Identificar factos da contorna social e cultural desde a Prehistoria até a Idade Antiga, empregando as noções de causalidade, simultaneidade e sucessão.

OBX5

▪ QUE4.3. Conhecer pessoas, grupos sociais relevantes e formas de vida das sociedades desde a Prehistoria até a Idade Antiga, incorporando a perspectiva de género.

OBX5

Conteúdos

▪ As fontes históricas: classificação e utilização das diferentes fontes (orais, escritas, patrimoniais) como via para a análise das mudanças e permanências na localidade ao longo da história.

▪ O tempo histórico. Noções temporárias e cronologia. Localização temporária das grandes etapas históricas em eixos cronolóxicos.

▪ As expressões artísticas e culturais prehistóricas e da antigüidade e a sua contextualización histórica desde uma perspectiva de género.

▪ O património natural e cultural. Os espaços protegidos, culturais e naturais. O seu uso, cuidado e conservação.

▪ Iniciação na investigação e nos métodos de trabalho para a realização de projectos, que analisem factos, assuntos e temas de relevo actual com perspectiva histórica, contextualizándoos na época correspondente.

▪ A acção de mulheres e homens como sujeitos na história. Descobertas e inventos importantes ao longo da história.

4º curso.

Área de Ciências Sociais

Segundo ciclo

4º curso

Bloco 1. Ciência e tecnologia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Utilizar dispositivos e recursos digitais, de acordo com as necessidades do contexto educativo, de forma segura, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual e em equipa, reelaborando e criando conteúdos digitais singelos.

OBX1

▪ QUE1.2. Formular perguntas e realizar predições razoadas, demonstrando curiosidade pelo meio natural, social e cultural próximo.

OBX2

▪ QUE1.3. Buscar e seleccionar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural, social e cultural e adquirindo léxico cientista básico.

OBX2

▪ QUE1.4. Realizar experimentos guiados utilizando diferentes técnicas de indagação e modelos, empregando de forma segura instrumentos e dispositivos, realizando observações e medições precisas e registando-as correctamente.

OBX2

▪ QUE1.5. Realizar actividades no contexto da comunidade escolar, assumindo responsabilidades e estabelecendo acordos de forma dialogada e democrática, e empregando uma linguagem inclusiva e não violenta.

OBX7

Conteúdos

▪ Procedimentos de indagação adequados às necessidades da investigação (observação no tempo, identificação e classificação, procura de patrões, criação de modelos, investigação através de procura de informação, experimentos com controlo de variables...).

▪ Técnicas para uma correcta exposição oral dos resultados da investigação, apresentando os resultados em diferentes formatos.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Fomento da curiosidade, da iniciativa e da constância na realização das diferentes investigações.

▪ Avanços no passado relacionados com a ciência e a tecnologia que contribuíram a transformar a nossa sociedade, mostrando modelos que incorporem uma perspectiva de género.

▪ Propostas de trabalho cooperativo que suponham um processo de investigação e acção por parte do estudantado e facilitem o processo de autorregulação das aprendizagens. Cooperação e diálogo. Estratégias para a prevenção e resolução de conflitos.

▪ Estratégias de procuras guiadas de informação na internet seguras e eficientes (valoração, discriminação, selecção e organização).

Bloco 2. O mundo e o desenvolvimento sustentável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Identificar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural, social e cultural através de metodoloxías de indagação e utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE2.2. Identificar conexões singelas entre diferentes elementos do meio natural, social e cultural, mostrando compreensão das relações que se estabelecem.

OBX3

▪ QUE2.3. Identificar problemas ecosociais, propor possíveis soluções e pôr em prática estilos de vida sustentável, reconhecendo comportamentos respeitosos de cuidado, corresponsabilidade e protecção da contorna, e de uso sustentável dos recursos naturais, expressando as mudanças positivas e negativas causados no meio pela acção humana.

OBX4

Conteúdos

▪ Relação dos elementos, movimentos e dinâmicas que ocorrem no universo com determinados fenômenos físicos que afectam a Terra e repercutem na vida diária e na contorna.

▪ As tecnologias da informação geográfica (TIX). A estação meteorológica e os seus instrumentos. Relação entre as zonas climáticas e a diversidade de paisagens. Algumas características do clima da Galiza.

▪ Mapas e planos em diferentes escalas. Técnicas de orientação mediante a observação dos elementos do meio físico e outros meios de localização espacial.

▪ A mudança climática. Introdução às causas e consequências da mudança climática, e o seu impacto nas paisagens da Terra. Medidas de mitigación.

▪ Responsabilidade ecosocial. A transformação e a degradação dos ecosistema naturais pela acção humana. Conservação e protecção da natureza. Os maus tratos animais e a sua protecção.

▪ Estilos de vida sustentável. O consumo e a produção responsáveis, a alimentação equilibrada e sustentável, o uso eficiente da água e da energia, a mobilidade segura, saudável e sustentável, e a prevenção e a gestão dos resíduos.

Bloco 3. Viver em sociedade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Analisar a importância demográfica, cultural e económica das migrações na actualidade, valorando com respeito e empatía a achega da diversidade cultural ao bem-estar individual e colectivo.

OBX6

▪ QUE3.2. Valorar positivamente as acções que fomentam a igualdade de género e as condutas não sexistas, reconhecendo modelos positivos ao longo da história.

OBX6

▪ QUE3.3. Conhecer os principais órgãos de governo e as funções de diversas administrações e serviços públicos, valorando a importância da sua gestão para a segurança integral cidadã e a participação democrática.

OBX7

▪ QUE3.4. Interiorizar normas básicas para a convivência no uso dos espaços públicos como peões ou como utentes dos médios de locomoción, identificando os sinais de trânsito e tomando consciência da importância de uma mobilidade segura, saudável e sustentável, tanto para as pessoas como para o planeta.

OBX7

Conteúdos

▪ O valor, o controlo do dinheiro e os meios de pagamento. Da sobrevivência à sobreprodución.

▪ Os costumes, tradições e manifestações culturais da contorna. Respeito pela diversidade cultural que convive na contorna da coesão social. A cultura da paz e não violência.

▪ A organização política e territorial de Espanha.

▪ Organização e funcionamento da sociedade. As principais instituições e entidades da contorna local, regional e nacional e os serviços públicos que prestam. Estrutura administrativa de Espanha.

▪ Ocupação e distribuição da povoação no espaço e análise dos principais problemas e reptos demográficos. Representação gráfica e cartográfica da povoação com dados obtidos de fontes estatísticas. A organização do território em Espanha e na Europa.

▪ Igualdade de género e conduta não sexista. Análise e reflexão sobre os estereótipos de género.

▪ Segurança viária. A cidade como espaço de convivência. Normas de circulação, sinais e marcas viárias. Mobilidade segura, saudável e sustentável, como peões ou como utentes dos médios de locomoción.

▪ Compromissos e normas para a vinda em sociedade.

Bloco 4. Lições do passado

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Proteger o património natural e cultural e valorá-lo como um bem comum, adoptando condutas respeitosas para o seu desfruto e propondo acções para a sua conservação e melhora.

OBX3

▪ QUE4.2. Identificar factos da contorna social e cultural desde a Prehistoria até a Idade Antiga, empregando as noções de causalidade, simultaneidade e sucessão.

OBX5

▪ QUE4.3. Conhecer pessoas, grupos sociais relevantes e formas de vida das sociedades desde a Prehistoria até a Idade Antiga, incorporando a perspectiva de género.

OBX5

Conteúdos

▪ As pegadas da história em lugares, edifícios, objectos, ofício ou tradições da localidade. Os museus como espaço de aprendizagem e desfruto.

▪ O tempo histórico. Noções temporárias e cronologia. Localização temporária das grandes etapas históricas em eixos cronolóxicos. Temas de relevo na história (Prehistoria e Idade Antiga).

▪ A função da arte e da cultura no mundo da Prehistoria e da Idade Antiga.

▪ O património natural e cultural. Diferenças entre parques nacionais, regionais e naturais. Os espaços naturais protegidos. O seu uso, cuidado e conservação.

▪ Iniciação à investigação e aos métodos de trabalho para a realização de projectos, que analisem factos, assuntos e temas de relevo actual com perspectiva histórica, contextualizándoos na época correspondente.

▪ Interpretação do papel dos indivíduos e dos diferentes grupos sociais, relações, conflitos, crenças e condicionante em cada época histórica.

Terceiro ciclo.

5º curso.

Área de Ciências Sociais

Terceiro ciclo

5º curso

Bloco 1. Ciência e tecnologia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Utilizar recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo de forma segura e eficiente, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual, em equipa e em rede.

OBX1

▪ QUE1.2. Formular perguntas e realizar predições razoadas sobre o meio natural, social ou cultural, mostrando e mantendo a curiosidade.

OBX2

▪ QUE1.3. Buscar, seleccionar e contrastar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis, usando os critérios de fiabilidade de fontes, adquirindo léxico cientista básico, e utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural, social e cultural.

OBX2

▪ QUE1.4. Realizar experimentos guiados, utilizando diferentes técnicas de indagação e modelos, empregando de forma segura os instrumentos e dispositivos apropriados, realizando observações e medições precisas e registando-as correctamente.

OBX2

Conteúdos

▪ Fases da investigação científica (observação, formulação de perguntas e predições, planeamento e realização de experimentos, recolhida e análises de informação e dados, comunicação de resultados...).

▪ Instrumentos e dispositivos apropriados para realizar observações e medições precisas de acordo com as necessidades da investigação.

▪ Terminologia própria da área e vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações.

▪ Fomento da curiosidade, da iniciativa, da constância e do sentido da responsabilidade na realização das diferentes investigações.

▪ A ciência, a tecnologia, a engenharia e as matemáticas como actividades humanas. As profissões STEM na actualidade desde uma perspectiva de género.

▪ Dispositivos e recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo. A sala de aulas virtual.

▪ Estratégias de recolhida, armazenamento e representação de dados para facilitar a sua compreensão e análise.

Bloco 2. O mundo e o desenvolvimento sustentável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Identificar e analisar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural, social e cultural através da indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE2.2. Estabelecer conexões singelas entre diferentes elementos do meio natural, social e cultural, mostrando compreensão das relações que se estabelecem.

OBX3

▪ QUE.2.3. Promover estilos de vida sustentável e consequentes com o respeito, com os cuidados, com a corresponsabilidade e com a protecção das pessoas e do planeta, a partir da análise crítica da intervenção humana na contorna.

OBX4

▪ QUE2.4. Participar com atitude emprendedora na procura, no contraste e na avaliação de propostas para enfrentar problemas ecosociais, buscar soluções e actuar para a sua resolução, a partir da análise crítica das causas e consequências da intervenção humana na contorna.

OBX4

Conteúdos

▪ A Terra, o universo e o sistema solar. Movimentos terrestres e fases lunares.

▪ O clima e o planeta. Tipos de clima na Galiza e em Espanha. Elementos e factores climáticos.

▪ Cartografía, planos, mapas e planisferios. Escalas e símbolos convencionais de mapas, elaboração de itinerarios.

▪ A mudança climática do local ao global: causas e consequências. Medidas de mitigación e adaptação.

▪ O desenvolvimento sustentável. A actividade humana sobre o espaço e a exploração dos recursos. A actividade económica e a distribuição da riqueza: desigualdade social e regional no mundo e em Espanha. Os objectivos de desenvolvimento sustentável.

▪ Estilos de vida sustentável: os limites do planeta e o esgotamento de recursos.

Bloco 3. Viver em sociedade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Analisar os processos geográficos, históricos e culturais que conformaram a sociedade actual, valorando a diversidade etnocultural ou afectivo-sexual e a coesão social, e mostrando empatía e respeito por outras culturas e pela igualdade de género.

OBX6

▪ QUE3.2. Promover atitudes de igualdade de género e condutas não sexistas, analisando e contrastando diferentes modelos na nossa sociedade.

OBX6

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.3. Resolver de forma pacífica e dialogada os conflitos, promovendo uma interacção respeitosa e equitativa a partir da linguagem inclusiva e não violenta e explicando e exercitando as principais normas, direitos, deveres e liberdades que fazem parte da Constituição espanhola e da União Europeia, e conhecendo a função que o Estado e as suas instituições desempenham na manutenção da paz, da segurança integral cidadã e no reconhecimento das vítimas da violência.

OBX7

▪ QUE3.4. Explicar o funcionamento geral dos órgãos de governo da câmara municipal, das comunidades autónomas, do Estado espanhol e da União Europeia, valorando as suas funções e a gestão dos serviços públicos para a cidadania.

OBX7

Conteúdos

▪ História e cultura das minorias étnicas presentes no nosso país: diversidade cultural e linguística da Galiza.

▪ A cultura da paz e não violência. O pensamento crítico como ferramenta para a análise dos conflitos de interesses. O reconhecimento das vítimas da violência.

▪ A organização política. Principais entidades políticas e administrativas da contorna local, provincial e autonómica na Galiza. Sistemas de representação e de participação política.

▪ A memória democrática. Análise multicausal do processo de construção da democracia em Espanha.

▪ Galiza. Principais instituições, valores e funções.

▪ Migrações e diversidade cultural. As principais variables demográficas e a sua representação gráfica. Os comportamentos da povoação e a sua evolução. Os movimentos migratorios e a apreciação da diversidade cultural. Contraste entre zonas urbanas e despoboamento rural.

▪ Igualdade de género e condutas não sexistas. Crítica dos estereótipos e róis nos diferentes âmbitos: académico, profissional, social e cultural. Acções para a igualdade efectiva entre mulheres e homens.

▪ Segurança viária. Normas básicas de circulação, sinais de trânsito e marcas viárias. Condutas e hábitos viários correctos. Causas e grupos de risco nos acidentes rodoviários.

Bloco 4. Lições do passado

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Valorar, proteger e mostrar atitudes de conservação e melhora do património natural e cultural através de propostas e acções que reflictam compromissos e condutas em favor da sustentabilidade.

OBX3

▪ QUE4.2. Analisar relações de causalidade, simultaneidade e sucessão entre diferentes elementos do meio social e cultural desde a Idade Média até a actualidade, situando cronologicamente os factos.

OBX5

▪ QUE4.3. Conhecer pessoas, grupos sociais relevantes e formas de vida das sociedades desde a Idade Média até a actualidade, incorporando a perspectiva de género, situando-as cronologicamente e identificando traços significativos sociais em diferentes épocas da história.

OBX5

Conteúdos

▪ As fontes históricas: classificação e utilização das diferentes fontes (orais, escritas, patrimoniais).

▪ O tempo histórico na Idade Média: o Caminho de Santiago, o Románico e o Gótico, duração e factos históricos, papel representado por sujeitos históricos (individuais e colectivos), acontecimentos e processos.

▪ O tempo histórico na Idade Moderna: as descobertas, o Renacemento e o Barroco, duração e factos históricos, papel representado por sujeitos históricos (individuais e colectivos), acontecimentos e processos.

▪ As expressões artísticas e culturais medievais, modernas e contemporâneas na Galiza e a sua contextualización histórica desde uma perspectiva de género. A função da arte e da cultura no mundo actual.

▪ O património natural e cultural como bem e recurso; o seu uso, cuidado e conservação.

6º curso.

Área de Ciências Sociais

Terceiro ciclo

6º curso

Bloco 1. Ciência e tecnologia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Utilizar recursos digitais de acordo com as necessidades do contexto educativo de forma segura e eficiente, buscando informação, comunicando-se e trabalhando de forma individual, em equipa e em rede.

OBX1

▪ QUE1.2. Formular perguntas e realizar predições razoadas sobre o meio natural, social ou cultural, mostrando e mantendo a curiosidade.

OBX2

▪ QUE1.3. Buscar, seleccionar e contrastar informação, de diferentes fontes seguras e fiáveis, usando os critérios de fiabilidade de fontes, adquirindo léxico cientista básico, utilizando-a em investigações relacionadas com o meio natural, social e cultural.

OBX2

▪ QUE1.4. Realizar experimentos guiados, utilizando diferentes técnicas de indagação e modelos, empregando de forma segura os instrumentos e dispositivos apropriados, realizando observações e medições precisas e registando-as correctamente.

OBX2

Conteúdos

▪ Fases da investigação científica (observação, formulação de perguntas e predições, planeamento e realização de experimentos, recolhida e análises de informação e dados, comunicação de resultados...). Iniciativa emprendedora.

▪ Técnicas para uma adequada exposição oral dos resultados de uma investigação, com claridade e ordem. Apresentação de resultados em formatos diversos.

▪ Vocabulário científico básico relacionado com as diferentes investigações. Realização de um glossário.

▪ Fomento da curiosidade, da iniciativa, da constância e do sentido da responsabilidade na realização das diferentes investigações.

▪ A relação entre os avanços em matemáticas, ciência, engenharia e tecnologia para compreender a evolução da sociedade no âmbito científico-tecnológico.

▪ Estratégias de procura e selecção de informação na internet seguras e eficientes (valoração, discriminação, selecção, organização e propriedade intelectual); reconhecimento de riscos associados a um uso inadequado e pautas de actuação.

▪ Estratégias de recolhida, armazenamento e representação de dados para facilitar a sua compreensão e análise, individual e cooperativamente, facilitando o diálogo e a resolução de conflitos.

Bloco 2. O mundo e o desenvolvimento sustentável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Identificar e analisar as características, a organização e as propriedades dos elementos do meio natural, social e cultural através da indagação, utilizando as ferramentas e os processos adequados.

OBX3

▪ QUE2.2. Estabelecer conexões singelas entre diferentes elementos do meio natural, social e cultural, mostrando compreensão das relações que se estabelecem.

OBX3

▪ QUE2.3. Promover estilos de vida sustentável e consequentes com o respeito, com os cuidados, com a corresponsabilidade e com a protecção das pessoas e do planeta, a partir da análise crítica da intervenção humana na contorna.

OBX4

▪ QUE2.4. Participar com atitude emprendedora na procura, no contraste e na avaliação de propostas para enfrentar problemas ecosociais, buscar soluções e actuar para a sua resolução, a partir da análise crítica das causas e consequências da intervenção humana na contorna.

OBX4

Conteúdos

▪ O futuro da Terra e do universo. Os fenômenos físicos relacionados com a Terra e com o universo e a sua repercussão na vida diária e na contorna. A exploração espacial e a observação do céu, a contaminação lumínica, a conscienciação pelo cuidado do meio.

▪ O clima e o planeta. Introdução à dinâmica atmosférica e às grandes áreas climáticas do mundo. Os principais ecosistema e as suas paisagens.

▪ A contorna que nos rodeia. A diversidade geográfica de Espanha e da Europa. Representação gráfica, visual e cartográfica através de meios e recursos analóxicos e digitais usando as tecnologias da informação geográfica (TIX).

▪ A mudança climática. Responsabilidade ecosocial. Ecodependencia, interdependencia e interrelación entre pessoas, sociedades e meio natural.

▪ Agenda Urbana. O desenvolvimento urbano sustentável. A cidade como espaço de convivência.

▪ Economia verde. A influência dos comprados (de bens, financeiro e laboral) na vida da cidadania. Os agentes económicos e os direitos laborais desde uma perspectiva de género. O valor social dos impostos. Responsabilidade social e ambiental das empresas. Publicidade, consumo responsável (necessidades e desejos) e direitos do consumidor.

▪ Estilos de vida sustentável: a pegada ecológica.

Bloco 3. Viver em sociedade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Analisar os processos geográficos, históricos e culturais que conformaram a sociedade actual, valorando a diversidade etnocultural ou afectivo-sexual e a coesão social, e mostrando empatía e respeito por outras culturas e pela igualdade de género.

OBX6

▪ QUE3.2. Promover atitudes de igualdade de género e condutas não sexistas, analisando e contrastando diferentes modelos na nossa sociedade.

OBX6

▪ QUE3.3. Resolver de forma pacífica e dialogada os conflitos, promovendo uma interacção respeitosa e equitativa a partir da linguagem inclusiva e não violenta e explicando e exercitando as principais normas, direitos, deveres e liberdades que fazem parte da Constituição espanhola e da União Europeia, e conhecendo a função que o Estado e as suas instituições desempenham na manutenção da paz, da segurança integral cidadã e no reconhecimento das vítimas da violência.

OBX7

▪ QUE3.4. Explicar o funcionamento geral dos órgãos de governo do município, das comunidades autónomas, do Estado espanhol e da União Europeia, valorando as suas funções e a gestão dos serviços públicos para a cidadania.

OBX7

Conteúdos

▪ História e cultura das minorias étnicas presentes no nosso país, particularmente as próprias do povo xitano. Reconhecimento da diversidade cultural e linguística de Espanha.

▪ Os princípios e valores dos direitos humanos e da infância, o Estatuto de autonomia da Galiza e a Constituição espanhola, direitos e deveres da cidadania. O contributo do Estado e das suas instituições à paz, à segurança integral e à cooperação internacional para o desenvolvimento.

▪ A organização política. Principais entidades políticas e administrativas da contorna local, autonómica e nacional em Espanha. Sistemas de representação e de participação política.

▪ Espanha e a União Europeia. Formas de governo. Fórmulas para a participação da cidadania na vida pública.

▪ Espanha e Europa. As principais instituições de Espanha e da União Europeia, dos seus valores e das suas funções. Os âmbitos de acção das instituições europeias e a sua repercussão na contorna.

▪ Cidadania activa. Fundamentos e princípios para a organização política e gestão do território em Espanha. Participação social e cidadã.

▪ Igualdade de género e condutas não sexistas. Crítica dos estereótipos e róis nos diferentes âmbitos: académico, profissional, social e cultural. Acções para a igualdade efectiva entre mulheres e homens: a discriminação positiva.

▪ Segurança viária. Normas básicas de circulação, sinais de trânsito e marcas viárias. Condutas e hábitos viários correctos. Causas e grupos de risco nos acidentes rodoviários.

Bloco 4. Lições do passado

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Valorar, proteger e mostrar atitudes de conservação e melhora do património natural e cultural através de propostas e acções que reflictam compromissos e condutas em favor da sustentabilidade.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.2. Analisar relações de causalidade, simultaneidade e sucessão entre diferentes elementos do meio social e cultural desde a Idade Média até a actualidade, situando cronologicamente os factos.

OBX5

▪ QUE4.3. Conhecer pessoas, grupos sociais relevantes e formas de vida das sociedades desde a Idade Média até a actualidade, incorporando a perspectiva de género, situando-as cronologicamente e identificando traços significativos sociais em diferentes épocas da história.

OBX5

▪ QUE4.4. Promover atitudes de igualdade de género e condutas não sexistas, analisando e contrastando diferentes modelos na nossa sociedade.

OBX6

Conteúdos

▪ As fontes históricas: classificação e utilização das diferentes fontes (orais, escritas, patrimoniais). As pegadas da história na contorna.

▪ Temas de relevo na história: Idade Contemporânea, transformações económicas, políticas, sociais e culturais, o papel representado pelos sujeitos históricos (individuais e colectivos), acontecimentos e processos.

▪ O papel da mulher na história e os principais movimentos em defesa dos seus direitos. Situação actual e reptos de futuro na igualdade de género.

▪ As expressões artísticas e culturais medievais, modernas e contemporâneas em Espanha e a sua contextualización histórica desde uma perspectiva de género. A função da arte e da cultura no mundo actual.

▪ O património natural e cultural como bem e recurso; o seu uso, cuidado e conservação.

2.8. Orientações pedagógicas.

A intervenção educativa na área de Ciências Sociais desenvolverá ou seu currículo e tratará de assentar de modo gradual e progressivo nos diferentes níveis da etapa as aprendizagens que lhe facilitem ao estudantado o sucesso dos objectivos da área e, em combinação com o resto das áreas, uma adequada aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa.

Neste sentido, no desenho das actividades, o professorado terá que considerar a relação existente entre os objectivos da área e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída e as linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem, que se apresentam nos apartados seguintes, e seleccionar aqueles critérios de avaliação do currículo que se ajustem à finalidade buscada, assim como empregá-los para verificar as aprendizagens do estudantado e o seu nível de desempenho.

Relação entre os objectivos da área de Ciências Sociais e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída estabelecidos no anexo I.

Objectivos

da área

Competências chave

CCL

CP

STEM

CD

CPSAA

CC

CE

CCEC

OBX1

3

4

1-2-3-4-5

4

OBX2

1-2-3

2-4

1-2

4

OBX3

1-2-4-5

1

4

1

1

OBX4

5

2-5

4

1-3-4

1

OBX5

3

4

4

1-3

2

1

OBX6

3

3

1-2-3

1

OBX7

5

1

1-2-3

1

Linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem.

– A realização de projectos significativos para o estudantado, usando diferentes estratégias e respeitando os ritmos de aprendizagem, partindo dos seus conhecimentos prévios, reforçando a autoestima, a autonomia, a curiosidade, a motivação e a responsabilidade sobre as próprias aprendizagens.

– A reflexão metodolóxica conjunta da que surja uma proposta de centro comum, com um enfoque global e interdisciplinar, que garanta o cumprimento dos princípios pedagógicos que se propõem desde a área de Ciências Sociais.

– O aproveitamento dos recursos próprios da contorna, partindo de aprendizagens mais simples para outras mais complexas e considerando as diferenças interculturais como um aspecto enriquecedor que achega possibilidades de aprendizagem.

– A introdução da aprendizagem serviço, para fomentar a aprendizagem activa através da participação do estudantado nas actividades comunitárias, involucrándose nas necessidades reais da sua contorna e melhorando-a, fazendo possível conectar o aprendido na sala de aulas com um contexto real.

– O trabalho individual e em equipa, cooperativo, que possibilite a resolução conjunta e colaborativa das tarefas e favoreça a participação do estudantado, fazendo-o protagonista das suas aprendizagens.

– Os princípios de normalização e inclusão, a atenção individualizada, a detecção precoz e a prevenção das dificuldades de aprendizagem como médios para garantir a atenção à diversidade, promovendo a sua coesão social.

– A inovação educativa como estratégia de experimentação, renovação e inovação curricular.

– A aplicação de diferentes técnicas para a avaliação do desempenho do estudantado, como, por exemplo, o porfolio, as rubricas, os mapas mentais, os diários, os debates, as provas específicas, as escalas de valoração...

– O emprego de personagens relevantes ao longo da história, no âmbito científico-tecnológico, ressaltando o papel das mulheres, incidindo especialmente nas de origem galega, desde uma perspectiva de género.

– O espírito crítico que permita conhecer porque há profissões tão feminizadas ou masculinizadas e a apresentação de pessoas que representem sucessos e rupturas de teitos de cristal no âmbito profissional.

3. Educação Física.

3.1. Introdução.

A Educação Física na etapa da educação primária prepara o estudantado para enfrentar uma série de reptos fundamentais que passam pela adopção de um estilo de vida activo, o conhecimento da própria corporalidade, o achegamento a manifestações culturais de carácter motor, a integração de atitudes ecosocialmente responsáveis ou o desenvolvimento de todos os processos de tomada de decisão que intervêm na resolução de situações motrices. Estes elementos contribuem a que o estudantado seja motrizmente competente, o que facilita o seu desenvolvimento integral, posto que a motricidade constitui um elemento essencial e indisociable da própria aprendizagem.

As competências estabelecidas no perfil de saída do estudantado ao remate do ensino básico, na sua adequação à etapa de educação primária, junto com os objectivos gerais da etapa, concretizaram o marco de actuação para definir os objectivos da área. Este elemento curricular converte-se no referente que se deve seguir para lhe dar forma a uma área que se pretende desenvolver de modo que seja mais competencial, mais actual e mais aliñada com as necessidades da cidadania para enfrentar os reptos e os desafios do século XXI.

Os objectivos da área de Educação Física na etapa de educação primária recolhem e sintetizan estes reptos, abordando a motricidade de forma mais estruturada para lhes dar continuidade aos sucessos e aos avanços experimentados pelo estudantado antes da sua escolarização obrigatória. A descoberta e a exploração da corporalidade, essenciais para as actuações que se desenvolvem desde o enfoque da psicomotricidade, dará passo a um tratamento mais preciso e em profundidade do corpo, que pretenderá sentar as bases para a aquisição de um estilo de vida activo e saudável que lhe permita ao estudantado chegar a consolidar hábitos na etapa de educação secundária obrigatória para, posteriormente, perpetuar ao longo da sua vida.

A motricidade, desde a integração dos componentes do esquema corporal, desenvolverá no seio de práticas motrices com diferentes lógicas internas, com objectivos variados e em contextos de certeza e incerteza. A resolução de situações motrices em diferentes espaços permitirá ao estudantado enfrentar a prática motriz com diferentes finalidades: lúdica e recreativa, agonística, funcional, social, expressivo e comunicativa, criativa, catártica ou de interacção com o meio urbano e natural.

Para abordar com possibilidades de sucesso as numerosas situações motrices a que se verá exposto o estudantado ao longo da sua vida, será preciso desenvolver de maneira integral capacidades de carácter cognitivo e motor, mas também afectivo-motivacional, de relações interpersoais e de inserção social. Deste modo, o estudantado terá que aprender a gerir as suas emoções e as suas habilidades sociais em contextos de prática motriz.

O estudantado também deverá reconhecer diferentes manifestações da cultura motriz, como parte relevante do património cultural, expressivo e artístico, que podem converter-se em objecto de desfruto e aprendizagem. Para isso, será preciso desenvolver a sua identidade pessoal e social integrando nela as manifestações mais comuns da cultura motriz, através de uma prática vivenciada e criativa. Isto contribuirá a manter e a enriquecer um espaço partilhado de carácter verdadeiramente intercultural num mundo cada vez mais globalizado.

O desenvolvimento de atitudes comprometidas com o ambiente e a sua materialização em comportamentos baseados na conservação e na sustentabilidade associarão com uma competência fundamental para a vinda em sociedade que deve começar a adoptar nesta etapa.

O grau de desenvolvimento e a consecução dos diferentes objectivos da área será avaliado através dos critérios que constituem o referente para levar a cabo este processo. A relação existente entre os critérios de avaliação e os conteúdos permitirá integrar e contextualizar a avaliação no seio das situações de aprendizagem ao longo da etapa.

Os critérios de avaliação e os conteúdos da área de Educação Física organizam-se em seis blocos, que se deverão desenvolver em diferentes contextos com o intuito de gerar situações de aprendizagem variadas.

O bloco 1, Vida activa e saudável, aborda os componentes físico, mental e social da saúde através do desenvolvimento de relações positivas em contextos funcional de prática físico-desportiva, incorporando a perspectiva de género, a aceitação do próprio corpo e a sua diversidade, rejeitando os comportamentos antisociais ou contrários à saúde que podem produzir nestes âmbitos e incidindo na importância da nutrição sã e responsável.

O bloco 2, Organização e gestão da actividade física, aborda seis componentes diferenciados: a eleição da prática física, a preparação da prática motriz, o planeamento e a autorregulação de projectos motores; o uso adequado do material, do espaço e das instalações e a gestão da segurança antes, durante e depois da actividade física e desportiva, e o conhecimento do próprio corpo e o seu envolvimento na prática desportiva.

O bloco 3, Resolução de problemas em situações motrices, tem um carácter transdisciplinar e aborda três aspectos chave: a tomada de decisões, o uso eficiente dos componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade e os processos de criatividade motriz. Estes saberes deverão desenvolver-se em contextos muito variados de prática que, em qualquer caso, responderão à lógica interna da acção motriz desde a que se desenharam os saberes: acções individuais, cooperativas, de oposição e de colaboração-oposição.

O bloco 4, Autorregulação emocional e interacção social em situações motrices, centra-se, por uma banda, no desenvolvimento dos processos dirigidos a regular a resposta emocional do estudantado ante situações derivadas da prática da actividade física e desportiva e, por outra, incide sobre o desenvolvimento das habilidades sociais e o fomento das relações construtivas e inclusivas entre os participantes neste tipo de contextos motrices, desterrando a competitividade.

O bloco 5, Manifestações da cultura motriz, abarca três componentes: o conhecimento da cultura motriz tradicional, a cultura artístico-expressivo contemporânea e o desporto como manifestação cultural, desde uma perspectiva integradora que inclua exemplos de pessoas e culturas diferentes.

O bloco 6, Interacção eficiente e sustentável com a contorna, incide sobre a interacção com o meio natural e urbano desde uma tripla vertente: o seu uso desde a motricidade, a sua conservação desde uma visão sustentável e o seu carácter partilhado desde uma perspectiva comunitária da contorna.

Pela influência vital do movimento na aprendizagem, recomenda-se o desenvolvimento de diferentes situações de aprendizagem que incorporem o movimento como recurso, assim como enfoques e projectos interdisciplinares na medida em que seja possível. Estas situações integrarão processos orientados à aquisição das competências e deverão enfocarse desde diferentes blocos, evitando centrar-se num de maneira exclusiva e, simultaneamente, desde a articulação com elementos plurais como as diferentes opções metodolóxicas de carácter participativo, os modelos pedagógicos, o tipo e o intuito das actividades expostas ou a organização dos grupos. Será igualmente importante ter em conta a regulação dos processos comunicativos, o desenvolvimento das relações interpersoais e da autoestima, a conversão de espaços e materiais em oportunidades de aprendizagem e a transferência do conhecimento adquirido a outros contextos sociais próximos que permitam comprovar o valor do aprendido, aspecto este último chave para uma sociedade justa e equitativa.

Todos estes processos devem estabelecer-se em função da interrelación dos contidos, do docente, do estudantado e do contexto em que se aplicam, mas sobretudo é preciso ter claro por que e para que se utilizam.

3.2. Objectivos.

Objectivos da área

OBX1. Adoptar um estilo de vida activo e saudável, praticando regularmente actividades físicas e desportivas e adoptando comportamentos que potenciem a saúde física, mental e social, assim como medidas de responsabilidade individual e colectiva durante a prática motriz para interiorizar e integrar hábitos de actividade física sistemática que contribuam ao bem-estar.

▪ Este objectivo encontra-se aliñado com os reptos do século XXI e com os objectivos de desenvolvimento sustentável. A sua aquisição alcançar-se-á através da participação activa numa variada gama de actividades físico-desportivas que, ademais de lhe proporcionar ao estudantado uma ampla bagagem de experimentação motriz, lhe darão a oportunidade de conhecer estratégias para vivenciar a prática em coerência com os referentes que servem de base para a promoção da saúde física, mental e social.

▪ O seu carácter transdisciplinar impregna a globalidade da área de Educação Física e pode abordar desde a participação activa, a alimentação e hidratación saudável, a educação postural, o cuidado do corpo, o autoconcepto, a autoestima, a imagem percebido no campo da actividade física e o desporto desde uma perspectiva de género ou desde a análise dos comportamentos antisociais e dos maus hábitos para a saúde que se produzem em contextos quotidianos e/ou vinculados com o desporto e com a prática de actividade física, entre outros. Existem diferentes fórmulas e contextos de aplicação para materializar estas aprendizagens, desde as práticas aeróbicas (correr a ritmo, jogos de carreira, cordas, aeróbic ou similares) e a análise de situações quotidianas (da contorna próxima ou em meios de comunicação), até as dinâmicas grupais reflexivas (debates ou análises críticos), os projectos interdisciplinares, a integração de normas de segurança e hábitos de higiene em práticas motrices quotidianas ou a simulação de protocolos de intervenção ante acidentes desportivos, entre outros.

OBX2. Adaptar os elementos próprios do esquema corporal, as capacidades físicas, perceptivo-motrices e coordinativas, assim como as habilidades e as destrezas motrices, aplicando processos de percepção, decisão e execução adequados à lógica interna e aos objectivos de diferentes situações, para dar resposta às demandas de projectos motores e de práticas motrices com diferentes finalidades em contextos da vida diária.

▪ Este objectivo implica começar a tomar decisões, definir metas, elaborar planos singelos, secuenciar acções, executar o planificado, analisar que ocorre durante o processo, mudar de estratégia se for preciso e valorar finalmente o resultado. Todas estas medidas levam-se a cabo no seio de práticas motrices com diferentes lógicas internas (individual, de cooperação, de oposição ou de colaboração-oposição), com objectivos variados e em situações de certeza e incerteza.

▪ Estas estratégias deverão desenvolver-se em contextos de prática muito variados. Entre eles, poderiam destacar-se os projectos e as montagens relacionados com as cordas, os malabares, as actividades acrobáticas ou as circenses, os desafios físicos cooperativos, os contos motores cooperativos, o jogo motor e a indagação, os espaços de acção e aventura, os ambientes de aprendizagem e, por suposto, os jogos desportivos. Em relação com estes últimos, é possível encontrar diferentes manifestações segundo as suas características, desde jogos desportivos de invasão (balonmán, basquete, ultimate ou rugby-etiqueta, entre outros), até jogos de rede e muro (voleibol, bádminton, frontenis, pickleball ou semelhantes), passando por desportos de campo e bate (basebol, softball etc.), de branco e diana (boccia, bolos ou modalidades autóctones ou similares), de luta (judo, esgrima, entre outros) ou de carácter individual (atletismo, natación, ciclismo e as suas modalidades). Deve-se procurar, na medida do possível e segundo o contexto particular de cada centro, que durante a etapa o estudantado participe em todas estas categorias e hão-se de priorizar em todo o caso as manifestações que destaquem pelo seu carácter misto ou inclusivo.

OBX3. Desenvolver processos de autorregulação e interacção no marco da prática motriz, com atitude empática e inclusiva, fazendo uso de habilidades sociais e atitudes de cooperação, respeito, trabalho em equipa e deportividade, com independência das diferenças etnoculturais, sociais, de género e de habilidade dos participantes, para contribuir à convivência social e ao compromisso ético nos diferentes espaços em que se participa.

▪ Este objectivo situa no ponto de convergência entre o pessoal, o social e o ético. Desde ele, põem-se em jogo a capacidade de manter um esforço constante e consciente ao serviço de metas pessoais ou de equipa, especialmente em contextos que requerem de esforço e perseverança, activando a automotivación e a atitude positiva para enfrentar reptos, regulando a impulsividade, tolerando a frustração e perseverando ante as dificuldades. Dentro do plano pessoal, supõe ademais a identificação das emoções que se vivem no seio da prática motriz, a expressão positiva destas e a sua gestão adequada para saber controlar e reconducir as emoções desagradables e fazê-las mais pracenteiras.

▪ O plano colectivo implica pôr em jogo habilidades sociais para enfrentar a interacção com as pessoas com as que se converxe na prática motriz. Trata-se de dialogar, debater, contrastar ideias e pôr-se de acordo para resolver situações, expressar propostas, pensamentos e emoções, escutar activamente e actuar com asertividade. Requer que o estudantado enfrente os conflitos mediante o diálogo, considerando também a perspectiva das outras pessoas implicadas e buscando soluções justas por consenso que satisfaçam as necessidades mínimas das partes implicadas. Requer igualmente que o estudantado identifique condutas contrárias à convivência e aplique estratégias para abordá-las. Este tipo de situações implica desenvolver um verdadeiro grau de empatía e actuar desde a prosocialidade, através de acções que buscam também o bem-estar alheio, valorando a realidade associada à prática motriz e actuando sobre ela desde parâmetros de liberdade exercida com responsabilidade, equidade, inclusão, respeito, solidariedade, cooperação, justiça e paz.

OBX4. Reconhecer e praticar diferentes manifestações lúdicas, físico-desportivas e artístico-expressivo próprias da cultura motriz, valorando a sua influência e as suas achegas estéticas e criativas à cultura tradicional e contemporânea, para integrar nas situações motrices que se utilizam regularmente na vida quotidiana.

▪ Este objectivo implica construir a identidade corporal, pessoal e social desde uma prática vivenciada que integra expressões culturais, como o jogo, o desporto, a dança e outras actividades artístico-expressivo vinculadas com a motricidade, assumindo que fazem parte do património cultural e que hão de ser objecto de reconhecimento, preservação, melhora e desfruto. Num mundo globalizado e marcado pelos movimentos migratorios, isto supõe enriquecer o acervo comum com as achegas das diferentes etnias e culturas que converxen num espaço sociohistórico, desde a mestizaxe cultural associada à interculturalidade.

▪ Existem numerosos contextos em que desenvolver esta competência. Assim, a cultura motriz tradicional poderia abordar-se através de jogos tradicionais, autóctones e populares, danças próprias do folclore tradicional, jogos multiculturais ou danças do mundo, entre outros. Para abordar a cultura artístico-expressivo contemporânea poderiam empregar-se técnicas expressivo concretas (como a improvisação, a mímica ou a pantomima), o teatro (dramatizacións, teatro de sombras, teatro de luz preta ou similares), representações mais elaboradas (jogos de rol ou actividades circenses, entre outros) ou actividades rítmico-musicais com carácter expressivo (bailes, coreografías ou outras expressões semelhantes). Finalmente, no que respeita ao deporte como manifestação cultural, ademais de abordar os jogos e os desportos tradicionais, autóctones e populares, e aqueles pertencentes a outras culturas, também se poderiam levar a cabo debates sobre verdadeiros estereótipos de género ainda presentes no desporto e como evitá-los.

OBX5. Valorar diferentes meios naturais e urbanos como contextos de prática motriz, interactuando com eles, compreendendo a importância da sua conservação desde um enfoque sustentável e adoptando medidas de responsabilidade individual durante a prática de jogos, de actividades físico-desportivas e de ocio, para realizar uma prática eficiente e respeitosa com a contorna e participar no seu cuidado e melhora.

▪ A adopção de hábitos sustentáveis com o ambiente e a sua conservação deve começar a produzir nesta etapa, incidindo especialmente naqueles gestos e condutas singelas que cada um pode fazer para fixar os supracitados hábitos. Este enfoque encontra, nas actividades físico-desportivas, um contexto muito favorável para mostrar o potencial que oferece a contorna, já seja natural ou urbana, para o desenvolvimento deste tipo de práticas.

▪ Este objectivo implica desenvolver conhecimentos, destrezas e atitudes para interactuar com o meio, participar na sua preservação e melhora e contribuir, desde o local, à sustentabilidade a escala global. Assim, no que respeita às contornas urbanas, existem manifestações como a patinaxe, o uso do monopatín, o patinete ou a dança urbana, entre outros, que podem constituir opções interessantes. No relativo ao meio natural, segundo a localização do centro, as suas possibilidades contextuais e a disponibilidade de acesso que tenham as diferentes localizações naturais tanto terrestres coma, se é o caso, aquáticas, é possível encontrar uma variada gama de contextos de aplicação, desde o sendeirismo, a escalada, o esqui, as actividades aquáticas, a orientação (também em espaços urbanos), o cicloturismo ou as rotas BTT, até a autoconstrución de materiais, o franqueamento de obstáculos ou a nodería, entre outros; todos eles enfrentados desde a óptica dos projectos dirigidos à interacção com a contorna.

3.3. Critérios de avaliação e conteúdos.

Primeiro ciclo.

1º curso.

Área de Educação Física

Primeiro ciclo

1º curso

Bloco 1. Vida activa e saudável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Identificar os deslocamentos activos como prática saudável, conhecendo os seus benefícios físicos para o estabelecimento de um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE1.2. Explorar as possibilidades da própria motricidade através do jogo, aplicando em diferentes situações quotidianas medidas básicas de cuidado da saúde pessoal através da higiene corporal e da educação postural.

OBX1

▪ QUE1.3. Conhecer os valores positivos que fomenta a prática motriz partilhada reconhecendo, vivenciando e desfrutando os seus benefícios em contextos variados e inclusivos e respeitando a todos os participantes independentemente das suas características individuais.

OBX1

▪ QUE1.4. Reconhecer a importância de desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, valorando a sua consecução a partir de uma análise dos resultados obtidos.

OBX2

▪ QUE1.5. Identificar as emoções que se produzem durante o jogo, tentando gerí-las e desfrutando da actividade física.

OBX3

▪ QUE1.6. Respeitar as normas consensuadas, assim como as regras de jogo, e actuar desde os parâmetros da deportividade, aceitando as características e os níveis dos participantes.

OBX3

▪ QUE1.7. Participar nas práticas motrices quotidianas, começando a desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação; iniciando na resolução de conflitos pessoais mediante o diálogo e mostrando um compromisso activo face à actuações contrárias à convivência.

OBX3

Conteúdos

▪ Saúde física:

– Efeitos físicos beneficiosos de um estilo de vida activo.

– Alimentação saudável e hidratación.

– Educação postural em situações quotidianas.

– Cuidado do corpo: a higiene pessoal e descanso trás a actividade física.

▪ Saúde social:

– A actividade física como prática social saudável.

– Direitos das crianças e das meninas no deporte escolar.

– Respeito para todas as pessoas, com independência das suas características pessoais.

▪ Saúde mental:

– Efeitos psicológicos beneficiosos de um estilo de vida activo.

– Bem-estar pessoal e na contorna através da motricidade.

– Autocoñecemento e identificação das fortalezas e debilidades em todos os âmbitos (social, físico e mental).

Bloco 2. Organização e gestão da actividade física

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Explorar as possibilidades da própria motricidade através do jogo, aplicando em diferentes situações quotidianas medidas básicas de cuidado da saúde pessoal através da higiene corporal e da educação postural.

OBX1

▪ QUE2.2. Participar em jogos de activação e volta à calma, reconhecendo a sua utilidade para adaptar o corpo à actividade física e evitar lesões.

OBX1

▪ QUE2.3. Conhecer os valores positivos que fomenta a prática motriz partilhada reconhecendo, vivenciando e desfrutando os seus benefícios em contextos variados e inclusivos e respeitando a todos os participantes independentemente das suas características individuais.

OBX1

▪ QUE2.4. Adoptar decisões em contextos de prática motriz de maneira ajustada segundo as circunstâncias.

OBX2

▪ QUE2.5. Descobrir, reconhecer e empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira lúdica e integrada em diferentes situações e contextos, melhorando progressivamente o seu controlo e o seu domínio corporal.

OBX2

▪ QUE2.6. Participar activamente em jogos e noutras manifestações artístico-expressivo de carácter cultural próprias da contorna, valorando o seu componente lúdico-feriado e desfrutando da sua posta em prática.

OBX4

▪ QUE2.7. Adaptar os diferentes usos comunicativos da corporalidade e as suas manifestações a diferentes ritmos e contextos expressivo.

OBX4

▪ QUE2.8. Participar em actividades lúdico-recreativas de forma segura nas contornas natural e urbana, conhecendo os usos que nos achegam a nível motriz e adoptando atitudes de respeito, cuidado e conservação das supracitadas contornas.

OBX5

Conteúdos

▪ Prática física: vivência de diversas experiências corporais em diferentes contextos.

▪ Uso e cuidado do material e dos espaços utilizados na actividade que se vá desenvolver.

▪ Preparação da prática motriz: vestimenta desportiva e hábitos gerais de higiene corporal.

▪ Prevenção de acidentes nas práticas motrices: jogos de activação, aquecimento e volta à calma.

Bloco 3. Resolução de problemas em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Identificar os deslocamentos activos como prática saudável, conhecendo os seus benefícios físicos para o estabelecimento de um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE3.2. Explorar as possibilidades da própria motricidade através do jogo, aplicando em diferentes situações quotidianas medidas básicas de cuidado da saúde pessoal através da higiene corporal e da educação postural.

OBX1

▪ QUE3.3. Descobrir, reconhecer e empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira lúdica e integrada em diferentes situações e contextos, melhorando progressivamente o seu controlo e o seu domínio corporal.

OBX2

▪ QUE3.4. Adaptar os diferentes usos comunicativos da corporalidade e as suas manifestações a diferentes ritmos e contextos expressivo.

OBX4

Conteúdos

▪ Esquema corporal:

– Consciência corporal.

– Lateralidade e a sua projecção no espaço.

– Coordinação óculo-pédica e óculo-manual.

– Equilíbrio estático e dinâmico.

▪ Técnicas básicas de respiração e relaxação/contracção para controlar o corpo e ser aplicadas em situações motrices quotidianas.

▪ Percepção espaço-temporário. Noções básicas (arriba-abaixo, enzima-debaixo, diante-detrás, perto-longe, dentro-fora, esquerda-direita) para orientar no espaço próximo.

▪ Habilidades e destrezas motrices básicas genéricas: locomotrices, não locomotrices e manipulativas.

▪ Capacidades físicas desde o âmbito lúdico e o jogo.

Bloco 4. Autorregulação emocional e interacção social em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Conhecer os valores positivos que fomenta a prática motriz partilhada reconhecendo, vivenciando e desfrutando os seus benefícios em contextos variados e inclusivos e respeitando a todos os participantes independentemente das suas características individuais.

OBX1

▪ QUE4.2. Identificar as emoções que se produzem durante o jogo, tentando gerí-las e desfrutando da actividade física.

OBX3

▪ QUE4.3. Respeitar as normas consensuadas, assim como as regras de jogo, e actuar desde os parâmetros da deportividade, aceitando as características e os níveis dos participantes.

OBX3

▪ QUE4.4. Participar nas práticas motrices quotidianas, começando a desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação; iniciando na resolução de conflitos pessoais mediante o diálogo e mostrando um compromisso activo face à actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

▪ QUE4.5. Conhecer e valorar os sucessos de diferentes referentes do desporto de ambos os géneros, reconhecendo o esforço, a dedicação e os sacrifícios requeridos para alcançar os supracitados sucessos.

OBX4

▪ QUE4.6. Participar em actividades lúdico-recreativas de forma segura na contorna natural e urbana, conhecendo os usos que nos achegam a nível motriz e adoptando atitudes de respeito, cuidado e conservação das supracitadas contornas.

OBX5

Conteúdos

▪ Grau de autonomia e autoconfianza: aumento da autonomia pessoal, melhora e afianzamento da confiança em sim mesmo e nos demais.

▪ Habilidades sociais: verbalización de emoções derivadas da interacção em contextos motrices.

▪ A respeito das regras de jogo.

▪ Condutas que favoreçam a convivência e a igualdade de género, inclusivas e da respeito dos demais, em situações motrices: estratégias de identificação de condutas contrárias à convivência ou discriminatorias.

Bloco 5. Manifestações da cultura motriz

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Descobrir, reconhecer e empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira lúdica e integrada em diferentes situações e contextos, melhorando progressivamente o seu controlo e o seu domínio corporal.

OBX2

▪ QUE5.2. Participar activamente em jogos e noutras manifestações artístico-expressivo de carácter cultural próprias da contorna, valorando o seu componente lúdico-feriado e desfrutando da sua posta em prática.

OBX4

▪ QUE5.3. Adaptar os diferentes usos comunicativos da corporalidade e as suas manifestações a diferentes ritmos e contextos expressivo.

OBX4

Conteúdos

▪ Achegas da cultura motriz à herança cultural. Os jogos e as danças como manifestação da própria cultura.

▪ Conhecimento e prática de bailes e jogos populares, tradicionais e autóctones da Galiza.

▪ Descoberta e exploração das possibilidades expressivo do corpo e do movimento.

▪ Prática de actividades rítmico-musicais com carácter artístico-expressivo.

Bloco 6. Interacção eficiente e sustentável com a contorna

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Conhecer os valores positivos que fomenta a prática motriz partilhada reconhecendo, vivenciando e desfrutando os seus benefícios em contextos variados e inclusivos e respeitando a todos os participantes independentemente das suas características individuais.

OBX1

▪ QUE6.2. Adoptar decisões em contextos de prática motriz de maneira ajustada segundo as circunstâncias.

OBX2

▪ QUE6.3. Descobrir, reconhecer e empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira lúdica e integrada em diferentes situações e contextos, melhorando progressivamente o seu controlo e o seu domínio corporal.

OBX2

▪ QUE6.4. Desfrutar de forma segura da contorna natural e urbana, conhecendo os usos que nos achega a nível motriz e adoptando atitudes de respeito, cuidado e conservação para eles durante o desenvolvimento de diferentes práticas lúdico-recreativas em diferente contextos.

OBX5

▪ QUE6.5. Utilizar de forma adequada o material, as instalações e os espaços nos que se realizam as actividades físicas, ajudando a mantê-los em bom estado.

OBX5

Conteúdos

▪ Normas de uso da via pública: educação viária para peões. Mobilidade segura, saudável e sustentável.

▪ Possibilidades de uso que achega o material para o desenvolvimento da prática motriz e conscienciação dos efeitos que se produzem sobre a contorna.

▪ Conservação das diferentes instalações e espaços usados para a prática motriz.

▪ Realização de actividades físicas seguras no meio natural e urbano.

▪ Cuidado e conservação da contorna próxima durante a prática de actividade física no meio natural e urbano.

2º curso.

Área de Educação Física

Primeiro ciclo

2º curso

Bloco 1. Vida activa e saudável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Identificar os deslocamentos activos como prática saudável, conhecendo os seus benefícios físicos para o estabelecimento de um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE1.2. Explorar as possibilidades da própria motricidade através do jogo, aplicando em diferentes situações quotidianas medidas básicas de cuidado da saúde pessoal através da higiene corporal e da educação postural.

OBX1

▪ QUE1.3. Conhecer os valores positivos que fomenta a prática motriz partilhada reconhecendo, vivenciando e desfrutando os seus benefícios em contextos variados e inclusivos e respeitando a todos os participantes independentemente das suas características individuais.

OBX1

▪ QUE1.4. Reconhecer a importância de estabelecer metas claras à hora de desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, valorando a sua consecução a partir de uma análise dos resultados obtidos.

OBX2

▪ QUE1.5. Identificar as emoções que se produzem durante o jogo, tentando gerí-las e desfrutando da actividade física.

OBX3

▪ QUE1.6. Respeitar as normas consensuadas, assim como as regras de jogo, e actuar desde os parâmetros da deportividade, aceitando as características e os níveis dos participantes.

OBX3

▪ QUE1.7. Participar nas práticas motrices quotidianas, começando a desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação; iniciando na resolução de conflitos pessoais mediante o diálogo e mostrando um compromisso activo face à actuações contrárias à convivência.

OBX3

Conteúdos

▪ Saúde física:

– Efeitos físicos beneficiosos de um estilo de vida activo.

– Alimentação saudável e hidratación.

– Educação postural em situações quotidianas.

– Cuidado do corpo: a higiene pessoal e o descanso trás a actividade física.

▪ Saúde social:

– A actividade física como prática social saudável.

– Direitos das crianças e das meninas no deporte escolar.

– Respeito para todas as pessoas com independência das suas características pessoais.

▪ Saúde mental:

– Efeitos psicológicos beneficiosos de um estilo de vida activo.

– Bem-estar pessoal e na contorna através da motricidade.

– Autocoñecemento e identificação de fortalezas e debilidades em todos os âmbitos (social, físico e mental).

Bloco 2. Organização e gestão da actividade física

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Identificar os deslocamentos activos como prática saudável, conhecendo os seus benefícios físicos para o estabelecimento de um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE2.2. Explorar as possibilidades da própria motricidade através do jogo, aplicando em diferentes situações quotidianas medidas básicas de cuidado da saúde pessoal através da higiene corporal e da educação postural.

OBX1

▪ QUE2.3. Participar em jogos de activação e volta à calma reconhecendo a sua utilidade para adaptar o corpo à actividade física e evitar lesões.

OBX1

▪ QUE2.4. Reconhecer a importância de desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, valorando a sua consecução a partir de uma análise dos resultados obtidos.

OBX2

▪ QUE2.5. Adoptar decisões em contextos de prática motriz de maneira ajustada segundo as circunstâncias.

OBX2

▪ QUE2.6. Descobrir, reconhecer e empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira lúdica e integrada em diferentes situações e contextos, melhorando progressivamente o seu controlo e o seu domínio corporal.

OBX2

▪ QUE2.7. Participar activamente em jogos e noutras manifestações artístico-expressivo de carácter cultural próprias da contorna, valorando o seu componente lúdico-feriado e desfrutando da sua posta em prática.

OBX4

▪ QUE2.8. Participar em actividades lúdico-recreativas de forma segura nas contornas natural e urbana, conhecendo os usos que nos achegam a nível motriz e adoptando atitudes de respeito, cuidado e conservação das supracitadas contornas.

OBX5

Conteúdos

▪ Prática física: vivência de diversas experiências corporais em diferentes contextos.

▪ Uso e cuidado do material e dos espaços utilizados na actividade que se vá desenvolver.

▪ Preparação da prática motriz: vestimenta desportiva e hábitos gerais de higiene corporal.

▪ Planeamento e autorregulação de projectos motores singelos: objectivos ou metas.

▪ Prevenção de acidentes nas práticas motrices: jogos de activação, aquecimento e volta à calma.

Bloco 3. Resolução de problemas em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Explorar as possibilidades da própria motricidade através do jogo, aplicando em diferentes situações quotidianas medidas básicas de cuidado da saúde pessoal através da higiene corporal e da educação postural.

OBX1

▪ QUE3.2. Adoptar decisões em contextos de prática motriz de maneira ajustada segundo as circunstâncias.

OBX2

▪ QUE3.3. Descobrir, reconhecer e empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira lúdica e integrada em diferentes situações e contextos, melhorando progressivamente o seu controlo e o seu domínio corporal.

OBX2

▪ QUE3.4. Participar activamente em jogos e noutras manifestações artístico-expressivo de carácter cultural próprias da contorna, valorando o seu componente lúdico-feriado e desfrutando da sua posta em prática.

OBX4

▪ QUE3.5. Adaptar os diferentes usos comunicativos da corporalidade e as suas manifestações a diferentes ritmos e contextos expressivo.

OBX4

Conteúdos

▪ Tomada de decisões em situações motrices diversas:

– Adequação das acções às capacidades e às limitações pessoais em situações motrices individuais.

– Coordinação de acções em situações cooperativas.

– Ajuste da acção à localização do adversário em situações motrices de perseguição e de interacção com um móvel.

– Selecção de acções para manter a posse, recuperar o telemóvel ou evitar que o atacante progrida em situações motrices de colaboração-oposição de perseguição e de interacção com um móvel.

– Decisão sobre a posição corporal e a distância adequadas em situações que impliquem oposição sem contacto e com contacto.

▪ Esquema corporal:

– Consciência corporal.

– Lateralidade e a sua projecção no espaço.

– Coordinação óculo-pédica e óculo-manual.

– Equilíbrio estático e dinâmico.

▪ Técnicas básicas de respiração e relaxação/contracção para controlar o corpo e ser aplicadas em diferentes situações motrices quotidianas.

▪ Percepção espaço-temporário. Noções básicas (arriba-abaixo, enzima-debaixo, diante-detrás, perto-longe, dentro-fora, esquerda-direita) para orientar no espaço.

▪ Capacidades físicas desde o âmbito lúdico e o jogo.

▪ Habilidades e destrezas motrices básicas genéricas: locomotrices, não locomotrices e manipulativas.

▪ Criatividade motriz: variação e adequação da acção motriz ante estímulos externos e internos.

Bloco 4. Autorregulação emocional e interacção social em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Conhecer os valores positivos que fomenta a prática motriz partilhada reconhecendo, vivenciando e desfrutando os seus benefícios em contextos variados e inclusivos e respeitando a todos os participantes independentemente das suas características individuais.

OBX1

▪ QUE4.2. Identificar as emoções que se produzem durante o jogo, tentando gerí-las e desfrutando da actividade física.

OBX3

▪ QUE4.3. Respeitar as normas consensuadas, assim como as regras de jogo, e actuar desde os parâmetros da deportividade, aceitando as características e os níveis dos participantes.

OBX3

▪ QUE4.4. Participar nas práticas motrices quotidianas, começando a desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação; iniciando na resolução de conflitos pessoais mediante o diálogo e mostrando um compromisso activo face à actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

▪ QUE4.5. Conhecer e valorar os sucessos de diferentes referentes do desporto de ambos os géneros, reconhecendo o esforço, a dedicação e os sacrifícios requeridos para alcançar os supracitados sucessos.

OBX4

▪ QUE4.6. Participar em actividades lúdico-recreativas de forma segura nas contornas natural e urbana, conhecendo os usos que nos achegam a nível motriz e adoptando atitudes de respeito, cuidado e conservação das supracitadas contornas.

OBX5

Conteúdos

▪ Gestão emocional: estratégias de identificação, experimentação e manifestação de emoções, pensamentos e sentimentos a partir de experiências motrices.

▪ Grau de autonomia e autoconfianza: aumento da autonomia pessoal, melhora e afianzamento da confiança em sim mesmo e nos demais.

▪ Habilidades sociais: verbalización de emoções derivadas da interacção em contextos motrices.

▪ A respeito das regras de jogo.

▪ Condutas que favoreçam a convivência e a igualdade de género, inclusivas e da respeito dos demais, em situações motrices: estratégias de identificação de condutas contrárias à convivência ou discriminatorias.

Bloco 5. Manifestações da cultura motriz

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Participar activamente em jogos e noutras manifestações artístico-expressivo de carácter cultural próprias da contorna, valorando o seu componente lúdico-feriado e desfrutando da sua posta em prática.

OBX4

▪ QUE5.2. Conhecer e valorar os sucessos de diferentes referentes do desporto de ambos os géneros, reconhecendo o esforço, a dedicação e os sacrifícios requeridos para alcançar os supracitados sucessos.

OBX4

▪ QUE5.3. Adaptar os diferentes usos comunicativos da corporalidade e as suas manifestações a diferentes ritmos e contextos expressivo.

OBX4

Conteúdos

▪ Achegas da cultura motriz à herança cultural. Os jogos e as danças como manifestação da própria cultura.

▪ Conhecimento e prática de bailes e jogos populares, tradicionais e autóctones da Galiza.

▪ Usos comunicativos da corporalidade: gestos, careta, posturas e outros.

▪ Descoberta e exploração das possibilidades expressivo do corpo e do movimento.

▪ Prática de actividades rítmico-musicais com carácter artístico-expressivo.

▪ Desporto e perspectiva de género: referentes no desporto de diferentes géneros.

Bloco 6. Interacção eficiente e sustentável com a contorna

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Explorar as possibilidades da própria motricidade através do jogo, aplicando em diferentes situações quotidianas medidas básicas de cuidado da saúde pessoal através da higiene corporal e da educação postural.

OBX1

▪ QUE6.2. Conhecer os valores positivos que fomenta a prática motriz partilhada reconhecendo, vivenciando e desfrutando os seus benefícios em contextos variados e inclusivos e respeitando a todos os participantes independentemente das suas características individuais.

OBX1

▪ QUE6.3. Adoptar decisões em contextos de prática motriz de maneira ajustada segundo as circunstâncias.

OBX2

▪ QUE6.4. Descobrir, reconhecer e empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira lúdica e integrada em diferentes situações e contextos, melhorando progressivamente o seu controlo e o seu domínio corporal.

OBX2

▪ QUE6.5. Participar em actividades lúdico-recreativas de forma segura nas contornas natural e urbana, conhecendo os usos que nos achegam a nível motriz e adoptando atitudes de respeito, cuidado e conservação das supracitadas contornas.

OBX5

▪ QUE6.6. Utilizar de forma adequada o material, as instalações e os espaços nos que se realizam as actividades físicas, ajudando a mantê-los em bom estado.

OBX5

Conteúdos

▪ Normas de uso da via pública: educação viária para peões. Mobilidade segura, saudável e sustentável.

▪ Possibilidades motrices dos espaços de jogo e esparexemento infantil.

▪ Possibilidades de uso que achega o material para o desenvolvimento da prática motriz e conscienciação dos efeitos que se produzem sobre a contorna.

▪ Conservação das diferentes instalações e espaços usados para a prática motriz.

▪ Realização de actividades físicas seguras no meio natural e urbano.

▪ Cuidado e conservação da contorna próxima durante a prática de actividade física no meio natural e urbano.

Segundo ciclo.

3º curso.

Área de Educação Física

Segundo ciclo

3º curso

Bloco 1. Vida activa e saudável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer a actividade física como alternativa de lazer saudável, identificando deslocamentos activos e sustentáveis e conhecendo os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social que supõe adoptar um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE1.2. Aplicar medidas de educação postural, alimentação saudável, higiene corporal e preparação da prática motriz, assumindo responsabilidades e gerando hábitos e rutinas em situações quotidianas.

OBX1

▪ QUE1.3. Reconhecer a própria imagem corporal e a dos demais, aceitando e respeitando as características individuais, superando e rejeitando as condutas discriminatorias que se possam produzir em contextos de prática motriz.

OBX1

▪ QUE1.4. Mostrar uma disposição positiva para a prática física e para o esforço, gerindo as emoções que surjam em contextos de actividade motriz.

OBX3

▪ QUE1.5. Desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação ao participar em práticas motrices variadas, resolvendo os conflitos individuais e colectivos de forma dialogada e justa e mostrando um compromisso activo face aos estereótipos e às actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

Conteúdos

▪ Saúde física:

– Efeitos físicos beneficiosos de um estilo de vida activo.

– Características dos alimentos naturais, processados e ultraprocesados.

– Hidratación na prática da actividade física.

– Educação postural em acções motrices habituais.

– Factores básicos que incidem no cuidado do corpo.

▪ Saúde social:

– A actividade física como hábito e alternativa saudável face a formas de lazer nocivas.

– Limites para evitar uma competitividade desmedida.

– Aceitação de diferentes tipoloxías corporais para praticar, em igualdade, diversidade de actividades físico-desportivas.

▪ Saúde mental:

– Efeitos psicológicos beneficiosos de um estilo de vida activo.

– Respeito e aceitação do próprio corpo.

– Autocoñecemento e identificação de fortalezas e debilidades ou possibilidades e limitações em todos os âmbitos (social, físico e mental).

Bloco 2. Organização e gestão da actividade física

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Aplicar medidas de educação postural, alimentação saudável, higiene corporal e preparação da prática motriz, assumindo responsabilidades e gerando hábitos e rutinas em situações quotidianas.

OBX1

▪ QUE2.2. Tomar medidas de precaução e prevenção de lesões em relação com a conservação e manutenção do material e com os espaços e instalações no marco das diferentes práticas físico-desportivas, conhecendo protocolos básicos de actuação ante acidentes que se possam produzir neste contexto.

OBX1

▪ QUE2.3. Realizar projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo empregando estratégias básicas de monitoraxe e seguimento que permitam analisar os resultados obtidos.

OBX2

▪ QUE2.4. Adoptar decisões em situações lúdicas, jogos e actividades desportivas, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores, das características do grupo e da lógica interna de situações individuais, de cooperação e de oposição e de colaboração-oposição, em contextos simulados de actuação.

OBX2

▪ QUE2.5. Desenvolver uma prática motriz segura em contextos naturais e urbanos de carácter terrestre ou aquático, adecuando as acções à análise de cada situação e aplicando medidas de conservação ambiental.

OBX5

Conteúdos

▪ Cuidado e preparação do material, das instalações e dos espaços que se vão utilizar segundo a actividade que se pretenda desenvolver.

▪ Consolidação de pautas de higiene pessoal relacionadas com a actividade física.

▪ Planeamento e autorregulação de projectos motores: mecanismos básicos para executar o planificado.

▪ Prevenção de acidentes nas práticas motrices: mecanismos de prevenção e controlo corporal para a prevenção de lesões.

Bloco 3. Resolução de problemas em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Realizar projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo empregando estratégias básicas de monitoraxe e seguimento que permitam analisar os resultados obtidos.

OBX2

▪ QUE3.2. Adoptar decisões em situações lúdicas, jogos e actividades desportivas, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores, das características do grupo e da lógica interna de situações individuais, de cooperação e de oposição, em contextos simulados de actuação.

OBX2

▪ QUE3.3. Empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade em diferentes contextos e situações motrices, adquirindo um progressivo controlo e domínio corporal sobre eles.

OBX2

▪ QUE3.4. Reproduzir diferentes combinações de movimentos ou coreografías individuais e grupais com intuito comunicativo e que transmitam sentimentos, emoções ou ideias através do corpo, empregando os diferentes recursos expressivo e rítmicos da corporalidade.

OBX4

▪ QUE3.5. Desenvolver uma prática motriz segura em contextos naturais e urbanos de carácter terrestre ou aquático, adecuando as acções à análise de cada situação e aplicando medidas de conservação ambiental.

OBX5

Conteúdos

▪ Tomada de decisões:

– Distribuição racional do esforço em situações motrices individuais.

– Localização no espaço em situações cooperativas.

– Posicionamento no espaço e recolocação trás cada acção em situações motrices de perseguição e de interacção com um móvel.

– Anticipação às decisões ofensivas do adversário em situações de oposição de contacto.

– Passe a colegas desmarcados ou em situação vantaxosa em situações motrices de colaboração-oposição, de perseguição e de interacção com um móvel.

▪ Esquema corporal:

– Controlo tónico-postural e independência segmentaria em situações motrices.

– Consciência e controlo do ritmo respiratório em diferentes actividades. Consciência dos diferentes tipos de respiração.

– Definição da lateralidade.

– Equilíbrio estático e dinâmico em situações a diversas alturas e sobre superfícies estáveis e instáveis.

– Coordinação dinâmica geral e segmentaria.

▪ Habilidades e destrezas motrices básicas: locomotrices, não locomotrices e manipulativas.

▪ Criatividade motriz: variação e adequação da acção motriz ante estímulos internos e externos.

Bloco 4. Autorregulação emocional e interacção social em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Mostrar uma disposição positiva para a prática física e para o esforço, gerindo as emoções que surjam em contextos de actividade motriz.

OBX3

▪ QUE4.2. Respeitar as normas consensuadas na classe, assim como as regras de jogo, actuando desde os parâmetros da deportividade e do jogo limpo e valorando as achegas dos participantes.

OBX3

▪ QUE4.3. Desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação ao participar em práticas motrices variadas, resolvendo os conflitos individuais e colectivos de forma dialogada e justa e mostrando um compromisso activo face aos estereótipos e às actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

▪ QUE4.4. Adquirir uma visão aberta do desporto para partir do conhecimento de diferentes ligas femininas, masculinas ou mistas, achegando ao desporto para partir do conhecimento de diferentes ligas femininas, masculinas ou mistas; conhecendo o desporto federado e identificando e rejeitando comportamentos contrários à convivência, independentemente do contexto no que tenham lugar.

OBX4

▪ QUE4.5. Reproduzir diferentes combinações de movimentos ou coreografías individuais e grupais com intuito comunicativo e que transmitam sentimentos, emoções ou ideias através do corpo, empregando os diferentes recursos expressivo e rítmicos da corporalidade.

OBX4

Conteúdos

▪ Gestão emocional: reconhecimento de emoções próprias, pensamentos e sentimentos a partir de experiências motrices.

▪ Autonomia pessoal e confiança nas próprias possibilidades: autoestima.

▪ Habilidades sociais: escuta activa e estratégias de negociação para a resolução de conflitos em contextos motrices.

▪ Condutas contrárias à convivência, discriminatorias ou sexistas em situações motrices (discriminação por questões de competência motriz, etnia, género ou outras): estratégias para a sua identificação e efeitos negativos que trazem consigo.

Bloco 5. Manifestações da cultura motriz

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade em diferentes contextos e situações motrices, adquirindo um progressivo controlo e domínio corporal sobre eles.

OBX2

▪ QUE5.2. Participar activamente em jogos motores e noutras manifestações artístico-expressivo com arraigamento na cultura própria, tradicional ou actual, assim como noutros procedentes de diversas culturas, contextualizando a sua origem, o seu aparecimento e a sua transmissão ao longo do tempo e valorando a sua importância, repercussão e influência nas sociedades passadas e presentes.

OBX4

▪ QUE5.3. Reproduzir diferentes combinações de movimentos ou coreografías individuais e grupais com intuito comunicativo e que transmitam sentimentos, emoções ou ideias através do corpo, empregando os diferentes recursos expressivo e rítmicos da corporalidade.

OBX4

Conteúdos

▪ Achegas da cultura motriz à herança cultural. Os jogos e as danças do mundo como manifestação da interculturalidade.

▪ Conhecimento e prática de bailes e jogos populares, tradicionais e autóctones da Galiza.

▪ Usos comunicativos da corporalidade: comunicação de sensações, sentimentos, emoções e ideias simples.

▪ Prática de actividades rítmico-musicais com carácter expressivo.

Bloco 6. Interacção eficiente e sustentável com a contorna

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Reconhecer a actividade física como alternativa de lazer saudável, identificando deslocamentos activos e sustentáveis e conhecendo os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social que supõe adoptar um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE6.2. Tomar medidas de precaução e prevenção de lesões em relação com a conservação e com a manutenção do material no marco das diferentes práticas físico-desportivas, conhecendo protocolos básicos de actuação ante acidentes que se possam produzir neste contexto.

OBX1

▪ QUE6.3. Empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade em diferentes contextos e situações motrices, adquirindo um progressivo controlo e domínio corporal sobre eles.

OBX2

▪ QUE6.4. Desenvolver uma prática motriz segura em contextos naturais e urbanos, adecuando as acções à análise de cada situação e aplicando medidas de conservação ambiental.

OBX5

Conteúdos

▪ Normas de uso: educação viária. Uso de meios de deslocamento com rodas. Mobilidade segura, saudável e sustentável.

▪ Espaços naturais no contexto urbano: uso, desfruto e manutenção.

▪ Material para actividades no meio natural e urbano: valoração prévia e actuação ante possíveis danos.

▪ Prevenção e sensibilização sobre a geração de resíduos, fomentando a construção e a reutilização de materiais para a prática motriz.

▪ Realização de actividades físicas no meio natural e urbano.

▪ Cuidado e conservação da contorna durante a prática de actividade física no meio natural e urbano.

4º curso.

Área de Educação Física

Segundo ciclo

4º curso

Bloco 1. Vida activa e saudável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer a actividade física como alternativa de lazer saudável, identificando deslocamentos activos e sustentáveis e conhecendo os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social que supõe adoptar um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE1.2. Aplicar medidas de educação postural, alimentação saudável, higiene corporal e preparação da prática motriz, assumindo responsabilidades e gerando hábitos e rutinas em situações quotidianas.

OBX1

▪ QUE1.3. Reconhecer a própria imagem corporal e a dos demais, aceitando e respeitando as características individuais e superando e rejeitando as condutas discriminatorias que se possam produzir em contextos de prática motriz.

OBX1

▪ QUE1.4. Mostrar uma disposição positiva para a prática física e para o esforço, gerindo as emoções que surjam em contextos de actividade motriz.

OBX3

▪ QUE1.5. Desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação ao participar em práticas motrices variadas, resolvendo os conflitos individuais e colectivos de forma dialogada e justa e mostrando um compromisso activo face aos estereótipos e às actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

Conteúdos

▪ Saúde física:

– Efeitos físicos e psicológicos beneficiosos de um estilo de vida activo.

– Características dos alimentos naturais, processados e ultraprocesados.

– Hidratación na prática da actividade física.

– Educação postural em acções motrices habituais.

– Factores básicos que incidem no cuidado do corpo.

▪ Saúde social:

– A actividade física como hábito e alternativa saudável face a formas de lazer nocivas.

– Limites para evitar uma competitividade desmedida.

– Aceitação de diferentes tipoloxías corporais para praticar, em igualdade, diversidade de actividades físico-desportivas.

▪ Saúde mental:

– Benefícios a nível psicológico de um estilo de vida activo.

– Respeito e aceitação do próprio corpo.

– Autocoñecemento e identificação de fortalezas e debilidades ou possibilidades e limitações em todos os âmbitos (social, físico e mental).

Bloco 2. Organização e gestão da actividade física

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Aplicar medidas de educação postural, alimentação saudável, higiene corporal e preparação da prática motriz, assumindo responsabilidades e gerando hábitos e rutinas em situações quotidianas.

OBX1

▪ QUE2.2. Tomar medidas de precaução e prevenção de lesões em relação com a conservação e manutenção do material, assim como dos espaços e instalações, no marco das diferentes práticas físico-desportivas, conhecendo protocolos básicos de actuação ante acidentes que se possam produzir neste contexto.

OBX1

▪ QUE2.3. Reconhecer a própria imagem corporal e a dos demais, aceitando e respeitando as características individuais e superando e rejeitando as condutas discriminatorias que se possam produzir em contextos de prática motriz.

OBX1

▪ QUE2.4. Realizar projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo empregando estratégias básicas de monitoraxe e seguimento que permitam analisar os resultados obtidos.

OBX2

▪ QUE2.5. Adoptar decisões em situações lúdicas, jogos e actividades desportivas, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores, das características do grupo e da lógica interna de situações individuais, de cooperação e de oposição, em contextos simulados de actuação.

OBX2

▪ QUE2.6. Respeitar as normas consensuadas na classe, assim como as regras de jogo, actuando desde os parâmetros da deportividade e do jogo limpo e valorando as achegas dos participantes.

OBX3

▪ QUE2.7. Desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação ao participar em práticas motrices variadas, resolvendo os conflitos individuais e colectivos de forma dialogada e justa e mostrando um compromisso activo face aos estereótipos e às actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

▪ QUE2.8. Desenvolver uma prática motriz segura em contextos naturais e urbanos de carácter terrestre ou aquático, adecuando as acções à análise de cada situação e aplicando medidas de conservação ambiental.

OBX5

Conteúdos

▪ Eleição da prática física: usos e finalidades catárticos, lúdico-recreativos e cooperativos. A respeito da eleições dos demais.

▪ Cuidado e preparação do material, espaços e instalações que se vão utilizar segundo a actividade que se pretenda desenvolver.

▪ Consolidação de pautas de higiene pessoal relacionadas com a actividade física.

▪ Planeamento e autorregulação de projectos motores: mecanismos básicos para executar o planificado.

▪ Prevenção de acidentes nas práticas motrices: mecanismos de prevenção e controlo corporal para a prevenção de lesões.

Bloco 3. Resolução de problemas em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Realizar projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo empregando estratégias básicas de monitoraxe e seguimento que permitam analisar os resultados obtidos.

OBX2

▪ QUE3.2. Adoptar decisões em situações lúdicas, jogos e actividades desportivas, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores, das características do grupo e da lógica interna de situações individuais, de cooperação e de oposição, em contextos simulados de actuação.

OBX2

▪ QUE3.3. Empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade em diferentes contextos e situações motrices, adquirindo um progressivo controlo e domínio corporal sobre eles.

OBX2

▪ QUE3.4. Reproduzir diferentes combinações de movimentos ou coreografías individuais e grupais com intuito comunicativo e que transmitam sentimentos, emoções ou ideias através do corpo, empregando os diferentes recursos expressivo e rítmicos da corporalidade.

OBX4

▪ QUE3.5. Desenvolver uma prática motriz segura em contextos naturais e urbanos de carácter terrestre ou aquático, adecuando as acções à análise de cada situação e aplicando medidas de conservação ambiental.

OBX5

Conteúdos

▪ Tomada de decisões:

– Distribuição racional do esforço em situações motrices individuais.

– Localização no espaço em situações cooperativas.

– Posicionamento no espaço e recolocação trás cada acção em situações motrices de perseguição e de interacção com um móvel.

– Anticipação às decisões ofensivas do adversário em situações de oposição de contacto.

– Passe a colegas desmarcados ou em situação vantaxosa em situações motrices de colaboração-oposição, de perseguição e de interacção com um móvel.

▪ Esquema corporal.

– Controlo tónico-postural e independência segmentaria em situações motrices.

– Consciência e controlo do ritmo respiratório em diferentes actividades. Consciência dos diferentes tipos de respiração.

– Definição da lateralidade.

– Equilíbrio estático e dinâmico em situações a diversas alturas e sobre superfícies estáveis e instáveis.

– Coordinação dinâmica geral e segmentaria.

▪ Capacidades condicionais: capacidades físicas básicas.

▪ Habilidades e destrezas motrices básicas: locomotrices, não locomotrices e manipulativas. Combinação de habilidades.

▪ Criatividade motriz: variação e adequação da acção motriz ante estímulos internos e externos.

Bloco 4. Autorregulação emocional e interacção social em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Mostrar uma disposição positiva para a prática física e para o esforço, controlando a impulsividade e as emoções negativas que surjam em contextos de actividade motriz.

OBX3

▪ QUE4.2. Respeitar as normas consensuadas na classe, assim como as regras de jogo, actuando desde os parâmetros da deportividade e do jogo limpo e valorando a achega dos participantes.

OBX3

▪ QUE4.3. Desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação ao participar em práticas motrices variadas, resolvendo os conflitos individuais e colectivos de forma dialogada e justa e mostrando um compromisso activo face aos estereótipos e às actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

▪ QUE4.4. Adquirir uma visão aberta do desporto para partir do conhecimento de diferentes ligas femininas, masculinas ou mistas, achegando-se ao deporte federado e identificando e rejeitando comportamentos contrários à convivência, independentemente do contexto no que tenham lugar.

OBX4

▪ QUE4.5. Reproduzir diferentes combinações de movimentos ou coreografías individuais e grupais com intuito comunicativo e que transmitam sentimentos, emoções ou ideias através do corpo, empregando os diferentes recursos expressivo e rítmicos da corporalidade.

OBX4

Conteúdos

▪ Gestão emocional: reconhecimento de emoções próprias, pensamentos e sentimentos a partir de experiências motrices.

▪ Autonomia pessoal e confiança nas próprias possibilidades: autoestima.

▪ Habilidades sociais: escuta activa e estratégias de negociação para a resolução de conflitos em contextos motrices.

▪ Conceito de deportividade.

▪ Condutas contrárias à convivência, discriminatorias ou sexistas, em situações motrices (discriminação por questões de competência motriz, etnia, género ou outras): estratégias para a sua identificação e efeitos negativos que levam consigo.

Bloco 5. Manifestações da cultura motriz

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade em diferentes contextos e situações motrices, adquirindo um progressivo controlo e domínio corporal sobre eles.

OBX2

▪ QUE5.2. Desenvolver habilidades sociais de acolhida, inclusão, ajuda e cooperação ao participar em práticas motrices variadas, resolvendo os conflitos individuais e colectivos de forma dialogada e justa e mostrando um compromisso activo face aos estereótipos e às actuações discriminatorias e de violência.

OBX3

▪ QUE5.3. Participar activamente em jogos motores e noutras manifestações artístico-expressivo com arraigamento na cultura própria, tradicional ou actual, assim como noutros procedentes de diversas culturas, contextualizando a sua origem, o seu aparecimento e a sua transmissão ao longo do tempo e valorando a sua importância, repercussão e influência nas sociedades passadas e presentes.

OBX4

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.4. Adquirir uma visão aberta do desporto para partir do conhecimento de diferentes ligas femininas, masculinas ou mistas, achegando-se ao deporte federado e identificando e rejeitando comportamentos contrários à convivência, independentemente do contexto no que tenham lugar.

OBX4

▪ QUE5.5. Reproduzir diferentes combinações de movimentos ou coreografías individuais e grupais com intuito comunicativo e que transmitam sentimentos, emoções ou ideias através do corpo, empregando os diferentes recursos expressivo e rítmicos da corporalidade.

OBX4

Conteúdos

▪ Achegas da cultura motriz à herança cultural. Os jogos e as danças do mundo como manifestação da interculturalidade.

▪ Conhecimento e prática de bailes e jogos populares, tradicionais e autóctones da Galiza.

▪ Usos comunicativos da corporalidade: comunicação de sensações, sentimentos, emoções e ideias simples.

▪ Prática de actividades rítmico-musicais com carácter expressivo.

▪ Desporto e perspectiva de género: ligas masculinas, femininas e mistas de diferentes desportos. Referentes no desporto de diferentes géneros.

Bloco 6. Interacção eficiente e sustentável com a contorna

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Reconhecer a actividade física como alternativa de lazer saudável, identificando deslocamentos activos e sustentáveis e conhecendo os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social que supõe adoptar um estilo de vida activo.

OBX1

▪ QUE6.2. Tomar medidas de precaução e prevenção de lesões em relação com a conservação e com a manutenção do material no marco das diferentes práticas físico-desportivas, conhecendo protocolos básicos de actuação ante acidentes que se possam produzir neste contexto.

OBX1

▪ QUE6.3. Empregar os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade em diferentes contextos e situações motrices, adquirindo um progressivo controlo e domínio corporal sobre eles.

OBX2

▪ QUE6.4. Desenvolver uma prática motriz segura em contextos naturais e urbanos, adecuando as acções à análise de cada situação e aplicando medidas de conservação ambiental.

OBX5

Conteúdos

▪ Normas de uso: educação viária. Uso de meios de deslocamento com rodas. Mobilidade segura, saudável e sustentável.

▪ Espaços naturais no contexto urbano: uso, desfruto e manutenção.

▪ Material para actividades no meio natural e urbano: valoração prévia e actuação ante possíveis danos.

▪ Prevenção e sensibilização sobre a geração de resíduos, fomentando a construção e a reutilização de materiais para a prática motriz.

▪ Realização de actividades físicas no meio natural e urbano.

▪ Cuidado e conservação da contorna durante a prática de actividade física no meio natural e urbano.

Terceiro ciclo.

5º curso.

Área de Educação Física

Terceiro ciclo

5º curso

Bloco 1. Vida activa e saudável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social da actividade física, como passo prévio para a sua integração na vida diária.

OBX1

▪ QUE1.2. Integrar os processos de activação corporal, dosificación do esforço, relaxação e higiene na prática de actividades motrices, interiorizando as rutinas próprias de uma prática motriz saudável e responsável.

OBX1

▪ QUE1.3. Identificar e abordar condutas vinculadas ao âmbito corporal, à actividade física e ao deporte que afectem negativamente a saúde e a convivência, adoptando posturas de rejeição à violência, à discriminação e aos estereótipos de género e evitando activamente a sua reprodução.

OBX1

▪ QUE1.4. Adquirir hábitos de vida saudáveis (alimentação equilibrada, hidratación adequada e actividade física regular) e convertê-los em algo perdurável ao longo de toda a vida.

OBX1

▪ QUE1.5. Adquirir um progressivo controlo e domínio corporal, empregando os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira eficiente e criativa e fazendo frente às demandas de resolução de problemas em situações motrices diversas transferibles ao seu espaço vivencial.

OBX2

▪ QUE1.6. Conviver mostrando no contexto das práticas motrices habilidades sociais, diálogo na resolução de conflitos e respeito ante a diversidade, já seja de género, afectivo-sexual, cultural, de origem nacional, étnica, socioeconómica ou de competência motriz, e mostrando uma atitude crítica e um compromisso activo face aos estereótipos, às actuações discriminatorias e à violência, com especial fincapé no fomento da igualdade de género.

OBX3

▪ QUE1.7. Valorar o desporto como fenômeno cultural analisando criticamente os estereótipos de género ou capacidade e os comportamentos sexistas que às vezes sucedem no seu contexto, rejeitando-os e adoptando atitudes que evitem a sua reprodução no futuro.

OBX4

Conteúdos

▪ Saúde física:

– Efeitos físicos beneficiosos do estilo de vida activo.

– Impacto dos alimentos ultraprocesados e das bebidas pouco saudáveis.

– Educação postural em acções motrices específicas.

– Responsabilidade pessoal no cuidado do corpo.

▪ Saúde social:

– Efeitos sociais beneficiosos do estilo de vida activo.

– Aproximação aos efeitos dos hábitos não saudáveis e influência na prática da actividade física.

– Desporto profissional: dimensão social.

– Aceitação de diferentes tipoloxías corporais para praticar, em igualdade, diversidade de actividades físico-desportivas.

– Estereótipos corporais, de género e competência motriz.

▪ Saúde mental:

– Efeitos psicológicos beneficiosos do estilo de vida activo.

– Consolidação e ajuste realista do autoconcepto tendo em conta a perspectiva de género.

– Respeito e aceitação do próprio corpo e do aspecto corporal dos demais.

Bloco 2. Organização e gestão da actividade física

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Reconhecer os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social da actividade física, como passo prévio para a sua integração na vida diária.

OBX1

▪ QUE2.2. Integrar os processos de activação corporal, dosificación do esforço, relaxação e higiene na prática de actividades motrices, interiorizando as rutinas próprias de uma prática motriz saudável e responsável.

OBX1

▪ QUE2.3. Adoptar medidas de segurança antes, durante e depois da prática de actividade física, aplicando actuações básicas de primeiros auxílios, reconhecendo os contextos de risco e actuando com precaução ante eles.

OBX1

▪ QUE2.4. Desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, definindo metas, secuenciando acções, introduzindo se é preciso mudanças durante o processo, gerando produções motrices de qualidade e valorando o grau de ajuste ao processo seguido e ao resultado obtido.

OBX2

▪ QUE2.5. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou em simulados de actuação, e reflectindo sobre as soluções obtidas.

OBX2

▪ QUE2.6. Participar em actividades de carácter motor desde a autorregulação da sua actuação, com predisposição, esforço, perseverança e mentalidade de crescimento, actuando reflexivamente, gerindo as emoções e expressando-as de forma asertiva.

OBX3

Conteúdos

▪ Usos e finalidades: catárticos, lúdico-recreativos, competitivos e agonísticos.

▪ Atitudes consumistas a respeito do equipamento. Análise crítica da aquisição de material para a prática físico-desportiva.

▪ Utilização adequada e cuidado do material, espaços e instalações na prática da actividade física.

▪ Hábitos autónomos de higiene corporal e postural em acções quotidianas.

▪ Planeamento e autorregulação de projectos motores: seguimento e valoração durante o processo e o resultado.

▪ Uso de ferramentas ou plataformas digitais.

▪ Prevenção de acidentes e lesões nas práticas motrices: aquecimento geral, dosificación do esforço e volta à calma. Importância de respeitar as normas de segurança. Compromisso de responsabilidade para a segurança própria e à dos demais.

▪ Actuações básicas de primeiros auxílios ante acidentes e lesões durante a prática da actividade física. Posição lateral de segurança. Conduta PÁS (proteger, avisar, socorrer).

Bloco 3. Resolução de problemas em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, definindo metas, secuenciando acções, introduzindo se é preciso mudanças durante o processo, gerando produções motrices de qualidade e valorando o grau de ajuste ao processo seguido e ao resultado obtido.

OBX2

▪ QUE3.2. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou em simulados de actuação.

OBX2

▪ QUE3.3. Adquirir um progressivo controlo e domínio corporal, empregando os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira eficiente e criativa e fazendo frente às demandas de resolução de problemas em situações motrices diversas transferibles ao seu espaço vivencial.

OBX2

▪ QUE3.4. Reproduzir e criar composições com ou sem suporte musical e comunicar diferentes sensações, emoções e ideias, de forma estética e criativa, desde o uso dos recursos rítmicos e expressivo da motricidade.

OBX4

▪ QUE3.5. Adaptar as acções motrices à incerteza própria do meio natural e urbano em contextos terrestres ou aquáticos de forma eficiente e segura, valorando as suas possibilidades para a prática de actividade física e actuando desde uma perspectiva ecosustentable da contorna e comunitária.

OBX5

Conteúdos

▪ Tomada de decisões:

– Selecção de acções em função da contorna em situações motrices individuais.

– Adequação de acções para o ajuste espaço-temporário na interacção com os colegas em situações cooperativas.

– Selecção de zonas de envio do móvel desde onde seja difícil devolvê-lo, em situações motrices de perseguição e de interacção com um móvel.

– Eleição adequada das habilidades motrices em situações de oposição de contacto.

– Desmarque e localização num lugar desde o que constitua um apoio para os demais em situações motrices de colaboração-oposição de perseguição e de interacção com um móvel.

▪ Esquema corporal:

– Equilíbrio estático e dinâmico em situações complexas ou superfícies instáveis.

– Estruturación espacial, percepção de objectos e de distâncias, orientação, percepção e interceptação de trajectórias, agrupamento-dispersão e transposición.

– Estruturación temporário e espaço-temporário, percepção de durações, de velocidade, de intervalos, de estruturas e de ritmo.

– Domínio e controlo motor em situações complexas e desconhecidas.

▪ Capacidades condicionais: capacidades físicas básicas e resultantes (coordinação, equilíbrio e axilidade).

▪ Iniciação das habilidades motrices específicas associadas à técnica em actividades físico-desportivas: aspectos principais.

▪ Criatividade motriz: Identificação de estímulos internos ou externos que exixir um reaxuste instantáneo da acção motriz.

Bloco 4. Autorregulação emocional e interacção social em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Identificar e abordar condutas vinculadas ao âmbito corporal, à actividade física e ao deporte que afectem negativamente a saúde e a convivência, adoptando posturas de rejeição à violência, à discriminação e aos estereótipos de género e evitando activamente a sua reprodução.

OBX1

▪ QUE4.2. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou em simulados de actuação, e reflectindo sobre as soluções obtidas.

OBX2

▪ QUE4.3. Participar em actividades de carácter motor desde a autorregulação da sua actuação, com predisposição, esforço, perseverança e mentalidade de crescimento, actuando reflexivamente, gerindo as emoções e expressando-as de forma asertiva.

OBX3

▪ QUE4.4. Respeitar as normas consensuadas, assim como as regras dos jogos, e actuar desde os parâmetros da deportividade e do jogo limpo, reconhecendo as actuações dos colegas e dos rivais.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.5. Conviver mostrando no contexto das práticas motrices habilidades sociais, diálogo na resolução de conflitos e respeito ante a diversidade, já seja de género, afectivo-sexual, cultural, de origem nacional, étnica, socioeconómica ou de competência motriz, e mostrando uma atitude crítica e um compromisso activo face aos estereótipos, às actuações discriminatorias e à violência, com especial fincapé no fomento da igualdade de género.

OBX3

▪ QUE4.6. Valorar o desporto como fenômeno cultural analisando criticamente os estereótipos de género ou capacidade e os comportamentos sexistas que às vezes sucedem no seu contexto, rejeitando-os e adoptando atitudes que evitem a sua reprodução no futuro.

OBX4

Conteúdos

▪ Gestão emocional: autoestima, ansiedade e situações motrices. Estratégias de afrontamento e gestão.

▪ Autonomia e autoconfianza: aumento da autonomia pessoal, melhora e afianzamento da confiança em sim mesmo e nos demais durante a prática motriz.

▪ Habilidades sociais: estratégias de trabalho em equipa para a resolução construtiva de conflitos nas diversas situações motrices.

▪ Conceito de fairplay ou jogo limpo.

▪ Identificação e rejeição de condutas contrárias à convivência em situações motrices (discriminação por questões de género, de capacidade, de competência motriz; atitudes xenófobas, racistas ou de índole sexista; abuso sexual ou qualquer forma de violência).

Bloco 5. Manifestações da cultura motriz

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, definindo metas, secuenciando acções, introduzindo se é preciso mudanças durante o processo, gerando produções motrices de qualidade e valorando o grau de ajuste ao processo seguido e ao resultado obtido.

OBX2

▪ QUE5.2. Participar em actividades de carácter motor, desde a autorregulação da sua actuação, com predisposição, esforço, perseverança e mentalidade de crescimento, actuando reflexivamente, gerindo as emoções e expressando-as de forma asertiva.

OBX3

▪ QUE5.3. Participar activamente em jogos motores e noutras manifestações artístico-expressivo com arraigamento na cultura própria, tradicional ou actual, assim como noutros procedentes de diversas culturas, reconhecendo e transmitindo o seu valor cultural e o seu potencial como espaço gerador de interacções construtivas entre pessoas com origens diferentes e percebendo as vantagens da sua conservação.

OBX4

▪ QUE5.4. Valorar o desporto como fenômeno cultural analisando criticamente os estereótipos de género ou capacidade e os comportamentos sexistas que às vezes sucedem no seu contexto, rejeitando-os e adoptando atitudes que evitem a sua reprodução no futuro.

OBX4

▪ QUE5.5. Reproduzir e criar composições com ou sem suporte musical e comunicar diferentes sensações, emoções e ideias, de forma estética e criativa, desde o uso dos recursos rítmicos e expressivo da motricidade.

OBX4

Conteúdos

▪ Achegas da cultura motriz à herança cultural. Os desportos e os jogos tradicionais populares e autóctones como sinal de identidade cultural.

▪ Conhecimento e execução de bailes e danças populares da Galiza, de Espanha e do mundo.

▪ Usos comunicativos da corporalidade: comunicação de sensações, sentimentos, emoções e ideias complexas.

▪ Prática de actividades rítmico-musicais com carácter expressivo.

Bloco 6. Interacção eficiente e sustentável com a contorna

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Reconhecer os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social da actividade física, como passo prévio para a sua integração na vida diária.

OBX1

▪ QUE6.2. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou em simulados de actuação, e reflectindo sobre as soluções obtidas.

OBX2

▪ QUE6.3. Adaptar as acções motrices à incerteza própria do meio natural e urbano em contextos terrestres ou aquáticos de forma eficiente e segura, valorando as suas possibilidades para a prática de actividade física e actuando desde uma perspectiva ecosustentable da contorna e comunitária.

OBX5

Conteúdos

▪ Normas de uso: a educação viária desde a actividade física e desportiva.

▪ Transporte activo e sustentável: bicicletas, patíns, patinetes.

▪ Construção e reutilização de materiais para a prática motriz, fomentando a sensibilização sobre a geração de resíduos.

▪ Realização de actividades físicas no meio natural e urbano.

▪ Cuidado e conservação da contorna durante a prática de actividade física no meio natural e urbano.

6º curso.

Área de Educação Física

Terceiro ciclo

6º curso

Bloco 1. Vida activa e saudável

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social da actividade física, como passo prévio para a sua integração na vida diária.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.2. Integrar os processos de activação corporal, dosificación do esforço, relaxação e higiene na prática das actividades motrices, interiorizando as rutinas próprias de uma prática motriz saudável e responsável.

OBX1

▪ QUE1.3. Identificar e abordar condutas vinculadas ao âmbito corporal, à actividade física e ao deporte que afectem negativamente a saúde e a convivência, adoptando posturas de rejeição à violência, à discriminação e aos estereótipos de género e evitando activamente a sua reprodução.

OBX1

▪ QUE1.4. Adquirir hábitos de vida saudáveis (alimentação equilibrada, hidratación adequada e actividade física regular) e convertê-los em algo perdurável ao longo de toda a vida.

OBX1

▪ QUE1.5. Adquirir um progressivo controlo e domínio corporal, empregando os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira eficiente e criativa e fazendo frente às demandas de resolução de problemas em situações motrices diversas transferibles ao seu espaço vivencial.

OBX2.

▪ QUE1.6. Conviver mostrando no contexto das práticas motrices habilidades sociais, diálogo na resolução de conflitos e respeito ante a diversidade, já seja de género, afectivo-sexual, cultural, de origem nacional, étnica, socioeconómica ou de competência motriz, e mostrando uma atitude crítica e um compromisso activo face aos estereótipos, às actuações discriminatorias e à violência, com especial fincapé no fomento da igualdade de género.

OBX3

▪ QUE1.7. Valorar o desporto como fenômeno cultural analisando criticamente os estereótipos de género e os comportamentos sexistas que às vezes sucedem no seu contexto, rejeitando-os e adoptando atitudes que evitem a sua reprodução no futuro.

OBX4

Conteúdos

▪ Saúde física:

– Efeitos físicos beneficiosos do estilo de vida activo.

– Impacto dos alimentos ultraprocesados e das bebidas pouco saudáveis.

– Educação postural em acções motrices específicas.

– Responsabilidade pessoal no cuidado do corpo.

▪ Saúde social:

– Efeitos sociais beneficiosos do estilo de vida activo.

– Aproximação aos efeitos dos hábitos não saudáveis e influência na prática de actividade física.

– Desporto profissional: dimensão social.

– Aceitação de diferentes tipoloxías corporais para praticar, em igualdade, diversidade de actividades físico-desportivas.

– Estereótipos corporais, de género e competência motriz.

▪ Saúde mental:

– Efeitos psicológicos beneficiosos do estilo de vida activo.

– Consolidação e ajuste realista do autoconcepto tendo em conta a perspectiva de género.

– Respeito e aceitação do próprio corpo e do aspecto corporal dos demais.

Bloco 2. Organização e gestão da actividade física

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Reconhecer os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social da actividade física, como passo prévio para a sua integração na vida diária.

OBX1

▪ QUE2.2. Integrar os processos de activação corporal, dosificación do esforço, relaxação e higiene na prática de actividades motrices, interiorizando as rutinas próprias de uma prática motriz saudável e responsável.

OBX1

▪ QUE2.3. Adoptar medidas de segurança antes, durante e depois da prática de actividade física, aplicando actuações básicas de primeiros auxílios, reconhecendo os contextos de risco e actuando com precaução ante eles.

OBX1

▪ QUE2.4. Desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, definindo metas, secuenciando acções, introduzindo se é preciso mudanças durante o processo, gerando produções motrices de qualidade e valorando o grau de ajuste ao processo seguido e ao resultado obtido.

OBX2

▪ QUE2.5. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou em simulados de actuação, e reflectindo sobre as soluções obtidas.

OBX2

▪ QUE2.6. Participar em actividades de carácter motor desde a autorregulação da sua actuação, com predisposição, esforço, perseverança e mentalidade de crescimento, actuando reflexivamente, gerindo as emoções e expressando-as de forma asertiva.

OBX3

Conteúdos

▪ Usos e finalidades: catárticos, lúdico-recreativos, competitivos e agonísticos.

▪ Atitudes consumistas a respeito do equipamento. Análise crítica da aquisição de material para a prática físico-desportiva.

▪ Utilização adequada e cuidado do material, dos espaços e das instalações na prática da actividade física.

▪ Hábitos autónomos de higiene corporal e postural em acções quotidianas.

▪ Planeamento e autorregulação de projectos motores: seguimento e valoração durante o processo e o resultado.

▪ Uso de ferramentas ou plataformas digitais.

▪ Prevenção de acidentes e lesões nas práticas motrices: aquecimento geral, dosificación do esforço e volta à calma. Importância de respeitar as normas de segurança. Compromisso de responsabilidade para a segurança própria e à dos demais.

▪ Actuações básicas de primeiros auxílios ante acidentes e lesões durante a prática da actividade física. Posição lateral de segurança. Conduta PÁS (proteger, avisar, socorrer)

Bloco 3. Resolução de problemas em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, definindo metas, secuenciando acções, introduzindo se é preciso mudanças durante o processo, gerando produções motrices de qualidade e valorando o grau de ajuste ao processo seguido e ao resultado obtido.

OBX2

▪ QUE3.2. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou em simulados de actuação.

OBX2

▪ QUE3.3. Adquirir um progressivo controlo e domínio corporal, empregando os componentes cualitativos e cuantitativos da motricidade de maneira eficiente e criativa, e fazendo frente às demandas de resolução de problemas em situações motrices diversas transferibles ao seu espaço vivencial.

OBX2

▪ QUE3.4. Reproduzir e criar composições com ou sem suporte musical, e comunicar diferentes sensações, emoções e ideias, de forma estética e criativa, desde o uso dos recursos rítmicos e expressivo da motricidade.

OBX4

▪ QUE3.5. Adaptar as acções motrices à incerteza própria do meio natural e urbano em contextos terrestres ou aquáticos de forma eficiente e segura, valorando as suas possibilidades para a prática de actividade física e actuando desde uma perspectiva ecosustentable da contorna e comunitária.

OBX5

Conteúdos

▪ Tomada de decisões:

– Selecção de acções em função da contorna em situações motrices individuais.

– Adequação de acções para o ajuste espaço-temporário na interacção com os colegas em situações cooperativas.

– Selecção de zonas de envio do móvel desde onde seja difícil devolvê-lo, em situações motrices de perseguição e de interacção com um móvel.

– Eleição adequada das habilidades motrices em situações de oposição de contacto.

– Desmarque e localização num lugar desde o que constitua um apoio para os demais em situações motrices de colaboração-oposição de perseguição e de interacção com um móvel.

▪ Esquema corporal:

– Equilíbrio estático e dinâmico em situações complexas ou em superfícies instáveis.

– Estruturación espacial, percepção de objectos e de distâncias, orientação, percepção e interceptação de trajectórias, agrupamento-dispersão e transposición.

– Estruturación temporário e espaço-temporário e percepção de durações, de velocidade, de intervalos, de estruturas e de ritmo.

– Domínio e controlo motor em situações complexas e desconhecidas.

▪ Capacidades condicionais: capacidades físicas básicas e resultantes (coordinação, equilíbrio e axilidade).

▪ Iniciação das habilidades motrices específicas associadas à técnica em actividades físico-desportivas: aspectos principais.

▪ Criatividade motriz: identificação de estímulos internos ou externos que exixir um reaxuste instantáneo da acção motriz.

Bloco 4. Autorregulação emocional e interacção social em situações motrices

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Identificar e abordar condutas vinculadas ao âmbito corporal, à actividade física e ao deporte que afectem negativamente a saúde e a convivência, adoptando posturas de rejeição à violência, à discriminação e aos estereótipos de género e evitando activamente a sua reprodução.

OBX1

▪ QUE4.2. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou simulados de actuação, e reflectindo sobre as soluções obtidas.

OBX2

▪ QUE4.3. Participar em actividades de carácter motor desde a autorregulação da sua actuação, com predisposição, esforço, perseverança e mentalidade de crescimento, actuando reflexivamente, gerindo as emoções e expressando-as de forma asertiva.

OBX3

▪ QUE4.4. Respeitar as normas consensuadas, assim como as regras dos jogos, e actuar desde os parâmetros da deportividade e do jogo limpo, reconhecendo as actuações dos colegas e dos rivais.

OBX3

▪ QUE4.5. Conviver mostrando no contexto das práticas motrices habilidades sociais, diálogo na resolução de conflitos e respeito ante a diversidade, já seja de género, afectivo-sexual, cultural, de origem nacional, étnica, socioeconómica ou de competência motriz, e mostrando uma atitude crítica e um compromisso activo face aos estereótipos, às actuações discriminatorias e à violência, com especial fincapé no fomento da igualdade de género.

OBX3

▪ QUE4.6 Valorar o desporto como fenômeno cultural analisando criticamente os estereótipos de género e os comportamentos sexistas que às vezes sucedem no seu contexto, rejeitando-os e adoptando atitudes que evitem a sua reprodução no futuro.

OBX4

Conteúdos

▪ Gestão emocional: autoestima. ansiedade e situações motrices. Estratégias de afrontamento e gestão.

▪ Autonomia e autoconfianza: aumento da autonomia pessoal, melhora e afianzamento da confiança em sim mesmo e nos demais durante a prática motriz.

▪ Habilidades sociais: estratégias de trabalho em equipa para a resolução construtiva de conflitos nas diversas situações motrices.

▪ Conceito de fairplay ou “jogo limpo.

▪ Identificação e rejeição de condutas contrárias à convivência em situações motrices (discriminação por questões de género, de capacidade, de competência motriz; atitudes xenófobas, racistas ou de índole sexista; abuso sexual ou qualquer forma de violência).

Bloco 5. Manifestações da cultura motriz

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Identificar e abordar condutas vinculadas ao âmbito corporal, à actividade física e ao deporte que afectem negativamente a saúde e a convivência, adoptando posturas de rejeição à violência, à discriminação e aos estereótipos de género, e evitando activamente a sua reprodução.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.2. Desenvolver projectos motores de carácter individual, cooperativo ou colaborativo, definindo metas, secuenciando acções, introduzindo se é preciso mudanças durante o processo, gerando produções motrices de qualidade e valorando o grau de ajuste ao processo seguido e ao resultado obtido.

OBX2

▪ QUE5.3. Participar em actividades de carácter motor desde a autorregulação da sua actuação, com predisposição, esforço, perseverança e mentalidade de crescimento, actuando reflexivamente, gerindo as emoções e expressando-as de forma asertiva.

OBX3

▪ QUE5.4. Conviver mostrando no contexto das práticas motrices habilidades sociais, diálogo na resolução de conflitos e respeito ante a diversidade, já seja de género, afectivo-sexual, cultural, de origem nacional, étnica, socioeconómica ou de competência motriz, e mostrando uma atitude crítica e um compromisso activo face aos estereótipos, às actuações discriminatorias e à violência, com especial fincapé no fomento da igualdade de género.

OBX3.

▪ QUE5.5. Participar activamente em jogos motores e noutras manifestações artístico-expressivo com arraigamento na cultura própria, tradicional ou actual, assim como noutros procedentes de diversas culturas, reconhecendo e transmitindo o seu valor cultural e o seu potencial como espaço gerador de interacções construtivas entre pessoas com origens diferentes e percebendo as vantagens da sua conservação.

OBX4

▪ QUE5.6. Valorar o desporto como fenômeno cultural analisando criticamente os estereótipos de género e os comportamentos sexistas que às vezes sucedem no seu contexto, rejeitando-os e adoptando atitudes que evitem a sua reprodução no futuro.

OBX4

▪ QUE5.7. Reproduzir e criar composições com ou sem suporte musical e comunicar diferentes sensações, emoções e ideias, de forma estética e criativa, desde o uso dos recursos rítmicos e expressivo da motricidade.

OBX4

Conteúdos

▪ Achegas da cultura motriz à herança cultural. Os desportos e os jogos tradicionais populares e autóctones como sinal de identidade cultural.

▪ Conhecimento e execução de bailes e danças populares da Galiza, de Espanha e do mundo.

▪ Usos comunicativos da corporalidade: comunicação de sensações, sentimentos, emoções e ideias complexas.

▪ Prática de actividades rítmico-musicais com carácter expressivo.

▪ Desporto e perspectiva de género: sexismo no deporte amador e profissional.

▪ Desportos olímpicos e paralímpicos, história e instituições associadas aos jogos olímpicos e paralímpicos.

Bloco 6. Interacção eficiente e sustentável com a contorna

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Reconhecer os efeitos beneficiosos desde o ponto de vista físico, mental e social da actividade física, como passo prévio para a sua integração na vida diária.

OBX1

▪ QUE6.2. Integrar os processos de activação corporal, dosificación do esforço, relaxação e higiene na prática de actividades motrices, interiorizando as rutinas próprias de uma prática motriz saudável e responsável.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.3. Adoptar medidas de segurança antes, durante e depois da prática de actividade física, reconhecendo os contextos de risco e actuando com precaução ante eles.

OBX1

▪ QUE6.4. Aplicar princípios básicos de decisões em situações lúdicas, jogos modificados e actividades desportivas a partir da anticipação, ajustando às demandas derivadas dos objectivos motores e à lógica interna de situações individuais, de cooperação, de oposição e de colaboração-oposição, em contextos reais ou simulados de actuação, e reflectindo sobre as soluções obtidas.

OBX2

▪ QUE6.5. Adaptar as acções motrices à incerteza própria do meio natural e urbano em contextos terrestres ou aquáticos de forma eficiente e segura, valorando as suas possibilidades para a prática de actividade física e actuando desde uma perspectiva ecosustentable da contorna e comunitária.

OBX5

Conteúdos

▪ Normas de uso: a educação viária desde a actividade física e desportiva.

▪ Transporte activo e sustentável: bicicletas, patíns, patinetes.

▪ Previsão de riscos de acidente durante a prática no meio natural e urbano: valoração prévia e actuação.

▪ Construção e reutilização de materiais para a prática motriz, fomentando a sensibilização sobre a geração de resíduos.

▪ Realização de actividades físicas no meio natural e urbano.

▪ Cuidado e conservação da contorna durante a prática de actividade física no meio natural e urbano.

3.4. Orientações pedagógicas.

A intervenção educativa na área de Educação Física desenvolverá o seu currículo e tratará de assentar de modo gradual e progressivo nos diferentes níveis da etapa as aprendizagens que lhe facilitem ao estudantado o sucesso dos objectivos da área e, em combinação com o resto das áreas, uma adequada aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa.

Neste sentido, no desenho das actividades, o professorado terá que considerar a relação existente entre os objectivos da área e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída e as linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem, que se apresentam nos apartados seguintes, e seleccionar aqueles critérios de avaliação do currículo que se ajustem à finalidade buscada, assim como empregá-los para verificar as aprendizagens do estudantado e o seu nível de desempenho.

Relação entre os objectivos da área de Educação Física e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída estabelecidos no anexo I.

Objectivos

da área

Competências chave

CCL

CP

STEM

CD

CPSAA

CC

CE

CCEC

OBX1

2-5

2-5

3

OBX2

1

3

4-5

OBX3

1-5

1-3-5

2-3

OBX4

3

3

1-2-3-4

OBX5

5

2-4

1-3

Linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem.

– A selecção de conteúdos e metodoloxías activas contribuirão à aquisição das competências chave, convertendo o jogo no elemento fundamental para a maioria das aprendizagens, dado o carácter global e lúdico desta área ao longo de toda a etapa.

– Propor projectos significativos para o estudantado utilizando metodoloxías não directivas (descoberta guiada, resolução de problemas e livre exploração), o trabalho cooperativo e os reptos motrices e reforçando a autoestima, a autonomia, a reflexão e a responsabilidade.

– Uso de diferentes metodoloxías que tenham em conta os diferentes ritmos de aprendizagem do estudantado, partindo das suas capacidades, valorando não só o resultado senão a progressão e o processo da actividade motriz mesma e favorecendo a capacidade de aprender por sim mesmos.

– A progressão irá desde tarefas singelas para as de maior dificultai. Empregar-se-ão estratégias que permitam integrar os elementos do currículo mediante o desenho de tarefas e actividades relacionadas, primeiro, com a resolução de problemas em contextos da vida real conhecidos e, posteriormente, com a resolução de problemas desconhecidos.

– As diferentes situações de aprendizagem devem incorporar enfoques interdisciplinarios nos que se vinculem os conteúdos de Educação Física com as demais áreas da etapa através de estratégias para trabalhar transversalmente a compreensão leitora, a expressão oral e escrita, a comunicação audiovisual, a competência digital, a aquisição de um estilo de vida activo e saudável e o fomento da criatividade, do espírito científico e do emprendemento.

– A necessidade de ter em conta a regulação dos processos comunicativos, o desenvolvimento das relações interpersoais, a conversão de espaços e materiais em oportunidades de aprendizagem ou a transferência do conhecimento adquirido a outros contextos sociais próximos.

– A énfase na atenção à diversidade do estudantado, na atenção individualizada, na prevenção das dificuldades de aprendizagem e na posta em prática de mecanismos de reforço tão pronto como se detectem estas dificuldades.

– Deve-se potenciar o desenho, a elaboração e o uso de uma variedade de materiais e recursos, considerando especialmente a integração das tecnologias da informação e da comunicação.

4. Educação em Valores Cívico e Éticos.

4.1. Introdução.

A educação em valores constitui a base fundamental para o exercício crítico e responsável da cidadania e para a educação integral das pessoas. No primeiro caso, proporciona as ferramentas para que o estudantado adopte um compromisso activo e autónomo com os valores, princípios e normas que articulam a convivência democrática. No segundo, contribui à formação intelectual, moral e emocional necessária para que as meninas e as crianças comecem a construir o seu próprio projecto vital e empreendam uma reflexão autónoma e argumentada arredor dos reptos do século XXI. Em termos gerais, e de acordo com os objectivos da etapa e com o perfil de saída do estudantado ao remate da educação básica, a formação em valores cívico e éticos implica mobilizar o conjunto de conhecimentos, destrezas, atitudes e valores que lhe permitem ao estudantado tomar consciência da sua identidade pessoal e cultural, de verdadeiras questões éticas e sociais relativas à convivência e do carácter interconectado e ecodependente da sua vida com relação à contorna. Tudo isso com o objecto de poder apreciar e aplicar com autonomia aquelas normas e valores que regem a convivência numa sociedade plural e democrática.

A área de Educação em Valores Cívico e Éticos na etapa de educação primária compreende o desenvolvimento de quatro objectivos fundamentais. O primeiro é o do autocoñecemento e o desenvolvimento da autonomia pessoal. O segundo engloba a compreensão do marco social de convivência e o compromisso com os princípios, normas e valores democráticos que o regem. O terceiro refere à adopção de atitudes compatíveis com a sustentabilidade da contorna desde o entendimento da relação de interdependencia e ecodependencia com ele. E, finalmente, o quarto, mais transversal e dedicado à educação das emoções, ocupa-se de desenvolver a sensibilidade e a atitude afectiva adequada com respeito aos valores e problemas éticos, cívico e ecosociais que nos suscita o nosso tempo. Pela sua vez, cada um destes objectivos desprega-se em dois níveis integrados: um mais teórico, dirigido à compreensão significativa de conceitos e questões relevantes, e outro, mais prático ou instrumental, orientado a promover, desde a reflexão e o diálogo, condutas e atitudes acordes com determinados valores éticos e cívico.

No que diz respeito aos critérios de avaliação, que se formulam em relação directa com cada um dos quatro objectivos, perceber-se-ão como ferramentas de diagnóstico e melhora em relação com o nível de desempenho que se espera da aquisição daqueles. Os critérios de avaliação têm um claro enfoque competencial e atendem tanto aos processos coma aos produtos da aprendizagem, o que exixir o uso de instrumentos de avaliação variados e axustables aos diferentes contextos e situações de aprendizagem.

Os critérios de avaliação e os conteúdos da área distribuem-se em três blocos, conectados internamente e que se vão despregando desde a consciencializa do indivíduo até as relações sociais que conformam a sua vida, assim como a sua vinculação íntima com a natureza. No primeiro deles, denominado Autocoñecemento e autonomia moral, trata-se de incitar o estudantado, através da tomada de consciência e da expressão de diversas facetas da sua personalidade, a uma investigação sobre aquilo que o constitui e o diferença como pessoa, promovendo a gestão de emoções e desejos e a deliberação racional arredor dos próprios fins e motivações. Este exercício de autodeterminação exixir, naturalmente, enfrentar algumas questões éticas de relevo, como as referidas à autonomia e heteronomía moral, a distinção entre ser e dever ser, a prática e a identificação de virtudes e sentimentos morais e, em geral, a reflexão arredor dos valores, princípios e normas que hão de orientar as nossas vidas como pessoas e cidadãos. Pela sua vez, para perceber o peso que a reflexão ética tem na nossa vida, convém que as alunas e os alunos ponham a prova o seu julgamento e capacidade de critério enfrentando questões que afectam mais directamente a sua vida pessoal, como as vinculadas com a autoestima, com a coeducación, com a prevenção dos abusos e do acosso, com as condutas aditivas e com a influência dos médios e das redes de comunicação.

No segundo dos blocos, denominado Sociedade, justiça e democracia, busca-se que os alunas e as alunos percebam a raiz social e cultural da sua própria identidade como pessoas, reconhecendo as diferentes estruturas e relações que constituem a sua contorna social e reflectindo sobre a sua dimensão normativa, ética e afectiva. Para isso é conveniente que o estudantado compreenda certas noções básicas de carácter político e social, que identifique e possa explicar as principais características do nosso marco democrático de convivência e que contraste os seus conhecimentos e julgamentos com os dos demais, mediante a investigação e o diálogo acerca de questões éticas de relevo (a situação dos direitos humanos no mundo, a pobreza, a violência, a igualdade efectiva e a corresponsabilidade entre mulheres e homens, o valor do a respeito da diversidade, o trato às minorias, o fenômeno migratorio, a crise climática etc.), avaliando criticamente diferentes modos de enfrentá-las e justificando os seus próprios julgamentos a respeito disso.

Por último, no terceiro bloco, denominado Desenvolvimento sustentável e ética ambiental, busca-se, através do trabalho interdisciplinar e cooperativo, que as alunas e os alunos compreendam a complexa relação entre as nossas formas de vida e a contorna, identificando os grandes problemas ecosociais que marcam a agenda mundial e debatendo acerca da forma de enfrentá-los e da nossa relação com os seres vivos, com o objecto de que adoptem um compromisso ético e afectivo com hábitos de coexistencia sustentável com a natureza.

4.2. Objectivos.

Objectivos da área

OBX1. Deliberar e argumentar sobre problemas de carácter ético referidos a sim mesmo e à sua contorna, buscando e analisando informação fiável e gerando uma atitude reflexiva a respeito disso, para promover o autocoñecemento e a autonomia moral.

▪ As meninas e as crianças devem aprender progressivamente a dirigir a sua conduta segundo critérios próprios, a equilibrar os seus impulsos e a gerir as suas emoções para, deste modo, constituir-se como sujeitos e cidadãos livres e responsáveis, com domínio dos seus actos e das suas vidas. Capacitar o estudantado para decidir com autonomia e prudência implica iniciar na prática da deliberação racional por volta de problemas que afectem a sua existência e a sua contorna quotidiana e que estejam relacionados com condutas, atitudes, sentimentos, valores e ideias de carácter ético e cívico. O trabalho sobre esses problemas, frequentes no próprio âmbito escolar, é um exercício idóneo para que o estudantado desenvolva os seus próprios julgamentos morais, reflicta sobre os seus desejos e afectos e construa, por volta deles, a sua própria identidade e projecto pessoal. Para tudo bom exercício não incorrer em erros, nem em posições dogmáticas ou prexuizosas, é imprescindível não só o uso rigoroso e crítico da informação sobre os problemas que se vão tratar, senão também o desenvolvimento de destrezas argumentativas e dialóxicas, assim como a análise e o uso pertinente e crítico de alguns conceitos básicos de carácter ético e cívico –entre eles, os de bem, valor, virtude, norma, dever, direito, liberdade, responsabilidade, autonomia e cidadania– e o estudo comparativo dos seus opostos –mal, disvalor, carente de virtudes, descoñecedor de toda a norma, escravatura, irresponsabilidade, insociabilidade–.

OBX2. Actuar e interactuar de acordo com normas e valores cívico e éticos, reconhecendo a sua importância para a vinda individual e colectiva e aplicando-os de maneira efectiva e argumentada em diferentes contextos, para promover uma convivência democrática, justa, inclusiva, respeitosa e pacífica.

▪ Reconhecer a riqueza que achega a convivência, assim como a necessidade de estabelecer e respeitar normas éticas e cívico que excluam todo o tipo de arbitrariedade, injustiça, discriminação e violência, e que promovam uma conduta democrática, solidária, inclusiva, respeitosa, pacífica e não sexista, implica o adequado desenvolvimento de práticas de interacção, reconhecimento mútuo e educação em valores que gerem uma compreensão significativa da importância das normas éticas e cívico, a partir do reconhecimento da nossa própria natureza social. O objectivo é que o estudantado reflicta e adopte conscientemente os seus próprios julgamentos de forma motivada e autónoma, analisando racionalmente conflitos próximos, tanto em contornas pressencial coma virtuais. Esta análise ponderará aqueles ideais e comportamentos que, consignados na Declaração dos Direitos Humanos e nos nossos próprios princípios constitucionais, e inspirados numa consideração livre, responsável e empática das relações com os demais, promovam uma convivência plural, pacífica e democrática, carente de estereótipos e respeitosa com a diversidade e com a vontade individual das pessoas. Pelo mesmo, é imprescindível que as meninas e as crianças reflictam criticamente acerca dos problemas éticos que se derivam da insuficiente aplicação daqueles valores, atitudes, ideais e comportamentos, ou da indiferença ante eles, assim como sobre as medidas que se hão implementar para assegurar o seu efectivo estabelecimento.

OBX3. Compreender as relações sistémicas entre o indivíduo, a sociedade e a natureza, através do conhecimento e da reflexão sobre os problemas ecosociais, para comprometer-se activamente com valores e práticas consequentes com o respeito, cuidado e protecção das pessoas e do planeta.

▪ A nossa vida constrói-se em relação com um contexto social e cultural, mas também através de complexas relações de interdependencia com o resto dos seres vivos e com a natureza. Daí a necessidade de compreender a dimensão ecosocial da nossa existência, de reconhecer as condições e limites materiais do planeta e das suas formas de vida e de avaliar criticamente a pegada ecológica das acções humanas. Para isso, é preciso que o estudantado busque e analise informação fiável, que domine alguns conceitos e relações chave como sistema, processo, global-local, todo a parte, causa consequência, médio-fim, e que seja capaz de descrever os principais problemas e ameaças que comprometem a conservação da biodiversidade e as condições da vida humana, com especial incidência na crise climática. O objectivo é que compreenda a necessidade de adquirir na nossa relação com a contorna uma perspectiva ética e comprometida com a vida e, a partir dessa convicção, gerar práticas e hábitos responsáveis com o meio ambiente, atitudes respeitosas com o resto dos seres vivos e sensibilidade ante todo o tipo de injustiças. Tudo isso através de actividades que promovam de maneira concreta o conhecimento, o cuidado pelo planeta, a reflexão sobre as nossas acções nele e a consolidação de estilos de vida saudáveis e sustentáveis, tais como aqueles dirigidos a uma gestão responsável do solo, do ar, da água, da energia e dos resíduos, assim como a mobilidade segura, saudável e sustentável na vida quotidiana.

OBX4. Desenvolver a autoestima e a empatía com a contorna, identificando, gerindo e expressando emoções e sentimentos próprios, e reconhecendo e valorando os dos outros, para adoptar uma atitude fundada no cuidado e no aprecio de sim mesmo, dos demais e do resto da natureza.

▪ A educação emocional é imprescindível para formar indivíduos equilibrados e capazes de manter relações plenas e satisfatórias com os demais. Assim, o modo em que tratamos afectivamente os outros e em que somos tratados por eles são factores essenciais para estabelecer relações sociais adequadas, harmoniosas e construtivas, assim como para desenvolver a própria autoestima e, por isso, uma melhor atitude e aptidão para a conduta cívico e ética. Por isso, resulta necessário dotar o estudantado das ferramentas cognitivas e dos hábitos de observação e análise que se requerem para identificar, gerir e expressar asertivamente as suas emoções e sentimentos, ademais de promover o contacto afectivo e empático com outras pessoas e com o meio natural. De outro lado, a vivência e a expressão asertiva e partilhada de emoções e sentimentos pode dar-se em múltiplos contextos e situações e através de multidão de códigos e linguagens, entre eles, e de forma sobresaliente, nos da experiência estética, a deliberação partilhada por volta de problemas morais e quotidianos ou a mesma experiência de compreensão autónoma do mundo, pelo que as actividades para desenvolver este objectivo podem integrar à perfeição em quase qualquer tipo de dinâmica e processo que fomente a criatividade, a reflexão, o julgamento e o conhecimento autónomos. Em qualquer caso, a educação emocional deve incorporar a reflexão arredor da interacção das emoções e sentimentos, com valores, crenças e ideias, assim como o papel de verdadeiras emoções na compreensão e justificação de algumas das mais nobres acções e experiências humanas.

4.3. Critérios de avaliação e conteúdos.

6º curso.

Área de Educação em Valores Cívico e Éticos

Terceiro ciclo

6º curso

Bloco 1. Autocoñecemento e autonomia moral

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Construir um adequado conceito de sim mesmo ou sim mesma em relação com os demais e com a natureza, organizando e gerando, de forma segura e crítica, informação analóxica e digital acerca dos traços relativos à identidade, diferença e dignidade das pessoas.

OBX1

▪ QUE1.2. Identificar e expressar emoções, afectos e desejos, mostrando confiança nas próprias capacidades ao serviço da consecução motivada de fins pessoais e colectivos.

OBX1

▪ QUE1.3. Gerar uma posição moral trabalhadora independente mediante o exercício da deliberação racional, o uso de conceitos éticos e o diálogo respeitoso com outros arredor dos diferentes valores e modos de vida, assim como dos problemas relacionados com o uso responsável, seguro e crítico das redes e médios de comunicação, das condutas adictivas, da prevenção do abuso e do acosso escolar e do a respeito da intimidai pessoal.

OBX1

▪ QUE1.4. Interactuar com os outros adoptando, de forma motivada e autónoma, condutas cívico e éticas orientadas pelos valores comuns, a partir do conhecimento, dos direitos humanos e dos princípios constitucionais fundamentais em relação com contextos e problemas concretos, assim como por uma consideração crítica e dialogada sobre como devemos relacionar-nos com os demais.

OBX2

▪ QUE1.5. Gerir equilibradamente pensamentos, sentimentos e emoções e desenvolver uma atitude de estima e cuidado de sim mesmo ou sim mesma, dos demais e da contorna, identificando, analisando e expressando de maneira asertiva as próprias emoções e afectos e reconhecendo e valorando os de outras pessoas, em diferentes contextos e em relação com actividades criativas e de reflexão individual ou dialogada sobre questões éticas e cívico.

OBX4

Conteúdos

▪ A natureza dos seres humanos:

– A igualdade em dignidade de todos os seres humanos.

– As diferenças entre os humanos: unicidade e irrepetibilidade dos indivíduos.

▪ As características que definem a pessoa:

– Ser natural, ser vivo, ser animal.

– Ser social. Viver com outros e depender dos outros para viver.

– Actuar libremente, movidos por desejos, emoções e sentimentos e pela razão.

▪ A identidade pessoal: os papéis da natureza e da criação na constituição do ser humano.

▪ O projecto pessoal: o modelo de vida que orienta as acções:

– A autonomia da vontade.

– A responsabilidade sobre as acções próprias.

– O reconhecimento da diversidade de valores, fins e modelos de vida e o a respeito dos projectos pessoais dos outros.

▪ A educação das emoções e dos sentimentos:

– A autoestima pessoal.

– O autocontrol. A gestão dos sentimentos.

– A educação afectivo-sexual.

▪ A ética como guia das acções:

– Normas e julgamentos morais. Os valores e o valioso.

– A polaridade dos valores: virtudes e defeitos.

▪ O pensamento crítico e ético em acção:

– Os perigos para a autonomia e o projecto pessoal. Os meios de comunicação, as redes sociais, a publicidade e o consumismo. As condutas adictivas.

– O a respeito dos outros. A rejeição dos casos de abuso, ciberacoso, marginação e exclusão.

– Os riscos das tecnologias da informação e da comunicação. Condutas responsáveis face aos maus usos dos diferentes aparatos electrónicos.

– O debate sobre os limites da liberdade de expressão.

Bloco 2. Sociedade, justiça e democracia

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Promover e mostrar um modo de convivência democrática, justa, inclusiva, respeitosa e pacífica, a partir da investigação e da compreensão da natureza social e política do ser humano e mediante o uso crítico dos conceitos de lei, ética, civismo, democracia, justiça e paz.

OBX2

▪ QUE2.2. Interactuar com os outros adoptando, de forma motivada e autónoma, condutas cívico e éticas orientadas pelos valores comuns, a partir do conhecimento, dos direitos humanos e dos princípios constitucionais fundamentais, em relação com contextos e problemas concretos, assim como por uma consideração crítica e dialogada sobre como devemos relacionar-nos com os demais.

OBX2

▪ QUE2.3. Reflectir e assumir um compromisso activo e crítico com valores relativos à solidariedade e ao a respeito da minorias e às identidades etnoculturais e de género, analisando desde um ponto de vista ético questões relacionadas com a desigualdade e com a pobreza, com o feito multicultural, com a diversidade humana e com os fenômenos migratorios.

OBX2

▪ QUE2.4. Contribuir a gerar uma convivência respeitosa, não sexista e comprometida com o sucesso da igualdade e a corresponsabilidade efectivas e com a erradicação da violência de género, a partir do conhecimento e da análise crítica da situação secular de desigualdade entre mulheres e homens.

OBX2

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.5. Compreender e valorar os princípios de justiça, solidariedade, segurança e paz, à vez que o a respeito da liberdades básicas, a partir da análise e da ponderação das políticas e acções de ajuda e cooperação internacional, de defesa para a paz e de segurança integral cidadã, exercidas pelo Estado e as suas instituições, os organismos internacionais, as ONG e ONGD e a própria cidadania.

OBX2

▪ QUE2.6. Gerir equilibradamente pensamentos, sentimentos e emoções e desenvolver uma atitude de estima e cuidado de sim mesmo ou sim mesma, dos demais e da contorna, identificando, analisando e expressando de maneira asertiva as próprias emoções e afectos e reconhecendo e valorando os de outras pessoas, em diferentes contextos e em relação com actividades criativas e de reflexão individual ou dialogada sobre questões éticas e cívico.

OBX4

Conteúdos

▪ O ser humano como ser social por natureza:

– Fundamentos da vida em sociedade. A família. A amizade e o amor. A empatía com os demais.

– A conduta cívico: respeitar as regras de convivência. A diferencia entre as normas morais e as normas legais.

▪ A democracia como melhor modo de convivência:

– Princípios e valores constitucionais e democráticos na Constituição espanhola e no Estatuto de autonomia da Galiza.

– O diálogo e a argumentação na tomada de decisões em comum e a resolução pacífica de conflitos.

– O problema da consecução da justiça na democracia.

▪ A cultura da paz e da não violência:

– O papel do Estado na consecução da paz, da segurança e da cooperação internacional e o papel das ONG e ONGD.

– O valor da defesa e da protecção civil e a colaboração cidadã na segurança integral dos cidadãos.

▪ O a respeito dos direitos humanos e os direitos da infância:

– A pobreza e a exploração laboral e infantil. As suas causas e a procura de soluções globais e locais.

▪ A igualdade e a corresponsabilidade entre mulheres e homens, a prevenção dos abusos e a violência contra as mulheres e a conduta não sexista.

▪ O a respeito da diversidade cultural e das tradições:

– A conquista da igualdade social de todos os cidadãos sem depender da sua origem étnico-cultural.

▪ O a respeito da orientação sexual e da identidade de género. A prevenção da LGTBIQ+-fobia.

Bloco 3. Desenvolvimento sustentável e ética ambiental

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Interactuar com os outros adoptando, de forma motivada e autónoma, condutas cívico e éticas orientadas pelos valores comuns, a partir do conhecimento dos direitos humanos e dos princípios constitucionais fundamentais, em relação com contextos e problemas concretos, assim como por uma consideração crítica e dialogada sobre como devemos relacionar-nos com os demais.

OBX2

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.2. Avaliar diferentes alternativas com as que frear a mudança climática e atingir os objectivos de desenvolvimento sustentável, identificando causas e problemas ecosociais e justificando argumentalmente, e de modo crítico, o dever ético de proteger e cuidar a natureza.

OBX3

▪ QUE3.3. Comprometer-se activamente com valores, práticas e atitudes afectivas consequentes com o respeito, cuidado e protecção das pessoas, dos animais e do planeta, através da participação em actividades que promovam um consumo responsável e um uso sustentável do solo, do ar, da água, da energia, da mobilidade segura, saudável e sustentável e da prevenção e gestão de resíduos, reconhecendo o papel das pessoas, colectivos e entidades comprometidas com a protecção da contorna.

OBX3

▪ QUE3.4. Gerir equilibradamente pensamentos, sentimentos e emoções e desenvolver uma atitude de estima e cuidado de sim mesmo ou sim mesma, dos demais e da contorna, identificando, analisando e expressando de maneira asertiva as próprias emoções e afectos e reconhecendo e valorando os de outras pessoas, em diferentes contextos e em relação com actividades criativas e de reflexão individual ou dialogada sobre questões éticas e cívico.

OBX4

Conteúdos

▪ Natureza humana e natureza animal:

– Relações e condutas afectivas e respeitosas para os demais seres vivos fundamentadas em valores comuns e democráticos.

– Atitude humana e respeitosa com a biodiversidade.

▪ A ecodependencia, a empatía e o dever. As possíveis consequências de uma má praxe:

– As ameaças ao meio ambiente: a mudança climática, a deforestação, a desertização, a poluição e a contaminação, a perda de biodiversidade. O exemplo da camada de ozónio.

▪ A ética, a política e a justiça num planeta habitável:

– O ser humano como animal político na natureza: direitos humanos da solidariedade e comportamentos éticos para os animais. A rejeição e a prevenção do maltrato animal.

– O ser humano como um ser ético no planeta: o dever em relação com o resto dos seres vivos.

▪ Práticas responsáveis: valores, hábitos e actividades para o desenvolvimento racional e sustentável:

– O papel das pessoas, colectivos e entidades comprometidas com a protecção da contorna.

– O uso sustentável da energia, a produção racional de bens de consumo e a gestão dos resíduos.

– A atitude crítica ante a contaminação e a perda de biodiversidade.

– A atitude responsável a respeito do cuidado dos animais, da valoração da água, do ar, do solo e das florestas e da protecção do planeta.

4.4. Orientações pedagógicas.

A intervenção educativa na área de Educação em Valores Cívico e Éticos desenvolverá o seu currículo e tratará de assentar de modo gradual e progressivo as aprendizagens que lhe facilitem ao estudantado o sucesso dos objectivos da área e, em combinação com o resto das áreas, uma adequada aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa.

Neste sentido, no desenho das actividades, o professorado terá que considerar a relação existente entre os objectivos da área e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída e as linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem, que se apresentam nos apartados seguintes, e seleccionar aqueles critérios de avaliação do currículo que se ajustem à finalidade buscada, assim como empregá-los para verificar o adequado grau de aquisição e o nível de desempenho.

Relação entre os objectivos da área de Educação em Valores Cívico e Éticos e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída estabelecidos no anexo I.

Objectivos

da área

Competências chave

CCL

CP

STEM

CD

CPSAA

CC

CE

CCEC

OBX1

1-3

4

4-5

1-2-3

OBX2

5

3

3-4

1-2-3

1

OBX3

2-5

1-5

2

3-4

1

OBX4

1-5

1-2-3

2-3-4

3

Linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem.

– A atenção à diversidade do estudantado, usando diferentes métodos que tenham em conta os diferentes ritmos de aprendizagem do estudantado. Também se incidirá na atenção individualizada, na prevenção das dificuldades de aprendizagem e na posta em prática de mecanismos de reforço tão pronto como se detectem estas dificuldades.

– O reconhecimento do vínculo entre o teórico e o prático, realizando projectos que lhes resultem significativos às alunas e aos alunos, procurando integrar as actividades da sala de aulas em contextos de aprendizagem mais amplas, interdisciplinares e insertas na vida do centro e da sua contorna.

– O uso de estratégias nas que se trabalhe transversalmente a compreensão leitora e a expressão escrita, tentando que as meninas e as crianças se acostumem de modo crítico à busca e síntese de informação em diferentes fontes (jornais, enciclopedias, recursos que se possam encontrar na web...), que lhes permitam formar-se uma opinião autónoma e que favoreçam a capacidade de aprender por sim mesmos.

– A realização de actividades que também promovam entre o estudantado a comunicação audiovisual, a competência digital, na que se potenciará o uso seguro das tecnologias da informação e da comunicação e o fomento da criatividade, do espírito científico e do emprendemento.

– O desenvolvimento de hábitos de vida saudáveis e sustentáveis, o respeito pelas normas e valores comuns e a gestão asertiva das suas emoções e relações afectivas com outros e com a contorna.

– O trabalho em equipa, singularmente a preparação e posta em prática de debates e outras actividades corais, tanto para madurar a autonomia coma para respeitar e valorar adequadamente a alteridade.

– A participação activa e razoada, o diálogo respeitoso e a cooperação com os demais, assim como o pensamento crítico desde uma reflexão autónoma, a partir de um paradigma baseado na livre expressão de ideias.

– O fomento de canais de participação cidadã no marco de uma sociedade democrática, desde um exercício crítico e responsável, que permita adquirir o respeito pelas normas e valores comuns.

– O reforço no estudantado da sua autoestima nas suas relações pessoais, a autonomia na tomada de decisões, a reflexão como guia da sua conduta e a responsabilidade sobre os seus actos.

5. Educação Plástica e Visual.

5.1. Introdução.

A expressão artística é connatural ao ser humano desde a origem dos tempos e, pela sua importância na vida, deve desfrutar da sua atenção e do seu espaço. As diferentes manifestações culturais e artísticas têm uma presença constante na contorna e na vida das pessoas, fazendo parte intrínseca do seu próprio ser e da sua actividade comunicativa e social, à vez que são parte essencial do património cultural. A música, a dança, as artes plásticas, audiovisuais, performativas e cénicas apresentam-se nos nossos dias de muito diferentes maneiras e através de diferentes meios. Por estas razões, a educação artística possui uma grande relevo, já que na vida quotidiana o manejo da informação vinculada com ela faz necessária a disposição de competências e capacidades de pensamento próprias das artes.

A educação artística é de especial relevo na educação primária já que, segundo indicam os avanços na neurociencia e nas ciências da educação, contribui ao desenvolvimento global do estudantado em múltiplas dimensões: sensorial e psicomotriz, através do desenvolvimento da percepção e da motricidade; intelectual, através da potenciação da inteligência, do pensamento crítico, da atenção e da memória a curto e longo prazo; social e comunicativa, estimulando a expresividade, a sensibilidade social e as capacidades comunicativas; emocional e afectiva, favorecendo o desenvolvimento da sensibilidade estética e da emotividade; estética e criativa, através da estimulação da imaginação, da criatividade e da autonomia. Em consequência, a educação artística desencadeia mecanismos que permitem desenvolver diferentes capacidades que influem directamente na formação integral do estudantado, tanto de modo individual coma grupal.

Nesta etapa, a área de Educação Plástica e Visual situa-se num lugar privilegiado e estratégico para a transversalidade e para a conexão natural com o resto das áreas do currículo, colaborando numa maior compreensão da realidade. Esta área dá continuidade, na educação primária, ao desenvolvimento iniciado pelo estudantado na etapa de educação infantil a nível expressivo e comunicativo através das áreas globalizadas. Além disso, assenta as bases para que o estudantado possa desenvolver nas melhores condições as competências artísticas através da matéria de Educação Plástica, Visual e Audiovisual, entre outras, na educação secundária obrigatória.

A área e Educação Plástica e Visual desenvolve-se através de uma dupla dimensão: reflexiva e criativa. Por uma banda, o estudantado deve ser partícipe da compreensão da cultura na que vive para poder dialogar com ela, elaborar critérios úteis de entendimento e desfruto e desenvolver progressivamente o sentido crítico. Deste modo, é essencial trabalhar a confiança em sim mesmo, a autoestima e a empatía. Também é muito relevante a valoração de produções culturais e artísticas diversas que enriqueçam tanto o indivíduo como a sociedade, já que o diálogo intercultural e o a respeito da diversidade são ferramentas poderosas para a reconciliação, a coesão social e a criação de sociedades pacíficas.

Por outra parte, a área de Educação Plástica e Visual favorece a experimentação, a expressão e a produção artística de forma progressiva ao longo dos três ciclos nos que se organiza a educação primária. O estudantado explorará as diversas linguagens, artes e disciplinas, assim como as diferentes técnicas plásticas, visuais e audiovisuais para a criação das suas próprias propostas. Considera-se fundamental a aproximação ao trabalho, tanto individual coma colectivo, a partir de ferramentas, instrumentos e materiais variados, com o objectivo de que o estudantado investigue e experimente nas dimensões lúdica, criativa, comunitária e social da área.

As disciplinas artísticas devem tratar-se baixo a perspectiva de género, pelo que é preciso incorporar e normalizar também o contributo das mulheres à evolução das artes plásticas e visuais, historicamente esquecida. Deste modo, favorecer-se-á que o estudantado desenvolva as competências que lhe permitam atingir uma visão igualitaria da sociedade.

No que diz respeito à estrutura do currículo da área de Educação Plástica e Visual, a partir dos objectivos da etapa e dos descritores que conformam o perfil de saída do estudantado estabelecem-se quatro objectivos da área, que podemos definir como aquelas aprendizagens competenciais às que esta área contribui de forma mais directa, já que possuem uma maior afinidade ou relação com ela. O grau de aquisição destes objectivos determina-se através dos critérios de avaliação que aparecem directamente vinculados a eles e que incluem aspectos relacionados com os conhecimentos, com as destrezas e com as atitudes necessárias para a sua consecução por parte do estudantado.

Estes critérios de avaliação aparecem no currículo da área relacionados com os contidos, que se organizam em quatro blocos fundamentais: Educação plástica e visual: percepção e análise, Educação plástica e visual: criação e interpretação, Educação audiovisual: percepção e análise e Educação audiovisual: criação e interpretação. Cada um destes quatro blocos têm características próprias, ainda que todos estão relacionados entre sim. No primeiro e no terceiro, incluem-se todos aqueles aspectos vencellados ao desenvolvimento de conhecimentos, destrezas e atitudes relacionados com o reconhecimento, recepção e observação sensitiva e visual, que permitem uma aproximação às diferentes manifestações culturais e artísticas da contorna para analisá-la e compreendê-la. O segundo e o quarto blocos fã referência à expressão criativa de ideias, sentimentos e sensações mediante a exploração, o conhecimento, a execução e a utilização criativa de diferentes códigos, elementos, ferramentas, instrumentos, materiais, médios, recursos, suportes, programas, aplicações e técnicas culturais e artísticas.

5.2. Objectivos.

Objectivos da área

OBX1. Descobrir propostas artísticas plásticas e visuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa, para desenvolver a curiosidade, a sensibilidade, o pensamento crítico e o respeito pela diversidade.

▪ O desenvolvimento deste objectivo permitirá ao estudantado compreender as diferenças culturais e integrar a necessidade de respeitá-las, conhecer as especificidades e intencionalidades das manifestações culturais e artísticas mais destacadas do património, estabelecer relações entre elas através da recepção activa e apreciar a sua diversidade para enriquecer e construir a sua própria realidade valorando o intercâmbio com as pessoas de diferentes culturas que partilham uma mesma contorna.

▪ O acesso e conhecimento de propostas artísticas plásticas e visuais diversas e procedentes de diferentes culturas através da sua procura, observação e visionamento, assim como a sua compreensão, análise e desfruto, são processos fundamentais para a formação de seres humanos críticos, empáticos, curiosos, respeitosos, sensíveis e que evidencien uma atitude de interesse e valoração ante estas manifestações artísticas e as diversas culturas das que procedem.

▪ A descoberta das produções artísticas plásticas e visuais do passado achega elementos essenciais para a interpretação do presente. Também favorece a tomada consciente de decisões e atitudes em relação com a conservação do património. É especialmente interessante o conhecimento da riqueza e diversidade do património galego para a sua valoração, defesa e difusão.

▪ O reconhecimento e o interesse por produções actuais características da contorna mais próxima do estudantado, da Galiza, de outras comunidades autónomas e do resto do mundo proporcionam uma sólida base para descobrí-las e valorá-las.

▪ Na selecção e análise das propostas artísticas, incorporar-se-á a perspectiva de género através do estudo de produções criadas, impulsionadas e executadas por mulheres, assim como de obras nas que estas apareçam representadas, de para a sua normalização.

OBX2. Investigar acerca de diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais e os seus contextos, empregando diversos canais, médios e técnicas, para desfrutar delas, perceber o seu valor, assim como desenvolver o pensamento e uma sensibilidade artística própria.

▪ A abertura, a curiosidade e o interesse por aproximar-se a novas propostas culturais e artísticas plásticas e visuais supõem um primeiro passo imprescindível para conhecê-las e desfrutá-las. Ademais da possibilidade de aceder a uma oferta cultural diversa através dos meios tradicionais, o desenvolvimento de estratégias para a procura de informação através de diferentes canais e médios alarga as possibilidades de desfrutar e de aprender delas. O cultivo de um pensamento próprio, a autoconfianza e a capacidade de colaboração com os seus iguais são três alicerces fundamentais para o desenvolvimento pessoal do estudantado. Este objectivo também contribui a criar e a assentar progressivamente um sentido de pertença e identidade. Além disso, implica respeitar o facto artístico, os direitos de autoria e o labor das pessoas profissionais encarregadas da sua criação, difusão e conservação.

▪ Em definitiva, através da investigação, o estudantado pode reconhecer e valorar os aspectos fundamentais do património cultural e artístico analisando os seus principais elementos, desenvolvendo critérios de valoração próprios e evidenciando uma atitude aberta, dialogante e respeitosa. Do mesmo modo, poderá compreender as diferenças e a necessidade de respeitá-las e iniciar-se-á no desfruto e no conhecimento das especificidades e intencionalidades das manifestações mais destacadas do património através das linguagens e elementos técnicos plásticos e visuais em diversos meios e suportes.

OBX3. Expressar e comunicar de maneira criativa ideias, sentimentos e emoções, experimentando com as possibilidades do são, da imagem e dos meios digitais, para produzir obras próprias.

▪ Explorar, descobrir, conhecer e experimentar as possibilidades dos elementos básicos de expressão das diferentes artes mostra-se hoje em dia como uma necessidade imprescindível para assimilar e desfrutar toda produção cultural e artística. Produzir obras próprias como forma de expressão criativa de ideias, emoções e sentimentos próprios proporciona ao estudantado a possibilidade de experimentar com as diferentes linguagens, técnicas, materiais, instrumentos, médios e suportes que tem ao seu alcance. Ademais, a diversidade actual de meios tecnológicos que se podem empregar nos processos educativos põe ao dispor do estudantado um enorme leque de possibilidades expressivo com as que poder comunicar e transmitir qualquer ideia, sentimento e emoção.

▪ Considera-se muito relevante sublinhar o vínculo existente com a educação emocional e afectiva. Deve-se fomentar o respeito pelas criações próprias e pelas dos demais, com uma atitude de interesse e de admiração pelo diferente e o novo, sabendo receber e expressar críticas e opiniões e utilizando-as como recurso para a melhora.

▪ Existe uma ampla quantidade e variedade de materiais e instrumentos para a criação artística que, somados aos existentes com anterioridade, geram um amplísimo catálogo através do qual o estudantado pode expressar-se e comunicar-se. Nos âmbitos audiovisual e plástico, surgiram médios, ferramentas e aplicações, muitos deles totalmente digitais, em consonancia com as novas tendências sociais, que podem ser empregues no campo educativo. Além disso, o acesso, conhecimento e manejo destes instrumentos favorece a relação do estudantado com o mundo cultural e artístico actual que, em simbiose com as achegas do passado, oferece um amplo, diverso e interessante universo ao seu alcance.

▪ Deste modo, desde este objectivo potencia-se uma visão crítica e informada das possibilidades comunicativas e expressivo da arte. Além disso, um manejo correcto das diferentes ferramentas e técnicas de expressão artística contribui ao desenvolvimento da autoconfianza do estudantado.

OBX4. Participar do desenho, elaboração e difusão de produções culturais e artísticas plásticas e visuais, tanto individuais coma colaborativas, pondo em valor o processo e assumindo diferentes róis na consecução de um resultado final, para desenvolver a criatividade, a noção de autoria e o sentido de pertença.

▪ A participação no desenho, criação, elaboração e difusão de produções culturais e artísticas plásticas e visuais é primordial para o desenvolvimento pleno do indivíduo. Do mesmo modo, desde um enfoque coeducativo, a intervenção em produções grupais faz-se imprescindível, já que o trabalho colaborativo implica a aceitação e a compreensão da existência de róis diversos que há que conhecer, respeitar, valorar e normalizar. Sem dúvida, o trabalho em equipa contribui ao enriquecimento e à construção da identidade pessoal, assim como da coesão grupal e social, através da expressão artística criativa e da utilização de diferentes representações e expressões realizadas mediante o uso de técnicas plásticas e visuais.

▪ Em definitiva, o estudantado deve planificar as suas propostas para alcançar cumprir os objectivos prefixados através do trabalho em equipa, colaborando na resolução dos problemas que se apresentem para conseguir um resultado final satisfatório. Este objectivo permite que o estudantado se involucre no processo de criação e que empregue elementos de diferentes disciplinas, manifestações e linguagens artísticas evidenciando compromisso com o projecto, uma participação activa em todas as fases, respeito pelo seu próprio labor e o das suas colegas e colegas, assim como sentido emprendedor. É também relevante partilhar a experiência criativa em diferentes espaços e canais, entre os que podemos citar, entre muitos outros, o grupo, o centro educativo, a comunidade ou internet. A opinião do resto de pessoas e as ideias recebidas em forma de retroalimentación devem ser valoradas, assumidas e respeitadas.

5.3. Critérios de avaliação e conteúdos.

Primeiro ciclo.

1º curso.

Área de Educação Plástica e Visual

Primeiro ciclo

1º curso

Bloco 1. Educação plástica e visual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Descobrir propostas artísticas plásticas e visuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE1.2. Descrever de forma oral e gráfica elementos de manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais seleccionadas, começando por aquelas mais próximas, explorando as suas características e iniciando no emprego do vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE1.3. Desenvolver e aplicar a capacidade de procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, de maneira básica e guiada, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE1.4. Iniciar na identificação do significado de diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais que fazem parte do património de diversas contornas, partilhando sensações, indicando os canais, médios e técnicas empregados e identificando diferenças e similitudes.

OBX2

▪ QUE1.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas plásticas e visuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias básicas de recepção activa.

▪ Cultura visual. A imagem no mundo actual. Descrição de imagens presentes no contexto próximo.

▪ Elementos configurativos da linguagem visual: observação e exploração sensorial.

▪ Materiais, instrumentos, suportes e técnicas elementares utilizados na expressão plástica e visual.

▪ Vocabulário específico básico das artes plásticas e visuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais e nacionais. Respeito e valoração destas desde uma perspectiva de género.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas plásticas e visuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 2. Educação plástica e visual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Produzir obras próprias de maneira guiada, utilizando algumas das possibilidades expressivo do corpo, a imagem e os meios digitais básicos, com curiosidade, interesse e desfruto e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE2.2. Expressar de forma guiada ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas plásticas e visuais singelas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

▪ QUE2.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções plásticas e visuais elementares, trabalhando de forma colaborativa através de um enfoque coeducativo baseado na igualdade e no a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE2.4. Tomar parte no processo cooperativo de criação de produções culturais e artísticas, utilizando elementos básicos da linguagem plástica e visual.

OBX4

▪ QUE2.5. Partilhar as experiências criativas plásticas e visuais, desfrutando e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE2.6. Manifestar respeito na realização de actividades, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Médios, suportes e materiais de expressão plástica e visual: experimentação. Técnicas bidimensionais e tridimensionais básicas em debuxos e modelados singelos. Manipulação de objectos para a sua transformação. Utilização de elementos presentes na contorna natural com fins artísticos.

▪ Fases do processo criativo: planeamento guiado e experimentação.

▪ Valoração e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções plásticas e visuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas plásticas e visuais.

Bloco 3. Educação audiovisual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Descobrir propostas artísticas audiovisuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE3.2. Descrever de forma oral e gráfica elementos de manifestações culturais e artísticas audiovisuais seleccionadas, começando por aquelas mais próximas, explorando as suas características e iniciando no emprego do vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE3.3. Desenvolver e aplicar a capacidade de procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas audiovisuais, de maneira básica e guiada, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE3.4. Iniciar na identificação do significado de diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais que fazem parte do património de diversas contornas, partilhando sensações, indicando os canais, médios e técnicas empregados e identificando diferenças e similitudes.

OBX2

▪ QUE3.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias básicas de recepção activa.

▪ Propostas audiovisuais elementares. Noções básicas sobre cinema. Características singelas de imagens fixas e em movimento em contextos culturais próximos. Respeito e valoração destas desde uma perspectiva de género.

▪ Vocabulário específico básico das artes audiovisuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva em diferentes espaços culturais e artísticos audiovisuais. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 4. Educação audiovisual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Produzir obras próprias de maneira guiada, utilizando algumas das possibilidades expressivo do corpo, o som, a imagem e diferentes ferramentas de expressão audiovisual, incluídos os meios digitais básicos, com curiosidade, interesse e desfruto e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE4.2. Expressar de forma guiada ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas audiovisuais singelas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

▪ QUE4.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções audiovisuais elementares, trabalhando de forma colaborativa através de um enfoque coeducativo baseado na igualdade e no a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE4.4. Tomar parte no processo cooperativo de criação de produções culturais e artísticas audiovisuais, utilizando elementos básicos da linguagem audiovisual.

OBX4

▪ QUE4.5. Partilhar as experiências criativas, desfrutando e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE4.6. Manifestar respeito na criação e interpretação de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Composição guiada de histórias audiovisuais singelas básicas com intuito comunicativo para ser recreadas.

▪ Fases do processo criativo: planeamento guiado e experimentação.

▪ Valoração e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções audiovisuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas audiovisuais.

2º curso.

Área de Educação Plástica e Visual

Primeiro ciclo

2º curso

Bloco 1. Educação plástica e visual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Descobrir propostas artísticas plásticas e visuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE1.2. Descrever de forma oral e gráfica elementos de manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais seleccionadas, começando por aquelas mais próximas, explorando as suas características, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação plástica e visual, empregando o vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE1.3. Desenvolver e aplicar a capacidade de procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, de maneira básica e guiada, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE1.4. Desenvolver a capacidade de identificação do significado de diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais que fazem parte do património de diversas contornas, partilhando sensações, indicando os canais, médios e técnicas empregados e identificando diferenças e similitudes.

OBX2

▪ QUE1.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas plásticas e visuais interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias básicas de recepção activa.

▪ Cultura visual. A imagem no mundo actual. Técnicas e estratégias básicas de compreensão da imagem e descrição de imagens presentes no contexto próximo.

▪ Elementos configurativos da linguagem visual: ponto, linha, plano, textura, cor. Experimentação básica.

▪ Materiais, instrumentos, suportes e técnicas elementares utilizados na expressão plástica e visual. Formas, texturas e cores nas produções das diferentes criações plásticas.

▪ Vocabulário específico básico das artes plásticas e visuais.

▪ Recursos digitais básicos para as artes plásticas e visuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais e nacionais. Respeito e valoração destas desde uma perspectiva de género.

▪ Principais profissões vinculadas com os âmbitos artísticos plásticos e visuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas plásticas e visuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 2. Educação plástica e visual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Produzir obras próprias de maneira guiada, utilizando algumas das possibilidades expressivo do corpo, a imagem e os meios digitais básicos, com curiosidade, interesse e desfruto e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE2.2. Expressar de forma guiada ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas plásticas e visuais singelas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

▪ QUE2.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções plásticas e visuais elementares, trabalhando de forma colaborativa através de um enfoque coeducativo baseado na igualdade e no a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE2.4. Tomar parte no processo cooperativo de criação de produções culturais e artísticas, utilizando elementos básicos da linguagem plástica e visual.

OBX4

▪ QUE2.5. Partilhar as experiências criativas plásticas e visuais, desfrutando e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE2.6. Manifestar respeito na criação de actividades, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Médios, suportes e materiais de expressão plástica e visual: experimentação. Técnicas bidimensionais e tridimensionais básicas em debuxos e modelados singelos. Manipulação de objectos para a sua transformação. Utilização de elementos presentes na contorna natural com fins artísticos.

▪ Fases do processo criativo: planeamento guiado e experimentação.

▪ Valoração e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções plásticas e visuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas plásticas e visuais.

Bloco 3. Educação audiovisual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Descobrir propostas artísticas audiovisuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE3.2. Descrever de forma oral e gráfica elementos de manifestações culturais e artísticas audiovisuais seleccionadas, começando por aquelas mais próximas, explorando as suas características, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação audiovisual, e empregando o vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE3.3. Desenvolver e aplicar a capacidade de procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas audiovisuais, de maneira básica e guiada, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE3.4. Desenvolver a capacidade de identificação do significado de diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais que fazem parte do património de diversas contornas, partilhando sensações, indicando os canais, médios e técnicas empregados e identificando diferenças e similitudes.

OBX2

▪ QUE3.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias básicas de recepção activa.

▪ Propostas audiovisuais elementares. Noções básicas sobre cinema. Reconhecer e interpretar imagens fixas e em movimento em contextos culturais próximos. Respeito e valoração destas desde uma perspectiva de género.

▪ Vocabulário específico básico das artes audiovisuais.

▪ Recursos digitais básicos para as artes audiovisuais.

▪ Principais profissões vinculadas com os âmbitos artísticos audiovisuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva em diferentes espaços culturais e artísticos audiovisuais. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 4. Educação audiovisual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Produzir obras próprias de maneira guiada, utilizando algumas das possibilidades expressivo do corpo, o som, a imagem e diferentes ferramentas de expressão audiovisual, incluídos os meios digitais básicos, com curiosidade, interesse e desfruto e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE4.2. Expressar de forma guiada ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas audiovisuais singelas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

▪ QUE4.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções audiovisuais elementares, trabalhando de forma colaborativa através de um enfoque coeducativo baseado na igualdade e no a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE4.4. Tomar parte no processo cooperativo de criação de produções culturais e artísticas audiovisuais, utilizando elementos básicos da linguagem audiovisual.

OBX4

▪ QUE4.5. Partilhar as experiências criativas, desfrutando e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE4.6. Manifestar respeito na criação e interpretação de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Composição guiada de histórias audiovisuais singelas básicas com intuito comunicativo para ser recreadas.

▪ Ferramentas adequadas para o registo da imagem e do são: manejo. Programas informáticos singelos de debuxo: início de forma guiada no seu uso.

▪ Fases do processo criativo: planeamento guiado e experimentação.

▪ Valoração e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções audiovisuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas audiovisuais.

Segundo ciclo.

3º curso.

Área de Educação Plástica e Visual

Segundo ciclo

3º curso

Bloco 1. Educação plástica e visual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer propostas artísticas plásticas e visuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE1.2. Descrever características elementares de manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, explorando-as com interesse, estabelecendo relações básicas entre elas, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação plástica e visual, empregando o vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE1.3. Seleccionar e aplicar estratégias básicas para a procura guiada de informação sobre manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE1.4. Identificar os elementos característicos básicos das diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais que fazem parte do património de diversas contornas, indicando os canais, médios e técnicas utilizados, analisando as suas diferenças e similitudes e reflectindo sobre as sensações produzidas.

OBX2

▪ QUE1.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas plásticas e visuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias de recepção activa.

▪ Cultura visual. A imagem no mundo actual: técnicas e estratégias básicas de leitura e interpretação.

▪ Principais profissões vinculadas com os âmbitos artísticos plástico e visual.

▪ Elementos configurativos básicos da linguagem visual e as suas possibilidades expressivo: ponto; linha grosa, fina, contínua e descontinua; plano; textura; cor.

▪ Iniciação no ensino técnico do debuxo. Possibilidades expressivo.

▪ Materiais, instrumentos, suportes e técnicas de uso comum utilizados na expressão plástica e visual.

▪ Vocabulário específico de uso comum nas artes plásticas e visuais.

▪ Recursos digitais de uso comum para as artes plásticas e visuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais e nacionais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde uma perspectiva de género.

▪ Normas básicas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas plásticas e visuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 2. Educação plástica e visual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem e os meios digitais básicos e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE2.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas plásticas e visuais básicas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

▪ QUE2.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções culturais e artísticas plásticas e visuais, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final planificado e assumindo diferentes róis, desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE2.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem plástica e visual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE2.5. Partilhar as experiências criativas plásticas e visuais, empregando estratégias comunicativas básicas e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE2.6. Manifestar respeito na realização de actividades, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Representação de ideias, acções e situações valendo dos elementos que configuram a linguagem visual.

▪ Experimentação e expressão através de diversos meios, suportes e materiais de expressão plástica, incluídos os formatos artísticos contemporâneos. Exploração de diferentes técnicas bidimensionais e tridimensionais básicas em debuxos, modelados singelos e actividades manipulativas.

▪ Fases do processo criativo: planeamento, interpretação e experimentação.

▪ Valoração, avaliação e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções plásticas e visuais.

▪ Técnicas, materiais e recursos informáticos e tecnológicos básicos: utilização para a captura e a manipulação de produções plásticas e visuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas plásticas e visuais.

Bloco 3. Educação audiovisual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Reconhecer propostas artísticas audiovisuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE3.2. Descrever características elementares de manifestações culturais e artísticas audiovisuais, explorando as suas características com interesse, estabelecendo relações básicas entre elas, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação audiovisual, e empregando o vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE3.3. Seleccionar e aplicar estratégias básicas para a procura guiada de informação sobre manifestações culturais e artísticas audiovisuais, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.4. Identificar os elementos característicos básicos das diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais que fazem parte do património de diversas contornas, indicando os canais, médios e técnicas utilizados, analisando as suas diferenças e similitudes e reflectindo sobre as sensações produzidas.

OBX2

▪ QUE3.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias de recepção activa.

▪ Propostas audiovisuais básicas. O cinema como forma de narração. Imagens fixas e em movimento em contextos culturais: análise e interpretação para a elaboração posterior de imagens novas a partir do observado.

▪ Principais profissões vinculadas ao âmbito cinematográfico e audiovisual.

▪ Vocabulário específico de uso comum nas artes audiovisuais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde a perspectiva de género.

▪ Estratégias e técnicas de uso comum de composição de histórias audiovisuais.

▪ Normas básicas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas cinematográficas e audiovisuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 4. Educação audiovisual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem, o som e os meios digitais básicos e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE4.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas audiovisuais básicas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

▪ QUE4.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções culturais e artísticas audiovisuais, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final, planificado e assumindo diferentes róis desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE4.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas audiovisuais, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem audiovisual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE4.5. Partilhar as experiências criativas audiovisuais, empregando estratégias comunicativas básicas e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE4.6. Manifestar respeito na criação e interpretação de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Histórias audiovisuais singelas: composição, de maneira individual e grupal, com intuito comunicativo e expressivo, para ser recreadas e narradas.

▪ Mensagens audiovisuais elementares: experimentação e difusão.

▪ Fases do processo criativo: planeamento, interpretação e experimentação.

▪ Valoração e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções audiovisuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas audiovisuais.

4º curso.

Área de Educação Plástica e Visual

Segundo ciclo

4º curso

Bloco 1. Educação plástica e visual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer propostas artísticas plásticas e visuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE1.2. Descrever características elementares de manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, explorando as suas características com interesse, estabelecendo relações básicas entre elas, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação plástica e visual, e empregando o vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE1.3. Seleccionar e aplicar estratégias básicas para a procura guiada de informação sobre manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE1.4. Identificar os elementos característicos básicos das diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais que fazem parte do património de diversas contornas, indicando os canais, médios e técnicas utilizados, analisando as suas diferenças e similitudes e reflectindo sobre as sensações produzidas.

OBX2

▪ QUE1.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas plásticas e visuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias de recepção activa.

▪ Cultura visual. A imagem no mundo actual: técnicas e estratégias básicas de leitura e interpretação.

▪ Principais profissões vinculadas com os âmbitos artísticos plástico e visual.

▪ Elementos configurativos básicos da linguagem visual e as suas possibilidades expressivo: ponto; linha grosa, fina, contínua e descontinua; plano; textura; cor.

▪ Progresso no ensino técnico do debuxo. Possibilidades expressivo.

▪ Materiais, instrumentos, suportes e técnicas de uso comum utilizados na expressão plástica e visual.

▪ Vocabulário específico de uso comum nas artes plásticas e visuais.

▪ Recursos digitais de uso comum para as artes plásticas e visuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais e nacionais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde uma perspectiva de género.

▪ Normas básicas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas plásticas e visuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 2. Educação plástica e visual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem e os meios digitais básicos e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE2.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas plásticas e visuais básicas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

▪ QUE2.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções culturais e artísticas plásticas e visuais, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final planificado e assumindo diferentes róis, desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE2.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem plástica e visual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE2.5. Partilhar as experiências criativas plásticas e visuais, empregando estratégias comunicativas básicas e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE2.6. Manifestar respeito na realização de actividades, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Representação, de forma pessoal, de ideias, acções e situações, valendo dos elementos que configuram a linguagem visual.

▪ Experimentação e expressão através de diversos meios, suportes e materiais de expressão plástica, incluídos os formatos artísticos contemporâneos. Exploração de diferentes técnicas bidimensionais e tridimensionais básicas em debuxos e modelados singelos e actividades manipulativas.

▪ Fases do processo criativo: planeamento, interpretação e experimentação.

▪ Valoração, avaliação e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções plásticas e visuais.

▪ Técnicas, materiais e recursos informáticos e tecnológicos básicos: utilização para a captura e a manipulação de produções plásticas e visuais

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas plásticas e visuais.

Bloco 3. Educação audiovisual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Reconhecer propostas artísticas audiovisuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE3.2. Descrever características elementares de manifestações culturais e artísticas audiovisuais, explorando as suas características com interesse, estabelecendo relações básicas entre elas, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação audiovisual, e empregando o vocabulário específico básico destas.

OBX1

▪ QUE3.3. Seleccionar e aplicar estratégias básicas para a procura guiada de informação sobre manifestações culturais e artísticas audiovisuais, através de canais e médios de acesso singelos, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE3.4. Identificar os elementos característicos básicos das diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais que fazem parte do património de diversas contornas, indicando os canais, médios e técnicas utilizados, analisando as suas diferenças e similitudes e reflectindo sobre as sensações produzidas.

OBX2

▪ QUE3.5. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias de recepção activa.

▪ Propostas audiovisuais básicas. O cinema como forma de narração. Imagens fixas e em movimento em contextos culturais: análise e interpretação para a elaboração posterior de imagens novas a partir do observado.

▪ Principais profissões vinculadas ao âmbito cinematográfico e audiovisual.

▪ Vocabulário específico de uso comum nas artes audiovisuais.

▪ Recursos digitais de uso comum para as artes audiovisuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais e nacionais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde a perspectiva de género.

▪ Estratégias e técnicas de uso comum de composição de histórias audiovisuais.

▪ Géneros e formatos básicos de produções audiovisuais.

▪ Características elementares da linguagem audiovisual multimodal.

▪ Normas básicas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas plásticas e visuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 4. Educação audiovisual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem, o som e os meios digitais básicos e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE4.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de manifestações artísticas audiovisuais básicas, experimentando com as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.3. Participar de maneira guiada no desenho de produções culturais e artísticas audiovisuais, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final planificado e assumindo diferentes róis desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE4.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas audiovisuais, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem audiovisual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE4.5. Partilhar as experiências criativas audiovisuais, empregando estratégias comunicativas básicas e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE4.6. Manifestar respeito na criação e interpretação de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Registro e edição básica de elementos audiovisuais: conceitos, tecnologias, técnicas e recursos elementares e de manejo singelo.

▪ Histórias audiovisuais singelas: composição, de maneira individual e grupal, com intuito comunicativo e expressivo, para ser recreadas e narradas.

▪ Produções audiovisuais. Trabalho colaborativo e importância do processo de alguns dos diferentes géneros e formatos. Introdução à utilização de recursos digitais e audiovisuais para a elaboração de obras artísticas.

▪ Produções multimodais: iniciação na realização com diversas ferramentas singelas e acessíveis. Reconhecimento de características elementares da linguagem audiovisual multimodal.

▪ Aproximação às ferramentas e às técnicas básicas de animação.

▪ Mensagens audiovisuais elementares: experimentação e difusão.

▪ Fases do processo criativo: planeamento, interpretação e experimentação

▪ Valoração e interesse, tanto do processo coma do produto final, em produções audiovisuais.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas audiovisuais.

Terceiro ciclo.

5º curso.

Área de Educação Plástica e Visual

Terceiro ciclo

5º curso

Bloco 1. Educação plástica e visual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Distinguir propostas artísticas plásticas e visuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.2. Descrever manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, explorando as suas características com interesse, estabelecendo relações entre elas, valorando a diversidade que as gera, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação plástica e visual, empregando o vocabulário específico destas.

OBX1

▪ QUE1.3. Seleccionar e aplicar estratégias para a procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, através de diversos canais e médios de acesso, de forma individual e colaborativa.

OBX3

▪ QUE1.4. Comparar o significado e os elementos característicos de diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais que fazem parte do património de diversas contornas, analisando os canais, médios e técnicas vinculados a elas, assim como as suas diferenças e similitudes, e desenvolvendo critérios de valoração próprios.

OBX3

▪ QUE1.5. Valorar as sensações e emoções produzidas por diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, a partir da análise e da compreensão das supracitadas manifestações.

OBX3

▪ QUE1.6. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas plásticas e visuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias de recepção activa.

▪ Cultura visual. A imagem no mundo actual: técnicas e estratégias de leitura, análise e interpretação do intuito comunicativo. Valoração desde uma perspectiva de género.

▪ Profissões vinculadas com os âmbitos artísticos plástico e visual. Conhecimento e valoração.

▪ Elementos configurativos da linguagem visual e as suas possibilidades expressivo: ponto; linha grosa, fina, contínua e descontinua; plano; textura; cor.

▪ Afondamento no ensino técnico do debuxo. Introdução à compreensão da xeometría a partir da linha recta. Possibilidades expressivo e comunicativas.

▪ Materiais, instrumentos, suportes e técnicas de maior uso na expressão plástica e visual.

▪ Vocabulário específico nas artes plásticas e visuais.

▪ Recursos digitais de uso comum para as artes plásticas e visuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais, nacionais e internacionais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde uma perspectiva de género.

▪ Normas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas plásticas e visuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 2. Educação plástica e visual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem e os meios digitais básicos e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de diversas manifestações artísticas plásticas e visuais, utilizando as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance, mostrando confiança nas próprias capacidades e perfeccionando a execução.

OBX3

▪ QUE2.3. Planificar e desenhar produções culturais e artísticas plásticas e visuais colectivas, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final que cumpra com uns objectivos acordados e assumindo diferentes róis, desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE2.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas plásticas e visuais, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem plástica e visual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE2.5. Partilhar os projectos criativos plásticos e visuais, empregando diferentes estratégias comunicativas através de diversos meios e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE2.6. Manifestar respeito na realização de actividades, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Representação, de forma pessoal, de ideias, acções e situações valendo dos elementos que configuram a linguagem visual.

▪ Experimentação e expressão através de meios, suportes e materiais de expressão plástica e visual, incluídos os formatos artísticos contemporâneos. Elaboração de imagens novas a partir dos conhecimentos adquiridos. Técnicas bidimensionais e tridimensionais em debuxos e modelados.

▪ Iniciação ao debuxo xeométrico. Verbalización do intuito expressivo. Terminologia básica específica da área.

▪ Fases do processo criativo: planeamento, interpretação, experimentação e avaliação. Equilíbrio e ajuste entre desenho, processo e produto.

▪ Avaliação, interesse e valoração, tanto do processo coma do produto final, em produções plásticas e visuais.

▪ Utilização de técnicas, materiais e recursos informáticos e tecnológicos: a sua aplicação para a captura, criação, manipulação e difusão de produções plásticas e visuais.

▪ Aproximação ao uso responsável de bancos de imagens e sons. Conhecimento e respeito pelas licenças de uso e distribuição de conteúdos gerados por outros.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas plásticas e visuais.

Bloco 3. Educação audiovisual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Distinguir propostas artísticas audiovisuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.2. Descrever manifestações culturais e artísticas audiovisuais, explorando as suas características com interesse, estabelecendo relações básicas entre elas, valorando a diversidade que as gera, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação audiovisual, e empregando o vocabulário específico destas.

OBX1

▪ QUE3.3. Seleccionar e aplicar estratégias para a procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas audiovisuais, através de diversos canais e médios de acesso, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE3.4. Comparar o significado e os elementos característicos de diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais que fazem parte do património de diversas contornas, analisando os canais, médios e técnicas vinculados a elas, assim como as suas diferenças e similitudes, e desenvolvendo critérios de valoração próprios.

OBX2

▪ QUE3.5. Valorar as sensações e as emoções produzidas por diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais, a partir da análise e da compreensão das supracitadas manifestações.

OBX2

▪ QUE3.6. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Propostas audiovisuais elementares. O cinema: origem e evolução. Espaços culturais e artísticos do âmbito audiovisual. Comunicação e valoração do contido informativo que as imagens proporcionam, desde uma perspectiva de género.

▪ Profissões vinculadas ao âmbito cinematográfico e audiovisual. Conhecimento e valoração.

▪ Noções elementares sobre formatos audiovisuais: imagem fixa e em movimento. Ficção e não ficção. Animação.

▪ Estratégias de procura, filtrado e valoração.

▪ Vocabulário específico nas artes audiovisuais.

▪ Recursos digitais de uso comum para as artes audiovisuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais, nacionais e internacionais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde uma perspectiva de género.

▪ Normas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas cinematográficas e audiovisuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 4. Educação audiovisual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem, o som e os meios digitais básicos e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de diversas manifestações artísticas audiovisuais, utilizando as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance, mostrando confiança nas próprias capacidades e perfeccionando a execução.

OBX3

▪ QUE4.3. Planificar e desenhar produções culturais e artísticas audiovisuais colectivas, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final que cumpra com uns objectivos acordados e assumindo diferentes róis, desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE4.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas audiovisuais, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem audiovisual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE4.5. Partilhar os projectos criativos audiovisuais, empregando diferentes estratégias comunicativas através de diversos meios e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE4.6. Manifestar respeito na criação e interpretação de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Registro e edição de elementos audiovisuais (imagem e audio): conceitos, tecnologias, técnicas e recursos elementares de manejo singelo.

▪ Estratégias e técnicas de composição de histórias singelas, de maneira individual e grupal, com intuito comunicativo e expressivo, para ser recreadas, narradas e gravadas.

▪ Produções audiovisuais: iniciação ao planeamento das diferentes fases e róis do processo criativo. Trabalho colaborativo e importância do processo nos principais géneros e formatos.

▪ Produções multimodais: realização com diversas ferramentas.

▪ Características da linguagem audiovisual multimodal.

▪ Aproximação às ferramentas e às técnicas básicas de animação.

▪ Criação, experimentação e difusão de mensagens audiovisuais: processos técnicos, a respeito da integridade das pessoas e aos direitos de autor.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas.

6º curso.

Área de Educação Plástica e Visual

Terceiro ciclo

6º curso

Bloco 1. Educação plástica e visual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Distinguir propostas artísticas plásticas e visuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.2. Descrever manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, explorando as suas características com interesse, estabelecendo relações entre elas, valorando a diversidade que as gera, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação plástica e visual, e empregando o vocabulário específico destas.

OBX1

▪ QUE1.3. Seleccionar e aplicar estratégias para a procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, através de diversos canais e médios de acesso, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE1.4. Comparar o significado e os elementos característicos de diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais que fazem parte do património de diversas contornas, analisando os canais, médios e técnicas vinculados a elas, assim como as suas diferenças e similitudes, e desenvolvendo critérios de valoração próprios.

OBX2

▪ QUE1.5. Valorar as sensações e emoções produzidas por diferentes manifestações culturais e artísticas plásticas e visuais, a partir da análise e da compreensão das supracitadas manifestações.

OBX2

▪ QUE1.6. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas plásticas e visuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Estratégias de recepção activa.

▪ Cultura visual. A imagem no mundo actual: técnicas e estratégias de leitura, análise e interpretação do intuito comunicativo. Valoração desde uma perspectiva de género.

▪ Profissões vinculadas com os âmbitos artísticos plástico e visual. Conhecimento e valoração.

▪ Elementos configurativos da linguagem visual e as suas possibilidades expressivo: ponto; linha grosa, fina, contínua e descontinua; plano; textura; cor.

▪ Afondamento no ensino técnico do debuxo. Introdução à compreensão da xeometría a partir da linha recta. Possibilidades expressivo e comunicativas.

▪ Materiais, instrumentos, suportes e técnicas de maior uso na expressão plástica e visual.

▪ Vocabulário específico nas artes plásticas e visuais.

▪ Recursos digitais de uso comum para as artes plásticas e visuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais, nacionais e internacionais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde uma perspectiva de género.

▪ Normas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas plásticas e visuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 2. Educação plástica e visual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem e os meios digitais básicos e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE2.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de diversas manifestações artísticas plásticas e visuais, utilizando as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance, mostrando confiança nas próprias capacidades e perfeccionando a execução.

OBX3

▪ QUE2.3. Planificar e desenhar produções culturais e artísticas plásticas e visuais colectivas, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final que cumpra com uns objectivos acordados e assumindo diferentes róis, desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE2.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas plásticas e visuais, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem plástica e visual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE2.5. Partilhar os projectos criativos plásticos e visuais, empregando diferentes estratégias comunicativas através de diversos meios e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE2.6. Manifestar respeito na realização de actividades, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Representação, de forma pessoal, de ideias, acções e situações valendo dos elementos que configuram a linguagem visual.

▪ Experimentação e expressão através de meios, suportes e materiais de expressão plástica e visual, incluídos os formatos artísticos contemporâneos. Elaboração de imagens novas a partir dos conhecimentos adquiridos. Técnicas bidimensionais e tridimensionais em debuxos e modelados.

▪ Experimentação com o debuxo xeométrico. Verbalización do intuito expressivo. Terminologia específica da área.

▪ Fases do processo criativo: planeamento, interpretação, experimentação e avaliação. Equilíbrio e ajuste entre desenho, processo e produto.

▪ Avaliação, interesse e valoração, tanto do processo coma do produto final, em produções plásticas e visuais.

▪ Utilização de técnicas, materiais e recursos informáticos e tecnológicos: a sua aplicação para a captura, criação, manipulação e difusão de produções plásticas e visuais.

▪ Uso responsável de bancos de imagens e sons. Conhecimento e respeito pelas licenças de uso e distribuição de conteúdos gerados por outros. Plaxio e direitos de autor.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas plásticas e visuais.

Bloco 3. Educação audiovisual: percepção e análise

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Distinguir propostas artísticas audiovisuais de diferentes géneros, estilos, épocas e culturas, através da recepção activa e mostrando curiosidade por elas.

OBX1

▪ QUE3.2. Descrever manifestações culturais e artísticas audiovisuais, explorando as suas características com interesse, estabelecendo relações entre elas, valorando a diversidade que as gera, assim como as principais profissões vinculadas à criação e interpretação audiovisual, e empregando o vocabulário específico destas.

OBX1

▪ QUE3.3. Seleccionar e aplicar estratégias para a procura de informação sobre manifestações culturais e artísticas audiovisuais, através de diversos canais e médios de acesso, de forma individual e colaborativa.

OBX2

▪ QUE3.4. Comparar o significado e os elementos característicos de diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais que fazem parte do património de diversas contornas, analisando os canais, médios e técnicas vinculados a elas, assim como as suas diferenças e similitudes, e desenvolvendo critérios de valoração próprios.

OBX2

▪ QUE3.5. Valorar as sensações e emoções produzidas por diferentes manifestações culturais e artísticas audiovisuais, a partir da análise e da compreensão das supracitadas manifestações.

OBX2

▪ QUE3.6. Manifestar respeito na recepção de propostas artísticas audiovisuais interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva.

OBX1

Conteúdos

▪ Propostas audiovisuais elementares. O cinema: origem e evolução. Espaços culturais e artísticos do âmbito audiovisual. Comunicação e valoração do contido informativo que as imagens proporcionam, desde uma perspectiva de género.

▪ Profissões vinculadas ao âmbito cinematográfico e audiovisual. Conhecimento e valoração.

▪ Vocabulário específico nas artes audiovisuais.

▪ Recursos digitais de uso comum para as artes audiovisuais.

▪ Propostas artísticas de diferentes correntes estéticas, procedências e épocas produzidas por criadoras e criadores locais, regionais, nacionais e internacionais.

▪ Estratégias básicas de análises de propostas artísticas desde uma perspectiva de género.

▪ Características da linguagem cinematográfica e audiovisual: encadramento, movimentos, montagem e são. Visionamento de propostas icónicas, cinematográficas e audiovisuais.

▪ Noções elementares sobre estilos, géneros e formatos audiovisuais: imagem fixa e em movimento. Ficção e não ficção. Animação.

▪ Estratégias de procura, filtrado e valoração.

▪ Normas de comportamento e atitude positiva na recepção de propostas cinematográficas e audiovisuais em diferentes espaços culturais e artísticos. O silêncio como elemento e condição indispensável para manter a atenção durante a recepção.

Bloco 4. Educação audiovisual: criação e interpretação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Produzir obras próprias básicas utilizando as possibilidades expressivo do corpo, a imagem, o som e os meios digitais básicos, e mostrando confiança nas capacidades próprias.

OBX3

▪ QUE4.2. Expressar com criatividade ideias, sentimentos e emoções através de diversas manifestações artísticas audiovisuais, utilizando as diferentes linguagens e instrumentos ao seu alcance, mostrando confiança nas próprias capacidades e perfeccionando a execução.

OBX3

▪ QUE4.3. Planificar e desenhar produções culturais e artísticas audiovisuais colectivas, trabalhando de forma cooperativa na consecução de um resultado final que cumpra com uns objectivos acordados e assumindo diferentes róis, desde a igualdade e o a respeito da diversidade.

OBX4

▪ QUE4.4. Participar no processo cooperativo de produções culturais e artísticas audiovisuais, de forma criativa, utilizando elementos básicos da linguagem audiovisual e diferentes técnicas artísticas.

OBX4

▪ QUE4.5. Partilhar os projectos criativos audiovisuais, empregando diferentes estratégias comunicativas através de diversos meios e explicando o processo e o resultado final obtido.

OBX4

▪ QUE4.6. Manifestar respeito na criação e interpretação de propostas artísticas audiovisuais, interiorizando as normas elementares de comportamento e mostrando uma atitude positiva e empática para a expressão de ideias, sentimentos e emoções dos demais.

OBX4

Conteúdos

▪ Registro e edição de elementos audiovisuais (imagem, audio): conceitos, tecnologias, técnicas e recursos básicos.

▪ Estratégias e técnicas de composição de histórias singelas, de maneira individual e grupal, com intuito comunicativo e expressivo, para ser recreadas, narradas e gravadas.

▪ Produções audiovisuais: planeamento das fases e róis do processo criativo. Trabalho colaborativo e importância do processo nos diferentes géneros e formatos.

▪ Produções multimodais: realização com diversas ferramentas.

▪ Características da linguagem audiovisual multimodal.

▪ Técnicas básicas de animação.

▪ Criação, experimentação e difusão de mensagens audiovisuais: processos técnicos e a respeito da integridade das pessoas e aos direitos de autor.

▪ Normas elementares de comportamento e atitude positiva na criação e interpretação de propostas culturais e artísticas.

5.4. Orientações pedagógicas.

A intervenção educativa na área de Educação Plástica e Visual desenvolverá o seu currículo e tratará de assentar de modo gradual e progressivo nos diferentes níveis da etapa as aprendizagens que lhe facilitem ao estudantado o sucesso dos objectivos da área e, em combinação com o resto das áreas, uma adequada aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa.

Neste sentido, no desenho das actividades, o professorado terá que considerar a relação existente entre os objectivos da área e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída e as linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem, que se apresentam nos apartados seguintes, e seleccionar aqueles critérios de avaliação do currículo que se ajustem à finalidade buscada, assim como empregá-los para verificar as aprendizagens do estudantado e o seu nível de desempenho.

Relação entre os objectivos da área de Educação Plástica e Visual e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída estabelecidos no anexo I.

Objectivos

da área

Competências chave

CCL

CP

STEM

CD

CPSAA

CC

CE

CCEC

OBX1

3

1

1

3

1

2

1-2

OBX2

3

3

2

1

3

1-2

OBX3

1

1

2

5

2

1

3-4

OBX4

1

3

3

2

1-3

3-4

Linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem.

– O afondamento progressivo no tratamento dos contidos da área ao longo de toda a etapa.

– O uso de uma metodoloxía ágil e dinâmica, prática e realista, activa e participativa, construtiva, criativa, motivadora, lúdica e amena.

– O planeamento de situações de aprendizagem, experiências, processos, projectos, reptos e tarefas que desenvolvam a capacidade de apreciação, análise, criatividade, imaginação e sensibilidade do estudantado. As situações de aprendizagem devem estar vinculadas a contextos próximos ao estudantado que favoreçam a aprendizagem significativa e acordem a sua curiosidade e interesse pelas artes plásticas, visuais e audiovisuais. Os projectos são especialmente úteis à hora de motivar o estudantado para adquirir diferentes conhecimentos, desenvolver habilidades e potenciar a sua autonomia. Resulta interessante desenvolver as capacidades plásticas e expressivo do estudantado através das comemorações e centros de interesse que se desenvolvam no centro. A aprendizagem a partir de experiências e do aproveitamento da oferta cultural permite potenciar no estudantado um enfoque aberto e receptivo, estimulando o interesse deste pela cultura própria e alheia.

– O emprego de recursos, suportes e contextos variados na realização de actividades plásticas e visuais. A apresentação da informação ao estudantado pode realizar-se em diferentes suportes e formatos tendo em conta a capacidade de percepção, compreensão ou o uso da linguagem por parte deste. Potenciação e valoração do uso de material de refugallo na elaboração de determinadas propostas plásticas, assim como o conhecimento e o uso consciente e responsável do material fungível que se vai empregar.

– A énfase em que o estudantado aprenda a aprender e participe no planeamento e na tomada de decisões sobre o trabalho controlando os processos, usando conscientemente estratégias de aprendizagem e sendo progressivamente mais autónomo e protagonista da sua própria aprendizagem.

– A realização do trabalho na sala de aulas de modo individual, em casais estratégicas, em pequenos grupos ou em grupo grande, possibilitando situações que propiciem a comunicação espontânea do estudantado.

– A potenciação no estudantado da expressão das suas emoções e da sua autorregulação para fomentar a empatía e facilitar o reconhecimento emocional próprio e alheio.

– O tratamento das principais profissões vinculadas com os âmbitos artísticos plásticos e visuais desde uma perspectiva de género.

6. Língua Castelhana e Literatura.

6.1. Introdução.

A língua é um instrumento de comunicação empregado a diário para perceber e produzir mensagens nos âmbitos comunicativos orais e escritos; que está, ademais, presente aos processos de ensino-aprendizagem. Na sociedade actual a competência comunicativa e linguística mostra-se essencial para poder desenvolver-se na meirande parte dos aspectos, circunstâncias e situações da vida. Na era das tecnologias da informação e da profusão de meios de comunicação, todo o estudantado e todas as pessoas devem estar preparadas para perceber, elaborar e produzir qualquer tipo de mensagem.

O currículo de Língua Castelhana e Literatura desenha com a vista posta no modelo de estudantado proposto no perfil de saída do estudantado ao ter-mo do ensino básico, a partir dos descritores operativos que concretizam o desenvolvimento competencial esperado ao terminar a etapa de educação primária. Tem como objectivo o desenvolvimento da competência comunicativa linguística do estudantado. Dentro do ensino desta área, a literatura vai ter um valor significativo como produto de expressão artística e de relação com outras manifestações artísticas e culturais da contorna, da Galiza e do mundo. Assim, o currículo organiza-se arredor das estratégias relacionadas com falar, escutar, ler, compreender e escrever, com o fim de proporcionar ao estudantado ferramentas que lhe permitam responder os reptos da sociedade do século XXI, que demanda pessoas cultas, críticas e bem informadas; capazes de fazer um uso eficaz e ético das palavras; respeitosas para as diferenças; com capacidade de transformar a informação em conhecimento e de aprender por sim mesmas, informar-se, colaborar e trabalhar em equipa; criativas e emprendedoras; cultas e comprometidas com o desenvolvimento sustentável, a defesa dos direitos humanos e a convivência igualitaria, inclusiva, pacífica e democrática.

O elemento básico do currículo são os objectivos da área, que identificam que queremos que o estudantado faça, como queremos que o faça e para que queremos que o faça e cuja finalidade é concretizar e articular o contributo da área de Língua Castelhana e Literatura aos objectivos gerais de etapa e ao desenvolvimento do perfil de saída. Recolhem a finalidade última dos ensinos da área, percebida em termos de mobilização das aprendizagens. O primeiro destes objectivos de Língua Castelhana e Literatura orienta ao reconhecimento da diversidade linguística e dialectal da contorna e de Espanha, para favorecer atitudes de respeito para a diversidade étnica e cultural, combater prejuízos e estereótipos linguísticos e iniciar na reflexão interlingüística, incluídas as línguas de signos. Espera-se que nesta etapa se produza a aquisição e consolidação do código escrito. Em todo o caso, deve partir da diversidade de trajectórias educativas do estudantado e as aprendizagens devem produzir-se a partir da reflexão, compreensão ou produção de textos de uso social. Em consonancia com isso, um segundo grupo de objectivos relaciona com a produção, compreensão, interpretação e interacção oral e escrita, incorporando as formas de comunicação de corte tecnológico e atendendo ao âmbito pessoal, educativo e social. Neste sentido, a transformação digital dos centros educativos deve contribuir à melhora das competências e influir, de modo significativo, nos processos de ensino-aprendizagem. Questão esta que tem que ir acompanhada de uma mudança de metodoloxía e da participação activa do estudantado. Por outra parte, saber ler hoje implica também saber navegar e buscar na rede e seleccionar informação fiável com diferentes propósitos. Assim, o objectivo sexto senta as bases da alfabetização mediática e informacional. Respondendo à necessidade de ensinar a ler todo o tipo de textos e com diferentes propósitos de leitura, os objectivos sétimo e oitavo reservam para a leitura literária acompanhada, tanto autónoma como guiada e partilhada na sala de aulas. Adopta-se assim um duplo enfoque com o intuito de iniciar-se em dois processos paralelos: por uma banda, o da aquisição do hábito leitor autónomo e, por outra, o do desenvolvimento de habilidades de achegamento e interpretação dos textos literários. Prestar-se-á especial atenção ao reconhecimento das mulheres escritoras. O objectivo noveno atende a uma primeira aproximação à reflexão sobre a língua e os seus usos, enquanto que o décimo, relativo à ética da comunicação, é de carácter transversal a todos eles. Centra nas práticas comunicativas não discriminatorias, para identificar e rejeitar os abusos de poder através da palavra, fomentar a igualdade desde uma perspectiva de género e as condutas não sexistas, assim como a gestão dialogada de conflitos, em consonancia com a prevenção de qualquer tipo de violência, incluída em todo o caso a violência de género e a aposta cultura da paz.

O sucesso destes objectivos deve produzir-se de maneira progressiva ao longo da etapa e sempre respeitando os processos individuais de maduração cognitiva. Partir-se-á no primeiro ciclo da exploração, a interacção e a interpretação da contorna, acompanhando o estudantado nos processos de observação e análise em contextos significativos, e na reflexão sobre modelos textuais adequados, para ir avançando, ao longo da etapa, para uma crescente confiança e autonomia na produção e compreensão linguística. Dado o enfoque inequivocamente competencial da educação linguística, a gradação entre ciclos estabelece-se em função da complexidade dos textos, dos contextos de uso, das habilidades de interpretação ou de produção requeridas, da metalinguaxe necessária para reflectir sobre os usos, assim como do grau de autonomia conferido ao estudantado. Existe, portanto, um evidente paralelismo entre os ciclos entre sim, e em relação com a etapa de educação secundária obrigatória, onde se produzirá uma maior progressão para a autonomia do estudantado, assim como uma maior diversidade e complexidade das práticas discursivas em diferentes âmbitos de uso e mais plurais, sublinhar-se-á o papel das convenções literárias e do contexto histórico na compreensão dos textos literários e a reflexão sobre o funcionamento da língua e os seus usos adquirirá um papel mais relevante.

Para determinar o progresso no grau de aquisição destes objectivos ao longo da etapa, os critérios de avaliação estabelecem-se para cada um dos ciclos e cursos da etapa. Estes critérios formulam-se de um modo claramente competencial, atendendo tanto aos produtos finais esperados como aos processos e atitudes que acompanham a sua elaboração. Tudo isso reclama ferramentas e instrumentos de avaliação variados e dotados de capacidade diagnóstica e de melhora.

Para abordar as actuações descritas nos objectivos, é imprescindível adquirir e mobilizar os conteúdos da área. As aprendizagens de Língua Castelhana e Literatura não podem conceber-se, de jeito nenhum, como a mera transmissão e recepção de conteúdos disciplinares; ao invés, devem perceber-se como um processo em construção e baseado na reflexão e na análise acompanhada, cujo fim último é formar pessoas capazes de comunicar-se de maneira eficaz e ética. Os critérios de avaliação e os conteúdos da área agrupam-se em blocos temáticos que, como todo o currículo, tem uma estrutura semelhante nos seis cursos da educação primária.

O bloco 1, As línguas e os seus falantes, procura, através dos critérios de avaliação e conteúdos desenhados, familiarizar o estudantado com a diversidade cultural e linguística da sua contorna, favorecendo a reflexão interlingüística, a identificação e o reconhecimento e rejeição dos prejuízos linguísticos e a valoração da diversidade cultural. O uso de uma linguagem, verbal e não verbal, não discriminatoria, respeitosa com as diferenças e com a perspectiva de género constitui outro dos núcleos importantes de aprendizagem.

O bloco 2, Comunicação oral, recolhe aspectos fundamentais da língua oral. O uso oral da língua tem o propósito de favorecer a aquisição de destrezas específicas de pronúncia e entoación ajeitado; de estratégias de reconhecimento, selecção e interpretação da informação; da construção e comunicação do conhecimento mediante o planeamento e produção de textos orais e multimodais; da identificação e modelización das propriedades e tipoloxías dos textos; da interacção oral em situações de sala de aulas, e de escuta activa na resolução dialogada de conflitos, respeitando as normas essenciais da cortesía linguística. A leitura e a produção oral implicam uma paulatina melhora na compreensão de textos e incidem na aprendizagem da língua.

O bloco 3, Comunicação escrita, inclui aspectos básicos e indispensáveis da língua escrita, intensificando gradualmente o uso pessoal, autónomo e criativo da língua escrita. Implica o conhecimento das possibilidades que oferece o código desde a perspectiva do léxico, da ortografía, da estrutura do discurso e das dimensões ética e estética. A produção de textos escritos e multimodais suporá a procura do género discursivo e do tipo de texto adequado para cada situação comunicativa, utilizando, tanto de forma individual como colectiva, estratégias de planeamento, redacção, revisão e edição. Nesta etapa têm que consolidar-se o domínio de técnicas gráficas, a relação entre som e grafía, as normas ortográfico convencionais e a disposição do texto desde as diferentes fases do processo evolutivo da escrita. A leitura, tanto de forma individual como partilhada, e a compreensão leitora permitirão ao estudantado adquirir as destrezas necessárias para a identificação das ideias mais relevantes e do sentido global dos textos, para a realização de inferencias e para a detecção dos usos discriminatorios da linguagem.

O bloco 4, Alfabetização mediática e informacional, integra critérios de avaliação e conteúdos relacionados com a busca, selecção e contraste da informação procedente de fontes documentários variadas em diferentes suportes e formatos com critérios de fiabilidade e pertinência. Propõem-se um processo de investigação e pesquisa para que o estudantado, individualmente ou de forma cooperativa, progrida no planeamento e busca de informação em diversos contextos, formatos e suportes, para transformá-la, gerí-la, comunicá-la de modo pessoal e criativo, e utilizá-la com diferentes fins, adoptando um ponto de vista crítico e de respeito pela propriedade intelectual. A biblioteca de sala de aulas ou do centro serão os espaços ideais para desenvolver projectos globais e interdisciplinares, com a utilização de todos os recursos digitais que disponham.

O bloco 5, Educação literária, pretende implicar os alunos e alunas num processo de formação leitora que continue ao longo de toda a sua vida. Atingir este objectivo supõe iniciar um caminho de progresso desenhado para a construção de personalidades leitoras. A leitura, a compreensão e interpretação de obras próximas aos seus gustos e à sua madurez cognitiva, o reconhecimento dos elementos básicos da obra literária, a dramatización ou interpretação de fragmentos e a criação de textos próprios com intuito literário facilitará o progresso na construção da identidade leitora, na compreensão das relações com outras manifestações artísticas ou culturais e no conhecimento básico sobre obras representativas tradicionais e actuais da literatura. As bibliotecas de sala de aulas, do centro e as virtuais conformarão os palcos básicos para as actividades literárias partilhadas.

O bloco 6, Reflexões sobre a língua e os seus usos no marco de propostas a produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais, incorpora critérios de avaliação e conteúdos relacionados com o conhecimento da língua e a sua organização, facilitando a construção guiada de conclusões próprias sobre o sistema linguístico e a melhora dos textos próprios. Supõe para o estudantado o estabelecimento de xeneralizacións básicas a respeito do funcionamento da língua, prestando especial atenção às diferentes relações de forma, função, concordancia e significado entre as palavras e grupos de palavras; à observação e compreensão das regras de acentuação; às modalidades oracionais em relação com o intuito comunicativo; à correlação temporária estabelecida pelos tempos verbais e ao uso de dicionários, em diferentes suportes. Pretende-se, além disso, facilitar-lhe e permitir ao estudantado o conhecimento e a reflexão sobre a situação das línguas da contorna e do seu âmbito escolar dentro de um contexto plurilingüe, e a identificação de similitudes e diferenças entre estas para atingir uma competência comunicativa integrada.

6.2. Objectivos.

Objectivos da área

OBX1. Reconhecer a diversidade linguística do mundo a partir da identificação das línguas do estudantado e a realidade plurilingüe e multicultural de Espanha para favorecer a reflexão interlingüística, para identificar e rejeitar estereótipos e prejuízos linguísticos, e para valorar a supracitada diversidade como fonte de riqueza cultural.

▪ Em muitas das nossas salas de aulas utilizam-se línguas ou variedades dialectais diferentes da língua vehicular de aprendizagem. Esta diversidade linguística deve servir como base sobre a que achegar ao conhecimento da realidade plurilingüe de Espanha e do mundo.

▪ Em primeiro lugar, para ajudar o estudantado a valorar a riqueza cultural que isso supõe e a detectar e evitar os prejuízos linguísticos; em segundo lugar, para ir tomando consciencializa sobre o funcionamento das línguas a partir da observação e comparação entre elas, incluída uma primeira aproximação ao conhecimento das línguas de signos.

▪ O castelhano é uma língua universal e policéntrica, com uma enorme diversidade dialectal, na que cada variedade geográfica tem a sua norma culta. Não pode, portanto, estabelecer-se uma delas como a mais correcta. Como ocorre com qualquer outro idioma, o castelhano evolui da mão das mudanças sociais. A sala de aulas constitui uma contorna privilegiada para aproximar-se a uma visão global do castelhano no mundo, com a finalidade última de promover o exercício de uma cidadania próxima e mundial sensibilizada, informada e comprometida com os direitos linguísticos individuais e colectivos, num marco de interculturalidade e a respeito dos direitos humanos.

▪ A mediação interlingüística favorecerá o tratamento integrado das línguas na sala de aulas, baseado numa relevante harmonización de conteúdos e competências ao longo da etapa, tanto a respeito da área de Língua Galega e Literatura, com a que está a Língua Castelhana e Literatura estreitamente relacionada, como das línguas estrangeiras. Este tratamento integrado deve servir ao estudantado para considerar e valorar as relações de tipo linguístico e a pluralidade linguística do mundo como uma fonte de riqueza cultural, partindo da própria contorna e ajudando-o a compreender as relações de tipo linguístico e favorecer a sua reflexão num âmbito multicultural e interlingüístico.

OBX2. Compreender e interpretar textos orais e multimodais identificando o sentido geral e a informação mais relevante, e valorando com ajuda aspectos formais e de conteúdo básicos para construir conhecimento e responder a diferentes necessidades comunicativas.

▪ No processo de comunicação põem-se em jogo, ademais do conhecimento partilhado entre emissor e receptor, outros elementos contextuais e cotextuais que permitem ir mais alá do significado do texto e interpretar e compreender o seu sentido. A escola pode e deve incorporar práticas discursivas de diferentes âmbitos, significativas para o estudantado, que abordem temas de relevo ecosocial e cultural. Este objectivo contribui ao fim último de iniciar na aprendizagem de estratégias que permitam desenvolver-se como indivíduos que se comunicam de maneira eficaz e ética, bem informados e com capacidade crítica.

▪ A compreensão e interpretação de mensagens orais em língua castelhana requer a aquisição de destrezas específicas: desde as mais básicas ao começo da etapa, até aquelas que, no final do último ciclo, permitirão ao estudantado obter, seleccionar, valorar e relacionar informações procedentes de meios de comunicação e do contexto escolar (especialmente de tipo espacial, temporário e de sequência lógica), escutar de maneira activa, realizar inferencias e deduções, distinguir a informação da opinião e iniciar na interpretação de alguns elementos singelos implícitos, como a ironía ou o duplo sentido. No âmbito social, devem-se ter em conta a profusão de textos de carácter multimodal, que reclamam uma específica alfabetização audiovisual e mediática para fazer frente aos riscos de manipulação e desinformação.

▪ O conhecimento de textos de transmissão oral da contorna servirá ao estudantado para uma maior compreensão da tradição popular e para valorar a diversidade cultural e os modos em que as pessoas percebem e interpretam a realidade.

OBX3. Produzir textos orais e multimodais com coerência, claridade e registro adequados para expressar ideias, sentimentos e conceitos; construir conhecimento; estabelecer vínculos pessoais; e participar com autonomia e uma atitude cooperativa e empática em interacções orais variadas.

▪ O desenvolvimento da competência comunicativa do estudantado passa necessariamente pela atenção aos usos orais, como veículos de expressão, aprendizagem e controlo da própria conduta. A classe de Língua Castelhana e Literatura oferecerá contextos diversificados e significativos onde o estudantado possa tomar a palavra e conversar com os seus iguais em diálogos pedagogicamente orientados, estimulando assim a incipiente reflexão sobre os usos orais formais ou informais, espontâneos ou planificados. A interacção oral requer ir adquirindo estratégias para tomar e ceder a palavra, desenvolver atitudes de escuta activa, expressar-se com fluidez, claridade, correcta dicción e com o tom e o registro adequados, assim como iniciar no uso de estratégias de cortesía e de cooperação conversacional.

▪ A produção oral formal convinda a iniciar nas estratégias básicas de planeamento e coerência, que se irão assimilando, de maneira acompanhada, ao longo da etapa. Proporcionar-se-ão também modelos ajustados às diferentes situações comunicativas e âmbitos, que ofereçam pautas para ordenar o texto oral e adecuar o registro e o comportamento não verbal: careta, movimentos, mirada, corporalidade etc. Por outra parte, as tecnologias da informação e da comunicação facilitam novos formatos para a comunicação oral multimodal, tanto síncrona como asíncrona, e permitem também o registro das produções orais do estudantado em castelhano para a sua difusão em contextos reais e a sua posterior análise e revisão.

OBX4. Compreender e interpretar textos escritos e multimodais, reconhecendo o sentido global, as ideias principais e a informação explícita e implícita, e realizando com ajuda reflexões elementares sobre aspectos formais e de conteúdo, para adquirir e construir conhecimento e para responder a necessidades e interesses comunicativos diversos.

▪ O desenvolvimento da competência leitora inicia-se no primeiro ciclo com a motivação para as práticas de leitura. Começa assim o achegamento a estratégias dirigidas, por uma banda, a localizar, perceber e integrar a informação relevante e explícita; e, por outro, a transcender alguns significados literais, realizando com ajuda inferencias directas, atendendo a aspectos formais e não verbais elementares (imagens, distribuição do texto, etc.). Nesta fase, prestar-se-á especial atenção à compreensão reflexiva mediante a leitura silenciosa e em voz alta, acompanhada de imagens. No segundo ciclo, o estudantado deve adquirir estratégias que lhe permitam realizar um número cada vez maior de inferencias directas (xeneralizacións, propósito do texto), sempre de maneira acompanhada e contextualizada em situações de aprendizagem arredor de textos próprios de diferentes âmbitos. Em paralelo, identificar-se-á um maior número de elementos não estritamente textuais, como tipografías ou sublinhados. Para o final da etapa, de maneira progressivamente autónoma, o estudantado será capaz de compreender e valorar a informação em textos escritos variados com diferentes propósitos de leitura, transcendendo alguns significados superficiais, realizando inferencias directas e mesmo captando o duplo sentido ou a ironía e estimulando o seu espírito e pensamento críticos.

▪ A finalidade deste objectivo é sentar as bases para formar leitores competente, autónomos e críticos de todo o tipo de textos em castelhano, capazes de avaliar a sua qualidade e fiabilidade e de responder a diferentes propósitos de leitura em todos os âmbitos da sua vida. Em todo o caso, a alfabetização requerida para responder os reptos do século XXI passa necessariamente pelo ensino da leitura dos hipertextos.

OBX5. Produzir textos escritos e multimodais, com correcção gramatical e ortográfico básicas, seriando correctamente os conteúdos e aplicando estratégias elementares de planeamento, textualización, redacção, revisão e edição para construir conhecimento e para dar resposta a demandas comunicativas concretas.

▪ Os textos elaborarão no contexto das relações interpersoais na sala de aulas ou com o intuito de organizar ou partilhar informação. Ao longo da etapa, ir-se-á avançando num processo acompanhado, dirigido à aquisição de estratégias que permitam expressar-se de forma coherente mediante escritos, individuais ou grupais, próprios de âmbitos mais amplos referidos a factos próximos à sua experiência, como os meios de comunicação social, ou relacionados com outras áreas de aprendizagem. Aprender a elaborar de forma acompanhada textos em castelhano que lhe ajudem a organizar a informação, o pensamento e desenvolvam a criatividade –como resumos e esquemas singelos– ajudará a progredir na aquisição da competência de aprender a aprender. Espera-se conseguir, de maneira paulatina, a automatização das normas ortográfico de aparecimento frequente e a resolução de dúvidas ortográfico mediante a reflexão guiada nos processos de melhora dos textos com a utilização dos apoios pertinente e de estratégias singelas, tanto individuais como grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição.

▪ Mesmo nas suas formas mais espontâneas, escrever um texto implica planificar –a partir de modelos ou pautas–, rever –de maneira individual ou partilhada– e editar. Tudo isso deve trabalhar na classe. Em todo o caso, saber escrever no século XXI significa fazê-lo em diferentes suportes e formatos. A possibilidade de edição e difusão digital dos escritos na rede oferece um contexto real às práticas comunicativas escritas, à vez que convida a dar o passo para o hipertextual e multimodal. É o momento de iniciar na reflexão sobre os aspectos elementares da propriedade intelectual, o a respeito da privacidade ou a responsabilidade na transmissão de falsidades e manipulações.

OBX6. Buscar, seleccionar e contrastar informação procedente de duas ou mais fontes, de forma planificada e com o devido acompañamento, avaliando a sua fiabilidade e reconhecendo alguns riscos de manipulação e desinformação, para transformá-la em conhecimento e para comunicá-la de maneira criativa, adoptando um ponto de vista pessoal e respeitoso com a propriedade intelectual.

▪ Ter acesso à informação não garante por sim mesmo o conhecimento, percebido és-te como ferramenta essencial para fazer frente aos reptos do século XXI. Por isso é imprescindível que o estudantado se inicie na aquisição de habilidades e destrezas para aceder à informação, gerí-la, avaliá-la e comunicá-la, adoptando um ponto de vista crítico e pessoal, assim como uma atitude ética e responsável com a propriedade intelectual, reconhecendo as fontes originais sobre as que elabora o seu trabalho.

▪ Propõem-se assim um processo de acompañamento que vá guiando ao estudantado para que, individualmente ou de forma cooperativa, progrida para uma certa autonomia no planeamento e procura de informação em contextos pessoais, ecosociais ou educativos, para transformá-la, comunicá-la de maneira pessoal e criativa, e utilizá-la com diferentes fins, e que implique a localização, a selecção e o contraste de diferentes fontes,. Estes processos de investigação devem ir acompanhados da reflexão guiada que permita avaliar a sua fiabilidade, segurança e pertinência, e distinguir entre factos e opiniões. Mediante o autocontrol, a autocorrección e a autorregulação, o estudantado irá adquirindo as ferramentas intelectuais necessárias para desenvolver a habilidade de analisar e avaliar situações e informações e para conformar um pensamento crítico.

▪ Devem propor-se modelos básicos para orientar ao estudantado a respeito da convenções estabelecidas para a comunicação do conhecimento adquirido em diferentes formatos e suportes. A biblioteca escolar, percebida como um espaço criativo de aprendizagem, será a contorna ideal para a aquisição desta competência mediante projectos globais e interdisciplinares.

OBX7. Ler de maneira autónoma obras diversas seleccionadas atendendo aos seus gustos e interesses, partilhando as experiências de leitura, para iniciar a construção da identidade leitora, para fomentar gostar por de a leitura como fonte de prazer e para desfrutar da sua dimensão social.

▪ Desenvolver este objectivo implica iniciar um caminho de progresso planificado para a construção de personalidades leitoras, o que requer a dedicação de um tempo periódico e constante à leitura individual, acompanhado das estratégias e estruturas adequadas para iniciar a configuração da autonomia e a identidade leitora, que deverá desenvolver-se ao longo de toda a vida. A construção da identidade leitora apela ao autoconcepto que cada pessoa vai conformando de sim mesmo como leitora e se relaciona especialmente com a selecção dos textos e com os hábitos leitores. Trata-se, portanto, de fortalecer a autoimaxe de cada estudante como sujeito leitor para que isso ajude a ler mais e melhor. Para isso há que partir da configuração de um corpus de textos adequado e variado, equilibrando a presença de autoras e autores em língua castelhana, e que responda aos interesses e necessidades individuais, e favoreça o achegamento para a reflexão sobre os grandes reptos do século XXI. Seleccionar-se-ão, preferentemente, textos que facilitem ou propiciem a reflexão sobre valores como a cultura de paz, os direitos da infância, a igualdade de género e o respeito para a diversidade familiar, funcional e étnico-cultural.

▪ A biblioteca escolar deve converter-se num centro nevrálgico de aprendizagem dos saberes básicos e da aquisição de competências, que oferece recursos tanto para partilhar, reflectir e expressar preferências pessoais por volta da leitura, como para impulsionar a inovação, a criatividade e o pensamento crítico da comunidade educativa. É também recomendable conformar comunidades leitoras com referentes partilhados; desenvolver estratégias que ajudem o estudantado a seleccionar os textos do seu interesse, apropriar-se deles e partilhar de maneira pessoal e criativa a sua própria experiência de leitura; e estabelecer contextos nos que surjam motivos para ler, a partir de reptos de indagação e contraste, e que proponham maneiras de vincular afectivamente as leitoras e os leitoras com os textos. À medida que se avance na aquisição do objectivo, será possível ir reduzindo progressivamente o acompañamento docente.

OBX8. Ler, interpretar e analisar, de maneira acompanhada, obras ou fragmentos literários adequados ao seu desenvolvimento, estabelecendo relações entre eles e identificando o género literário e as suas convenções fundamentais, para iniciar no reconhecimento da literatura como manifestação artística e fonte de prazer, conhecimento e inspiração para criar textos de intuito literária.

▪ A educação literária concebe-se como uma aproximação à literatura desde as suas expressões mais singelas, tanto orais como escritas. É imprescindível favorecer experiências pracenteiras que familiarizem o estudantado com referentes literários e culturais partilhados, que incluam uma diversidade de autoras e autores, partindo dos mais próximos, que o acheguem à representação e interpretação simbólica e que sentem as bases para consolidar o hábito leitor e uma progressiva autonomia leitora. De novo, a participação em comunidades leitoras achegará valor acrescentado a este respeito.

▪ Propõem-se trabalhar na sala de aulas a partir de uma selecção de obras ou textos literários em língua castelhana adequados aos interesses e necessidades infantis, em diferentes suportes, que se apresentarão organizados por volta de itinerarios leitores, em função de diferentes critérios (temáticos, por género literário etc.) para que o estudantado possa estabelecer relações entre eles e vá construindo, ainda de maneira incipiente, um mapa literário. Estes textos, ademais de ser o ponto de partida para diferentes actividades (escuta de textos; leitura guiada, acompanhada e autónoma, silenciosa ou em voz alta, com a entoación e o ritmo adequados; leitura dramatizada, recitado, jogos retóricos etc.), servirão também como modelo para a criação de textos com intuito lúdico, artística e criativa e para estabelecer relações e diálogos com outras manifestações artísticas e culturais.

OBX9. Reflectir de forma guiada sobre a linguagem a partir de processos de produção e compreensão de textos em contextos significativos, utilizando a terminologia elementar adequada para iniciar no desenvolvimento da consciência linguística e para melhorar as destrezas de produção e compreensão oral e escrita.

▪ As primeiras reflexões sobre a linguagem devem partir do conhecimento intuitivo que o estudantado tem como utente de uma língua e devem produzir-se sempre de maneira significativa, em contextos de produção e compreensão de textos, nunca como um processo isolado. Com o acompañamento devido, que irá proporcionando um nível progressivo de autonomia, propiciar-se-á a comparação e transformação de palavras, frases, enunciado ou textos, para que o estudantado aprecie em que medida as mudanças produzidas afectam o texto, melhorando ou prejudicando a sua compreensão. Observar-se-ão assim diferentes relações de forma, função e significado entre as palavras ou os grupos de palavras. A partir daí, poder-se-ão formular hipóteses, buscar exemplos e contraexemplos, estabelecer contrastes e comparações etc. com o fim de formular xeneralizacións que estabelecerão pontes entre o uso e o conhecimento linguístico sistemático desde idades temporãs, primeiro utilizando uma linguagem comum, mais próxima à realidade do escolar e da sua contorna, para depois ir introduzindo de maneira progressiva a terminologia específica.

▪ Outras vias de reflexão podem surgir a partir da observação das diferenças entre a língua oral e escrita, entre as diferentes tipoloxías textuais e géneros discursivos, ou mediante a iniciação no contraste interlingüístico a partir das diferentes línguas do estudantado e daquelas integradas na realidade escolar. Em definitiva, trata-se de estimular a reflexão linguística ajustada às limitadas possibilidades de abstracção destas idades e vinculada com os usos reais, que inicie a construção dos conhecimentos sobre a língua que resultarão imprescindíveis para um melhor uso e uma comunicação mais eficaz.

OBX10. Pôr as próprias práticas comunicativas ao serviço da convivência democrática utilizando uma linguagem não discriminatoria e detectando e rejeitando os abusos de poder através da palavra para favorecer um uso não só eficaz senão também ético da linguagem.

▪ Iniciar na aquisição deste objectivo implica iniciar uma aprendizagem cujo resultado seja formar pessoas, não só eficazes à hora de comunicar-se, senão que ponham as palavras ao serviço de uma finalidade conforme com um imperativo ético e edificante: erradicar os usos discriminatorios e manipuladores da linguagem, assim como os abusos de poder através da palavra.

▪ No âmbito da comunicação pessoal, a educação linguística deve ajudar a forjar relações interpersoais baseadas na empatía e o respeito, que tenham em conta a perspectiva de género. Para isso, devem-se brindar ferramentas para a escuta activa, a comunicação asertiva, a deliberação argumentada e a resolução dialogada dos conflitos, favorecendo a construção de opiniões pessoais razoadas, reflexivas e justificadas. No âmbito escolar e social, a educação linguística deve capacitar para tomar a palavra no exercício de uma cidadania activa e comprometida na construção de sociedades mais equitativas, mais democráticas e mais responsáveis em relação com os grandes desafios que como humanidade temos projectados: a sustentabilidade do planeta, a erradicação das infinitas violências e as crescentes desigualdades.

6.3. Critérios de avaliação e conteúdos.

Primeiro ciclo.

1º curso.

Área de Língua Castelhana e Literatura

Primeiro ciclo

1º curso

Bloco 1. A língua e os seus falantes

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Mostrar interesse e respeito pelas diferentes línguas e variedades dialectais da sua contorna, incluída uma primeira aproximação às línguas de signos, valorando a igualdade nas diferenças.

OBX1

▪ QUE1.2. Reconhecer, de maneira acompanhada e em contextos próximos, alguns prejuízos e estereótipos linguísticos e culturais muito frequentes, a partir da observação da contorna.

OBX1

▪ QUE1.3. Reconhecer as diferentes línguas empregadas na sua contorna através da interacção com as pessoas próximas.

OBX1

▪ QUE1.4. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios identificados a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos elementares, verbais e não verbais, que regem a comunicação, tendo em conta um reconhecimento social equilibrado das duas línguas oficiais.

OBX10

▪ QUE1.5. Usar uma linguagem respeitosa com as diferenças pessoais, culturais e com a perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Biografia linguística pessoal e da sua contorna.

▪ Valoração da diversidade da língua na sua contorna.

▪ Identificação de prejuízos e estereótipos linguísticos e culturais a partir da observação da contorna.

▪ A diversidade etnocultural e linguística no contexto escolar e família.

▪ Reconhecimento nas expressões verbais e não verbais da igualdade entre homens e mulheres.

▪ Uso de uma linguagem, verbal e não verbal, não discriminatoria, respeitosa com as diferenças e com a perspectiva de género.

Bloco 2. Comunicação oral

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Compreender o sentido de textos orais e multimodais singelos, reconhecendo as ideias principais e as mensagens explícitas e as mensagens implícitas mais singelas, e iniciando, de maneira acompanhada, a valoração do contido da informação mais relevante e dos elementos não verbais elementares.

OBX2

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.2. Alargar paulatinamente o vocabulário básico a partir das experiências e situações de sala de aulas.

OBX2

▪ QUE2.3. Identificar, de maneira acompanhada, o conteúdo de textos orais e multimodais singelos, valorando a informação mais relevante.

OBX2

▪ QUE2.4. Reproduzir textos orais singelos e próximos aos seus gustos e interesses.

OBX3

▪ QUE2.5. Produzir textos orais e multimodais coherentes, com planeamento acompanhado e utilizando recursos não verbais elementares.

OBX3

▪ QUE2.6. Participar em interacções orais espontâneas, respeitando as normas básicas da cortesía linguística e utilizando um vocabulário ajeitado ao nível e com uma sequência coherente e incorporando estratégias elementares de escuta activa.

OBX3

▪ QUE2.7. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios identificados a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos elementares, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

▪ QUE2.8. Mobilizar, com o planeamento e acompañamento necessários, estratégias elementares para a escuta activa e o consenso, iniciando na gestão dialogada de conflitos.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência dos componentes (situação, participantes ou intuito) na comunicação oral.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas elementares sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Elementos básicos de conteúdo (tema, léxico).

– Interesse pela ampliação de vocabulário básico.

– Estratégias para a produção, com coesão e coerência, de textos orais básicos ajeitado a sua idade (normas, contos…).

▪ Processos: interacção oral.

– Estratégias para o reconhecimento e interpretação de forma acompanhada da informação geral de textos singelos adequados à idade.

– Interacção oral adequada em situações de sala de aulas com respeito à normas sociais, utilizando um vocabulário ajeitado ao nível e com uma sequência coherente

– Estratégias de escuta activa na resolução dialogada dos conflitos.

▪ Processos: compreensão oral.

– Compreensão global de textos orais e multimodais singelos de diversa tipoloxía, reconhecendo as ideias principais e as mensagens explícitas e as mensagens implícitas mais singelas, e atendendo à forma da mensagem procedente de diversas fontes.

– Reconhecimento e valoração do contido de textos orais e multimodais singelos da informação mais relevante e dos elementos básicos da comunicação não verbal.

– Audição, dramatización e reprodução de textos adequados ao nível que estimulem o seu interesse e gustos.

– Detecção de usos claramente discriminatorios da linguagem verbal e não verbal em anúncios, cartazes publicitários...

▪ Processos: produção oral.

– Criação de textos orais básicos utilizando uma linguagem verbal não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

– Construção e comunicação de conhecimento mediante o planeamento e produção acompanhada de textos orais e multimodais breves e singelos, utilizando recursos não verbais elementares.

Bloco 3. Comunicação escrita

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Ler em voz alta textos singelos de carácter infantil identificando o sentido global do texto.

OBX4

▪ QUE3.2. Desenvolver estratégias para a compreensão leitora de textos ajeitado ao nível: título e ilustrações.

OBX4

▪ QUE3.3. Compreender o sentido global de diferentes tipos de textos adaptados à sua idade, valorando a leitura como médio de aquisição de vocabulário, como desfruto pessoal, a partir de estratégias básicas de compreensão antes, durante e depois da leitura.

OBX4

▪ QUE3.4. Analisar, de maneira acompanhada, o conteúdo de textos escritos singelos ajeitado ao seu nível e os aspectos formais e não verbais de textos infantis singelos.

OBX4

▪ QUE3.5. Empregar a leitura de textos infantis singelos para favorecer uma comunicação mais eficaz, aplicando os conhecimentos básicos a respeito do vocabulário e das regras de ortografía.

OBX4

▪ QUE3.6. Adquirir o hábito leitor e gostar por de a leitura através da leitura de textos ajeitado ao nível.

OBX4

▪ QUE3.7. Produzir, com ajuda, textos escritos e multimodais singelos próprios do âmbito escolar e textos infantis breves e singelos a partir de modelos dados, mobilizando, de maneira acompanhada, estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, textualización e revisão.

OBX5

▪ QUE3.8. Conhecer, de forma geral e acompanhada, a organização e funcionamento das bibliotecas de sala de aulas e de centro, mostrando interesse por formar uma pequena biblioteca própria.

OBX6

▪ QUE3.9. Construir, através da linguagem e de forma progressiva, um pensamento crítico não discriminatorio.

OBX10

▪ QUE3.10. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos elementares da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Estratégias para o planeamento e produção de textos básicos ajeitado à sua idade (normas, contos…).

– Incidência dos componentes (situação e participantes) no acto comunicativo.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas elementares sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Elementos básicos de conteúdo (tema, fórmulas fixas).

– Estratégias para a compreensão leitora de textos ajeitado ao nível: título e ilustrações.

▪ Processos: compreensão leitora.

– Leitura em voz alta com entoación e ritmo progressivamente adequados ao nível cognitivo.

– Elementos gráficos e paratextuais singelos que facilitam a compreensão antes, durante e depois da experiência leitora.

– Estratégias básicas para aquisição de habilidades em processos de compreensão de textos singelos.

– Valoração da leitura de textos singelos como médio para alargar o vocabulário, aplicando os conhecimentos básicos das normas ortográfico.

– Leitura guiada de textos adequados aos interesses infantis para atingir progressivamente à expresividade.

– Uso da biblioteca de sala de aulas ou do centro como recurso para a aquisição do hábito leitor através da leitura de textos ajeitado ao nível.

– Início no conhecimento básico a respeito da organização e funcionamento das bibliotecas de sala de aulas e de centro e na criação de uma biblioteca própria e pessoal.

– Detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e icónico.

▪ Processos: produção escrita.

– Aquisição progressiva da lectoescritura.

– Estratégias básicas para a compreensão ou produção de textos singelos de uso social.

– Elementos gráficos e paratextuais singelos, como as ilustrações que facilitam a compreensão do texto.

– Estratégias básicas para a melhora da expressão escrita.

– Produção de textos escritos básicos a partir de um planeamento guiado com coerência e cuidando a apresentação, mobilizando, de maneira acompanhada, estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, textualización e revisão.

– Valoração da própria produção escrita, assim como a produção escrita dos colegas e colegas.

– Iniciação das regras ortográfico básicas, com especial atenção ao uso do ponto e das maiúsculas.

– Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 4. Alfabetização mediática e informacional

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Localizar, seleccionar e contrastar informação de diferentes fontes, incluídas as digitais, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

OBX6

▪ QUE4.2. Partilhar os resultados de um processo de investigação grupal singelo, sobre algum tema de interesse pessoal, realizado de maneira acompanhada, que implique a selecção de diferentes fontes documentários para a procura da informação.

OBX6

▪ QUE4.3. Conhecer, de modo guiado, o funcionamento da biblioteca de sala de aulas ou do centro.

OBX6

▪ QUE4.4. Adoptar hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável das tecnologias digitais em relação com a busca e a comunicação da informação, utilizando, de modo guiado, programas e aplicações educativas digitais.

OBX6

▪ QUE4.5. Construir a identidade leitora a partir de leituras de textos de diferentes fontes.

OBX7

▪ QUE4.6. Colaborar em comunidades leitoras de âmbito escolar através de experiências de leitura partilhada.

OBX7

Conteúdos

▪ Estratégias básicas para o inicio guiado na procura da localização, selecção e contraste de informação singela e na comparação da informação recolhida de diferentes fontes, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

▪ Valoração da elaboração e comunicação da informação recolhida em fontes singelas.

▪ Modelos explícitos para comunicar a informação.

▪ Utilização da biblioteca e dos recursos digitais da sala de aulas ou do centro.

▪ Utilização das tecnologias da informação e da comunicação para a procura da informação, adoptando hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável.

▪ Reconhecimento da autoria dos textos de forma acompanhada.

▪ Construção da identidade leitora a partir da leitura de textos de diversas fontes de informação.

▪ Colaboração em comunidades leitoras escolares através de experiências leitoras partilhadas.

Bloco 5. Educação literária

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Ler de maneira acompanhada textos de diferentes autores e autoras acordes com os seus gustos e interesses, tendo em conta as diferentes etapas do processo evolutivo da leitura.

OBX7

▪ QUE5.2. Partilhar oralmente e de forma acompanhada a experiência da leitura e o seu desfruto, participando em comunidades leitoras de âmbito escolar.

OBX7

▪ QUE5.3. Apreciar o valor de textos literários singelos (contos, lendas, fábulas, relatos) em qualquer língua como fonte de lazer e desfruto pessoal.

OBX7

▪ QUE5.4. Identificar a biblioteca da sala de aulas ou de centro como palco de actividades literárias elementares partilhadas.

OBX7

▪ QUE5.5. Reproduzir, de modo acompanhado e a partir de modelos dados, textos literários singelos.

OBX7

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.6. Escutar e ler textos orais e escritos da literatura infantil, que recolham diversidade de autores e autoras, estabelecendo de maneira acompanhada relações elementares entre eles e com outras manifestações artísticas e culturais.

OBX8

▪ QUE5.7. Interpretar textos e obras variadas da literatura infantil adequadas ao nível e interesses (contos, lendas e adivinhas), reconhecendo-as como fonte de prazer e inspiração para a criação de textos de intuito literária.

OBX8

Conteúdos

▪ Leitura acompanhada de obras singelas e variadas da literatura infantil adequadas aos seus interesses.

▪ Leitura expressivo, dramatización ou interpretação de fragmentos singelos atendendo aos processos de compreensão e ao nível de desenvolvimento.

▪ Início na construção da identidade leitora mediante a leitura de breves textos literários, adaptados à idade. Expressão de gustos e interesses.

▪ Estratégias básicas para a leitura e interpretação acompanhada e partilhada de textos, participando nas comunidades leitoras de âmbito escolar.

▪ Funcionamento elementar da biblioteca da sala de aulas ou de centro como palco de actividades literárias elementares partilhadas.

▪ Conhecimento e leitura guiada de textos literários singelos e de contos tradicionais como fonte de lazer e desfruto pessoal.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas singelos.

▪ Criação de breves relatos e contos infantis a partir de modelos básicos, cuidando a limpeza e a apresentação.

▪ Relação dos textos lidos da literatura infantil com outras manifestações artísticas e culturais.

▪ Estratégias para a interpretação acompanhada e partilhada de obras singelas através de conversações dirigidas.

Bloco 6. Reflexão sobre a língua e os seus usos no marco de propostas de produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Comparar aspectos básicos das línguas do âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada.

OBX1

▪ QUE6.2. Produzir, de maneira acompanhada, textos escritos e multimodais singelos em diferentes suportes, desde as diferentes etapas do processo evolutivo da escrita, ajustando-se a modelos dados.

OBX5

▪ QUE6.3. Formular conclusões elementares sobre o funcionamento da língua, prestando especial atenção à concordancia e às relações de significado entre as palavras, a partir da observação, da comparação e da transformação de palavras e enunciado, num processo acompanhado de compreensão de textos em contextos significativos.

OBX9

▪ QUE6.4. Rever e melhorar os textos próprios e emendar alguns problemas de compreensão leitora, de maneira acompanhada, a partir da reflexão metalingüística e interlingüística e usando a terminologia linguística básica adequada.

OBX9

▪ QUE6.5. Iniciar a aquisição de vocabulário através dos textos.

OBX9

Conteúdos

▪ Identificação das similitudes e diferenças entre as línguas do seu âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada e progredir na sua aprendizagem.

▪ Diferenças elementares entre língua oral e língua escrita.

▪ Estratégias para a transformação guiada de palavras entre as diferentes línguas da contorna escolar.

▪ Signos básicos de pontuação como mecanismo para organizar o texto escrito.

▪ Reconhecimento da existência de diferentes tipos de palavras e enunciado e as relações de concordancia entre elas, a partir da observação, comparação e transformação.

▪ Mecanismos básicos de coesão e coerência textual para produzir textos escritos e multimodais singelos em diferentes suportes, desde as diferentes etapas do processo evolutivo da escrita, ajustando-se a modelos dados.

▪ Estratégias básicas de reconhecimento do intuito comunicativo.

▪ Procedimentos elementares de aquisição de vocabulário e relação de significado entre umas palavras e outras.

2º curso.

Área de Língua Castelhana e Literatura

Primeiro ciclo

2º curso

Bloco 1. A língua e os seus falantes

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Mostrar interesse e respeito pelas diferentes línguas e variedades dialectais da sua contorna, incluídas uma primeira aproximação às línguas de signos, valorando a igualdade nas diferenças.

OBX1

▪ QUE1.2. Reconhecer, de maneira acompanhada e em contextos próximos, alguns prejuízos e estereótipos linguísticos e culturais muito frequentes, a partir da observação da contorna.

OBX1

▪ QUE1.3. Reconhecer as diferentes línguas empregadas na sua contorna através da interacção com as pessoas próximas.

OBX1

▪ QUE1.4. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios identificados a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos elementares, verbais e não verbais, que regem a comunicação, tendo em conta uma valoração social equilibrada das duas línguas oficiais.

OBX10

▪ QUE1.5. Usar uma linguagem respeitosa com as diferenças pessoais, culturais e com a perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Biografia linguística pessoal e da sua contorna.

▪ Valoração da diversidade da língua na sua contorna.

▪ Identificação de prejuízos e estereótipos linguísticos e culturais a partir da observação da contorna.

▪ A diversidade etnocultural e linguística na contorna escolar, familiar e social.

▪ Reconhecimento nas expressões verbais e não verbais da igualdade entre homens e mulheres.

▪ Uso de uma linguagem não discriminatoria, respeitosa com as diferenças e com a perspectiva de género.

Bloco 2. Comunicação oral

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Compreender o sentido de textos orais e multimodais singelos, reconhecendo as ideias principais e as mensagens explícitas e as mensagens implícitas mais singelas e iniciando, de maneira acompanhada, a valoração do contido da informação mais relevante e dos elementos não verbais elementares.

OBX2

▪ QUE2.2. Alargar paulatinamente o vocabulário a partir das experiências e situações de sala de aulas.

OBX2

▪ QUE2.3. Identificar, de maneira acompanhada, o conteúdo de textos orais e multimodais singelos, valorando a informação mais relevante.

OBX2

▪ QUE2.4. Reproduzir textos orais singelos e próximos aos seus gustos e interesses.

OBX3

▪ QUE2.5. Produzir textos orais e multimodais coherentes, com planeamento acompanhado e utilizando recursos não verbais elementares.

OBX3

▪ QUE2.6. Participar em interacções orais, espontâneas, respeitando as normas básicas da cortesía linguística e utilizando um vocabulário ajeitado ao nível e com uma sequência coherente, incorporando estratégias elementares de escuta activa.

OBX3

▪ QUE2.7. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios identificados a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos elementares, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

▪ QUE2.8. Mobilizar, com o planeamento e acompañamento necessários, estratégias elementares para a escuta activa e o consenso, iniciando na gestão dialogada de conflitos.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência dos componentes (situação, participantes ou intuito) na comunicação oral.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas elementares sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Elementos básicos de conteúdo (tema, léxico).

– Interesse pela ampliação de vocabulário para uma melhor comunicação oral.

– Estratégias para a produção, com coesão e coerência, de textos orais, utilizando recursos não verbais básicos.

▪ Processos: interacção oral.

– Estratégias para o reconhecimento, selecção e interpretação da informação geral do texto.

– Interacção oral adequada em situações de sala de aulas com respeito à normas sociais, utilizando um vocabulário ajeitado ao nível e com uma sequência coherente.

– Estratégias de escuta activa na resolução dialogada dos conflitos, tendo em conta a perspectiva de género.

▪ Processos: compreensão oral.

– Compreensão global de textos orais e multimodais singelos de diversa tipoloxía, reconhecendo as ideias principais e as mensagens explícitas e as mensagens implícitas mais singelas, e atendendo à forma da mensagem procedente de diversas fontes.

– Reconhecimento e valoração do contido de textos orais e multimodais singelos, da informação mais relevante e dos elementos básicos da comunicação não verbal.

– Audição, dramatización e reprodução de textos adequados ao nível que estimulem o seu interesse e gustos.

– Detecção de usos claramente discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

▪ Processos: produção oral.

– Construção e comunicação de conhecimento mediante o planeamento e produção acompanhada de textos orais e multimodais breves e singelos utilizando recursos não verbais elementares.

– Coesão na reprodução oral de textos singelos.

– Interesse por expressar-se oralmente com pronúncia e entoación adequadas.

– Criação de textos orais básicos utilizando uma linguagem verbal não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 3. Comunicação escrita

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Ler de maneira silenciosa e em voz alta textos singelos de carácter infantil, identificando, de maneira acompanhada, o sentido global e a informação relevante.

OBX4

▪ QUE3.2. Desenvolver estratégias para a compreensão leitora de textos singelos ajeitado ao nível: título, ilustrações e identificação de palavras-chave.

OBX4

▪ QUE3.3. Compreender o sentido global de diferentes tipos de textos adaptados à sua idade, valorando a leitura como médio para alargar o vocabulário e como desfruto pessoal, a partir de estratégias básicas de compreensão antes, durante e depois da leitura.

OBX4

▪ QUE3.4. Analisar, de maneira acompanhada, o conteúdo de textos escritos singelos, valorando o conteúdo e estrutura.

OBX4

▪ QUE3.5. Empregar a leitura de textos infantis e tradicionais singelos para favorecer uma comunicação mais eficaz, aplicando os conhecimentos básicos a respeito do vocabulário e das regras de ortografía.

OBX4

▪ QUE3.6. Adquirir o hábito leitor e gostar por de a leitura através da leitura de textos ajeitado ao nível.

OBX4

▪ QUE3.7. Produzir, com ajuda e em diferentes suportes, textos escritos e multimodais singelos próprios do âmbito escolar e social adaptados à sua idade, mobilizando de maneira acompanhada estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, textualización e revisão.

OBX5

▪ QUE3.8. Utilizar, de modo acompanhado, as bibliotecas de sala de aulas e de centro, respeitando as normas básicas de funcionamento e mostrando interesse por formar uma pequena biblioteca própria.

OBX6

▪ QUE3.9. Construir, através da linguagem e de forma progressiva, um pensamento crítico não discriminatorio.

OBX10

▪ QUE3.10. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios identificados a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos elementares da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Estratégias para a coerência textual.

– Incidência dos componentes (situação, participantes ou intuito) no acto comunicativo.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas elementares sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Elementos básicos de conteúdo (tema, fórmulas fixas, léxico).

– Estratégias elementares para a compreensão leitora de textos singelos de diversa tipoloxía.

▪ Processos: compreensão leitora.

– Leitura partilhada com entoación e ritmo progressivamente adequados ao nível cognitivo.

– Elementos gráficos e paratextuais básicos que favorecem a compreensão antes, durante e depois da experiência leitora.

– Estratégias básicas de compreensão leitora, em voz alta e em silêncio, e produção de textos singelos, adaptados ao nível que estimulem o seu interesse pela leitura.

– Valoração da leitura de textos como médio para alargar o vocabulário, progredindo na aplicação das normas ortográfico ajeitadas ao seu nível.

– Leitura guiada de textos adequados aos interesses infantis para atingir progressivamente à expresividade.

– Uso da biblioteca de sala de aulas ou do centro como recurso para a aquisição do hábito leitor através da leitura de textos ajeitado ao nível.

– Uso das bibliotecas da sala de aulas e do centro, como instrumento e fonte de recursos textuais diversos, respeitando as suas normas de organização e funcionamento. Início na criação de uma biblioteca própria e pessoal.

– Detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e icónica.

▪ Processos: produção escrita.

– Consolidação do sistema de lectoescritura.

– Estratégias para a compreensão ou produção de textos singelos de uso social.

– Elementos gráficos e paratextuais singelos que facilitam a organização e a compreensão do texto.

– Estratégias básicas para a melhora da expressão escrita.

– Produção de textos singelos, com coerência e cuidado e caligrafía clara na apresentação, relativos a situações quotidianas infantis, mobilizando, de maneira acompanhada, estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, textualización e revisão.

– Criação de textos utilizando a linguagem com intuito informativo: cartazes, anúncios, pequenos cómics.

– Valoração da própria produção escrita, assim como a produção escrita dos colegas e colegas.

– Aquisição progressiva das regras ortográfico básicas.

– Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 4. Alfabetização mediática e informacional

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Localizar, seleccionar e contrastar informação de diferentes fontes, incluídas as digitais, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

OBX6

▪ QUE4.2. Partilhar os resultados de um processo de investigação grupal singelo, sobre algum tema de interesse pessoal, realizado de maneira acompanhada, que implique a selecção de diferentes fontes documentários e diferentes suportes para a procura da informação.

OBX6

▪ QUE4.3. Utilizar a biblioteca de sala de aulas e de centro, de modo guiado, para localizar leituras ajeitado aos seus interesses.

OBX6

▪ QUE4.4. Adoptar hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável das tecnologias digitais em relação com a busca e a comunicação da informação, utilizando, de modo guiado, programas e aplicações educativas digitais.

OBX6

▪ QUE4.5. Construir a identidade leitora a partir de leituras de textos de diversas fontes.

OBX7

▪ QUE4.6. Colaborar em comunidades leitoras de âmbito escolar através de experiências de leitura partilhada.

OBX7

Conteúdos

▪ Estratégias básicas para o inicio guiado na procura da localização, selecção e contraste de informação singela e na comparação da informação recolhida de diferentes fontes, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

▪ Valoração da elaboração e comunicação da informação recolhida de diferentes fontes.

▪ Modelos explícitos para reelaborar de forma acompanhada a informação.

▪ Utilização da biblioteca e dos recursos digitais de sala de aulas ou do centro para a procura da informação adequada ao seu nível e como fonte de lazer.

▪ Utilização das tecnologias da informação e da comunicação para a procura da informação, adoptando hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável.

▪ Reconhecimento da autoria dos textos de forma acompanhada.

▪ Construção da identidade leitora a partir da leitura de textos de diversas fontes de informação.

▪ Colaboração em comunidades leitoras escolares através de experiências leitoras partilhadas.

Bloco 5. Educação literária

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Ler de maneira progressivamente autónoma textos de diferentes autores e autoras acordes com os seus gustos e interesses, tendo em conta as diferentes etapas do processo evolutivo da leitura.

OBX7

▪ QUE5.2. Partilhar oralmente a experiência da leitura e o seu desfruto, participando em comunidades leitoras de âmbito escolar.

OBX7

▪ QUE5.3. Apreciar o valor dos textos literários singelos (contos, lendas, fábulas, relatos) em qualquer língua, como fonte de lazer e desfruto pessoal.

OBX7

▪ QUE5.4. Identificar a biblioteca da sala de aulas ou de centro como palco de actividades literárias elementares partilhadas.

OBX7

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.5. Reproduzir, a partir de modelos dados, textos literários singelos.

OBX7

▪ QUE5.6. Escutar e ler textos orais e escritos da literatura infantil, que recolham diversidade de autores e autoras, estabelecendo de maneira acompanhada relações elementares entre eles e com outras manifestações artísticas ou culturais.

OBX8

▪ QUE5.7. Interpretar obras variadas da literatura infantil adequadas ao nível e interesses, valorando a sua diversidade (contos, lendas e adivinhas) e reconhecendo-as como fonte de prazer e inspiração para a criação de textos de intuito literária.

OBX8

Conteúdos

▪ Leitura acompanhada de obras singelas e variadas da literatura infantil adequadas aos seus interesses.

▪ Leitura expressivo, dramatización ou interpretação de fragmentos singelos atendendo aos processos de compreensão e ao nível de desenvolvimento.

▪ Início na construção da identidade leitora mediante a leitura de textos literários, adaptados à idade. Expressão de gustos e interesses.

▪ Estratégias básicas para a leitura e interpretação acompanhada e partilhada de textos, participando nas comunidades leitoras de âmbito escolar.

▪ Funcionamento básico da biblioteca da sala de aulas ou de centro como palco de actividades literárias elementares partilhadas.

▪ Conhecimento e leitura guiada de textos literários singelos e de contos tradicionais, valorando a sua importância como fonte de lazer e desfruto pessoal.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas singelos.

▪ Criação e dramatización de breves relatos e contos infantis, adaptados à idade, a partir de modelos dados, cuidando a limpeza e a apresentação.

▪ Os elementos essenciais da obra literária (tema e personagens principais).

▪ Relação dos textos lidos da literatura infantil com outras manifestações artísticas e culturais.

▪ Estratégias para a interpretação acompanhada e partilhada das obras (contos, lendas e adivinhas) através de conversações dirigidas, valorando a diversidade cultural.

Bloco 6. Reflexão sobre a língua e os seus usos no marco de propostas de produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Comparar aspectos básicos das línguas do âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada.

OBX1

▪ QUE6.2. Produzir textos escritos e multimodais singelos e coherentes em diferentes suportes, desde as diferentes etapas do processo evolutivo da escrita, ajustando-se a modelos dados e mobilizando, de maneira acompanhada, estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição.

OBX5

▪ QUE6.3. Formular conclusões elementares sobre o funcionamento da língua, prestando especial atenção à concordancia e às relações de significado entre as palavras, a partir da observação, comparação e transformação de palavras e enunciado, num processo acompanhado de compreensão de textos em contextos significativos.

OBX9

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.4. Rever e melhorar os textos próprios e emendar alguns problemas de compreensão leitora, de maneira acompanhada, a partir da reflexão metalingüística e interlingüística e usando a terminologia linguística básica adequada.

OBX9

▪ QUE6.5. Progredir na aquisição de vocabulário através dos textos.

OBX9

Conteúdos

▪ Identificação das similitudes e diferenças entre as línguas do seu âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada e progredir na sua aprendizagem.

▪ Diferenças elementares entre língua oral e língua escrita.

▪ Estratégias para a produção guiada de palavras e enunciado entre diferentes línguas da contorna escolar.

▪ Signos básicos de pontuação como mecanismo para organizar o texto escrito.

▪ Reconhecimento da existência de diferentes tipos de palavras e enunciado, prestando especial atenção às relações de concordancia entre elas, a partir da observação, comparação e transformação.

▪ Mecanismos básicos de coesão e coerência textual para produzir textos escritos e multimodais singelos em diferentes suportes, desde as diferentes etapas do processo evolutivo da escrita, ajustando-se a modelos dados e mobilizando estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição.

▪ Estratégias e técnicas básicas de reconhecimento do intuito comunicativo.

▪ Procedimentos elementares de aquisição de vocabulário e relação de significado entre umas palavras e outras.

Segundo ciclo.

3º curso.

Área de Língua Castelhana e Literatura

Segundo ciclo

3º curso

Bloco 1. A língua e os seus falantes

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Mostrar interesse e respeito pelas diferentes línguas e variedades dialectais da Galiza, incluída uma primeira aproximação às línguas de signos, identificando as empregadas no seu âmbito familiar.

OBX1

▪ QUE1.2. Reconhecer a existência de prejuízos e estereótipos linguísticos frequentes, achegando alternativas e valorando a pluralidade linguística da sua contorna como uma fonte de riqueza cultural.

OBX1

▪ QUE1.3. Reconhecer as diferentes línguas empregadas na sua contorna através da interacção com as pessoas próximas.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.4. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios da comunicação, tendo em conta uma valoração social equilibrada das duas línguas oficiais.

OBX10

▪ QUE1.5. Usar uma linguagem respeitosa com as diferenças pessoais, culturais e com a perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Biografia linguística pessoal e do seu centro educativo.

▪ Valoração da diversidade da língua na contorna e na nossa comunidade autónoma.

▪ Identificação de prejuízos e estereótipos linguísticos.

▪ A diversidade etnocultural e linguística como riqueza e ferramenta para achegar-se à sua contorna.

▪ Reconhecimento nas expressões verbais e não verbais da igualdade entre homens e mulheres.

▪ Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças, tendo uma perspectiva de género.

Bloco 2. Comunicação oral

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Compreender o sentido de textos orais e multimodais singelos, reconhecendo as ideias principais, as mensagens explícitas e as mensagens implícitas mais singelas, e progredindo, de maneira acompanhada, na valoração crítica do contido.

OBX2

▪ QUE2.2. Alargar paulatinamente o vocabulário a partir das experiências e situações quotidianas.

OBX2

▪ QUE2.3. Identificar, de maneira acompanhada, o conteúdo de textos orais e multimodais diversos, valorando a informação mais relevante.

OBX2

▪ QUE2.4. Elaborar textos orais e multimodais coherentes, com planeamento acompanhado, ajustando o discurso à situação comunicativa e utilizando recursos não verbais básicos.

OBX3

▪ QUE2.5. Participar em interacções orais espontâneas ou reguladas, incorporando estratégias elementares de escuta activa e respeitando as normas básicas da cortesía linguística.

OBX3

▪ QUE2.6. Expressar-se com coerência de forma oral para satisfazer necessidades de comunicação em diferentes situações.

OBX3

▪ QUE2.7. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e identificar os abusos de poder através da palavra desde uma reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos básicos, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

▪ QUE2.8. Mobilizar, com o planeamento e o acompañamento necessários, estratégias básicas para a comunicação asertiva e o consenso, progredindo na gestão dialogada de conflitos.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência dos componentes (situação, participantes, propósito comunicativo, canal) no acto comunicativo.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas básicas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Intuito comunicativo e chaves da tipoloxía textual básica: narração, descrição, diálogo e exposição.

– Interesse pela ampliação de vocabulário para uma melhor comunicação oral.

– Estratégias para a coerência e a coesão na produção e reprodução oral de textos.

▪ Processos: interacção oral.

– Estratégias de interpretação de elementos básicos da comunicação não verbal.

– Interacção oral adequada em situações de sala de aulas, mobilizando estratégias básicas de cortesía linguística e asertividade.

– Participação activa em situações de comunicação, espontâneas e dirigidas, utilizando frases com uma sequência lineal singela e coherente, construindo o discurso de acordo com as necessidades comunicativas de cada situação.

– Estratégias de expressão e escuta empática de necessidades, vivências e emoções próprias e alheias para a resolução dialogada dos conflitos, tendo em conta a perspectiva de género.

▪ Processos: compreensão oral.

– Compreensão global e específica e identificação das ideias mais relevantes de textos orais de diversa tipoloxía e procedentes de diversas fontes (gravações, meios de comunicação, escuta oral de contos infantis).

– Compreensão e expressão de mensagens verbais e não verbais, especialmente gestos e tom de voz que incidam no significado da mensagem que se quer transmitir.

– Audição, dramatización e reprodução de textos adequados ao nível, que estimulem o interesse e os gustos.

– Estratégias para utilizar a linguagem oral como instrumento de comunicação e aprendizagem (escutar e perguntar) e para a identificação e interpretação do sentido global de textos orais e multimodais singelos.

– Detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

▪ Processos: produção oral.

– Produção de textos orais singelos de diferente tipoloxía. Pronúncia e entoación adequadas.

– Construção, valoração e comunicação de conhecimento mediante o planeamento e produção acompanhada de textos orais e multimodais singelos.

– Criação de textos orais utilizando uma linguagem verbal não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 3. Comunicação escrita

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Ler de maneira silenciosa e em voz alta textos escritos e multimodais singelos, identificando o sentido global e a informação relevante e integrando, de maneira acompanhada, a informação explícita.

OBX4

▪ QUE3.2. Compreender diferentes tipos de textos adaptados à sua idade, alargando os conhecimentos básicos sobre a estrutura da língua, a gramática, o vocabulário, assim como as regras de ortografía para favorecer uma comunicação mais eficaz.

OBX4

▪ QUE3.3. Utilizar estratégias para a compreensão leitora de textos de diversa tipoloxía, identificando palavras-chave e antecipando hipóteses.

OBX4

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.4. Analisar, de maneira acompanhada, aspectos formais e não verbais elementares de textos escritos e multimodais, valorando o seu conteúdo e estrutura, como médio para alargar o vocabulário e consolidar a ortografía correcta.

OBX4

▪ QUE3.5. Adquirir a eficácia leitora mediante um planeamento de melhora e gostar por de a leitura.

OBX4

▪ QUE3.6. Produzir textos escritos e multimodais singelos e coherentes em diferentes suportes, seleccionado o modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa e iniciar-se, de maneira acompanhada, na mobilização de estratégias singelas, de planeamento, redacção e revisão, cuidando a apresentação.

OBX5

▪ QUE3.7. Elaborar textos escritos e multimodais singelos e coherentes, individuais ou colectivos, integrando recursos gráficos ou paratextuais que facilitem a compreensão do sentido global do texto.

OBX5

▪ QUE3.8. Utilizar, de modo acompanhado, as bibliotecas de sala de aulas e de centro, respeitando as suas normas básicas de organização e funcionamento e participando nas actividades organizadas e interessar-se por formar uma pequena biblioteca de sala de aulas.

OBX6

▪ QUE3.9. Atingir as destrezas e competências linguísticas através do uso da língua escrita.

OBX9

▪ QUE3.10. Construir, através da linguagem e de forma progressiva, um pensamento crítico para evitar discriminações e prejuízos.

OBX10

▪ QUE3.11. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e identificar os abusos de poder através da palavra a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos básicos, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência dos componentes (situação, participantes, propósito comunicativo, canal) no acto comunicativo.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a compreensão leitora de textos singelos de diversa tipoloxía.

– Estratégias para a aquisição de destrezas básicas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Elementos básicos de conteúdo (tema, léxico) e forma (estrutura, título, imagens).

– Intuito comunicativo e chaves da tipoloxía textual básica: narração, descrição, diálogo.

– Estratégias para a coerência e a coesão na produção e reprodução de textos escritos.

▪ Processos: compreensão leitora.

– Leitura individual ou acompanhada de diferentes tipos de textos, com entoación e ritmo adequados ao desenvolvimento cognitivo.

– Estratégias básicas de compreensão do sentido geral e identificação das ideias mais relevantes de textos.

– Elementos gráficos, textuais e paratextuais singelos que favorecem a compreensão antes, durante e depois da experiência leitora.

– Estratégias básicas de uso de fontes documentários diversas, para melhorar a compreensão dos textos.

– Valoração da leitura como médio para alargar o vocabulário progredindo na consolidação de uma ortografía correcta.

– Compreensão de textos diversos, adequados à sua idade, lidos em voz alta e em silêncio, empregando a leitura como médio para alargar o vocabulário e consolidar a ortografía correcta.

– Uso da biblioteca para a leitura dos livros propostos, na procura de informação e utilização desta como fonte de informação e lazer.

– Uso da biblioteca respeitando as suas normas de organização e funcionamento e valorando a participação nas actividades organizadas. Continuidade na criação de uma biblioteca própria e pessoal.

– Detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e icónico.

▪ Processos: produção escrita.

– Aplicação das normas ortográfico básicas adequadas ao seu desenvolvimento cognitivo e coesão do texto: manutenção do tempo verbal, pontuação...

– Criação de textos utilizando a linguagem com intuito informativo: cartazes, anúncios, pequenos cómics.

– Modelos e estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão de textos escritos singelos, em diferentes suportes (incluindo os digitais), com diferentes propósitos comunicativos.

– Produção de textos escritos e multimodais singelos, coherentes e com apresentação cuidada, utilizando em cada situação o modelo discursivo que corresponda.

– Estratégias básicas de uso de fontes documentários diversas, tanto em papel como digitais, para melhorar a expressão escrita e a elaboração de textos.

– Uso de elementos gráficos e paratextuais básicos que facilitem a organização e compreensão do texto.

– Valoração da própria produção escrita e da produção escrita dos colegas e colegas.

– Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 4. Alfabetização mediática e informacional

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Localizar, seleccionar e contrastar informação de diferentes fontes, incluídas as digitais, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

OBX6

▪ QUE4.2. Partilhar os resultados de um processo de investigação singelo, individual ou grupal, sobre algum tema de interesse pessoal, realizado de maneira acompanhada, que implique a localização, selecção e contraste de informação de diferentes fontes, incluídas as digitais.

OBX6

▪ QUE4.3. Utilizar a biblioteca de sala de aulas e de centro para localizar livros ajeitado ao seu gosto pessoal e interesses.

OBX6

▪ QUE4.4. Adoptar hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável das tecnologias da informação e da comunicação para a procura da informação.

OBX6

▪ QUE4.5. Ler de maneira autónoma ou acompanhada textos de diversos autores e autoras ajustados aos seus gustos e interesses avançados na construção da sua identidade leitora.

OBX7

▪ QUE4.6. Partilhar oralmente a experiência de leitura, participando, de forma acompanhada ou autónoma, em comunidades leitoras de âmbito escolar.

OBX7

Conteúdos

▪ Estratégias básicas na procura guiada da localização, selecção e contraste de informação recolhida de diferentes fontes, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

▪ Estratégias e técnicas para comparar e classificar a informação.

▪ Identificação e valoração crítica das mensagens e da informação recolhidas e transmitidas de diferentes fontes e de diferentes tipos de texto.

▪ Modelos explícitos para reelaborar a informação.

▪ Comunicação criativa do conhecimento, com respeito pela propriedade intelectual.

▪ Utilização da biblioteca e os recursos digitais da sala de aulas ou do centro como fonte de informação, aprendizagem e lazer.

▪ Utilização das tecnologias da informação e da comunicação para a procura da informação, adoptando hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável.

▪ Construção da identidade leitora através da leitura de textos adequados aos seus interesses, procedentes de diversas fontes da informação.

▪ Colaboração em comunidades leitoras de âmbito escolar através de experiências leitoras partilhadas.

Bloco 5. Educação literária

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Ler de maneira autónoma ou acompanhada textos de diversos autores e autoras, ajustados aos seus gustos e interesses avançando na construção da sua identidade leitora.

OBX7

▪ QUE5.2. Partilhar a experiência de leitura, em suportes diversos, mediante a realização de actividades literárias e participando em comunidades leitoras do âmbito escolar.

OBX7

▪ QUE5.3. Valorar os textos literários e a literatura em geral como fonte de lazer e informação.

OBX7

▪ QUE5.4. Identificar a biblioteca da sala de aulas ou do centro como palco de actividades literárias partilhadas.

OBX7

▪ QUE5.5. Reproduzir a partir de modelos dados textos literários singelos, em prosa ou em verso, com sentido estético e criatividade: contos e poemas.

OBX7

▪ QUE5.6. Escutar e ler textos variados da literatura infantil universal, que recolham diversidade de autores e autoras, reconhecendo elementos básicos dos diferentes géneros literários e interpretando-os e relacionando-os com outras manifestações artísticas de maneira acompanhada.

OBX8

▪ QUE5.7. Produzir, de maneira acompanhada, textos singelos individuais ou colectivos com intuito literário, recreando de maneira pessoal os modelos dados.

OBX8

▪ QUE5.8. Reconhecer recursos básicos da linguagem literária.

OBX8

Conteúdos

▪ Leitura acompanhada e comentada de diversos textos literários, adequados aos seus interesses e organizados em itinerarios leitores.

▪ Construção da identidade leitora. Estratégias para a expressão de gustos e interesses.

▪ Estratégias básicas para a interpretação acompanhada e partilhada de obras, através de conversações literárias, participando activamente nas comunidades leitoras escolares.

▪ Valoração dos textos literários da literatura em geral como veículo de comunicação e recurso de lazer pessoal.

▪ Funcionamento da biblioteca da sala de aulas ou do centro como palco de actividades literárias partilhadas.

▪ Leitura expressivo, dramatización ou interpretação de fragmentos, atendendo aos processos de compreensão e ao nível de desenvolvimento.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas valorando o ritmo e a entoación.

▪ Elementos constitutivos essenciais da obra literária (tema, protagonista, personagens secundárias).

▪ Análise guiada dos recursos expressivo elementares e os seus efeitos na recepção do texto.

▪ Relação entre os textos lidos e outras manifestações artísticas e culturais.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas valorando o ritmo e a entoación.

▪ Elaboração de textos com intuito literário, a partir de modelos dados ou recreando textos literários.

▪ Criação de textos literários singelos, em prosa ou em verso: contos, poemas, adivinhas, canções e teatro.

▪ Reconhecimento, de modo acompanhado, de recursos literários básicos.

Bloco 6. Reflexão sobre a língua e os seus usos no marco de propostas de produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Comparar aspectos básicos das línguas do âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada.

OBX1

▪ QUE6.2. Produzir textos escritos e multimodais singelos e coherentes, seleccionando o modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa, iniciando no uso de normas ortográfico singelas e adequadas ao seu nível, progredindo, de maneira acompanhada, na mobilização de estratégias singelas, de planeamento, redacção e revisão, cuidando a apresentação.

OBX5

▪ QUE6.3. Formular conclusões elementares sobre o funcionamento da língua, prestando especial atenção à concordancia e às relações de significado entre as palavras (substantivo, adjectivos e verbos), a partir da observação, comparação e manipulação de palavras e enunciado, num processo acompanhado de produção ou compreensão de textos em contextos significativos.

OBX9

▪ QUE6.4. Rever os textos próprios e alheios, de maneira acompanhada, a partir da observação, comparação e manipulação de palavras num processo de melhora na produção e compreensão de textos e mediante o uso guiado de dicionários físicos ou digitais.

OBX9

▪ QUE6.5. Aplicar os conhecimentos básicos sobre as categorias gramaticais e as regras de ortografía para favorecer uma comunicação mais eficaz.

OBX9

▪ QUE6.6. Progredir na aquisição de vocabulário através dos textos.

OBX9

Conteúdos

▪ Identificação das similitudes e diferenças entre as línguas do seu âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada e progredir na sua aprendizagem.

▪ Os signos de pontuação elementares como mecanismos para organizar o texto escrito.

▪ Aproximação à língua como sistema com diferentes níveis: sons e letras, palavras, orações e textos. Observação e comparação de unidades comunicativas básicas.

▪ Estratégias para a elaboração guiada de conclusões próprias sobre o sistema linguístico. Transformação de enunciado (substituição, mudança de ordem, manipulação).

▪ Estabelecimento de xeneralizacións sobre aspectos linguísticos elementares (género e número), prestando especial atenção às relações que se estabelecem entre substantivo, adjectivos e verbos.

▪ Mecanismos de coerência e coesão elementares, com especial atenção às repetições e sinónimos, à ordem de orações e parágrafos e aos diferentes conectores gramaticais e textuais explicativos.

▪ Estratégias e técnicas elementares de reconhecimento do intuito comunicativo e do uso guiado de dicionários, em diferentes suportes.

▪ Ortografía: utilização das regras básicas de ortografía e pontuação.

▪ Reconhecimento das diferentes classes de palavras (substantivo, verbo, adjectivo, pronomes, artigos). Características e uso de cada classe de palavra.

▪ Procedimentos elementares de aquisição de vocabulário. Semelhanças e diferenças de forma e significado entre palavras da mesma família léxica ou semántica.

4º curso.

Área de Língua Castelhana e Literatura

Segundo ciclo

4º curso

Bloco 1. A língua e os seus falantes

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Mostrar interesse e respeito pelas diferentes línguas e variedades dialectais da sua contorna, incluída uma aproximação às línguas de signos, identificando algumas expressões de uso quotidiano.

OBX1

▪ QUE1.2. Identificar, com verdadeira autonomia e em contextos próximos, prejuízos e estereótipos linguísticos frequentes, achegando alternativas e reconhecendo a pluralidade linguística da sua contorna como uma fonte de riqueza cultural.

OBX1

▪ QUE1.3. Identificar as diferentes línguas empregadas na sua contorna e valorar a diversidade cultural existente através da interacção com as pessoas próximas.

OBX1

▪ QUE1.4. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e identificar os abusos de poder através da palavra a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos básicos, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma valoração social equilibrada das duas línguas oficiais.

OBX10

▪ QUE1.5. Usar uma linguagem respeitosa com as diferenças pessoais, culturais e com a perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Biografia linguística pessoal e do seu centro educativo.

▪ Valoração da diversidade da língua na contorna e na nossa comunidade autónoma.

▪ Identificação de prejuízos e estereótipos linguísticos.

▪ A diversidade etnocultural e linguística como riqueza e ferramenta de reflexão interlingüística para achegar-se à sua contorna.

▪ Reconhecimento nas expressões verbais e não verbais da igualdade entre homens e mulheres.

▪ Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças, tendo uma perspectiva de género.

Bloco 2. Comunicação oral

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Compreender o sentido de textos orais e multimodais singelos, reconhecendo as ideias principais, as mensagens explícitas e as mensagens implícitas mais singelas, e progredindo, de maneira acompanhada, na valoração crítica do contido e dos elementos não verbais elementares.

OBX2

▪ QUE2.2. Alargar paulatinamente o vocabulário a partir das experiências e situações quotidianas.

OBX2

▪ QUE2.3. Utilizar de modo efectivo a linguagem oral: escutar com atenção, recolher dados, perguntar e repreguntar.

OBX3

▪ QUE2.4. Elaborar textos orais e multimodais coherentes, com planeamento acompanhado, ajustando o discurso à situação comunicativa e utilizando recursos não verbais básicos.

OBX3

▪ QUE2.5. Participar em interacções orais espontâneas ou reguladas, respeitando as normas básicas da cortesía linguística e iniciando-se em estratégias de escuta activa.

OBX3

▪ QUE2.6. Expressar-se com coerência de forma oral para satisfazer necessidades de comunicação em diferentes situações, progredindo na aquisição de vocabulário.

OBX3

▪ QUE2.7. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e identificar os abusos de poder através da palavra a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos básicos, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

▪ QUE2.8. Mobilizar, com o planeamento e o acompañamento necessários, estratégias básicas para a comunicação asertiva e o consenso, progredindo na gestão dialogada de conflitos.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência dos componentes (situação, participantes, propósito comunicativo, canal) no acto comunicativo.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas básicas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Intuito comunicativo e chaves da tipoloxía textual básica: narração, descrição, diálogo.

– Interesse pela ampliação de vocabulário para uma melhor comunicação oral em diferentes situações.

– Estratégias para a coerência e a coesão à hora de expressar-se oralmente.

▪ Processos: interacção oral.

– Estratégias de interpretação de elementos básicos da comunicação não verbal.

– Interacção oral adequada em situações de sala de aulas e em contextos formais e informais elementares, mobilizando estratégias básicas de cortesía linguística e asertividade.

– Participação activa em situações de comunicação, espontâneas e dirigidas, utilizando frases com uma sequência lineal singela e coherente, construindo o discurso de acordo com as necessidades comunicativas de cada situação.

– Estratégias de expressão e escuta empática de necessidades, vivências e emoções próprias e alheias para a resolução dialogada dos conflitos, tendo em conta a perspectiva de género.

▪ Processos: compreensão oral.

– Compreensão global e específica e identificação das ideias mais relevantes de textos orais de diversa tipoloxía e procedentes de diversas fontes (gravações, meios de comunicação, escuta oral de contos infantis) realizando as inferencias necessárias.

– Compreensão e expressão de mensagens verbais e não verbais, especialmente gestos e tom de voz que incidam no significado da mensagem que se quer transmitir.

– Audição, dramatización e reprodução de textos adequados ao nível, que estimulem o interesse e gustos.

– Estratégias para utilizar a linguagem oral como instrumento de comunicação e aprendizagem (escutar, recolher dados e perguntar) e para a identificação e interpretação do sentido global do texto e de integração da informação explícita de textos orais e multimodais singelos.

– Detecção de possíveis usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

▪ Processos: produção oral.

– Produção de textos orais singelos de diferente tipoloxía, atendendo à seu intuito comunicativo. Pronúncia e entoación adequadas.

– Construção, valoração e comunicação de conhecimento mediante o planeamento e produção acompanhada de textos orais e multimodais.

– Criação de textos orais utilizando uma linguagem verbal não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 3. Comunicação escrita

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Ler de maneira silenciosa e em voz alta textos escritos e multimodais singelos, identificando o sentido global e a informação relevante e integrando, de maneira progressivamente autónoma, a informação explícita.

OBX4

▪ QUE3.2. Compreender diferentes tipos de textos adaptados à sua idade, alargando os conhecimentos básicos sobre a estrutura da língua, a gramática, o vocabulário, assim como as regras de ortografía para favorecer uma comunicação mais eficaz.

OBX4

▪ QUE3.3. Utilizar estratégias para a compreensão leitora de textos de diversa tipoloxía, identificando palavras-chave, realizando inferencias e antecipando hipóteses.

OBX4

▪ QUE3.4. Analisar, de maneira acompanhada, o conteúdo e aspectos formais e não verbais elementares de textos escritos e multimodais, valorando o seu conteúdo, estrutura e fiabilidade como médio para alargar o vocabulário e consolidar a ortografía correcta.

OBX4

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.5. Adquirir a eficácia leitora mediante um planeamento sistemático de melhora, e gostar por de a leitura.

OBX4

▪ QUE3.6. Produzir textos escritos e multimodais singelos e coherentes em diferentes suportes, seleccionando o modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa e progredindo, de maneira acompanhada, na mobilização de estratégias singelas, individuais ou grupais, de planeamento, redacção e revisão, cuidando a apresentação.

OBX5

▪ QUE3.7. Elaborar textos escritos e multimodais singelos e coherentes com diferentes intuitos comunicativos em diferentes suportes, integrando recursos gráficos ou paratextuais que facilitem a compreensão do sentido global e a informação relevante.

OBX5

▪ QUE3.8. Conhecer o funcionamento das bibliotecas de sala de aulas, de centro e as virtuais, participando nas actividades organizadas e interessar-se por manter e alargar uma biblioteca própria.

OBX6

▪ QUE3.9. Atingir as destrezas e competências linguísticas através do uso da língua escrita.

OBX9

▪ QUE3.10. Construir, através da linguagem e de forma progressiva, um pensamento crítico para evitar discriminações e prejuízos.

OBX10

▪ QUE3.11. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e a discriminação pelo uso da língua galega, e identificar os abusos de poder através da palavra a partir da reflexão grupal acompanhada sobre os aspectos básicos, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência dos componentes (situação, participantes, propósito comunicativo, canal) no acto comunicativo.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a compreensão leitora de textos, ajeitado à sua idade, de diversas tipoloxías.

– Estratégias para a aquisição de destrezas básicas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo (conteúdo e forma).

– Elementos básicos de conteúdo (tema, fórmulas fixas, léxico) e forma (estrutura, formato, título, imagens).

– Intuito comunicativo e chaves da tipoloxía textual básica: narração, descrição, diálogo e exposição.

– Estratégias para a coerência e a coesão na produção e reprodução de textos escritos.

▪ Processos: compreensão leitora.

– Leitura individual ou acompanhada de diferentes tipos de textos, com entoación e ritmo adequados ao desenvolvimento cognitivo.

– Estratégias básicas de compreensão do sentido geral e identificação das ideias mais relevantes de textos, realizando as inferencias necessárias.

– Elementos gráficos, textuais e paratextuais complexos que favorecem a compreensão antes, durante e depois da experiência leitora.

– Estratégias básicas de uso de fontes documentários diversas, tanto em papel como digitais, para melhorar a compreensão dos textos.

– Valoração da leitura como médio para alargar o vocabulário e consolidar uma ortografía correcta.

– Compreensão de textos diversos, adequados à sua idade, lidos em voz alta e em silêncio, empregando a leitura como médio para alargar o vocabulário e consolidar a ortografía correcta.

– Uso da biblioteca para a leitura dos livros propostos, na procura de informação e utilização desta como fonte de informação e lazer.

– Conhecimento da organização e funcionamento das bibliotecas da sala de aulas, do centro e das virtuais e participação nas actividades organizadas. Interesse por manter a biblioteca própria e pessoal, alargando os seus fundos.

– Detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e icónica.

▪ Processos: produção escrita.

– Aplicação das normas ortográfico básicas e coesão do texto: manutenção do tempo verbal, pontuação, concordancia básica e acentuação.

– Criação de textos utilizando a linguagem com intuito informativo: cartazes, anúncios, pequenos cómics.

– Modelos e estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição de textos escritos e multimodais singelos, em diferentes suportes (incluindo os digitais), com diferentes propósitos comunicativos.

– Produção de textos escritos e multimodais singelos, coherentes e com apresentação cuidada, utilizando em cada situação o modelo discursivo que corresponda.

– Estratégias básicas de uso de fontes documentários diversas, tanto em papel como digitais, para melhorar a expressão escrita e a elaboração de textos.

– Uso de elementos gráficos e paratextuais básicos que facilitem a organização e compreensão do texto.

– Valoração da própria produção escrita e da produção escrita dos colegas e colegas.

– Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 4. Alfabetização mediática e informacional

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Localizar, seleccionar e contrastar informação de diferentes fontes, incluídas as digitais, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

OBX6

▪ QUE4.2. Partilhar os resultados de um processo de investigação singelo, individual ou grupal, sobre algum tema de interesse pessoal, realizado de maneira progressivamente autónoma, que implique a localização, selecção e contraste de informação de diferentes fontes, incluídas as digitais.

OBX6

▪ QUE4.3. Utilizar a biblioteca de sala de aulas e centro para localizar leituras ajeitado ao seu gosto pessoal e interesses, aplicando as normas básicas do seu funcionamento.

OBX6

▪ QUE4.4. Adoptar hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável das tecnologias da informação e da comunicação para a procura e tratamento guiado da informação.

OBX6

▪ QUE4.5. Ler de maneira autónoma ou acompanhada textos de diversos autores e autoras ajustados aos seus gustos e interesses avançados na construção da sua identidade leitora.

OBX7

▪ QUE4.6. Partilhar oralmente a experiência de leitura, participando, de forma acompanhada ou autónoma, em comunidades leitoras de âmbito escolar.

OBX7

Conteúdos

▪ Estratégias básicas na procura guiada da localização, selecção e contraste de informação recolhida de diferentes fontes, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

▪ Estratégias e técnicas para comparar e classificar a informação.

▪ Identificação e valoração crítica das mensagens e da informação recolhidas e transmitidas de diferentes fontes e de diferentes tipos de texto.

▪ Modelos explícitos para reelaborar a informação.

▪ Comunicação criativa do conhecimento, com respeito pela propriedade intelectual.

▪ Utilização da biblioteca e dos recursos digitais da sala de aulas ou do centro como fonte de informação, aprendizagem e lazer.

▪ Utilização das tecnologias da informação e da comunicação de modo eficiente e responsável para elaborar e apresentar as suas produções, adoptando hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável.

▪ Construção da identidade leitora a partir de leituras de textos procedentes de diversas fontes de informação.

▪ Colaboração em comunidades leitoras de âmbito escolar através de experiências leitoras partilhadas.

Bloco 5. Educação literária

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Ler de maneira autónoma ou acompanhada textos de diversos autores e autoras ajustados aos seus interesses, fazendo valorações pessoais das obras literárias de forma guiada para fomentar gostar por de a leitura e avançar na construção da sua identidade leitora.

OBX7

▪ QUE5.2. Partilhar a experiência de leitura, em suportes diversos, mediante a realização de actividades literárias e participando em comunidades leitoras do âmbito escolar.

OBX7

▪ QUE5.3. Valorar os textos literários e a literatura em geral como veículo de comunicação e como fonte de lazer e informação.

OBX7

▪ QUE5.4. Identificar a biblioteca da sala de aulas ou do centro como palco de actividades literárias partilhadas.

OBX7

▪ QUE5.5. Incorporar a leitura expressivo e a compreensão de textos literários narrativos, líricos e dramáticos na prática escolar.

OBX7

▪ QUE5.6. Escutar e ler textos variados da literatura infantil universal, que recolham a diversidade de autores e autoras, reconhecendo elementos essenciais dos diferentes géneros literários e interpretando-os e relacionando-os com outras manifestações artísticas de maneira acompanhada.

OBX8

▪ QUE5.7. Produzir, de maneira acompanhada, textos singelos individuais ou colectivos com intuito literário, recreando de maneira pessoal os modelos dados, em diferentes suportes e complementando-os com outras linguagens artísticas.

OBX8

▪ QUE5.8. Reconhecer recursos básicos da linguagem literária e diferenças das principais convenções formais dos géneros.

OBX8

Conteúdos

▪ Leitura acompanhada e comentada de diversos textos literários, adequados aos seus interesses e organizados em itinerarios leitores.

▪ Construção da identidade leitora. Estratégias para a expressão de gustos e interesses e iniciação à valoração argumentada das obras.

▪ Estratégias básicas para a interpretação acompanhada e partilhada das obras através de conversações literárias, participando nas comunidades leitoras escolares.

▪ Valoração dos textos literários da literatura em qualquer língua como veículo de comunicação, como fonte de conhecimento da contorna, de outros mundos, tempos e culturas e como desfruto pessoal.

▪ Funcionamento da biblioteca da sala de aulas ou do centro como palco de actividades literárias partilhadas.

▪ Leitura expressivo, dramatización ou interpretação de fragmentos, atendendo aos processos de compreensão e ao nível de desenvolvimento.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas progredindo no ritmo, entoación e dicción.

▪ Elementos constitutivos essenciais da obra literária (tema, protagonista, personagens secundárias, trama, palco, linguagem) na construção do sentido da obra.

▪ Análise guiada dos recursos expressivo e os seus efeitos na recepção do texto.

▪ Relação entre os textos lidos e outras manifestações artísticas e culturais.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas progredindo no ritmo, entoación e dicción.

▪ Elaboração de textos com intuito literário de maneira livre, a partir de modelos dados, ou recreação de textos literários e reconhecimento de textos literários em prosa ou em verso (contos, lendas, poemas, adivinhas, canções e teatro), valorando o sentido estético e a criatividade.

▪ Identificação de modo acompanhado de recursos literários básicos e diferenciação dos principais géneros literários.

Bloco 6. Reflexão sobre a língua e os seus usos no marco de propostas a produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Comparar aspectos básicos das línguas do âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada.

OBX1

▪ QUE6.2. Produzir textos escritos e multimodais singelos e coherentes, em diferentes suportes, seleccionando o modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa, iniciando no uso das normas gramaticais e ortográfico mais singelas e progredindo, de maneira acompanhada, na mobilização de estratégias singelas, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição.

OBX5

▪ QUE6.3. Formular conclusões elementares sobre o funcionamento da língua, prestando especial atenção à concordancia e às relações de significado entre as palavras (substantivo, adjectivos e verbos), a partir da observação, comparação e manipulação de palavras e enunciado, num processo de produção ou compreensão de textos em contextos significativos.

OBX9

▪ QUE6.4. Rever os textos próprios e alheios, de maneira acompanhada, a partir da observação, comparação e manipulação de palavras num processo de melhora na produção e compreensão de textos e mediante o uso guiado de dicionários físicos ou digitais.

OBX9

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.5. Aplicar os conhecimentos básicos sobre as categorias gramaticais e as regras de ortografía para favorecer uma comunicação mais eficaz.

OBX9

▪ QUE6.6. Sistematizar a aquisição de vocabulário através dos textos.

OBX9

Conteúdos

▪ Identificação das similitudes e diferenças entre as línguas do seu âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada e progredir na sua aprendizagem.

▪ Os signos de pontuação elementares como mecanismos para organizar o texto escrito e para expressar o intuito comunicativo e relacionando com a modalidade oracional.

▪ Aproximação à língua como sistema com diferentes níveis: sons e letras, palavras, orações e textos. Observação e comparação de unidades comunicativas básicas de modo individual e grupal.

▪ Estratégias para a elaboração guiada de conclusões próprias sobre o sistema linguístico. Transformação de enunciado (substituição, mudança de ordem, manipulação), utilização, formulação e comprovação de hipóteses e contrastes entre diferentes línguas.

▪ Estabelecimento de xeneralizacións sobre aspectos linguísticos elementares (género, número e pessoa), prestando especial atenção às relações que se estabelecem entre substantivo, adjectivos e verbos, utilizando uma metalinguaxe específica elementar.

▪ Mecanismos de coerência e coesão elementares, com especial atenção às repetições e sinónimos, à ordem de orações e parágrafos, aos diferentes conectores gramaticais e textuais explicativos e às substituições pronominais como mecanismo gramatical elementar de referência interna.

▪ Estratégias e técnicas elementares de reconhecimento do intuito comunicativo e do uso guiado de dicionários, em diferentes suportes.

▪ Ortografía: utilização das regras básicas de ortografía e pontuação.

▪ Reconhecimento das diferentes classes de palavras e características do seu uso em situações concretas de comunicação (substantivo, verbo, adjectivo, preposição, adverbio, pronomes e artigos) e utilização das regras básicas de ortografía e pontuação.

▪ Procedimentos elementares de aquisição e ampliação de vocabulário. Semelhanças e diferenças de forma e significado entre palavras da mesma família léxica ou semántica.

Terceiro ciclo.

5º curso.

Área de Língua Castelhana e Literatura

Terceiro ciclo

5º curso

Bloco 1. A língua e os seus falantes

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Mostrar interesse e respeito pelas diferentes línguas e variedades dialectais, incluídas as línguas de signos, identificando as características fundamentais das da sua contorna geográfica, assim como alguns traços dos dialectos e línguas familiares do estudantado.

OBX1

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.2. Detectar, de modo guiado, com autonomia crescente e em contextos próximos, prejuízos e estereótipos linguísticos frequentes, oferecendo alternativas e valorando a pluralidade linguística do mundo como uma fonte de riqueza cultural.

OBX1

▪ QUE1.3. Identificar as diferentes línguas empregadas na sua contorna, valorando a diversidade cultural próxima.

OBX1

▪ QUE1.4. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios, reconhecendo os abusos de poder através da palavra identificados mediante a reflexão grupal guiada sobre diferentes aspectos, verbais e não verbais, que regem a comunicação, tendo em conta uma valoração social equilibrada das duas línguas oficiais.

OBX10

▪ QUE1.5. Usar uma linguagem respeitosa com as diferenças pessoais, culturais e com a perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Biografia linguística pessoal e mapa linguístico da contorna geográfica.

▪ Valoração da diversidade de línguas na nossa contorna e na nossa comunidade autónoma.

▪ Estratégias de identificação de prejuízos e estereótipos linguísticos, oferecendo alternativas para estes.

▪ A diversidade etnocultural e linguística como riqueza e ferramenta de reflexão interlingüística.

▪ Estratégias de reconhecimento de abusos de poder e práticas discriminatorias pela linguagem, através da reflexão grupal.

▪ Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças e com a perspectiva de género.

Bloco 2. Comunicação oral

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Compreender o sentido de textos orais e multimodais singelos, reconhecendo o tema, as ideias principais e as mensagens explícitas e implícitas, valorando o seu conteúdo e os elementos não verbais e formais básicos.

OBX2

▪ QUE2.2. Utilizar de modo efectivo a linguagem oral: escutar com atenção, recolher dados, perguntar, repreguntar e um vocabulário adaptado ao nível.

OBX3

▪ QUE2.3. Produzir textos orais e multimodais de maneira autónoma, coherente e fluída, em contextos formais singelos e utilizando correctamente recursos verbais e não verbais básicos.

OBX3

▪ QUE2.4. Participar em interacções orais espontâneas ou reguladas, incorporando estratégias singelas de escuta activa, de cortesía linguística e de cooperação conversacional.

OBX3

▪ QUE2.5. Expressar-se oralmente com coerência para satisfazer necessidades de comunicação em diferentes situações, com um vocabulário ajeitado ao seu nível a partir das experiências e interacções orais próximas.

OBX3

▪ QUE2.6. Valorar os meios de comunicação social como instrumento de aprendizagem e de acesso a informações e experiências de outras pessoas.

OBX6

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.7. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e os abusos de poder através da palavra identificados mediante a reflexão grupal acompanhada sobre diferentes aspectos, verbais e não verbais, que regem a comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

▪ QUE2.8. Mobilizar, com o planeamento e o acompañamento necessários, estratégias básicas para a escuta activa, a comunicação asertiva e a deliberação argumentada, progredindo na gestão dialogada de conflitos, propondo soluções criativas.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência entre os componentes do feito comunicativo (situação, participantes, propósito comunicativo, canal e realidade bilingue) na comunicação oral.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo. Conteúdo e forma. Redes sociais e os seus riscos.

– Elementos básicos de conteúdo em textos orais (tema, fórmulas fixas, léxico, inferencias de informação).

– Utilização de um vocabulário adaptado ao nível sobre diferentes temáticas para uma melhor comunicação oral em diferentes situações.

– Estratégias para a coerência, coesão e adequação na produção e reprodução oral de textos.

▪ Processos: interacção oral.

– Estratégias para a utilização da linguagem oral como instrumento de comunicação e aprendizagem: escutar, recolher dados, perguntar, expor ideias.

– Interacção oral adequada em situações de sala de aulas e em contextos formais pautados com respeito à estratégias de cortesía linguística.

– Participação activa em situações de comunicação, espontâneas e dirigidas, utilizando um discurso coherente, ordenado e lógico, e mobilizando a empatía na escuta e na expressão para transmitir necessidades, vivências e emoções próprias e alheias.

– Estratégias de escuta activa e asertiva para a resolução dialogada de conflitos, utilizando uma linguagem oral não discriminatoria, com propostas próprias e tendo em conta a perspectiva de género.

▪ Processos: compreensão oral.

– Compreensão e expressão de mensagens verbais e não verbais.

– Audição, dramatización e reprodução de textos adequados ao nível que estimulem o seu interesse e gustos.

– Estratégias de identificação e interpretação do sentido global, da informação relevante e da integração da informação explícita de textos sociais orais e multimodais.

– Compreensão global e específica de textos orais de diversa tipoloxía atendendo à forma da mensagem (descritivos, narrativos, dialogados, expositivos) e à seu intuito comunicativo (noticiários, literários e prescritivos), desenvolvendo uma valoração crítica e detectando usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

– Utilização dos médios de comunicação social textuais e multimodais como forma de aprendizagem através da língua: imprensa, rádio, internet...

▪ Processos: produção oral.

– Produção e reprodução de textos orais de diversa tipoloxía segundo o seu formato e intuito comunicativa, adequados ao nível e que estimulem o seu interesse.

– Construção, e comunicação e valoração crítica de conhecimento mediante a produção relativamente autónoma de textos orais e multimodais.

– Elaboração de textos orais ajeitado ao nível, com utilização correcta dos elementos da prosodia e não verbais, empregando uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 3. Comunicação escrita

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Ler de maneira silenciosa e em voz alta textos escritos e multimodais singelos, identificando o sentido global e a informação relevante, realizando inferencias a partir de estratégias básicas de compreensão antes, durante e depois da leitura de maneira acompanhada e superando a interpretação literal.

OBX4

▪ QUE3.2. Compreender diferentes tipos de textos valorando a leitura como médio para alargar o vocabulário e como desfruto pessoal.

OBX4

▪ QUE3.3. Utilizar estratégias para a compreensão leitora de textos de diversa tipoloxía, identificando palavras-chave e antecipando hipóteses.

OBX4

▪ QUE3.4. Analisar, de maneira progressivamente autónoma, o conteúdo e aspectos formais e não formais elementares de textos escritos e multimodais, valorando o seu conteúdo, estrutura, qualidade, fiabilidade e idoneidade em função do propósito de leitura.

OBX4

▪ QUE3.5. Adquirir a eficácia leitora mediante um planeamento sistemático de melhora e gostar por de a leitura.

OBX4

▪ QUE3.6. Produzir textos escritos e multimodais coherentes e singelos, em diferentes suportes, a partir do modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa, progredindo na aplicação das normas gramaticais e ortográfico básicas ao serviço da coesão textual e mobilizando estratégias singelas, individuais ou grupais, de planeamento, textualización, revisão e edição.

OBX5

▪ QUE3.7. Elaborar textos escritos e multimodais coherentes, em diferentes suportes, integrando recursos gráficos ou paratextuais que facilitem a compreensão do sentido global e da informação relevante.

OBX5

▪ QUE3.8. Utilizar, com verdadeira autonomia, as bibliotecas da sala de aulas, do centro e as virtuais, compreendendo a sua organização e colaborando no seu cuidado. Interessar-se por manter e alargar uma biblioteca própria, tanto física como virtual.

OBX6

▪ QUE3.9. Atingir as destrezas e competências linguísticas através do uso da língua escrita.

OBX9

▪ QUE3.10. Construir, através da linguagem, um pensamento crítico para evitar discriminações e prejuízos.

OBX10

▪ QUE3.11. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e identificar os abusos de poder através da palavra a partir da reflexão individual e grupal sobre os aspectos básicos, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência entre os componentes do feito comunicativo (situação, participantes, propósito comunicativo, canal, registro) na comunicação escrita.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo. Conteúdo e forma. Redes sociais e os seus riscos.

– Intuito comunicativo e chaves da tipoloxía textual básica: narração, descrição, diálogo, exposição e argumentação breve.

– Elementos básicos de conteúdo em textos escritos (tema, fórmulas fixas, léxico, inferencias de informação) e forma (estrutura, formato, título, imagens, tipografía).

– Estratégias elementares para a coerência, coesão e adequação dos textos escritos.

– Estratégias básicas para o conhecimento da estrutura da língua, a gramática, o vocabulário, assim como as regras de ortografía que favorecem uma comunicação mais eficaz.

– Construção do pensamento crítico através da língua para evitar a discriminação.

▪ Processos: compreensão leitora.

– Leitura partilhada e expressivo com entoación e ritmo progressivamente fluidos.

– Estratégias de identificação e valoração do sentido global do texto, de integração da informação explícita e de realização de inferencias para superar o sentido literal de textos em fontes documentários diversas em processos de compreensão de textos escritos.

– Elementos gráficos, textuais e paratextuais progressivamente complexos que favorecem a compreensão antes, durante e depois da experiência leitora.

– Estratégias de conhecimento progressivamente autónomo de recursos linguísticos diversos, tanto em papel como digitais, para melhorar a compreensão de textos.

– Valoração da leitura como médio para alargar o vocabulário e consolidar a ortografía correcta.

– Compreensão global e específica de diferentes tipos de texto atendendo a forma da mensagem (descritivos, narrativos, dialogados, expositivos) e o seu intuito comunicativo (noticiários, literários e prescritivos), desenvolvendo uma valoração crítica destes.

– Uso da biblioteca para a leitura dos livros propostos, na procura de informação e utilização desta como fonte de informação e lazer.

– Uso das bibliotecas de sala de aulas, do centro e as virtuais, mostrando conhecimentos básicos da sua organização (catalogação, funcionamento) e participação em actividades de corte literário. Interesse por manter a biblioteca própria e pessoal, alargando os seus fundos físicos e virtuais.

– Estratégias para detectar usos discriminatorios da linguagem verbal e icónica em textos escritos.

▪ Processos: produção escrita.

– Elaboração de textos, com apresentação cuidada e com intuito comunicativo e criatividade.

– Estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição de textos escritos e multimodais de relativa complexidade, com diferentes propósitos comunicativos.

– Aplicação progressiva das normas ortográfico básicas e coesão do texto na produção e correcção: manutenção do tempo verbal, pontuação, concordancia básica e acentuação.

– Uso de fontes documentários diversas, tanto em papel como digitais, para melhorar a expressão escrita.

– Produção de textos escritos e multimodais coherentes, em suporte físico ou digital, com coesão e adequação textual mediante a selecção, em cada situação comunicativa, do modelo discursivo que corresponda, usando as normas ortográfico ajeitadas ao seu nível e perfeccionándose na mobilização de estratégias singelas individuais ou grupais de planeamento, redacção, revisão e autocorrección.

– Elementos gráficos e paratextuais singelos que facilitem a organização e claridade do texto.

– Valoração da própria produção escrita e da produção escrita dos colegas e colegas.

– Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 4. Alfabetização mediática e informacional

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Desenvolver um processo de investigação individual, sobre algum tema de interesse, realizado de maneira autónoma que implique a localização, selecção e contraste de informação de diferentes fontes, incluídas as digitais, mediante a adaptação criativa de modelos dados.

OBX6

▪ QUE4.2. Partilhar os resultados de um processo de investigação singelo, individual ou grupal sobre algum tema de interesse pessoal ou ecosocial, realizado de maneira acompanhada, que implique a localização, selecção e contraste de informação de diferentes fontes incluídas as digitais.

OBX6

▪ QUE4.3. Utilizar a biblioteca de sala de aulas e centro para localizar leituras ajeitado ao seu gosto pessoal e interesses, aplicando as normas básicas do seu funcionamento.

OBX6

▪ QUE4.4. Adoptar hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável no uso das tecnologias digitais da informação e comunicação para a procura e tratamento da informação de modo eficiente e responsável.

OBX6

▪ QUE4.5. Ler de maneira autónoma ou acompanhada textos de diversas fontes, partilhando a experiência da leitura, avançando na construção da sua identidade leitora e participando em comunidades leitoras no âmbito escolar.

OBX7

▪ QUE4.6. Partilhar oralmente a experiência de leitura participando, de forma autónoma, em comunidades leitoras de âmbito escolar.

OBX7

Conteúdos

▪ Estratégias para a procura de informação em fontes documentários e digitais no contorno familiar e social.

▪ Estratégias de comparação, classificação e valoração crítica da informação.

▪ Identificação e valoração crítica, de forma autónoma, das mensagens e da informação recolhidas e transmitidas de diferentes fontes e de diferentes tipos de texto.

▪ Estratégias de elaboração de conteúdos a partir de informação obtida noutros textos, com as convenções formais básicas.

▪ Síntese e reelaboración de conhecimentos com apoio de modelos.

▪ Comunicação criativa do conhecimento, com reconhecimento da autoria e respeito pela propriedade intelectual.

▪ Utilização progressivamente autónoma da biblioteca e dos recursos digitais da sala de aulas ou do centro.

▪ Utilização das tecnologias da informação e da comunicação de modo eficiente e responsável para elaborar e apresentar as suas produções, adoptando hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável.

▪ Estratégias para partilhar experiências de leitura que perfilen a identidade leitora.

▪ Participação activa em comunidades leitoras através da biblioteca escolar.

Bloco 5. Educação literária

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Ler de maneira autónoma textos de diversos autores e autoras ajustados aos seus interesses, fazendo valorações pessoais das obras literárias de forma guiada para fomentar gostar por de a leitura e avançar na construção da sua identidade leitora.

OBX7

▪ QUE5.2. Partilhar a experiência de leitura, em suportes diversos, participando em comunidades leitoras do âmbito escolar e social.

OBX7

▪ QUE5.3. Valorar os textos literários em qualquer língua e a literatura em geral como veículo de comunicação e como recurso de desfruto pessoal, utilizando a leitura como fonte de lazer e informação.

OBX7

▪ QUE5.4. Utilizar, com verdadeira autonomia, as bibliotecas da sala de aulas, do centro e as virtuais, como palco de actividades literárias partilhadas.

OBX7

▪ QUE5.5. Incorporar a leitura expressivo e a compreensão e interpretação de textos literários narrativos, líricos e dramáticos na prática escolar.

OBX8

▪ QUE5.6. Escutar e ler textos literários adequados à sua idade, que recolham diversidade de autores e autoras, relacionando-os em função dos temas e de aspectos elementares de cada género literário, e interpretando-os e relacionando-os com outras manifestações artísticas ou culturais de maneira acompanhada.

OBX8

▪ QUE5.7. Produzir, de maneira progressivamente autónoma, textos singelos individuais ou colectivos com intuito literário, reelaborando com criatividade os modelos dados, em diferentes suportes e complementando-os com outras linguagens artísticas.

OBX8

▪ QUE5.8. Reconhecer e interpretar recursos básicos da linguagem literária e diferença das principais convenções formais dos géneros.

OBX8

▪ QUE5.9. Conhecer os diferentes tipos de textos literários da tradição oral: poemas, canções, contos, refrões e adivinhas.

OBX8

Conteúdos

▪ Leitura progressivamente autónoma e comentada de obras ou fragmentos variados e diversos da literatura adequados à sua idade e organizados em itinerarios leitores.

▪ Progresso na construção da identidade leitora. Estratégias para a expressão de gustos e interesses e para a valoração crítica elementar das obras de forma acompanhada.

▪ Interpretação, progressivamente autónoma e partilhada dos textos literários através de conversações literárias, participando em comunidades leitoras de âmbito escolar e social.

▪ Valoração dos textos literários e da literatura em qualquer língua como veículo de comunicação, como fonte de conhecimento da contorna, de outros mundos, tempos e culturas e como recurso de desfruto pessoal.

▪ Funcionamento da biblioteca da sala de aulas ou do centro como palco de actividades literárias partilhadas.

▪ Leitura expressivo, dramatización ou interpretação de fragmentos atendendo aos processos de compreensão e ao nível de desenvolvimento.

▪ Análise acompanhada da relação entre os elementos básicos da obra literária (tema, protagonista, personagens, trama, palco) e a construção progressivamente autónoma do sentido da obra.

▪ Relação entre as obras lidas e outras manifestações artísticas e culturais.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas com o ritmo, entoación e dicción adequados.

▪ Criação de textos literários de maneira livre e a partir da apropriação e exploração dos modelos dados.

▪ Identificação de recursos literários básicos.

▪ Reconhecimento e elaboração guiada de textos literários em prosa ou em verso (contos, lendas, poemas, adivinhas, canções e teatro), valorando o sentido estético e a criatividade. Distinção entre os diferentes subxéneros. Conhecimento de lendas galegas, espanholas e de outros países.

Bloco 6. Reflexão sobre a língua e os seus usos no marco de propostas de produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Comparar aspectos básicos das línguas do âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada.

OBX1

▪ QUE6.2. Produzir textos escritos e multimodais coherentes de relativa complexidade, em diferentes suportes, seleccionando o modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa, progredindo no uso das normas gramaticais e ortográfico básicas e mobilizando, de maneira pontualmente acompanhada, estratégias singelas, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição.

OBX5

▪ QUE6.3. Estabelecer xeneralizacións sobre aspectos básicos do funcionamento da língua de maneira acompanhada, formulando hipóteses e buscando contraexemplos, a partir da observação, comparação e transformação de palavras, enunciado e textos, num processo de produção ou compreensão de textos em contextos significativos.

OBX9

▪ QUE6.4. Rever e melhorar os textos próprios e alheios e emendar alguns problemas de compreensão leitora, de maneira progressivamente autónoma, a partir da reflexão metalingüística e interlingüística e usando a terminologia básica adequada.

OBX9

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.5. Melhorar os textos próprios e alheios na sua compreensão mediante o uso autónomo de dicionários impressos ou digitais.

OBX9

▪ QUE6.6. Aplicar os conhecimentos sobre as categorias gramaticais e as regras de ortografía, para favorecer uma comunicação mais eficaz.

OBX9

▪ QUE6.7. Sistematizar a aquisição de vocabulário através dos textos.

OBX9

Conteúdos

▪ Identificação das similitudes e diferenças entre as línguas do seu âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada e progredir na sua aprendizagem.

▪ Modalidades oracionais em relação com o intuito comunicativo.

▪ Estratégias para a construção guiada de conclusões próprias sobre o sistema linguístico através de observação, transformação de enunciado (substituição, inserção, supresión, mudança de ordem, manipulação), formulação e comprovação de hipóteses.

▪ Estratégias para o estabelecimento de xeneralizacións sobre aspectos linguísticos elementares, prestando especial atenção ao valor expressivo dos determinante e às relações fundamentais entre os esquemas semántico e sintáctico da oração simples, a partir de metalinguaxe específica elementar.

▪ Aproximação à língua como sistema com diferentes níveis: sons, letras, palavras, orações e textos. Observação e comparação de unidades comunicativas básicas.

▪ Mecanismos de coerência e coesão elementares, com especial atenção às substituições pronominais como mecanismo gramatical de referência interna e à correlação temporária estabelecida mediante os diferentes tempos verbais.

▪ Mecanismos léxicos básicos para aquisição de vocabulário através da formação de palavras e enunciado.

▪ Estratégias de revisão e modificação de textos para melhorar a sua compreensão através do uso de recursos linguísticos apropriados.

▪ Estratégias elementares para o uso progressivamente autónomo de dicionários, em diferentes suportes.

▪ Estratégias de observação e formulação de xeneralizacións sobre a acentuação.

▪ Os signos de pontuação como mecanismos para organizar o texto escrito e para expressar o intuito comunicativo.

▪ Reconhecimento das diferentes classes de palavras e características do seu uso em situações concretas de comunicação (substantivo, verbo, adjectivo, preposição, adverbio, pronomes e artigos) e utilização das regras ortográfico e de pontuação.

▪ Procedimentos elementares de aquisição e enriquecimento de vocabulário através dos textos.

6º curso.

Área de Língua Castelhana e Literatura

Terceiro ciclo

6º curso

Bloco 1. A língua e os seus falantes

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Mostrar interesse e respeito pelas diferentes línguas e variedades dialectais, incluídas as línguas de signos, identificando as características fundamentais das da sua contorna geográfica, assim como alguns traços dos dialectos e línguas familiares do estudantado.

OBX1

▪ QUE1.2. Detectar de forma autónoma e em contextos próximos, prejuízos e estereótipos linguísticos frequentes, oferecendo alternativas e valorando a pluralidade linguística do mundo, particularmente a dualidade linguística galego-castelhano, como uma fonte de riqueza cultural, especialmente em comunidades bilingues como a galega.

OBX1

▪ QUE1.3. Identificar as diferentes línguas empregadas na sua contorna, valorando a diversidade cultural próxima.

OBX1

▪ QUE1.4. Reconhecer e rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e os abusos de poder através da palavra identificados mediante a reflexão grupal sobre diferentes aspectos, verbais e não verbais, que regem a comunicação, tendo em conta uma valoração social equilibrada das duas línguas oficiais.

OBX10

▪ QUE1.5. Usar uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças e com a perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Biografia linguística pessoal e mapa linguístico da contorna geográfica e cultural.

▪ Valoração da diversidade de línguas na nossa contorna e na nossa comunidade autónoma.

▪ Estratégias de identificação de prejuízos e estereótipos linguísticos, oferecendo alternativas para estes.

▪ A diversidade etnocultural e linguística como riqueza e ferramenta de reflexão interlingüística.

▪ Estratégias de reconhecimento de abusos de poder e práticas discriminatorias pela linguagem, através da reflexão grupal.

▪ Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças e com a perspectiva de género.

Bloco 2. Comunicação oral

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Compreender o sentido de textos orais e multimodais singelos, reconhecendo o tema, as ideias principais e as mensagens explícitas e implícitas, valorando o seu conteúdo e os elementos não verbais e formais.

OBX2

▪ QUE2.2. Utilizar de modo efectivo a linguagem oral: escutar com atenção, recolher dados, perguntar, repreguntar, interpretar e um vocabulário adequado ao nível.

OBX3

▪ QUE2.3. Produzir textos orais e multimodais de maneira autónoma, coherente e fluída, em contextos formais singelos e utilizando correctamente recursos verbais e não verbais básicos.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.4. Participar em interacções orais espontâneas ou reguladas, incorporando estratégias singelas de escuta activa, de cortesía linguística e de cooperação conversacional.

OBX3

▪ QUE2.5. Expressar-se oralmente com coerência para satisfazer necessidades de comunicação em diferentes situações, com um vocabulário ajeitado ao seu nível, a partir de experiências e interacções orais.

OBX3

▪ QUE2.6. Valorar os meios de comunicação social como instrumento de aprendizagem e de acesso a informações e experiências de outras pessoas.

OBX6

▪ QUE2.7. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e os abusos de poder através da palavra identificados mediante a reflexão grupal acompanhada sobre diferentes aspectos, verbais e não verbais, que regem a comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

▪ QUE2.8. Mobilizar, com o planeamento e acompañamento necessários, estratégias básicas para a escuta activa, a comunicação asertiva e a deliberação argumentada, progredindo na gestão dialogada de conflitos, propondo soluções criativas.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência entre os componentes do feito comunicativo (situação, participantes, propósito comunicativo, canal, registro) na comunicação oral.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo. Conteúdo e forma. Redes sociais e os seus riscos.

– Elementos básicos de conteúdo em textos orais (tema, fórmulas fixas, léxico, inferencias de informação).

– Utilização de um vocabulário adaptado ao nível sobre diferentes temáticas para uma melhor comunicação oral em diferentes situações.

– Estratégias para a coerência, coesão e adequação na produção e reprodução oral de textos.

▪ Processos: interacção oral.

– Estratégias para a utilização da linguagem oral como instrumento de comunicação e aprendizagem: escutar, recolher dados, perguntar, exposição de ideias.

– Interacção oral adequada em situações de sala de aulas e em contextos formais pautados com respeito à estratégias de cortesía linguística.

– Participação activa em situações de comunicação, espontâneas e dirigidas, utilizando um discurso coherente, ordenado e lógico, e mobilizando a empatía na escuta e na expressão para transmitir necessidades, vivências e emoções próprias e alheias.

– Estratégias de escuta activa, asertividade e proposta de solução criativa para a resolução dialogada de conflitos, utilizando uma linguagem oral não discriminatoria, com propostas próprias e tendo em conta a perspectiva de género.

▪ Processos: compreensão oral.

– Compreensão e expressão de mensagens verbais e não verbais.

– Estratégias de identificação e interpretação do sentido global, da informação relevante e da integração da informação explícita e a realização de inferencias para superar o sentido literal de textos sociais orais e multimodais.

– Compreensão global e específica de textos orais de diversa tipoloxía atendendo à forma da mensagem (descritivas, narrativas, dialogadas, expositivas) e à seu intuito comunicativo (noticiários, literários e prescritivos), desenvolvendo uma valoração crítica e detectando usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

– Utilização dos médios de comunicação social textuais e multimodais como forma de aprendizagem através da língua: imprensa, rádio, internet...

▪ Processos: produção oral.

– Audição, dramatización e reprodução de textos adequados ao nível que estimulem o seu interesses e gustos.

– Produção e reprodução de textos orais de diversa tipoloxía segundo o seu formato e intuito comunicativa, adequados ao nível e que estimulem o seu interesse.

– Construção, comunicação e valoração crítica de conhecimento mediante a produção relativamente autónoma de textos orais e multimodais.

– Elaboração de textos orais ajeitado ao nível, com utilização correcta dos elementos da prosodia e não verbais, empregando uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 3. Comunicação escrita

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Ler de maneira silenciosa e em voz alta textos escritos e multimodais singelos, identificando e compreendendo o sentido global e a informação relevante, e realizando inferencias de maneira acompanhada a partir de estratégias básicas de compreensão antes, durante e depois da leitura, superando a interpretação literal.

OBX4

▪ QUE3.2. Compreender diferentes tipos de textos valorando a leitura como médio para alargar o vocabulário e como desfruto pessoal.

OBX4

▪ QUE3.3. Utilizar estratégias para a compreensão de textos de diversa índole, identificando palavras-chave e antecipando hipóteses.

OBX4

▪ QUE3.4. Analisar, de maneira autónoma o conteúdo e aspectos formais e não formais elementares de textos escritos e multimodais, valorando o seu conteúdo, estrutura, qualidade, fiabilidade e idoneidade em função do propósito de leitura.

OBX4

▪ QUE3.5. Adquirir a eficácia leitora mediante um planeamento sistemático de melhora e gostar por de a leitura.

OBX4

▪ QUE3.6. Produzir textos escritos e multimodais coherentes e adequados de relativa complexidade, em diferentes suportes, seleccionando o modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa, progredindo na aplicação das normas gramaticais e ortográfico básicas ao serviço da coesão textual e mobilizando estratégias, individuais ou grupais, de planeamento, textualización, revisão e edição.

OBX5

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.7. Elaborar textos escritos e multimodais coherentes, em diferentes suportes, integrando recursos gráficos ou paratextuais que facilitem a compreensão do sentido global e da informação relevante.

OBX5

▪ QUE3.8. Utilizar as bibliotecas da sala de aulas e do centro e as virtuais, cada vez com mais autonomia, compreendendo como se organizam e colaborando no seu cuidado. Interessar-se por manter a biblioteca própria e pessoal, alargando os seus fundos físicos e virtuais.

OBX6

▪ QUE3.9. Atingir as destrezas e competências linguísticas através do uso da língua escrita.

OBX9

▪ QUE3.10. Construir, através da linguagem, um pensamento crítico para evitar discriminações e prejuízos.

OBX10

▪ QUE3.11. Rejeitar os usos linguísticos discriminatorios e identificar os abusos de poder através da palavra a partir da reflexão individual e grupal sobre os aspectos básicos, verbais e não verbais, da comunicação, tendo em conta uma perspectiva de género.

OBX10

Conteúdos

▪ Contexto.

– Incidência entre os componentes do feito comunicativo (situação, participantes, propósito comunicativo, canal, registro) na comunicação escrita.

▪ Géneros discursivos.

– Estratégias para a aquisição de destrezas sobre géneros discursivos próprios do âmbito pessoal, social e educativo. Conteúdo e forma. Redes sociais e os seus riscos.

– Intuito comunicativo e chaves da tipoloxía textual básica: narração, descrição, diálogo, exposição e argumentação.

– Elementos básicos de conteúdo em textos escritos (tema, fórmulas fixas, léxico, inferencias de informação) e forma (estrutura, formato, título, imagens, tipografía).

– Estratégias elementares para a coerência, coesão e adequação dos textos escritos.

– Estratégias básicas para o conhecimento da estrutura da língua, a gramática, o vocabulário, assim como as regras de ortografía que favorecem uma comunicação mais eficaz.

– Construção do pensamento crítico através da língua para evitar a discriminação.

▪ Processos: compreensão leitora.

– Leitura partilhada e expressivo com entoación e ritmo fluidos.

– Estratégias de identificação e valoração do sentido global do texto, de integração da informação explícita e de realização de inferencias para superar o sentido literal de textos em fontes documentários diversas em processos de compreensão e produção de textos escritos.

– Elementos gráficos, textuais e paratextuais relativamente complexos que favorecem a compreensão antes, durante e depois da experiência leitora.

– Estratégias de uso progressivamente autónomo de recursos linguísticos diversos, tanto em papel como digitais, para melhorar a compreensão de textos.

– Valoração da leitura como médio para alargar o vocabulário e consolidar a ortografía correcta.

– Compreensão global e específica de diferentes tipos de texto atendendo à forma da mensagem (descritivos, narrativos, dialogados , expositivos) e o seu intuito comunicativo (noticiários, literários e prescritivos) desenvolvendo uma valoração crítica destes.

– Uso da biblioteca para a leitura dos livros propostos, na procura de informação e utilização desta como fonte de informação e lazer.

– Uso das bibliotecas de sala de aulas, do centro e das virtuais, mostrando conhecimentos da sua organização (catalogação, funcionamento), participação em actividades de corte literário e obtenção de informação e modelos para a sua produção escrita. Interesse por manter a biblioteca própria e pessoal, alargando os seus fundos físicos e virtuais.

– Estratégias para detectar usos discriminatorios da linguagem verbal e icónica em textos escritos.

▪ Processos: produção escrita.

– Elaboração de textos, com apresentação cuidada com intuito comunicativo e criatividade.

– Estratégias elementares, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição de textos escritos e multimodais complexos, com diferentes propósitos comunicativos.

– Aplicação das normas ortográfico e coesão do texto na produção e correcção: manutenção do tempo verbal, pontuação, concordancia básica e acentuação.

– Uso de fontes documentários diversas, tanto em papel como digitais, para melhorar a expressão escrita.

– Produção de textos escritos e multimodais coherentes, em suporte físico ou digital, com coesão e adequação textual mediante a selecção, em cada situação comunicativa, do modelo discursivo que corresponda, usando as normas ortográfico ajeitadas ao seu nível e perfeccionándose na mobilização de estratégias individuais ou grupais de planeamento, redacção, e revisão e autocorrección.

– Elementos gráficos e paratextuais que facilitem a organização e compreensão do texto.

– Valoração da própria produção escrita, assim como a produção escrita dos colegas e colegas.

– Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

Bloco 4. Alfabetização mediática e informacional

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.1. Desenvolver um processo de investigação individual, sobre algum tema de interesse, realizado de maneira autónoma, que implique a localização, selecção e contraste de informação de diferentes fontes, incluídas as digitais, citando-as e recreando mediante a adaptação criativa de modelos dados.

OBX6

▪ QUE4.2. Partilhar os resultados de um processo de investigação singelo, individual ou grupal sobre algum tema de interesse pessoal ou ecosocial, realizado de maneira autónoma oferecendo informação extraída de diferentes fontes, citando-as e recreando-as de maneira criativa.

OBX6

▪ QUE4.3. Utilizar a biblioteca para localizar um livro determinado com segurança e autonomia, aplicando as normas do seu funcionamento.

OBX6

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE4.4. Adoptar hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável no uso das tecnologias digitais da informação e comunicação para a procura e tratamento da informação de modo eficiente e responsável.

OBX6

▪ QUE4.5. Ler de maneira autónoma textos de diversas fontes, partilhando a experiência da leitura, avançando na construção da sua identidade leitora e participando em comunidades leitoras no âmbito escolar.

OBX7

▪ QUE4.6. Partilhar oralmente a experiência de leitura participando, de forma autónoma, em comunidades leitoras de âmbito escolar.

OBX7

Conteúdos

▪ Estratégias para a procura de informação em fontes documentários e digitais no contorno familiar e social.

▪ Estratégias de comparação, classificação e valoração crítica da informação.

▪ Identificação e valoração crítica das mensagens e da informação recolhidas e transmitidas de diferentes fontes e de diferentes tipos de texto.

▪ Estratégias de elaboração de conteúdos a partir de informação obtida noutros textos com as convenções formais elementares.

▪ Síntese e reelaboración de conhecimentos de forma progressivamente autónoma e com apoio de modelos.

▪ Comunicação criativa do conhecimento, com reconhecimento da autoria e respeito pela propriedade intelectual.

▪ Utilização autónoma da biblioteca e os recursos digitais da sala de aulas ou do centro.

▪ Utilização das tecnologias da informação e da comunicação de modo eficiente e responsável para elaborar e apresentar as suas produções, adoptando hábitos de uso crítico, seguro, sustentável e saudável.

▪ Estratégias para partilhar experiências de leitura que perfilen a identidade leitora.

▪ Participação activa em comunidades leitoras através da biblioteca escolar.

Bloco 5. Educação literária

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.1. Ler de maneira autónoma textos de diversos autores e autoras ajustados aos seus interesses, fazendo valorações pessoais das obras literárias de forma guiada para comentar gostar por de a leitura e avançar na construção da sua identidade leitora.

OBX7

▪ QUE5.2. Partilhar a experiência de leitura, em suportes diversos, participando em comunidades leitoras do âmbito escolar e social.

OBX7

▪ QUE5.3. Valorar os textos literários em qualquer língua e a literatura em geral como veículo de comunicação e como recurso de desfruto pessoal, utilizando a leitura como fonte de lazer, informação e conhecimento cultural.

OBX7

▪ QUE5.4. Utilizar, com verdadeira autonomia, as bibliotecas da sala de aulas, do centro e as virtuais, como palco de actividades literárias partilhadas.

OBX7

▪ QUE5.5. Incorporar a leitura expressivo e a compreensão e interpretação de textos literários narrativos, líricos e dramáticos na prática escolar, valorando a sua diversidade.

OBX8

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE5.6. Escutar e ler textos literários adequados à sua idade, que recolham diversidade de autores e autoras, relacionando-os em função dos temas e de aspectos elementares de cada género literário, e interpretando-os, valorando-os e relacionando-os com outras manifestações artísticas ou culturais de maneira progressivamente autónoma.

OBX8

▪ QUE5.7. Produzir, de maneira autónoma, textos singelos individuais ou colectivos com intuito literário, reelaborando com criatividade os modelos dados, em diferentes suportes e complementando-os com outras linguagens artísticas.

OBX8

▪ QUE5.8. Reconhecer e interpretar recursos da linguagem literária e a diferença das principais convenções formais dos géneros.

OBX8

▪ QUE5.9. Conhecer os diferentes tipos de textos literários da tradição oral estabelecendo diferenças entre eles e o seu uso: poemas, canções, contos, refrões e adivinhas.

OBX8

Conteúdos

▪ Leitura autónoma e comentada de obras ou fragmentos variados e diversos da literatura adequados à sua idade e organizados em itinerarios leitores.

▪ Progresso na construção da identidade leitora. Estratégias para a expressão de gustos e interesses e para a valoração crítica elementar das obras.

▪ Interpretação autónoma e partilhada de textos literários através de conversações literárias, participando em comunidades leitoras do âmbito escolar e social.

▪ Valoração dos textos literários e da literatura em qualquer língua como veículo de comunicação, como fonte de conhecimento da contorna, de outros mundos, tempos e culturas e como recurso de desfruto pessoal.

▪ Funcionamento da biblioteca da sala de aulas ou do centro como palco de actividades literárias partilhadas e de experiências de desfruto de pessoal.

▪ Leitura expressivo, dramatización o interpretação de fragmentos atendendo aos processos de compreensão e ao nível de desenvolvimento.

▪ Análise da relação entre os elementos básicos da obra literária (tema, protagonista, personagens, trama, palco) e a construção do sentido da obra.

▪ Relação entre as obras lidas e outras manifestações artísticas e culturais.

▪ Compreensão, memorización e recitado de poemas com o ritmo, entoación e dicción adequados.

▪ Criação de textos literários de maneira livre e com progressiva complexidade (léxico, estruturas, sentido estético) e a partir da apropriação e exploração dos modelos dados.

▪ Identificação de recursos literários.

▪ Reconhecimento e elaboração guiada de textos literários em prosa ou em verso (contos, lendas, poemas, adivinhas, canções e teatro), valorando o sentido estético e a criatividade. Distinção entre os diferentes subxéneros. Conhecimento de lendas galegas, espanholas e de outros países.

Bloco 6. Reflexão sobre a língua e os seus usos no marco de propostas a produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE6.1. Comparar aspectos básicos das línguas do âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada.

OBX1

▪ QUE6.2. Produzir textos escritos e multimodais coherentes de relativa complexidade, em diferentes suportes, seleccionando o modelo discursivo que melhor responda a cada situação comunicativa, progredindo no uso das normas gramaticais e ortográfico e mobilizando estratégias singelas, individuais ou grupais, de planeamento, redacção, revisão e edição.

OBX5

▪ QUE6.3. Estabelecer xeneralizacións sobre aspectos básicos do funcionamento da língua de maneira progressivamente autónoma, formulando hipóteses e buscando contraexemplos, a partir da observação, comparação e transformação de palavras, enunciado e textos, num processo de produção ou compreensão de textos em contextos significativos.

OBX9

▪ QUE6.4. Rever e melhorar os textos próprios e alheios e emendar alguns problemas de compreensão leitora, de maneira progressivamente autónoma, a partir da reflexão metalingüística e interlingüística e usando a terminologia básica adequada.

OBX9

▪ QUE6.5. Melhorar os textos próprios e alheios na sua compreensão mediante o uso autónomo de dicionários impressos ou digitais.

OBX9

▪ QUE6.6. Aplicar os conhecimentos sobre as categorias gramaticais e as regras de ortografía, para favorecer uma comunicação mais eficaz.

OBX9

▪ QUE6.7. Sistematizar a aquisição de vocabulário através dos textos.

OBX9

Conteúdos

▪ Identificação das similitudes e diferenças entre as línguas do seu âmbito escolar e social para atingir uma competência comunicativa integrada e progredir na sua aprendizagem.

▪ Modalidades oracionais em relação com o intuito comunicativo.

▪ Estratégias para a construção guiada de conclusões próprias sobre o sistema linguístico através da observação, transformação de enunciado (substituição, inserção, supresión, mudança de ordem, manipulação), formulação e comprovação de hipóteses e contrastes com outras línguas.

▪ Estratégias para o estabelecimento de xeneralizacións sobre aspectos linguísticos elementares, prestando especial atenção ao valor expressivo dos determinante e às relações fundamentais entre os esquemas semántico e sintáctico da oração simples, a partir de metalinguaxe específica elementar.

▪ Aproximação à língua como sistema com diferentes níveis: sons, letras, palavras, orações e textos. Observação e comparação de unidades comunicativas básicas.

▪ Mecanismos de coerência e coesão elementares, com especial atenção às substituições pronominais como mecanismo gramatical de referência interna e à correlação temporária estabelecida mediante os diferentes tempos verbais.

▪ Mecanismos léxicos elementares para aquisição de vocabulário através da formação de palavras e enunciado.

▪ Estratégias de revisão e modificação de textos para melhorar a sua compreensão através do uso de recursos linguísticos apropriados.

▪ Estratégias elementares para o uso autónomo de dicionários, em diferentes suportes.

▪ Estratégias de observação e formulação de xeneralizacións sobre a acentuação.

▪ Os signos de pontuação como mecanismos para organizar o texto escrito e para expressar o intuito comunicativo.

▪ Reconhecimento das diferentes classes de palavras e características do seu uso em situações concretas de comunicação (substantivo, verbo, adjectivo, preposição, adverbio, pronomes e artigos) e utilização das regras ortográfico e de pontuação.

▪ Procedimentos elementares de aquisição e enriquecimento de vocabulário através dos textos.

6.4. Orientações pedagógicas.

A intervenção educativa na área de Língua Castelhana e Literatura desenvolverá o seu currículo e tratará de assentar de modo gradual e progressivo nos diferentes níveis da etapa as aprendizagens que lhe facilitem ao estudantado o sucesso dos objectivos da área e, em combinação com o resto de áreas, uma adequada aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa.

Neste sentido, no desenho das actividades, o professorado terá que considerar a relação existente entre os objectivos da área e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída e as linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem, que se apresentam nos apartados seguintes, e seleccionar aqueles critérios de avaliação do currículo que se ajustem à finalidade buscada, assim como empregá-los para verificar as aprendizagens do estudantado e o seu nível de desempenho.

Relação entre os objectivos da área de Língua Castelhana e Literatura e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída estabelecidos no anexo I.

Objectivos

da área

Competências chave

CCL

CP

STEM

CD

CPSAA

CC

CE

CCEC

OBX1

1-5

2-3

1-2

1-3

OBX2

2

2

1

3

3

3

OBX3

1-3-5

2

1

2-3

2

1

OBX4

2-3-5

2

1

1

4-5

OBX5

1-3-5

1

2-3

5

2

OBX6

3

1-2-3-4

5

2

3

OBX7

1-4

3

1

1-2-3

OBX8

1-2-4

1-2-3-4

OBX9

1-2

2

1-2

5

OBX10

1-5

3

3

3

1-2-3

Linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem.

– As propostas e o desenho de situações comunicativas reais nos âmbitos pessoal, social e educativo permitirão ao estudantado o progresso na aprendizagem desta área. Facilitar-se-á a sua participação activa.

– O uso de diferentes métodos que tenham em conta os diferentes ritmos de aprendizagem do estudantado, favoreçam a capacidade de aprender por sim mesmo e promovam o trabalho em equipa.

– O desenho de situações de aprendizagem contextualizadas, significativas e relevantes, atendendo à sua gradação e complementaridade, servirá para trabalhar de maneira proporcionada todos os blocos do currículo de Língua Castelhana e Literatura durante o ano escolar; de tal modo que o sucesso dos objectivos deve produzir-se de maneira progressiva ao longo da etapa, a partir da articulação, de forma coordenada e interrelacionada, dos saberes de todos os blocos. Promover-se-á, além disso, a interacção comunicativa e a colaboração do estudantado entre sim e com os demais agentes que intervêm nos processos de ensino-aprendizagem. O trabalho interdisciplinar deve oferecer um valor acrescentado ao potenciar o carácter competencial das aprendizagens.

– A observação e a análise em contextos significativos para o estudantado no primeiro ciclo, reflectindo sobre modelos textuais adequados, dará passo aos avanços e complexidades ao longo da etapa para uma crescente autonomia na produção e compreensão linguística. A educação linguística tem uma dimensão claramente competencial, daí que a gradação entre ciclos deverá fazer-se em função da complexidade dos textos, dos contextos de uso, das habilidades de interpretação ou de produção requeridas, da metalinguaxe necessária para a reflectir sobre os usos, assim como do grau de autonomia conferido ao estudantado. Partirá da diversidade de trajectórias educativas procurando que a progressão nas aprendizagens se desenvolva a partir da reflexão, compreensão ou produção.

– A programação de actividades de âmbito digital deve contribuir à melhora das competências, à alfabetização mediática e informacional e influir, de modo significativo, nos processos de ensino-aprendizagem; tem que ir acompanhada de uma mudança de metodoloxía, facilitando a participação activa do estudantado.

– O desenvolvimento da formação leitora implica potenciar a leitura, a compreensão e interpretação de obras próximas aos seus gustos e à sua madurez cognitiva, a dramatización ou interpretação de fragmentos e a criação de textos próprios com intuito literário, possibilitando o progresso do estudantado na construção da sua identidade leitora, na compreensão das relações com outras manifestações artísticas ou culturais e no conhecimento básico sobre obras representativas tradicionais e actuais da literatura. Neste sentido, as bibliotecas de sala de aulas, do centro e as virtuais deverão conformar os palcos básicos para as actividades literárias partilhadas.

– Mobilizar-se-ão as estratégias necessárias para trabalhar transversalmente a compreensão leitora, a expressão oral e escrita, a comunicação audiovisual, a competência digital, o fomento da criatividade, do espírito científico e do emprendemento.

– Impulsionar-se-á a realização de projectos significativos para o estudantado de diferentes níveis, em grupos reduzidos para favorecer, desde o âmbito da comunicação, a aquisição de competências chave, e a resolução de problemas de forma cooperativa e em equipa, reforçando a autoestima, a autonomia, a reflexão e a responsabilidade.

– Resulta essencial pôr a énfase na atenção à diversidade do estudantado, na atenção individualizada, na prevenção das dificuldades de aprendizagem e na posta em prática de mecanismos de reforço tão pronto como se detectem estas dificuldades. A atenção à diversidade deve estar presente a todas as acções, medidas e decisões metodolóxicas no âmbito educativo para potenciar a inclusão e permitir dar resposta às diferentes características e necessidades, motivações, interesses, ritmos e situações sociais e culturais de todo o estudantado. Assim, o desenho de actividades de aprendizagem de acesso universal (DUA) para atender melhor à diversidade do estudantado, ajudará a desenvolver uma atenção individualizada.

– Fomentar-se-á o uso de uma linguagem, verbal e não verbal, respeitosa com as diferenças, com a perspectiva de género, com a igualdade entre homens e mulheres e com as diferentes línguas. É fundamental brindarlle ao estudantado as ferramentas essenciais para a construção de opiniões pessoais razoadas, reflexivas e justificadas; para a resolução dialogada dos conflitos, e para a valoração crítica da informação, com a finalidade de construir sociedades mais equitativas e democráticas.

– As relações entre a área de Língua Castelhana e Literatura e Língua Galega e Literatura num contexto de diversidade linguística servirão de base para uma educação plurilingüe do estudantado. Deve propiciar-se um tratamento integrado das línguas como canal relevante para estimular a reflexão interlingüística, junto com as línguas estrangeiras.

– O progresso nas aprendizagens da área deve permitir ao estudantado responder a situações comunicativas reais nos âmbitos pessoal, social e educativo. Daí que a programação de sala de aulas deva articular-se por volta de situações de aprendizagem representativas e contextualizadas.

7. Língua Estrangeira.

7.1. Introdução.

A rápida evolução das sociedades actuais e as suas múltiplas interconexións exixir o desenvolvimento daquelas competências que ajudem os indivíduos a praticar uma cidadania independente, activa e comprometida com a realidade contemporânea, cada vez mais global, intercultural e plurilingüe. Tal e como assinala o Marco de referência de competências para a cultura democrática, nas sociedades actuais, culturalmente diversas, os processos democráticos requerem do diálogo intercultural. Portanto, a comunicação em diferentes línguas resulta essencial no desenvolvimento dessa cultura democrática. Na ideia de um Espaço Europeu de Educação, a comunicação em mais de uma língua evita que a educação e a formação se vejam obstaculizadas pelas fronteiras, e favorece a internacionalização e a mobilidade, ademais de permitir a descoberta de outras culturas, alargando as perspectivas do estudantado.

A área de Língua Estrangeira contribui à aquisição das diferentes competências chave que conformam o perfil de saída do estudantado ao me o ter do ensino básico e, de forma directa, participa na consecução da competência plurilingüe, que implica, nesta etapa, o uso de, ao menos, uma língua, ademais das familiares, de forma apropriada, para a aprendizagem e a comunicação. O plurilingüismo integra não só a dimensão comunicativa vinculada senão também os aspectos históricos e interculturais que guiam o estudantado para conhecer, compreender e respeitar a diversidade linguística e cultural presente à sua contorna, e que contribuem a que possa exercer essa cidadania global independente, activa e comprometida com uma sociedade democrática. Em consonancia com este enfoque, a área de Língua Estrangeira na etapa da educação primária tem como objectivo principal a aquisição da competência comunicativa básica na língua estrangeira, assim como o desenvolvimento e enriquecimento da consciência intercultural do estudantado.

O eixo do currículo de Língua Estrangeira está atravessado pelas duas dimensões do plurilingüismo: a dimensão comunicativa e a intercultural. Os objectivos da área, relacionadas com os descritores das diferentes competências chave do perfil de saída e com os reptos do século XXI, permitem ao estudantado comunicar-se eficazmente na língua estrangeira, de forma adequada ao seu desenvolvimento psicoevolutivo e interesses, e alargar o seu repertório linguístico individual, aproveitando as experiências próprias para melhorar a comunicação tanto nas línguas familiares como nas línguas estrangeiras num processo de enriquecimento mútuo. Além disso, ocupam um lugar importante tanto o reconhecimento e o respeito pelos perfis linguísticos individuais e o aprecio da diversidade cultural como o interesse e curiosidade pelas diferentes línguas e o diálogo intercultural. No caso da Galiza, o desenvolvimento da competência plurilingüe vê-se favorecido pela coexistencia das duas línguas, castelhana e galega, e das respectivas culturas, o que lhe permite ao estudantado aprender e usar diferentes línguas ao mesmo tempo, praticar o respeito pelas diferenças entre elas e encontrar as similitudes, supondo esta experiência um enriquecimento para a pessoa. Esta área contribui a que o estudantado possa enfrentar os reptos do século XXI, ajudando-o a adquirir os saberes necessários para iniciar na gestão de situações interculturais, a convivência democrática, a resolução dialogada de conflitos, e o estabelecimento de vínculos pessoais e sociais baseados no respeito e na igualdade de direitos. Assim, a área de Língua Estrangeira ajudará a favorecer a empatía, desenvolver a curiosidade pelo conhecimento de outras realidades sociais e culturais, praticar o respeito pelas diferenças, encontrar os pontos de conexão e facilitar a competência comunicativa intercultural a partir da relação do estudantado com os falantes de outras línguas desde posições de respeito pelo interlocutor.

Ademais, a área de Língua Estrangeira permite ao estudantado desenvolver-se melhor nas contornas digitais e achegar-se a culturas que ela vincula, tanto como motor para a aprendizagem quanto como fonte de informação e elemento de desfruto. Neste sentido, as ferramentas digitais possuem um potencial que favorece o seu aproveitamento para reforçar a aprendizagem e o ensino das línguas e culturas estrangeiras. Por tudo isto, parece claro que o desenvolvimento do pensamento crítico, a alfabetização mediática e o uso adequado, seguro e responsável pela tecnologia supõem um elemento de aprendizagem muito relevante nesta área.

Os objectivos da área de Língua Estrangeira na educação primária, em muitos casos, constituem o ponto de partida na aprendizagem formal de idiomas. Parte-se de um estádio ainda muito elementar da língua estrangeira, pelo que, durante toda a etapa, será imprescindível basear a aprendizagem nos repertórios e experiências do estudantado, facilitando assim a sua participação em actos de comunicação singelos. Isto inclui a posta em prática de actividades e estratégias comunicativas de compreensão, produção, interacção e mediação linguística, percebida nesta etapa como a actividade orientada a facilitar a compreensão mútua e a processar e transmitir informação básica e singela. Os objectivos da área de Língua Estrangeira também incluem o fomento do aprecio pela diversidade linguística, artística e cultural entre o estudantado com o fim de que aprenda a gerir situações comunicativas interculturais.

Os critérios de avaliação da matéria determinam o grau de aquisição dos objectivos por parte do estudantado, pelo que se apresentam vinculados a eles. A sua formulação competencial faz-se enunciando o processo ou capacidade que o estudantado deve adquirir, junto com o contexto ou modo de aplicação e uso de supracitado processo ou capacidade. A nivelación dos critérios de avaliação está baseada no Marco comum europeu de referência para as línguas (MCER), mas ajustados à madurez e o desenvolvimento psicoevolutivo do estudantado da etapa de educação primária. Estrutúranse em três blocos: comunicação, plurilingüismo e interculturalidade.

Por sua parte, os conteúdos unificam os conhecimentos (saber), as destrezas (saber fazer) e as atitudes (saber ser) necessários para a aquisição dos objectivos da área e favorecem a avaliação das aprendizagens através dos critérios. Apresentam-se em cada um dos três blocos temáticos. O bloco de comunicação abarca os saberes que é necessário mobilizar para o desenvolvimento das actividades comunicativas de compreensão, produção, interacção e mediação linguística, incluídos os relacionados com a procura guiada de informação. O bloco de plurilingüismo integra os saberes relacionados com a capacidade de reflectir sobre o funcionamento das línguas, assim como sobre os saberes que fazem parte do repertório linguístico do estudantado, com o fim de contribuir à aprendizagem da língua estrangeira e à melhora das línguas que conformam o repertório linguístico do estudantado. Por último, no bloco de interculturalidade agrupam-se os saberes sobre as culturas transmitidas através da língua estrangeira e a sua apreciação como oportunidade para o estudantado de enriquecimento e desenvolvimento de atitudes de interesse por conhecer e compreender outras línguas, variedades linguísticas e culturas.

O enfoque, a nivelación e a definição dos diferentes elementos do currículo introduzem-se aqui a partir das actividades de língua e as competências que estabelece o Conselho da Europa no MCER. Esta ferramenta é peça chave para determinar os diferentes níveis de competência que o estudantado chega a atingir nas diferentes actividades e apoia também o seu processo de aprendizagem, que se percebe coma dinâmico e continuado, flexível e aberto, e deve adecuarse às suas circunstâncias, necessidades e interesses. Espera-se que o estudantado seja capaz de pôr em funcionamento todos os saberes básicos no marco de situações comunicativas próprias dos diferentes âmbitos: pessoal, social e educativo, e a partir de textos sobre temas quotidianos e de relevo para o estudantado que incluam aspectos relacionados com os objectivos de desenvolvimento sustentável e os reptos e desafios do século XXI. Em consonancia com o enfoque orientado à acção que expõe o MCER, que contribui de maneira significativa ao desenho de metodoloxías eclécticas, o carácter competencial deste currículo invita o professorado a criar tarefas interdisciplinares, contextualizadas, significativas e relevantes, e a desenvolver situações de aprendizagem nas que se considere o estudantado como agente social progressivamente autónomo e gradualmente responsável pelo seu próprio processo de aprendizagem, e onde se tenham em conta os seus repertórios, interesses e emoções, assim como as suas circunstâncias específicas.

7.2. Objectivos.

Objectivos da área

OBX1. Compreender o sentido geral e informação específica e predicible de textos breves e singelos, expressados de forma clara e na língua standard, fazendo uso de diversas estratégias e recorrendo, quando seja necessário, ao uso de diferentes tipos de apoio, para desenvolver o repertório linguístico e para responder a necessidades comunicativas quotidianas.

▪ A compreensão supõe receber e processar informação, o que leva consigo o enriquecimento do repertório linguístico individual. Na etapa da educação primária, a compreensão é uma destreza comunicativa que se deve desenvolver a partir de textos breves e singelos, orais, escritos e multimodais, sobre temas quotidianos, de relevo pessoal para o estudantado, expressados de forma clara e usando a língua standard. A compreensão, neste nível, implica perceber o sentido geral e informação específica e predicible para satisfazer necessidades comunicativas relacionadas com prioridades imediatas do estudantado. Para isso, é necessário activar as estratégias mais adequadas ao desenvolvimento psicoevolutivo e às necessidades do estudantado, com o fim de facilitar a compreensão da informação expressa nos textos e de perceber enunciado curtos e singelos, com ajuda, se fosse necessário, de diferentes tipos de apoio. Entre as estratégias de compreensão mais úteis para o estudantado encontram-se a linguagem não verbal, as imagens, a repetição ou a segunda leitura, a transferência e integração dos conhecimentos, as destrezas e as atitudes das línguas que conformam o seu repertório linguístico. Inclui a interpretação de formas de representação básicas (escrita, imagem, gráficos, tabelas, sons, gestos etcétera), e também informação contextual (elementos extralingüísticos) e cotextual (elementos linguísticos) que lhe permita comprovar a hipótese inicial com respeito ao sentido global do texto, assim como expor hipóteses alternativas se fosse necessário. Ademais destas estratégias, a procura de informação, em suportes tanto analóxicos como digitais, constitui um método de grande utilidade para a compreensão, pois permite contrastar, validar e sustentar a informação. Os processos de compreensão requerem contextos de diálogo que favoreçam a construção de um saber conjunto e que estimulem a identificação de prejuízos e estereótipos de qualquer tipo, assim como o interesse xenuíno pelas diferenças e similitudes étnico-culturais.

OBX2. Produzir textos singelos de maneira compreensível e estruturada, mediante o emprego de estratégias como o planeamento ou a compensação, para expressar mensagens breves relacionados com necessidades imediatas e responder a propósitos comunicativos quotidianas.

▪ A produção engloba tanto a expressão oral como a escrita e a multimodal. Nesta etapa, a produção deve dar lugar à redacção e à exposição de textos breves e singelos, planificados, sobre temas quotidianos e de relevo pessoal para o estudantado, e expressados com criatividade e claridade. A produção, em diversos formatos e suportes, pode incluir nesta etapa a exposição de uma pequena descrição ou anécdota singela, uma apresentação formal de extensão breve ou uma narração singela de textos que expressem factos e sentimentos quotidianos, mediante ferramentas digitais e analóxicas, assim como a procura guiada de informação em internet como fonte de documentação. No seu formato multimodal, a produção inclui o uso conjunto de diferentes recursos: a escrita, a imagem, o som, os gestos etcétera, junto com a selecção guiada e a aplicação do mais adequado em função da tarefa que se vai desenvolver.

▪ As actividades vinculadas com a produção de textos cumprem funções importantes nos âmbitos pessoal, social e educativo e existe um valor social e cívico concreto associado a elas. A destreza nas produções mais formais em diferentes suportes não se adquire de forma natural, senão que é produto do processo de aprendizagem. Nesta etapa tem lugar o primeiro achegamento às produções formais, o que supõe uma aprendizagem guiada de aspectos formais básicos de cariz mais linguístico, sociolinguístico e pragmático; das expectativas e convenções mais comuns associadas ao género empregue; de ferramentas singelas de produção; e do suporte utilizado. As estratégias que permitem a melhora da produção, tanto formal como informal, na educação primária compreendem, entre outras, o planeamento e a compensação através da linguagem verbal e não verbal.

OBX3. Interactuar com outras pessoas usando expressões quotidianas, recorrendo a estratégias de cooperação e empregando recursos analóxicos e digitais, para responder a necessidades imediatas do seu interesse em intercâmbios comunicativos respeitosos com as normas de cortesía.

▪ A interacção implica a dois ou mais participantes na construção de um discurso. Considera-se a origem da comunicação e compreende funções interpersoais, cooperativas e transaccionais. Na interacção entram em jogo a cortesía linguística e a etiqueta digital, os elementos verbais e não verbais da comunicação, assim como a adequação aos diferentes géneros de conversa mais frequentes, tanto orais como escritos e multimodais, em contextos analóxicos e virtuais. Nesta etapa da educação espera-se que os intercâmbios de informação sejam breves e singelos e abordem temas quotidianos e predicibles, e de relevo pessoal para o estudantado.

▪ Esta competência específica é fundamental na aprendizagem, pois inclui estratégias de início, manutenção e/ou conclusão de conversações básicas, assim como estratégias elementares para indicar que não se percebeu a mensagem e para solicitar repetição. Ademais, a aquisição das normas e princípios que conformam a cortesía linguística e a etiqueta digital prepara para o exercício de uma cidadania democrática, responsável, respeitosa, inclusiva, segura e activa.

OBX4. Mediar em situações predicibles, usando estratégias e conhecimentos para processar e transmitir informação básica e singela, com o fim de facilitar a comunicação.

▪ A mediação é a actividade da linguagem consistente em explicar e facilitar a compreensão de mensagens ou textos a partir de estratégias como a reformulação, de maneira oral ou escrita. Na mediação, o estudantado deve actuar como um agente social encarregado de criar pontes e ajudar a construir ou expressar mensagens em forma de conversa ou expositiva, não só entre línguas diferentes, senão também entre diferentes modalidades ou registros dentro de uma mesma língua. Na educação primária, a mediação está orientada ao processamento e à transmissão de informação básica e singela entre utentes ou a partir de textos sobre assuntos quotidianos e de relevo pessoal, conhecidos previamente pelo estudantado, podendo empregar tanto médios convencionais como aplicações ou plataformas virtuais para interpretar e partilhar conteúdos.

▪ A mediação favorece o desenvolvimento do pensamento estratégico do estudantado, em tanto que supõe que este eleja adequadamente destrezas e estratégias do seu repertório para alcançar uma comunicação eficaz, mas também para favorecer a participação própria e de outras pessoas em contornas cooperativas de intercâmbios de informação. Além disso, implica reconhecer os recursos disponíveis e promover a motivação dos demais e a empatía, compreendendo e respeitando as diferentes motivações, ideias e circunstâncias pessoais dos interlocutores. Em consequência, espera-se que o estudantado mostre empatía e respeito como elementos essenciais para uma ajeitada mediação nesta etapa.

OBX5. Reconhecer e usar os repertórios linguísticos pessoais entre diferentes línguas, reflectindo sobre o seu funcionamento e identificando as estratégias e conhecimentos próprios, para melhorar a resposta a necessidades comunicativas concretas em situações conhecidas.

▪ O uso do repertório linguístico e a reflexão sobre o seu funcionamento estão vinculados com o enfoque plurilingüe da aquisição de línguas. O enfoque plurilingüe parte do feito de que as experiências do estudantado com as línguas que conhece servem de base para a ampliação e melhora da aprendizagem de línguas novas e ajudam-no a desenvolver e enriquecer o seu repertório linguístico plurilingüe e a sua curiosidade e sensibilização cultural. Na educação primária o estudantado inicia nessa reflexão e começa a estabelecer as relações entre as que conformam os seus repertórios individuais, analisando as suas semelhanças e diferenças com o fim de alargar conhecimentos e estratégias. Deste modo, favorece-se a aprendizagem de novas línguas e melhora-se a competência comunicativa. A reflexão sobre as línguas e o seu funcionamento implica que o estudantado perceba as suas relações, mas, ademais, contribui a que identifique as fortalezas e carências próprias no terreno linguístico e comunicativo, tomando consciência dos conhecimentos e das estratégias ao seu dispor. Neste sentido, supõe também a posta em marcha de destrezas básicas para lhes fazer frente à incerteza, ao sentido da iniciativa e à perseverança na consecução dos objectivos ou à tomada de decisões.

▪ Ademais, o conhecimento de diferentes línguas permite reconhecer e apreciar a diversidade linguística da sociedade como um aspecto quotidiano e positivo. A selecção, configuração e aplicação dos dispositivos e ferramentas tanto analóxicas como digitais para a construção e integração de novos conteúdos sobre o repertório linguístico próprio pode facilitar a aquisição e melhora da aprendizagem de outras línguas.

OBX6. Apreciar e respeitar a diversidade linguística, cultural e artística a partir da língua estrangeira, identificando e valorando as diferenças e semelhanças entre línguas e culturas, para aprender a gerir situações interculturais.

▪ A interculturalidade supõe experimentar a diversidade linguística, cultural e artística da contorna, reconhecendo-a e valorando-a como fonte de riqueza social. Na educação primária, a interculturalidade, que favorece o entendimento com os demais, merece uma atenção específica porque, a diferença de outros aspectos, é provável que não se encontre na experiência prévia do estudantado, que a sua percepção esteja distorsionada pelos estereótipos e constitua a origem de verdadeiros tipos de discriminação. O reconhecimento e aprecio da diversidade deve permitir ao estudantado aprender a gerir situações interculturais quotidianas.

▪ A consciência da diversidade proporciona ao estudantado a possibilidade de relacionar diferentes culturas. Ademais, senta as bases para o desenvolvimento de uma sensibilidade artística e cultural, e a capacidade de identificar e utilizar uma grande variedade de estratégias que lhe permitam estabelecer relações com pessoas de outras culturas. As situações interculturais que se podem expor na etapa da educação primária durante o ensino da língua estrangeira permitem ao estudantado abrir-se a novas experiências, ideias, sociedades e culturas, mostrando interesse e respeito pelo diferente; relativizar a própria perspectiva; ademais de distanciar-se e rejeitar as atitudes sustentadas sobre qualquer tipo de discriminação ou reforço de estereótipos, mostrando interesse por compreender elementos culturais e linguísticos básicos que fomentem a convivência pacífica, o respeito pelos demais, a sustentabilidade e o exercício da cidadania democrática.

7.3. Critérios de avaliação e conteúdos.

Primeiro ciclo.

1º curso.

Área de Língua Estrangeira

Primeiro ciclo

1º curso

Bloco 1. Comunicação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer e interpretar palavras e expressões habituais em textos orais e multimodais breves e singelos sobre temas actuais, quotidianos e frequentes de relevo pessoal e próximos à sua experiência, expressados de forma compreensível, clara, singela e directa, e em língua standard.

OBX1

▪ QUE1.2. Expressar oralmente frases curtas e singelas com informação básica sobre assuntos quotidianos e de relevo para o estudantado, utilizando de forma guiada recursos verbais e não verbais, recorrendo a modelos e estruturas previamente apresentados e prestando atenção ao ritmo, a acentuação e a entoación.

OBX2

▪ QUE1.3. Aplicar estratégias básicas para produzir mensagens muito breves e singelos adequados aos intuitos comunicativos de forma guiada, usando, com ajuda, recursos e apoios físicos ou digitais em função das necessidades de cada momento.

OBX2

▪ QUE1.4. Imitar e participar de forma guiada em situações interactivas elementares sobre temas quotidianos, preparadas previamente, através de diversos suportes, apoiando-se em recursos tais como a repetição, o ritmo pausado ou a linguagem não verbal, e mostrando empatía para as produções das e dos demais.

OBX3

▪ QUE1.5. Seleccionar e utilizar, sempre de forma guiada e em contornas próximas, estratégias elementares para saudar, despedir-se e apresentar-se; expressar mensagens simples e breves; e formular e contestar perguntas básicas para a comunicação.

OBX3

▪ QUE1.6. Interpretar e explicar de forma guiada informação básica ajudando em dificuldades de compreensão, com empatía e interesse pelas e pelos interlocutores, apoiando-se em diversos recursos e suportes.

OBX4

Conteúdos

▪ Estratégias para a aquisição da autoconfianza no uso da língua estrangeira.

▪ Funções comunicativas elementares adequadas ao âmbito e ao contexto: saudar, despedir-se, apresentar e apresentar-se; identificar algumas características básicas de pessoas, objectos e lugares; responder com respostas singelas e concretas sobre questões quotidianas; expressar o tempo (partes do dia, dias da semana, os meses e estações do ano), a quantidade e o espaço em conceitos que manejam na língua materna.

▪ Léxico básico elementar relativo a relações pessoais básicas, habitação, lugares e contornos próximos de interesse para o estudantado.

▪ Iniciação a patrões elementares sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación.

▪ Convenções e estratégias de conversação elementares, para iniciar, manter e rematar a comunicação, tomar e ceder a palavra e perguntar e responder.

▪ Ferramentas analóxicas e digitais elementares para a compreensão e produção oral e multimodal.

▪ Estratégias elementares para a compreensão e a produção de textos orais; textos escritos e multimodais, breves, singelos e contextualizados.

▪ Modelos contextuais elementares na compreensão e produção de textos orais e multimodais, breves e singelos.

▪ Unidades linguísticas elementares e significados associados a elas tais como expressão da entidade e as suas propriedades, quantidade e número, afirmação, exclamação, negação, interrogación.

▪ Recursos, destrezas, atitudes e situações elementares que permitem iniciar-se em actividades de mediação linguística em situações quotidianas básicas.

Bloco 2. Plurilingüismo

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Comparar e contrastar similitudes e diferenças evidentes entre diferentes línguas de forma guiada, reflectindo sobre aspectos elementares do seu funcionamento.

OBX5

▪ QUE2.2. Identificar e aplicar de forma muito guiada os conhecimentos e estratégias básicas de melhora da sua capacidade de comunicar e de aprender a língua estrangeira, com apoio de outros participantes e de suportes analóxicos e digitais.

OBX5

▪ QUE2.3. Identificar e explicar de maneira guiada progressos e dificuldades elementares no processo de aprendizagem da língua estrangeira.

OBX5

Conteúdos

▪ Estratégias e técnicas elementares de compensação das carências comunicativas e das limitações derivadas do nível de competência na língua estrangeira e nas demais inguas do repertório linguístico próprio (gestos, mímica...).

▪ Estratégias elementares para identificar e utilizar unidades linguísticas (léxico, fonemas similares, patrões sonoros) a partir da comparação das línguas que conformam o repertório linguístico pessoal.

Bloco 3. Interculturalidade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Mostrar interesse pela comunicação intercultural, identificando e analisando, de forma guiada, as discriminações, os prejuízos e os estereótipos mais comuns, em situações quotidianas e habituais.

OBX6

▪ QUE3.2. Reconhecer e apreciar a diversidade linguística e cultural relacionada com a língua estrangeira, mostrando interesse por conhecer os seus elementos culturais e linguísticos elementares.

OBX6

Conteúdos

▪ Comunicação e relação com pessoas de outros países através da língua estrangeira.

▪ Aspectos elementares socioculturais e sociolinguístico mais representativos relativos aos costumes, à vida quotidiana e às relações interpersoais básicas em países nos que se fala a língua estrangeira.

▪ Estratégias muito básicas de uso comum para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística, atendendo a valores ecosociais e democráticos.

▪ Iniciação nas estratégias básicas de detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

2º curso.

Área de Língua Estrangeira

Primeiro ciclo

2º curso

Bloco 1. Comunicação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer e interpretar palavras e expressões habituais em textos orais e multimodais breves e singelos sobre temas actuais, quotidianos e frequentes de relevo pessoal e próximos à sua experiência, expressados de forma compreensível, clara, singela e directa, e em língua standard.

OBX1

▪ QUE1.2. Utilizar de forma guiada estratégias elementares em situações comunicativas quotidianas com o fim de captar a ideia global e identificar elementos específicos com ajuda de elementos linguísticos e não linguísticos do contexto e o cotexto.

OBX1

▪ QUE1.3. Expressar oralmente frases curtas e singelas com informação básica sobre assuntos quotidianos e de relevo para o estudantado, utilizando de forma guiada recursos verbais e não verbais, recorrendo a modelos e estruturas previamente apresentados e prestando atenção ao ritmo, a acentuação e a entoación.

OBX2

▪ QUE1.4. Escrever palavras, expressões conhecidas e frases muito breves a partir de modelos simples e com uma finalidade específica, através de ferramentas analóxicas e digitais, usando estruturas e léxico muito elementares sobre assuntos quotidianos e de relevo pessoal para o estudantado

OBX2

▪ QUE1.5. Seleccionar e aplicar, de forma guiada, estratégias básicas para produzir mensagens breves e singelas adequadas aos intuitos comunicativos usando, com ajuda, recursos e apoios físicos ou digitais em função das necessidades de cada momento.

OBX2

▪ QUE1.6. Imitar e participar, em situações interactivas elementares sobre temas quotidianos, preparadas previamente, através de diversos suportes, apoiando-se em recursos tais como a repetição, o ritmo pausado ou a linguagem não verbal, e mostrando empatía para as produções das e dos demais

OBX3

▪ QUE1.7. Seleccionar e utilizar, de forma guiada e em contornas próximas, estratégias elementares para saudar, despedir-se e apresentar-se; expressar mensagens singelas e breves; e formular e contestar perguntas básicas para a comunicação.

OBX3

▪ QUE1.8. Interpretar e explicar, de forma guiada, informação básica ajudando em dificuldades de compreensão, com empatía e interesse pelas e pelos interlocutores, apoiando-se em diversos recursos e suportes.

OBX4

Conteúdos

▪ Estratégias para a aquisição da autoconfianza no uso da língua estrangeira.

▪ Funções comunicativas elementares adequadas ao âmbito e ao contexto: saudar, despedir-se, apresentar e apresentar-se; identificar algumas características básicas de pessoas, objectos e lugares; responder com respostas singelas e concretas sobre questões quotidianas; expressar o tempo (partes do dia, dias da semana, os meses e estações do ano), a quantidade e o espaço em conceitos que manejam na língua materna.

▪ Léxico básico elementar relativo a relações pessoais básicas, habitação, lugares e contornos próximos de interesse para o estudantado.

▪ Iniciação a patrões elementares sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación.

▪ Convenções e estratégias de conversação elementares, para iniciar, manter e rematar a comunicação, tomar e ceder a palavra e perguntar e responder.

▪ Ferramentas analóxicas e digitais elementares para a compreensão e produção oral e multimodal.

▪ Estratégias elementares para a compreensão e a produção de textos orais; textos escritos e multimodais, breves, singelos e contextualizados.

▪ Modelos contextuais elementares na compreensão e produção de textos orais e multimodais, breves e singelos.

▪ Convenções ortográfico elementares.

▪ Unidades linguísticas elementares e significados associados a elas tais como expressão da entidade e as suas propriedades, quantidade e número, afirmação, exclamação, negação, interrogación.

▪ Recursos, destrezas, atitudes e situações elementares que permitem iniciar-se em actividades de mediação linguística em situações quotidianas básicas.

Bloco 2. Plurilingüismo

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1., Comparar e contrastar, de forma guiada, similitudes e diferenças evidentes entre diferentes línguas reflectindo, sobre aspectos muito elementares do seu funcionamento.

OBX5

▪ QUE2.2. Identificar e aplicar, de forma muito guiada, os conhecimentos e estratégias básicas de melhora da sua capacidade de comunicar e de aprender a língua estrangeira, com apoio de outros participantes e de suportes analóxicos e digitais.

OBX5

▪ QUE2.3. Identificar e explicar, de maneira guiada, progressos e dificuldades elementares no processo de aprendizagem da língua estrangeira.

OBX5

Conteúdos

▪ Estratégias e técnicas elementares de compensação das carências comunicativas e das limitações derivadas do nível de competência na língua estrangeira e nas línguas familiares.

▪ Estratégias elementares para identificar e utilizar unidades linguísticas (léxico, fonemas similares, patrões sonoros) a partir da comparação das demais línguas do repertório linguístico próprio.

Bloco 3. Interculturalidade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Mostrar interesse pela comunicação intercultural, identificando e analisando, de forma guiada, as discriminações, os prejuízos e os estereótipos mais comuns, em situações quotidianas e habituais.

OBX6

▪ QUE3.2. Reconhecer e apreciar a diversidade linguística e cultural relacionada com a língua estrangeira, mostrando interesse por conhecer os seus elementos culturais e linguísticos elementares.

OBX6

Conteúdos

▪ Comunicação e relação com pessoas de outros países através da língua estrangeira.

▪ Aspectos elementares socioculturais e sociolinguístico mais representativos relativos aos costumes, a vida quotidiana e as relações interpersoais básicas em países nos que se fala a língua estrangeira.

▪ Estratégias muito básicas de uso comum para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística, atendendo a valores ecosociais e democráticos.

▪ Iniciação nas estratégias básicas de detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

Segundo ciclo.

3º curso.

Área de Língua Estrangeira

Segundo ciclo

3º curso

Bloco 1. Comunicação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer e interpretar o sentido global e também palavras e frases previamente apresentadas em textos de tipoloxía variada, orais, escritos e multimodais breves e singelos, sobre temas frequentes, quotidianos, de relevo pessoal e próximos à experiência do estudantado, adequados ao nível de desenvolvimento e expressados de forma compreensível, clara e em língua standard através de diferentes suportes.

OBX1

▪ QUE1.2. Seleccionar e aplicar de forma guiada estratégias ajeitado em situações comunicativas quotidianas e de relevo para o estudantado, para captar o sentido global e processar informações explícitas em textos breves e singelos sobre temas familiares.

OBX1

▪ QUE1.3. Expressar oralmente frases curtas com informação básica sobre assuntos quotidianos e de relevo para o estudantado, seguindo modelos e utilizando recursos verbais e não verbais de forma guiada, prestando atenção ao ritmo, a acentuação e a entoación.

OBX2

▪ QUE1.4. Escrever palavras e frases muito breves e singelas, com adequação à situação comunicativa proposta, a partir de modelos e através de ferramentas analóxicas e digitais, usando estruturas e léxico elementares, sobre assuntos quotidianos e de relevo pessoal para o estudantado.

OBX2

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.5. Seleccionar e aplicar de forma guiada estratégias para produzir mensagens breves, úteis e singelas, adequadas aos intuitos comunicativos, usando, com ajuda, recursos e apoios físicos ou digitais em função das necessidades de cada momento.

OBX2

▪ QUE1.6. Participar em situações interactivas e singelas de intercâmbios breves de informação sobre temas quotidianos, de relevo pessoal e próximos à sua experiência, preparadas previamente, apoiando-se em recursos tais coma a repetição, o ritmo pausado ou a linguagem não verbal, e mostrando empatía e respeito pela cortesía linguística.

OBX3

▪ QUE1.7. Seleccionar e utilizar, de forma guiada e em situações quotidianas, estratégias elementares para saudar, despedir-se e apresentar-se; expressar mensagens breves; e formular e contestar perguntas singelas.

OBX3

▪ QUE1.8. Interpretar e explicar informação básica de forma guiada, ajudando em dificuldades de compreensão, com empatía e interesse pelas interlocutoras e interlocutores, apoiando-se em diversos recursos e suportes.

OBX4

Conteúdos

▪ Estratégias para a aquisição da autoconfianza no uso da língua estrangeira.

▪ Técnicas de aprendizagem.

▪ O tratamento do erro como parte integrante do processo de aprendizagem e a sua aceitação como oportunidade de melhora.

▪ Estratégias básicas de uso comum para a compreensão e a produção de textos orais; textos escritos e multimodais, breves, singelos e contextualizados.

▪ Funções comunicativas básicas de uso comum adequadas ao âmbito e ao contexto: saudar, despedir-se, apresentar e apresentar-se; descrever de modo pautado pessoas, objectos e lugares; pedir e intercambiar informação sobre questões quotidianas; expressar rutinas de modo guiado; dar indicações e instruções elementares; expressar o tempo, a quantidade e o espaço.

▪ Modelos contextuais e géneros discursivos básicos de uso comum na compreensão, produção e coprodução de textos orais, escritos e multimodais, breves e singelos, literários e não literários de tipoloxía variada, tais como folhetos, instruções, normas, aviso ou conversações reguladoras da convivência (agradecer, desculparse, pedir permissão).

▪ Unidades linguísticas elementares e significados associados a elas, tais como expressão da entidade e as suas propriedades, quantidade e número; espaço e as relações espaciais; afirmação, exclamação, negação, interrogación.

▪ Léxico elementar relativo a relações pessoais próximas, habitação, lugares e contornas de interesse.

▪ Patrões sonoros, acentuais e de entoación básicos de uso comum, e funções comunicativas gerais associadas aos supracitados patrões.

▪ Convenções ortográfico básicas de uso comum e significados associados aos formatos e elementos gráficos (signos de pontuação, siglas, símbolos).

▪ Convenções e estratégias de conversação básicas de uso comum pressencial e simultâneas, ou através de outros médios para iniciar, manter e rematar a comunicação, tomar e ceder a palavra e pedir e dar indicações.

▪ Recursos para a aprendizagem e estratégias elementares de procura guiada de informação em médios analóxicos e digitais.

▪ Ferramentas analóxicas e digitais básicas de uso comum para a compreensão, produção e coprodução oral, escrita e multimodal; e plataformas virtuais de interacção, cooperação e colaboração educativa.

▪ Recursos, destrezas, atitudes e situações elementares que permitem iniciar-se em actividades de mediação linguística em situações quotidianas básicas.

Bloco 2. Plurilingüismo

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Comparar e contrastar as similitudes e diferenças entre diferentes línguas reflectindo, de forma guiada, sobre aspectos básicos do seu funcionamento.

OBX5

▪ QUE2.2. Utilizar e diferenciar os conhecimentos e estratégias de melhora da sua própria capacidade de comunicar e de aprender a língua estrangeira, de forma guiada e com apoio de outros participantes e de suportes analóxicos e digitais.

OBX5

▪ QUE2.3. Registar e aplicar, de modo guiado, os progressos e dificuldades elementares no processo de aprendizagem da língua estrangeira, participando em actividades de autoavaliación e coavaliación, como as propostas no portfolio europeu das línguas (PELE).

OBX5

Conteúdos

▪ Estratégias básicas de uso comum para identificar, reter, recuperar e utilizar unidades linguísticas (léxico, fonemas similares, morfosintaxe, patrões sonoros, posição dos signos de interrogación e exclamação) a partir da comparação das línguas que conformam o repertório linguístico pessoal.

▪ Estratégias e técnicas de compensação das carências comunicativas para responder a uma necessidade elementar, apesar das limitações derivadas do nível de competência na língua estrangeira e nas demais línguas do repertório linguístico próprio.

▪ Estratégias e ferramentas básicas de autoavaliación e coavaliación, analóxicas e digitais, individuais e colectivas.

Bloco 3. Interculturalidade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Actuar com respeito em situações interculturais, identificando e comparando semelhanças e diferenças elementares entre línguas e culturas, e mostrando rejeição face a discriminações, prejuízos e estereótipos de qualquer tipo em contextos comunicativos quotidianos e habituais.

OBX6

▪ QUE3.2. Reconhecer e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística própria de países onde se fala a língua estrangeira como fonte de enriquecimento pessoal, mostrando interesse por compreender elementos culturais e linguísticos elementares e habituais que fomentem a convivência pacífica e o respeito pelos demais.

OBX6

Conteúdos

▪ Comunicação e relação com pessoas de outros países através da língua estrangeira: culturas e modos de vida diferentes.

▪ Participação em intercâmbios comunicativos planificados, com estudantes da língua estrangeira, através de diferentes meios.

▪ Patrões culturais elementares transmitidos através dos usos da língua estrangeira.

▪ Aspectos elementares socioculturais e sociolinguístico mais representativos relativos aos costumes, a vida quotidiana e as relações interpersoais básicas em países nos que se fala a língua estrangeira.

▪ Estratégias básicas de uso comum para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística, atendendo a valores ecosociais e democráticos.

▪ Iniciação nas estratégias básicas de detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

4º curso.

Área de Língua Estrangeira

Segundo ciclo

4º curso

Bloco 1. Comunicação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer e interpretar o sentido global e também de palavras e frases previamente apresentadas em textos de tipoloxía variada, orais, escritos e multimodais breves e singelos, sobre temas frequentes, quotidianos, de relevo pessoal e próximos à experiência do estudantado, adequados ao nível de desenvolvimento e expressados de forma compreensível, clara e em língua standard através de diferentes suportes.

OBX1

▪ QUE1.2. Seleccionar e aplicar de forma guiada estratégias ajeitado em situações comunicativas quotidianas e de relevo para o estudantado, para captar o sentido global e processar informações explícitas em textos breves e singelos sobre temas familiares.

OBX1

▪ QUE1.3. Expressar oralmente frases curtas com informação básica sobre assuntos quotidianos e de relevo para o estudantado, seguindo modelos e utilizando recursos verbais e não verbais de forma guiada, prestando atenção ao ritmo, a acentuação e a entoación.

OBX2

▪ QUE1.4. Escrever palavras, frases e textos muito breves e singelos sobre assuntos quotidianos e de relevo para o estudantado, com adequação à situação comunicativa proposta, a partir de modelos e através de ferramentas analóxicas e digitais, usando estruturas e léxico elementares.

OBX2

▪ QUE1.5. Seleccionar e aplicar de forma guiada estratégias para produzir mensagens breves, úteis e singelas, adequadas aos intuitos comunicativos, usando, com ajuda, recursos e apoios físicos ou digitais em função das necessidades de cada momento.

OBX2

▪ QUE1.6. Participar em situações interactivas e singelas de intercâmbios breves de informação sobre temas quotidianos, de relevo pessoal e próximos à sua experiência, preparadas previamente, apoiando-se em recursos tais coma a repetição, o ritmo pausado ou a linguagem não verbal, e mostrando empatía e respeito pela cortesía linguística.

OBX3

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.7. Seleccionar e utilizar, de forma guiada e em situações quotidianas, estratégias elementares para saudar, despedir-se e apresentar-se; expressar mensagens breves; e formular e contestar perguntas singelas.

OBX3

▪ QUE1.8. Interpretar e explicar informação básica de forma guiada, ajudando em dificuldades de compreensão, com empatía e interesse pelas interlocutoras e os interlocutores, apoiando-se em diversos recursos e suportes.

OBX4

▪ QUE1.9. Seleccionar e aplicar de modo guiado estratégias elementares que ajudem a criar pontes e facilitem a compreensão e produção de informação e a comunicação fluída, usando, mas com ajuda, recursos e apoios físicos e digitais em função das necessidades de cada momento.

OBX4

Conteúdos

▪ Estratégias para a aquisição da autoconfianza no uso da língua estrangeira.

▪ Técnicas de aprendizagem.

▪ O tratamento do erro como parte integrante do processo de aprendizagem e a sua aceitação como oportunidade de melhora.

▪ Estratégias básicas de uso comum para a compreensão e a produção de textos orais; textos escritos e multimodais, breves, singelos e contextualizados.

▪ Funções comunicativas básicas de uso comum adequadas ao âmbito e ao contexto: saudar, despedir-se, apresentar e apresentar-se; descrever de modo pautado pessoas, objectos e lugares; pedir e intercambiar informação sobre questões quotidianas; descrever rutinas de modo guiado; dar indicações e instruções básicas e quotidianas; expressar o tempo, a quantidade e o espaço.

▪ Modelos contextuais e géneros discursivos básicos de uso comum na compreensão, produção e coprodução de textos orais, escritos e multimodais, breves e singelos, literários e não literários de tipoloxía variada, tais como folhetos, instruções, normas, aviso o conversações reguladoras da convivência (agradecer, desculparse, pedir permissão).

▪ Unidades linguísticas elementares e significados associados a elas, tais como expressão da entidade e as suas propriedades, quantidade e número; espaço e as relações espaciais; afirmação, exclamação, negação, interrogación.

▪ Léxico elementar relativo a relações pessoais próximas, habitação, lugares e contornos de interesse.

▪ Patrões sonoros, acentuais e de entoación básicos de uso comum e funções comunicativas gerais associadas a eles.

▪ Convenções ortográfico básicas de uso comum e significados associados aos formatos e elementos gráficos (signos de pontuação, siglas, símbolos).

▪ Convenções e estratégias de conversação básicas de uso comum, pressencial e simultâneas, ou através de outros médios para iniciar, manter e rematar a comunicação, tomar e ceder a palavra e pedir e dar indicações.

▪ Recursos para a aprendizagem e estratégias elementares de procura guiada de informação em médios analóxicos e digitais.

▪ Ferramentas analóxicas e digitais básicas de uso comum para a compreensão, produção e coprodução oral, escrita e multimodal; e plataformas virtuais de interacção, cooperação e colaboração educativa.

▪ Léxico e expressões, básicos e frequentes relacionados com a metalinguaxe para compreender enunciado sobre a comunicação, a língua e a aprendizagem.

▪ Destrezas, atitudes e situações elementares que permitem iniciar-se em actividades de mediação linguística em situações quotidianas básicas.

▪ Estratégias elementares que ajudem a criar pontes e facilitem a compreensão e produção de informação, e a comunicação fluída.

▪ Recursos e apoios físicos e digitais que permitam exercer a mediação linguística de um modo básico.

Bloco 2. Plurilingüismo

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Comparar e contrastar as similitudes e diferenças entre diferentes línguas reflectindo, de forma guiada, sobre aspectos básicos do seu funcionamento.

OBX5

▪ QUE2.2. Utilizar e diferenciar, de forma guiada, os conhecimentos e estratégias de melhora da sua própria capacidade de comunicar e de aprender a língua estrangeira, com apoio de outros participantes e de suportes analóxicos e digitais.

OBX5

▪ QUE2.3. Registar e aplicar, de modo guiado, os progressos e dificuldades elementares no processo de aprendizagem da língua estrangeira, participando em actividades de autoavaliación e coavaliación, como as propostas no portfolio europeu das línguas (PELE).

OBX5

Conteúdos

▪ Estratégias e técnicas de compensação das carências comunicativas para responder a uma necessidade elementar apesar das limitações derivadas do nível de competência na língua estrangeira e nas demais línguas do repertório linguístico próprio.

▪ Estratégias básicas de uso comum para identificar, reter, recuperar e utilizar unidades linguísticas (léxico, fonemas similares, morfosintaxe, patrões sonoros, posição dos signos de interrogación e exclamação) a partir da comparação das línguas que conformam o repertório linguístico pessoal.

▪ Estratégias e ferramentas básicas de uso comum de autoavaliación e coavaliación, analóxicas e digitais, individuais e colectivas.

Bloco 3. Interculturalidade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Actuar com respeito em situações interculturais, identificando e comparando semelhanças e diferenças elementares entre línguas e culturas, e mostrando rejeição face a discriminações, prejuízos e estereótipos de qualquer tipo em contextos comunicativos quotidianos e habituais.

OBX6

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.2. Reconhecer e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística própria de países onde se fala a língua estrangeira como fonte de enriquecimento pessoal, mostrando interesse por compreender elementos culturais e linguísticos elementares e habituais que fomentem a convivência pacífica e o respeito pelos demais.

OBX6

▪ QUE3.3. Seleccionar e aplicar de modo guiado estratégias básicas para perceber e apreciar os aspectos mais relevantes da diversidade linguística, cultural e artística.

OBX6

Conteúdos

▪ Comunicação e relação com pessoas de outros países através da língua estrangeira: culturas e modos de vida diferentes.

▪ Participação em intercâmbios comunicativos planificados, com estudantes da língua estrangeira, através de diferentes meios.

▪ Patrões culturais elementares transmitidos através dos usos da língua estrangeira.

▪ Aspectos elementares socioculturais e sociolinguístico mais representativos relativos aos costumes, a vida quotidiana e as relações interpersoais básicas em países nos que se fala a língua estrangeira.

▪ Estratégias básicas de uso comum para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística, atendendo a valores ecosociais e democráticos.

▪ Iniciação nas estratégias básicas de detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

Terceiro ciclo.

5º curso.

Área de Língua Estrangeira

Terceiro ciclo

5º curso

Bloco 1. Comunicação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer, interpretar e analisar o sentido global, assim como palavras e frases específicas em textos de tipoloxía variada, orais, escritos e multimodais breves e singelos sobre temas actuais frequentes e quotidianos de relevo pessoal e âmbitos próximos à sua experiência, expressados de forma compreensível, clara e em língua standard através de diferentes suportes.

OBX1

▪ QUE1.2. Seleccionar, organizar e aplicar, de forma guiada, estratégias e conhecimentos adequados em situações comunicativas quotidianas e de relevo para captar o sentido global e processar informações explícitas em textos diversos.

OBX1

▪ QUE1.3. Expressar oralmente textos breves e singelos, previamente preparados, sobre assuntos quotidianos e de relevo para o estudantado, utilizando de forma guiada recursos verbais e não verbais, junto com estruturas básicas e de uso frequente próprias da língua estrangeira.

OBX2

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.4. Organizar e redigir textos breves e singelos, previamente preparados, com adequação à situação comunicativa proposta, através de ferramentas analóxicas e digitais, e usando estruturas e léxico básicos de uso comum sobre assuntos quotidianos e frequentes, de relevo pessoal para o estudantado e próximos à sua experiência.

OBX2

▪ QUE1.5. Seleccionar, organizar e aplicar, de forma guiada, conhecimentos e estratégias para preparar e produzir textos breves, singelos e úteis adequados aos intuitos comunicativos, às características contextuais e à tipoloxía textual, usando com ajuda recursos físicos ou digitais em função da tarefa e das necessidades de cada momento.

OBX2

▪ QUE1.6. Planificar e participar em situações interactivas singelas de intercâmbios breves de informação sobre temas quotidianos, de relevo pessoal e próximos à sua experiência, através de diversos suportes, apoiando-se em recursos tais como a repetição, o ritmo pausado ou a linguagem não verbal, e mostrando empatía e respeito pela cortesía linguística e a etiqueta digital.

OBX3

▪ QUE1.7. Seleccionar, organizar e utilizar, de forma guiada, em situações quotidianas, estratégias elementares para saudar, despedir-se e apresentar-se; formular e contestar perguntas singelas; expressar mensagens e iniciar e terminar a comunicação.

OBX3

▪ QUE1.8. Inferir e explicar textos, conceitos e comunicações breves e singelas, de forma guiada, em situações de comunicação nas que atender à diversidade, mostrando respeito e empatía pelas interlocutoras e os interlocutores, e pelas línguas empregadas, e interesse por participar na solução de problemas de intercomprensión e entendimento na sua contorna próxima, apoiando-se em diversos recursos e suportes.

OBX4

▪ QUE1.9. Seleccionar e aplicar, de forma guiada, estratégias básicas que ajudem a criar pontes e facilitem a compreensão e produção de informação e a comunicação fluída, adequados aos intuitos comunicativos, as características contextuais e a tipoloxía textual, usando, com ajuda, recursos e apoios físicos ou digitais em função das necessidades de cada momento.

OBX4

Conteúdos

▪ Estratégias para a aquisição e afianzamento da autoconfianza no uso da língua estrangeira.

▪ Técnicas de aprendizagem.

▪ O tratamento do erro como parte integrante do processo de aprendizagem e a sua aceitação como oportunidade de melhora.

▪ Estratégias básicas para a compreensão, o planeamento e a produção de textos orais; escritos e multimodais, breves, singelos e contextualizados.

▪ Funções comunicativas básicas de uso comum adequadas ao âmbito e ao contexto: saudar, despedir-se, apresentar e apresentar-se; descrever pessoas, objectos e lugares; situar eventos no tempo; situar objectos, pessoas e lugares no espaço; pedir e intercambiar informação sobre questões quotidianas; descrever rutinas; dar indicações e instruções; expressar a pertença e a quantidade.

▪ Modelos contextuais e géneros discursivos básicos, de uso comum, na compreensão, produção e coprodução de textos orais, escritos e multimodais, breves e singelos, literários e não literários: reconhecimento das características e do contexto, organização e estrutura interna, segundo o género, a função textual, o destinatario e a finalidade.

▪ Unidades linguísticas básicas e significados associados a elas tais como expressão da entidade e as suas propriedades, quantidade e número, o espaço e as relações espaciais; o tempo, a afirmação, a negação, a interrogación e a exclamação, relações lógicas elementares.

▪ Léxico relativo à identificação pessoal, relações pessoais próximas, lugares e contornos de interesse para o estudantado, vida quotidiana, lazer e tempo livre.

▪ Patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación básicos, e funções comunicativas gerais associadas aos supracitados patrões.

▪ Convenções ortográfico básicas de uso comum e significados associados aos formatos e elementos gráficos (signos de pontuação, siglas, símbolos).

▪ Convenções e estratégias de conversação básicas de uso comum, sejam pressencial e simultâneas, ou através de outros médios para iniciar, manter e rematar a comunicação, tomar e ceder a palavra, pedir e dar indicações, esclarecimentos e explicações adaptadas ao seu nível, colaborar, comparar e contrastar.

▪ Recursos para a aprendizagem e estratégias de procura guiada de informação em médios analóxicos e digitais.

▪ Léxico e expressões básicos e frequentes de uso comum relacionados com a metalinguaxe para compreender enunciado sobre a comunicação, a língua, a aprendizagem e as ferramentas de comunicação e aprendizagem.

▪ Propriedade intelectual das fontes consultadas e conteúdos utilizados; identificação de direitos de autoria.

▪ Ferramentas analóxicas e digitais básicas de uso comum para a compreensão, produção e coprodução oral, escrita e multimodal, assim como plataformas virtuais de interacção, cooperação e colaboração educativa (salas de aulas virtuais, videoconferencias, ferramentas digitais colaborativas...) para a aprendizagem, a comunicação e o desenvolvimento de projectos com falantes ou estudantes da língua estrangeira.

▪ Destrezas, atitudes e situações elementares que permitem iniciar-se em actividades de mediação linguística em situações quotidianas básicas.

▪ Estratégias elementares que ajudem a criar pontes e facilitem a compreensão e produção de informação, e a comunicação fluída.

▪ Recursos e apoios físicos e digitais que permitam exercer a mediação linguística de um modo básico.

Bloco 2. Plurilingüismo

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Comparar e contrastar as similitudes e diferenças entre diferentes línguas reflectindo de maneira progressivamente autónoma sobre aspectos básicos do seu funcionamento.

OBX5

▪ QUE2.2. Utilizar e diferenciar de forma progressivamente autónoma os conhecimentos e estratégias de melhora da sua capacidade de comunicar e de aprender a língua estrangeira, com apoio de outros participantes e de suportes analóxicos e digitais.

OBX5

▪ QUE2.3. Iniciar-se, de maneira guiada, no registro e uso dos progressos e dificuldades de aprendizagem da língua estrangeira, reconhecendo os aspectos que ajudam a melhorar e realizando actividades de autoavaliación e coavaliación, como as propostas no portfolio europeu das línguas (PELE) ou num diário de aprendizagem.

OBX5

Conteúdos

▪ Estratégias e técnicas de compensação das carências comunicativas para responder eficazmente a uma necessidade concreta, apesar das limitações derivadas do nível de competência na língua estrangeira e nas demais línguas do repertório linguístico próprio.

▪ Estratégias básicas de uso comum para identificar, organizar, reter, recuperar e utilizar unidades linguísticas (léxico, fonemas similares, morfosintaxe, patrões sonoros, posição dos signos de interrogación e exclamação) a partir da comparação das línguas e variedades que conformam o repertório linguístico pessoal.

▪ Estratégias e ferramentas básicas de autoavaliación e coavaliación, analóxicas e digitais, individuais e colectivas.

▪ Comparação elementar entre línguas a partir de elementos da língua estrangeira e outras línguas: origem e parentescos.

Bloco 3. Interculturalidade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Actuar com aprecio e respeito em situações interculturais, construindo vínculos entre as diferentes línguas e culturas, e mostrando rejeição ante qualquer tipo de discriminação, prejuízo e estereótipo em contextos comunicativos quotidianos e habituais.

OBX6

▪ QUE3.2. Aceitar e respeitar a diversidade linguística, cultural e artística própria de países onde se fala a língua estrangeira como fonte de enriquecimento pessoal, mostrando interesse por compreender elementos culturais e linguísticos básicos que fomentem a sustentabilidade e a democracia.

OBX6

▪ QUE3.3. Seleccionar e aplicar, de maneira guiada, estratégias básicas para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística.

OBX6

Conteúdos

▪ Comunicação e relação com pessoas de outros países, através da língua estrangeira: acesso a nova informação, culturas e modos de vida diferentes.

▪ Aspectos socioculturais e sociolinguístico básicos e habituais relativos aos costumes, a vida quotidiana e as relações interpersoais, convenções sociais básicas de uso comum, linguagem não verbal, cortesía linguística e etiqueta digital próprias de países onde se fala a língua estrangeira.

▪ Estratégias básicas de uso comum para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística, atendendo a valores ecosociais e democráticos.

▪ Patrões culturais básicos de uso frequente transmitidos através dos usos da língua estrangeira.

▪ Participação em intercâmbios comunicativos com falantes ou estudantes da língua estrangeira, através de diferentes meios.

▪ Estratégias básicas de detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

6º curso.

Área de Língua Estrangeira

Terceiro ciclo

6º curso

Bloco 1. Comunicação

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE1.1. Reconhecer, interpretar e analisar o sentido global, assim como palavras e frases específicas em textos de tipoloxía variada, orais, escritos e multimodais breves e singelos sobre temas actuais frequentes e quotidianos de relevo pessoal e âmbitos próximos à sua experiência, adequados ao nível de desenvolvimento do estudantado, expressados de forma compreensível, clara e em língua standard através de diferentes suportes.

OBX1

▪ QUE1.2. Seleccionar, organizar e aplicar, de forma guiada, estratégias e conhecimentos adequados em situações comunicativas quotidianas e de relevo para captar o sentido global e processar informações explícitas em textos diversos.

OBX1

▪ QUE1.3. Expressar oralmente textos breves e singelos, previamente preparados, sobre assuntos quotidianos e de relevo, utilizando de forma guiada recursos verbais e não verbais, junto com estruturas básicas e de uso frequente próprias da língua estrangeira.

OBX2

▪ QUE1.4. Organizar e redigir textos breves e singelos, previamente preparados, com adequação à situação comunicativa proposta, através de ferramentas analóxicas e digitais, e usando estruturas e léxico básicos de uso comum sobre assuntos quotidianos e frequentes, de relevo pessoal e próximos à sua experiência.

OBX2

▪ QUE1.5. Seleccionar, organizar e aplicar, de forma guiada, conhecimentos e estratégias para preparar e produzir textos úteis adequados aos intuitos comunicativos, as características contextuais e a tipoloxía textual, usando com ajuda recursos físicos ou digitais em função da tarefa e das necessidades de cada momento.

OBX2

▪ QUE1.6. Planificar e participar em situações interactivas de intercâmbios breves de informação sobre temas quotidianos, de relevo pessoal e próximos à sua experiência, através de diversos suportes, apoiando-se em recursos tais como a repetição, o ritmo pausado ou a linguagem não verbal, e mostrando empatía e respeito pela cortesía linguística e a etiqueta digital, assim como pelas diferentes necessidades, ideias e motivações das e dos interlocutores.

OBX3

▪ QUE1.7. Seleccionar, organizar e utilizar, de forma guiada, em situações quotidianas, estratégias elementares para saudar, despedir-se e apresentar-se; formular e contestar perguntas singelas; expressar mensagens e iniciar e terminar a comunicação.

OBX3

▪ QUE1.8. Inferir e explicar textos, conceitos e comunicações breves e singelas, de forma guiada, em situações de comunicação nas que atender à diversidade, mostrando respeito e empatía pelas pessoas interlocutoras e pelas línguas empregadas, e interesse por participar na solução de problemas de intercomprensión e de entendimento na sua contorna próxima, apoiando-se em diversos recursos e suportes.

OBX4

▪ QUE1.9. Seleccionar e aplicar, de forma guiada, estratégias básicas que ajudem a criar pontes e facilitem a compreensão e produção de informação e a comunicação fluída, adequados aos intuitos comunicativos, as características contextuais e a tipoloxía textual, usando, com ajuda, recursos e apoios físicos ou digitais em função das necessidades de cada momento.

OBX4

Conteúdos

▪ Estratégias para a aquisição e afianzamento da autoconfianza no uso da língua estrangeira.

▪ Técnicas de aprendizagem.

▪ O tratamento do erro como parte integrante do processo de aprendizagem (a aceitação do erro como oportunidade de melhora).

▪ Estratégias básicas para a compreensão, o planeamento e a produção de textos orais, e multimodais, breves, singelos e contextualizados.

▪ Funções comunicativas básicas de uso comum adequadas ao âmbito e ao contexto: saudar, despedir-se, apresentar e apresentar-se; descrever pessoas, objectos e lugares; situar eventos no tempo; situar objectos, pessoas e lugares no espaço; pedir e intercambiar informação sobre questões quotidianas; descrever rutinas; dar indicações e instruções; expressar a pertença e a quantidade.

▪ Modelos contextuais e géneros discursivos básicos, de uso comum, na compreensão, produção e coprodução de textos orais, escritos e multimodais, breves e singelos, literários e não literários: reconhecimento das características e do contexto (participantes e situação), organização e estrutura interna, segundo o género, a função textual, o destinatario e a finalidade.

▪ Unidades linguísticas básicas e significados associados a elas tais como expressão da entidade e as suas propriedades, quantidade e número, o espaço e as relações espaciais; o tempo, a afirmação, a negação, a interrogación e a exclamação, relações lógicas elementares.

▪ Léxico relativo à identificação pessoal, relações pessoais próximas, lugares e contornos de interesse para o estudantado, vida quotidiana, lazer e tempo livre.

▪ Patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación básicos, e funções comunicativas gerais associadas aos supracitados patrões.

▪ Convenções ortográfico básicas de uso comum e significados associados aos formatos e elementos gráficos (signos de pontuação, siglas, símbolos).

▪ Convenções e estratégias de conversação básicas de uso comum, sejam pressencial e simultâneas, ou através de outros médios para iniciar, manter e rematar a comunicação, tomar e ceder a palavra, pedir e dar indicações, esclarecimentos e explicações adaptadas ao seu nível, colaborar, comparar e contrastar.

▪ Recursos para a aprendizagem e estratégias de procura guiada de informação em médios analóxicos e digitais.

▪ Léxico e expressões básicos de uso comum relacionados com a metalinguaxe para compreender enunciado sobre a comunicação, a língua, a aprendizagem e as ferramentas de comunicação e aprendizagem.

▪ Propriedade intelectual das fontes consultadas e conteúdos utilizados; identificação e direitos de autoria.

▪ Ferramentas analóxicas e digitais básicas de uso comum para a compreensão, produção e coprodução oral, escrita e multimodal, assim como plataformas virtuais de interacção, cooperação e colaboração educativa (salas de aulas virtuais, videoconferencias, ferramentas digitais colaborativas...) para a aprendizagem, a comunicação e o desenvolvimento de projectos com falantes ou estudantes da língua estrangeira.

▪ Destrezas, atitudes e situações elementares que permitem iniciar-se em actividades de mediação linguística em situações quotidianas básicas.

▪ Estratégias elementares que ajudem a criar pontes e facilitem a compreensão e produção de informação, e a comunicação fluída.

▪ Recursos e apoios físicos e digitais que permitam exercer a mediação linguística de um modo básico.

Bloco 2. Plurilingüismo

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE2.1. Comparar e contrastar as similitudes e diferenças entre diferentes línguas reflectindo de maneira progressivamente autónoma sobre aspectos básicos do seu funcionamento.

OBX5

▪ QUE2.2. Utilizar e diferenciar de forma progressivamente autónoma os conhecimentos e estratégias de melhora da sua capacidade de comunicar e de aprender a língua estrangeira, com apoio de outros participantes e de suportes analóxicos e digitais.

OBX5

▪ QUE2.3. Registar e utilizar, de maneira guiada, os progressos e dificuldades no processo de aprendizagem da língua estrangeira, reconhecendo os aspectos que ajudam a melhorar e realizando actividades de autoavaliación e coavaliación, como as propostas no portfolio europeu das línguas (PELE) ou num diário de aprendizagem.

OBX5

Conteúdos

▪ Estratégias e técnicas de compensação das carências comunicativas para responder eficazmente a uma necessidade concreta, apesar das limitações derivadas do nível de competência na língua estrangeira e nas línguas familiares.

▪ Estratégias básicas de uso comum para identificar, organizar, reter, recuperar e utilizar unidades linguísticas (léxico, fonemas similares, morfosintaxe, patrões sonoros, posição dos signos de interrogación e exclamação) a partir da comparação das línguas e variedades que conformam o repertório linguístico pessoal.

▪ Estratégias e ferramentas básicas de autoavaliación e coavaliación, analóxicas e digitais, individuais e colectivas.

▪ Comparação elementar entre línguas a partir de elementos da língua estrangeira e de outras línguas: origem e parentescos.

Bloco 3. Interculturalidade

Critérios de avaliação

Objectivos

▪ QUE3.1. Actuar com aprecio e respeito em situações interculturais, construindo vínculos entre as diferentes línguas e culturas, e mostrando rejeição ante qualquer tipo de discriminação, prejuízo e estereótipo em contextos comunicativos quotidianos e habituais.

OBX6

▪ QUE3.2. Aceitar e respeitar a diversidade linguística, cultural e artística própria de países onde se fala a língua estrangeira como fonte de enriquecimento pessoal, mostrando interesse por compreender elementos culturais e linguísticos básicos que fomentem a sustentabilidade e a democracia.

OBX6

▪ QUE3.3. Seleccionar e aplicar, de forma guiada, estratégias básicas para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística.

OBX6

Conteúdos

▪ Comunicação e relação com pessoas de outros países, através da língua estrangeira: acesso a nova informação, culturas e modos de vida diferentes.

▪ Aspectos socioculturais e sociolinguístico básicos e habituais relativos aos costumes, a vida quotidiana e as relações interpersoais, convenções sociais básicas de uso comum, linguagem não verbal, cortesía linguística e etiqueta digital próprias de países onde se fala a língua estrangeira.

▪ Estratégias básicas de uso comum para perceber e apreciar a diversidade linguística, cultural e artística, atendendo a valores ecosociais e democráticos.

▪ Patrões culturais básicos de uso frequente transmitidos através dos usos da língua estrangeira.

▪ Participação em intercâmbios comunicativos com falantes ou estudantes da língua estrangeira, através de diferentes meios.

▪ Estratégias básicas de detecção de usos discriminatorios da linguagem verbal e não verbal.

7.4. Orientações pedagógicas.

A intervenção educativa na área de Língua Estrangeira desenvolverá o seu currículo e tratará de assentar de modo gradual e progressivo nos diferentes níveis da etapa as aprendizagens que lhe facilitem ao estudantado o sucesso dos objectivos da área e, em combinação com o resto de áreas, uma adequada aquisição das competências chave e o sucesso dos objectivos da etapa.

Neste sentido, no desenho das actividades, o professorado terá que considerar a relação existente entre os objectivos da área e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída e as linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem, que se apresentam nos apartados seguintes, e seleccionar aqueles critérios de avaliação do currículo que se ajustem à finalidade buscada, assim como empregá-los para verificar as aprendizagens do estudantado e o seu nível de desempenho.

Relação entre os objectivos da área de Língua Estrangeira e as competências chave através dos descritores operativos do perfil de saída estabelecidos no anexo I.

Obxetivos

da área

Competências chave

CCL

CP

STEM

CD

CPSAA

CC

CE

CCEC

OBX1

2-3

1-2

1

1

5

2

OBX2

1

1-2

1

2

5

1

4

OBX3

5

1-2

1

3

3

1-3

OBX4

5

1-2-3

1

1-3

1

OBX5

2

1

2

1-4-5

3

OBX6

5

3

1-3

2-3

1

Linhas de actuação no processo de ensino e aprendizagem.

– O enfoque orientado à acção, tal e como propõe o Marco comum europeu de referência, através de desenhos fundamentados na análise de necessidades, orientados a tarefas da vida real e construídos sobre noções e funções seleccionadas deliberadamente. Isto favorece uma perspectiva de domínio guiada pelo que o estudantado pode fazer, no quanto de uma perspectiva de carência na que se acentua aquilo que ainda não foi adquirido. Trata-se de desenhar currículos fundamentados nas necessidades comunicativas do mundo real, organizados sobre tarefas da vida real, com a guia dos critérios de avaliação que indicam o grau de consecução dos objectivos estabelecidos no próprio currículo.

– A realização de projectos significativos para o estudantado de diferentes níveis, em grupos reduzidos favorecendo desde o âmbito da comunicação a aquisição de competências chave através da resolução de problemas de forma criativa e colaborativa, fomentando o espírito científico e o emprendemento (iniciativa pessoal), reforçando a autoestima, a autonomia, a reflexão e a responsabilidade. Deste modo, o papel do professorado passa a ser o de acompañamento e guia, que ajude a converter cada projecto numa experiência positiva e enriquecedora para todos e todas.

– O desenho de actividades de aprendizagem de acesso universal (DUA) para atender melhor à diversidade do estudantado, o que ajudará a dar-lhe uma atenção individualizada.

– A énfase na prevenção das dificuldades de aprendizagem e na posta em prática de mecanismos de reforço tão pronto como se detectem.

– A identificação pessoa-língua, que implica ajudar o estudantado a associar a mestra/e com a língua que ensina de modo automático. Desde o primeiro momento, a língua estrangeira tem que ter presença activa não só na sala de aulas senão também na escola. O professorado desta língua deve criar situações de comunicação oral com o estudantado: praticamente toda a relação que se estabelece na escola com o estudantado é susceptível de fazer-se nela. Isto implica a necessidade de simplificar a comunicação habitual e também as instruções para a sala de aulas e das actividades que se vão realizar.

– A criação de situações de interacção, de comunicação oral entre o estudantado de todos os níveis: em casais, pequenos grupos ou grupo-sala de aulas, em situações reais ou supostas (cobrir quadros de dados sobre o outro/a; competição entre grupos de pergunta-resposta; descobrir dados reais ou supostos sobre os demais através de jogos como Adivinha quem é?; dramatizacións de diálogos em situações reais ou imaxinarias etc.). Neste âmbito da comunicação oral, a introdução do jogo –em diferentes formatos, suportes e modalidades– apresenta-se como um elemento necessário e fundamental para a aquisição da língua em qualquer nível da etapa de primária: jogos de cartões, tais como jogos de cor, adivinhar o cartão tampado, descrever o cartão escolhido; jogos de tabuleiro temáticos, nos que os jogadores e jogadoras têm que verbalizar tudo o que se nos ocorra relacionado com o seu desenvolvimento: número do dado, do quadro, a imagem ou palavra desse cadrar, ler uma pergunta escrita no quadro no que se está, contestar a uma pergunta, e todas aquelas propostas que possam acoplar no marco do jogo de tabuleiro e cumpra com os objectivos de utilizar vocabulário e expressões na língua estrangeira, proporcionar-lhes diversão e concentração aos participantes e incorporar a todo o estudantado sem importar as suas habilidades e/ou capacidades. Incluímos aqui também os jogos linguísticos, como o mimo, e qualquer outro que sirva para atingir objectivos e competências ao longo de toda a etapa de primária.

– O uso das tecnologias, recurso que nos proporcionará muitas possibilidades tanto de situação como de motivação para que o estudantado utilize a língua estrangeira na medida das suas aptidões e capacidade adquirida: realizar programas de rádio, podcasts de duração curta, anúncios em vídeo sobre eventos que se vão realizar no próprio centro ou na contorna, e actividades similares. Todas elas são adaptables a diferentes níveis de aprendizagem da língua e vão permitir a interacção entre estudantado diverso.

– A introdução à leitura em língua estrangeira, desde o primeiro nível, se bem neste primeiro momento será unicamente o professorado quem leia para as crianças, alternando com o uso de ferramentas digitais: histórias publicado em plataformas de difusão digital, ilustradas e narradas por pessoas de fala inglesa e acento diferentes. A necessária gradação no avanço de conhecimento e aquisição da língua irá marcando o tipo de actividades ao longo da etapa, desde a leitura e interpretação das ilustrações do livro que pode fazer o estudantado do primeiro nível até uma leitura individualizada de textos simples e claros em livros e médios escritos de difusão de informação no sexto.

– A prática da compreensão oral ao longo de toda a etapa de primária, mediante a utilização de documentos audiovisuais tipo documentários, anúncios publicitários, curtas em vídeo, notícias... adequados ao seu nível, que lhes permitam a crianças aceder a informação e imagens relacionadas com outras matérias do currículo, e a temas transversais tais como a educação para a saúde, incluída a afectivo-sexual; a igualdade de género, a educação para a paz, a educação para o consumo responsável e o desenvolvimento sustentável.

– O achegamento à língua estrangeira como a uma ferramenta para a comunicação que lhes vai permitir às crianças expressar o que querem em cada momento, desde as suas necessidades básicas (ata-me os cordões, quero ir ao banho), relacionar nos jogos (toca-me a mim) e, ao mesmo tempo, perceber as necessidades de os/das demais.

– O aproveitamento de todas as situações que o âmbito escolar oferece para introduzir a língua estrangeira em substituição das maternas do estudantado, propondo e criando situações relacionadas com a realidade na que este vive, para que faça sentido e significado pleno a língua que use e, ao mesmo tempo, oferecer-lhe a possibilidade de achegar-se a outras realidades graças a esta língua, através do mundo digital.

– A utilização de materiais visuais e variados como livros ilustrados, páginas web, apresentações digitais, vinde-os curtos que facilitem chegar a crianças de qualquer nível educativo ou com diversidade de aprendizagem e, em consequência, incluí-los, na actividade da sala de aulas.

– A aquisição de técnicas de aprendizagem e autoaprendizaxe, assim como de estratégias que permitam ganhar autoconfianza no uso da língua estrangeira passa pela prática na escola. Assim, considera-se de grande importância a utilização frequente de técnicas como impulsionar repasos frequentes entre as crianças, os jogos linguísticos, a escuta de canções e o visionado de películas e vinde nessa língua. Além disso, se o professorado usa, de modo prioritário face à tradução, estratégias como linguagem corporal, gestos, mímica e suportes visuais para fazer-se perceber com as crianças, eles estarão praticando e aprendendo estas mesmas estratégias.

– A coordinação entre o professorado de línguas estrangeiras e o das línguas cooficiais, necessária para evitar a repetição de conteúdos próprios das aprendizagens de qualquer língua (estratégias de compreensão, produção e coprodução, interacção e mediação linguística), a tipoloxía textual, a definição de termos linguísticos, e a utilização de terminologia similar. O achegamento do estudantado à língua estrangeira produz-se geralmente partindo da língua materna e das ambientais, pelo que é essencial o tratamento integrado de todas as línguas e a colaboração entre todo o professorado que as dá.

– A coordinação entre o professorado de línguas estrangeiras e o que dá outras áreas nessa língua, necessária no actual contexto de centros docentes plurilingües e secções bilingues.

– A avaliação, como parte fundamental do processo de ensino-aprendizagem, permitirá valorar o grau de aquisição dos objectivos de nível e de etapa, e o grau de desenvolvimento das competências chave. Os resultados da avaliação proporcionarão informação essencial para a toma de decisões com o fim de modificar, de ser o caso, aqueles aspectos do processo de ensino e aprendizagem que são susceptíveis de melhora (metodoloxía, recursos, tarefas...) e de detectar as dificuldades de aprendizagem, com a consequente posta em marcha de mecanismos para paliá-las, sempre com a finalidade de que o estudantado atinja os objectivos e desenvolva as competências.

8. Língua Galega e Literatura.

8.1. Introdução.

A língua é um instrumento de comunicação empregado a diário para perceber e produzir mensagens nos âmbitos comunicativos orais e escritos; ademais, está presente aos processos de ensino-aprendizagem. Na sociedade actual a competência comunicativa e linguística mostra-se essencial para poder desenvolver-se na meirande parte dos aspectos, circunstâncias e situações da vida. Na era das tecnologias da informação e da profusão de meios de comunicação, todo o estudantado e todas as pessoas devem estar preparadas para perceber, elaborar e produzir qualquer tipo de mensagem.

O currículo de Língua Galega e Literatura desenha com a vista posta no modelo de estudantado proposto no perfil de saída do estudantado ao ter-mo do ensino básico, a partir dos descritores operativos que concretizam o desenvolvimento competencial esperado ao terminar a etapa de educação primária. Tem como objectivo o desenvolvimento da competência comunicativa linguística do estudantado em galego. Dentro do ensino desta área, a literatura vai ter um valor significativo como produto e expressão artística de uma cultura de seu e de relação com outras manifestações artísticas e culturais da contorna da Galiza, de Espanha e do mundo. Aprender e expressar-se em língua galega e conhecer e valorar a própria literatura implica achegar-se e perceber esse sistema de comunicação e de expressão, pelo que se transmitem e se manifestam os significados culturais e os modos singulares de perceber e interpretar a realidade. Assim, o currículo organiza-se por volta das estratégias relacionadas com falar, escutar, ler e escrever em língua galega, com o fim de lhe proporcionar ao estudantado ferramentas que lhe permitam responder os reptos da sociedade do século XXI, que demanda pessoas cultas, críticas e bem informadas; capazes de fazer um uso eficaz e ético das palavras; respeitosas para as diferenças; com capacidade de transformar a informação em conhecimento e de aprender por sim mesmas, informar-se, colaborar e trabalhar em equipa; criativas e emprendedoras; cultas e comprometidas com o desenvolvimento sustentável, a defesa dos direitos humanos e a convivência igualitaria, inclusiva, pacífica e democrática.

O elemento básico do currículo são os objectivos da área, que identificam que queremos que o estudantado faça, como queremos que o faça e para que queremos que o faça e cuja finalidade é concretizar e articular o contributo da área de Língua Galega e Literatura aos objectivos gerais de etapa e ao desenvolvimento do perfil de saída. Recolhem a finalidade última dos ensinos da área, percebida em termos de mobilização das aprendizagens. O primeiro destes objectivos de Língua Galega e Literatura orienta ao reconhecimento da diversidade e variedades linguísticas da contorna, da Galiza e de Espanha, para favorecer atitudes de respeito para a diversidade étnica e cultural, combater prejuízos e estereótipos linguísticos e iniciar na reflexão interlingüística, incluídas as línguas de signos. Espera-se que nesta etapa se produza a aquisição e consolidação do código escrito. Em todo o caso, deve partir da diversidade de trajectórias educativas do estudantado e as aprendizagens devem produzir-se a partir da reflexão, compreensão ou produção de textos de uso social. Em consonancia com isso, um segundo grupo de objectivos relaciona com a produção, compreensão e interacção oral e escrita, incorporando as formas de comunicação de corte tecnológico e atendendo ao âmbito pessoal, educativo e social. Neste sentido, a transformação digital dos centros educativos deve contribuir à melhora das competências e influir, de modo significativo, nos processos de ensino-aprendizagem. Questão esta que tem que ir acompanhada de uma mudança de metodoloxía e da participação activa do estudantado. Por outra parte, saber ler hoje implica também saber navegar e buscar na Rede e seleccionar informação fiável com diferentes propósitos. Assim, o objectivo sexto senta as bases da alfabetização mediática e informacional. Respondendo à necessidade de ensinar a ler todo o tipo de textos e com diferentes propósitos de leitura, os objectivos sétimo e oitavo reservam para a leitura literária acompanhada, tanto autónoma como partilhada na sala de aulas. Adopta-se assim um duplo enfoque com o intuito de iniciar-se em dois processos paralelos: por uma banda, o da aquisição do hábito leitor autónomo e, por outra, o do desenvolvimento de habilidades de achegamento e interpretação dos textos literários. Prestar-se-á especial atenção ao reconhecimento das mulheres escritoras em galego. O objectivo noveno atende a uma primeira aproximação à reflexão sobre a língua e os seus usos, tendo presente que, na actualidade, a língua galega é uma língua minorizada, mas expressão e representação de uma cultura própria; enquanto que o décimo, relativo à ética da comunicação, é de carácter transversal a todos eles. Centra nas práticas comunicativas não discriminatorias, para identificar e rejeitar os abusos de poder através da palavra, fomentar a igualdade desde uma perspectiva de género e as condutas não sexistas, assim como a gestão dialogada de conflitos, em consonancia com a prevenção de qualquer tipo de violência, incluindo, em todo o caso, a violência de género e a aposta cultura da paz.

O sucesso destes objectivos deve produzir-se de maneira progressiva ao longo da etapa e sempre respeitando os processos individuais de maduração cognitiva. Partir-se-á no primeiro ciclo da exploração, a interacção e a interpretação da contorna, acompanhando o estudantado nos processos de observação e análise em contextos significativos e na reflexão sobre modelos textuais adequados, para ir avançando, ao longo da etapa, para uma crescente confiança e autonomia na produção e compreensão linguística. Dado o enfoque inequivocamente competencial da educação linguística, a gradação entre ciclos estabelece-se em função da complexidade dos textos, dos contextos de uso, das habilidades de interpretação ou de produção requeridas, da metalinguaxe necessária para reflectir sobre os usos, assim como do grau de autonomia conferido ao estudantado. Existe, portanto, um evidente paralelismo entre os ciclos entre sim e em relação com a etapa de educação secundária obrigatória, onde se produzirá uma maior progressão para a autonomia do estudantado, assim como uma maior diversidade e complexidade das práticas discursivas em diferentes âmbitos de uso e mais plurais, sublinhar-se-á o papel das convenções literárias e do contexto histórico na compreensão dos textos literários e a reflexão sobre o funcionamento da língua e os seus usos adquirirá um papel mais relevante.

Para determinar o progresso no grau de aquisição destes objectivos ao longo da etapa, os critérios de avaliação estabelecem-se para cada um dos ciclos e cursos da etapa. Estes critérios formulam-se de um modo claramente competencial, atendendo tanto aos produtos finais esperados como aos processos e atitudes que acompanham a sua elaboração. Tudo isso reclama ferramentas e instrumentos de avaliação variados e dotados de capacidade diagnóstica e de melhora.

Para abordar as actuações descritas nos objectivos, é imprescindível adquirir e mobilizar os conteúdos da área. As aprendizagens de Língua Galega e Literatura não podem conceber-se, de jeito nenhum, como a mera transmissão e recepção de conteúdos disciplinares; ao invés, devem perceber-se como um processo em construção e baseado na reflexão e na análise acompanhada, cujo fim último é formar pessoas capazes de comunicar-se de maneira eficaz e ética. Os critérios de avaliação e os conteúdos da área agrupam-se em blocos temáticos que, como todo o currículo, tem uma estrutura semelhante nos seis cursos da educação primária.

O bloco 1, As línguas e os seus falantes, procura, através dos critérios de avaliação e conteúdos desenhados, familiarizar o estudantado com a diversidade cultural e linguística da sua contorna, favorecendo a reflexão interlingüística, a identificação e rejeição dos prejuízos linguísticos e a valoração da diversidade cultural. Estabelecer relações entre as diversas línguas que utiliza ou está a aprender ajuda o estudantado a reflectir sobre como melhorar os seus processos comunicativos na língua galega. O uso de uma linguagem, verbal e não verbal, não discriminatoria, respeitosa com as diferenças e com a perspectiva de género constitui outro dos núcleos importantes de aprendizagem.

O bloco 2, Comunicação oral, recolhe aspectos fundamentais da língua oral. O uso oral do galego tem o propósito de favorecer a aquisição de destrezas específicas de pronúncia e entoación ajeitado; de estratégias de reconhecimento, selecção e interpretação da informação; da construção e comunicação do conhecimento mediante o planeamento e produção de textos orais em galego e multimodais; da identificação e modelización das propriedades e tipoloxías dos textos; da interacção oral em situações de sala de aulas e de escuta activa na resolução dialogada de conflitos, respeitando as normas essenciais da cortesía linguística. A leitura e a produção oral implicam uma paulatina melhora na compreensão de textos e incidem na aprendizagem da própria linga: a língua galega.

O bloco 3, Comunicação escrita, inclui aspectos básicos e indispensáveis da língua escrita, intensificando gradualmente o uso pessoal, autónomo e criativo da língua escrita em galego. Implica o conhecimento das possibilidades que oferece o código desde a perspectiva do léxico, da ortografía, da estrutura do discurso e das dimensões ética e estética. A produção de textos escritos em galego e multimodais suporá a procura do género discursivo e do tipo de texto adequado para cada situação comunicativa, utilizando, tanto de forma individual como colectiva, estratégias de planeamento, redacção, revisão e edição. Nesta etapa têm que consolidar-se o domínio de técnicas gráficas, a relação entre som e grafía, as normas ortográfico convencionais e a disposição do texto desde as diferentes fases do processo evolutivo da escrita. A leitura, tanto de forma individual como partilhada, e a compreensão leitora permitirão ao estudantado adquirir as destrezas necessárias para a identificação das ideias mais relevantes e do sentido global dos textos, para a realização de inferencias e para a detecção dos usos discriminatorios da linguagem.

O bloco 4, Alfabetização mediática e informacional, integra critérios de avaliação e conteúdos relacionados com a busca, selecção e contraste da informação procedente de fontes documentários variadas em diferentes suportes e formatos com critérios de fiabilidade e pertinência. Propõem-se um processo de investigação e pesquisa para que o estudantado, individualmente ou de forma cooperativa, progrida no planeamento e busca de informação em diversos contextos, formatos e suportes, para transformá-la, gerí-la, comunicá-la de modo pessoal e criativo, e utilizá-la com diferentes fins, adoptando um ponto de vista crítico e de respeito pela propriedade intelectual. As bibliotecas de sala de aulas, do centro e as virtuais serão os espaços ideais para desenvolver projectos globais e interdisciplinares, com a utilização de todos os recursos digitais dos que disponham.

O bloco 5, Educação literária, assume o objectivo de fazer do estudantado leitores e leitoras competente, implicados num processo de formação leitora que continue ao longo de toda a vida. Atingir este objectivo supõe iniciar um caminho de progresso desenhado para a construção de personalidades leitoras. A leitura, a compreensão e interpretação de obras próximas aos seus gustos e à sua madurez cognitiva, o reconhecimento dos elementos básicos da obra literária, a dramatización ou interpretação de fragmentos e a criação de textos próprios em língua galega com intuito literário facilitarão o progresso na construção da identidade leitora, na compreensão das relações com outras manifestações artísticas ou culturais e no conhecimento básico sobre obras representativas tradicionais e actuais da nossa literatura. Resulta fundamental que o estudantado se familiarize com referentes literários e culturais partilhados da Galiza. As bibliotecas de sala de aulas, do centro e as digitais conformarão os palcos básicos para as actividades literárias partilhadas.

O bloco 6, Reflexões sobre a língua e os seus usos no marco de propostas a produção e compreensão de textos orais, escritos ou multimodais, incorpora critérios de avaliação e conteúdos relacionados com o conhecimento da língua galega e a sua organização, facilitando a construção guiada de conclusões próprias sobre o sistema linguístico e a melhora dos textos próprios. Supõe para o estudantado o estabelecimento de xeneralizacións básicas a respeito do funcionamento da língua e presta-lhes especial atenção às diferentes relações de forma, função, concordancia e significado entre as palavras e grupos de palavras; à observação e compreensão das regras de acentuação; às modalidades oracionais em relação com o intuito comunicativo; à correlação temporária estabelecida pelos tempos verbais e ao uso de dicionários, em diferentes suportes. Pretende-se, além disso, facilitar-lhe e permitir ao estudantado o conhecimento e a reflexão sobre a situação da língua galega dentro de um contexto plurilingüe e a identificação de similitudes e diferenças entre as línguas da contorna e do seu âmbito escolar para atingir uma competência comunicativa integrada.

8.2. Objectivos.

Objectivos da área

OBX1. Reconhecer a diversidade linguística do mundo a partir da identificação das línguas do estudantado e a realidade linguística da Galiza e plurilingüe e multicultural de Espanha para favorecer a reflexão interlingüística, para identificar e rejeitar estereótipos e prejuízos linguísticos, e para valorar essa diversidade como fonte de riqueza cultural.

▪ Em muitas das nossas salas de aulas utilizam-se línguas ou variantes linguísticas diferentes da língua vehicular de aprendizagem. Esta diversidade linguística deve servir como base sobre a que achegar ao conhecimento da realidade linguística da Galiza e plurilingüe de Espanha e do mundo. Em primeiro lugar, para ajudar o estudantado a valorar a riqueza cultural que isso supõe e a detectar e evitar os prejuízos linguísticos; em segundo lugar, para ir tomando consciencializa sobre o funcionamento das línguas a partir da observação e comparação entre elas, incluída uma primeira aproximação ao conhecimento das línguas de signos.

▪ O galego é uma língua que possui uma significativa diversidade de variantes linguísticas. Como ocorre com qualquer outro idioma, o galego evolui da mão das mudanças sociais. A sala de aulas constitui uma contorna privilegiada para compreender a língua galega como amostra de identidade e como médio de comunicação e expressão que transmite e manifesta os significados culturais e os modos singulares de perceber e interpretar a realidade; e para aproximar-se a uma visão global do galego na própria comunidade, em Espanha e no mundo, com a finalidade última de promover o exercício de uma cidadania próxima e mundial sensibilizada, informada e comprometida com os direitos linguísticos individuais e colectivos, num marco de interculturalidade e a respeito dos direitos humanos.

▪ A mediação interlingüística favorecerá o tratamento integrado das línguas na sala de aulas, baseado numa relevante harmonización de conteúdos e competências ao longo da etapa, tanto a respeito da área de Língua Galega e Literatura, com a que está a Língua Castelhana e Literatura estreitamente relacionada, como das línguas estrangeiras. Este tratamento integrado deve servir ao estudantado para considerar e valorar as relações de tipo linguístico e a pluralidade linguística do mundo como uma fonte de riqueza cultural, partindo da própria contorna e ajudando-o a compreender as relações de tipo linguístico e favorecer a sua reflexão num âmbito multicultural e interlingüístico.

OBX2. Compreender e interpretar textos orais e multimodais identificando o sentido geral e a informação mais relevante, e valorando com ajuda aspectos formais e de conteúdo básicos para construir conhecimento e responder a diferentes necessidades comunicativas.

▪ No processo de comunicação põem-se em jogo, ademais do conhecimento partilhado entre emissor e receptor, outros elementos contextuais e cotextuais que permitem ir mais alá do significado do texto e interpretar e compreender o seu sentido. A escola pode e deve incorporar práticas discursivas de diferentes âmbitos, significativas para o estudantado, que abordem temas de relevo ecosocial e cultural. Este objectivo contribui ao fim último de iniciar na aprendizagem de estratégias que permitam desenvolver-se como indivíduos que se comunicam de maneira eficaz e ética, bem informados e com capacidade crítica.

▪ A compreensão e interpretação de mensagens orais em língua galega requer a aquisição de destrezas específicas: desde as mais básicas ao começo da etapa, até aquelas que, no final do último ciclo, lhe permitirão ao estudantado obter, seleccionar, valorar e relacionar informações procedentes de meios de comunicação e do contexto escolar (especialmente de tipo espacial, temporário e de sequência lógica), escutar de maneira activa, realizar inferencias e deduções, distinguir a informação da opinião e iniciar na interpretação de alguns elementos singelos implícitos, como a ironía ou o duplo sentido. No âmbito social, devem-se ter em conta a profusão de textos de carácter multimodal, que reclamam uma específica alfabetização audiovisual e mediática para lhes fazer frente aos riscos de manipulação e desinformação.

▪ O conhecimento de textos de transmissão oral da contorna e da Galiza servirá ao estudantado para uma maior compreensão da tradição popular galega e para valorar a diversidade cultural e os modos em que as pessoas percebem e interpretam a realidade.

OBX3. Produzir textos orais e multimodais com coerência, claridade e registro adequados para expressar ideias, sentimentos e conceitos; construir conhecimento; estabelecer vínculos pessoais; e participar com autonomia e uma atitude cooperativa e empática em interacções orais variadas.

▪ O desenvolvimento da competência comunicativa do estudantado passa necessariamente pela atenção aos usos orais, como veículos de expressão, aprendizagem e controlo da própria conduta. A classe de Língua Galega e Literatura oferecerá contextos diversificados e significativos onde o estudantado possa tomar a palavra e conversar com os seus iguais em diálogos pedagogicamente orientados, estimulando assim a incipiente reflexão sobre os usos orais formais ou informais, espontâneos ou planificados. A interacção oral requer ir adquirindo estratégias para tomar e ceder a palavra, desenvolver atitudes de escuta activa, expressar-se com fluidez, claridade, correcta dicción e com o tom e o registro adequados, assim como iniciar no uso de estratégias de cortesía e de cooperação conversacional.

▪ A produção oral formal convinda a iniciar nas estratégias básicas de planeamento e coerência, que se irão assimilando, de maneira acompanhada, ao longo da etapa. Proporcionar-se-ão também modelos ajustados às diferentes situações comunicativas e âmbitos, que ofereçam pautas para ordenar o texto oral e adecuar o registro e o comportamento não verbal: careta, movimentos, mirada, corporalidade etc. Por outra parte, as tecnologias da informação e da comunicação facilitam novos formatos para a comunicação oral multimodal, tanto síncrona como asíncrona, e permitem também o registro das produções orais do estudantado em galego para a sua difusão em contextos reais e a sua posterior análise e revisão.

OBX4. Compreender e interpretar textos escritos e multimodais, reconhecendo o sentido global, as ideias principais e a informação explícita e implícita, e realizando com ajuda reflexões elementares sobre aspectos formais e de conteúdo, para ad