Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 71 Quinta-feira, 12 de abril de 2018 Páx. 19873

I. Disposições gerais

Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária

ORDEM de 20 de março de 2018 pela que se regula a educação básica para as pessoas adultas e se estabelece o seu currículo na Comunidade Autónoma da Galiza.

A Lei orgânica 8/2013, de 9 de dezembro, para a melhora da qualidade educativa, que modifica diferentes aspectos da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação, considera a educação como uma aprendizagem permanente que se desenvolve ao longo de toda a vida. Em coerência com este princípio, a lei dedica o capítulo IX do seu título I à educação das pessoas adultas e estabelece, no seu artigo 66, que essa educação tem a finalidade de oferecer a todos os maiores de dezoito anos a possibilidade de adquirir, actualizar, completar ou alargar os seus conhecimentos e aptidões para o seu desenvolvimento pessoal e profissional. A seguir, o texto da lei enumerar os objectivos da educação de adultos, que são, entre outros, adquirir a formação básica, facilitar o acesso aos diferentes níveis do sistema educativo, melhorar a qualificação profissional, desenvolver a participação na vida social e corrigir os riscos de exclusão social.

No ponto 2 do artigo 67, a mencionada lei orgânica estabelece que a organização e a metodoloxía destes ensinos se basearão na autoaprendizaxe e terão em conta as experiências, necessidades e interesses das pessoas adultas, podendo desenvolver-se através do ensino pressencial e também mediante a educação a distância. Igualmente, no ponto 7 desse mesmo artigo afirma-se que os ensinos das pessoas adultas se organizarão com uma metodoloxía flexível e aberta, de jeito que respondam às suas capacidades, necessidades e interesses; e no seu artigo 68, estabelece que as pessoas adultas que queiram adquirir as competências e os conhecimentos correspondentes à educação básica contarão com uma oferta adaptada às suas condições e necessidades.

Nesta linha, o Decreto 86/2015, de 25 de junho, pelo que se estabelece o currículo da educação secundária obrigatória e o do bacharelato na Comunidade Autónoma da Galiza, determina na sua disposição adicional quarta que a Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária por via regulamentar poderá estabelecer currículos específicos para a educação de pessoas adultas que conduzam à obtenção dos títulos de escalonado em educação secundária obrigatória e de bacharelato.

Com base nesta habilitação normativa e com o fim de adaptar a oferta da formação básica às condições, necessidades e interesses das pessoas adultas, nesta ordem estabelece-se um currículo específico, aberto, flexível e adequado às características do estudantado adulto, correspondendo-lhe a cada centro educativo as suas adaptações às condições concretas do seu estudantado.

Em consequência contudo o anterior, a formação básica para as pessoas adultas organiza-se em duas etapas: a da formação básica inicial e a dos ensinos de escalonado em educação secundária.

A formação básica inicial estrutúrase em dois níveis, o primeiro deles correspondente às habilidades instrumentais da lecto-escrita e do cálculo matemático, e o segundo nível, dirigido à consolidação dessas habilidades e à preparação para o acesso à educação secundária para pessoas adultas.

A educação secundária para as pessoas adultas estrutúrase também em dois níveis, com reconhecimento académico em todo o Estado. Em cada nível integram-se três âmbitos de conhecimento, os âmbitos de comunicação, social e cientista-tecnológico, organizado cada um deles em quatro módulos, aos cales se incorporam os aspectos básicos das matérias da educação secundária obrigatória previstas na disposição derradeiro primeira do Real decreto 562/2017, de 2 de junho, que modifica a disposição adicional quarta do Real decreto 1105/2014, de 26 de dezembro.

Esta organização do currículo em âmbitos integrados e estrutura modular considera-se a mais ajeitado às características e possibilidades das pessoas adultas, por ser flexível e aberta, favorecer o acesso às diferentes etapas do sistema educativo, respeitar o seu estilo e ritmo de aprendizagem, e possibilitar a consecução do título de escalonado em educação secundária obrigatória por um procedimento específico para as pessoas adultas.

É preciso, portanto, ditar as normas pertinente para regular os ensinos da educação básica para as pessoas adultas, estabelecendo o currículo correspondente, a sua organização, a duração e o horário desta proposta formativa, as condições de acesso e permanência, as equivalências com estudos realizados, a adscrição dos âmbitos de conhecimento ao professorado implicado e as pautas e condições para a avaliação.

Em consequência com o anteriormente exposto e em virtude das atribuições conferidas pela disposição adicional quarta do Decreto 86/2015, de 25 de junho, pelo que se estabelece o currículo da educação secundária obrigatória e o do bacharelato na Comunidade Autónoma da Galiza, a conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária,

DISPÕE:

CAPÍTULO I

Disposições gerais

Artigo 1. Objecto

1. O objecto da presente ordem é ordenar os ensinos dirigidos às pessoas adultas com a finalidade de facilitar-lhes a aquisição das competências chave e a formação necessária para obter o título de escalonado em educação secundária obrigatória.

2. Os ensinos estabelecidos nesta ordem correspondem às aprendizagens básicas iniciais e às conducentes à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória para as pessoas adultas.

3. Estes ensinos poder-se-ão cursar, tanto na modalidade de educação pressencial como a distância, nos centros autorizados para o efeito pela Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária.

CAPÍTULO II

O currículo da educação básica para as pessoas adultas

Secção 1ª. Organização e objectivos gerais

Artigo 2. Organização geral

1. A educação básica para as pessoas adultas organiza-se em duas etapas. A primeira corresponde aos ensinos básicos iniciais e a segunda aos ensinos conducentes à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória.

2. Os ensinos básicos iniciais organizam-se em dois níveis, I e II, o primeiro dirigido a adquirir as habilidades instrumentais básicas da lecto-escrita e do cálculo matemático, e o segundo à consolidação dessas habilidades e à preparação para o acesso aos estudos de educação secundária para pessoas adultas.

3. Os ensinos conducentes à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória constituem a segunda etapa da formação básica para pessoas adultas, que se organiza em dois níveis, I e II. Neles cursam-se três âmbitos de conhecimento, integrados cada um deles por quatro módulos interdisciplinares.

Artigo 3. Competências chave

O currículo dos ensinos básicos iniciais e da educação secundária para pessoas adultas orienta ao sucesso das competências chave, como se descreve no anexo I desta ordem. Estas competências chave estabelecem no marco da proposta realizada pela União Europeia e estão recolhidas no anexo I da Ordem ECD/65/2015, de 21 de janeiro, pela que se descrevem as relações entre as competências, os conteúdos e os critérios de avaliação da educação primária, a educação secundária obrigatória e o bacharelato.

Artigo 4. Objectivos gerais

A educação básica para pessoas adultas orienta-se a desenvolver as capacidades que lhes permitam:

a) Formar-se uma imagem adequada de sim mesmos, das suas características e possibilidades, valorando a sua experiência, o esforço e a superação das dificuldades.

b) Mostrar atitudes solidárias e tolerantes, valorando as situações em que se devem realizar projectos comuns e rejeitando todo o tipo de discriminações devidas à raça, ao sexo, à classe social, às crenças e a outras características individuais, sociais e culturais.

c) Analisar os mecanismos e valores que regem o funcionamento das sociedades, em especial os relativos aos direitos e deveres dos cidadãos, elaborar julgamentos e critérios pessoais, com liberdade de pensamento e iniciativa.

d) Valorar criticamente as crenças, atitudes e valores básicos da nossa tradição e património e de outros existentes, discernindo a sua validade.

e) Desenvolver e consolidar hábitos de estudo e trabalho individual e em equipa, como condição necessária para uma realização eficaz das tarefas de aprendizagem e como médio de desenvolvimento pessoal.

f) Desenvolver e consolidar o espírito emprendedor e a confiança em sim mesmo, a participação, o sentido crítico, a iniciativa pessoal e a capacidade para aprender a aprender, planificar, tomar decisões e assumir responsabilidades.

g) Compreender e produzir mensagens orais e escritas com propriedade, autonomia e criatividade nas línguas galega e castelhana e numa língua estrangeira, utilizando para a participação activa e plena na sociedade.

h) Interpretar e produzir com propriedade, autonomia e criatividade mensagens que utilizem códigos artísticos, científicos e técnicos, com o fim de enriquecer as suas possibilidades de comunicação tanto no âmbito cultural como laboral.

i) Obter e seleccionar informação utilizando as diferentes fontes nas que esta se encontra, incluídas as que proporcionam as tecnologias da informação e da comunicação, tratá-la de forma autónoma e crítica, e transmití-la de maneira organizada e intelixible.

j) Utilizar estratégias de identificação e resolução de problemas nos diversos campos de conhecimento e de experiência, mediante procedimentos intuitivos e de razoamento lógico, contrastando-as e reflectindo sobre o processo seguido.

k) Analisar os mecanismos básicos que regem o funcionamento do meio físico, valorar as repercussões que sobre ele têm as actividades humanas e contribuir activamente à sua defesa, conservação e melhora como elemento determinante da qualidade de vida.

l) Conhecer e valorar o desenvolvimento científico e tecnológico, as suas aplicações e a incidência no meio físico e social.

m) Conhecer e apreciar o património natural e cultural, especialmente o da Galiza, e contribuir activamente à sua conservação e melhora.

n) Perceber a diversidade linguística e cultural como um direito dos povos e dos indivíduos à sua identidade, e desenvolver uma atitude de interesse e respeito para o exercício deste direito, em especial no referente ao uso da língua galega.

o) Valorar as consequências dos actos e decisões pessoais na saúde individual e colectiva, e os benefícios que supõem os hábitos saudáveis.

p) Combinar a qualificação técnica e profissional adquirida com um comportamento social e com a capacidade de enfrentar e solucionar problemas.

Secção 2ª. Os ensinos básicos iniciais

Artigo 5. Organização do currículo

Os ensinos básicos iniciais organizam-se em dois níveis diferenciados, ambos com uma concepção globalizadora dos contidos. O primeiro nível incluirá os conhecimentos necessários para adquirir as destrezas de lecto-escrita, razoamento matemático e cálculo.

1. O currículo dos ensinos básicos iniciais promoverá o desenvolvimento das competências chave necessárias para aceder à educação secundária para pessoas adultas, e a melhora dos conhecimentos, destrezas e habilidades que favoreçam o desenvolvimento pessoal, laboral e social.

2. O currículo dos ensinos básicos iniciais I organizar-se-á nos seguintes âmbitos:

a) Âmbito da comunicação.

b) Âmbito da competência matemática.

c) Âmbito da ciência, sociedade, tecnologia e de desenvolvimento e iniciativa pessoal.

3. O currículo dos ensinos básicos iniciais II organizar-se-á nos seguintes âmbitos:

a) Âmbito da comunicação.

b) Âmbito da competência matemática.

c) Âmbito da ciência, tecnologia e sociedade no mundo actual.

d) Âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral.

4. Os centros docentes e o seu professorado desenvolverão uma programação para cada um dos âmbitos dos ensinos básicos inicias, tomando como referente o currículo estabelecido no anexo IA. A programação terá uma proposta integradora e orientada à aplicação dos conhecimentos adquiridos.

Artigo 6. Duração

1. As pessoas adultas poderão permanecer cursando estes ensinos o tempo que o seu ritmo de aprendizagem precise para o alcanço dos objectivos estabelecidos.

2. O nível I dos ensinos iniciais poderá cursar-se unicamente na modalidade pressencial. O nível II poderá cursar-se também na modalidade a distância.

3. Os ensinos do nível I cursar-se-ão a razão de doce períodos lectivos semanais e as de nível II de dezasseis períodos lectivos semanais.

4. O nível II dos ensinos iniciais organiza-se em quatro módulos distribuídos trimestralmente.

Secção 3ª. Os ensinos conducentes à obtenção do título
de escalonado em educação secundária obrigatória

Artigo 7. Organização

1. O currículo da segunda etapa da educação básica para pessoas adultas, conducente à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória, estrutúrase em dois níveis, I e II, organizados de forma modular em três âmbitos de conhecimento, e secuenciados de forma progressiva e integrada. Cada âmbito consta de quatro módulos de conteúdos de carácter interdisciplinar.

2. Os âmbitos de conhecimento a que se refere o ponto anterior são os seguintes:

a) Âmbito científico-tecnológico, em que se integrarão elementos do currículo de educação secundária obrigatória relacionados com as matérias de Biologia e Geoloxia, Física e Química, Matemáticas, Matemáticas Orientadas aos Ensinos Académicos, Matemáticas Orientadas aos Ensinos Aplicados, Tecnologia, Tecnologias da Informação e da Comunicação e os aspectos relacionados com a saúde e com o meio natural da matéria de Educação Física.

b) Âmbito de comunicação, em que se integrarão elementos do currículo de educação secundária obrigatória relacionados com as matérias de Língua Galega e Literatura, Língua Castelhana e Literatura e Primeira Língua Estrangeira.

c) Âmbito social, em que se integrarão elementos do currículo de educação secundária obrigatória relacionados com as matérias de Geografia e História, Economia, Iniciação à Actividade Emprendedora e Empresarial e os aspectos preceptivos correspondentes às matérias de Educação Plástica, Visual e Audiovisual e Música.

Artigo 8. Duração e currículo

1. Com carácter geral, os ensinos conducentes à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória para pessoas adultas cursar-se-ão em dois anos académicos. Na modalidade pressencial, o total de períodos lectivos destes ensinos não poderá ser, em nenhum caso, inferior a 1350.

2. Não obstante, considerando que as pessoas adultas possuem conhecimentos construídos nas suas experiências pessoais e académicas e que um processo educativo ajeitado deve respeitar o estilo e o ritmo de aprendizagem de cadaquén, a duração do processo educativo das pessoas adultas poderá flexibilizarse, segundo se estabelece nesta ordem.

3. A cada um dos âmbitos de conhecimento assinalados no artigo anterior correspondem-lhe quatro módulos.

4. Os módulos estarão distribuídos cuadrimestralmente, correspondendo-lhe dois módulos ao primeiro nível e os dois restantes ao segundo nível.

5. O currículo destes ensinos está recolhido no anexo IB desta ordem e tem como marco de referência o estabelecido para a educação secundária obrigatória no Decreto 86/2015, de 25 de junho, pelo que se estabelece o currículo da educação secundária obrigatória e o do bacharelato na Comunidade Autónoma da Galiza.

6. O currículo determinado nesta ordem deverá adaptar por cada centro educativo às condições e circunstâncias concretas do seu estudantado e do contexto em que este se desenvolve.

CAPÍTULO III

Modalidades de ensino

Secção 1ª. Modalidades e autorização

Artigo 9. Tipos de autorização

1. A educação secundária para pessoas adultas desenvolver-se-á através do ensino pressencial e do ensino a distância.

2. Poderão dar a educação secundária para pessoas adultas, nas suas diferentes modalidades, aqueles centros autorizados para cada uma delas pela Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária.

Artigo 10. Modalidade pressencial

1. Esta modalidade de ensino baseia na assistência regular às actividades lectivas e no seguimento directo do estudantado em cada um dos âmbitos de conhecimento em que se tenha matriculado.

2. O horário lectivo semanal do estudantado que curse cada um dos módulos desta etapa educativa será o que se recolhe no anexo II desta ordem.

Artigo 11. Modalidade a distância

1. Os ensinos a distância reguladas nesta ordem poderão dar-se com apoio de titorías pressencial, denominando-se então educação secundária para pessoas adultas a distância semipresencial; ou com apoio de titorías telemático, designando-se, neste caso, como educação secundária para pessoas adultas a distância de forma telemático.

Artigo 12. Modalidade a distância semipresencial

1. Esta modalidade de ensino levar-se-á a cabo mediante a combinação de períodos ou sessões lectivas de carácter pressencial e outras actividades de seguimento do estudantado que terão carácter não pressencial.

2. As actividades de seguimento do estudantado de carácter não pressencial levar-se-ão a cabo, preferentemente, mediante o uso das tecnologias da informação e da comunicação, através de uma plataforma educativa virtual de aprendizagem criada para tal efeito pela Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária para a modalidade a distância.

3. Semanalmente desenvolver-se-á uma sessão lectiva pressencial de uma hora de duração para o âmbito social, duas sessões lectivas para o âmbito de comunicação e duas para o científico-tecnológico, em horário que facilite, na medida do possível, uma maior assistência do estudantado.

4. As sessões lectivas pressencial, que serão obrigatórias para o estudantado, terão carácter colectivo e dedicar-se-ão, fundamentalmente, a questões relacionadas com o planeamento de cada módulo e âmbito, a proporcionar as directrizes e orientações necessárias para um bom aproveitamento e ao desenvolvimento dos contidos relevantes do módulo, especialmente os de carácter procedemental.

5. Cada docente responsável de um âmbito de conhecimento desta modalidade educativa dedicará uma hora semanal de atenção personalizada a cada grupo de alunos.

6. O horário de carácter não pressencial dedicar-se-á, fundamentalmente, a incentivar a comunicação do titor ou titora com o estudantado, à revisão e valoração das tarefas propostas, à participação nos temas de discussão dos foros temáticos e à resolução de dúvidas e problemas propostos de forma individual ou colectiva.

Artigo 13. Modalidade a distância de forma telemático

1. A educação secundária para pessoas adultas na modalidade a distância de forma telemático dar-se-á integramente através de um sistema de teleformación, baseado no seguimento da aprendizagem do estudantado através da plataforma educativa virtual de aprendizagem mencionada no artigo anterior.

2. Nesta modalidade de ensino as provas de avaliação realizar-se-ão de forma pressencial e o estudantado deverá acreditar devidamente a sua identidade.

Artigo 14. Estudantado com privação de liberdade

A chefatura territorial correspondente da Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária arbitrará as medidas necessárias para a matriculação na modalidade a distância do estudantado com medidas legais de internamento em regime fechado ou terapêutico em centros de menores dependentes da Administração da Comunidade Autónoma da Galiza, para a sua atenção pressencial e para a realização das provas correspondentes.

Secção 2ª. Mudanças e compatibilidade de modalidades

Artigo 15. Mudanças de modalidade

1. Uma vez rematado o quadrimestre e depois de solicitude à direcção do centro, o estudantado poderá mudar de modalidade para o quadrimestre seguinte ao que está escolarizado.

2. Com carácter excepcional, durante a escolarização de cada módulo cuadrimestral, a direcção do centro poderá autorizar a mudança de modalidade no seu próprio centro, depois de escrito da pessoa interessada no qual aduza as razões pessoais ou profissionais que o justifiquem.

3. Quando a mudança de modalidade suponha optar a um largo da modalidade pressencial, essa mudança estará supeditado à existência de vagas disponíveis.

Artigo 16. Simultaneidade de modalidades

Com carácter excepcional, a direcção do centro poderá autorizar a matrícula simultânea nas modalidades pressencial e a distância, em âmbitos de conhecimento diferentes e no mesmo centro quando a algum aluno ou aluna não lhe seja possível assistir a todas as jornadas lectivas dos âmbitos correspondentes por razões da organização do horário do centro ou por razões pessoais justificadas.

Secção 3ª. Recursos didácticos

Artigo 17. Recursos para o estudantado da modalidade a distância

O estudantado de educação secundária para pessoas adultas pela modalidade a distância receberá uma guia do estudantado que oriente o seu trabalho autónomo. Esta guia incluirá indicações sobre a distribuição temporária dos contidos dos diferentes âmbitos de conhecimento, os critérios de avaliação, orientações metodolóxicas, as actividades que se vão realizar, as datas de avaliação e qualquer outra informação que se considere de interesse para a sua aprendizagem. A elaboração e actualização destas guias será responsabilidade dos departamentos didácticos correspondentes, baixo a supervisão da chefatura de estudos. A equipa directiva do centro correspondente adoptará as medidas oportunas para que o estudantado tenha acesso a esta guia ao começo do curso.

Artigo 18. Material didáctico

O estudantado de educação secundária para pessoas adultas, pela modalidade a distância, utilizará o material didáctico específico autorizado pela Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária.

CAPÍTULO IV

Acesso e permanência

Secção 1ª. Condições gerais de acesso e avaliação inicial

Artigo 19. Acesso

1. Poderão aceder aos ensinos básicos para pessoas adultas aquelas pessoas maiores de dezoito anos ou que os façam no ano natural em que começa o curso escolar, de acordo com o estabelecido na legislação vigente.

2. Poderá, além disso, incorporar aos ensinos de adultos o estudantado maior de dezasseis anos que tenham um contrato laboral que não lhes permita acudir aos centros educativos em regime ordinário ou o estudantado desportista de alto rendimento.

3. Quando a pessoa adulta que acede a esta oferta educativa tenha acreditados estudos realizados, poderá acolher às equivalências recolhidas nos anexo III a XI desta ordem.

4. Quando a pessoa adulta não acredite estudos que possam ser objecto de validação, a adscrição do aluno ou da aluna a uma etapa, nível e módulo realizar-se-á mediante uma avaliação inicial.

Artigo 20. Equivalências

Para os efeitos académicos, as equivalências dos módulos para as pessoas adultas com os estudos realizados nos ensinos estabelecidos pela Lei 14/1970, geral de educação, na educação secundária obrigatória, nos módulos dos programas de qualificação profissional inicial e os âmbitos superados das provas livres para a obtenção do escalonado em educação secundária obrigatória, são as que recolhem nos anexo III a XI desta ordem.

Artigo 21. Avaliação inicial para a adscrição do estudantado

1. Para as pessoas sem requisitos académicos que desejem matricular na educação básica para pessoas adultas pela primeira vez, os centros efectuarão com carácter preceptivo durante os meses de setembro e de janeiro um processo de avaliação inicial, que terá em conta a sua maturidade pessoal, as aprendizagens não formais e informais adquiridas, os conhecimentos prévios e os seus interesses e necessidades, e que facilitará a orientação e adscrição destas à etapa, ao nível e ao módulo correspondentes.

2. A Comissão de Coordinação Pedagógica desenhará o modelo do processo de avaliação inicial que incluirá, ao menos, os seguintes aspectos:

a) Valoração das certificações das aprendizagens não formais realizadas.

b) Valoração da experiência laboral.

c) Uma prova referida, com carácter geral, aos objectivos e às competências chave estabelecidos para cada âmbito de conhecimento.

3. A Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária estabelecerá os critérios gerais e o procedimento para a valoração das aprendizagens não formais e informais, e da experiência laboral.

4. O processo de avaliação inicial incluirá uma ou várias entrevistas com a pessoa que exerça a chefatura do departamento de orientação, em que se informará o interessado ou interessada da natureza do processo de avaliação inicial, recolher-se-á informação sobre a sua trajectória formativa e profissional, e propor-se-lhe-á o itinerario formativo coherente com esta.

5. Da avaliação inicial derivar-se-á a adscrição à etapa dos ensinos iniciais ou às de escalonado em educação secundária, e, dentro delas, ao nível e módulos que corresponda. Nos ensinos de educação secundária para pessoas adultas, o estudantado poderá estar adscrito a um módulo diferente em cada âmbito, em função dos resultados da avaliação inicial.

6. Quando a avaliação contínua posterior mostre que a adscrição a um nível ou módulo foi inadequada, a pessoa adulta poderá optar por incorporar ao módulo que lhe corresponda pelo seu nível de conhecimentos.

Artigo 22. Comissão de avaliação inicial

1. Com o objecto de avaliar todos os documentos e acções que fazem parte do processo de avaliação inicial e emitir a valoração correspondente, constituir-se-á uma comissão de avaliação inicial. O seu funcionamento ajustará às normas estabelecidas nos artigos 15 e seguintes da Lei 40/2015, de 1 de outubro, de regime jurídico do sector público.

2. Esta comissão estará composta pela chefatura de estudos do centro, a chefatura do departamento de orientação e, ao menos, um representante do professorado de cada âmbito que dá estes ensinos, elegidos pelo director ou a directora do centro depois da consulta ao claustro. A direcção presidirá a comissão.

3. A citada comissão levantará acta do processo efectuado, concretizando para cada pessoa o resultado obtido para a sua adscrição à etapa, ao nível e ao módulo correspondente.

4. O resultado da avaliação inicial incorporará ao expediente académico do aluno ou aluna e ao seu historial académico.

Secção 2ª. Orientação e titorías

Artigo 23. Orientação e titorías

1. A acção titorial é uma tarefa colexiada exercida pela equipa docente de cada grupo de alunos e alunas. Todos os grupos terão uma pessoa titora que coordenará os ensinos e a acção titorial da equipa docente correspondente.

2. O titor ou titora informará o seu grupo sobre as possíveis vias de comunicação entre ambos, e do horário que tenha estabelecido para a atenção ao estudantado.

3. Para tal efeito, dentro do horário lectivo do professorado no centro, dedicar-se-á uma hora semanal à atenção titorial de cada grupo de estudantado.

4. Corresponderá aos centros educativos a programação, desenvolvimento e avaliação destas actividades, que serão recolhidas no Plano de orientação e acção titorial incluído no seu projecto educativo.

5. No marco do plano mencionado no ponto anterior, considerar-se-ão os seguintes aspectos específicos referidos a estes ensinos:

a) A orientação académica e profissional ajeitado que permita ao estudantado adulto a elaboração de um projecto pessoal realista e ajustado aos seus interesses, aptidões e necessidades.

b) A ajuda individualizada na adopção de hábitos e estratégias apropriadas para o estudo e a organização do trabalho, de acordo com as características singulares da sua situação pessoal.

c) A disposição de medidas de atenção à diversidade que possa requerer o estudantado adulto com o fim de facilitar o seu desenvolvimento óptimo.

d) A orientação pessoal e de grupo ajeitado que permita melhorar os processos de integração escolar, de identidade pessoal, de relação social e de manutenção da motivação e do esforço necessários para culminar com sucesso o seu processo de aprendizagem.

Secção 3ª. Admissão e matriculação do estudantado

Artigo 24. Oferta de vagas

1. Os centros públicos autorizados para dar ensinos de adultos farão pública a oferta de vagas disponíveis para cursar ensinos de pessoas adultas na segunda quinzena do mês de maio.

2. A oferta de vagas e itinerarios formativos destes ensinos estará condicionar pelas possibilidades organizativo de cada centro. Em todo o caso, dar-se-á prioridade aos ensinos que conduzem à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória para pessoas adultas.

3. Durante o processo de admissão e matrícula, as pessoas solicitantes deverão ser informadas, pelos médios que se considerem adequados, das características destes ensinos, assim como das possibilidades que oferece o centro para seguí-las e, em geral, de canto se considere de interesse para a consecução dos objectivos propostos.

Artigo 25. Admissão e matrícula nos ensinos básicos iniciais

1. O acesso aos ensinos básicos iniciais estará condicionar aos critérios de idade estabelecidos. Quando não acredite estudos, o estudantado realizará uma avaliação inicial que se levará a cabo segundo o disposto nos artigos 21 e 22.

2. O prazo de matrícula destes ensinos básicos iniciais para pessoas adultas abrir-se-á na primeira semana de setembro e, em função do número de vagas oferecidas, estará aberto durante todo o ano.

Artigo 26. Admissão e matrícula nos ensinos de educação secundária para pessoas adultas

1. O estudantado que cumpra os requisitos de acesso estabelecidos no artigo 19 para a educação secundária para pessoas adultas poderá matricular-se num nível completo ou, de forma parcial, num ou dois âmbitos de conhecimento de qualquer dos níveis.

2. Na modalidade pressencial, o prazo de apresentação de solicitudes de admissão será entre o 1 e o 15 de junho de cada ano, e o prazo de matriculação será o compreendido entre o 1 e o 10 de setembro para o primeiro quadrimestre e entre o 9 e o 16 de janeiro para o estudantado de nova incorporação ao centro no segundo quadrimestre.

3. Nas modalidades a distância semipresencial e telemático, os centros educativos abrirão o prazo de apresentação de solicitudes de admissão e de matrícula desde o 1 de setembro até o 16 de janeiro para o primeiro quadrimestre e desde o 1 de fevereiro ao 15 de maio para o segundo quadrimestre.

4. A Direcção-Geral de Educação, Formação Profissional e Inovação Educativa poderá estabelecer outros prazos de matrícula quando o considere devidamente justificado.

5. O procedimento de admissão e matrícula para cursar educação secundária, na modalidade pressencial, realizará nos prazos estabelecidos na presente ordem e mediante o seguinte procedimento:

a) Três dias hábeis depois de finalizado o prazo de admissão, a direcção do centro publicará no tabuleiro de anúncios a relação priorizada de solicitantes depois de aplicar os seguintes critérios na ordem estabelecida:

– Continuar estudos no próprio centro.

– Proceder dos ensinos de adultos de outros centros.

– Ter estado mais tempo desescolarizado.

– Matricular-se de todos os âmbitos de um nível.

– Ser desportista de alto rendimento.

– Menor renda pessoal do aluno ou aluna com receitas ou da unidade familiar a que se pertença.

b) Na solicitude de admissão as pessoas interessadas autorizarão expressamente a utilização da informação de carácter tributário que se precisa para a acreditação da renda anual pessoal do aluno ou aluna com receitas ou da unidade familiar em que convive, que será subministrada directamente à Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária pela Agência Estatal e Administração Tributária, através de meios informáticos ou telemático, no marco de colaboração entre ambas, de conformidade com o estabelecido no ponto 10 do artigo 84 da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação e nos artigos 95.1, epígrafe k e 95.2 da Lei 58/2003, de 17 de dezembro, geral tributária. Esta informação será a que corresponda ao exercício fiscal anterior em dois anos ao ano natural em que se apresenta a solicitude.

Em caso que a Agência Estatal e Administração Tributária não disponha de dados da declaração da renda das pessoas físicas do aluno ou aluna com receitas ou dos sujeitos integrantes da unidade familiar, estes deverão achegar certificação de haveres, ou qualquer outro documento de cada um deles, correspondente ao último exercício fiscal.

Na documentação de solicitude de matrícula, o aluno ou aluna com receitas próprias ou os cónxuxes integrados na unidade familiar em que convive o aluno ou aluna assinarão a autorização para que o órgão autorizado da conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária solicite da Agência Estatal e Administração Tributária os dados fiscais correspondentes.

c) Trás a publicação da listagem abrir-se-á um prazo de cinco dias hábeis para apresentar reclamações contra a asignação de vagas, que resolverá a direcção do centro nos três dias seguintes ao remate do prazo de apresentação de alegações.

d) A resolução com a relação de pessoas admitidas e não admitidas, ordenadas pela aplicação de cada uma das epígrafes da barema, publicará no tabuleiro de anúncios do centro antes do início do prazo de matrícula. Esta resolução servirá de notificação às pessoas interessadas para iniciar o processo de matrícula nas datas estabelecidas.

e) Se, rematado o prazo de admissão, não se completam as vagas oferecidas, a direcção do centro poderá aceitar a matrícula do novo estudantado que o solicite por ordem de entrada na secretaria do centro até completar todas as vagas oferecidas.

Artigo 27. Admissão e matrícula nos ensinos não regradas

Para outros ensinos de adultos de carácter não regrado, os centros autorizados a dá-las estabelecerão, na primeira semana de setembro de cada curso escolar, o calendário de actividades que se vão dar assim como o prazo de inscrição. Este prazo iniciar-se-á, no mínimo, dez dias antes do início das actividades.

Artigo 28. Modelos de solicitudes

A solicitude de admissão e a solicitude de matrícula nos ensinos para pessoas adultas ajustarão aos anexo XII e XIII da presente ordem.

CAPÍTULO V

Distribuição horária

Artigo 29. Aspectos gerais

1. A duração mínima de cada período lectivo dos ensinos de adultos será de 45 minutos.

2. Cada grupo de alunos e alunas matriculados nos ensinos básicos iniciais ou nos ensinos de escalonado em educação secundária terá um período lectivo semanal de actividades de orientação e titoría.

3. A cada grupo de alunos atribuir-se-lhe-á uma professora ou professor titor que será designado pelo director ou directora entre o professorado que lhe dê docencia.

Artigo 30. Os ensinos básicos iniciais

O horário dos ensinos básicos iniciais compreenderá doce períodos lectivos semanais no primeiro nível e dezasseis no segundo distribuídos do seguinte modo:

1. Nos ensinos básicos iniciais I:

a) Âmbito da comunicação: 5 sessões.

b) Âmbito da competência matemática: 4 sessões.

c) Âmbito da ciência, sociedade, tecnologia e de desenvolvimento e iniciativa pessoal: 2 sessões.

d) Titoría: 1 sessão.

2. Nos ensinos básicos iniciais II:

a) Âmbito da comunicação: 6 sessões.

b) Âmbito da competência matemática: 5 sessões.

c) Âmbito da ciência, tecnologia e sociedade no mundo actual: 2 sessões.

d) Âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral: 2 sessões.

e) Titoría: 1 sessão.

3. Com o fim de que o estudantado dos ensinos básicos iniciais I alcance as destrezas de lecto-escrita, razoamento matemático e cálculo, o número de sessões estabelecido para cada âmbito de conhecimento poder-se-á adaptar às necessidades educativas que apresente esse estudantado.

Artigo 31. Os ensinos conducentes à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória

O horário da educação secundária para pessoas adultas na modalidade pressencial compreenderá vinte períodos lectivos semanais distribuídos segundo figura no anexo II.

CAPÍTULO VI

Professorado

Artigo 32. Professorado dos ensinos básicos iniciais

Os ensinos básicos iniciais serão dadas pelo professorado pertencente ao corpo de mestres.

Artigo 33. Professorado de educação secundária para pessoas adultas

1. As pessoas funcionárias do corpo de mestres que vinham dando os ensinos correspondentes aos módulos 1 e 2 da educação secundária para pessoas adultas, em aplicação do artigo 3 da Ordem de 26 de maio de 1997 pela que se regula o ensino básico para pessoas adultas, poderão seguir dando os ensinos do nível I de educação secundária para pessoas adultas, de acordo com o estabelecido na disposição transitoria primeira da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação.

2. Sem prejuízo das competências docentes das mestras e mestre adscritos ao primeiro nível da educação secundária para pessoas adultas, o professorado que dê os ensinos conducentes ao título de escalonado em educação secundária será o pertencente ao corpo de professores de ensino secundário, de acordo com o previsto no artigo 94 e a disposição transitoria primeira da Lei orgânica 2/2006, de 3 de maio, de educação.

Artigo 34. Adscrição dos âmbitos de conhecimento ao professorado

1. A adscrição dos três âmbitos de conhecimento em que se organiza a educação secundária para as pessoas adultas ao professorado de secundária realizar-se-á segundo recolhe o anexo XIV desta ordem.

2. Cada âmbito de conhecimento dá-lo-á um único professor ou professora, pertencente ao departamento do âmbito, ou ao departamento didáctico de alguma das matérias que constituem os aspectos básicos do currículo do supracitado âmbito.

Artigo 35. Asignação de âmbitos

1. Tendo em conta o recolhido no artigo anterior, os departamentos correspondentes realizarão a proposta de distribuição dos âmbitos entre o professorado.

2. Quando num centro não existam departamentos de âmbitos e professorado pertencente a departamentos didácticos diferentes esteja interessado em dar um mesmo âmbito, a chefatura de estudos determinará o professor ou professora que dará esse âmbito, respeitando em todo o caso a legislação geral vigente para a asignação ao professorado de cursos e matérias.

CAPÍTULO VII

Avaliação

Secção 1ª. Aspectos gerais

Artigo 36. Desenvolvimento da avaliação

1. A avaliação faz parte do processo educativo e valora tanto o desenvolvimento como os resultados da aprendizagem, com o fim de verificar o progresso, detectar as dificuldades e adoptar as medidas necessárias para que o estudantado possa continuar o processo de ensino aprendizagem.

2. Os critérios de avaliação que se recolhem no anexo IB da presente ordem serão o referente para avaliar a consecução dos objectivos propostos para os ensinos conducentes à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória.

3. A avaliação será formativa e contínua, diferenciada segundo os diferentes níveis em módulos que integram o currículo. As programações didácticas estabelecerão e darão a conhecer os critérios objectivos da avaliação contínua.

4. A equipa docente, integrado pelo professorado de cada grupo ou classe coordenado pela pessoa titora, actuará de maneira colexiada ao longo do processo de avaliação e na adopção das decisões resultantes deste processo.

5. Ao início do curso, o professorado responsável dos diferentes âmbitos de conhecimento realizará a todo o estudantado uma avaliação inicial, cujos resultados orientarão sobre a adequação do currículo às características e aos conhecimentos do estudantado.

6. Na avaliação das aprendizagens do estudantado que realiza estudos de educação secundária para pessoas adultas pela modalidade a distância ter-se-ão em conta, ademais dos resultados das provas pressencial parciais, a realização das tarefas propostas de forma telemático, o grau e qualidade da participação e aqueles outros elementos recolhidos nas respectivas programações didácticas.

Artigo 37. Medidas de reforço

1. As equipas de professorado dos centros que dêem o ensino básico para as pessoas adultas deverão estabelecer na concreção curricular do centro os critérios de promoção tanto de nível como de módulo dentro de cada âmbito.

2. Se no processo de avaliação contínua se observa que o progresso da pessoa adulta não responde aos objectivos programados, o professorado tomará as medidas oportunas para garantir a consecução dos objectivos. Estas medidas adoptarão em qualquer momento do curso, tão pronto como se detectem as dificuldades, e estarão dirigidas a garantir a aquisição das aprendizagens imprescindíveis para continuar o processo educativo.

Artigo 38. Promoção por âmbito

Na educação secundária para pessoas adultas o estudantado poderá estar cursando módulos diferentes nos diferentes âmbitos de conhecimento e a promoção será por âmbitos de forma independente. Dentro de cada âmbito, o estudantado não poderá ser avaliado de um módulo sem ter superado previamente o precedente ou ter sido promovido a ele.

Artigo 39. Avaliações ordinárias

Para facilitar o progresso do estudantado no seu itinerario formativo e facilitar também o reconhecimento da formação obtida em contextos não formais, realizar-se-ão, no mínimo, duas provas escritas por módulo em cada um dos três âmbitos de conhecimento.

Artigo 40. Promoção

De acordo com os critérios de promoção estabelecidos na concreção curricular do centro, a equipa de avaliação, presidido pelo titor ou titora do grupo, poderá decidir a promoção ao módulo seguinte do estudantado que, avaliado negativamente num dos módulos de um âmbito de conhecimento, atingisse, a julgamento da equipa docente, o nível de maturidade que lhe permita continuar com aproveitamento os estudos desse módulo seguinte.

Artigo 41. Avaliações extraordinárias

O estudantado que não superasse a avaliação ordinária dos módulos de cada âmbito cursados no primeiro quadrimestre poderá realizar antes de finalizar o mês de maio uma avaliação extraordinária desses módulos. Igualmente, o estudantado que não superasse a avaliação ordinária dos módulos cursados no segundo quadrimestre poderá realizar no mês de setembro, nas datas que cada ano se determinem, uma avaliação extraordinária. A equipa avaliador de cada grupo de alunos decidirá, trás a realização destas provas extraordinárias, sobre o título ou promoção aos módulos seguintes daquele estudantado que as realizasse.

Secção 2ª. Expressão dos resultados das avaliações

Artigo 42. Qualificações

1. Cada módulo, dentro de cada âmbito do nível correspondente, receberá uma única qualificação.

2. Para cada âmbito a qualificação final será a média aritmética dos módulos superados que o integram, expressada em números naturais, por arredondamento dos decimais ao natural mais próximo e, em caso de equidistancia, ao superior.

3. Quando algum âmbito de conhecimento seja superado na prova para a obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória, a qualificação final desse âmbito ou âmbitos de conhecimento será a obtida na prova para a obtenção do título sem ter em conta as qualificações obtidas previamente nesse âmbito ou âmbitos de conhecimento na educação secundária para pessoas adultas.

4. Os resultados das avaliações das aprendizagens expressar-se-ão nos seguintes termos: insuficiente (1, 2, 3 ou 4), suficiente (5), bem (6), notável (7 ou 8) ou sobresaliente (9 ou 10).

5. Quando o estudantado não se apresentasse as provas extraordinárias indicar-se-á: não apresentado (NP).

6. Para o estudantado que cursou matérias de quarto de educação secundária obrigatória e validar algum âmbito de conhecimento do módulo 4 em função dos quadros de equivalências que figuram nos anexo IV e V desta ordem a qualificação média final desse âmbito ou âmbitos obter-se-á a partir da média aritmética das matérias de quarto de educação secundária obrigatória correspondentes a cada âmbito de conhecimento.

7. O estudantado que tenha superados os módulos de educação secundária para pessoas adultas estabelecidos na Ordem de 26 de maio de 1997 obterá as correspondentes validação em função do quadro de equivalências que figura no anexo IX desta ordem, conservando as qualificações obtidas. A qualificação do âmbito científico-tecnológico será a média aritmética das qualificações obtidas no âmbito da natureza e no âmbito tecnológico-matemático estabelecidos na Ordem de 26 de maio de 1997 expressada em números naturais por arredondamento dos decimais ao natural mais próximo e, em caso de equidistancia, ao superior.

8. Quando um aluno ou aluna tenha reconhecida a validação de algum âmbito do módulo 4 da educação secundária das pessoas adultas e não seja nas condições estabelecidas nos pontos 3, 6 ou 7 deste artigo, a qualificação final desse ou desses âmbitos será de 5 pontos.

9. A nota média de educação secundária para pessoas adultas será a média aritmética das qualificações finais de cada um dos âmbitos de conhecimento, arredondada a centésima mais próxima e, em caso de equidistancia, à superior.

Secção 3ª. Título

Artigo 43. Título de escalonado em educação secundária obrigatória

1. Para obter o título de escalonado em educação secundária obrigatória cumprirá ter superado o módulo 4 de todos os âmbitos da educação secundária para pessoas adultas.

2. Excepcionalmente, a equipa avaliador poderá propor para a obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória ao aluno ou à aluna que, ao finalizar o nível II da educação secundária para pessoas adultas, seja avaliado negativamente num dos âmbitos de conhecimento, sempre que tenha adquiridas as competências correspondentes e atingidos os objectivos estabelecidos para o ensino básico para as pessoas adultas.

3. Todo o estudantado adulto poderá receber, em qualquer caso, uma acreditação do centro educativo em que constem os níveis e módulos cursados e as qualificações obtidas.

4. A superação de qualquer dos módulos que integram o currículo da educação secundária para pessoas adultas terá validade em todo o território da Comunidade Autónoma da Galiza.

Secção 4ª. Provas para a obtenção do título de escalonado
em educação secundária obrigatória

Artigo 44. Provas para a obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória

1. Anualmente convocar-se-á ao menos duas provas para que as pessoas maiores de dezoito anos podan obter directamente o título de escalonado em educação secundária obrigatória. Estas provas estarão compostas por três exercícios diferenciados correspondentes a cada um dos âmbitos de conhecimento recolhidos nesta ordem.

2. A superação de todos os âmbitos dará direito à obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória.

3. A qualificação positiva obtida em qualquer dos âmbitos de conhecimento manter-se-á nas sucessivas convocações. Esta qualificação constará de forma documentário e certificar para facilitar a incorporação às diferentes modalidades de ensino de educação secundária para pessoas adultas, se for o caso.

Secção 5ª. Documentos de avaliação

Artigo 45. Documentos oficiais

Os documentos oficiais de avaliação na educação básica para pessoas adultas são os seguintes: actas de avaliação, expediente académico, historial académico de educação básica para pessoas adultas e relatório pessoal por deslocação.

Artigo 46. Documentos básicos

São documentos básicos, necessários para assegurar a mobilidade do estudantado, o historial académico e o relatório pessoal por deslocação.

Artigo 47. Expediente académico

1. O expediente académico é o documento de avaliação individual do estudantado que incluirá os dados identificador do centro, os relativos à aluna ou ao aluno e a informação relativa à sua escolarização, segundo os modelos que figuram no anexo XV desta ordem.

2. No expediente académico ficará constância, se é o caso, dos resultados da avaliação inicial e da adscrição à etapa e módulos correspondentes e dos resultados obtidos nos ensinos básicos iniciais e nos módulos dos âmbitos da educação secundária. Também incluirá as decisões de promoção e/ou título. Formalizar-se-á ao remate da sessão de avaliação ordinária ou depois da extraordinária, segundo corresponda a cada caso. Contará com a aprovação da direcção do centro assim como com a assinatura da secretaria.

3. As qualificações outorgadas ao estudantado que realize as provas extraordinárias consignar-se-ão no seu expediente académico trás a sua realização, independentemente do resultado da decisão adoptada acerca da promoção ou título.

Artigo 48. Actas de avaliação

1. As actas de avaliação compreenderão a relação nominal do estudantado que compõe cada grupo e os resultados da sua avaliação. As actas serão fechadas ao remate da avaliação final ordinária de cada quadrimestre e das sessões de avaliação extraordinárias.

2. Nas actas de avaliação da educação secundária para pessoas adultas detalhar-se-ão as qualificações dos diferentes módulos que compõem cada âmbito de conhecimento, assim como as decisões de promoção do estudantado de um módulo ao seguinte ou as propostas de título quando se remate o nível II destes ensinos. Estas actas ajustarão aos modelos que aparecem como anexo XVI da presente ordem.

3. As actas de avaliação serão assinadas por todo o professorado que dá docencia no grupo e contarão com a aprovação do director ou directora do centro educativo. A sua custodia e arquivamento corresponde à secretaria do centro educativo.

4. As actas de avaliação do estudantado e o resumo cuadrimestral cobrir-se-ão e assinar-se-ão tanto na sessão de avaliação ordinária como na extraordinária de cada módulo. Na acta da avaliação extraordinária incorporar-se-ão tanto as qualificações correspondentes à sessão de avaliação ordinária como as da sessão extraordinária. O modelo para o resumo cuadrimestral de qualificações do estudantado aparece no anexo XVII desta ordem.

5. Trás a celebração da avaliação extraordinária, os centros educativos remeterão ao serviço provincial de inspecção educativa, junto com a cópia das actas de avaliação, um relatório estatístico sobre os resultados dessa avaliação, que se ajustará ao modelo que se estabeleça.

Artigo 49. O historial académico do aluno

1. O historial académico da educação básica para pessoas adultas é o documento oficial que reflecte os resultados das avaliações e as decisões relativas ao progresso académico da aluna ou aluno ao longo das etapas que a integram. Tem valor acreditador dos estudos realizados.

2. O historial académico da educação básica para pessoas adultas recolherá os dados identificador de cada aluna e cada aluno, os anos da sua escolarização e os centros onde se realizaram os estudos. Incluirá, também, a adscrição resultante da avaliação inicial, se for o caso, os módulos cursados dentro de cada âmbito e os resultados da avaliação. Além disso, figurará a decisão sobre promoção ao módulo seguinte com a data correspondente, assim como a data de proposta de título.

3. O historial académico da educação básica para pessoas adultas será expedido em impresso oficial, será assinado pela secretária ou secretário do centro e contará com a aprovação do director ou directora do centro, que garantirá a autenticidade dos dados nele reflectidos e ajustará ao modelo que figura no anexo XVIII desta ordem.

4. Ao finalizar a educação secundária para pessoas adultas ou, em qualquer caso, ao finalizar a sua escolarização no centro correspondente, o historial académico da educação básica para pessoas adultas, junto com o anterior livro de escolaridade, se for o caso, será entregue ao estudantado.

Artigo 50. Relatório pessoal por deslocação

1. O relatório pessoal por deslocação é o documento oficial que tem como finalidade garantir a continuidade do processo de aprendizagem ao estudantado que se transfira a outro centro sem ter rematado o curso académico, devendo ajustar ao modelo que figura no anexo XIX desta ordem.

2. Contará com os elementos seguintes:

a) Resultados parciais da avaliação, se for o caso.

b) Constância da aplicação, se é o caso, de medidas de reforço ou qualquer outra dentro da atenção à diversidade.

c) Qualquer outra informação de interesse, referente ao processo educativo da aluna ou aluno.

3. O relatório pessoal será elaborado e assinado pela pessoa titora a partir da informação de todo o professorado que dê docencia no grupo e levará a aprovação do director ou directora do centro.

Disposição adicional primeira. Autorização de ensinos

Os centros que têm autorização para dar ensinos de pessoas adultas segui-las-ão dando desde o curso 2017/18 segundo a normativa estabelecida nesta ordem.

Disposição adicional segunda. Normativa aplicável

Aqueles aspectos não regulados expressamente nesta ordem reger-se-ão supletoriamente pelas normas para os ensinos do regime ordinário que lhes resultem aplicável.

Disposição adicional terceira. Impartição de âmbitos

A Conselharia de Cultura, Educação e Ordenação Universitária determinará as condições em que, com carácter excepcional, os âmbitos da comunicação e cientista-tecnológico da educação secundária para pessoas adultas poderão ser dados por dois professores e os critérios para a avaliação quando se produza essa circunstância.

Disposição derrogatoria única. Derogação de normativa

Fica derrogado a Ordem de 24 de junho de 2008 pela que se regula a educação básica para as pessoas adultas e se estabelece o seu currículo na Comunidade Autónoma da Galiza (DOG do 23 julho); a Ordem de 19 de fevereiro de 2009 pela que se regulam as provas livres para a obtenção do título de escalonado em educação secundária obrigatória para pessoas maiores de dezoito anos (DOG de 4 de março) e todas aquelas normas de igual ou inferior categoria cujo conteúdo se oponha ao estabelecido na presente ordem.

Disposição derradeiro primeira. Habilitação para o desenvolvimento normativo

Autorizam-se as direcções gerais de Educação, Formação Profissional e Inovação Educativa e de Centros e Recursos Humanos para ditar as disposições necessárias para a execução e desenvolvimento do estabelecido nesta ordem.

Disposição derradeiro segunda. Entrada em vigor

Esta ordem entrará em vigor o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, 20 de março de 2018

Román Rodríguez González
Conselheiro de Cultura, Educação e Ordenação Universitária

ANEXO IA

Educação básica de pessoas adultas

• Âmbitos da comunicação e da competência matemática.

Estes âmbitos têm como finalidade que o estudantado atinja o nível de competência linguística e matemática necessários para realizar os processos de pensamento que requer a aprendizagem ao longo da vida. O objectivo fundamental do âmbito da comunicação é desenvolver as competências comunicativas das pessoas adultas com a finalidade de possibilitar-lhes uma inserção activa e responsável na sociedade e, ao mesmo tempo, contribuir ao seu desenvolvimento pessoal. A competência matemática potência as capacidades que se empregam ao descrever, interpretar e predizer fenômenos, assim como para resolver problemas, relacionando o conhecimento conceptual e procedemental e realizando as correspondentes valorações.

As achegas dos âmbitos da comunicação e da competência matemática à aquisição das competências chave da aprendizagem ao longo da vida são:

– Comunicação linguística (CCL).

A competência em comunicação linguística é trabalhada especificamente desde os âmbitos da comunicação e da competência matemática através do estudo das componentes linguística, pragmático discursiva e estratégica da competência linguística com o objectivo de alcançar a compreensão e expressão oral e escrita de diferentes tipos de textos de acordo com o intuito e o contexto comunicativos. Os conteúdos das matemáticas facilitam a compreensão e a expressão em diferentes linguagens mediante os diferentes sistemas de representação. Ajudam a superar as dificuldades e a resolver os problemas que surgem no acto comunicativo ao empregar as destrezas vinculadas com o tratamento da informação, a leitura multimodal e a produção de textos electrónicos.

– Competência matemática e competências básicas em ciência e tecnologia (CMCCT).

Os conceitos e procedimentos matemáticos possibilitam a compreensão do impacto da intervenção humana no mundo físico e social e favorecem condutas e tomada de decisões pessoais guiadas pela capacidade crítica e a visão razoada e razoável das pessoas. O domínio da linguagem será um instrumento essencial para desenvolver o razoamento lógico matemático e o pensamento científico.

A aplicação do razoamento matemático permite interpretar e predizer diferentes fenômenos no seu contexto. A criação de descrições e explicações matemáticas leva implícita a interpretação de resultados, a reflexão sobre a sua adequação ao contexto e a determinação do valor das soluções pelo a respeito dos dados e à sua veracidade.

Para achegar-se aos diferentes conhecimentos científicos som necessários os números, as operações, as medidas, a xeometría e o tratamento da informação. Portanto, este âmbito contribui ao desenvolvimento do pensamento científico e da capacidade de identificar, propor e resolver situações da vida quotidiana analogamente a como se actua face ao reptos e problemas próprios das actividades científicas e tecnológicas.

– Competência digital (CD).

A formação nestes âmbitos achega conhecimentos sobre a linguagem digital básica e permite desenvolver as destrezas necessárias para o acesso à informação digital, a utilização de programas educativos, para as aplicações e outros recursos informáticos.

Por outra parte, potencia o desenvolvimento de diversas destrezas relacionadas com o acesso à informação, o processamento e uso para a comunicação, a criação de conteúdos e a segurança, tanto em contextos formais como não formais e informais. Através destes âmbitos, o estudantado capacítase para empregar quotidianamente os recursos tecnológicos disponíveis com o fim de resolver problemas.

– Competência de aprender a aprender (CAA).

Os âmbitos da comunicação e da competência matemática capacitan para realizar um processo reflexivo da aprendizagem, ao ajudarem a pensar antes de actuar, planificar, analisar o curso e o ajuste do processo, supervisionar, consolidar a aplicação de planos ajeitado ou modificar os que resultam incorrectos, assim como avaliar o resultado e o processo.

– Competências sociais e cívico (CCSC).

Os conteúdos dos âmbitos da comunicação e da competência matemática contribuem a desenvolver as destrezas para interpretar fenômenos e problemas sociais em contextos cada vez mais diversificados, para elaborar respostas, tomar decisões e resolver conflitos. O domínio dos recursos linguísticos contribui à utilização e melhora de práticas igualitarias no uso da linguagem e à ampliação do repertório linguístico do estudantado, de maneira que possa desenvolver-se com sucesso em diferentes contornos sociais.

Ademais, achegam as capacidades e habilidades necessárias para utilizar os conhecimentos sobre a sociedade, percebida desde as diferentes perspectivas, na sua concepção dinâmica, cambiante e complexa, assim como para relacionar-se com outras pessoas e grupos, conforme a normas fundamentadas no respeito mútuo e nas convicções democráticas.

– Competência do sentido de iniciativa e espírito emprendedor (CSIEE).

Oferecem também a possibilidade de adquirir as competências indispensáveis para desenvolver a capacidade de análise, planeamento, organização, gestão e tomada de decisões; adaptação à mudança e resolução de problemas; comunicação, apresentação, representação e negociação efectivas; trabalho individual e em equipa; o desenho e desenvolvimento de projectos pessoais, académicos e profissionais de forma criadora e imaxinativa; a participação, a capacidade de liderança e de delegação; o pensamento crítico e o sentido da responsabilidade; a autoconfianza, a avaliação e a autovaloración.

Amais, achegam conhecimentos e destrezas incluídos nesta competência: o mundo do trabalho, a educação económica e financeira ou o conhecimento da organização e os processos empresariais, assim como o desenvolvimento de atitudes que impliquem uma mudança de mentalidade que favoreça a iniciativa emprendedora, a capacidade de pensar de forma criativa, de gerir o risco e de manejar a incerteza.

– Competência da consciência e expressões culturais (CCEC).

O âmbito da comunicação proporciona ao estudantado estratégias para conhecer, compreender, apreciar e valorar com espírito crítico e com uma atitude aberta e respeitosa as diferentes manifestações culturais e artísticas, utilizá-las como fonte de enriquecimento e desfruto pessoal e considerá-las como parte da riqueza e o património dos povos.

Os usos linguísticos reflectem as atitudes para as línguas e os seus falantes, para a diversidade linguística e é objectivo deste âmbito o desenvolvimento de atitudes positivas ante esta diversidade assim como a erradicação dos usos discriminatorios da linguagem.

As matemáticas incluem os conceitos numéricos, o sistema de numeração decimal, a estimação e cálculo de magnitudes, as noções de xeometría, a situação no espaço, a representação de elementos xeométricos e de figuras planas e volumétricas, o tratamento e a representação da informação, o azar e a probabilidade.

Os âmbitos da comunicação e da competência matemática ajudam o estudantado a adquirir as aptidões essenciais para aprender, interiorizar os conteúdos do resto dos âmbitos e formar ao longo da vida. Portanto, a intervenção educativa do professorado que o dê dever-se-á ajustar aos conhecimentos prévios, ao estilo de aprendizagem e à língua materna do estudantado.

– Orientações metodolóxicas.

É importante que a equipa de profissionais de cada centro educativo adapte o currículo às características do contexto de ensino e realize os ajustes necessários para garantir o sucesso do estudantado nestas aprendizagens que constituem a base do currículo dos ensinos iniciais.

As propostas de trabalho, portanto, devem estar centradas no envolvimento e participação activa do estudantado em diálogo com o conhecimento. Deste modo, adquirirá as competências comunicativa e matemática necessárias para realizar as tarefas por iniciativa pessoal e com autonomia. Para isso é fundamental que estejam contextualizadas na realidade do estudantado e sejam adequadas às suas necessidades.

Esta concepção das tarefas, significativas e aplicável à vida das pessoas adultas, implica realizar um achegamento multidiciplinar e global ao conhecimento, que deve conter múltiplas estratégias de resolução de problemas no que diz respeito à competências chave da formação permanente. A proposta metodolóxica que mais se achega a este argumento didáctico e melhor responde às necessidades dos diferentes estilos e níveis de competência é o trabalho por projectos criativos, singulares e inovadores, especialmente se são emprendedores.

Os projectos que se proponham devem conter actividades singelas, claras, ordenadas e sistemáticas para facilitar a aquisição das habilidades fundamentais de estudo e trabalho individual e cooperativo.

Os standard de aprendizagem propõem conhecer, compreender e utilizar adequadamente o código linguístico verbal da língua de acesso ao currículo e, em menor grau, o de uma segunda língua, assim como códigos não verbais para processar a informação apresentada em diferentes suportes e sistemas de representação, comunicar-se com diferentes pessoas em diferentes contextos e com diversos fins, assim como elaborar e expressar conhecimento.

É preciso ter em conta que a linguagem é uma ferramenta essencial para pensar e criar, estabelecer a ordenação de pensamentos e ideias, elaborar esquemas e representações e utilizar as diferentes manifestações culturais para enriquecer-se, desfrutar e manter uma atitude de aceitação, tolerante e crítica para qualquer manifestação que implique discriminação.

Outrosí, os standard de aprendizagem formulam a relação entre a informação sobre situações reais, os saberes académicos e os conhecimentos matemáticos e, neste senso, especificam a interpretação e produção de informação sobre aspectos cualitativos e cuantitativos da realidade, a análise, a relação e a expressão matemática de dados de uso quotidiano, mediante a associação de conceitos, símbolos e representações durante o processo de razoamento lógico matemático.

Neste senso, incluem a realização de processos de razoamento matemático ordenados e sistemáticos, assim como a identificação da validade na resolução de problemas e o desenvolvimento de projectos com a ajuda das novas tecnologias da informação e da comunicação.

Finalmente, os critérios de avaliação propostos permitem valorar o grau de aquisição das competências chave em relação com a capacidade de comunicar-se de modo ordenado, sistemático e coherente, empregando mais de uma língua, diferentes códigos linguísticos e sistemas de representação, com julgamento crítico e a respeito da riqueza e variedade cultural. Também contribuem a estimar o nível de aquisição das competências chave que se põem em jogo ao resolver problemas, compreender, interpretar e elaborar informação cualitativa e cuantitativa, assim como representações multidimensionais dos objectos e do espaço, reflectindo e valorando a adequação das soluções aos interesses e necessidades pessoais e colectivos.

Os critérios propostos facilitam também a avaliação das capacidades da pessoa para desenvolver aspectos do razoamento lógico matemático e um pensamento bem estruturado, necessários para transformar as ideias em actos, seguir aprendendo e resolver situações da vida quotidiana com ajuda das novas tecnologias da informação e da comunicação.

• Âmbito da ciência, tecnologia e sociedade no mundo actual.

O âmbito da ciência, tecnologia e sociedade no mundo actual tem como finalidade que o estudantado conheça, compreenda, interprete, descreva e se relacione adequadamente com o mundo físico e social para atingir o máximo bem-estar pessoal. Para isso é preciso a progressiva aquisição de habilidades para observar a realidade, adoptar critérios válidos para a toma de decisões, desenvolver-se com autonomia e iniciativa pessoal e relacionar-se positivamente no espaço e com os demais, mostrando atitudes de responsabilidade e respeito que contribuam ao bem-estar colectivo.

As achegas do âmbito da ciência, tecnologia e sociedade no mundo actual à aquisição das competências chave da aprendizagem ao longo da vida são:

– Comunicação linguística (CCL).

Este âmbito expõe a interpretação e a expressão da concepção do mundo, assim como a interacção social desde uma perspectiva intercultural; acções para as que o estudantado põe em jogo continuamente a competência linguística.

A aprendizagem deste âmbito requer a prática de diferentes destrezas adquiridas ao longo da vida mediante o uso da língua, que implicam o manejo de diferentes modalidades de comunicação e o acesso a múltiplos suportes de informação, com textos em vários formatos, nos cales se empregam diversas linguagens e sistemas de representação, agora aplicados ao contexto científico, tendo sempre presente, ademais, que a linguagem é um instrumento humano básico porque permite razoar.

– Competência matemática e competências básicas em ciência e tecnologia (CMCCT).

Tanto a interpretação de acontecimentos, factos e acontecimentos como a experimentação no âmbito das ciências naturais e sociais e da tecnologia implicam a compreensão e a utilização do sistema numérico, a realização de cálculos, a estimação e o cálculo de magnitudes, a situação no espaço, o tratamento e a representação da informação e a valoração do azar e a probabilidade. Necessitam a aplicação do razoamento matemático e as suas ferramentas para descrever, interpretar e predizer diferentes fenômenos nos seus respectivos contextos, demonstrando os resultados matemáticos e valorando as soluções pela sua fiabilidade e veracidade.

Além disso, favorecem o incremento de destrezas para abordar a incerteza, o tratamento dos dados e os razoamentos cualitativos e cuantitativos de maneira lógica e argumentada, para estabelecer relações, para deduzir conclusões coherentes bem fundamentadas a problemas quotidianos e para alargar atitudes relacionadas com a assunção de critérios éticos associados à ciência, como a conservação de recursos naturais e outras questões ambientais. Tudo isso contribui ao desenvolvimento das capacidades necessárias para gerar conhecimento rigoroso de um modo sistemático, como é intrínseco ao método científico, assim como para desenvolver projectos tecnológicos bem planificados.

– Competência digital (CD).

O estudo das ciências naturais e sociais e a aplicação de procedimentos característicos do desenvolvimento tecnológico e da investigação científica demandan o uso habitual das novas tecnologias da informação e da comunicação. Precisam incrementar as habilidades de procura, selecção e recompilação de informação e desenvolver uma atitude crítica para analisar e interpretar a validade e fiabilidade do contido com o fim de resolver problemas, avaliar novas fontes de informação e motivar a curiosidade pelo conhecimento.

Ademais, este âmbito contribui à ampliação de capacidades compreendidas na competência digital para seleccionar os suportes mais ajeitado para observar, elaborar hipóteses, informar-se, experimentar, resolver todo o tipo de problemas, executar as tarefas técnicas adequadamente e elaborar conclusões bem fundamentadas. Propõe aprendizagens mediante o uso dos diferentes recursos das tecnologias da informação e da comunicação de maneira responsável, fiável e segura, tanto para resolver problemas como para produzir novos conteúdos.

– Aprender a aprender (CAA).

A metodoloxía didáctica deste âmbito prepara para formar-se permanentemente ao longo da vida ao propor que o estudantado aprenda a observar e formular questões sobre a realidade, a informar-se, a estudar, a realizar uma elaboração pessoal do conhecimento, a reflectir e a elaborar respostas aos fenômenos naturais, sociais e tecnológicos que se apresentam na sua vida quotidiana. Tudo isso acorda a curiosidade, incrementa a motivação e impulsiona o desejo contínuo de incorporar novos conhecimentos.

Desenvolver projectos pessoais específicos das ciências naturais e sociais ajuda a conseguir um nível relevante em autonomia e eficácia da própria aprendizagem, à qual se chega mediante trabalhos individuais e de grupo. A formação em diferentes áreas do saber cientista requer um processo introspectivo para valorar e relacionar os interesses e conhecimentos prévios com os novos saberes e empregar todas as estratégias de estudo e trabalho aprendidas: escuta activa, leitura, compreensão, análise, síntese, estruturación da informação, elaboração pessoal do saber, aplicação do conhecimento etc.

– Competências sociais e cívico (CCSC).

O âmbito da ciência, tecnologia e sociedade no mundo actual alicerza a capacidade de identificar, interpretar, apreciar e axuizar acontecimentos, factos, comportamentos, hábitos e valores para relacionar-se com o meio físico e social no diálogo, na cooperação e na participação a nível local, nacional e europeu. Propõe aprendizagens para a toma de decisões bem fundamentadas e argumentadas, para a compreensão e expressão de diferentes pontos de vista e o a respeito dos direitos e deveres universais. Destaca atitudes inspiradas no exercício da liberdade, o respeito, a tolerância, a igualdade e a não discriminação. Deste modo, prepara-se a pessoa para participar na actividade social e cívico, de acordo com valores socialmente estabelecidos, e a tomar consciência democrática.

Este âmbito proporciona ao estudantado estratégias para alcançar o bem-estar pessoal e colectivo. Reforça a inteligência emocional necessária para fazer um bom exercício da cidadania ao facilitar o autocoñecemento e a elaboração de uma imagem ajustada de um mesmo e do contexto, o autocontrol e a autorregulação de acordo com as normas sociais, a automotivación e a capacidade de criar um bom projecto de vida pessoal, o desenvolvimento da empatía e a ampliação das habilidades sociais para implicar-se e participar plenamente no seu contorno.

– Sentido de iniciativa e espírito emprendedor (CSIEE).

Este âmbito fomenta a capacidade de transformar ideias em actos, partindo de habilidades e destrezas pessoais, ao tratar conteúdos, estratégias metacognitivas, procedimentos e projectos que dotam as pessoas adultas de recursos para desenvolverem-se adequadamente e enfrentarem de maneira autónoma reptos pessoais, sociais, académicos e laborais de muito diversa índole. Consequentemente, promovem-se atitudes para aproveitar a informação, desenvolver ideias, resolver problemas e apresentar conclusões inovadoras.

Por outra parte, potencia a capacidade de análise, o pensamento crítico, la resolução de problemas e a tomada de decisões do indivíduo, ao propor a interpretação e a análise crítica da informação, conhecimentos e acontecimentos relacionados com as ciências naturais e sociais. Este âmbito favorece também o aumento da capacidade requerida para enfrentar a incerteza, o desenho e a aplicação de planos de acção eficazes, propondo e argumentando soluções a diferentes problemas quotidianos, económicos e sociais, com autonomia e iniciativa pessoais.

– Consciência e expressões culturais (CCEC).

A pessoa enriquece a sua competência cultural ao conhecer, compreender, interpretar e sentir a natureza e o labor humano, achegando-os como objecto de estudo e como fonte de inspiração de criações artísticas. A beleza da natureza foi objecto de estudo, valoração e recreação ao longo da história. A intervenção humana na natureza e na cultura dos povos põem-se de manifesto na arte com os propósitos de informar, educar, criar e recrear-se. A tecnologia é uma componente essencial da cultura actual e, por isso, desempenha um papel fundamental como objecto de estudo e representação e como instrumento de criação artística.

Este âmbito realiza achegas importantes à competência em consciência e expressões culturais ao propor a reflexão e a posta em prática de atitudes de respeito, aceitação e sentimento das diferentes manifestações culturais e artísticas, valorando a liberdade de expressão, o direito à diversidade cultural e o diálogo entre culturas e sociedades, passadas e actuais, locais e universais, com um espírito aberto, positivo e solidário.

– Orientações metodolóxicas.

Os conteúdos do âmbito da ciência, tecnologia e sociedade no mundo actual estão estruturados de acordo com interesses e necessidades do saber cientista e tecnológico, fundamentais para as pessoas adultas: o funcionamento e o cuidado do corpo; as características dos diferentes tipos de seres vivos, as suas interacções e o seu aproveitamento pelo ser humano; o universo, as partes da Terra, o contorno próximo e afastado e as suas representações; as matérias primas e o estudo dos materiais; a tecnologia e a intervenção do ser humano na natureza; o desenvolvimento sustentável e o consumo responsável; a perspectiva do momento actual, as etapas históricas e os fitos da humanidade; a geografia humana, política e económica.

A metodoloxía didáctica terá como finalidade a ampliação das competências chave em relação com os contidos deste âmbito e fundamentará na aplicação do método científico, com o objecto do estudantado desenvolver a capacidade de observar, descrever, explicar e razoar os factos e fenômenos que acontecem em todos os âmbitos da vida quotidiana.

O emprego de estratégias próprias da metodoloxía científica leva em sim a capacitação para questionar, identificar problemas, formular hipóteses, planificar e realizar acções, recolher e organizar informação relevante, sistematizar e analisar resultados, tirar conclusões e comunicá-las correctamente.

Os processos de ensino e aprendizagem devem organizar-se arredor de tarefas complexas, contextualizadas em projectos inovadores de investigação, nos cales se integrem diferentes experiências. Deste modo, atender-se-á aos diferentes ritmos de aprendizagem, promover-se-á o trabalho individual e em equipa, pôr-se-ão em jogo as diferentes dimensões de cada competência chave da aprendizagem permanente para favorecer a autonomia e iniciativa pessoais, a educação e a formação permanente.

A metodoloxía didáctica será fundamentalmente prática, participativa e comunicativa. Estará baseada na aplicação de procedimentos sistemáticos básicos para o estudo e o trabalho mediante a realização de tarefas e actividades significativas e aplicável a diferentes situações reais.

Prestar-se-á especial atenção ao uso das tecnologias da informação e da comunicação, assim como ao desenvolvimento da competência linguística e matemática para enriquecer a capacidade das pessoas adultas para aprenderem por sim mesmas.

Os standard de aprendizagem propõem compreender, interpretar textos e comunicar, mediante uma linguagem multimodal em diferentes sistemas de representação, o conhecimento académico e científico processado e elaborado, destacando aspectos básicos da comunicação, a exposição e o diálogo. Especificam acções chave do processo de experimentação, tais como observar, analisar, diferenciar, estruturar, conhecer, descrever, sintetizar, investigar, relacionar, associar, questionar-se, explicar, interpretar, deduzir, demonstrar, etc. Incluem o uso responsável e eficaz das novas tecnologias para procurar e gerir informação, empregar técnicas de estudo e trabalho, resolver problemas e aplicar o conhecimento. O seu sucesso implica a melhora do bem-estar individual do estudantado e achegas importantes ao bem comum, porque leva à actuação responsável, ao julgamento crítico fundamentado nos valores positivos e ao desenvolvimento moral.

Os critérios de avaliação estão formulados de maneira que permitam valorar o grau de consecução de cada uma das competências em relação com os contidos do âmbito. Têm o propósito de guiar a análise das possibilidades que possui cada aluno e aluna para conhecer, compreender e relacionar-se de um modo positivo, para sim mesmos e para os demais, com o mundo físico e social. Isto implica actuar com autonomia e responsabilidade; compreender, interpretar e descrever o mundo e valorá-lo como fonte de inspiração; ser consciente do impacto da evolução científica e tecnológica na cultura; associar eventos com as suas causas e consequências; utilizar os recursos humanos e materiais mais habituais para procurar informação e resolver problemas; tomar consciência e compreender os valores implícitos no bem-estar individual e colectivo, comprometer-se e participar nos contornos próximos e afastados de acordo com os supracitados valores.

• Âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral.

A finalidade do âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral é que o estudantado chegue a possuir a formação necessária para tomar decisões, resolver os seus problemas e enfrentar os principais desafios da sociedade actual; adquira as habilidades para relacionar-se de maneira eficaz com o seu contorno, à vez que configure valores pessoais e cívico valiosos que contribuam a incrementar a sua qualidade de vida. Este âmbito tem, em definitiva, o objectivo de construir uma base sólida de saberes, formas de proceder e um talante que permita à pessoa desenvolver-se plenamente ao longo da sua vida.

Os contributos deste âmbito à aquisição das competências chave da aprendizagem ao longo da vida são:

– Comunicação linguística (CCL).

O âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral contribui ao desenvolvimento da competência em comunicação linguística achegando a formação necessária para o correcto uso da língua, de maneira positiva e respeitosa, como médio de interacção com o mundo social que arrodea o estudantado, demonstrando asertividade, melhorando as habilidades sociais e comunicativas, proporcionando ferramentas para expressar adequadamente os seus próprios interesses, resolvendo os conflitos mediante o diálogo, perfeccionando o autocoñecemento empregando a linguagem interna e a metacognición, imprescindíveis ambas, tanto para a autorregulação e a automotivación como para a aprendizagem autónoma. Através deste âmbito também se proporcionam ao estudantado os conhecimentos sobre o mundo, concretamente, sobre o funcionamento da sociedade em que vive, à vez que se familiariza com estilos comunicativos formais próprios das administrações públicas e as empresas. As pessoas adultas devem adquirir também a habilidade de dispor de recursos linguísticos suficientes para interpretarem e comunicarem informação sobre aspectos da sociedade, qualidade de vida, projectos pessoais e profissionais, assim como para expressarem correctamente sentimentos, pensamentos, experiências e ideias durante interacções sociais, cumprindo as normas do intercâmbio comunicativo, escutando e valorando as achegas de outras pessoas à conversação.

– Competência matemática e competências básicas em ciência e tecnologia (CMCCT).

A aprendizagem deste âmbito contribui à aquisição da competência matemática ao aplicar os processos de razoamento lógico durante a interacção do estudantado com o contexto físico e social para compreender o funcionamento básico do sistema económico e político actual e ao elaborar planos de acção que permitam alcançar objectivos pessoais, familiares e profissionais relevantes e melhorar a qualidade de vida. Além disso, fomenta a capacidade crítica e a aptidão apropriada para a elaboração de julgamentos fundados ao confrontar problemas quotidianos e aplicar o razoamento lógico para compreender estados emocionais e resolver conflitos pessoais e dilemas morais, assim como antecipar as consequências que podem causar as suas acções e decisões. A aplicação dos conhecimentos matemáticos permite ao indivíduo empreender projectos económicos a nível pessoal e profissional. Por outra parte, desenvolvem-se as competências básicas em ciência e tecnologia aplicando tanto o método científico de resolução de problemas como o manejo de ferramentas e dispositivos singelos, relacionados com a ciência e a tecnologia, nos diversos problemas e desafios a que um cidadão se enfronta na actualidade.

– Competência digital (CD).

Uma finalidade primordial deste âmbito é introduzir as pessoas adultas no mundo das novas tecnologias e aprender-lhes a fazer um bom uso da informática, com o objectivo de adquirirem destrezas digitais que lhes permitam aprender de maneira autónoma, aproveitando os recursos disponíveis na rede. Também contribui a desenvolver a competência digital ao achegar habilidades e destrezas para satisfazer necessidades básicas quotidianas e responder adequadamente as demandas e oportunidades presentes na nossa sociedade mediante o uso das novas tecnologias da informação e da comunicação. A aprendizagem neste âmbito implica a realização de actividades tais como elaborar os seus próprios documentos pessoais em formato digital, realizar trâmites administrativos de forma telemático, aceder a portais de emprego ou difundir a própria actividade profissional, que requerem um conhecimento básico do funcionamento das administrações, instituições, entidades e empresas no âmbito tecnológico.

– Competências sociais e cívico (CSC).

As competências sociais e cívico trabalham desde o âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral através do estudo de conceitos básicos de direito, economia e sociedade, que facultam o cidadão para participar de maneira activa na sociedade. Além disso, encaminha à capacitação do estudantado para compreender o funcionamento do mundo que habita, ser consciente das suas responsabilidades no âmbito pessoal e familiar, perceber o impacto social das suas acções e actuar de acordo às normas de convivência e aos valores cívico estabelecidos, assim como desenvolver os próprios, baseados no respeito e na responsabilidade individual. Ademais, mediante o estudo da composição da sociedade e dos direitos e deveres universais, procura-se promover tanto a tolerância e a respeito da diversidade quanto uma atitude de cooperação, de altruísmo e de colaboração em redes de apoio social, que permita ao indivíduo ser útil e sentir-se valorado na sociedade.

– Consciência e expressões culturais (CCEC).

Os conteúdos do âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral revertem na aquisição da competência em consciência e expressões culturais, ao incidirem na importância de um lazer de qualidade ao proporcionarem ao estudantado ferramentas valiosas para informar-se e aproveitar as ofertas culturais e lúdicas disponíveis no contorno, e ao transmitirem a importância de uma participação activa na vida cultural da nossa sociedade. Pretende-se, ademais, fomentar o interesse pelas expressões artísticas e actividades de lazer das diferentes culturas que conformam a nossa sociedade.

– Orientações metodolóxicas.

Os conteúdos do âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral tratam aspectos relevantes para desenvolver a inteligência emocional e manter o equilíbrio pessoal, impulsionam a autonomia e iniciativa do estudantado, possibilitam o bem-estar individual e propiciam uma melhor integração das pessoas na sociedade. Estes conteúdos agrupam-se em quatro grandes blocos conceptuais: inteligência emocional, dirigida à melhora do autocoñecemento, autorregulação e autocontrol; a participação social, que inclui temas de economia, direito e sociedade aplicados e dirigidos a formar cidadãos informados; a qualidade de vida, bloco destinado a melhorar as habilidades de organização no pessoal; e, por último, a iniciativa pessoal, que oferece recursos para o estudantado poder iniciar projectos pessoais em qualquer contexto.

A metodoloxía de ensino e aprendizagem deste âmbito deve estar fundamentada na realização de projectos conectados com as vivências quotidianas das pessoas adultas e deve-se assentar nas experiências prévias e na bagagem cultural que cada aluno e aluna acheguem à sua actividade formativa. O desenvolvimento da autonomia e a iniciativa pessoal são aspectos chave neste âmbito, pelo que predominarán actividades autodirixidas, centradas na plena participação do estudantado no seu próprio processo de aprendizagem, que ofereçam a possibilidade de aplicar as aprendizagens a âmbitos pessoalmente relevantes.

As propostas didácticas devem enfocarse a dotar a pessoa de ferramentas que lhe permitam levar a bom termo projectos pessoais e profissionais, individuais e colectivos, semelhantes aos possíveis reptos presentes e futuros da sua vida diária. Em todo momento deve-se ter presente a componente social do processo de aprendizagem e deverão aproveitar-se todas as oportunidades para formar o indivíduo em aptidões de cooperação e de comunicação com pessoas do seu contorno que favoreçam a aquisição de condutas asertivas e colaboradoras.

Além disso, é preciso que se exponham projectos que contribuam a que o estudantado desenvolva uma imagem ajustada de sim mesmo e do contorno em que se desenvolve; identifique necessidades e interesses próprios e alheios e os satisfaça; pense e acometa planos pessoais, académicos e laborais. As tarefas e as actividades contidas nos projectos apresentarão exercícios de reflexão que potenciem processos de pensamento complexos e a análise de factos e situações, para detectar causas, envolvimentos e consequências.

Devem facilitar-se instruções para aprender a observar, reconhecer, examinar, analisar, diferenciar, considerar, estudar, sintetizar, expressar, explicar, representar e expor de maneira coherente emoções, pensamentos, experiências e ideias. Ter em conta as instruções ajudará o estudantado para ser quem de atender, concentrar-se, autorregularse, escutar activamente, empregar a linguagem interna, meditar, deliberar, especular, cooperar e axuizar para resolver os problemas reais. Os processos empreender-se-ão empregando serviços e recursos humanos e materiais ao alcance do estudantado na sua vida quotidiana através da oferta de entidades, instituições e administrações públicas e privadas.

As tecnologias da informação e da comunicação, utilizadas como ferramentas de trabalho nos processos de aprendizagem, serão fundamentais para facilitar ao estudantado o acesso ao currículo e a resolução de problemas de aprendizagem. Por outra parte, as novas tecnologias constituir-se-ão em conteúdos essenciais dos projectos pela sua importância destacada na sociedade actual.

Os standard de aprendizagem propostos para o âmbito de desenvolvimento e iniciativa pessoal e laboral contribuem a propor, planificar e implantar planos em todos os âmbitos da vida, assim como a desenvolver um sentido crítico próprio para valorar de maneira razoada a realidade pessoal e social: elaborar valorações ajustadas de sim mesmo, aproveitar as oportunidades de mudança, dispor de flexibilidade cognitiva para superar os problemas e informar-se e reflectir de maneira crítica sobre a realidade social actual. Também, os standard de aprendizagem implicam a procura de actividades de lazer, significativas e construtivas, a organização do tempo livre e a introdução ao mundo digital e à nova oferta cultural disponível na rede, tudo isso desenvolvendo uma atitude aberta e tolerante para todas as culturas que convivem em Espanha actualmente, respeitando a dignidade pessoal e valorando a inclusão social.

Os critérios de avaliação permitem valorar o nível de destreza alcançado pelo estudantado em cada uma das competências chave para relacionar-se de maneira óptima consigo mesmo e com o seu contorno, reflectir sobre os seus interesses e objectivos, expor e desenvolver planos de acção e fazer um bom uso da vasta quantidade, qualidade e variedade de recursos disponíveis na sociedade actual. Tomados como ponto de referência, os critérios de avaliação podem orientar a formação para o desenvolvimento de uma cidadania capaz, proactiva, criativa, flexível e autónoma, que contribua a melhorar tanto a sua qualidade de vida como a das pessoas da sua contorna e da sociedade em geral.

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. NÍVEL I

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências

chave

Bloco 1: Comunicação oral

f

g

h

j

B1.1. Situações comunicativas, espontâneas ou dirigidas, utilizando um discurso ordenado, coherente e com uma entoación, pronúncia, ritmo e vocabulário acordes a cada situação.

B1.2. Audição e reprodução de textos de diversa tipoloxía textual.

B1.3. Compreensão e expressão de mensagens verbais e não verbais.

B1.1. Conhecer basicamente o código linguístico verbal e códigos singelos não verbais para compreender e expressar correctamente mensagens orais e escritas da vida quotidiana, estruturadas e adequadas a diferentes situações comunicativas com diferentes tipos de interlocutores e diversas finalidades.

B1.1.1. Compreende de maneira básica o código linguístico.

CCL

B1.1.2. Utiliza os recursos linguísticos e não linguísticos adequados ao intuito comunicativo.

B1.1.3. Compreende e expressa textos orais e escritos segundo a sua tipoloxía: narrativos, descritivos, expositivos, argumentativos, instrutivos, informativos e persuasivos.

CCL

CAA

B1.1.4. Compreende a informação essencial em mensagens orais e escritas de conteúdo diverso e uso habitual e extrai as ideias principais e secundárias e o sentido global do texto.

CCL

B1.1.5. Utiliza a língua oral e escrita com diferentes finalidades e como forma de comunicação e de expressão pessoal em diferentes âmbitos de uso.

CCL

CSC

B1.1.6.Transmite as ideias com claridade, ordem, coerência e correcção.

CCL

e

f

h

B1.4. Estratégias e normas sociolinguístico para o intercambiar comunicativo.

B1.2. Utilizar a linguagem como ferramenta fundamental para identificar, expor e resolver situações quotidianas conforme a atitudes próprias de uma sociedade democrática, com tolerância, empatía e inspirando confiança e mostrando uma atitude construtiva, da respeito da diferenças, e sem prejuízos.

B1.2.1.Utiliza a língua oral para expor de modo ordenado e coherente o conteúdo verbal que se quer transmitir segundo o tipo de interlocutor.

CCL

CSC

B1.2.2. Aplica as normas sociolinguístico para o intercambiar comunicativo: escuta activamente, espera o turno de palavra, participa com respeito e utiliza normas de cortesía.

B1.2.3. Lê informação sobre factos sociais procedente de diferentes meios.

CLC

CMCCT

B1.2.4. Utiliza a linguagem para relacionar-se de modo positivo e resolver conflitos.

CLC

CSC

B1.2.5. Realiza interpretações pessoais dos contidos dos médios de comunicação impressos, audiovisuais e digitais.

CD

CSC

B1.2.6. Expressa oralmente os seus próprios julgamentos sobre os conteúdos das mensagens recebidas, sobre temas quotidianos ou outros assuntos do seu interesse, respeitando os sentimentos, experiências, ideias, opiniões e conhecimentos dos demais.

CCL

CSC

b

c

g

h

B1.5. Estratégias para utilizar a linguagem oral como instrumento de comunicação e aprendizagem.

B1.6. Comentário oral e julgamento pessoal respeitoso.

B1.3. Empregar a linguagem para desenvolver a capacidade de transformar as ideias em actos.

B1.3.1. Interpreta, valora a informação e explica-a com a sua bagagem linguística.

CCL

B1.3.2. Verbaliza valorações de sim mesmo e do seu processo de realização pessoal com intuitos de melhora e atitude de superação.

CCL

CSIEE

B1.3.3. Explica oralmente procedimentos para resolver diferentes tipos de problemas com iniciativa pessoal.

CCL

CSIEE

B1.3.4. Possui a habilidade linguística para realizar negociações efectivas, para trabalhar em equipa e para exercer a liderança com sentido da responsabilidade.

CSC

CSIEE

Bloco 2: Comunicação escrita

b

f

g

B2.1. Recursos gráficos na comunicação escrita. Consolidação do sistema de lectoescritura.

B2.2. Composição de diferentes tipos de textos para expressar os próprios conhecimentos, vivências e necessidades.

B2.3. Expressão escrita de textos de diversa tipoloxía textual com claridade, precisão e correcção.

B2.4. A apresentação de documentos escritos: caligrafía, ordem e limpeza.

B2.1. Conhecer basicamente o código linguístico verbal para expressar correctamente mensagens escritas da vida quotidiana, estruturadas e adequadas a diferentes situações comunicativas com diferentes tipos de interlocutores e diversas finalidades.

B2.1.1. Elabora e apresenta documentos escritos com limpeza, claridade, precisão e ordem.

CCL

CAA

B2.1.2. Aplica as normas ortográfico, gramaticais, semánticas, discursivas e comunicativas adquiridas para alcançar uma comunicação eficaz.

CCL

CSC

b

f

n

B2.5. Leitura e reprodução de textos de diversa índole.

B2.6. Estratégias para a compreensão escrita de textos breves e singelos lidos em voz alta e em silêncio.

B2.7. Identificação do sentido global do texto e das ideias principais e secundárias.

B2.8. Valoração crítica das mensagens e valores transmitidos por um texto singelo.

B2.2. Utilizar a linguagem básica digital para desenvolver as diversas destrezas relacionadas com o acesso à informação, o processamento e o seu uso para a comunicação tanto em contextos formais como não formais e informais.

B2.2.1. Reconhece uma linguagem específica básica (icónica, visual e gráfica) para poder utilizar com eficácia as novas tecnologias.

CD

B2.2.2. Usa eficazmente as novas tecnologias mediante o emprego de uma linguagem textual básica.

CCL

CD

B2.2.3. Utiliza diversas aplicações e recursos informáticos para obter informação.

CD

CAA

B2.2.4. Utiliza programas educativos digitais para realizar tarefas e avançar na aprendizagem.

CD

CAA

B2.2.5. Escreve, em diferentes suportes informáticos, textos próprios do âmbito da vida quotidiana imitando modelos.

CCL

CD

Bloco 3: Conhecimento da língua

b

f

j

B3.1. Normas ortográfico básicas, as normas gerais de acentuação e os signos de pontuação.

B3.2. Relações semánticas. Palavras sinónimas, antónimas e polisémicas. Campo semántico.

B3.3. O abecedario e a ordem alfabética. Consulta do dicionário para resolver dúvidas.

B3.4. Oração: concordancia sujeito e predicado.

B3.5. Estratégias para a aquisição de vocabulário.

B3.6. Usos discursivos da linguagem.

B3.1. Utilizar a linguagem para desenvolver os processos mentais cognitivos e como um instrumento óptimo para iniciar, organizar e persistir na aprendizagem e o enriquecimento pessoal e social.

B3.1.1. Ordena pensamentos e ideias e elabora singelos esquemas e mapas mentais.

CCL

CAA

B3.1.2. Maneja de forma efectiva o dicionário para alargar o seu vocabulário e expressar-se com precisão e correcção.

CCL

CAA

B3.1.3. Utiliza a escrita para descrever e explicar a sua representação do mundo.

CCL

CCEC

B3.1.4. Emprega a linguagem como fonte de informação na prática das estratégias de aprendizagem, estudo e trabalho.

CCL

CAA

B3.1.5. Recorre à leitura para obter informação, para aprender a própria língua e por prazer.

CCL

CAA

CCEC

B3.1.6. Identifica e valora os conhecimentos atingidos e os que necessita adquirir para desenvolver competências para a aprendizagem permanente ao longo da vida.

CMCCT

CSIEE

Bloco 4: Educação literária

g

h

o

B4.1. Achegamento à literatura. Textos literários e não literários.

B4.2. Leitura dramatizada e comentada de textos literários significativos.

B4.3. Compreensão, memorización e recitación de textos literários.

B4.4. A biblioteca: procura de informação e lazer.

B4.1. Compreender e interpretar a linguagem que faz parte das manifestações culturais ou artísticas e utilizá-la para expressar as próprias ideias, pensamentos e sentimentos, explorando canais que desenvolvam a sensibilidade, a criatividade e a estética.

B4.1.1. Desfruta com as artes cénicas e realiza apreciações pessoais partilhando-as com outras pessoas.

CCL

CCEC

B4.1.2. Reconhece o valor da linguagem musical e identifica os sentimentos que gera.

CCEC

B4.1.3. Utiliza textos literários singelos para desfrutar e enriquecer-se culturalmente.

CCL

CCEC

B4.1.4. Compreende e valora com atitude aberta e respeitosa e com espírito crítico as diferentes manifestações culturais e artísticas.

CSC

CCEC

B4.1.5. Utiliza as diferentes manifestações culturais e artísticas como fonte de enriquecimento e desfruto pessoal e considera-as parte da riqueza e património dos povos.

B4.1.6. Manifesta uma atitude crítica e de rejeição ante qualquer manifestação artística que implique discriminação social, cultural, étnica ou de género.

CCL

CSC

Bloco 5: Comunicação oral em inglês

b

f

B5.1. Compreensão e produção de mensagens orais em apresentações e descrições pessoais.

B5.2. Estratégias e normas sociolinguístico para o intercambiar comunicativo: perguntas básicas.

B5.3. Estratégias para utilizar a linguagem oral como instrumento de comunicação e aprendizagem.

B5.4. Uso respeitoso da linguagem. Convenções sociais e normas de cortesía.

B5.1. Dispor de habilidades linguísticas básicas que permitam orientar-se num contexto anglofalante e participar em situações comunicativas simples.

B5.1.1. Reconhece nomes, palavras e frases muito básicas.

CCL

B5.1.2. Capta o sentido de textos com apoio visual.

B5.1.3. Compreende mensagens breves e singelas.

B5.1.4. Escreve frases e orações singelas.

B5.1.5. Expõe e contesta perguntas sobre sim mesmo/a e outras pessoas (my name is, he/she is?)

B5.2. Valorar o inglês como principal língua partilhada no mundo, utilizando as destrezas básicas que permitem uma interacção respeitosa e elementar com colectivos não hispanofalantes.

B5.2.1. Emprega adequadamente expressões de cortesía (cumprimentos, despedidas e agradecementos).

CCL

CSC

B5.2.2. Utiliza fórmulas de apresentação básicas.

CSC

B5.2.3. Maneja construções elementares adecuándose às normas sociolinguístico anglosaxoas.

CCL

Bloco 6: Comunicação escrita em inglês

f

n

B6.1. Leitura e reprodução de textos simples de diversa índole.

B6.2. Identificação do sentido global de textos singelos.

B6.3. Apresentação de documentos escritos: caligrafía, ordem e limpeza.

B6.1. Aproveitar os meios digitais à sua disposição para resolver dúvidas e alargar conhecimentos sobre a língua inglesa.

B6.1.1. Busca o significado de palavras que desconhece.

CD

B6.2.1. Resolve dúvidas sobre léxico e construções gramaticais por meio da consulta de webs ou outras ferramentas.

CAA

CD

Bloco 7: Metalingüística para inglês

b

B7.1. Signos de pontuação.

B7.2. Conjunção copulativa (and).

B7.3. Afirmações (Yes (+tag)), negações (with not), no (Adj.), No (+ negative tag), interrogacións (How are you?, what's your name?)

B7.4. Estratégias para a aquisição de vocabulário para situações quotidianas.

B7.5. Estratégias de compensação. Uso da linguagem não verbal.

B7.6. Expressão da modalidade: capacidade (cão); permissão (cão).

B7.7. Expressão da quantidade: (singular/plural; cardinal numerals up to two digits).

B7.8. Expressão do tempo: (points (e.g.half past past five); divisions (e.g. Half an hour, summer).

B7.1. Adquirir o léxico elementar necessário para expressar conceitos descritivos simples (cores e adjectivos básicos (big, small) e de quantidade, espaço e tempo.

B7.1.1. Identifica e emprega cumprimentos e fórmulas simples de cortesía (hello, bye, good morning, thank you, please).

CSC

B7.1.2. Identifica e emprega correctamente vocabulário relativo a números em inglês.

CMCCT

B7.1.3. Identifica vocabulário descritivo básico (cores, adjectivos (big, small…)

CCL

B7.1.4. Expressa a hora em inglês.

CCL

CMCCT

B7.1.5. Identifica e compreende vocabulário relativo aos dias da semana, aos meses e às estações.

B7.1.6. Maneja conceitos simples de quantidade.

CMCCT

B7.1.7. Compreende o significado de anglicismos de uso frequente, principalmente aqueles relacionados com a tecnologia.

CCL

ÂMBITO DA COMPETÊNCIA MATEMÁTICA. NÍVEL I

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Números e operações

e

j

l

B1.1. Nome e grafía dos números.

B1.2. Números inteiros e decimais.

B1.3. Números ordinal.

B1.4. Numeração romana.

B1.5. Sistema de numeração decimal.

B1.1. Compreender e expressar-se em diferentes linguagens empregando adequadamente os números, os símbolos, as representações e as expressões matemáticas.

B1.1.1. Percebe e utiliza a grafía dos números arábigos e romanos em diferentes contextos de comunicação.

CMCCT

B1.1.2. Compreende e utiliza os símbolos matemáticos básicos para comunicar-se em diferentes linguagens.

B1.1.3. Interpreta e emprega expressões matemáticas utilizando diferentes sistemas de representação.

CCL

CMCCT

B1.1.4. Relaciona a linguagem matemática com a linguagem da vida quotidiana.

B1.1.5. Compreende e representa diferentes tipos de informação cuantitativa.

CMCCT

e

j

B1.6. Operações com números naturais.

B1.2. Aplicar o razoamento matemático e as suas ferramentas para descrever, interpretar y predizer diferentes fenômenos nos seus respectivos contextos interpretando os resultados matemáticos e valorando as soluções pelo a respeito dos dados e a sua veracidade.

B1.2.1. Realiza processos de razoamento matemático ordenados e sistemáticos e identifica a sua validade.

B1.2.2. Analisa, relaciona e expressa dados matematicamente.

B1.2.3. Sintetiza a informação e realiza as interpretações necessárias para tomar decisões na resolução de problemas.

CCL

CAA

CMCCT

B1.2.4. Relaciona os conhecimentos matemáticos com informação sobre situações reais.

CMCCT

B1.2.5. Associa conceitos, símbolos e representações durante o processo de razoamento lógico matemático.

CCL

CMCCT

B1.2.6. Utiliza a dedução para compreender problemas matemáticos, relacionar os dados, tomar decisões para operar e obter conclusões sobre resultados.

CCL

CAA

B1.2.7. Classifica números, medidas, for-mas xeométricas e diferentes tipos de dados cuantitativos.

CMCCT

e

j

p

B1.7. Resolução de problemas da vida quotidiana.

B1.3. Identificar, expor e resolver situações da vida quotidiana utilizando os números e as operações.

B1.3.1. Resolve problemas de um modo reflexivo, ordenado, sistemático e veraz.

CMCCT

CSIEE

B1.3.2. Lê, escreve e ordena números inteiros e decimais interpretando o valor de posição de cada uma das suas cifras.

CMCCT

B1.3.3. Utiliza estratégias básicas de cálculo mental e realiza cálculos numéricos com as operações de soma, resta, multiplicação e divisão.

CMCCT

CAA

B1.3.4. Compreende o sistema de numeração decimal.

CCL

B1.4. Empregar a competência digital para resolver problemas matemáticos relacionados com a vida quotidiana.

B1.4.1. Utiliza a calculadora para realizar operações básicas.

CD

CMCCT

B1.4.2. Pratica exercícios matemáticos com ajuda dos recursos e aplicações digitais.

B1.5. Seguir processos reflexivos que implicam planeamento, supervisão e avaliação do resultado e do processo e para resolver problemas.

B1.5.1. Compreende o enunciado dos problemas.

CCL

B1.5.2. Analisa, relaciona e representa a informação do problema.

CCL

CAA

B1.5.3. Selecciona estratégias e procedimentos adequados para a resolução de problemas.

CAA

CMCCT

B1.5.4. Realiza ajustes durante a resolução de problemas para chegar a resolvê-los.

B1.5.5. Valora os resultados obtidos e obtém conclusões sobre eles.

CCL

Bloco 2: Sob medida. Estimação e cálculo de magnitudes

j

B2.1. Medidas de comprimento, capacidade e massa.

B2.2. Medidas de tempo.

B2.3. Instrumentos de medida.

B2.4. Comparação, equivalências e transformações de medidas de uma mesma magnitude.

B2.5. Sistema monetário.

B2.6. Resolução de problemas de medida.

B2.1. Identificar, formular e resolver situações da vida quotidiana utilizando os números, as operações e as medidas.

B2.1.1. Emprega unidades de medidas convencionais.

CMCCT

B2.1.2. Realiza comparações, equivalências e transformações de medidas de uma mesma magnitude.

CMCCT

CAA

B2.1.3. Selecciona os instrumentos e unidades de medida adequados para realizar medições de comprimento, massa, capacidade e tempo em situações reais.

CMCCT

B2.1.4. Conhece o valor e as equivalências entre as diferentes moedas e bilhetes do sistema monetário da União Europeia.

CMCCT

CSIEE

Bloco 3: Xeometría

e

B3.1. Situação no espaço.

B3.1. Identificar, expor e resolver situações da vida quotidiana utilizando os números e a xeometría.

B3.1.1. Compreende e emprega representações xeométricas durante a resolução de problemas.

CMCCT

e

j

l

B3.2. Representação no plano.

B3.2. Empregar diferentes habilidades e destrezas de pensamento lógico matemático para compreender a realidade, interpretá-la e expressá-la.

B3.2.1. Descreve representações espaciais, tais como esbozos, rueiro e planos singelos tendo em conta as necessidades e o ponto de vista de outras pessoas.

CCL

CMCCT

B3.2.2. Representa objectos, espaços e percursos.

CMCCT

B3.2.3. Interpreta e elabora informações referidas a situações e movimentos; por exemplo, seguir um percurso dado e indicar uma direcção.

B3.2.4. Regista informação cuantificable utilizando recursos singelos para resolver problemas.

CD

CMCCT

B3.2.5. Compreende e analisa conceitos e elementos básicos de xeometría plana e volumétrica.

CMCCT

CAA

j

i

l

B3.3. Conceitos básicos de xeometría.

B3.3. Compreender e utilizar a representação da informação para interpretar e expressar aspectos básicos da sociedade, a economia e o mundo do trabalho.

B3.3.1. Interpreta representações gráficas de dados relativos ao contorno imediato.

CMCCT

CCEC

B3.3.2. Regista informação cuantificable utilizando recursos singelos de representação gráfica.

CMCCT

CD

B3.3.3. Compreende e emprega tabelas e gráficos de uso habitual na vida quotidiana.

CMCCT

CSIEE

B3.3.4. Percebe e maneja mapas e planos.

CMCCT

e

h

B3.4. Formas planas. Polígonos e círculos.

B3.4. Desenvolver a capacidade de compreender e empregar as diferentes linguagens artísticas, assim como a da sua integração, empregando os elementos e a estrutura da linguagem matemática.

B3.4.1. Reconhece e representa as figuras planas mais frequentes e os seus elementos básicos.

B3.4.2. Reconhece manifestações artísticas inspiradas na xeometría.

CCEC

B3.4.3. Elabora representações de polígonos.

CMCCT

ÂMBITO DA CIÊNCIA, SOCIEDADE, TECNOLOGIA E DE DESENVOLVIMENTO E INICIATIVA PESSOAL. NÍVEL I

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Saúde

m

o

B1.1. Desporto, descanso e higiene das posturas.

B1.2. Higiene.

B1.3. Nutrição.

B1.4. Sexualidade.

B1.1. Valorar o efeito das acções pessoais no contorno e melhorá-las para favorecer o bem-estar colectivo e contribuir à melhora do ambiente.

B1.1.1. Elabora um plano semanal de hábitos saudáveis (são-no, alimentação, higiene e actividade física) e explica os seus benefícios.

CCL

CMCCT

B1.1.2. Reconhece as condutas que põem em perigo a saúde e a qualidade de vida das pessoas e os grupos sociais explicando por que são prexudiciais e quais são os seus efeitos.

B1.1.3. Valora positivamente e cuida todos os elementos naturais do seu contorno.

CSC

e

o

B1.5. Consultas, revisões médicas e vacinação.

B1.6. Prevenção de toxicomanias.

B1.7. Primeiros auxílios.

B1.2. Actuar com autonomia, iniciativa pessoal e responsabilidade para cuidar a saúde.

B1.2.1. Emprega adequadamente os seus conhecimentos de primeiros auxílios.

CMCCT

B1.2.2. Adquire hábitos saudáveis básicos, conhece as principais formas de prevenção de doenças e acidentes e usa correctamente os recursos sanitários disponíveis.

B1.2.3. Identifica fontes potenciais de perigo e propõe medidas para diminuí-lo ou evitá-lo.

CMCCT

CSIEE

Bloco 2: Ecosistema e seres vivos

e

f

k

l

B2.1. Ecosistema.

B2.2. Classificação dos seres vivos.

B2.3. Agricultura e jardinagem.

B2.4. Gandaría, piscicultura e animais de companhia.

B2.1. Associar eventos naturais e sociais com as suas causas e consequências.

B2.1.1. Conhece, descreve e investiga acerca de diferentes ecosistema.

CCL

CMCCT

B2.1.2. Relaciona os tipos de agricultura, gandaría e piscicultura da Galiza e das diferentes comunidades de Espanha atendendo às características de cada uma delas.

CMCCT

B2.2. Actuar com autonomia, iniciativa pessoal e responsabilidade para proteger o ambiente.

B2.2.1. Respeita e cuida os ecosistemas e relaciona-se de maneira responsável com o contorno.

CMCCT

CSC

B2.2.2. Classifica e recicla adequadamente os diferentes tipos de refugallos.

CMCCT

B2.2.3. Identifica produtos susceptíveis de ser reciclados.

CMCCT

CSC

B2.2.4. Conhece e explica as consequências da sobreexploração dos recursos naturais.

CCL

CMCCT

B2.2.5. Compreende e é quem de explicar os benefícios da reciclagem e a importância de um desenvolvimento sustentável.

CMCCT

Bloco 3: O nosso Universo

e

l

B3.1. Sistema solar. Estrelas. Planetas. Satélites.

B3.2. A Terra. Características.

B3.4. Movimentos da Terra e as suas consequências.

B3.5. A Lua: as fases lunares. Os eclipses.

B3.1. Reconhecer e localizar os elementos principais do sistema solar, reconhecendo as suas características principais.

B3.1.1. Conhece, representa e explica a organização do sistema solar.

CCL

CMCCT

B3.1.2. Interpreta adequadamente diferentes representações do sistema solar.

CMCCT

B3.1.3. Compreende e expressa a importância dos corpos celestes do universo, os seus movimentos relativos e os seus efeitos.

CCL

Bloco 4: Geografia física, humana, política e económica

e

i

B4.1. Geografia da Galiza.

B4.1. Compreender a geografia física e humana, a organização social, política e económica do mundo ao longo da história e expo-la empregando o vocabulário ajeitado e argumentando de forma coherente.

B4.1.1. Expressa verbalmente os seus conhecimentos sobre geografia física e humana, política, economia e a sociedade (especialmente da Galiza).

CCL

l

m

B4.2. Diferentes tipos de mapas.

B4.3. Recursos naturais. Sectores económicos.

B4.4. Organização social do ser humano. Povoação.

B4.5. Formas de governo.

B4.2. Compreender e interpretar mapas singelos.

B4.2.1. Interpreta mapas de grau básico.

CMCCT

B4.2.2. Maneja o balão terráqueo e situa diferentes lugares.

B4.2.3. Elabora e interpreta gráficos e tabelas singelas que oferecem informação sobre a geografia física, humana, política e económica.

CAA

B4.2.4. Ordena factos históricos, aspectos geográficos e dados sociais, políticos e económicos.

CSC

b

d

f

o

B4.6. Direitos e deveres universais.

B4.7. Consumo. Publicidade.

B4.8. Educação viária.

B4.3. Tomar consciência e compreender os valores que leva implícitos o bem-estar individual e colectivo e implicar-se e participar em todos os âmbitos da vida, de acordo com os ditos valores.

B4.3.1. Valora a importância de uma convivência pacífica e tolerante entre os diferentes grupos humanos em relação com os valores democráticos e com os direitos humanos universalmente partilhados e actua em consequência.

CSC

CCEC

B4.3.2. Relaciona-se de acordo com as normas socialmente estabelecidas e propõe estratégias para resolver conflitos de forma construtiva.

B4.3.3. Conhece as diferentes características dos assentamentos humanos e as organizações sociais básicas.

CSC

CCEC

B4.3.4. Participa adequada e activamente em diferentes organizações sociais: família, câmara municipal, comunidade, país, etc.

CSIEE

B4.3.5. Valora a importância de cuidar o ambiente e deduze as consequências de não fazê-lo.

CSC

B4.3.6. Exerce um consumo responsável valorando os benefícios que achega à sociedade.

B4.3.7. Compreende os riscos viários e assume as consequências legais e sociais do seu não cumprimento.

Bloco 5: Perspectiva histórica

c

d

m

B5.1. Tempo histórico. Linha cronolóxica.

B5.2. Etapas históricas.

B5.3. Fitos históricos da humanidade.

B5.1. Apreciar a diversidade cultural e o diálogo entre culturas e sociedades com um espírito aberto e solidário, considerando-as fontes enriquecedoras para a nossa sociedade.

B5.1.1. Valora os restos arqueológicos como fonte de informação para conhecer formas de vida de diferentes épocas históricas.

CMCCT

CCEC

B5.1.2. Descreve as diferenças de direitos e deveres segundo o tipo de sociedade e cultura.

CSC

CCEC

B5.1.3. Identifica e descreve formas de governo em diversas culturas.

CCL

CSC

B5.1.4. Manifesta interesse pela participação na vida cultural e por contribuir à conservação do património cultural e artístico.

CCEC

B5.1.5. Conhece as diferentes etapas da história, identificando exemplos de factos relevantes em cada uma delas.

CSC

Bloco 6: Tecnologia

e

f

i

l

B6.1. Componentes de um ordenador.

B6.2. Programas informáticos.

B6.3. Telefonia móvel.

B6.1. Utilizar os dispositivos electrónicos mais comuns para procurar informação e poder resolver problemas básicos da vida quotidiana, com atitude crítica para avaliar a fiabilidade das fontes.

B6.1.1. Utiliza os dispositivos e programas informáticos adequados para elaborar e guardar documentos, assim como para realizar buscas singelas na internet.

CD

CAA

B6.1.2. Maneja com soltura as principais funções de um telemóvel para tarefas rutineiras elementares.

CD

B6.1.3. Emprega software singelo para adquirir conhecimentos sobre ciências naturais e sociais.

CMCCT

CAA

B6.1.4. Partilha conteúdo digital através de dispositivos electrónicos.

CD

CSIEE

B6.1.5. Axuíza a fiabilidade e segurança das diferentes fontes de informação.

CD

Bloco 7: Inteligência emocional

b

n

B7.1. Autocoñecemento. Aceitação da imagem pessoal.

B7.2. Análise de valores pessoais.

B7.3. Autocontrol. Expressão emocional e argumentação de ideias.

B7.4. Definição de metas. Satisfacção pessoal.

B7.5. Comunicação não verbal e paralinguaxe.

B7.6. Escuta activa.

B7.7. Habilidades para o diálogo.

B7.1. Empregar a língua para melhorar o conhecimento de um mesmo através do diálogo interno e a metacognición, assim como para relacionar-se socialmente e conhecer o funcionamento da sociedade.

B7.1.1. Reconhece sentimentos próprios e alheios, identificando as diferentes emoções básicas.

CSC

B7.1.2. Expõe de maneira coherente emoções, pensamentos, experiências e ideias.

CCL

CSC

B7.1.3. Emprega a linguagem interna para autocontrolarse e regular a sua conduta de acordo com as normas sociais estabelecidas.

CSC

B7.1.4. Descreve oralmente diferentes pessoas, sublinhando as suas características positivas, sem cair no uso de prejuízos e estereótipos.

CCL

CSC

B7.1.5. Respeita os turnos de palavra, escuta e valora as achegas dos demais interlocutores nas conversas.

CSC

B7.1.6. Identifica e descreve as suas características e destrezas pessoais em relação com um projecto profissional.

CSIEE

B7.1.7. Compreende, interpreta e expressa informação sobre a participação social, qualidade de vida e iniciativa pessoal e laboral.

CCL

CSIEE

a

e

B7.8. Valoração da diversidade humana.

B7.2. Valorar as próprias capacidades positivamente, identificar fortalezas e aspectos susceptíveis de melhora, propor-se metas realistas que facilitem a automotivación, valorar a formação como fonte de entretenimento e desenvolvimento pessoal e gerir os próprios tempos para adecuar os objectivos diários às metas pessoais.

B7.2.1. Verbaliza a autovaloración, expressando pontos fortes e aspectos para melhorar.

CCL

CSC

B7.2.2. Desenha e expõe planos pessoais a curto e longo prazo.

CSIEE

B7.2.3. Identifica interesses e necessidades pessoais e selecciona actividades que lhe permitam satisfazê-los no seu tempo de lazer.

CCEC

B7.2.4. Busca actividades alternativas à educação regrada que permitam melhorar a sua formação.

CAA

Bloco 8: Iniciativa pessoal

a

e

f

p

B8.1. Desafios pessoais e emprendemento.

B8.2. Projecto profissional.

B8.3. Procura de emprego. Escritórios e serviços de informação.

B8.1. Valorar a imagem pessoal de maneira ajustada e tolerante, desenvolver habilidades de procura de emprego, conhecer os direitos laborais básicos, estimar ofertas de emprego e identificar qualidades e comportamentos que ajudam a manter um emprego de qualidade.

B8.1.1. Realiza descrições orais ajustadas de sim mesmo/a.

CCL

B8.1.2. Analisa ofertas de trabalho detectando aspectos importantes.

CCL

CD

B8.1.3. Avalia com critério próprio secções de diferentes programas políticos, analisando os prós e os contras.

CAA

CCEC

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. NÍVEL II

MÓDULO 1: A TERRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Comunicação oral

g

B1.1. Elementos característicos da comunicação: tipo de interlocutores, momento e lugar da comunicação.

B1.1. Identificar os elementos constitutivos de todo o acto de comunicação.

B1.1.1. Identifica os elementos constitutivos do acto de comunicação.

CCL

CSC

f

g

B1.2. Os meios de comunicação: variedade e características.

B1.2. Valorar os meios de comunicação social como instrumento de comunicação.

B1.2.1. Utiliza adequadamente os meios de comunicação de massas impressos, audiovisuais e digitais.

CCL

CD

CAA

f

g

i

B1.3. Diferentes situações de comunicação e formas adequadas a cada uma delas.

B1.3. Reconhecer situações diferentes de comunicação: diálogos, exposições orais, uso das tecnologias da informação e da comunicação.

B1.3.1. Participa activamente em diversas situações de comunicação: diálogos, exposições orais, com ajuda, quando seja necessário, das tecnologias da informação e da comunicação.

CCL

CD

CAA

CSC

f

g

h

B1.4. Leitura e comentário de notícias de imprensa em papel ou na rede. Comentário de programas de rádio e televisão.

B1.4. Ler e comentar notícias procedentes dos médios de comunicação.

B1.4.1. Identifica as ideias gerais em reportagens audiovisuais sobre temas do seu interesse.

CCL

CD

CAA

B1.4.2. Diferencia entre informação e publicidade.

f

g

B1.5. Compreensão e expressão de mensagens verbais e não verbais.

B1.5. Reconhecer a informação verbal e não verbal dos discursos orais e integrar nas produções próprias.

B1.5.1. Expressa ideias, opiniões e sentimentos com claridade.

CCL

CSC

B1.5.2. Integra recursos verbais e não verbais para comunicar nas interacções orais, dando-lhe valor complementar a estes.

CCL

CAA

CSC

B1.5.3. Responde a perguntas correspondentes à compreensão.

CCL

B1.5.4. Expressa com uma pronúncia e uma dicción correctas: articulação, ritmo, entoación e volume ajeitados.

CCL

CSC

B1.5.5. Utiliza o vocabulário ajeitado.

CCL

CAA

B1.5.6. Identifica pelo contexto o significado de diferentes palavras.

f

g

h

B1.6. Estratégias para a utilização da linguagem oral como instrumento de comunicação e aprendizagem: escutar e perguntar.

B1.6. Utilizar de modo efectivo a linguagem oral: escutar e perguntar.

B1.6.1. Emprega de modo efectivo a linguagem oral para comunicar-se e aprender: escuta e pergunta para assegurar a compreensão.

CCL

CAA

CSC

CSIEE

B1.7. Interesse e gosto por participar em situações de comunicação oral com um discurso organizado.

B1.7. Participar em situações de comunicação, dirigidas ou espontâneas, respeitando o turno de palavra e a intervenção dos e das demais.

B1.7.1. Participa activamente e com coerência na sequência das suas ideias em diversas situações de comunicação.

CCL

CAA

CSC

b

B1.8. Uso de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

B1.8. Usar uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

B1.8.1. Usa uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

CCL

CSC

Bloco 2: Comunicação escrita

f

g

B2.1. Leitura de diferentes tipos de texto: notas, folhetos, cartas, anúncios, refrões, poemas.

B2.1. Ler em silêncio e em voz alta diferentes textos singelos relacionados com o módulo.

B2.1.1. Lê em silêncio e em voz alta, com pronúncia e entoación ajeitado, diferentes tipos de textos singelos.

CCL

B2.2. Técnicas de compreensão leitora: título, palavras-chave, ideias principais e secundárias. Iniciação na técnica do sublinhado.

B2.2. Reconhecer o tema e as ideias principais dos textos escritos.

B2.2.1. Compreende de forma global a informação geral de textos escritos de uso habitual e identifica o tema.

CCL

CAA

B2.2.2. Selecciona as ideias principais e secundárias.

B2.2.3. Antecipa o conteúdo de textos pelo título e palavras-chave.

B2.3. Produção de textos para comunicar conhecimentos, experiências e necessidades.

B2.3. Produzir textos singelos sobre conhecimentos, experiências e necessidades seguindo um modelo.

B2.3.1. Escreve em diferentes suportes, textos singelos próprios da vida quotidiana ou social: cartas, solicitudes, descrições, instruções, receita, anécdotas…

CCL

CD

B2.3.2. Utiliza de forma correcta os signos de pontuação, as normas ortográfico e gramaticais próprias do módulo e aplica à escrita de textos significativos singelos e seguindo modelos.

CCL

e

f

g

B2.4. Utilização de estratégias para a produção de textos: planeamento, função, textualización, revisão.

B2.4. Planificar diferentes tipos de textos atendendo ao seu formato e funcionalidade.

B2.4.1. Planifica a escrita de textos singelos em diferentes suportes.

CCL

CD

CAA

e

g

B2.5. Aceitação e a respeito das normas próprias da escrita, da claridade, da limpeza e da ordem nos escritos.

B2.5. Aceitar e respeitar as regras ortográfico do módulo e as normas próprias da apresentação de documentos escritos.

B2.5.1. Elabora e apresenta documentos escritos com limpeza, claridade, precisão e ordem.

CCL

CD

f

g

B2.6. Iniciação no uso de um processador de textos para escrever, conservar e imprimir textos singelos no ordenador.

B2.6. Utilizar as tecnologias da informação e da comunicação de modo eficiente para apresentar as suas produções.

B2.6.1. Utiliza as tecnologias da informação e da comunicação para escrever e apresentar os textos.

CCL

CD

CAA

b

g

B2.7. Utilização de uma linguagem não discriminatoria e respeitosa com as diferenças.

B2.7. Favorecer através da linguagem a formação de um pensamento crítico que impeça discriminações e prejuízos.

B2.7.1. Expressa-se, por escrito, evitando uma linguagem não respeitosa com as diferenças.

CCL

CSC

Bloco 3: Conhecimento e reflexão sobre a língua

g

B3.1. O substantivo, o adjectivo e os determinante. Género e número: diferenças no género dos substantivo e formação do plural na língua galega e na língua castelhana. Concordancia.

B3.1. Reconhecimento de diferentes classes de palavras e explicação reflexiva do seu uso em situações concretas de comunicação: o substantivo e os determinante.

B3.1.1. Distingue determinante, substantivo e adjectivo em palavras significativas.

CCL

B3.1.2. Classifica e usa os tipos de substantivo.

B3.1.3. Forma o género e o número dos substantivo em língua galega e língua castelhana.

B3.1.4. Maneja as diferentes classes de determinante.

B3.1.5. Forma grupos nominais respeitando as normas de concordancia.

B3.2. Características do adjectivo e graus.

B3.2. Reconhecer as características do adjectivo e os seus graus.

B3.2.1. Conhece as características do adjectivo e os seus graus.

B3.3. O verbo: definição.

B3.3. Reconhecer e expressar acções ou estados.

B3.3.1. Reconhece num texto palavras que expressam acções ou estados.

B3.4. Normas básicas ortográfico. Signos de pontuação. A sílaba: sílaba tónica e átona. Ditongos e hiatos.

B3.4. Aplicar os conhecimentos gramáticos básicos sobre a estrutura da língua: as regras de ortografía.

B3.4.1. Aplica as regras básicas de ortografía: maiúsculas, ponto, coma.

B3.4.2. Classifica palavras pelo número de sílabas.

B3.4.3. Discrimina sílaba tónica e sílaba(s) átona(s).

B3.4.4. Identifica ditongos e hiatos.

B3.5. Acentuação gráfica de palavras agudas, graves e esdrúxulas.

B3.5. Conhecer e respeitar as normas de acentuação gráfica das palavras.

B3.5.1. Aplica as normas de acentuação e classifica as palavras de um texto.

B3.5.2. Aplica as normas de uso do til nos seus textos escritos.

B3.6. Regras ortográfico de uso do B e do H.

B3.6. Aplicar as regras ortográfico de uso do B e do H.

B3.6.1. Aplica as normas ortográfico de uso do B e do H.

B3.7. O dígrafo NH em língua galega.

B3.7. Reconhecer e utilizar o dígrafo NH em textos escritos em língua galega.

B3.7.1. Reconhece e utiliza o dígrafo NH em textos escritos em língua galega.

B3.8. Ortografía: uso dos signos de entoación e interrogación em língua galega e em língua castelhana.

B3.8. Utilizar os signos de entoación e interrogación seguindo as normas ortográfico do língua galega e da língua castelhana.

B3.8.1. Utiliza os signos de entoación e interrogación seguindo as normas ortográfico da língua galega e da língua castelhana.

B3.9. Realização de ditados.

B3.9. Aplicar correctamente os signos de pontuação, as regras de acentuação e ortográfico próprias do módulo em textos ditados.

B3.9.1. Reproduz textos ditados com correcção.

B3.10. Prefixos e sufixos mais usuais. – Prefixos (in-, hiper-, hipo-, super-, bi-, bio-, des-, sub-...)

– Sufixos (-iño, -echo, -ón, -ísimo, -ble, -ción, -azo…).

B3.10. Reconhecer palavras em que intervêm os prefixos e os sufixos estudados no módulo.

B3.10.1. Reconhece nas palavras de um texto prefixos e sufixos.

B3.11. O abecedario e a ordem alfabética. Diferenças entre o alfabeto da língua galega e da língua castelhana. O nome das letras em língua galega.

B3.11. Reconhecer o alfabeto e iniciar na ordem alfabética em língua galega e em língua castelhana.

B3.11.1. Reconhece o alfabeto e inicia na ordem alfabética.

B3.11.2. Estabelece diferenças entre o alfabeto em língua galega e em língua castelhana.

B3.11.3. Expressa o nome das letras em língua galega e em língua castelhana.

B3.11.4. Valora a importância do domínio da ordem alfabética para manejar com facilidade o dicionário ou uma guia que requeira o seu uso.

e

g

B3.12. Iniciação no uso do dicionário.

B3.12. Iniciar na consulta do dicionário em diferentes suportes e sistematizar a aquisição de vocabulário.

B3.12.1. Inicia no uso autónomo do dicionário em diferentes suportes para resolver dúvidas de significado.

CCL

e

f

g

B3.13. Valoração da leitura e da escrita em qualquer língua como fontes de prazer, diversão e conhecimento.

B3.13. Mostrar interesse e gosto pela leitura em diferentes línguas.

B3.13.1. Lê por própria iniciativa diferentes tipos de textos em diferentes línguas.

CCL

CD

CAA

B3.13.2. Expressa gostar por de a leitura como fonte de lazer.

CCL

B3.13.3. Explica, de modo singelo, as suas preferências leitoras.

e

g

i

B3.14. Valoração do uso da biblioteca como fonte de informação e lazer, e das normas que regem a sua utilização.

B3.14. Usa a biblioteca para localizar livros ajeitado aos seus interesses.

B3.14.1. Consulta na biblioteca de diferentes fontes bibliográficas e textos em suporte informático para obter informação sobre livros do seu interesse.

CCL

CD

CAA

e

f

i

B3.15. Valoração da informática como um instrumento útil ao serviço da informação e da comunicação.

B3.15. Utilizar programas e aplicações educativas digitais para realizar tarefas e avançar na aprendizagem.

B3.15.1. Utiliza diversas aplicações e recursos informáticos para obter informação.

b

f

g

i

B3.16. Iniciação no uso do ordenador para outras funções: acesso à internet, correio electrónico e redes sociais.

B3.16. Utilizar as novas tecnologias para informar-se e comunicar-se.

B3.16.1. Utiliza as tecnologias da informação para obter fontes de informação variadas, adoptando um ponto de vista crítico e pessoal.

B3.16.2. Acredite conteúdos que lhe servem para comunicar-se, participar e colaborar na sociedade através dos meios digitais: correio electrónico, redes sociais etc.

CCL

CSC

CD

B3.16.3. Usa eficazmente as novas tecnologias mediante o emprego de uma linguagem textual básica.

CCL

CD

CAA

Bloco 4: Língua estrangeira

g

B4.1. Realização de perguntas e respostas singelas sobre aspectos pessoais (nome, idade, estado).

B4.1. Perguntar e responder sobre aspectos pessoais de um mesmo e dos demais.

B4.1.1. Pergunta e responde sobre aspectos pessoais de um mesmo e dos demais.

CCL

B4.2. Utilizar expressões de relação social: saudar, despedir-se e agradecer.

B4.2. Reconhecer e utilizar fórmulas básicas de relação social, adecuándose aos diferentes contextos formais e não formais.

B4.2.1. Diferencia cumprimentos de despedidas e o uso de fórmulas de cortesía (hello, goodbye, thank you).

B4.3. Perguntas e respostas sobre o nome, as cores, o número de telefone, a hora, os animais, a comida favorita (What's…?) e sobre os objectos (What is it…? It's…, This is a…).

B4.3. Perguntar e responder sobre o nome, as cores, o número de telefone, a hora, os animais, a comida e os objectos.

B4.3.1. Pergunta e responde sobre o nome, as cores, o número de telefone, a hora, os animais, a comida e os objectos.

B4.4. Iniciação ao processo de associação global de grafía, pronúncia e significado a partir de modelos escritos que representam expressões orais conhecidas.

B4.4. Relacionar os códigos oral e escrito com o significado.

B4.4.1. Relaciona os códigos oral e escrito com o significado a partir de modelos escritos que representam expressões orais conhecidas.

B4.5. Uso ajeitado dos sons próprios da língua estrangeira: pronúncia de palavras e frases quotidianas de forma compreensível.

B4.5. Utilizar adequadamente os sons da língua estrangeira.

B4.5.1. Pronuncia palavras e frases quotidianas da língua estrangeira de forma compreensível.

B4.6. Leitura em voz alta textos singelos e previamente trabalhados de forma oral, com entoación e pronúncia compreensível.

B4.6. Ler em voz alta textos muito elementares, com entoación e pronúncia compreensível.

B4.6.1. Lê em voz alta textos muito breves, muito elementares e previamente trabalhados de forma oral, com entoación e pronúncia compreensível.

B4.7. Uso de signos de pontuação básicos (interrogación, exclamação).

B4.7. Usar adequadamente os signos de exclamação e interrogación em inglês.

B4.7.1. Usa com correcção os signos de exclamação e interrogación em frases singelas.

B4.8. O grupo nominal: posição do adjectivo e uso de alguns determinante (the, this, a).

B4.8. Localizar acertadamente a posição do adjectivo dentro do grupo nominal e usar com correcção os determinante.

B4.8.1. Localiza a posição do adjectivo dentro do grupo nominal.

B4.8.2. Utiliza o determinante artigo (the), demostrativo (this) e indefinido (a).

B4.9. Escuta, compreensão e uso do vocabulário básico sobre as cores, os animais, a comida e a bebida, a família. Usa adequadamente o grupo nominal.

B4.9. Escutar, compreender e usar mediante rutinas vocabulário básico sobre cores, animais, comida e bebida e a família usando adequadamente o grupo nominal.

B4.9.1. Escuta e compreende palavras e frases simples em textos muito singelos relacionadas com os temas trabalhados previamente de forma oral.

B4.9.2. Domina progressivamente aspectos fonéticos, do ritmo, da acentuação e da entoación da língua estrangeira para a produção de textos orais.

B4.9.3. Escreve frases singelas, organizadas com coerência na sua sequência e com léxico relacionado com o tema da escrita.

B4.10. A quantidade: os números até o 10.

B4.10. Manejar os números cardinais até o 10.

B4.10.1. Utiliza os números em diferentes situações comunicativas.

B4.11. Utilização de recursos expressivo não linguísticos, gestos, posturas, expressões faciais, contacto visual.

B4.11. Compensar as carências linguísticas mediante procedimentos não verbais.

B4.11.1. Emprega a linguagem xestual como médio de compensação nas produções orais próprias.

CCL

CSC

b

f

n

B4.12. Valoração do inglês como principal língua partilhada no mundo.

B4.12. Reconhecer a importância do inglês como a principal língua partilhada no mundo.

B4.12.1. Reconhece e valora o inglês como a principal língua partilhada a nível internacional.

CCL

CCEC

B4.12.2. Maneja construções elementares adecuándose às normas sociolinguístico anglosaxoas.

CCL

CAA

CSC

CCEC

g

n

B4.13. Interesse e gosto por participar em situações de comunicação oral em inglês em que se expressem necessidades de comunicação imediatas.

B4.13. Participar em situações de comunicação oral em inglês sendo quem de expressar necessidades de comunicação imediatas.

B4.13.1. Mostra uma atitude positiva para a aprendizagem de uma língua estrangeira e a sua cultura.

CCL

CAA

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. NÍVEL II

MÓDULO 2: O TRABALHO

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco I: Comunicação oral

b

g

i

B1.1. Leitura e comentário de notícias de imprensa em papel ou na rede. Comentário de programas de rádio e televisão.

B1.1. Utilizar os diferentes meios de comunicação e a rede como fonte de informação.

B1.1.1. Faz uso dos médios de comunicação escritos para informar-se.

CCL

CAA

CSC

B1.1.2. Comenta e adopta uma atitude crítica ante as notícias publicado.

CCL

CAA

e

f

g

B1.2. Dedução das palavras evidentes pelo contexto. Interesse pela ampliação de vocabulário.

B1.2. Formular hipóteses sobre o significado de palavras evidentes a partir do seu contexto de uso.

B1.2.1. Identifica pelo contexto o significado de diferentes palavras.

B1.2.2. Interessa pela ampliação de vocabulário.

CCL

f

g

i

B1.3. Uso dos médios de comunicação para localizar e interpretar adequadamente informações relacionadas com o mundo do trabalho.

B1.3. Usar os meios de comunicação para a busca de informações relacionadas com o mundo do trabalho.

B1.3.1. Usa os meios de comunicação para a busca de informações relacionadas com o mundo do trabalho.

CCL

CAA

CSIEE

f

g

B1.4. Compreensão de textos orais de diversa tipoloxía: atendendo à forma da mensagem e à seu intuito comunicativo.

B1.4. Reconhecer o tema e as ideias principais dos textos orais, e identificar ideias.

B1.4.1. Compreende de forma global a informação geral de textos orais de uso habitual, e identifica o tema e selecciona as ideias principais.

CCL

CAA

B1.4.2. Responde perguntas correspondentes à compreensão interpretativo.

CCL

e

f

g

B1.5. Produção de textos orais de diversa tipoloxía segundo o seu formato e intuito comunicativa.

B1.5. Produzir textos orais breves e singelos dos géneros mais habituais imitando modelos e adequados ao seu nível.

B1.5.1. Produz, imitando modelos, textos orais breves e singelos atendendo à forma da mensagem e à seu intuito comunicativo.

CCL

CAA

CSIEE

f

g

h

B1.6. Participação reflexiva em conversas, diálogos e debates sobre temas de modo construtivo, respeitando as normas que fã possível a comunicação em grupo.

B1.6. Participar em situações de comunicação, dirigidas ou espontâneas, respeitando as normas da comunicação: turno de palavra, escuta atenta e incorporação às intervenções dos demais interlocutores.

B1.6.1. Aplica as normas sociocomunicativas: escuta activa, espera de turnos, participação respeitosa, adequação à intervenção da pessoa interlocutora e às normas básicas de cortesía.

CCL

CAA

CSC

d

g

h

B1.7. Recitado de textos poéticos breves e de ditos, refrões e outras locuções populares.

B1.7. Reproduzir oralmente textos orais de diversa tipoloxía.

B1.7.1. Conta e recita textos poéticos breves e ditos, refrões e outras locuções populares.

CCL

CSC

f

g

h

i

B1.8. Valoração da importância da linguagem oral e escrita como instrumento para satisfazer as necessidades de comunicação, especialmente em todo o relacionado com os médios de comunicação.

B1.8. Utilizar de modo efectivo a linguagem oral: escutar, recolher dados, perguntar.

B1.8.1. Emprega de modo efectivo a linguagem oral para comunicar-se e aprender: escutar, recolher dados, perguntar.

CCL

CAA

CSC

CSIEE

b

f

B1.9. Atitude crítica ante as mensagens procedentes dos médios de comunicação social e da publicidade, mostrando especial sensibilidade ante os que suponham algum tipo de discriminação sexual, social ou racial.

B1.9. Valorar criticamente a influência que exercem sobre a sociedade os meios de comunicação: televisão, rádio, imprensa, internet.

B1.9.1. Valora os meios de comunicação social como instrumento de aprendizagem e de acesso a informações e experiências de outras pessoas.

CCL

CAA

CSC

B1.9.2. Valora criticamente a influência que exercem sobre a sociedade os meios de comunicação: televisão, rádio, imprensa, internet.

CCL

CAA

b

B1.10. Atitude crítica e de rejeição ante qualquer manifestação artística que denote discriminação racial, cultural, de género ou social.

B1.10. Reconhecer em produções orais e escritas temas e usos da língua que denoten discriminação racial, cultural, de género ou social e procurar evitar nos textos próprios.

B1.10.1. Manifesta sensibilidade ante as mensagens que suponham algum tipo de discriminação racial, cultural, de género ou social.

CCL

CSC

Bloco 2: Comunicação escrita

f

g

B2.1. Diversidade de textos: práticos (receita, prospectos, instruções, etiquetas, recibos, anúncios por palavras, ofertas de emprego, correios electrónicos, mensagens de texto...), literários etc.

B2.1. Reconhecer diferentes tipos de textos escritos atendendo ao seu formato e intencionalidade comunicativa.

B2.1.1. Reconhece textos singelos em diferentes suportes.

CCL

CD

CAA

B2.2. Leitura fluída em silêncio e voz alta de textos singelos, empregando a pronúncia, entoación e ritmo adequados.

B2.2. Ler em silêncio e em voz alta com expresividade de diferentes classes de textos.

B2.2.1. Lê em silêncio e em voz alta, sem dificuldade e com verdadeira expresividade, diferentes tipos de textos apropriados.

CCL

CAA

B2.3. Compreensão de textos escritos singelos de diferente tipo: poemas, refrões, fragmentos literários.

B2.3. Compreender diferentes tipos de textos e utilizando a leitura como médio para alargar o vocabulário.

B2.3.1. Identifica o tema de um texto singelo.

B2.3.2. Assinala as ideias fundamentais num texto.

B2.3.3. Distingue, de forma geral, entre as diversas tipoloxías textuais em textos.

B2.4. Leitura e interpretação de símbolos, imagens, gráficos e quadros sinópticos singelos e usuais (sinais de trânsito, planos...).

B2.4. Ler e interpretar informação simbólica, visual e gráfica usual.

B2.4.1. Lê e interpreta informação simbólica, visual e gráfica usual.

B2.4.2. Interpreta esquemas de chave, números, mapas conceptuais singelos.

B2.4.3. Elabora organizadamente esquemas e quadros sinópticos a partir de dados seleccionados procedentes de diferentes textos.

f

g

h

B2.5. Utilização de estratégias para a compreensão leitora de textos: consideração do título, identificação de palavras-chave, anticipação de hipótese de significado pelo contexto, reconhecimento básico da tipoloxía textual, uso do dicionário.

B2.5. Utilizar estratégias elementares para a compreensão leitora de textos singelos de diversa tipoloxía.

B2.5.1. Identifica as palavras-chave de um texto.

B2.5.2. Activa conhecimentos prévios para compreender um texto.

B2.5.3. Formula hipóteses sobre o conteúdo do texto a partir do título.

B2.5.4. Utiliza o dicionário.

f

g

B2.6. Produção de instruções, descrições, explicações, anécdotas singelas, correios electrónicos, mensagens de texto, apresentando de forma organizada os factos, as ideias ou vivências de acordo com a estrutura textual correspondente e empregando procedimentos de coesão e coerência.

B2.6. Produzir textos de diferente tipoloxía com coesão e coerência.

B2.6.1. Elabora textos escritos de diversa tipoloxía: instruções, descrições, explicações, anécdotas, utilizando elementos de coesão e coerência básicos.

CCL

CD

CAA

B2.6.2. Respeita as normas gramaticais e ortográfico básicas próprias do módulo.

CCL

B2.7. Interpretação e formalização de impressos, cuestionarios e formularios singelos relacionados com a vida quotidiana da pessoa adulta (DNI, impresso de carta certificado ou de matrícula, documento da Segurança social, solicitude de emprego, reclamações...)

B2.7. Interpretar e cobrir impressos, fichas e documentos singelos habituais na vida da pessoa adulta.

B2.7.1. Adquire hábitos úteis para a realização de trâmites burocráticos.

CCL

CAA

CSIEE

e

f

g

B2.8. Normas e estratégias para a produção de textos: planeamento (função, destinatario, geração de ideias, estrutura). Textualización com sequência lineal. Revisão e melhora do texto.

B2.8. Aplicar, com ajuda, todas as fases do processo de escrita na produção de textos escritos de diferente índole: planeamento, textualización, revisão e reescritura.

B2.8.1. Emprega, seguindo modelos, estratégias de planeamento, textualización e revisão do texto.

CCL

CD

CAA

f

g

i

B2.9. Uso das tecnologias da informação e a comunicação para a localização, selecção, interpretação e organização da informação.

B2.9. Utilizar as tecnologias da informação e a comunicação de modo eficiente e responsável para a procura e tratamento da informação.

B2.9.1. Utiliza os meios informáticos para obter informação.

B2.9.2. Interpreta a informação e faz um resumo dela.

CCL

CAA

Bloco 3: Conhecimento e reflexão sobre a língua

g

B3.1. Os pronomes pessoais. Outros pronomes usuais.

B3.1. Reconhecimento do pronome e explicação reflexiva do seu uso em situações concretas de comunicação.

B3.1.1. Substitui um substantivo por um pronome.

CCL

B3.2. O verbo: variações de pessoa, número e tempo.

B3.2. Reconhecer as variações nos verbos em situações concretas de comunicação: pessoa, número e tempo.

B3.2.1. Reconhece variações verbais: pessoa, número e tempo.

B3.3. Palavras invariables: a preposição e o adverbio.

B3.3. Reconhecimento de classes de palavras e explicação reflexiva do seu uso em situações concretas de comunicação (preposição, adverbio).

B3.3.1. Identifica as preposições e as diferentes classes de adverbios.

B3.4. As contracções em língua galega.

B3.4. Reconhecer e usar adequadamente as contracções.

B3.4.1. Identifica contracções num texto, analisando a sua composição.

B3.4.2. Utiliza as diferentes classes de palavras para elaborar o discurso.

CCL

CAA

B3.5. Signos de pontuação: os dois pontos, pontos suspensivos, parênteses.

B3.5. Usar correctamente os signos de pontuação estudados no módulo.

B3.5.1. Aplica com correcção os signos de pontuação estudados no módulo em textos que o requeiram.

CCL

B3.6. Regras ortográfico de uso do V. Palavras com V em língua galega e língua castelhana.

B3.6. Aplicar as normas ortográfico do uso do V.

B3.6.1. Aplica as normas ortográfico do uso do V.

B3.6.2. Distingue palavras que em língua galega levam a grafía V e em língua castelhana levam a grafía B.

B3.7. Ortografía do G e do J em língua castelhana.

B3.7. Conhecer as regras de ortografía do G e do J em língua castelhana.

B3.7.1. Conhece e aplica as normas de ortografía do G e do J em língua castelhana.

B3.8. O X: diferenças de uso entre a língua galega e a língua castelhana.

B3.8 Discriminar o uso dos fonemas representados pela grafía X em língua galega e em língua castelhana.

B3.8.1. Distingue a pronúncia dos fonemas representados pela grafía X em língua galega e em língua castelhana e aplica na escrita de textos.

B3.9. Realização de ditados.

B3.9. Aplicar correctamente os signos de pontuação, as regras de acentuação e ortográfico próprias do módulo em textos ditados.

B3.9.1. Reproduz textos ditados com correcção aplicando as regras ortográfico estudadas no módulo.

e

f

g

i

B3.10. Consulta do dicionário em diferentes suportes para resolver dúvidas de significado ou de ortografía e dúvidas gramaticais.

B3.10. Sistematizar a aquisição de vocabulário através dos textos e resolver dúvidas ortográfico e gramaticais.

B3.10.1. Conhece a estrutura do dicionário e o seu uso em diferentes suportes para buscar o significado de diferentes tipos palavras.

B3.10.2. Selecciona a acepção correcta segundo o contexto dentre as várias que lhe oferece o dicionário.

B3.10.3. Resolve dúvidas ortográfico e gramaticais.

g

B3.11. Léxico: as siglas mais comuns (instituições nacionais e internacionais, partidos políticos, sindicatos, serviços..)

B3.11. Identificar as siglas mais comuns.

B3.11.1. Identifica as siglas mais comuns que aparecem nos médios de comunicação.

B3.12. Recursos derivativos: prefixos (des-, ex-, re-, vice-, contra-...) e sufixos (-ite, -ble, -bilidade, -ería, -aría).

B3.12. Reconhecer palavras nas que intervêm os prefixos e os sufixos.

B3.12.1. Reconhece nas palavras de um texto prefixos e sufixos.

B3.12.2. Acredite palavras derivadas de outras evidentes.

B3.13. Palavras compostas (radiotelevisión, audiovisual, radiotelégrafo,...)

B3.13. Reconhecer em textos as palavras compostas.

B3.13.1. Reconhece em textos as palavras compostas.

B3.14. Compreensão e uso do vocabulário habitual necessário para comunicar na vida quotidiana: sinónimos e antónimos.

B3.14. Sistematizar a aquisição de vocabulário mediante o uso de sinónimos e antónimos.

B3.14.1. Relaciona sinónimos e antónimos em casais de palavras significativas.

B3.14.2. Estabelece comparações entre diferentes elementos.

f

g

i

B3.15. Uso de algumas técnicas singelas para buscar e expressar a informação necessária: notas, listas, sublinhados, resumos singelos.

B3.15. Utilizar notas, listas, guiões, resumos etc. para a organização das tarefas da vida diária.

B3.15.1. Expressa a informação necessária para a organização das tarefas diárias.

CCL

CAA

f

g

h

B3.16. Leitura guiada, compreensão e interpretação de textos literários significativos.

B3.16. Iniciar a leitura guiada de textos literários narrativos, líricos e dramáticos.

B3.16.Inicia a leitura guiada de textos narrativos singelos de tradição oral, adaptações de obras clássicas e literatura actual.

CCL

CAA

CCEC

B3.17. Dramatización e leitura dramatizada de textos literários.

B3.17. Participar com interesse em dramatizacións de singelos textos literários.

B3.17.1. Realiza dramatizacións de textos literários individualmente e em grupo.

CCL

CAA

CSC

CCEC

b

e

h

B3.18. Aquisição dos recursos pessoais próprios de uma pessoa leitora activa, desenvolvendo a capacidade crítica.

B3.18. Ler por própria iniciativa textos de tipoloxía diversa e adoptar uma atitude crítica.

B3.18.1. Programa tempos de lazer para a leitura de diferentes textos em função dos seus gustos.

CCL

CAA

CCEC

g

h

B3.19. Valoração dos textos literários como veículo de comunicação, como fonte de conhecimento de outros mundos, épocas e culturas e como recurso de desfruto pessoal.

B3.19. Apreciar o valor dos textos literários singelos e utilizar a leitura como fonte de desfruto e informação.

B3.19.1. Identifica singelos textos literários de diferentes géneros.

CCL

CCEC

B3.19.2. Distingue alguns recursos retóricos e métricos básicos próprios dos poemas.

n

B3.20. Valoração da diversidade da língua na Galiza.

B3.20. Perceber a diversidade linguística da Galiza e desenvolver uma atitude de interesse.

B3.20.1. Mostra uma atitude positiva para a realidade plurilingüe e cultural da sua contorna.

B3.20.2. Desenvolve uma atitude de interesse e respeito.

B3.21. Interesse e respeito pela diversidade linguística e cultural de Espanha.

B3.21. Valorar a variedade linguística de Espanha e do espanhol como fonte de enriquecimento cultural.

B3.21.1. Valora a variedade linguística de Espanha e do espanhol como fonte de enriquecimento cultural.

CCL

CSC

CCEC

Bloco 4: Língua estrangeira

g

B4.1. Realização de perguntas e respostas singelas sobre aspectos pessoais (nome, idade, estado, origem).

B4.1. Perguntar e responder sobre aspectos pessoais de um mesmo e dos demais.

B4.1.1. Pergunta e responde sobre aspectos pessoais de um mesmo e dos demais.

CCL

CSC

B4.2. Utilização de expressões de relação social e cortesía: saudar, despedir-se, agradecer.

B4.2. Utilizar expressões de relação social e cortesía.

B4.2.1. Utiliza as rutinas de saúdo e despedidas e dirige-se aos demais utilizando as fórmulas de cortesía básicas (hello, goodbye, see you, thank you...).

B4.3. Captação do sentido global de mensagens orais breves e singelas, com estruturas simples e léxico muito frequente, e identificação de alguns elementos específicos do discurso.

B4.3. Captar o sentido global de mensagens orais breves e singelas, com estruturas simples e léxico muito frequente, sendo quem de identificar elementos específicos do discurso.

B4.3.1. Capta o sentido global de discursos lentos, com estruturas conhecidas e léxico de uso quotidiano, articulados com cuidado e com as suficientes pausas orais para assimilar o significado.

CCL

CSC

CAA

B4.4. Leitura em voz alta de textos muito breves, muito elementares e previamente trabalhados de forma oral, com entoación e pronúncia compreensível.

B4.4. Ler em voz alta textos muito breves, muito elementares e previamente trabalhados de forma oral, com entoación e pronúncia compreensível.

B4.4.1. Lê em voz alta textos muito breves, muito elementares e previamente trabalhados de forma oral, com entoación e pronúncia compreensível.

CCL

CSC

B4.5. Escuta, compreensão e uso do vocabulário básico sobre a casa, as acções mais frequentes e o transporte.

B4.5. Escutar, compreender e usar o vocabulário básico sobre a casa, as acções mais frequentes e o transporte.

B4.5.1. Escuta e compreende palavras e frases simples em textos muito singelos relacionadas com os temas trabalhados previamente de forma oral.

B4.5.2. Domina progressivamente aspectos fonéticos, do ritmo, da acentuação e da entoación da língua estrangeira para a produção de textos orais.

B4.5.3. Escreve frases singelas, organizadas com coerência na sua sequência e com léxico relacionado com o tema proposto como redacção.

CCL

B4.6. Expressão da permissão, a ajuda, a habilidade e a proibição (cão) em forma afirmativa, negativa e interrogativa.

B4.6. Expressar a permissão, a ajuda, a habilidade e a proibição em forma afirmativa, negativa e interrogativa.

B4.6.1. Expressa e identifica a permissão, a ajuda, a habilidade e a proibição em forma afirmativa, negativa e interrogativa.

CCL

CSC

B4.7. Expressão do gosto (like, love), a existência (there is/are), a qualidade (very +), o espaço (in, on, under) e o modo (how, fine, well, slowly).

B4.7. Expressar gostar em forma afirmativa, de negativa e interrogativa; identificar a existência e a qualidade; perceber, identificar e manejar léxico básico referido a conceitos espaciais; identificar e expressar o modo.

B4.7.1. Enuncia frases sobre o que gosta e o que não gosta em forma afirmativa e de negativa.

B4.7.2. Pergunta sobre os gustos dos demais (Do you like…?) com resposta afirmativa ou negativa.

B4.7.3. Expressa e identifica a existência.

B4.7.4. Expressa a qualidade.

B4.7.5. Expressa e identifica a localização no espaço de pessoas e objectos.

B4.7.6. Expressa e identifica o modo.

B4.8. A quantidade: os números até o 20.

B4.8. Manejar os números cardinais até o 20.

B4.8.1. Utilizar os números em diferentes situações comunicativas.

CCL

B4.9. O verbo: forma afirmativa, negativa e interrogativa. Observação e a respeito das regularidades verbais.

B4.9. Conjugar o tempo presente de verbos usuais em forma afirmativa, negativa e interrogativa respeitando as regularidades verbais.

B4.9.1. Conjuga o tempo presente de verbos habituais em forma afirmativa, negativa e interrogativa respeitando as regularidades verbais.

CCL

CSC

B4.10. Afirmações, perguntas e respostas afirmativas e negativas sobre a posse (I'vê got, Have you got?)

B4.10. Realizar afirmações, perguntas e respostas afirmativas e negativas sobre a posse.

B4.10.1. Realiza afirmações, perguntas e respostas afirmativas e negativas sobre a posse.

f

g

i

B4.11. Iniciação no uso de programas informáticos para reproduzir mensagens escritas muito singelas.

B4.11. Iniciar no uso de um processador de texto para a elaboração de produções escritas diversas.

B4.11.1. Maneja um processador de texto para a elaboração de produções escritas de diversa tipoloxía textual.

CCL

CD

CAA

e

f

g

B4.12. Desenvolvimento de estratégias para a ampliação de vocabulário: confecção de cartazes para identificar os objectos e os espaços da sala de aulas, calendário, normas etc.

B4.12. Desenvolver estratégias para a aquisição de vocabulário.

B4.12.1. Alarga o vocabulário mediante o desenvolvimento de diversas actividades.

CCL

CAA

d

f

g

n

B4.13. Achegamento a aspectos culturais através de produções multimédia e de manifestações artísticas.

B4.13. Aproximar-se de aspectos culturais anglosaxóns através de produções audiovisuais e manifestações artísticas.

B4.13.1. Mostra curiosidade por aprender a língua estrangeira e a sua cultura.

CCL

CSC

CCEC

B4.13.2. Identifica aspectos básicos da vida quotidiana dos países onde se fala a língua estrangeira (horários, comidas, festas…).

CCL

CSC

B4.13.3. Visualiza produções audiovisuais com subtítulos.

CCL

CAA

CD

CCEC

B4.14.4. Percebe o sentido geral da letra de uma canção em inglês com ajuda de um modelo e/ou palavras-chave.

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. NÍVEL II

MÓDULO 3: A VIDA EM COMUNIDADE

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Comunicação oral

f

g

B1.1. Compreensão de textos singelos nos médios de comunicação, resumindo oralmente as ideias principais e analisando aspectos singelos próprios de cada um deles (estrutura, vocabulário etc.).

B1.1. Reconhecer o tema e as ideias principais dos textos orais e analisar aspectos singelos.

B1.1.1. Compreende de forma global a informação geral de textos orais de uso habitual.

CCL

CAA

CSC

B1.1.2. Identifica o tema e selecciona as ideias principais.

CCL

CAA

B1.1.3. Interpreta o sentido dos elementos básicos do texto necessários para a compreensão global (léxico, locuções).

CCL

CAA

f

g

i

B1.2. Uso de diferentes fontes de informação de uso habitual, incluídos os meios de comunicação.

B1.2. Usar fontes de informação de uso habitual, incluídos os meios de comunicação.

B1.2.1. Utiliza a informação recolhida para levar a cabo diversas actividades em situação de aprendizagem individual ou colectiva.

CCL

CAA

CSC

CSIEE

B1.3. Tipos de textos dos médios de comunicação: notícias, artigos, entrevistas, documentários, anúncios publicitários.

B1.3. Identificar a estrutura organizativo de diferentes tipos de textos dos médios de comunicação, interpretando o seu intuito e significado.

B1.3.1. Utiliza os meios de comunicação para a localização, selecção, interpretação e organização da informação.

CCL

CAA

CSIEE

B1.4. Meios de comunicação: notícia e opinião.

B1.4. Diferenciar notícia e opinião nos médios de comunicação.

B1.4.1. Compreende textos jornalísticos e identifica o seu intuito comunicativo.

CCL

CAA

CSC

B1.5. Reconhecimento no jornal das diferentes secções que o integram.

B1.5. Reconhecer as diferentes secções que compõem um jornal.

B1.5.1. Diferencia entre informação e opinião nos médios de comunicação.

B1.5.2. Compreende textos jornalísticos, identificando o seu intuito comunicativo.

f

g

B1.6. Produção de textos orais de diversa tipoloxía segundo o seu formato e intuito comunicativa.

B1.6. Produzir textos orais breves e singelos dos géneros mais habituais imitando modelos.

B1.6.1. Elabora, imitando modelos, textos orais breves e singelos atendendo à forma da mensagem e o seu intuito comunicativo.

CCL

CAA

CSIEE

B1.6.2. Utiliza o vocabulário ajeitado.

CCL

B1.7. Estratégias e normas para o intercambiar comunicativo: participação; exposição clara; organização do discurso; escuta; a respeito do turno de palavra; papel da pessoa moderadora; entoación adequada; respeito pelos sentimentos, experiências, ideias, opiniões e conhecimentos das outras pessoas.

B1.7. Participar em situações de comunicação, dirigidas ou espontâneas, respeitando as normas da comunicação: turno de palavra, organizar o discurso, escutar e incorporar as intervenções das demais pessoas.

B1.7.1. Transmite as ideias com claridade, coerência e correcção.

CCL

CAA

B1.7.2. Escuta atentamente as intervenções das demais pessoas e segue as estratégias e normas para o intercambiar comunicativo mostrando respeito e consideração pelas ideias, sentimentos e emoções dos e das demais

CCL

CAA

CSC

d

g

B1.8. Valoração dos elementos culturais e tradicionais da comunidade que se transmitem nos textos orais: poemas, canções, contos, refrões, adivinhas.

B1.8. Reconhecer e valorar os elementos culturais da tradição oral.

B1.8.1. Reconhece e valora positivamente elementos culturais tradicionais transmitidos por via oral.

CCL

CCEC

Bloco 2: Comunicação escrita

g

B2.1. Leitura em voz alta de diferentes tipos de textos.

B2.1. Ler em voz alta diferentes textos, com fluidez e entoación adequadas.

B2.1.1. Lê em voz alta, com precisão, diferentes tipos de textos com velocidade, fluidez e entoación adequadas.

CCL

B2.2. Leitura, em silêncio, e compreensão de diferentes tipos de textos, deduzindo o significado de palavras e expressões com a ajuda do contexto.

B2.2. Ler em silêncio diferentes textos valorando a compreensão e a dedução do significado das palavras.

B2.2.1. Lê em silêncio com a velocidade adequada textos de diferente complexidade valorando a compreensão.

B2.2.2. Deduze o significado de palavras e expressões com ajuda do contexto.

CCL

CAA

B2.2.3. Realiza inferencias e formula hipóteses.

f

g

i

B2.3. Sublinhado e resumo da informação relevante de um texto.

B2.3. Resumir um texto lido reflectindo a estrutura e destacando as ideias principais e secundárias nos diferentes tipos de textos.

B2.3.1. Realiza leituras em silêncio resumindo com brevidade os textos lidos, reflectindo a estrutura e destacando as ideias principais e secundárias nos diferentes tipos de textos.

f

g

B2.4. Elaboração de um esquema de um texto narrativo.

B2.4. Esquematizar um texto narrativo.

B2.4.1. Elabora esquemas a partir de um texto expositivo.

B2.5. Desenvolvimento de um tema a partir de um esquema ou de um enunciado.

B2.5. Desenvolver um tema a partir de um esquema ou de um enunciado.

B2.5.1. Desenvolve um tema a partir de um esquema ou de um enunciado.

f

g

h

B2.6. Ser quem de produzir textos pessoais com intuito literário, valorando o sentido estético e a criatividade.

B2.6. Reproduzir a partir de modelos dados textos literários muito singelos, em prosa ou em verso, com sentido estético e criatividade.

B2.6.1. Acredite, com ajuda, textos literários muito singelos a partir de pautas ou modelos dados.

CCL

CAA

CSIEE

CCEC

f

g

B2.7. Reconhecimento da importância que tem a redacção e apresentação adequada dos textos escritos (organização das ideias, vocabulário adequado, recursos tipográficos...).

B2.7. Produzir textos atendendo à sua coesão interna e respeitando as normas ortográfico e gramaticais.

B2.7.1. Escreve textos usando o registro adequado, organizando as ideias com claridade, enlaçando enunciado em sequências lineais cohesivas e respeitando as normas gramaticais e ortográfico.

CCL

CD

B2.8. Aprecio pela qualidade dos textos próprios e alheios, reconhecendo a importância da sua adequação e correcção, e respeito pelas normas ortográfico.

B2.8. Valorar a sua própria produção escrita, assim como a produção escrita dos seus colegas.

B2.8.1. Aprecia a sua própria produção escrita, assim como a produção escrita dos seus colegas.

CCL

CSC

f

g

i

B2.9. Uso da biblioteca para a procura de informação e utilização dela como fonte de aprendizagem.

B2.9. Utilizar textos científicos em diferentes suportes para seleccionar e recolher informação, alargar conhecimentos e aplicá-los em trabalhos pessoais.

B2.9.1. Consulta diferentes fontes bibliográficas e textos de suporte informático para obter dados e informação para realizar trabalhos individuais ou em grupo.

CCL

CD

CAA

f

g

h

B2.10. Valoração da língua escrita como médio de informação e transmissão de cultura e como instrumento para planificar e realizar tarefas concretas.

B2.10. Utilizar a linguagem escrita para interpretar fenômenos e problemas diversos em contextos cada vez mais diversificados, para elaborar respostas, tomar decisões e resolver conflitos, assim como para relacionar-se com outras pessoas e grupos.

B2.10.1. Utiliza a língua escrita como médio de informação e transmissão de cultura.

CCL

CAA

B2.10.2. Desenvolve-se de um modo positivo para sim mesmo e para os demais na sua vida quotidiana com a ajuda da linguagem.

CCL

CSC

B2.10.3. Utiliza a língua escrita como instrumento para planificar e realizar tarefas concretas.

CCL

CAA

CSIEE

B2.10.4. Desenvolve planos e projectos desde a iniciativa pessoal utilizando a linguagem para elaborá-los.

Bloco 3: Conhecimento e reflexão sobre a língua

g

B3.1. O verbo: conjugação dos principais verbos regulares e irregulares.

B3.1. Conjugar os principais verbos regulares e irregulares em todas as suas formas e modos.

B3.1.1. Utiliza com correcção os tempos simples e compostos nas formas pessoais e não pessoais do modo indicativo e subxuntivo de todos os verbos ao produzir textos orais e escritos.

CCL

B3.2. A oração simples e os elementos necessários para formá-la: sujeito e predicado.

B3.2. Identificar sujeito e predicado na oração simples.

B3.2.1. Identifica o sujeito/grupo nominal e predicado na oração simples.

B3.2.2. Identifica as orações como unidades de significado completo.

B3.3. A estrutura do sujeito e do predicado.

B3.3. Identificar os componentes essenciais do grupo do sujeito e complementos no predicado.

B3.3.1. Identifica os componentes essenciais do grupo do sujeito e complementos no predicado.

B3.4. As classes de orações.

B3.4. Reconhecer as diferentes classes de orações e o seu intuito comunicativo.

B3.4.1. Reconhece em textos as diferentes classes de orações simples pela seu intuito comunicativo.

B3.5. Reconhecimento nos textos escritos das diferentes classes de palavras estudadas e exploração delas realizando transformações.

B3.5. Aplicar os conhecimentos básicos sobre a estrutura das categorias gramaticais.

B3.5.1. Identifica todas as categorias gramaticais pela sua função na língua: apresentar o substantivo, substituir o substantivo, expressar características do substantivo, expressar acções ou estados, enlaçar palavras.

B3.5.2. Assinala as características que definem as diferentes classes de palavras.

B3.6. Signos de pontuação: o ponto e coma, as comiñas e a raia no diálogo.

B3.6. Usar correctamente os signos de pontuação estudados no módulo.

B3.6.1. Aplica com correcção os signos de pontuação estudados no módulo em textos que o requeiram.

B3.7. Realização de ditados.

B3.7. Aplicar correctamente os signos de pontuação, as regras de acentuação e ortográfico próprias do módulo em textos ditados.

B3.7.1. Reproduz com correcção textos ditados em que se aplicam as normas estudadas no módulo.

B3.8. Observação e a respeito das regularidades ortográfico e morfológicas estudadas.

B3.8. Observar e respeitar as regularidades ortográfico e morfológicas estudadas.

B3.8.1. Observa e respeita as regularidades ortográfico e morfológicas estudadas.

B3.9. Compreensão e uso do vocabulário habitual necessário para comunicar na vida quotidiana: palavras polisémicas, famílias de palavras, frases feitas.

B3.9. Conhecer, reconhecer e usar o vocabulário habitual e frases feitas para comunicar na vida quotidiana.

B3.9.1. Conhece, reconhece e usa palavras polisémicas ou frases feitas na expressão oral e escrita.

B3.10. Técnicas singelas de ampliação de léxico: prefixos (-re, -multi, -tevê…), sufixos (-doiro, -azo, -axe…) e palavras compostas.

B3.10. Melhorar o conhecimento da língua e sistematizar a aquisição de vocabulário mediante a compreensão e produção de prefixos e sufixos.

B3.10.1. Compõe e distingue famílias de palavras.

B3.10.2. Utiliza diminutivos e aumentativos, em textos orais e escritos.

B3.10.3. Identifica no seu contorno palavras derivadas de outras evidentes.

f

g

h

B3.11. Identificação e valoração dos recursos literários mais frequentes: (personificación, hipérbole, comparação, metáfora).

B3.11. Identificar e valorar os recursos literários mais frequentes.

B3.11.1. Interpreta, com ajuda, a linguagem figurada em textos literários.

B3.11.2. Distingue alguns recursos retóricos básicos próprios dos poemas.

CCL

CCEC

B3.11.3. Recreia, de modo individual e cooperativo, a partir de modelos dados, textos literários singelos.

CCL

CAA

CCEC

n

B3.12. Reconhecimento e a respeito da diversidade linguística em Espanha e América do Norte através dos médios de comunicação.

B3.12. Conhecer e respeitar a variedade linguística de Espanha e do espanhol como fonte de enriquecimento cultural

B3.12.1. Valora as possibilidades expressivo da língua.

CCL

CCEC

B3.12.2. Valora a variedade linguística de Espanha e o espanhol da América do Norte através dos médios de comunicação.

CCL

CSC

CCEC

B3.12.3. Amostra respeito tanto para as línguas que se falam em Espanha como para o espanhol da América do Norte.

CCL

CCEC

f

g

h

B3.13. Identificação de similitudes e diferenças entre as línguas que conhece para melhorar na sua aprendizagem e alcançar uma competência comunicativa integrada.

B3.13. Comparar aspectos básicos das línguas que conhece para melhorar na sua aprendizagem e alcançar uma competência integrada.

B3.13.1. Compara aspectos (gráficos, sintácticos, léxicos) das línguas que conhece.

CCL

CAA

Bloco 4: Língua estrangeira

g

B4.1. Realização de perguntas e respostas singelas sobre aspectos pessoais (nome, idade, estado, procedência, residência).

B4.1. Perguntar e responder rotineiramente sobre aspectos pessoais de um mesmo e dos demais.

B4.1.1. Pergunta e responde sobre aspectos pessoais de um mesmo e dos demais.

CCL

CSC

B4.2. Utilização de expressões de relação social: saudar, despedir-se, identificar-se, agradecer.

B4.2. Utilizar expressões de relação social e agradecemento.

B4.2.1. Utiliza as rutinas de saúdo e despedida e dirige-se aos demais utilizando as fórmulas de cortesía básicas (hello, hi, goodbye, see you, nice to meet you, thank you...).

B4.3. Escuta, compreensão e expressão de palavras e frases singelas de uso habitual sobre compras, restauração, transportes, indicações etc.

B4.3. Escutar, compreender e expressar palavras e frases singelas de uso habitual sobre compras, restauração, transportes, indicações etc.

B4.3.1. Compreende instruções, indicações e informação básica de letreiros e cartazes em ruas, lojas, meios de transporte e outros serviços e lugares públicos.

CCL

CAA

B4.3.2. Realiza um registro de palavras e expressões para solicitar bens ou serviços.

CCL

CSC

B4.4. Formulação de perguntas e respostas no que diz respeito à quantidade (How much/many?).

B4.4. Formular perguntas e respostas no que diz respeito à quantidade.

B4.4.1. Realiza questões relacionadas com o preço de um serviço ou produto e compreende a resposta.

B4.5. Captação da ideia global e identificação de elementos mais relevantes em textos escritos breves e singelos.

B4.5. Captar a ideia global e identificar os elementos mais relevantes em textos escritos breves e singelos, com estruturas simples e léxico de uso muito frequente, articulados com claridade e lentamente.

B4.5.1. Compreende textos muito breves e singelos, utilizando estratégias básicas de compreensão leitora.

CCL

CAA

B4.6. O presente do verbo to bê.

B4.6. Identificar o presente do verbo to bê nas suas formas afirmativa, negativa e interrogativa.

B4.6.1. Emprega em situações de comunicação o presente do verbo to bê nas suas formas afirmativa, negativa e interrogativa.

CCL

CSC

B4.7. Pedidos utilizando a estrutura Cão I (have)…?

B4.7. Realizar pedidos utilizando a estrutura Cão I (have)…?

B4.7.1. Realiza pedidos utilizando a estrutura Cão I (have)…?

B4.8. Expressar sentimentos, o estado de ânimo (happy, sad), o acordo ou desacordo (That's right), o desejo (want), a necessidade (need) e o intuito (going to) utilizando a linguagem verbal e não verbal.

B4.8. Expressar e identificar estados de ânimo básicos, o acordo e o desacordo, o desejo, a necessidade e o intuito.

B4.8.1. Expressa e identifica estados de ânimo básicos.

B4.8.2. Expressa o acordo e o desacordo.

B4.8.3. Expressa e percebe o desejo.

B4.8.4. Expressa e percebe a necessidade.

B4.8.5. Expressa e percebe o intuito.

B4.9. Escuta, compreensão e uso do vocabulário básico sobre a roupa, o corpo e o tempo atmosférico.

B4.9. Escutar, compreender e usar vocabulário básico sobre a roupa, o corpo e o tempo atmosférico.

B4.9.1. Escuta e compreende palavras e frases simples em textos singelos relacionados com os temas trabalhados previamente de forma oral.

CCL

B4.9.2. Domina progressivamente aspectos fonéticos, do ritmo, da acentuação e da entoación da língua estrangeira para a produção de textos orais.

CCL

CSC

B4.9.3. Escreve frases singelas, organizadas com coerência na sua sequência e com léxico relacionado com o tema da escrita.

CCL

B4.9.4. Pergunta e responde sobre o preço (How much is it? It´s (one) pound.) e o tempo (What's the weather like today? Today is...)

CCL

CSC

B4.9.5. Descreve o seu aspecto físico ou o de outra pessoa.

g

h

B4.10. Conhecer o significado das palavras procedentes do inglês mais utilizadas em contextos reais (aparelhos, trânsito, edifícios, meios de comunicação...)

B4.10. Compreender o significado de anglicismos de uso frequente.

B4.10.1. Compreende o significado de anglicismos de uso frequente, principalmente aqueles relacionados com a tecnologia.

CCL

CMCCT

g

B4.11. A quantidade: os números a partir de 20.

B4.11. Manejar números cardinais a partir de 20, incluídos o 100 e o 1.000.

B4.11.1. Utilizar os números em diferentes situações comunicativas.

CCL

CSC

B4.12. Expressão de relações lógicas: adição (and) e oposição (but).

B4.12. Enlaçar palavras ou orações com conectores básicos, adecuándoas aos propósitos comunicativos.

B4.12.1. Une palavras ou orações mediante o uso de conectores básicos.

B4.13. Conhecimento de siglas (EU, UK, USA) e símbolos (£, $, €, @) de uso frequente.

B4.13. Conhecer siglas e símbolos habituais.

B4.13.1. Reconhece siglas e símbolos habituais do mundo anglosaxón.

CCL

g

i

B4.14. Uso de programas informáticos para alargar vocabulário sobre o alfabeto, os dias da semana, os meses do ano etc.

B4.14. Utilizar os meios digitais à sua disposição para alargar conhecimentos sobre o idioma inglês.

B4.14.1. Utiliza aplicações educativas em computadores ou smartphones para aprender inglês.

CCL

CD

CAA

B4.14.2. Encontra material na internet para a elaboração das suas próprias produções.

B4.14.3. Utiliza diferentes programas educativos digitais como apoio e reforço da aprendizagem.

B4.15. Consulta do dicionário bilingue, em suporte papel ou digital, para resolver dúvidas ortográfico e de significado.

B4.15. Manejar dicionários e glossários bilingues em suporte analóxico ou digital para resolver questões léxicas e ortográfico.

B4.15.1. Utiliza dicionários e glossários bilingues analóxicos ou digitais para resolver questões léxicas e ortográfico.

g

B4.16. Utilização de normas sociolinguístico anglosaxoas que permitam uma interacção respeitosa e elementar.

B4.16. Adquirir habilidades linguísticas essenciais em língua inglesa que permitam desenvolver-se num contexto anglofalante, para satisfazer necessidades básicas.

B4.16.1. Planifica uma viagem a um país anglofalante antecipando situações em que necessitaria comunicar-se em inglês e propondo estratégias para superar esses obstáculos.

CCL

CSC

CAA

CCEC

e

h

n

B4.17. Valoração da aprendizagem de uma língua estrangeira como instrumento de comunicação, como via de acesso a outras culturas e para alargar as possibilidades de desenvolvimento pessoal.

B4.17. Valorar a aprendizagem de uma língua estrangeira como instrumento de comunicação, como via de acesso a outras culturas e para alargar as possibilidades de desenvolvimento pessoal.

B4.17.1. Dispõe de habilidades linguísticas básicas para desenvolver-se em situações quotidianas.

CCL

CSC

CCEC

B4.17.2. Mostra curiosidade pela língua e por conhecer aspectos socioculturais dos países onde se fala.

CCL

CAA

CCEC

g

n

B4.18. Identificação de similitudes e diferenças entre as línguas que conhece para melhorar a sua aprendizagem e alcançar uma competência comunicativa integrada.

B4.18. Comparar aspectos básicos das línguas que conhece para melhorar na sua aprendizagem e alcançar uma competência integrada.

B4.18.1. Compara aspectos (gráficos, sintácticos, léxicos) das línguas que conhece.

CCL

CAA

ÂMBITO DA COMPETÊNCIA MATEMÁTICA. NÍVEL II

MÓDULO 1: A TERRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências

chave

Bloco 1: Números e operações

e

j

l

B1.1. Números naturais, decimais e fracções. A numeração romana.

B1.2. Operações com números naturais. Operações combinadas.

B1.3. Operações com números decimais: soma, resta, multiplicação.

B1.4. Uso do cálculo mental e da calculadora para resolver as operações estudadas.

B1.5. Resolução de problemas tomados da vida quotidiana em que haja que aplicar as operações básicas.

B1.1. Ler, escrever e ordenar, utilizando razoamentos ajeitado, diferentes tipos de números (naturais, decimais, fracções, romanos).

B1.1.1. Lê, escreve e ordena em textos numéricos e da vida quotidiana, números, utilizando razoamentos apropriados e interpretando o valor de posição de cada uma das suas cifras.

CMCCT

CCEC

CSIEE

B1.1.2. Identifica os números romanos aplicando o conhecimento à compreensão de datacións.

CMCCT

CCL

B1.2. Operar com os números tendo em conta hierarquia das operações, aplicando as propriedades destas, as estratégias pessoais e os diferentes procedimentos que se empregam segundo a natureza do cálculo que se tem que levar a cabo.

B1.2.1. Realiza mentalmente cálculos numéricos singelos utilizando a numeração e as operações básicas estudadas.

CMCCT

CD

B1.2.2. Utiliza os recursos tecnológicos disponíveis para resolver problemas de aprendizagem e da vida quotidiana.

B1.3. Identificar e resolver problemas da vida quotidiana, ajeitado ao seu nível, estabelecendo conexões entre a realidade e as matemáticas e valorando a utilidade dos conhecimentos matemáticos ajeitados para a resolução de problemas.

B1.3.1. Resolve problemas singelos da vida quotidiana aplicando estratégias pessoais de resolução e aplicando as operações básicas estudadas.

CMCCT

CSIEE

CAA

Bloco 2: Sob medida. Estimação e cálculo de magnitudes

e

f

j

B2.1. As medidas de superfície.

B2.2. Operações com medidas de comprimento, massa, tempo, superfície.

B2.3. A capacidade e o volume. Equivalências entre as medidas de capacidade e volume.

B2.4. Resolução de problemas de medida.

B2.5. Medida de ângulos.

B2.6. Ele sistema sesaxesimal.

B2.1. Operar com diferentes medidas.

B2.1.1. Expressa com precisão medidas de comprimento, massa, tempo, superfície, utilizando as unidades mais ajeitadas à magnitude que se mede.

CMCCT

CCL

B2.2. Seleccionar instrumentos, unidades de medida usuais, fazendo previamente estimações e expressando com precisão medidas de comprimento, superfície, peso/massa, capacidade e tempo, em contextos reais.

B2.2.1. Realiza estimações de medidas, seleccionando as unidades e instrumentos mais adequados, de acordo com o tipo e com a quantidade da magnitude que se quer medir.

CMCCT

CSIEE

B2.2.2. Representa os espaços e períodos de tempo a diversas escalas empregando as unidades de medida e as suas equivalências.

B2.3. Identificar e resolver problemas da vida quotidiana, estabelecendo conexões entre a realidade e as matemáticas e valorando a utilidade dos conhecimentos matemáticos ajeitados para a resolução de problemas.

B2.3.1. Analisa e compreende o enunciado dos problemas (dados, relações entre os dados, contexto do problema).

CMCCT

CAA

CSIEE

B2.4. Conhecer o sistema sesaxesimal para realizar cálculos com medidas angulares.

B2.4.1. Utiliza o sistema sesaxesimal para realizar cálculos com medidas angulares.

CMCCT

Bloco 3: Xeometría

e

j

l

B3.1. Figuras xeométricas: triángulos, cuadriláteros, polígonos regulares, círculo.

B3.2. A circunferencia, comprimento da circunferencia e posições relativas de rectas e circunferencias.

B3.3. Figuras irregulares. Ângulos em diferentes posições. Concavidade e convexidade de figuras planas.

B3.1. Identificar e classificar triángulos segundo os lados e os ângulos. Classificar cuadriláteros.

B3.1.1. Emprega o razoamento matemático para classificar as figuras xeométricas estudadas de acordo com critérios libremente eleitos e preestablecidos.

CMCCT

B3.2. Utilizar as noções xeométricas para descrever e compreender situações da vida quotidiana.

B3.2.1. Analisa patrões numéricos e xeométricos expressando-os mediante regras simbólicas quando é possível.

CCL

CMCCT

B3.2.2. Colabora activamente e de modo responsável no trabalho em equipa, manifestando iniciativa para resolver problemas que implicam a aplicação dos contidos estudados.

CMCCT

CSIEE

Bloco 4: Tratamento da informação, azar e probabilidade

e

i

j

B4.1. Escalas: mapas e planos.

B4.2. Sistema de coordenadas cartesianas.

B4.1. Realizar, ler e interpretar representações gráficas de um conjunto de dados relativos ao âmbito imediato.

B4.1.1. Obtém informação concreta a partir da consulta de mapas e planos.

CSC

CCEC

B4.1.2. Representa espaços concretos mediante planos singelos.

CSC

CSIEE

B4.1.3. Utiliza planos e mapas com escala para orientar-se por lugares desconhecidos.

CSC

B4.2. Representar pontos em eixos cartesianos e identificar coordenadas de pontos representados em eixos cartesianos.

B4.2.1. Situa-se no plano, no espaço e no tempo com a ajuda de representações matemáticas: sistema de coordenadas cartesianas, cartografía.

CMCCT

CSIEE

ÂMBITO DA COMPETÊNCIA MATEMÁTICA. NÍVEL II

MÓDULO 2: O TRABALHO

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Números e operações

e

j

l

B1.1. Divisão de números decimais.

B1.2. Os números inteiros. A recta inteira. Comparação.

B1.3. Soma e resta de números inteiros.

B1.4. Divisibilidade.

B1.5. Percentagens e proporcionalidade. Tanto por cento.

B1.1. Empregar a competência digital para resolver problemas matemáticos relacionados com a vida quotidiana.

B1.1.1. Utiliza os recursos tecnológicos disponíveis para resolver problemas de aprendizagem e da vida quotidiana.

CMCCT

CD

CSIEE

B1.2. Comparar e ordenar números inteiros e identificar e representar números inteiros na recta inteira.

B1.2.1. Ordena números inteiros por comparação, representação na recta numérica e transformação de uns noutros.

CMCCT

CSIEE

B1.3. Reconhecer situações reais onde aparecem múltiplos e divisores.

B1.3.1. Resolve problemas singelos da vida quotidiana aplicando operações básicas com números decimais e inteiros, aplicando estratégias pessoais de solução.

CCL

CMCCT

CD

B1.3.2. Conhece e aplica os critérios de divisibilidade por 2, 3, 5, 9 e 10.

CMCCT

CAA

B1.3.3. Calcula todos os divisores de qualquer número menor que 100.

CMCCT

CD

B1.3.4. Calcula o mínimo comum múltiplo e o mínimo comum divisor.

B1.4. Utilizar os números inteiros, decimais e as percentagens singelas para interpretar e intercambiar informação em contextos da vida quotidiana.

B1.4.1.Opera com os números.

Bloco 2: Sob medida. Estimação e cálculo de magnitudes

e

f

j

B2.1. Comparação e ordenação de medidas de uma mesma magnitude.

B2.2. Equivalências e transformações de unidades de tempo.

B2.3. Cálculos com medidas temporárias.

B2.1. Conhecer as unidades de medida de tempo e as suas relações, utilizando-as para resolver problemas da vida diária.

B2.1.1. Expressa com precisão medidas de superfície e tempo, usando os múltiplos e os divisores mais comuns e realizando conversão quando seja necessário.

CMCCT

CSIEE

B2.1.2. Realiza estimações de medidas, escolhendo as unidades e instrumentos mais ajeitados, de acordo com o tipo e com a quantidade da magnitude que se quer medir.

B2.2. Operar com diferentes medidas.

B2.2.1. Relaciona a linguagem quotidiana e académica com a linguagem matemática empregando diferentes medidas temporárias.

CMCCT

CCL

Bloco 3: Xeometría

e

j

B3.1. Perímetro e área.

B3.2. Poliedros. Tipos. Elementos Básicos.

B3.1. Calcular perímetro e área de diferentes figuras.

B3.1.1. Calcula o perímetro e a superfície das formas estudadas.

CMCCT

B3.1.2. Aplicação do cálculo de áreas e perímetros das figuras xeométricas estudadas à resolução de problemas tomados da vida quotidiana.

CMCCT

CSIEE

B3.2. Conhecer as características dos corpos xeométricos e aplicá-las para classificar poliedros.

B3.2.1. Relaciona a linguagem quotidiana e a académica com a linguagem matemática empregando expressões e representações xeométricas.

CCL

CMCCT

Bloco 4: Tratamento da informação, azar e probabilidade

e

i

j

B4.1. Recolhida e classificação de dados cualitativos e cuantitativos.

B4.2. Realização e interpretação de gráficos singelos.

B4.1. Realizar, ler e interpretar representações gráficas de um conjunto de dados relativos ao âmbito imediato.

B4.1.1. Recolhe e classifica dados cualitativos e cuantitativos de situações do seu âmbito, utilizando-os para construir gráficos singelos.

CMCCT

CSIEE

B4.1.2. Utiliza diferentes formas de organizar e representar um mesmo conjunto de dados e obtém informação a partir deles.

B4.2. Interpretar representações espaciais realizadas a partir de sistemas de referência e de objectos ou situações familiares.

B4.2.1. Compreende e usa termos básicos de estatística a partir da análise de amostras de dados singelos e habituais no seu âmbito.

CMCCT

CCL

B4.2.2. Elabora e apresenta gráficos e tabelas de forma ordenada e clara.

CMCCT

CAA

ÂMBITO DA COMPETÊNCIA MATEMÁTICA. NÍVEL II

MÓDULO 3: A VIDA EM COMUNIDADE

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Números e operações

e

j

I

B1.1. Números primos e números compostos.

B1.2. Fracções próprias e impróprias. Número misto.

B1.3. Fracções equivalentes. Redução a comum denominador.

B1.4. Operações com fracções.

B1.5. Operações com fracções. Problemas com números fraccionarios.

B1.6. Potências. Quadrados e cubos. Potências de base 10.

B1.1. Interpretar diferentes tipos de números segundo o seu valor, em situações da vida quotidiana.

B1.1.1. Interpreta em textos numéricos e da vida quotidiana, números (naturais, fracções e decimais), utilizando razoamentos apropriados.

CCL

CMCCT

B1.2. Aplicar o razoamento matemático e o processo de pensamento científico para desenvolver a capacidade de identificar, formular e resolver situações da realidade e reptos académicos.

B1.2.1. Relaciona a linguagem quotidiana e a académica com a linguagem matemática empregando fracções, números mistos, potências.

B1.3. Realizar operações e cálculos numéricos mediante diferentes procedimentos, incluído o cálculo mental, fazendo referência implícita às propriedades das operações, em situações de resolução de problemas.

B1.3.1. Realiza cálculos numéricos mediante diferentes procedimentos: cálculo mental, tanteo, algoritmos, calculadora.

CMCCT

CD

B1.3.2. Calcula quadrados, cubos e potências de base 10.

Bloco 2: Sob medida. Estimação e cálculo de magnitudes

e

j

l

B2.1. Múltiplos e submúltiplos do euro.

B2.2. Equivalências entre moedas e bilhetes.

B2.1. Conhecer o valor e as equivalências entre as diferentes moedas e bilhetes do sistema monetário da União Europeia.

B2.1.1. Conhece o valor e as equivalências entre as diferentes moedas e bilhetes do sistema monetário da União Europeia.

CMCCT

CSC

B2.1.2. Utiliza os múltiplos e submúltiplos do euro e estabelece equivalências entre moedas e bilhetes.

CMCCT

CSIEE

B2.1.3. Utiliza os recursos tecnológicos disponíveis para resolver problemas de aprendizagem e da vida quotidiana.

CMCCT

CD

Bloco 3: Xeometría

e

j

l

B3.1. Corpos de revolução: cone, cilindro e esfera.

B3.2. Regularidades e simetrias.

B3.1. Conhecer as características dos corpos xeométricos e aplicá-las para classificar corpos de revolução (cone, cilindro e esfera) e os seus elementos básicos.

B3.1.1. Emprega o razoamento matemático para classificar figuras xeométricas de acordo com critérios libremente eleitos ou preestablecidos.

CMCCT

CSIEE

B3.2. Utilizar as noções xeométricas de paralelismo, perpendicularidade, simetria para descrever e compreender situações da vida quotidiana.

B3.2.1. Descreve obras de arte que contém elementos xeométricos.

CCL

CMCCT

CSC

B3.2.2. Realiza simetrias, translações e rotações.

CMCCT

CAA

Bloco 4: Tratamento da informação, azar e probabilidade

e

j

l

B4.1. Tabelas de frequências absolutas e relativas.

B4.2. Análise crítica de gráficos.

B4.1. Recolher e registar uma informação cuantificable, utilizando alguns recursos singelos de representação gráfica: tabelas de dados.

B4.1.1. Lê, interpreta e realiza representações gráficas singelas a partir de uma série de dados relacionados com situações da vida diária.

CMCCT

CSIEE

B4.1.2. Compreende e usa termos básicos de estatística a partir da análise de amostras de dados singelos e habituais no seu âmbito.

ÂMBITO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE NO MUNDO ACTUAL. NÍVEL II

MÓDULO 1: A TERRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências

chave

Bloco 1: O nosso Universo

e

i

l

B1.1. O Universo: origem, estrutura e componentes básicos.

B1.2. Os movimentos dos corpos celestes e os seus efeitos.

B1.3. A Terra, um planeta do sistema solar.

B1.1. Manejar e expressar informação concreta e relevante de factos e fenômenos sociais e históricos, desde uma perspectiva crítica e construtiva, através exposições orais, diálogos e debates.

B1.1.1. Utiliza o vocabulário e as estruturas linguísticas adequadas para expressar os conteúdos próprios das ciências naturais e sociais

CSC

CCL

B1.1.2. Interpreta e expressa conteúdos específicos de ciências naturais e sociais mediante diferentes linguagens e sistemas de representação.

CSC

CCL

CAA

B1.1.3. Compreende a importância dos movimentos dos corpos celestes e sabe explicar os seus efeitos.

CSC

CCL

B1.1.4. Lê e compreende textos científicos seleccionados e notícias de actualidade.

CSC

CCL

Bloco 2: Geografia física

m

l

B2.1. Cartografía e escalas.

B2.2. Localização na Terra. Paralelos e meridianos. Latitude e comprimento.

B2.3. O tempo atmosférico. Mapa do tempo.

B2.4. O clima. Factores. Tipos. Zonas.

B2.5. As alterações climáticas. Conceito e acções responsáveis.

B2.6. Elementos que configuram a paisagem natural. A paisagem natural da Galiza.

B2.1. Interpretar e elaborar representações próprias das ciências naturais e sociais empregando números, medidas, conceitos básicos de espaço e forma, assim como estratégias de razoamento lógico matemático, que permitam reflectir e analisar factos naturais, sociais e históricos.

B2.1.1. Obtém informação concreta sobre factos e fenômenos relacionados com o módulo consultando imagens, gráficas, símbolos e mapas.

CSC

CD

B2.1.2. Realiza representações geográficas singelas.

CSC

CMCCT

B2.1.3. Maneja e compara variables demográficas e medidas espaciais.

CSC

CMCCT

CSIEE

B2.1.4. Interpreta e representa mediante gráficos informação relacionada com as ciências sociais.

CSC

CMCCT

CSIEE

B2.1.5. Reconhece as diferentes paisagens do seu contorno e da Galiza, compreendendo que são produto das relações entre agentes físicos e biológicos, e destaca a especial relevo da acção sobre eles dos grupos humanos.

CSC

Bloco 3: Geografia humana, política e económica

c

l

n

B3.1. Povoação europeia e espanhola. Taxa de natalidade e esperança de vida. Distribuição e evolução.

B3.2. Desigualdade demográfica no mundo. Movimentos migratorios.

B3.3. Direitos e deveres da cidadania europeia.

B3.4. Economia europeia e espanhola.

B3.1. Interpretar e elaborar representações próprias das ciências sociais e naturais empregando números, medidas, conceitos básicos de espaço e forma, assim como estratégias de razoamento lógico matemático, que permitam reflectir e analisar factos naturais, sociais e históricos.

B3.1.1. Maneja e compara variables demográficas e medidas espaciais.

CSC

CMCCT

B3.1.2. Interpreta e representa mediante gráficos informação relacionada com as ciências sociais.

CSC

CMCCT

B3.1.3. Analisa de modo indutivo e dedutivo modelos económicos baseando-se em factos históricos.

CSC

CSIEE

B3.1.4. Imagina a história a partir da observação da situação actual.

CSC

CCEC

B3.1.5. Razoa de modo lógico e sistemático relações entre territórios.

CSC

CCL

B2.1.6. Assinala a correlação entre vida económica e política.

Bloco 4: Matéria inerte

k

m

B4.1. Contaminação e efeitos nos ecosistema. Actividades humanas que influem negativamente no meio: contaminação do ar, água e solo.

B4.1. Analisar e interpretar de modo crítico informação e acontecimentos relacionados com a natureza, valorando que esta é um bem da humanidade.

B4.1.1. Valora a importância de manter o equilíbrio dos ecosistema.

CSC

CCEC

B4.1.2. Relaciona diferentes estilos de consumo e a contaminação que geram com as suas consequências ambientais a curto e longo prazo.

CSC

CSIEE

B4.1.3. Conhece as fontes de energia disponíveis no planeta e os usos habituais de cada uma delas e compreende o impacto económico e ambiental que tem uma actividade humana irresponsável.

CSC

ÂMBITO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE NO MUNDO ACTUAL. NÍVEL II

MÓDULO 2: O TRABALHO

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências

chave

Bloco 1: Tecnologia

e

i

l

B1.1. Circuitos eléctricos. Materiais motoristas e illantes

B1.1. Empregar estratégias para solucionar problemas quotidianos básicos, seguindo um procedimento sistemático baseado no método científico.

B1.1.1. Aplica técnicas de estudo e trabalho para processar informação e conhecer melhor o mundo natural e social.

CSC

B1.1.2. Expressa e representa os experimentos realizados.

CSC

CCL

B1.2. Pancas, poleas, rodas e engrenaxes. Funcionamento, tipos e usos.

B1.2. Usar a tecnologia com responsabilidade para maximizar os benefícios e minimizar as desvantaxes da sua utilização.

B1.2.1. Propõe mecanismos de pancas, poleas ou engrenaxes e descreve os problemas que solucionam.

CSC

CSIEE

B1.3. Máquinas e aparelhos. Tipos e funcionamento dos principais inventos tecnológicos.

B1.3. Conhecer os principais avanços da ciência e da tecnologia. Identificar os benefícios e riscos.

B1.3.1. Conhece e explica alguns das grandes descobertas e inventos da humanidade.

CMCCT

CCL

CSC

Bloco 2: Matéria inerte

e

i

l

B2.1. Forças e objectos. Formas de deformação e movimento.

B2.2. Formas de energia.

B2.3. Fontes de energias renováveis e não renováveis.

B2.4. Electricidade e magnetismo.

B2.1. Conhecer as características das fontes de energia e matérias primas renováveis e não renováveis e relacionar com o desenvolvimento energético e sustentável.

B2.2. Conhecer leis básicas que regem fenômenos como a reflexão da luz, a transmissão da corrente eléctrica, as mudanças de estado e as reacções químicas: a combustión, a oxidación e a fermentação.

B2.1.1. Identifica e explica os benefícios e riscos relacionados com a utilização das energias renováveis e não renováveis: esgotamento, chuva ácida, radioactividade, expondo possíveis actuações para um desenvolvimento sustentável.

CMCCT

CCL

B2.2.1. Sabe que toda a matéria contém ónus eléctricas que podem ser positivas ou negativas.

CMCCT

CAA

CSIEE

B2.2.2. Sabe o que é o magnetismo e conhece algumas das suas utilidades.

B2.2.3. Sabe o que é a corrente eléctrica e compreende a diferença entre materiais motoristas e materiais illantes.

B2.2.4. Sabe o que é um circuito eléctrico e conhece os seus principais componentes.

Bloco 3: Ecosistema e seres vivos

e

i

l

B3.1. Estrutura dos seres vivos.

B3.2. A célula. Tecidos, órgãos e aparelhos.

B3.3. Organismos unicelulares e pluricelulares. Vírus.

B3.4. Ecosistema: biótopo e biocenose.

B3.5. Interacções entre os elementos de um ecosistema.

B3.1. Integrar os conhecimentos adquiridos em diferentes contextos e com diferentes níveis de detalhe para compreender tanto a estrutura global como aspectos particulares do mundo natural e social.

B3.1.1. Elabora esquemas sobre os seres vivos, a estrutura dos ecosistema e o funcionamento do corpo humano.

CSC

CCL

B3.1.2. Expõe razoadamente a relação entre uma biocenose e o seu biótopo num ecosistema.

B3.1.3. Diferencia organismos unicelulares de pluricelulares e expressa as chaves do seu funcionamento.

CSC

Bloco 4: Funcionamento do corpo humano.

e

i

o

B4.1. Função de nutrição. Os aparelhos dixestivo, respiratório, circulatorio e excretor.

B4.1. Utilizar a linguagem formal adequada para descrever, em termos básicos precisos, o funcionamento do corpo humano.

B4.1.1. Compreende textos académicos e manuais técnicos.

CSC

CCL

B4.1.2. Conhece a importância da nutrição e sabe que processos e aparelhos intervêm nela.

CSC

B4.1.3. Compreende e explica como se leva a cabo o processo dixestivo: a dixestión, a absorção dos nutrientes e a eliminação das substancias de refugallo.

CSC

CCL

B4.2. Função de relação. Os órgãos dos sentidos, sistema nervoso e endócrino. Aparelho locomotor.

B4.2. Conhecer o funcionamento de células, tecidos, órgãos, aparelhos, sistemas: a sua localização, forma, estrutura, funções, cuidados etc.

B4.2.1. Identifica e descreve as principais características dos aparelhos respiratório, dixestivo, locomotor, circulatorio e excretor e explica as principais funções.

CMCCT

CCL

ÂMBITO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E SOCIEDADE NO MUNDO ACTUAL. NÍVEL II

MÓDULO 3: A VIDA EM COMUNIDADE

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Perspectiva histórica

d

i

m

B1.1. A perspectiva histórica: a história pessoal e familiar.

B1.2. As pegadas do passado no contorno próximo.

B1.3. Os grandes avanços nas etapas da história.

B1.4. Factos históricos relevantes.

B1.5. A repercussão da história na situação actual.

B1.6. Os meios de comunicação de massas.

B1.1. Compreender, respeitar e desfrutar de diferentes manifestações culturais e artísticas consideradas como património dos povos a escala local, nacional e internacional.

B1.1.1. Reconhece elementos representativos da cultura de Espanha e da Europa.

CSC

B1.1.2. Compreende os movimentos artísticos no seu contexto histórico.

CCEC

B1.1.3. Cita representantes da cultura espanhola reconhecidos de modo internacional.

CSC

B1.1.4. Valora de modo crítico e construtivo as formas de expressão cultural e artística espanholas e europeias.

CAA

B1.1.5. Expõe verbalmente causas e efeitos de factos históricos.

B1.1.6. Imagina a história a partir da observação da situação actual.

CCL

Bloco 2: Geografia humana, política e económica

e

i

B2.1. A Constituição espanhola de 1978 e o Estatuto de autonomia da Galiza como normas fundamentais da convivência.

B2.2. Órgãos de governo e organização territorial de Espanha.

B2.3. Galiza como comunidade autónoma. Os seus símbolos.

B2.4. A União Europeia. Principais organismos internacionais.

B2.1. Manejar e expressar informação concreta e relevante de factos e fenômenos sociais e históricos, desde uma perspectiva crítica e construtiva, através de exposições orais, diálogos e debates.

B2.1.1. Conhece a gestão de serviços nos níveis de administração autonómica, provincial e local.

CSC

B2.2. Valorar a importância da participação na actividade social e cívico num contexto local, nacional e europeu.

B2.2.2. Participa activamente em debates de actualidade de modo acalmado, respeitoso e argumentado sobre a base do seu próprio julgamento crítico.

CSC

CCL

Bloco 3: Tecnologia

e

f

i

l

B3.1. A ciência e as suas repercussões na sociedade. Presente e futuro.

B3.1. Conhecer os principais avanços da ciência e da tecnologia. Identificar os benefícios e riscos.

B3.1.1. Conhece e explica alguns das grandes descobertas e inventos da humanidade.

CMCCT

CCL

CSC

B3.1.2. Conhece e explica alguns dos avanços da ciência no fogar e na vida quotidiana, na medicina, na cultura e no lazer, nas artes, na música, no cine e no desporto e nas tecnologias da informação e da comunicação.

CMCCT

CCL

CSC

CCEC

B3.1.3. Expõe publicamente o impacto dos avanços tecnológicos na melhora da sociedade e no futuro do mundo.

CMCCT

CCL

B3.1.4. Conhece os avanços que permitiram a investigação científica na nossa sociedade e os efeitos que tiveram nela.

CMCCT

CSC

ÂMBITO DO DESENVOLVIMENTO E INICIATIVA PESSOAL E LABORAL. NÍVEL II

MÓDULO 1: A TERRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Inteligência emocional

a

o

B1.1. Estilo pessoal positivo.

B1.2. Traços de personalidade.

B1.3. Canalização de emoções.

B1.1. Utilizar a linguagem para expressar as reflexões pessoais e descrever-se de um modo ajustado, autorregularse e relacionar-se de um modo positivo com os demais, resolvendo os problemas e os conflitos de um modo pacífico; e expressar procedimentos, desenhar e desenvolver projectos ajeitado aos interesses, necessidades e valores pessoais de acordo com o contexto.

B1.1.1. Expressa pensamentos, intuitos e posições com um estilo positivo e construtivo, destacando os sucessos e reformulando as dificuldades como aspectos que há que melhorar.

CCL

CSIEE

B1.1.2. Emprega correctamente as estratégias de escuta activa ao relacionar-se com os demais.

CSC

B1.1.3. Emprega estratégias comunicativas asertivas que facilitam a resolução de conflitos de maneira dialogada.

CCL

Bloco 2: Participação social

b

c

d

B2.1. Respeito e dignidade pessoal.

B2.2. Interculturalidade. Interrelixiosidade.

B2.3. Altruísmo. Condutas solidárias.

B2.4. Conceitos básicos de direito.

B2.1. Empregar o razoamento lógico para prever as consequências positivas e negativas de diferentes cursos de acção; tomar decisões de modo fundamentado e realizar julgamentos éticos ou morais sem deixar-se levar por prejuízos ou emoções e atendendo às consequências da decisão.

B2.1.1. Identifica vantagens e inconvenientes de uma decisão antes de tomá-la, gerando alternativas pessoais valiosas.

CSIEE

B2.1.2. Infire correctamente o sentido das expressões e o estado emocional dos interlocutores com os que dialoga.

CCL

B2.1.3. Resolve dilemas morais.

CAA

B2.1.4. Reconhece e expressa mediante diagramas de fluxo ou redacções as consequências dos prejuízos nas relações interpersoais e na tomada de decisões.

CCL

ÂMBITO DO DESENVOLVIMENTO E INICIATIVA PESSOAL E LABORAL. NÍVEL II

MÓDULO 2: O TRABALHO

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Inteligência emocional

a

b

e

B1.1. Resiliencia e reestruturação cognitiva.

B1.2. Estratégias de resolução pacífica de conflitos.

B1.3. Trabalho em equipa. Afinidade e compenetración.

B1.1. Utilizar a linguagem para expressar as reflexões pessoais e descrever-se de um modo ajustado, autorregularse e relacionar-se de um modo positivo com os demais, resolvendo os problemas e os conflitos de um modo pacífico; e expressar procedimentos, desenhar e desenvolver projectos ajeitado aos interesses, necessidades e valores pessoais de acordo com o contexto.

B1.1.1. É capaz de mediar para a resolução pacífica de conflitos quotidianos.

CCL

CSIEE

B1.1.2. Expressa pensamentos, intuitos e posições com um estilo positivo e construtivo, destacando os sucessos e reformulando as dificuldades como aspectos a melhorar.

CCL

B1.1.3. Emprega estratégias comunicativas asertivas que facilitam a resolução de conflitos de maneira dialogada.

CCL

CSIEE

Bloco 2: Iniciativa pessoal

a

e

f

i

p

B2.1. Tomada de decisões.

B2.2. Empregabilidade e empresa.

B2.3. Entidades financeiras.

B2.4. Autoemprego.

B2.5. Ferramentas informáticas para a busca de emprego.

B2.1. Usar ferramentas digitais que permitam consultar documentação oficial, aceder a prestações sociais, buscar emprego ou anunciar a própria actividade profissional e fazer um uso proveitoso da oferta de formação contínua disponível para adultos.

B2.1.1. Realiza buscas na internet de actividades lúdicas e culturais que se estão a oferecer na sua comunidade ou câmara municipal.

CD

B2.1.2. Elabora anúncios curtos susceptíveis de publicar-se em linha empregando processadores de texto.

B2.1.3. Acede a portais de emprego e recopila informação sobre postos de trabalho do seu interesse.

B2.1.4. Obtém e contrasta a informação associada com os presta-mos hipotecário.

CD

CMCCT

B2.1.5. Valora as suas próprias características e tem-as em conta no processo de busca de emprego

CSIEE

CAA

B2.1.6. É capaz de enfocar as suas capacidades de para as demandas laborais actuais.

ÂMBITO DO DESENVOLVIMENTO E INICIATIVA PESSOAL E LABORAL. NÍVEL II

MÓDULO 3: A VIDA EM COMUNIDADE

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Participação social

c

e

i

B1.1. Boletins e publicações oficiais.

B1.2. Partidos e sindicatos.

B1.1. Compreender e respeitar a diversidade da sociedade espanhola, valorando-a como oportunidade de colaboração para obter benefícios colectivos; ter conhecimentos básicos de direito para compreender a regulação da sociedade e participar nos diferentes âmbitos sociais.

B1.1.1. Detecta a presença de prejuízos em diversas situações e razoa e explica as consequências negativas que podem ter.

CCL

CSC

B1.1.2. Expõe oralmente o funcionamento básico de um sindicato, explicando as principais funções, recursos e serviços que oferecem aos trabalhadores que representam.

B1.1.3. Compreende e interpreta conceitos básicos de direito.

B1.1.4. Conhece as funções básicas dos partidos políticos e os sindicatos na democracia.

CSC

B1.1.5. Compreende a relação de impostos, taxas e preços públicos ligados aos serviços de natureza local, autonómica e estatal, assumindo a sua importância para a manutenção da sociedade.

Bloco 2: Qualidade de vida

a

e

o

B2.1. Estilo de vida saudável.

B2.2. Projecto de vida familiar.

B2.3. Planeamento e organização familiar.

B2.4. Busca e oferta de actividades de ocio.

B2.5. Relaciones sociais. Amizade.

B2.6. Apoio e redes sociais.

B2.7. Adaptabilidade, flexibilidade e criatividade.

B2.1. Ser quem de elaborar projectos de vida significativos, nos âmbitos pessoal, familiar e laboral, com criatividade e iniciativa pessoal para gerar novas oportunidades; e ter as competências necessárias para adaptar-se a circunstâncias cambiantes, suster-se economicamente e manter a qualidade de vida.

B2.1.1. Expõe interpretações de um problema ou conflito pessoal e propõe estratégias para transformar os aspectos negativos em oportunidades de mudança e melhora.

CCL

CSC

B2.1.2. Valora a flexibilidade cognitiva para superar problemas e razoa a importância de identificar correctamente os próprios objectivos e as demandas do contexto.

CSC

CAA

B2.1.3. Elabora agendas que recolhem os interesses e planos de futuro dos membros da família e os recursos e decisões necessários para levá-los a cabo.

CCL

CSC

B2.1.4. Emprega estratégias de criação de ideias para propor planos e soluções a problemas e necessidades pessoais, familiares ou laborais.

CCL

CAA

ANEXO IB

Educação secundária para pessoas adultas

• Âmbito da comunicação.

As línguas são instrumentos de comunicação e de interacção social, de conservação e transmissão de conhecimento, de participação cidadã na vida social, de investigação, criação, experimentação e descoberta. Ao mesmo tempo, achegam ao modo de vida e às formas de pensamento de outros povos e dos seus patrimónios culturais, favorecendo a competência plurilingüe e intercultural.

A aprendizagem linguística não pode ser um fim em sim mesma; uma língua não se aprende para falar, ler ou escrever sobre ela, senão para falar, ler e escrever sobre o mundo, como médio das relações interpersoais e reconhecimento do outro, motor do nosso pensamento e das nossas reflexões, e porta de acesso ao conhecimento. Deste modo, a língua é não só uma parte importante da cultura senão também o meio de acesso às manifestações culturais e o instrumento com o que a cultura se acredite, se interpreta e se transmite.

O âmbito da comunicação, que inclui os aspectos básicos do currículo das matérias Língua Galega e Literatura, Língua Castelhana e Literatura e Língua Estrangeira, apresenta uma proposta integrada com o objecto de favorecer um tratamento metodolóxico conjunto de orientação comunicativa entre as diversas línguas. O objectivo fundamental é desenvolver as competências comunicativas das pessoas adultas com a finalidade de possibilitar-lhes uma inserção activa e responsável na sociedade e, ao mesmo tempo, contribuir ao seu desenvolvimento pessoal.

Neste âmbito apresenta-se um estudo coordenado das duas línguas oficiais para alcançar uma competência plena em ambas as duas, favorecer uma atitude positiva para elas, tendo em conta a situação social de minorización social da língua própria, e economizar esforços no processo de ensino-aprendizagem.

Existe uma série de conteúdos que são transferibles entre as matérias que integram o âmbito, como são os aspectos relacionados com a competência pragmática, a competência textual, a construção de conceitos sobre o funcionamento das línguas ou o desenvolvimento de atitudes positivas. É preciso não esquecer, porém, a existência de aspectos específicos de cada uma delas, dado que o objectivo final é atingir a competência linguística do estudantado em ambas as duas.

Os conteúdos do âmbito da comunicação fã referência à compreensão, interpretação e expressão da linguagem verbal; os recursos e as características da comunicação oral e escrita em diferentes situações, com interlocutores e fins diversos; o conhecimento da língua: as normas ortográfico, as classes de palavras, relações sintácticas e semánticas, as variedades linguísticas, os usos discursivos da linguagem e a tipoloxía textual; os conceitos básicos da sociolinguística e o conhecimento da situação sociolinguístico da Galiza; as etapas, os autores, as obras e os géneros mais representativos das literaturas em língua galega e em língua castelhana.

O âmbito da comunicação apresenta-se, em cada módulo, dividido em cinco blocos:

O bloco 1 «Comunicação oral: escutar e falar» atende o uso oral das línguas galega e castelhana. Nele procura-se que o estudantado adquira as habilidades necessárias para comunicar com precisão as suas próprias ideias, realizar discursos elaborados de acordo com uma situação comunicativa, e escutar activamente, interpretando de modo correcto as ideias dos demais.

O bloco 2 «Comunicação escrita: ler e escrever» persegue que o estudantado seja quem de perceber e produzir textos de diferente grau de complexidade e de géneros diversos, em diferentes suportes e formatos, em língua galega e em língua castelhana.

O bloco 3 «Funcionamento da língua» responde à necessidade de reflexão sobre os mecanismos linguísticos que regulam a comunicação e arrédase da pretensão de utilizar os conhecimentos linguísticos como um fim em sim mesmos para devolver-lhes a sua funcionalidade original: servir de base para o uso correcto da língua.

O bloco 4 «Língua e sociedade» centra na necessidade de que o estudantado conheça, explique e valore o plurilingüísmo como uma situação habitual e enriquecedora de todos os indivíduos. Ao mesmo tempo, incide na identificação e superação de prejuízos e na pertinência de que o estudantado reconheça e empregue termos sociolinguístico precisos e os aplique à situação das línguas na Galiza.

O bloco 5 «Educação literária» assume o objectivo de fazer do estudantado leitores/as cultos/as e competente, implicados/as num processo de formação leitora que continue ao longo de toda a vida. É um marco conceptual que alterna a leitura, a compreensão e a interpretação de obras literárias próximas aos seus gustos pessoais e à sua maturidade cognitiva, com a de textos literários e obras completas representativas da literatura em língua galega e em língua castelhana.

A organização e secuenciación dos contidos nos quatro módulos realizou-se tendo e conta que o currículo vai dirigido a pessoas adultas de características diversas. Tiveram-se em conta três princípios:

O seu nível de dificuldade, começando com a tipoloxía textual que apresenta um menor nível de dificuldade ou com a que o estudantado adulto está mais familiarizado.

A integração de conteúdos relativos aos cinco blocos temáticos. Quanto à educação literária, a introdução de conteúdos de história literária começa nos módulos três e quatro. Destina-se o módulo três à história das literaturas em língua galega e em língua castelhana até o século XX e o módulo quatro à literatura dos séculos XX e XXI, por ser a mais próxima aos gustos do estudantado e a que melhor pode propiciar o desenvolvimento do aprecio pela leitura como fonte de conhecimento e prazer.

Reiteração em todos os módulos dos contidos que incidem na capacidade de leitura comprensiva e expressão oral e escrita do estudantado.

O âmbito da comunicação participa, como não podia ser de outro modo, no desenvolvimento das competências chave de educação secundária.

– Comunicação linguística (CCL).

A aprendizagem das habilidades linguísticas e comunicativas garantem o manejo efectivo da comunicação no plano pessoal, académico, social e profissional. O objectivo último é a compreensão e expressão oral e escrita de diferentes tipos de textos de acordo com o intuito e com o contexto comunicativos.

– Competência matemática e competências básicas em ciência e tecnologia (CMCCT).

A linguagem é, além disso, a base para a compreensão de termos e conceitos técnicos e o instrumento para desenvolver o razoamento lógico matemático e o pensamento científico.

– Competência digital (CD).

A formação neste âmbito proporciona conhecimentos sobre a linguagem digital básica e permite desenvolver as destrezas necessárias para o acesso e tratamento da informação digital e o manejo de aplicações e outros recursos informáticos.

– Aprender a aprender (CAA).

O âmbito da comunicação capacita para realizar um processo reflexivo de aprendizagem por ser a linguagem um instrumento necessário para pensar, planificar, analisar e reaxustar o processo e avaliar o resultado. Amais, potencia a aquisição de técnicas de estudo básicas e de estratégias para uma aprendizagem autónoma, eficaz e permanente ao longo da vida: uso de dicionários, elaboração de esquemas e mapas conceptuais e as habilidades de síntese e resumo de todo o tipo de textos.

– Competências sociais e cívico (CSC).

Os conteúdos deste âmbito contribuem a desenvolver as destrezas linguísticas e comunicativas necessárias para interpretar fenômenos e problemas sociais, para elaborar respostas, tomar decisões e resolver conflitos, assim como a capacidade de relacionar-se de maneira construtiva em diferentes contornos sociais e culturais, aplicando as normas sociolinguístico para o intercambiar comunicativo, inspirando confiança e mostrando uma atitude respeitosa conforme a princípios democráticos.

O ensino das línguas dentro deste âmbito deve contribuir à utilização e melhora de práticas igualitarias no uso da linguagem e à ampliação do repertório linguístico do estudantado, de maneira que possa desenvolver-se com sucesso em diferentes contornos sociais.

– Sentido de iniciativa e espírito emprendedor (CSIEE).

Este âmbito permite adquirir as competências linguísticas e comunicativas indispensáveis para gerir os próprios conhecimentos, habilidades e atitudes de forma criativa e inovadora e com critério próprio.

Aprender a usar as línguas é aprender a utilizar estratégias adequadas a cada situação comunicativa de maneira autónoma. Deste modo, o desenvolvimento de habilidades linguísticas contribui ao fomento da autonomia e iniciativa pessoal.

– Consciência e expressões culturais (CCEC).

O âmbito da comunicação proporciona ao estudantado estratégias para conhecer, compreender, apreciar e valorar com espírito crítico e com uma atitude aberta e respeitosa as diferentes manifestações culturais e artísticas, utilizá-las como fonte de enriquecimento e desfrute pessoal e considerá-las como parte da riqueza e património dos povos.

Os usos linguísticos reflectem as atitudes para as línguas e os seus falantes, para a diversidade linguística e é objectivo deste âmbito o desenvolvimento de atitudes positivas ante esta diversidade, assim como a erradicação dos usos discriminatorios da linguagem.

O tratamento dos contidos que integram o âmbito de comunicação tem que abordar-se desde uma óptica competencial, valorando as relações que cada um tem com estas competências chave.

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 1

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Comunicação oral: escutar e falar

d

e

g

h

l

B1.1. Compreensão e interpretação de textos orais dos médios de comunicação, de situações da vida quotidiana e da vida académica.

B1.1. Compreender e interpretar o intuito comunicativo e a ideia geral de textos orais dos médios de comunicação.

B1.1.1. Compreende e interpreta o intuito comunicativo dos textos orais dos médios de comunicação.

CCL

CD

CAA

CSC

CCEC

B1.1.2. Compreende e interpreta o intuito comunicativo dos textos orais da vida quotidiana.

B1.1.3. Extrai o intuito comunicativo dos textos orais e escritos do âmbito académico, seguindo as instruções para realizar tarefas guiadas de aprendizagem, com progressiva autonomia.

a

g

i

B1.2. Identificação e selecção das informações adequadas ao objectivo da escuta.

B1.2. Identificar e extrair as informações adequadas ao objectivo da escuta.

B1.2.1. Identifica e extrai as informações adequadas ao objectivo da escuta.

CCL

CAA

B1.3. Identificar e seleccionar as ideias principais e as ideias secundárias do texto.

B1.3.1. Identifica e selecciona as ideias principais e secundárias de um texto.

a

c

d

g

h

i

j

B1.3. Exposição oral de temas relacionados com a actividade académica ou outros factos de interesse.

B1.4. Expor temas relacionados com a actividade académica e com notícias do seu interesse.

B1.4.1. Expõe com claridade e ordem temas relacionados com a actividade académica ou com notícias.

CCL

CAA

CSC

B1.4.2. Utiliza no processo diversos meios de registro de informação (tabelas, gráficos, esquemas...)

a

e

l

B1.4. Conhecimento e utilização de meios audiovisuais e das tecnologias da informação e da comunicação como apoio às produções.

B1.5. Conhecer e aplicar as tecnologias da informação e da comunicação na produção de textos orais e escritos.

B1.5.1. Busca e selecciona informação relevante procedente de diferentes fontes: audiovisuais e digitais.

CCL

CD

a

g

B.1.5. Articulação clara, pronúncia adequada e uso correcto das regras gramaticais na produção de textos orais curtos.

B.1.6. Valorar uma articulação clara, uma pronúncia adequada e um uso adequado das regras morfosintácticas.

B1.6.1. Valora e, de forma progressiva, desenvolve uma articulação clara, uma pronúncia adequada e um uso adequado das regras morfosintácticas.

CCL

B1.6. Valoração das produções orais emitidas com uma fonética e prosodia correctas.

B1.7. Valorar as produções orais emitidas com uma fonética e prosodia correctas.

B1.7.1. Aprecia a emissão de uma pronúncia correcta, reconhece os erros de produção oral própria e alheia e propõe soluções para melhorá-las.

CCL

CAA

CSC

B1.7.2. Compreende, interpreta e rejeita os prejuízos que se possam associar à pronúncia da língua galega.

a

b

d

e

f

g

i

B1.7. Participação activa em diálogos, debates e trabalhos de grupo cooperando e respeitando o resto dos componentes.

B1.8. Participar activamente em diálogos, debates e trabalhos cooperativos.

B1.8.1. Participa activamente em diálogos, debates e trabalhos cooperativos.

CCL

CAA

CSC

B1.8.2. Formula perguntas e realiza comentários pertinente ante as intervenções dos demais.

B1.8.3. Respeita o turno de palavra e usa as formas de cortesía.

B1.8.4. Respeita os argumentos dos demais, contrasta essa informação e tomada decisões.

a

b

c

d

m

n

B1.8. Desenvolvimento de atitudes críticas ante os usos linguísticos nos quais estão implícitos prejuízos de todo o tipo.

B1.9. Identificar e contrastar o propósito comunicativo em textos orais e escritos.

B1.9.1. Reconhece a intencionalidade da pessoa emissora a partir dos elementos contextuais.

CCL

CSC

CCEC

B1.10. Analisar criticamente as mensagens que impliquem qualquer tipo de prejuízo ou sejam discriminatorias.

B1.10.1. Identifica expressões habituais que evidencian qualquer tipo de discriminação.

B1.10.2. Evita o seu uso.

c

d

m

n

B1.9. Atitude positiva e activa a respeito da utilização da língua galega nos intercâmbios orais.

B1.11. Conhecer, valorar e usar a língua galega nas intervenções orais próprias e alheias, tanto espontâneas como planificadas.

B1.11.1. Usa a língua galega nos diferentes âmbitos de comunicação.

CCL

CD

CAA

CSC

B1.11.2. Participa em actividades de transmissão e criação da cultura galega.

B1.11.3. Tem uma atitude positiva ante o uso da língua galega em qualquer situação.

a

e

f

g

h

i

j

B.1.10. Conhecimento e aplicação de estratégias necessárias para falar em público: planeamento do discurso, práticas orais formais e informais.

B1.12. Aplicar técnicas e estratégias para falar em público, em situações formais e informais, de forma individual ou em grupo.

B1.12.1. Elabora guiões para organizar os conteúdos de exposições formais ou informais.

CCL

CAA

B1.12.2. Respeita os aspectos prosódicos da linguagem não verbal, manifesta autocontrol das emoções ao falar em público e dirige ao auditório com confiança e segurança.

B1.12.3. Adecúa a sua pronúncia à finalidade da situação comunicativa.

B1.12.4. Incorpora progressivamente palavras do nível formal às suas produções orais.

B1.12.5. Analisa similitudes e diferenças entre discursos formais e espontâneos.

B1.12.6. Reconhece e avalia erros (progressão na argumentação, pobreza léxica e incorreccións verbais).

a

e

f

g

B1.11. Construção de discursos adequados, cohesionados e coherentes desde o ponto de vista comunicativo, sobre temas de interesse pessoal ou social da vida quotidiana e educativa.

B1.13. Produzir discursos breves e compreensível sobre temas da vida quotidiana, de interesse pessoal ou social.

B1.13.1. Participa em conversas informais nas quais intercambiar informação e expressa a sua opinião, faz convites e oferecimentos, e pede e dá indicações ou instruções singelas.

CCL

CSC

CSC

B1.13.2. Desenvolve-se correctamente em situações da vida quotidiana que implique solicitar uma informação ou um serviço.

a

e

g

B1.12. Leitura em voz alta com dicción, entoación e ritmo adequados à situação comunicativa, aos patrões fonéticos da língua galega e aos signos de pontuação.

B1.14. Ler em voz alta com dicción, entoación e ritmo adequados à situação comunicativa.

B1.14.1. Lê em voz alta com dicción, entoación e ritmo adequados à situação comunicativa.

CCL

CAA

Bloco 2: Comunicação escrita. Ler e escrever

a

e

g

h

B2.1. Compreensão e interpretação das informações mais relevantes de textos escritos da vida quotidiana e dos médios de comunicação próximos aos interesses do estudantado.

B2.1. Compreender, interpretar textos da vida quotidiana e dos médios de comunicação.

B2.1.1. Compreende, interpreta e sintetiza o conteúdo de textos próprios da vida quotidiana: mensagens electrónicas ou de telemóvel, de correio electrónico, normas e instruções de uso.

CCL

CAA

CD

CSC

B2.1.2. Compreender, interpretar textos dos médios de comunicação.

B2.2. Compreensão e interpretação de textos narrativos.

B2.2. Compreender e interpretar textos narrativos.

B2.2.1. Compreende e interpreta textos narrativos.

CCL

CAA

CSC

B2.2.2. Identifica, conhece e usa os traços da linguagem narrativa.

a

e

g

h

i

B2.3. Compreensão e interpretação de textos jornalísticos. A notícia.

B2.3. Compreender e interpretar textos jornalísticos. A notícia.

B2.3.1. Compreende e interpreta textos jornalísticos (a notícia).

CCL

CAA

CD

CSC

CCEC

B2.3.2. Identifica, conhece e usa os traços da linguagem jornalística.

B2.4. Compreensão e interpretação de anúncios publicitários.

B2.4. Compreender e interpretar anúncios publicitários.

B2.4.1. Compreende e interpreta anúncios publicitários.

B2.4.2. Identifica, conhece e usa os traços da linguagem publicitária.

g

B2.5. Identificação da estrutura comunicativa das mensagens escritas.

B2.5. Identificar a estrutura comunicativa das mensagens escritas.

B2.5.1. Identifica a estrutura comunicativa das mensagens escritas.

CCL

g

h

j

B2.6. Análise pautada, síntese do contido, de textos escritos, em formato papel ou digital, para a identificação das ideias principais e secundárias.

B2.6. Analisar o conteúdo de textos escritos e sintetizalo.

B2.6.1. Analisa o conteúdo de textos escritos, segundo as pautas indicadas.

CCL

CAA

B2.6.2. Elabora esquemas com as ideias principais e secundárias.

B2.6.3. Sintetiza o conteúdo de textos escritos.

B2.6.4. Integra no resumo as ideias ou informações do texto com o apoio de um esquema prévio.

B2.7. Utilizar estratégias para a discriminação das ideias principais e secundárias do texto.

B2.7.1. Utiliza estratégias para a discriminação das ideias principais e secundárias do texto.

a

e

f

g

h

i

j

B2.7. Utilização de estratégias para o planeamento da escrita de textos sobre temas de interesse pessoal: buscar e desenvolver ideias, organizá-las, elaborar uma primeira redacção, corrigir, reelaborar o texto e preparar a redacção definitiva, tanto em papel coma em suporte digital.

B2.8. Criar textos escritos, em formato papel ou digital, utilizando as seguintes estratégias: buscar e desenvolver ideias, organizá-las, elaborar uma primeira redacção, corrigir, reelaborar o texto e preparar a redacção definitiva.

B2.8.1. Acredite textos escritos, em formato papel ou digital, utilizando as seguintes estratégias: busca e desenvolve ideias, organiza-as e elabora um bosquexo.

CCL

CMCCT

CD

CSC

CCEC

B2.8.2. Utiliza esquemas ou outros recursos similares para ordenar as ideias e estruturar o conteúdo do texto.

B2.8.3. Adecúa o texto ao registro coloquial ou formal segundo requeira a situação comunicativa.

B2.8.4. Utiliza elementos linguísticos e discursivos essenciais para a coesão das ideias: conectores textuais básicos, e concordancias dentro do sintagma nominal e do sintagma verbal.

B2.8.5. Puntúa o texto em relação com a organização oracional e a forma do texto (os parágrafos e a distribuição e organização das ideias expressas).

B2.8.6. Acredite textos escritos, em formato papel ou digital, utilizando as seguintes estratégias: corrige-o (conforme as normas ortográfico, morfosintácticas e tipográficas), reelabora o texto e prepara a redacção definitiva.

a

e

f

B2.8. Procura o significado do léxico desconhecido promovendo o uso de dicionários em papel ou digitais.

B2.9. Utilização das bibliotecas e das tecnologias da informação e da comunicação como fonte de informação e de modelos para a compreensão escrita.

B2.9. Buscar palavras em dicionários em papel ou digitais, motores de busca da informação...

B2.10. Utilizar de forma guiada a biblioteca escolar e outras bibliotecas e as tecnologias da informação e da comunicação como fonte de informação.

B2.9.1. Procura palavras em dicionários (sinónimos, antónimos, fraseoloxía...) em papel ou digitais.

CCL

CAA

CD

B2.10.1. Utiliza, com progressiva autonomia, o catálogo em linha (OPAC) das bibliotecas.

B2.10.2. Busca informação para alargar e completar o conteúdo da sua investigação através de diferentes recursos: revistas, artigos, enciclopedias e motores de busca especializados da internet.

a

e

f

g

h

B2.10. Produção em formato papel ou digital, de textos escritos da vida quotidiana.

B2.11. Produzir textos singelos próprios da vida quotidiana e das relações sociais, em formato papel ou digital.

B2.11.1. Produz textos singelos próprios da vida quotidiana e das relações sociais (notas, cartas, aviso, mensagens) em formato papel ou digital.

CCL

CAA

CD

CSC

CCEC

B2.11. Produção, em formato papel ou digital, de textos escritos próprios da vida académica.

B2.12. Produzir textos da vida académica em formato papel ou digital.

B2.12.1. Produz textos, em formato papel ou digital, próprios da vida académica.

B2.12. Produção, em formato papel ou digital, de textos jornalísticos. A notícia.

B2.13. Produzir textos jornalísticos, a partir de um modelo, em formato papel ou digital.

B2.13.1. Produz textos jornalísticos (notícias), a partir de um modelo, em formato papel ou digital.

B2.13. Produção, em formato papel ou digital, de textos narrativos.

B2.14. Produzir textos narrativos, em formato papel ou digital.

B2.14.1. Produz textos narrativos, em formato papel ou digital.

a

l

B2.14. Uso de técnicas de tratamento textual com as tecnologias da informação e da comunicação (processadores de texto, dicionários, correctores...) tanto para o planeamento como para a revisão e melhora do texto.

B2.15 Usar, com progressiva autonomia, as tecnologias da informação e da comunicação para planificar, rever e melhorar o texto.

B2.15.1. Usa, com progressiva autonomia, as tecnologias da informação e da comunicação para planificar, rever e melhorar o texto.

CCL

CAA

CD

a

g

h

B2.15. Interesse pela apresentação dos textos escritos, tanto em suporte papel como digital, com respeito à normas gramaticais, ortográfico e tipográficas utilizadas.

B2.16. Apresentar os textos escritos, tanto em formato papel coma em formato digital, evitando qualquer erro gramatical, ortográfico ou tipográfico.

B2.16.1. Apresenta os textos escritos, tanto em formato papel coma em formato digital, evitando qualquer erro gramatical, ortográfico ou tipográfico.

B2.16.2. Apresenta os trabalhos com limpeza e claridade.

CCL

CAA

B2.16.3. O trabalho apresenta: índice, apresentação ou introdução, desenvolvimento, conclusão e bibliografía.

a

l

B2.16. Valoração da escrita como fonte de informação e aprendizagem, como forma de comunicar experiências, ideias, opiniões e conhecimentos próprios.

B2.17. Valorar a escrita como fonte de conhecimento académico e das experiências.

B2.17.1. Valora a escrita como fonte de conhecimento académico e das experiências.

CCL

CSC

CCEC

d

m

n

B2.17. Atitude positiva e activa a respeito da utilização da língua galega nos textos escritos.

B2.18. Valorar a atitude positiva ante a produção escrita em língua galega.

B2.18.1. Valora positivamente a produção escrita em língua galega.

B2.18.2. Produz textos em língua galega fora do âmbito académico.

a

m

n

B2.18. Tomada de consciência da importância pessoal e social do domínio dos textos escritos.

B2.19. Reconhecer a importância individual e colectiva do domínio do texto escrito.

B2.19.1. Reconhece a importância individual e colectiva do domínio do texto escrito.

a

e

B2.19. Uso guiado de estratégias de autoavaliación e autocorrección do processo de realização e dos resultados das produções orais e escritas.

B2.20. Avaliar o seu processo de aprendizagem com uma atitude activa e de melhora.

B2.20.1. Participa, de modo guiado, nas tarefas de revisão e melhora das produções próprias.

CCL

CAA

a

c

e

B2.20. Valoração da língua e da comunicação como o meio para a compreensão de outros mundos e culturas e da própria pessoa, para participar na sociedade plural e diversa do século XXI.

B2.21. Valorar a língua como o grande meio de compreensão e participação na história colectiva e individual.

B2.21.1. Valora a língua como o grão médio de compreensão e participação na história colectiva e individual.

CCL

CSC

CCEC

Bloco 3: Funcionamento da língua

g

h

B3.1. Observação de diferenças relevantes, contextuais e formais, entre a comunicação oral e escrita e entre os usos coloquiais e formais, tendo em conta o papel que desenvolvem as normas sociocomunicativas e a linguagem prosódica e a não verbal na comunicação oral.

B3.1. Conhecer as diferentes características da linguagem oral e escrita.

B3.1.1. Conhece as características da linguagem oral e escrita.

CCL

B3.2. Conhecer as diferenças entre a linguagem formal e informal.

B3.2.1. Conhece as diferenças entre a linguagem formal e informal.

B3.2. Elementos e funções da comunicação em situações formais e informais.

B3.3. Reconhecer, explicar e usar os elementos e funções da comunicação em situações formais e informais.

B3.3.1. Reconhece, explica e usa os elementos e funções da comunicação em situações formais e informais.

B3.3. Adequação dos textos aos registros coloquial ou formal, segundo o requeira a situação comunicativa da mensagem.

B3.4. Construir textos escritos que se adecúen aos registros informal ou académico, segundo o requeira a situação comunicativa da mensagem.

B3.4.1. Constrói, com progressiva independência, textos escritos que se adecúen aos registros informal ou académico, segundo o requeira a situação comunicativa da mensagem.

a

g

B3.4. Reconhecimento do sistema vocálico e consonántico da língua galega. Conhecimento e produção dos sons próprios da língua galega.

B3.5. Reconhecer o sistema vocálico e consonántico da língua galega. Conhecimento e produção dos sons próprios da língua galega.

B3.5.1. Reconhece o sistema vocálico e consonántico da língua galega.

B3.5.2. Reconhece e pronúncia correctamente os fonemas próprios da língua galega.

g

h

B3.5. Reconhecimento do parágrafo como unidade de sentido e da pontuação como mecanismo organizador do texto escrito.

B3.6. Reconhecer o parágrafo como unidade de sentido e da pontuação como mecanismo organizador do texto escrito.

B3.6.1. Reconhece o parágrafo como unidade de sentido e da pontuação como mecanismo organizador do texto escrito.

B3.6. Reconhecimento e uso das normas ortográfico.

B3.7. Reconhecer e aplicar as normas de ortografía.

B3.7.1. Reconhece e usa as regras da acentuação (agudas, graves e esdrúxulas).

B3.7.2. Reconhece e aplica as normas de uso do B e do V.

B3.7.3. Reconhece e aplica as normas de uso do H.

B3.7. Reconhecimento da separação em sílabas da palavra. Ditongo. Tritongo. Hiato.

B3.8. Reconhecer e aplicar as normas da separação em sílabas da palavra. Ditongo. Tritongo. Hiato.

B3.8.1. Reconhece e aplica as normas da separação em sílabas da palavra.

B3.8.2. Reconhece ditongos, tritongos e hiatos.

a

l

B3.8. Iniciação ao uso de correctores ortográfico dos processadores de texto.

B3.9. Usar, com progressiva autonomia, os correctores ortográfico dos processadores de texto.

B3.9.1. Usa, com progressiva autonomia, os correctores ortográfico dos processadores de texto.

CCL

CD

CAA

g

h

B3.9. Reconhecimento das categorias gramaticais: substantivo, adjectivo, determinante, pronomes pessoais tónicos.

B3.10. Reconhecer, explicar e usar com correcção as categorias gramaticais seguintes: substantivo, adjectivos, determinante e pronome pessoal tónico.

B3.10.1. Reconhece e explica o uso das categorias gramaticais (substantivo, adjectivos, determinante e pronome pessoal) nos textos e utiliza este conhecimento para corrigir erros.

CCL

B3.10. Compreensão e utilização de estratégias para induzir as regras de concordancia e as funções sintácticas de sujeito e predicado.

B3.11. Compreender e utilizar estratégias para induzir as regras de concordancia e as funções sintácticas de sujeito e predicado.

B3.11.1. Conhece as funções sintácticas do sujeito e predicado, e utiliza este conhecimento para corrigir erros.

B3.11. Compreensão e utilização de uma terminologia linguística básica.

B3.12. Conhecer e usar uma terminologia básica.

B3.12.1. Conhece e usa uma terminologia básica.

a

g

h

i

B3.12. Conhecimento de expressões e vocabulário de uso frequente, referido a objectos da contorna imediata, situações e actividades quotidianas, necessidades básicas.

B3.13. Conhecer expressões e vocabulário de uso frequente, referido a objectos do contorno imediato, situações e actividades quotidianas, necessidades básicas.

B3.13.1. Utiliza um vocabulário amplo e preciso para expressar-se com claridade num registro ajeitado à situação.

a

g

h

B3.13. Conhecimento, construção e utilização de orações simples: enunciativa, interrogativa, desiderativa, dubitativa, exclamativa e imperativa.

B3.14. Conhecer, construir e utilizar as modalidades asertiva, interrogativa, exclamativa, desiderativa, dubitativa e imperativa.

B3.14.1. Reconhece e utiliza as modalidades asertiva, interrogativa, exclamativa, desiderativa, dubitativa e imperativa em relação com o intuito comunicativo do emissor.

a

g

h

i

B3.14. Conhecimento reflexivo das relações semánticas que se estabelecem entre as palavras. Reconhecimento da sinonimia, a antonimia e a polisemia.

B3.15. Compreender e valorar as relações de igualdade e de contrariedade que se estabelecem entre as palavras e o seu uso no discurso oral e escrito.

B3.15.1. Reconhece e usa correctamente sinónimos, antónimos e palavras polisémicas.

Bloco 4: Língua e sociedade

a

d

m

n

B4.1. Valoração das línguas como médios de relação interpersoal e de sinal de identidade de um povo.

B4.1. Valorar as línguas como médios de relação interpersoal e de sinal de identidade de um povo.

B4.1.1. Valora a língua como instrumento com o qual se constroem todos os saberes e como médio de relação interpersoal e de sinal de identidade de um povo através da identificação de elementos linguísticos de nosso na literatura.

CCL

CSC

CCEC

B4.2. O plurilingüísmo: riqueza cultural individual e comunitária.

B4.2. Valorar positivamente o plurilingüísmo como expressão de riqueza tanto para o próprio indivíduo como para a humanidade.

B4.2.1. Conhece a diversidade de línguas que se falam no mundo, na Europa e na Península Ibérica e valora a riqueza desta diversidade linguística.

B4.3. As línguas de Espanha.

B4.3. Conhecer as línguas de Espanha.

B4.3.1. Conhece as línguas que se falam em Espanha.

B4.4. O galego e o português.

B4.4. Conhecer a lusofonia e achegar às culturas que o integram.

B4.4.1. Conhece os traços evolutivos do galego-português desde o medievo até a actualidade.

B4.4.2. Conhece os territórios que fazem parte da comunidade lusófona.

B4.5. Análise da situação sociolinguístico do seu âmbito familiar, do centro educativo e da sua cidade.

B4.5. Conhecer e analisar a situação sociolinguístico da Galiza a partir do estudo dos seus âmbitos familiares, escolares e do lugar onde vivem.

B4.5.1. Conhece e analisa a situação sociolinguístico da Galiza a partir da análise dos âmbitos que a rodeiam.

B4.6. Desenvolvimento de atitudes positivas para o processo de normalização da língua galega, favorecendo o xurdimento de vínculos positivos para o seu uso e consciência da necessidade e das potencialidades de enriquecimento pessoal e colectivo do uso normalizado da língua galega.

B4.6. Adquirir vínculos positivos para o uso da língua galega e assumir a importância do contributo individual e colectivo no desenvolvimento do idioma.

B4.6.1. Analisa a sua prática linguística e valora a importância de contribuir individual e colectivamente à normalização da língua galega.

Bloco 5: Educação literária

a

d

g

h

m

n

B5.1. Leitura autónoma ou guiada de obras de literatura adequadas aos interesses do estudantado, expondo a sua opinião pessoal e relacionando o seu sentido com a própria experiência e outros conhecimentos adquiridos, e asimilación os traços estéticos gerais que definem cada texto.

B5.1. Ler de forma autónoma ou guiada obras de literatura adequadas aos interesses do estudantado, expondo a sua opinião pessoal e relacionando o seu sentido com a própria experiência e outros conhecimentos adquiridos, e assimilar os traços estéticos gerais que definem cada texto.

B5.1.1. Lê, com regularidade e de maneira guiada, obras literárias para desenvolver o critério leitor.

CCL

CAA

CSC

CCEC

B5.1.2. Expõe uma opinião pessoal sobre a leitura de uma obra ajeitada aos seus gustos.

B5.1.3. Relaciona o sentido da obra com a própria experiência e com outros conhecimentos adquiridos.

B5.1.4. Assimila os traços estéticos gerais que definem cada texto.

B5.2. Leitura comentada de contos, relatos breves, mitos e lendas da nossa tradição cultural, reconhecendo os elementos básicos do relato literário e a sua função.

B5.2. Ler contos, relatos breves, mitos e lendas da nossa tradição cultural, reconhecendo os elementos básicos do relato literário e a sua função.

B5.2.1. Lê contos, relatos breves, mitos e lendas da nossa tradição cultural.

B5.2.2. Reconhece os elementos básicos do relato literário e a sua função.

a

d

g

h

B5.3. Leitura comentada e dramatizada de obras de teatro ou fragmentos, reconhecendo os aspectos formais do texto teatral.

B5.3. Ler dramatizando obras de teatro ou fragmentos, reconhecendo os aspectos formais do texto teatral.

B5.3.1. Lê dramatizada e comprensivamente, visiona peças teatrais e aprecia os seus componentes e procedimentos mais destacáveis.

a

g

h

B5.4. Leitura, análise e uso de outras linguagens estéticas: o cómic...

B5.4. Ler e analisar outras linguagens estéticas: o cómic...

B5.4.1. Descreve e caracteriza os traços definitorios básicos do cómic como linguagem artística.

B5.4.2. Identifica e descreve, num cómic dado, os principais traços definitorios.

B5.5. Diferenciação dos grandes géneros literários e reconhecimento das suas características a partir da leitura.

B5.5. Diferenciar os grandes géneros literários e reconhecer as suas características a partir da leitura.

B5.5.1. Diferencia os grandes géneros literários e reconhece as suas características a partir da leitura.

a

d

m

n

B5.6. Aprecio da literatura oral como médio de transmissão cultural e como elemento da identidade cultural.

B5.6. Valorar a literatura oral como médio de transmissão cultural e como elemento da identidade cultural.

B5.6.1. Valora a literatura oral como médio de transmissão cultural e como elemento da identidade cultural.

CCL

CAA

CSC

CCEC

a

g

h

B5.7. Produção, prévio planeamento, de textos com intuito literário.

B5.7. Produzir textos singelos de intuito literária.

B5.7.1. Produz, depois de planeamento, textos com intuito literário.

B5.8. Conhecimento e uso de estratégias e técnicas que ajudem a analisar e interpretar o texto literário antes, durante e depois da leitura.

B5.8. Conhecer e usar as estratégias e técnicas que ajudem a analisar e interpretar o texto literário antes, durante e depois da leitura.

B5.8.1. Conhece e usa as estratégias e técnicas que ajudem a analisar e interpretar o texto literário antes, durante e depois da leitura.

a

g

B5.9. Audição e recitado de poemas.

B5.9. Ouvir e recitar poemas. Valorar a estética poética.

B5.9.1. Realiza audições de poemas recitados ou cantados.

a

f

B5.10. Utilização dirigida da biblioteca escolar, das bibliotecas autárquicas, bibliotecas virtuais e webs para o fomento e orientação da leitura.

B5.10. Utilizar, com progressiva independência, todo o tipo de bibliotecas, físicas ou digitais.

B5.10.1. Utiliza, com progressiva independência, todo o tipo de bibliotecas, físicas ou digitais.

a

f

B5.11. Desenvolvimento progressivo da autonomia leitora e da consideração da leitura como fonte de conhecimento do mundo e da pessoa.

B5.11. Conhecer e valorar a leitura como fonte de conhecimento do mundo e do indivíduo.

B5.11.1. Reconhece o valor da leitura como fonte de conhecimento do mundo e do indivíduo.

B5.12. Valora a leitura como fonte de prazer.

B5.12. Valorar a leitura como fonte de prazer.

B5.12.1. Desfruta com a leitura de textos literários.

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 2

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Comunicação oral: escutar e falar

g

h

i

B1.1. Compreensão, interpretação e resumo de novas de actualidade e de informações de crónicas, reportagens e documentários procedentes dos médios de comunicação audiovisual.

B1.1. Compreender e interpretar o intuito comunicativo de novas de actualidade e de informações de crónicas, reportagens e documentários procedentes dos médios de comunicação audiovisual.

B1.1.1. Compreende e interpreta o intuito comunicativo dos textos orais dos médios de comunicação.

CCL

CAA

CD

CSC

CCEC

B1.1.2. Compreende e interpreta o intuito comunicativo dos médios de comunicação audiovisual.

B1.1.3. Extrai o intuito comunicativo das novas de actualidade e de informações de crónicas, reportagens e documentários procedentes dos médios de comunicação audiovisual.

a

e

g

h

B1.2. Participação activa em situações de comunicação características das diferentes tarefas curriculares, especialmente para a organização e gestão das actividades de aprendizagem, na busca e achega de informação, no pedido de esclarecimentos.

B1.2. Participar activamente em situações de comunicação características das diferentes tarefas curriculares, especialmente para a organização e gestão das actividades de aprendizagem, na busca e achega de informação, no pedido de esclarecimentos.

B1.2.1. Intervém espontaneamente e expõe um ponto de vista pessoal.

CCL

CAA

CSC

B1.2.2. Contesta a perguntas sobre a própria intervenção.

B1.2.3. Formula perguntas e realiza comentários pertinente perante as intervenções de outros interlocutores.

B1.2.4. Respeita as intervenções dos demais.

B1.2.5. Participa nas conversações em grupo encaminhadas à expressão, contraste de opiniões e tomada de decisões.

c

e

B1.3. Valoração da interacção como médio para ir tendo consciência dos conhecimentos e das ideias e para a regulação dos processos de compreensão e expressão próprios de todo o processo de aprendizagem, tanto em actividades individuais como no trabalho cooperativo.

B1.3. Valorar a interacção como médio para ir tendo consciência dos conhecimentos e das ideias e para a regulação dos processos de compreensão e expressão próprios de todo o processo de aprendizagem, tanto em actividades individuais como no trabalho cooperativo.

B1.3.1. Reconhece a interacção como meio fundamental na seu processo de aprendizagem.

CCL

CAA

CSC

a

g

h

B1.4. Conhecimento das diferentes estratégias comunicativas que ajudam ao início, ao desenvolvimento e à finalização das interacções.

B1.4. Conhecer as diferentes estratégias comunicativas que ajudam ao início, ao desenvolvimento e à finalização das interacções.

B1.4.1. Usa apropriadamente as fórmulas linguísticas trabalhadas em situações concretas de comunicação: cortesía, acordo, discrepância.

B1.4.2. Usa apropriadamente chaves extralingüísticas, ajuda-se de dados contextuais...

a

g

i

B1.5. Identificação e selecção das informações adequadas ao objectivo da escuta, cooperação e respeito ante as intervenções dos demais e valoração das diferentes informações.

B1.5. Identificar e seleccionar as informações adequadas ao objectivo da escuta, cooperação e respeito ante as intervenções dos demais e valoração das diferentes informações.

B1.5.1. Identifica as informações e os dados relevantes.

B1.5.2. Identifica expressões habituais que evidencien qualquer tipo de discriminação.

a

j

l

B1.6. Conhecimento dos diversos meios de registro de informação (tabelas, gráficos, esquemas...) no processo de escuta.

B1.6. Conhecer diversos meios de registro da informação.

B1.6.1. Conhece e utiliza no processo de escuta diversos meios de registro da informação (tabelas, gráficos, esquemas...)

CCL

CMCCT

CAA

CSC

a

g

h

B1.7. Reconhecimento da intencionalidade da pessoa emissora a partir dos elementos contextuais explícitos nos textos trabalhados.

B1.7. Reconhecer diferentes textos segundo a intencionalidade do emissor.

B1.7.1. Reconhece a diferença entre textos informativos, argumentativos, instrutivos e literários.

CCL

CAA

a

g

h

i

l

B1.8. Conhecimento e aplicação de meios audiovisuais e das tecnologias da informação e da comunicação como apoio às suas produções.

B1.8. Conhecer e aplicar diferentes meios audiovisuais e as tecnologias da informação e da comunicação como apoio às suas produções.

B1.8.1. Conhece e aplica como apoio nas suas produções orais meios audiovisuais: vinde-o, apresentações, programas de audio...

CCL

CMCCT

CAA

a

g

h

B1.9. Activação dos conhecimentos linguísticos formais desenvolvidos em qualquer língua para favorecer a compreensão e produção dos textos orais noutras línguas.

B1.9. Activar os conhecimentos linguísticos formais desenvolvidos em qualquer língua para favorecer a compreensão e produção dos textos orais noutras línguas.

B1.9.1. Reconhece as similitudes da aprendizagem das diferentes línguas.

CCL

CAA

CSC

B1.10. Uso consciente dos elementos paraverbais e não verbais na intervenção oral planificada.

B1.10. Usar correctamente os elementos paraverbais e não verbais numa exposição oral.

B1.10.1. Conhece e usa correctamente os elementos paraverbais e não verbais numa exposição oral.

a

g

B1.11. Interesse por expressar-se oralmente com pronúncia e entoación adequadas, respeitando as normas que regem a interacção oral e aplicando as normas sociocomunicativas.

B1.11. Valorar as produções orais emitidas com uma prosodia e fonética correctas, respeitando as normas que regem a interacção oral e aplicando as normas sociocomunicativas.

B1.11.1. Aprecia a emissão de uma pronúncia e prosodia correctas, reconhece os erros nas produções orais próprias e alheias e propõe soluções de melhora.

B1.11.2. Respeita as normas que regem a interacção oral e aplica as normas sociocomunicativas.

B1.12. Atitude positiva e activa a respeito da utilização das línguas galega e castelhana nos intercâmbios orais.

B1.12. Valorar positivamente a utilização das línguas galega e castelhana em todos os âmbitos linguísticos.

B1.12.1. Usa com normalidade as línguas galega e castelhana em todas situações.

CCL

CAA

CSC

CCEC

B1.13. Valoração das normas de cortesía e dos marcadores linguísticos das relações sociais como o uso e selecção de formas de tratamento, convenções no emprego da palavra e estratégias de interacção.

B1.13. Valorar as normas de cortesía e os marcadores linguísticos das relações sociais coma o uso e selecção de formas de tratamento, convenções no emprego da palavra e estratégias de interacção.

B1.13.1. Usa as normas de cortesía.

CCL

CAA

CSC

B1.13.2. Introduz elementos não explícitos nos intercâmbios comunicativos: atitude da pessoa falante, ironía...

a

g

h

B1.14. Construção de discursos adequados, cohesionados e coherentes desde o ponto de vista comunicativo, sobre temas de interesse pessoal ou social da vida quotidiana e educativa.

B1.14. Produzir discursos breves e compreensível sobre temas da vida quotidiana, de interesse pessoal ou social.

B1.14.1. Participa em conversas informais nas quais intercambiar informação e expressa a sua opinião, faz convites e oferecimentos, e pede e dá indicações ou instruções singelas.

CCL

CAA

CSC

B1.14.2. Desenvolve-se correctamente em situações da vida quotidiana que impliquem solicitar uma informação ou um serviço.

a

g

B1.15. Leitura em voz alta com dicción, entoación e ritmo adequados à situação comunicativa, aos patrões fonéticos da língua galega e aos signos de pontuação.

B1.15. Ler em voz alta com dicción, entoación e ritmo adequados à situação comunicativa.

B1.15.1. Lê em voz alta com dicción, entoación e ritmo adequados à situação comunicativa.

CCL

CAA

Bloco 2: Comunicação escrita. Ler e escrever

a

e

g

h

B2.1. Compreensão e interpretação de textos descritivos.

B2.1. Compreender e interpretar textos descritivos.

B2.1.1. Compreende e interpreta textos descritivos.

CCL

CAA

CSC

CCEC

B2.1.2. Identifica, conhece e usa os traços da linguagem utilizada nos textos descritivos.

B2.2. Compreensão e interpretação de textos jornalísticos. A reportagem, artigos de opinião, editoriais.

B2.2. Compreender e interpretar textos jornalísticos. A reportagem, artigos de opinião, editoriais.

B2.2.1. Compreender, interpretar textos jornalísticos (a reportagem, artigos de opinião, editoriais).

B2.2.2. Identifica, conhece e usa os traços da linguagem utilizada de textos jornalísticos: a reportagem, artigos de opinião, editoriais.

B2.3. Compreensão e interpretação de textos dialogados.

B2.3. Compreender e interpretar textos dialogados.

B2.3.1. Compreende e interpreta textos dialogados.

B2.3.2. Identifica, conhece e usa os traços da linguagem dos textos dialogados.

B2.3.3. Identifica, conhece e usa os traços da linguagem teatral.

B2.4. Utilização de estratégias para o planeamento da escrita de textos sobre temas de interesse pessoal: buscar e desenvolver ideias, organizá-las, realizar uma primeira redacção, corrigir, reelaborar o texto e preparar a redacção definitiva, tanto em papel coma em suporte digital.

B2.4. Criar textos escritos, em formato papel ou digital, utilizando as seguintes estratégias: buscar e desenvolver ideias, organizá-las, fazer uma primeira redacção, corrigir, reelaborar o texto e preparar a redacção definitiva.

B2.4.1. Acredite textos escritos, em formato papel ou digital, utilizando as seguintes estratégias: busca e desenvolve ideias; organiza as ditas ideias e elabora um primeiro rascunho.

CCL

CMCCT

CD

CAA

CSC

B2.4.2. Utiliza esquemas ou outros recursos similares para ordenar as ideias e estruturar o conteúdo do texto.

B2.4.3. Adecúa o texto ao registro coloquial ou formal segundo requeira a situação comunicativa.

B2.4.4. Utiliza elementos linguísticos e discursivos essenciais para a coesão das ideias: conectores textuais básicos, e concordancias dentro do sintagma nominal e do sintagma verbal.

B2.4.5. Puntúa o texto em relação com a organização oracional e a forma do texto (os parágrafos e a distribuição e organização das ideias expressas).

B2.4.6. Acredite textos escritos, em formato papel ou digital, utilizando as seguintes estratégias: elabora uma primeira redacção.

B2.4.7. Acredite textos escritos, em formato papel ou digital, utilizando as seguintes estratégias: corrige-o (conforme as normas ortográfico, morfosintácticas e tipográficas), reelabora o texto e prepara a redacção definitiva.

a

e

i

B2.5. Busca do significado do léxico desconhecido promovendo o uso de dicionários em papel ou digitais.

B2.5. Buscar palavras em dicionários em papel ou digitais, motores de busca da informação...

B2.5.1. Busca palavras (sinónimos, antónimos, fraseoloxía...) em dicionários em papel ou digitais.

B2.6. Utilização das bibliotecas e das tecnologias da informação e da comunicação como fonte de informação e de modelos para a compreensão escrita.

B2.6. Utilizar de forma guiada a biblioteca escolar e outras bibliotecas e as tecnologias da informação e da comunicação como fonte de informação.

B2.6.1. Utiliza, com progressiva autonomia, o catálogo em linha (OPAC) das bibliotecas.

a

e

g

h

i

B2.7. Produção, em formato papel ou digital, de textos jornalísticos: a reportagem, artigos de opinião, editorial.

B2.7. Produzir textos jornalísticos, a partir de um modelo, em formato papel ou digital.

B2.7.1. Produz textos jornalísticos (reportagem, artigos de opinião) a partir de um modelo, em formato papel ou digital.

CCL

CAA

CSC

CCEC

B2.8. Produção, em formato papel ou digital, de textos descritivos.

B2.8. Produzir textos descritivos em formato papel ou digital.

B2.8.1. Produz textos descritivos, em formato papel ou digital, sobre temas quotidianos, de forma breve e singela.

B2.9. Produção, em formato papel ou digital, de textos dialogados.

B2.9. Produzir textos dialogados em formato papel ou digital.

B2.9.1. Produz textos dialogados em formato papel ou digital.

B2.10. Elaboração de um cómic, depois de compreensão da função e das características dos elementos icónicos.

B2.10. Elaborar um cómic.

B2.10.1. Elabora um cómic respeitando as características próprias (elementos icónicos...)

a

e

g

h

l

B2.11 Uso de técnicas de tratamento textual com as tecnologias da informação e da comunicação (processadores de texto, dicionários, correctores...) tanto no planeamento como para a revisão e melhora do texto.

B2.11 Usar, com progressiva autonomia, as tecnologias da informação e da comunicação para planificar, rever e melhorar o texto.

B2.11.1. O trabalho apresenta: índice, apresentação ou introdução, desenvolvimento, conclusão e bibliografía.

CCL

CMCCT

CD

CAA

B2.11.2. Usa, com progressiva autonomia, as tecnologias da informação e da comunicação para planificar, rever e melhorar o texto.

a

e

g

h

B2.12. Interesse pela apresentação dos textos escritos tanto em suporte papel como digital, com respeito à normas gramaticais, ortográfico e tipográficas utilizadas.

B2.12. Apresentar os textos escritos, tanto em formato papel coma em formato digital, evitando qualquer erro gramatical, ortográfico ou tipográfico.

B2.12.1. Apresenta os textos escritos, tanto em formato papel coma em formato digital, evitando qualquer erro gramatical, ortográfico ou tipográfico.

CCL

CD

CAA

B2.13. Valoração da escrita como fonte de informação e aprendizagem, como forma de comunicar experiências, ideias, opiniões e conhecimentos próprios.

B2.13. Valorar a escrita como fonte de conhecimento académico e das experiências.

B2.13.1. Produz textos nas línguas galega e castelhana fora do âmbito académico.

CCL

CAA

B2.14. Reconhecer a importância individual e colectiva do domínio do texto escrito.

B2.14.1. Reconhece a importância individual e colectiva do domínio do texto escrito.

a

d

g

h

m

n

B2.14. Atitude positiva e activa a respeito da utilização das línguas galega e castelhana nos textos escritos.

B2.15. Valorar a atitude positiva ante a produção escrita nas línguas galega e castelhana.

B2.15.1. Valora positivamente a produção escrita nas línguas galega e castelhana.

CCL

CAA

CCEC

a

e

g

h

B2.15. Uso guiado de estratégias de autoavaliación e autocorrección do processo de realização e dos resultados das produções orais e escritas.

B2.16. Avaliar o seu processo de aprendizagem com uma atitude activa e de melhora.

B2.16.1. Participa, de modo guiado, nas tarefas de revisão e melhora das produções próprias.

CCL

CAA

Bloco 3: Funcionamento da língua

a

e

g

h

B3.1. Observação de diferenças relevantes, contextuais e formais, entre a comunicação oral e escrita e entre os usos coloquiais e formais, tendo em conta o papel que desenvolvem as normas sociocomunicativas e a linguagem prosódica e a não verbal na comunicação oral.

B3.1. Conhecer as diferentes características da linguagem oral e escrita.

B3.1.1. Conhece as características da linguagem oral e escrita.

CCL

B3.2. Conhecer as diferenças entre a linguagem formal e informal.

B3.2.1. Conhece as diferenças entre a linguagem formal e informal.

a

d

e

m

n

B3.2. Conhecimento da fonética e da fonoloxía das línguas galega e castelhana, com especial atenção às possíveis interferencias.

B3.3. Reconhecer e usar a fonética das línguas galega e castelhana.

B3.3.1. Reconhece e pronúncia correctamente os fonemas próprios das línguas galega e castelhana.

CCL

CAA

a

e

h

B3.3. Aplicação e valoração das normas ortográfico e morfológicas.

B3.4. Aplicar e valorar as normas ortográfico e morfológicas.

B3.4.1. Reconhece e usa as regras da acentuação (agudas, graves e esdrúxulas) e do til diacrítico.

B3.4.2. Reconhece e aplica as normas de uso do LL e do Y em língua castelhana.

B3.4.3. Reconhece e aplica as normas de uso do G e do J em língua castelhana.

B3.4.4. Reconhece e aplica as normas de uso do S e do X nas línguas galega e castelhana.

B3.4. Análise e uso reflexivo da pontuação em relação com a coesão textual.

B3.5. Analisar e usar correctamente a pontuação de acordo com a coesão textual.

B3.5.1. Analisa e usa correctamente a pontuação para a coesão textual.

CCL

CAA

CD

B3.5. Uso de correctores ortográfico dos processadores de texto.

B3.6. Usar, com progressiva autonomia, os correctores ortográfico dos processadores de texto.

B3.6.1. Usa, com progressiva autonomia, os correctores ortográfico dos processadores de texto.

B3.6. Reconhecimento das categorias gramaticais: pronomes pessoais ato-nos, verbo, preposição, adverbio e conjunção.

B3.7. Reconhecer, explicar e usar com correcção as categorias gramaticais seguintes: pronomes pessoais ato-nos, verbo, preposição, adverbio e conjunção.

B3.7.1. Reconhece e explica o uso das categorias gramaticais (pronomes pessoais ato-nos, verbo, preposição, adverbio e conjunção) nos textos, utiliza este conhecimento para corrigir erros.

CCL

CAA

B3.7. Compreensão e utilização de estratégias para induzir as regras de concordancia e as funções sintácticas de sujeito e predicado.

B3.8. Compreender e utilizar estratégias para induzir as regras de concordancia e as funções sintácticas de sujeito e predicado.

B3.8.1. Conhece as funções sintácticas do sujeito e predicado, utiliza este conhecimento para corrigir erros.

b

e

i

h

B3.8. Reconhecimento, explicação e uso de léxico suficientemente amplo e preciso, com incorporação de fraseoloxía e de vocabulário temático a partir de campos léxicos trabalhados na sala de aulas.

B3.9. Conhecer expressões e vocabulário de uso frequente, referido a objectos do contorno imediato, situações e actividades quotidianas e necessidades básicas.

B3.9.1. Utiliza um vocabulário amplo e preciso para expressar-se com claridade num registro ajeitado à situação.

CCL

CAA

a

e

i

B3.9. Relações semánticas. O campo semántico. Famílias léxicas.

B3.10. Reconhecer e usar correctamente as relações de sinonimia, polisemia e antonimia.

B3.10.1. Reconhece e usa correctamente sinónimos, antónimos e palavras polisémicas.

B3.10. Compreensão e interpretação dos componentes do significado das palavras: denotación e connotação.

B3.11. Compreender o significado das palavras em toda a sua extensão para reconhecer e diferenciar os usos objectivos dos subjectivos.

B3.11.1. Diferencia os componentes denotativos e connotativos no significado das palavras dentro de uma frase ou de um texto oral ou escrito.

n

B3.11. Reconhecimento de que cada língua tem um funcionamento próprio e que não sempre há um paralelismo entre as diferentes línguas quanto à sua ortografía, morfosintaxe e semántica.

B3.12. Reconhecer que cada língua possui o seu próprio funcionamento e ao mesmo tempo apresenta coincidências com as línguas romances.

B3.12.1. Reconhece o funcionamento próprio de cada língua e, ao mesmo tempo, as coincidências com as línguas romances.

e

h

B3.12. Reconhecimento, uso e explicação dos nexos e conectores textuais (espaciais, temporários, de oposição e de contraste) e dos principais mecanismos de referência interna, tanto gramaticais coma léxicos.

B3.13. Reconhecer, usar e explicar os nexos e conectores textuais (espaciais, temporários, de oposição e de contraste) e os principais mecanismos de referência interna, tanto gramaticais coma léxicos.

B3.13.1. Reconhecer e usar mecanismos de referência externa: a deíxe, e de referência interna: a anáfora, a catáfora e a elipse.

B3.13.2. Reconhecer e usar nexos e conectores espaciais, temporários, de oposição e de contraste.

e

f

B3.13. Uso guiado de estratégias de autoavaliación e autocorrección do processo de realização e dos resultados das produções escritas.

B3.14. Avaliar o seu processo de aprendizagem com uma atitude activa e de melhora.

B3.14.1. Aceita positivamente as correcções e valora-as como elemento básico na sua aprendizagem.

CCL

CAA

CSC

Bloco 4: Língua e sociedade

a

d

m

n

B4.1. Conhecimento das origens históricas da realidade plurilingüe de Espanha e valoração desta realidade como fonte de enriquecimento pessoal e como amostra da riqueza do nosso património histórico e cultural.

B4.1. Conhecer a realidade plurilingüe de Espanha, a distribuição geográfica das suas línguas e dos dialectos, as suas origens históricas e alguns dos seus traços diferenciais.

B4.1.1. Localiza num mapa as línguas de Espanha e explica alguma das suas características diferenciais, comparando vários textos; reconhece as suas origens históricas e descreve alguns dos seus traços diferenciais.

CCL

CSC

a

b

c

B4.2. Diversidade linguística no mundo, na Europa e na Península Ibérica.

B4.2. Descrever a diversidade linguística no mundo, na Europa e na Península Ibérica.

B4.2.1. Descreve a diversidade linguística no mundo, na Europa e na Península Ibérica.

CCL

CSC

CCEC

B4.3. Conhecimento e valoração das variedades da língua castelhana na Península Ibérica.

B4.3. Conhecer e valorar as variedades da língua castelhana na Península Ibérica.

B4.3.1. Conhece a evolução da língua castelhana e as suas variantes dialectais.

B4.4. Conhecimento da situação da língua castelhana em América do Sul.

B4.4. Conhecer a situação da língua castelhana em América do Sul.

B4.4.1. Conhece as origens históricas da língua castelhana na América do Norte e as suas principais áreas geográficas.

a

e

g

h

B4.5. Valoração da língua e da comunicação como o meio para a compreensão de outros mundos e culturas e da própria pessoa; para participar na sociedade plural e diversa do século XXI.

B4.5. Valorar a língua como o grande meio de compreensão e participação da história colectiva e individual.

B4.5.1. Valora a língua como o grão médio de compreensão e participação da história colectiva e individual.

CCL

CAA

CCEC

Bloco 5: Educação literária

a

b

d

g

h

B5.1. Leitura regular de obras literárias.

B5.1. Ler com regularidade obras literárias.

B5.1.1. Lê com regularidade obras literárias.

CCL

CAA

CSC

CCEC

a

b

d

h

B5.2. Valoração do uso dos elementos próprios de cada género literário, o ponto de vista empregado e o uso estético da linguagem.

B5.2. Valorar o uso dos elementos próprios de cada género literário, o ponto de vista empregado e o uso estético da linguagem.

B5.2.1. Descreve o uso dos elementos próprios de cada género literário, o ponto de vista empregado e o uso estético da linguagem nos textos literários.

CCL

CSC

CCEC

B5.3. Leitura expressivo e comprensiva e audição de poemas recitados ou cantados; determinação do tema principal, a estrutura geral e os principais recursos estilísticos.

B5.3. Ler expressivo e comprensivamente e fazer audições de poemas recitados ou cantados, determinar o tema principal, a estrutura geral e pôr de relevo os principais recursos estilísticos.

B5.3.1. Lê expressivo e comprensivamente e faz audições de poemas recitados ou cantados, determina o tema principal, a estrutura geral e põe de relevo os principais recursos estilísticos.

CCL

CAA

CSC

CCEC

a

b

d

g

h

B5.4. Leitura expressivo e comprensiva de textos narrativos breves e localização e descrição dos elementos estruturais e formais mais destacáveis: ponto de vista, tempo, espaço e personagens principais.

B5.4. Ler expressivo e comprensivamente textos narrativos breves, localizando e descrevendo os elementos estruturais e formais mais destacáveis: ponto de vista, tempo, espaço e personagens principais.

B5.4.1. Lê expressivo e comprensivamente textos narrativos breves, localiza e descreve os elementos estruturais e formais mais destacáveis: ponto de vista, tempo, espaço e personagens principais.

B5.5. Leitura dramatizada e comprensiva, visionado de peças teatrais e reconhecimento dos componentes e procedimentos que caracterizam os subxéneros.

B5.5. Ler dramatizada e comprensivamente, visionar peças teatrais e reconhecer os componentes e procedimentos que caracterizam os subxéneros.

B5.5.1. Lê dramatizada e comprensivamente, visiona peças teatrais e reconhece os componentes e procedimentos que caracterizam os subxéneros.

B5.6. Visionado, análise e uso de outras linguagens estéticas: o cine.

B5.6. Ver e analisar outras linguagens estéticas: o cine.

B5.6.1. Visiona e analisa películas.

B5.6.2. Reconhece os diferentes subxéneros cinematográficos.

g

h

B5.7. Comparação de textos pertencentes a diferentes géneros e subxéneros, assinalando as coincidências e diferenças, tanto estruturais coma formais.

B5.7. Comparar textos pertencentes a diferentes géneros e subxéneros, assinalando as coincidências e diferenças, tanto estruturais coma formais.

B5.7.1. Compara textos pertencentes aos diferentes géneros, assinalando as coincidências e diferenças, tanto estruturais coma formais.

CCL

B5.7.2. Compara textos pertencentes ao mesmo género mas a diferentes subxéneros, assinalando as coincidências e diferenças, tanto estruturais coma formais.

B5.8. Análise de textos literários, identificação dos traços dos subxéneros e a funcionalidade dos recursos retóricos.

B5.8. Analisar textos literários, identificar os traços dos subxéneros e a funcionalidade dos recursos retóricos.

B5.8.1. Analisa textos literários, de maneira guiada, identifica os traços dos subxéneros e a funcionalidade dos recursos retóricos.

a

b

d

g

h

B5.9. Produção, prévio planeamento, de valorações pessoais sobre o texto lido.

B5.9. Produzir, depois de planeamento, valorações pessoais sobre as obras trabalhadas na sala de aulas.

5.9.1. Analisa o conteúdo das obras literárias trabalhadas, seguindo as pautas dadas: narrador, eu lírico, elementos do relato...

CCL

CAA

CSC

CCEC

B5.9.2. Desenvolve uma valoração pessoal do texto lido, planificando o seu conteúdo e argumentando sobre os aspectos que pessoalmente chamaram mais a sua atenção.

B5.10. Produção de textos de intuito estética servindo dos conhecimentos literários adquiridos e dos recursos retóricos trabalhados na sala de aulas.

B5.10. Escrever textos de intuito estética servindo dos conhecimentos literários adquiridos e dos recursos retóricos trabalhados na sala de aulas.

B5.10.1. Escreve textos de intuito estética servindo dos conhecimentos literários adquiridos e dos recursos retóricos trabalhados na sala de aulas.

CCL

CCEC

a

i

B5.11. Aproveitamento, sob guia, dos fundos e recursos que oferecem as bibliotecas, incluídas as virtuais, para a realização de trabalhos e cita ajeitado destes.

B5.11. Servir-se, seguindo umas pautas orientadoras, dos fundos e recursos que oferecem as bibliotecas, incluídas as virtuais, para a realização de trabalhos e cita ajeitado destes.

B5.11.1. Serve-se, seguindo umas pautas orientadoras, dos fundos e recursos que oferecem as bibliotecas, incluídas as virtuais, para a realização de trabalhos e cita ajeitado destes.

CCL

CD

a

b

d

f

g

h

B5.12. Valoração da leitura como fonte de prazer.

B5.12. Valorar a leitura como fonte de prazer.

B5.12.1. Desfruta com a leitura de textos literários.

CCL

CAA

CCEC

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 3

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências

chave

Bloco 1: Comunicação oral. Escutar e falar

b

g

h

j

p

B1.1. Compreensão, interpretação e valoração de textos orais expositivos e argumentativos.

B1.1. Compreender, interpretar e valorar textos orais expositivos e argumentativos.

B1.1.1. Identifica as ideias principais e secundárias de um texto oral expositivo ou argumentativo, formal ou informal, produzido na variante standard ou em qualquer das variedades dialectais.

CCL

B1.1.2. Reconhece o intuito comunicativo dos textos.

B1.1.3. Diferencia as explicações dos argumentos.

CCL

CAA

a

b

c

g

B1.2. Desenvolvimento de habilidades de escuta com uma atitude de interesse, cooperação e respeito.

B1.2. Conhecer e usar as normas de cortesía nas intervenções orais próprias e alheias, tanto espontâneas como planificadas.

B1.2.1. Conhece, aprecia e usa as normas que regem a cortesía na comunicação oral.

CCL

CAA

CSC

a

b

c

d

f

g

n

B1.3. Valoração das produções orais emitidas com uma fonética galega correcta e atitude crítica ante os prejuízos que se possam associar a ela.

B1.3. Valorar as produções emitidas com uma fonética galega correcta e atitude crítica ante os prejuízos que se possam associar a ela.

B1.3.1. Aprecia a emissão de uma pronúncia galega correcta, reconhece os erros de produção oral e propõe soluções para melhorá-las.

CCL

CAA

B1.3.2. Compreende, interpreta e rejeita os prejuízos que se possam associar com a pronúncia da língua galega.

CAA

B1.3.3. Usa a variante dialectal própria e assume-a como a variedade habitual do seu contexto.

CCL

CCEC

a

b

f

g

p

B1.4. Conhecimento, uso e aplicação de técnicas e estratégias necessárias para falar em público.

B1.4. Aplicar técnicas e estratégias para falar em público, em situações formais ou informais.

B1.4.1. Elabora guiões para organizar os conteúdos de exposições formais ou informais breves.

CCL

CAA

B1.4.2. Participa com fluidez nas intervenções orais espontâneas ou formais utilizando uma linguagem correcta e rica.

CCL

B1.4.3. Reconhece e avalia erros nos discursos orais próprios e alheios e trata de evitá-los.

CCL

CAA

b

c

f

g

h

j

p

B1.5. Construção de textos expositivos e argumentativos adequados a diferentes registros, coherentes e bem organizados.

B1.5. Produzir textos expositivos e argumentativos em diferentes registros.

B1.5.1. Participa em conversas informais nas quais intercambiar informação e expressa a sua opinião.

CCL

CSC

CSIEE

CCEC

B1.5.2. Utiliza o registro linguístico ajeitado a cada situação comunicativa.

CCL

CSC

B1.5.3. Realiza exposições educativas singelas.

CCL

f

i

B1.6. Conhecimento e aplicação, com ajuda das tecnologias da informação e da comunicação, de técnicas e estratégias para a produção de textos orais sobre temas de actualidade.

B1.6. Conhecer e aplicar, com ajuda das tecnologias da informação e da comunicação, técnicas e estratégias para realizar exposições orais planificadas.

B1.6.1. Consulta os meios de informação digitais para seleccionar conteúdos relevantes e incorporá-los às suas produções.

CD

CAA

CSIEE

B1.6.2. Emprega as tecnologias da informação e da comunicação para fazer de maneira visual as suas apresentações mais claras e atractivas.

CD

CCL

CSC

a

b

c

f

g

j

p

B1.7. Participação activa e argumentada em debates nos cales se expressem opiniões acerca de um tema de actualidade.

B1.7. Participar activamente e com argumentos em debates nos cales se expressem opiniões acerca de um tema de actualidade.

B1.7.1. Desenvolve argumentos de forma compreensível e convincente e comenta os contributos das pessoas interlocutoras.

CCL

CAA

B1.7.2. Aplica as normas que regem a cortesía na comunicação oral, respeita os turnos e as opiniões alheias e emprega uma linguagem não discriminatoria.

CCL

CSC

B1.8. Valoração da língua oral como um instrumento de aprendizagem e de relação social.

B1.8. Valorar a língua oral como um instrumento útil na aprendizagem e nas relações sociais.

B1.8.1. Identifica e descreve os valores da língua oral como um instrumento útil na aprendizagem, assim como para relacionar-se com os demais e enriquecer-se como pessoa.

CCL

CAA

CSC

CSIEE

Bloco 2: Comunicação escrita. Ler e escrever

e

g

j

B2.1. Comparação de textos literários e não literários e diferenciação de textos dos três grandes géneros a partir dos seus traços característicos mais gerais.

B2.1. Comparar textos literários e não literários e diferenciar textos dos três grandes géneros a partir dos seus traços característicos mais gerais.

B2.1.1. Compara textos literários e não literários e descreve as suas diferenças e similitudes.

CCL

B2.1.2. Diferencia textos dos três grandes géneros a partir dos seus traços característicos mais gerais.

e

g

h

B2.2. Análise de textos literários, identificação dos traços dos subxéneros e a funcionalidade dos recursos retóricos.

B2.2. Analisar textos literários, identificar os traços dos subxéneros e a funcionalidade dos recursos retóricos.

B2.2.1. Analisa textos literários, identifica os traços dos subxéneros e a funcionalidade dos recursos retóricos.

e

f

g

h

j

B2.3. Compreensão, interpretação e valoração de textos expositivos e argumentativos.

B2.3. Compreender, interpretar e valorar textos expositivos e argumentativos.

B2.3.1. Identifica as ideias principais e secundárias de um texto expositivo ou argumentativo.

B2.3.2. Reconhece o intuito comunicativo dos textos.

B2.3.3. Diferencia as explicações dos argumentos.

CCL

CAA

a

e

f

g

h

i

j

p

B2.4. Produção de textos expositivos e argumentativos a partir da informação obtida na biblioteca ou outras fontes de documentação.

B2.4. Produzir textos expositivos e argumentativos.

B2.4.1. Produz textos expositivos e argumentativos elaborados a partir de informação obtida em bibliotecas e outras fontes de informação.

CCL

CD

e

g

m

B2.5. Descrição e caracterización dos traços definitorios básicos da linguagem cinematográfica.

B2.5. Descrever e caracterizar os traços definitorios básicos da linguagem cinematográfica.

B2.5.1. Descreve e caracteriza os traços definitorios básicos da linguagem cinematográfica.

CCL

CCEC

a

f

i

B2.6. Uso dos recursos que oferecem as bibliotecas e as tecnologias da informação e da comunicação para obter, organizar e seleccionar a informação.

B2.6. Usar os recursos que oferecem as bibliotecas e as tecnologias da informação e da comunicação para obter, organizar e seleccionar informação.

B2.6.1. Aplica correctamente o sistema de procura na biblioteca e nos buscadores da internet para obter, organizar e seleccionar informação.

CCL

CAA

CD

a

b

g

n

B2.7. Atitude reflexiva e crítica ante a leitura de qualquer tipo de texto para detectar prejuízos e discriminações.

B2.7. Manifestar uma atitude reflexiva e crítica ante a leitura de qualquer tipo de texto para detectar prejuízos e discriminações.

B2.7.1. Identifica e expressa posturas de acordo e desacordo sobre aspectos parciais ou globais de um texto.

CCL

B2.7.2. Reconhece e evita usos linguísticos que transmitem prejuízos ou mensagens discriminatorias.

CCL

CSC

a

f

g

i

B2.8 Planeamento, produção e revisão do texto com adequação, coerência, coesão e respeito pelas normas morfológicas, ortográfico e tipográficas.

B2.8. Planificar produzir e rever textos com adequação, coerência, coesão e com respeito pelas normas morfológicas, ortográfico e tipográficas.

B2.8.1. Planifica a composição dos escritos em função do tipo de texto e da situação comunicativa para redigir textos adequados, coherentes e bem cohesionados.

CCL

CAA

B2.8.2. Redige rascunhos, utiliza esquemas, árvores ou mapas conceptuais para planificar e organizar os seus escritos.

B2.8.3. Utiliza o registro linguístico adequado em função da situação comunicativa e do âmbito de uso.

CCL

CSC

B2.8.4. Usa elementos linguísticos e discursivos para alcançar a coerência e coesão internas do texto.

CCL

B2.8.5. Revê os textos para resolver dificuldades de conteúdo e de forma.

CCL

CAA

a

f

g

i

B2.9. Utilização das tecnologias da informação e da comunicação para organizar os conteúdos, melhorar a apresentação e corrigir erros.

B2.9. Utilizar as tecnologias da informação e da comunicação para organizar os conteúdos, melhorar a apresentação e corrigir as produções escritas.

B2.9.1. Usa as tecnologias da informação e da comunicação (processadores de textos e correctores ortográfico) para organizar os conteúdos, melhorar a apresentação e facilitar a correcção dos textos escritos.

CCL

CD

Bloco 3: Funcionamento da língua

e

g

i

B3.1. Conhecimento, aplicação e valoração das normas ortográfico e morfológicas das línguas galega e castelhana.

B3.1. Aplicar e valorar as normas ortográfico e morfológicas das línguas galega e castelhana.

B3.1.1. Aplica correctamente as normas ortográfico e morfológicas das línguas galega e castelhana.

CCL

B3.2. Análise e uso reflexivo da pontuação em relação com a coesão sintáctica e textual.

B3.2. Analisar e usar correctamente a pontuação, de acordo com a coesão sintáctica e textual.

B3.2.1. Analisa e usa correctamente a pontuação de acordo com a coesão textual e sintáctica.

B3.2.2. Revê os textos para pontuar correctamente.

B3.3. Análise e uso reflexivo da acentuação, especialmente a diacrítica.

B3.3. Analisar e usar correctamente as normas de acentuação.

B3.3.1. Analisa e usa correctamente as normas de acentuação.

e

f

g

B3.4. Reconhecimento e identificação das categorias gramaticais.

B3.4. Aplicar os conhecimentos sobre as diferentes categorias gramaticais na elaboração de textos escritos e orais.

B3.4.1. Produz textos orais e escritos de diferentes géneros com um correcto uso das diferentes categorias gramaticais.

CCL

CAA

B3.4.2. Identifica e explica os usos e valores das categorias gramaticais relacionando com o intuito comunicativa e a tipoloxía textual.

B3.5. Reconhecimento da estrutura de substantivo, adjectivos e verbos e da sua caracterización morfológica para a melhora da compreensão e produção textuais.

B3.5. Reconhecer a estrutura de substantivo, adjectivos e verbos e da sua caracterización morfológica para melhorar a compreensão e produção textuais.

B3.5.1. Conhece e utiliza adequadamente substantivo, adjectivos e formas verbais na compreensão e produção de textos orais e escritos.

B3.6. Conhecimento, tipoloxía e caracterización dos determinante.

B3.6. Reconhecer e identificar os traços característicos da categoria gramatical dos determinante, explicando os seus usos e valores nos textos.

B3.6.1. Identifica e explica os usos e valores dos determinante, relaciona a sua presença com o intuito comunicativo e a tipoloxía textual, assim como com outros componentes.

B3.7. Conhecimento, caracterización e tipoloxía dos pronomes.

B3.7. Reconhecer e identificar os traços característicos da categoria gramatical dos pronomes e explicar os seus usos e valores nos textos.

B3.7.1. Identifica e explica os usos e valores dos pronomes e relaciona a sua presença com o intuito comunicativo e a tipoloxía textual, assim como com outros componentes.

B3.8. Conhecimento, caracterización e tipoloxía do adverbio e das locuções adverbiais.

B3.8. Reconhecer e identificar os traços característicos da categoria gramatical do adverbio e explicar os seus usos e valores nos textos.

B3.8.1. Identifica e explica os usos e valores dos adverbios e das locuções adverbiais e relaciona a sua presença com o intuito comunicativo e a tipoloxía textual, assim como com outros componentes.

B3.9. Reconhecimento, observação, uso e explicação dos diferentes conectores textuais.

B3.9. Reconhecer em textos de diversa índole e usar nas produções próprias orais e escritas os diferentes conectores textuais.

B3.9.1. Identifica e usa diferentes tipos de conectores que lhe proporcionam coesão a um texto.

B3.10. Reflexão e explicação das relações semánticas: sinonimia e antonimia.

B3.10. Reflectir e explicar as relações semánticas: sinonimia e antonimia.

B3.10.1. Identifica e explica as relações semánticas: sinonimia e antonimia.

B3.10.2. Emprega um vocabulário amplo e preciso utilizando os recursos proporcionados pela sinonimia.

CCL

Bloco 4: Língua e sociedade

e

g

m

n

B4.1. A origem e formação da língua galega.

B4.1. Reconhecer os principais elementos na origem e formação da língua galega.

B4.1.1. Reconhece os principais elementos na origem e formação da língua galega.

CCL

e

g

i

m

n

B4.2. Etapas da história social da língua galega desde os seus inícios até 1916 e análise e compreensão das causas e consequências dos feitos mais relevantes.

B4.2 Identificar as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega desde os seus inícios até 1916.

B4.2.1. Reconhece os acontecimentos relevantes da história social da língua galega desde os seus inícios até 1916.

CCL

CSC

B4.2.2. Identifica as causas e consequências dos feitos mais relevantes da história social da língua galega desde os seus inícios até 1916.

B4.2.3. Interpreta gráficos, tabelas, textos e informação dos médios e das tecnologias da informação e da comunicação, relacionados com a história social da língua galega desde os seus inícios até 1916.

CCL

CSC

CD

b

c

d

f

g

m

n

B4.3. Situação sociolinguístico e legal das línguas de Espanha.

B4.3. Conhecer e descrever a situação sociolinguístico e legal das línguas de Espanha.

B4.3.1. Conhece a legislação que regula os direitos linguísticos individuais e colectivos.

CCL

CSC

B4.3.2. Conhece a legislação que regula a utilização do galego e a sua promoção nos diferentes âmbitos.

B4.4. Prejuízos linguísticos.

B4.4 Identificar os prejuízos linguísticos e analisar a situação pessoal no que diz respeito a eles.

B4.4.1. Conhece o que é um prejuízo. Detecta e analisa a presença de prejuízos para a língua galega na sua prática linguística e na do seu contorno.

Bloco 5: Educação literária

e

g

m

n

B5.1. Identificação e compreensão das diferentes épocas e períodos das literaturas em galego e em castelhano desde as suas origens até o século XX.

B5.1. Identificar e compreender as diferentes épocas e períodos das literaturas em galego e em castelhano desde as suas origens até o século XX.

B5.1.1. Identifica as diferentes épocas e períodos das literaturas em galego e em castelhano desde as suas origens até o século XX.

CCL

B5.1.2. Assinala os principais traços característicos dos diferentes períodos das literaturas galega e castelhana desde a Idade Média até o século XX.

a

d

e

g

h

i

m

n

B5.2. Selecção, leitura autónoma e comentário de textos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX.

B5.2. Seleccionar, ler e comentar de modo autónomo textos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX e relacionar o seu conteúdo com o contexto histórico, cultural e sociolinguístico de cada período.

B5.2.1. Selecciona, seguindo critérios razoados, textos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX para a sua leitura.

B5.2.2. Lê e comenta de modo autónomo obras ou textos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX, resume o seu conteúdo, assinala os seus traços característicos definitorios e relaciona com o contexto histórico, cultural e sociolinguístico do período correspondente.

B5.2.3. Compara textos literários de uma mesma época ou período ou de diferentes épocas e períodos atendendo aos seus principais conteúdos, assinala os seus traços definitorios e põem-nos em relação com o contexto histórico, cultural e sociolinguístico da(s) época(s) ou de o(s) período(s).

d

e

g

h

m

n

B5.3. Leituras expressivo e comprensivas, audições e leituras dramatizadas de textos narrativos, poéticos, teatrais e ensaísticos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX.

B5.3. Ler expressivo e comprensivamente, realizar audições e ler dramatizadamente textos narrativos, poéticos, teatrais e ensaísticos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX.

B5.3.1. Lê expressivo, comprensiva e/ou dramatizadamente textos narrativos, poéticos, teatrais e ensaísticos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX.

CCL

a

b

e

g

i

m

B5.4. Elaboração de trabalhos individuais e/ou em grupo, nos cales se descrevam e analisem textos literários representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX.

B5.4. Elaborar trabalhos individuais e/ou em grupo, nos que se descrevam e analisem textos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX.

B5.4.1. Elabora trabalhos individuais e/ou colectivos, nos que se descrevem e analisam textos representativos das literaturas em galego e em castelhano desde a Idade Média até o século XX.

a

e

f

i

B5.5. Consulta de fontes de informação e familiarización com as tecnologias da informação e da comunicação para a realização de trabalhos e cita ajeitado destas.

B5.5. Consultar fontes de informação e familiarizar com os recursos das tecnologias da informação e da comunicação para a realização de trabalhos e cita ajeitado destas.

B5.5.1. Consulta fontes de informação para a realização de trabalhos singelos e cita ajeitado destas.

B5.5.2. Emprego de diferentes recursos básicos das tecnologias da informação e da comunicação para a realização de trabalhos singelos e cita ajeitado destes.

CCL

CD

a

g

h

m

B5.6. Criação ou recreação de textos de intuito literária partindo das características dos textos trabalhados na sala de aulas.

B5.6. Criar ou recrear textos singelos de intuito literária partindo das características dos textos trabalhados na sala de aulas.

B5.6.1. Acredite ou recreia textos singelos de intuito literária partindo das características dos textos trabalhados na sala de aulas.

CCL

CCEC

B5.6.2. Desenvolve gostar por de a escrita como instrumento de comunicação capaz de analisar e regular os próprios sentimentos.

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 4

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Comunicação oral. Escutar e falar

d

e

h

B1.1. Compreensão e interpretação de textos próprios dos médios de comunicação: a informação e a opinião.

B1.1. Identificar o intuito comunicativo implícito e explícita, o tema, a ideia principal e as secundárias, a tese e os argumentos de textos próprios dos médios de comunicação.

B1.1.1. Compreende o sentido global de textos orais dos médios de comunicação audiovisuais, identifica o propósito, a tese e os argumentos de notícias, debates ou declarações, determina o tema e reconhece o intuito comunicativo do falante.

CCL

B1.1.2. Analisa criticamente tanto a forma como o conteúdo de notícias e debates procedentes dos médios de comunicação e reconhece a validade dos argumentos.

CCL

CAA

B1.2. Compreensão e interpretação de textos orais expositivos e argumentativos do âmbito educativo e de natureza diversa (apresentações, relatorios e intervenções em mesas redondas).

B1.2. Compreender e interpretar textos orais expositivos e argumentativos utilizados no âmbito educativo (apresentações, relatorios e intervenções em mesas redondas).

B1.2.1. Identifica o intuito comunicativo, a tese e os argumentos dos debates, relatorios e mesas redondas do âmbito educativo e elabora um esquema ou resumo.

B1.2.2. Reconhece os procedimentos linguísticos para manifestar-se a favor ou em contra de uma opinião ou posição.

CCL

CSC

a

c

d

h

B1.3. Desenvolvimento de habilidades de escuta activa, com uma atitude de interesse, de cooperação e de respeito, identificando prejuízos e mensagens discriminatorias.

B1.3. Conhecer, usar e valorar a adequação, a coerência, a coesão e a claridade expositiva, assim como as normas de cortesía nas intervenções orais próprias da actividade educativa, tanto espontâneas como planificadas.

B1.3.1. Identifica os recursos que proporcionam adequação, coerência e coesão ao discurso.

CCL

B1.3.2. Conhece e aplica as normas que regem a cortesía na comunicação oral e respeita as opiniões alheias.

CCL

CSC

B1.3.3. Reconhece a importância dos aspectos prosódicos (entoación, pausas, tom, campainha e volume), a linguagem corporal adequada (mirada e posição do corpo), assim como o autocontrol das emoções ao falar em público.

CCL

CSC

CSIEE

h

o

B1.4. Produção de discursos orais, em intervenções espontâneas e planificadas com apoio das tecnologia da informação e da comunicação, adequados à situação e ao intuito comunicativo desejado, com coerência, coesão e correcção.

B1.4. Produzir textos orais, em intervenções espontâneas, adequadas à situação e ao intuito comunicativo desejado, com coerência, coesão e correcção.

B1.4.1. Produz textos orais, em intervenções espontâneas, adequadas à situação e ao intuito comunicativo desejado, com coerência, coesão e correcção.

CCL

CSC

b

h

B1.5. Aplicação dos conhecimentos gramaticais à avaliação e melhora da expressão oral e reconhecimento em exposições orais próprias e alheias das dificuldades expressivo.

B1.5. Aplicar os conhecimentos gramaticais à avaliação e melhora da expressão oral e reconhecer em exposições orais próprias e alheias as dificuldades expressivo.

B1.5.1. Reconhece erros (incoherencias, repetições, ambigüidades, pobreza léxica, erros de fonética e entoación inadequada) nos discursos próprios e alheios para evitá-los nas suas produções.

CCL

CCA

h

o

B1.6. Valoração da língua oral como um instrumento de aprendizagem e de relação social.

B1.6. Valorar a língua oral como um instrumento útil na aprendizagem e nas relações sociais.

B1.6.1. Identifica e descreve os valores da língua oral como um instrumento útil na aprendizagem, assim como para relacionar-se com os demais e enriquecer-se como pessoa.

CCL

CSC

CCA

CSIEE

Bloco 2: Comunicação escrita. Ler e escrever

b

f

h

B2.1. Uso de técnicas e estratégias que facilitam a leitura comprensiva e crítica de textos.

B2.1. Empregar estratégias e técnicas que facilitem a leitura comprensiva e crítica dos textos.

B2.1.1. Emprega pautas e estratégias que facilitam a análise do contido (resumos, quadros, esquemas e mapas conceptuais).

CCL

CCA

B2.1.2. Aplica os conhecimentos linguísticos próprios (gramaticais e léxicos) e recursos alheios (dicionários e outras fontes de documentação) para solucionar problemas de compreensão.

CCL

B2.1.3. Elabora o esquema xerarquizado de ideias de um texto.

B2.1.4. Deduze informação global do texto a partir de conteúdos explícitos e implícitos.

B2.1.5. Percebe o significado de palavras próprias do registro culto e incorpora-as ao seu discurso.

CCL

CAA

d

e

h

d

B2.2. Compreensão e interpretação de textos próprios da vida quotidiana relacionados com o âmbito laboral, administrativo, jurídico e comercial.

B2.2. Compreender e interpretar textos escritos próprios da vida quotidiana pertencentes ao âmbito laboral, administrativo, jurídico e comercial.

B2.2.1. Identifica o intuito comunicativo, o tema e os subtemas de escritos próprios da vida quotidiana relacionados com o âmbito laboral, administrativo e comercial.

CCL

B2.2.2. Compreende, interpreta e valora textos próprios da vida quotidiana pertencentes a diferentes âmbitos: currículo, carta de apresentação, solicitude ou instância, carta de reclamação.

CCL

CSC

B2.3. Compreensão e interpretação de textos relacionados com o âmbito educativo, tanto materiais de consulta (dicionários, glossários, enciclopedias etc.), como livros de texto e recursos de temas especializados na internet.

B2.3. Compreender e interpretar textos relacionados com o âmbito educativo, tanto materiais de consulta (dicionários, glossários, enciclopedias etc.), como livros de texto e recursos de temas especializados na internet.

B2.3.1. Compreende textos relacionados com o âmbito educativo, tanto materiais de consulta (dicionários, glossários, enciclopedias etc.), como livros de texto e recursos de temas especializados em internet.

CCL

CD

B2.3.2. Interpreta a informação de mapas, gráficas, diagramas.

CCL

B2.4. Compreensão e interpretação de textos jornalísticos de opinião: carta ao director, editorial, coluna e artigo de opinião.

B2.4. Compreende e interpreta textos jornalísticos de opinião: carta ao director, editorial, coluna e artigo de opinião.

B2.4.1. Diferencia os traços característicos dos textos jornalísticos de opinião: carta ao director, editorial, coluna e artigo de opinião.

CCL

CSC

B2.4.2. Valora o intuito comunicativo de um texto jornalístico e distingue entre informação, opinião e persuasión.

B2.5. Compreensão e interpretação das mensagens explícitas e implícitas que transmitem os textos publicitários dos médios de comunicação.

B2.5. Compreende e interpreta as mensagens explícitas e implícitas que transmitem os textos publicitários dos médios de comunicação.

B2.5.1. Compreende e interpreta as mensagens explícitas e implícitas que transmitem os textos publicitários dos médios de comunicação (anúncios).

B2.5.2. Reflecte e tem uma postura crítica ante as mensagens persuasivas que provem dos médios de comunicação.

c

d

h

B2.6. Leitura crítica e reflexiva que permita identificar usos linguísticos discriminatorios.

B2.6. Identificar os usos linguísticos que contenham prejuízos ou mensagens discriminatorias.

B2.6.1. Reflecte sobre os usos linguísticos que levam implícitos prejuízos ou mensagens discriminatorias.

CCL

CSC

B2.6.2. Detecta prejuízos e mensagens discriminatorias implícitas nos textos de meios de comunicação com especial atenção à publicidade.

b

f

h

B2.7. Uso de técnicas e estratégias para produzir textos escritos adequados, coherentes e bem cohesionados desde o ponto de vista comunicativo (planeamento, organização, redacção e revisão).

B2.7. Empregar estratégias e técnicas ajeitadas para produzir escritos adequados, coherentes e bem cohesionados desde o ponto de vista comunicativo (planeamento, organização, redacção e revisão).

B2.7.1. Utiliza diferentes técnicas de planeamento para organizar o seu discurso (diferentes tipos de esquemas e mapas conceptuais).

CCL

B2.7.2. Utiliza o registro adequado em função da tipoloxía textual e do acto comunicativo.

B2.7.3. Ordena as ideias e estrutura os conteúdos em unidades sintácticas consecutivas e encadeadas com conectores e outros elementos de coesão.

B2.7.4. Conhece as regras ortográfico e as normas morfosintácticas e serve das ferramentas linguísticas ao seu alcance (correctores, dicionários e gramáticas) para aplicá-las correctamente.

CCL

CD

B2.7.5. Revê o texto para comprovar que a organização dos contidos do texto é correcta e que não se cometem erros ortográfico, gramaticais, de formato ou de apresentação.

CCL

b

e

h

B2.8. Produção, em suporte impresso ou digital, de textos próprios da vida quotidiana pertencentes ao âmbito laboral, jurídico, administrativo e comercial.

B2.8. Produzir, respeitando as suas características formais e de conteúdo, textos próprios da vida quotidiana pertencentes a diferentes âmbitos tanto em formato papel como digital: laborais, jurídico, administrativos e comerciais.

B2.8.1. Produz, respeitando as suas características formais e de conteúdo, e em suporte tanto impresso como digital, textos próprios da vida quotidiana pertencentes a diferentes âmbitos: currículo, carta de apresentação, solicitude ou instância, carta de reclamação.

CCL

CD

CSC

B2.9. Produção, em suporte impresso ou digital, de cartas à direcção e colunas de opinião.

B2.9. Produzir, em suporte impresso ou digital, cartas à direcção e colunas de opinião.

B2.9.1. Acredite, em suporte impresso ou digital, cartas à direcção e colunas de opinião.

d

h

B2.10. Valoração da escrita como um instrumento de aprendizagem, de relação social e enriquecimento pessoal.

B2.10. Valorar a escrita como um instrumento muito útil na aprendizagem, nas relações sociais e no desenvolvimento do indivíduo.

B2.10.1. Identifica e descreve os valores da escrita não só como una ferramenta para organizar os pensamentos senão também como um instrumento para relacionar-se com os demais e enriquecer-se como pessoa.

CCL

CSC

CCEC

Bloco 3: Funcionamento da língua

b

e

l

B3.1. Reconhecimento, explicação e uso de léxico suficientemente amplo e preciso, com incorporação de fraseoloxía e de vocabulário temático.

B3.1. Reconhecer e explicar os valores de léxico preciso de diferentes categorias gramaticais, assim como da fraseoloxía.

B3.1.1. Reconhece, explica e usa um léxico amplo e preciso de diferentes categorias gramaticais.

CCL

CAA

B3.1.2. Reconhece, explica e usa fraseoloxía diversa da língua galega nas suas produções orais e escritas.

b

e

i

B3.2. Reconhecimento, explicação e uso dos procedimentos de criação de palavras.

B3.2. Reconhecer e explicar os procedimentos de criação de palavras, os valores dos morfemas e as suas possibilidades combinatorias para criar novos termos e identificar a sua procedência grega ou latina.

B3.2.1. Reconhece e explica os procedimentos de criação de palavras.

B3.2.2. Acredite palavras novas utilizando os procedimentos de criação léxica.

B3.2.3. Reconhece os valores de prefixos e sufixos e as suas possibilidades combinatorias para criar novas palavras.

CCL

B3.2.4. Identifica a procedência grega ou latina de prefixos e sufixos habituais no uso da língua galega.

a

d

e

B3.3. A fonética e a fonoloxía do galego, com especial atenção a possíveis interferencias (abertura das vogais de grau médio, o n velar ou a entoación).

B3.3. Reconhecer e usar a fonética da língua galega.

B3.3.1. Reconhece e usa adequadamente a fonética da língua galega, com especial atenção à entoación, às vogais de grau médio e ao fonema /n/ velar.

CCL

CAA

b

e

B3.4. Aplicação e valoração das normas ortográfico e morfológicas das línguas galega e castelhana.

B3.4. Aplica e valora as normas ortográfico e morfológicas das línguas galega e castelhana.

B3.4.1. Aplica correctamente as normas ortográfico e morfológicas das línguas galega e castelhana nos discursos orais e escritos.

B3.4.2. Reconhece o valor funcional e social das normas ortográfico e morfológicas das línguas galega e castelhana.

CCL

e

B3.5. Análise e uso reflexivo da pontuação em relação com a coesão sintáctica.

B3.5. Analisar e usar correctamente a pontuação de acordo com a coesão sintáctica.

B3.5.1. Analisa e usa correctamente a pontuação de acordo com a coesão sintáctica.

b

e

B3.6. As principais regras de combinação impostas pelos predicados em função dos seus argumentos; estruturas sintácticas e tipos de oração segundo a natureza do predicado.

B3.6. Reconhecer e usar enunciado e orações, identificando as principais regras de combinação impostas pelo verbos.

B3.6.1. Reconhece enunciado e identifica a palavra nuclear que o organiza sintáctica e semanticamente.

CCL

CAA

B3.6.2. Reconhece a estrutura interna das orações, identificando o verbo e os seus complementos.

CCL

B3.6.3. Respeita a ordem correcta dos elementos da estrutura sintáctica.

B3.6.4. Classifica orações segundo a natureza do predicado.

B3.6.5. Usa a terminologia sintáctica correcta.

e

h

B3.7. Reconhecimento e uso reflexivo dos nexos e conectores textuais mais comuns, em particular os de causa e consequência, os de condição e hipótese e conclusão, e dos mecanismos de coesão textual.

B3.7. Reconhecer, explicar e usar os nexos textuais de causa, consequência, condição, hipótese e conclusão, assim como os mecanismos gramaticais e léxicos de coesão interna.

B3.7.1. Reconhece, explica e usa os nexos textuais de causa, consequência, condição, hipótese e conclusão, assim como os mecanismos gramaticais e léxicos de coesão interna.

CCL

CAA

e

B3.8. Identificação da estrutura de um texto, a construção dos parágrafos e o vínculo e progressão temáticos em textos alheios e próprios, e elaboração de textos de acordo com estes parâmetros.

B3.8. Identifica adequadamente em textos alheios e próprios a estrutura, a construção e justificação dos parágrafos, o vínculo e progressão temáticos, e elabora textos de acordo com estes parâmetros.

B3.8.1. Identifica a estrutura do texto, em construções próprias e alheias.

CCL

B3.8.2. Justifica com argumentos a divisão em parágrafos de textos próprios e alheios.

CCL

CAA

B3.8.3. Identifica a progressão temática em textos próprios e alheios.

CCL

B3.8.4. Elabora textos com uma estrutura apropriada, divididos em parágrafos e empregando os mecanismos de progressão temática.

b

e

B3.9. Adequação dos textos em função do contexto, do tema e do tipo de texto.

B3.9. Justifica a adequação dos textos em função do contexto, do tema e do género e elabora produções próprias com uma adequação apropriada.

B3.9.1. Justifica a adequação das produções em função do contexto, do tema e do género textual.

CCL

CAA

B3.9.2. Elabora produções linguísticas com uma adequação apropriada ao contexto, ao tema e ao género textual.

CCL

b

e

h

B3.10. Participação em projectos (elaboração de materiais multimédia, folhetos, cartazes, recensión de livros e películas etc.) nos que se utilizem várias línguas, tanto curriculares como outras presentes no centro docente, relacionados com os elementos transversais e nos que se evitem estereótipos linguísticos ou culturais.

B3.10. Participar em projectos (elaboração de materiais multimédia, folhetos, cartazes, recensión de livros e películas etc.) nos que se utilizem várias línguas, tanto curriculares como outras presentes no centro docente, relacionados com os elementos transversais e nos que se evitem estereótipos linguísticos ou culturais.

B3.10.1. Participa em projectos (elaboração de materiais multimédia, folhetos, cartazes, recensión de livros e películas, obras de teatro etc.) nos que se utilizam várias línguas e relacionados com os elementos transversais, evita estereótipos linguísticos ou culturais e valora as competências que possui como pessoa plurilingüe.

CCL

CAA

b

e

B3.11. Identificação e progressiva utilização dos conhecimentos sobre as línguas para desenvolver uma competência comunicativa integrada.

B3.11. Reflectir sobre o sistema e as normas de uso das línguas, mediante a comparação e transformação de textos, enunciado e palavras, e utilizar estes conhecimentos para solucionar problemas de compreensão e para a produção de textos.

B3.11.1. Utiliza os conhecimentos linguísticos de âmbito contextual, textual, oracional e da palavra, desenvolvidos no curso numa das línguas, para melhorar a compreensão e produção dos textos trabalhados em quaisquer das outras.

CCL

CAA

Bloco 4: Língua e sociedade

m

n

B4.1. Valoração das línguas como médios de relação interpersoal e de sinal de identidade de um povo.

B4.1. Valorar as línguas como médios de relação interpersoal e de sinal de identidade de um povo.

B4.1.1. Valora a língua como médio de relação interpersoal e de sinal de identidade de um povo, e argumenta fundamentadamente e com um discurso próprio a sua postura.

CCL

CCEC

B4.2. O plurilingüísmo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

B4.2. Apreciar o plurilingüísmo como expressão da riqueza cultural da humanidade.

B4.2.1. Valora o plurilingüísmo inclusivo, desde a língua própria, como expressão da riqueza cultural da humanidade e argumenta com um discurso próprio a sua postura.

CCL

B4.3. A lusofonia nas línguas do mundo no século XXI.

B4.3. Conhecer e descrever o papel da lusofonia nas línguas do mundo no século XXI.

B4.3.1. Conhece os territórios que fazem parte da comunidade lusófona e sabe descrever a sua importância dentro das línguas do mundo no século XXI.

CCL

CSC

B4.4. Situação sociolinguístico da Galiza. A presença da língua galega nos principais âmbitos e contextos sociais e privados.

B4.4. Descrever e analisar a situação sociolinguístico da Galiza atendendo à presença da língua galega nos principais âmbitos e contextos sociais e privados.

B4.4.1. Conhece e descreve a legislação estatal e autonómica básica em matéria linguística.

B4.4.2. Descreve acertadamente com critérios sociolinguístico a situação galega actual.

B4.5. Processo de normalização. Desenvolvimento de atitudes positivas para o processo de recuperação da língua galega. Consciência da necessidade e das potencialidades de enriquecimento pessoal e colectivo do uso normalizado da língua galega.

B4.5. Identificar os elementos do processo normalizador e adquirir vínculos positivos para o seu uso assumindo a importância do contributo individual no desenvolvimento da língua galega.

B4.5.1. Identifica os procedimentos de normalização.

CCL

B4.5.2. Distingue normativización e normalização.

B4.5.3. Conhece os principais agentes normalizadores na Galiza e valora a sua importância.

CCL

CSC

B4.6. Evolução da língua galega e etapas da história social da língua galega desde 1916 até a actualidade.

B4.6. Reconhecer os principais elementos de evolução da língua galega, assim como identificar as causas e consequências dos feitos mais relevantes da sua história social, e assinalar as diferentes etapas desde 1916.

B4.6.1. Reconhece os principais elementos da evolução da língua galega desde 1916 até a actualidade.

CCL

B4.6.2. Reconhece os acontecimentos relevantes da história social da língua galega desde 1916.

CCL

CCEC

B4.7. Prejuízos linguísticos.

B4.7. Identificar os prejuízos linguísticos e analisar a situação pessoal no que diz respeito a eles.

B4.7.1. Assinala os prejuízos linguísticos atribuíbles a qualquer língua e especialmente à galega e rebáteos com uma argumentação ajeitada.

CCL

CSC

B4.7.2. Analisa a opinião própria sobre as línguas, detecta os prejuízos, em caso dos ter, e rebáteos com argumentos.

B4.8. Reconhecimento e valoração dos principais fenômenos que caracterizam as variedades geográficas, diastráticas e diafásicas da língua galega e da função da língua standard. Uso normalizado da variante dialectal própria da zona. Utilização e valoração da variante standard da língua em situações de carácter formal. Reconhecimento das interferencias mais habituais.

B4.8. Reconhecer e valorar os principais fenômenos que caracterizam as variedades geográficas, diastráticas e diafásicas da língua galega e da função da língua standard. Reconhecer interferencias habituais.

B4.8.1. Reconhece os principais fenômenos que caracterizam as variedades geográficas da língua galega.

B4.8.2. Reconhece os traços da variedade standard da língua galega.

CCL

B4.8.3. Valora a língua standard como variedade unificadora. Reconhece interferencias habituais entre as duas línguas oficiais.

B4.8.4. Valora as variedades geográficas da língua galega como símbolo de riqueza linguística e cultural e rejeita fundamentadamente qualquer prejuízo sobre a variação diatópica.

CCL

CSC

B4.8.5. Reconhece as variedades diastráticas e diafásicas da língua galega e descreve o influxo da situação sociolinguístico nelas.

Bloco 5: Educação literária

h

j

B5.1. Identificação e compreensão dos diferentes períodos e gerações das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.1. Identificar e compreender os diferentes períodos e gerações das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.1.1. Identifica os diferentes períodos e gerações das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

CCL

B5.1.2. Compreende e explica razoadamente os diferentes períodos das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.2. Leitura autónoma e comentário pautado de obras representativas das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.2. Ler e comentar de modo autónomo obras representativas das literaturas em galego e em espanhol do século XX e XXI e relaciona o seu conteúdo com o contexto histórico, cultural e sociolinguístico de cada período.

B5.2.1. Lê de modo autónomo obras ou textos representativos das literaturas galega de 1916 até a actualidade, resume o seu conteúdo, assinala os seus traços característicos definitorios e relaciona com o contexto histórico, cultural e sociolinguístico do período da literatura galega correspondente.

B5.2.2. Comenta, de forma guiada ou livre, textos de obras das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI, assinala os seus traços característicos definitorios e relaciona com o contexto histórico, cultural e sociolinguístico do período da literatura galega correspondente.

B5.3. Leituras expressivo e comprensivas, audições e leituras dramatizadas de textos narrativos, poéticos, teatrais e ensaísticos representativos das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.3. Ler expressivo e comprensivamente, escutar audições e ler dramatizadamente textos narrativos, poéticos, teatrais e ensaísticos das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.3.1. Lê expressivo, compresiva e/ou dramatizadamente textos narrativos, poéticos, teatrais e ensaísticos representativos das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.3.2. Participa com proveito de audições de textos narrativos, poéticos, teatrais e ensaísticos representativos das literaturas em galego e em espanhol do século XX e XXI.

b

h

j

B5.4. Elaboração de trabalhos individuais e/ou em grupo nos cales se descrevam e analisem textos literários representativos das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.4. Elaborar trabalhos individuais e/ou em grupo nos que se descrevam e analisem textos representativos das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

B5.4.1. Elabora trabalhos individuais e/ou colectivos nos que se descrevem e analisam textos representativos das literaturas em galego e em espanhol dos séculos XX e XXI.

e

h

j

B5.5. Consulta de fontes de informação variadas e de recursos das tecnologias da informação e da comunicação para a realização de trabalhos e cita ajeitado destes.

B5.5. Consultar fontes de informação variadas e recursos das das tecnologias da informação e da comunicação para a realização de trabalhos e cita ajeitado destes.

B5.5.1. Consulta fontes de informação variadas para a realização de trabalhos e cita ajeitado destas.

B5.5.2. Emprego de diferentes recursos das das tecnologias da informação e da comunicação para a realização de trabalhos e cita ajeitado destes.

CCL

CD

h

l

n

B5.6. Criação ou recreação de textos de intuito literária partindo das características dos textos trabalhados na sala de aulas com o fim de desenvolver gostar por de a escrita e a capacidade de expressão dos sentimentos e julgamentos.

B5.6. Criar ou recrear textos de intuito literária partindo das características dos textos trabalhados na sala de aulas com o fim de desenvolver gostar por de a escrita e a capacidade de expressão dos sentimentos e julgamentos.

B5.6.1. Acredite ou recreia textos de intuito literária partindo das características dos textos trabalhados na sala de aulas.

CCL

CCEC

B5.6.2. Desenvolve gostar por de a escrita como instrumento de comunicação capaz de analisar e regular os sentimentos e julgamentos.

CCL

CCEC

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 1

LÍNGUA ESTRANGEIRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Compreensão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B1.1. Estratégias de compreensão.

– Identificação do tipo textual, adaptando a compreensão a ele.

– Uso do contexto verbal e não verbal e dos conhecimentos prévios sobre a situação que dão lugar a inferencias de significado baseadas no contexto.

– Uso dos conhecimentos referenciais sobre o tema.

– Identificação de palavras chave.

B1.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias básicas mais ajeitado para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e as ideias principais ou os detalhes relevantes do texto: anticipação do contido geral do que se escuta com a ajuda de elementos verbais e não verbais e uso dos conhecimentos prévios sobre a situação (quem fala a quem, com que intuitos, onde e quando) que dão lugar a inferencias do significado baseadas no contexto.

B1.1.1. Aplica as estratégias de escuta activa para a compreensão (global ou específica) das mensagens recebidas sem necessidade de perceber todos os elementos delas.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

– Adaptação da escuta à sua finalidade (global e/ou específica).

– Identificação dos recursos linguísticos ou temáticos adquiridos.

– Inferencia do significado provável das palavras ou das frases que desconhece.

– Perseverança no sucesso da compreensão oral, reescoitando o texto gravado ou solicitando repetição ou reformulações do dito.

B1.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Reconhecimento de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B1.2. Identificar o sentido geral, a informação essencial, os pontos principais e os detalhes mais relevantes em textos orais muito breves e singelos num registro standard e informal, com estruturas simples e léxico de uso muito frequente, articulados com claridade e a velocidade lenta e transmitidos de viva voz ou por meios técnicos, sobre temas habituais e concretos relacionados com as próprias experiências, necessidades e interesses em contextos quotidianos predicibles ou relativos a áreas de necessidade imediata nos âmbitos pessoal, público e educativo e sobre aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, sempre que as condições acústicas sejam boas e não dificultem a mensagem, se possa voltar escutar o dito ou pedir confirmação e se conte com apoio visual ou com uma clara referência contextual.

B1.2.1. Compreende mensagens orais breves e instruções relacionadas com a actividade de sala de aulas.

B1.2.2. Compreende mensagens e anúncios públicos que contenham instruções, indicações ou outro tipo de informação (por exemplo, números, preços, horários ou datas numa estação ou nuns grandes armazéns).

B1.2.3. Percebe o que se lhe diz em transacções habituais singelas (instruções, indicações, pedidos, aviso, cumprimentos e apresentações).

B1.2.4. Identifica o tema de uma conversa quotidiana predicible que tem lugar na sua presença (cumprimentos e apresentações, diálogos em lugares públicos: escritórios de informação, comércios, restaurantes, farmácias e hospitais, estações ou aeroportos).

B1.2.5. Percebe a informação essencial em conversas breves e singelas nas quais participa que tratem sobre a sua contorna pessoal: a família, os amigos, o trabalho, o tempo livre, a descrição de objectos e lugares.

B1.2.6. Compreende as ideias principais de apresentações e projectos (em formato papel ou digital) singelos e bem estruturados sobre temas familiares ou do seu interesse (p. e. lazer, família, fogar, deporte etc.) e sobre aspectos socioculturais dos países nos cales se fala a língua estrangeira, com a condição de que contem com imagens e ilustrações e se fale de modo lento e claro.

B1.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos orais onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Cumprimentos e apresentações, desculpas e agradecementos e convites.

– Expressão de informação pessoal e gustos.

– Descrição de pessoas, actividades, lugares, objectos e hábitos.

– Narração de factos presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, de permissão e de ajuda.

– Indicação de instruções.

B1.3. Incorporar à compreensão do texto os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos, concretos e significativos adquiridos sobre a vida quotidiana (hábitos, horários, actividades, celebrações), as condições de vida (habitação, contorna), as relações interpersoais (familiares, de amizade, académicas), o comportamento (gestos habituais, uso da voz, contacto físico) e as convenções sociais (normas de cortesía, costumes e tradições) dos países onde se fala a língua estrangeira, identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B1.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países nos que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B1.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B1.4. Distinguir a função ou funções comunicativas principais do texto (p. e. uma demanda de informação ou uma ordem) e um repertório limitado dos seus expoñentes mais comuns e habituais, assim como dos patrões discursivos básicos (p. e. início e encerramento da conversa, ou os pontos de uma narração esquemática).

B1.4.1. Identifica um repertório limitado dos expoñentes mais comuns próprios do seu nível e dos patrões discursivos básicos para perceber as funções comunicativas das mensagens orais directas ou recebidas mediante formato electrónico.

B1.5. Léxico oral muito básico de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B1.5. Reconhecer os significados mais comuns associados às estruturas sintácticas básicas próprias da comunicação oral (p. e. estrutura interrogativa para demandar informação).

B1.5.1. Reconhece e compreende as estruturas morfosintácticas básicas em orações singelas de situações habituais e de conteúdo predicible associadas às funções comunicativas próprias do seu nível.

B1.6. Reconhecimento de patrões sonoros e acentuais muito básicos de palavras e do ritmo e a entoación de frases.

B1.6. Reconhecer um repertório limitado de léxico oral de alta frequência relativo a situações quotidianas e temas habituais e concretos relacionados com as próprias experiências, necessidades e interesses.

B1.6.1. Reconhece um vocabulário oral básico e suficiente para compreender textos singelos próprios do seu nível educativo.

B1.7. Discriminar patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación básicos de uso comum, e reconhecer os significados e intuitos comunicativos gerais relacionados com eles.

B1.7.1. Identifica patrões fonéticos e de entoación muito básicos e evidentes que ajudam a perceber o sentido geral da mensagem.

Bloco 2: Expressão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B2.1. Estratégias de produção:

– Expressão da mensagem com claridade e coerência básica, estruturándoa apropriadamente e adecuando o texto ao destinatario, ao contexto e ao canal.

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos e sequências de interacção (segundo o tipo de situação de comunicação: chegada e saída do centro docente, conversa telefónica, compra e venda, e outras igualmente quotidianas e básicas) ou sobre elementos linguísticos previamente assimilados.

– Compensação das carências linguísticas mediante procedimentos linguísticos e paralingüísticos.

B2.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias básicas mais ajeitado para produzir textos orais muito breves e singelos, empregando p. e., fórmulas e linguagem “prefabricada” ou expressões memorizadas, ou apoiando com careta o que se quer expressar.

B2.1.1. Emprega estratégias de comunicação básicas para produzir textos orais breves e para participar em conversas, mostrando interesse e compreensão e empregando estratégias de compensação para suplir as carências na língua estrangeira.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B2.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B2.2. Produzir textos monolóxicos muito breves e singelos sobre temas quotidianos ou do seu interesse e sobre aspectos socioculturais básicos dos países nos cales se fala a língua estrangeira e participar de modo simples e compreensível em conversações muito breves que requeiram um intercâmbio directo de informação em áreas de necessidade imediata ou sobre temas muito familiares (um/uma mesmo/a, a contorna imediata, pessoas, lugares, objectos e actividades, gustos e opiniões), num registro neutro ou informal, utilizando expressões e frases singelas e de uso muito frequente, normalmente isoladas ou enlaçadas com conectores básicos, ainda que, em ocasiões a pronúncia não seja muito clara, sejam evidentes as pausas e vacilações e seja necessária a repetição, a paráfrase e a cooperação do interlocutor para manter a comunicação.

B2.2.1. Realiza apresentações e projectos breves e singelos, previamente preparados e ensaiados, de acordo com um guião singelo e com apoio visual (em formato digital ou papel), sobre temas quotidianos ou do seu interesse (apresentar-se e apresentar outras pessoas; dar informação básica sobre sim mesmo/a, a sua família, o seu trabalho, a sua vida académica e o seu contorno; indicar as suas afecções e interesses e as principais actividades do seu dia a dia; descrever brevemente e de modo singelo a sua casa, o seu menú preferido, o aspecto exterior de uma pessoa ou de um objecto; apresentar um tema que lhe interesse, dizer o que gosta e não gosta e dar da sua opinião) ou sobre aspectos socioculturais básicos dos países da língua estrangeira, usando estruturas singelas e básicas.

B2.2.2. Desenvolve-se em acções comunicativas quotidianas básicas (p. e. saudar e dar informação pessoal, comprar ou comer num restaurante, pedir medicinas na farmácia, dizer no hospital o que lhe doe, registar-se num hotel, comprar um bilhete de metro…).

B2.2.3. Participa em entrevistas e em conversações cara a cara ou por meios técnicos (telefone, videoconferencia) nas que se estabelece contacto social (agradecer, saudar, despedir-se, dirigir-se a alguém, pedir desculpas, apresentar-se, interessar-se pelo estado de alguém, felicitar a alguém), intercambiar informação pessoal e sobre assuntos quotidianos, expressam-se sentimentos, oferece-se algo a alguém, pede-se prestado algo, fica-se com amizades ou dão-se instruções.

B2.3. Funções comunicativas. Produção de textos orais onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Cumprimentos e apresentações, desculpas e agradecementos e convites.

– Expressão de informação pessoal e gustos.

– Descrição de pessoas, actividades, lugares, objectos e hábitos.

– Narração de factos presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, de permissão e de ajuda.

–Indicação de instruções.

B2.3. Incorporar à produção do texto oral monolóxico ou dialóxico os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos adquiridos sobre a vida quotidiana (hábitos, horários, actividades, celebrações), as condições de vida (habitação, contorno), as relações interpersoais (familiares, de amizade, académicas), o comportamento (gestos habituais, uso da voz, contacto físico) e as convenções sociais (normas de cortesía, costumes e tradições) dos países onde se fala a língua estrangeira, respeitando as convenções comunicativas mais elementares e identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B2.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países nos que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B2.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B2.4. Levar a cabo as funções demandado pelo propósito comunicativo (p. e. uma felicitação, um intercâmbio de informação ou um oferecimento), empregando um repertório limitado dos seus expoñentes mais comuns e habituais, assim como dos patrões discursivos básicos (p. e. início e encerramento da conversa, ou os pontos de uma narração esquemática).

B2.4.1. Emprega um repertório limitado dos expoñentes mais comuns e habituais próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas demandado, assim como os patrões discursivos básicos mais frequentes para o propósito comunicativo.

B2.5. Léxico oral muito básico de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amizades; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e a comunicação.

B2.5. Mostrar controlo sobre estruturas sintácticas básicas (p. e., enlaçar palavras ou grupos de palavras com conectores básicos como “”e , “então”, “mas” ou “porque”), ainda que se sigam cometendo erros básicos de modo sistemático, p.e., nos tempos verbais ou na concordancia.

B2.5.1. Comunica com eficácia, empregando adequadamente estruturas morfosintácticas básicas e de escassa complexidade para realizar as funções comunicativas próprias do seu nível.

B2.6. Patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación muito básicos.

Uso de patrões muito básicos de ritmo, entoación e acentuação de palavras e frases.

Pronúncia e entoación aceitáveis, com clara influência da língua materna, que ainda contendo erros e imprecisões, não impeça a comunicação ou a compreensão, em interacções orais, dramatizacións e leitura em voz alta.

B2.6. Conhecer e utilizar um repertório limitado de léxico oral de alta frequência relativo a situações quotidianas e temas habituais e concretos relacionados com os próprios interesses, experiências e necessidades.

B2.6.1. Emprega um vocabulário oral básico e suficiente para produzir textos singelos próprios do seu nível educativo.

B2.7. Articular, de modo compreensível mas com evidente influência da primeira ou outras línguas, um repertório muito limitado de patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación básicos, adaptando à função comunicativa que se quer levar a cabo.

B2.7.1. Expressa-se com verdadeira claridade, ainda que com clara influência da língua materna, usando uma entoación e pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e vacilações frequentes.

Bloco 3: Compreensão escrita

b

c

e

f

g

i

n

B3.1. Estratégias de compreensão:

– Mobilização da informação prévia sobre o tipo de tarefa e o tema a partir da informação superficial: imagens, organização na página, títulos de cabeceira etc.

– Identificação do tipo de leitura demandado pela tarefa (em superfície ou oceánica, selectiva, intensiva ou extensiva).

– Identificação do tipo textual básico (narrativo, descritivo ou explicativo), adaptando a compreensão a ele.

B3.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias básicas mais adequadas (identificação do tema de um texto com a ajuda de elementos textuais e não textuais, uso dos conhecimentos prévios sobre o tema, inferencia de significados pelo contexto e pelo apoio visual, por comparação de palavras ou frases similares nas línguas que já conhecem etc.), para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e as ideias principais, ou os detalhes relevantes do texto.

B3.1.1. Aplica estratégias de leitura comprensiva, reconhecendo os traços básicos e o conteúdo global do texto, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

– Distinção de tipos de compreensão necessários para a realização da tarefa (sentido geral, informação essencial e pontos principais).

– Formulação de hipóteses sobre o conteúdo e o contexto.

– Uso de técnicas como sublinhar ou tomar notas para alcançar uma melhor compreensão do contido e da estrutura do texto.

– Uso progressivo de dicionários (em papel e digitais) e das tecnologias da informação e da comunicação como médio de consulta e aprendizagem.

B3.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Reconhecimento de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B3.2. Identificar o tema, o sentido geral, as ideias principais e informação específica em textos, tanto em formato impresso como em suporte digital, muito breves e singelos, em língua standard e com um léxico de alta frequência, e em que o tema tratado e o tipo de texto resultem muito familiares, quotidianos ou de necessidade imediata ou que versem sobre aspectos socioculturais básicos dos países nos que se fala a língua estrangeira, com a condição de que se possa reler o que não se percebeu, se possa consultar um dicionário e se conte com apoio visual e contextual.

B3.2.1. Compreende instruções, indicações e informação básica em notas e cartazes em ruas, lojas, meios de transporte, cines, museus, centros educativos e outros lugares públicos.

B3.2.2. Capta a informação essencial e localiza informação específica em material noticiário singelo e breve como menús, horários, catálogos, listagens de preços, anúncios, publicidade, folhetos turísticos, programas culturais ou de eventos, apresentações escritas ou projectos etc.

B3.2.3. Compreende correspondência (mensagens, correios electrónicos, postais e cartões) breve e singela que trate sobre temas familiares como, p. e., um mesmo, a família, o centro educativo, o trabalho, o tempo livre, a descrição de um objecto ou um lugar, a indicação da hora e o lugar de uma cita etc.

B3.2.4. Percebe o essencial e os pontos principais de notícias e artigos breves em jornais e revistas, em páginas web e noutros materiais de referência previamente seleccionados, que tratem temas adequados ao seu nível, que lhe sejam familiares ou sejam do seu interesse e nos cales os números, os nomes, as ilustrações e os títulos compõem grande parte da mensagem.

B3.2.5. Compreende o essencial de histórias breves, singelas, bem estruturadas e adequadas ao seu nível e identifica as personagens principais, com a condição de que a imagem e a acção conduzam grande parte do argumento (cómics, relatos breves ou leituras adaptadas).

B3.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Cumprimentos e apresentações, desculpas e agradecementos, convites.

– Expressão de informação pessoal e gustos.

-Descrição de pessoas, actividades, lugares, objectos e hábitos.

– Narração de factos presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, de permissão e de ajuda.

– Indicação de instruções.

B3.3. Incorporar à compreensão do texto os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos, concretos e significativos adquiridos sobre a vida quotidiana (hábitos, horários, actividades, celebrações), as condições de vida (habitação, contorno), as relações interpersoais (familiares, de amizade, académicas) e as convenções sociais (normas de cortesía, costumes e tradições) dos países onde se fala a língua estrangeira, identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B3.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países nos cales se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B3.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B3.4. Distinguir a função ou funções comunicativas principais do texto (p. e. uma felicitação, uma demanda de informação, ou um oferecimento) e um repertório limitado dos seus expoñentes mais comuns e habituais, assim como dos patrões discursivos básicos (p. e. início e encerramento de uma carta, ou os pontos de uma descrição esquemática).

B3.4.1. Identifica um repertório limitado dos expoñentes mais comuns próprios do seu nível e dos patrões discursivos básicos para perceber as funções comunicativas das mensagens escritas em qualquer formato.

B3.5. Léxico escrito muito básico de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B3.5. Aplicar à compreensão do texto o conhecimento dos constituíntes e as estruturas sintácticas básicas próprias da comunicação escrita, assim como os seus significados associados (p. e. estrutura interrogativa para demandar informação).

B3.5.1. Reconhece e compreende as estruturas morfosintácticas básicas em orações singelas de situações habituais e de conteúdo predicible associadas às funções comunicativas próprias do seu nível.

B3.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico básicas:

– Observação e análise progressiva da ortografía e a pontuação, assim como do cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B3.6. Reconhecer um repertório limitado de léxico escrito de alta frequência relativo a situações quotidianas e temas habituais e concretos relacionados com as próprias experiências, necessidades e interesses.

B3.6.1. Reconhece um vocabulário escrito básico e suficiente para compreender textos singelos próprios do seu nível educativo.

B3.7. Reconhecer os signos ortográfico básicos (p.e., ponto, coma), assim como os símbolos de uso comum (p.e., €, @, &, ₤), e identificar os significados e intuitos comunicativos gerais relacionados com eles.

B3.7.1. Reconhece algumas das características e convenções próprias da linguagem escrita, discrimina o uso e significado da ortografía e a pontuação e distingue o significado e a utilidade dos símbolos de uso comum.

Bloco 4: Expressão escrita

a

b

c

e

f

g

i

n

B4.1. Estratégias de produção.

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos de texto e elementos linguísticos previamente assimilados.

– Uso ajeitado de recursos linguísticos ou temáticos (uso de um dicionário ou gramática, obtenção de ajuda etc.).

– Expressão da mensagem com claridade ajustando aos modelos e fórmulas de cada tipo de texto, mediante a elaboração prévia de um rascunho para uma correcta estruturación do contido do texto em parágrafos, uma posterior revisão, na qual se identificarão erros e problemas e uma reescritura definitiva, em que se cuidará a apresentação do texto.

B4.1. Conhecer e aplicar as estratégias básicas adequadas para elaborar textos escritos breves e de estrutura simples (por exemplo, copiando formatos, fórmulas e modelos convencionais próprios de cada tipo de texto, identificando as ideias pertinente e necessárias, pondo uma ideia principal em cada parágrafo etc.).

B4.1.1. Desenvolve estratégias estruturadas de composição, seguindo modelos próprios de cada tipo de texto, elaborando um rascunho prévio, empregando dicionários impressos ou em linha e correctores ortográfico e realizando uma revisão final.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B4.1.2. Completa um breve formulario ou uma ficha com os seus dados pessoais (por exemplo, para matricular-se num curso, registar nas redes sociais, para abrir uma conta de correio electrónico etc.).

B4.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal (símbolos, iconas...) elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B4.2. Elaborar, em papel ou em suporte electrónico, textos muito curtos e singelos, compostos de frases simples isoladas, num registro neutro ou informal, para falar de sim mesmo, da sua contorna mais imediata, de aspectos da sua vida quotidiana, em situações familiares e predicibles, ou para falar sobre aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira.

B4.2.1. Escreve correspondência pessoal breve, simples e com um guião singelo (mensagens, notas, postais, correios, chats ou SMS), na que agradece, dá-lhe os parabéns a alguém, faz um convite, dá instruções ou fala de sim mesmo e da seu contorna imediata (família, amigos, afecções, actividades quotidianas, objectos, lugares) e formula perguntas relativas a estes temas.

B4.2.2. Elabora apresentações e projectos breves e singelos (em formato digital ou papel), sobre temas quotidianos ou do seu interesse (apresentar-se e apresentar outras pessoas; dar informação básica sobre sim mesmo/a, a sua família, o seu trabalho, a sua vida académica e o seu contorno; indicar as suas afecções e interesses e as principais actividades do seu dia a dia; descrever brevemente e de modo singelo a sua casa, o seu menú preferido, o aspecto exterior de uma pessoa, ou de um objecto; apresentar um tema que lhe interesse, dizer o que gosta e não gosta e manifestar da sua opinião) ou sobre aspectos socioculturais básicos dos países da língua estrangeira, usando estruturas singelas e básicas.

B4.3. Funções comunicativas. Produção de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Cumprimentos e apresentações, desculpas e agradecementos, convites.

– Expressão de informação pessoal e gustos.

– Descrição de pessoas, actividades, lugares, objectos e hábitos.

– Narração de factos presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, de permissão e de ajuda.

– Indicação de instruções.

B4.3. Incorporar à produção do texto escrito os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos dos países onde se fala a língua estrangeira adquiridos (p.e., as convenções sobre o início e o encerramento de uma carta dirigida a pessoas conhecidas), identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B4.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B4.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B4.4. Levar a cabo as funções demandado pelo propósito comunicativo (p.e., uma felicitação, um intercâmbio de informação ou um oferecimento), empregando um repertório limitado dos seus expoñentes mais comuns e habituais, assim como dos patrões discursivos básicos (p.e., início e encerramento de uma carta ou os pontos de uma descrição esquemática).

B4.4.1. Emprega um repertório limitado dos expoñentes mais comuns e habituais próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas demandado, assim como os patrões discursivos básicos mais frequentes para o propósito comunicativo.

B4.5. Léxico escrito muito básico de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B4.5. Mostrar controlo sobre estruturas sintácticas básicas (p. e., enlaçar palavras ou grupos de palavras com conectores básicos como “”e , “então”, “mas” ou “porque”), ainda que se sigam cometendo erros básicos de modo sistemático, p.e., nos tempos verbais ou na concordancia.

B4.5.1. Elabora textos breves e singelos, empregando adequadamente as estruturas morfosintácticas básicas para realizar as funções comunicativas próprias do seu nível.

B4.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico básicas:

– Correcção progressiva na ortografía e na pontuação e cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B4.6. Conhecer e utilizar um repertório limitado de léxico escrito de alta frequência relativo a situações quotidianas e temas habituais e concretos relacionados com os próprios interesses, experiências e necessidades.

B4.6.1. Emprega um vocabulário escrito básico e suficiente para produzir textos singelos próprios do seu nível educativo.

B4.7. Aplicar patrões gráficos e convenções ortográfico básicas para escrever com razoável correcção palavras ou frases curtas que se empregam regularmente ao falar, mas não necessariamente com uma ortografía totalmente normalizada.

B4.7.1. Mostra interesse pela boa apresentação dos textos escritos e aplica, de modo elementar e com possibilidade de erros que não impeça a compreensão, os signos de pontuação básicos, as regras ortográfico básicas, assim como as convenções ortográfico mais habituais na redacção de textos em suporte electrónico.

* Estruturas sintáctico-discursiva no idioma inglês

– Expressão de relações lógicas: conjunção (and); disxunción (or); oposição (but); causa (because).

– Relações temporárias (when; before; after).

– Afirmação (affirmative sentences; Yes (+ tag)).

– Negação (negative sentences with not, never, no (Adj.); No (+ negative tag).

– Interrogación (Wh- questions; Aux. questions).

– Expressão do tempo: presente (simples present).

– Expressão do aspecto: pontual (simples tenses); habitual (simples tenses (+ Adv., e. g. always, everyday).

– Expressão da modalidade: factualidade (declarative sentences); permissão (cão); obriga (imperative).

– Expressão da existência: (there is/are); a entidade (nouns and pronouns, articles, demonstratives); a qualidade ((very +) Adj.).

– Expressão de posse: (have got, possessive adjectives, possessive ‘s).

– Expressão da quantidade: (singular/plural; cardinal numerals up to four digits; ordinal numerals up to two digits).

– Expressão do espaço: (prepositions and adverbs of location, position, distance, motion, direction, origin and arrangement).

– Expressão do tempo: (points (e. g. quarter past five); divisions (e. g. half an hour, summer), and indications (e. g. now, tomorrow morning) of time; anteriority (before); posteriority (after); sequence (first…then); simultaneousness (at the same time); frequency (e. g. sometimes, on Sundays)).

– Expressão do modo: (Adv. of manner, e. g. slowly, well).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma francês

– Expressão de relações lógicas: conjunção (et); disxunción (ou); oposição (mas); causa (parce que).

– Relações temporárias (quand).

– Afirmação (phrases affirmatives; oui (+ question de reprise).

– Negação (phrases négatives avec ne… pás, jamais).

– Interrogación (interrogation partielle; phrase auxiliaire).

– Expressão do tempo: présent.

– Expressão do aspecto: pontual (temps simples); habitual (temps simples (+ Adv., p. ex. toujours, tous lês jours).

– Expressão da modalidade: factualidade (phrases déclaratives); capacidade (pouvoir); obrigação impératif: permissão (est-ce qu'on peut…?)

– Expressão da existência: (c'est/ce sont, il y a); a entidade (noms et pronoms, articles, démonstratifs); a qualidade ((très+) Adj.).

– Expressão da posse: (avoir, c'est à /ce sont à, possessifs).

– Expressão da quantidade: (singulier/pluriel; nombres cardinaux jusqu´à 1000; nombres ordinaux jusqu'à deux chiffres).

– Expressão do espaço: (prépositions et adverbes de lieu, position, distance, mouvement, direction, provenance, destination).

– Expressão do tempo: l'heure (p. ex. Cinq heures et quart); divisions (p. ex. Une demi-heure, été), et indications de temps (p. ex. maintenant, demain (lê matin); antériorité (avant); postériorité (après); simultanéité (au même temps); fréquence (p. ex. parfois, lê Dimanche).

– Expressão do modo: (Adv. de manière, p. ex. lentement, bien).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma português

– Expressão de relações lógicas: conjunção (e); disxunción (ou); oposição (me as); causa (porque).

– Relações temporárias (quando; antes; depois).

– Afirmação (frases afirmativas; Sim + frase).

– Negação (frases negativas; com não, nunca (Adjetivo); Não (+ frase negativa)).

– Interrogación (quem; (o) que; qual; onde; de quem; quanto; como; porquê; Pergunta auxiliar).

– Expressão do tempo: presente (presente).

– Expressão do aspecto: pontual (presente); habitual (presente (+ Advérbio., p. ex.: sempre, geralmente).

– Expressão da modalidade: factualidade (frases declarativas); capacidade (posso; pode; é capaz de); obriga (imperativo); permissão (posso; pode).

– Expressão da existência: (ter/haver); a entidade (substantivo; pronomes; artigos; demonstrativos); a qualidade ((muito +) Adj.).

– Expressão da posse: (ter).

– Expressão da quantidade: (singular/plural; cardinais até quatro dígitos; ordinal até quatro dígitos).

– Expressão do espaço: (preposições e locuções prepositivas de lugar, distância, movimento, direção e origem).

– Expressão do tempo: (horas (p. ex. menos dez um quarto), divisões (p. ex.: meia hora; verão) e indicações (p. ex. agora; amanhã) de tempo; duração (p. e. durante dois dias); anterioridade (antes); posterioridade (depois); sequência (primeiro… em seguida); simultaneidade (ao mesmo tempo); frequência (p. e. às vezes; aos domingos)).

– Expressão do modo: (Adv. de maneira, p. ex. lentamente, bem).

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 2

LÍNGUA ESTRANGEIRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Compreensão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B1.1. Estratégias de compreensão.

– Identificação do tipo textual, adaptando a sua compreensão a este.

– Uso do contexto verbal e não verbal e dos conhecimentos prévios sobre a situação que dão lugar a inferencias de significado baseadas no contexto.

– Uso dos conhecimentos referenciais sobre o tema.

Identificação de palavras chave.

– Adaptação da escuta à sua finalidade (global e/ou específica).

– Identificação dos recursos linguísticos ou temáticos adquiridos.

– Inferencia do significado provável das palavras ou das frases que desconhece.

– Perseverança no sucesso da compreensão oral, voltando escutar o texto gravado ou solicitando repetição ou reformulações do dito.

B1.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias básicas mais ajeitado para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e as ideias principais ou os detalhes relevantes do texto: anticipação do contido geral do que se escuta com a ajuda de elementos verbais e não verbais e uso dos conhecimentos prévios sobre a situação (quem fala a quem, com que intuitos, onde e quando) que dão lugar a inferencias do significado baseadas no contexto.

B1.1.1. Aplica as estratégias de escuta activa para a compreensão (global ou específica) das mensagens recebidas, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B1.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Reconhecimento de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B1.2. Identificar o sentido geral, a informação essencial, os pontos principais e os detalhes mais relevantes em textos orais muito breves e singelos, transmitidos de viva voz ou por meios técnicos e articulados a velocidade lenta, num registro informal e standard, e que versem sobre assuntos habituais e concretos relacionados com as próprias experiências, necessidades e interesses em contextos quotidianos predicibles ou relativos a áreas de necessidade imediata nos âmbitos pessoal, público e educativo e sobre aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, sempre que as condições acústicas sejam boas e não dificultem a mensagem, se possa voltar escutar o dito ou pedir confirmação e se conte com apoio visual ou com uma clara referência contextual.

B1.2.1. Capta os pontos principais e detalhes relevantes de indicações, anúncios, mensagens e comunicados breves e articulados de modo lento e claro (p.e., mudança de porta de embarque num aeroporto, informação sobre actividades num hotel…), sempre que as condições acústicas sejam boas e o som não esteja distorsionado.

B1.2.2. Percebe o essencial do que se lhe diz em transacções e gestões quotidianas singelas e estruturadas (p.e., em hotéis, lojas, restaurantes, farmácias e consulta do doutor, estações e aeroportos, centros de lazer, de estudos ou trabalho).

B1.2.3. Compreende, numa conversação informal, descrições e narrações sobre assuntos práticos da vida diária, quando se lhe fala com claridade, amodo e directamente e se o interlocutor está disposto a repetir ou reformular o dito.

B1.2.4. Compreende as ideias principais de apresentações e projectos (em formato papel ou digital) singelos e bem estruturados sobre temas familiares ou do seu interesse (p.e., lazer, família, fogar, desporto, etc.) e sobre aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala com a língua estrangeira, com a condição de que contem com imagens e ilustrações e se fale de modo lento e claro.

B1.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos orais onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações e opiniões.

– Expressão da vontade, da ordem, do conhecimento e a certeza, da autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e a organização do discurso.

B1.3. Incorporar à compreensão do texto os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos, concretos e significativos adquiridos sobre a vida quotidiana (hábitos, horários, actividades, celebrações), as condições de vida (habitação, contorno), as relações interpersoais (familiares, de amizade, académicas), o comportamento (gestos habituais, uso da voz, contacto físico) e as convenções sociais (normas de cortesía, costumes e tradições) dos países onde se fala a língua estrangeira, identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B1.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B1.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B1.4. Distinguir a função ou funções comunicativas principais do texto (p. e., uma demanda de informação ou uma ordem) e um repertório limitado dos seus expoñentes mais comuns e habituais, assim como dos patrões discursivos básicos (p. e., início e encerramento da conversa, ou os pontos de uma narração esquemática).

B1.4.1. Identifica um repertório limitado dos expoñentes mais comuns próprios do seu nível e dos patrões discursivos básicos para perceber as funções comunicativas das mensagens orais directas ou recebidas mediante formato electrónico.

B1.5. Léxico oral muito básico de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B1.5. Reconhecer os significados mais comuns associados às estruturas sintácticas básicas próprias da comunicação oral.

B1.5.1. Reconhece e compreende as estruturas morfosintácticas básicas em orações singelas de situações habituais e de conteúdo predicible associadas às funções comunicativas próprias do seu nível.

B1.6. Reconhecimento de patrões sonoros e acentuais muito básicos de palavras e do ritmo e a entoación de frases.

B1.6. Reconhecer um repertório limitado de léxico oral de alta frequência relativo a assuntos quotidianos e temas habituais e concretos relacionados com os próprios interesses, experiências, estudos e ocupações.

B1.6.1. Reconhece um vocabulário oral básico e suficiente para compreender textos singelos próprios do seu nível educativo.

B1.7. Discriminar patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación básicos de uso comum, e reconhecer os significados e intuitos comunicativos gerais relacionados com estes.

B1.7.1. Identifica patrões fonéticos e de entoación muito básicos e evidentes que ajudam a perceber o sentido geral da mensagem.

Bloco 2: Expressão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B2.1. Estratégias de produção:

– Expressão da mensagem com claridade e coerência básica, estruturándoa apropriadamente e adecuando o texto ao destinatario, ao contexto e ao canal.

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos e sequências de interacção e elementos linguísticos previamente assimilados.

– Compensação das carências linguísticas mediante procedimentos linguísticos e paralingüísticos.

B2.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias mais ajeitadas para produzir monólogos ou diálogos breves e de estrutura simples e clara, empregando, entre outros, fórmulas ou gestos simples para tomar ou ceder o turno de palavra, procedimentos como a adaptação da mensagem a patrões da primeira língua, ou o uso de elementos léxicos aproximados se não se dispõe de outros mais precisos.

B2.1.1. Emprega estratégias de comunicação básicas para produzir textos orais breves e para participar em conversas, mostrando interesse e compreensão e empregando estratégias de compensação para suplir as carências na língua estrangeira.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B2.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B2.2. Produzir textos monolóxicos breves e compreensível sobre temas quotidianos ou do seu interesse e sobre aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira e relacionar-se de modo singelo em intercâmbios claramente estruturados, tanto em conversações cara a cara como por telefone ou outros meios técnicos, num registro neutro ou informal, com uma linguagem singela, em que se dá, se solicita e se intercambiar informação sobre temas de importância na vida quotidiana e assuntos conhecidos ou de interesse pessoal, e se justificam brevemente os motivos de determinadas acções e planos, ainda que às vezes haja interrupções ou vacilações, resultem evidentes as pausas e a reformulação para organizar o discurso e seleccionar expressões e estruturas, e o interlocutor tenha que solicitar às vezes que se lhe repita a mensagem.

B2.2.1. Realiza apresentações e projectos breves e singelos, previamente preparados e ensaiados, de acordo com um guião singelo e com apoio visual (em formato digital ou papel), sobre temas quotidianos e do seu interesse ou sobre aspectos socioculturais básicos dos países da língua estrangeira, usando estruturas singelas e básicas.

B2.2.2. Desenvolve-se com expressões básicas em gestões e transacções quotidianas singelas, como são as viagens, o alojamento, o transporte, as compras, a saúde e o lazer, seguindo normas de cortesía básicas (saúdo e tratamento).

B2.2.3. Participa em conversações informais cara a cara, por telefone ou outros meios técnicos, em que estabelece contacto social, intercambiar informação, faz convites e oferecimentos, pede e oferece coisas, pede e dá indicações ou instruções.

B2.3. Funções comunicativas. Produção de textos orais onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações e opiniões.

– Expressão da vontade, da ordem, do conhecimento e a certeza, da autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e a organização do discurso.

B2.3. Incorporar à produção do texto oral monolóxico ou dialóxico os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos, concretos e significativos adquiridos sobre a vida quotidiana (hábitos, horários, actividades, celebrações), as condições de vida (habitação, contorno), as relações interpersoais (familiares, de amizade, académicas), o comportamento (gestos habituais, uso da voz, contacto físico) e as convenções sociais (normas de cortesía, costumes e tradições) dos países onde se fala a língua estrangeira, respeitando as convenções comunicativas mais elementares e identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B2.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B2.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B2.4. Levar a cabo as funções demandado pelo propósito comunicativo, empregando um repertório limitado dos seus expoñentes mais comuns e dos patrões discursivos de uso mais frequente para organizar o texto de modo singelo.

B2.4.1. Emprega um repertório limitado dos expoñentes mais comuns e habituais próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas demandado, assim como os patrões discursivos mais frequentes para o propósito comunicativo.

B2.5. Léxico oral muito básico de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amizades; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B2.5. Mostrar controlo sobre um repertório limitado de estruturas sintácticas básicas de uso habitual, ainda que se sigam cometendo erros básicos de modo sistemático, p.e., nos tempos verbais ou na concordancia.

B2.5.1. Comunica com eficácia, empregando adequadamente estruturas morfosintácticas básicas e de escassa complexidade para realizar as funções comunicativas próprias do seu nível.

B2.6. Patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación muito básicos:

– Uso de patrões muito básicos de ritmo, entoación e acentuação de palavras e frases.

– Pronúncia e entoación aceitáveis que, ainda contendo erros e imprecisões, não impeça a comunicação ou a compreensão, em interacções orais, dramatizacións e leitura em voz alta.

B2.6. Conhecer e utilizar um repertório limitado de léxico oral suficiente para comunicar informação em situações quotidianas e habituais.

B2.6.1. Emprega um vocabulário oral básico e suficiente para produzir textos singelos próprios do seu nível educativo.

B2.7. Pronunciar e entoar de modo intelixible, mas com evidente influência da primeira língua, ainda que se cometam erros de pronúncia sempre que não interrompam a comunicação, e os interlocutores tenham que solicitar repetições de vez em quando.

B2.7.1. Expressa-se com verdadeira claridade, ainda que com clara influência da língua materna, usando uma entoación e pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e vacilações frequentes.

Bloco 3: Compreensão escrita

a

b

c

e

f

g

i

n

B3.1. Estratégias de compreensão:

– Mobilização da informação prévia sobre o tipo de tarefa e o tema, a partir da informação superficial: imagens, organização na página, títulos de cabeceira, etc.

– Identificação do tipo de leitura demandado pela tarefa (em superfície ou oceánica, selectiva, intensiva ou extensiva).

– Identificação do tipo textual básico (narrativo, descritivo ou explicativo), adaptando a compreensão a ele.

– Distinção de tipos de compreensão necessários para a realização da tarefa (sentido geral, informação essencial e pontos principais).

– Formulação de hipóteses sobre o conteúdo e o contexto.

– Uso de técnicas como sublinhar ou tomar notas para alcançar uma melhor compreensão do contido e da estrutura do texto.

– Uso progressivo de dicionários (em papel e digitais) e das tecnologias da informação e da comunicação como médio de consulta e aprendizagem.

B3.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias mais adequadas (identificação do tema de um texto com a ajuda de elementos textuais e não textuais, uso dos conhecimentos prévios sobre o tema, inferencia de significados pelo contexto e pelo apoio visual, por comparação de palavras ou frases similares nas línguas que já conhecem etc.), para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e as ideias principais, ou os detalhes relevantes do texto.

B3.1.1. Aplica estratégias de leitura comprensiva, reconhecendo os traços básicos e o conteúdo global do texto, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B3.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Reconhecimento e uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B3.2. Identificar o tema, o sentido geral, as ideias principais e informação específica em textos, tanto em formato impresso como em suporte digital, breves e bem estruturados, escritos em língua standard ou num registro informal, que tratem de assuntos quotidianos ou do seu interesse e de aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, e que contenham estruturas singelas e um léxico de uso comum.

B3.2.1. Capta a informação essencial e localiza informação específica em material noticiário singelo e breve como notas e cartazes em lugares públicos, menús, horários, catálogos, listagens de preços, anúncios, publicidade, folhetos turísticos, programas culturais ou de eventos, apresentações escritas ou projectos etc.

B3.2.2. Compreende correspondência pessoal breve e singela, em qualquer formato, em que se fala de um mesmo; se descrevem pessoas, objectos e lugares; se narram acontecimentos presentes, e se expressam sentimentos e desejos sobre temas gerais, conhecidos ou do seu interesse.

B3.2.3. Percebe o essencial e os pontos principais de notícias e artigos breves em jornais e revistas, em páginas web e noutros materiais de referência previamente seleccionados, que tratem temas adequados ao seu nível, que lhe sejam familiares ou sejam do seu interesse e nos cales os números, os nomes, as ilustrações e os títulos compõem grande parte da mensagem.

B3.2.4. Compreende o essencial de histórias breves, singelas, bem estruturadas e adequadas ao seu nível e identifica as personagens principais, com a condição de que a imagem e a acção conduzam grande parte do argumento (cómics, relatos breves ou leituras adaptadas).

B3.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações e opiniões.

– Expressão da vontade, da ordem, do conhecimento e a certeza, da autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e a organização do discurso.

B3.3. Incorporar à compreensão do texto os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos, concretos e significativos adquiridos sobre a vida quotidiana (hábitos, horários, actividades, celebrações), as condições de vida (habitação, contorna), as relações interpersoais (familiares, de amizade, académicas) e as convenções sociais (normas de cortesía, costumes e tradições) dos países onde se fala a língua estrangeira, identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B3.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B3.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B3.4. Distinguir a função ou funções comunicativas mais relevantes do texto e um repertório dos seus expoñentes mais comuns, assim como dos patrões discursivos de uso frequente relativos à organização textual (introdução do tema, desenvolvimento e mudança temático, e encerramento do texto).

B3.4.1. Identifica um repertório limitado dos expoñentes mais comuns próprios do seu nível e dos patrões discursivos básicos para perceber as funções comunicativas das mensagens escritas em qualquer formato.

B3.5. Léxico escrito muito básico de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B3.5. Aplicar à compreensão do texto o conhecimento dos constituíntes e as estruturas sintácticas básicas próprias da comunicação escrita, assim como os seus significados associados.

B3.5.1. Reconhece e compreende as estruturas morfosintácticas básicas associadas às funções comunicativas próprias do seu nível.

B3.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico básicas:

– Observação e análise progressiva da ortografía e a pontuação, assim como do cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B3.6. Reconhecer um repertório limitado de léxico escrito de uso comum relativo a assuntos quotidianos e temas habituais e concretos relacionados com os próprios interesses, experiências, estudos e ocupações.

B3.6.1. Reconhece um vocabulário escrito básico e suficiente para compreender textos singelos próprios do seu nível educativo.

B3.7. Reconhecer as principais convenções ortográfico, tipográficas e de pontuação, assim como abreviaturas e símbolos de uso comum (p. e., &, €, @, ₤), e os seus significados associados.

B3.7.1. Reconhece algumas das características e convenções próprias da linguagem escrita, discrimina o uso e significado da ortografía e a pontuação e distingue o significado e a utilidade dos símbolos de uso comum.

Bloco 4: Expressão escrita

a

b

c

e

f

g

i

n

B4.1. Estratégias de produção.

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos de texto e elementos linguísticos previamente assimilados.

– Uso ajeitado de recursos linguísticos ou temáticos (uso de um dicionário ou gramática, obtenção de ajuda, etc.).

– Expressão da mensagem com claridade ajustando aos modelos e fórmulas de cada tipo de texto, mediante a elaboração prévia de um rascunho para uma correcta estruturación do contido do texto em parágrafos, uma posterior revisão, em que se identificarão erros e problemas e uma reescritura definitiva, na que se cuidará a apresentação do texto.

B4.1. Conhecer e aplicar as estratégias básicas adequadas para elaborar textos escritos breves e de estrutura simples (por exemplo, copiando formatos, fórmulas e modelos convencionais próprios de cada tipo de texto, identificando as ideias pertinente e necessárias, pondo uma ideia principal em cada parágrafo etc.).

B4.1.1. Desenvolve estratégias estruturadas de composição, seguindo modelos próprios de cada tipo de texto, elaborando um rascunho prévio, empregando dicionários impressos ou enliña e correctores ortográfico, e realizando uma revisão final.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B4.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal (símbolos, iconas) elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B4.2. Elaborar, em papel ou em suporte electrónico, textos breves, singelos e de estrutura clara sobre temas quotidianos ou de interesse pessoal e sobre aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, num registro informal e standard.

B4.2.1. Completa um cuestionario singelo com informação pessoal e relativa à sua formação, ocupação, interesses ou afecções (p. e. para inscrever-se num ximnasio, matricular-se num obradoiro ou curso).

B4.2.2. Escreve notas e mensagens (SMS, WhatsApp, chats), nos cales se fã breves comentários ou se dão instruções e indicações relacionadas com actividades e situações da vida quotidiana e do seu interesse.

B4.2.3. Escreve notas, anúncios e mensagens breves (p.e., em Twitter ou Facebook) relacionados com actividades e situações da vida quotidiana, do seu interesse pessoal, respeitando as convenções e normas de cortesía e da netiqueta.

B4.2.4. Elabora textos e apresentações ou projectos breves e singelos (em formato digital ou papel), sobre temas quotidianos ou do seu interesse ou sobre aspectos socioculturais básicos dos países da língua estrangeira, usando estruturas singelas e básicas.

B4.2.5. Escreve correspondência pessoal na qual se estabelece e mantém o contacto social (p. e., com amizades e colegas de trabalho noutros países), se intercambiar informação, se fala de temas quotidianos ou do seu interesse ou se dão instruções e indicações.

B4.3. Funções comunicativas. Produção de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações e opiniões.

– Expressão da vontade, da ordem, do conhecimento e a certeza, da autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e a organização do discurso.

B4.3. Incorporar à produção do texto escrito os conhecimentos socioculturais e sociolinguístico básicos dos países onde se fala a língua estrangeira adquiridos (p. e., as convenções sobre o início e o encerramento de uma carta a pessoas conhecidas), identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos supracitados países e da própria cultura.

B4.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B4.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B4.4. Levar a cabo as funções demandado pelo propósito comunicativo, empregando um repertório limitado dos seus expoñentes e dos patrões discursivos de uso mais frequente para organizar o texto de modo singelo.

B4.4.1. Emprega um repertório limitado dos expoñentes mais comuns e habituais próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas demandado, assim como os patrões discursivos básicos mais frequentes para o propósito comunicativo.

B4.5. Léxico escrito muito básico de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B4.5. Mostrar controlo sobre um repertório limitado de estruturas sintácticas de uso habitual.

B4.5.1. Elabora textos breves e singelos, empregando adequadamente as estruturas morfosintácticas básicas para realizar as funções comunicativas próprias do seu nível.

B4.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico básicas:

– Correcção progressiva na ortografía e na pontuação, e cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B4.6. Conhecer e utilizar um repertório limitado de léxico oral suficiente para comunicar informação em situações quotidianas e habituais.

B4.6.1. Emprega um vocabulário escrito básico e suficiente para produzir textos singelos próprios do seu nível educativo.

4.7. Aplicar patrões gráficos e convenções ortográfico básicas para escrever com razoável correcção palavras ou frases curtas que se empregam regularmente ao falar mas não necessariamente com uma ortografía totalmente normalizada.

4.7.1. Mostra interesse pela boa apresentação dos textos escritos e aplica, de modo elementar e com possibilidade de erros que não impeça a compreensão, os signos de pontuação básicos, as regras ortográfico básicas, assim como as convenções ortográfico mais habituais na redacção de textos em suporte electrónico.

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma inglês

– Expressão de relações lógicas: conjunção (and); disxunción (or); oposição (but); causa (because); comparação (as/not sob Adj. as; more comfortable/quickly (than); resultado (sob…).

– Afirmação (affirmative sentences; tags).

– Exclamação (What + Art + Adj. + Noun), e. g. What a wonderful holiday!; (How + Adj.), e. g. How interesting!).

– Negação (Negative sentences with not, never, no (Adj.), nobody, nothing; negative tags).

– Interrogación (Wh- questions).

– Expressão do tempo: presente (simples and continuous).

– Expressão do aspecto: pontual (simples tenses); habitual (simples tenses (+ Adv., e. g. usually).

– Expressão da modalidade: factualidade (declarative sentences); capacidade/possibilidade/permissão (cão); obriga (imperative); intuito (present continuous); oferecimentos e convites (would).

– Expressão da quantidade: (singular/plural; cardinal and ordinal numerals. Quantity: e. g. all (the), some, any).

– Expressão do espaço: (prepositions and adverbs of location, position, distance, motion, direction, origin and arrangement).

– Expressão do tempo: (points (e. g. five to (tem)); divisions (e. g. century; season), and indications (early; late) of time; duration (from…to; during; until); posteriority (afterwards; later); sequence (first, next, last); frequency (e. g. often, usually)).

– Expressão do modo: (Adv. and phrases of manner, e. g. easily; by post).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma francês

– Expressão de relações lógicas: conjunção (et); disxunción (ou); oposição (mas); causa (parce que), comparação (plus/moins/aussi…que), résultat (donc…).

– Afirmação (phrases affirmatives; questions de reprise).

– Exclamação (Que/quelle/quel + Adj. + nom, p. ex. Quelle jolie fleur!; Comme + Adj., p. ex. Comme c'est intéressant!)

– Negação (phrases négatives avec ne…pás, jamais, não (Adj.), personne, rien, question de reprise négative).

– Interrogación (interrogation partielle).

– Expressão do tempo: presente (présent simples et présent continu (em train de faire)).

– Expressão do aspecto: pontual (temps simples); habitual (temps simples (+ Adv., p. ex. d'habitude)).

– Expressão da modalidade: factualidade (phrases déclaratives); capacidade/permissão/possibilidade (pouvoir); obriga (devoir; impératif); intuito (aller faire quelque chose).

– Expressão da quantidade: (singulier/pluriel; nombres cardinaux et ordinaux. Quantité: p. ex.: tous (lês), personne, partitifs).

– Expressão do espaço: (prépositions et adverbes de lieu, position, distance, mouvement, direction, provenance, destination).

– Expressão do tempo: (l'heure (p. ex. Cinq heures moins dix); divisions (p. ex. siècle, saison), et indications de temps (p. ex. il y a, tôt, em avanço; tard); de duration (p. ex. de à;…postériorité (après; plus tard); dernier(ère); fréquence (p. ex. souvent, d'habitude)).

– Expressão do modo: (Adv. et phrases de manière, p. ex. facilement; par la pões-te).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma português

– Expressão de relações lógicas: conjunção (e); disxunción (ou); oposição (me as); causa (porque) (comparação (tão + Adj. quanto, mas... (que); o mas rápido)); resultado (para que).

– Afirmação (frases afirmativas; Sim + frase).

– Exclamação (for-mas elípticas: Que + S + (tão) + Adj., p. ex. Que dia tão lindo!).

– Negação (frases negativas com não, nunca; (não) nada, nenhum (a), ninguém).

– Interrogación (frases interrogativas parciais).

– Expressão do tempo: presente (presente simples e contínuo).

– Expressão do aspecto: pontual (tempos simples); habitual (tempos simples (+ Adv., p. ex. normalmente)).

– Expressão da modalidade: factualidade (frases declarativas); capacidade (é capaz/incapaz de + Inf.; saber); possibilidade (ser possível/impossível + Inf.; talvez); necessidade (ser preciso/necessário + Inf.); obriga (ser obrigatório + Inf.; imperativo); permissão (poder + Inf.); intuito (presente contínuo).

– Expressão da quantidade: (singular/plural; numerais cardinais e ordinal. Quantidade: p. ex. todos (os), a maioria de, ambos/as, ninguém).

– Expressão do espaço: (preposições e advérbios de lugar, localização, distância, movimento, direção, origem e disposição).

– Expressão do tempo: (horas (p. ex.: cinco menos dez), divisões (p. ex. século, estação) e indicações de tempo (p. ex. há tempo; cedo, tarde); duração (p. ex. entre...e, durante, até, desde); anterioridade (já; (não) ainda); posterioridade (depois, mas tarde); sequência (primeiro, seguinte, último); freqüência (p. ex. com frequência; normalmente).

– Expressão do modo: (Adv. de maneira, p. ex. facilmente; pêlo correio).

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 3

LÍNGUA ESTRANGEIRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Compreensão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B1.1. Estratégias de compreensão.

– Identificação do tipo textual, adaptando a sua compreensão a este.

– Uso do contexto verbal e não verbal e dos conhecimentos prévios sobre a situação que dão lugar a inferencias do significado baseadas no contexto.

– Uso dos conhecimentos referenciais sobre o tema.

– Identificação de palavras chave.

– Adaptação da escuta à sua finalidade (global e/ou específica).

Identificação dos recursos linguísticos ou temáticos adquiridos.

– Inferencia do significado provável das palavras ou das frases que desconhece.

–Perseverança no sucesso da compreensão oral, voltando escutar o texto gravado ou solicitando repetição ou reformulações do dito.

B1.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias mais adequadas para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e ideias principais ou os detalhes relevantes do texto.

B1.1.1. Aplica de forma sistemática estratégias de escuta activa para a compreensão das ideias gerais e informação mais relevante sobre temas habituais e do seu interesse.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B1.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Reconhecimento de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B1.2. Identificar a informação essencial, os pontos principais e os detalhes mais relevantes em textos orais breves e bem estruturados, transmitidos de viva voz ou por meios técnicos e articulados a velocidade lenta ou média, num registro informal, e que versem sobre assuntos quotidianos em situações habituais, sobre temas do próprio campo de interesse nos âmbitos pessoal, público e educativo ou sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira, sempre que as condições acústicas não dificultem a mensagem e se possa voltar escutar.

B1.2.1. Distingue, com o apoio da imagem, as ideias principais e a informação relevante em apresentações orais e projectos socioculturais de pouca extensão, claros e estruturados, relativos a temas e aspectos concretos, frequentes e quotidianos do âmbito pessoal e do seu interesse.

B1.2.2. Capta os pontos principais e detalhes relevantes de indicações, anúncios, mensagens e comunicados breves e articulados de maneira lenta e clara (p.e., mudança de porta de embarque num aeroporto, informação sobre actividades num hotel, ou num contestador automático num campamento de Verão…), sempre que as condições acústicas sejam boas e o som não esteja distorsionado.

B1.2.3. Percebe o que se lhe diz em transacções e gestões quotidianas e estruturadas (p.e., em bancos, lojas, hotéis, restaurantes, transportes, centros educativos, lugares de trabalho), ou menos habituais (p.e., numa farmácia, um hospital, numa esquadra ou um organismo público).

B1.2.4. Identifica o sentido geral e os pontos principais de uma conversação informal entre dois ou mais interlocutores que tem lugar na sua presença, quando o tema lhe resulta conhecido e o discurso está articulado com claridade, a velocidade média e numa variedade standard da língua.

B1.2.5. Compreende, numa conversação informal na qual participa, descrições, narrações, pontos de vista e opiniões sobre assuntos práticos da vida diária, quando se lhe fala com claridade, amodo e directamente e se o interlocutor está disposto a repetir ou reformular o dito.

B1.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos orais onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza e a dúvida.

B1.3. Conhecer e utilizar para a compreensão do texto os aspectos socioculturais e sociolinguístico relativos à vida quotidiana (hábitos de estudo e de trabalho, actividades de lazer), relações interpersoais (entre homens e mulheres, no trabalho, no centro educativo, nas instituições), comportamento (gestos, expressões faciais, uso da voz, contacto visual), e convenções sociais (costumes, tradições), identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

B1.3.1. Identifica na própria língua aspectos socioculturais básicos dos países onde se fala a língua estrangeira, analisando-os com as diversas culturas do estudantado, evitando estereótipos.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e organização do discurso.

B1.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B1.4. Distinguir a função ou funções comunicativas mais relevantes do texto e um repertório dos seus expoñentes mais comuns, assim como patrões discursivos de uso frequente relativos à organização textual (introdução do tema, desenvolvimento e mudança temático, e encerramento textual).

B1.4.1. Identifica os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para perceber as funções comunicativas, assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B1.5. Léxico oral de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amizades; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B1.5 Aplicar à compreensão do texto os conhecimentos sobre os constituíntes e a organização de patrões sintácticos e discursivos de uso frequente na comunicação oral, assim como os seus significados associados (p.e., estrutura interrogativa para fazer uma sugestão).

B1.5.1. Reconhece e compreende as estruturas morfosintácticas e discursivas mais habituais e de relativa dificuldade, para identificar as funções comunicativas próprias do seu nível.

B1.6. Reconhecimento de patrões sonoros e acentuais básicos de palavras e do ritmo e a entoación de frases.

B1.6. Reconhecer o léxico oral de uso comum relativo a assuntos quotidianos ou temas relacionados com os próprios interesses, estudos e ocupações, e inferir do contexto, com apoio visual, os significados de palavras e expressões de uso menos frequente ou mais específico.

B1.6.1. Identifica o vocabulário oral básico e suficiente para compreender textos singelos em registro standard próprio do seu nível.

B1.7. Discriminar patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación de uso comum, e reconhecer os significados e intuitos comunicativos gerais relacionados com estes.

B1.7.1. Discrimina traços fonéticos e de entoación que ajudam a perceber o sentido global e as ideias principais e secundárias, e os intuitos comunicativos gerais relacionados com estes.

Bloco 2: Expressão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B2.1. Estratégias de produção.

– Expressão da mensagem com claridade e coerência básicas, estruturándoa adequadamente, adecuando o texto ao destinatario, ao contexto e ao canal.

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos e sequências de interacção e elementos linguísticos previamente assimilados.

– Compensação das carências linguísticas mediante procedimentos linguísticos e paralingüísticos.

B2.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias mais adequadas para produzir textos orais monolóxicos ou dialóxicos breves e de estrutura simples e clara, utilizando, entre outros, procedimentos como a adaptação da mensagem a patrões da primeira língua ou outras, ou o uso de elementos léxicos aproximados se não se dispõe de outros mais precisos.

B2.1.1. Emprega estratégias de produção para relacionar-se e fazer-se perceber com perseverança na língua estrangeira utilizando estratégias de compensação para suplir carências na língua estrangeira (parafrasear, linguagem corporal, ajudas audiovisuais…).

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B2.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B2.2. Produzir textos orais breves e compreensível, tanto em conversação cara a cara como por telefone ou outros meios técnicos, num registro neutro ou informal, com uma linguagem singela, nos cales se dá, se solicita e se intercambiar informação sobre temas de importância na vida quotidiana, sobre assuntos conhecidos ou de interesse pessoal ou educativo e sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira e se justificam brevemente os motivos de determinadas acções e planos, ainda que às vezes haja interrupções ou vacilações, resultem evidentes as pausas e a reformulação para organizar o discurso e seleccionar expressões e estruturas, e o interlocutor tenha que solicitar às vezes que se lhe repita o dito.

B2.2.1. Elabora apresentações e participa em projectos breves, previamente ensaiados, bem estruturados e com apoio visual e seguindo um modelo, em formato impresso ou suporte digital, sobre aspectos concretos de temas do seu interesse e sobre aspectos socioculturais do país da língua estrangeira e responde a perguntas breves e singelas dos oíntes sobre o seu conteúdo.

B2.3. Relacionar-se de maneira singela em conversas básicas sobre temas predicibles em que se estabelece contacto social manejando frases curtas, grupos de palavras e fórmulas para desenvolver-se de maneira suficiente em breves intercâmbios, em situações comunicativas habituais e quotidianas com propósitos comunicativos próprios da sua idade (invitar, oferecer ajuda, propor, aceitar ou recusar convites e propostas…).

B2.3.1. Desenvolve-se com expressões básicas em gestões e transacções quotidianos e estruturadas (p.e., em bancos, lojas, hotéis, restaurantes, transportes, centros educativos, lugares de trabalho), ou menos habituais (p.e., numa farmácia, um hospital, numa esquadra ou um organismo público).

B2.3.2. Participa em conversações informais cara a cara ou por telefone ou outros meios técnicos, nas quais estabelece contacto social, intercambiar informação e expressa opiniões e pontos de vista, faz convites e oferecimentos, pede e oferece coisas, pede e dá indicações ou instruções.

B2.3. Funções comunicativas. Produção de textos orais onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza e a dúvida.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e organização do discurso.

2.4. Incorporar à produção do texto oral monolóxico ou dialóxico conhecimentos socioculturais e sociolinguístico adquiridos sobre a vida quotidiana (hábitos de estudo e de trabalho, actividades de lazer), as manifestações artísticas, as relações interpersoais (no trabalho, no centro educativo…), o comportamento (gestos, expressões faciais, uso da voz, contacto visual) e as convenções sociais (costumes e tradições), respeitando as convenções comunicativas mais elementares e identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

2.4.1. Identifica na própria língua aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B2.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B2.5. Levar a cabo as funções demandado pelo propósito comunicativo, empregando os expoñentes mais comuns das supracitadas funções e os patrões discursivos de uso mais frequente para organizar o texto de modo singelo.

B2.5.1. Usa os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B2.5. Léxico oral de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B2.6. Mostrar controlo sobre um repertório limitado de estruturas sintácticas de uso habitual.

B2.6.1. Usa as estruturas morfosintácticas e discursivas mais habituais e de relativa dificuldade para compreender as funções comunicativas próprias do seu nível.

B2.6. Patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación.

Uso de patrões básicos de ritmo, entoación e acentuação de palavras e frases.

Pronúncia e entoación aceitáveis que, ainda contendo erros e imprecisões, não impeça a comunicação em interacções orais, dramatizacións e leitura em voz alta.

B2.7. Conhecer e utilizar um repertório léxico oral suficiente para comunicar informação, opiniões e pontos de vista breves, simples e directos em situações habituais e quotidianas.

B2.7.1. Emprega um vocabulário oral básico e suficiente para compreender textos singelos em registro standard próprio do seu nível.

B2.8. Pronunciar e entoar de maneira intelixible, ainda que se cometam erros de pronúncia, sempre que não interrompam a comunicação, e os interlocutores tenham que solicitar repetições de vez em quando.

B2.8.1. Expressa-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e dúvidas frequentes, ainda que tenha que repetir alguma vez por solicitude das pessoas interlocutoras.

Bloco 3: Compreensão escrita

a

b

c

e

f

g

i

n

B3.1. Estratégias de compreensão:

– Mobilização da informação prévia sobre o tipo de tarefa e o tema, a partir da informação superficial: imagens, organização na página, títulos de cabeceira etc.

– Identificação em superfície ou oceánica, selectiva, intensiva ou extensiva).

– Identificação do tipo textual básico (narrativo, descritivo ou do tipo de leitura demandado pela tarefa (explicativo), adaptando a compreensão a ele.

– Distinção de tipos de compreensão necessários para a realização da tarefa (sentido geral, informação essencial e pontos principais).

– Formulação de hipóteses sobre o conteúdo e o contexto.

B3.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias mais adequadas para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e ideias principais ou os detalhes relevantes do texto.

B3.1.1. Aplica estratégias de leitura comprensiva reconhecendo os traços essenciais do género e a sua estrutura, e interpretando o seu conteúdo global e específico, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

– Uso de técnicas como sublinhar ou tomar notas para alcançar uma melhor compreensão do contido e da estrutura do texto.

– Uso progressivo de dicionários (em papel e digitais) e das tecnologias da informação e da comunicação como médio de consulta e aprendizagem.

B3.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Reconhecimento de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B3.2. Identificar a informação essencial, os pontos mais relevantes e detalhes importantes em textos, tanto em formato impresso como em suporte digital, breve e bem estruturado, escritos num registro informal, que tratem de assuntos quotidianos, temas de interesse ou relevantes para os próprios estudos e ocupações, ou sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira e que contenham estruturas singelas e um léxico de uso comum.

B3.2.1. Percebe as ideias principais de um texto escrito breve e bem estruturado em apresentações breves e singelas e em projectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira.

B3.2.2. Percebe os pontos principais de anúncios e material publicitário de revistas ou da internet formulados de maneira simples e clara, e relacionados com assuntos do seu interesse.

B3.2.3. Compreende correspondência pessoal breve e singela em qualquer formato na qual se fala de um mesmo; se descríben pessoas, objectos e lugares; se narram acontecimentos passados e presentes, reais ou imaxinarios, e se expressam sentimentos e desejos e opiniões sobre temas gerais, conhecidos ou do seu interesse.

B3.2.4. Percebe com ajuda de dicionários impressos e em linha, informação específica essencial em páginas web e outros materiais de referência ou consulta claramente estruturados sobre assuntos do seu interesse (p. e. sobre um curso de idiomas, uma viagem, uma compra pela internet).

B3.2.5. Compreende o essencial de leituras adaptadas breves e bem estruturadas e faz-se uma ideia do carácter das diferentes personagens, as suas relações e do argumento.

B3.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza e a dúvida.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e organização do discurso.

B3.3. Conhecer e utilizar para a compreensão do texto os aspectos socioculturais e sociolinguístico relativos à vida quotidiana (hábitos de estudo e de trabalho, actividades de lazer, incluídas manifestações artísticas como a música ou o cinema), condições de vida (contorno, estrutura social), relações interpersoais (entre homens e mulheres, no trabalho, no centro educativo, nas instituições), e convenções sociais (costumes, tradições) e identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

B3.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos.

B3.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B3.4. Distinguir a função ou funções comunicativas mais relevantes do texto e um repertório dos seus expoñentes mais comuns, assim como patrões discursivos de uso frequente relativos à organização textual (introdução do tema, desenvolvimento e mudança temático, e encerramento textual).

B3.4.1. Identifica os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para perceber as função comunicativas assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B3.5. Léxico escrito de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amizades; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B3.5. Aplicar à compreensão do texto os conhecimentos sobre os constituíntes e a organização de patrões sintácticos e discursivos de uso frequente na comunicação escrita, assim como os seus significados associados.

B3.5.1. Reconhece e compreende as estruturas morfosintácticas básicas associadas às funções comunicativas próprias do seu nível.

B3.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico:

– Observação e análise progressiva da ortografía e a pontuação, assim como do cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B3.6. Reconhecer léxico escrito de uso comum relativo a assuntos quotidianos e a temas gerais ou relacionados com os próprios interesses, estudos e ocupações, e inferir do contexto e do cotexto, com apoio visual, os significados de palavras e expressões de uso menos frequente ou mais específico.

B3.6.1. Reconhece um vocabulário escrito básico e suficiente para compreender textos singelos próprios do seu nível educativo.

B3.7. Reconhecer as principais convenções ortográfico, tipográficas e de pontuação, assim como abreviaturas e símbolos de uso comum (p. e., &, %), e os seus significados associados.

B3.7.1. Reconhece algumas das características e convenções próprias da linguagem escrita, discrimina o uso e significado da ortografía e a pontuação e distingue o significado e a utilidade dos símbolos de uso comum.

Bloco 4: Expressão escrita

a

b

c

e

f

g

i

n

B4.1. Estratégias de produção.

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos de texto e elementos linguísticos previamente assimilados.

– Uso ajeitado de recursos linguísticos ou temáticos (uso de um dicionário ou gramática, obtenção de ajuda etc.).

– Expressão da mensagem com claridade ajustando aos modelos e fórmulas de cada tipo de texto, mediante a elaboração prévia de um rascunho para uma correcta estruturación do contido do texto em parágrafos, uma posterior revisão, na qual se identificarão erros e problemas e uma reescritura definitiva, em que se cuidará a apresentação do texto.

B4.1. Conhecer e aplicar estratégias adequadas para elaborar textos escritos breves e de estrutura simples, p.e., copiando formatos, fórmulas e modelos convencionais próprios de cada tipo de texto.

B4.1.1. Desenvolve estratégias sistemáticas de composição seguindo um modelo e usando dicionários impressos e em linha e correctores ortográfico dos processadores de textos na sua composição.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B4.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal (símbolos, iconas) elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B4.2. Escrever, em papel ou em suporte electrónico, textos breves, singelos e de estrutura clara sobre temas quotidianos ou de interesse pessoal ou sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira num registro informal, utilizando adequadamente os recursos básicos de coesão, as convenções ortográfico básicas e os signos de pontuação mais comuns, com um controlo razoável de expressões e estruturas singelas e um léxico de uso frequente.

B4.2.1. Escreve textos breves em diferentes formatos, seguindo um modelo estruturado, com informação singela e relevante sobre factos habituais e do seu interesse e sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira para incorporá-los a projectos.

B4.2.2. Escreve correspondência pessoal singela na qual se estabelece e mantém o contacto social (p.e., com amigos), intercambiar informação, descrevem-se em termos singelos acontecimentos importantes e experiências pessoais; dão-se instruções, fazem-se e aceitam-se oferecimentos e sugestões (p.e., cancelam-se, confirmam-se ou modificam-se um convite ou uns planos).

B4.2.3. Completa um cuestionario singelo com informação pessoal e relativa à sua formação, ocupação, interesses ou afecções (p.e., para subscrever-se a uma publicação digital, matricular-se num obradoiro ou curso).

B4.2.4. Escreve notas e mensagens (SMS, WhatsApp, chats), em que se fazem breves comentários ou se dão instruções e indicações relacionadas com actividades e situações da vida quotidiana e do seu interesse.

B4.2.5. Escreve notas, anúncios e mensagens breves (p.e., em Twitter ou Facebook) relacionados com actividades e situações da vida quotidiana, do seu interesse pessoal, respeitando as convenções e normas de cortesía e da netiqueta.

B4.3. Funções comunicativas. Produção de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de cualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza e a dúvida.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e organização do discurso.

B4.3. Conhecer aspectos socioculturais e sociolinguístico básicos concretos e significativos (p.e., as convenções sobre o início e o encerramento de uma carta a pessoas conhecidas) e aplicar os conhecimentos adquiridos sobre estes a uma produção escrita adequada ao contexto, respeitando as normas de cortesía básicas, identificando na própria língua, diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

B4.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B4.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B4.4. Levar a cabo as funções demandado pelo propósito comunicativo, empregando os expoñentes mais comuns das supracitadas funções e os patrões discursivos de uso mais frequente para organizar o texto de modo singelo.

B4.4.1. Usa os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B4.5. Léxico escrito de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amizades; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B4.5 Mostrar controlo sobre um repertório limitado de estruturas sintácticas de uso habitual.

B4.5.1. Emprega adequadamente as estruturas morfosintácticas básicas para realizar as funções comunicativas próprias do seu nível.

B4.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico:

– Correcção progressiva na ortografía e na pontuação e cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B4.6. Conhecer e utilizar um repertório léxico oral suficiente para comunicar informação em situações quotidianas e habituais.

B4.6.1. Emprega um vocabulário escrito básico e suficiente para produzir textos singelos próprios do seu nível educativo.

B4.7. Aplicar patrões gráficos e convenções ortográfico básicas para escrever com razoável correcção palavras ou frases curtas que se empregam regularmente ao falar, mas não necessariamente com uma ortografía totalmente normalizada.

B4.7.1. Aplica, de modo elementar e com possibilidade de erros que não impeça a compreensão, os signos de pontuação básicos, as regras ortográfico básicas, assim como as convenções ortográfico mais habituais na redacção de textos em suporte electrónico.

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma inglês

– Expressão de relações lógicas: conjunção (and, too, also); disxunción (or); oposição (but); finalidade (to- infinitive; for); resultado (sob…).

– Afirmação (affirmative sentences; tags).

– Exclamação (What + (Adj. +) noun, e. g. What a wonderful holiday!; How + Adj., e. g. How interesting!).

– Negação (negative sentences with not, never, no (Adj.), nobody, nothing; negative tags).

– Interrogación (Wh- questions; Aux. Questions; tags).

– Expressão do tempo: passado (past simples; presente: simples and continuous).

– Expressão do aspecto: pontual (simples tenses); durativo (present and past simples); habitual (simples tenses (+ Adv., e. g. usually).

– Expressão da modalidade: factualidade (declarative sentences); capacidade, possibilidade e permissão (cão, could); intuito (present continuous).

– Expressão da entidade: count/uncount nouns; pronouns and determiners.

– Expressão da quantidade: (singular/plural; cardinal and ordinal numerals. Quantity: e. g. all (the). Degree: e. g. really; tire; sob; a little).

– Expressão do espaço: (prepositions and adverbs of location, position, distance, motion, direction, origin and arrangement).

– Expressão do tempo: (points (e. g. five to (tem)); divisions (e. g. century; season), and indications (ago; early; late) of time; duration (from…to; during; until; anteriority/posteriority (before, afterwards; later); sequence (first, next, last); frequency (e. g. often, usually).

– Expressão do modo: (Adv. and phrases of manner, e. g. easily; by post).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma francês

– Expressão de relações lógicas: conjunção (et, aussi); disxunción (ou); oposição (mas); finalidade (de façon à, de manière à + Inf.; pour); comparação (plus/moins/aussi…que); resultado (donc…).

– Afirmação (phrases affirmatives; questions de reprise).

– Exclamação (Que/quelle/quel + Adj. + nom, p. ex. Quelle jolie fleur!; Comme + Adj., p. ex. Comme c'est intéressant!).

– Negação (phrases négatives avec ne…pás, jamais, não (Adj.), personne, rien, question de reprise négative).

– Interrogación (interrogation partielle; Questions Aux.; Â quoi ça sert?, question de reprise).

– Expressão do tempo: passado (passé simples); presente (simples et continu); futuro (aller+inf.; future simples).

– Expressão do aspecto: pontual (temps simples); durativo (présent et passé simples); habitual (temps simples (+ Adv., p. ex. habituellement)).

– Expressão da modalidade: factualidade (phrases déclaratives); capacidade (pouvoir); possibilidade/probabilidade (c'est possível que, presque; certain; il (n')y a (pás) de chance pour que); necessidade (devoir, avoir besoin de); obriga (devoir, interdit de; impératif); permissão (permettre qqch, à qq'um, permettre de faire qqch à qq´um); intuito (avoir, l'intention de faire qqch, avoir envie de faire qqch, présent continu).

– Expressão da entidade: (nom dénombrable/nom não dénombrable); pronom, déterminants).

– Expressão da quantidade: (singulier/pluriel; nombres cardinaux et ordinaux. Quantité: p. ex. tous (lês), lê plus de, tous (lês) deux, personne. Graduation: p. ex. vraiment, assez, tellement, peu de).

– Expressão do espaço: (prépositions et adverbes de lieu, position, distance, mouvement, direction, provenance, destination).

– Expressão do tempo: (l'heure (p. ex. Cinq heures moins dix); divisions (p. ex. siècle, saison), et indications de temps (p. ex. c'était, il y a, tôt, em avanço; tard); de duration (p. ex. de à;…pendant, jusqu'à; depuis); antériorité ((pás) encore); postériorité (après; plus tard); séquence (d'abord, prochain(e); dernier(ère); fréquence (p. ex. souvent, d'habitude).

– Expressão do modo: (Adv. et phrases de manière, p. ex. facilement; par la pões-te).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma português

– Expressão de relações lógicas: conjunção (e, também); disxunción (ou); oposição (me as, embora); finalidade (para + Inf.; para que); comparação (mas/menos/tão/tanto + Adj./Adv./S + (de o) que/como/quanto, superlativo relativo); resultado (assim, portanto).

– Afirmação (frases afirmativas; frases impessoais).

– Exclamação (for-mas elípticas: Que + S + (tão) + Adj., p.ex.: Que dia tão lindo!); frases e sintagmas exclamativos, p.e. Ei, esta é a minha bicicleta!; Magnífica bolsa!).

– Negação (frases negativas com não, nunca; (não) nada, nenhum(a), ninguém).

– Interrogación (interrogativas diretas totais; frases interrogativas diretas QU- (p. ex. de quem é a culpa?); interrogativas tag (p. ex. isto é fácil, não é?).

– Expressão do tempo: passado (pretérito perfeito simples e perfeito composto); presente (presente simples e contínuo); futuro (futuro simples + Adv.; haver-de; presente simples e contínuo + Adv.).

– Expressão do aspecto: pontual (tempos simples); durativo (presente e pretérito simples/perfeito composto do indicativo); habitual (tempos simples (+ Adv., p. e. normalmente).

– Expressão da modalidade: factualidade (frases declarativas); capacidade (é capaz/incapaz de + Inf.; saber); possibilidade/probabilidade (ser possível/impossível + Inf.; talvez); necessidade (ser preciso/necessário + Inf.); obriga (ser obrigatório + Inf.; imperativo); permissão (poder + Inf.; ser possível/permitido + Inf.); intuito (presente contínuo).

– Expressão da entidade: (substantivo contáveis/massivos/coletivos/compostos; pronomes (relativos, reflexivos ato-nos/tônicos, determinante).

– Expressão da quantidade: (singular/plural; numerais cardinais e ordinal. Quantidade: p. ex. bastante, a maior parte de, mas ou menos. Grau: p.e. consideravelmente; bastante bem).

– Expressão do espaço: (preposições e advérbios de lugar, localização, distância, movimento, direção, origem e disposição).

– Expressão do tempo: (horas (p. ex. cinco menos dez), divisões (p. ex. século, estação) e indicações de tempo (p. ex. há tempo; cedo, tarde); duração (p. ex. entre...e, durante, até, desde); anterioridade (já; (não) ainda); posterioridade (depois, mas tarde); sequência (primeiro, seguinte, último); frequência (p. e. com frequência; normalmente).

– Expressão do modo: (Adv. de maneira, p. ex. facilmente; pêlo correio).

ÂMBITO DA COMUNICAÇÃO. MÓDULO 4

LÍNGUA ESTRANGEIRA

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Compreensão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B1.1. Estratégias de compreensão.

Identificação do tipo textual, adaptando a sua compreensão a este.

– Uso do contexto verbal e não verbal e dos conhecimentos prévios sobre a situação que dão lugar a inferencias de significado baseadas no contexto.

– Uso dos conhecimentos referenciais sobre o tema.

– Identificação de palavras chave.

– Adaptação da escuta à sua finalidade (global e/ou específica).

– Identificação dos recursos linguísticos ou temáticos adquiridos.

– Inferencia do significado provável das palavras ou das frases que desconhece.

– Perseverança no sucesso da compreensão oral, voltando escutar o texto gravado ou solicitando repetição ou reformulações do dito.

B1.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias adequadas para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e ideias principais ou os detalhes relevantes do texto.

B1.1.1. Aplica de forma sistemática estratégias de escuta activa para a compreensão das ideias gerais e informação mais relevante sobre temas habituais e do seu interesse.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B1.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico.

– Reconhecimento de convenções sociais, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B1.2. Identificar o sentido geral, a informação essencial, os pontos principais e os detalhes mais relevantes em textos orais breves ou de comprimento média, claramente estruturados, e transmitidos de viva voz ou por meios técnicos e articulados a uma velocidade média, num registro informal ou neutro, e que tratem sobre assuntos quotidianos em situações habituais, ou sobre os próprios interesses nos âmbitos pessoal, público, educativo e ocupacional ou sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira, sempre que as condições acústicas não dificultem a mensagem e se possa voltar escutar o dito.

B1.2.1. Capta os pontos principais e detalhes relevantes de mensagens gravadas ou de viva voz, articuladas de maneira lenta e clara, que contenham instruções, indicações ou outra informação (p.e. em contestadores automáticos…)

B1.2.2. Percebe o que se lhe diz em transacções e gestões quotidianas e estruturadas (p.e. em bancos, lojas, hotéis, restaurantes, transportes, centros educativos, lugares de trabalho), ou menos habituais (p.e., numa farmácia, num hospital, numa esquadra ou um organismo público), se pode pedir confirmação de alguns detalhes.

B1.2.3. Identifica as ideias principais e detalhes relevantes de uma conversa de verdadeira duração entre dois ou mais interlocutores que tem lugar na sua presença e na que se tratam temas conhecidos ou quotidianos, quando o discurso está articulado com claridade e numa variedade standard da língua.

B1.2.4. Compreende, numa conversação informal em que participa, explicações ou justificações de pontos de vista e opiniões sobre diversos assuntos de interesse pessoal, quotidianos e sobre assuntos práticos relativos a actividades académicas ou ocupacionais de carácter habitual e predicible, sempre que possa pedir que se lhe repita, ou que se reformule, clarifique ou elabore algo do que se lhe disse.

B1.2.5. Distingue, com apoio visual ou escrito, as ideias principais e informação relevante em apresentações e projectos socioculturais de extensão média, bem estruturados e de exposição clara sobre temas conhecidos ou do seu interesse relacionados com o âmbito educativo ou ocupacional ou com aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira.

B1.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos orais onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes e expressão de acontecimentos futuros.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza, a dúvida e a conjectura.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e da organização do discurso.

B1.3. Conhecer e utilizar para a compreensão do texto os aspectos socioculturais e sociolinguístico relativos à vida quotidiana (hábitos de estudo e de trabalho, actividades de lazer), relações interpersoais (entre homens e mulheres, no trabalho, no centro educativo, nas instituições), comportamento (gestos, expressões faciais, uso da voz, contacto visual), e convenções sociais (costumes, tradições) assim como os aspectos culturais gerais que permitam compreender informação e ideias presentes no texto, identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

B1.3.1. Reconhece os elementos culturais mais relevantes dos países onde se fala a língua estrangeira e estabelece relação entre aspectos da própria cultura e da alheia, comparando-as e evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B1.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B1.4. Distinguir a função ou funções comunicativas mais relevantes do texto e um repertório dos seus expoñentes mais comuns, assim como patrões discursivos de uso frequente relativos à organização textual (introdução do tema, desenvolvimento e mudança temático, e encerramento textual).

B1.4.1. Identifica os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas, assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B1.5. Léxico oral de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorna pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B1.5. Aplicar à compreensão do texto os conhecimentos sobre os constituíntes e a organização de patrões sintácticos e discursivos de uso frequente na comunicação oral, assim como os seus significados associados.

B1.5.1. Reconhece as estruturas morfosintácticas e discursivas mais habituais para compreender as funções comunicativas próprias do seu nível.

B1.6. Reconhecimento de patrões sonoros e acentuais básicos de palavras e do ritmo e a entoación de frases.

B1.6. Reconhecer e aplicar à compreensão do texto léxico oral de uso comum relativo a assuntos quotidianos e/ou relacionados com os próprios interesses, estudos e ocupações, quando o contexto ou o apoio visual facilitam a compreensão.

B1.6.1. Identifica o vocabulário oral básico e suficiente para compreender textos singelos no registro standard próprio do seu nível.

B1.7. Discriminar patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación de uso comum, e reconhecer os significados e intuitos comunicativos gerais relacionados com eles.

B1.7.1. Discrimina traços fonéticos e de entoación que ajudam a perceber o sentido global e as ideias principais e secundárias e os intuitos comunicativos gerais relacionados com eles.

Bloco 2: Expressão oral

a

b

c

e

f

g

i

n

B2.1. Estratégias de produção.

– Expressão da mensagem com claridade, distinguindo a sua ideia ou ideias principais e a sua estrutura básica, adecuando o texto ao destinatario, ao contexto e ao canal.

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos e sequências de interacção e elementos linguísticos previamente assimilados.

– Compensação das carências linguísticas mediante procedimentos linguísticos e paralingüísticos.

B2.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias adequadas para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e ideias principais ou os detalhes relevantes do texto.

B2.1.1. Usa de forma sistemática estratégias de escuta activa para comunicar informação oral, para a compreensão global e específica de textos ou mensagens recebidos e para perceber e fazer-se perceber.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B2.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Uso de convenções sociais, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B2.2. Produzir textos breves ou de comprimento média, tanto em conversação cara a cara como por telefone ou outros meios técnicos, num registro neutro ou informal, nos cales se intercambiar informações, ideias e opiniões sobre temas quotidianos, sobre assuntos de interesse pessoal, educativo ou ocupacional ou sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira, e se justificam de maneira simples mas suficiente os motivos de acções e planos ainda que às vezes haja vacilações para buscar expressões, pausas para reformular e organizar o discurso e seja necessário repetir o dito para ajudar o interlocutor a compreender alguns detalhes.

B2.2.1. Realiza apresentações breves e participa em projectos bem estruturados, ensaiados previamente e com apoio visual, sobre aspectos concretos de temas de interesse pessoal ou ocupacionais do seu interesse ou sobre aspectos socioculturais do país da língua estrangeira, organizando a informação básica de maneira coherente, explicando as ideias principais brevemente e com claridade e respondendo a perguntas singelas dos oíntes articuladas de maneira clara e a velocidade média.

B2.2.2. Desenvolve-se adequadamente em situações quotidianas que podem surgir durante uma viagem ou estância noutros países por motivos pessoais, educativos ou ocupacionais (transporte, alojamento, comidas, compras, estudos, trabalho, relações com as autoridades, saúde, lazer), e sabe solicitar atenção, informação, ajuda ou explicações.

B2.3. Relacionar-se de maneira singela mas efectiva em intercâmbios claramente estruturados, utilizando fórmulas ou indicações habituais para tomar ou ceder o turno de palavra, ainda que se possa necessitar a ajuda do interlocutor.

B2.3.1. Participa em conversações informais cara a cara ou por telefone ou outros meios técnicos, sobre assuntos quotidianos nas quais intercambiar informações; expressa e justifica brevemente opiniões e pontos de vista; narra e descreve de forma coherente factos ocorridos no passado ou planos de futuro reais ou inventados; faz sugestões; pede e dá indicações ou instruções com verdadeiro detalhe; expressa e justifica sentimentos.

B2.3. Funções comunicativas. Produção:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes e expressão de acontecimentos futuros.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza, a dúvida e a conjectura.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e da organização do discurso.

B2.4. Conhecer e utilizar para a produção do texto os aspectos socioculturais e sociolinguístico relativos à vida quotidiana (hábitos de estudo e de trabalho, actividades de lazer), relações interpersoais (entre homens e mulheres, no trabalho, no centro educativo, nas instituições), comportamento (gestos, expressões faciais, uso da voz, contacto visual), e convenções sociais (costumes, tradições) assim como os aspectos culturais gerais que permitam compreender informação e ideias presentes no texto, identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

B2.4.1. Reconhece os elementos culturais mais relevantes dos países onde se fala a língua estrangeira e estabelece relação entre aspectos da própria cultura e da alheia, comparando-as e evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B2.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B2.5. Levar a cabo as funções requeridas pelo propósito comunicativo, utilizando um repertório de expoñentes comuns das supracitadas funções e os patrões discursivos habituais para iniciar e concluir o texto adequadamente, organizar a informação de maneira clara, alargá-la com exemplos ou resumí-la.

B2.5.1. Usa os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B2.5. Léxico oral de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorna pessoal; actividades da vida diária; família e amigos; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e a da comunicação.

B2.6. Mostrar controlo sobre um repertório limitado de estruturas sintácticas de uso habitual.

B2.6.1. Usa as estruturas gramaticais de relativa complexidade para realizar as funções comunicativas, assim como os marcadores de discurso para iniciar, enlaçar, ordenar e finalizar o discurso, em situações habituais e frequentes.

B2.6. Patrões sonoros, acentuais, rítmicos e de entoación.

– Uso de patrões básicos de ritmo, entoación e acentuação de palavras e frases.

– Pronúncia e entoación aceitáveis que, ainda contendo erros e imprecisões, não impeça a comunicação ou a compreensão, em interacções orais, dramatizacións e leitura em voz alta.

B2.7. Reconhecer e aplicar à produção do texto léxico oral de uso comum relativo a assuntos quotidianos e relacionados com os próprios interesses, estudos e ocupações, e inferir do contexto, com apoio visual, os significados de palavras e expressões de uso menos frequente ou mais específico.

B2.7.1. Emprega o vocabulário oral básico e suficiente para produzir textos singelos em registro standard próprio do seu nível.

B2.8. Pronunciar e entoar de maneira intelixible, ainda que se cometam erros de pronúncia sempre que não interrompam a comunicação, e os interlocutores tenham que solicitar repetições de vez em quando.

B2.8.1. Expressa-se com verdadeira claridade, usando uma entoación e pronúncia compreensível, aceitando-se as pausas e pequenas repetições, e ainda que tenha que repetir alguma vez por solicitude das pessoas interlocutoras.

Bloco 3: Compreensão escrita

a

b

c

e

f

g

i

n

B3.1. Estratégias de compreensão:

– Mobilização da informação prévia sobre o tipo de tarefa e o tema, a partir da informação superficial: imagens, organização na página, títulos de cabeceira, etc.

– Identificação do tipo de leitura demandado pela tarefa (em superfície ou oceánica, selectiva, intensiva ou extensiva).

– Identificação do tipo textual básico (narrativo, descritivo ou explicativo), adaptando a compreensão a ele.

– Distinção de tipos de compreensão necessários para a realização da tarefa (sentido geral, informação essencial e pontos principais).

– Formulação de hipóteses sobre o conteúdo e o contexto.

– Uso de técnicas como sublinhar ou tomar notas para alcançar uma melhor compreensão do contido e da estrutura do texto.

– Uso progressivo de dicionários (em papel e digitais) e das tecnologias da informação e da comunicação, como médio de consulta e aprendizagem.

B3.1. Conhecer e saber aplicar as estratégias mais adequadas para a compreensão do sentido geral, a informação essencial, os pontos e ideias principais ou os detalhes relevantes do texto.

B3.1.1. Aplica estratégias de leitura comprensiva reconhecendo os traços essenciais do género e a sua estrutura, e interpretando o seu conteúdo global e específico, sem necessidade de perceber todos os seus elementos.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B3.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Reconhecimento de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B3.2. Identificar a informação essencial, os pontos mais relevantes e detalhes importantes em textos, tanto em formato impresso como em suporte digital, breves e bem estruturados, escritos num registro informal, que tratem de assuntos quotidianos, temas de interesse ou relevantes para os próprios estudos e ocupações, ou sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira e que contenham estruturas singelas e um léxico de uso comum.

B3.2.1. Percebe as ideias principais de um texto escrito breve e bem estruturado em apresentações breves e singelas e em projectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira.

B3.2.2. Percebe os pontos principais de anúncios e material publicitário de revistas ou internet formulados de maneira simples e clara, e relacionados com assuntos do seu interesse.

B3.2.3. Compreende correspondência pessoal breve e singela em qualquer formato em que se fala de um mesmo; se descrevem pessoas, objectos e lugares; se narram acontecimentos passados e presentes, reais ou imaxinarios, e se expressam sentimentos e desejos e opiniões sobre temas gerais, conhecidos ou do seu interesse.

B3.2.4. Percebe com ajuda de dicionários impressos e em linha, informação específica essencial em páginas web e outros materiais de referência ou consulta claramente estruturados sobre assuntos do seu interesse (p. e., sobre um curso de idiomas, uma viagem, uma compra pela internet).

B3.2.5. Compreende o essencial de leituras adaptadas breves e bem estruturadas e faz-se uma ideia do carácter das diferentes personagens, das suas relações e do argumento.

B3.3. Funções comunicativas. Compreensão de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de qualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza e a dúvida.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e da organização do discurso.

B3.3. Conhecer e utilizar, para a compreensão do texto, os aspectos socioculturais e sociolinguístico relativos à vida quotidiana (hábitos de estudo e de trabalho, actividades de lazer, incluídas manifestações artísticas como a música ou o cinema), condições de vida (contorno, estrutura social), relações interpersoais (entre homens e mulheres, no trabalho, no centro educativo, nas instituições), e convenções sociais (costumes, tradições) e identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

B3.3.1. Na própria língua, identifica aspectos socioculturais básicos dos países em que se fala a língua estrangeira, analisando-os comparativamente com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, evitando estereótipos.

B3.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B3.4. Distinguir a função ou funções comunicativas mais relevantes do texto e um repertório dos seus expoñentes mais comuns, assim como patrões discursivos de uso frequente relativos à organização textual (introdução do tema, desenvolvimento e mudança temático, e encerramento textual).

B3.4.1. Identifica os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para perceber as função comunicativas, assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B3.5. Léxico escrito de uso comum (recepção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amizades; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B3.5. Aplicar à compreensão do texto os conhecimentos sobre os constituíntes e a organização de patrões sintácticos e discursivos de uso frequente na comunicação escrita, assim como os seus significados associados.

B3.5.1. Reconhece e compreende as estruturas morfosintácticas básicas associadas às funções comunicativas próprias do seu nível.

B3.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico:

– Observação e análise progressiva da ortografía e a pontuação, assim como do cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B3.6. Reconhecer léxico escrito de uso comum relativo a assuntos quotidianos e a temas gerais ou relacionados com os próprios interesses, estudos e ocupações, e inferir do contexto e do cotexto, com apoio visual, os significados de palavras e expressões de uso menos frequente ou mais específico.

B3.6.1 Reconhece um vocabulário escrito básico e suficiente para compreender textos singelos próprios do seu nível educativo.

B3.7. Reconhecer as principais convenções ortográfico, tipográficas e de pontuação, assim como abreviaturas e símbolos de uso comum (p.e., &, %), e os seus significados associados.

B3.7.1. Reconhece algumas das características e convenções próprias da linguagem escrita, discrimina o uso e significado da ortografía e a pontuação e distingue o significado e a utilidade dos símbolos de uso comum.

Bloco 4: Expressão escrita

a

b

c

e

f

g

i

n

B4.1. Estratégias de produção:

– Activação dos conhecimentos prévios sobre modelos de texto e elementos linguísticos previamente assimilados.

– Uso ajeitado de recursos linguísticos ou temáticos (uso de um dicionário ou gramática, obtenção de ajuda etc.).

– Expressão da mensagem com claridade ajustando aos modelos e fórmulas de cada tipo de texto, mediante a elaboração prévia de um rascunho para uma correcta estruturación do contido do texto em parágrafos, uma posterior revisão, na qual se identificarão erros e problemas e uma reescritura definitiva, na que se cuidará a apresentação do texto.

B4.1. Conhecer, seleccionar e aplicar as estratégias mais adequadas para elaborar textos escritos breves ou em media comprimento, p. e. reelaborando estruturas a partir de outros textos de características e propósitos comunicativos similares, ou redigindo rascunhos prévios.

B4.1.1. Desenvolve estratégias sistemáticas de composição seguindo um modelo e usando dicionários impressos e em linha e correctores ortográfico dos processadores de textos na sua composição.

CCL

CAA

CSC

CCEC

CD

B4.2. Aspectos socioculturais e sociolinguístico:

– Uso de convenções sociais básicas, normas de cortesía e registros informal e standard, e da linguagem não verbal (símbolos, iconas) elementar na cultura estrangeira.

– Achegamento com uma atitude receptiva e respeitosa a alguns aspectos culturais visíveis, estabelecendo similitudes e diferenças entre a língua estrangeira e a própria: hábitos, horários, actividades ou celebrações; condições de vida; relações interpersoais; música, comida, lazer, desportos e lugares; costumes e valores, através de produções multimédia e de manifestações artísticas dos países onde se fale a língua estrangeira.

B4.2. Escrever, em papel ou em suporte electrónico, textos de estrutura clara, sobre temas de interesse pessoal, ou assuntos quotidianos ou habituais ou sobre aspectos socioculturais do país onde se fala a língua estrangeira num registro neutro ou informal.

B4.2.1. Escreve, em diferentes formatos e com ajuda de um dicionário, textos breves e singelos nos quais dá e solicita informação e opiniões singelas essenciais sobre um tema académico, ocupacional, descrevendo brevemente situações, pessoas, objectos e lugares; narrando acontecimentos numa clara sequência lineal e explicando de maneira singela os motivos de verdadeiras acções.

B4.2.2. Participa em projectos socioculturais escrevendo textos singelos em formato impresso ou suporte digital.

B4.2.3. Completa um cuestionario detalhado com informação pessoal, académica ou laboral (p.e., para fazer-se membro de uma associação, ou para inscrever-se num ximnasio ou num curso).

B4.2.4. Escreve o seu currículum vitae em formato electrónico, seguindo um modelo, p.e., o modelo Europass, e com a ajuda de um dicionário.

B4.2.5. Escreve correspondência pessoal singela e narra factos relacionados com o seu âmbito de interesse e sobre actividades e experiências passadas (p.e., sobre uma viagem, um acontecimento importante).

B4.3. Funções comunicativas. Produção de textos escritos onde apareçam as seguintes funções comunicativas:

– Iniciação e manutenção de relações pessoais e sociais.

– Descrição de cualidades físicas e abstractas de pessoas, objectos, lugares e actividades.

– Narração de acontecimentos passados pontuais e habituais, descrição de estados e situações presentes e expressão de acontecimentos futuros.

– Pedido e oferecimento de informação, indicações, opiniões e pontos de vista, conselhos, advertências e aviso.

– Expressão do conhecimento, a certeza, a dúvida e a conjectura.

– Expressão da vontade, o intuito, a decisão, a promessa, a ordem, a autorização e a proibição.

– Expressão do interesse, a aprovação, o aprecio, a simpatia, a satisfacção e os seus contrários.

– Formulação de sugestões e desejos.

– Estabelecimento e manutenção da comunicação e da organização do discurso.

B4.3. Conhecer e utilizar para a produção do texto os aspectos socioculturais e sociolinguístico relativos à vida quotidiana (hábitos de estudo e de trabalho, actividades de lazer), relações interpersoais (entre homens e mulheres, no trabalho, no centro educativo, nas instituições), comportamento (gestos, expressões faciais, uso da voz, contacto visual), e convenções sociais (costumes, tradições) assim como os aspectos culturais gerais que permitam compreender informação e ideias presentes no texto, identificando diferenças e semelhanças nos aspectos culturais mais visíveis dos países onde se fala a língua estrangeira e da própria cultura, e com as diversas culturas, se é o caso, do resto do estudantado, e mostrar curiosidade e respeito ante as diferenças.

B4.3.1. Reconhece os elementos culturais mais relevantes dos países onde se fala a língua estrangeira e estabelece relação entre aspectos da própria cultura e da alheia, comparando-as e evitando estereótipos e valorações etnocéntricas.

B4.4. Estruturas sintáctico-discursivas.*

B4.4. Levar a cabo as funções demandado pelo propósito comunicativo, empregando os expoñentes mais comuns das supracitadas funções e os patrões discursivos de uso mais frequente para organizar o texto de modo singelo.

B4.4.1. Usa os expoñentes mais comuns próprios do seu nível para realizar as funções comunicativas assim como os patrões discursivos de uso mais frequente para o propósito comunicativo.

B4.5. Léxico escrito de uso comum (produção) relativo à identificação pessoal; habitação, fogar e contorno pessoal; actividades da vida diária; família e amizades; trabalho e ocupações; tempo livre, lazer e desporto; viagens e férias; saúde e cuidados físicos; educação e estudo; compras e actividades comerciais; alimentação e restauração; transporte; língua e comunicação; ambiente, clima e contorna natural; e tecnologias da informação e da comunicação.

B4.5. Mostrar controlo sobre um repertório limitado de estruturas sintácticas de uso habitual.

B4.5.1. Comunica com eficácia, empregando adequadamente as estruturas morfosintácticas básicas para realizar as funções comunicativas próprias do seu nível.

B4.6. Patrões gráficos e convenções ortográfico:

– Correcção progressiva na ortografía e na pontuação e cuidado na apresentação dos textos.

– Valoração da sua importância na comunicação escrita.

B4.6. Conhecer e utilizar um repertório léxico oral suficiente para comunicar informação em situações quotidianas e habituais.

B4.6.1. Emprega um vocabulário escrito básico e suficiente para produzir textos singelos próprios do seu nível educativo.

B4.7. Utilizar as principais convenções de formato, ortográfico, tipográficas e de pontuação, e de uso de maiúsculas ou minúsculas, assim como abreviaturas e símbolos de uso comum; saber manejar os recursos básicos de processamento de textos para corrigir os erros ortográfico dos textos que se produzem em formato electrónico e adaptar às convenções comuns da escrita de textos na internet ou em chats telefónicos.

B4.7.1. Produz textos escritos breves em diferentes suportes com possíveis erros ortográfico e de pontuação que não impeça a compreensão e utiliza o corrector informático para detectar e corrigir erros tipográficos e ortográfico.

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma inglês

- Expressão de relações lógicas: conjunção (and, also too); disxunción (or); oposição/concessão ((not…) but); causa (because (of); as); finalidade (to- infinitive); comparação (as/not sob Adj. as; less/more + Adj./ Adv. (than); the highest in the world); resultado (sob; sob that); .

- Afirmação (affirmative sentences; tags; me too; think/hope sob).

- Exclamação (What + (Adj. +) noun, e. g. What beautiful horses!; exclamatory sentences and phrases, e. g. Hey, that's my bike!).

- Negação (negative sentences with not, never, no (Adj.), nobody, nothing; negative tags).

- Interrogación (Wh- questions; aux. questions; What is the book about?; tags).

- Expressão do tempo: passado (past simples and continuous); presente (simples and continuous present); futuro (going to; will; present simples and continuous).

- Expressão do aspecto: pontual (simples tenses); durativo (present and past simples); habitual (simples tenses (+ Adv., e. g. every Sunday morning).

- Expressão da modalidade: factualidade (declarative sentences); capacidade (cão); possibilidade/probabilidade (may; perhaps); necessidade (must; need; have (got) to); obriga (have (got) to; must; imperative); permissão (may; could); intuito (present continuous).

- Expressão da entidade: (count/uncount nouns; pronouns (relative, reflexive/one(s); determiners).

- Expressão da quantidade: (singular/plural; cardinal and ordinal numerals. Quantity: e. g. lots (of). Degree: e.g. absolutely; a (little) bit).

- Expressão do espaço: (prepositions and adverbs of location, position, distance, motion, direction, origin and arrangement).

- Expressão do tempo: (points (e. g. at midnight), divisions (e. g. term), and indications (ago; early; late) of time; duration (from…to; during; until) anteriority, posteriority (before, afterwards; later); sequence (first, second, after that, finally); simultaneousness (just when); frequency (e. g. twice/four times a week; daily)).

- Expressão do modo: (Adv. and phrases of manner, e. g. carefully; in a hurry).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma francês

- Expressão de relações lógicas: conjunção (et, aussi); disxunción (ou, alors que, cependant, tandis que, au lieu de + Inf); oposição/concessão (or, par contre); causa (parce que); finalidade (pour) comparação (plus/moins/aussi…que; lê meilleur, lê mieux, lê pire, aussi + Adj./Adv. que); resultado (c´est pourquoi, par conséquent, donc).

- Afirmação (phrases affirmatives; questions de reprise; muito aussi; je pense/espère ça).

- Exclamação (Comment, quel/quelle + Adj. + nom, p. ex. Quel facile l'examen!; phrases exclamatives, p. ex. C'est parti!).

- Negação (phrases négatives avec ne…pás, pás de ,…jamais, não (Adj.), personne, rien, question de reprise négative).

- Interrogación (interrogation partielle; Questions Aux.; Est-ce que lê livre est intéressant?, question de reprise; et alors? A quoi bon…? Quel, quelle? Ah bon?).

- Expressão do tempo: passado (passé composé); presente (simples et continu); futuro (aller + Inf.; future simples; présent simples et présent continu + Adv).

- Expressão do aspecto: pontual (temps simples); durativo (présent et passé composé); habitual (temps simples (+ Adv., p. ex. tous lês Dimanches matin).

- Expressão da modalidade: factualidade (phrases déclaratives); capacidade (pouvoir, être capable, arriver à faire, réussir à); possibilidade/probabilidade (c'est (presque) certain, il n'y a pás de chance pour que); necessidade (devoir, avoir besoin de); obriga (devoir, interdit de; impératif); permissão (permettre qqch, à qq'um, permettre de faire qqch à qq´um); intuito (présent continu; avoir, l'intention de faire qqch, avoir envie de faire qqch, décider de faire qqch).

- Expressão da entidade: (nom dénombrable/nom não dénombrable; pronom (relatif, réfléchi /emphatique); déterminants).

- Expressão da quantidade: (singulier/pluriel; nombres cardinaux et ordinaux. Quantité: p. ex. beaucoup de. Graduation: p. ex. absolument, um (petit) peu).

- Expressão o espaço: (prépositions et adverbes de lieu, position, distance, mouvement, direction, provenance, destination).

- Expressão do tempo: (lê temps (p. ex. à minuit); divisions (p. ex. ter-me) et indications de temps (p. ex. c'était, il y a, tôt, em avanço; tard); de duration (p. ex. de à;…pendant, jusqu'à; depuis); antériorité (déjà; (pás) encore); postériorité (après; plus tard); séquence (d'abord, prochain(e); après ça, finalement; simultanéité (juste quand); fréquence (p. ex. deux fois/quatre fois par semaine; quotidiennement).

- Expressão do modo: (Adv. et phrases de manière, p. ex. doucement; rapidement, vite).

Estruturas sintáctico-discursivas no idioma português

- Expressão de relações lógicas: conjunção (e, também); disxunción (ou); oposição/concessão (me as, mesmo assim); causa (porque; por isso; como); finalidade (para + Inf.); comparação (mas/menos /tão + Adj./ Adv.+ (de o) que/como/quanto; maior/mas pequeno...; superlativo absoluto (-íssimo, -limo); resultado (assim, por isso).

- Afirmação (frases afirmativas; proforma (p.e. eu também; certamente).

- Exclamação (Que (+ S) + Adj., p. ex. Que dia lindo!; Que gentil!; sintagmas exclamativos, p.ex. Puxa, este CD está muito caro! Está bom!).

- Negação (frases negativas com não, nunca; nada, nenhum (a), ninguém; proforma (p.ex. eu também não)).

- Interrogación (frases interrogativas diretas QU- (p.ex. Quem fez o quê?); interrogativas tags (p.ex. Queres ir ao cinema, não queres?).

- Expressão do tempo: passado (pretérito perfeito simples e perfeito composto); presente (presente simples e contínuo); futuro (futuro simples +Adv.; haver-de; presente simples e contínuo + Adv).

- Expressão do aspecto: pontual (tempos simples); durativo (presente e pretérito simples/perfeito composto do indicativo); habitual (tempos simples (+ Adv., p. ex.: toda sexta-feira, manhã).

- Expressão da modalidade: factualidade (frases declarativas); capacidade (é capaz de + Inf.; saber); possibilidade/probabilidade (poder; dever; ser possível/impossível + Inf.; talvez); necessidade (ser preciso/necessário + Inf.); obriga (ter que/de, dever; imperativo); permissão (poder + Inf.; ser possível/permitido + Inf.); intuito (presente contínuo).

- Expressão da entidade: (substantivo contáveis/massivos/coletivos/compostos; pronomes (relativos, reflexivos ato-nos/tónicos); determinante).

- Expressão da quantidade: (singular/plural; numerais cardinais e ordinal. Quantidade: p.ex. todo (a), maioria, ambos, nenhum(a). Grau: p.ex. absolutamente, um pouco).

- Expressão do espaço: (preposições e advérbios de lugar, localização, distância, movimento, direção, origem e acomodação).

- Expressão do tempo: (momento pontual (p. ex. à meia-noite), divisões (p. ex. prazo), e indicações de tempo (p. ex. atrás, cedo, tarde); de duração (p. ex. de/desde...a; durante); anterioridade (ainda; ontem); posterioridade (depois, logo, próxima segunda-feira); sequência (primeiro, depois, finalmente); simultaneidade (ao mesmo tempo); frequência (p. ex. duas/quatro vezes por semana; diariamente).

- Expressão do modo: (Adv. de maneira, p. ex. cuidadosamente; com pressa).

• Âmbito científico-tecnológico.

O âmbito científico-tecnológico tem como finalidade que o estudantado se capacite para oferecer uma explicação lógica do mundo físico e adquira uma cultura científica básica que constitua a base para a aquisição de novos conhecimentos desde uma visão global e integradora da realidade. O sucesso deste fim implica a aquisição de competências para formalizar e sistematizar a construção de conceitos de um modo interrelacionado, desenvolver procedimentos característicos das disciplinas que compreendem as ciências naturais e construir um sistema de valores próprios, socialmente recoñecibles, conducentes à reflexão e à análise sobre os envolvimentos éticos da intervenção do ser humano na natureza e dos grandes avanços científicos da actualidade. O consequente processo de alfabetização científica contribuirá à compreensão de fenômenos naturais, de problemas que encontram soluções no desenvolvimento científico e tecnológico e de atitudes responsáveis dirigidas a sentar as bases de um desenvolvimento sustentável.

As achegas deste âmbito científico-tecnológico à aquisição das competências chave da educação para pessoas adultas são:

– Comunicação linguística (CCL).

A aprendizagem deste âmbito científico-tecnológico requer a prática de diferentes destrezas adquiridas ao longo da vida mediante o uso da língua, que implicam o manejo de diferentes modalidades de comunicação e o acesso a múltiplos suportes de informação, com textos em vários formatos, nos cales se empregam diversas linguagens e sistemas de representação, agora aplicados ao contexto científico, tendo sempre presente, ademais, que a linguagem é um instrumento humano básico porque permite razoar.

– Competência matemática e competências básicas em ciência e tecnologia (CMCCT).

Tanto a interpretação de acontecimentos, factos e acontecimentos como a experimentação no âmbito das ciências naturais e da tecnologia implicam a compreensão e a utilização do sistema numérico, a realização de cálculos, a estimação e o cálculo de magnitudes, a situação no espaço, o tratamento e a representação da informação e a valoração do azar e a probabilidade. Necessitam a aplicação do razoamento matemático e as suas ferramentas para descrever, interpretar e predizer diferentes fenômenos nos seus respectivos contextos, demonstrando os resultados matemáticos e valorando as soluções pela sua fiabilidade e veracidade.

Além disso, favorecem o incremento de destrezas para abordar a incerteza, o tratamento dos dados e os razoamentos cualitativos e cuantitativos de maneira lógica e argumentada, para estabelecer relações, para deduzir conclusões coherentes bem fundamentadas a problemas quotidianos e para alargar atitudes relacionadas com a assunção de critérios éticos associados à ciência, como são a conservação de recursos naturais e outras questões ambientais. Tudo isso contribui ao desenvolvimento das capacidades necessárias para gerar conhecimento rigoroso, de um modo sistemático, como é intrínseco ao método científico, assim como para desenvolver projectos tecnológicos bem planificados.

– Competência digital (CD).

O estudo das ciências naturais e a aplicação de procedimentos característicos do desenvolvimento tecnológico e da investigação científica demandan o uso habitual das novas tecnologias da informação e da comunicação. Precisam incrementar as habilidades de procura, selecção e recompilação de informação e desenvolver uma atitude crítica para analisar e interpretar a validade e fiabilidade do contido, com o fim de resolver problemas, avaliar novas fontes de informação e motivar a curiosidade pelo conhecimento.

Ademais, este âmbito científico-tecnológico contribui à ampliação de capacidades compreendidas na competência digital para seleccionar os suportes mais apropriados para observar, elaborar hipóteses, informar-se, experimentar, resolver todo o tipo de problemas, executar as tarefas técnicas adequadamente e elaborar conclusões bem fundamentadas. Propõe aprendizagens mediante o uso dos diferentes recursos das tecnologias da informação e da comunicação de maneira responsável, fiável e segura, tanto para resolver problemas como para produzir novos conteúdos.

– Aprender a aprender (CAA).

A metodoloxía didáctica deste âmbito científico-tecnológico prepara para formar-se permanentemente ao longo da vida ao propor que o estudantado aprenda a observar e formular-se questões sobre a realidade, a informar-se, a estudar, a realizar uma elaboração pessoal do conhecimento, a reflectir e a elaborar respostas aos fenômenos naturais e tecnológicos que aparecem na sua vida quotidiana. Tudo isso acorda a curiosidade, incrementa a motivação e impulsiona o desejo contínuo de incorporar novos conhecimentos.

Desenvolver projectos pessoais específicos das ciências naturais ajuda a conseguir um nível relevante em autonomia e eficácia da própria aprendizagem, ao que se chega mediante trabalhos individuais e em grupo. A formação em diferentes áreas do saber cientista requer um processo introspectivo para valorar e relacionar os interesses e conhecimentos prévios com novos saberes e empregar todas as estratégias de estudo e trabalho aprendidas: escuta activa, leitura, compreensão, análise, síntese, estruturación da informação, elaboração pessoal do saber, aplicação do conhecimento etc.

– Competências sociais e cívico (CSC).

O âmbito científico-tecnológico afianza a capacidade de identificar, interpretar, apreciar e axuizar acontecimentos, factos, comportamentos, hábitos e valores para relacionar-se com o meio desde o respeito, mediante o diálogo, a cooperação e a participação a nível local, nacional e europeu. Propõe aprendizagens para a toma de decisões bem fundamentadas e argumentadas, para a compreensão e expressão de diferentes pontos de vista. Propõe estratégias para alcançar o bem-estar pessoal e colectivo.

– Sentido de iniciativa e espírito emprendedor (CSIEE).

Este âmbito científico-tecnológico fomenta a capacidade de transformar ideias em actos, partindo de habilidades e destrezas pessoais, ao abordar conteúdos, estratégias metacognitivas, procedimentos e projectos que dotam as pessoas adultas de recursos para desenvolverem-se adequadamente e enfrentarem de maneira autónoma reptos pessoais, sociais, académicos e laborais de muito diversa índole.

Consequentemente, promovem-se atitudes para aproveitar a informação, desenvolver ideias, resolver problemas e apresentar conclusões inovadoras.

Por outra parte, potencia a capacidade de análise, o pensamento crítico, a resolução de problemas e tomada de decisões do indivíduo ao propor a interpretação e a análise crítica da informação, conhecimentos e acontecimentos relacionados com a ciência e a tecnologia. Este âmbito favorece também o aumento da capacidade requerida para enfrentar a incerteza, o desenho e a implementación de planos de acção eficazes, propondo e argumentando soluções a diferentes problemas quotidianos com autonomia e iniciativa pessoal.

– Consciência e expressões culturais (CCEC).

A pessoa enriquece a sua competência cultural ao conhecer, compreender, interpretar e desfrutar a natureza e o labor humano, tratando-os como objecto de estudo e como fonte de inspiração de criações artísticas. A beleza da natureza foi objecto de estudo, valoração e recreação ao longo da história. A intervenção humana na natureza e a cultura põem-se de manifesto na arte com os propósitos de informar, educar, criar e recrear-se. A tecnologia é um constituí-te essencial da cultura actual e, por isso, desempenha um papel fundamental como objecto de estudo e representação e como instrumento de criação artística.

Este âmbito científico-tecnológico realiza achegas importantes à competência em consciência e expressões culturais ao propor a reflexão e a posta em prática de atitudes de respeito, aceitação e desfrute das diferentes manifestações culturais e artísticas, valorando a liberdade de expressão, o direito à diversidade cultural e o diálogo entre culturas e sociedades, passadas e actuais, locais e universais, com um espírito aberto, positivo e solidário.

Os conteúdos do âmbito estão estruturados de acordo com interesses e necessidades do saber cientista e tecnológico, fundamentais para as pessoas adultas. Integram transversalmente as competências inherentes ao trabalho científico, incidindo no processo de experimentação como base para a resolução de qualquer tipo de problema e na apresentação e devida argumentação dos resultados obtidos. Estão combinados de jeito que se potencie a integração e interconexión de diversas disciplinas, oferecendo ao estudantado uma visão global da descrição e interpretação científica do mundo.

Os conteúdos foram seleccionados de jeito que o estudantado conte com os instrumentos indispensáveis para interpretar a realidade e expressar os fenômenos naturais, científicos e técnicos de um mundo cada vez mais complexo. Compreendem métodos gerais que possam aplicar-se em contextos diversos e desenvolvam a capacidade de simplificar e abstraer para analisar este mundo em contínua e rápida transformação. Proporcionam instrumentos necessários para converter os factos observables em conhecimento, informação e mensagens na comunicação.

A metodoloxía didáctica terá como finalidade a ampliação das competências chave em relação com os contidos deste âmbito científico-tecnológico e fundamentará na aplicação do método científico que implica a capacitação para questionar, identificar problemas, formular hipóteses, planificar e realizar acções, recolher e organizar informação relevante, sistematizar conhecimento, analisar resultados, tirar conclusões e comunicá-las correctamente.

Tratar-se-á de involucrar o estudantado numa aprendizagem baseada no desenvolvimento de projectos de investigação relacionados com situações reais, concretas e significativas que permitem a compreensão e análise crítica de problemas que afectam a sociedade actual na vertente natural e ambiental, valorando o desenvolvimento sustentável do planeta. Potenciar a habilidade de formular, expor, interpretar e resolver problemas é fundamental já que permite às pessoas desenvolverem os processos cognitivos necessários para abordarem e resolverem situações interdisciplinares reais.

O processo da resolução de problemas deverá potenciar a habilidade para perceber diferentes formulações e aplicar planos práticos, rever os procedimentos de procura de soluções e expor as aplicações desse conhecimento e dessas habilidades a diversas situações da vida real, assim como fomentar a autonomia para estabelecer hipóteses e contrastá-las, e para desenhar diferentes estratégias de resolução ou extrapolar os resultados obtidos a situações análogas.

A elaboração de trabalhos de investigação sobre temas propostos ou de livre eleição terá como objectivo desenvolver a aprendizagem autónoma, aprofundar e alargar conteúdos relacionados com o currículo e melhorar as destrezas tecnológicas e comunicativas. Uma parte fundamental destes projectos será a exposição e defesa oral das conclusões. Estes trabalhos realizar-se-ão individualmente e em equipa, utilizando as tecnologias da informação e da comunicação.

Os procedimentos de ensino e aprendizagem irão encaminhados a sistematizar o conhecimento sobre o mundo natural através da construção de conceitos e das relações entre eles, a buscar modelos explicativos que permitam compreender melhor a natureza e, em definitiva, à construção de saber científico extensible a outros âmbitos de conhecimento.

O uso das tecnologias da informação e da comunicação terá grande importância neste processo, tanto na procura, selecção e comunicação da informação como na compreensão mediante a simulação de processos. A utilização das aplicações virtuais interactivas deverá jogar um papel crucial, porque proporcionam alternativas aos laboratórios tradicionais e constituem a única forma de estudar, de maneira experimental, alguns processos de difícil execução prática.

As tecnologias da informação e da comunicação devem ser uma ferramenta fundamental para sustentar as investigações, fundamentar os trabalhos e aprofundar na terminologia científica. Terão um papel essencial para a melhor compreensão de conceitos, na resolução de problemas complexos e para contrastar com maior rigor as hipóteses propostas e apresentar e comunicar os resultados obtidos.

O professorado deverá guiar o estudantado, não só na aquisição de conhecimentos, senão também no desenvolvimento das habilidades e destrezas próprias do quefazer científico; deverá fomentar a criatividade e a curiosidade com o objectivo de favorecer atitudes positivas para a ciência e o trabalho científico. Procurará contornos motivadores em que o estudantado, partindo das suas ideias prévias e confrontando com a experimentação, aprenda fazendo, tire as suas próprias conclusões e chegue em por sim a uma concepção científica do mundo que o arrodea, podendo achegar uma explicação formal e fundamentada do estudado.

Os standard de aprendizagem propõem compreender, interpretar textos e comunicar, mediante uma linguagem multimodal em diferentes sistemas de representação, o conhecimento académico e científico processado e elaborado, destacando aspectos básicos da comunicação, a exposição e o diálogo. Especificam acções chave do processo de experimentação, tais como observar, analisar, diferenciar, estruturar, conhecer, descrever, sintetizar, investigar, relacionar, associar, questionar, explicar, interpretar, deduzir, demonstrar etc. Incluem o uso responsável e eficaz das novas tecnologias para buscar e gerir informação, empregar técnicas de estudo e trabalho, resolver problemas e aplicar o conhecimento. O seu sucesso implica a melhora do bem-estar individual do estudantado e achegas importantes ao bem comum, porque inclui a actuação responsável, o julgamento crítico baseado em valores positivos e o desenvolvimento moral.

Os critérios de avaliação estão formulados de maneira que permitam valorar o grau de consecução de cada uma das competências em relação com os contidos do âmbito científico-tecnológico. Têm o propósito de guiar a análise das possibilidades que tem cada aluno e aluna para conhecer, compreender e relacionar-se de um modo positivo, para sim mesmo e para os demais, com o mundo físico. Isto implica actuar com autonomia e responsabilidade; compreender, interpretar e descrever o mundo e valorá-lo como fonte de inspiração; ser consciente do impacto da evolução científica e tecnológica na cultura; associar fenômenos com as suas causas e consequências; utilizar os recursos humanos e materiais mais habituais para buscar informação e resolver problemas; tomar consciência e compreender os valores implícitos no bem-estar individual e colectivo, comprometer-se e participar nos contornos próximos e afastados de acordo com os supracitados valores.

ÂMBITO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICO. MÓDULO 1

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Números e álxebra

e

i

l

p

B1.1. Números naturais: escrita e representação. Operações combinadas, hierarquia e uso do parêntese. Potências, operações com potências. Quadrados perfeitos, raízes quadradas.

B1.2. Números inteiros: representação na recta numérica. Valor absoluto e oposto de um número inteiro. Operações combinadas, hierarquia e uso do parêntese. Potências de números inteiros com expoñente natural, operações. Uso da calculadora.

B1.1. Utilizar números naturais e inteiros, as suas operações e as suas propriedades para recolher, transformar e intercambiar informação e resolver problemas relacionados com a vida quotidiana.

B1.1.1. Identifica os números naturais e inteiros e utiliza-os para representar, ordenar e interpretar adequadamente a informação cuantitativa.

CMCCT

CD

B1.1.2. Calcula o valor de expressões numéricas de diferentes tipos de números mediante as operações elementares e as potências de expoñente natural, aplicando correctamente a hierarquia das operações.

B1.1.3. Emprega adequadamente os tipos de números e as suas operações para resolver problemas quotidianos contextualizados, representando e interpretando mediante meios tecnológicos, quando seja necessário, os resultados obtidos.

CMCCT

CD

CL

B1.1.4. Realiza cálculos nos quais intervêm potências de expoñente natural e aplica as regras básicas das operações com potências.

CMCCT

CD

e

j

B1.3. Divisibilidade: múltiplos e divisores de um número. Critérios de divisibilidade, descomposição factorial. Mínimo comum múltiplo e máximo comum divisor, cálculo a partir da descomposição factorial.

B1.2. Conhecer e utilizar propriedades e novos significados dos números em contextos de paridade, divisibilidade e operações elementares, melhorando assim a compreensão do conceito e dos tipos de números.

B1.2.1. Reconhece novos significados e propriedades dos números em contextos de resolução de problemas sobre paridade, divisibilidade e operações elementares.

CMCCT

CL

B1.2.2. Aplica os critérios de divisibilidade por 2, 3, 5, 9 e 11 para descompor em factores primos números naturais, e emprega-os em exercícios, actividades e problemas contextualizados.

CMCCT

B1.2.3. Identifica e calcula o máximo comum divisor e o mínimo comum múltiplo de dois ou mais números naturais mediante o algoritmo ajeitado e aplica-o em problemas contextualizados.

e

i

j

l

p

B1.4. Números racionais: fracções, fracções equivalentes, simplificar fracções, redução de fracções a comum denominador. Operações com fracções, operações combinadas, hierarquia e uso do parêntese. Potências de fracções. Relação entre números decimais e fracções. Potências de base 10. Uso da notação científica para representar números grandes.

B1.3. Utilizar números fraccionarios e decimais, as suas operações e as suas propriedades, para recolher, transformar e intercambiar informação e resolver problemas relacionados com a vida diária.

B1.3.1. Calcula fracções equivalentes, simplificar fracções e reduz a comum denominador.

CMCCT

CCL

B1.3.2. Realiza operações de conversão entre números decimais e fraccionarios, acha fracções equivalentes e simplificar fracções, para aplicar na resolução de problemas.

B1.3.3. Expressa verbalmente e de forma razoada o processo seguido na resolução de um problema com a precisão e rigor adequados.

B1.4. Desenvolver, em casos singelos, a competência no uso de operações combinadas de números racionais como síntese de sequência de operações aritméticas, aplicando correctamente a hierarquia das operações.

B1.4.1. Realiza operações combinadas entre números inteiros, decimais e fraccionarios com eficácia, mediante cálculo mental e algoritmos, empregando lapis e papel, calculadora ou meios tecnológicos, utilizando a notação mais ajeitada e respeitando a hierarquia das operações.

CMCCT

CD

B1.4.2. Estabelece conexões entre um problema do mundo real e o mundo matemático, identificando o problema ou os problemas matemáticos que subxacen nele e os conhecimentos matemáticos necessários.

CMCCT

CSIEE

B1.4.3. Utiliza estratégias heurísticas e processos de razoamento na resolução de problemas, reflectindo sobre o processo de resolução.

CMCCT

CAA

Bloco 2: Xeometría

e

h

j

B2.1. Elementos básicos da xeometría do plano. Paralelismo e perpendicularidade. Ângulos e a sua relação. Construções xeométricas singelas: mediatriz e bisectriz.

B2.1. Reconhecer e descrever figuras planas, os seus elementos e as suas propriedades características para classificá-las, identificar situações, descrever o contexto físico e abordar problemas da vida quotidiana.

B2.1.1. Reconhece e descreve as características dos polígonos regulares (ângulos interiores, ângulos centrais, diagonais, apotema, simetrias).

CMCCT

CL

B2.1.2. Define os elementos característicos dos triángulos, traçando estes e conhecendo a propriedade comum a cada um deles, e classifica-os atendendo tanto aos seus lados como aos seus ângulos.

CMCCT

CL

e

h

B2.2. Figuras planas elementares: triángulo, cadrar e figuras poligonais. Classificação de triángulos, cuadriláteros e polígonos.

B2.1.3. Classifica os cuadriláteros e os paralelogramos atendendo ao paralelismo entre os seus lados opostos e conhecendo as suas propriedades referentes a ângulos, lados e diagonais.

CMCCT

e

f

j

B2.3. Sistema internacional de unidades. Unidades de massa, comprimento e volume. Múltiplos e submúltiplos.

B2.4. Cálculo de áreas e perímetros de figuras planas. Unidades lineais e de superfície. Factores de conversão.

B2.5 Circunferencia e círculo.

B2.2. Utilizar estratégias, ferramentas tecnológicas e técnicas simples da xeometría analítica plana para a resolução de problemas de perímetros, áreas e ângulos de figuras planas, utilizando a linguagem matemática e as unidades ajeitadas, e expressar o procedimento seguido na resolução.

B2.2.1. Resolve problemas relacionados com distâncias, perímetros, superfícies e ângulos de figuras planas, em contextos da vida real, utilizando as ferramentas tecnológicas, unidades e as técnicas xeométricas mais apropriadas.

CMCCT

CCL

CSIEE

B2.2.2. Identifica as propriedades xeométricas que caracterizam os pontos da circunferencia e o círculo.

CMCCT

B2.2.3. Calcula o comprimento da circunferencia, a área do círculo, o comprimento de um arco e a área de um sector circular, e aplica-as para resolver problemas xeométricos

CMCCT

CCL

CSIEE

Bloco 3: Funções

a

e

f

B3.1. Coordenadas cartesianas. Representação e identificação de pontos num sistema de eixos coordenados. Conceito de vector.

B3.1. Conhecer, manejar e interpretar o sistema de coordenadas cartesianas.

B3.1.1. Localiza pontos no plano a partir das suas coordenadas e nomeia pontos do plano escrevendo as suas coordenadas.

CMCCT

B3.2. Conceito de função: variable dependente e independente. Formas de representação: linguagem habitual, tabela, gráfica e fórmula.

B3.2. Compreender o conceito de função.

B3.2.1. Reconhece se uma gráfica representa ou não uma função.

B.3.3 Manejar as formas de apresentar uma função (linguagem habitual, tabela numérica, gráfica e equação), passando de umas formas a outras elegendo a melhor delas em função do contexto.

B3.3.1. Passa de umas formas de representação de uma função a outras e elege a mais adequada em função do contexto.

CMCCT

CCL

Bloco 4: Ciência e tecnologia nas nossas vidas

a

e

i

k

l

p

B4.1. Arquitectura básica dos sistemas informáticos. Software: sistema operativo e aplicações básicas. Desenho e produção de informação digital. Interacção na rede. Criação de produtos tecnológicos.

B4.1. Distinguir as partes operativas de uma equipa informática e conhecer a sua função em conjunto.

B4.1.1. Identifica os componentes fundamentais de um ordenador e conhece a sua função.

CMCCT

CD

B4.2. Reconhecer a importância do sistema operativo e as suas funções.

B4.2.1. Desenha as fases que devem levar-se a cabo para a resolução de um problema desde o ponto de vista tecnológico.

B4.2.2. Usa adequadamente as utilidades básicas do sistema operativo.

B4.3. Organizar com racionalidade a informação armazenada no seu ordenador.

B4.3.1. Realiza operações básicas de organização e armazenamento da informação pessoal contida no seu ordenador.

B4.4. Instalar e manejar programas básicos.

B4.4.1. Conhece o procedimento geral para a instalação de aplicações singelas e realiza operações básicas com elas.

B4.5. Utilizar programas de edição de texto, folhas de cálculo e criação de apresentações multimédia.

B4.5.1. Elabora e maqueta documentos de texto singelos, com aplicações que facilitam a inclusão de tabelas e imagens.

B4.5.2. Acredite apresentações que integram texto, imagem e outros elementos multimédia.

CMCCT

CD

CAA

B4.5.3. Utiliza fórmulas para obter resultados em folhas de cálculo e obtém representações gráficas dos resultados utilizados.

CMCCT

CD

B4.6. Identificar os riscos associados ao uso da internet.

B4.6.1. Conhece os riscos de segurança e emprega hábitos de protecção adequados para a informação pessoal.

CMCCT

CD

CAA

B4.6.2. Conhece a importância da identidade digital e os tipos de fraude na rede.

CMCCT

CD

B4.7. Buscar, seleccionar e produzir informação na internet.

B4.7.1. Utiliza fórmulas para obter resultados em folhas de cálculo e obtém representações gráficas dos resultados utilizados.

B4.8. Reconhecer e compreender os direitos de autor dos materiais aloxados na web.

B4.8.1. Diferencia o conceito de materiais sujeitos a direito de autor e materiais de livre distribuição.

CMCCT

CD

CAA

B4.9. Adoptar condutas adequadas de interacção na rede.

B4.9.1. Respeita as normas básicas de interacção na rede.

CMCCT

CD

CSC

Bloco 5: A Terra como planeta

e

j

k

l

B5.1. O sistema solar e os seus componentes.

B5.1. Expor a organização do sistema solar.

B5.1.1. Distingue entre astronomía e astroloxía.

CMCCT

CCEC

B5.1.2. Reconhece os componentes do sistema solar e descreve as suas características gerais.

CMCCT

j

k

l

B5.2. Situação da Terra no sistema solar.

B5.2. Localizar a posição da Terra no sistema solar.

B5.2.1. Compara os modelos xeocéntrico, heliocéntrico e actual indicando a posição que ocupa a Terra em cada um deles.

j

k

l

B5.3. O planeta Terra: características. Forma, dimensões e camadas (atmosfera, hidrosfera e xeosfera).

B5.3. Relacionar comparativamente a posição de um planeta no sistema solar com as suas características.

B5.3.1. Descreve as características que se dão no planeta Terra que favoreceram o desenvolvimento da vida.

CMCCT

CCL

a

e

f

j

k

l

B5.4. Os movimentos da Terra: rotação e translação e as suas consequências.

B5.4. Estabelecer os movimentos da Terra, da Lua e do Sol, e relacionar com a existência do dia e a noite, as estações...

B5.4.1. Categoriza os fenômenos principais relacionados com o movimento e a posição dos astros.

CMCCT

B5.4.2. Interpreta correctamente em gráficos e esquemas fenômenos como as fases lunares, as estações e as eclipses, e estabelece a sua relação com a posição relativa da Terra, a Lua e o Sol.

CMCCT

CCL

CSC

e

j

k

l

B5.5. A xeosfera: composição e distribuição dos materiais terrestres segundo a sua abundância e a distribuição nas grandes camadas da Terra.

B5.5. Identificar os materiais terrestres segundo a sua abundância e a distribuição nas grandes camadas da Terra.

B5.5.1. Nomeia e situa correctamente numa representação gráfica as grandes camadas do interior da Terra.

CMCCT

B5.5.2. Descreve as características gerais das camadas do interior do planeta e justifica a sua distribuição em camadas em função da sua densidade.

CMCCT

CCL

j

k

l

B5.6. A atmosfera: composição e estrutura. Importância do papel protector da atmosfera para os seres vivos.

B5.6. Analisar a composição e as propriedades da atmosfera e as propriedades do ar.

B5.6.1. Representa as diferentes camadas da atmosfera, situando-as por ordem e descreve a sua composição química.

CMCCT

e

f

m

i

j

k

l

B5.7. Repercussões da actividade humana na atmosfera: a contaminação. Possíveis soluções.

B5.7. Reconhecer a importância do papel protector da atmosfera para os seres vivos e considerar as repercussões da actividade humana nela.

B5.7.1. Identifica os poluentes principais da atmosfera em relação com a sua origem.

B5.7.2. Identifica e justifica com argumentações singelas as causas que sustentam o papel protector da atmosfera para os seres vivos.

CSC

CCL

B5.8. Relacionar os problemas de contaminação ambiental actuais e as suas repercussões, e desenvolver atitudes que contribuam à sua solução.

B5.8.1. Recolhe informação de diferentes fontes sobre as relações entre a contaminação ambiental e a deterioração ambiental, e propõe acções e hábitos que contribuam à sua solução.

CSC

CD

CSIEE

i

j

k

B5.8. A hidrosfera: características da água que a fã imprescindível para a existência de vida e dos seres vivos.

B5.9. Descrever as propriedades da água e a sua importância para a existência da vida.

B5.9.1. Reconhece as propriedades da água em relação com as suas consequências para a manutenção da vida na Terra.

CMCCT

a

b

e

f

g

i

j

k

B5.9. O ciclo da água e a água como recurso. Importância de uma gestão sustentável da água.

B5.10. Interpretar a distribuição da água na Terra, assim como o ciclo da água e o uso que faz dela o ser humano.

B5.10.1. Descreve o ciclo da água em relação com os suas mudanças de estado.

CMCCT

CCL

B5.11. Valorar e identificar a necessidade de uma gestão sustentável da água e de actuações pessoais e colectivas que potenciem a redução do consumo e a sua reutilização.

B5.11.1. Compreende e identifica o significado da gestão sustentável da água doce e enumerar medidas concretas para reduzir e melhorar o seu consumo.

CSC

CSIEE

B5.11.2. Investiga e justifica que usos podem dar às águas residuais depuradas.

CSC

CD

i

j

k

m

B5.10. Repercussões da actividade humana na contaminação das águas doces e salgadas. Possíveis soluções.

B5.12. Justificar e argumentar a importância de preservar e não contaminar as águas doces e salgadas.

B5.12.1. Investiga e reconhece os problemas de contaminação de águas doces e salgadas, em relação com as actividades humanas.

i

j

k

B5.11. A biosfera. Características que fizeram da Terra um planeta habitável.

B5.13. Seleccionar as características que fã da Terra um planeta especial para o desenvolvimento da vida.

B5.13.1. Identifica as condições e as características que possibilitaram a vida no planeta Terra.

CMCCT

Bloco 6: O relevo terrestre e a sua evolução

i

j

k

B6.1. Ciclo e modelaxe do relevo. Factores que condicionar que o relevo difira de uns sítios a outros.

B6.1. Identificar algumas das causas que fazem com que o relevo difira de uns sítios a outros.

B6.1.1. Identifica a influência do clima e das características das rochas que condicionar os tipos de relevo e influem neles.

CMCCT

e

m

i

j

k

B6.2. Evolução do relevo como resultado da interacção entre os processos externos e internos.

B6.2. Relacionar os processos geológicos externos com a energia que os activa.

B6.2.1. Relaciona a energia solar com os processos externos, e justifica o papel da gravidade na sua dinâmica.

B6.2.2. Diferencia os processos de meteorización, erosão, transporte e sedimentación, e os seus efeitos em diferentes tipos de relevo.

B6.3. Diferenciar as mudanças na superfície terrestre gerados pela energia do interior da Terra dos de origem externa.

B6.3.1 Diferencia um processo geológico externo de um interno e identifica os seus efeitos no relevo.

e

f

g

i

k

m

n

B6.3. Agentes externos modeladores da paisagem. Factores que condicionar a modelaxe da paisagem galega.

B6.4. Indagar e identificar os agentes e os factores que condicionar a modelaxe da paisagem galega.

B6.4.1. Investiga acerca da paisagem da contorna mais próxima e identifica alguns dos agentes e dos factores modeladores da paisagem.

CCEC

CAA

CD

B6.4.2. Valora e descreve a importância da actividade humana na transformação da superfície terrestre.

CSC

CCEC

a

e

j

k

l

i

B6.4. Manifestações da energia interna da Terra. Os processos internos: actividade sísmica e vulcânica.

B6.5. Analisar a actividade sísmica e vulcânica, as suas características e os efeitos que geram.

B6.5.1. Investiga e justifica a existência de zonas em que os terramotos são mais frequentes e de maior magnitude.

CAA

CMCCT

CD

B6.5.2. Relaciona os tipos de erupção vulcânica com o magma que as origina e associa com o grau de perigo.

CMCCT

f

j

k

l

B6.5. Distribuição de vulcões e terramotos. Riscos sísmico e vulcânico: importância da sua predição e da sua prevenção.

B6.6. Relacionar a actividade sísmica e vulcânica com a dinâmica do interior terrestre e justificar a sua distribuição planetaria.

B6.6.1. Relaciona a dinâmica interna do planeta com a origem de sismos e de vulcões.

B6.6.2. Valora e descreve o risco sísmico existente na zona na que habita e descreve as medidas de prevenção que deve adoptar.

CAA

CSC

f

l

j

k

m

n

B6.6. Relação do ciclo geológico e a formação das rochas e minerais. Rochas e minerais frequentes na Galiza e aplicações mais frequentes.

B6.7. Reconhecer as propriedades e as características dos minerais e das rochas, distinguir as suas aplicações mais frequentes e salientar a sua importância económica.

B6.7.1. Identifica minerais e rochas frequentes na Galiza utilizando critérios que permitam diferenciar e explicar a relação que existe entre ambos os dois.

CMCCT

CAA

B6.7.2. Descreve algumas das aplicações mais frequentes dos minerais e das rochas no âmbito da vida quotidiana e reconhece a importância do seu uso responsável.

CCEC

CSC

j

k

l

B6.7. Formação do solo. Tipos de componentes que o formam.

B6.8. Analisar os componentes do solo e esquematizar as relações entre eles.

B6.8.1. Reconhece que o solo é o resultado da interacção entre os componentes bióticos e abióticos, e assinala alguma das suas interacções.

CMCCT

f

j

k

m

B6.8. Importância do solo. Riscos da sua sobreexploração, degradação ou perda.

B6.9. Valorar e determinar a importância do solo e os riscos que comporta a sua sobreexploração, degradação ou perda.

B6.9.1. Reconhece a fragilidade do solo e valora a necessidade de protegê-lo. Valora a importância do solo na Galiza.

CMCCT

CSC

Bloco 7: A biodiversidade das povoações no planeta Terra

a

d

e

i

j

k

l

m

B7.1. Uniformidade e biodiversidade dos seres vivos: significado e importância. Funções vitais comuns a todos os seres vivos.

B7.1. Reconhecer que todos os seres vivos estão formados pelos mesmos elementos químicos e realizam as mesmas funções vitais.

B7.1.1. Analisa a importância que tem cada uma das funções vitais (nutrição, relação e reprodução) na manutenção da vida.

CMCCT

CCEC

B7.2. Reconhecer a importância da biodiversidade e as características morfológicas principais dos grupos taxonómicos.

B7.2.1. Estima a importância da biodiversidade e aplica critérios de classificação dos seres vivos, relacionando os animais e as plantas mais comuns com o seu grupo taxonómico.

CSC

CMCCT

B7.2.2. Investiga e reconhece zonas de especial protecção na Galiza pela sua biodiversidade.

CSC

CD

j

k

l

m

B7.2. Critérios que servem para classificar os seres vivos e identificar os principais modelos taxonómicos.

B7.3. Categorizar os critérios que servem para classificar os seres vivos e identificar os principais modelos taxonómicos a que pertencem os animais e as plantas mais comuns.

B7.3.1. Diferencia as características gerais e singulares de cada grupo taxonómico.

CMCCT

B7.3.2. Identifica e reconhece exemplares característicos de cada um destes grupos e salienta a sua importância biológica.

CMCCT

CSC

i

j

k

l

m

n

B7.3. Características gerais dos grandes grupos de invertebrados e articulados e explicação da sua importância no conjunto dos seres vivos.

B7.4. Conhecer e definir as funções vitais dos animais e caracterizar os principais grupos de invertebrados e articulados.

B7.4.1. Identifica as funções vitais dos animais.

CMCCT

B7.4.2. Descreve as características gerais e singulares dos principais grupos de invertebrados e articulados.

CMCCT

CCL

B7.4.3. Reconhece e associa invertebrados comuns com o grupo taxonómico a que pertencem utilizando diferentes fontes de informação.

CD

CSC

B7.4.4. Reconhece e associa articulados comuns a classe a que pertencem, utilizando diferentes fontes de informação.

j

k

l

m

B7.4. Características dos principais grupos de plantas, as suas funções e a sua importância para a vinda no planeta.

B7.5. Conhecer e definir as funções vitais das plantas e a sua importância para a vinda. Caracterizar os principais grupos de plantas.

B7.5.1. Explica o processo da nutrição autótrofa e relaciona-o com a sua importância para o conjunto de todos os seres vivos.

CMCCT

B7.5.2. Descreve as características gerais e singulares dos principais grupos de plantas.

CMCCT

CCL

B7.5.3. Classifica e identifica vegetais do âmbito quotidiano, utilizando diferentes fontes de informação.

CD

CSC

Bloco 8: Ecosistema e biodiversidade

e

j

k

l

m

B8.1. Ecosistema: componentes abióticos e bióticos. Limite de tolerância.

B8.1. Diferenciar os componentes de um ecosistema, conhecer o conceito de factor limitam-te e limite de tolerância.

B8.1.1. Descreve os componentes de um ecosistema.

CMCCT

B8.1.2. Identifica os factores ambientais que condicionar o desenvolvimento dos seres vivos num determinado ambiente, valorando a sua importância.

CMCCT

CAA

b

f

e

j

k

B8.2. Interacções entre os seres vivos de um ecosistema: adaptações dos seres vivos a diferentes meios.

B8.2. Comparar adaptações dos seres vivos a diferentes meios.

B8.2.1. Reconhece e diferencia as adaptações comuns dos seres vivos a diferentes ambientes.

CMCCT

CSC

CAA

j

k

m

B8.3. Associações intraespecíficas e interespecíficas.

B8.3. Identificar tipos de relações intra e interespecíficas.

B8.3.1. Reconhece e descreve os tipos de relações intraespecíficas e interespecíficas utilizando exemplos comuns.

CMCCT

j

l

m

B8.4. Relações tróficas: correntes e redes. Modelos próximos de ecosistemas aquáticos e terrestres.

B8.4. Explicar os conceitos de correntes e redes tróficas utilizando exemplos quotidianos.

B8.4.1. Reconhece e valora a importância dos diferentes níveis tróficos e as suas relações nos ecosistema, empregando exemplos de ecosistemas aquáticos e terrestres próximos.

CAA

CSC

CCL

a

b

c

f

i

m

n

B8.5. Acções humanas sobre os ecosistemas: problemas ambientais e actuações que favorecem a conservação ambiental.

B8.5. Identificar num ecosistema os factores que desencadeiam os desequilíbrios e estabelecer estratégias para restabelecer o seu equilíbrio.

B8.5.1. Analisa os factores que desencadeiam os desequilíbrios num ecosistema.

CMCCT

B8.6. Reconhecer e difundir acções que favoreçam a conservação ambiental.

B8.6.1. Investiga as causas naturais e antrópicas da perda de biodiversidade e razoa as consequências para o ser humano.

CD

CSC

CCEC

B8.6.2. Selecciona acções que previnem a destruição ambiental.

CSC

CSIEE

ÂMBITO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICO. MÓDULO 2

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Números e álxebra

e

g

j

l

p

B1.1. Números inteiros: representação na recta numérica, operações com calculadora.

B1.2. Números racionais: relações entre fracções e decimais, operações com fracções, hierarquia de operações. Uso da calculadora.

B1.3. Potências. Potências de base 10. Utilização da notação científica: números grandes e pequenos.

B1.4. Hierarquia das operações.

B1.1. Conhecer e utilizar propriedades e novos significados dos números em contextos de paridade, divisibilidade e operações elementares, melhorando assim a compreensão do conceito e dos tipos de números.

B1.1.1. Realiza cálculos em que intervêm potências de expoñente natural e aplica as regras básicas das operações com potências.

CMCCT

B1.1.2. Realiza operações de conversão entre números decimais e fraccionarios, acha fracções equivalentes e simplificar fracções, para aplicar na resolução de problemas.

B1.1.3. Utiliza a notação científica e valora o seu uso para simplificar cálculos e representar números muito grandes e muito pequenos.

CMCCT

CAA

B1.1.4. Realiza operações combinadas entre números inteiros, decimais e fraccionarios com eficácia, mediante cálculo mental e algoritmos, empregando lapis e papel, calculadora ou meios tecnológicos, utilizando a notação mais ajeitada e respeitando a hierarquia das operações.

CMCCT

e

f

i

j

B1.5 Cálculos com percentagens (mental, manual e com calculadora). Aumentos e diminuições percentuais.

B1.6. Razão, proporção e taxa. Taxa unitária. Factores de conversão. Magnitudes directa e inversamente proporcionais. Constante de proporcionalidade.

B1.7. Resolução de problemas em que intervenha a proporcionalidade directa ou inversa, ou variações percentuais.

B1.2. Utilizar diferentes estratégias (emprego de tabelas, obtenção e uso da constante de proporcionalidade, redução à unidade etc.) para obter elementos desconhecidos num problema a partir de outros conhecidos em situações da vida real em que existam variações percentuais e magnitudes directa ou inversamente proporcionais.

B1.2.1. Identifica e discrimina relações de proporcionalidade numérica (como o factor de conversão ou cálculo de percentagens) e emprega-as para resolver problemas em situações quotidianas.

CMCCT

CL

B1.2.2. Analisa situações singelas e reconhece que intervêm magnitudes que não são directa nem inversamente proporcionais.

e

f

h

j

B1.8. Tradução de expressões da linguagem quotidiana que representem situações reais à alxébrica e vice-versa.

B1.9. Linguagem alxébrica para generalizar propriedades e simbolizar relações. Obtenção de fórmulas e termos gerais baseados na observação de pautas e regularidades. Valor numérico de uma expressão alxébrica.

B1.10. Operações com expressões alxébricas e polinomios singelos. Identidades notáveis.

B1.3. Analisar processos numéricos cambiantes, identificando os patrões e leis gerais que os regem, utilizando a linguagem alxébrica para expressá-los, comunicá-los e realizar predições sobre o seu comportamento ao modificar as variables, e operar com expressões alxébricas.

B1.3.1. Descreve situações ou enunciado que dependem de quantidades variables ou desconhecidas e sequências lógicas ou regularidades, mediante expressões alxébricas, e opera com elas.

B1.3.2. Identifica propriedades e leis gerais a partir do estudo de processos numéricos recorrentes ou cambiantes, expressa mediante a linguagem alxébrica e utiliza-as para fazer predições.

B1.3.3. Utiliza as identidades alxébricas notáveis e as propriedades das operações para transformar expressões.

CMCCT

e

f

h

i

j

p

B1.11. Equações de primeiro grau com uma incógnita e de segundo grau com uma incógnita. Resolução por diferentes métodos. Interpretação das soluções. Resolução de problemas.

B1.4. Utilizar a linguagem alxébrica para simbolizar e resolver problemas mediante a formulação de equações de primeiro e segundo grau, aplicando para a sua resolução métodos alxébricos, contrastando os resultados obtidos.

B1.4.1. Comprova, dada uma equação, se um número ou uns números é ou são solução desta.

CMCCT

B1.4.2. Formula alxebricamente uma situação da vida real mediante equações de primeiro e segundo grau e analisa o resultado obtido.

CMCCT

CCL

Bloco 2: Xeometría

e

f

h

j

l

B2.1. Triángulos rectángulos. Teorema de Pitágoras. Justificação xeométrica e aplicações.

B2.1. Reconhecer o significado aritmético do teorema de Pitágoras (cadrar de números e ternas pitagóricas) e o significado xeométrico (áreas de quadrados construídos sobre os lados) e empregá-lo para resolver problemas xeométricos.

B2.1.1. Compreende o significado aritmético e xeométrico do teorema de Pitágoras e utiliza-os para a procura de ternas pitagóricas ou a comprovação do teorema construindo outros polígonos sobre os lados do triángulo rectángulo.

CMCCT

CCL

B2.1.2. Resolve problemas relacionados com distâncias, perímetros, superfícies e ângulos de figuras planas, em contextos da vida real, utilizando as ferramentas tecnológicas, unidades e as técnicas xeométricas mais apropriadas.

CMCCT

CD

e

f

h

j

l

p

B2.2. Semelhança: figuras semelhantes, critérios de semelhança. Razão de semelhança e escala. Resolução de problemas.

B2.2. Analisar e identificar figuras semelhantes, calculando a escala ou razão de semelhança e a razão entre comprimentos, áreas e volumes de corpos semelhantes.

B2.2.1. Reconhece figuras semelhantes e calcula a razão de semelhança e a razão de superfície e volume de figuras semelhantes.

CMCCT

B2.2.2. Utiliza a escala para resolver problemas da vida quotidiana sobre planos, mapas e outros contextos de semelhança.

CMCCT

CCL

e

f

B2.3. Poliedros e corpos de revolução: elementos característicos, classificação. Áreas e volumes.

B2.3. Analisar corpos xeométricos (cubos, ortoedros, prismas, pirámides, cilindros, cones e esferas) e identificar os seus elementos característicos (vértices, arestas, caras, desenvolvimentos planos, secções ao cortar com planos, corpos obtidos mediante secções, simetrias etc.).

B2.3.1. Analisa e identifica as características de corpos xeométricos utilizando a linguagem xeométrica ajeitado.

CMCCT

B2.3.2. Constrói secções singelas dos corpos xeométricos a partir de cortes com planos, mentalmente e utilizando os meios tecnológicos ajeitados.

CMCCT

CD

e

f

h

i

j

l

p

B2.4. Cálculo de comprimentos, superfícies e volumes do mundo físico.

B2.5. Uso de aplicações informáticas de xeometría dinâmica que facilitem a compreensão de propriedades e conceitos xeométricos.

B2.4. Resolver problemas que levem consigo o cálculo de comprimentos, superfícies e volumes do mundo físico, utilizando propriedades, regularidades e relações dos poliedros.

B2.4.1. Resolve problemas da realidade mediante o cálculo de áreas e volumes de corpos xeométricos, utilizando as linguagens xeométrica e alxébrica ajeitado.

CMCCT

CCL

B2.4.2. Utiliza aplicações informáticas singelas de xeometría dinâmica.

CMCCT

CD

Bloco 3: Funções

e

f

i

B3.1. Conceito de função: variable dependente e independente: formas de apresentação (linguagem habitual, tabela, gráfica e fórmula); crescimento e decréscimo, continuidade e descontinuidade; cortes com os eixos; máximos e mínimos relativos. Análise e comparação de gráficas.

B3.1. Manejar as formas de apresentar uma função (linguagem habitual, tabela numérica, gráfica e equação), passando de umas formas a outras e elegendo a melhor delas em função do contexto.

B3.1.1. Passa de umas formas de representação de uma função a outras e elege a mais adequada em função do contexto.

CMCCT

CCL

B3.2. Compreender o conceito de função e reconhecer, interpretar e analisar as gráficas funcional.

B3.2.1. Reconhece se uma gráfica representa ou não uma função.

CMCCT

B3.2.2. Interpreta uma gráfica e analisa-a, reconhecendo as suas propriedades mais características.

CMCCT

CCL

B3.2. Funções lineais e afíns. Cálculo, interpretação e identificação da pendente da recta. Representação da recta a partir da equação e obtenção da equação a partir da recta.

B3.3. Utilização de calculadoras gráficas e software específico para a construção e interpretação de gráficas.

B3.3. Reconhecer, representar e analisar as funções lineais e afíns, e utilizá-las para resolver problemas.

B3.3.1. Reconhece e representa uma função lineal a partir da equação ou de uma tabela de valores, e obtém a pendente da recta correspondente.

CMCCT

B3.3.2. Obtém a equação de uma recta a partir da gráfica ou tabela de valores.

B3.3.3. Escreve a equação correspondente à relação lineal existente entre duas magnitudes e representa-a.

B3.3.4. Estuda situações reais singelas apoiando-se em recursos tecnológicos e identifica o modelo matemático lineal ou afín, faz predições e simulações sobre o seu comportamento.

CMCCT

CCL

CD

Bloco 4: Ciência e tecnologia nas nossas vidas

e

f

i

B4.1. Povoação e indivíduo. Amostra. Variables estatísticas.

B4.2. Variables cuantitativas (discretas e contínuas) e cualitativas.

B4.3. Frequências absolutas, relativas e acumuladas.

B4.4. Organização em tabelas de dados recolhidos numa experiência.

B4.5. Diagramas de barras e de sectores. Polígonos de frequências.

B4.6. Medidas de tendência central: média, moda e mediana.

B4.1. Formular perguntas ajeitado para conhecer as características de interesse de uma povoação e recolher, organizar e apresentar dados relevantes para respondê-las, utilizando os métodos estatísticos apropriados e as ferramentas adequadas, organizando os dados em tabelas e construindo gráficas, calculando os parâmetros relevantes e obtendo conclusões razoáveis a partir dos resultados obtidos.

B4.1.1. Compreende o significado de povoação, amostra e indivíduo desde o ponto de vista da estatística, percebe que as amostras se empregam para obter informação da povoação quando são representativas, e aplica-o a casos concretos.

CMCCT

CCL

B4.1.2. Reconhece e propõe exemplos de diferentes tipos de variables estatísticas, tanto cualitativas como cuantitativas.

B4.1.3. Organiza dados obtidos de uma povoação de variables cualitativas ou cuantitativas em tabelas, calcula e interpreta as suas frequências absolutas, relativas e acumuladas, e representa-os graficamente.

CMCCT

CSIEE

B4.1.4. Calcula a média aritmética, a mediana (intervalo mediano) e a moda (intervalo modal), e emprega-os para interpretar um conjunto de dados elegendo o mais ajeitado e para resolver problemas.

CMCCT

CCL

CSIEE

B4.1.5. Interpreta gráficos estatísticos singelos recolhidos em meios de comunicação e outros âmbitos da vida quotidiana.

CMCCT

CCL

B4.7. Utilização de calculadoras e ferramentas tecnológicas para o tratamento de dados, criação e interpretação de gráficos.

B4.2. Utilizar ferramentas tecnológicas para organizar dados, gerar gráficas estatísticas, calcular parâmetros relevantes e comunicar os resultados obtidos que respondam às perguntas formuladas previamente sobre a situação estudada.

B4.2.1. Emprega a calculadora e ferramentas tecnológicas para organizar dados, gerar gráficos estatísticos e calcular as medidas de tendência central.

CMCCT

CD

B4.2.2. Utiliza as tecnologias da informação e da comunicação para comunicar informação resumida e relevante sobre uma variable estatística analisada.

CMCCT

CCL

CD

Bloco 5: A matéria I

j

k

l

B5.1. Propriedades gerais e características da matéria.

B5.1. Reconhecer as propriedades gerais e características específicas da matéria e relacioná-las com a sua natureza e as suas aplicações.

B5.1.1. Distingue entre propriedades gerais e propriedades características da matéria, utilizando estas últimas para a caracterización de substancias.

CMCCT

B5.1.2. Descreve a determinação experimental do volume e da massa de um sólido, realiza as medidas correspondentes e calcula a sua densidade.

CMCCT

CCL

B5.2. Substancias puras e misturas homoxéneas e heterogéneas. Misturas de especial interesse: disoluções acuosas, aliaxes e coloides.

B5.2. Identificar sistemas materiais como substancias puras ou misturas e valorar a importância e as aplicações de misturas de especial interesse.

B5.2.1. Distingue e classifica sistemas materiais de uso quotidiano em substancias puras e misturas, especificando neste último caso se se trata de misturas homoxéneas, heterogéneas ou coloides.

CMCCT

CSC

B5.2.2. Identifica o disolvente e o soluto ao analisar a composição de misturas homoxéneas de especial interesse.

CMCCT

B5.2.3. Realiza experiências singelas de preparação de disoluções, descreve o procedimento seguido e o material utilizado, determina a concentração e expressa-a em gramas/litro.

a

j

k

l

B5.3. Métodos de separação de misturas homoxéneas e heterogéneas.

B5.3. Propor métodos de separação dos componentes de uma mistura e aplicar no laboratório.

B5.3.1. Desenha métodos de separação de misturas segundo as propriedades características das substancias que as compõem, descreve o material de laboratório adequado e leva a cabo o processo.

CMCCT

CAA

a

f

g

j

k

l

B5.4. Estados de agregação. Mudanças de estado. Modelo cinético-molecular.

B5.4. Justificar as propriedades dos diferentes estados de agregação da matéria e as suas mudanças de estado através do modelo cinético-molecular.

B5.4.1. Justifica que uma substancia pode apresentar-se em diferentes estados de agregação dependendo das condições de pressão e temperatura em que se encontre.

CMCCT

B5.4.2. Explica as propriedades dos gases, líquidos e sólidos.

B5.4.3. Descreve as mudanças de estado da matéria e aplica à interpretação de fenômenos quotidianos.

CMCCT

CCL

B5.4.4. Deduze a partir das gráficas de aquecimento de uma substancia, os seus pontos de fusão e ebulição, e identifica-a utilizando as tabelas de dados necessárias.

CMCCT

Bloco 6: A matéria II

g

h

j

k

l

B6.1. Estrutura atómica. Modelos atómicos, desde Dalton até a ideia cualitativa do modelo actual. Número atómico, número másico.

B6.1. Reconhecer que os modelos atómicos são instrumentos interpretativo das diferentes teorias e a necessidade da sua utilização para a interpretação e compreensão da estrutura interna da matéria.

B6.1.1. Representa o ato-mo, a partir do número atómico e o número másico, utilizando o modelo planetario.

CMCCT

CCL

CCEC

B6.1.2. Descreve as características das partículas subatómicas básicas e a sua localização no ato-mo.

CMCCT

CCL

B6.1.3. Relaciona a notação

A

X

com o número

Z

atómico e o número másico, determinando o número de cada um dos tipos de partículas subatómicas básicas.

CMCCT

h

j

k

l

B6.2. Sistema periódico e configuração electrónica: relacionar a posição dos elementos na tabela com as suas propriedades.

B6.2. Interpretar a ordenação dos elementos na tabela periódica e reconhecer os mais relevantes a partir dos seus símbolos.

B6.2.1. Justifica a actual ordenação dos elementos em grupos e períodos na tabela periódica.

B6.3. Relacionar as propriedades de um elemento com a sua posição na tabela periódica e a sua configuração electrónica.

B6.3.1. Relaciona as principais propriedades de metais, não metais e gases nobres com a sua posição na tabela periódica e com a sua tendência a formar ións, tomando como referência o gás nobre mais próximo.

B6.3. Massas atómicas e moleculares. Isótopos.

B6.4. Analisar a utilidade científica e tecnológica dos isótopos radiactivos.

B6.4.1. Explica em que consiste um isótopo e comenta aplicações dos isótopos radiactivos, a problemática dos resíduos originados e as soluções para a sua gestão.

CMCCT

CSC

B6.4. Enlace químico: iónico e covalente. Justificar as propriedades de substancias singelas de uso habitual a partir da natureza do seu enlace químico.

B6.5. Interpretar os diferentes tipos de enlace químico a partir da configuração electrónica dos elementos implicados e a sua posição na tabela periódica.

B6.5.1. Utiliza a regra do octeto e diagramas de Lewis para predizer a estrutura e fórmula dos compostos iónicos e covalentes.

B6.6. Descrever como se unem os me os ato para formar estruturas mais complexas e explicar as propriedades dos agrupamentos resultantes.

B6.6.1. Explica o processo de formação de um ión a partir do ato-mo correspondente, utilizando a notação adequada para a sua representação.

CMCCT

CCL

B6.6.2. Explica como alguns me os ato tendem a agrupar-se para formar moléculas interpretando este facto em substancias de uso frequente e calcula as suas massas moleculares.

f

h

j

k

l

B6.7. Forças intermoleculares. Relação da sua influência no estado de agregação e propriedades de substancias de interesse, fundamentalmente a água.

B6.7. Justificar as propriedades de uma substancia a partir da natureza do seu enlace químico.

B6.7.1. Explica as propriedades de substancias covalentes, iónicas e metálicas em função das interacções entre os seus me os ato ou moléculas.

CMCCT

B6.7.2. Explica a natureza do enlace metálico utilizando a teoria dos electróns livres e relaciona com as propriedades características dos metais.

B6.7.3. Desenha e realiza ensaios de laboratório que permitam deduzir o tipo de enlace presente a uma substancia desconhecida.

CMCCT

CAA

Bloco 7: As mudanças

f

h

j

k

l

B7.1. Mudanças físicas e químicas.

B7.1. Distinguir entre mudanças físicas e químicas mediante a realização de experiências singelas que ponham de manifesto se se formam ou não novas substancias.

B7.1.1. Distingue entre mudanças físicas e químicas em acções da vida quotidiana em função de que haja ou não formação de novas substancias.

CMCCT

CSC

B7.1.2. Descreve o procedimento de realização de experimentos singelos em que se manifeste a formação de novas substancias e reconhece que se trata de mudanças químicos.

CMCCT

CCL

B7.1.3. Leva a cabo no laboratório reacções químicas singelas.

CMCCT

CAA

B7.2. Reacção química. Lei de conservação da massa. Ajustes de reacções.

B7.2. Caracterizar as reacções químicas como mudanças de umas substancias noutras.

B7.2.1. Identifica quais são os reactivos e os produtos de reacções químicas singelas interpretando a representação esquemática de uma reacção química.

a

b

f

j

k

l

B7.3. Reacções de especial interesse. Identificação de ácidos e bases, reacções de combustión, síntese e neutralización em processos biológicos. Solubilidade.

B7.3. Identificar ácidos e bases, conhecer o seu comportamento químico e medir a sua fortaleza utilizando indicadores e o pH-metro digital.

B7.3.1. Utiliza a teoria de Arrhenius para descrever o comportamento químico de ácidos e bases.

B7.3.2. Estabelece o carácter ácido, básico ou neutro de uma disolução utilizando a escala de pH.

B7.4. Realizar experiências de laboratório nas que tenham lugar reacções de síntese, combustión e neutralización, interpretando os fenômenos observados.

B7.4.1. Desenha e descreve o procedimento de realização de uma volumetría de neutralización entre um ácido forte e uma base forte, interpretando os resultados.

CMCCT

CSC

CCL

B7.4.2. Planifica uma experiência, e descreve o procedimento que se seguirá no laboratório, que demonstre que nas reacções de combustión se produz dióxido de carbono mediante a detecção deste gás.

CMCCT

CCL

CAA

B7.4.3. Realiza alguma experiência de laboratório em que tenham lugar reacções de síntese, combustión ou neutralización.

CMCCT

B7.5. Valorar a importância das reacções de síntese, combustión e neutralización em processos biológicos, aplicações quotidianas e na indústria, assim como a sua repercussão ambiental.

B7.5.1. Descreve as reacções de síntese industrial do amoníaco e do ácido sulfúrico, assim como os usos destas substancias na indústria química.

CMCCT

CCL

B7.5.2. Valora a importância das reacções de combustión na geração de electricidade em centrais térmicas, na automoção e na respiração celular.

CMCCT

CSC

B7.5.3. Descreve casos concretos de reacções de neutralización de importância biológica e industrial.

CMCCT

CCL

a

b

c

e

h

j

k

l

m

B7.4. A química na sociedade e no contorno ambiental.

B7.6. Reconhecer a importância da química na obtenção de novas substancias e a sua importância na melhora da qualidade de vida das pessoas.

B7.6.1. Classifica alguns produtos de uso quotidiano em função da sua procedência natural ou sintética.

CMCCT

CSC

B7.6.2. Identifica e associa produtos procedentes da indústria química com a seu contributo à melhora da qualidade de vida das pessoas.

B7.7. Valorar a importância da indústria química na sociedade e a sua influência no ambiente.

B7.7.1. Propõe medidas e atitudes, a nível individual e colectivo, para mitigar os problemas do ambiente de importância global.

f

j

k

l

B7.5. A energia desde um ponto de vista cualitativo. Tipos e transformações.

B7.8. Identificar os diferentes tipos de energia postos de manifesto em fenômenos quotidianos e em experiências singelas realizadas no laboratório.

B7.8.1. Relaciona o conceito de energia com a capacidade de produzir mudanças e identifica os diferentes tipos de energia que se põem de manifesto em situações quotidianas, explicando as transformações de umas formas noutras.

Bloco 8: O movimento

h

j

k

l

p

B8.1. Notação científica. Forma de expressar os resultados. Erros nas medidas.

B8.2. Medida de magnitudes. Sistema internacional de unidades.

B8.1. Aplicar os procedimentos científicos para determinar magnitudes e expressar os resultados com o erro correspondente.

B8.1.1. Estabelece relações entre magnitudes e unidades utilizando, preferentemente, o Sistema internacional de unidades e a notação científica para expressar os resultados correctamente.

CMCCT

B8.1.2. Realiza medições práticas de magnitudes físicas da vida quotidiana empregando o material é instrumentos apropriados, e expressa os resultados correctamente no Sistema internacional de unidades.

CAA

CMCCT

h

j

k

l

B8.3. Trabalho no laboratório: medições de magnitudes físicas da vida quotidiana.

B8.2. Reconhecer os materiais e instrumentos básicos presentes no laboratório de física e de química; conhecer e respeitar as normas de segurança e de eliminação de resíduos para a protecção do ambiente.

B8.2.1. Reconhece e identifica os símbolos mais frequentes utilizados na etiquetaxe de produtos químicos e instalações, interpretando o seu significado.

CMCCT

B8.2.2. Identifica material e instrumentos básicos de laboratório e conhece a sua forma de utilização para a realização de experiências, respeitando as normas de segurança e identificando atitudes e medidas de actuação preventivas.

CMCCT

CSC

B8.4. Magnitudes escalares e vectoriais. Magnitudes fundamentais e derivadas.

B8.3. Comprovar a necessidade de usar vector para a definição de determinadas magnitudes.

B8.3.1. Identifica uma determinada magnitude como escalar ou vectorial e descreve os elementos que definem esta última.

CMCCT

B8.4. Relacionar as magnitudes fundamentais com as derivadas através de equações de magnitudes.

B8.4.1. Comprova a homoxeneidade de uma fórmula aplicando a equação de dimensões aos dois membros.

i

j

k

l

B8.5. Movimentos, sistema de referência, velocidade média, velocidade instantánea e aceleração.

B8.5. Justificar o carácter relativo do movimento e a necessidade de um sistema de referência e de vector para descrevê-lo adequadamente, aplicando o anterior à representação de diferentes tipos de deslocamento.

B8.5.1. Representa a trajectória e os vector de posição, deslocamento e velocidade em diferentes tipos de movimento, utilizando um sistema de referência.

B8.6. Estabelecer a velocidade de um corpo como a relação entre o espaço percurso e o tempo investido em percorrê-lo.

B8.6.1. Determina, experimentalmente ou através de aplicações informáticas, a velocidade média de um corpo interpretando o resultado.

CMCCT

CD

B8.6.2. Realiza cálculos para resolver problemas quotidianos utilizando o conceito de velocidade média.

CMCCT

B8.7. Diferenciar entre velocidade média e instantánea a partir de gráficas espaço/tempo e velocidade/tempo, e deduzir o valor da aceleração utilizando estas últimas.

B8.7.1. Deduze a velocidade média e instantánea a partir das representações gráficas do espaço e da velocidade em função do tempo.

B8.7.2. Justifica se um movimento é acelerado ou não a partir das representações gráficas do espaço e da velocidade em função do tempo.

CMCCT

CCL

h

j

k

l

p

B8.6. Estudo cualitativo dos movimentos, MRU, MRUA, queda livre. Estudo cuantitativo do MRU.

B8.8. Distinguir os conceitos de velocidade média e velocidade instantánea justificando a sua necessidade segundo o tipo de movimento.

B8.8.1. Classifica diferentes tipos de movimentos em função da sua trajectória e a sua velocidade.

CMCCT

B8.8.2. Justifica a insuficiencia do valor médio da velocidade num estudo cualitativo do movimento rectilíneo uniformemente acelerado (MRUA), razoando o conceito de velocidade instantánea.

CMCCT

CCL

ÂMBITO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICO. MÓDULO 3

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Números e álxebra

e

l

p

B1.1. Números racionais. Transformação de fracções em decimais e vice-versa. Números decimais exactos e periódicos.

B1.2. Potências de números racionais com expoñente inteiro.

B1.3. Potências de base 10. Aplicação para a expressão de números muito pequenos. Operações com números expressados em notação científica.

B1.4. Expressões radicais: transformação e operações.

B1.5. Hierarquia de operações.

B1.1. Utilizar as propriedades dos números racionais, as raízes e outros números radicais para operar com eles, utilizando a forma de cálculo e notação adequada, para resolver problemas da vida quotidiana, e apresentar os resultados com a precisão requerida.

B1.1.1. Reconhece diferentes tipos de números (naturais, inteiros e racionais), indica o critério utilizado para a sua distinção e utiliza-os para representar e interpretar adequadamente informação cuantitativa.

CMCCT

B1.1.2. Distingue, ao achar o decimal equivalente a uma fracção, entre decimais finitos e decimais infinitos jornais, e indica neste caso o grupo de decimais que se repetem ou formam período.

B1.1.3. Acha a fracção xeratriz correspondente a um decimal exacto ou periódico.

B1.1.4. Expressa números muito grandes e muito pequenos em notação científica, opera com eles, com e sem calculadora, e utiliza-os em problemas contextualizados.

CMCCT

CD

B1.1.5. Calcula o valor de expressões numéricas de números inteiros, decimais e fraccionarios mediante as operações elementares e as potências de expoñente inteiro, aplicando correctamente a hierarquia das operações.

CMCCT

B1.1.6. Emprega números racionais para resolver problemas da vida quotidiana e analisa a coerência da solução.

CMCCT

CCL

B1.1.7. Realiza operações numéricas singelas que contenham raízes e opera com elas simplificar os resultados.

CMCCT

e

i

B1.6. Expressões alxébricas. Operações: soma, resta, multiplicação e divisão de polinomios. Potência de um polinomio. Igualdades notáveis.

B1.2. Utilizar a linguagem alxébrica para expressar uma propriedade ou relação dada mediante um enunciado, extraindo a informação relevante e transformando-a.

B1.2.1. Soma, resta e multiplica polinomios, expressa o resultado em forma de polinomio ordenado e aplica-o a exemplos da vida quotidiana.

B1.2.2. Conhece e utiliza as identidades notáveis correspondentes ao cadrar de um binómio e uma soma por diferença, e aplica-as num contexto adequado.

CMCCT

CCL

e

f

h

i

j

k

l

p

B1.7. Equações de segundo grau com uma incógnita. Resolução por diferentes métodos.

B1.8. Sistemas lineais de duas equações com duas incógnitas. Métodos alxébricos e gráficos de resolução.

B1.9. Resolução de problemas mediante a utilização de equações e sistemas. Uso de calculadoras gráficas.

B1.3. Resolver problemas da vida quotidiana nos cales se precise a formulação e a resolução de equações de primeiro e segundo grau, e sistemas lineais de duas equações com duas incógnitas, aplicando técnicas de manipulação alxébricas, gráficas ou recursos tecnológicos, e valorar e contrastar os resultados obtidos.

B1.3.1. Resolve equações de segundo grau completas e incompletas mediante procedimentos alxébricos e gráficos.

CMCCT

B1.3.2. Resolve sistemas de duas equações lineais com duas incógnitas mediante procedimentos alxébricos ou gráficos.

CMCCT

CCL

B1.3.3. Formula alxebricamente uma situação da vida quotidiana mediante equações de primeiro e segundo grau, e sistemas lineais de duas equações com duas incógnitas, resolve-as e interpreta criticamente o resultado obtido.

CMCCT

CSIEE

CCL

Bloco 2: Xeometría

e

f

h

j

l

p

B2.1. Xeometría do plano: perímetros e áreas de polígonos; comprimento e área de figuras circulares.

B2.2. Xeometría do espaço: áreas e volume.

B2.3. Uso de ferramentas tecnológicas, para estudar formas, configurações e relações xeométricas que facilitem a compreensão de conceitos e propriedades xeométricas.

B2.1. Reconhecer e descrever os elementos e as propriedades características das figuras planas, os corpos xeométricos elementares e as suas configurações xeométricas.

B2.1.1. Calcula o perímetro de polígonos, o comprimento de circunferencias e a área de polígonos e de figuras circulares em problemas contextualizados, aplicando fórmulas e técnicas adequadas.

CMCCT

CCL

CSIEE

B2.1.2. Calcula áreas e volumes de poliedros regulares e corpos de revolução em problemas contextualizados, aplicando fórmulas e técnicas adequadas.

CMCCT

CSIEE

e

f

h

k

l

p

j

B2.4. Teorema de Tais. Aplicação à resolução de problemas.

B2.2. Utilizar o teorema de Tais e as fórmulas usuais para realizar medidas indirectas de elementos inacessíveis e para obter medidas de comprimentos de exemplos tomados da vida real.

B2.2.1. Reconhece triángulos semelhantes e, em situações de semelhança, utiliza o teorema de Tais para o cálculo indirecto de comprimentos e de superfícies em situações de semelhança: planos, mapas, fotos aéreas etc.

CMCCT

e

f

B2.5. O balão terráqueo. Coordenadas geográficas. Latitude e comprimento de um ponto.

B2.3. Interpretar o sentido das coordenadas geográficas e a sua aplicação na localização de pontos.

B2.3.1. Situa sobre o balão terráqueo o Equador, os por os, os meridianos e os paralelos e é quem de situar um ponto sobre o balão terráqueo conhecendo a sua latitude e o seu comprimento.

CMCCT

CD

Bloco 3: Funções

e

f

h

i

j

l

p

B3.1. Análise e descrição cualitativa de gráficas que representam fenômenos do âmbito quotidiano e de outras matérias.

B3.2. Expressões da equação da recta.

B3.3. Funções cuadráticas. Cálculo de elementos característicos e representação gráfica.

B3.4. Utilização de calculadoras gráficas e software específico para a construção e a interpretação de gráficas.

B3.1. Conhecer os elementos que intervêm no estudo das funções e a sua representação gráfica.

B3.1.1. Interpreta o comportamento de uma função dada graficamente e associa enunciado de problemas contextualizados a gráficas.

CMCCT

CCL

B3.1.2. Identifica as características mais destacáveis de uma gráfica e interpreta-as dentro do seu contexto.

CMCCT

B3.1.3. Constrói uma gráfica a partir de um enunciado contextualizado e descreve o fenômeno exposto.

CMCCT

CCL

B3.1.4. Associa razoadamente expressões analíticas singelas a funções dadas graficamente.

CMCCT

B3.2. Reconhecer situações de relação funcional que necessitam ser descritas mediante funções lineais e cuadráticas, calculando os seus parâmetros e as suas características.

B3.2.1. Representa graficamente uma função polinómica de grau 1 e 2 e descreve as suas características.

CMCCT

CCL

B3.2.2. Identifica e descreve situações da vida quotidiana que possam ser modelizadas mediante funções lineais e cuadráticas, estuda-as e representa-as utilizando meios tecnológicos quando seja necessário.

CMCCT

CCL

CD

CSIEE

Bloco 4: Ciência e tecnologia nas nossas vidas

e

f

h

i

j

l

o

p

B4.1. Fases e tarefas de um estudo estatístico.

B4.2. Métodos de selecção de uma amostra estatística. Representatividade de uma amostra.

B4.3. Gráficas estatísticas: construção e interpretação.

B4.1. Elaborar informações estatísticas para descrever um conjunto de dados mediante tabelas e gráficas adequadas à situação analisada, e justificar se as conclusões são representativas para a povoação estudada.

B4.1.1. Distingue povoação e amostra, e justifica as diferenças em problemas contextualizados.

CMCCT

CCL

B4.1.2. Valora a representatividade de uma amostra através do procedimento de selecção, em casos singelos.

CMCCT

CSIEE

B4.1.3. Elabora tabelas de frequências, relaciona os tipos de frequências e obtém informação da tabela elaborada.

CMCCT

B4.1.4. Constrói, com a ajuda de ferramentas tecnológicas, de ser necessário, gráficos estatísticos adequados a diferentes situações relacionadas com variables associadas a problemas sociais, económicos e da vida quotidiana.

CMCCT

CD

B4.1.5 Planifica o processo para elaborar um estudo estatístico, de modo individual ou em grupo.

CMCCT

CSIEE

e

j

k

l

p

B4.4. Parâmetros de posição: média, moda, mediana. Cálculo, interpretação e propriedades.

B4.5. Parâmetros de dispersão: categoria, percurso intercuartílico e deviação típico. Cálculo e interpretação.

B4.6. Diagrama de caixa e bigotes.

B4.7. Interpretação conjunta da média e a deviação típico.

B4.8. Aplicações informáticas que facilitem o tratamento de dados estatísticos.

B4.2. Calcular e interpretar os parâmetros de posição e de dispersão de uma variable estatística para resumir os dados e comparar distribuições estatísticas.

B4.2.1. Calcula e interpreta as medidas de posição de uma variable estatística para proporcionar um resumo dos dados.

CMCCT

CCL

CD

B4.2.2. Calcula os parâmetros de dispersão de uma variable estatística (com calculadora e com folha de cálculo) para comparar a representatividade da média e descrever os dados.

Bloco 5. Movimentos e forças

c

f

h

i

j

k

l

p

B5.1. Movimentos MRU, MRUA, queda livre.

B5.1. Expressar correctamente as relações matemáticas que existem entre as magnitudes que definem os movimentos rectilíneos.

B5.1.1. Deduze as expressões matemáticas que relacionam as diferentes variables nos movimentos rectilíneos uniformes (MRU), rectilíneo uniformemente acelerados (MRUA).

CMCCT

B5.2. Resolver problemas de movimentos rectilíneos utilizando uma representação esquemática com as magnitudes vectoriais implicadas, expressando o resultado nas unidades do Sistema internacional.

B5.2.1. Resolve problemas de movimento rectilíneo uniforme (MRU) e rectilíneo uniformemente acelerado (MRUA), incluindo o movimento de queda livre, considerando os valores positivos e negativos das magnitudes, e expressando o resultado em unidades do Sistema internacional.

B5.2.2. Determina tempos e distâncias de freada de veículos e justifica, a partir dos resultados, a importância de manter a distância de segurança na estrada.

CMCCT

CSC

B5.3. Elaborar e interpretar gráficas que relacionem as variables do movimento partindo de experiências de laboratório ou de aplicações virtuais interactivas e relacionar os resultados obtidos com as equações matemáticas que vinculam estas variables.

B5.3.1. Determina o valor da velocidade e a aceleração a partir de gráficas posição-tempo e velocidade-tempo em movimentos rectilíneos.

CMCCT

CD

B5.3.2. Desenha, descreve e realiza individualmente ou em equipa experiências bem no laboratório ou bem empregando aplicações virtuais interactivas, para determinar a variação da posição e a velocidade de um corpo em função do tempo, e representa e interpreta os resultados obtidos.

CMCCT

CSIEE

CD

CCL

CAA

CSC

f

h

j

k

l

B5.2. Forças: natureza vectorial, efeitos, lei de Hooke.

B5.4. Reconhecer o papel das forças como causa das mudanças na velocidade dos corpos e das deformações. Representá-las vectorialmente.

B5.4.1. Estabelece a relação entre o alongamento produzido num resorte e as forças que produziram esses alongamentos, descrevendo o material que se empregará e o procedimento que se seguirá para a sua comprovação experimental.

CMCCT

CSC

B5.4.2. Identifica as forças implicadas em fenômenos quotidianos nos quais há mudanças na velocidade de um corpo.

B5.4.3. Representa vectorialmente o peso, a força normal, a força de rozamento e a força centrípeta em diferentes casos de movimentos rectilíneos e circulares.

B5.3. Leis de Newton. Lei da gravitación universal. Forças no nosso contorno (força gravitatoria, eléctrica e magnética).

B5.5. Utilizar o princípio fundamental da dinâmica na resolução de problemas em que intervêm várias forças.

B5.5.1. Identifica e representa as forças que actuam sobre um corpo em movimento tanto num plano horizontal como inclinado, calculando a força resultante e a aceleração.

CMCCT

B5.6. Valorar a relevo histórica e científica que a lei da gravitación universal supôs para a unificação das mecânicas terrestre e celeste, e interpretar a sua expressão matemática.

B5.6.1. Justifica o motivo pelo que as forças de atracção gravitatoria só se põem de manifesto para objectos muito maciços, comparando os resultados obtidos de aplicar a lei da gravitación universal ao cálculo de forças entre diferentes pares de objectos.

B5.6.2. Obtém a expressão da aceleração da gravidade a partir da lei da gravitación universal relacionando as expressões matemáticas do peso de um corpo e a força de atracção gravitatoria.

B5.7. Compreender que a queda livre dos corpos e o movimento orbital são duas manifestações da lei da gravitación universal.

B5.7.1. Razoa o motivo pelo que as forças gravitatorias produzem em alguns casos movimentos de queda livre e noutros casos movimentos orbitais.

h

j

k

l

p

B5.4. Medidas das forças. Forças de especial interesse no nosso contorno (Fr, P, N, T, Fc).

B5.8. Aplicar as leis de Newton para a interpretação de fenômenos quotidianos.

B5.8.1. Interpreta fenômenos quotidianos em termos das leis de Newton.

CMCCT

CSC

B5.8.2. Deduze a primeira lei de Newton como consequência do enunciado da segunda lei.

CMCCT

B5.8.3. Representa e interpreta as forças de acção e reacção em diferentes situações de interacção entre objectos.

h

i

j

k

l

B5.5. Mecanismos de transmissão e transformação do movimento, simples e complexos

B5.9. Identificar operadores mecânicos de transformação e transmissão de movimentos em máquinas e sistemas e empregá-los para desenhar e montar sistemas mecânicos.

B5.9.1. Descreve mediante informação escrita e gráfica como transformam e transmitem o movimento os diferentes mecanismos.

CMCCT

CCL

B5.9.2. Calcula a relação de transmissão de diferentes elementos mecânicos como as poleas e as engrenaxes.

CMCCT

B5.9.3. Explica a função dos elementos que configuram uma máquina ou sistema desde o ponto de vista estrutural e mecânico.

B5.9.4. Simula mediante software específico e mediante simbologia normalizada sistemas mecânicos.

B5.9.5. Desenha e monta sistemas mecânicos que cumpram uma função determinada.

CMCCT

CD

h

f

j

k

l

B5.6. Conceito de pressão. Pressão atmosférica. Física da atmosfera.

B5.10. Reconhecer que o efeito de uma força não só depende da sua intensidade senão também da superfície sobre a que actua.

B5.10.1. Interpreta fenômenos e aplicações práticas em que se põe de manifesto a relação entre a superfície de aplicação de uma força e o efeito resultante.

CMCCT

CAA

B5.10.2. Calcula a pressão exercida pelo peso de um objecto regular em diferentes situações em que varia a superfície na qual se apoia, comparando os resultados e extraindo conclusões.

CMCCT

B5.11. Aplicar os conhecimentos sobre a pressão atmosférica à descrição de fenômenos meteorológicos e à interpretação de mapas do tempo, reconhecendo ter-mos e símbolos específicos da meteorologia.

B5.11.1. Relaciona os fenômenos atmosféricos do vento e a formação de frentes com a diferença de pressões atmosféricas entre diferentes zonas.

B5.11.2. Interpreta os mapas de isóbaras que se mostram no prognóstico do tempo indicando o significado da simbologia e os dados que aparecem neles.

CMCCT

CAA

B5.11.3 Interpreta o papel da pressão atmosférica em experiências como o experimento de Torricelli, os hemisférios de Magdeburgo, recipientes invertidos onde não se derrama o conteúdo etc., inferindo o seu elevado valor.

CMCCT

Bloco 6: Energia I

h

j

k

l

B6.1. Trabalho, a sua relação com a energia. Formas de intercâmbio de energia: o trabalho e o calor.

B6.1. Reconhecer que a energia é a capacidade de produzir transformações ou mudanças.

B6.1.1. Argumenta que a energia pode transferir-se, armazenar-se ou dissipar-se, mas não criar-se ou destruir-se, utilizando exemplos.

CMCCT

CCL

B6.2. Reconhecer que o calor e o trabalho são duas formas de transferência de energia, identificando as situações em que se produzem.

B6.2.1. Identifica o calor e o trabalho como me as for de intercâmbio de energia, distinguindo as acepções coloquiais destes me os ter do seu significado científico.

CMCCT

B6.2.2. Reconhece em que condições um sistema intercambiar energia em forma de calor ou em forma de trabalho.

f

h

j

k

l

p

B6.2. Potência. Exercícios numéricos singelos relacionados com estes conceitos.

B6.3. Relacionar os conceitos de trabalho e potência na resolução de problemas, expressando os resultados em unidades do Sistema internacional, assim como outras de uso comum.

B6.3.1. Acha o trabalho e a potência associados a uma força, incluindo situações em que a força forma um ângulo diferente de zero com o deslocamento, expressando o resultado nas unidades do Sistema internacional ou outras de uso comum como a caloría, o kWh e o CV.

B6.3. Energia: unidades. Energia cinética, potencial e mecânica. Princípio de conservação.

B6.4. Analisar as transformações entre energia cinética e energia potencial, aplicando o princípio de conservação da energia mecânica quando se despreza a força de rozamento, e o princípio geral de conservação da energia quando existe disipación desta devida ao rozamento.

B6.4.1. Resolve problemas de transformações entre energia cinética e potencial gravitatoria, aplicando o princípio de conservação da energia mecânica.

CMCCT

CSC

B6.4.2. Determina a energia dissipada em forma de calor em situações onde diminui a energia mecânica.

h

j

k

l

p

m

B6.4. Electricidade e circuitos eléctricos. Lei de Ohm.

B6.5. Explicar o fenômeno físico da corrente eléctrica e interpretar o significado das magnitudes intensidade de corrente, diferença de potencial e resistência, assim como as relações entre elas.

B6.5.1. Explica a corrente eléctrica como ónus em movimento através de um motorista.

CMCCT

B6.5.2. Compreende o significado das magnitudes eléctricas intensidade de corrente, diferença de potencial e resistência, e relaciona-as entre sim empregando a lei de Ohm.

B6.5.3. Distingue entre motoristas e illantes reconhecendo os principais materiais usados como tais.

Bloco 7: Energia II

a

b

f

h

j

k

l

m

B7.1. Fontes de energia convencionais face à alternativas. Uso racional da energia.

B7.1. Identificar e comparar as diferentes fontes de energia empregadas na vida diária num contexto global que implique aspectos económicos e ambientais.

B7.1.1. Compara as principais fontes de energia de consumo humano a partir da distribuição geográfica dos seus recursos e os efeitos ambientais.

CMCCT

CSC

B7.2. Valorar a importância de realizar um consumo responsável das fontes energéticas.

B7.2.1. Analisa o predomínio das fontes de energia convencionais face à alternativas, argumentando os motivos pelos que estas últimas ainda não estão suficientemente exploradas.

B7.2.2. Interpreta dados comparativos sobre a evolução do consumo de energia mundial propondo medidas que podem contribuir à poupança individual e colectiva.

CMCCT

CAA

g

h

j

k

l

B7.2. Formas de intercâmbio de energia: trabalho e calor.

B7.3. Relacionar cualitativa e quantitativamente o calor com os efeitos que produz nos corpos: variação de temperatura, mudanças de estado e dilatación.

B7.3.1. Descreve as transformações que experimenta um corpo ao ganhar ou perder energia, determinando o calor necessário para que se produza uma variação de temperatura dada e para uma mudança de estado, representando graficamente as ditas transformações.

CMCCT

CCL

B7.3.2. Calcula a energia transferida entre corpos a diferente temperatura e o valor da temperatura final aplicando o conceito de equilíbrio térmico.

CMCCT

B7.3.3. Relaciona a variação do comprimento de um objecto com a variação da sua temperatura.

h

j

k

l

B7.3. Energia térmica. Diferença entre calor e temperatura. Escalas de temperatura. Efeitos da energia térmica.

B7.4. Relacionar os conceitos de energia, calor e temperatura em termos da teoria cinético-molecular e descrever os mecanismos pelos que se transfere a energia térmica em diferentes situações quotidianas.

B7.4.1. Explica o conceito de temperatura em termos do modelo cinético-molecular diferenciando entre temperatura, energia e calor.

CMCCT

CCEC

B7.4.2. Reconhece a existência de uma escala absoluta de temperatura e relaciona as escalas de Celsius e Kelvin.

CMCCT

B7.4.3. Identifica os mecanismos de transferência de energia reconhecendo-os em diferentes situações quotidianas e fenômenos atmosféricos, justificando a selecção de materiais para edifícios.

B7.5. Interpretar os efeitos da energia térmica sobre os corpos em situações quotidianas e em experiências de laboratório.

B7.5.1. Explica o fenômeno da dilatación a partir de alguma das suas aplicações como os termómetros de líquido, juntas de dilatación em estruturas etc.

CMCCT

CCL

B7.5.2. Explica a escala Celsius estabelecendo os pontos fixos de um termómetro baseado na dilatación de um líquido volátil.

CMCCT

B7.5.3. Interpreta qualitativamente fenômenos quotidianos e experiências em que se ponha de manifesto o equilíbrio térmico associando-o com a igualación de temperaturas.

a

b

g

h

j

k

l

m

B7.4. Transformações de energia. Aspectos industriais e a geração de energia eléctrica nos diferentes tipos de centrais eléctricas e o seu transporte até as nossas casas.

B7.6. Descrever a forma em que se gera a electricidade nos diferentes tipos de centrais eléctricas, assim como o seu transporte aos lugares de consumo.

B7.6.1. Descreve o processo pelo que diferentes fontes de energia se transformam em energia eléctrica nas centrais eléctricas, assim como os métodos de transporte e armazenagem desta.

CMCCT

CCL

CSC

B7.7. Valorar o papel da energia nas nossas vidas, identificar as diferentes fontes, comparar o seu impacto ambiental das mesmas e reconhecer a importância da poupança energética para um desenvolvimento sustentável.

B7.7.1. Reconhece, descreve e compara as fontes renováveis e não renováveis de energia, analisando com sentido crítico o seu impacto ambiental.

CMCCT

CCL

CSC

Bloco 8: As mudanças

h

j

k

l

B8.1. Quantidade de substancia: o mol.

B8.1. Reconhecer a quantidade de substancia como magnitude fundamental e o mol como a sua unidade no Sistema internacional de unidades.

B8.1.1. Realiza cálculos que relacionem a quantidade de substancia, a massa atómica ou molecular e a constante do número de Avogadro.

CMCCT

B8.2. Reacções e equações químicas. Cálculos estequiométricos nas reacções químicas.

B8.2. Realizar cálculos estequiométricos com reactivos puros supondo um rendimento completo da reacção, partindo do ajuste da equação química correspondente.

B8.2.1. Interpreta os coeficientes de uma equação química em termos de partículas, moles e, no caso de reacções entre gases, em termos de volumes.

B8.2.2. Resolve problemas, realizando cálculos estequiométricos, com reactivos puros e supondo um rendimento completo da reacção, tanto se os reactivos estão em estado sólido como em disolução.

B8.3. Lei de conservação da massa ou lei de Lavoisier.

B8.3. Deduzir a lei de conservação da massa e reconhecer reactivos e produtos através de experiências singelas no laboratório ou de simulações digitais.

B8.3.1. Reconhece quais são os reactivos e os produtos a partir da representação de reacções químicas singelas e comprova experimentalmente que se cumpre a lei de conservação da massa.

B8.3.2. Realiza os cálculos estequiométricos necessários para a verificação da lei de conservação da massa em reacções químicas singelas.

f

h

j

k

l

p

B8.4. Cálculos numéricos com disoluções. Concentração molar. Solubilidade.

B8.4. Realizar cálculos estequiométricos com reactivos puros supondo um rendimento completo da reacção, partindo do ajuste da equação química correspondente.

B8.4.1. Interpreta os coeficientes de uma equação química em termos de partículas, moles e, no caso de reacções entre gases, em termos de volumes.

CMCCT

B8.4.2. Resolve problemas, realizando cálculos estequiométricos, com reactivos puros e supondo um rendimento completo da reacção, tanto se os reactivos estão em estado sólido como em disolução.

B8.5. Trabalho no laboratório. Reconhecimento do material e instrumentos básicos do laboratório, assim como os símbolos mais frequentes utilizados nas etiquetas de produtos químicos. Normas de segurança.

B8.5. Reconhecer os materiais e instrumentos básicos presentes no laboratório de física e de química; conhecer e respeitar as normas de segurança e de eliminação de resíduos para a protecção do ambiente.

B8.5.1. Reconhece e identifica os símbolos mais frequentes utilizados na etiquetaxe de produtos químicos e instalações, interpretando o seu significado.

B8.5.2. Identifica material e instrumentos básicos de laboratório e conhece a sua forma de utilização para a realização de experiências, respeitando as normas de segurança e identificando atitudes e medidas de actuação preventivas.

B8.6 Desenvolver pequenos trabalhos de investigação em que se ponha em prática a aplicação do método científico e a utilização das tecnologias da informação e da comunicação.

B8.6.1. Realiza pequenos trabalhos de investigação sobre algum tema objecto de estudo aplicando o método científico, e utilizando as tecnologias da informação e da comunicação para a procura e selecção de informação e apresentação de conclusões.

CMCCT

CAA

CCL

CD

CSIEE

B8.6.2. Participa, valora, gere e respeita o trabalho individual e em equipa.

CSIEE

CSC

h

j

k

l

B8.6. Introdução à química orgânica.

B8.7. Estabelecer as razões da singularidade do carbono e valorar a sua importância na constituição de um elevado número de compostos naturais e sintéticos.

B8.7.1. Explica os motivos pelos que o carbono é o elemento que forma maior número de compostos.

CMCCT

B8.8. Identificar e representar hidrocarburos singelos mediante as diferentes fórmulas, relacioná-las com modelos moleculares físicos ou gerados por computadora e conhecer algumas aplicações de especial interesse.

B8.8.1. Identifica e representa hidrocarburos singelos mediante a sua fórmula molecular, semidesenvolvida e desenvolvida.

B8.8.2. Deduze, a partir de modelos moleculares, as diferentes fórmulas usadas na representação de hidrocarburos.

B8.8.3. Descreve as aplicações de hidrocarburos singelos de especial interesse.

B8.9. Reconhecer os grupos funcional presentes em moléculas de especial interesse.

B8.9.1. Reconhece o grupo funcional e a família orgânica a partir da fórmula de álcoois, aldehidos, cetonas, ácidos carboxílicos, ésteres e aminas.

B8.7. Formulação e nomenclatura de compostos binarios e ternarios habituais.

B8.10. Nomear e formular compostos inorgánicos ternarios segundo as normas IUPAC.

B8.10.1. Nomeia e formula compostos inorgánicos ternarios, seguindo as normas da IUPAC.

ÂMBITO CIENTÍFICO-TECNOLÓGICO. MÓDULO 4

Objectivos

Conteúdos

Critérios de avaliação

Standard de aprendizagem

Competências chave

Bloco 1: Números e álxebra

e

f

i

j

k

p

B1.1. Números irracionais. Diferenciação de números racionais e irracionais.

B1.2. Representação de números na recta real.

B1.3. Intervalos. Significado e diferentes formas de expressão.

B1.4. Potências de expoñente inteiro ou fraccionario e radicais singelos. Relação entre potências e radicais.

B1.5. Cálculo com percentagens. Juro simples e composto.

B1.1. Conhecer e utilizar os tipos de números e operações, junto com as suas propriedades e aproximações, para resolver problemas relacionados com a vida diária e outras matérias do âmbito educativo, recolhendo, transformando e intercambiar informação.

B1.1.1. Reconhece os tipos de números (naturais, inteiros, racionais e irracionais), indica o critério seguido para a sua identificação, e utiliza-os para representar e interpretar adequadamente a informação cuantitativa.

CMCCT

B1.1.2. Realiza os cálculos com eficácia, mediante cálculo mental, algoritmos empregando lapis e papel, calculadora ou ferramentas informáticas, e utiliza a notação mais ajeitada para as operações de soma, resta, produto, divisão e potenciação.

CMCCT

CD

B1.1.3. Compara, ordena, classifica e representa os tipos de números reais, intervalos e semirrectas, sobre a recta numérica.

CMCCT

B1.1.4. Estabelece as relações entre radicais e potências, opera aplicando as propriedades necessárias e resolve problemas contextualizados.

B1.1.5. Aplica percentagens à resolução de problemas quotidianos e financeiros, e valora o emprego de meios tecnológicos quando a complexidade dos dados o requeira.

CMCCT

CCL

e

B1.6. Polinomios: raízes e factorización. Importância das igualdades notáveis na factorización.

B1.7. Resoluções de equações singelas de grau superior a dois.

B1.8. Fracções alxébricas. Simplificação e operações.

B1.2. Utilizar com destreza a linguagem alxébrica, as suas operações e as suas propriedades.

B1.2.1. Expressa-se com eficácia fazendo uso da linguagem alxébrica.

CMCCT

B1.2.2. Obtém as raízes de um polinomio e factorízao utilizando a regra de Ruffini ou outro método mais ajeitado.

B1.2.3. Realiza operações com polinomios, igualdades notáveis e fracções alxébricas singelas.

B1.2.4. Faz uso da descomposição factorial para a resolução de equações de grau superior a dois.

B1.2.5. Realiza operações com as fracções alxébricas singelas.

e

j

f

l

p

B1.9. Resolução de problemas quotidianos e de outras áreas de conhecimento mediante equações e sistemas.

B1.3. Representar e analisar situações e relações matemáticas utilizando equações e sistemas para resolver problemas matemáticos de contextos reais.

B1.3.1. Formula alxebricamente uma situação da vida real mediante equações de primeiro e segundo grau e sistemas de duas equações lineais com duas incógnitas, resolve-as e interpreta o resultado obtido.

CMCCT

CCL

CSIEE

Bloco 2: Xeometría

e

f

h

i

j

l