Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 62 Segunda-feira, 31 de março de 2014 Páx. 13427

I. Disposições gerais

Conselharia de Médio Ambiente, Território e Infra-estruturas

DECRETO 37/2014, de 27 de março, pelo que se declaram zonas especiais de conservação os lugares de importância comunitária da Galiza e se aprova o Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza.

A Directiva 92/43/CEE do Conselho, de 21 de maio de 1992, relativa à conservação dos habitats naturais e da fauna e flora silvestre, acredita-a uma rede ecológica europeia coherente denominada Natura 2000 que constitui um instrumento fundamental da política da União Europeia em matéria de conservação da biodiversidade. A Rede Natura 2000 está composta pelos lugares de importância comunitária (em diante, LIC), ata a sua transformação em zonas especiais de conservação (em diante, ZEC), pelas ditas ZEC e pelas zonas de especial protecção para as aves (em diante, ZEPA), declaradas segundo as disposições da Directiva 2009/147/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 30 de novembro de 2009, relativa à conservação das aves silvestres.

Com a adopção da Decisão 2004/813/CE da Comissão, de 7 de dezembro, pela que se aprova, de conformidade com a Directiva 92/43/CEE do Conselho, a lista de lugares de importância comunitária da região biogeográfica atlântica (DOUE núm. L 387, do 29.12.2004), e a Decisão 2006/613/CE da Comissão, de 19 de julho, pela que se aprova, de conformidade com a Directiva 92/43/CEE do Conselho, a lista de lugares de importância comunitária da região biogeográfica mediterrânea (DOUE núm. L 259, do 21.9.2006), a Comissão Europeia aprovou os 59 LIC que foram propostos pela Comunidade Autónoma da Galiza. Estas listas sofreram sucessivas actualizações. A este respeito, o regime actualmente vigente está constituído pelas decisões de execução da Comissão 2013/740/UE e 2013/739/UE, de 7 de novembro de 2013, pelas que se adopta a sétima lista actualizada de lugares de importância comunitária das regiões biogeográficas atlântica e mediterrânea, respectivamente.

O artigo 42.3 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, do património natural e da biodiversidade, estabelece que, uma vez aprovada a lista de LIC pela Comissão Europeia, estes deverão ser declarados como ZEC pelas comunidades autónomas correspondentes quanto antes e no máximo num prazo de seis anos, junto com a aprovação do correspondente plano ou instrumento de gestão. Assim mesmo, o artigo 45.1.a) do mesmo texto legal, sobre medidas de conservação da Rede Natura 2000, estabelece a obriga de elaborar planos ou instrumentos de gestão, específicos para os lugares ou integrados noutros planos de desenvolvimento, que devem incluir, ao menos, os objectivos de conservação do lugar e as medidas apropriadas para manter os espaços num estado de conservação favorável. Estes planos deverão ter em especial consideração as necessidades daquelas câmaras municipais incluídas na sua totalidade ou numa grande percentagem do seu território na Rede Natura 2000.

Em particular, de acordo com o artigo 36.1 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, mediante este decreto procede à declaração como ZEC e determinação da fórmula de gestão das áreas marinhas dos LIC marítimo-terrestres que fazem parte da Rede Natura 2000 no litoral galego, tendo em conta a sua clara continuidade ecológica com as áreas terrestres contiguas. Todo o anterior não vai em detrimento do que se estabeleça de comum acordo com a Administração geral do Estado em relação com a colaboração necessária na gestão da biodiversidade nas áreas marinhas da Rede Natura 2000.

A Xunta de Galicia, mediante o Decreto 72/2004, de 2 de abril, pelo que se declaram determinados espaços como zonas de especial protecção dos valores naturais (em diante, ZEPVN), integrou na Rede galega de espaços protegidos todos os LIC propostos para fazer parte da Rede Natura 2000 e todos os lugares declarados como ZEPA conforme a Directiva 79/409/CEE do Conselho, de 2 de abril de 1979. Tal norma comunitária foi derrogada em favor da vigente Directiva 2009/147/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 30 de novembro. No referido contexto normativo também procede citar o Decreto 131/2008, de 19 de junho, pelo que se declara zona de especial protecção para as aves o espaço natural Pena Trevinca, e o Decreto 411/2009, de 12 de novembro, pelo que se declara a zona de especial protecção para as aves da Limia.

Com o fim de dar cumprimento às previsões normativas citadas, este decreto tem por objecto declarar como ZEC os LIC presentes na Galiza e aprovar o Plano director da Rede Natura 2000 como instrumento de planeamento e gestão que estabelece um conjunto de objectivos e medidas de gestão para os espaços naturais que se incluem no seu âmbito de aplicação, com a finalidade de assegurar um estado de conservação favorável dos tipos de habitats naturais e das espécies de interesse comunitário da Directiva 92/43/CEE do Conselho, de 21 de maio de 1992, e das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 30 de novembro. Trata-se de um instrumento que se estrutura e se adapta à figura de plano de ordenação dos recursos naturais (em diante, PORN), figura que permite o planeamento em rede e que está prevista tanto na Lei 9/2001, de 21 de agosto, de conservação da natureza, como na Lei 42/2007, de 13 de dezembro, complementando os objectivos formulados em ambas as normativas com os objectivos e directrizes para a gestão dos espaços protegidos Rede Natura 2000.

A demarcação geográfica dos LIC que se declaram mediante este decreto ZEC correspondem com a informação oficial Rede Natura 2000 (cartografía e formulario normalizado de dados Rede Natura 2000). Na maior parte dos casos os limites geográficos foram dixitalizados sobre uma base cartográfica a escala 1:50.000 (projecção UTM; datum ED50; fuso 29). Com motivo da declaração de ZEPVN efectuada mediante o Decreto 72/2004, de 2 de abril, obteve-se uma demarcação mais precisa, dixitalizada sobre uma base cartográfica 1:5.000 (projecção UTM; datum ED50; fuso 29) dos LIC propostos, escala mais ajeitada para o planeamento dos recursos naturais.

O procedimento para a validación desta actualização da cartografía oficial com motivo da melhora na escala de trabalho iniciou-se ante a Administração geral do Estado em setembro de 2011. A dita actualização não fará parte da informação oficial Rede Natura 2000 ata a sua validación pela Comissão Europeia, tal e como fica recolhido na disposição derradeira primeira deste decreto.

Em consequência, tal e como se desprende das previsões contidas no artigo 3 e na disposição derradeira primeira, declaram-se como ZEC os LIC com os limites geográficos recolhidos nas decisões da Comissão anteditas, que são os que figuram no anexo I do decreto, e aprova-se o plano director que será de aplicação à superfície compreendida dentro de tais limites. Ademais, prevê-se a aplicação do plano director a aquela superfície não incluída no anexo I declarada ZEPVN, como regime de protecção enquanto não se produza a aprovação da actualização de limites pela Comissão Europeia. Uma vez realizada esta aprovação pela Comissão, o presente decreto garante sempre a declaração como ZEC dos espaços contidos na demarcação actualizada. Para estes efeitos autoriza-se a pessoa titular da conselharia competente em matéria de conservação da natureza para modificar mediante ordem o anexo I deste decreto para recolher os limites geográficos actualizados.

No que diz respeito ao procedimento de elaboração do decreto, o dia 13 de junho de 2011 apresentou-se o Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza ao Conselho Galego de Médio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável como órgão consultivo de carácter colexiado da Administração pública galega. Por meio do anúncio de 20 de junho de 2011 acordou-se submeter à participação do público o rascunho do plano director, conforme o estabelecido no artigo 16.1.a) da Lei 27/2006, de 18 de julho, pela que se regulam os direitos de acesso à informação, de participação pública e de acesso à justiça em matéria de ambiente. Trás o período de consultas, acordaram-se uma série de modificações para a melhora do documento.

Conforme o estabelecido nos artigos 21.2 e 44 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, mediante os que se regulam os procedimentos de informação pública e audiência aos interessados, prévios à aprovação dos PORN e à declaração de ZEC, e o estabelecido no artigo 23.4 da Lei 9/2001, de 21 de agosto, o 17 de julho de 2012 publicava-se no Diário Oficial da Galiza núm. 136 o Anúncio de 5 de julho de 2012, da Direcção-Geral de Conservação da Natureza, pelo que se acordava submeter ao procedimento de informação pública e audiência aos interessados o projecto de decreto pelo que se declaram zonas especiais de conservação os lugares de importância comunitária da Galiza e se aprova o Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza.

Posteriormente, o projecto de decreto submeteu ao trâmite de audiência das câmaras municipais afectadas durante um período de quinze dias hábeis. Assim mesmo, foram ouvidas as juntas consultivas dos parques naturais constituídas ao abeiro do Decreto 265/2007, de 28 de dezembro, pelo que se modifica a composição das juntas consultivas dos parques naturais da Galiza.

Finalmente, o texto modificado foi apresentado de novo ante o Conselho Galego de Médio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável o 20 de dezembro de 2013.

Pelo anteriormente exposto, por proposta do conselheiro de Médio Ambiente, Território e Infra-estruturas, no exercício da facultai outorgada pelo artigo 34.5 da Lei 1/1983, de 22 de fevereiro, de normas reguladoras da Junta e da sua Presidência, e trás a deliberação do Conselho da Xunta da Galiza na sua reunião do dia vinte e sete de março de 2014,

DISPONHO:

CAPÍTULO I
Zonas especiais de conservação

Artigo 1. Declaração de zonas especiais de conservação

1. Declaram-se zonas especiais de conservação (em diante, ZEC) os lugares de importância comunitária relacionados no anexo I deste decreto, no qual se concretizam os habitats e as espécies que motivam a sua declaração.

2. A demarcação geográfica das ZEC do anexo I deste decreto corresponde com os limites geográficos dos lugares de importância comunitária (em diante, LIC) aprovados pela Decisão 2013/740/UE de execução da Comissão, de 7 de novembro de 2013, pela que se adopta a sétima lista actualizada de lugares de importância comunitária da região biogeográfica atlântica, e pela Decisão 2013/739/UE de execução da Comissão, de 7 de novembro de 2013, pela que se adopta a sétima lista actualizada de lugares de importância comunitária da região biogeográfica mediterrânea.

CAPÍTULO II
Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza

Artigo 2. Aprovação do Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza

Aprova-se o Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza, o qual tem a natureza de plano de ordenação dos recursos naturais dos espaços protegidos Rede Natura 2000 da Galiza. O dito plano está integrado por uma parte dispositiva e por um mapa de limites e zonificación, os quais se recolhem nos anexos II e III deste decreto.

Artigo 3. Âmbito de aplicação

1. O Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza será de aplicação ao conjunto dos espaços protegidos recolhidos no anexo I deste decreto, constituídos por 59 ZEC, assim como também às 16 zonas de especial protecção para as aves (em diante, ZEPA).

2. Assim mesmo, o Plano director da Rede Natura 2000 será de aplicação a todas as superfícies não incluídas no anexo I, declaradas zonas de especial protecção dos valores naturais pelo Decreto 72/2004, de 2 de abril, pelo que se declaram determinados espaços como zonas de especial protecção dos valores naturais (em diante, ZEPVN), e à disposta pelo Decreto 411/2009, de 12 de novembro, pelo que se declara a zona de especial protecção para as aves da Limia, como regime preventivo de protecção com vistas à sua futura integração na Rede Natura 2000, uma vez que a Comissão Europeia actualize os limites.

Artigo 4. Avaliação das repercussões

1. Os procedimentos de avaliação das repercussões de planos, programas e projectos sobre os espaços protegidos incluídos no âmbito de aplicação do plano, a que faz referência o artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, substanciaranse de acordo com a Lei 21/2013, de 9 de dezembro, de impacto ambiental, ou norma que a substitua. Em concreto, a avaliação a que fã referência os artigos 6.3 da Directiva 92/43/CEE e 45.4 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, desenvolverá mediante a emissão por parte da direcção geral competente em matéria de conservação da natureza de um relatório ambiental que será preceptivo e vinculante.

2. Na avaliação das repercussões sobre os espaços protegidos incluídos no âmbito de aplicação do Plano director da Rede Natura 2000, dos planos, programas ou projectos a que se refere a Lei 21/2013, de 9 de dezembro, a emissão do relatório ambiental integrará no marco do procedimento estabelecido para a sua autorização de acordo com a normativa específica que lhe seja de aplicação.

Artigo 5. Gestão

1. A direcção geral competente em matéria de conservação da natureza será a responsável pela posta em marcha das medidas de gestão contidas no plano, em coordenação com as administrações públicas competentes e com outros órgãos da Administração geral da Comunidade Autónoma da Galiza.

2. A concessão das autorizações de usos e actividades, assim como daqueles planos, programas e projectos que não requerem da avaliação das repercussões a que se refere o artigo 45.4 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, e que têm a condição de autorizables no plano, corresponde à pessoa titular da xefatura territorial competente em matéria de conservação da natureza por razão de território, depois do relatório ambiental emitido pelo serviço de conservação da natureza correspondente. Em caso que os usos e actividades, planos, programas ou projectos afectem mais de uma província, a concessão da autorização corresponderá à direcção geral competente em matéria de conservação da natureza.

A concessão das autorizações daqueles planos, programas e projectos que requerem da avaliação das repercussões a que se refere o artigo 45.4 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, submetidos a avaliação ambiental de conformidade com a Lei 21/2013, de 9 de dezembro, corresponde à direcção geral competente em matéria de conservação da natureza, sem prejuízo das autorizações que possam corresponder a outras administrações ou a outros órgãos da Administração geral da Comunidade Autónoma da Galiza.

3. No caso em que a tramitação de determinados planos, programas ou projectos requeira da emissão de um documento que certifique a ausência de claque apreciable destes sobre a Rede Natura 2000, este substanciarase mediante uma declaração da autoridade responsável, que corresponderá ao titular da direcção geral com competências em matéria de conservação da natureza, de acordo com as disposições deste decreto, excepto os supostos em que a declaração corresponda ao Estado.

Artigo 6. Colaboração entre administrações públicas

A direcção geral competente em matéria de conservação da natureza promoverá a colaboração entre as administrações públicas afectadas para garantir o cumprimento dos objectivos das medidas de conservação dos espaços protegidos que resultam do âmbito de aplicação deste plano. Em particular, naqueles que se integrem na Rede de áreas marinhas protegidas de Espanha conforme os artigos 24 e 26 da Lei 41/2010, de 29 de dezembro, de protecção do meio marinho, nos quais haber que desenvolver uma gestão coherente e coordenada com a Administração geral do Estado.

Artigo 7. Regime de infracções e sanções

O regime sancionador aplicable aos espaços protegidos que resultam do âmbito de aplicação do presente plano será o estabelecido na Lei 9/2001, de 21 de agosto, de conservação da natureza da Galiza; na Lei 42/2007, de 13 de dezembro, e na Lei 41/2010, de 29 de dezembro, assim como qualquer outra que resulte de aplicação.

Artigo 8. Acesso à informação contida no plano director

A conselharia com competências em matéria de conservação da natureza deverá garantir o acesso permanente à informação contida no plano director, incluída a cartografía, e manter actualizada a dita informação quando se produzam modificações ou revisões.

Disposição transitoria única. Informação relativa aos tipos de habitats naturais e espécies de interesse comunitário presentes nas ZEC e ZEPA

A informação actualizada recolhida no Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza relativa aos tipos de habitats naturais e espécies de interesse comunitário presentes no âmbito de aplicação do presente plano não fará parte da informação oficial Rede Natura 2000 enquanto não se produza a sua validación pela Comissão Europeia.

Disposição derrogatoria única

Ficam derrogados o artigo 2 do Decreto 72/2004, de 2 de abril, e os artigos 4.2 e 4.3, no que diz respeito ao regime de autorizações, do Decreto 411/2009, de 12 de novembro.

Disposição derradeira primeira. Actualização de limites

Uma vez publicadas as decisões da Comissão Europeia pelas que se aprovem os limites actualizados tal e como se recolhem no anexo III, todos os espaços compreendidos nos limites actualizados terão a consideração de ZEC de acordo com o artigo 1 deste decreto.

Autoriza-se a pessoa titular da conselharia competente em matéria de conservação da natureza para modificar mediante ordem o anexo I deste decreto para recolher os limites geográficos actualizados.

Disposição derradeira segunda. Vixencia

As presentes medidas de conservação e gestão terão uma vixencia indefinida, sem prejuízo da possível actualização conforme o estado da ciência e da técnica, e sem prejuízo da aplicação das medidas de seguimento que correspondam.

Disposição derradeira terceira. Habilitação normativa

Habilita-se a pessoa titular da conselharia competente em matéria de conservação da natureza para ditar, no âmbito das suas competências, as disposições necessárias para o desenvolvimento deste decreto. O dito desenvolvimento poderá levar-se a cabo mediante a elaboração de medidas de conservação e gestão específicas para cada ZEC ou ZEPA, ou bem para determinados habitats ou espécies, ou para determinados usos e actividades, ou mediante o estabelecimento de objectivos operativos específicos que desenvolvam os objectivos que figuram no anexo II deste decreto com os seus correspondentes indicadores. As ditas medidas e objectivos operativos específicos poderão ser aprovados mediante ordem, respeitando o estabelecido no título III da Lei 27/2006, de 18 de julho, pela que se regulam os direitos de acesso à informação, de participação pública e de acesso à justiça em matéria de ambiente.

Disposição derradeira quarta. Vigorada

Este decreto vigorará o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, vinte e sete de março do dois mil catorze

Alberto Núñez Feijóo
Presidente

Agustín Hernández Fernández de Rojas
Conselheiro de Médio Ambiente, Território e Infra-estruturas

ANEXO I
Zonas especiais de conservação

Atendendo aos requirimentos do artigo 44 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, do património natural e da biodiversidade, inclui-se neste anexo a informação sobre os limites geográficos das ZEC da Galiza, os seus tipos de habitats do anexo I e as espécies do anexo II da Directiva 92/43/CEE, transpostos a nosso ordenamento jurídico nos anexos I e II da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

A informação correspondente a cada ZEC recolhe os tipos de habitats de interesse comunitário do anexo I e as espécies de interesse comunitário do anexo II da Directiva 92/43/CEE e da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, presentes no espaço, assim como um mapa com os limites geográficos, de acordo com a Informação oficial Rede Natura 2000 (formulario normalizado de dados Rede Natura 2000).

Ademais, derivada de uma melhora na informação científico-técnica disponível sobre o território, recolhe-se para cada ZEC a informação actualizada relativa aos tipos de habitats de interesse comunitário e às espécies de interesse comunitário incluída no Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza. A dita informação está pendente de validación pela Comissão Europeia.

1. ZEC ORTIGUEIRA-MERA (ÉS1110001).

1.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

1.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

1.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Culcita macrocarpa

Elona quimperiana

Petromyzon marinus

Trichomanes speciosum

Lucanus cervus

Salmo salar

Woodwardia radicans

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis blythii

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

1.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

1.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelseor (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

1.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Culcita macrocarpa

Elona quimperiana

Alosa alosa

Trichomanes speciosum

Geomalacus maculosus

Alosa fallax

Woodwardia radicans

Lucanus cervus

Petromyzon marinus

Margaritifera margaritifera

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Caretta caretta

Lutra lutra

Chioglossa lusitanica

Rhinolophus ferrumequinum

Discoglossus galganoi

Rhinolophus hipposideros

Lacerta monticola

Lacerta schreiberi

2. ZEC COSTA ÁRTABRA (ÉS1110002).

2.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

2.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3170 *

Estanques temporários mediterrâneos

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas de Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7230

Turfeiras baixas alcalinas

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

2.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Centaurea borjae

Coenagrion mercuriale

Culcita macrocarpa

Elona quimperiana

Omphalodes littoralis

Euphydryas aurinia

Rumex rupestris

Geomalacus maculosus

Sphagnum pylaisii

Lucanus cervus

Trichomanes speciosum

Woodwardia radicans

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

2.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

2.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados de Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7120

Turfeiras altas degradadas que ainda podem regenerar-se de modo natural

7130 *

Turfeiras de cobertoira (*para as turfeiras activas)

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

7210 *

Turfeiras calcárias de Cladium mariscus e com espécies de Caricion davallianae

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

7230

Turfeiras baixas alcalinas

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira de Sedo-Scleranthion ou de Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos de Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

2.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Centaurea borjae

Coenagrion mercuriale

Alosa alosa

Culcita macrocarpa

Elona quimperiana

Alosa fallax

Festuca brigantina

Euphydryas aurinia

Narcissus asturiensis

Geomalacus maculosus

Omphalodes littoralis

Lucanus cervus

Rumex rupestris

Sphagnum pylaisii

Trichomanes speciosum

Woodwardia radicans

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Caretta caretta

Galemys pyrenaicus

Chelonia mydas

Halichoerus grypus

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

3. ZEC FLORESTAS DO EUME (ÉS1110003).

3.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000)

3.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

3.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Culcita macrocarpa

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Narcissus asturiensis

Elona quimperiana

Narcissus cyclamineus

Euphydryas aurinia

Trichomanes speciosum

Geomalacus maculosus

Woodwardia radicans

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

3.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

3.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

3.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Culcita macrocarpa

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Narcissus asturiensis

Elona quimperiana

Narcissus cyclamineus

Euphydryas aurinia

Sphagnum pylaisii

Geomalacus maculosus

Trichomanes speciosum

Lucanus cervus

Woodwardia radicans

Margaritifera margaritifera

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta monticola

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis bechsteinii

Myotis emarginatus

Myotis myotis

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

4. ZEC BARRAGEM DE ABEGONDO-CECEBRE (ÉS1110004).

4.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

4.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3170 *

Estanques temporários mediterrâneos

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

4.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Sphagnum pylaisii

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

4.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

4.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

4.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

5. ZEC COSTA DA MORTE (ÉS1110005).

5.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

5.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7230

Turfeiras baixas alcalinas

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

5.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Omphalodes littoralis

Elona quimperiana

Petromyzon marinus

Rumex rupestris

Geomalacus maculosus

Sphagnum pylaisii

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Phocoena phocoena

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

5.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

5.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

7210 *

Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91D0 *

Turfeiras boscosas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

5.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Coenagrion mercuriale

Alosa alosa

Omphalodes littoralis

Elona quimperiana

Alosa fallax

Rumex rupestris

Geomalacus maculosus

Petromyzon marinus

Sphagnum pylaisii

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Caretta caretta

Galemys pyrenaicus

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Phocoena phocoena

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

6. ZEC COMPLEXO HÚMIDO DE CORRUBEDO (ÉS1110006).

6.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

6.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1150 *

Lagoas costeiras

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3170 *

Estanques temporários mediterrâneos

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Omphalodes littoralis

Cerambyx cerdo

Coenagrion mercuriale

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Emys orbicularis

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Phocoena phocoena

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

6.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

6.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7210 *

Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

6.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Omphalodes littoralis

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Rumex rupestris

Coenagrion mercuriale

Alosa fallax

Oxygastra curtisii

Petromyzon marinus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Caretta caretta

Lutra lutra

Chioglossa lusitanica

Myotis myotis

Discoglossus galganoi

Phocoena phocoena

Emys orbicularis

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

7. ZEC BETANZOS-MANDEO (ÉS1110007).

7.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

7.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

7.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Sphagnum pylaisii

Elona quimperiana

Petromyzon marinus

Trichomanes speciosum

Lucanus cervus

Rutilus arcasii

Woodwardia radicans

Margaritifera margaritifera

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

7.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

7.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

7.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Trichomanes speciosum

Elona quimperiana

Petromyzon marinus

Woodwardia radicans

Euphydryas aurinia

Rutilus arcasii

Geomalacus maculosus

Salmo salar

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

8. ZEC CARNOTA-MONTE DO PINDO (ÉS1110008).

8.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

8.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

8.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Omphalodes littoralis

Cerambyx cerdo

Sphagnum pylaisii

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta monticola

Rhinolophus hipposideros

Lacerta schreiberi

8.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

8.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

8.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Coenagrion mercuriale

Alosa fallax

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta monticola

Rhinolophus hipposideros

Lacerta schreiberi

9. ZEC COSTA DE DEXO (ÉS1110009).

9.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

9.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

9.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

9.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

9.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

10. ZEC ESTACA DE BARES (ÉS1110010).

10.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

10.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

10.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Elona quimperiana

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lacerta monticola

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

10.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

10.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

10.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Elona quimperiana

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Caretta caretta

Myotis myotis

Discoglossus galganoi

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta monticola

Rhinolophus hipposideros

Lacerta schreiberi

11. ZEC ESTEIRO DO TAMBRE (ÉS1110011).

11.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

11.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

11.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Geomalacus maculosus

Petromyzon marinus

Lucanus cervus

Salmo salar

Macromia splendens

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

11.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

11.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

11.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Elona quimperiana

Alosa alosa

Euphydryas aurinia

Alosa fallax

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Petromyzon marinus

Macromia splendens

Salmo salar

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

12. ZEC MONTE E LAGOA DE LOURO (ÉS1110012).

12.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

12.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1150 *

Lagoas costeiras

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

12.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Cerambyx cerdo

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

12.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

12.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

12.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Alosa fallax

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

13. ZEC XUBIA-CASTRO (ÉS1110013).

13.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

13.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3170 *

Estanques temporários mediterrâneos

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

13.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Lucanus cervus

Chondrostoma polylepis

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

13.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

13.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7120

Turfeiras altas degradadas que ainda podem regenerar-se de modo natural

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

13.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Culcita macrocarpa

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Woodwardia radicans

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

14. ZEC SERRA DO CAREÓN (ÉS1110014).

14.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

14.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3170 *

Estanques temporários mediterrâneos

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

14.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Euphydryas aurinia

Rutilus arcasii

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Myotis myotis

Discoglossus galganoi

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta monticola

Rhinolophus hipposideros

Lacerta schreiberi

14.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

14.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

14.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Narcissus asturiensis

Elona quimperiana

Rutilus arcasii

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

15. ZEC RIO ANLLÓNS (ÉS1110015).

15.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

15.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

15.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Petromyzon marinus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

15.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

15.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

15.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Petromyzon marinus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

16. ZEC RIO TAMBRE (ÉS1110016).

16.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

16.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

16.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Sphagnum pylaisii

Geomalacus maculosus

Rutilus arcasii

Lucanus cervus

Macromia splendens

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

16.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

16.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

16.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Elona quimperiana

Rutilus arcasii

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Macromia splendens

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis bechsteinii

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

17. ZEC Os ANCARES - O COUREL (ÉS1120001).

17.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

17.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4060

Queirogais alpinos e boreais

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6160

Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta

6170

Prados alpinos e subalpinos calcáreos

6210

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia)

(* importantes habitats de orquídeas)

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

9120

Faiais acidófilos atlânticos com sotobosque de Ilex e às vezes de Taxus (Quercion robori-petraeae ou Ilici-Fagenion)

9160

Carvalhais pedunculadas ou albares subatlánticas e medioeruopeas do Carpinion betuli

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9330

Sobreirais

9340

Azinheirais

9380

Acevedos

17.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Festuca elegans

Austropotamobius pallipes

Chondrostoma polylepis

Festuca summilusitana

Cerambyx cerdo

Narcissus asturiensis

Elona quimperiana

Narcissus cyclamineus

Euphydryas aurinia

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Geomalacus maculosus

Sphagnum pylaisii

Lucanus cervus

Veronica micrantha

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Miniopterus schreibersii

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Ursus arctos

17.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

17.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4060

Queirogais alpinos e boreais

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6160

Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta

6170

Prados alpinos e subalpinos calcáreos

6210 *

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia)

(* importantes habitats de orquídeas)

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

6520

Prados de sega de montanha

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8240 *

Pavimentos calcários

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9120

Faiais acidófilos atlânticos com sotobosque de Ilex e às vezes de Taxus (Quercion robori-petraeae ou Ilici-Fagenion)

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91D0 *

Turfeiras boscosas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9330

Sobreirais

9340

Azinheirais

9380

Acevedos

9580 *

Florestas mediterrâneas de Taxus baccata

17.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Festuca elegans

Austropotamobius pallipes

Chondrostoma polylepis

Festuca summilusitanica

Cerambyx cerdo

Rutilus arcasii

Narcissus asturiensis

Elona quimperiana

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Euphydryas aurinia

Santolina semidentata

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta monticola

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Miniopterus schreibersii

Myotis emarginatus

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Ursus arctos

18. ZEC RIO EO (ÉS1120002).

18.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

18.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

7210 *

Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

18.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Woodwardia radicans

Austropotamobius pallipes

Alosa alosa

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Geomalacus maculosus

Petromyzon marinus

Lucanus cervus

Salmo salar

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta monticola

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus hipposideros

18.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

18.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7210 *

Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

18.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Austropotamobius pallipes

Alosa alosa

Trichomanes speciosum

Coenagrion mercuriale

Alosa fallax

Woodwardia radicans

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Geomalacus maculosus

Petromyzon marinus

Lucanus cervus

Salmo salar

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis emarginatus

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

19. ZEC PARGA-LADRA-TÁMOGA (ÉS1120003).

19.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

19.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3170 *

Estanques temporários mediterrâneos

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

19.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Lucanus cervus

Chondrostoma polylepis

Luronium natans

Margaritifera margaritifera

Rutilus arcasii

Narcissus asturiensis

Oxygastra curtisii

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Sphagnum pylaisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

19.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

19.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3120

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo sobre solos geralmente areentos do mediterrâneo ocidental com Isoetes spp.

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3140

Águas oligomesotróficas calcárias com vegetação béntica de Chara spp.

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

7210 *

Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae

7230

Turfeiras baixas alcalinas

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91D0 *

Turfeiras boscosas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

91F0

Florestas mistas de Quercus robur, Ulmus laevis, Ulmus minor, Fraxinus excelsior ou Fraxinus angustifolia, das veigas dos grandes rios (Ulmenion minoris)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

19.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Luronium natans

Elona quimperiana

Rutilus arcasii

Narcissus asturiensis

Euphydryas aurinia

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Lucanus cervus

Sphagnum pylaisii

Macromia splendens

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

20. ZEC A MARRONDA (ÉS1120004).

20.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

20.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

20.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis emarginatus

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

20.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

20.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

9120

Faiais acidófilos atlânticos com sotobosque de Ilex e às vezes de Taxus (Quercion robori-petraeae ou Ilici-Fagenion)

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

20.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis emarginatus

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

21. ZEC As CATEDRAIS (ÉS1120005).

21.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

21.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

21.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Woodwardia radicans

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

21.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

21.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2190

Depressões intradunais húmidas

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

21.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

22. ZEC CARBALLIDO (ÉS1120006).

22.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

22.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

22.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Woodwardia radicans

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis emarginatus

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Ursus arctos

22.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

22.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6210

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia)

(* importantes habitats de orquídeas)

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9380

Acevedos

22.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Geomalacus maculosus

Trichomanes speciosum

Lucanus cervus

Woodwardia radicans

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis emarginatus

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Ursus arctos

23. ZEC CRUZUL-AGÜEIRA (ÉS1120007).

23.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

23.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6210

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia)

(* importantes habitats de orquídeas)

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9340

Azinheirais

23.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Austropotamobius pallipes

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

23.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

23.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6210 *

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia)

(* importantes habitats de orquídeas)

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9340

Azinheirais

23.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Austropotamobius pallipes

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

24. ZEC MONTE DO FARO (ÉS1120008).

24.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

24.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

24.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Myotis myotis

Discoglossus galganoi

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

24.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

24.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

24.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

25. ZEC MONTE MAIOR (ÉS1120009).

25.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

25.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

7130

Turfeiras de cobertoira (*para as turfeiras activas)

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

25.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Elona quimperiana

Narcissus cyclamineus

Euphydryas aurinia

Sphagnum pylaisii

Geomalacus maculosus

Woodwardia radicans

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

25.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

25.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7120

Turfeiras altas degradadas que ainda podem regenerar-se de modo natural

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

25.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Elona quimperiana

Sphagnum pylaisii

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

26. ZEC NEGUEIRA (ÉS1120010).

26.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

26.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9260

Soutos

9330

Sobreirais

26.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Rhinolophus mehelyi

26.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

26.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9330

Sobreirais

26.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis emarginatus

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Ursus arctos

27. ZEC RIA DE FOZ-MASMA (ÉS1120011).

27.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

27.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

27.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Elona quimperiana

Petromyzon marinus

Woodwardia radicans

Lucanus cervus

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

27.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

27.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7210 *

Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

27.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Coenagrion mercuriale

Petromyzon marinus

Elona quimperiana

Salmo salar

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

28. ZEC RIO LANDRO (ÉS1120012).

28.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

28.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

28.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Lucanus cervus

Chondrostoma polylepis

Narcissus cyclamineus

Margaritifera margaritifera

Petromyzon marinus

Woodwardia radicans

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

28.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

28.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

28.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Narcissus cyclamineus

Lucanus cervus

Petromyzon marinus

Margaritifera margaritifera

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

29. ZEC RIO OURO (ÉS1120013).

29.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

29.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

29.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Lucanus cervus

Chondrostoma polylepis

Margaritifera margaritifera

Petromyzon marinus

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

29.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

29.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2190

Depressões intradunais húmidas

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

29.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Petromyzon marinus

Margaritifera margaritifera

Salmo salar

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta monticola

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

30. ZEC CANHÃO DO SIL (ÉS1120014).

30.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

30.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9340

Azinheirais

30.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Euphydryas aurinia

Rutilus arcasii

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Macromia splendens

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Barbastella barbastellus

Lacerta schreiberi

Galemys pyrenaicus

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

30.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

30.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

92A0

Florestas galería de Salix alva e Populus alva

9330

Sobreirais

9340

Azinheirais

30.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Euphydryas aurinia

Rutilus arcasii

Geomalacus maculosus

Gomphus graslinii

Lucanus cervus

Macromia splendens

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis emarginatus

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

31. ZEC SERRA DO XISTRAL (ÉS1120015).

31.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

31.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

7130

Turfeiras de cobertoira (*para as turfeiras activas)

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9380

Acevedos

31.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Elona quimperiana

Woodwardia radicans

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Miniopterus schreibersii

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

31.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

31.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7120

Turfeiras altas degradadas que ainda podem regenerar-se de modo natural

7130 *

Turfeiras de cobertoira (*para as turfeiras activas)

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91D0 *

Turfeiras boscosas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9380

Acevedos

31.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Elona quimperiana

Sphagnum pylaisii

Euphydryas aurinia

Trichomanes speciosum

Geomalacus maculosus

Woodwardia radicans

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Miniopterus schreibersii

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

32. ZEC RIO CABE (ÉS1120016).

32.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

32.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

32.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Festuca elegans

Macromia splendens

Chondrostoma polylepis

Oxygastra curtisii

Rutilus arcasii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Miniopterus schreibersii

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

32.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

32.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

91F0

Florestas mistas de Quercus robur, Ulmus laevis, Ulmus minor, Fraxinus excelsior ou Fraxinus angustifolia, das veigas dos grandes rios (Ulmenion minoris)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

32.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Gomphus graslinii

Rutilus arcasii

Lucanus cervus

Macromia splendens

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Miniopterus schreibersii

Lacerta schreiberi

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

33. ZEC COSTA DA MARIÑA OCCIDENTAL (ÉS1120017).

33.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

33.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

33.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Woodwardia radicans

Elona quimperiana

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

33.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

33.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2190

Depressões intradunais húmidas

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

33.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta monticola

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

34. ZEC BAIXA LIMIA (ÉS1130001).

34.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

34.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

34.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Festuca elegans

Lucanus cervus

Rutilus arcasii

Festuca summilusitana

Macromia splendens

Veronica micrantha

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

34.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

34.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

6520

Prados de sega de montanha

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91D0 *

Turfeiras boscosas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9330

Sobreirais

9340

Azinheirais

34.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Veronica micrantha

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Geomalacus maculosus

Rutilus arcasii

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta monticola

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis blythii

Myotis emarginatus

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

35. ZEC MACIÇO CENTRAL (ÉS1130002).

35.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

35.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

5120

Formações montanas de Genista purgans

5210

Matagais arborescentes de Juniperus spp.

6160

Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9340

Azinheirais

9380

Acevedos

35.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Festuca elegans

Lucanus cervus

Festuca summilusitana

Narcissus asturiensis

Sphagnum pylaisii

Veronica micrantha

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta monticola

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

35.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

35.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4060

Queirogais alpinos e boreais

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6160

Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

6520

Prados de sega de montanha

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

92A0

Florestas galería de Salix alva e Populus alva

9330

Sobreirais

9340

Azinheirais

9380

Acevedos

35.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Festuca elegans

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Festuca summilusitana

Lucanus cervus

Rutilus arcasii

Narcissus asturiensis

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Veronica micrantha

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Barbastella barbastellus

Lacerta monticola

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

36. ZEC BIDUEIRAL DE MONTEDERRAMO (ÉS1130003).

36.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

36.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9380

Acevedos

36.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Cerambyx cerdo

Narcissus asturiensis

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lacerta monticola

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

36.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

36.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4060

Queirogais alpinos e boreais

6160

Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6520

Prados de sega de montanha

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9380

Acevedos

36.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus asturiensis

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Geomalacus maculosus

Rutilus arcasii

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lacerta monticola

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

37. ZEC PENA VEIDOSA (ÉS1130004).

37.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

37.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

37.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

37.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

37.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

37.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

38. ZEC RIO TÁMEGA (ÉS1130005).

38.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

38.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

38.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Narcissus asturiensis

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

38.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

38.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

38.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Drepanocladus vernicosus

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Narcissus asturiensis

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Miniopterus schreibersii

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

39. ZEC VEIGA DE PONTELIÑARES (ÉS1130006).

39.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

39.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

39.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Lucanus cervus

Chondrostoma polylepis

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Barbastella barbastellus

Galemys pyrenaicus

Lutra lutra

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

39.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

39.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

39.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Euphydryas aurinia

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

40. ZEC PENA TREVINCA (ÉS1130007).

40.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

40.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

5120

Formações montanas de Genista purgans

6160

Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9330

Sobreirais

9340

Azinheirais

9380

Acevedos

9580 *

Florestas mediterrâneas de Taxus baccata

40.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Eryngium viviparum

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Festuca elegans

Lucanus cervus

Festuca summilusitana

Narcissus asturiensis

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Santolina semidentata

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

40.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

40.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3160

Lagos e estanques distróficos naturais

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4060

Queirogais alpinos e boreais

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

5120

Formações montanas de Genista purgans

6160

Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta

6210 *

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia) (* importantes habitats de orquídeas)

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

6520

Prados de sega de montanha

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91D0 *

Turfeiras boscosas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9340

Azinheirais

9380

Acevedos

9580

Florestas mediterrâneas de Taxus baccata

40.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Festuca elegans

Geomalacus maculosus

Chondrostoma polylepis

Festuca summilusitana

Lucanus cervus

Narcissus asturiensis

Oxygastra curtisii

Narcissus pseudonarcissus ssp. nobilis

Santolina semidentata

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta monticola

Myotis blythii

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

41. ZEC PENA MASEIRA (ÉS1130008).

41.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

41.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

41.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lacerta schreiberi

Galemys pyrenaicus

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

41.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

41.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

41.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Euphydryas aurinia

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta monticola

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

42. ZEC SERRA DA ENCIÑA DA LASTRA (ÉS1130009).

42.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

42.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

5210

Matagais arborescentes de Juniperus spp.

6170

Prados alpinos e subalpinos calcáreos

6210

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia)

(* importantes habitats de orquídeas)

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9260

Soutos

9340

Azinheirais

42.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Petrocoptis grandiflora

Austropotamobius pallipes

Chondrostoma polylepis

Santolina semidentata

Cerambyx cerdo

Euphydryas aurinia

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Miniopterus schreibersii

Myotis myotis

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

42.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

42.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6170

Prados alpinos e subalpinos calcáreos

6210 *

Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia)

(* importantes habitats de orquídeas)

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7220 *

Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8210

Encostas rochosas calcícolas com vegetação casmofítica

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8240 *

Pavimentos calcários

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9260

Soutos

9340

Azinheirais

42.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Petrocoptis grandiflora

Austropotamobius pallipes

Chondrostoma polylepis

Santolina semidentata

Cerambyx cerdo

Rutilus arcasii

Coenagrion mercuriale

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Macromia splendens

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Miniopterus schreibersii

Myotis myotis

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

43. ZEC ISOLAS CÍES (ÉS0000001).

43.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

43.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

43.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lutra lutra

Tursiops truncatus

43.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

43.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

43.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Rumex rupestris

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Euphydryas aurinia

Alosa fallax

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Caretta caretta

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Phocoena phocoena

Rhinolophus ferrumequinum

Tursiops truncatus

44. ZEC SISTEMA FLUVIAL ULLA-DEZA (ÉS1140001).

44.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

44.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

44.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineu

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Coenagrion mercuriale

Alosa fallax

Elona quimperiana

Chondrostoma polylepis

Euphydryas aurinia

Petromyzon marinus

Geomalacus maculosus

Rutilus arcasii

Lucanus cervus

Salmo salar

Macromia splendens

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis bechsteinii

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

44.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

44.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9330

Sobreirais

44.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Elona quimperiana

Petromyzon marinus

Euphydryas aurinia

Rutilus arcasii

Geomalacus maculosus

Salmo salar

Lucanus cervus

Macromia splendens

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis bechsteinii

Myotis emarginatus

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

45. ZEC RIO LÉREZ (ÉS1140002).

45.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

45.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

45.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Petromyzon marinus

Elona quimperiana

Salmo salar

Lucanus cervus

Macromia splendens

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

45.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

45.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

45.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Petromyzon marinus

Elona quimperiana

Salmo salar

Lucanus cervus

Macromia splendens

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

46. ZEC A RAMALLOSA (ÉS1140003).

46.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

46.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

46.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

46.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

46.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2190

Depressões intradunais húmidas

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

46.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Rumex rupestris

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

47. ZEC COMPLEXO ONS-O GROVE (ÉS1140004).

47.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

47.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

47.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE

Flora

Invertebrados

Peixes

Rumex rupestris

Euphydryas aurinia

Alosa alosa

Alosa fallax

Chondrostoma polylepis

Petromyzon marinus

Rutilus arcasii

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Phocoena phocoena

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

47.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

47.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1150 *

Lagoas costeiras

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7210 *

Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91E0

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

47.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Rumex rupestris

Euphydryas aurinia

Alosa alosa

Geomalacus maculosus

Alosa fallax

Petromyzon marinus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Caretta caretta

Lutra lutra

Chelonia mydas

Myotis myotis

Chioglossa lusitanica

Phocoena phocoena

Discoglossus galganoi

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

48. ZEC MONTE ALOIA (ÉS1140005).

48.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

48.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

48.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Coenagrion mercuriale

Rutilus arcasii

Elona quimperiana

Geomalacus maculosus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Myotis myotis

Discoglossus galganoi

Rhinolophus ferrumequinum

Lacerta schreiberi

Rhinolophus hipposideros

48.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

48.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

5230 *

Matagais arborescentes de Laurus nobilis

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

48.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Coenagrion mercuriale

Rutilus arcasii

Elona quimperiana

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

49. ZEC RIO TECIDO (ÉS1140006).

49.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

49.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

49.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Elona quimperiana

Cobitis taenia

Gomphus graslinii

Petromyzon marinus

Lucanus cervus

Rutilus arcasii

Macromia splendens

Salmo salar

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Emys orbicularis

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

49.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

49.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

9180 *

Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

49.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Woodwardia radicans

Elona quimperiana

Cobitis taenia

Euphydryas aurinia

Petromyzon marinus

Geomalacus maculosus

Rutilus arcasii

Lucanus cervus

Salmo salar

Macromia splendens

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

50. ZEC BAIXO MIÑO (ÉS1140007).

50.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

50.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

50.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Jasione lusitanica

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Narcissus cyclamineus

Geomalacus maculosus

Alosa fallax

Woodwardia radicans

Lucanus cervus

Chondrostoma polylepis

Oxygastra curtisii

Petromyzon marinus

Rutilus arcasii

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Emys orbicularis

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Mauremys leprosa

Rhinolophus hipposideros

50.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

50.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2190

Depressões intradunais húmidas

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

91F0

Florestas mistas de Quercus robur, Ulmus laevis, Ulmus minor, Fraxinus excelsior ou Fraxinus angustifolia, das veigas dos grandes rios (Ulmenion minoris)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

92A0

Florestas galería de Salix alva e Populus alva

9330

Sobreirais

50.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Jasione lusitanica

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Narcissus cyclamineus

Geomalacus maculosus

Alosa fallax

Woodwardia radicans

Lucanus cervus

Chondrostoma polylepis

Oxygastra curtisii

Petromyzon marinus

Rutilus arcasii

Salmo salar

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Emys orbicularis

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Mauremys leprosa

Rhinolophus hipposideros

51. ZEC BRAÑAS DE XESTOSO (ÉS1140008).

51.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

51.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

51.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Sphagnum pylaisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

51.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

51.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6230 *

Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental)

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

51.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Coenagrion mercuriale

Chondrostoma polylepis

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

52. ZEC CABO UDRA (ÉS1140009).

52.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

52.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

52.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Lacerta schreiberi

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

52.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

52.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

52.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Euphydryas aurinia

Alosa alosa

Alosa fallax

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Phocoena phocoena

Discoglossus galganoi

Rhinolophus euryale

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

53. ZEC COSTA DA VELA (ÉS1140010).

53.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

53.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2230

Dunas com relvados do Malcolmietalia

4030

Queirogais secos europeus

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

53.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Phocoena phocoena

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

53.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

53.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

2130 *

Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises)

2150 *

Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea)

2190

Depressões intradunais húmidas

2260

Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6420

Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

53.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Alosa alosa

Coenagrion mercuriale

Alosa fallax

Euphydryas aurinia

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Discoglossus galganoi

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Phocoena phocoena

Rhinolophus euryale

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

54. ZEC CHARNECAS DE BUDIÑO (ÉS1140011).

54.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

54.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3110

Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae)

3150

Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

54.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Elona quimperiana

Lucanus cervus

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Emys orbicularis

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

54.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

54.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

7230

Turfeiras baixas alcalinas

91D0 *

Turfeiras boscosas

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

54.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Elona quimperiana

Rutilus arcasii

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Emys orbicularis

Myotis myotis

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Mauremys leprosa

Rhinolophus hipposideros

55. ZEC ISOLAS ESTELAS (ÉS1140012).

55.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

55.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

4040 *

Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans

55.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

55.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

55.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1220

Vegetação perene de coídos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

2110

Dunas móveis embrionárias

2120

Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas)

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8330

Furnas marinhas

55.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Alosa alosa

Alosa fallax

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Phocoena phocoena

Tursiops truncatus

56. ZEC SERRA DO CANDÁN (ÉS1140013).

56.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

56.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

56.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Coenagrion mercuriale

Rutilus arcasii

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

56.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

56.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9380

Acevedos

56.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis bechsteinii

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

57. ZEC SERRA DO QUANDO (ÉS1140014).

57.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

57.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3170 *

Estanques temporários mediterrâneos

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

57.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Narcissus cyclamineus

Cerambyx cerdo

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

57.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

57.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3130

Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

4020 *

Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

7110 *

Turfeiras altas activas

7140

‘Mires' de transição

7150

Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

57.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Rutilus arcasii

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Barbastella barbastellus

Discoglossus galganoi

Galemys pyrenaicus

Lacerta schreiberi

Lutra lutra

Myotis bechsteinii

Myotis emarginatus

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

58. ZEC SOBREIRAIS DO ARNEGO (ÉS1140015).

58.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

58.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

4030

Queirogais secos europeus

4090

Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

58.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Coenagrion mercuriale

Rutilus arcasii

Euphydryas aurinia

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

58.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

58.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

3270

Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p.

4030

Queirogais secos europeus

6220 *

Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8130

Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

8310

Covas não exploradas pelo turismo

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

9230

Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica

9260

Soutos

9330

Sobreirais

58.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Cerambyx cerdo

Chondrostoma polylepis

Euphydryas aurinia

Rutilus arcasii

Geomalacus maculosus

Lucanus cervus

Margaritifera margaritifera

Oxygastra curtisii

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Myotis myotis

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

59. ZEC ENSEADA DE SÃO SIMÓN (ÉS1140016).

59.1. Informação oficial Natura 2000 (formulario normalizado de dados Natura 2000).

59.1.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

4030

Queirogais secos europeus

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

59.1.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

59.2. Informação actualizada pendente de validación pela Comissão Europeia.

59.2.1. Tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

Código

Denominación

1110

Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha, pouco profunda

1130

Esteiros

1140

Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar

1160

Grandes calas e baías pouco profundas

1170

Recifes

1210

Vegetação anual sobre argazos

1230

Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas

1310

Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas

1320

Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi)

1330

Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae)

1420

Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fruticosae)

3260

Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e de Callitricho-Batrachion

6410

Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae)

6430

Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino

6510

Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis)

8220

Encostas rochosas silíceas com vegetação casmofítica

8230

Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii

91E0 *

Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae)

59.2.2. Espécies que figuram no anexo II da Directiva 92/43/CEE.

Flora

Invertebrados

Peixes

Euphydryas aurinia

Alosa alosa

Anfíbios/Réptiles

Mamíferos

Chioglossa lusitanica

Galemys pyrenaicus

Discoglossus galganoi

Lutra lutra

Lacerta schreiberi

Rhinolophus ferrumequinum

Rhinolophus hipposideros

Tursiops truncatus

missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file

ANEXO II
Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza

TÍTULO I
Disposições gerais

Artigo 1. Natureza do plano

O Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza, como plano de ordenação dos recursos naturais, constitui o instrumento para o planeamento, ordenação e gestão em rede dos espaços protegidos incluídos no âmbito de aplicação deste plano, dando cumprimento às exixencias estabelecidas nas directivas europeias (92/43/CEE do Conselho, de 21 de maio de 1992, relativa à conservação dos habitats naturais e da fauna e flora silvestre, 2009/147/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 30 de novembro de 2009, relativa à conservação das aves silvestres, e 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro de 2000, pela que se estabelece um marco comunitário de actuação no âmbito da política de águas), na normativa estatal (Lei 42/2007, de 13 de dezembro, do património natural e da biodiversidade, e Real decreto 1997/1995, de 7 de dezembro, pelo que se estabelecem medidas para contribuir a garantir a biodiversidade mediante a conservação dos habitats naturais e da fauna e flora silvestre) e na autonómica (Lei 9/2001, de 21 de agosto, de conservação da natureza), no Decreto 72/2004, de 2 de abril, pelo que se declaram determinados espaços como zonas de especial protecção dos valores naturais, assim como nos fundamentos técnicos das directrizes de conservação da Rede Natura 2000.

Artigo 2. Finalidade

O Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza estabelece um conjunto de medidas de planeamento e gestão para os territórios definidos no seu âmbito de aplicação na Comunidade Autónoma da Galiza, com a finalidade de assegurar a manutenção ou, se é o caso, o restablecemento a um estado de conservação favorável dos tipos de habitats naturais do anexo I da Directiva 92/43/CEE e dos habitats das espécies silvestres de flora e fauna estabelecidas nos anexos II, IV, V da Directiva 92/43/CEE e dos habitats das espécies de aves a que se aplica o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, tendo em conta as exixencias económicas, sociais e culturais, assim como as particularidades regionais e locais.

As ditas medidas estarão orientadas a evitar que nos supracitados lugares se produzam alterações ou deterioracións apreciables no que respeita aos objectivos de conservação previstos em ambas as duas directivas européias.

Artigo 3. Âmbito territorial do plano

O âmbito territorial do presente plano director é o estabelecido no artigo 3 deste decreto.

Artigo 4. Alcance do plano

Este plano prevalecerá sobre qualquer outro instrumento de ordenação territorial ou física. As disposições estabelecidas no presente plano constituirão um limite para os supracitados instrumentos, não podendo alterá-las ou modificá-las, e aplicar-se-ão, em todo o caso, prevalecendo sobre os instrumentos de ordenação preexistentes.

Quando os instrumentos existentes de ordenação territorial, urbanística, de recursos naturais e, em geral, física, resultem contraditórios com o presente plano deverão adaptar-se a este. Enquanto a supracitada adaptação não tenha lugar, as determinações do plano director aplicar-se-ão, em todo o caso, prevalecendo sobre os supracitados instrumentos.

Naqueles territórios incluídos no âmbito territorial do plano director que pela sua condição de parque nacional ou parque natural possuem um plano de ordenação dos recursos naturais, o presente plano director considera-se complementar aos objectivos, directrizes e normas incluídas nos ditos instrumentos de planeamento.

Em particular, será aplicable a zonificación estabelecida no anexo III do presente plano, sem prejuízo da zonificación que se recolha nos instrumentos de ordenação específicos como consequência do planeamento de maior detalhe, que se manterá em vigor. Atender-se-á então à regulação de usos previstos no presente plano sem prejuízo da aplicação das limitações específicas que se recolhem nos ditos instrumentos.

Assim mesmo, o plano director será determinante a respeito de qualquer outra actuação, plano ou programa sectorial, sem prejuízo do que disponha ao a respeito de normativa autonómica. As actuações, planos ou programas sectorial só poderão contradizer ou não acolher o conteúdo do plano director por razões imperiosas de interesse público de primeira ordem, caso em que a decisão deverá motivar-se e fazer-se pública, em aplicação do artigo 18.3 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, ou na forma em que a normativa autonómica possa prever para a comunidade autónoma.

Artigo 5. Conteúdo do plano

O presente plano estrutúrase nas seguintes 4 partes: a) Memória descritiva e xustificativa, b) Objectivos de conservação, c) Zonificación, d) Medidas de gestão.

TÍTULO II
Memória descritiva e xustificativa

Artigo 6. Justificação

Segundo o artigo 191 do Tratado da União Europeia, a política da União no âmbito do ambiente contribuirá a garantir a conservação, a protecção e a melhora do ambiente, a protecção da saúde das pessoas, a utilização prudente e racional dos recursos naturais e o fomento de medidas a escala internacional destinadas a fazer frente aos problemas regionais ou mundiais do ambiente. A política da União Europeia neste âmbito terá como objectivo atingir um nível de protecção elevado, tendo presente a diversidade de situações existentes nas diferentes regiões da União. Baseará nos princípios de cautela e de acção preventiva, no princípio de correcção dos atentados ao ambiente, preferentemente na fonte mesma, e no princípio de que quem contamina paga. Neste contexto, as medidas de harmonización necessárias para responder a exixencias da protecção incluirão, nos casos apropriados, uma cláusula de salvagarda que autorize os Estados membros a adoptar, por motivos ambientais não económicos, medidas provisórias submetidas a um procedimento comunitário de controlo.

Em coerência com estes aspectos, o Conselho das Comunidades Europeias promulgou a Directiva 92/43/CEE, conhecida como Directiva habitats, que assume como objectivo fundamental propiciar a manutenção da biodiversidade no âmbito territorial da União Europeia, ao tempo que se têm em conta as exixencias económicas, sociais, culturais e regionais. Em consequência, a Directiva habitats deverá contribuir a atingir o objectivo geral de um desenvolvimento sustentável, tendo em conta que a manutenção desta biodiversidade poderá, em determinados casos, requerer a manutenção, e mesmo o estímulo, de determinadas actividades humanas.

A Directiva 92/43/CEE considera ademais que, no território da União Europeia, os habitats naturais seguem degradando-se e que um número crescente de espécies silvestres estão gravemente ameaçadas; que, tendo em conta que os habitats e as espécies ameaçadas fazem parte do património natural da Comunidade e que as ameaças que pesam sobre eles têm a miúdo um carácter transfronteiriço, é necessário tomar medidas a nível comunitário com o fim de conservá-los. Para isso, tendo em conta as ameaças que pesam sobre determinados tipos de habitats naturais e sobre determinadas espécies, é necessário definí-las como prioritárias com o fim de propiciar a rápida posta em marcha de medidas tendentes à sua conservação. Assim, para garantir a manutenção do seu estado de conservação ou, se é o caso, o restablecemento a umas condições favoráveis dos habitats naturais e das espécies de interesse comunitário, devem-se designar zonas especiais de conservação com o fim de realizar uma rede ecológica européia coherente: Natura 2000. Na supracitada rede ecológica, junto à ZEC para os habitats do anexo I e as espécies do anexo II da Directiva 92/43 CEE, integrar-se-ão as ZEPA, designadas em virtude da Directiva 2009/147/CE.

No que diz respeito à designação dos LIC e das ZEC, o artigo 4 da Directiva 92/43/CEE desenha um procedimento que consta de três etapas. A primeira etapa consiste na elaboração pelos Estar membros (as comunidades autónomas, segundo o disposto no artigo 4 do Real Decreto 1997/1995, de 7 de dezembro, e no artigo 42 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro) de uma lista provisória de lugares com o fim de serem designados como LIC. A elaboração destas listas foi realizada de acordo com os requirimentos técnicos estabelecidos no anexo III da Directiva 92/43/CEE, e a partir da informação científico-técnica disponível em cada território, propondo, para cada uma das regiões biogeográficas, um conjunto de áreas concretas, denominadas pLIC (LIC proposto) que englobam tipos de habitats naturais enumerados no anexo I da Directiva 92/43/CEE, e tipos de habitats de espécies de flora e fauna, enumeradas no anexo II da dita directiva.

Numa segunda etapa, a Comissão Europeia, de comum acordo com cada um dos Estar membros, redige um projecto de lista de LIC para cada região biogeográfica, tomando como base as listas remetidas por estes, que inclua os lugares que alberguem um ou vários tipos de habitats naturais prioritários ou uma ou várias espécies prioritárias. Posteriormente, a Comissão aprova a lista de LIC para cada região biogeográfica e publica-as no Diário Oficial de la União Europeia.

A terceira etapa consiste na designação dos LIC como ZEC. No artigo 1 da Directiva 92/43/CEE define-se a ZEC como um lugar de importância comunitária designado pelos Estar membros mediante um acto regulamentar, administrativo e/ou contractual, no qual se apliquem as medidas de conservação necessárias para a manutenção ou o restablecemento a um estado de conservação favorável dos habitats naturais e/ou das populações das espécies para as quais se designou o lugar. O artigo 4.4 da Directiva 92/43/CEE dispõe que, uma vez elegido um LIC conforme o procedimento regulado no seu artigo 4.2, o Estado membro (as comunidades autónomas, segundo o disposto no artigo 5 do Real decreto 1997/1995, de 7 de dezembro, e no artigo 44 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro) de que se trate, dará ao supracitado lugar a designação de ZEC o mais rapidamente possível e no máximo num prazo de seis anos, fixando as prioridades em função da importância dos lugares, para a manutenção ou o restablecemento a um estado de conservação favorável de um tipo de habitat natural dos do anexo I ou de uma espécie das do anexo II e para a coerência de Natura 2000, assim como em função das ameaças de deterioración e destruição que pesem sobre eles.

A Directiva habitats considera que em cada zona designada se devem aplicar as medidas de gestão necessárias, tendo em conta os objectivos de conservação estabelecidos no momento da sua designação e, em concreto, as medidas destinadas a fomentar a conservação dos habitats naturais prioritários e das espécies prioritárias de interesse comunitário. Esta actuação, por outra parte, constitui uma responsabilidade comum de todos os Estados membros.

A designação de um território como ZEPA realiza trás a avaliação da importância do lugar para a conservação dos habitats das aves a que se aplica o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE de acordo com o estabelecido no artigo 43 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, e integrando-se directamente na Rede Natura 2000. No âmbito normativo espanhol, são as comunidades autónomas as que declaram as ZEPA segundo o procedimento estabelecido no artigo 44 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro. A rede de ZEPA da Galiza está constituída por 16 ZEPA, das cales 14 foram declaradas mediante comunicações à Administração geral do Estado e acordos de Governo do Conselho da Xunta da Galiza e figuram no anexo I do Decreto 72/2004, de 2 de abril, enquanto que as outras duas foram declaradas por meio do Decreto 131/2008, de 19 de junho, e do Decreto 411/2009, de 12 de novembro.

A demarcação territorial deste plano director conforme o artigo 32.2.1 da Lei 9/2001, de 21 de agosto, e 19.a da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, enquadra no artigo 3 do presente decreto.

Artigo 7. Património natural e biodiversidade

A Directiva 92/43/CEE define como tipos de habitats naturais de interesse comunitário os que no território recolhido no artigo 2 da Directiva 92/43/CEE se encontram ameaçados de desaparecimento na sua área de distribuição natural, ou bem apresentam uma área de distribuição natural reduzida a causa da sua regressão, ou devido à sua área intrinsecamente restrita, ou bem constituem exemplos representativos de características típicas de uma ou de várias das nove regiões biogeográficas seguintes: alpina, atlântica, boreal, continental, macaronésica, do Mar Preto, mediterrânea, panónica e estépica.

Como tipos de habitats naturais prioritários consideram-se os tipos de habitats naturais ameaçados de desaparecimento presentes no território recolhido no artigo 2 da Directiva 92/43 CEE cuja conservação supõe uma especial responsabilidade para a Comunidade, tendo em conta a importância da proporção da sua área de distribuição natural incluída no território. No anexo I da mencionada directiva enuméranse os tipos de habitats naturais de interesse comunitário, e os tipos de habitats naturais prioritários assinalam-se mediante um asterisco (*).

O anexo I da Directiva 92/43/CEE, modificado por última vez pela Directiva 2013/17 UE do Conselho, de 13 de maio de 2013, pela que se adaptam determinadas directivas no âmbito do ambiente, com motivo da adesão da República da Croácia, inclui 233 tipos de habitats naturais de interesse comunitário, dos que 71 tipos são considerados como habitats naturais prioritários. Na Galiza estão presentes 72 tipos de interesse comunitário (31 %), dos cales 18 são prioritários (25 %), mostrando todos eles uma presença significativa dentro das ZEC e das ZEPA declaradas na Galiza.

Entre os tipos de habitats naturais prioritários presentes na Galiza destacam as lagoas costeiras (1150*), as dunas fixas (2130*, 2150*), os queirogais húmidos (4020*), os queirogais costeiros (4040*), diversos tipos de turfeiras e meios higrófilos (7110*, 7130*, 7210*, 7220*, 91D0*), entre os que destacam pela sua rareza dentro do conjunto galego e da zona meridional da região biogeográfica atlântica as turfeiras de cobertoira (7130*), junto com diversos tipos de formações herbáceas de carácter natural e seminatural (6210*, 6220*, 6230*) e diversas formações lenhosas, como os loureirais (5230*), as florestas aluviais (91E0*), as florestas de barrancos (9180*) e as florestas mediterrâneas de Taxus baccata (9580*).

Listagem de tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE presentes na Galiza:

1. Habitats costeiros e vegetações halofíticas.

11. Águas marinhas e médios de maré.

1110 Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha pouco profunda.

1130 Esteiros.

1140 Planícies lamacentas ou areentas que não estão cobertas de água na baixamar.

1150* Lagoas costeiras.

1160 Grandes calas e baías pouco profundas.

1170 Recifes.

12. Cantís marítimos e praias de coídos.

1210 Vegetação anual sobre argazos.

1220 Vegetação perene de coídos.

1230 Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas.

13. Marismas e pasteiros salinos atlânticos e continentais.

1310 Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou areentas.

1320 Pasteiros de Spartina (Spartinion maritimi).

1330 Pasteiros salinos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae).

14. Marismas e pasteiros salinos mediterrâneos e termoatlánticos.

1420 Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas (Sarcocornetea fructicosae).

2. Dunas marítimas e continentais.

21. Dunas marítimas das costas atlânticas, do Mar do Norte e do Báltico.

2110 Dunas móveis embrionárias.

2120 Dunas móveis de litoral com Ammophila arenaria (dunas brancas).

2130* Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises).

2150* Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea).

2190 Depressões intradunais húmidas.

22. Dunas marítimas das costas mediterrâneas.

2230 Dunas com relvados do Malcolmietalia.

2260 Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavenduletalia.

3. Habitats de água doce.

31. Águas estagnadas.

3110 Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo das planícies areentas (Littorelletalia uniflorae).

3120 Águas oligotróficas com um contido de minerais muito baixo sobre solos geralmente areentos do mediterrâneo ocidental com Isoetes spp.

3130 Águas estagnadas, oligotróficas ou mesotróficas com vegetação de Littorelletea uniflorae e/ou Isoeto-Nanojuncetea.

3140 Águas oligomesotróficas calcárias com vegetação béntica de Chara spp.

3150 Lagos eutróficos naturais com vegetação Magnopotamion ou Hydrocharition.

3160 Lagos e estanques distróficos naturais.

32. Águas correntes.

Trechos de cursos de água com dinâmica natural e seminatural (leitos menores, médios e maiores), nos cales a qualidade da água não apresenta alterações significativas.

260 Rios dos pisos basal a montano com vegetação de Ranunculion fluitantis e Callitricho-Batrachion.

3270 Rios de ribeiras lamacentas com vegetação de Chenopodion rubri p.p. e de Bidention p.p..

4. Queirogais e matagais de zona suavizada.

4020* Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix.

4030 Queirogais secos europeus.

4040* Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans.

4060 Queirogais alpinos e boreais.

4090 Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos.

5. Matagais esclerófilas.

51. Matagais submediterráneas e de zona suavizada.

5120 Formações montanas de Genista purgans.

52. Matagais arborescentes mediterrâneas.

5230* Matagais arborescentes de Laurus nobilis.

6. Formações herbosas naturais e seminaturais.

61. Prados naturais.

6160 Prados ibéricos silíceos de Festuca indigesta.

6170 Prados alpinos e subalpinos calcários.

62. Formações herbosas secas seminaturais e facies de matagal.

6210 Prados secos seminaturais e facies de matagal sobre substratos calcários (Festuco-Brometalia) (* importantes habitats de orquídeas).

6220* Zonas subestépicas de gramíneas e anuais do Thero-Brachypodietea.

6230* Formações herbosas com Nardus, com numerosas espécies, sobre substratos silíceos de zonas montanhosas (e de zonas submontañosas da Europa continental).

64. Prados húmidos seminaturais de ervas altas.

6410 Prados com molinias sobre substratos calcários, turfosos ou arxilo-limosos (Molinion caeruleae).

6420 Prados húmidos mediterrâneos de ervas altas do Molinion-Holoschoenion.

6430 Megaforbios eutrofos hidrófilos das orlas de planície e dos pisos montano a alpino.

65. Prados mesófilos.

6510 Prados pobres de sega de baixa altitude (Alopecurus pratensis, Sanguisorba officinalis).

6520 Prados de sega de montanha.

7. Turfeiras altas, turfeiras baixas (fens e mires) e áreas pantanosas.

71. Turfeiras ácidas de esfagnos.

7110* Turfeiras altas activas.

7120 Turfeiras altas degradadas que ainda podem regenerar-se de modo natural.

7130 Turfeiras de cobertoira (* para as turfeiras activas).

7140 Mires de transição.

7150 Depressões sobre substratos turfosos do Rhynchosporion.

72. Áreas pantanosas calcárias.

7210* Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae.

7220* Mananciais petrificantes com formação de tuf (Cratoneurion).

7230 Turfeiras baixas alcalinas.

8. Habitats rochosos e covas.

81. Desprendimentos rochosos.

8130 Desprendimentos mediterrâneos ocidentais e termófilos.

82. Pendentes rochosas com vegetação casmofítica.

8210 Pendentes rochosas calcícolas com vegetação casmofítica.

8220 Pendentes rochosas silíceas com vegetação casmofítica.

8230 Rochedos silíceos com vegetação pioneira do Sedo-Scleranthion ou do Sedo albi-Veronicion dillenii.

8240* Pavimentos calcários.

83. Outros habitats rochosos.

8310 Covas não exploradas pelo turismo.

8330 Furnas marinhas.

9. Florestas.

Florestas (sub)naturais de espécies autóctones, em monte alto com sotobosque típico, que respondem a um dos seguintes critérios: raros ou residuais, e/ou que albergam espécies de interesse comunitário.

91. Florestas da Europa suavizada.

9120 Faiais acidófilos atlânticos com sotobosque de Ilex e às vezes de Taxus (Quercion robori-petraeae ou Ilici-Fagenion).

9180* Florestas de encostas, desprendimentos ou barrancos do Tilio-Acerion.

91D0* Turfeiras boscosas.

91E0* Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae).

91F0 Florestas mistas de Quercus robur, Ulmus laevis, Ulmus minor, Fraxinus excelsior ou Fraxinus angustifolia, nas ribeiras dos grandes rios (Ulmenion minoris).

92. Florestas mediterrâneas caducifolios.

9230 Carvalhais galaico-portuguesas com Quercus robur e Quercus pyrenaica.

9260 Soutos.

92A0 Florestas galería de Salix alva e Populus alva.

93. Florestas esclerófilos mediterrâneos.

9330 Sobreirais.

9340 Azinheirais.

9380 Acevedos.

95. Florestas de coníferas de montanhas mediterrâneas e macaronésicas.

9580* Florestas mediterrâneas de Taxus baccata

Da listagem anterior, uma série de tipos de habitat de interesse comunitário não se encontram registados nas listagens de referência da União Europeia para Espanha, tanto na região biogeográfica atlântica como na mediterrânea. A identificação destes tipos de habitat de interesse comunitário no território galego deriva de uma melhor identificação e interpretação dos habitats da área marinha e costeira, de uma melhor caracterização das zonas húmidas presentes no território, de uma tipificación dos ecossistemas boscosos mais adequada de acordo com a informação científica disponível, da elaboração de manuais de interpretação dos habitats de interesse comunitário para o território galego e da elaboração da cartografía de habitats dos lugares da Rede Natura 2000, a qual se integra no presente plano.

Por outra parte existem vários tipos de habitat de interesse comunitário que foram identificados na configuração inicial da Rede Natura 2000 da Galiza, mas sem seguir os critérios estabelecidos no Manual de interpretação dos habitats da União Europeia-EUR 27. Para estes tipos de habitat não existem referências científicas que possam avalizar a sua presença no território galego. Trata dos tipos 3170* Estanques temporários mediterrâneos, 5210 Matagais arborescentes de Juniperus spp. e 9160 Carvalhais pedunculadas ou albares subatlánticas e medioeuropeas do Carpinion betuli.

Por outra parte, no presente plano e de forma complementar aos tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE, emprega-se um sistema xerarquizado de unidades ambientais estabelecidas, tendo em conta as características dos componentes do sistema natural, socioeconómico e territorial da Galiza. Empregando como base o conceito biogeográfico de habitat e as principais classificações empregadas na Europa (Corine Biotopes, Corine Land Cover, Eunis Habitat), procedeu-se a estruturar uma classificação de unidades ambientais homoxéneas, aplicable ao conjunto do território galego e orientada à valoração dos componentes chave para a biodiversidade, como dos usos e aproveitamentos derivados das diferentes actividades humanas.

Como unidade ambiental (UA) define-se a porção do território que, possuindo características geográficas e ecológicas homoxéneas, mostra uma resposta também homoxénea face à acções derivadas dos processos antrópicos, constituindo o elemento básico para sustentar o planeamento e gestão de um espaço natural. O sistema de unidades ambientais inclui mais de 70 tipos distribuídas em 9 grupos, que representam médios de carácter natural (habitats marinhos e costeiros, zonas húmidas continentais, matagais e meios rochosos, florestas naturais e seminaturais), como outros derivados da sua transformação antrópica (paisagem rural tradicional, paisagem rural transformada) ou vinculados directamente com sistemas artificiais (zonas húmidas artificiais, áreas urbanas e industriais, vias e linhas de abastecimento). Cada unidade ambiental define por um conjunto determinado de habitats característicos, que de forma conjunta representam a maior cobertura da unidade cartográfica, representando geralmente mais do 70 % da sua superfície. Os habitats característicos de cada unidade ambiental mostram um importante grau de similitude derivado das suas características ecológicas ou do seu uso e aproveitamento. Em consequência, possuem uma representação fisionómico-ecológica homoxénea que pode ser identificada e representada espacialmente através de uma cartografía temática. O resto da cobertura da tesela (<30 %) pode asignarse a habitats secundários. O sistema de unidades ambientais estabelece uma correspondência com os tipos de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

O sistema de unidades ambientais estabelecido pelo Plano director da Rede Natura 2000 da Galiza inclui os seguintes grupos e tipos de unidades ambientais:

UA100 Habitats marinhos e costeiros.

UA110 Águas marinhas profundas afastadas da costa.

UA111 Águas marinhas próximas à costa.

UA120 Esteiros.

UA130 Marismas.

UA140 Lagoas costeiras e litorais.

UA141 Grandes superfícies de carrizais litorais.

UA150 Praias.

UA151 Dunas costeiras activas.

UA152 Depressões intradunares húmidas.

UA153 Dunas remontantes.

UA154 Sistemas dunares fosilizados.

UA160 Morfologias rochosas eulitorais.

UA161 Cantís costeiros.

UA162 Pendentes e depósitos costeiros alçados.

UA200 Zonas húmidas continentais.

UA210 Águas estagnadas.

UA220 Águas correntes.

UA230 Turfeiras de cobertoira.

UA240 Turfeiras altas.

UA250 Turfeiras baixas.

UA260 Florestas húmidas.

UA261 Formações de galería dominadas por espécies invasoras.

UA270 Matagais húmidos continentais.

UA280 Herbeiras continentais húmidas de grande porte.

UA281 Herbeiras húmidas de mediano porte.

UA300 Matagais e meios rochosos.

UA310 Grandes superfícies de queirogais.

UA311 Grandes superfícies de matagais de leguminosas inermes.

UA312 Grandes superfícies de matagais subesclerófilas.

UA320 Matagais e meios rochosos silíceos.

UA321 Matagais e meios rochosos serpentínicos.

UA322 Matagais e meios rochosos calcários.

UA323 Matagais e meios rochosos ultrabásicos.

UA350 Matagais e meios rochosos orófilos.

UA400 Florestas naturais e seminaturais.

UA410 Grandes superfícies de complexos de florestas antigos.

UA411 Grandes superfícies de florestas antigos.

UA420 Florestas de carvalhos caducifolios.

UA421 Florestas de sobreiros e carvalhos caducifolios.

UA422 Florestas de vidoeiros.

UA423 Florestas de fá-las.

UA424 Florestas de azinheiras.

UA425 Florestas seminaturais de Castanea sativa.

UA426 Florestas de coníferas naturais.

UA427 Florestas de barranco.

UA428 Florestas de azevinho.

UA500 Paisagem rural tradicional.

UA510 Mosaico rural de pequenas parcelas fechadas.

UA520 Mosaico rural com emparrados, labradíos e prados.

UA530 Mosaico rural com campos sem sebes.

UA531 Mosaico rural com campos rodeados de sebes arbustivas.

UA532 Mosaico rural com campos rodeados de sebes arbóreas.

UA533 Mosaico rural com vinhas em socalcos.

UA540 Mosaico rural de áreas de montanha.

UA550 Pequenas zonas húmidas seminaturais de uso extensivo.

UA600 Paisagem rural transformada.

UA610 Grandes superfícies agrícolas intensivas em regadío.

UA620 Grandes superfícies agrícolas intensivas sem regadío.

UA630 Pinhais.

UA631 Eucaliptais.

UA632 Plantações florestais de espécies autóctones.

UA633 Plantações florestais de ximnospermas alóctonas.

UA634 Plantações florestais de anxiospermas alóctonas.

UA699 Formações de espécies invasoras.

UA700 Zonas húmidas artificiais.

UA710 Grandes barragens.

UA711 Pequenas barragens.

UA800 Áreas urbanas e industriais.

UA810 Núcleos de população.

UA820 Construções de uso agrícola, florestal e de acuicultura.

UA830 Construções de uso industrial ou comercial.

UA840 Portos, aeroportos e ferrocarrís.

UA850 Áreas de uso desportivo, recreativo ou dotacional.

UA860 Explorações mineiras.

UA870 Construções e dependências abandonadas.

UA880 Vertedoiros e depósitos de lixo.

UA890 Áreas perturbadas temporariamente.

UA900 Vias e linhas de abastecimento.

UA910 Vias terrestres de comunicação.

UA911 Vias e passeios recreativos.

UA920 Linhas de abastecimento de energia.

UA930 Infra-estruturas de abastecimento e gestão de água.

Dentro dos denominados componentes chave para a conservação estabelecem-se ademais dos habitats de interesse comunitário, aquelas espécies catalogadas legalmente como protegidas ou ameaçadas pela normativa comunitária, Directivas habitats e aves, assim como aquelas espécies incluídas na Listagem de espécies silvestres em regime de protecção especial (Real decreto 139/2011, de 4 de fevereiro, para o desenvolvimento da Listagem de espécies silvestres em regime de protecção especial e do Catálogo espanhol de espécies ameaçadas), dentro da qual se acredite o Catálogo espanhol de espécies ameaçadas; ademais das espécies do Catálogo galego de espécies ameaçadas (Decreto 88/2007, de 19 de abril, pelo que se regula o Catálogo galego de espécies ameaçadas). Dentro deste conjunto de espécies incluir-se-iam espécies paraugas, que são aquelas com uma demanda suficientemente ampla de requirimento de habitat e da sua área cuja protecção incluiria muitas outras espécies silvestres, o que inclui também aqueles taxons tipificados em algum dos anexos de normativa de carácter internacional como o Convénio de Berna, relativo à conservação da vida silvestre e do meio natural da Europa (1979), e a Convenção de Bonn sobre a conservação das espécies migratorias de animais silvestres (1979).

Na Galiza encontram-se ao todo um total de 531 taxons protegidos, cujos grupos mais numerosos são o das aves, com 268, e o da flora, com 127. Porém, o grupo com uma menor representação absoluta de espécies é o dos peixes, com 12 taxons recolhidos nesta listagem, ainda que a sua representação a nível continental é boa. Há que assinalar também a presença de espécies de carácter marinho nos grupos dos invertebrados, no de réptiles, com 5 quelonios, e no dos mamíferos com até 26.

As categorias de protecção de maior entidade corresponder-se-iam, em função da normativa citada, com aquelas espécies incluídas no anexo I da Directiva aves, aquelas tipificadas como prioritárias de acordo com a Directiva habitats ou as que se catalogan «Em perigo de extinção» segundo o Catálogo espanhol de espécies ameaçadas (em diante, CEEA) e Catálogo galego de espécies ameaçadas (em diante, CGEA). O grupo menos numeroso destas espécies na Galiza é o das prioritárias, contando-se somente 6 taxons prioritários presentes, Centaurea borjae, Eryngium viviparum, Omphalodes littoralis subsp. gallaecica, Caretta caretta, Chelonia mydas e Ursus arctos. A conservação destas espécies supõe uma especial responsabilidade tendo em conta a importância da proporção da sua área de distribuição natural incluída no território da União Europeia.

O anexo II da Directiva habitats inclui espécies de animais e vegetais de interesse comunitário para cuja conservação é necessário designar zonas especiais de conservação. Entre estas espécies, constata-se a presença no território galego de 61, predominando as plantas, os invertebrados e os mamíferos terrestres.

Do mesmo modo que sucede para os tipos de habitat do anexo I da Directiva habitats, existe uma listagem de referência para as espécies do anexo II da dita directiva, de cujo contraste com a informação científica disponível se detecta a ausência de quatro espécies: a gramínea Festuca brigantina, a tartaruga verde (Chelonia mydas) e dois mamíferos marinhos, a foca gris (Halichoerus grypus) e a foca comum (Phoca vitulina). Por outra parte, na Rede Natura 2000 da Galiza encontram-se citadas duas espécies, Jasione lusitanica e Rhinolophus mehelyi que, baseando-se na última informação científica disponível, não têm presença no território galego avalizada por estudos científicos.

O anexo IV da Directiva habitats inclui espécies animais e vegetais de interesse comunitário que requerem uma protecção estrita no território da União Europeia. Na Galiza este grupo aparece constituído por 96 espécies, na sua maioria pertencentes aos grupos de flora e de mamíferos, que acaparan 69 espécies. Finalmente o anexo V inclui espécies animais e vegetais de interesse comunitário cuja recolhida na natureza e exploração podem ser objecto de medidas de gestão, delas podem encontrar-se na Galiza um total de 29, 10 no grupo da flora, 3 no de invertebrados e 16 no de articulados.

A Directiva aves estabelece no seu artigo 4 que as espécies do anexo I e as migratorias de chegada regular serão objecto de medidas de conservação especiais no que diz respeito ao seu habitat, com o fim de assegurar a sua sobrevivência e a sua reprodução. Do grupo de aves do anexo I podem encontrar-se na Galiza até 81 espécies, e a respeito da espécies migratorias de chegada regular, mais de 120.

De acordo com a Listagem de espécies silvestres em regime de protecção especial, regulada mediante Real decreto 139/2011, de 4 de fevereiro, recolhem-se para A Galiza um total de 344 espécies, que são merecedoras de uma atenção e protecção particular em função do seu valor científico, ecológico e cultural, singularidade, rareza, ou grau de ameaça, argumentado e justificado cientificamente; aquelas que figurem como protegidas nos anexos das directivas e os convénios internacionais ratificados por Espanha, e que por cumprirem estas condições sejam incorporadas à listagem. Deste conjunto de espécies é possível encontrar na Galiza 16 tipificadas no CEEA como «Em perigo de extinção», espécies cuja sobrevivência é pouco provável se os factores causais da sua actual situação seguem actuando, em que se citam como exemplo Centaurea borjae, Luronium natans, Macromia splendens, Numenius arquata, Botaurus stellaris, Uria aalge ou Ursus arctos. Na categoria «Vulnerável» do CEEA incluem-se na Galiza 33 taxons, a maioria mamíferos. As espécies «Vulneráveis» do CEEA são aquelas que correm o risco de passar à categoria anterior num futuro imediato se os factores adversos que actuam sobre elas não são corrigidos.

O CGEA aprovado mediante o Decreto 88/2007, de 18 de abril, incluía 192 espécies de flora e fauna silvestres, ainda que com a modificação do Decreto 167/2011, de 4 de agosto, alarga-se esse número a 199 taxons catalogados nas categorias de «Em perigo de extinção» (74 taxons) e «Vulnerável» (126 taxons), aparecendo o esgonzo ibérico (Chalcides bedriagai) nas duas categorias (E e V), no entanto a categoria «Em perigo de extinção» restringir-se-ia às suas populações insulares e da província da Corunha. Assim mesmo, no anexo III do CGEA regula-se a utilização ou recolección de espécies ou subespécies de flora ou fauna, para um aproveitamento discreto e sustentável, sempre e quando se garanta que este aproveitamento não afecte as populações naturais das supracitadas espécies, onde se incluem duas espécies de algas, Lithothamnion corallioides e Phymatholithon calcareum.

Artigo 8. Dinâmica dos usos do solo

A análise das mudanças de ocupação do território que se produzem como consequência das diversas actividades humanas sobre o território, e pela dinâmica natural dos ecossistemas, constitui um indicador de transcendental importância para avançar no conhecimento das potencialidades para um desenvolvimento mais sustentável de um território. Segundo os dados Corine Land Cover (CLC) correspondentes ao ano 2005, o território galego caracteriza-se pelo predominio de coberturas florestais e espaços abertos (61 % do território) acompanhado de coberturas agrícolas (37 %), orientadas à gandaría (principalmente prados e cultivos forraxeiros) e autoconsumo (hortas). As coberturas artificiais (que se compõem de zonas urbanas; zonas industriais, comerciais e de transportes; zonas de extracção mineira, vertedoiros e zonas em construção, zonas verdes artificiais, não agrícolas) representam o 1,7 % do território. O poboamento encontra-se disperso por toda a geografia, em parte associada a usos agrícolas tradicionais, pelo que a maior parte desta superfície corresponde-se com um tecido urbano descontinuo.

As bases de dados CLC-Change 1990-2000 e CLC-Change 2000-2006 permitem conhecer as principais mudanças que se produziram nas coberturas de ocupação do solo nos períodos 1987-2000 e 2000-2005 na Galiza. De forma geral, estes dados indicam uma manutenção do sistema territorial com limitados mudanças nas coberturas de usos do solo. Estas mudanças quase não representam para o período 2000-2005 o 1,5 % da superfície galega e o 2,7 % se nos referimos ao período 1987-2000. Não obstante, a maior parte destes mudanças relacionam-se com mudanças de cobertura dentro de uma mesma categoria geral (por exemplo, mudança no tipo de cobertura florestal ou mudança no tipo de cobertura agrícola). Assim, se só temos em conta as mudanças entre as diferentes categorias de coberturas do solo os registados no período 2000-2005 tão só representam o 0,16 % da superfície galega e o 0,6 % no período 1987-2000. Estas reduzidas mudanças podem-se associar de forma maioritária com o incremento nas infra-estruturas de transporte e zonas industriais e comerciais e com os fluxos em ambos os sentidos entre as coberturas florestais e agrícolas.

A informação proporcionada por CLC-Change 1990-2000 e CLC-Change 2000-2006 relativa aos fluxos na superfícies de coberturas florestais e espaços abertos indicam uma limitada flutuação em ambos os dois períodos (diminuição do 0,48 % e do 0,15 % da superfície florestal nos períodos 1987-2000 e 2000-2005, respectivamente). As formações arbóreas viram diminuída ligeiramente a sua superfície em ambos os dois períodos, especialmente no mais recente (diminuição do 0,5 % e do 1,9 % da superfície com cobertura arbórea em 1987-2000 e 2000-2005). As coberturas de vegetação arbustiva e herbácea, por sua parte, experimentaram uma diferente dinâmica nos dois períodos, diminuindo a sua superfície entre os anos 1987 e 2000 (0,5 % da cobertura de vegetação arbustiva e herbácea) e incrementando esta no período 2000-2005 (incremento de 2 % da cobertura de vegetação arbustiva e herbácea).

Os dados relativos aos fluxos nas coberturas agrícolas na Galiza indicam que experimentaram uma muito reduzida dinâmica nestes dois períodos; diminuindo em 1.300 há no período 1987-2000. No período 2000-2005 as coberturas agrícolas permaneceram relativamente estáveis e não experimentaram quase não variações na sua superfície.

As coberturas artificiais incrementaram-se em 8.800 há (0,3 % da superfície galega) no período 1987-2000, vinculadas maioritariamente ao desenvolvimento das redes de infra-estruturas de transporte. No período 2000-2005 o incremento da superfície das coberturas artificiais foi de muita menor intensidade (2.500 há), sendo as zonas industriais comerciais e de transporte as que registaram a maior parte deste incremento.

Em vista dos resultados obtidos na análise de coberturas de uso do solo elaborado a partir de CLC e as características territoriais, estruturais e socioeconómicas da Galiza podem-se mencionar alguns dos traços principais que podem marcar a evolução futura nas coberturas de uso do solo. De forma geral, pode-se afirmar que as mudanças nas coberturas dos usos do solo na Galiza serão graduais e progressivos, com um ritmo lento inferior ao de outras comunidades autónomas que experimentam um maior dinamismo nas suas coberturas do terreno. Portanto, pode falar de uma tendência a manter-se o sistema territorial galego a curto e médio prazo.

Apesar desta tendência à manutenção do sistema territorial e ao ritmo lento que se pode prever para as mudanças nas coberturas de usos do solo é previsível que as pequenas mudanças surgidas dentro da matriz estável continuem a tendência geral posta de manifesto em anos passados. É de esperar que as ditas mudanças surjam em determinadas áreas do território galego, já que as zonas do interior da Galiza apresentam, em geral, uma tendência demográfica mais regresiva que as áreas costeiras, fugindo desta tendência as câmaras municipais que albergam os núcleos urbanos e cabeceiras de comarca e as proximidades dos seus enlaces por estrada. Portanto, é de esperar que as coberturas artificiais sigam incrementando a sua superfície nas comarcas litorais e nas proximidades das áreas urbanas e cabeceiras de comarca.

Nos espaços da Rede Natura 2000 é de esperar que a dinâmica de usos do solo conduza a incrementar a superfície dos habitats naturais de interesse comunitário listados no anexo I da Directiva 92/43/CEE, de acordo com os objectivos desta, e especialmente daqueles considerados prioritários em detrimento dos meios artificiais, superfícies florestais com espécies alóctonas e mosaicos agrícolas intensivos.

As directrizes de ordenação do território de galicia (DOT) constituem o elemento central do conjunto de instrumentos de ordenação do território recolhidos na Lei 10/1995, de 23 de novembro, de ordenação do território da Galiza. Estas têm como finalidade estabelecer as pautas espaciais de assentamento das actividades, precisando a definição de um modelo territorial para A Galiza; marcando uma série de reptos territoriais e umas orientações estratégicas para o modelo territorial galego, pelo que a evolução futura das diferentes coberturas de uso do solo se encontram em parte sujeitas a estas directrizes. Entre as orientações que propõem as DOT podem-se mencionar, entre outras, o favorecemento da compactidade, harmonización do desenvolvimento das cidades com o fim de prever a urbanização difusa; fortalecemento dos núcleos tradicionais e do litoral e valorización do território; melhora da acessibilidade, mobilidade e comunicação; freio ao despoboamento rural e favorecemento do reequilibrio territorial; protecção do património natural e cultural.

Artigo 9. Aspectos socioeconómicos e territoriais

Desde finais do século XVIII, o peso da população galega vem diminuindo de modo constante no conjunto da população estatal, passando de 13 % no censo de Floridablanca (1787) a um 6 % na actualidade. Os factores que estão detrás deste menor dinamismo com respeito ao resto do Estado são três e encontram-se interrelacionados: a emigración que com diferentes fases (intensidade e destino) percorreu todo o século XX; o alto número de pessoas falecidas devido ao progressivo envelhecimento da população e a baixa natalidade que faz da Galiza uma das comunidades autónomas com menor ratio de filhos/as por mulher.

Apesar da perda continua de população, Galiza constitui um território densamente habitado: conta com uma população de mais de 2.796.000 habitantes segundo cifras do Padrón autárquico de habitantes (2009), o que supõe uma densidade de população de quase 94 habitantes por km2. A população situa-se preferentemente nas províncias da Corunha e Pontevedra (41 % e 34 % da população galega respectivamente), e as duas províncias orientais representam somente o 25 % do total autonómico. No que diz respeito à concentração espacial da população destaca a província de Pontevedra, em que a densidade de população é de 211 habitantes por km2 (A Corunha: 142 hab./km2, Ourense: 46 hab./km2 e Lugo: 36 hab./km2).

A Comunidade Autónoma da Galiza abrange uma extensão de 29.575 km2. Desta superfície o 17 % situa-se a uma altitude inferior aos 200 metros, enquanto que case o 7 % do território supera os 1.000 metros de altitude. Esta distribuição física do território condiciona a distribuição da população galega ao longo do espaço, dando lugar a um desequilíbrio demográfico muito notável, não só entre províncias senão, sobretudo, entre zonas do interior e zonas costeiros e entre os centros urbanos e as zonas rurais. Não obstante, até meados do século XX, sendo a produção agrária para subsistencia o sistema económico imperante, a distribuição da população foi mais homoxénea já que, excepto em algumas zonas costeiras, os recursos não se encontravam muito diferenciados.

As zonas do interior da Galiza, em geral, apresentam baixas densidades de população ademais de uma tendência mais regresiva que as áreas costeiras. Fogem desta tendência as câmaras municipais que albergam núcleos urbanos. Cabe assinalar que as cabeceiras de comarca e as proximidades dos seus enlaces por estrada apresentam também uma situação demográfica mais favorável que o resto de áreas. Em geral, as áreas mais favoráveis desde um ponto de vista populacional possuem, pela sua vez, um maior dinamismo demográfico que o resto.

Tudo isto configura uma pauta de distribuição da população desequilibrada, que aponta a um crescimento populacional nas zonas urbanas costeiras e do interior, com o consegui-te declive das zonas rurais do interior. Configura-se assim uma espécie de modelo gravitatorio, onde as concentrações humanas com mais peso exercem a sua atração sobre as zonas menos povoadas e pior dotadas, pelo geral, de serviços e oportunidades de emprego, produzindo-se uma polarización da população na costa ocidental, e forma-se uma grande área metropolitana que adopta forma de corredor e que abarca desde a fronteira portuguesa até Ferrol.

No seu conjunto, a população galega tem uma estrutura demográfica envelhecida, um elevado nível de ruralización e um ritmo de renovação xeracional insuficiente para que a estrutura populacional mude em curto prazo, pelo que tudo faz esperar um crescimento vegetativo negativo, uma diminuição da população e um aumento do envelhecimento. No futuro, tudo parece indicar que a população se vai a concentrar na área ocidental e nos centros urbanos de carácter comarcal e tamanho meio. Segundo os diferentes índices demográficos, na actualidade a província com uma estrutura mais envelhecida é a de Ourense, situando-se no extremo oposto Pontevedra. Não obstante, as pirámides populacionais das quatro províncias galegas correspondem-se com uma pirámide de tipo regresivo (o grupo de população adulta predomina sobre o da população nova e a percentagem de idosos é elevado), tendendo a uma pirámide totalmente invertida.

Este forte envelhecimento demográfico provoca um peso da população inactiva muito elevado a respeito da população activa. Este facto põem-se ainda mais de manifesto ao referir à população de sexo feminino, devido à maior esperança de vida e à menor incorporação da mulher ao sistema económico.

No passado, o sector de actividade mais importante na economia galega segundo a percentagem de pessoas ocupadas era o sector primário com mais do 45 % da população ocupada no ano 1976. A importância deste sector na economia galega diminuiu nos últimos 40 anos devido ao abandono maciço do rural galego até alcançar as percentagens de pouco mais do 8 % do total dos ocupados na Galiza; este papel de liderança na economia galega assumiu desde os anos 90 o sector serviços, que incrementou notavelmente o número de pessoas ocupadas até alcançar mais do 60 % de pessoas ocupadas nele. Foi o sector secundário o que se manteve mais estável nos últimos anos, ainda que se registaram ligeiros incrementos nos primeiros anos no sector industrial e, nos últimos, no sector da construção. Este processo de terciariación é um processo comum a todo o território espanhol e europeu ainda que na Galiza este fenômeno põem-se mais de manifesto devido à grande importância que o sector primário tinha em meados de século na economia galega.

Na actualidade é o sector serviços o mais representado em todo o território galego com cifras que rondam o 61 % dos ocupados. O segundo sector no que diz respeito a ocupação é o sector secundário enquanto que o sector primário é o que atinge um menor peso. Não obstante, em comparação com outros territórios da contorna, o seu contributo é elevado.

TÍTULO III
Objectivos de conservação

Artigo 10. Objectivos gerais de conservação

Objectivos gerais para a Rede Natura 2000:

a) Garantir a biodiversidade mediante a conservação dos habitats naturais e da fauna e flora silvestre, ao tempo que se têm em conta as exixencias económicas, sociais, culturais e regionais, podendo em determinados casos requerer a manutenção, e mesmo o estímulo, de actividades humanas.

b) Manutenção e, se é o caso, desenvolvimento dos elementos da paisagem que revistam primordial importância para a fauna e a flora silvestres, como corredores fluviais, sistemas tradicionais de deslinde, ou as massas arboradas autóctones, já que resultam fundamentais na migración, na distribuição geográfica e no intercâmbio genético das espécies silvestres.

c) Assegurar a vigilância e um seguimento periódico do estado de conservação dos tipos de habitats naturais e dos habitats das espécies de interesse comunitário e das espécies de aves mencionadas no artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e dos seus habitats.

d) Alargar o conhecimento técnico e científico sobre todos os elementos objecto de conservação e os seus condicionantes ecológicos, de forma que redunde numa melhor gestão da Rede Natura 2000.

Implantar programas específicos de difusão e divulgação sobre a importância da Rede Natura 2000 e o seu papel na conservação da biodiversidade.

Objectivos gerais para as zonas especiais de conservação (ZEC).

a) Manter ou restabelecer o estado de conservação favorável dos habitats naturais e dos habitats das espécies de interesse comunitário.

b) Manter ou restabelecer o estado de conservação favorável das espécies de interesse comunitário, assim como das espécies catalogadas, presentes nas ZEC.

c) Proteger as espécies do anexo IV e promover a conservação e o uso racional das espécies do anexo V da Directiva 92/43/CEE, mediante a toma de medidas que garantam que a sua recolhida na natureza ou a sua exploração são compatíveis com a manutenção destas num estado de conservação favorável.

d) Fomentar a gestão dos elementos da paisagem que jogam um papel essencial na conectividade e permeabilidade da biodiversidade, no marco das políticas de ordenação do território e de desenvolvimento e, especialmente, para melhorar a coerência ecológica de Natura 2000.

e) Informar a população implicada nos aproveitamentos do meio natural sobre o valor ecológico e os objectivos de conservação das ZEC e as medidas para alcançá-los.

3. Objectivos gerais para as ZEPA:

a) Manter ou restabelecer o estado de conservação favorável das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE presentes nas ZEPA.

b) Manter ou restabelecer o estado de conservação favorável dos habitats das espécies de aves objecto de conservação nas ZEPA, emprestando especial atenção às zonas húmidas.

c) Evitar, dentro das ZEPA, a deterioración dos habitats naturais e dos habitats de espécies, assim como as alterações que repercutam nas espécies que motivaram a designação das zonas, na medida em que as ditas alterações possam ter um efeito apreciable. Fora das supracitadas ZEPA também se fará um especial esforço por evitar a poluição ou a deterioración dos habitats.

d) Fomentar um aproveitamento sustentável dos recursos, compatível com a conservação das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE presentes nas ZEPA.

e) Informar a população implicada nos aproveitamentos do meio natural sobre o valor ecológico e os objectivos de conservação das ZEPA e as medidas para alcançá-los.

Artigo 11. Objectivos de conservação para os espaços protegidos Rede Natura 2000

De conformidade com o estabelecido no artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, e tendo em conta as próprias características deste plano director, a seguir propõem-se os objectivos de conservação para os espaços protegidos Rede Natura 2000 da Galiza, classificados em três grupos de tipoloxía afín para ZEC e ZEPA: a) área litoral, b) zonas húmidas e corredores fluviais, e c) área de montanha.

Os objectivos propostos estão orientados à manutenção ou, se é o caso, ao restablecemento a um estado de conservação favorável dos tipos de habitats naturais de interesse comunitário do anexo I e das espécies de flora e fauna de interesse comunitário presentes no anexo II da Directiva 92/43/CEE e das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e os seus habitats.

Dentro dos objectivos propostos dá-se prioridade a aqueles que suponham uma intervenção directa sobre os valores naturais pelos que foram declaradas as ZEC (habitats naturais e espécies de interesse comunitário) e ZEPA (espécies de aves a que se aplica o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e os seus habitats), assim como sobre as suas principais pressões e ameaças, e processos ecológicos. De igual modo, têm-se em consideração os valores naturais conteúdos nas ZEPVN declaradas mediante Decreto 72/2004, de 2 de abril. Em vista da informação recolhida sobre habitats e espécies com motivo da elaboração do informe sexenal sobre a aplicação da Directiva 92/43/CEE de conformidade com o estabelecido no seu artigo 17, assim como a necessidade de dar cumprimento ao estabelecido no artigo 11, considera-se prioritário avançar no conhecimento sobre os habitats e espécies em que se detectaram carências de informação tanto no inventário coma no estado de conservação, assim como no seguimento de habitats e espécies, em particular os prioritários e ameaçados. Para o correcto manejo da informação relativa aos tipos de habitats e espécies, também se considera de especial interesse determinar a distribuição de habitats e espécies de presença discutida, em particular no relativo às listas de referência de habitats e espécies para cada região biogeográfica e meio marinho.

Também se empresta especial atenção a fomentar o aproveitamento sustentável dos recursos naturais, um uso público ordenado e compatível com a conservação dos valores naturais e a investigação como instrumento de apoio à gestão dos espaços protegidos Rede Natura 2000. Também se prioriza a educação ambiental e a participação pública na conservação dos espaços protegidos Rede Natura 2000.

A formulação dos objectivos que se listan a seguir permitirá definir, para cada espaço ou grupos de espaços, uma série de acções que os desenvolverão e que se poderão incluir dentro de planos de gestão específicos. As acções desenhar-se-ão de forma individual ou em programas, de forma que dêem resposta tanto a objectivos gerais para o conjunto da Rede Natura 2000 como a outros mais específicos que se poderão desenvolver em mais um âmbito concreto e mesmo no conjunto do território da comunidade autónoma.

Em todo o caso, o órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza avaliará periodicamente, durante o período de vixencia do plano director, o desenvolvimento e cumprimento dos seguintes objectivos, de modo que possam ser revistos e reaxustados para assegurar a manutenção ou restablecemento a um estado de conservação favorável dos componentes chave da biodiversidade.

Artigo 12. Objectivos dos espaços da área litoral

1. Zonas especiais de conservação (ZEC).

ÉS1110002 Costa Ártabra.

ÉS1110005 Costa da Morte.

ÉS1110006 Complexo húmido de Corrubedo.

ÉS1110008 Carnota-Monte do Pindo.

ÉS1110009 Costa de Dexo.

ÉS1110010 Estaca de Bares.

ÉS1110011 Esteiro do Tambre.

ÉS1110012 Monte e lagoa de Louro.

ÉS1120005 As Catedrais.

ÉS1120017 Costa da Marinha ocidental.

ÉS0000001 Ilhas Cíes.

ÉS1140003 A Ramallosa.

ÉS1140004 Complexo Ons-O Grove.

ÉS1140009 Cabo Udra.

ÉS1140010 Costa da Vela.

ÉS1140012 Ilhas Estelas.

ÉS1140016 Enseada de São Simón.

Prioridade: habitats naturais.

1.1. Melhorar e completar o inventário dos tipos de habitat naturais nos espaços protegidos Rede Natura 2000 da área litoral.

1.1.1. Melhorar e completar o inventário dos habitats naturais do meio marinho em geral e particularmente dos tipos 1110 Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha pouco profunda, 1170 Recifes, 1180 Estruturas submarinas causadas por emissões de gases e 8330 Furnas marinhas, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.2. Melhorar e completar o inventário dos fundos de maërl e das suas espécies características.

1.1.3. Melhorar e completar o inventário dos habitats naturais ligados às zonas húmidas costeiras.

1.1.4. Melhorar e completar o inventário dos queirogais costeiros, em particular do tipo de habitat prioritário 4040* Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos tipos de habitats naturais e identificar as suas principais pressões e ameaças nos espaços protegidos Rede Natura 2000 da área litoral.

1.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats costeiros e particularmente do tipo de habitat natural prioritário 1150* Lagoas costeiras, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos sistemas dunares costeiros e particularmente dos tipos de habitats naturais prioritários 2130* Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises) e 2150* Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea), identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.3. Melhorar o estado de conservação dos tipos de habitats naturais, assim como as condições do seu âmbito, nos espaços protegidos Rede Natura 2000 da área litoral.

1.3.1. Identificar e restaurar os habitats de marisma que apresentem uma deterioración que implique a sua descontinuidade, recuperando a estrutura e composição da sua vegetação natural.

1.3.2. Identificar e restaurar os habitats dunares que apresentem uma deterioración que implique a sua descontinuidade, recuperando a estrutura e composição da sua vegetação natural.

1.3.3. Alcançar o bom estado ecológico das massas de água de transição e costeiras, tal e como se define na Directiva marco da água (Directiva 2000/60/CE), realizando um seguimento dos dados obtidos pela Rede de seguimento do estado ecológico das águas da Galiza nas ZEC da área litoral.

1.3.4. Conhecer a qualidade da água dos diversos tipos de zonas húmidas da área litoral, tanto nos seus aspectos fisicoquímicos como biológicos, assim como as suas variações no tempo.

Prioridade: espécies de interesse comunitário.

2.1. Melhorar e completar o inventário das espécies de interesse comunitário nos espaços protegidos Rede Natura 2000 da área litoral.

2.1.1. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies Centaurea borjae, Omphalodes littoralis subsp. gallaecica e Rumex rupestris nas ZEC da área litoral.

2.1.2. Estabelecer os níveis de abundância populacional e distribuição das espécies Alosa alosa e Alosa fallax nas ZEC da área litoral.

2.1.3. Estabelecer os níveis de abundância populacional e distribuição dos réptiles marinhos presentes nas ZEC da área litoral e, em particular, das espécies Caretta caretta e Chelonia mydas.

2.1.4. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies de quirópteros nas ZEC da área litoral.

2.1.5. Estabelecer os níveis de abundância populacional e distribuição dos mamíferos marinhos presentes nas ZEC da área litoral e, em particular, das espécies Tursiops truncatus e Phocoena phocoena.

2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de interesse comunitário e identificar as suas principais pressões e ameaças nos espaços protegidos Rede Natura 2000 da área litoral.

2.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de flora prioritárias e ameaçadas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de réptiles marinhos, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.3. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de mamíferos marinhos, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.3. Melhorar o estado de conservação das espécies de interesse comunitário, assim como as condições do seu âmbito, nos espaços protegidos Rede Natura 2000 da área litoral.

2.3.1. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça de Centaurea borjae, Omphalodes littoralis subsp. gallaecica e Rumex rupestris.

2.3.2. Estabelecer um programa de seguimento e erradicação de espécies de flora e fauna exótica invasora no âmbito da área litoral dos espaços da Rede Natura 2000.

Prioridade: processos ecológicos.

3.1. Potenciar a conectividade ecológica dos espaços litorais com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.1.1. Estabelecer canais de colaboração com as diferentes administrações e organismos implicados na gestão do meio marinho para estabelecer ou favorecer a conectividade ecológica nos espaços litorais.

3.2. Potenciar a conectividade ecológica dos cursos fluviais com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.2.1. Colaborar com o organismo de bacía para estabelecer ou favorecer a conectividade ecológica nos trechos em que esta não exista e melhorar nas zonas em que se possa considerar deficiente.

3.3. Garantir uma dinâmica litoral o mais natural possível.

3.3.1. Estabelecer canais de colaboração com as diferentes administrações e organismos implicados na gestão do meio marinho para evitar a alteração da dinâmica litoral.

3.3.2. Estabelecer mecanismos para melhorar o conhecimento e realizar o seguimento da dinâmica litoral.

3.3.3. Estabelecer e desenvolver uma estratégia de adaptação às previsões de mudanças da dinâmica litoral por efeito da mudança climática nas ZEC da área litoral.

Prioridade: aproveitamento sustentável dos recursos.

4.1. Fomentar o aproveitamento racional dos recursos, compatibilizando com os valores de conservação dos espaços da área litoral, que permitam garantir o equilíbrio dos processos naturais.

4.1.1. Promover a colaboração entre as conselharias com competências em matéria de conservação da natureza e de assuntos marinhos para a gestão ajeitada e sustentável dos recursos pesqueiros e marisqueiros.

4.1.2. Promover a implantação de boas práticas profissionais no desenvolvimento das actividades que tenham lugar no âmbito marinho e costeiro dos espaços da Rede Natura 2000.

4.1.3. Fomentar a manutenção da pesca e marisqueo tradicionais mediante a assinatura de acordos ou convénios contractuais com profissionais ou entidades representativas do sector pesqueiro que se comprometam à aplicação de medidas compatíveis com a conservação dos tipos de habitats naturais e espécies de interesse comunitário.

Prioridade: uso público.

5.1. Promover um uso público ordenado e compatível com a conservação dos tipos de habitats naturais e espécies de interesse comunitário.

5.1.1. Difundir, entre a população local e os visitantes, os valores naturais existentes em cada ZEC, o conteúdo e propostas do plano de gestão e a sua relação com os usos tradicionais.

5.1.2. Promover a criação e adequação em cada ZEC das infra-estruturas de uso público necessárias para achegar a população local e os visitantes aos valores do espaço natural, de forma ordenada e compatível com os objectivos de conservação.

Prioridade: investigação, educação e participação cidadã.

6.1. Favorecer linhas de investigação que permitam a melhora do conhecimento dos recursos naturais, assim como do efeito que têm sobre o meio natural os diferentes tipos de usos e aproveitamentos estabelecidos no espaço.

6.1.1. Promover projectos de investigação nas ZEC como instrumento de apoio à gestão da Rede Natura 2000.

6.2. Favorecer o conhecimento e envolvimento social na conservação das ZEC.

6.2.1. Desenhar programas específicos de educação ambiental e sensibilização sobre os problemas e soluções dos valores naturais e paisagísticos das ZEC.

6.2.2. Fomentar a participação, através de campanhas de voluntariado ambiental, na limpeza de praias, marismas e fundos marinhos, erradicação de espécies invasoras e, em geral, em todas aquelas actuações que suponham uma melhora na conservação das ZEC.

2. Zonas de especial protecção para as aves (ZEPA).

ÉS0000001 Ilhas Cíes.

ÉS0000085 Ribadeo.

ÉS0000086 Ria de Ortigueira e Ladrido.

ÉS0000087 Complexo intermareal Umia-O Grove, A Atirada, ponta Carreirón e lagoa Bodeira.

ÉS0000176 Costa da Morte (Norte).

ÉS0000254 Ilha de Ons.

ÉS0000258 Costa de Ferrolterra-Valdoviño.

ÉS0000313 Complexo litoral de Corrubedo.

ÉS0000372 Costa da Marinha ocidental.

ÉS0000373 Ria de Foz.

ÉS0000375 Esteiro do Miño.

Prioridade: habitats das espécies de aves do anexo I e migratorias.

1.1. Melhorar e completar o inventário dos habitats das espécies de aves do anexo I e migratorias nas ZEPA da área litoral.

1.1.1. Identificar e estabelecer de forma precisa a localização e superfície dos tipos de habitat das espécies de aves marinhas a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE.

1.1.2. Identificar e estabelecer de forma precisa a localização e superfície dos tipos de habitat das espécies de aves aquáticas e/ou ligadas ao meio aquático a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE.

1.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats das espécies de aves às que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, assim como das suas principais pressões e ameaças.

1.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats costeiros e particularmente do tipo de habitat natural prioritário 1150* Lagoas costeiras, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos sistemas dunares costeiros e particularmente dos tipos de habitats naturais prioritários 2130* Dunas costeiras fixas com vegetação herbácea (dunas grises) e 2150 * Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea), identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.3. Melhorar o estado de conservação dos habitats das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, assim como as condições do seu âmbito, nas ZEPA da área litoral.

1.3.1. Identificar e restaurar os habitats de marisma que apresentem uma deterioración que implique a sua descontinuidade, recuperando a estrutura e composição da sua vegetação natural.

1.3.2. Identificar e restaurar os habitats dunares que apresentem uma deterioración que implique a sua descontinuidade, recuperando a estrutura e composição da sua vegetação natural.

1.3.3. Alcançar o bom estado ecológico das massas de água de transição e costeiras, tal e como se define na Directiva marco da água (Directiva 2000/60/CE), realizando um seguimento dos dados obtidos pela Rede de seguimento do estado ecológico das águas da Galiza nas ZEPA da área litoral.

1.3.4. Conhecer a qualidade da água dos diversos tipos de zonas húmidas da área litoral, tanto nos seus aspectos fisicoquímicos como biológicos, assim como as suas variações no tempo.

Prioridade: espécies de aves do anexo I e migratorias.

2.1. Melhorar e completar o inventário das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE nas ZEPA da área litoral.

2.1.1. Melhorar e completar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies de aves marinhas migratorias, com especial atenção à pardela balear Puffinus mauretanicus.

2.1.2. Melhorar e completar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies de aves marinhas nidificantes, com especial atenção à pardela cincenta Calonectris diomedea e ao paíño europeu Hydrobates pelagicus.

2.1.3. Melhorar e completar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies de aves aquáticas nidificantes.

2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, assim como das suas principais pressões e ameaças.

2.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de aves ameaçadas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.2. Melhorar o sistema de vigilância das populações de aves marinhas reprodutoras da rede de ZEPA, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.3. Estabelecer um sistema de vigilância das espécies de aves aquáticas nidificantes nas zonas húmidas da rede de ZEPA, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.4. Melhorar o sistema de vigilância das populações de aves aquáticas invernantes nas zonas húmidas da rede de ZEPA, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.3. Melhorar o estado de conservação das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE nas ZEPA da área litoral.

2.3.1. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça das populações de aves marinhas reprodutoras da rede de ZEPA.

2.3.2. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da gabita euroasiática Haematopus ostralegus.

2.3.3. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça do pernileiro comum Burhinus oedicnemus.

2.3.4. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da píllara papuda Charadrius alexandrinus.

2.3.5. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da escribenta das canaveiras Emberiza schoeniclus subsp. lusitanica.

2.3.6. Estabelecer um programa de seguimento e erradicação de espécies de flora e fauna exótica invasora nas ZEPA da área litoral.

Prioridade: processos ecológicos.

3.1. Potenciar a conectividade ecológica dos cursos fluviais com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.1.1. Colaborar com o organismo de bacía para estabelecer ou favorecer a conectividade ecológica nos trechos em que esta não exista e melhorar nas zonas em que se possa considerar deficiente.

3.2. Garantir uma dinâmica litoral o mais natural possível.

3.2.1. Estabelecer canais de colaboração com as diferentes administrações e organismos implicados na gestão do meio marinho para evitar a alteração da dinâmica litoral.

3.2.2. Estabelecer mecanismos para melhorar o conhecimento e realizar o seguimento da dinâmica litoral.

3.2.3. Estabelecer e desenvolver uma estratégia de adaptação às previsões de mudanças da dinâmica litoral por efeito da mudança climática nas ZEPA da área litoral, em relação com a sua claque às aves e os seus habitats.

Prioridade: aproveitamento sustentável dos recursos.

4.1. Fomentar o aproveitamento racional dos recursos, compatibilizando com os valores de conservação dos espaços da área litoral, que permitam garantir o equilíbrio dos processos naturais.

4.1.1. Promover a implantação de boas práticas profissionais no desenvolvimento das actividades que tenham lugar no âmbito marinho e costeiro das ZEPA.

4.1.2. Fomentar a manutenção da pesca e marisqueo tradicionais mediante a assinatura de acordos ou convénios contractuais com profissionais ou entidades representativas do sector pesqueiro que se comprometam à aplicação de medidas compatíveis com a conservação das espécies de aves às cales se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e sobre os seus habitats.

Prioridade: uso público.

5.1. Promover um uso público ordenado e compatível com a conservação das espécies de aves às cales se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e dos seus habitats.

5.1.1. Difundir, entre a população local e os visitantes, os valores naturais existentes em cada ZEPA, o conteúdo e propostas do plano de gestão e a sua relação com os usos tradicionais.

5.1.2. Promover a criação e adequação em cada ZEPA das infra-estruturas de uso público necessárias para achegar à população local e aos visitantes os valores do espaço natural, de forma ordenada e compatível com os objectivos de conservação.

Prioridade: investigação, educação e participação cidadã.

6.1. Favorecer linhas de investigação que permitam a melhora do conhecimento dos recursos naturais, assim como do efeito que têm sobre o meio natural os diferentes tipos de usos e aproveitamentos estabelecidos no espaço.

6.1.1. Promover projectos de investigação nas ZEPA como instrumento de apoio à gestão da Rede Natura 2000.

6.1.2. Promover e regular a marcación de aves silvestres na rede de ZEPA como instrumento de apoio à gestão das espécies de aves e os seus habitats.

6.2. Favorecer o conhecimento e envolvimento social na conservação das ZEPA.

6.2.1. Desenhar programas específicos de educação ambiental e sensibilização sobre os problemas e soluções dos valores naturais e paisagísticos das ZEPA.

6.2.2. Fomentar a participação, através de campanhas de voluntariado ambiental, na limpeza de praias, marismas e fundos marinhos, erradicação de espécies invasoras e, em geral, em todas aquelas actuações que suponham uma melhora na conservação das ZEPA.

Artigo 13. Objectivos dos espaços de zonas húmidas e corredores fluviais

1. Zonas especiais de conservação (ZEC).

ÉS1110001 Ortigueira-Mera.

ÉS1110004 Barragem de Abegondo-Cecebre.

ÉS1110007 Betanzos-Mandeo.

ÉS1110013 Xubia-Castro.

ÉS1110015 Rio Anllóns.

ÉS1110016 Rio Tambre.

ÉS1120002 Rio Eo.

ÉS1120003 Parga-Ladra-Támoga.

ÉS1120009 Monte Maior.

ÉS1120011 Ria de Foz-Masma.

ÉS1120012 Rio Landro.

ÉS1120013 Rio Ouro.

ÉS1120014 Canhão do Sil.

ÉS1120015 Serra do Xistral.

ÉS1120016 Rio Cabe.

ÉS1130005 Rio Támega.

ÉS1130006 Veiga de Ponteliñares.

ÉS1140001 Sistema fluvial Ulla-Deza.

ÉS1140002 Rio Lérez.

ÉS1140006 Rio Tecido.

ÉS1140007 Baixo Miño.

ÉS1140008 Brañas de Xestoso.

ÉS1140011 Charnecas de Budiño.

Prioridade: habitats naturais.

1.1. Melhorar e completar o inventário dos tipos de habitat naturais nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

1.1.1. Melhorar e completar o inventário dos tipos de habitat de água doce, em particular das águas estagnadas, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.2. Melhorar e completar o inventário dos queirogais húmidos, em particular do tipo de habitat prioritário 4020* Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.3. Melhorar e completar o inventário dos prados húmidos e mesófilos, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.4. Melhorar e completar o inventário dos habitats naturais de turfeiras de cobertoira, turfeiras altas, turfeiras baixas e áreas pantanosas, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.5. Melhorar e completar o inventário dos habitats prioritários 91D0* Turfeiras boscosas e 91E0* Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae), assim como o inventariado das suas espécies características.

1.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos tipos de habitats naturais e identificar as suas principais pressões e ameaças nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

1.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável dos sistemas lacustres, em particular dos tipos de habitat de águas estagnadas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos queirogais húmidos, em particular do tipo de habitat prioritário 4020* Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.3. Definir os estados de conservação actual e favorável dos prados húmidos e mesófilos, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.4. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats naturais de turfeiras de cobertoira, turfeiras altas, turfeiras baixas e áreas pantanosas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.5. Definir os estados de conservação actual e favorável dos tipos de habitat naturais 91D0* Turfeiras boscosas e 91E0* Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae), identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.3. Melhorar o estado de conservação dos tipos de habitat naturais assim como as condições do seu âmbito, nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

1.3.1. Alcançar o bom estado ecológico e químico dos cursos fluviais, tal e como se define na Directiva Marco da Água (Directiva 2000/60/CE), por meio do incremento da qualidade das suas águas, recuperação da vegetação de ribeira e eliminação de obstáculos.

1.3.2. Conhecer a qualidade da água dos diversos tipos de zonas húmidas, tanto nos seus aspectos fisicoquímicos como biológicos, assim como as suas variações no tempo.

Prioridade: Espécies de interesse comunitário.

2.1. Melhorar e completar o inventário das espécies de interesse comunitário nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

2.1.1. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional de Eryngium viviparum, Luronium natans e Sphagnum pylaesii.

2.1.2. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional do mexillón de rio Margaritifera margaritifera.

2.1.3. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional dos odonatos nas zonas húmidas e cursos fluviais, com especial atenção às espécies Coenagrion mercuriale, Gomphus graslinii, Macromia splendens e Oxygastra curtisii.

2.1.4. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional do cangrexo de rio autóctone Austropotamobius pallipes.

2.1.5. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional do sapoconcho comum Emys orbicularis.

2.1.6. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional da auganeira Galemys pyrenaicus.

2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de interesse comunitário e identificar as suas principais pressões e ameaças nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

2.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de flora Eryngium viviparum, Luronium natans e Sphagnum pylaesii, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável do mexillón de rio Margaritifera margaritifera, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.3. Definir os estados de conservação actual e favorável dos odonatos nas zonas húmidas e corredores fluviais, com especial atenção às espécies Coenagrion mercuriale, Gomphus graslinii, Macromia splendens e Oxygastra curtisii, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.4. Definir os estados de conservação actual e favorável do cangrexo de rio autóctone Austropotamobius pallipes, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.5. Definir os estados de conservação actual e favorável do sapoconcho comum Emys orbicularis, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.6. Definir os estados de conservação actual e favorável da auganeira Galemys pyrenaicus, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.3. Melhorar o estado de conservação das espécies de interesse comunitário assim como as condições do seu âmbito, nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

2.3.1. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça de Eryngium viviparum, Luronium natans e Sphagnum pylaesii.

2.3.2. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça do mexillón de rio Margaritifera margaritifera.

2.3.3. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça das espécies de odonatos Coenagrion mercuriale, Gomphus graslinii, Macromia splendens e Oxygastra curtisii.

2.3.4. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça do cangrexo de rio autóctone Austropotamobius pallipes.

2.3.5. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça do sapoconcho comum Emys orbicularis.

2.3.6. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça da auganeira Galemys pyrenaicus.

2.3.7. Estabelecer um programa de seguimento e erradicação de espécies de flora e fauna exótica invasora no âmbito das zonas húmidas e cursos fluviais dos espaços da Rede Natura 2000.

Prioridade: processos ecológicos.

3.1. Potenciar a conectividade ecológica dos cursos fluviais com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.1.1. Colaborar com o organismo de bacía para estabelecer ou favorecer a conectividade ecológica nos trechos em que esta não exista e melhorar nas zonas em que se possa considerar deficiente.

3.2. Garantir uma dinâmica hidrolóxica do conjunto de zonas húmidas o mais natural possível.

3.2.1. Estabelecer medidas de gestão hídrica que assegurem um comportamento o mais natural possível das zonas húmidas, tendo em conta o seu grau de estacionalidade.

3.2.2. Estabelecer mecanismos para melhorar o conhecimento e realizar o seguimento das dinâmicas hidrolóxicas.

3.2.3. Estabelecer e desenvolver uma estratégia de adaptação às previsões de mudanças da dinâmica hidrolóxica por efeito da mudança climática nas ZEC com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

Prioridade: aproveitamento sustentável dos recursos.

4.1. Fomentar o aproveitamento racional dos recursos, compatibilizando com os valores de conservação das zonas húmidas e cursos fluviais, e que permitam garantir o equilíbrio dos processos naturais.

4.1.1. Promover a implantação de boas práticas profissionais no desenvolvimento das actividades agrícolas e ganadeiras que tenham lugar no âmbito da ZEC.

4.1.2. Fomentar a manutenção da agricultura e gandaría extensiva tradicionais mediante a assinatura de acordos ou convénios contractuais com profissionais, associações de profissionais ou comunidades de montes que se comprometam à aplicação de medidas compatíveis com a conservação dos tipos de habitat naturais e espécies de interesse comunitário.

Prioridade: uso público.

5.1. Promover um uso público ordenado e compatível com a conservação dos tipos de habitat naturais e espécies de interesse comunitário.

5.1.1. Difundir, entre a população local e os visitantes, os valores naturais existentes em cada ZEC, o conteúdo e propostas do plano de gestão e a sua relação com os usos tradicionais.

5.1.2. Promover a criação e adequação em cada ZEC das infra-estruturas de uso público necessárias para achegar à população local e aos visitantes os valores do espaço natural, de forma ordenada e compatível com os objectivos de conservação.

Prioridade: investigação, educação e participação cidadã.

6.1. Favorecer linhas de investigação que permitam a melhora do conhecimento dos recursos naturais, assim como do efeito que têm sobre o meio natural os diferentes tipos de usos e aproveitamentos estabelecidos no espaço.

6.1.1. Promover projectos de investigação nas ZEC como instrumento de apoio à gestão da Rede Natura 2000.

6.2. Favorecer o conhecimento e envolvimento social na conservação das ZEC.

6.2.1. Desenhar programas específicos de educação ambiental e sensibilização sobre os problemas e soluções dos valores naturais e paisagísticos das ZEC.

6.2.2. Fomentar a participação, através de campanhas de voluntariado ambiental, na limpeza de zonas húmidas, cursos fluviais e a sua contorna, erradicação de espécies invasoras e, em geral, em todas aquelas actuações que suponham uma melhora na conservação das ZEC.

2. Zonas de especial protecção para as aves (ZEPA).

ÉS0000436 A Limia.

Prioridade: habitats das espécies de aves do anexo I e migratorias.

1.1. Melhorar e completar o inventário dos habitats das espécies de aves do anexo I e migratorias nas ZEPA com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

1.1.1. Identificar e estabelecer de forma precisa a localização e superfície dos tipos de habitat das espécies de aves de carácter estepário e/ou ligadas ao meio agrícola.

1.1.2. Identificar e estabelecer de forma precisa a localização e superfície dos tipos de habitat das espécies de aves aquáticas e/ou ligadas ao meio aquático.

1.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats das espécies de aves às que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, assim como das suas principais pressões e ameaças.

1.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável dos queirogais húmidos, em particular do tipo de habitat prioritário 4020* Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos prados húmidos e mesófilos, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.3. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats das aves de carácter estepário ou ligadas ao meio agrícola, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.3. Melhorar o estado de conservação dos habitats das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE assim como as condições do seu âmbito, nas ZEPA com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

1.3.1. Manter ou restaurar superfícies ajeitadas de zonas húmidas naturais e seminaturais que constituem habitats de diversas espécies de avifauna ameaçada em áreas agrícolas.

1.3.2. Dispor de superfícies ajeitadas nas que se pratique uma agricultura extensiva e sustentável para benefício das espécies de avifauna ameaçada em áreas agrícolas.

1.3.3. Alcançar o bom estado ecológico e químico dos cursos fluviais, tal e como se define na Directiva Marco da Água (Directiva 2000/60/CE), por meio do incremento da qualidade das suas águas, recuperação da vegetação de ribeira e eliminação de obstáculos.

1.3.4. Conhecer a qualidade da água dos diversos tipos de zonas húmidas, tanto nos seus aspectos fisicoquímicos como biológicos, assim como as suas variações no tempo.

Prioridade: espécies de aves do anexo I e migratorias.

2.1. Melhorar e completar o inventário das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE nas ZEPA com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

2.1.1. Melhorar e completar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies de aves de carácter estepário e ligadas ao meio agrícola.

2.1.2. Melhorar e completar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies de aves aquáticas e/ou ligadas ao meio aquático.

2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, assim como das suas principais pressões e ameaças.

2.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies ameaçadas de aves aquáticas e/ou ligadas ao meio aquático, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies ameaçadas de aves de carácter estepário e/ou ligadas ao meio agrícola, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.3. Melhorar o sistema de vigilância das populações de aves aquáticas invernantes nas zonas húmidas da rede de ZEPA, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.3. Melhorar o estado de conservação das espécies de aves às cales se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE nas ZEPA com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

2.3.1. Reduzir a incidência dos factores limitantes sobre as espécies de aves às cales se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e sobre os seus habitats.

2.3.2. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça do sisón comum Tetrax tetrax.

2.3.3. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça do pernileiro comum Burhinus oedicnemus.

2.3.4. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da avefría Vanellus vanellus.

2.3.5. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da becacina cabra Gallinago gallinago.

2.3.6. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da calandriña comum Calandrella brachydactyla.

2.3.7. Estabelecer um programa de seguimento e erradicação de espécies de flora e fauna exótica invasora.

Prioridade: processos ecológicos.

3.1. Potenciar a conectividade ecológica dos cursos fluviais com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.1.1. Colaborar com o organismo de bacía para estabelecer ou favorecer a conectividade ecológica nos trechos em que esta não exista e melhorar nas zonas em que se possa considerar deficiente.

3.2. Garantir uma dinâmica hidrolóxica do conjunto de zonas húmidas o mais natural possível.

3.2.1. Estabelecer medidas de gestão hídrica que assegurem um comportamento o mais natural possível das zonas húmidas, tendo em conta o seu grau de estacionalidade.

3.2.2. Estabelecer mecanismos para melhorar o conhecimento e realizar o seguimento das dinâmicas hidrolóxicas.

3.2.3. Estabelecer e desenvolver uma estratégia de adaptação às previsões de mudanças da dinâmica hidrolóxica por efeito da mudança climática nas ZEPA com tipoloxía de zonas húmidas e corredores fluviais.

Prioridade: aproveitamento sustentável dos recursos.

4.1. Fomentar o aproveitamento racional dos recursos, compatibilizando com os valores de conservação das zonas húmidas e cursos fluviais, e que permitam garantir o equilíbrio dos processos naturais.

4.1.1. Promover a implantação de boas práticas profissionais no desenvolvimento das actividades agrícolas e ganadeiras que tenham lugar no âmbito da ZEPA.

4.1.2. Fomentar a manutenção da agricultura e gandaría extensiva tradicionais mediante a assinatura de acordos ou convénios contractuais com profissionais, associações de profissionais ou comunidades de montes que se comprometam à aplicação de medidas compatíveis com a conservação das espécies de aves às cales se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e sobre os seus habitats.

Prioridade: uso público.

5.1. Promover um uso público ordenado e compatível com a conservação das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e dos seus habitats.

5.1.1. Difundir, entre a população local e os visitantes, os valores naturais existentes em cada ZEPA, o conteúdo e propostas do plano de gestão e a sua relação com os usos tradicionais.

5.1.2. Promover a criação e adequação em cada ZEPA das infra-estruturas de uso público necessárias para achegar à população local e aos visitantes os valores do espaço natural, de forma ordenada e compatível com os objectivos de conservação.

Prioridade: investigação, educação e participação cidadã.

6.1. Favorecer linhas de investigação que permitam a melhora do conhecimento dos recursos naturais, assim como do efeito que têm sobre o meio natural os diferentes tipos de usos e aproveitamentos estabelecidos no espaço.

6.1.1. Promover projectos de investigação nas ZEPA como instrumento de apoio à gestão da Rede Natura 2000.

6.1.2. Promover e regular a marcación de aves silvestres na rede de ZEPA como instrumento de apoio à gestão das espécies de aves e os seus habitats.

6.2. Favorecer o conhecimento e envolvimento social na conservação das ZEPA.

6.2.1. Desenhar programas específicos de educação ambiental e sensibilização sobre os problemas e soluções dos valores naturais e paisagísticos das ZEPA.

6.2.2. Fomentar a participação, através de campanhas de voluntariado ambiental, na limpeza de zonas húmidas, cursos fluviais e o seu âmbito, erradicação de espécies invasoras e, em geral, em todas aquelas actuações que suponham uma melhora na conservação das ZEPA.

Artigo 14. Objectivos dos espaços das áreas de montanha

1. Zonas especiais de conservação (ZEC).

ÉS1110003 Florestas do Eume..

ÉS1110014 Serra do Careón.

ÉS1120001 Ancares-Courel.

ÉS1120004 A Marronda.

ÉS1120006 Carballido.

ÉS1120007 Cruzul-Agüeira.

ÉS1120008 Monte do Faro.

ÉS1120010 Negueira.

ÉS1130001 Baixa Limia.

ÉS1130002 Maciço Central.

ÉS1130003 Bidueiral de Montederramo.

ÉS1130004 Pena Veidosa.

ÉS1130007 Pena Trevinca.

ÉS1130008 Pena Maseira.

ÉS1130009 Serra da Enciña da Lastra.

ÉS1140005 Monte Aloia.

ÉS1140013 Serra do Candán.

ÉS1140014 Serra do Quando.

ÉS1140015 Sobreirais do Arnego.

Prioridade: habitats naturais.

1.1. Melhorar e completar o inventário dos tipos de habitat naturais nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de áreas de montanha.

1.1.1. Melhorar e completar o inventário dos tipos de habitat de água doce, em particular das águas estagnadas, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.2. Melhorar e completar o inventário dos queirogais húmidos, em particular do tipo de habitat prioritário 4020* Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.3. Melhorar e completar o inventário dos queirogais característicos de alta montanha, em particular dos tipos de habitat natural 4060 Queirogais alpinos e boreais e 4090 Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.4. Melhorar e completar o inventário dos prados húmidos e mesófilos, em particular do tipo de habitat natural 6520 Prados de sega de montanha, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.5. Melhorar e completar o inventário dos habitats naturais de turfeiras altas, turfeiras baixas e áreas pantanosas, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.6. Melhorar e completar o inventário dos habitats rochosos e covas, em particular do tipo de habitat natural 8310 Covas não exploradas pelo turismo, assim como o inventariado das suas espécies características.

1.1.7. Melhorar e completar o inventário dos habitats prioritários 91D0* Turfeiras boscosas e 91E0* Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae) assim como o inventariado das suas espécies características.

1.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos tipos de habitat naturais e identificar as suas principais pressões e ameaças nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de áreas de montanha.

1.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável dos sistemas lacustres, em particular dos tipos de habitat de águas estagnadas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos queirogais húmidos, em particular do tipo de habitat prioritário 4020* Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.3. Definir os estados de conservação actual e favorável dos queirogais característicos de alta montanha, em particular dos tipos de habitat natural 4060 Queirogais alpinos e boreais e 4090 Queirogais oromediterráneos endémicos com tojos, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.4. Definir os estados de conservação actual e favorável dos prados húmidos e mesófilos, em particular do tipo de habitat natural 6520 Prados de sega de montanha, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.5. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats rochosos e covas, em particular do tipo de habitat natural 8310 Covas não exploradas pelo turismo, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.6. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats naturais de turfeiras altas, turfeiras baixas e áreas pantanosas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.7. Definir os estados de conservação actual e favorável dos tipos de habitat naturais 91D0* Turfeiras boscosas e 91E0* Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae) identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.3. Melhorar o estado de conservação dos tipos de habitat naturais assim como as condições do seu âmbito, nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de áreas de montanha.

1.3.1. Alcançar o bom estado ecológico e químico dos cursos fluviais, tal e como se definiu na Directiva Marco da Água (Directiva 2000/60/CE), por meio do incremento da qualidade das suas águas, recuperação da vegetação de ribeira e eliminação de obstáculos.

1.3.2. Conhecer a qualidade da água dos diversos tipos de zonas húmidas, tanto nos seus aspectos fisicoquímicos como biológicos, assim como as suas variações no tempo.

Prioridade: espécies de interesse comunitário.

2.1. Melhorar e completar o inventário das espécies de interesse comunitário nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de áreas de montanha.

2.1.1. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional de Eryngium viviparum.

2.1.2. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies de flora ameaçada, em particular de Culcita macrocarpa, Festuca elegans, F. summilusitanica, Narcissus asturiensis, N. cyclamineus, N. pseudonarcissus nobilis, Petrocoptis grandiflora, Sphagnum pylaesii, Santolina semidentata, Vandenboschia speciosa, Veronica micrantha e Woodwardia radicans.

2.1.3. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional do mexillón de rio Margaritifera margaritifera.

2.1.4. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional dos odonatos presentes nas zonas húmidas e cursos fluviais das áreas de montanha, com especial atenção às espécies Coenagrion mercuriale, Gomphus graslinii, Macromia splendens e Oxygastra curtisii.

2.1.5. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional do cangrexo de rio autóctone Austropotamobius pallipes.

2.1.6. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional de morcegos cavernícolas.

2.1.7. Melhorar a informação relativa à distribuição e abundância populacional do urso pardo Ursus arctos.

2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de interesse comunitário e identificar as suas principais pressões e ameaças nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de áreas de montanha.

2.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável de Eryngium viviparum, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de flora ameaçada, em particular de Culcita macrocarpa, Festuca elegans, F. summilusitanica, Narcissus asturiensis, N. cyclamineus, N. pseudonarcissus nobilis, Petrocoptis grandiflora, Sphagnum pylaesii, Santolina semidentata, Vandenboschia speciosa, Veronica micrantha e Woodwardia radicans, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.3. Definir os estados de conservação actual e favorável do mexillón de rio Margaritifera margaritifera, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.4. Definir os estados de conservação actual e favorável dos odonatos presentes nas zonas húmidas e cursos fluviais das áreas de montanha, com especial atenção às espécies Coenagrion mercuriale, Gomphus graslinii, Macromia splendens e Oxygastra curtisii, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.5. Definir os estados de conservação actual e favorável do cangrexo de rio autóctone Austropotamobius pallipes, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.6. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de morcegos cavernícolas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.7. Definir os estados de conservação actual e favorável do urso pardo Ursus arctos, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.3. Melhorar o estado de conservação das espécies de interesse comunitário assim como as condições do seu âmbito, nos espaços protegidos Rede Natura 2000 com tipoloxía de áreas de montanha.

2.3.1. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça de Eryngium viviparum.

2.3.2. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça das espécies de flora ameaçada, em particular de Culcita macrocarpa, Festuca elegans, F.summilusitanica, Narcissus asturiensis, N. cyclamineus, N. pseudonarcissus nobilis, Petrocoptis grandiflora, Sphagnum pylaesii, Santolina semidentata, Vandenboschia speciosa, Veronica micrantha e Woodwardia radicans.

2.3.3. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça do mexillón de rio Margaritifera margaritifera.

2.3.4. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça das espécies de odonatos Coenagrion mercuriale, Gomphus graslinii, Macromia splendens e Oxygastra curtisii.

2.3.5. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça do cangrexo de rio autóctone Austropotamobius pallipes.

2.3.6. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça de morcegos cavernícolas.

2.3.7. Melhorar a disponibilidade de habitat e reduzir os factores de ameaça do urso pardo Ursus arctos.

2.3.8. Estabelecer um programa de seguimento e erradicação de espécies de flora e fauna exótica invasora no âmbito das áreas de montanha dos espaços da Rede Natura 2000.

Prioridade: processos ecológicos.

3.1. Potenciar a conectividade ecológica das áreas de montanha com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.1.1. Melhorar a conectividade e permeabilidade dos habitats boscosos, estabelecendo os mecanismos necessários para reduzir a sua fragmentação.

3.2. Potenciar a conectividade ecológica dos cursos fluviais com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.2.1. Colaborar com o organismo de bacía para estabelecer ou favorecer a conectividade ecológica nos trechos em que esta não exista e melhorar nas zonas em que se possa considerar deficiente.

Prioridade: aproveitamento sustentável dos recursos.

4.1. Fomentar o aproveitamento racional dos recursos, compatibilizando com os valores de conservação das áreas de montanha, e que permitam garantir o equilíbrio dos processos naturais.

4.1.1. Promover a implantação de boas práticas profissionais no desenvolvimento das actividades agrícolas, ganadeiras e florestais que tenham lugar no âmbito da ZEC.

4.1.2. Promover tratamentos silvícolas que favoreçam a heteroxeneidade das massas florestais.

4.1.3. Fomentar a manutenção da agricultura e gandaría extensiva tradicionais e da gestão florestal sustentável mediante a assinatura de acordos ou convénios contractuais com profissionais, associações de profissionais ou comunidades de montes que se comprometam à aplicação de medidas compatíveis com a conservação dos tipos de habitat naturais e espécies de interesse comunitário.

4.1.4. Estabelecer um seguimento sobre os usos tradicionais que incidam sobre as breixeiras húmidas, em particular do tipo de habitat natural 4020* Queirogais húmidos atlânticos de zonas suavizadas de Erica ciliaris e Erica tetralix.

Prioridade: uso público.

5.1. Promover um uso público ordenado e compatível com a conservação dos tipos de habitat naturais e espécies de interesse comunitário.

5.1.1. Difundir, entre a população local e os visitantes, os valores naturais existentes em cada ZEC, o conteúdo e propostas do plano de gestão e a sua relação com os usos tradicionais.

5.1.2. Promover a criação e adequação em cada ZEC das infra-estruturas de uso público necessárias para achegar a população local e os visitantes aos valores do espaço natural, de forma ordenada e compatível com os objectivos de conservação.

Prioridade: investigação, educação e participação cidadã.

6.1. Favorecer linhas de investigação que permitam a melhora do conhecimento dos recursos naturais, assim como do efeito que têm sobre o meio natural os diferentes tipos de usos e aproveitamentos estabelecidos no espaço.

6.1.1. Promover projectos de investigação nas ZEC como instrumento de apoio à gestão da Rede Natura 2000.

6.2. Favorecer o conhecimento e envolvimento social na conservação das ZEC.

6.2.1. Desenhar programas específicos de educação ambiental e sensibilização sobre os problemas e soluções dos valores naturais e paisagísticos das ZEC.

6.2.2. Fomentar a participação, através de campanhas de voluntariado ambiental, na erradicação de espécies invasoras e, em geral, em todas aquelas actuações que suponham uma melhora na conservação das ZEC.

2. Zonas de especial protecção para as aves (ZEPA).

ÉS0000374 Ancares.

ÉS1130009 Serra da Enciña da Lastra.

ÉS0000376 Baixa Limia-Serra do Xurés.

ÉS0000437 Pena Trevinca.

Prioridade: habitats das espécies de aves do anexo I e migratorias.

1.1. Melhorar e completar o inventário dos habitat das espécies de aves do anexo I e migradoras nas ZEPA com tipoloxía de áreas de montanha.

1.1.1. Identificar e estabelecer de forma precisa a localização e superfície dos tipos de habitat da comunidade de aves florestais.

1.1.2. Identificar e estabelecer de forma precisa a localização e superfície dos tipos de habitat da comunidade de aves rupícolas.

1.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, assim como das suas principais pressões e ameaças.

1.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats da comunidade de aves florestais, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável dos habitats da comunidade de aves rupícolas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

1.3. Melhorar o estado de conservação dos habitats das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE assim como as condições do seu âmbito, nas ZEPA com tipoloxía de áreas de montanha.

1.3.1. Conservar e aumentar a superfície de floresta autóctone, buscando um grau máximo de diversidade estrutural e específica acorde com os requirimentos ecológicos de uma maioria de espécies de aves.

1.3.2. Alcançar o bom estado ecológico e químico dos cursos fluviais, tal e como se definiu na Directiva Marco da Água (Directiva 2000/60/CE), por meio do incremento da qualidade das suas águas, recuperação da vegetação de ribeira e eliminação de obstáculos.

1.3.3. Conhecer a qualidade da água dos diversos tipos de zonas húmidas, tanto nos seus aspectos fisicoquímicos como biológicos, assim como as suas variações no tempo.

Prioridade: Espécies de aves do anexo I e migratorias.

2.1. Melhorar e completar o inventário das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE nas ZEPA com tipoloxía de áreas de montanha.

2.1.1. Melhorar e completar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies da comunidade de aves florestais.

2.1.2. Melhorar e completar a informação relativa à distribuição e abundância populacional das espécies da comunidade de aves rupícolas.

2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE, assim como das suas principais pressões e ameaças.

2.2.1. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies da comunidade de aves florestais, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.2. Definir os estados de conservação actual e favorável das espécies da comunidade de aves rupícolas, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.2.3. Melhorar o sistema de vigilância das populações de aves aquáticas invernantes na rede de ZEPA, identificar os seus principais factores de ameaça e estabelecer e desenvolver um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2.3. Melhorar o estado de conservação das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE nas ZEPA com tipoloxía de áreas de montanha.

2.3.1. Reduzir a incidência dos factores limitantes sobre as espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e sobre os seus habitats.

2.3.2. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça do voitre branco Neophron percnopterus.

2.3.3. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da águia real Aquila chrysaetos.

2.3.4. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da galinha do monte Tetrao urogallus cantabricus.

2.3.5. Melhorar a disponibilidade de habitat de criação e reduzir os factores de ameaça da perdiz charrela Perdix perdix hispaniensis.

2.3.6. Estabelecer um programa de seguimento e erradicação de espécies de flora e fauna exótica invasora.

Prioridade: processos ecológicos.

3.1. Potenciar a conectividade ecológica das áreas de montanha com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.1.1. Melhorar a conectividade e permeabilidade dos habitats boscosos, estabelecendo os mecanismos necessários para reduzir a sua fragmentação.

3.2. Potenciar a conectividade ecológica dos cursos fluviais com o fim de prevenir a perda de biodiversidade, facilitar o intercâmbio genético e o deslocamento das espécies de fauna e flora.

3.2.1. Colaborar com o organismo de bacía para estabelecer ou favorecer a conectividade ecológica nos trechos em que esta não exista e melhorar nas zonas em que se possa considerar deficiente.

Prioridade: aproveitamento sustentável dos recursos.

4.1. Fomentar o aproveitamento racional dos recursos, compatibilizando com os valores de conservação das áreas de montanha, e que permitam garantir o equilíbrio dos processos naturais.

4.1.1. Promover a implantação de boas práticas profissionais no desenvolvimento das actividades agrícolas, ganadeiras e florestais que tenham lugar no âmbito da ZEPA.

4.1.2. Promover tratamentos silvícolas que favoreçam a heteroxeneidade das massas florestais.

4.1.3. Fomentar a manutenção da agricultura e gandaría extensiva tradicionais e da gestão florestal sustentável mediante a assinatura de acordos ou convénios contractuais com profissionais, associações de profissionais ou comunidades de montes que se comprometam à aplicação de medidas compatíveis com a conservação das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e sobre os seus habitats.

Prioridade: uso público.

5.1. Promover um uso público ordenado e compatível com a conservação das espécies de aves a que se refere o artigo 4 da Directiva 2009/147/CE e dos seus habitats.

5.1.1. Difundir, entre a população local e os visitantes, os valores naturais existentes em cada ZEPA, o conteúdo e propostas do plano de gestão e a sua relação com os usos tradicionais.

5.1.2. Promover a criação e adequação em cada ZEPA das infra-estruturas de uso público necessárias para achegar a população local e os visitantes aos valores do espaço natural, de forma ordenada e compatível com os objectivos de conservação.

Prioridade: investigação, educação e participação cidadã.

6.1. Favorecer linhas de investigação que permitam a melhora do conhecimento dos recursos naturais, assim como do efeito que têm sobre o meio natural os diferentes tipos de usos e aproveitamentos estabelecidos no espaço.

6.1.1. Promover projectos de investigação nas ZEPA como instrumento de apoio à gestão da Rede Natura 2000.

6.1.2. Promover e regular a marcación de aves silvestres na rede de ZEPA como instrumento de apoio à gestão das espécies de aves e os seus habitats.

6.2. Favorecer o conhecimento e envolvimento social na conservação das ZEPA.

6.2.1. Desenhar programas específicos de educação ambiental e sensibilização sobre os problemas e soluções dos valores naturais e paisagísticos das ZEPA.

6.2.2. Fomentar a participação, através de campanhas de voluntariado ambiental em todas aquelas actuações que suponham uma melhora na conservação das ZEPA.

TÍTULO IV
Zonificación

Artigo 15. Critérios de zonificación

A Lei 9/2001, de 21 de agosto, estabelece a necessidade de que os planos de ordenação dos recursos naturais contenham uma zonificación do espaço natural, percebida esta como a demarcação de diferentes áreas para as que se designam limitações gerais e específicas derivadas de necessidades de conservação de espaços e espécies.

No presente plano director da Rede Natura 2000 da Galiza adopta-se um sistema xerarquizado de zonas como ferramenta básica para o planeamento e gestão dos componentes da biodiversidade, com o fim de assegurar os objectivos de conservação e uso sustentável dos recursos naturais em cada espaço protegido e no conjunto da Rede Natura 2000.

Nas áreas incluídas no anexo I que não estão compreendidas na zonificación realizada no anexo III por não fazer parte da proposta de actualização de limites dos LIC serão de aplicação as disposições de alcance geral, recolhidas nos artigos 21 a 62, ambos incluídos, do presente decreto e, em particular, o regime preventivo dos artigos 6.2 e 6.3 da Directiva 92/43/CEE e dos artigos 45.2 e 45.4 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

Naqueles territórios incluídos no âmbito territorial do plano director, que pela sua condição de parque nacional ou parque natural possuem um plano de ordenação dos recursos naturais, a zonificación do anexo III será aplicable sem prejuízo da zonificación que se recolha nos instrumentos de ordenação específicos como consequência do planeamento a maior detalhe, zonificación que se manterá em vigor. Atender-se-á, então, à regulação de usos previstos no presente plano director, sem prejuízo da aplicação das limitações específicas que se recolhem nos instrumentos aludidos.

Artigo 16. Zona 1: Área de Protecção (Usos tradicionais compatíveis)

A Área de Protecção estrutúrase sobre territórios com um valor de conservação muito alto, constituídos por uma porção significativa de habitats prioritários ou habitats de interesse comunitário ou bem de núcleos populacionais e habitats de espécies de interesse para a conservação (espécies dos anexos II e IV da Directiva 92/43/CEE, espécies de aves migratorias e aves do anexo I da Directiva 2009/147/CE, espécies incluídas no Catálogo espanhol de espécies ameaçadas e no Catálogo galego de espécies ameaçadas).

A configuração destas zonas e, consequentemente, a sua biodiversidade, está ligada à manutenção dos usos tradicionais compatíveis que possuem um elevado grau de compatibilidade com a manutenção dos componentes, a estrutura e o funcionamento dos ecossistemas.

Artigo 17. Zona 2: Área de Conservação (Aproveitamento ordenado dos recursos naturais)

A Área de Conservação inclui territórios com um valor de conservação alto e meio, com uma porção variable de habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE, com uma elevada naturalidade e diversidade, que mostram, geralmente, uma maior representação territorial dos habitats de interesse comunitário face aos de carácter prioritário, ou bem, uma porção significativa das áreas prioritárias das espécies silvestres de flora e fauna de interesse para a conservação. Diferenciam-se, não obstante, porque estas unidades se integram num território com um nível importante de humanización, no qual existe uma porção também significativa de habitats de interesse comunitário, cuja composição, estrutura e dinâmica está intimamente ligada à manutenção dos sistemas de aproveitamento tradicional.

Nestas áreas regulam-se as actividades não tradicionais que possam levar consigo uma mingua ou diminuição do estado de conservação dos habitats e das populações de espécies de flora e fauna de interesse para a conservação, com o objectivo fundamental de conseguir o aproveitamento ordenado dos recursos naturais.

Artigo 18. Zona 3: Área de Uso Geral (Assentamentos e núcleos rural)

A Área de Uso Geral abrange territórios com um valor de conservação meio ou sob nos cales predominan os médios seminaturais com uma reduzida naturalidade e médios sinantrópicos desvinculados, na maioria dos casos, dos sistemas de exploração tradicional dos recursos naturais. Incluem-se também dentro desta zona as áreas com um importante nível de urbanização, assim como grandes áreas destinadas ao uso público. A gestão destas zonas deve orientar-se a evitar a fragmentação e o isolamento das zonas de maior valor.

Na Zona 3 incluem-se os assentamentos e núcleos rural que tenham a dita condição conforme a normativa estatal e autonómica em matéria de ordenação do território e urbanismo. Assim mesmo, também abrange as zonas de domínio público das infra-estruturas de comunicação de titularidade estatal, autonómica, provincial ou local.

Em consequência, no planeamento de cada espaço protegido, a Zona 3 deve ser capaz de absorver a maior parte das actividades de carácter recreativo, com o fim de reduzir a pressão destas sobre as áreas que possuem habitats ou espécies com uma elevada fragilidade.

Artigo 19. Superfícies de zonificación

Como resultado do presente plano director dispõem-se de uma zonificación homoxénea da totalidade (389.565,9 há) dos espaços protegidos incluídos no seu âmbito de aplicação. A superfície ocupada pela Zona 1 (Área de Protecção) ascende a 102.721,0 há, o que supõe algo mais de uma quarta parte (26,4 %) dos territórios incluídos no âmbito deste decreto. A Zona 2 (Área de Conservação) é a zona de maior representatividade superficial, com um total de 263.310,2 há, o que supõe algo mais de dois terços (67,6 %) da superfície. Finalmente, a Zona 3 (Área de Uso Geral) ocupa uma superfície de 23.534,7 há, o que representa o 6 % do âmbito territorial do presente documento.

A cartografía de zonificación de cada um dos espaços protegidos incluídos no âmbito de aplicação do presente plano director, inclui-se como anexo III.

TÍTULO V
Medidas de gestão

Artigo 20. Instrumentos de ordenação

De acordo com os objectivos de conservação da Rede Natura 2000, e uma vez identificados os principais componentes e valores de cada um dos espaços naturais, assim como as principais claques e ameaças, procede-se a definir os objectivos e directrizes que se adoptarão na ordenação dos usos e das actividades que se vão desenvolver nos espaços objecto do presente plano. A orientação principal da ordenação será a manutenção num estado de conservação favorável da biodiversidade dos espaços e, em especial, dos tipos de habitat de interesse comunitário e das espécies protegidas existentes neles. As necessidades de conservação e restauração deverão compatibilizar com os aproveitamentos tradicionais, cuja manutenção é fundamental para garantir o desenvolvimento das comunidades que vivem neste território. Para a sua consecução, o presente plano apoia-se nos seguintes instrumentos:

1. Uma zonificación do território compreendida no âmbito de aplicação deste plano, de carácter homoxéneo para o conjunto da rede de espaços, a partir da qual se definem as diferentes medidas de gestão que condicionen os usos, aproveitamentos e actuações em cada uma delas.

2. Uma regulação de usos e actividades, com o fim de garantir os objectivos de conservação da Rede Natura 2000, propostos pelas directivas 92/43/CEE e 2009/147/CE, assim como na normativa de âmbito estatal (Lei 42/2007, de 13 de dezembro) e autonómica (Lei 9/2001, de 21 de agosto). Regulação que se estabelece de forma genérica para todo o âmbito dos espaços protegidos que faz parte do âmbito de aplicação deste plano ou bem de forma específica para as diferentes unidades territoriais fixadas na zonificación do espaço.

Articulam-se assim as directrizes e normativas de gestão em três níveis, de modo que se dá cumprimento ao disposto nos números 4), 5), 6) e 7) do artigo 32.1 da Lei 9/2001, de 21 de agosto. O primeiro nível corresponde à normativa geral de ordenação e gestão, que marca os objectivos gerais de conservação dos espaços protegidos que faz parte do âmbito de aplicação deste plano (recolhendo os correspondentes às ZEC e ZEPA), assim como o desenvolvimento das actuações nos supracitados espaços protegidos e das políticas sectoriais que incidam sobre estes e sobre os seus valores. As normas gerais elaboram-se a partir dos objectivos e critérios orientadores derivados da normativa comunitária (Directivas 92/43 CEE, 2000/60/CE, 2009/147/CE e 2011/92/UE), estatal (Lei 42/2007, de 13 de dezembro e Lei 21/2013, de 9 de dezembro) e autonómica (Lei 9/2001, de 21 de agosto, Lei 9/2002, de 30 de dezembro e Lei 7/2008, de 7 de julho), assim como critérios próprios relativos à exclusão ou, se é caso, regulação de determinadas actividades.

Num segundo nível desenvolve-se a normativa geral para cada um dos componentes que conformam os espaços protegidos por este decreto, definindo, em consequência, objectivos, directrizes e normas de aplicação das principais actividades e projectos elaboradas a partir da legislação sectorial vigente. A normativa por componentes inclui um primeiro grupo denominado «meio físico», no qual se integram a atmosfera, a gela, os ecossistemas subterrâneos, as águas continentais e as águas e recursos marinhos. Num segundo grupo incluem-se os componentes da biodiversidade, que abrangem a paisagem, os habitats e as espécies, fazendo um tratamento independente para cada um dos subgrupos dentro dos dois últimos. Finalmente, inclui-se a normativa geral dos usos agropecuarios e florestais, do urbanismo e ordenação territorial, das infra-estruturas e obras, do uso público e actividades desportivas, dos componentes culturais e das actividades científicas e de monitoraxe.

O terceiro nível vem marcado pela normativa zonal, de modo que para cada uma das unidades de zonificación recollids e delimitadas no conjunto de espaços protegidos pelo âmbito de aplicação deste plano, em função da expressão territorial dos componentes da biodiversidade, propõem-se um regime de ordenação e gestão específico, que responde, em consequência, às diferentes necessidades de conservação e gestão e a diferentes graus de aproveitamento dos recursos naturais.

A adopção de medidas de protecção e conservação, em relação com planos, programas e projectos que, sem ter relação directa com as necessidades de gestão, pudessem provocar uma claque apreciable sobre a integridade do espaço ou dos seus componentes, realiza-se em conformidade com o artigo 6 da Directiva 92/43/CEE e do artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, assim como pela própria normativa de avaliação ambiental. Isto permite incrementar a segurança jurídica de verdadeiras actividades e, em concreto, daquelas de carácter tradicional, vinculadas ao sector primário (agricultura, gandaría, montes, pesca, marisqueo etc.), promovendo-se aquelas de carácter sustentável.

Os possíveis usos, actividades e aproveitamentos dos recursos naturais terão a consideração de permitidos, autorizables e proibidos em função da sua incidência sobre os valores que motivaram a declaração como ZEC.

CAPÍTULO I
Medidas e normativa geral

Artigo 21. Normativa geral

A normativa geral de ordenação e gestão marca os objectivos gerais de conservação dos espaços protegidos incluídos no âmbito de aplicação deste decreto (recolhendo os correspondentes às ZEC e ZEPA), assim como o desenvolvimento das actuações nos supracitados espaços protegidos e das políticas sectoriais que incidam sobre estes e sobre os seus valores. As normas gerais elaboram-se a partir dos objectivos e critérios orientadores derivados da normativa comunitária (Directivas 92/43/CEE, 2000/60/CE, 2009/147/CE e 2011/92/UE), estatal (Lei 42/2007, de 13 de dezembro, e Lei 21/2013, de 9 de dezembro) e autonómica (Lei 9/2001, de 21 de agosto, Lei 9/2002, de 30 de dezembro, e Lei 7/2008, de 7 de julho), junto com os objectivos gerais para a conservação que se estabelecem no título III do presente plano e os critérios próprios relativos à exclusão ou, se é o caso, à regulação de determinadas actividades.

Artigo 22. Directrizes

1. A gestão dos espaços e componentes da biodiversidade compreendidos no âmbito de aplicação deste decreto terá como objectivo alcançar um nível de protecção elevado, tendo presente a diversidade de situações existentes nos diferentes espaços e territórios. Baseará nos princípios de cautela e de acção preventiva. Quando haja perigo de dano grave ou irreversível, a falta de certeza científica absoluta não deverá utilizar-se como razão para postergar a adopção de medidas eficazes em função dos custos para impedir a degradación do meio.

2. Fomentar-se-á a utilização dos componentes naturais do espaço de um modo e a um ritmo que não ocasione a diminuição a longo prazo da biodiversidade, de modo que se assegurem as possibilidades de satisfazer as necessidades e as aspirações das gerações actuais e futuras.

3. Velará pela manutenção dos processos ecológicos essenciais e dos ecossistemas.

4. Velará pela preservação da variedade, singularidade e beleza dos ecossistemas naturais e da paisagem, evitando ou, se é o caso, minimizando, a degradación destes por elementos ou construções que suponham um elevado impacto visual, derivado da sua localização, materiais empregados ou das relações de texturas e cores utilizadas.

5. Dar-se-á preferência às medidas de conservação, preservação e restauração dos habitats naturais e seminaturais, fazendo especial fincapé naqueles considerados como prioritários ou de interesse comunitário.

6. Dar-se-á preferência às medidas de conservação, preservação e recuperação das espécies silvestres de flora e fauna, fazendo especial fincapé naquelas consideradas como protegidas por normativas internacionais, comunitárias, nacionais ou galegas.

7. Conceder-se-á prioridade às espécies de interesse para a conservação, às espécies endémicas ou que possuam uma área de distribuição limitada, assim como às espécies de fauna migratoria.

8. Dar-se-á preferência à conservação da diversidade genética das populações silvestres de flora e fauna, assim como à manutenção ou, se é o caso, à recuperação de raças, variedades e cultivos tradicionais que façam parte dos sistemas tradicionais de aproveitamento agrícola, ganadeiro ou florestal.

9. Evitar-se-á a introdução e proliferación de espécies, subespécies, raças geográficas, ou organismos geneticamente modificados, diferentes dos autóctones, na medida em que possam competir com estas, alterar a sua pureza genética ou provocar desequilíbrios ecológicos sobre os habitats naturais e seminaturais.

10. As actividades e actuações que se desenvolvam no espaço natural buscarão a manutenção dos reservorios naturais de carbono existentes no espaço natural, a redução das emissões de gases de efeito estufa, assim como uma maior eficiência no gasto dos recursos renováveis e no controlo integral dos resíduos e produtos poluente.

11. Evitar-se-á a realização de qualquer tipo de actividade que possa supor um risco de poluição das águas, tanto superficiais como subterrâneas.

12. Manter-se-ão as actividades e usos que sejam compatíveis com a conservação da biodiversidade e o uso sustentável dos recursos naturais.

13. Melhorar-se-á a qualidade de vida dos habitantes do espaço natural mediante a adopção de medidas de dinamización e desenvolvimento económico, dirigidas especialmente às actividades relacionadas com o uso público, o turismo e o aproveitamento sustentável dos recursos naturais.

14. Elaborar-se-á um programa de seguimento da realidade económica, sociolóxica e natural do espaço natural com o fim de poder avaliar axeitadamente a repercussão de programas e projectos sobre as características naturais do espaço.

15. Fá-se-á promoção do conhecimento dos valores naturais e culturais do espaço natural através da coordenação com outras administrações, a comunidade científica e a população local.

Artigo 23. Exclusão de actividades na Rede Natura 2000

1. O território delimitado pelo âmbito compreendido neste decreto considera-se como área de exclusão à hora de planificar e autorizar novas actividades e aproveitamentos mineiros a céu aberto. Com carácter excepcional poder-se-ão autorizar novas actividades extractivas a céu aberto naquelas áreas incluídas no âmbito de aplicação deste decreto que sejam identificadas como zonas com potencial mineiro pelo Plano sectorial de actividades extractivas da Galiza, definido ao abeiro do artigo 11 da Lei 3/2008, de 23 de maio, de ordenação da minaria da Galiza, ou que fiquem incluídas numa câmara municipal mineiro declarado ao abeiro do artigo 45 da Lei 3/2008, de 23 de maio.

As explorações em activo no momento da vigorada do presente plano poderão continuar com a sua actividade dentro das condições da sua autorização ou outorgamento.

A viabilidade das explorações mineiras solicitadas com anterioridade à vigorada do presente plano, assim como a ampliação das explorações que se encontrem em activo no dito momento, ficará supeditada ao procedimento de avaliação ambiental.

2. O território delimitado pelo âmbito deste plano considera-se como área de exclusão à hora de planificar e autorizar novos aproveitamentos industriais de:

a) Energia eólica, com excepção dos projectos de repotenciación, reparación ou substituição dos parques existentes, na forma que estabelece a normativa sectorial e uma vez verificada a sua compatibilidade mediante uma ajeitada avaliação das suas repercussões ambientais.

b) Energia hidroeléctrica, estabelecidos sobre canais fluviais, com excepção dos projectos de modernização, modificação ou ampliação, reparación ou substituição dos aproveitamentos hidráulicos existentes, assim como também os que sejam necessários para garantir a qualidade do meio que os sustenta.

c) Energia fotovoltaica, com excepção dos projectos de modificação dos existentes.

3. O território delimitado pelo âmbito deste decreto considera-se como área de exclusão à hora de planificar e autorizar novas actividades industriais que sejam incompatíveis com os objectivos de conservação da Rede Natura 2000, com excepção dos aproveitamentos de produção de energia eléctrica renovável que estejam incluídos no Plano energético da Galiza vigente e cuja viabilidade fica condicionada, ademais da o disposto pela normativa sectorial correspondente, ao sometemento dos projectos ao procedimento de avaliação ambiental. Os projectos experimentais de qualquer fonte de energia renovável situar-se-ão fora da Rede Natura 2000.

Artigo 24. Normativa geral dos espaços protegidos Rede Natura 2000

1. Naqueles territórios incluídos no âmbito territorial do Plano director que, pela sua condição de parque nacional ou parque natural, possuem um plano de ordenação dos recursos naturais, o presente plano director considera-se complementar dos objectivos, directrizes e normas incluídas nos ditos instrumentos de planeamento. Em particular, será aplicable a zonificación estabelecida no anexo III do presente plano, sem prejuízo da zonificación que se recolha nos instrumentos de ordenação específicos como consequência do planeamento de maior detalhe, que se manterá em vigor. Atender-se-á então à regulação de usos previstos no presente plano sem prejuízo da aplicação das limitações específicas que se recolhem nos ditos instrumentos.

2. A concessão das autorizações de usos e actividades, assim como daqueles planos, programas e projectos que não requerem da avaliação das repercussões a que se refere o artigo 45.4 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, e que têm a condição de autorizables segundo o disposto neste decreto, corresponde à pessoa titular da xefatura territorial competente em matéria de conservação da natureza por razão de território, depois de relatório ambiental emitido pelo serviço de conservação da natureza correspondente. Em caso que os usos e actividades, planos, programas ou projectos afectem mais de uma província, a concessão da autorização corresponderá à direcção geral competente em conservação da natureza.

Artigo 25. Usos permitidos

Considera-se uso permitido qualquer actividade compatível com os objectivos da declaração das ZEC e ZEPA. Pode, portanto, desenvolver-se sem limitações especiais, bem na sua totalidade ou bem nas áreas onde a categoria de zonificación assim o permita.

Com carácter geral, consideram-se usos ou actividades permitidos aqueles de carácter tradicional que são compatíveis com a protecção do espaço natural porque não causam claque apreciable, e todos aqueles não incluídos nos grupos de actividades proibidas ou sujeitas a autorização nem recolhidos na normativa específica contida neste plano.

Os usos permitidos não requerem autorização do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza, sem prejuízo do resto de autorizações sectoriais.

Artigo 26. Usos autorizables

1. São usos autorizables os que requerem autorização expressa do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza. Incluem-se também aqueles que requerem relatório preceptivo e vinculante do dito órgão em qualquer procedimento de autorização sectorial, que figurem como submetidos a relatório preceptivo nas epígrafes de normativa geral da secção terceira «Actividades» do presente título. Inclui-se também na categoria de uso autorizable qualquer plano, programa ou projecto que requeira avaliação das suas repercussões sobre o lugar, conforme as disposições deste decreto.

2. Com carácter geral, consideram-se usos ou actividades submetidos a autorização expressa do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza os seguintes:

a) Usos e actividades que não se correspondem com planos, programas ou projectos e que, de acordo com os contidos deste decreto, têm a condição de autorizables com o fim de avaliar com carácter prévio a compatibilidade da sua execução com a manutenção num estado de conservação favorável dos habitats e das espécies de interesse comunitário, dando assim cumprimento ao disposto nos artigos 6.2 da Directiva 92/43/CEE e 45.2 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

O órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza avaliará num informe se é previsível que o uso ou a actividade produza a deterioración directa ou indirecta dos habitats naturais e/ou dos habitats das espécies, ou alterações que repercutam nas espécies que motivaram a designação do espaço protegido Rede Natura 2000, e poderá estabelecer na autorização condições de execução ou medidas correctoras.

b) Os planos, programas e projectos que, sem ter uma relação directa com a gestão do espaço natural ou sem ser necessários para esta, possam afectar de forma apreciable o citado lugar, já seja individualmente ou em combinação com outros planos e projectos, de acordo com os artigos 6.3 da Directiva 92/43/CEE e 45.4 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, submeter-se-ão a uma ajeitada avaliação das suas repercussões no lugar, tendo em conta os objectivos de conservação do supracitado lugar. A avaliação das repercussões substanciarase mediante a emissão de um relatório ambiental que avaliará a incidência previsível do plano, programa ou projecto sobre a integridade do lugar e sobre o estado de conservação dos habitats e das espécies que motivaram a sua declaração como espaço protegido da Rede Natura 2000. Em vista das conclusões da avaliação das repercussões no lugar e supeditado ao disposto no número 6.4 da mencionada directiva, o organismo competente só se declarará de acordo com o supracitado plano ou projecto trás assegurar-se de que não causará prejuízo à integridade do lugar em questão e, se procede, trás submetê-lo a informação pública.

Se, apesar das conclusões negativas da avaliação das repercussões sobre o lugar e da falta de soluções alternativas, se deve realizar um plano, programa ou projecto por razões imperiosas de interesse público de primeira ordem (que, para cada suposto concreto, sejam declaradas mediante uma lei ou mediante acordo, motivado e público, do Conselho de Ministros ou do Conselho de Governo da Xunta de Galicia), incluídas razões de índole social ou económica, as administrações públicas competentes, de acordo com os artigos 6.4 da Directiva 92/43/CEE e 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, tomarão quantas medidas compensatorias sejam necessárias para garantir que a coerência global da Rede Natura 2000 fique protegida.

Todas aquelas actividades directamente relacionadas com a saúde humana e a segurança pública ou com outras razões imperiosas de interesse público de primeira ordem, ou se bem que possam ser objetivamente consideradas como acções positivas de primordial importância para o ambiente, sempre que cumpram com o disposto nos artigos 6 da Directiva 92/43 CEE e artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, em caso que o lugar considerado albergue um tipo de habitat natural e/ou espécie prioritários.

1º) Com carácter geral, consideram-se usos ou actividades submetidos a relatório preceptivo e vinculante do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza:

i) Aqueles usos e actividades que se recolham no presente decreto com a condição de autorizables.

ii) Aquelas que, de acordo com a legislação sectorial vigente, devam submeter à autorização de órgãos da Administração diferentes do competente em matéria de conservação da natureza por ser as competentes para a expedição da autorização, se bem que esta deverá supeditarse às condições estabelecidas no informe emitido pelo órgão competente em conservação da natureza conforme os objectivos do presente plano e da própria Rede Natura 2000. Em consequência, com carácter prévio à autorização, o órgão competente na matéria da autorização deverá solicitar ao órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza o relatório preceptivo do supracitado órgão.

Artigo 27. Usos proibidos

Considera-se uso proibido aquele que seja susceptível de causar prejuízo à integridade do lugar ou sobre o estado de conservação dos componentes chave para a biodiversidade (habitats e espécies protegidos) e, por conseguinte, é contrário aos objectivos de conservação da Rede Natura 2000, com excepção dos supostos nos que resultasse de aplicação o preceptuado nos números 5, 6 e 7 do artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

Artigo 28. Avaliação ambiental

1. Conforme o estabelecido no artigo 4 deste decreto, a avaliação ambiental de planos, programas e projectos que afectem os espaços protegidos incluídos no âmbito de aplicação do Plano director da Rede Natura 2000 estará regulada pela Lei 21/2013, de 9 de dezembro, de impacto ambiental, ou norma que a substitua.

2. Com o objecto de garantir o ajeitado cumprimento do artigo 7.2.b) da Lei 21/2013, de 9 de dezembro, a promoção de qualquer projecto no âmbito deste decreto deverá incluir a consulta prévia ao órgão ambiental competente em avaliação ambiental de para determinar se existe claque apreciable directa ou indirecta.

Artigo 29. Fomento de actividades socioeconómicas

1. Determinados usos e actividades que se desenvolvem no território resultam beneficiosos para a conservação de habitats e espécies de interesse comunitário. Em alguns casos a sua manutenção num estado de conservação favorável depende da persistencia da actividade económica.

2. A Xunta de Galicia promoverá no território delimitado pelos espaços Natura 2000 e no seu contorno o desenvolvimento daquelas actividades socioeconómicas que, conforme os objectivos de conservação do espaço, favoreçam a manutenção ou melhora do estado de conservação favorável dos habitats ou espécies de interesse comunitário.

Artigo 30. Promoção da custodia do território

1. As administrações públicas, ao abeiro do artigo 72 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, fomentarão a custodia do território mediante acordos entre entidades de custodia e proprietários de terrenos privados ou públicos que tenham por objectivo principal a conservação do património natural e a biodiversidade.

Artigo 31. Incentivos às externalidades positivas no âmbito da Rede Natura 2000 e dos acordos de custodia do território

1. De conformidade com o disposto no artigo 73 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, a Xunta de Galicia regulará os mecanismos e as condições para incentivar as externalidades positivas de terrenos que se situem em espaços declarados protegidos ou nos quais existam acordos de custodia do território devidamente formalizados pelos seus proprietários ante entidades de custodia. Para isso ter-se-ão em conta, entre outros, os seguintes serviços emprestados pelos ecossistemas:

a) A conservação, restauração e melhora do património natural, da biodiversidade, xeodiversidade e da paisagem em função das medidas especificamente adoptadas para tal fim, com especial atenção aos habitats e espécies ameaçados.

b) A fixação de dióxido de carbono como medida de contributo à mitigación da mudança climática.

c) A conservação dos solos e do regime hidrolóxico como medida de luta contra a desertificação, em função do grau em que a coberta vegetal e as práticas produtivas contribuam a reduzir a perda ou degradación do solo e dos recursos hídricos superficiais e subterrâneos.

d) A recarga de acuíferos e a prevenção de riscos geológicos.

e) Uso público e divulgação.

CAPÍTULO II
Medidas e normativa por componentes

Artigo 32. Disposições gerais

As medidas e normativa dos componentes nos espaços protegidos da Rede Natura 2000 articulam-se a partir dos objectivos, directrizes e normas geral que na actualidade vêm estabelecidos nas seguintes disposições legais:

– Directiva 92/43/CEE do Conselho, de 21 de maio, relativa à conservação dos habitats naturais e da flora e fauna silvestre.

– Directiva 2000/60/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 23 de outubro, pela que se estabelece um marco comunitário de actuação no âmbito da política de águas.

– Directiva 2008/56/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 17 de junho, pela que se estabelece um marco de acção comunitária para a política do meio marinho.

– Directiva 2008/99/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de novembro, relativa à protecção do ambiente mediante o direito penal.

– Directiva 2009/147/CE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 30 de novembro de 2009, de conservação das aves silvestres.

– Directiva 2011/92/UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 13 de dezembro de 2011, relativa à avaliação das repercussões de determinados projectos públicos e privados sobre o ambiente.

– Lei 22/1988, de 28 de julho, de costas.

– Real decreto legislativo 1/2001, de 20 de julho, pelo que se aprova o texto refundido da Lei de águas.

– Lei 43/2003, de 21 de novembro, de montes.

– Lei 42/2007, de 13 de dezembro, do património natural e da biodiversidade.

– Lei 45/2007, de 13 de dezembro, para o desenvolvimento sustentável do meio rural.

– Real decreto legislativo 2/2008, de 20 de junho, pelo que se aprova o texto refundido da Lei do solo.

– Lei 40/2010, de 29 de dezembro, de armazenamento geológico de dióxido de carbono.

– Lei 41/2010, de 29 de dezembro, de protecção do meio marinho.

– Real decreto lei 17/2012, de 4 de maio, de medidas urgentes em matéria de ambiente.

– Real decreto 1332/2012, de 14 de setembro, pelo que se aprova o Plano hidrolóxico da Demarcación Hidrográfica da Galiza-Costa.

– Lei 11/2012, de 19 de dezembro, de medidas urgentes em matéria de ambiente.

– Lei 21/2013, de 9 de dezembro, de avaliação ambiental.

– Lei 7/1992, de 24 de julho, de pesca fluvial da Galiza.

– Lei 9/2001, de 21 de agosto, de conservação da natureza da Galiza.

– Lei 9/2002, de 30 de dezembro, de ordenação urbanística e protecção do meio rural da Galiza.

– Lei 3/2007, de 9 de abril, de prevenção e defesa contra os incêndios florestais da Galiza.

– Lei 3/2008, de 23 de maio, de ordenação da minaria da Galiza.

– Lei 7/2008, de 7 de julho, de protecção da paisagem da Galiza.

– Lei 11/2008, de 3 de dezembro, de pesca da Galiza.

– Lei 9/2010, de 4 de novembro, de águas da Galiza.

– Lei 6/2011, de 13 de outubro, de mobilidade de terras.

– Lei 7/2012, de 28 de junho, de montes da Galiza.

– Lei 13/2013, de 23 de dezembro, de caça da Galiza.

Secção 1ª. Meio físico

Artigo 33. Atmosfera

1. Objectivos.

a) Procurar manter a qualidade do ar, limitando no espaço natural a emissão de substancias poluentes em concentrações tais que modifiquem a qualidade do ar por riba dos níveis autorizados.

b) Vigiar o cumprimento da normativa de carácter comunitário, estatal e autonómica relativa às emissões atmosféricas de pó, olores e ruído, produzidos pelas diferentes actividades que se desenvolvem no âmbito do espaço natural.

c) Controlar os níveis de elementos poluentes presentes no espaço natural.

2. Directrizes.

a) Promover-se-ão as medidas correctoras necessárias para minimizar ou, de ser o caso, eliminar as fontes de emissão de olores desagradables ou ruídos molestos.

b) Promover-se-ão as medidas correctoras necessárias para minimizar os efeitos da poluição lumínica.

c) Tomar-se-ão as medidas necessárias para limitar a poluição lumínica. Nas novas instalações ou infra-estruturas evitar-se-á a emissão de luz directa para o céu e evitar-se-ão excessos nos níveis de iluminación.

3. Normativa geral.

Com carácter geral, e em matéria de planeamento e gestão dos recursos atmosféricos, aplicar-se-á, em conformidade com os artigos 6 da Directiva 92/43/CEE e 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, o disposto na normativa sectorial europeia, estatal e galega que resulte de aplicação.

Artigo 34. Gela

1. Objectivos.

a) Conservar a xeodiversidade e promover o aproveitamento sustentável dos recursos da gela.

b) Estabelecer medidas preventivas para impedir a progressiva perda de solo.

c) Os usos e aproveitamentos do solo velarão por manter ou aumentar a capacidade de sequestro de carbono, dada a sua importância na mitigación dos efeitos derivados da mudança climática global.

2. Directrizes.

a) Velar-se-á por manter as características químicas, estruturais e de textura dos solos, das quais depende em boa medida a sua vegetação, e para evitar o aparecimento de fenômenos erosivos por causas antrópicas.

b) Tender-se-á a conservar aquelas superfícies com pendente superior ao 50 % sobre as quais se desenvolvam habitats naturais ou, de ser o caso, plantações florestais.

c) A utilização do solo com fins agrícolas, florestais e ganadeiros deverá realizar-se de forma sustentável, para assegurar a manutenção do seu potencial biológico e da sua capacidade produtiva.

d) Realizar-se-ão gestões para que todas as actividades extractivas existentes disponham dos planos de restauração pertinentes e velar-se-á pelo seu cumprimento.

e) Os planos de restauração mineira terão como objectivos preferentes a recuperação paisagística, assim como a recuperação dos habitats de interesse comunitário e das áreas prioritárias das espécies de interesse para a conservação.

f) Inventariaranse e diagnosticaranse os recursos geológicos e geomorfológicos e adoptar-se-ão as medidas que sejam precisas para a sua protecção e conservação.

g) Nas autorizações e nos procedimentos de avaliação ambiental ter-se-ão em consideração as singularidades geológicas e geomorfológicas do território, tanto devido ao seu valor intrínseco (xeodiversidade) como ao constituirem uma parte essencial de diversos tipos de habitat de interesse comunitário e prioritário (biodiversidade), promovendo a sua conservação ou, de ser o caso, estabelecendo medidas compensatorias com o fim de reduzir o impacto sobre eles.

3. Normativa geral.

Com carácter geral, e em matéria de planeamento e gestão dos recursos da gela, aplicar-se-á em conformidade com o artigo 6 da Directiva 92/43/CEE e com o artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, o disposto na normativa que resulte de aplicação.

Artigo 35. Meios subterrâneos

1. Objectivos.

a) Conservar e, de ser o caso, restaurar os componentes biológicos, geológicos, geomorfológicos, hidrolóxicos, paleontolóxicos e arqueológicos dos ecossistemas subterrâneos.

b) Ordenar e promover o seu aproveitamento sustentável.

2. Directrizes.

a) Velar-se-á por identificar as actuações prioritárias e desenvolver os instrumentos precisos para assegurar a manutenção do estado e funcionalidade dos ecossistemas subterrâneos.

b) Dar-se-á prioridade à protecção dos habitats e das populações de espécies cavernícolas sobre qualquer outra actividade que possa desenvolver nos ecossistemas subterrâneos.

c) Proteger-se-á o património arqueológico e paleontolóxico albergado nos ecossistemas subterrâneos.

3. Normativa geral.

Com carácter geral, e em matéria de planeamento e gestão dos recursos dos ecossistemas subterrâneos, aplicar-se-á, em conformidade com o artigo 6 da Directiva 92/43/CEE e com o artigo 45 da Lei 42/2007, o disposto na normativa que resulte de aplicação.

Artigo 36. Águas continentais, de transição e costeiras

1. Objectivos.

a) Estabelecer um marco para a protecção das águas superficiais continentais, as águas de transição, as águas costeiras e as águas subterrâneas que:

1º) Previna toda deterioración adicional e proteja e melhore o estado dos ecossistemas aquáticos e, com respeito à suas necessidades de água, dos ecossistemas terrestres e zonas húmidas directamente dependentes dos ecossistemas aquáticos.

2º) Promova um uso sustentável da água baseado na protecção a longo prazo dos recursos hídricos disponíveis.

3º) Tenha por objecto uma maior protecção e melhora do meio aquático, entre outras formas mediante medidas específicas de redução progressiva das verteduras, as emissões e as perdas de substancias prioritárias, e mediante a interrupção ou a supresión gradual das verteduras, as emissões e as perdas de substancias perigosas prioritárias.

4º) Garanta a redução progressiva da poluição da água subterrânea e evite novas poluições, e contribua a paliar os efeitos das inundações e das secas.

5º) Contribua a reduzir de forma significativa a poluição das águas subterrâneas.

6º) Contribua a proteger as águas territoriais e marinhas e a alcançar os objectivos dos acordos internacionais pertinentes, incluídos aqueles que têm como finalidade prevenir e erradicar a poluição do meio marinho.

7º) Mantenha a coerência com os objectivos ambientais recolhidos no planeamento hidrolóxica de cada demarcación.

2. Directrizes.

a) Preservar-se-á a qualidade da água, tanto superficial como subterrânea, e assegurar-se-ão os caudais ecológicos mínimos estabelecidos pelos planos hidrolóxicos de bacía.

b) O órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza velará pela conservação das margens, canais e ribeiras dos cursos de água assim definidos pela legislação de águas. A este respeito minimizar-se-ão os impactos que pudesse produzir a realização de obras que suponham a modificação da estrutura ou vegetação característica destes elementos. Emprestar-se-á especial atenção à protecção das zonas húmidas.

c) Procurar-se-á conseguir, no menor prazo possível, o ajeitado tratamento de depuración para as verteduras, já sejam urbanas, industriais, agrícolas ou ganadeiras, e velar-se-á em todo momento por manter a qualidade das águas.

d) Estabelecer-se-ão mecanismos de coordenação com os organismos de bacía para assegurar a eficácia das medidas de protecção e actuação.

e) No tratamento das águas residuais tender-se-á a cumprir os objectivos de qualidade mais estritos, desde o ponto de vista ambiental, entre as normativas técnicas existentes.

f) Para os efeitos de conservação e planeamento dos corredores fluviais e das zonas húmidas, considerar-se-ão como limites territoriais os estabelecidos pela normativa vigente em relação com a zona de polícia estipulada nas margens ou, de ser o caso, com a porção das margens que alberga representações de habitats de interesse comunitário do anexo I da Directiva 92/43/CEE característicos de médios hidrófilos, higrófilos ou turfófilos.

g) Velar-se-á para que as autorizações de captações e aproveitamentos de águas nas zonas húmidas ou na sua área de captação não suponham uma claque apreciable sobre os recursos hídricos da zona húmida e sobre a manutenção dos ecossistemas e comunidades de flora e fauna que estes albergam.

h) Nas áreas costeiras as autorizações de captações e aproveitamentos de águas evitarão a progressão da cuña salina e, por conseguinte, a salinización artificial das zonas húmidas.

3. Normativa geral.

Com carácter geral, e em matéria de planeamento e gestão das águas continentais, aplicar-se-á em conformidade com os artigos 6 da Directiva 92/43/CEE e 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, o disposto na normativa sectorial de águas que resulte de aplicação.

Artigo 37. Águas marinhas

1. Os seguintes objectivos e directrizes formulam no âmbito competencial da Comunidade Autónoma da Galiza e percebem-se sem prejuízo das competências que possa possuir o Estado.

2. Objectivos.

a) Proteger e preservar o meio marinho, evitar a sua deterioración ou, na medida do possível, recuperar os ecossistemas marinhos nas zonas que fossem afectadas negativamente.

b) Tomar medidas preventivas e reduzir as verteduras ao meio marinho, com a finalidade de eliminar progressivamente a poluição do mar.

c) Promover a conservação e o uso sustentável dos recursos marinhos.

3. Directrizes.

a) Os aproveitamentos dos recursos marinhos deverão realizar no espaço natural de modo que não suponham uma mingua no estado de conservação dos habitats tipificados no anexo I da Directiva 92/43/CEE, assim como das áreas prioritárias de espécies de interesse para a conservação.

1º) O desenvolvimento das actividades de acuicultura, assim como a instalação dos seus estabelecimentos, deverão ser levados a cabo incorporando os critérios, princípios e normas estabelecidos no Plano director de acuicultura da Galiza, e adaptando-se em todo momento à normativa sectorial vigente.

b) Como carácter geral, no espaço natural poder-se-ão realizar actividades de pesca de recreio, de acordo com o estabelecido no Decreto 211/1999, de 17 de junho, pelo que se regula a pesca marítima de recreio.

c) Com o fim de garantir a conservação dos habitats naturais de interesse comunitário e das espécies de interesse para a conservação, o órgão autonómico competente em matéria de pesca e assuntos marítimos, em coordenação com o órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza, poderá estabelecer normas de gestão específicas para os aproveitamentos dos recursos marinhos dentro do espaço natural.

d) Procurar-se-á conseguir, no menor prazo possível, o ajeitado tratamento de depuración para as verteduras, já seja urbanas, industriais, agrícolas ou ganadeiras, e velar-se-á em todo momento por manter a qualidade das águas marinhas para que não se produzam impactos ou riscos graves para a biodiversidade marinha, os ecossistemas marinhos, a saúde humana ou os usos tradicionais do mar.

e) Estabelecer-se-ão mecanismos de coordenação com os organismos de bacía para assegurar a eficácia das medidas de protecção e actuação.

f) Os argazos depositados nas praias de areia e coídos configuram o habitat de interesse comunitário 1210. Por isso se regulará o seu aproveitamento ou a sua retirada como parte dos labores de limpeza que se realizam em muitas praias, com o fim de evitar a sua mingua ou desaparecimento dentro do espaço natural.

3. Normativa geral.

Com carácter geral, e em matéria de planeamento e gestão das águas marinhas, aplicar-se-á em conformidade com os artigos 6 da Directiva 92/43/CEE e 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, o disposto na normativa sectorial de águas que resulte de aplicação, assim como no planeamento sectorial em vigor.

Secção 2ª. Biodiversidade

Artigo 38. Disposições gerais

A epígrafe relativa a medidas de gestão e normativa referidas aos componentes da biodiversidade nos espaços protegidos Rede Natura 2000 estrutúrase em três subepígrafes: paisagem, habitats e espécies de interesse para a conservação. As estas medidas e normativas articulam-se a partir dos objectivos, directrizes e normas geral que na actualidade vêm estabelecidos nas Directivas 2009/147/CE e 92/43/CEE; na Lei 42/2007, de 13 de dezembro; e nas Leis 9/2001, de 21 de agosto, e 7/2008, de 7 de julho.

Subsección 1ª. Paisagem

Artigo 39. Paisagem

1. Objectivos.

a) O reconhecimento, a protecção, a gestão e a ordenação da paisagem com o fim de preservar todos os elementos que a configuram num marco de desenvolvimento sustentável, percebendo que a paisagem exerce uma função principal de interesse geral nos campos ambientais, culturais, sociais e económicos.

b) Manter num estado de conservação favorável os tipos de paisagens existentes no espaço natural, assim como manter as actividades sustentáveis que os modelaron (agricultura, silvicultura e gandaría), os costumes tradicionais existentes e os componentes naturais e elementos construtivos destes.

c) Mitigar os elementos artificiais que a nível estrutural e funcional actuam como barreiras, assim como fortalecer a conservação daqueles de carácter natural ou seminatural que constituem corredores ecológicos que resultam essenciais para a migración, a distribuição geográfica e o intercâmbio genético das espécies silvestres.

d) Nas actuações susceptíveis de alterar ou modificar a paisagem natural do espaço natural ter-se-ão especialmente em conta as suas repercussões sobre a qualidade paisagística e adoptar-se-ão quantas medidas sejam necessárias com o objecto de minimizar as consequências. Em tal sentido, os projectos que tenham por objecto este tipo de actuações e especial incidência sobre a paisagem supervisionarão com o fim de garantir o cumprimento do expressado neste artigo.

2. Directrizes.

a) Estabelecer-se-á um programa de recuperação daquelas áreas que contenham elementos da paisagem degradados e priorizaranse as áreas de maior acessibilidade visual.

b) Restaurar-se-á a qualidade paisagística ali onde fosse deteriorada por acções humanas, como movimentos de terra, actividades extractivas, abertura de pistas e caminhos ou de qualquer outro tipo.

c) Procurar-se-á evitar a introdução no meio natural de qualquer elemento artificial que limite o campo visual ou rompa a harmonia da paisagem. Não obstante, poderão estabelecer-se as infra-estruturas que sejam imprescindíveis, de acordo com as prescrições do presente plano, procurando minimizar o seu impacto sobre o médio.

d) Velará pela manutenção do território do espaço natural livre de resíduos e verteduras, e aplicar-se-á a normativa vigente na matéria. Eliminar-se-ão os vertedoiros e entulleiras incontrolados.

e) Ter-se-ão em conta critérios paisagísticos no planeamento dos repovoamentos florestais e a ordenação das massas arborizadas preexistentes.

f) O impacto paisagístico deverá ser especialmente tido em conta nos projectos de infra-estruturas lineais e nas actuações realizadas em áreas de alta visibilidade.

g) O órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza poderá determinar aquelas singularidades da paisagem, tanto elementos naturais como culturais, que devam ser preservados e delimitará o seu âmbito de protecção, tendo em conta a sua bacía visual.

h) O órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza velará para que os repovoamentos florestais e os tratamentos silvícolas não suponham uma deterioración apreciable da paisagem característica do espaço natural.

3. Normativa geral.

Com carácter geral, e em matéria de planeamento e gestão da paisagem, aplicar-se-á em conformidade com os artigos 6 da Directiva 92/43/CEE e 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro, o disposto na normativa que resulte de aplicação.

Subsección 2ª. Habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE

Artigo 40. Habitats de interesse comunitário

1. Objectivos.

a) Manter ou, de ser o caso, restabelecer num estado de conservação favorável os habitats naturais prioritários e de interesse comunitário incluídos no anexo I da Directiva 92/43/CEE.

b) Regular e fomentar o uso sustentável dos habitats naturais e seminaturais e, de modo especial, daqueles que possuem uma área de distribuição reduzida no espaço natural, assim como no conjunto da Rede Natura 2000.

c) Melhorar e completar o inventário dos tipos de habitat naturais prioritários e de interesse comunitário e estabelecer um protocolo de seguimento do seu estado de conservação.

2. Directrizes.

a) Os critérios de gestão dos tipos de habitat reger-se-ão, em ausência de especificações concretas, pelo estabelecido no artigo 6 da Directiva/92/43/CEE e no artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

b) Estabelecer-se-ão medidas específicas de gestão para os habitats de maior fragilidade ecológica ou para aqueles que possuem uma escassa representação territorial no âmbito do espaço natural ou do conjunto da Rede Natura 2000 na Galiza.

c) Dar-se-á prioridade, ali onde se apresentem os habitats incluídos no anexo I da Directiva 92/43/CEE, à conservação e regeneração natural destes face a qualquer outro tipo de actuação.

d) Dar-se-á prioridade à conservação dos habitats que alberguem áreas prioritárias de espécies de flora ou fauna silvestre de interesse para a conservação.

e) Dar-se-á prioridade à protecção e conservação dos habitats de espécies de especial interesse pelo seu carácter endémico, a sua situação de ameaça ou por estarem no limite da sua área de distribuição.

f) Desenvolver-se-á um conjunto de indicadores que permitam analisar e avaliar o estado de conservação dos habitats para tomar, se é o caso, as medidas de protecção, conservação e restauração que se considerem necessárias.

g) Para os efeitos de gestão do espaço natural, e quando não exista uma demarcação territorial concreta dos corredores fluviais e das zonas húmidas, consideram-se como área mínima os limites do domínio público mais a zona de servidão e polícia, definidas na normativa básica sobre águas continentais, ou bem a área delimitada pela existência de habitats e espécies característicos dos ecossistemas aquáticos e das zonas húmidas.

3. Normativa geral.

As actuações não vinculadas com as necessidades de conservação e gestão dos componentes da biodiversidade ou aquelas não recolhidas nos supostos de actividades permitidas ou autorizables estabelecidas no presente plano, que possam afectar de maneira apreciable, individualmente ou em combinação com outras actuações, o espaço natural ou o estado de conservação de um tipo de habitat incluído no anexo I da Directiva 92/43/CEE, deverão contar com a autorização do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza.

Artigo 41. Habitats marinhos

1. Relação entre habitats e unidades ambiental.

a) Em relação com os habitats do meio marinho, no anexo I da Directiva 92/43/CEE incluem-se unicamente tipos de habitat pertencentes ao domínio litoral, e em concreto zonas ecológicas próximas à costa (11 Águas marinhas e médios de maré). As unidades ambientais em que se inclui este tipo de habitats são a UA110 Águas marinhas profundas afastadas da costa, e a UA111 Águas marinhas próximas à costa.

As de águas marinhas pouco profundas correspondem a diversos trechos de baías, estreitos, enseadas e rias afastadas da faixa costeira e cujos leitos estão permanentemente cobertos por águas marinhas. As águas peláxicas e o médio bentónico albergam uma grande diversidade de espécies, que são o sustento de uma importante actividade pesqueira. A maior parte das espécies vegetais que compõem o médio bentónico permanecem ancoradas à superfície, necessidade imposta pela extrema ondada e as correntes, condições às cales estas espécies respondem por meio de adaptações morfológicas e fisiolóxicas, ao mesmo tempo que actuam como obstáculos que facilitam a deposición e acumulación de sedimentos na faixa sublitoral. Os leitos marinhos situados em zonas protegidas desempenham o papel de refúgio para a fauna marinha atraída pela oportunidade de obter alimento e protecção.

b) Os tipos de habitat incluídos neste grupo são o tipo 1110 Bancos de areia cobertos permanentemente por água marinha pouco profunda, e o tipo 1160 Grandes calas e baías pouco fundas.

Os habitats de contacto são frequentemente tipos associados à faixa costeira, como os tipos 1130 Esteiros, 1140 Planícies lamacentas ou arenosas não cobertas de água na baixamar, 1170 Recifes, 1210 Vegetação anual sobre argazos, 1220 Vegetação perene de coídos, 1230 Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas.

2. Objectivos de conservação.

a) Manter ou, de ser o caso, restaurar o estado ecológico dos ecossistemas marinhos.

b) Tomar medidas preventivas para impedir a progressiva poluição do mar.

c) Reforçar o papel dos meios marinhos como reguladores de gases, do clima e de perturbacións naturais.

3. Actuações que são susceptíveis de gerar um estado de conservação favorável dos habitats de interesse comunitário ou a sua recuperação.

a) A eliminação de verteduras não autorizadas que causem poluição às águas e aos sedimentos marinhos.

4. Actuações que não supõem uma claque apreciable sobre o estado de conservação dos habitats de interesse comunitário.

a) A retirada de algas e argazos quando afectem significativamente a manutenção dos bancos marisqueiros, e se realizem de forma exclusiva e controlada sobre estas áreas.

b) A pesca de carácter desportivo, que se regerá pela normativa sectorial vigente, assim como pelas regulações que possa estabelecer o órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza de acordo com o artigo 6 da Directiva 92/43/CEE e com o artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

c) As actividades de uso público e recreativo sempre e quando sejam levadas a cabo baixo as disposições das normativas sectoriais, as regulações estabelecidas pelo órgão competente em matéria de conservação da natureza, e pelas disposições estabelecidas no presente plano.

5. Actuações que podem afectar de forma apreciable o estado de conservação dos habitats de interesse comunitário.

a) A introdução ou expansão de espécies alóctonas que afectem de modo significativo a estrutura, funcionamento e composição taxonómica dos ecossistemas marinhos naturais.

b) A construção de infra-estruturas que afectem a dinâmica mareal (amplitude e correntes mareais) e da ondaxe, provocando alterações nas condições ecológicas ou perdas significativas de superfícies representadas por habitats de interesse comunitário.

c) A realização de mudanças na morfologia do sistema de fundos mediante processos de dragaxes, causando a alteração dos sedimentos e das comunidades bentónicas.

d) O furtivismo, assim como qualquer aproveitamento indiscriminado e contrário às normativas sectoriais.

6. Indicadores de seguimento.

Desenvolver-se-á um conjunto de indicadores que permitam vigiar e controlar o estado de conservação dos habitats marinhos e das populações de flora e fauna marinhas para tomar, se é o caso, as medidas de protecção, conservação e restauração que se considerem necessárias, para o qual se considerará o estado das massas de água recolhido nos planos hidrolóxicos de bacía que são periodicamente notificados à Comissão Europeia. Entre estes indicadores cabe citar:

a) Superfície ocupada pelos habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

b) Estado da estrutura e funções específicas dos habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

c) Área de presença, número de populações e efectivos das espécies marinhas protegidas.

Artigo 42. Habitats costeiros

1. Relação entre habitats e unidades ambiental.

a) Em relação com os habitats do meio marinho, no anexo I da Directiva 92/43/CEE incluem-se unicamente tipos de habitat pertencentes ao domínio litoral, e em concreto zonas ecológicas próximas à costa (11 Águas marinhas e médios de maré), assim como à maior parte dos habitats naturais e seminaturais que configuram o espaço costeiro.

A importante gradación na distribuição dos ecossistemas costeiros implica que para inventariar, cartografar e xeorreferenciar este grupo de habitats seja necessário estabelecer um importante número de unidades ambientais que registem as variações que é possível encontrar na faixa costeira: UA120 Esteiros, UA130 Marismas, UA140 Lagoas costeiras e litorais, UA141 Grandes superfícies de carrizais litorais, UA150 Praias, UA151 Dunas costeiras activas, UA152 Depressões intradunares húmidas, UA153 Dunas remontantes, UA154 Sistemas dunares fosilizados, UA160 Morfologias rochosas eulitorais, UA161 Cantís costeiros, UA162 Pendentes e depósitos costeiros alçados.

b) Em consequência, este grupo alberga um importante conjunto de tipos de habitat do anexo I da Directiva 92/43/CEE, entre os quais podem ser citados vários exemplos de tipos prioritários.

Os esteiros são um dos tipos presentes, correspondendo-se com o 1130 Esteiros, assim como o correspondente às planícies intermareais, o 1140 Planícies lamacentas ou arenosas não cobertas de água na baixamar. Assim mesmo, no meio costeiro galego contamos com importantes representações de lagoas costeiras, que constituem um tipo de habitat prioritário, 1150* Lagoas costeiras.

No tocante aos cantís rochosos, estes apresentam uma gradación do grau de salinidade e humidade que permite diferenciar ata um total de 5 tipos de habitat: 1170 Recifes, 8330 Furnas marinhas, 1210 Vegetação anual sobre argazos, 1220 Vegetação perene de coídos, 1230 Cantís com vegetação das costas atlânticas e bálticas. Na parte superior destes, nas encostas e depósitos costeiros, aparecem formações arbustivas, que quando possuem a presença de Erica vagans podem ser identificadas como o tipo prioritário 4040* Queirogais secos atlânticos costeiros de Erica vagans, enquanto que nos casos restantes os tipos presentes serão o 4020* Queirogais húmidos atlânticos de Erica ciliaris e Erica tetralix (considerado prioritário) ou o 4030 Queirogais secos europeus, em função da natureza higrófila da formação em questão.

As marismas, por sua parte, apresentam também uma rica diversidade de tipos de habitat, como o 1310 Vegetação anual pioneira com Salicornia e outras espécies de zonas lamacentas ou arenosas, 1320 Pasteiros de Spartina, 1330 Pasteiros halófilos atlânticos (Glauco-Puccinellietalia maritimae), 1420 Matagais halófilas mediterrâneas e termoatlánticas, ou o tipo prioritário 7210* Turfeiras calcárias do Cladium mariscus e com espécies do Caricion davallianae. Os sistemas dunares da Galiza possuem um importante conjunto de tipos de habitat, com até 7 representações, das cales duas são prioritárias: 2110, 2120, 2130*, 2150*, 2190, 2230 e 2260.

A duna embrionária (2110) situa-se em contacto directo com a parte mais elevada da praia, é a mais rica em sales solubles e a flora característica (Cakile maritima, Atriplex prostata, Euphorbia peplis, etc.) aparece especialmente adaptada à alta salinidade existente e à instabilidade do substrato. Por detrás forma-se a crista da duna ou Duna primária (2120), colonizada por gramíneas rizomatosas (Elymus farctus, Ammophila arenaria) que desempenham um papel crucial como fixadores da areia. Para o interior do continente as condições de estabilidade do substrato e a diminuição da salinidade possibilitam o assentamento de um maior elenco de espécies, e incrementa-se o conteúdo em matéria orgânica no solo dunar, que adquire uma coloração gris característica que da nome à Duna costeira fixa com vegetação herbácea («dunas grises») (2130*) com espécies características como Iberis procumbens, Armeria pungens, Artemisia crithmifolia, Scrophularia frutescens, Helichrysum picardii, Silene littorea, etc. Quando estas dunas possuem uma maior estabilidade e menor salinidade, soem ser frequentemente colonizadas por espécies arbustivas, o que constitui outro tipo de habitat prioritário: o tipo 2150* Dunas fixas descalcificadas atlânticas (Calluno-Ulicetea).

Outros tipos que aparecem com menor frequência nas dunas galegas são os 2230 Dunas com relvados do Malcomietalia e 2260 Dunas com vegetação esclerófila do Cisto-Lavanduletalia. Nas áreas dunares nas cales o substrato se encontra mais empobrecido em sales e com menor conteúdo em carbonatos podem desenvolver-se espécies arbóreas, como o sobreiro (Quercus suber), o medronheiro (Arbutus unedo) ou o loureiro (Laurus nobilis).

Por outra parte, no interior das dunas podem existir zonas que se mantêm permanentemente húmidas em profundidade graças a achegas freáticas de água marinha ou continental, favorecendo o aparecimento de espécies higrófilas como Juncus acutus, Scirpus holoschoenus, Thypha latifolia e formações arborizadas de Salix spp., entre outras, sobre solos de texturas arenosas e com verdadeiro conteúdo em matéria orgânica. Este habitat encontra-se tipificado no anexo I da Directiva 92/43/CEE como Depressões intradunales húmidas (2190).

2. Objectivos de conservação.

a) Manter um estado de conservação favorável dos ecossistemas costeiros.

b) Conservar a biodiversidade e xeodiversidade, assim como a complexidade ambiental dos meios costeiros.

c) Fomentar o aproveitamento racional dos recursos, compatibilizando com os valores de conservação da zona costeira e que permitam garantir o equilíbrio dos processos naturais.

d) Contribuir a proteger as águas territoriais e marinhas e a alcançar os objectivos dos acordos internacionais pertinentes, incluídos aqueles que têm como finalidade prevenir e erradicar a poluição do meio marinho.

3. Actuações que são susceptíveis de gerar um estado de conservação favorável dos habitats de interesse comunitário ou a sua recuperação.

a) Estabelecimento de medidas de conservação e recuperação dos habitats costeiros prioritários, como dunas (2130*, 2150*), queirogais húmidos e costeiros (4020*, 4040*), marismas (7210*) e lagoas costeiras (1150*), paralelamente ao controlo e erradicação de espécies invasoras presentes nos médios costeiros.

b) Eliminação das verteduras directas de qualquer tipo sobre as lagoas costeiras (1150*), assim como aquelas que cheguem aos seus canais de alimentação e que provoquem uma claque no estado ecológico e químico das águas ou que não contem com a devida autorização.

4. Actuações que não supõem uma claque apreciable sobre o estado de conservação dos habitats de interesse comunitário.

a) A retirada de algas e argazos quando afectem significativamente a manutenção dos bancos marisqueiros.

b) A recolhida parcial, e manual, de argazos em zonas de praias por parte das comunidades locais para fins agrícolas mediante técnicas manuais, sem que em nenhum caso se gerem claques apreciables sobre a estrutura, funcionamento e composição taxonómica dos ecossistemas naturais costeiros, e especialmente sobre o tipo de habitat 1210, assim como sobre as áreas prioritárias das espécies de interesse para a conservação.

c) A retirada parcial e manual de algas das praias no período estival quando possam gerar graves problemas no uso público. Esta realizar-se-á evitando em todo momento provocar uma claque apreciable sobre a estrutura, funcionamento e composição taxonómica dos ecossistemas naturais costeiros, e especialmente sobre o tipo de habitat 1210, assim como sobre as áreas prioritárias das espécies de interesse para a conservação.

d) A pesca de carácter desportivo, que se regerá pela normativa sectorial vigente, assim como pelas regulações que possa estabelecer o órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza ao abeiro do artigo 6 da Directiva 92/43/CEE e do artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

e) As actividades de uso público e recreativo sempre e quando sejam levadas a cabo baixo as disposições normativas sectoriais, as regulações estabelecidas pelo órgão competente em matéria de conservação da natureza, e segundo o estabelecido no artigo 6 da Directiva 92/43/CEE e no artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

5. Actuações que podem afectar de forma apreciable o estado de conservação dos habitats de interesse comunitário.

a) A destruição, subsolado, sangrado, rozas mecânicas que possam levar consigo uma mingua na superfície ocupada, estrutura, funcionamento e composição taxonómica das lagoas costeiras e marismas (1150*, 1140, 1310, 1320, 1330, 7210*).

b) O depósito de lodos de estações de tratamento de águas residuais industriais ou urbanas sobre os tipos de habitat costeiros de interesse comunitário.

c) As mudanças de uso que afectem de forma apreciable o estado de conservação dos habitats costeiros de interesse comunitário ou das áreas prioritárias das espécies costeiras de interesse para a conservação.

d) A criação de novos pasteiros ou terrenos de labor sobre os habitats lacunares e marismas (1150*, 1140, 1310, 1320, 1330, 7210*) que suponham a destruição ou redução significativa da superfície ocupada pelos habitats costeiros protegidos ou bem das áreas prioritárias das espécies costeiras de interesse para a conservação.

e) A eliminação de sebes e bosquetes nas áreas de aproveitamento agrícola ou ganadeiro.

f) O uso incontrolado e sem autorização de biocidas sobre os habitats protegidos e as espécies de interesse para a conservação.

g) A fumigación não autorizada com equipamentos aéreos sem autorização do órgão competente em matéria de conservação da natureza.

h) A libertação indiscriminada no meio natural de organismos modificados geneticamente, quando possam afectar o acervo genético das espécies de interesse comunitário ou bem possam exercer face a estas uma maior competência pelo aproveitamento dos recursos naturais.

i) Introduções de espécimes alóctonos de carácter invasor que possam provocar uma alteração apreciable sobre a estrutura, funcionamento e composição taxonómica dos ecossistemas naturais costeiros ou sobre as áreas prioritárias das espécies costeiras de interesse para a conservação.

j) As novas plantações que possam gerar uma claque significativa sobre a integridade do espaço natural, sobre a estrutura, funcionamento e composição taxonómica dos ecossistemas naturais costeiros ou sobre as áreas prioritárias das espécies de interesse para a conservação, incluindo especialmente o repovoamento ou plantação de espécimes alóctonos com exemplares de Eucalyptus, Pinus, Pseudotsuga, Quercus rubra, etc.

k) A circulação e o uso de veículos ou maquinaria sobre habitats costeiros do anexo I da Directiva 92/43/CEE ou áreas prioritárias de espécies de interesse para a conservação, sem a autorização expressa do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza.

l) O depósito de materiais sobrantes de cortas ou outros aproveitamentos florestais sobre habitats costeiros do anexo I da Directiva 92/43/CEE ou áreas prioritárias de espécies de interesse para a conservação.

m) As verteduras não autorizadas que causem poluição nas zonas húmidas costeiras (esteiros, marismas, lagoas costeiras, depressões intradunares e zonas húmidas seminaturais) e nas zonas intermareais.

n) O furtivismo, assim como qualquer aproveitamento indiscriminado e contrário às normativas sectoriais.

ñ) A construção de infra-estruturas que afectem a dinâmica mareal (amplitude e correntes mareais) e da ondada, provocando perdas de superfícies intermareais.

o) A extracção de areia de praias e ecossistemas dunares sem autorização expressa por parte do órgão competente em matéria de conservação da natureza.

6. Indicadores de seguimento.

Desenvolver-se-á um conjunto de indicadores que permitam vigiar e controlar o estado de conservação dos habitats costeiros e das populações de flora e fauna costeiras para tomar, se é o caso, as medidas de protecção, conservação e restauração que se considerem necessárias, para o que se considerará o estado das massas de água recolhido nos planos hidrolóxicos de bacía que são periodicamente notificados à Comissão Europeia. Entre estes indicadores cabe citar:

a) Superfície ocupada pelos habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

b) Estado da estrutura e funções específicas dos habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

c) Continuidade e conectividade entre os diferentes tipos de habitat.

d) Área de presença, número de populações e efectivos das espécies costeiras protegidas.

Artigo 43. Corredores fluviais

1. Relação entre habitats e unidades ambiental.

a) Para inventariar, cartografar e xeorreferenciar os habitats de corredores fluviais, estabeleceu-se a unidade ambiental UA220 Águas correntes, na qual se delimita a totalidade dos cursos fluviais e as ribeiras dos trechos de cabeceira, e a UA260 Florestas húmidas, na qual se incluem as florestas de galería, aluviais e freatófilos associados aos rios como ao resto de zonas húmidas.

b) Dentro do grupo de habitats que a Directiva 92/43/CEE reúne baixo a epígrafe 32 Águas correntes-trechos de cursos de água com dinâmica natural e seminatural, tanto leitos menores (trechos de cabeceira, ordem xerárquica 1-2) como médios (trechos médios, ordem xerárquica 3-4), como maiores (trechos baixos, ordem xerárquica maior ou igual a 5) nos cales a qualidade da água não apresenta alterações apreciables. Neste grupo englobam-se 9 tipos de habitat, dos cales somente dois (3260 Rios dos pisos basal a montano e 3270 Rios de ribeiras lamacentas (Chenopodionrubri p.p. e de Bidention p.p.) estão presentes na Galiza. Dentro desta categoria incluem-se as águas fluviais e a vegetação associada aos leitos riparios. Apesar de que uma parte do território galego está incluída na região biogeográfica mediterrânea, não se considera presente nenhum dos tipos de habitat de águas correntes próprio da dita região.

Assim mesmo, nos corredores fluviais constituem uma parte importante as florestas húmidas, representados pelo tipo prioritário 91E0* Florestas aluviais de Alnus glutinosa e Fraxinus excelsior (Alno-Padion, Alnion incanae, Salicion albae), o tipo 91F0 Florestas mistas das veigas dos grandes rios, e o tipo 92A0 Florestas de ribeira de Salix alva e Populus alva.

2. Objectivos de conservação.

a) Promover um uso sustentável da água baseado na protecção a longo prazo dos recursos hídricos disponíveis.

b) Fomentar uma maior protecção e melhora do meio aquático, entre outras formas mediante medidas específicas de redução progressiva das verteduras, as emissões e as perdas de substancias prioritárias, e mediante a interrupção ou a supresión gradual das verteduras, as emissões e as perdas de substancias perigosas prioritárias.

c) Garantir a redução progressiva da poluição das águas subterrâneas que evite novas poluições e contribua a paliar os efeitos das inundações e secas.

3. Actuações que são susceptíveis de gerar um estado de conservação favorável dos habitats de interesse comunitário ou a sua recuperação.

a) Eliminação das verteduras directas de qualquer tipo sobre as águas continentais que não contem com a devida autorização.

b) Estabelecimento de medidas de conservação e recuperação dos habitats dos corredores fluviais (3260, 3270, 91E0*, 92A0, 91F0), especialmente as encaminhadas a reduzir ou frear a sua fragmentação mediante o aumento da conectividade e da permeabilidade.

c) Estabelecimento de medidas de controlo e erradicação de espécies invasoras presentes nos médios fluviais.

4. Actuações que não supõem uma claque apreciable sobre o estado de conservação dos habitats de interesse comunitário.

a) As cortas por afuroamento nos corredores fluviais e florestas húmidas (91E0*, 92A0, 91F0), sempre e quando não superem as 0,1 há de superfície (< 2% da superfície do habitat no espaço natural) e não se repitam num turno inferior a 15 anos, não suponham uma descontinuidade da floresta húmida ou um incremento da fragmentação já existente, não provoquem uma redução apreciable da superfície coberta pelas taças sobre o canal fluvial e assegurem a manutenção da sua estrutura horizontal e dos habitats que conformam as cinturas eulitoral e supralitoral (3260, 3270, 4020*, 4030, 6430).

b) A pesca de carácter desportivo, desenvolvida de acordo com a normativa sectorial vigente, assim como a regulação que possa estabelecer o órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza de acordo com o artigo 6 da Directiva 92/43/CEE e com o artigo 45 da Lei 42/2007, de 13 de dezembro.

5. Actuações que podem afectar de forma apreciable o estado de conservação dos habitats de interesse comunitário.

a) A realização de qualquer tipo de vertedura, assim como a utilização de qualquer tipo de substancia química que possa afectar de forma apreciable a qualidade das águas nacentes ou circulantes ou o ciclo hidrolóxico do espaço natural, quando se realizem fora dos lugares habilitados para tal efeito ou sejam contrárias às condições estabelecidas na legislação vigente ou no presente plano.

b) A alteração dos cursos, canais e ribeiras, assim como a modificação apreciable do regime das águas, sem a autorização expressa do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza.

c) As acumulacións de materiais em encostas, barrancos ou canais que possam supor um obstáculo ao livre passo das águas, ou bem possam ser origem de processos erosivos intensos ou que entranhem uma modificação das condições hidráulicas e hidrolóxicas naturais.

d) A lavagem de veículos e qualquer tipo de objecto em rios e regatos, deitar objectos, assim como a incorporação directa às águas de deterxentes, xabóns, lixivias ou outros tipos de substancias que possam afectar de forma apreciable o estado ecológico e químico dos ecossistemas aquáticos.

e) A vertedura de xurros e resíduos agrícolas ou industriais directamente sobre o meio aquático, assim como sobre habitats de interesse comunitário.

f) A destruição, subsolado, sangrado, rozas mecânicas que possam levar consigo uma claque apreciable sobre a estrutura, funcionamento e composição taxonómica dos corredores fluviais (3260, 3270, 91E0*, 91F0, 92A0).

g) O depósito de lodos de estações de tratamento de águas residuais industriais ou urbanas sobre os tipos de habitat que conformam os corredores fluviais (3260, 3270, 91E0*, 91F0, 92A0).

h) A circulação e o uso de veículos ou maquinaria sobre habitats de corredores fluviais do anexo I da Directiva 92/43/CEE ou áreas prioritárias de espécies de interesse para a conservação, sem a autorização expressa do órgão autonómico competente em matéria de conservação da natureza.

i) O depósito de materiais sobrantes de cortas ou outros aproveitamentos florestais sobre habitats de corredores fluviais do anexo I da Directiva 92/43/CEE ou áreas prioritárias de espécies de interesse para a conservação.

6. Indicadores de seguimento.

Desenvolver-se-á um conjunto de indicadores que permitam vigiar e controlar o estado de conservação dos corredores fluviais e das populações de flora e fauna presentes para tomar, se é o caso, as medidas de protecção, conservação e restauração que se considerem necessárias, para o qual se considerará o estado das massas de água recolhido nos planos hidrolóxicos de bacía que são periodicamente notificados à Comissão Europeia. Entre estes indicadores cabe citar:

a) Superfície ocupada pelos habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

b) Estado da estrutura e funções específicas dos habitats do anexo I da Directiva 92/43/CEE.

c) Grau de conectividade/continuidade do corredor fluvial.

d) Área de presença, número de populações e efectivos das espécies protegidas.

Artigo 44. Zonas húmidas continentais

1. Relação entre habitats e unidades ambiental.

a) Inclui-se este grupo de habitats dentro de um importante conjunto de unidades ambientais: UA210 Águas estagnadas, UA230 Turfeiras de cobertoira, UA240 Turfeiras altas, UA250 Turfeiras baixas, UA270 Matagais húmidos continentais, UA280 Herbeiras continentais húmidas de grande porte, UA281 Herbeiras húmidas de mediano porte.

A unidade ambiental UA210 recolhe os sistemas lacunares continentais presentes na Galiza, recolhendo todas as tipoloxías descritas em função da sua natureza limnolóxica.

As unidades ambientais UA230, UA240, UA250 representam os grandes ecossistemas de turfeira existentes na Galiza e, em geral, no noroeste ibérico. A estas unidades subordínanse médios turfófilos que possuem uma representação territorial reduzida e que mostram uma neta relação catenal, como são os mires de transição, as turfeiras boscosas ou as depressões do Rhynchosporion. Nas unidades de turfeiras de cobertoira e altas estabelece-se uma diferenciación inicial, seguindo os critérios da Directiva 92/43/CEE, entre sistemas activos e sistemas degradados.

A unidade ambiental UA270 inclui os matagais húmidos, não turfófilos, de carácter continental, todos eles tipificados pela Directiva 92/43/CEE como habitats prioritários (4020*), enquanto que as herbeiras húmidas continentais se adscrevem dentro das duas últimas unidades ambientais, diferenciando-se entre herbeiras de grande porte, maior de 1,5 m, e incluídas dentro da UA280, e herbeiras húmidas continentais de mediano ou pequeno porte UA281.

b) No anexo I da Directiva 92/43/CEE, os meios de águas estagnadas não costeiros incluem-se dentro do subgrupo 31 Águas estagnadas. Os 8 tipos de habitat que conformam este subgrupo diferenciam-se por parâmetros limnolóxicos (nível de trofía, comunidades de macrófitos) e geográficos. Na Galiza é possível encontrar 5 tipos deste conjunto.

A distribuição geográfica na Galiza destes habitats é muito variable, e em alguns casos poderão ser mais ou menos frequentes (3110 Águas oligotróficas (Littorelletalia uniflorae), 3130 Águas oligotróficas ou mesotróficas), enquanto que outros, especialmente aqueles associados a águas ricas em carbonatos (3120 Águas oligotróficas (Isoetes spp.), 3140 Águas oligomesotróficas calcárias (Chara spp.), 3150 Lagos eutróficos naturais (Magnopotamion ou Hydrocharition), 3160 Lagos e charcas distróficos naturais), são muito raros no âmbito territorial galego.