Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 248 Segunda-feira, 31 de dezembro de 2018 Páx. 54786

III. Outras disposições

Conselharia de Cultura e Turismo

DECRETO 166/2018, de 27 de dezembro, pelo que se declara bem de interesse cultural a paisagem cultural da Ribeira Sacra.

A Convenção sobre a protecção do património mundial cultural e natural da Unesco, assinada em 1972 e aceite por Espanha o 4 de maio de 1982, tem por objecto a protecção, conservação e transmissão do património cultural, composto por monumentos, sítios e lugares, percebidos como obras da humanidade ou a obra conjunta da humanidade e a natureza.

A legislação estatal (Lei 16/1985, de 26 de junho, do património histórico espanhol, em diante LPHE) e a primeira lei autonómica (Lei 8/1995, de 30 de outubro, do património cultural da Galiza), que desenvolveram os seus princípios com posterioridade, introduziram a figura do território histórico como uma figura de componente territorial, sem ter entrada, nesse momento, o conceito da paisagem cultural.

Para a aplicação prática das medidas de protecção e difusão da Convenção, o Comité do Património Mundial da Unesco aprovou umas instruções práticas para aplicar a Convenção do património mundial. Estas instruções evoluem ao longo dos anos, mas especialmente no ano 1994, dentro do marco de uma estratégia e estudos complementares para atingir uma Lista do património mundial que resultasse mais equilibrada e representativa. Neste momento acredite-se a figura ou categoria da paisagem cultural como a múltipla variedade de manifestações da interacção da humanidade com a sua contorna natural, e que pode classificar-se em paisagens concebidas ou criadas intencionalmente, paisagens que evoluíram organicamente (sejam estas fósseis ou vivas) e paisagens asociativas.

Assim, a paisagem cultural viva, organicamente desenvolvida, é a que preserva uma função social activa na sociedade contemporânea, muito ligada ao modo de vida tradicional, e em que continua o processo evolutivo. Ao mesmo tempo, apresenta uma evidência material manifesta da sua evolução ao longo do tempo. A Ribeira Sacra evoluiu nos últimos tempos na confirmação da sua identidade. Como unidade de paisagem e características geológicas e morfológicas, existem claras evidências da sua identidade diferenciada, sustentadas numas amostras do património cultural que resultam também destacables tanto pelo seu marco cronolóxico como pela densidade e condições próprias de desenvolvimento.

Em relação com a presença de lugares destinados ao culto religioso, que na sua maioria tinham antecedente numa vida monástica em comunidade e que eram além disso o resultado de uma ocupação prévia já em época muito antiga de eremitas e de vidas cenobíticas primitivas, e as pegadas desta interpretação do território como um lugar sacro, no qual cada recanto toma um nome e é o conteúdo de uma manifestação animada, confronta-se o vigor e o sacrifício da construção de um terreno de cultivo em peadas ribeiras, e uma série de construções específicas derivadas destas condições, dos materiais, da presença dos cursos de água e da natureza dos materiais do agro sustido ao longo dos séculos como complemento ou forma de vida de comunidades que, perante os permanentes mudanças, mantiveram o seu contacto com a terra, da que às vezes, como nos processos de asolagamento do último século para produzir energia eléctrica, foram expulsos de forma traumática.

Porém, a Ribeira Sacra segue a evoluir organicamente, adaptando às circunstâncias e às mudanças que se produzem, tanto ao seu redor como nas suas terras, identificando a existência de múltiplos valores singulares, tanto o sacro como a construção da paisagem, que têm fundamentos para serem reconhecidos.

Por volta de 1990 realizaram-se os primeiros trabalhos para a gestão, por meio da identificação e valoração do património cultural, conjunta da Ribeira Sacra, através de um estudo piloto promovido pela Direcção-Geral de Património Cultural. No ano 1996 incluiu-se a candidatura da Ribeira Sacra de Lugo e Ourense como um bem da Lista indicativa espanhola do património cultural e natural, se bem que esta candidatura não perfilara a sua categoria como paisagem cultural senão mais bem como o conjunto de obras románicas presentes nas igrejas e mosteiros da zona. No ano 2004 a Xunta de Galicia promoveu uma importante publicação denominada Ribeira Sacra. Esencia de espiritualidade da Galiza, na qual se recolhia a obra de reputados autores e especialistas que desenvolviam temas concretos do património cultural deste âmbito e que confirmam o seu valor sobranceiro, tanto em aspectos concretos como em conjunto.

No ano 2007 Espanha ratifica o Convénio europeu da paisagem, que fora assinado no ano 2000. Este fito corroborou a importância do reconhecimento do conceito da paisagem como uma criação e uma interpretação humana, e da sua importância no bem-estar das pessoas e da sociedade em geral, e que todos devem implicar-se na sua protecção e gestão.

Foi a partir do ano 2013 em que se recupera o pulo pela identificação e reconhecimento do valor cultural da Ribeira Sacra no seu conjunto, se bem que os primeiros esforços foram dirigidos para a documentação dos monumentos e dos bens materiais mais tradicionais, em seguida se toma consciência de que o valor excepcional deste âmbito reside precisamente na confluencia de muitos outros valores, especialmente aqueles residentes nas comunidades que seguem a habitar o território, que sofreram igual que o próprio terreno grandes transformações e grandes esforços.

No marco desta nova identidade patrimonial, a paisagem, e com a tomada de consciência da obrigação legal do seu reconhecimento e protecção, a Lei 5/2016, do património cultural da Galiza (em diante, LPCG), incorpora entre as categorias do património cultural a paisagem cultural.

A paisagem cultural no artigo 10.1.h) LPCG é o «lugar identificable por um conjunto de qualidades culturais materiais e inmateriais singulares, obras combinadas da natureza e o ser humano, que é o resultado do processo da interacção e interpretação que uma comunidade faz do meio natural que o sustenta e que constitui o suporte material da sua identidade».

A perspectiva da valoração do património cultural da Ribeira não fica só no excepcional e profuso do seu románico, nem nas primeiras e pioneiras amostras da vida eremítica em ocidente, nem no abundante do seu património antropolóxico custodiado e mantido com vida pelas próprias comunidades, nem na impressionante geografia conformada pela oroxenia antiga e os estritos vales fluviais nem nas também pioneiras e ousadas amostras de engenharia. O seu valor excepcional mostra na manutenção de todas essas amostras no território, na conservação e uso que delas fazem as comunidades locais e a vontade firme de que sejam reconhecidas e mantidas no tempo.

Para a proposta de delimitação da paisagem cultural da Ribeira Sacra como bem de interesse cultural começou-se o trabalho sobre o resultado principal de quatro processos: o estudo piloto da Ribeira Sacra promovido pela Direcção-Geral de Património Cultural nos primeiros anos 90; os trabalhos realizados para a publicação em 2004 do livro Ribeira Sacra. Esencia de espiritualidade na Galiza; o conjunto de trabalhos e estudos prévios do património arquitectónico, da análise territorial e paisagística, do património industrial, da situação socioeconómica e outros promovidos pelas deputações provinciais de Lugo e de Ourense desde 2014 e levados a cabo por um grupo de professores universitários coordenados pelo escritório do Provedor de justiça da Galiza, é também de relevo para a contextualización e identificação do âmbito territorial, a determinação das grandes áreas e comarcas paisagísticas que entre 2012 e 2015 promovidas pelo Instituto de Estudos do Território (IET) da Xunta de Galicia.

Sobre o conjunto desta informação, e com a perspectiva da identificação de uma delimitação de paisagem cultural que permitisse reconhecer todos os aspectos relevantes de uma zona de estudo mais ampla, assim como integrar um regime de protecção específico de aplicação directa que não dificultasse a normal actividade agrícola e ganadeira na zona, a Direcção-Geral de Património Cultural promoveu uns novos trabalhos de síntese.

Estes trabalhos para a delimitação do bem de interesse cultural ademais seriam o sustento para identificar as singularidades que o território mostra como paisagem cultural evolutiva e viva que o permitiram distinguir de outras paisagens do nosso contexto cultural e geográfico. A informação e a documentação avança a existência de um complexo agrário antigo que evoluiu repetidamente para adaptar-se a mudanças estruturais e sociais de grande importância e escala territorial, com amostras singulares e excepcionais especialmente ligadas à espiritualidade na concepção do território e nas relações das pessoas com ele.

Com estes fundamentos, incoouse um procedimento que resulta inovador e incomparável com qualquer outro que se tenha realizado com antelação tanto na Galiza como no resto do Estado, que pretende o reconhecimento do máximo valemento cultural para uma extensão de uns 180 km2 com um regime de protecção específico.

Este regime proposto fundamenta na necessidade de combinar a protecção integral daquelas manifestações relevantes do património cultural construído com medidas de salvaguardar das manifestações mais relevantes do património cultural inmaterial, e a conservação e manutenção das características de uma paisagem construída que tem uma funcionalidade que se quer conservar, promover e difundir, incidindo nos seus aspectos gerais ou territoriais de forma compatível com uma economia baseada numa actividade agrogandeira e de recursos culturais e turísticos complementares sustentáveis.

A directora geral do Património Cultural resolveu o 21.12.2017 incoar o procedimento para declarar bem de interesse cultural a paisagem cultural da Ribeira Sacra, o que foi publicado no DOG de 29 de dezembro de 2017, e abriu-se um período de informação pública de 3 meses. Além disso, a resolução foi publicada no BOE de 8 de fevereiro de 2018, pelo que o período de informação pública foi estendido até o 8.5.2018. Portanto, o período de consulta e informação do expediente e o prazo para apresentar alegações esteve aberto 4 meses e dez dias.

Dada a complexidade, a novidade, o alcance e a dimensão desta proposta de delimitação e de elementos relacionados estabeleceu-se um período de informação pública estendida, que supôs um aumento considerável sobre o mês previsto no artigo 17.2 da LPCG.

Durante este período realizaram-se diversas reuniões temáticas e abertas para informar e recolher informação sobre o processo. Celebraram-se reuniões com todas as câmaras municipais da área geral de estudo (22 câmaras municipais), as deputações provinciais de Lugo e Ourense, a Confederação Hidrográfica do Miño-Sil, o Consórcio de Turismo da Ribeira Sacra, a Denominação de Origem da Ribeira Sacra, a Direcção-Geral de Património Natural, o Instituto de Estudos do Território, a Direcção-Geral de Ordenação Florestal, a Direcção-Geral de Gandaría, Agricultura e Indústrias Alimentárias e responsáveis pelo desenvolvimento da figura de protecção como Reserva da Biosfera. Também se celebraram reuniões com agentes económicos e culturais da zona, em especial associações de protecção e difusão do património e responsáveis por empresas do sector turístico e hotelaria.

O processo supôs a apresentação de um total de 30 documentos, dos que 29 eram alegações de maior ou menor entidade e um deles achegava informação que se considerava que poderia ser de interesse para o procedimento.

Entre o conjunto de 29 alegações, 6 tinham como conclusão a necessidade de reiniciar o expediente para formular um novo processo de definição e de participação. Estas alegações foram desestimar por não corresponder com a realidade nem com a definição legal do procedimento nem com os trâmites seguidos.

Por outra parte, 11 das alegações fã referência aos standard para a protecção e usos das adegas de guarda. A sua solicitude dirige-se a confeccionar uns parâmetros para o regime definitivo que se ajustem melhor as condições de construção e uso ajeitadas à realidade das pessoas que as trabalham na actualidade e que permitam a sua adaptação aos condicionante legais e de confort.

Considera-se justificado favorecer o uso por parte das comunidades destas edificações de carácter tradicional com as garantias para a sua integração ambiental. Além disso, procura-se incorporar um regime e directrizes de carácter geral para aquelas intervenções novas, de modificação ou ampliação de instalação de maior tamanho e carácter mais industrializado para a exploração agrogandeira.

Muitas do resto das alegações tinham por objecto definir uma lista complementar de bens que alargasse o total de imóveis recolhidos coma bem de interesse cultural na declaração definitiva. No referido à incorporação de novos bens, todas as achegas se consideraram de interesse para o expediente, mas deve tomar-se em conta que a inclusão como bens de interesse cultural não exclui o resto de bens classificados da sua participação na criação da paisagem cultural. Principalmente fez-se notar a ausência de templos religiosos e de alguma construção defensiva e arqueológica ou do património industrial.

A conclusão referida à inclusão de novos bens no expediente é favorável. O expediente de declaração como paisagem cultural da Ribeira Sacra pode expressar o seu valor com melhor precisão incluindo a lista de todos os bens que colaboram a criar um rico panorama no referido às diferentes tipoloxías do património cultural construído. A recolhida de uma lista limitada de bens como bem de interesse cultural pôde levar ao equívoco de que só se punha o foco sobre esses elementos. Não era este o objectivo da resolução de incoação, senão seleccionar dentre a multidão de bens com valor cultural classificado existentes na área de estudo (2.724 segundo o último cômputo revisto) os que pudessem resultar mais representativos de cada período histórico relevante e que permitissem mostrar com claridade, e identificar em cada um deles, as bases dessa paisagem cultural organicamente evoluída e viva.

Portanto, com o objecto de melhorar a justificação da declaração, incorporam às listas os bens que no âmbito da área de estudo já dispõem na actualidade da condição de bem de interesse cultural, e que na sua maior parte está constituída pelas construções ou lugares que ocuparam as fortificacións e torres medievais.

Também se incluirão o lugar do antigo núcleo de Portomarín e os restos das suas pontes, pesqueiras, caneiros e demais construções, agora asolagados baixo o Miño, porque se considera que, da mesma forma que o seu templo de São Nicolao, como os de Santo Estevo de Chouzán e São Xoán da Cova em Carballedo, são exemplos dos efeitos da deslocação das povoações locais e da potencialidade como recurso para a interpretação da paisagem e como fito identitario das comunidades que permanecem ligadas ao seu território.

Além disso, incluir-se-ão as listas completas dos bens classificados no âmbito da paisagem cultural (zonas declaradas de interesse cultural e de amortecemento) e do património cultural de carácter sacro ou religioso de toda a área de estudo constituída pelas 22 câmaras municipais da Ribeira Sacra.

Com esta inclusão dá-se resposta ao reconhecimento que os participantes no período de informação pública solicitaram e alarga-se a perspectiva da valoração cultural, ademais de oferecer umas referências mais precisas para a futura gestão do território.

A respeito do reconhecimento adicional para outros bens do património cultural, em especial o referido aos exemplos da arquitectura románica nas múltiplas igrejas localizadas no âmbito, como para algum dos povoados industriais ou para os exemplos de arte sacra que atesoura o museu de Santa Clara de Monforte, é preciso indicar que se avançaram argumentos que permitem valorar o início dos seus próprios expedientes de declaração. Esta circunstância não impede que se siga com a tramitação da declaração da paisagem cultural da Ribeira Sacra e possam realizar-se as actuações administrativas necessárias tanto para a documentação precisa como as comunicações e notificações aos respectivos interessados nos supracitados procedimentos.

Outras alegações fã menção ao âmbito de delimitação, que em geral consideram fundamentado em excesso em critérios de carácter geográfico e que não recolhem toda a extensão que poderia ser merecente de ser protegida. Neste sentido não se consideram as alegações posto que se acredita no expediente que a maior singularidade que deve ser submetida a um especial regime de protecção é aquela em que se combinam tanto os aspectos geográficos, os exemplos sobranceiros do património cultural e a estrutura de organização das comunidades, com uma continuidade e uns critérios de identificação objectivos. Todos eles foram expostos na resolução de incoação do procedimento de declaração. É preciso indicar neste senso que as próprias instruções em matéria de património mundial estabelecem que a extensão de uma paisagem cultural que se propõe inscrever «está delimitada pela sua funcionalidade e intelixibilidade. Em todo o caso, o exemplo eleito deve ser substancialmente suficiente como para representar a totalidade da paisagem cultural que ilustra».

A delimitação, portanto, não tem por objecto limitar ou diferenciar os limites culturais da Ribeira Sacra, que resulta óbvio e patente que são mais amplos, senão que a delimitação deve definir um âmbito homoxéneo elegido entre todo o da paisagem em que se representem os valores de forma substancial e que possam supor um âmbito manexable de funcionalidade e gestão. Por tal motivo existem as referências aos limites geográficos, às próprias infra-estruturas hidráulicas e a uma limitação estrita para a aplicação de um regime de protecção ali onde se encontram os elementos mais sensíveis e mais relevantes.

Toda a área de estudo é Ribeira Sacra, tanto a área de amortecemento como o resto de freguesias da bocarribeira e das abas das montanhas, as terras de Caldelas, Trives e Lemos. Mas a declaração de uma paisagem cultural não é só o reconhecimento de um valor cultural senão a identificação de âmbitos coherentes nos quais serão de aplicação medidas de protecção e conservação orientadas para uma gestão responsável e sustentável.

Esta delimitação não qualifica em exclusiva a pertença à Ribeira Sacra senão que representa uma zonificación para a sua protecção e regime de conservação. No âmbito delimitado ficam representados todos os elementos característicos da pluralidade e variedade de valores e interesses culturais com uma continuidade e critérios de delimitação homoxéneos. Por tal motivo, excepto pequenas modificações de carácter muito pontual, não se varia a delimitação da incoação.

No referido ao regime de protecção e em vista do contido das alegações, procura-se uma maior claridade na exposição e sistemática de recolhida. A incoação do procedimento estava com a dificuldade de ter que avançar tanto a proposta de regime de protecção como o regime provisório que deveria reger enquanto o processo se desenvolvesse, se bem que quase não 30 expedientes foram tramitados durante o período de incoação e não todos eles estavam afectados pela suspensão de licenças.

O regime no âmbito bem de interesse cultural e na zona de amortecemento, no referido às condições de implantação territorial, mantém o seu conteúdo essencialmente já que responde às previsões da legislação vigente tanto em matéria de solo e ordenação do território como na própria da protecção do património cultural. Serão os futuros planos de gestão com carácter geral ou os documentos de ordenação do território ou planeamento urbanístico que se prevêem nos artigos 59 e 60 LPCG os que possam introduzir aspectos mais concretos e específicos que superam a esta disposição. A declaração de bem de interesse cultural não pode avançar nem pode prescrever mais que directrizes de carácter geral e aplicação directa, posto que o seu detalhe só poder ser proposto com a precisão necessária através dos documentos que planificam o território. São estes documentos, como está previsto na LPCG, os que conterão a caracterización da estrutura territorial e os critérios para mantê-la, o catálogo exaustivo de todos os bens que o conformam e as directrizes gerais para a protecção do património cultural.

Esta declaração estabelece as considerações específicas e relevantes de aplicação geral e directa sobre os aspectos mais sinalables do âmbito que se delimita, e que têm que ver com a necessária continuidade do uso agrogandeiro de forma compatível com os valores culturais da paisagem e os elementos do património cultural.

Só através da análise e planeamento específica e segundo os procedimentos e garantias legais vigentes será viável estabelecer proibições ou limitações não previstas na legislação com todas as garantias para a sua valoração e eficácia.

Como resultado do procedimento e em vista das diferentes achegas tanto da informação pública como da participação, a Direcção-Geral de Património Cultural alargou a realização de estudos sobre questões particulares que se evidenciaron da máxima relevo para completar o sentido e a amplitude da valoração cultural do território. Em concreto, considerou-se preciso alargar a informação disponível tanto no referido ao património cultural fluvial, uma das questões recorrentes em alguma das alegações, como das diversas manifestações do património etnolóxico e antropolóxico. Também se alargou a informação científica referida tanto à construção material das terrazas e a sua antigüidade; às construções e vida eremítica e cenobítica nos períodos tardoantigo e altomedieval como possível origem da construção da supracitada paisagem aterrazada; à influência no território e no exterior dos Condes de Lemos ou à impronta na estrutura do território da gestão económica e social derivada da cultura dos pazos e a sua formalização específica na Ribeira Sacra.

Também se realizou uma análise particular da toponímia e microtoponimia da Ribeira Sacra como fonte de informação e recolhida de um valor cultural excepcional, alargou-se a informação relativa a recursos turísticos e culturais e as suas actividades, assim como informação relativa às diferentes figuras de protecção sectorial com efeitos no âmbito, tudo isso para incorporar e avaliar nos futuros planos de gestão da Ribeira Sacra com a base de uma informação actualizada e extensiva a todos os sectores. Considera-se que deste modo se alarga o sentido do valor cultural e a sua complexidade.

Além disso, como estabelece o artigo 18.2 da Lei 5/2016, de 4 de maio, do património cultural da Galiza, solicitou-se o relatório de vários dos órgãos consultivos previstos no seu artigo 7.

O 17.10.2018 a Real Academia de Belas Artes da Galiza emite um relatório favorável à declaração pelo reconhecimento do valor cultural sobranceiro da Ribeira Sacra como paisagem cultural da Galiza, incidindo nos aspectos relativos ao reconhecimento à responsabilidade das comunidades locais e à necessidade de recolher um regime específico que não suponha para elas umas dificuldade adicional que resulte contraproducente como medida de fomento dos seus valores.

O 5.12.2018 recebe-se o relatório do Conselho da Cultura da Galiza, que também conclui que deve aprovar-se o procedimento para declarar bem de interesse cultural a Ribeira Sacra na categoria de paisagem cultural.

Este relatório estabelece na sua análise do procedimento e do contido do expediente incoado umas recomendações, tanto para os efeitos da conceptualización da paisagem como para a sua futura gestão. Também inclui uma série de aspectos de interesse de para o projecto de candidatura da Ribeira Sacra como bem da Lista do património mundial da Unesco. Em especial, destacam-se como de maior relevo os seguintes aspectos:

– Necessidade de elaborar um plano de dinamização socioeconómica da Ribeira Sacra, fundamentado na recuperação económica e demográfica.

– A gestão unitária baixo o conceito de freguesia.

– Alargar o âmbito da delimitação às zonas próximas para incluí-las também no plano de dinamização.

Como se indicou nas epígrafes anteriores, o estabelecimento de um regime de protecção específico não é limitativo nem incompatível com a extensão das medidas de dinamização, tal e como as denomina o Conselho da Cultura, a um âmbito mais extenso. Já se reiterou repetidamente que o objecto do reconhecimento é fornecer das ferramentas administrativas ajeitadas para a protecção das manifestações culturais mais singulares de forma compatível com os modos de vida tradicionais e o seu normal desenvolvimento.

Não faz sentido nem é uma medida proporcionada para a gestão do território aplicar umas medidas previstas para a protecção de âmbitos concretos (terrazas muradas, zonas arqueológicas, monumentos e conjuntos) a outras localizações que, estando intimamente ligadas pelas comunidades, não respondem às mesmas características nem de implantação geográfica nem de características formais ou materiais.

A freguesia, assim se pretende recolher na descrição da paisagem cultural, é uma entidade organizativo real não regulada. É em sim mesmo um atributo excepcional em que as comunidades da Galiza se reconhecem e organizam em todos os sentidos.

Por tal motivo as medidas de dinamização de carácter económico e demográfico não podem limitar às freguesias com um regime específico derivado do valor singular dos elementos, senão a todos os termos autárquicos da área de estudo em função dos critérios de priorización que resultem apropriados.

Também se faz referência no relatório à ponderação da valoração dos efeitos das barragens sobre a paisagem. Reconhecendo os argumentos empregues no relatório, assim como em várias das alegações do procedimento de informação pública, matizouse o relato descritivo para incluir aspectos da sua instalação e efeitos derivados, sem desdenhar também não a importância que como recurso estratégico numa economia sustentável e ambientalmente responsável supõe a energia hidroeléctrica para o próprio território.

Como conclusão, em vista do contido dos próprios relatórios realizados, da informação dos órgãos consultivos e dos interessados e da reflexão que se produz da compreensão de todo o processo, de para o futuro do conhecimento da Ribeira Sacra, considera-se que serão precisas, ademais do já assinalado no referido à ordenação do território e a determinadas declarações específicas, medidas específicas de dinamização económica e demográfica não só da paisagem cultural declarada, senão do conjunto de comunidades que conformam a Ribeira Sacra, percebida esta como a totalidade das câmaras municipais que a conformam.

É óbvio que um projecto de tal dimensão é um projecto de carácter integral que deve comprometer todas as instituições e não só as locais ou autonómica, senão mesmo as de carácter nacional e internacional já que as medidas que se apliquem e possam ter sucesso seriam extensibles a muitos lugares que, especialmente em toda a Europa agrícola, estão numa perigosa tendência ao abandono.

Ademais, serão precisos alguns trabalhos adicionais conducentes à recolhida sistemática da informação do território em sistemas de informação geográfica, especialmente orientada à colaboração com o tecido agrogandeiro e recuperação dos terrenos históricos em desuso; inventário das amostras de arquitectura tradicional e do património cultural inmaterial, de forma sistemática e xeolocalizada, e trabalhos arqueológicos de prospecção específica orientados ao contraste das amostras da vida eremítica e os primeiros cenobios.

Avaliar-se-á a possibilidade de que toda a informação possa ser incorporada aos meios digitais corporativos de informação institucional para que possa servir de ajuda e ferramenta tanto para os agentes que operam no território como para os interessados em geral, e para o desenvolvimento das ajeitadas ferramentas da gestão da protecção.

Em vista das considerações ditas, e depois de rematar a instrução do expediente administrativo, segundo a proposta do conselheiro de Cultura e Turismo e depois da deliberação do Conselho da Xunta da Galiza na sua reunião de vinte e sete de dezembro de dois mil dezoito,

DISPONHO:

Primeiro. Declarar bem de interesse cultural a Ribeira Sacra com a categoria de paisagem cultural, segundo a descrição geral recolhida no anexo IV e os critérios de delimitação e planimetría que juntam ao expediente e que se expõem no anexo VII.

Segundo. Incluir como bens de interesse cultural integrantes da paisagem cultural da Ribeira Sacra a relação de mobles, imóveis e manifestações do património cultural inmaterial que se recolhem no anexo I deste decreto, tanto no âmbito da delimitação do bem de interesse cultural e a sua zona de amortecemento, como no resto dos me os ter autárquicos que conformam o território da Ribeira Sacra, sem prejuízo de que possam ser relacionados outros bens mobles e imóveis e manifestações do património cultural inmaterial, à medida que se documente e justifique a sua relação, segundo os trâmites administrativos que correspondam.

Terceiro. Incluir como bens catalogado integrantes da paisagem cultural da Ribeira Sacra, tanto no âmbito delimitado bem de interesse cultural como na sua zona de amortecemento, a relação de bens imóveis que se recolhem no anexo II deste decreto, sem prejuízo de que, em procedimentos futuros, possam ser classificados outros bens através de procedimentos específicos ou conjuntos, ou através do desenvolvimento dos catálogos dos instrumentos urbanísticos ou de ordenação do território que possam aprovar-se.

Quarto. Incorporar a relação de bens imóveis de carácter sacro e religioso classificados da totalidade do território dos ter-mos autárquicos que conformam a Ribeira Sacra recolhidos no anexo III, pela sua especial vinculação aos valores culturais específicos da paisagem cultural, sem prejuízo de que, em procedimentos futuros, possam ser relacionados outros bens adicionais, na medida em que se documente e justifique a sua relação, ou modificada a sua classificação segundo os trâmites administrativos que correspondam.

Quinto. Aplicar o regime de protecção geral estabelecido no anexo V para os bens declarados de interesse cultural e os bens catalogado, os seus contornos de protecção e a zona de amortecemento da paisagem cultural, com as excepções e interpretações recolhidas na Instrução de 8 de novembro de 2017 relativa ao trâmite de autorizações em matéria de património cultural nos bens imóveis catalogado e declarados de interesse cultural, os seus contornos de protecção e as zonas de amortecemento.

Sexto. Aplicar o regime de protecção específico recolhido no anexo VI no âmbito da paisagem cultural delimitada, sem prejuízo do definido no ponto anterior para os bens classificados e o seu contorno de protecção.

Sétimo. Publicar este decreto no Diário Oficial da Galiza e no Boletim Oficial dele Estado.

Oitavo. Recolher na web da Conselharia de Cultura e Turismo, www.cultura.gal, a informação relativa ao regime de protecção e a planimetría de detalhe da delimitação da paisagem cultural no prazo de três meses desde a sua entrada em vigor.

Noveno. Notificar este decreto às pessoas interessadas e às câmaras municipais de Carballedo, Castro Caldelas, Chantada, Esgos, Montederramo, Nogueira de Ramuín, Pantón, Parada de Sil, Paradela, Monforte de Lemos, A Peroxa, A Pobra do Brollón, A Pobra de Trives, Portomarín, Quiroga, Ribas de Sil, San Xoán de Río, O Saviñao, Sober, Taboada, A Teixeira e Xunqueira de Espadanedo, nas condições estabelecidas no artigo 21.1 da Lei 5/2016, de 4 de maio, do património cultural da Galiza, assim como aos proprietários dos bens mobles e as comunidades reconhecidas como portadoras das manifestações do património cultural inmaterial.

Disposição derradeiro

Este decreto produzirá efeitos desde o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, vinte e sete de dezembro de dois mil dezoito

Alberto Núñez Feijóo
Presidente

Román Rodríguez González
Conselheiro de Cultura e Turismo

ANEXO I

Bens de interesse cultural no âmbito da Ribeira Sacra

Este anexo recolhe a relação de mobles, imóveis e manifestações do património cultural inmaterial especificamente declarados no âmbito da paisagem cultural (delimitação do bem de interesse cultural e a sua zona de amortecemento, identificados com o código PC), como na totalidade do território das câmaras municipais que conformam a Ribeira Sacra. Além disso, recolhe-se a figura pela que se determina o seu contorno de protecção, indicando os que são delimitados por médio deste decreto com a referência Decreto RS.

Esta relação não recolhe os bens imóveis que, com carácter genérico, podem ter a consideração de bem de interesse cultural, no que diz respeito a informação disponível sobre eles confirme ou não as condições e critérios para acreditar o supracitado reconhecimento segundo estabelece a vigente Lei 5/2016, de 4 de maio, do património cultural da Galiza (LPCG).

A lista que compõe este anexo e os anexo II e III que o complementam não têm um carácter fechado, e reconhecer-se-á a pertença ou relação à conformación dos valores culturais da Ribeira Sacra a outros bens mobles, imóveis e manifestações do património cultural inmaterial na medida em que se desenvolva o seu estudo particularizado segundo os trâmites administrativos que correspondam.

No referido aos bens imóveis, a consideração como bem de interesse cultural alcançará todas as suas partes integrantes e elementos pertencentes, pelo que serão parte do bem declarado bem de interesse cultural as dependências ou edificações anexas que tenham relação com os seus valores culturais, em especial as igrejas e capelas, as edificações residenciais, as construções auxiliares de carácter significativo ou funcional e os muros de encerramento dos prédios imediatos.

Esta circunstância não implica que, por meio das ferramentas legais previstas, em concreto os planos directores ou projectos gerais ou específicos de conservação ou restauração, não deva fazer-se um exercício crítico sobre a materialidade e razão de cada um deles e, em caso que assim se conclua, determinar a sua intervenção e mesmo eliminação no caso de resultar incompatíveis com a sua conservação ou a protecção do seu valor cultural.

ANEXO I.1

BIC IMÓVEIS

RBIC

Denominação

Categoria

Câmara municipal

X

Y

Contorno

PC

BIC.000.013

Mosteiro de Santo Estevo de Ribas de Sil

Monumento

Nogueira de Ramuín

608.149

4.696.949

Decreto RS

PC

BIC.000.016

Mosteiro de São Pedro de Rocas

Monumento

Esgos

605.987

4.688.555

Decreto 49/1999

BIC.000.032

Igreja de São Nicolao de Portomarín

Monumento

Portomarín

613.193

4.740.399

Decreto RS

BIC.000.034

Igreja e reitoral de São Paio de Diomondi

Monumento

O Saviñao

605.660

4.716.577

Decreto RS

PC

BIC.000.035

Igreja de Santo Estevo de Ribas de Miño

Monumento

O Saviñao

606.052

4.719.188

Decreto 262/2008

PC

BIC.000.043

Põe-te Bibei

Monumento

Quiroga-A Pobra de Trives

647.096

4.688.380

Decreto RS

BIC.000.070

Núcleo antigo de Portomarín (asolagado)

Zona

arqueológica

Portomarín

613.475

4.739.786

38 LPCG

BIC.000.081

Igreja de São Xoán da Cova

Monumento

Carballedo

605.999

4.705.061

Decreto RS

PC

BIC.000.082

Igreja de Santa María de Pesqueiras

Monumento

Chantada

604.228

4.720.566

Decreto 277/1995

PC

BIC.000.083

Igreja de Santo Estevo de Chouzán

Monumento

Carballedo

604.790

4.708.073

Decreto 273/1995

PC

BIC.000.086

Mosteiro de Santa María de Montederramo

Monumento

Montederramo

623.536

4.681.326

Decreto RS

BIC.000.102

Igreja de São Miguel de Eiré

Monumento

Pantón

611.069

4.708.207

Decreto RS

BIC.000.122

Conjunto histórico de Monforte de Lemos

Conjunto

histórico

Monforte de Lemos

622.151

4.708.813

Decreto 187/2005

BIC.000.325

Igreja de São Pedro de Bembibre

Monumento

Taboada

602.113

4.731.149

Decreto RS

BIC.000.328

Mosteiro de Santa María de Ferreira de Pantón

Monumento

Pantón

613.380

4.707.168

Decreto RS

BIC.000.329

Igreja de Santo Estevo de Atán

Monumento

Pantón

606.554

4.706.164

Decreto 232/2004

PC

BIC.000.343

Igreja de São Fiz de Cangas

Monumento

Pantón

611.680

4.704.693

Decreto RS

BIC.000.351

Mosteiro de Xunqueira de Espadanedo

Monumento

Xunqueira de Espadanedo

612.978

4.686.018

Decreto 28/1998

BIC.000.362

Igreja de São Facundo de Ribas de Miño

Monumento

Paradela

612.330

4.736.647

Decreto 278/1995

BIC.000.449

Lugar da torre de São Román de Campos

Xacemento arqueológico

Carballedo

602.101

4.702.404

38 LPCG

PC

BIC.000.450

Torre da Grixoá

Monumento

Carballedo

604.799

4.707.090

38 LPCG

PC

BIC.000.461

Lugar da torre do Pacio de Líncora

Xacemento arqueológico

Chantada

603.256

4.721.911

38 LPCG

PC

BIC.000.462

Torre de Arcos

Monumento

Chantada

596.613

4.722.620

38 LPCG

BIC.000.463

Lugar da torre de Vilar de Eiriz

Xacemento arqueológico

Chantada

595.849

4.717.468

38 LPCG

BIC.000.464

Lugar da fortaleza de Pereira

Xacemento arqueológico

Chantada

598.915

4.714.225

38 LPCG

BIC.000.465

Lugar da torre de Vilaúxe

Xacemento arqueológico

Chantada

602.481

4.713.865

38 LPCG

PC

BIC.000.480

Fortaleza de Monforte de Lemos

Monumento

Monforte de Lemos

622.195

4.708.941

Decreto 187/2005

BIC.000.481

Casa forte de São Salvador de Moreda

Monumento

Monforte de Lemos

614.873

4.711.003

38 LPCG

BIC.000.493

Casa forte da Bastida

Monumento

Pantón

618.053

4.705.659

38 LPCG

BIC.000.494

Castelo de Ferreira ou de Maside

Monumento

Pantón

613.662

4.706.460

38 LPCG

BIC.000.496

Castelo de Torrenovaes ou de Sequeiros

Monumento

Quiroga

644.042

4.702.298

20

NSP 1995

BIC.000.502

Torre da Candaira

Monumento

O Saviñao

607.326

4.720.831

38 LPCG

PC

BIC.000.503

Casa forte de Moreda em Vilaescura

Monumento

Sober

614.786

4.703.258

126

PXOM 2009

BIC.000.504

Casa forte de Santa Marinha de Moreda

Monumento

Taboada

599.868

4.729.363

72

NSP 1994

BIC.000.515

Fortaleza de Castro Caldelas

Monumento

Castro Caldelas

630.424

4.692.748

PEPRI 1995

PC

BIC.000.521

Castelo da Peroxa

Monumento

A Peroxa

599.766

4.698.696

54

PXOM 1999

BIC.000.522

Lugar da fortaleza de Fontearcada

Xacemento arqueológico

A Peroxa

599.049

4.699.202

56

PXOM 1999

BIC.000.523

Casa forte de Cinconogueiras

Monumento

A Peroxa

597.880

4.700.292

27

PXOM 1999

BIC.000.562

Conjunto histórico de Castro Caldelas

Conjunto histórico

Castro Caldelas

630.445

4.692.659

Decreto 30/1998

PC

BIC.000.582

Mosteiro de Santa Cristina de Ribas de Sil

Monumento

Parada de Sil

616.183

4.694.704

Decreto 78/2009

PC

BIC.000.698

Adegas de Vilachá

Lugar de valor

etnolóxico

A Pobra do Brollón

632.476

4.703.353

Decreto RS

PC

BIC.000.699

Penalonga ou Cidadela de Santa María

Xacemento arqueológico

A Pobra de Trives

645.878

4.690.670

Decreto RS

BIC.000.700

Igreja de Santa María de Temes

Monumento

Carballedo

602.395

4.701.930

Decreto RS

PC

BIC.000.701

Capela da Pena ou do Povoado dos Peares

Monumento

Carballedo

604.768

4.701.994

Decreto RS

PC

BIC.000.702

Mosteiro de São Paio de Abeleda

Monumento

Castro Caldelas

627.693

4.694.184

Decreto RS

PC

BIC.000.703

Igreja de Santa María de Nogueira de Miño

Monumento

Chantada

605.571

4.712.349

Decreto RS

PC

BIC.000.704

Edifício de escritórios da barragem de Belesar

Monumento

Chantada

605.490

4.720.194

Decreto RS

PC

BIC.000.705

Mosteiro de São Salvador de Asma

Monumento

Chantada

601.459

4.717.310

Decreto RS

BIC.000.706

Pazo de Tor

Monumento

Monforte de Lemos

617.547

4.713.915

Decreto RS

BIC.000.707

Santuário da virxe de Guadalupe

Monumento

O Saviñao

604.977

4.723.933

Decreto RS

BIC.000.708

Igreja de Santa María de Seteventos

Monumento

O Saviñao

613.265

4.716.475

Decreto RS

BIC.000.709

Igreja e reitoral de São Vicenzo de Pombeiro

Monumento

Pantón

606.662

4.700.345

Decreto RS

PC

BIC.000.710

A fábrica da luz do rio Mau

Lugar de valor etnolóxico

Parada de Sil

623.176

4.692.132

Decreto RS

PC

BIC.000.711

Necrópole de São Vítor de Barxacova

Zona arqueológica

Parada de Sil

623.272

4.692.357

Decreto RS

PC

BIC.000.712

Capela de Santa María de Loio e necrópole do antigo mosteiro

Monumento

Paradela

614.563

4.738.278

Decreto RS

BIC.000.713

Povoado dos Covallos

Conjunto histórico

Quiroga

647.335

4.694.759

Decreto RS

BIC.000.714

Exploração mineira de Montefurado

Zona

arqueológica

Quiroga

648.140

4.695.285

Decreto RS

BIC.000.715

Muíños do Xábrega ou dos Chancís

Lugar de valor etnolóxico

Sober

612.684

4.697.155

Decreto RS

PC

ANEXO I.2

BIC MOBLES

RBIC

Denominação

Origem

Localização

BIC.000.716

Crismón de Quiroga

A Ermida (Quiroga)

Museu Diocesano da Catedral de Lugo

BIC.000.717

Lauda fundacional de São Pedro de Rocas

Rocas (Esgos)

Museu Provincial Arqueológico de Ourense

BIC.000.718

Pé de altar de São Pedro de Rocas

Rocas (Esgos)

Museu Provincial Arqueológico de Ourense

ANEXO I.3

BIC INMATERIAIS

RBIC

Denominação

Organização

Marco temporário

Marco territorial

BIC.000.719

Os Fachós de Castro Caldelas

Câmara municipal de Castro Caldelas

Noite do 19-20 de janeiro

Castro Caldelas

BIC.000.720

Folión de Fachas de

Vilelos

Associação de Vizinhos de São Martiño de Vilelos

Noite último sexta-feira de setembro

Castro da Besta

ou de Vilelos (O Saviñao)

BIC.000.721

Queima das Fachas de Castelo

Associação Cultural As Fachas

Noite do 7-8 de setembro

Castro de Castelo

(Taboada)

BIC.000.722

Carnaval de

Santiago de Arriba

Associação de Amigos do Carnaval Ribeirao

Carnaval

Freguesia de Santiago de Arriba (Chantada)

BIC.000.723

Carnaval de Salcedo

Associação de Vizinhos de Salcedo

Carnaval (Segunda-feira de Carnaval, o Osso)

São Xoán de Salcedo

(A Pobra do Brollón)

BIC.000.724

Carnaval de Esgos

Associação Cultural-Etnográfica Felos e Madamas de Esgos

Carnaval

Todas as freguesias do termo autárquico

BIC.000.725

Olaría de Gundivós

Centro Oleiro de Gundivós

Elías González

-

Freguesia de Santiago de Gundivós (Sober)

BIC.000.726

Olaría de Niñodaguia

Amigos do Barro de Niñodaguia.

Alfarería de Agustín y José Vázquez

-

Freguesia de Santa María de Niñodaguia

(Xunqueira de Espadanedo)

BIC.000.727

Folión de Carroças de

Chantada

Associação Amigos do Folión

Noite do quarto sábado de agosto

Chantada

ANEXO II

Bens imóveis classificados na paisagem cultural da Ribeira Sacra

Este anexo recolhe a relação de todos os bens imóveis classificados no âmbito da paisagem cultural da Ribeira Sacra, tanto no âmbito delimitado bem de interesse cultural como na zona de amortecemento, que corresponde com a lista das 76 freguesias da paisagem cultural classificada segundo a descrição e os critérios de delimitação estabelecidos nos anexo deste decreto.

Estes bens correspondem com os bens identificados nos catálogos dos diferentes instrumentos de planeamento vigentes nas câmaras municipais que conformam a Ribeira Sacra e que, de forma sintetizada, se recolhem no Plano básico autonómico, aprovado pelo Decreto 83/2018, de 26 de julho, pelo que se aprova o Plano básico autonómico da Galiza (DOG núm. 162, de 27 de agosto).

Para os efeitos da coerência entre as diferentes normativas de protecção, os bens imóveis integrantes da paisagem cultural da Ribeira Sacra recolhem com o número que lhes corresponde no anexo IX.II do supracitado Plano básico autonómico. Para estabelecer o contorno de protecção, em virtude da interpretação integrada da prelación das diferentes normas, remete-se à normativa do planeamento urbanístico vigente ou, no caso de carecer dela, ao artigo 38 da Lei 5/2016, de 4 de maio, do património cultural da Galiza (LPCG), em que se recolhem os contornos de protecção subsidiários.

Além disso, identifica-se a sua categoria com os acrónimos das figuras estabelecidas no artigo 10 da supracitada LPCG: MON (monumento) ARQ (zona ou xacemento arqueológico) COM (conjunto histórico) ETN (lugar de valor etnolóxico) VIA (via cultural).

Os bens imóveis que, com carácter genérico, podem ter a consideração de bem de interesse cultural, no que diz respeito a informação não confirme as condições e critérios para acreditar o supracitado reconhecimento segundo estabelece a LPCG, recolhem-se identificados com um * ao lado da sua categoria, para os efeitos de aplicar as cautelas necessárias no relativo ao regime geral de protecção indicado no ponto quinto desta resolução.

ANEXO II.1

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM CARBALLEDO

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

18.786

Mámoa do Penhasco Grande 1

A Cova (São Xoán)

Tourón

603.902

4.705.555

ARQ

Art. 38 LPCG

18.787

Mámoa do Penhasco Grande 2

A Cova (São Xoán)

Tourón

603.940

4.705.603

ARQ

Art. 38 LPCG

18.788

Mámoa do Penhasco Grande 3

A Cova (São Xoán)

Tourón

603.977

4.705.645

ARQ

Art. 38 LPCG

18.789

O Castro de São Cristovo

A Cova (São Xoán)

São Cristovo

605.820

4.704.190

ARQ

Art. 38 LPCG

18.791

Petróglifos do Cotillón

A Cova (São Xoán)

Tourón

603.844

4.706.169

ARQ*

Art. 38 LPCG

18.792

Petróglifo do Monte

Fabeiro

A Cova (São Xoán)

Tourón

604.216

4.705.400

ARQ*

Art. 38 LPCG

18.873

Barragem dos Peares

Oleiros (São Miguel)

A Pena

604.913

4.702.207

MON

Art. 38 LPCG

18.874

Igreja e reitoral de São Miguel de Oleiros

Oleiros (São Miguel)

São Miguel

603.769

4.703.260

MON

Art. 338

NSP 1991

18.876

Capela de São Miguel da Granja

Oleiros (São Miguel)

A Granja

604.149

4.701.172

MON

Art. 338

NSP 1991

18.770

Castro da Roda

São Romao de

Campos

(São Romao)

São Romao

602.015

4.703.215

ARQ

Art. 38 LPCG

18.761

Mámoa da Queimada

Veascós

(Santa Marinha)

São Breixo

603.765

4.710.060

ARQ

Art. 38 LPCG

18.762

Igreja de Santa Marinha de Veascós

Veascós

(Santa Marinha)

Veascós

602.314

4.708.427

MON

Art. 338

NSP 1991

ANEXO II.2

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM CASTRO CALDELAS

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

31.881

Necrópole da Cortiña de Atrás

Alais (São Pedro)

Madanela

632.169

4.694.071

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.882

Castriño da Cerca

Alais (São Pedro)

Grazán

632.185

4.694.945

ARQ

Art. 38 LPCG

31.883

Igreja de São Pedro de Alais

Alais (São Pedro)

A Eirexa

629.332

4.694.472

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

31.884

Casa reitoral de Alais

Alais (São Pedro)

A Eirexa

629.314

4.694.492

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

31.885

Muíño do Bao

Alais (São Pedro)

Casfarexa

631.216

4.691.993

ETN

Art. 24.5

PXOM 1999

31.886

Põe-te da Boga

Alais (São Pedro)

O Couto

628.830

4.693.874

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

53.902

Mámoa de Seoane

Alais (São Pedro)

Seoane

631.595

4.693.425

ARQ

Art. 38 LPCG

31.900

Muíño da Põe-te

Castro Caldelas (São Sebastián)

Casfarexa

631.198

4.692.480

ETN

Art. 24.5

PXOM 1999

31.901

Casa grande no Real da Pousa

Castro Caldelas (São Sebastián)

O Real da Pousa

629.953

4.691.953

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

31.902

Igreja de Santa Isabel de Castro Cadelas

Castro Caldelas (São Sebastián)

O Castro de Caldelas

630.414

4.692.909

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

31.903

Santuário dos Remédios

Castro Caldelas (São Sebastián)

O Castro de Caldelas

630.531

4.692.574

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

31.905

Cruzeiro do santuário dos Remédios

Castro Caldelas (São Sebastián)

O Castro de Caldelas

630.522

4.692.586

ETN*

Art. 24.5

PXOM 1999

31.910

Mamoíñas de Ruídos 1

Mazaira

(Santa María)

Ruídos

632.732

4.695.403

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.911

Mamoíñas de Ruídos 2

Mazaira

(Santa María)

Ruídos

632.713

4.695.599

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.912

Mamoíñas de Ruídos 3

Mazaira

(Santa María)

A Eirexa

632.985

4.696.110

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.913

Mamoíñas de Ruídos 4

Mazaira

(Santa María)

A Eirexa

633.000

4.696.235

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.914

Mamoíñas do Pastizal 1

Mazaira

(Santa María)

Alende

633.315

4.696.470

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.915

Mamoíñas do Pastizal 2

Mazaira

(Santa María)

Alende

633.438

4.696.623

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.916

Mamoíñas do Pastizal 3

Mazaira

(Santa María)

Alende

633.450

4.696.702

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.917

Mamoíñas do Pastizal 4

Mazaira

(Santa María)

Alende

633.480

4.696.815

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.918

Mamoíñas do Pastizal 5

Mazaira

(Santa María)

Alende

633.750

4.697.305

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.919

Mamoíñas da Cabaña 1

Mazaira

(Santa María)

Quintela

634.705

4.696.520

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.920

Mamoíñas da Cabaña 2

Mazaira

(Santa María)

Quintela

634.675

4.696.605

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.921

Mamoíñas da Cabaña 3

Mazaira

(Santa María)

Toutelle

634.625

4.696.745

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.922

Mamoíñas da Cabaña 4

Mazaira

(Santa María)

Toutelle

634.365

4.696.805

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.923

Igreja de Santa María de Mazaira

Mazaira

(Santa María)

A Eirexa

633.373

4.695.814

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

31.924

Casa reitoral de Mazaira

Mazaira

(Santa María)

A Eirexa

633.358

4.695.807

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

31.925

Forno do Espiñeiro

Mazaira

(Santa María)

Os Espiñeiros

632.919

4.695.103

ETN

Art. 24.5

PXOM 1999

31.926

Forno de Ruídos

Mazaira

(Santa María)

Ruídos

633.095

4.695.343

ETN

Art. 24.5

PXOM 1999

53.903

Mamoíñas do Pastizal 6

Mazaira

(Santa María)

Alende

633.763

4.697.203

ARQ

Art. 24.5

PXOM 1999

53.904

Mamoíñas do Pastizal 7

Mazaira

(Santa María)

Alende

633.816

4.697.247

ARQ

Art. 24.5

PXOM 1999

31.927

O Castro de Sequeiro

Paradela

(São Vicenzo)

O Castro

628.405

4.695.210

ARQ

Art. 24.7.2

PXOM 1999

31.928

Igreja de São Vicenzo de Paradela

Paradela

(São Vicenzo)

Lugar de Arriba

628.957

4.696.058

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

38.702

Casa grande de Couto

São Paio de

Abeleda

(São Paio)

O Couto

628.439

4.693.727

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

38.703

Igreja de Santa Tegra de Abeleda

Santa Tegra de Abeleda

(Santa Tegra)

O Souto

627.517

4.693.831

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

38.704

Casa reitoral de Abeleda

Santa Tegra de Abeleda

(Santa Tegra)

O Campo

627.323

4.694.061

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

33.614

Capela de São Vitorino de Vilarellos

Tronceda

(Santiago)

Vilarellos

630.947

4.696.295

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

39 PXOM

Igreja velha de Santiago de Tronceda (ruínas)

Tronceda

(Santiago)

Os Carvalhais

631.879

4.697.581

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

54 PXOM

Casa reitoral velha de Tronceda (ruínas)

Tronceda

(Santiago)

Os Carvalhais

631.877

4.697.598

MON

Art. 24.5

PXOM 1999

ANEXO II.3

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM CHANTADA

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

17.258

Igreja de São Vicente da Sariña

A Sariña

(São Vicente)

Soutariz

603.906

4.713.671

MON

Art. 38 LPCG

17.722

Capela na Ermida

Belesar

(São Bartolomeu)

A Ermida

604.080

4.716.380

MON

Art. 38 LPCG

17.728

Igreja de Santa María de Camporramiro

Camporramiro (Santa María)

A Cancela

602.589

4.716.266

MON

Art. 38 LPCG

17.729

Igreja de São Bartolomeu de Belesar

Camporramiro (Santa María)

Belesar

604.536

4.716.112

MON

Art. 38 LPCG

17.730

Casa de Cabreiros

Camporramiro (Santa María)

Cabreiros

603.427

4.715.065

MON

Art. 38 LPCG

17.731

Casa do Bañal

Camporramiro (Santa María)

O Bañal

603.067

4.715.693

MON

Art. 38 LPCG

17.732

Põe-te Belesar

Camporramiro (Santa María)

Belesar

604.568

4.716.174

MON

Art. 38 LPCG

17.868

Castro da Eirexe

Líncora

(São Pedro)

A Eirexe

603.615

4.717.606

ARQ

Art. 38 LPCG

17.869

Castro São Pedro

Líncora

(São Pedro)

São Pedro

604.043

4.717.246

ARQ

Art. 38 LPCG

17.870

Igreja de São Pedro de Líncora

Líncora

(São Pedro)

Rubiás

603.193

4.716.975

MON

Art. 38 LPCG

17.203

O Castro de Lagariza

Nogueira de Miño (Santa María)

Lagariza

606.435

4.712.625

ARQ

Art. 38 LPCG

17.205

Ermida em Goimil

Nogueira de Miño (Santa María)

Goimil

606.898

4.712.499

MON

Art. 38 LPCG

17.206

Casa de Campelo

Nogueira de Miño (Santa María)

Nogueira de Arriba

605.640

4.712.442

MON

Art. 38 LPCG

17.207

Casa de Suárez

Nogueira de Miño (Santa María)

Nogueira de Abaixo

605.738

4.712.001

MON

Art. 38 LPCG

17.208

Casa do Pedrido

Nogueira de Miño (Santa María)

Pedrido

605.940

4.712.826

MON

Art. 38 LPCG

17.209

Casa com escudo em Nogueira de Arriba

Nogueira de Miño (Santa María)

Nogueira de Arriba

605.540

4.712.279

MON

Art. 38 LPCG

17.209

Escudo em casa de Nogueira de Arriba

Nogueira de Miño (Santa María)

Nogueira de Arriba

605.540

4.712.279

MON*

Art. 38 LPCG

17.210

Casa de Randolfe

Nogueira de Miño (Santa María)

Souto

606.235

4.711.947

MON

Art. 38 LPCG

17.225

Castro da Airoá

Pesqueiras

(Santa María)

A Airoá

603.141

4.721.029

ARQ

Art. 38 LPCG

17.226

Petróglifo da Airoá

Pesqueiras

(Santa María)

A Airoá

602.913

4.721.260

ARQ*

Art. 38 LPCG

17.227

Igreja parroquial de Santa María de Pesqueiras

Pesqueiras

(Santa María)

A Chabola

603.454

4.720.762

MON

Art. 38 LPCG

17.228

Capela de Soilán

Pesqueiras

(Santa María)

O Pinheiro

603.641

4.719.964

MON

Art. 38 LPCG

17.229

Casa da Nogueira

Pesqueiras

(Santa María)

A Nogueira

603.343

4.720.958

MON

Art. 38 LPCG

17.230

Casa de Saa

Pesqueiras

(Santa María)

O Pinheiro

603.982

4.720.245

MON

Art. 38 LPCG

17.231

Pazo do Pinheiro

Pesqueiras

(Santa María)

Soilán

603.392

4.719.926

MON

Art. 38 LPCG

17.237

Casa do Pacio em Fundo de Vila

Sabadelle

(Santa María)

Fundo de Vila

603.255

4.721.914

MON

Art. 38 LPCG

17.239

Igreja de Santa María de Sabadelle

Sabadelle

(Santa María)

A Eirexe

602.985

4.722.236

MON

Art. 38 LPCG

17.240

Capela do Fundo da Vila

Sabadelle

(Santa María)

Fundo de Vila

603.415

4.722.012

MON

Art. 38 LPCG

17.241

Capela de Vilameá

Sabadelle

(Santa María)

Carral Travesa

602.699

4.721.990

MON

Art. 38 LPCG

17.242

Capela de Santa Rosa

Sabadelle

(Santa María)

A Santa Rosa

601.989

4.721.720

MON

Art. 38 LPCG

17.243

Carral Travesa

Sabadelle

(Santa María)

A Eirexe

603.015

4.722.100

MON

Art. 38 LPCG

17.244

Casa do Fidalgo

Sabadelle

(Santa María)

Carballedo

601.491

4.721.738

MON

Art. 38 LPCG

17.245

Cruzeiro de Carral Travesa

Sabadelle

(Santa María)

Carral Travesa

602.860

4.722.116

ETN*

Art. 38 LPCG

17.704

Castro de São Fiz

São Fiz de Asma (São Fiz)

As Cerdeiriñas

605.019

4.719.426

ARQ

Art. 38 LPCG

17.705

Castro da Ribada

São Fiz de Asma (São Fiz)

O Castro

604.827

4.717.883

ARQ

Art. 38 LPCG

17.706

A Roda

São Fiz de Asma (São Fiz)

Meixide Grande

603.636

4.718.687

ARQ

Art. 38 LPCG

17.707

Igreja de São Fiz de Asma

São Fiz de Asma (São Fiz)

O Campo da Eirexe

604.970

4.719.818

MON

Art. 38 LPCG

17.708

Capela de Tarrío

São Fiz de Asma (São Fiz)

Tarrío

604.121

4.718.897

MON

Art. 38 LPCG

17.709

Casa Grande de Meixide

São Fiz de Asma (São Fiz)

Meixide Grande

603.361

4.718.764

MON

Art. 38 LPCG

17.710

Casa Grande de São Fiz

São Fiz de Asma (São Fiz)

A Casa Grande

604.825

4.719.708

MON

Art. 38 LPCG

17.711

Casa de Tarrío

São Fiz de Asma (São Fiz)

Tarrío

604.135

4.718.897

MON

Art. 38 LPCG

17.712

Cruzeiro de São Fiz

São Fiz de Asma (São Fiz)

O Campo da Eirexe

604.929

4.719.782

ETN*

Art. 38 LPCG

17.701

Castro de Cabreiros

Santiago de Arriba (Santiago)

Cabreiros

603.411

4.714.663

ARQ

Art. 38 LPCG

17.702

A Pedra das Mentiras

Santiago de Arriba (Santiago)

Vilar do Mato

602.761

4.714.362

ARQ

Art. 38 LPCG

17.703

Igreja de Santiago de Arriba

Santiago de Arriba (Santiago)

A Igreja

604.019

4.714.533

MON

Art. 38 LPCG

17.253

Castro de Mundín

Vilaúxe

(São Salvador)

Mundín

601.881

4.714.638

ARQ

Art. 38 LPCG

17.254

Cancela do Castro

Vilaúxe

(São Salvador)

Sabadón

602.830

4.713.197

ARQ

Art. 38 LPCG

17.255

Igreja de São Salvador de Vilaúxe

Vilaúxe

(São Salvador)

A Eirexe

601.927

4.713.769

MON

Art. 38 LPCG

17.256

Capela de São Gregorio

Vilaúxe

(São Salvador)

A Lagoa

601.282

4.712.107

MON

Art. 38 LPCG

17.257

Casa com escudo na Eirexe

Vilaúxe

(São Salvador)

A Eirexe

601.894

4.713.835

MON

Art. 38 LPCG

17.257

Escudo em casa da Eirexe

Vilaúxe

(São Salvador)

A Eirexe

601.894

4.713.835

MON*

Art. 38 LPCG

53.774

Mámoa da Lagoa 1

Vilaúxe

(São Salvador)

Sandiás

601.595

4.712.255

ARQ

Art. 38 LPCG

53.775

Mámoa da Lagoa 2

Vilaúxe

(São Salvador)

A Lagoa

601.560

4.712.192

ARQ

Art. 38 LPCG

53.776

Mámoa da Lagoa 3

Vilaúxe

(São Salvador)

A Lagoa

601.571

4.712.167

ARQ

Art. 38 LPCG

53.777

Mámoa dos Agros de

Sandiás 1

Vilaúxe

(São Salvador)

Sandiás

602.249

4.712.122

ARQ

Art. 38 LPCG

53.778

Mámoa dos Agros de

Sandiás 2

Vilaúxe

(São Salvador)

Sandiás

602.291

4.712.109

ARQ

Art. 38 LPCG

53.779

Mámoa dos Agros de

Sandiás 3

Vilaúxe

(São Salvador)

Sandiás

602.421

4.712.048

ARQ

Art. 38 LPCG

53.780

Mámoa dos Agros de

Sandiás 4

Vilaúxe

(São Salvador)

Sandiás

602.449

4.711.999

ARQ

Art. 38 LPCG

ANEXO II.4

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM MONFORTE DE LEMOS

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

23.747

O Castro da Reguenga

Marcelle

(São Miguel)

A Reguenga

623.883

4.701.236

ARQ

Art. 38 LPCG

23.748

Castro Feixóo

Marcelle

(São Miguel)

As Minas de Freixo

623.375

4.701.537

ARQ

Art. 38 LPCG

23.749

Túmulo das Rozas

Marcelle

(São Miguel)

As Rozas

625.575

4.701.025

ARQ

Art. 38 LPCG

23.750

Igreja de São Miguel de Marcelle

Marcelle

(São Miguel)

A Reguenga

624.303

4.701.090

MON

Art. 38 LPCG

23.751

Capela do Freixo

Marcelle

(São Miguel)

Freixo

622.328

4.702.612

MON

Art. 38 LPCG

23.752

Capela de Vilar de Mouros

A Reguenga

624.295

4.701.121

MON

Art. 38 LPCG

23.490

O Castro de Rozavales

Rozavales

(Santa María)

Penhasco

630.101

4.704.785

ARQ

Art. 38 LPCG

23.491

Igreja de Santa María de Rozavales

Rozavales (Santa María)

A Fonte

630.424

4.705.125

MON

Art. 38 LPCG

23.519

Castro de Pena da Mura

Vilamarín (São Fiz)

Cima de Vila

628.115

4.703.825

ARQ

Art. 38 LPCG

23.520

Igreja de São Fiz de Vilamarín

Vilamarín (São Fiz)

A Veliña

628.579

4.705.017

MON

Art. 38 LPCG

23.521

Capela de Froxende

Vilamarín (São Fiz)

Froxende

630.743

4.699.117

MON

Art. 38 LPCG

23.522

Capela da Caneda

Vilamarín (São Fiz)

A Candeda

628.237

4.700.814

MON

Art. 38 LPCG

ANEXO II.5

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM NOGUEIRA DE RAMUÍN

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

35.974

Igreja de Santiago de Cerreda

Cerreda (Santiago)

Cerreda

612.541

4.693.507

MON

Art. 38 LPCG

35.975

Capela de São Xoán de Vilouxe

Cerreda (Santiago)

Vilouxe

613.274

4.692.549

MON

Art. 38 LPCG

35.976

Cruzeiro da Alberguería

Cerreda (Santiago)

A Alberguería

612.174

4.693.864

ETN*

Art. 38 LPCG

35.977

Bolso de ánimas de Vilouxe

Cerreda (Santiago)

Vilouxe

613.419

4.692.590

ETN*

Art. 38 LPCG

35.978

Alvariza nas Escadas

Cerreda (Santiago)

Cachaldora

612.998

4.693.460

ETN

Art. 38 LPCG

35.979

Hórreo I na Alberguería

Cerreda (Santiago)

A Alberguería

612.042

4.693.758

ETN*

Art. 38 LPCG

35.980

Hórreo II na Alberguería

Cerreda (Santiago)

A Alberguería

612.091

4.693.738

ETN*

Art. 38 LPCG

35.981

Hórreo III na Alberguería

Cerreda (Santiago)

A Alberguería

612.082

4.693.747

ETN*

Art. 38 LPCG

35.982

Casa reitoral de Cerreda

Cerreda (Santiago)

Cerreda

612.523

4.693.502

MON

Art. 38 LPCG

33.902

Igreja de São Xoán de Moura

Moura (São Xoán)

Cinseiro

605.249

4.699.307

MON

Art. 38 LPCG

33.903

Põe da N-120 nos Peares

Moura (São Xoán)

O Torrón

604.509

4.700.987

MON

Art. 38 LPCG

33.904

Mámoa das Cabanas 1

Moura (São Xoán)

Biduedo

605.510

4.697.375

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.905

Mámoa das Cabanas 2

Moura (São Xoán)

Biduedo

605.510

4.697.410

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.906

Mámoa das Cabanas 3

Moura (São Xoán)

Biduedo

605.515

4.697.465

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.907

Mámoa das Cabanas 4

Moura (São Xoán)

Biduedo

605.460

4.697.430

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.908

Mámoa das Cabanas 5

Moura (São Xoán)

Biduedo

605.490

4.697.455

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.909

Mámoa das Cabanas 6

Moura (São Xoán)

Monteverde

605.477

4.697.488

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.910

Mámoa das Cabanas 7

Moura (São Xoán)

Monteverde

605.450

4.697.465

ARQ

10.6.2

PXOM 2001

33.911

Os Penhascos do Castro de Paradela

Moura (São Xoán)

Paradela

606.295

4.697.915

ARQ

Art. 38 LPCG

33.912

Casa reitoral de Moura

Moura (São Xoán)

Cinseiro

605.232

4.699.328

MON

Art. 38 LPCG

33.913

Conjunto de hórreos e eira no Alcouce

Moura (São Xoán)

Cinseiro

605.361

4.699.313

ETN*

Art. 38 LPCG

33.914

Central hidroeléctrica de São Pedro

Moura (São Xoán)

Amandi

605.800

4.700.743

MON

Art. 38 LPCG

33.915

Cruz (base) de Fiscal

Moura (São Xoán)

Fiscal

604.462

4.700.139

ETN*

Art. 38 LPCG

33.940

Capela da Nossa Senhora das Neves em Pombar

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Pombar

607.511

4.696.168

MON

Art. 38 LPCG

33.941

Capela de São Lourenzo em Biduedo

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Biduedo

606.256

4.696.863

MON

Art. 38 LPCG

33.942

Casa da Audiência ou antigo Cárcere

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.069

4.696.848

MON

Art. 38 LPCG

33.943

Casa do Médico em Santo Estevo de Ribas de Sil

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.042

4.696.825

MON

Art. 38 LPCG

33.943

Escudo na casa do médico em Santo Estevo de Ribas de Sil

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.042

4.696.825

MON*

Art. 38 LPCG

33.944

Fonte de mina I ou «Fonte velha» em Pombar

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Pombar

607.560

4.696.126

ETN

Art. 38 LPCG

33.945

Conjunto de hórreos em Pombar

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Pombar

607.486

4.696.176

ETN*

Art. 38 LPCG

33.946

Os Penhascos do Castro de Santo Estevo

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

607.579

4.696.673

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.947

Capela de São Xoán de Cachón

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

São Cosmede

607.535

4.697.765

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.949

Cruz (restos) entre

Pombar e o mosteiro

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.181

4.696.586

ETN*

Art. 38 LPCG

33.950

Cruz I do caminho dos Peares ao mosteiro

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

607.694

4.696.591

ETN*

Art. 38 LPCG

33.951

Cruz II (restos) do caminho dos Peares ao mosteiro

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

607.863

4.696.690

ETN*

Art. 38 LPCG

33.952

Cruzeiro do mosteiro de Santo Estevo de Ribas

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.085

4.696.923

ETN*

Art. 38 LPCG

33.953

Cruzeiro da Cruz

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.486

4.696.493

ETN*

Art. 38 LPCG

33.954

Conjunto de hórreos em Biduedo

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Biduedo

606.258

4.696.830

ETN*

Art. 38 LPCG

33.955

Hórreo I em Santo Estevo de Ribas de Sil

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.042

4.696.838

ETN*

Art. 38 LPCG

33.956

Hórreo II em Santo Estevo de Ribas de Sil

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Santo Estevo de Ribas de Sil

608.205

4.696.772

ETN*

Art. 38 LPCG

33.957

Eira do Pombar

Santo Estevo de

Ribas de Sil

(Santo Estevo)

Pombar

607.485

4.696.158

ETN

Art. 38 LPCG

33.969

Igreja de Santa Baia de Vilar de Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

611.061

4.695.025

MON

Art. 38 LPCG

33.970

Mámoa de Lamagorzos 1

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Paragem Seca

609.403

4.693.834

ARQ

Art. 10.6.2

PXOM 2001

33.971

Capela do povoado de Saltos do Sil na Rasa

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

A Rasa

610.692

4.695.822

MON

Art. 38 LPCG

33.972

Povoado da empresa

hidroeléctrica na Rasa

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

A Rasa

610.955

4.695.802

MON

Art. 38 LPCG

33.973

Central hidroeléctrica de Santo Estevo

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

A Rasa

610.812

4.696.666

MON

Art. 38 LPCG

33.974

Cruzeiro de Paragem de Arriba

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Paragem Seca

610.793

4.693.717

ETN*

Art. 38 LPCG

33.975

Cruzeiro I de Vilar de

Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

610.931

4.694.957

ETN*

Art. 38 LPCG

33.976

Cruzeiro II de Vilar de

Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

611.153

4.694.852

ETN*

Art. 38 LPCG

33.977

Casa reitoral de Vilar de Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

611.035

4.695.031

MON

Art. 38 LPCG

33.978

Hórreo I em Vilar de

Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

610.961

4.694.928

ETN*

Art. 38 LPCG

33.979

Hórreo II em Vilar de

Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

610.996

4.695.067

ETN*

Art. 38 LPCG

33.980

Hórreo III em Vilar de

Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

611.000

4.695.055

ETN*

Art. 38 LPCG

33.981

Hórreo IV em Vilar de

Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

611.014

4.694.751

ETN*

Art. 38 LPCG

33.982

Hórreo V em Vilar de

Cerreda

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

Vilar

611.068

4.694.724

ETN*

Art. 38 LPCG

33.983

Pombal na Rasa

Vilar de Cerreda (Santa Baia)

A Rasa

610.832

4.695.903

ETN

Art. 38 LPCG

33.984

Ermida da Costrea em Pena do Chao

Viñoás

(Santa María)

Pena do Chao

603.332

4.699.530

MON

Art. 38 LPCG

33.985

Igreja de Santa María de Viñoás

Viñoás

(Santa María)

Viñoás

603.587

4.698.383

MON

Art. 38 LPCG

33.986

Capela de Santa María Magdalena em Borraxos

Viñoás

(Santa María)

Borraxos

602.940

4.697.996

MON

Art. 38 LPCG

33.987

Casas tradicionais (2) em Viñoás

Viñoás

(Santa María)

Viñoás

603.538

4.698.289

MON

Art. 38 LPCG

33.988

Casa reitoral velha de

Viñoás em Casanova

Viñoás

(Santa María)

Casanova

603.564

4.698.045

MON

Art. 38 LPCG

33.989

Hórreo em Bertelo

Viñoás

(Santa María)

Bertelo

603.764

4.698.171

ETN*

Art. 38 LPCG

33.990

Hórreo na Pereira

Viñoás

(Santa María)

A Pereira

602.652

4.698.420

ETN*

Art. 38 LPCG

33.991

Casa na Pereira

Viñoás

(Santa María)

A Pereira

602.662

4.698.424

MON

Art. 38 LPCG

33.992

Muíño em Bertelo

Viñoás

(Santa María)

Bertelo

603.708

4.698.080

ETN

Art. 38 LPCG

33.993

Casa reitoral de Viñoás

Viñoás

(Santa María)

Viñoás

603.582

4.698.361

MON

Art. 38 LPCG

ANEXO II.6

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM PANTÓN

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

23.527

Capela da Virxe da Apresentação de Budián

Acedre (São Romao)

Budián

611.687

4.700.552

MON

Art. 38 LPCG

23.528

Igreja de São Romao de Acedre

Acedre (São Romao)

São Romao

612.263

4.701.297

MON

Art. 38 LPCG

23.529

Túmulo do Monte de São Romao

Acedre (São Romao)

Aúde

610.547

4.701.886

ARQ

Art. 38 LPCG

23.530

Petróglifo do Monte de São Romao 1

Acedre (São Romao)

Aúde

610.524

4.701.880

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.531

Petróglifo do Monte de São Romao 2

Acedre (São Romao)

Aúde

610.512

4.701.860

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.532

Petróglifo do Monte de São Romao 3

Acedre (São Romao)

Aúde

610.512

4.701.851

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.533

Petróglifo do Monte de São Romao 4

Acedre (São Romao)

Aúde

610.506

4.701.863

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.534

Petróglifo do Monte de São Romao 5

Acedre (São Romao)

Aúde

610.546

4.701.752

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.535

Petróglifo do Monte de São Romao 6

Acedre (São Romao)

Aúde

610.515

4.701.742

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.536

Mámoa de Budián

Acedre (São Romao)

Budián

611.185

4.700.225

ARQ

Art. 38 LPCG

23.537

Casa de Marce em Budián

Acedre (São Romao)

Budián

611.750

4.700.463

MON

Art. 38 LPCG

23.538

Capela rupestre do Cotillón

Acedre (São Romao)

O Cotillón

612.471

4.700.904

ARQ

Art. 38 LPCG

23.540

Capela de Seoane

Atán (Santo Estevo)

Seoane

605.823

4.706.869

MON

Art. 38 LPCG

23.541

Casa de Cicerón em Cabo de Vila

Atán (Santo Estevo)

Cabo de Vila

605.739

4.707.168

MON

Art. 38 LPCG

23.542

Corneda do Castro

Atán (Santo Estevo)

Cima de Atán

606.435

4.706.927

ARQ

Art. 38 LPCG

23.543

Mámoa de Guítara 13

Atán (Santo Estevo)

Segade

608.018

4.706.298

ARQ

Art. 38 LPCG

23.544

Mámoa de Pesqueiras (Mámoa de Guítara 18)

Atán (Santo Estevo)

Vilamirón

608.584

4.704.692

ARQ

Art. 38 LPCG

23.545

Mámoa de Guítara 8

Atán (Santo Estevo)

Segade

608.094

4.706.675

ARQ

Art. 38 LPCG

23.546

Capela de Pesqueiras

Atán (Santo Estevo)

Pesqueiras

607.125

4.704.965

MON

Art. 38 LPCG

23.547

Hórreo da casa de Cicerón em Cabo de Vila

Atán (Santo Estevo)

Cabo de Vila

605.760

4.707.162

ETN*

Art. 38 LPCG

23.548

Mámoa de Guítara 21/Mámoa das Planícies 2

Atán (Santo Estevo)

Segade

607.600

4.707.191

ARQ

Art. 38 LPCG

23.549

Mámoa de Guítara 22/Mámoa das Planícies 1

Atán (Santo Estevo)

Cima de Atán

607.483

4.707.171

ARQ

Art. 38 LPCG

23.550

Mámoa de Guítara 23/Mámoa da Pereira 1

Atán (Santo Estevo)

Segade

607.458

4.706.176

ARQ

Art. 38 LPCG

23.551

Mámoa de Guítara 24/Mámoa da Pereira 2

Atán (Santo Estevo)

Segade

607.549

4.706.038

ARQ

Art. 38 LPCG

23.552

Mámoa de Guítara 25/Mámoa das Allanadas

Atán (Santo Estevo)

Segade

607.594

4.705.834

ARQ

Art. 38 LPCG

23.553

Mámoa de Guítara 13

Atán (Santo Estevo)

Segade

608.018

4.706.513

ARQ

Art. 38 LPCG

23.559

Capela do Bairro

Cangas (Santiago)

O Bairro

612.278

4.703.593

MON

Art. 38 LPCG

23.560

Casa do Bairro em Santiago de Cangas

Cangas (Santiago)

O Bairro

612.301

4.703.607

MON

Art. 38 LPCG

23.561

Igreja de Santiago de Cangas

Cangas (Santiago)

Güiande

612.186

4.702.412

MON

Art. 38 LPCG

23.562

Casa do priorado de Cangas

Cangas (Santiago)

Cangas

612.031

4.703.458

MON

Art. 38 LPCG

23.563

Casa de Pardo

Cangas (Santiago)

Cangas

612.050

4.703.453

MON

Art. 38 LPCG

23.612

Lugar do mosteiro de São Miguel do Canal

Frontón (São Xoán)

Amorín

609.195

4.697.485

ARQ

Art. 38 LPCG

23.613

Igreja de São Xoán de Frontón

Frontón (São Xoán)

A Colina

609.599

4.700.164

MON

Art. 38 LPCG

23.787

Capela da Piúca

Pombeiro

(São Vicente)

A Piúca

606.677

4.702.156

MON

Art. 38 LPCG

23.788

Capela da Torre de

Vilamirón

Pombeiro

(São Vicente)

A Torre de Vilamirón

607.950

4.702.751

MON

Art. 38 LPCG

23.789

Capela de Santo Antonio em Amandi

Pombeiro

(São Vicente)

Barreiro

606.506

4.700.917

MON

Art. 38 LPCG

23.790

Capela de Santa Isabel em Bazal

Pombeiro

(São Vicente)

Bazal

605.526

4.701.926

MON

Art. 38 LPCG

23.791

Capela de Ribas do Sil

Pombeiro

(São Vicente)

Ribas de Sil

606.387

4.700.247

MON

Art. 38 LPCG

23.792

Capela de São Cosmede

Pombeiro

(São Vicente)

São Cosmede

607.598

4.698.367

MON

Art. 38 LPCG

23.793

Casa reitoral de São Vicente de Pombeiro

Pombeiro

(São Vicente)

A Touza

606.638

4.700.357

MON

Art. 38 LPCG

23.794

Castro de Bazal

Pombeiro

(São Vicente)

Bazal

605.360

4.701.715

ARQ

Art. 38 LPCG

23.795

Castro de Vilamirón

Pombeiro

(São Vicente)

Vilamirón

607.755

4.703.805

ARQ

Art. 38 LPCG

23.796

O Castriño

Pombeiro

(São Vicente)

Vilamirón

607.647

4.703.333

ARQ

Art. 38 LPCG

23.797

Mámoa das Paramias

Pombeiro

(São Vicente)

A Torre de Vilamirón

607.717

4.703.047

ARQ

Art. 38 LPCG

23.798

Cruz do adro da igreja de São Vicente de Pombeiro

Pombeiro

(São Vicente)

A Touza

606.672

4.700.335

ETN*

Art. 38 LPCG

23.799

Sartegos do Preguntoiro

Pombeiro

(São Vicente)

O Souto

606.875

4.699.664

ARQ

Art. 38 LPCG

23.800

Cruz do monte Pombeiro

Pombeiro

(São Vicente)

O Souto

607.354

4.699.701

ETN*

Art. 38 LPCG

23.801

Capela da Virxe das Neves no Regueiro

Pombeiro

(São Vicente)

Moredo

606.658

4.701.746

MON

Art. 38 LPCG

23.802

Hórreo I em Cibrisqueiros

Pombeiro

(São Vicente)

O Souto

606.856

4.700.259

ETN*

Art. 38 LPCG

23.803

Hórreo II em Cibrisqueiros

Pombeiro

(São Vicente)

Cibrisqueiros

606.873

4.700.357

ETN*

Art. 38 LPCG

23.804

Mámoa de Guítara 20/Mámoa do Monte

Pombeiro

(São Vicente)

Vilamirón

609.407

4.703.712

ARQ

Art. 38 LPCG

23.805

Lugar da Torre de Quitapesares

Pombeiro

(São Vicente)

A Torre de Vilamirón

607.950

4.702.750

MON*

Art. 38 LPCG

23.806

O Preguntoiro/São Xoán Degolado

Pombeiro

(São Vicente)

O Souto

606.895

4.699.675

ARQ

Art. 38 LPCG

23.807

Igreja de Santo André de Ribeiras do Miño

Ribeiras de Miño (Santo André)

O Bacelo

607.055

4.711.614

MON

Art. 38 LPCG

23.808

Petróglifo Pena da Virxe

Ribeiras de Miño (Santo André)

Eirexe

607.545

4.710.390

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.831

Capela de São Marcos em Marce

Vilar de Ortelle

(Santiago)

Marce

606.564

4.708.207

MON

Art. 38 LPCG

23.832

Igreja de Santiago de Vilar de Ortelle

Vilar de Ortelle

(Santiago)

Eirexe

608.033

4.710.261

MON

Art. 38 LPCG

23.833

Petróglifo da Pena da Cima da Costa

Vilar de Ortelle

(Santiago)

A Casanova

607.320

4.709.848

ARQ*

Art. 38 LPCG

23.834

Castro de Vilar de Ortelle

Vilar de Ortelle

(Santiago)

Eirexe

607.862

4.710.244

ARQ

Art. 38 LPCG

23.835

Castro de Amboade

Vilar de Ortelle

(Santiago)

Rachelo

607.263

4.709.508

ARQ

Art. 38 LPCG

23.836

Castro de Marce

Vilar de Ortelle

(Santiago)

Adegas

605.565

4.708.564

ARQ

Art. 38 LPCG

23.837

Torre de Marce

Vilar de Ortelle

(Santiago)

Marce

606.552

4.708.165

MON*

Art. 38 LPCG

23.838

Mámoa da Mora 1

Vilar de Ortelle

(Santiago)

São Romao

609.355

4.711.395

ARQ

Art. 38 LPCG

23.839

Cruzeiro da igreja de Vilar de Ortelle

Vilar de Ortelle

(Santiago)

Eirexe

608.009

4.710.253

ETN*

Art. 38 LPCG

23.841

Mámoa da Morá 3

Vilar de Ortelle

(Santiago)

A Morá

608.995

4.710.862

ARQ

Art. 38 LPCG

23.842

Mámoa da Morá 7

Vilar de Ortelle

(Santiago)

São Romao

609.353

4.711.496

ARQ

Art. 38 LPCG

23.843

Casa da Lagariza

Vilar de Ortelle

(Santiago)

A Lagariza

606.919

4.710.040

MON

Art. 38 LPCG

ANEXO II.7

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM PARADA DE SIL

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

33.322

Castro de Santa Cristina de Caxide

Caxide

(Santa Cristina)

Castro

616.075

4.694.205

ARQ

Art. 38 LPCG

33.323

Neveiros de Cabeça da Meda

Caxide

(Santa Cristina)

Pardeconde

612.941

4.689.944

ETN

Art. 38 LPCG

33.324

Igreja de Santa Cristina de Caxide

Caxide

(Santa Cristina)

Caxide

616.332

4.692.577

MON

Art. 38 LPCG

33.325

Ermida de Santo Antonio em Castro

Caxide

(Santa Cristina)

Castro

616.033

4.694.234

MON

Art. 38 LPCG

33.326

O Castelo/O Gurugú

Chandrexa

(Santa María)

A Casalta

619.667

4.692.807

ARQ

Art. 38 LPCG

33.327

Lugar de Rabacallos

Chandrexa

(Santa María)

Rabacallos

619.710

4.693.320

ARQ

Art. 38 LPCG

33.328

A Telleira

Chandrexa

(Santa María)

A Casalta

619.486

4.692.674

ARQ

Art. 38 LPCG

33.329

Igreja de Santa María de Chandrexa

Chandrexa

(Santa María)

A Casalta

619.588

4.692.664

MON

Art. 38 LPCG

33.330

Capela de São Roque nos Friós

Chandrexa

(Santa María)

Os Fiós

618.500

4.690.703

MON

Art. 38 LPCG

33.336

Os Castrullos

Forcas

(São Mamede)

Cortiñas

620.755

4.691.095

ARQ

Art. 38 LPCG

33.337

Pena da Cruz

Forcas

(São Mamede)

A Senra

621.779

4.691.075

ARQ

Art. 38 LPCG

33.338

Pena da Espada

Forcas

(São Mamede)

Forcas

623.014

4.690.591

ARQ

Art. 38 LPCG

33.339

Igreja de São Mamede de Forcas

Forcas

(São Mamede)

Forcas

622.494

4.690.610

MON

Art. 38 LPCG

33.575

Igreja de Santa Marinha de Parada de Sil

Parada de Sil

(Santa Marinha)

Parada de Sil

617.797

4.693.282

MON

Art. 38 LPCG

33.576

Capela de São Brais de Requián

Parada de Sil

(Santa Marinha)

Requián

617.121

4.691.811

MON

Art. 38 LPCG

33.577

Capela de São Pedro de Teimende

Parada de Sil

(Santa Marinha)

Teimende

617.613

4.691.655

MON

Art. 38 LPCG

33.580

Igreja de São Martiño de Sacardebois

Sacardebois

(São Martiño)

O Vale

621.739

4.692.712

MON

Art. 38 LPCG

33.582

Lugar de São Miguel

São Lourenzo de Barxacova

(São Lourenzo)

São Lourenzo

623.318

4.692.798

ARQ

Art. 38 LPCG

33.583

Lugar de São Salvador

São Lourenzo de Barxacova

(São Lourenzo)

São Lourenzo

623.348

4.691.971

ARQ

Art. 38 LPCG

33.585

Igreja de São Lourenzo de Barxacova

São Lourenzo de Barxacova

(São Lourenzo)

São Lourenzo

623.087

4.692.823

MON

Art. 38 LPCG

33.335

Põe-te Conceliñas

Forcas (São Mamede)/Pedrafita (São Martiño)

Rio Mau

622.680

4.689.349

MON

Art. 103

POMR 2001

ANEXO II.8

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL NA PEROXA

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

33.598

Igreja de Santa María de Beacán

Beacán (Santa María)

Casgutierre

603.037

4.700.359

MON

47

PXOM 1999

33.599

Casa reitoral de Casgutierre

Beacán (Santa María)

Casgutierre

603.052

4.700.346

MON

52

PXOM 1999

33.600

Portas de Casgutierre

Beacán (Santa María)

Casgutierre

602.893

4.700.340

ETN

48

PXOM 1999

33.605

Castro da Coroa

Beacán (Santa María)

A Colina de Beacán

603.163

4.699.922

ARQ

GA32059005 PXOM 1999

53.320

Lugar de São Marcos

Beacán (Santa María)

Casgutierre

602.958

4.700.723

ARQ

Art. 38 LPCG

33.606

Castro Monte dos Castros

Celaguantes

(São Xulián)

Vilanova

600.360

4.700.565

ARQ

GA32059006 PXOM 1999

33.607

Igreja de São Xulián de Celaguantes

Celaguantes

(São Xulián)

Celaguantes

602.314

4.700.378

MON

43

PXOM 1999

33.608

Casa reitoral de Celaguantes

Celaguantes

(São Xulián)

Celaguantes

602.343

4.700.374

MON

53

PXOM 1999

33.610

Bodega em Costa

Celaguantes

(São Xulián)

Santa Baia

602.681

4.699.739

ETN

45

PXOM 1999

33.611

Casa de Feixóo

Celaguantes

(São Xulián)

Santa Baia

602.815

4.699.711

MON

46

PXOM 1999

54.175

Porto da Costria

Celaguantes

(São Xulián)

Santa Baia

603.079

4.699.629

ARQ

Art. 38 LPCG

54.273

Cerreta da Cima

Celaguantes

(São Xulián)

Lamas

601.316

4.701.264

ARQ

Art. 38 LPCG

54.274

O Pedrouzo

Celaguantes

(São Xulián)

A Enfonxa

601.480

4.701.219

ARQ

Art. 38 LPCG

44 PXOM

Hórreo na Lamiña

Celaguantes

(São Xulián)

A Lamiña

601.889

4.700.311

ETN*

44

PXOM 1999

31.679

Põe-te do ferrocarril de os

Peares

Os Peares

(Nossa Senhora do Pilar)

Os Peares

604.336

4.701.004

MON

57

PXOM 1999

31.680

Lugar de úteis líticos

Os Peares

(Nossa Senhora do Pilar)

Os Peares

604.014

4.700.883

ARQ

GA32059011 PXOM 1999

31.681

Igreja da Nossa Senhora do Pilar nos Peares

Os Peares

(Nossa Senhora do Pilar)

Os Peares

604.127

4.700.829

MON

51

PXOM 1999

ANEXO II.9

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL NA POBRA DO BROLLÓN

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

28.566

A Pedriñeira

Vilachá (São Mamede)

A Covela

631.230

4.701.485

ARQ

Art. 38 LPCG

28.567

Igreja de São Mamede de Vilachá

Vilachá (São Mamede)

A Eirexa

632.152

4.703.652

MON

Art. 38 LPCG

ANEXO II.10

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM QUIROGA

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

26.603

Exploração mineira das Cova

Águas Mestas

(Santiago)

As Cova

636.015

4.701.996

ARQ

Art. 6.7.2

NSP 1995

26.604

Exploração mineira de Currais de Abaixo

Águas Mestas

(Santiago)

Paragem

635.797

4.702.462

ARQ

Art. 6.7.2

NSP 1995

26.605

Castro de Águas

Mestas

Águas Mestas

(Santiago)

Águas Mestas

635.404

4.701.915

ARQ

Art. 6.7.2

NSP 1995

26.606

Exploração mineira de Águas Mestas

Águas Mestas

(Santiago)

Águas Mestas

635.440

4.701.796

ARQ

Art. 6.7.2

NSP 1995

26.607

Exploração mineira de

Fuluxento

Águas Mestas

(Santiago)

Águas Mestas

635.461

4.702.130

ARQ

Art. 6.7.2

NSP 1995

26.608

Exploração mineira da Caneca

Águas Mestas

(Santiago)

Paragem

635.599

4.702.349

ARQ

Art. 6.7.2

NSP 1995

ANEXO II.11

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM RIBAS DE SIL

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

23.517

Capela da Covela

Torbeo

(Santa María)

A Covela

631.048

4.699.627

MON

A12

PXOM 2009

23.518

A Covela

Torbeo

(Santa María)

A Covela

630.978

4.699.591

ARQ

A30

PXOM 2009

26.726

Lugar da antiga abadia de Torbeo

Torbeo

(Santa María)

Paredes

633.297

4.699.691

ARQ

GA27052014 PXOM 2009

26.727

Igreja de Santa María de Torbeo

Torbeo

(Santa María)

Paredes

633.327

4.699.711

MON

A11

PXOM 2009

26.728

Casa em Torbeo

Torbeo

(Santa María)

Paredes

633.283

4.699.823

MON

A42

PXOM 2009

26.729

Pazo de Casanova

Torbeo

(Santa María)

Paredes

633.191

4.699.775

MON

A17

PXOM 2009

26.732

Casa em São Lourenzo

Torbeo

(Santa María)

A Ventosa

634.443

4.700.202

MON

A53

PXOM 2009

ANEXO II.12

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM SAN XOÁN DE RÍO

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

40.057

Mámoa das Mamas 1

Vilardá

(Santa María)

Cambela

638.814

4.697.091

ARQ

Art. 38 LPCG

40.058

Mámoa das Mamas 2

Vilardá

(Santa María)

Cambela

638.577

4.697.058

ARQ

Art. 38 LPCG

40.059

Mámoa de Areal

Vilardá

(Santa María)

Cambela

637.842

4.698.015

ARQ

Art. 38 LPCG

40.060

Igreja de Santa María de

Vilardá

Vilardá

(Santa María)

Vilardá

635.929

4.696.856

MON

Art. 38 LPCG

ANEXO II.13

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL NO SAVIÑAO

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

28.667

Igreja de São Martiño da Cova

A Cova

(São Martiño)

O Priorado

608.662

4.712.937

MON

Art. 38 LPCG

28.673

Capela de Santo Antón em Bexán

Diomondi

(São Paio)

Bexán

605.143

4.715.463

MON

Art. 38 LPCG

28.674

Capela da Casa na Casanova

Diomondi

(São Paio)

A Casanova

606.480

4.716.912

MON

Art. 38 LPCG

28.675

Capela nas Cortes

Diomondi

(São Paio)

As Cortes

605.523

4.717.025

MON

Art. 38 LPCG

28.676

Casa com escudo nas Cortes

Diomondi

(São Paio)

As Cortes

605.525

4.717.008

MON

Art. 38 LPCG

28.676

Escudo na casa com escudo nas Cortes

Diomondi

(São Paio)

As Cortes

605.525

4.717.008

MON*

Art. 38 LPCG

28.677

Casa do Bento em Buxán

Diomondi

(São Paio)

Santo Estevo

606.162

4.718.736

MON

Art. 38 LPCG

28.677

Escudo na casa do Bento em Buxán

Diomondi

(São Paio)

Santo Estevo

606.162

4.718.736

MON*

Art. 38 LPCG

28.678

Igreja antiga de Montecelo

Diomondi

(São Paio)

Montecelo

605.786

4.716.166

MON

Art. 38 LPCG

28.681

Cruzeiro da igreja de Montecelo

Diomondi

(São Paio)

Montecelo

605.797

4.716.170

ETN*

Art. 38 LPCG

28.682

Bolso de ánimas da Portela

Diomondi

(São Paio)

A Portela

605.481

4.716.341

ETN*

Art. 38 LPCG

28.683

Necrópole de São Pedro de Cela

Diomondi

(São Paio)

Colina

606.000

4.715.661

ARQ

Art. 38 LPCG

28.683

Capela de São Pedro de Cela

Diomondi

(São Paio)

Colina

606.000

4.715.661

ARQ

Art. 38 LPCG

28.684

Codos de Belesar

Diomondi

(São Paio)

A Portela

605.189

4.716.180

VIA

Art. 38 LPCG

28.685

Castro de Portela

Diomondi

(São Paio)

A Portela

605.284

4.716.401

ARQ

Art. 38 LPCG

28.688

Casa com escudo em Arxeriz

Fión

(São Lourenzo)

Arxeriz

609.441

4.712.755

MON

Art. 38 LPCG

28.688

Escudo na casa com escudo em Arxeriz

Fión

(São Lourenzo)

Arxeriz

609.441

4.712.755

MON*

Art. 38 LPCG

28.689

Casa com escudo em

Lamaquebrada

Fión

(São Lourenzo)

Lamaquebrada

609.669

4.712.144

MON

Art. 38 LPCG

28.689

Escudo na casa com escudo em Lamaquebrada

Fión

(São Lourenzo)

Lamaquebrada

609.669

4.712.144

MON*

Art. 38 LPCG

28.690

Casa de Nemesio em Fión

Fión

(São Lourenzo)

Fión

609.368

4.713.198

MON

Art. 38 LPCG

28.690

Escudo na casa de Nemesio em Fión

Fión

(São Lourenzo)

Fión

609.368

4.713.198

MON*

Art. 38 LPCG

28.691

Igreja de São Lourenzo de Fión

Fión

(São Lourenzo)

São Mamede

609.240

4.713.309

MON

Art. 38 LPCG

28.692

Cruzeiro de Fión

Fión

(São Lourenzo)

Fión

609.360

4.713.311

ETN*

Art. 38 LPCG

28.693

O Mosteiro

Fión

(São Lourenzo)

Mazarelos

608.850

4.713.710

ARQ

Art. 38 LPCG

28.694

Castro de Aira da Vila

Fión

(São Lourenzo)

Aira da Vila

610.610

4.713.185

ARQ

Art. 38 LPCG

28.695

Castro de Fión

Fión

(São Lourenzo)

O Castro

609.300

4.712.910

ARQ

Art. 38 LPCG

54.075

Vilares

Fión

(São Lourenzo)

São Mamede

609.775

4.713.815

ARQ

Art. 38 LPCG

28.709

Capela do pazo de Fraguas em Buxán

Louredo

(Santiago)

Buxán

606.242

4.718.650

MON

Art. 38 LPCG

28.710

Igreja de Santiago de Louredo

Louredo

(Santiago)

Eirexe

607.086

4.717.531

MON

Art. 38 LPCG

27.927

Casa com escudo em Torno

Mourelos

(São Xulián)

Torno

605.906

4.714.522

MON

Art. 38 LPCG

27.927

Escudo na casa com escudo em Torno

Mourelos

(São Xulián)

Torno

605.906

4.714.522

MON*

Art. 38 LPCG

27.928

Igreja de São Xulián de

Mourelos

Mourelos

(São Xulián)

Mourelos

606.232

4.714.414

MON

Art. 38 LPCG

27.929

Cruzeiro do adro de São Xulián de Mourelos

Mourelos

(São Xulián)

Mourelos

606.213

4.714.400

ETN*

Art. 38 LPCG

27.930

Bolso de ánimas do Cerdeiro

Mourelos

(São Xulián)

O Cerdeiro

607.801

4.715.285

ETN*

Art. 38 LPCG

27.931

Castro de Mourelos

Mourelos

(São Xulián)

O Castro

605.425

4.714.447

ARQ

Art. 38 LPCG

27.949

Igreja de Santalla de

Rebordaos

Rebordaos (Santalla)

A Chousa

607.125

4.721.027

MON

Art. 38 LPCG

27.982

Igreja de Santa Marinha de Rosende

Rosende (Santa Marinha)

Santa Marinha

608.381

4.714.526

MON

Art. 38 LPCG

27.983

Castro de Corbeixe

Rosende (Santa Marinha)

Mularedo

608.665

4.715.346

ARQ

Art. 38 LPCG

27.965

Igreja de Santa Cruz de

Vilelos

Santo Estevo de Ribas de Miño

(Santo Estevo)

Santa Cruz

607.725

4.720.350

MON

Art. 38 LPCG

27.966

Capela de Porto

Santo Estevo de Ribas de Miño

(Santo Estevo)

Santo Estevo

606.024

4.719.186

MON

Art. 38 LPCG

27.967

Casa da Abadia

Santo Estevo de Ribas de Miño

(Santo Estevo)

A Abadia

606.493

4.719.559

MON

Art. 38 LPCG

ANEXO II.14

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL EM SOBER

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

28.202

Capela de São Pedro

Amandi (Santa María)

São Pedro

623.875

4.695.635

MON

002

PXOM 2009

28.203

A Castrela

Amandi (Santa María)

O Pacio

623.156

4.694.632

ARQ

195

PXOM 2009

30.481

Igreja de Santa María de Amandi

Amandi (Santa María)

Amandi

622.132

4.695.177

MON

001

PXOM 2009

30.486

Casa tradicional em Amandi

Amandi (Santa María)

Amandi

622.138

4.695.140

MON

045

PXOM 2009

28.204

Igreja de Santo Estevo de Anllo

Anllo (Santo Estevo)

Pacios de Anllo

613.339

4.699.828

MON

003/199

PXOM 2009

28.205

Capela do Cabarco

Anllo (Santo Estevo)

Castinande

612.757

4.699.655

MON

004

PXOM 2009

28.206

Capela da Barca

Anllo (Santo Estevo)

A Barca

610.104

4.697.752

MON

005

PXOM 2009

28.207

Casa reitoral de Santo Estevo de Anllo

Anllo (Santo Estevo)

A Mogueira

612.986

4.699.462

MON

047

PXOM 2009

28.208

Priorado de Portizó

Anllo (Santo Estevo)

Portizó

613.672

4.700.364

MON

048

PXOM 2009

28.209

Núcleo rural do Arroxó

Anllo (Santo Estevo)

O Arroxó

612.460

4.697.577

COM

049

PXOM 2009

28.210

Casa tradicional em Hortás

Anllo (Santo Estevo)

Hortás

613.072

4.699.901

MON

050

PXOM 2009

28.211

Põe-te em Portizó

Anllo (Santo Estevo)

Portizó

613.705

4.700.438

MON

051

PXOM 2009

28.212

Pontiña do Rego da Boca I

Anllo (Santo Estevo)

O Arroxó

612.435

4.696.441

ETN

052

PXOM 2009

28.213

Pontiña do Rego da Boca II

Anllo (Santo Estevo)

O Arroxó

612.638

4.696.953

ETN

053

PXOM 2009

28.214

Pasadoiro do Rego da Boca

Anllo (Santo Estevo)

O Arroxó

612.913

4.697.437

ETN

054

PXOM 2009

28.215

Fonte O Passo do Blanco

Anllo (Santo Estevo)

O Arroxó

612.727

4.697.053

ETN

055

PXOM 2009

28.216

Muíño do Barroso

Anllo (Santo Estevo)

Portizó

613.791

4.700.323

ETN

127

PXOM 2009

28.217

Muíño de Merdeiros

Anllo (Santo Estevo)

Portizó

613.794

4.700.321

ETN

128

PXOM 2009

28.218

Muíño de Fermín de

Portizó

Anllo (Santo Estevo)

Portizó

613.818

4.700.312

ETN

129

PXOM 2009

28.236

Refúgio em Souto Novo

Anllo (Santo Estevo)

Souto Novo

613.390

4.699.950

ETN

150

PXOM 2009

28.237

Bolso de ánimas de Portizó

Anllo (Santo Estevo)

Portizó

613.687

4.700.394

ETN*

152

PXOM 2009

28.238

Caixa de correios antiga na Burdalla

Anllo (Santo Estevo)

A Burdalla

613.104

4.698.822

ETN

151

PXOM 2009

28.240

Petróglifo do Regueiro

Anllo (Santo Estevo)

Nogueira

611.564

4.698.827

ARQ*

197

PXOM 2009

28.241

Castro de Castinande

Anllo (Santo Estevo)

Castinande

612.644

4.699.943

ARQ

196

PXOM 2009

28.242

Caminho Real

Anllo (Santo Estevo)

A Mogueira

612.896

4.699.464

VIA

194

PXOM 2009

28.243

Castro da Xábrega ou Cotarro do Castro

Anllo (Santo Estevo)

O Arroxó

612.402

4.696.265

ARQ

261

PXOM 2009

28.244

O Pear da Põe-te

(asolagado)

Anllo (Santo Estevo)

A Rasa

612.000

4.696.206

ARQ

264

PXOM 2009

28.247

Casa grande de Cobarco

Anllo (Santo Estevo)

O Cobarco

613.125

4.698.960

MON

046

PXOM 2009

28.277

Igreja de São Xoán de Barantes

Barantes (São Xoán)

A qual

616.882

4.697.321

MON

008

PXOM 2009

28.278

Casa reitoral da Qual

Barantes (São Xoán)

A qual

616.863

4.697.343

MON

068

PXOM 2009

28.279

Casa tradicional na Riba

Barantes (São Xoán)

A Riba

617.353

4.696.808

MON

069

PXOM 2009

28.280

Muíño na Presa

Barantes (São Xoán)

Santa Marta

616.705

4.697.912

ETN

154

PXOM 2009

28.281

Castro de Vilanova ou Os Castros

Barantes (São Xoán)

A Riba

617.190

4.696.474

ARQ

201

PXOM 2009

28.282

Lugar do achado da cabeça da Pereira

Barantes (São Xoán)

A qual

616.907

4.697.384

ARQ

202

PXOM 2009

30.396

Igreja de Santa María de Bolmente

Bolmente (Santa María)

Suairexa

616.057

4.697.637

MON

009

PXOM 2009

30.397

Casa com inscrição em lintel em Viloriz

Bolmente (Santa María)

Viloriz

615.148

4.697.506

MON

070

PXOM 2009

30.398

Muíño do Sindo do Taro

Bolmente (Santa María)

O Pinheiro

614.076

4.696.173

ETN

158

PXOM 2009

30.399

Muíño de escada de Vales

Bolmente (Santa María)

O Pinheiro

614.051

4.696.233

ETN

157

PXOM 2009

30.400

Muíño do Sindo do Falarão II

Bolmente (Santa María)

O Pinheiro

614.036

4.696.280

ETN

156

PXOM 2009

30.401

Muíño do Sindo de Falarão I

Bolmente (Santa María)

O Pinheiro

614.029

4.696.320

ETN

155

PXOM 2009

30.402

Cruzeiro de Bolmente

Bolmente (Santa María)

A Cruz

615.681

4.697.356

ETN*

160

PXOM 2009

30.403

Cotarro das Rodas

Bolmente (Santa María)

Vilouxe

614.243

4.694.344

ARQ

205

PXOM 2009

30.404

Castro da Cividade

Bolmente (Santa María)

Vilouxe

614.161

4.694.182

ARQ

204

PXOM 2009

30.405

Cotarro do Castro

Bolmente (Santa María)

Castro

614.341

4.694.658

ARQ

203

PXOM 2009

52.914

Petróglifo Laxa da Carreira

Bolmente (Santa María)

A Colina

616.001

4.696.061

ARQ*

Art.38 LPCG

52.917

Petróglifo da Paxota

Bolmente (Santa María)

Cimadevila

615.364

4.698.170

ARQ*

Art.38 LPCG

159 PXOM

Cruzeiro no adro de

Bolmente

Bolmente (Santa María)

Suairexa

616.057

4.697.637

ETN*

159

PXOM 2009

30.406

Agro do Castro ou Castro de São Marcos

Bolmente (Santa María) /São Martiño de Anllo

O Couto

614.091

4.697.993

ARQ

260

PXOM 2009

30.425

Igreja de São Martiño de Doai

Doai (São Martiño)

Doai

624.873

4.697.071

MON

013

PXOM 2009

30.426

Capela de Vilachá

Doai (São Martiño)

Vilachá

623.068

4.697.217

MON

014

PXOM 2009

30.427

Capela de Vilar de

Mouros

Doai (São Martiño)

Vilar de Mouros

629.550

4.699.106

MON

015

PXOM 2009

30.428

Casa adega em Doai

Doai (São Martiño)

Francos

625.500

4.697.322

MON

074

PXOM 2009

30.429

Conjunto de casas tradicionais I em Doai

Doai (São Martiño)

Doai

625.017

4.697.010

MON

075

PXOM 2009

30.430

Conjunto de casas tradicionais II em Doai

Doai (São Martiño)

Doai

624.962

4.696.991

MON

076

PXOM 2009

30.431

Conjunto de casas

tradicionais III em Doai

Doai (São Martiño)

Doai

624.940

4.697.003

MON

077

PXOM 2009

30.432

Conjunto de casas tradicionais

Doai (São Martiño)

Doai

624.975

4.696.963

MON

078

PXOM 2009

30.433

Casa tradicional em Doai

Doai (São Martiño)

Doai

624.915

4.696.972

MON

079

PXOM 2009

30.434

Conjunto de casas tradicionais I em Francos

Doai (São Martiño)

Francos

625.676

4.697.773

MON

080

PXOM 2009

30.435

Conjunto de casas tradicionais II em Francos

Doai (São Martiño)

Francos

625.686

4.697.720

MON

081

PXOM 2009

30.436

Conjunto de casas tradicionais III em Francos

Doai (São Martiño)

Francos

625.707

4.697.717

MON

082

PXOM 2009

30.437

Conjunto de casas tradicionais IV em Francos

Doai (São Martiño)

Francos

625.668

4.697.686

MON

083

PXOM 2009

30.438

Conjunto de casas tradicionais V em Francos

Doai (São Martiño)

Francos

625.690

4.697.686

MON

084

PXOM 2009

30.439

Casa tradicional em Francos

Doai (São Martiño)

Francos

625.674

4.697.627

MON

085

PXOM 2009

30.440

Fonte em Doai

Doai (São Martiño)

Doai

625.143

4.696.969

ETN

086

PXOM 2009

30.441

Poço em Vilachá

Doai (São Martiño)

Vilachá

623.281

4.696.859

ETN

167

PXOM 2009

30.442

Cruzeiro de Doai

Doai (São Martiño)

Doai

624.979

4.697.234

ETN*

166

PXOM 2009

30.443

Lugar do achado de um bessalis no Caminho Real

Doai (São Martiño)

Francos

625.972

4.697.014

ARQ

218

PXOM 2009

30.444

Castro das Borreas

Doai (São Martiño)

São Pedro

624.853

4.695.823

ARQ

215

PXOM 2009

30.445

Lugar do achado do hexáscele de Santa Baia

Doai (São Martiño)

Vilachá

623.311

4.697.408

ARQ*

217

PXOM 2009

30.446

Castro do Escalleiro

Doai (São Martiño)

Castro

623.898

4.696.924

ARQ

216

PXOM 2009

30.447

Pena do Castelo

Doai (São Martiño)

Doai

626.061

4.696.716

ARQ

214

PXOM 2009

30.448

Petouto dos Mouros

Doai (São Martiño)

Monforte de Lemos

629.216

4.697.859

ARQ

213

PXOM 2009

30.449

Castro da Coroa ou A Medorra

Doai (São Martiño)

Castro

624.375

4.696.825

ARQ

212

PXOM 2009

53.876

Mámoa do Cadaval ou dos Cousos

Doai (São Martiño)

Mourentán

624.253

4.698.792

ARQ

Art.38 LPCG

268 PXOM

Souto de Valguaire

Doai (São Martiño)

Doai

625.641

4.697.133

ETN

268

PXOM 2009

30.482

Igreja de São Xillao de Lobios

Lobios (São Xillao)

Lobios

620.852

4.696.115

MON

022

PXOM 2009

30.483

Capela da Carballeda

Lobios (São Xillao)

Carballeda

622.689

4.696.679

MON

023

PXOM 2009

30.484

Capela da Rainha do Campo

Lobios (São Xillao)

Lobios

620.895

4.696.044

MON

024

PXOM 2009

30.485

Capela de Casar de Cima

Lobios (São Xillao)

Casar de Cima

620.450

4.695.268

MON

025

PXOM 2009

30.487

Casa com inscrição em Viladime de Arriba

Lobios (São Xillao)

Viladime de Arriba

621.715

4.696.427

MON

094

PXOM 2009

30.488

Conjunto de casas tradicionais em Lamas de Brosmos

Lobios (São Xillao)

Lamas de Brosmos

620.497

4.694.994

COM

095

PXOM 2009

30.489

Cruzeiro de Lobios

Lobios (São Xillao)

Lobios

620.836

4.696.054

ETN*

176

PXOM 2009

30.504

Igreja de São Vicente de Pinol

Pinol (São Vicente)

O Campo

619.357

4.695.876

MON

030

PXOM 2009

30.505

Santuário da Virxe de Cadeiras

Pinol (São Vicente)

Cimadevila

619.180

4.695.106

MON

031

PXOM 2009

30.506

Capela de Portabrosmos

Pinol (São Vicente)

Portabrosmos

620.805

4.693.867

MON

032

PXOM 2009

30.507

Ermida em Sampil

Pinol (São Vicente)

Sampil

619.804

4.694.641

MON

033

PXOM 2009

30.508

Pombar em Vilariño

Pinol (São Vicente)

Vilariño

619.368

4.696.524

ETN

179

PXOM 2009

30.509

Cruzeiro da Colina

Pinol (São Vicente)

O Campo

619.340

4.695.914

ETN*

180

PXOM 2009

30.510

Petróglifo das Laxas do Campo

Pinol (São Vicente)

Pipín de Arriba

619.623

4.697.123

ARQ*

Art.38 LPCG

30.511

Lugar do antigo Portabrosmos

Pinol (São Vicente)

Portabrosmos

620.512

4.693.590

ARQ

241

PXOM 2009

30.512

Lugar de Souto Chanteiro

Pinol (São Vicente)

Portabrosmos

620.739

4.693.845

ARQ

235

PXOM 2009

30.513

O Castriño

Pinol (São Vicente)

Sampil

619.882

4.694.159

ARQ

234

PXOM 2009

30.514

Petróglifo do Monte de Valderraña

Pinol (São Vicente)

Cimadevila

619.517

4.695.178

ARQ*

239

PXOM 2009

30.515

Petróglifo do Agro I

Pinol (São Vicente)

Sampil

620.004

4.694.601

ARQ*

237

PXOM 2009

30.516

Petróglifo do Agro II

Pinol (São Vicente)

Sampil

620.034

4.694.496

ARQ*

238

PXOM 2009

30.517

Santuário da Pedra da Virxe

Pinol (São Vicente)

Sampil

619.216

4.695.009

ARQ

240

PXOM 2009

30.518

Petróglifo do Barcal

Pinol (São Vicente)

Sampil

619.918

4.694.571

ARQ*

236

PXOM 2009

30.519

Fonte do Castro

Pinol (São Vicente)

Cimadevila

619.212

4.695.457

ETN

100

PXOM 2009

23.523

Põe-te em Areias

Rosende (São Miguel)

O Celeirón

612.676

4.701.214

MON

114

PXOM 2009

23.524

Muíños de Areia II

Rosende (São Miguel)

O Celeirón

612.717

4.701.066

ETN

184

PXOM 2009

23.525

Muíño de Areia I

Rosende (São Miguel)

O Celeirón

612.719

4.701.053

ETN

183

PXOM 2009

23.526

Muíño em Ribas

Rosende (São Miguel)

O Celeirón

612.666

4.701.226

ETN

185

PXOM 2009

28.248

Casa do Fidalgo

Rosende (São Miguel)

O Campo de Naz

614.507

4.700.664

MON

109

PXOM 2009

30.589

Igreja de São Miguel de Rosende

Rosende (São Miguel)

A Airexa

613.730

4.701.730

MON

040

PXOM 2009

30.590

Pazo de Ribas

Rosende (São Miguel)

Ribas

613.596

4.702.158

MON

107

PXOM 2009

30.591

Casa grande de Rosende

Rosende (São Miguel)

Rosende

613.427

4.701.397

MON

108

PXOM 2009

30.592

Fonte poço da Lama dos Campos

Rosende (São Miguel)

O Areeiro

613.900

4.700.770

ETN

116

PXOM 2009

30.593

Casa tradicional em Albarán

Rosende (São Miguel)

Albarán

613.517

4.701.432

MON

113

PXOM 2009

30.594

Casa tradicional em Areias

Rosende (São Miguel)

O Celeirón

612.843

4.701.149

MON

112

PXOM 2009

30.595

Casa típico na Colina

Rosende (São Miguel)

Colina

613.124

4.701.645

MON

111

PXOM 2009

30.596

Casa reitoral em Airexa

Rosende (São Miguel)

A Lama do Sobrado

613.749

4.701.722

MON

110

PXOM 2009

30.597

Fonte em Naz de Arriba

Rosende (São Miguel)

O Campo de Naz

614.550

4.700.700

MON

115 P

XOM 2009

30.598

Palco da festa

Rosende (São Miguel)

A Airexa

613.590

4.701.710

ETN

Art.38 LPCG

30.599

Poço na Airexa

Rosende (São Miguel)

A Lama do Sobrado

613.755

4.701.718

ETN

186

PXOM 2009

30.600

Castro de Colina

Rosende (São Miguel)

A Lama da Colina

613.308

4.701.910

ARQ

259

PXOM 2009

28.245

Igreja de São Martiño de Anllo

São Martiño de Anllo (São Martiño)

São Martiño

614.377

4.699.934

MON

041 PXOM 2009

28.246

Ermida de São Vitorio em Vixilde

São Martiño de Anllo (São Martiño)

Vixilde

614.033

4.697.997

MON

042 PXOM 2009

28.249

Pontiña em São Martiño

São Martiño de Anllo (São Martiño)

São Martiño

614.272

4.699.894

MON

117 PXOM 2009

28.250

Fonte em Cascata

São Martiño de Anllo (São Martiño)

Cascata

614.387

4.700.249

ETN

118

PXOM 2009

28.252

Muíño do Cotolovio

São Martiño de Anllo (São Martiño)

Os Ferreiros

614.683

4.699.946

ETN

189

PXOM 2009

28.253

Muíño do Carpaceiro II

São Martiño de Anllo (São Martiño)

São Martiño

614.246

4.699.925

ETN

188

PXOM 2009

28.254

Muíño do Carpaceiro I

São Martiño de Anllo (São Martiño)

São Martiño

614.332

4.699.898

ETN

187

PXOM 2009

28.255

Lugar do achado do Campo de Anllo

São Martiño de Anllo (São Martiño)

O Juncal

613.347

4.699.053

ARQ

198

PXOM 2009

28.256

Tríscele I de Arxemil

São Martiño de Anllo (São Martiño)

Vixilde

613.809

4.698.122

ARQ*

262

PXOM 2009

28.257

Tríscele II de Arxemil

São Martiño de Anllo (São Martiño)

Vixilde

613.821

4.698.130

ARQ*

263

PXOM 2009

28.258

Lugar da cepa de Naz de Arriba

São Martiño de Anllo (São Martiño)

Naz de Arriba

614.570

4.700.655

ETN

269

PXOM 2009

30.601

Igreja de São Xurxo de Santiorxo

Santiorxo (São Xurxo)

Santiorxo

618.048

4.696.445

MON

043

PXOM 2009

30.602

Casa com inscrição em Paradela

Santiorxo (São Xurxo)

A Fonte

618.165

4.696.276

MON

119

PXOM 2009

30.603

Casa em Veliños

Santiorxo (São Xurxo)

Veliños

619.093

4.697.403

MON

120

PXOM 2009

30.604

Casa tradicional nos Hortos

Santiorxo (São Xurxo)

Os Hortos

617.918

4.696.702

MON

121

PXOM 2009

30.605

Cruzeiro de Santiorxo

Santiorxo (São Xurxo)

Santiorxo

618.022

4.696.517

ETN*

190

PXOM 2009

30.606

Castro das Medorras ou das Caldeiras

Santiorxo (São Xurxo)

São Paio

618.732

4.695.268

ARQ

233

PXOM 2009

30.607

Agro das Medorras

Santiorxo (São Xurxo)

A Vilerma

618.415

4.696.743

ARQ

265

PXOM 2009

30.608

Petróglifo do Preguiçoso

Santiorxo (São Xurxo)

A Lama

619.040

4.697.865

ARQ*

266

PXOM 2009

52.912

Petróglifo da Ferrada

Santiorxo (São Xurxo)

Veliños

619.158

4.697.244

ARQ*

Art.38 LPCG

52.913

Petróglifo do Vale

Santiorxo (São Xurxo)

Barreiros

618.388

4.697.305

ARQ*

Art.38 LPCG

52.916

Petróglifos do Toutileiro

Santiorxo (São Xurxo)

Vilar

619.092

4.696.923

ARQ*

Art.38 LPCG

54.237

Petróglifo de Amido

Santiorxo (São Xurxo)

Pinol de Abaixo

618.767

4.696.494

ARQ*

Art.38 LPCG

ANEXO II.15

BENS IMÓVEIS CLASSIFICADOS NA PAISAGEM CULTURAL NA TEIXEIRA

PBA

Denominação

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

Contorno

39.434

Igreja de Santa María de Abeleda

A Abeleda

(Santa María)

Nogueira

628.387

4.694.821

MON

Art. 103

POMR 2001

39.435

Capela de Santa María de Abeleda

A Abeleda

(Santa María)

Cofra

628.571

4.694.878

MON

Art. 103

POMR 2001

39.436

Casa reitoral de Abeleda

A Abeleda

(Santa María)

Cofra

628.671

4.694.926

MON

Art. 103

POMR 2001

39.440

Pena do Castelo

Cristosende (Santa María)

Pedra do Sol

624.262

4.692.306

ARQ

Art. 103

POMR 2001

39.441

Igreja de São Salvador de Cristosende

Cristosende (Santa María)

Cristosende

624.425

4.693.768

MON

Art. 103

POMR 2001

39.442

Capela de São Caetano de Cristosende

Cristosende (Santa María)

Quintairos

624.393

4.693.604

MON

Art. 103

POMR 2001

39.443

Casa reitoral de Cristosende

Cristosende (Santa María)

Cristosende

624.385

4.693.723

MON

Art. 103

POMR 2001

39.444

Casa em Cristosende

Cristosende (Santa María)

Cristosende

624.549

4.693.812

MON

Art. 103

POMR 2001

39.445

Pazo em Cristosende

Cristosende (Santa María)

O Bairro

624.657

4.693.573

MON

Art. 103

POMR 2001

39.446

Igreja de São Martiño de Fontao

Fontao

(São Bartolomeu)

Fontao

626.936

4.695.735

MON

Art. 103

POMR 2001

39.447

Igreja de São Salvador de Lumeares

Lumeares

(São Salvador)

Soutelo

626.625

4.694.539

MON

Art. 103

POMR 2001

39.448

Capela de Santa Catuxa de Lumeares

Lumeares

(São Salvador)

A Teixeira

625.568

4.694.344

MON

Art. 103

POMR 2001

39.449

Cruzeiro de Lumeares

Lumeares

(São Salvador)

A Cruz

626.514

4.694.657

ETN*

Art. 103

POMR 2001

39.450

Pousadoiro com anjo da guarda de Lumeares

Lumeares

(São Salvador)

A Cruz

626.497

4.694.558

ETN

Art. 103

POMR 2001

39.451

Casa reitoral de Lumeares

Lumeares

(São Salvador)

Soutelo

626.606

4.694.503

MON

Art. 103

POMR 2001

39.452

Põe-te sobre o rio Vaus

Lumeares

(São Salvador)

O Rio

626.802

4.693.874

MON

Art. 103

POMR 2001

39.453

Igreja de Santa Marinha de Montoedo

Montoedo

(Santa Marinha)

Xirás

625.403

4.692.707

MON

Art. 103

POMR 2001

39.454

Casa reitoral de Montodeo

Montoedo

(Santa Marinha)

Xirás

625.450

4.692.758

MON

Art. 103

POMR 2001

39.549

Medoña de Veiga das Cruzes

Pedrafita

(São Martiño)

Alende

623.808

4.689.709

ARQ

Art. 103

POMR 2001

39.552

Igreja de São Martiño de Pedrafita

Pedrafita

(São Martiño)

Parafita

623.885

4.690.568

MON

Art. 103

POMR 2001

39.553

Capela de São Ramón de Celeirós

Pedrafita

(São Martiño)

Celeirós

624.672

4.691.168

MON

Art. 103

POMR 2001

39.554

Casa reitoral de Pedrafita

Pedrafita

(São Martiño)

Alende

624.178

4.690.283

MON

Art. 103

POMR 2001

ANEXO III

Bens imóveis de carácter sacro no território da Ribeira Sacra

Em virtude dos especiais valores do território da Ribeira Sacra singularmente caracterizados pela presença desde muito antigo de eremitas e primeiras comunidades de convivência regulada e posteriores ordens religiosas, recolhem-se como bens imóveis integrantes da Ribeira Sacra aqueles outros bens do território das câmaras municipais que conformam a Ribeira Sacra recolhidos neste anexo III.

Esta relação que completa e complementa a dos anexo I (BIC em todo o território) e II (bens imóveis catalogado no âmbito da paisagem cultural), em procedimentos futuros, poderá ser completada com bens adicionais, na medida em que se documente e justifique a sua relação, ou modificada a sua classificação e declarados BIC com os trâmites administrativos que correspondam.

PBA

Imóvel

Câmara municipal

Freguesia

Lugar

X

Y

Cat.

19.448

Igreja de Santa Baia de Aguada

Carballedo

Aguada (Santa Baia)

A Eirexe

592.000

4.708.122

MON

19.449

Capela de São Roque em Aguada de Arriba

Carballedo

Aguada (Santa Baia)

Aguada de Arriba

591.097

4.708.223

MON

18.768

Igreja de São Miguel de Buciños

Carballedo

Buciños

(São Miguel)

O Bairro

594.212

4.710.197

MON

18.769

Casa reitoral de Buciños

Carballedo

Buciños

(São Miguel)

O Bairro

594.225

4.710.177

MON

18.773

Igreja de Santa María de Carballedo

Carballedo

Carballedo

(Santa María)

Carballedo

596.158

4.708.318

MON

18.774

Casa reitoral de Santa María de Carballedo

Carballedo

Carballedo

(Santa María)

Carballedo

596.146

4.708.337

MON

18.776

Igreja de Santo Estevo de Cartelos

Carballedo

Cartelos

(Santo Estevo)

Cartelos

594.338

4.713.137

MON

18.777

Casa reitoral de Santo Estevo de Cartelos

Carballedo

Cartelos

(Santo Estevo)

Cartelos

594.338

4.713.154

MON

18.781

Igreja de São Cristovo de Castro

Carballedo

Castro

(São Cristovo)

Castro

599.752

4.709.513

MON

18.859

Igreja de São Gregorio de Furco

Carballedo

Furco

(São Gregorio)

Furco

590.233

4.713.961

MON

18.860

Casa reitoral de São Gregorio de Furco

Carballedo

Furco

(São Gregorio)

Furco

590.168

4.713.899

MON

18.862

Igreja de São Cristovo de Lobelle

Carballedo

Lobelle

(São Cristovo)

Lobelle de Abaixo

596.942

4.711.603

MON

18.863

Casa reitoral de São Cristovo de Lobelle

Carballedo

Lobelle

(São Cristovo)

Lobelle de Abaixo

596.944

4.711.587

MON

18.866

Igreja de Santiago de Lousada

Carballedo

Lousada (Santiago)

Lousada de Arriba

597.500

4.709.509

MON

18.867

Casa reitoral de Santiago de Lousada

Carballedo

Lousada (Santiago)

Lousada de Arriba

597.489

4.709.493

MON

18.868

Igreja de Santa María de Marzás

Carballedo

Marzás (Santa María)

Marzás

599.662

4.705.402

MON

18.869

Igreja de São Xoán de Milleirós

Carballedo

Milleirós (São Xoán)

Milleirós

598.990

4.711.517

MON

18.878

Igreja de Santiago de Pradeda

Carballedo

Pradeda (Santiago)

Pradeda de Arriba

597.820

4.712.783

MON

18.879

Capela de Santiago no Bairro de Puga

Carballedo

Pradeda (Santiago)

O Bairro de Puga

598.011

4.711.916

MON

18.864

Igreja de São Mamede de Lousada

Carballedo

São Mamede de Lousada

(São Mamede)

São Mamede

599.302

4.708.362

MON

18.764

Igreja de Santa Baia de Búbal

Carballedo

Santa Baia de Búbal (Santa Baia)

Santa Baia

597.429

4.706.242

MON

18.765

Casa reitoral de Santa Baia de Búbal

Carballedo

Santa Baia de Búbal (Santa Baia)

Santa Baia

597.451

4.706.253

MON

18.759

Igreja de Santa Cristina de Asma

Carballedo

Santa Cristina de Asma

(Santa Cristina)

Santa Cristina

591.817

4.713.144

MON

18.760

Casa reitoral de Santa Cristina de Asma

Carballedo

Santa Cristina de Asma

(Santa Cristina)

Santa Cristina

591.802

4.713.123

MON

18.784

Igreja de Santa Marinha do Castro

Carballedo

Santa Marinha do Castro

(Santa Marinha)

Santa Marinha

593.161

4.712.289

MON

17.591

Igreja de Santa María de Vilaquinte

Carballedo

Vilaquinte

(Santa María)

Vilaquinte

602.493

4.705.817

MON

17.592

Casa reitoral de Santa María de Vilaguinte

Carballedo

Vilaquinte

(Santa María)

Vilaquinte

602.480

4.705.817

MON

31.890

Capela de São Martiño

Castro Caldelas

Camba (São Xoán)

São Martiño

630.473

4.689.614

MON

31.891

Capela de Santa María em Piñeiroá

Castro Caldelas

Camba (São Xoán)

Piñeiroá

630.410

4.690.374

MON

31.893

Capela de São Xulián

Castro Caldelas

Camba (São Xoán)

São Xulián

628.751

4.690.699

MON

31.894

Igreja de São Xoán de Camba

Castro Caldelas

Camba (São Xoán)

O Real da Pousa

630.911

4.691.407

MON

31.895

Necrópole do Lameiro Grande

Castro Caldelas

Camba (São Xoán)

Montemaior

632.165

4.690.977

ARQ

31.908

Igreja de Santiago de Folgoso

Castro Caldelas

Folgoso (Santiago)

Folgoso

635.364

4.693.747

MON

38.699

Igreja de São Pedro do Burgo

Castro Caldelas

O Burgo

(São Pedro)

O Burgo

631.612

4.690.101

MON

38.700

Capela de São Pedro

Castro Caldelas

O Burgo

(São Pedro)

São Pedro

633.003

4.689.869

MON

38.701

Casa reitoral do Burgo

Castro Caldelas

O Burgo

(São Pedro)

O Burgo

631.644

4.690.092

MON

31.931

Casa reitoral de Pedrouzos

Castro Caldelas

Pedrouzos

(São Mamede)

Pousa

628.854

4.687.715

MON

31.932

Igreja de São Mamede de Pedrouzos

Castro Caldelas

Pedrouzos

(São Mamede)

Pousa

628.876

4.687.742

MON

31.935

Igreja de São Xoán de Poboeiros

Castro Caldelas

Poboeiros (São Xoán)

O Outeiriño

627.340

4.692.871

MON

31.936

Casa reitoral de Poboeiros

Castro Caldelas

Poboeiros

(São Xoán)

O Outeiriño

627.374

4.692.879

MON

33.612

Casa reitoral de São Pedro Fiz de Sãs de Penelas

Castro Caldelas

Sãs de Penelas (São Fiz)

Penelas

635.972

4.692.326

MON

33.613

Igreja de São Pedro Fiz de Sãs de Penelas

Castro Caldelas

Sãs de Penelas (São Fiz)

Sãs de Penelas

635.619

4.691.953

MON

31.938

Capela de Santo Antonio em Condelle

Castro Caldelas

Trabazos

(Santa Olaia)

Condelle

632.048

4.692.056

MON

31.939

Igreja de Santa Olaia de Trabazos

Castro Caldelas

Trabazos

(Santa Olaia)

Trabazos

634.198

4.693.284

MON

38.708

Igreja de Santa María de Vilamaior de Caldelas

Castro Caldelas

Vilamaior de Caldelas (Santa María)

Vilamaior

634.408

4.690.280

MON

38.709

Casa reitoral de Vilamaior

Castro Caldelas

Vilamaior de Caldelas (Santa María)

Vilamaior

634.454

4.690.019

MON

38.710

Cruzeiro de Vilamaior

Castro Caldelas

Vilamaior de Caldelas (Santa María)

Vilamaior

634.232

4.690.256

ETN*

33.617

Igreja de São Xoán de Vimieiro

Castro Caldelas

Vimieiro (São Xoán)

Vimieiro

636.110

4.693.957

MON

17.605

Igreja de São Vicenzo da Grade

Chantada

A Grade

(São Vicente)

Quintá

593.508

4.715.428

MON

17.861

Bolso de ánimas de Penasillás

Chantada

A Laxe (São Xoán)

Penasillás

594.307

4.719.858

ETN*

17.862

Igreja de São Xoán da Laxe

Chantada

A Laxe (São Xoán)

Seoane

595.059

4.718.648

MON

17.863

Capela de Carballizos

Chantada

A Laxe (São Xoán)

Carballizos

594.542

4.717.610

MON

17.864

Capela de Penasillás

Chantada

A Laxe (São Xoán)

Penasillás

594.330

4.719.845

MON

17.865

Capela de Rio Pedroso

Chantada

A Laxe (São Xoán)

Rio Pedroso

596.161

4.718.340

MON

17.866

Cruzeiro do adro de São Xoán da Laxe

Chantada

A Laxe (São Xoán)

Seoane

595.060

4.718.676

ETN*

17.867

Cruzeiro de Penasillás

Chantada

A Laxe (São Xoán)

Seoane

594.784

4.718.956

ETN*

17.601

Igreja de Santa Baia de Adá

Chantada

Adá (Santa Baia)

Adá

594.250

4.724.229

MON

17.602

Bolso de ánimas de Adá

Chantada

Adá (Santa Baia)

Adá

594.239

4.724.229

ETN*

17.603

Cruzeiro de Adá

Chantada

Adá (Santa Baia)

Adá

594.239

4.724.199

ETN*

17.690

Igreja de Santa María de Arcos

Chantada

Arcos (Santa María)

Arcos

597.707

4.723.698

MON

17.691

Capela de Casteda

Chantada

Arcos (Santa María)

Casteda

599.130

4.722.915

MON

17.692

Capela de Elfe

Chantada

Arcos (Santa María)

Rio

598.115

4.724.002

MON

17.693

Capela do Pazo de Suatorre

Chantada

Arcos (Santa María)

Colina

596.785

4.722.614

MON

17.699

Igreja de São Vicenzo de Argozón

Chantada

Argozón

(São Vicente)

São Vicente

592.588

4.723.717

MON

17.700

Capela de Gordón

Chantada

Argozón

(São Vicente)

Gordón

592.822

4.721.963

MON

17.723

Igreja de Santa María de Bermún

Chantada

Bermún

(Santa María)

Bermún de Arriba

592.086

4.714.652

MON

17.724

Cruzeiro de Bermún de Arriba

Chantada

Bermún

(Santa María)

Bermún de Arriba

592.074

4.714.654

ETN*

17.726

Igreja de São Salvador de Brigos

Chantada

Brigos

(São Salvador)

Brigos de Abaixo

598.903

4.716.806

MON

17.727

Bolso de ánimas de Brigos de Abaixo

Chantada

Brigos

(São Salvador)

Brigos de Abaixo

598.901

4.716.769

ETN*

17.593

Igreja de Santa Marinha de Chantada

Chantada

Chantada

(Santa Marinha)

Chantada

600.934

4.718.060

MON

17.594

Capela de Basán

Chantada

Chantada

(Santa Marinha)

O Bolso

600.741

4.719.090

MON

17.733

Igreja de Santa Marinha de Esmeriz

Chantada

Esmeriz

(Santa Marinha)

Santa Marinha

592.438

4.716.889

MON

17.851

Igreja de São Xillao de Esmoriz

Chantada

Esmoriz (São Xillao)

Esmoriz

593.120

4.714.624

MON

17.852

Sartego de Fornas

Chantada

Fornas

(São Cristovo)

Fornas de Abaixo

599.622

4.720.263

ARQ

17.854

Igreja de São Cristovo de Fornas

Chantada

Fornas

(São Cristovo)

Ansoar

600.371

4.719.874

MON

17.873

Igreja de São Martiño de Mariz

Chantada

Mariz (São Martiño)

Mariz

598.418

4.721.424

MON

17.883

Igreja de São Tomé de Merlán

Chantada

Merlán (São Tomé)

A Eirexe

601.770

4.719.842

MON

17.884

Capela de Meixide

Chantada

Merlán (São Tomé)

Meixide Pequeno

602.607

4.718.631

MON

17.885

Capela de São Cibrao

Chantada

Merlán (São Tomé)

A Torre

601.443

4.719.691

MON

17.890

Bolso de ánimas de Vilela

Chantada

Merlán (São Tomé)

Vilela

601.222

4.719.711

ETN*

17.129

Igreja de São Cristovo de Mouricios

Chantada

Mouricios

(São Cristovo)

São Cristovo

595.000

4.720.719

MON

17.131

Igreja de São Paio de Muradelle

Chantada

Muradelle

(São Paio)

São Paio

596.097

4.721.288

MON

17.132

Capela de Santo Antonio

Chantada

Muradelle

(São Paio)

São Paio

596.137

4.721.562

MON

17.879

Igreja de São Xillao do Mato

Chantada

O Mato (São Xillao)

O Carvalhal

597.035

4.717.697

MON

17.880

Ermida de São Lucas em Abral

Chantada

O Mato (São Xillao)

Abral

597.590

4.718.512

MON

17.127

Igreja de São Miguel do Monte

Chantada

O Monte

(São Miguel)

São Miguel

592.318

4.724.579

MON

17.214

Igreja de Santa Baia de Pedrafita

Chantada

Pedrafita

(Santa Baia)

Mosteiro

602.117

4.723.243

MON

17.215

Capela de São Xillán

Chantada

Pedrafita

(Santa Baia)

Xillán

602.834

4.723.546

MON

17.216

Priorado de Oseira

Chantada

Pedrafita

(Santa Baia)

Paracostoira

601.262

4.722.997

MON

17.220

Bolso de ánimas da Lama

Chantada

Pedrafita

(Santa Baia)

Paracostoira

600.979

4.722.918

ETN*

17.223

Igreja de São Mamede de Pereira

Chantada

Pereira

(São Mamede)

Pereira de Arriba

598.970

4.714.221

MON

17.233

Igreja de Santiago de Requeixo

Chantada

Requeixo (Santiago)

Fontela

593.096

4.718.460

MON

17.234

Ermida de Faro em Caíbe

Chantada

Requeixo (Santiago)

Caíbe

590.820

4.719.734

MON

17.235

Cruzeiro de Pereiroá

Chantada

Requeixo (Santiago)

Alence

592.670

4.717.731

ETN*

17.236

Cruzeiro do adro de Santiago de Requeixo

Chantada

Requeixo (Santiago)

Fontela

593.091

4.718.538

ETN*

17.248

Igreja de São Pedro de Viana

Chantada

São Pedro de Viana (São Pedro)

Axulfe

594.313

4.716.157

MON

17.249

Capela de São Roque

Chantada

São Pedro de Viana (São Pedro)

As Casas

593.862

4.716.732

MON

17.260

Igreja de São Xurxo de Asma

Chantada

São Xurxo de Asma

Centulle

599.668

4.718.986

MON

17.250

Igreja de Santa Cruz de Viana

Chantada

Santa Cruz de Viana (Santa Cruz). 

Santa Cruz

594.989

4.714.718

MON

17.251

Cruzeiro de Viana

Chantada

Santa Cruz de Viana (Santa Cruz). 

Viana

594.523

4.715.188

ETN*

17.720

Igreja de Santa Uxía de Asma

Chantada

Santa Uxía de Asma (Santa Uxía)

A Eirexe

596.753

4.714.771

MON

17.721

Bolso de ánimas da Eirexe

Chantada

Santa Uxía de Asma (Santa Uxía)

A Eirexe

596.733

4.714.770

ETN*

17.246

Igreja de São Xoán de Veiga

Chantada

Veiga (São Xoán)

Veiga

600.014

4.721.255

MON

17.247

Cruzeiro do adro de São Xoán da Veiga

Chantada

Veiga (São Xoán)

Veiga

600.047

4.721.266

ETN*

35.752

Cruzeiro I de Esgos

Esgos

Esgos (Santa María)

Esgos

607.342

4.686.658

ETN*

35.755

Cruzeiro II de Esgos

Esgos

Esgos (Santa María)

Esgos

607.349

4.686.731

ETN*

35.762

Igreja de Santa María de Esgos

Esgos

Esgos (Santa María)

Esgos

607.473

4.686.710

MON

35.763

Casa reitoral de Esgos

Esgos

Esgos (Santa María)

Esgos

607.432

4.686.693

MON

35.776

Bolso de ánimas de São Pedro de Rocas

Esgos

Esgos (Santa María)

Mosteiro de Rocas

606.072

4.687.631

ETN*

35.787

Bolso de ánimas das Raposas

Esgos

Loña do Monte

(São Salvador)

As Raposas

606.208

4.690.949

ETN*

35.794

Capela Virxe do Monte de Xaravedra

Esgos

Os Pensos

(São Pedro)

Xaravedra

609.610

4.690.541

MON

35.799

Casa reitoral velha dos Pensos

Esgos

Os Pensos

(São Pedro)

Os Pensos

610.059

4.689.269

MON

35.801

Igreja de São Pedro dos Pensos

Esgos

Os Pensos

(São Pedro)

Os Pensos

610.118

4.689.259

MON

35.802

Casa reitoral dos Pensos

Esgos

Os Pensos

(São Pedro)

Os Pensos

610.142

4.689.259

MON

35.806

Cruz votiva de Pardeconde

Esgos

Os Pensos

(São Pedro)

Pardeconde

610.694

4.689.159

ETN*

35.822

Cruzeiro da Casa Coutada

Esgos

Rocas (São Pedro)

São Pedro de Rocas

605.701

4.688.430

ETN*

35.824

Capela de São Xoán Bautista na Cernada

Esgos

Rocas (São Pedro)

A Cernada

606.327

4.689.209

MON

35.827

Cruzeiro na Cernada

Esgos

Rocas (São Pedro)

A Cernada

606.246

4.689.161

ETN*

35.839

Igreja de São Bieito de Rocas

Esgos

Rocas (São Pedro)

Quinta do Monte

607.341

4.688.455

MON

35.724

Bolso de ánimas de Cachamuíña

Esgos

Santa Olaia de Esgos (Santa Olaia)

Cachamuíña

608.127

4.686.104

ETN*

35.728

Cruz da Lama

Esgos

Santa Olaia de Esgos (Santa Olaia)

A Lama

607.709

4.686.006

ETN*

35.731

Capela de São Cornelio em Guimarás

Esgos

Santa Olaia de Esgos (Santa Olaia)

Guimarás

609.306

4.686.668

MON

35.739

Igreja de Santa Olaia de Esgos

Esgos

Santa Olaia de Esgos (Santa Olaia)

Soutelo

607.705

4.685.791

MON

35.740

Casa reitoral de Quinta

Esgos

Santa Olaia de Esgos (Santa Olaia)

Soutelo

607.717

4.685.805

MON

35.741

Cruzeiro da Quinta

Esgos

Santa Olaia de Esgos (Santa Olaia)

Soutelo

607.733

4.685.820

ETN*

35.742

Bolso de ánimas da Quinta

Esgos

Santa Olaia de Esgos (Santa Olaia)

A Quinta

607.979

4.685.438

ETN*

35.848

Capela da Virxe das Neves em Lobaces

Esgos

Triós (São Pedro)

Lobaces

605.110

4.690.454

ARQ

35.851

Cruzeiro de Lobaces

Esgos

Triós (São Pedro)

Lobaces

605.120

4.690.453

ETN*

35.856

Igreja de Santa María de Vilar de Ordelles

Esgos

Vilar de Ordelles (Santa María)

Vilar de Ordelles

604.436

4.686.089

MON

35.857

Casa reitoral do Pinto

Esgos

Vilar de Ordelles (Santa María)

Vilar de Ordelles

604.459

4.686.075

MON

35.858

Cruzeiro do Pinto

Esgos

Vilar de Ordelles (Santa María)

O Pinto

604.355

4.685.872

ETN*

35.868

Cruzeiro de Vilar de Ortelle

Esgos

Vilar de Ordelles (Santa María)

Vilar de Ordelles

604.541

4.686.188

ETN*

35.873

Capela de São Pedro em Folgoso

Esgos

Vilar de Ordelles (Santa María)

Folgoso

603.695

4.685.341

MON

35.887

Cruzeiro de Folgoso

Esgos

Vilar de Ordelles (Santa María)

Folgoso

603.843

4.685.452

ETN*

23.766

Igreja de Santa María da Parte

Monforte de Lemos

A Parte (Santa María)

A Parte

625.235

4.713.877

MON

23.767

Capela de Probeiros em Ribas Pequenas

Monforte de Lemos

A Parte (Santa María)

Probeiros

625.895

4.715.689

MON

23.768

Igreja de São Mateo da Parte

Monforte de Lemos

A Parte (Santa María)

A Parte

625.246

4.713.879

MON

23.477

Igreja de Santa María da Penela

Monforte de Lemos

A Penela

(Santa María)

A Veiga

625.075

4.704.996

MON

23.516

Igreja de São Cibrao da Vinde

Monforte de Lemos

A Vinde (São Cibrao)

O Quintairo

618.323

4.709.623

MON

23.762

Igreja de Santo Estevo das Nocedas

Monforte de Lemos

As Nocedas

(São Estevo)

A Igreja

624.243

4.705.167

MON

23.704

Igreja de Santa María de Baamorto

Monforte de Lemos

Baamorto

(Santa María)

As Devesas

619.852

4.714.236

MON

23.705

Capela de Feixoo

Monforte de Lemos

Baamorto

(Santa María)

Pallares

620.134

4.714.797

MON

23.706

Capela de Pol

Monforte de Lemos

Baamorto

(Santa María)

Pol

619.006

4.714.573

MON

23.707

Capela de Espinosa

Monforte de Lemos

Baamorto

(Santa María)

As Pereiras

619.273

4.713.125

MON

23.710

Priorado de Baamorto

Monforte de Lemos

Baamorto

(Santa María)

As Devesas

619.823

4.714.242

MON

23.712

Capela de São Caetano em Reboredo

Monforte de Lemos

Baamorto

(Santa María)

Reboredo

619.871

4.714.206

MON

23.719

Igreja de Santalla de Caneda

Monforte de Lemos

Caneda (Santalla)

A Fonte

626.437

4.707.734

MON

23.720

Capela de São Paio no Sobrado

Monforte de Lemos

Caneda (Santalla)

O Sobrado

626.721

4.707.028

MON

23.728

Igreja de São Xoán de Chavaga

Monforte de Lemos

Chavaga (São Xoán)

O Cotelo

628.753

4.710.557

MON

23.731

Igreja de Santo André de Distriz

Monforte de Lemos

Distriz (Santo André)

A Eirexe

618.980

4.706.840

MON

23.733

Cruz de Pedra

Monforte de Lemos

Distriz (Santo André)

O Cruzeiro

619.359

4.707.245

ETN*

23.737

Igreja de São Cosmede de Fiolleda

Monforte de Lemos

Fiolleda

(São Cosmede)

Fiolleda

619.482

4.715.684

MON

23.738

Capela da Virxe em Vilamaior

Monforte de Lemos

Fiolleda

(São Cosmede)

Vilamaior

620.359

4.716.612

MON

23.739

Capela de São Roque em Fiolleda

Monforte de Lemos

Fiolleda

(São Cosmede)

Fiolleda

619.293

4.716.357

MON

23.740

Capela da Xunqueira em Fiolleda

Monforte de Lemos

Fiolleda

(São Cosmede)

Xunqueira

619.860

4.718.116

MON

23.741

Capela de São Mamede em Fiolleda

Monforte de Lemos

Fiolleda

(São Cosmede)

São Mamede

618.113

4.717.549

MON

23.745

Igreja de Santo Acisclo de Gullade

Monforte de Lemos

Gullade

(Santo Acisclo)

A Eirexe

623.236

4.705.240

MON

23.746

Igreja de Santa Luzia de Guntín

Monforte de Lemos

Guntín (Santa Luzia)

Santa Luzia

622.502

4.703.723

MON

23.682

Capela de São Pedro

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

622.387

4.709.296

MON

23.683

Colégio da Companhia

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

621.800

4.708.378

MON

23.684

Capela de São Lázaro

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

621.453

4.707.915

MON

23.686

Mosteiro de São Vicenzo do Pino

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

622.344

4.709.019

MON

23.688

Convento das Clarisas

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

621.898

4.708.952

MON

23.689

Igreja da Régoa

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

622.153

4.708.917

MON

23.690

Convento de São Xacinto

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

622.320

4.708.882

MON

23.691

Hospital do Sancti Spíritus

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

Monforte de Lemos

622.411

4.708.895

MON

23.760

Igreja de São Salvador de Moreda

Monforte de Lemos

Moreda

(São Salvador)

Regueiro

615.802

4.710.699

MON

23.725

Igreja de São Ramón do Chao de Fabeiro

Monforte de Lemos

O Chao do Fabeiro (São Ramón)

A Encrucillada

621.936

4.713.873

MON

23.726

Capela do Fabeiro

Monforte de Lemos

O Chao do Fabeiro (São Ramón)

O Fabeiro

621.421

4.713.421

MON

23.479

Igreja de São Martiño de Piñeira

Monforte de Lemos

Piñeira (São Martiño)

A Eirexe

620.576

4.707.007

MON

23.481

Cruzeiro da Eirexe

Monforte de Lemos

Piñeira (São Martiño)

A Eirexe

620.552

4.706.989

ETN*

23.483

Igreja de São Salvador de Reigada

Monforte de Lemos

Reigada

(São Salvador)

A Senra

625.724

4.709.910

MON

23.487

Igreja de São Pedro de Ribas Altas

Monforte de Lemos

Ribas Altas

(São Pedro)

A Eirexa

623.409

4.711.861

MON

23.488

Capela de Bergazos

Monforte de Lemos

Ribas Altas

(São Pedro)

Bergazos

623.632

4.712.493

MON

23.489

Capela de Rio Seco

Monforte de Lemos

Ribas Altas

(São Pedro)

A Eirexa

623.387

4.711.828

MON

23.504

Igreja de São Xiao de Tor

Monforte de Lemos

São Xiao de Tor

(São Xiao)

A Eirexe

616.699

4.712.546

MON

23.753

Igreja de Santa Marinha do Monte

Monforte de Lemos

Santa Marinha do Monte (Santa Marinha)

A Lamela

625.913

4.706.658

MON

23.495

Igreja de São Salvador de Seoane

Monforte de Lemos

Seoane

(São Salvador)

O Mato

619.078

4.710.579

MON

23.497

Igreja de São Pedro de Sindrán

Monforte de Lemos

Sindrán (São Pedro)

A Eirexa

628.997

4.707.956

MON

23.499

Cruzeiro do adro de São Pedro de Sindrán

Monforte de Lemos

Sindrán (São Pedro)

A Eirexa

628.998

4.707.940

ETN*

23.501

Igreja de São Xoán de Tor

Monforte de Lemos

Tor (São Xoán)

A Eirexe

617.199

4.713.772

MON

23.503

Bolso de ánimas de Tor

Monforte de Lemos

Tor (São Xoán)

O Campo

617.275

4.713.606

ETN*

23.508

Igreja de São Pedro de Valverde

Monforte de Lemos

Valverde (São Pedro)

Valverde

624.493

4.714.424

MON

23.510

Priorado de Valverde

Monforte de Lemos

Valverde (São Pedro)

Valverde

624.511

4.714.450

MON

23.713

Igreja de São Martiño de Vascós

Monforte de Lemos

Vascós (São Martiño)

A Rectoral

627.325

4.709.368

MON

23.715

Capela de Outorelo

Monforte de Lemos

Vascós (São Martiño)

Outorelo

627.105

4.709.083

MON

30.926

Igreja de Santiago da Medorra

Montederramo

A Medorra (Santiago)

Santiago da Medorra

626.309

4.686.889

MON

30.918

Igreja de São Xoán das Chás

Montederramo

As Chás (São Xoán)

As Chás

616.459

4.685.879

MON

30.919

Cruzeiro das Chás

Montederramo

As Chás (São Xoán)

As Chás

616.444

4.685.884

ETN*

33.619

Capela de Santa Luzia no Peredo

Montederramo

Cova (São Xoán)

O Peredo

619.581

4.681.741

MON

33.620

Igreja de São Xoán de Cova

Montederramo

Cova (São Xoán)

Cova

619.181

4.683.721

MON

30.920

Igreja de São Pedro de Gabín

Montederramo

Gabín (São Pedro)

Gabín

625.241

4.680.217

MON

30.922

Capela de Marrubio

Montederramo

Marrubio

(Santo André)

O Regueiro

625.732

4.683.800

MON

30.923

Cruzeiro de Marrubio

Montederramo

Marrubio

(Santo André)

O Regueiro

625.717

4.683.809

ETN*

30.924

Igreja de Santo André de Marrubio

Montederramo

Marrubio

(Santo André)

A Colina

625.794

4.683.480

MON

33.320

Igreja de Santa María de Montederramo

Montederramo

Montederramo

(Santa María)

Sanfitoiro

623.083

4.682.136

MON

31.809

Igreja de Santa María de Nogueira

Montederramo

Nogueira

(Santa María)

Nogueira

622.483

4.683.567

MON

33.618

Igreja de São Vicenzo dos Abeledos

Montederramo

Os Abeledos

(São Vicente)

Os Abeledos

624.689

4.685.845

MON

31.810

Igreja de Santa María de Paredes

Montederramo

Paredes (Santa María)

Paredes

627.165

4.680.559

MON

30.927

Igreja de São Cosme de Montederramo

Montederramo

São Cosme de Montederramo (São Cosme)

A Lama

623.165

4.680.355

MON

31.811

Igreja de São Pedro de Sãs do Monte

Montederramo

Sãs do Monte

(São Pedro)

Sãs do Monte

628.103

4.685.239

MON

33.316

Igreja de São Xoán de Seoane Vê-lho

Montederramo

Seoane Vê-lho

(São Xoán)

A Caseta

622.094

4.686.468

MON

33.318

Igreja de Santa María de Vilariño Frio

Montederramo

Vilariño Frio

(Santa María)

Vilariño Frio

620.213

4.686.062

MON

35.954

Capela de Santa Bárbara em Covelas

Nogueira de Ramuín

O Carvalhal

(São Xosé)

Covelas

602.208

4.697.212

MON

35.955

Igreja de São Xosé do Carvalhal

Nogueira de Ramuín

O Carvalhal

(São Xosé)

O Carvalhal

601.513

4.696.996

MON

35.962

Capela do Pazo de Celeiros

Nogueira de Ramuín

O Carvalhal

(São Xosé)

Celeiros

601.908

4.697.603

MON

35.963

Capela do Pazo da Seara

Nogueira de Ramuín

O Carvalhal

(São Xosé)

A Seara do Rio

600.913

4.696.805

MON

35.965

Cruzeiro da igreja de São Xosé do Carvalhal

Nogueira de Ramuín

O Carvalhal

(São Xosé)

O Carvalhal

601.556

4.697.066

ETN*

35.968

Cruz de Santa Justa

Nogueira de Ramuín

O Carvalhal

(São Xosé)

Santa Justa

601.035

4.696.093

ETN*

35.969

Capela em Santa Justa

Nogueira de Ramuín

O Carvalhal

(São Xosé)

Santa Justa

601.188

4.696.220

MON

35.910

Capela de São Ramón em Armariz

Nogueira de Ramuín

Armariz (São Cristovo)

Armariz

605.089

4.692.130

MON

35.911

Igreja de São Cristovo de Armariz

Nogueira de Ramuín

Armariz (São Cristovo)

Ver de Miogo

605.376

4.691.817

MON

35.912

Bolso de ánimas de fonte de Ver de Cima

Nogueira de Ramuín

Armariz (São Cristovo)

Ver de Cima

605.082

4.691.234

ETN*

35.915

Casa reitoral em Armariz

Nogueira de Ramuín

Armariz (São Cristovo)

Armariz

605.104

4.692.088

MON

35.916

Casa reitoral de Armariz em Ver de Miogo

Nogueira de Ramuín

Armariz (São Cristovo)

Ver de Miogo

605.375

4.691.799

MON

35.918

Bolso de ánimas de Ver de Miogo

Nogueira de Ramuín

Armariz (São Cristovo)

Ver de Miogo

604.902

4.691.538

ETN*

35.984

Casa reitoral de Faramontaos

Nogueira de Ramuín

Faramontaos

(Santa María)

Requeixo

603.075

4.692.061

MON

35.985

Bolso de ánimas da capela de Eiradela

Nogueira de Ramuín

Faramontaos

(Santa María)

Eiradela

603.657

4.693.844

ETN*

35.990

Igreja de Santa María de Faramontaos

Nogueira de Ramuín

Faramontaos

(Santa María)

Requeixo

603.133

4.692.061

MON

35.991

Capela de Eiradela

Nogueira de Ramuín

Faramontaos

(Santa María)

Eiradela

603.664

4.693.850

MON

35.992

Bolso de ánimas da Eiradela

Nogueira de Ramuín

Faramontaos

(Santa María)

Eiradela

603.778

4.693.708

ETN*

35.993

Cruzeiro de Costela

Nogueira de Ramuín

Faramontaos

(Santa María)

A Costela

603.444

4.691.969

ETN*

35.997

Cruzeiro com altar de Faramontaos

Nogueira de Ramuín

Faramontaos

(Santa María)

Requeixo

603.132

4.692.204

ETN*

33.891

Igreja de São Salvador de Loña do Monte

Nogueira de Ramuín

Loña do Monte

(São Salvador)

A Eirexa

607.309

4.691.729

MON

33.895

Cruzeiro em Loña do Monte

Nogueira de Ramuín

Loña do Monte

(São Salvador)

Vilouriz

607.225

4.691.881

ETN*

33.896

Cruz em Loña do Monte

Nogueira de Ramuín

Loña do Monte

(São Salvador)

A Eirexa

607.284

4.691.830

ETN*

33.897

Cruz da fonte na Eirexa

Nogueira de Ramuín

Loña do Monte

(São Salvador)

A Eirexa

607.273

4.691.636

ETN*

33.898

Cruzeiro (restos) em Souto

Nogueira de Ramuín

Loña do Monte

(São Salvador)

Souto

607.602

4.692.318

ETN*

33.899

Casa reitoral de Loña do Monte

Nogueira de Ramuín

Loña do Monte

(São Salvador)

A Eirexa

607.287

4.691.721

MON

33.901

Capela da Nossa Senhora do Monte em Xaravedra

Nogueira de Ramuín

Loña do Monte

(São Salvador)

Xaravedra

609.594

4.690.553

MON

33.997

Capela do Pilar de Mundín

Nogueira de Ramuín

Luíntra (Santa Baia)

Mundín

605.183

4.695.578

MON

33.998

Igreja de Santa Baia de Luíntra

Nogueira de Ramuín

Luíntra (Santa Baia)

Luíntra

604.752

4.696.232

MON

33.999

Capela de Santa Baia em Luíntra

Nogueira de Ramuín

Luíntra (Santa Baia)

Luíntra

604.756

4.696.440

MON

34.001

Bolso de ánimas de Mundín

Nogueira de Ramuín

Luíntra (Santa Baia)

Mundín

605.163

4.695.592

ETN*

34.002

Cruzeiro na Colina

Nogueira de Ramuín

Luíntra (Santa Baia)

Fontes

604.022

4.696.395

ETN*

34.003

Cruz de Fontes

Nogueira de Ramuín

Luíntra (Santa Baia)

Fontes

603.760

4.696.545

ETN*

33.916

Igreja de São Martiño de Nogueira

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Nogueira

602.943

4.697.030

MON

33.918

Casa reitoral de Nogueira

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Nogueira

602.946

4.697.060

MON

33.919

Ermida de Santo Antonio em Fontefría

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Fontefría

603.216

4.696.007

MON

33.920

Bolso de ánimas de Liñares

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Liñares

602.256

4.695.797

ETN*

33.926

Cruzeiro de Lama Forcada

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Lama Forcada

603.702

4.695.888

ETN*

33.930

Cruz de Nogueira

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Nogueira

603.013

4.697.102

ETN*

33.931

Cruz em casa com pátio em Nogueira

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Nogueira

603.018

4.697.117

ETN*

33.933

Bolso de ánimas no caminho real de Pacios

Nogueira de Ramuín

Nogueira de Ramuín (São Martiño)

Lama Forcada

603.644

4.696.046

ETN*

35.936

Casa reitoral de São Miguel do Campo

Nogueira de Ramuín

São Miguel do Campo (São Miguel)

A Penela

601.184

4.692.048

MON

35.937

Ermida da Nossa Senhora do Carpazal em Malburguete

Nogueira de Ramuín

São Miguel do Campo (São Miguel)

Malburguete

601.327

4.690.941

MON

35.938

Igreja de São Miguel do Campo

Nogueira de Ramuín

São Miguel do Campo (São Miguel)

A Penela

601.133

4.692.143

MON

35.939

Bolso de ánimas na estrada entre São Miguel do Campo

Nogueira de Ramuín

São Miguel do Campo (São Miguel)

Gundiás

600.590

4.691.846

ETN*

35.945

Cruzeiro em São Miguel do Campo

Nogueira de Ramuín

São Miguel do Campo (São Miguel)

A Penela

601.100

4.692.111

ETN*

35.952

Cruzeiro de Dornas

Nogueira de Ramuín

São Miguel do Campo (São Miguel)

Cimadevila

601.803

4.692.739

ETN*

33.958

Capela de Santo Antonio em Rubiacós

Nogueira de Ramuín

Santa Cruz de Rubiacós (Santa Cruz). 

Rubiacós

606.751

4.693.562

MON

33.959

Igreja de Santa Cruz de Rubiacós

Nogueira de Ramuín

Santa Cruz de Rubiacós (Santa Cruz). 

Santa Cruz

606.217

4.693.826

MON

33.964

Cruz sobre uma rocha em Santa Cruz. 

Nogueira de Ramuín

Santa Cruz de Rubiacós (Santa Cruz). 

Santa Cruz

606.423

4.693.861

ETN*

33.965

Cruz I numa colina perto de Santa Cruz. 

Nogueira de Ramuín

Santa Cruz de Rubiacós (Santa Cruz). 

Santa Cruz

606.444

4.693.892

ETN*

33.966

Cruz II numa colina perto de Santa Cruz. 

Nogueira de Ramuín

Santa Cruz de Rubiacós (Santa Cruz). 

Santa Cruz

606.445

4.693.897

ETN*

33.967

Casa reitoral de Rubiacós

Nogueira de Ramuín

Santa Cruz de Rubiacós (Santa Cruz). 

Rubiacós

606.718

4.693.485

MON

23.573

Capela de Santo Antonio em Castillón

Pantón

Castillón (Santiago)

Castillón

612.041

4.709.954

MON

23.577

Capela de Ral

Pantón

Castillón (Santiago)

Ral

611.672

4.708.552

MON

23.580

Igreja de São Vicenzo de Deade

Pantón

Deade (São Vicente)

As Nogueiras

613.030

4.706.001

MON

23.593

Igreja de São Xulián de Eiré

Pantón

Eiré (São Xulián)

O Mosteiro

610.745

4.708.100

MON

23.598

Capela de São Bartolomeu em Guítara

Pantón

Eiré (São Xulián)

Guítara

608.639

4.706.645

MON

25.288

Igreja de Santo Estevo de Espasantes

Pantón

Espasantes

(Santo Estevo)

Pacios

613.206

4.703.641

MON

23.769

Igreja de São Mamede de Mañente

Pantón

Mañente (São Mamede)

Outarelo

617.035

4.706.522

MON

23.774

Igreja de São Romao de Moreda

Pantón

Moreda (São Romao)

São Romao

614.413

4.709.399

MON

23.779

Capela de Águas Santas

Pantón

Pantón (São Martiño)

As Águas Santas

615.154

4.707.976

MON

23.784

Igreja de São Martiño de Pantón (São Martiño)

Pantón

Pantón (São Martiño)

Pantón de Abaixo

613.759

4.707.782

MON

23.555

Capela de Guende

Pantón

São Fiz de Cangas (São Fiz)

Guende

611.311

4.704.205

MON

23.558

Igreja de São Fiz de Cangas

Pantón

São Fiz de Cangas (São Fiz)

Guende

611.326

4.704.225

MON

23.564

Igreja de São Vicenzo de Castillón

Pantón

São Vicente de Castillón (São Vicente)

São Vicente

612.704

4.710.395

MON

23.565

Igreja de Santiago de Castillón

Pantón

São Vicente de Castillón (São Vicente)

São Vicente

612.570

4.710.266

MON

23.566

Cruzeiro de São Vicente de Castillón

Pantón

São Vicente de Castillón (São Vicente)

São Vicente

612.525

4.710.412

ETN*

23.571

Capela da casa reitoral de São Vicenzo de Castillón

Pantón

São Vicente de Castillón (São Vicente)

São Vicente

612.679

4.710.431

MON

23.826

Igreja de Santalla de Toiriz

Pantón

Santalla de Toiriz (Santalla)

Santalla

614.387

4.712.349

MON

23.772

Igreja de Santo Estevo do Mato

Pantón

Santo Estevo do Mato (Santo Estevo)

Santo Estevo

612.716

4.712.346

MON

23.809

Igreja de Santo André de Següín

Pantón

Següín (Santo André)

Següín

610.620

4.705.949

MON

23.811

Igreja de São Xulián de Serode

Pantón

Serode (São Xulián)

A Lama

612.370

4.705.047

MON

23.813

Casa reitoral de Serode

Pantón

Serode (São Xulián)

A Lama

612.349

4.705.065

MON

23.814

Igreja de São Martiño de Siós

Pantón

Siós (São Martiño)

Campelos

614.335

4.705.746

MON

23.822

Igreja de Santa María de Toiriz

Pantón

Toiriz (Santa María)

Pacios

615.151

4.713.429

MON

23.816

Igreja de São Xoán de Toldaos

Pantón

Toldaos (São Xoán)

Toldaos de Arriba

616.041

4.707.619

MON

23.818

Igreja de São Martiño de Tribás

Pantón

Tribás (São Martiño)

Tribás

612.859

4.714.318

MON

23.828

Igreja de São Cibrao de Vilamelle

Pantón

Vilamelle (São Cibrao)

A Colina

615.531

4.705.042

MON

33.333

Igreja de Santiago da Hedrada

Parada de Sil

A Hedrada (Santiago)

A Hedrada

619.633

4.687.718

MON

33.334

Capela das Neves na Casa do Vento

Parada de Sil

A Hedrada (Santiago)

Guendón

618.202

4.689.057

MON

33.578

Igreja de Santa María das Paradellas

Parada de Sil

As Paradellas

(Santa María)

As Paradellas

616.032

4.688.667

MON

33.579

Igreja de São Xiao de Pradomao

Parada de Sil

Pradomao (São Xiao)

Pradomao

621.111

4.688.581

MON

21.355

Igreja de Santiago da Laxe

Paradela

A Laxe (Santiago)

A Laxe

617.126

4.738.117

MON

21.356

Capela de Castrelo

Paradela

A Laxe (Santiago)

Castrelo

618.226

4.739.164

MON

21.066

Igreja de Santiago de Aldosende

Paradela

Aldosende (Santiago)

Aldosende

611.623

4.733.656

MON

21.067

Capela de São Vicente Ferrer no Colado

Paradela

Aldosende (Santiago)

O Colado

613.898

4.734.371

MON

21.077

Igreja de Santiago de Andreade

Paradela

Andreade (Santiago)

Andreade

617.903

4.733.048

MON

21.080

Cruzeiro de Andreade

Paradela

Andreade (Santiago)

O Lugar

617.941

4.732.593

ETN*

21.323

Igreja de São Salvador das Cortes

Paradela

As Cortes

(São Salvador)

As Cortes

614.486

4.738.606

MON

21.325

Casa reitoral de São Salvador das Cortes

Paradela

As Cortes

(São Salvador)

As Cortes

614.492

4.738.643

MON

21.095

Igreja de São Pedro de Barán

Paradela

Barán (São Pedro)

São Pedro

620.768

4.734.779

MON

21.098

Cruzeiro de São Pedro

Paradela

Barán (São Pedro)

São Pedro

620.645

4.734.784

ETN*

21.103

Igreja de São Mamede de Castro

Paradela

Castro (São Mamede)

A Eirexe

615.157

4.737.073

MON

21.294

Igreja de Santa María de Castro de Rei de Lemos

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

A Enxamea

616.814

4.729.892

MON

21.295

Capela de São Roque de Feás

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

Feás

612.674

4.730.737

MON

21.296

Capela do Mazo

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

O Mazo

617.804

4.730.830

MON

21.297

Capela de São Xosé em Paredes

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

Paredes de Abaixo

618.639

4.727.207

MON

21.298

Capela Das Neves em Cerxedo

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

Cerxedo

619.729

4.730.063

MON

21.299

Capela de Pereiro (ruínas)

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

Pereiro

617.177

4.728.401

MON

21.300

Capela da Imaculada em São Martiño

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

São Martiño

619.113

4.728.144

MON

21.309

Cruzeiro da Enxamea

Paradela

Castro de Rei de

Lemos (Santa María)

A Enxamea

616.903

4.729.817

ETN*

21.334

Igreja de Santa María de Ferreiros

Paradela

Ferreiros

(Santa María)

Mirallos

619.687

4.737.835

MON

21.335

Capela de Fruxinde

Paradela

Ferreiros

(Santa María)

Fruxinde

621.409

4.738.749

MON

21.336

Capela da Parede de Delle

Paradela

Ferreiros

(Santa María)

A Parede de Delle

619.957

4.738.479

MON

21.337

Capela de Eirexe

Paradela

Ferreiros

(Santa María)

A Eirexe

620.001

4.737.522

MON

21.338

Bolso de ánimas de Mirallos

Paradela

Ferreiros

(Santa María)

Mirallos

619.453

4.737.883

ETN*

21.344

Igreja de Santa María de Francos

Paradela

Francos (Santa María)

Francos

618.044

4.737.145

MON

21.345

Casa reitoral de Santa María de Francos

Paradela

Francos (Santa María)

Francos

618.038

4.737.128

MON

21.362

Igreja de São Xoán de Loio

Paradela

Loio (São Xoán)

A Fonte da Agra

613.159

4.739.148

MON

21.364

Capela da Abelaira

Paradela

Paradela (São Miguel)

A Abelaira

617.445

4.735.197

MON

21.365

Igreja de São Miguel de Paradela

Paradela

Paradela (São Miguel)

Rodillón

617.040

4.735.992

MON

21.367

Cruz no adro de São Miguel de Paradela

Paradela

Paradela (São Miguel)

Rodillón

617.013

4.736.037

ETN*

21.368

Cruzeiro no adro de São Miguel de Paradela

Paradela

Paradela (São Miguel)

Rodillón

617.011

4.736.048

ETN*

21.369

Cruzeiro de Pacios

Paradela

Paradela (São Miguel)

Pacios

617.182

4.735.511

ETN*

24.717

Capela de Santa Marta

Paradela

São Facundo de Ribas de Miño

(São Facundo)

Santa Marta

610.837

4.737.856

MON

24.718

Ermida de Santa María de Penarredonda no Lombao

Paradela

São Facundo de Ribas de Miño

(São Facundo)

O Lombao

612.103

4.736.075

MON

24.719

Casa reitoral de São Facundo de Ribas de Miño

Paradela

São Facundo de Ribas de Miño

(São Facundo)

O Lombao

612.321

4.736.638

MON

21.113

Igreja de São Martiño de Castro

Paradela

São Martiño de Castro (São Martiño)

São Martiño

612.724

4.737.535

MON

24.685

Igreja de São Vicente de Paradela

Paradela

São Vicente de Paradela (São Vicente)

Pereiraboa

614.968

4.735.408

MON

24.688

Capela de Mãe

Paradela

São Vicente de Paradela (São Vicente)

Mãe

614.622

4.733.993

MON

24.689

Casa reitoral de São Vicente de Paradela

Paradela

São Vicente de Paradela (São Vicente)

São Vicente

614.888

4.735.471

MON

24.697

Cruzeiro de São Vicente em Pereiraboa

Paradela

São Vicente de Paradela (São Vicente)

Pereiraboa

615.085

4.735.581

ETN*

24.704

Capela em Bermil

Paradela

Santa Cristina de Paradela (Santa Cristina)

Bermil

617.164

4.733.997

MON

24.705

Igreja de Santa Cristina de Paradela

Paradela

Santa Cristina de Paradela (Santa Cristina)

Santa Cristina

616.553

4.734.161

MON

24.711

Igreja de Santalla de Paradela

Paradela

Santalla de Paradela (Santalla)

Santalla

613.455

4.736.314

MON

24.712

Casa reitoral de Santalla de Paradela

Paradela

Santalla de Paradela (Santalla)

Santalla

613.441

4.736.333

MON

24.724

Igreja de São Lourenzo de Suar

Paradela

Suar (São Lourenzo)

Suar

616.440

4.737.388

MON

24.729

Igreja de Santa Maria de Vilaragunte

Paradela

Vilaragunte

(Santa María)

A Eirexe

618.531

4.734.867

MON

24.730

Capela de Santo Antonio em Vilar de Aldixe

Paradela

Vilaragunte

(Santa María)

Vilar de Aldixe

619.532

4.735.896

MON

24.731

Casa reitoral de Vilaragunte

Paradela

Vilaragunte

(Santa María)

A Eirexe

618.553

4.734.898

MON

31.686

Igreja de Santiago da Peroxa

A Peroxa

A Peroxa (Santiago)

A Peroxa

599.376

4.699.420

MON

33.595

Capela do pazo de Ansariz

A Peroxa

Armental

(São Salvador)

Ansariz

595.791

4.702.177

MON

33.595

Cruzeiro do pazo de Ansariz

A Peroxa

Armental

(São Salvador)

Ansariz

595.791

4.702.177

ETN*

33.596

Igreja de São Salvador de Armental

A Peroxa

Armental

(São Salvador)

Armental

595.989

4.702.942

MON

33.602

Igreja de Santiago de Carracedo

A Peroxa

Carracedo (Santiago)

Carracedo

601.573

4.699.092

MON

33.603

Capela da Virxe do Amparo em Barrás

A Peroxa

Carracedo (Santiago)

Barras

601.197

4.698.704

MON

33.604

Casa reitoral de Carracedo

A Peroxa

Carracedo (Santiago)

Carracedo

601.536

4.699.091

MON

31.669

Igreja de São Vicente de Graíces

A Peroxa

Graíces (São Vicente)

Graíces

599.597

4.697.321

MON

31.673

Igreja de São Martiño de Gueral

A Peroxa

Gueral (São Martiño)

Gueral

596.054

4.699.784

MON

31.674

Casa reitoral de Gueral

A Peroxa

Gueral (São Martiño)

Gueral

596.076

4.699.789

MON

31.677

Igreja de Santa María de Mirallos

A Peroxa

Mirallos (Santa María)

Mirallos

599.273

4.702.892

MON

31.678

Capela da Virxe da Saúde em São Nicolao

A Peroxa

Mirallos (Santa María)

São Nicolao

599.988

4.703.522

MON

31.703

Igreja de São Cristovo do Souto

A Peroxa

O Souto (São Cristovo)

Moreda

601.786

4.704.518

MON

31.704

Casa reitoral de São Cristovo do Souto

A Peroxa

O Souto (São Cristovo)

Moreda

601.815

4.704.535

MON

33.586

Igreja de São Cibrao

A Peroxa

São Cibrao (São Cibrao)

São Cibrao

594.751

4.702.566

MON

31.689

Igreja de São Xes

A Peroxa

São Xes (São Xes)

São Xes

598.577

4.698.326

MON

31.695

Casa reitoral de São Xes

A Peroxa

São Xes (São Xes)

São Xes

598.602

4.698.331

MON

31.821

Igreja de Santiago de Toubes

A Peroxa

Toubes (Santiago)

Abedín

596.571

4.701.748

MON

31.693

Cruzeiro do Souto

A Peroxa

Vilarrubín (São Martiño)

O Souto

597.323

4.699.335

ETN*

31.694

Capela da Casa Grande do Souto

A Peroxa

Vilarrubín (São Martiño)

O Souto

597.306

4.699.309

MON

31.827

Igreja de São Martiño de Vilarrubín

A Peroxa

Vilarrubín (São Martiño)

Vilarrubín

598.177

4.700.312

MON

31.828

Casa reitoral de Vilarrubín

A Peroxa

Vilarrubín (São Martiño)

Vilarrubín

598.132

4.700.278

MON

31.831

Capela da Milagrosa em Cinco Nogueiras

A Peroxa

Vilarrubín (São Martiño)

Cinco Nogueiras

597.854

4.700.274

MON

36.108

Igreja de Santo Antonio da Encomenda

A Pobra de Trives

A Encomenda (Santo Antonio)

A Encomenda

643.698

4.686.433

MON

36.087

Igreja do Santo Cristo da misericordia da Pobra de Trives

A Pobra de Trives

A Pobra de Trives (Santo Cristo da Misericordia)

A Pobra de Trives

644.046

4.689.133

MON

36.078

Igreja de São Xoán de Bairro

A Pobra de Trives

Bairro (São Xoán)

Bairro

644.367

4.690.950

MON

34.370

Igreja de Santiago de Cotarós

A Pobra de Trives

Cotarós (Santiago)

Cotarós

640.730

4.686.410

MON

38.098

Igreja de Santa María de Cova

A Pobra de Trives

Cova (Santa María)

Cova

637.349

4.686.182

MON

38.100

Capela de São Bartolomeu em Cova

A Pobra de Trives

Cova (Santa María)

Cova

638.263

4.686.171

MON

35.337

Igreja da Nossa Senhora da Concepção de Mendoia

A Pobra de Trives

Mendoia (Nossa Senhora da Concepção)

Mendoia

645.831

4.688.212

MON

35.350

Igreja de São Miguel de Navea

A Pobra de Trives

Navea (São Miguel)

A Eirexa

643.941

4.693.252

MON

36.971

Igreja de São Nicolao do Castro

A Pobra de Trives

O Castro (São Nicolao)

O Castro

642.020

4.686.835

MON

35.529

Igreja de Santo Antonio de Pareisás

A Pobra de Trives

Pareisás (Santo Antonio)

Pareisás

639.575

4.687.744

MON

35.530

Capela de São Víctor em Pareisás

A Pobra de Trives

Pareisás (Santo Antonio)

Pareisás

640.152

4.688.270

MON

35.531

Igreja de Santa María de Pena Folenche

A Pobra de Trives

Pena Folenche (Santa María)

Pena Folenche

641.836

4.690.989

MON

35.533

Capela da Encarnação ou da Ordem de Malta na põe-te Navea

A Pobra de Trives

Pena Folenche (Santa María)

A Ponte Navea

640.930

4.689.907

MON

38.095

Igreja de Santo Estevo de Pena Petada

A Pobra de Trives

Pena Petada (Santo Estevo)

Pena Petada

639.789

4.685.369

MON

36.109

Igreja de São Sebastián de Pinheiro

A Pobra de Trives

Pinheiro (São Sebastián)

Pinheiro

644.925

4.689.366

MON

35.542

Igreja de São Lourenzo de Trives

A Pobra de Trives

São Lourenzo de Trives (São Lourenzo)

Mosteiro

641.399

4.687.972

MON

35.545

Igreja de São Mamede de Trives

A Pobra de Trives

São Mamede de Trives (São Mamede)

São Mamede de Trives

641.065

4.688.479

MON

35.546

Casa reitoral de São Mamede de Trives

A Pobra de Trives

São Mamede de Trives (São Mamede)

São Mamede de Trives

641.047

4.688.492

MON

36.094

Igreja e mosteiro de São Salvador de Sobrado de Trives

A Pobra de Trives

Sobrado (São Salvador)

Sobrado

645.197

4.686.421

MON

36.101

Cruzeiro de Sobrado de Trives

A Pobra de Trives

Sobrado (São Salvador)

Sobrado

645.212

4.686.406

ETN*

35.538

Igreja de São Miguel de Somoza

A Pobra de Trives

Somoza (São Miguel)

Somoza

642.153

4.685.558

MON

36.103

Igreja de Santa María de Trives

A Pobra de Trives

Trives (Santa María)

Trives

643.643

4.689.638

MON

36.106

Cruzeiro de Santa María de Trives

A Pobra de Trives

Trives (Santa María)

Trives

643.491

4.689.713

ETN*

37.976

Igreja de Santa María de Vilanova

A Pobra de Trives

Vilanova (Santa María)

Vilanova

642.507

4.688.308

MON

34.371

Igreja de São Pedro de Xunqueira

A Pobra de Trives

Xunqueira (São Pedro)

Sãs de Xunqueira

642.983

4.690.806

MON

28.827

Igreja de São Martiño de Ferreirúa

A Pobra do Brollón

A Ferreirúa (São Martiño)

O Corral

632.361

4.717.349

MON

28.828

Igreja de São Martiño da Ferreirúa

A Pobra do Brollón

A Ferreirúa (São Martiño)

A Barxa

632.368

4.717.351

MON

28.829

Capela de Pacios em Ferreirúa

A Pobra do Brollón

A Ferreirúa (São Martiño)

Marcón

632.591

4.718.133

MON

28.546

Igreja de São Pedro da Pobra do Brollón

A Pobra do Brollón

A Pobra do Brollón (São Pedro)

A Pobra do Brollón

632.072

4.712.920

MON

28.547

Igreja de São Pedro da Pobra do Brollón

A Pobra do Brollón

A Pobra do Brollón (São Pedro)

A Pobra do Brollón

632.072

4.712.917

MON

28.549

Bolso de Santo Antón da Pobra do Brollón

A Pobra do Brollón

A Pobra do Brollón (São Pedro)

A Pobra do Brollón

632.069

4.712.803

ETN*

28.797

Igreja de São Xoán de Abrence

A Pobra do Brollón

Abrence (São Xoán)

A Casanova

632.369

4.708.962

MON

28.792

Igreja de Santa Marinha de Barxa de Lor

A Pobra do Brollón

Barxa de Lor (Santa Marinha)

A Ponte

636.244

4.707.903

MON

28.799

Igreja de São Miguel de Canedo

A Pobra do Brollón

Canedo (São Miguel)

A Eirexe

630.067

4.719.979

MON

28.801

Bolso de Barredo

A Pobra do Brollón

Canedo (São Miguel)

A Eirexe

630.027

4.719.995

ETN*

28.802

Capela de São Xoán em Canedo

A Pobra do Brollón

Canedo (São Miguel)

Tê-lo

630.330

4.720.190

MON

28.803

Cruzeiro do adro de São Miguel de Canedo

A Pobra do Brollón

Canedo (São Miguel)

A Eirexe

630.051

4.719.987

ETN*

28.805

Igreja de Santiago de Castroncelos

A Pobra do Brollón

Castroncelos (Santiago)

Castroncelos

633.130

4.711.614

MON

28.806

Capela de Pinheiros

A Pobra do Brollón

Castroncelos (Santiago)

Pinheiros

632.448

4.711.619

MON

28.813

Igreja de Santa Marinha de Castrosante

A Pobra do Brollón

Castrosante (Santa Marinha)

Castrosante

630.982

4.715.194

MON

28.816

Igreja de São Pedro de Cereixa

A Pobra do Brollón

Cereixa (São Pedro)

A Albariza

629.514

4.712.212

MON

28.817

Capela de Nogueira em Cereixa

A Pobra do Brollón

Cereixa (São Pedro)

Nogueiras

630.519

4.712.349

MON

28.821

Igreja de Santa Comba de Fornelas

A Pobra do Brollón

Eixón (São Xurxo)

A Vila

628.739

4.715.176

MON

28.822

Igreja de São Xurxo de Eixón

A Pobra do Brollón

Eixón (São Xurxo)

A Vila

628.747

4.715.181

MON

28.825

Igreja de São Salvador de Ferreiros

A Pobra do Brollón

Ferreiros (São Salvador)

Cima de Vila

633.172

4.717.018

MON

28.496

Igreja de Santa Comba de Fornelas (Santa Comba). 

A Pobra do Brollón

Fornelas (Santa Comba). 

A Corredoira

627.691

4.713.783

MON

28.498

Igreja de São Pedro de Lamaigrexa

A Pobra do Brollón

Lamaigrexa (São Pedro)

Lamaigrexa

633.712

4.713.229

MON

28.524

Igreja de São Cosme de Liñares (São Cosme)

A Pobra do Brollón

Liñares (São Cosme)

Guariz

631.382

4.706.459

MON

28.526

Capela de Santiorxo em Liñares

A Pobra do Brollón

Liñares (São Cosme)

Santiorxo

632.264

4.706.564

MON

28.530

Igreja de Santa María de Óutara

A Pobra do Brollón

Óutara (Santa María)

Óutara

632.279

4.722.130

MON

28.531

Capela de Ferreirúa

A Pobra do Brollón

Óutara (Santa María)

Óutara

632.311

4.722.127

MON

28.532

Capela de Biduedo em Óutara

A Pobra do Brollón

Óutara (Santa María)

Biduedo

632.902

4.721.385

MON

28.535

Igreja de Santa Einés de Paragem dos Montes

A Pobra do Brollón

Paragem dos Montes (Santa Einés)

Paragem dos Montes

641.775

4.714.883

MON

28.536

Ermida no Carvalhal

A Pobra do Brollón

Paragem dos Montes (Santa Einés)

Paragem dos Montes

641.756

4.714.923

MON

28.537

Ermida em Ferreirúa

A Pobra do Brollón

Paragem dos Montes (Santa Einés)

Paragem dos Montes

641.758

4.714.933

MON

28.538

Ermida em Rio dos Bois

A Pobra do Brollón

Paragem dos Montes (Santa Einés)

Rio de Bois

640.433

4.715.032

MON

28.539

Igreja Santa María de Pinel

A Pobra do Brollón

Pinel (Santa María)

A Eirexa

630.787

4.709.034

MON

28.543

Igreja de Santa María de Piño

A Pobra do Brollón

Piño (Santa María)

O Pacio

628.768

4.717.086

MON

28.544

Capela de Corral da Charneca

A Pobra do Brollón

Piño (Santa María)

Corral da Charneca

628.469

4.716.776

MON

28.556

Igreja de Santa María de Saa

A Pobra do Brollón

Saa (Santa María)

A Pousa

633.316

4.715.589

MON

28.557

Capela de Teixeira em Saa

A Pobra do Brollón

Saa (Santa María)

Covadelas

636.359

4.717.599

MON

28.563

Igreja de São Xoán de Salcedo

A Pobra do Brollón

Salcedo (São Xoán)

Salcedo

636.430

4.711.869

MON

28.552

Igreja de Santalla de Rei (Santalla)

A Pobra do Brollón

Santalla de Rei (Santalla)

A Ribeira

629.777

4.716.568

MON

28.564

Capela de Santa María do Piño

A Pobra do Brollón

Veiga (São Xián)

Colina

630.310

4.717.099

MON

28.565

Igreja de São Xián da Veiga

A Pobra do Brollón

Veiga (São Xián)

O Campo

630.319

4.717.056

MON

27.540

Capela de São Marcos em Acevedo

Portomarín

Bagude (São Bartolomeu)

Acevedo

606.147

4.740.243

MON

27.541

Igreja de São Bartolomeu de Bagude

Portomarín

Bagude (São Bartolomeu)

Bagude

607.761

4.738.572

MON

27.542

Cruzeiro em Bagude

Portomarín

Bagude (São Bartolomeu)

Bagude

607.726

4.738.558

ETN*

27.549

Igreja de São Xulián de Caborrecelle

Portomarín

Caborrecelle (São Xulián)

A Eirexe

609.760

4.743.355

MON

27.561

Igreja de Santa María de Castromaior

Portomarín

Castromaior (Santa María)

Castromaior

605.556

4.742.910

MON

27.562

Igreja de Santa María de Cortapezas

Portomarín

Cortapezas (Santa María)

A Eirexe

611.439

4.741.428

MON

27.564

Igreja de São Lourenzo de Fiz de Rozas

Portomarín

Fiz de Rozas (São Lourenzo)

As Casas Novas

612.365

4.744.977

MON

27.565

Igreja de Santa María de Gonzar

Portomarín

Gonzar (Santa María)

Gonzar

606.582

4.742.252

MON

27.569

Igreja de São Martiño de León

Portomarín

León (São Martiño)

León

612.001

4.743.189

MON

27.571

Igreja de Santa María de Narón

Portomarín

Narón (Santa María)

O Vilar de Abaixo

602.932

4.741.386

MON

27.572

Cruzeiro em Narón

Portomarín

Narón (Santa María)

O Vilar de Abaixo

602.905

4.741.295

ETN*

27.577

Igreja de São Cibrao de Nespereira

Portomarín

Nespereira (São Cibrao)

Nespereira

604.859

4.744.122

MON

27.554

Igreja de São Martiño do Castro de Soengas

Portomarín

O Castro de Soengas (São Martiño)

O Castro

603.925

4.739.302

MON

27.555

Cruzeiro do Castro

Portomarín

O Castro de Soengas (São Martiño)

O Castro

603.757

4.739.287

ETN*

27.617

Igreja de São Pedro de Portomarín

Portomarín

Portomarín (São Nicolao)

Portomarín

613.262

4.740.587

MON

27.622

Cruzeiro de Portomarín

Portomarín

Portomarín (São Nicolao)

O Mulidao

613.202

4.740.249

ETN*

27.628

Igreja de São Pedro de Recelle

Portomarín

Recelle (São Pedro)

A Eirexe

610.192

4.745.054

MON

27.629

Cruz do adro de São Pedro de Recelle

Portomarín

Recelle (São Pedro)

A Eirexe

610.207

4.745.048

ETN*

27.638

Igreja de São Salvador de Sabadelle

Portomarín

Sabadelle (São Salvador)

Sabadelle

611.765

4.737.394

MON

27.639

Capela em Seixón

Portomarín

Sabadelle (São Salvador)

Seixón

610.501

4.738.211

MON

27.547

Igreja de São Mamede de Belaz

Portomarín

São Mamede de Belaz (São Mamede)

São Mamede

609.900

4.739.716

MON

27.634

Igreja de São Mamede do Rio

Portomarín

São Mamede do Rio (São Mamede)

São Mamede do Rio

603.245

4.742.999

MON

27.645

Igreja de Santiago de Soengas

Portomarín

Soengas (Santiago)

Soengas de Abaixo

604.486

4.738.079

MON

27.654

Igreja de São Martiño de Vedro

Portomarín

Vedro (São Martiño)

São Martiño

610.556

4.742.527

MON

27.657

Capela da Casa dos Quiroga em Vilarbasín

Portomarín

Vilarbasín (São Pedro)

Vilarbasín

609.794

4.735.986

MON

27.659

Igreja de São Pedro de Vilarbasín

Portomarín

Vilarbasín (São Pedro)

A Covela

608.907

4.735.973

MON

27.660

Igreja de São Pedro de Vilaxuste

Portomarín

Vilaxuste (São Pedro)

A Eirexe

607.795

4.746.689

MON

26.634

Capela de São Xoán em Casa do Vê-lho

Quiroga

Bustelo de Fisteus (Santa Bárbara)

Casa do Vê-lho

649.699

4.709.610

ARQ

27.339

Igreja de São Miguel de Montefurado

Quiroga

Montefurado (São Miguel)

São Miguel de Montefurado

648.369

4.695.314

MON

27.354

Capela dos Casares

Quiroga

Montefurado (São Miguel)

Os Casares

646.545

4.693.789

MON

27.330

Igreja de São Xoán do Hospital

Quiroga

O Hospital (São Salvador)

Carballedo

644.323

4.703.756

MON

26.664

Igreja de Nossa Senhora das Neves de Nogueira

Ribas de Sil

Nogueira (Nossa Senhora das Neves)

O Barreiro

637.221

4.701.558

MON

26.725

Ermida de São Cidre

Ribas de Sil

Nogueira (Nossa Senhora das Neves)

Castro de Abaixo

635.016

4.701.145

MON

26.730

Capela de São Tirso de Vilariño

Ribas de Sil

Nogueira (Nossa Senhora das Neves)

Vilariño

637.080

4.699.309

MON

26.672

Igreja de São Martiño de Pentes

Ribas de Sil

Pentes (São Martiño)

Pentes

645.672

4.695.499

MON

26.673

Capela de Figueirido

Ribas de Sil

Pentes (São Martiño)

Figueiredo

645.541

4.697.122

MON

26.674

Casa reitoral em Pentes

Ribas de Sil

Pentes (São Martiño)

Pentes

645.650

4.695.521

MON

26.678

Capela de Piñeira de Arriba

Ribas de Sil

Piñeira (São Cristovo)

Piñeira de Arriba

645.403

4.698.676

MON

26.679

Igreja de São Cristovo de Piñeira

Ribas de Sil

Piñeira (São Cristovo)

Piñeira de Arriba

645.881

4.698.656

MON

26.684

Igreja de Santa Luzia de Rairos

Ribas de Sil

Rairos (Santa Luzia)

Rairos

638.037

4.701.956

MON

26.689

Capela de Vilardedonas

Ribas de Sil

Ribas de Sil (São Clodio)

Vilanova

640.849

4.701.326

MON

26.693

Capela de São Pedro em Pousanova

Ribas de Sil

Ribas de Sil (São Clodio)

Pousanova

642.041

4.701.753

MON

26.711

Capela do povoado de Sequeiros

Ribas de Sil

Ribas de Sil (São Clodio)

A Escoleira

643.812

4.701.596

MON

26.718

Igreja de Santiago de Soutordei

Ribas de Sil

Soutordei (Santiago)

Moredo

643.602

4.698.800

MON

40.043

Igreja de São Paio das Cabanas

San Xoán de Río. 

As Cabanas (São Paio)

A Airexa

642.373

4.694.602

MON

40.045

Capela de Santiago do Monte em Cima da Vila

San Xoán de Río. 

Castrelo (Santa María)

Cima de Vila

637.432

4.691.596

MON

40.046

Igreja de Santa María de Castrelo

San Xoán de Río. 

Castrelo (Santa María)

O Pereiro

635.988

4.690.986

MON

40.048

Igreja de Santa María Madanela de Cerdeira

San Xoán de Río. 

Cerdeira (Santa María Madanela)

Cerdeira

638.692

4.689.469

MON

40.050

Igreja de Santa Marinha de Medos

San Xoán de Río. 

Medos (Santa Marinha)

Medos

636.902

4.695.697

MON

40.041

Igreja de São Silvestre de Argas

San Xoán de Río. 

São Silvestre de Argas (São Silvestre)

São Silvestre

637.062

4.693.188

MON

40.051

Igreja de San Xoán de Río. 

San Xoán de Río. 

San Xoán de Río (São Xoán)

O Campo

640.132

4.692.353

MON

40.053

Capela de Santo Antonio de Domecelle

San Xoán de Río. 

San Xoán de Río (São Xoán)

Domecelle

640.486

4.691.645

MON

40.054

Capela de Santiago de Mouruás

San Xoán de Río. 

San Xoán de Río (São Xoán)

Mouruás

640.296

4.690.664

MON

40.055

Capela de São Miguel

San Xoán de Río. 

San Xoán de Río (São Xoán)

São Miguel

641.352

4.693.286

MON

40.056

Igreja de Santa María da O de São Xurxo

San Xoán de Río. 

São Xurxo (Santa María da O)

Pacios de São Xurxo

640.961

4.693.929

MON

40.040

Igreja de São Xoán de Seoane de Argas

San Xoán de Río. 

Seoane de Argas (São Xoán)

Seoane

638.158

4.694.232

MON

28.645

Capela da Casa de Federico em Ourigo

O Saviñao

A Broza (São Tomé)

Ourigo

614.011

4.722.811

MON

28.646

Capela da Nossa Senhora em Rebordondiego

O Saviñao

A Broza (São Tomé)

Rebordondiego

617.799

4.723.951

MON

28.647

Capela de Santa Marinha na Ribeira

O Saviñao

A Broza (São Tomé)

Ribela

614.699

4.722.378

MON

28.648

Capela de Santo Antón na Broza

O Saviñao

A Broza (São Tomé)

Gesto

616.832

4.722.140

MON

28.649

Capela de São Gregorio em Xixiriz

O Saviñao

A Broza (São Tomé)

Xixiriz

616.675

4.725.760

MON

28.651

Igreja de São Tomé da Broza

O Saviñao

A Broza (São Tomé)

A Broza

616.342

4.723.243

MON

28.652

Cruzeiro do adro de São Tomé da Broza

O Saviñao

A Broza (São Tomé)

A Broza

616.361

4.723.256

ETN*

28.700

Igreja de São Fiz da Laxe

O Saviñao

A Laxe (São Fiz)

São Fiz

607.786

4.718.306

MON

28.668

Capela da Casa Grande em Marzán

O Saviñao

Chave (San Sadurniño). 

Marzán

610.470

4.729.036

MON

28.670

Igreja de San Sadurniño de Chave

O Saviñao

Chave (San Sadurniño). 

Chave

610.598

4.727.929

MON

28.672

Cruzeiro de Chave

O Saviñao

Chave (San Sadurniño). 

Chave

610.542

4.727.919

ETN*

28.686

Igreja de São Vicente de Eirexafeita

O Saviñao

Eirexafeita (São Vicente)

São Vicente

611.764

4.723.449

MON

28.696

Igreja de Santa Cecilia de Freán

O Saviñao

Freán (Santa Cecilia)

Freán

607.999

4.716.735

MON

28.703

Capela da Casa de Casadonas

O Saviñao

Licín (Santalla)

A Cavada

611.039

4.714.132

MON

28.704

Igreja de Santalla de Licín

O Saviñao

Licín (Santalla)

Licín

611.678

4.714.861

MON

28.705

Cruzeiro de Santalla

O Saviñao

Licín (Santalla)

Santalla

611.640

4.714.897

ETN*

28.711

Igreja de Santa María de Marrube

O Saviñao

Marrube (Santa María)

Eirexe

610.050

4.716.460

MON

28.712

Cruzeiro de Eirexe

O Saviñao

Marrube (Santa María)

Eirexe

609.983

4.716.501

ETN*

27.934

Igreja de Santa María de Ousende

O Saviñao

Ousende (Santa María)

A Casa do Mazo

617.229

4.718.723

MON

27.942

Capela de São Xoán na Casa do González em Vilamor

O Saviñao

Piñeiró (San Sadurniño). 

Vilamor

608.712

4.719.060

MON

27.944

Igreja de San Sadurniño de Piñeiró

O Saviñao

Piñeiró (San Sadurniño). 

San Sadurniño

610.083

4.719.176

MON

27.945

Necrópole de San Sadurniño de Piñeiró. 

O Saviñao

Piñeiró (San Sadurniño). 

San Sadurniño

610.085

4.719.176

ARQ

27.952

Capela de Santo Antón em Teibel

O Saviñao

Reiriz (Santa María)

Teibel

610.246

4.730.880

MON

27.954

Igreja de Santa María de Reiriz

O Saviñao

Reiriz (Santa María)

A Eirexe

608.704

4.731.335

MON

27.969

Igreja de São Vitoiro de Ribas de Miño

O Saviñao

São Vitoiro de Ribas de Miño (São Vitoiro)

A Abadia

606.117

4.724.380

MON

27.971

Cruzeiro do Santuário de Guadalupe

O Saviñao

São Vitoiro de Ribas de Miño (São Vitoiro)

O Vale

605.000

4.723.928

ETN*

27.979

Capela da Abadia

O Saviñao

São Vitoiro de Ribas de Miño (São Vitoiro)

A Abadia

606.085

4.724.488

MON

27.981

Cruzeiro do adro de São Vitoiro de Ribas de Miño

O Saviñao

São Vitoiro de Ribas de Miño (São Vitoiro)

A Abadia

606.115

4.724.389

ETN*

28.149

Igreja de Santa María de Segán

O Saviñao

Segán (Santa María)

Segán de Arriba

607.094

4.725.696

MON

28.153

Cruzeiro do campo da festa de Seteventos

O Saviñao

Seteventos (Santa María)

Seteventos

613.229

4.716.591

ETN*

28.155

Capela da Imaculada na Orxaínza

O Saviñao

Sobreda (São Xoán)

A Orxaínza

614.347

4.726.799

MON

28.156

Igreja de São Xoán de Sobreda

O Saviñao

Sobreda (São Xoán)

Sobreda

615.239

4.725.088

MON

28.158

Capela da casa reitoral de Vilacaíz

O Saviñao

Vilacaíz (São Xulián)

Vilacaíz

612.106

4.728.718

MON

28.159

Igreja de São Xulián de Vilacaíz. 

O Saviñao

Vilacaíz (São Xulián)

São Xulián

612.509

4.728.319

MON

28.168

Igreja de São Salvador de Vilaesteva

O Saviñao

Vilaesteva (São Salvador)

Vilaesteva

609.642

4.724.510

MON

28.180

Igreja velha de Vilasante

O Saviñao

Vilasante (São Salvador)

Casadela

612.291

4.715.368

MON

28.181

Cruzeiro de Vilasante

O Saviñao

Vilasante (São Salvador)

Casadela

612.238

4.715.370

ETN*

28.183

Igreja velha de Escairón

O Saviñao

Vilasante (São Salvador)

Escairón

611.429

4.715.607

MON

28.189

Igreja de São  Xoán de Vilatán

O Saviñao

Vilatán (São Xoán)

Vilatán

608.656

4.717.884

MON

28.190

Cruzeiro de Vilatán

O Saviñao

Vilatán (São Xoán)

Vilatán

608.677

4.717.883

ETN*

28.194

Capela de Santa Luzia em Pedras

O Saviñao

Vilelos (São Martiño)

Pedras

609.184

4.720.796

MON

28.196

Igreja de São Martiño de Vilelos

O Saviñao

Vilelos (São Martiño)

São Martiño

608.312

4.720.649

MON

28.197

Cruzeiro de São Martiño

O Saviñao

Vilelos (São Martiño)

São Martiño

608.376

4.720.688

ETN*

28.200

Igreja de Santiago de Xuvencos

O Saviñao

Xuvencos (Santiago)

Xuvencos

610.334

4.721.377

MON

28.259

Igreja de São Martiño de Arrojo

Sober

Arrojo (São Martiño)

São Martiño

616.615

4.702.505

MON

28.274

Cruzeiro de Sober

Sober

Arrojo (São Martiño)

Sober

616.319

4.701.939

ETN*

30.407

Igreja de Santa Cruz de Brosmos

Sober

Brosmos (Santa Cruz). 

Casaniño

621.166

4.697.643

MON

30.408

Cruz de Casaniño

Sober

Brosmos (Santa Cruz). 

Casaniño

621.213

4.697.626

ETN*

30.409

Cruz de Sanmil

Sober

Brosmos (Santa Cruz). 

Sanmil

621.907

4.698.453

ETN*

30.411

Igreja de São Pedro de Bulso

Sober

Bulso (São Pedro)

O Campo

620.008

4.697.826

MON

30.413

Cruzeiro do Campo

Sober

Bulso (São Pedro)

O Campo

619.978

4.697.767

ETN*

30.414

Igreja de São Pedro de Canaval

Sober

Canaval (São Pedro)

São Pedro

616.240

4.704.308

MON

30.417

Cruzeiro de Canaval

Sober

Canaval (São Pedro)

São Pedro

616.163

4.704.254

ETN*

30.418

Bolso de ánimas da Põe-te

Sober

Canaval (São Pedro)

Santa Baia

615.506

4.704.291

ETN*

30.450

Igreja de São Salvador de Figueiroá

Sober

Figueiroá (São Salvador)

Suairexa

617.379

4.698.760

MON

30.452

Casa reitoral em Suairexa

Sober

Figueiroá (São Salvador)

Suairexa

617.344

4.698.772

MON

30.460

Igreja de Santiago de Gundivós

Sober

Gundivós (Santiago)

A Airexa

620.049

4.700.423

MON

30.461

Capela de Vilapedre

Sober

Gundivós (Santiago)

Vilapedre

621.158

4.699.434

MON

30.462

Capela de Santa Marinha

Sober

Gundivós (Santiago)

Santa Marinha

619.545

4.700.521

MON

30.463

Capela de Carboeiro

Sober

Gundivós (Santiago)

Carboeiro

621.241

4.699.736

MON

30.469

Cruzeiro da Eirexa

Sober

Gundivós (Santiago)

A Airexa

619.991

4.700.396

ETN*

30.476

Necrópole de Gundivós

Sober

Gundivós (Santiago)

A Airexa

620.057

4.700.433

ARQ

30.477

Igreja de São Martiño de Liñarán

Sober

Liñarán (São Martiño)

A Pousa

618.173

4.700.832

MON

30.479

Capela de Santa Catalina e São Roque

Sober

Liñarán (São Martiño)

A Pousa

618.537

4.700.668

ARQ

30.490

Igreja de São Nicolao de Millán

Sober

Millán (São Nicolao)

Os Ferreiros

615.414

4.701.981

MON

30.491

Capela de Santo André

Sober

Millán (São Nicolao)

As Abelairas

615.018

4.701.353

MON

30.492

Casa reitoral nos Ferreiros

Sober

Millán (São Nicolao)

Os Ferreiros

615.425

4.701.968

MON

30.493

Cruz dos Ferreiros

Sober

Millán (São Nicolao)

O Campo da Vila

615.442

4.702.023

ETN*

30.495

Igreja de São Salvador de Neiras

Sober

Neiras (São Salvador)

Suairexa

619.087

4.703.209

MON

30.496

Capela da Vacariza

Sober

Neiras (São Salvador)

A Vacariza

619.013

4.705.021

MON

30.497

Casa reitoral em Suareixa

Sober

Neiras (São Salvador)

Suairexa

619.058

4.703.190

MON

30.499

Cruz da Suareixa

Sober

Neiras (São Salvador)

Suairexa

619.007

4.703.179

ETN*

30.501

Necrópole das Pedras

Sober

Neiras (São Salvador)

Campo Rairo

617.968

4.705.151

ARQ

30.520

Igreja de Santa María de Proendos

Sober

Proendos (Santa María)

O Campo

616.486

4.700.899

MON

30.521

Capela de Bairro

Sober

Proendos (Santa María)

As Laxas

617.057

4.701.682

MON

30.522

Capela de Mer

Sober

Proendos (Santa María)

Mer

617.308

4.700.095

MON

30.523

Capela de São Xillao

Sober

Proendos (Santa María)

Francos de Proendos

615.835

4.701.070

MON

30.524

Ermida em Castaxúa

Sober

Proendos (Santa María)

Castaxúa

615.361

4.699.912

MON

30.528

Casa reitoral em Proendos

Sober

Proendos (Santa María)

O Campo

616.478

4.700.920

MON

30.539

Necrópole de Proendos

Sober

Proendos (Santa María)

O Campo

616.503

4.700.971

ARQ

30.545

Igreja de Santo Estevo de Refoxo

Sober

Refoxo (Santo Estevo)

A Pousada

617.609

4.702.389

MON

30.609

Igreja de Santa María de Vilaescura

Sober

Vilaescura (Santa María)

Vilaescura

614.059

4.702.840

MON

30.615

Bolso de ánimas de Pena de Miro nos Condes

Sober

Vilaescura (Santa María)

Os Condes

614.349

4.702.732

ETN*

30.616

Cruzeiro de Pena de Miro. 

Sober

Vilaescura (Santa María)

Os Condes

614.349

4.702.731

ETN*

26.356

Igreja de São Mamede da Torre

Taboada

A Torre (São Mamede)

São Mamede

600.932

4.732.985

MON

25.507

Cruzeiro de Santo Estevo

Taboada

Ansar (Santo Estevo)

Santo Estevo

596.572

4.730.275

ETN*

25.508

Igreja de Santo Estevo de Ansar

Taboada

Ansar (Santo Estevo)

O Bouzal

596.649

4.730.411

MON

25.690

Igreja de São Paio de Arxiz

Taboada

Arxiz (São Paio)

São Paio

599.146

4.734.776

MON

25.698

Capela de São Roque

Taboada

Bembibre (São Pedro)

São Roque

601.372

4.730.784

MON

25.699

Capela de Deilás

Taboada

Bembibre (São Pedro)

Deilás

603.236

4.730.631

MON

25.701

Igreja de São Xoán de Bouzoa

Taboada

Bouzoa (São Xoán)

Bouzoa

593.635

4.727.840

MON

25.703

Capela de Balboa

Taboada

Bouzoa (São Xoán)

Bouzoa

593.642

4.727.838

MON

25.704

Sartegos de Campo

Taboada

Campo (São Xián)

Abelairas

600.495

4.727.436

ARQ

25.706

Igreja de São Xián de Campo

Taboada

Campo (São Xián)

Abelairas

600.516

4.727.409

MON

25.707

Cruzeiro do adro de São Xián do Campo

Taboada

Campo (São Xián)

Abelairas

600.501

4.727.430

ETN*

25.708

Casa reitoral de São Xián de Campo

Taboada

Campo (São Xián)

Abelairas

600.541

4.727.398

MON

25.709

Capela de Buín

Taboada

Campo (São Xián)

Buín

601.498

4.727.224

MON

25.715

Cruzeiro com bolso de ánimas em Airexe

Taboada

Castelo (Santa María)

Airexe

602.639

4.727.768

ETN*

25.716

Capela da Casa de Cova

Taboada

Castelo (Santa María)

Cova

603.278

4.728.739

MON

25.723

Capela de Perrelos

Taboada

Castelo (Santa María)

Perrelos

601.833

4.728.313

MON

25.725

Igreja de Santa María de Castelo

Taboada

Castelo (Santa María)

Airexe

602.693

4.727.667

MON

25.734

Igreja de Santa Marinha de Cerdeda

Taboada

Cerdeda (Santa Marinha)

Airexe

595.725

4.728.707

MON

25.735

Capela de Nogueira

Taboada

Cicillón (Santiago)

Nogueira de Asma

599.568

4.724.229

MON

25.736

Capela Casa Fidalgo

Taboada

Cicillón (Santiago)

Vidás

600.470

4.724.511

MON

25.737

Igreja de Santiago de Cicillón

Taboada

Cicillón (Santiago)

Os Ónus

599.600

4.725.426

MON

25.742

Igreja de São Martiño de Couto

Taboada

Couto (São Martiño)

Igreja

599.674

4.731.805

MON

25.743

Capela de Bandomil

Taboada

Couto (São Martiño)

Bandomil

598.828

4.731.663

MON

25.744

Capela do Cruzeiro

Taboada

Couto (São Martiño)

O Cruzeiro

599.669

4.731.873

MON

26.257

Igreja de Santiago de Esperante

Taboada

Esperante (Santiago)

Esperante

596.509

4.725.443

MON

26.259

Cruzeiro do adro de Santiago de Esperante

Taboada

Esperante (Santiago)

Esperante

596.499

4.725.450

ETN*

26.260

Capela de São Roque

Taboada

Esperante (Santiago)

Vila

597.042

4.725.685

MON

26.261

Capela de Espaílde

Taboada

Esperante (Santiago)

Espaílde

598.054

4.724.871

MON

26.262

Cruzeiro do Mosteiro

Taboada

Esperante (Santiago)

Mosteiro

596.676

4.724.832

ETN*

26.263

Igreja de Santiago de Fradé

Taboada

Fradé (Santiago)

Airexe

598.636

4.730.117

MON

26.265

Igreja de São Lourenzo de Gondulfe

Taboada

Gondulfe (São Lourenzo)

São Lourenzo

598.041

4.728.268

MON

26.266

Capela da Cruz

Taboada

Gondulfe (São Lourenzo)

A Cruz

597.321

4.727.754

MON

26.269

Igreja de São Salvador de Insua

Taboada

Insua (São Salvador)

Toiriz

605.122

4.729.543

MON

26.283

Igreja de São Martiño de Mato

Taboada

Mato (São Martiño)

São Martiño

595.012

4.725.942

MON

26.284

Cruzeiro dos Campos

Taboada

Mato (São Martiño)

Campos

594.135

4.726.177

ETN*

26.291

Igreja de Santa Marinha de Meixonfrío

Taboada

Meixonfrío (Santa Marinha)

Meixonfrío

602.516

4.736.583

MON

26.293

Cruzeiro do adro de Santa Marinha de Meixonfrío

Taboada

Meixonfrío (Santa Marinha)

Meixonfrío

602.527

4.736.600

ETN*

26.299

Cruzeiro em Moreda de Arriba

Taboada

Moreda (Santa Marinha)

Moreda de Arriba

599.898

4.729.584

ETN*

26.300

Igreja de Santa Marinha de Moreda

Taboada

Moreda (Santa Marinha)

Moreda de Arriba

599.894

4.729.378

MON

26.302

Igreja de Santa María de Piñeira

Taboada

Piñeira (Santa María)

Mosteiro

598.435

4.726.246

MON

26.274

Igreja de São Xián de Insua

Taboada

São Xián de Ínsua (São Xián)

São Xián

605.848

4.727.945

MON

26.305

Igreja de Santiago de Sobrecedo

Taboada

Sobrecedo (Santiago)

Airexe

602.254

4.724.802

MON

26.308

Igreja de Santa María de Taboada dos Freires

Taboada

Taboada dos Freires (Santa María)

Taboada dos Freires

596.590

4.727.988

MON

26.310

Cruzeiro do adro de Santa María dos Freires

Taboada

Taboada dos Freires (Santa María)

Taboada dos Freires

596.584

4.727.986

ETN*

26.311

Capela de Susa

Taboada

Taboada dos Freires (Santa María)

Amedo

595.589

4.727.412

MON

26.363

Igreja de Santa Marinha de Vilameñe

Taboada

Vilameñe (Santa Marinha)

Fonteboa

601.951

4.732.018

MON

26.367

Capela Vilar de Cavalos

Taboada

Vilar de Cavalos (Santa Eulalia)

Vilar de Cavalos

603.642

4.732.098

MON

26.373

Capela do sítio da Igreja

Taboada

Vilela (São Miguel)

Bispo

601.032

4.725.807

MON

26.374

Igreja de São Miguel de Vilela

Taboada

Vilela (São Miguel)

Bispo

601.154

4.726.052

MON

26.375

Cruzeiro do Fontao

Taboada

Vilela (São Miguel)

O Agro

600.932

4.726.058

ETN*

26.389

Capela de Vilasusa

Taboada

Xián (Santa María)

Mosteiro

607.610

4.732.976

MON

26.391

Igreja de Santa María de Xián

Taboada

Xián (Santa María)

Xián

607.186

4.733.250

MON

26.392

Capela de Figueiras

Taboada

Xián (Santa María)

Xián

607.114

4.733.136

MON

39.437

Igreja de Santa María Boazo

A Teixeira

Boazo (Santa María)

Boazo

626.545

4.692.107

MON

39.438

Via Crucis de Santa María de Boazo

A Teixeira

Boazo (Santa María)

Boazo

626.557

4.692.102

ETN*

39.439

Casa reitoral de Santa María de Boazo

A Teixeira

Boazo (Santa María)

Boazo

626.536

4.692.220

MON

39.555

Igreja de Santa María de Sistín

A Teixeira

Sistín (Santa María)

A Eirexa

624.830

4.688.461

MON

24.016

Igreja de Santa María de Niñodaguia

Xunqueira de

Espadanedo

Niñodaguia (Santa María)

A Eirexa

610.731

4.684.803

MON

24.017

Casa reitoral de Niñodaguia na Eirexa

Xunqueira de

Espadanedo

Niñodaguia (Santa María)

A Eirexa

610.746

4.684.785

MON

24.024

Bolso de ánimas de Paradela

Xunqueira de

Espadanedo

Niñodaguia (Santa María)

Paradela

610.248

4.686.669

ETN*

24.082

Igreja de São Miguel de Ramil

Xunqueira de

Espadanedo

Ramil (São Miguel)

São Miguel

613.500

4.683.954

MON

24.083

Cruzeiro das Jovenzinhas

Xunqueira de

Espadanedo

Ramil (São Miguel)

São Miguel

613.498

4.683.965

ETN*

24.084

Cruz de Tumba

Xunqueira de

Espadanedo

Ramil (São Miguel)

São Miguel

613.505

4.683.968

ETN*

24.135

Cruzeiro de Xunqueira de Espadañedo

Xunqueira de

Espadanedo

Xunqueira de Espadanedo (Santa María)

Xunqueira de Espadanedo

612.954

4.686.030

ETN*

ANEXO IV

Descrição da paisagem cultural da Ribeira Sacra

– O valor da Ribeira Sacra como paisagem cultural evolutiva e viva.

A Ribeira Sacra é um exemplo paradigmático e sobranceiro de paisagem cultural em que se evidência o significado da criação conjunta das pessoas e da natureza. As suas manifestações materiais e inmateriais possuem um valor equivalente ao do seu substrato geográfico natural e evidéncianse da mesma maneira singulares, e assim são reconhecidas pela comunidades que a habitam, pelas pessoas que se achegam a ela de forma temporária ou permanente e pelas que dedicam com os seus estudos e investigações a conhecê-la com maior profundidade.

A Ribeira Sacra é uma paisagem cultural que reúne as características para ser considerada de valor sobranceiro para a identidade do povo galego ao longo do tempo. Mas, ademais, pelo amplo do seu desenvolvimento evolutivo, a riqueza das suas manifestações e o seu estado de conservação, é ademais um exemplo significativo de valor universal que testemunha o intercâmbio de valores que transcenden e interessam a toda a humanidade.

As comunidades actuais convivem com a achega realizada pelos seus devanceiros, desde a pegada prehistórica em assentamentos, necrópoles e gravados idealizados sobre a pedra; a exploração dos recursos minerais; o ascetismo, a contemplação e a vida natural dos eremitas e monges; o assentamento e asimilación de crenças religiosas e espirituais através dos mais formosos e complexos monumentos; o cultivo intensivo de peadas pendentes para completar a economia familiar e a da própria estrutura da comunidade; e mesmo a exploração do potencial hídrico para a produção de energia imprescindível para o sostemento dos standard de confort da vida actual.

Todo o território está cheio de pegadas que são um sistema de referências e de contacto com a espiritualidade da paisagem.

Os túmulos, os gravados rupestres, os castros e as rochas e penhascos conformam um primeiro sistema de referências que se completa com uma complexa rede de caminhos e passos de barca, num conjunto xerarquizado que une com os diferentes e afastados centros de poder e decisão, e os centos de lugares que, em algum momento também perdido na memória, ocuparam pessoas de santidade.

A interpretação mística e sagrada desta paisagem permanece viva, presente a cada metro do terreno, nas gentes que são herdeiras de centos de milhares de pequenos prédios que seguem a usar e ser o seu sustento, e que fã viável a sua vida em comunidade, porque de alguma forma as peadas ribeiras e os lugares santos seguem a causar uma mesma emoção que supera a sua impronta estética e remete à memória secular que todos partilham. Porque não todos os lugares são iguais e alguns remetem a uma memória que se partilha, criada sobre essa espiritualidade e a própria dor da perda. Essa sensação que ao longo da história, por causa do exercício de um poder superior, afastado e desconhecido, as pessoas sofreram, para dar-lhe forma às pendentes e para tirar delas um produto. Como a dor de ver, mais recentemente, desaparecer baixo das águas as casas e os lugares da memória: pesqueiras, pontes, casas, caminhos e passos, em favor da produção de uma energia que é a que faz mover o mundo numa velocidade e num sentido que parece não ser o próprio do lugar.

As pessoas da Ribeira Sacra souberam adaptar-se e conservar não só os seus monumentos, que foram deslocados para a sua salvaguardar como medida pioneira na protecção do património, senão também todo o conjunto das suas vidas, desde os fundos dos vales asolagados às mesmas ladeiras.

As terrazas, muitas delas abandonadas como consequência das mudanças sociais e económicas de escala mundial, cobraram um novo sentido e mostraram-se de volta como uma oportunidade única para a vinda e a manutenção da sua relação com o território e os seus valores essenciais.

Uma imagem icónica que é recoñecible de imediato: da alta pendente do canhão, amurada, na que medra a vinde e o castiñeiro, com a água, agora alta e calma, antes vizosa e escorregadiça, permanente ao longo de toda a história da comunidade, presente às suas lembranças e também nas suas vivências actuais, e que pode compreender-se desde o alto e o miradouro como um formoso panorama, mas também em cada uma das adegas, dos degraus das escalas, dos esgrafados ou dos capiteis lavrados.

A Ribeira Sacra supõe a oportunidade para um sistema sustentável e viável da exploração tradicional dos recursos naturais, de forma que existe uma identificação entre a pessoa e o seu trabalho, que permite a apropriação do recurso com o a respeito da suas características e à sua autenticidade, mesmo sendo quem de incorporar e valorar a existência de grandes transformações, como supõe o encoramento da água e a perda dos valiosos prédios mais baixos do vale. E supõe uma oportunidade porque os seus valores são excepcionais e mostram-se na magnificencia do seu trabalho arquitectónico e artístico, na presencia ao longo do tempo prolongado e precoz de uma vida espiritual complexa e um sistema agrícola que é um repto para a geografia e o esforço humano, mas segue a ser a forma mais razoável e sustentável.

Em nenhum outro lugar como na Ribeira Sacra estas definições podem encontrar uma melhor materialização e uma manifestação tão singular, deslumbrante e meritoria do esforço de uma comunidade ao longo do tempo no mesmo espaço, desde a prehistoria à actualidade, por adaptar um território único, com as suas extremas dificuldades e com as suas magníficas oportunidades, aos múltiplos acontecimentos: ao devir complexo da história; ao poder e à convivência doméstica; à economia de um império e à de um pequeno lugar e à cavadura de uns centos de metros; aos reptos e abismos das relações e adaptações culturais; à energia de um pequeno artefacto e à energia de todo um país da qual depende o seu confort e o seu modo de vida básico.

A Ribeira Sacra é o resultado de milleiros de anos de adaptação paciente e resiliencia activa de gerações de mulheres e homens a um território singular, que hogano são a melhor evidência de uma adaptação senlleira recoñecible nas suas formas, nas suas construções e nos seus produtos. A delimitação mais evidente da Ribeira Sacra é a das características próprias da natureza da sua geografia, vales de bocarribeira que caem com vertigem em exaxeradas pendentes impossíveis quando superam o 100 %, as mais elevadas de todos os vales cultivados, condições extremas que convertem em heroicidade o trabalho. Trabalho, por outra parte, criado com o próprio material que os fundos canhões do Sil, do Miño, do Búbal, do Cabe, do Mau, do Lor, do Bibei e de outros muitos oferecem, a pequena pedra, de grão ou de xisto, a cachotaría ou a lousa, assim como a própria terra enriquecida com os restos vegetais e animais para oferecer umas condições óptimas para uma exploração exigua, um produto que é o reflexo do lugar em que se acredite.

Na perspectiva actual existem muitos exemplos construídos que são magníficas amostras de valor artístico e histórico, como as robustas cabeceiras e portadas románicas repartidas por todo o território, como o delicado trabalho de excelência na arquitectura de Santo Estevo de Ribas de Sil ou nas pinturas murais como as de Nogueira de Miño e muitas outras, a engenharia romana da ponte do Bibei ou da engenharia do ferrocarril nos Peares, a abóbada da barragem de Belesar ou a boca do túnel de Montefurado, enxeños e façanhas técnicas que no seu momento foram concebidas como os produtos mais avançados tecnologicamente e complexos do seu tempo.

Mas por riba de todos estes elementos singulares, e mesmo por riba da sua excepcional densidade, nada resulta mais impressionante e magnífico que o grande lenço das abas muradas, a construção miúda, pausada e ininterrompida, das muras das ladeiras, das suas adegas, dos seus degraus voados, e da própria terra e a própria pedra, que tudo o envolvem e que persistem imperturbables mesmo quando são abandonadas e cobertas pela vegetação, aguardando o melhor momento para serem postas de novo em serviço. O território desta paisagem cultural tem o seu celme nos canhões do Sil e o Miño, um território do curso médio de profundos vales e peadas abas, abruptas e pétreas, disuasorias para o visitante ocasional ou oportunista, mas férteis e protegidas por uma climatoloxía estável e apropriada para o cultivo de quem esteja disposto a consagrar a sua vida ao trabalho.

Os seus limites geográficos são também limites históricos, enquadrados por fitos excepcionais. Ao lês-te pelo Bibei e Montefurado, onde foi intensa a actividade de exploração aurífera nos primeiros séculos do primeiro milénio e onde se consagrou no século V o altar hoje conhecido como Crismón da Ermida de Quiroga, peça excepcional e única no mundo, com uma mensagem universal também gravada no seu bordo: «O ouro é vil para ti, as riquezas de prata abatem-se. Mais é o que reloces pela tua própria felicidade». Limite que supõe também a entrada dos primeiros eremitas que encontram nas povoações rurais e disseminadas destes lugares um terreno fértil, acostumados à vida em comuñón com a natureza predicada pelo priscilianismo, e a variante para Santiago pelo Caminho de Inverno, quando os passos do Cebreiro permaneciam inacessíveis.

Pelo oeste o complexo de Temes, em Carballedo, em que se localiza o primeiro documento escrito da cristianização deste território, com a inscrição pétrea em latín das suas virtudes teologais: fé, esperança e caridade, junto com um frontal marmóreo de procedência romana do século IV, que detalha várias imagens de animadas cenas da Biblia: os Reis Magos, Adán e Eva e Xonás e a baleia.

Ao sul, limitado pelos mosteiros e terras de São Pedro de Rocas (fundado no século VI), nos terrenos ocupados pelo reino suevo, Montederramo (origem da denominação) e Xunqueira de Espadanedo.

Pólo norte limitaria com Portomarín e o Caminho de Santiago francês, os canhões do rio Miño limitados pelas terras do rio Asma pelo oeste, e pelas terras de Pesqueiras e Diomondi pelo lês-te.

O Miño e o Sil, ao tempo de dividir as duas províncias de Lugo e Ourense, também estabelecem os limites entre os pelos urbanos dos conjuntos históricos de Monforte de Lemos, ao norte, e Castro Caldelas, ao sul; as terras de Lemos e de Caldelas são as jurisdições civis tradicionais da Ribeira Sacra. Na actualidade, estes limites vêem-se reforçados pelo próprio aproveitamento energético das águas dos rios, com a barragem de Belesar como o limite norte no Miño, e o dos Peares como o limite sudoeste.

Todas as riquezas, o ouro extraído da terra, a salvação da alma construída nos eremitorios primeiro e nos mosteiros depois, ou a electricidade que ilumina os fogares, são alimentadas com a água dos rios. O vinho e a castanha, como a cereixa, o cereal e a carne também. Mas tudo isso não seria nada sem o enxeño e o trabalho das pessoas, transmitido de forma militante durante gerações e vivo ainda, ameaçados pelas mudanças nos paradigmas da sobrevivência num mundo continuamente em mudança. O ensino do tempo é que a Ribeira Sacra saberá permanecer, teimuda, encontrando um lugar no mundo com a base da sua pedra, da sua água e do trabalho das suas gentes.

Como parte desse trabalho é preciso o reconhecimento geral destes valores e das suas especiais características, de tal forma que os meios da Administração também sejam postos à disposição da sua conservação e transmissão para o futuro.

– As características físicas do espaço natural.

Desde um ponto de vista morfológico os canhões do Sil e do Miño apresentam umas singularidades cuantitativas que identificam um território de grandes contrastes e de magnitudes extremas. A primeira delas é a fenda profunda que supõem os rios na rocha granítica e metamórfica, com diferentes consequências, ao longo de um extenso período de tempo, desde o Terciario até a actualidade.

A segunda é a forte pendente dos seus vales, que em inclinações médias superiores a 30 º (60 %); em muitas zonas superam os 80º (pendente muito superior ao 100 %) até os 88º e mesmo paredes verticais, com alturas de ladeira de uns 500 m. Estas ladeiras rematam contra zonas planícies com pendentes inferiores ao 16º e conformam a fértil paisagem da bocarribeira.

Em termos geológicos estas características remetem a tempos da oroxenia Herciniana, que fragmentou o território galego em blocos e os deslocou, enquanto que as fracturas que determinam a expansão atlântica e a separação das placas continentais durante o Xurásico ou Cretácico têm como consequência o afundimento dos supracitados blocos.

As subsequente dinâmicas das placas determinam o afundimento e levantamento alternativo dos supracitados blocos, enquanto que os cursos fluviais tendem a acoplar-se de forma traumática nos blocos erguidos com tal intensidade que não pode ser explicada só como resultado nem das variações dos seus caudais nem das condições climáticas em geral, senão que deve ser o resultado da combinação dos movimentos lentos das placas com a persistencia da rede fluvial sem grandes deviações de traçado.

Deste modo justificam-se estes profundos vales acoplados rodeados de planícies e depressões alheias aos seus traçados. Um isolamento e uma configuração autónoma que procedem das eras de formação geológica.

Tanto no Sil coma no Miño se observa uma divisão entre paisagens graníticas e metamórficas, graníticas na parte ocidental do Sil e norte do Miño e metamórficas na oriental do Sil e sul do Miño, entre Belesar e Os Peares. O substrato rochoso gera diferentes manifestações apreciables, em ocasiões verdadeiras colecções de pedra nua rodeada de pequenas fendas intensamente vegetadas, de um alto valor ecológico e estético.

Estas condições especiais dos profundos vales de ribeira supõem também a concreção de umas condições climáticas específicas e diferenciadas, com temperaturas superiores aos 20º no Verão, e 8º no Inverno, inclusive mais extremas, com mínimas de -5º e máximas superiores aos 40º. As precipitações anuais são também escassas, por volta dos 600 mm, e com fases de escassez hídrica.

A flora, portanto, adapta-se e favorece as espécies de aspecto mediterrâneo, em que de forma natural, abundan o rebolo, a azinheira e o sobreiro, os medronheiros, os tojos, as uces e os piornos. Nas beiras dos rios, os salgueiros e chopos. Entre a vegetação introduzida, destacam principalmente o castiñeiro e as vindes.

Em princípio, as elevadas pendentes parecem pouco favoráveis para desenvolver uma actividade agrogandeira sustentável, mas um comprido processo de adaptação e transformação reforçado pelas características específicas destes terrenos com respeito aos do seu redor serviu para potenciar a sua singularidade. Entre estas condições vantaxosas estão a exposição a mais uma eficaz orientação ao sol e a disponibilidade natural para criar um solo artificial, com a modificação da sua superfície natural, misturando a camada superficial alterada com o recurso ilimitado de tojos, uces e esterco animal, distribuída em socalcos que empregam a mesma pedra em pequenas terrazas horizontais de quase não umas dezenas de centímetros, o que acredite o substrato ideal para desenvolver uma agricultura de vindes e oliveiras também favoráveis às condições climáticas. Os assentamentos e habitações também usam os mesmos recursos, já que elegem num terreno acidentado aqueles lugares mais propícios, seja próximos ao fundo do vale ou nas ladeiras em função da possibilidade das pendentes e da orientação. Estas diferenças na exposição ao sol implicam uma diferença e contraste, em ocasiões, entre as duas margens do rio, com uma zona exposta extensa e intensamente humanizada e outras sombrias em que abundan as árvores mestas e vegetação.

– O topónimo.

A Ribeira Sacra é um topónimo reconhecido que parece representar os seus dois caracteres mais singulares, o do próprio acidente geográfico da ribeira, que é a parte dos terrenos de vale mais próximos ao rio, neste caso hipertrofiados na sua pendente e dimensão, e o de ser um amplo espaço consagrado à vida espiritual. Em vista da localização nos canhões formados pelas ribeiras dos dois grandes rios da Galiza, o Miño e o Sil, e do amplo e magnífico conjunto de monumentos e vestígios consagrados, o topónimo parece reafirmar-se.

Mas, no âmbito documentário, esta comarca deve o seu nome a um lugar muito concreto denominado Rouoyra Sacrata, termo que foi empregue num documento datado o 21 de agosto de 1124 por Tareixa de Portugal, rainha desde o Oceano até o rio Raspalloso (habitualmente referido como o Bibei), filha de Afonso VI e mãe de Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal, numa dotação ou declaração ao mosteiro de São Xoán o Lhe o Vê num lugar de monte do Ramo. Neste documento, que se tem julgado como uma falsificação (histórica), emprega-se uma série de referências toponímicas e localizações verdadeiras, com um intuito de justificação de direitos posesorios sobre um couto relativamente exiguo mas rico.

O termo Rouoyra etimologicamente faria referência a «roboira» antes que a «ribeira», posto que derivaria de robur , «carvalho», e não de ripa , «ribeira». Portanto, descreveria um carvalhal sagrado, uma floresta simbólica, que no século XII se encontraria nas terras de Caldelas, um lugar associado a ritos míticos relacionados com o mundo atlântico.

Ainda que a sua localização é desconhecida na actualidade, parece provável a sua situação no âmbito da freguesia de Seoane Vê-lho, em Montederramo.

As referências deste documento espurio resultam, portanto, autênticas e esclarecedoras do carácter sacro de um território e da antigüidade de um sistema de controlo e gestão do território baseado em doações e direitos sustentados em comunidades cenobíticas activas na zona desde tempos muito primitivos e em número muito abundante. Outros documentos, inscrições lapidarias, necrópoles, elementos parciais incorporados a novas arquitecturas, são provas da veracidade do contexto.

A identificação da «reboira» com a «ribeira» obedece à interpretação que fixo Frei Antonio de Yepes na Crónica General de la orden de São Benito, quando transcribe Rouoyra Sacrata por Ribera Sagrada (em castelhano), topónimo que definia um território sagrado pela alta concentração de mosteiros e eremitorios que havia nas margens do Miño e do Sil e que, desde primeiros anos do século XVII, encontra fortuna na sua difusão. Ribeira Sacra impôs pela força da sua precisão ao se identificar com esses vales acoplados com fortes pendentes em que se distribuem as milenarias fundações monásticas e se cultiva a vinde em socalcos ou muras, ao modo de uma nova Tebaida cristã nos confíns de ocidente.

Poucos lugares como a Ribeira Sacra no mundo, uma comarca sem um limite administrativo, sem uma jurisdição comum, sem uma nobreza dirigente concreta, têm assumido uma personalidade única tão marcada e tão homoxénea derivada das características próprias da sua natureza física, da sua biologia e das suas comunidades e que, se bem que pôde ser consciente de forma generalizada em tempo recente, já a sua gente advertira e compreendera as suas características próprias e diferenciadas.

O uso histórico pelos especialistas, primeiro, e pela generalidade das pessoas, depois, do termo Ribeira Sacra desde os primeiros anos do XVII é a resposta a uma realidade que já fazia parte do território, como mostra a pluralidade de topónimos que os habitantes destas terras empregaram para referir-se a lugares cujos restos físicos só permaneciam na geografia da sua memória. Como indica Juan Carlos Rivas em Monasterios prerrománicos ourensãos no Catálogo da exposição Ribeira Sacra, esencia da espiritualidade da Galiza, celebrada em 2004: «la adopção dessa feliz y apropiadísima denominação de Ribeira Sagrada há hecho ya arrolladora e inapelável fortuna aplicada a estas fascinantes y espectaculares tierras dele curso final dele rio Sil y dele central dele Miño. Huelga pues toda discussão estéril. Además, no vamos a ir contra corriente de lo que la história, la fé y ele sacrifício de unos abnegados creyentes hão confirmado a lo largo de muchos siglos como uma hermosa e incuestionable realidad».

– A ocupação histórica do território.

A Ribeira Sacra é um território que apresenta uma ocupação humana documentada desde o Paleolítico Inferior, porque sempre foi uma zona estratégica de trânsito que aproveitava a rede fluvial do Miño e o Sil com os seus afluentes. As recentes sondagens arqueológicas no xacemento paleolítico de Pedras, freguesia de Vilelos, na câmara municipal do Saviñao, demonstram que a depressão de Monforte de Lemos é uma área única no Paleolítico do NW peninsular com ocupações desde o Plistoceno médio até momentos próximos ao Holoceno.

Mas foi no Neolítico quando estes povos começaram a intervir na paisagem, modificando as suas formas e deixando a sua pegada. Deste período conhecemos restos importantes tanto na província de Lugo como na de Ourense. Em terras lucenses são de salientar os túmulos conservados em terras do Saviñao, Pantón, A Pobra do Brollón ou Sober, enquanto que em terras ourensãs destacam os xacementos das câmaras municipais de Castro Caldelas, Nogueira de Ramuín e Parada de Sil.

Entre o final do megalitismo e o começo da Idade dos Metais, no III-II milénio a. C., as comunidades que ocupavam os vales do Miño e do Sil introduziram um elemento mais que mudou a sua paisagem, ao transformar as rochas que coroavam as colinas em santuários e lugares de peregrinação dotados de um carácter mágico, onde essas rochas se convertiam em altares e lugares de culto.

Assim, do mesmo modo que ocorrera com as mámoas, os petróglifos situavam-se em lugares estratégicos dentro do território, talvez marcando as zonas de caça, os lugares de passagem, as comunidades que os habitavam ou as suas crenças, usos e ritos, mas, em todo o caso, em lugares estratégicos em que é possível dominar amplas perspectivas do território, numa forma mais de relacionar-se com ele e com o seu conceito da natureza e do universo. Ainda que nestes momentos o conhecimento dos petróglifos na zona é parcial, pode confirmar-se a sua relevo como manifestação de uma inquietação cultural relacionada com o conhecimento do meio. De especial interesse pela complexidade dos seus motivos e pela componente estética dos seus jogos de formas e agrupamentos são os petróglifos de Cima da Costa (Vilar de Ortelle-Pantón), Regueiro/Tampado do Monte (Anllo, Sober), Pena da Giesta (Proendos, Sober), ou o petróglifo exento de Atán (Pantón). Também existem testemunhos da Idade do Bronze, achados importantes como espadas, pontas de atira e colgantes, como os de Forcas, Mouruás e Ribas de Sil, que apareceram associados ao leito do rio ou em cova, o que é também amostra da relação com o meio simbolizada nos instrumentos do poder.

Durante a Idade do Ferro as povoações abandonam as terras baixas, próximas aos rios, e colonizan as zonas altas, onde construirão os seus povoados fortificados, que conhecemos com o nome de castros. Trata-se em geral de recintos fortificados, com várias linhas de defesa, de terra, pedra e provavelmente estacadas, localizados na cimeira das colinas, em posições estratégicas tanto de controlo territorial como das rotas de passagem, mas sempre dominando o rio.

Exemplos sobranceiros desta tipoloxía são o castro de Marce (Pantón), Vilacaíz e Abuíme (O Saviñao) ou os de Arxeriz (O Saviñao), e São Lourenzo (A Cereixa-A Pobra do Brollón), os únicos escavados na Ribeira Sacra.

A pegada deste tipo de assentamentos, que mostra a presença na geografia da memória das gentes que habitam o território, está também na prolífica toponímia relacionada com o castro, como Castro Caldelas, O Castro de Ferreira, Castro de Abuíme, Castro da Torre (Freán), Castro de Illón (Licín), Castro da Portela (Diomondi), Castro de Mourelos, Castro da Besta (Vilelos) ou Penhascos do Castro (Luíntra), e mesmo muitos outros topónimos e microtopónimos.

Os rios cumpriam uma função essencial para as vias de comunicação, e resulta evidente a importância de um sistema de relações entre zonas e territórios diferentes, pelo que, num contexto de tensões relacionadas com a posse e comércio dos recursos, os assentamentos fortificados, aproveitando as escarpadas ladeiras dos montes, destas comunidades confería uma grande vantagem estratégica.

A cultura destas comunidades que empregavam a tipoloxía castrexa para a sua residência e defesa deixou uma funda pegada neste território. Em muitos casos, estes castros colonizaron espaços simbólicos anteriores das culturas do Calcolítico ou do Megalitismo. No contínuo processo de asimilación e transformação da paisagem, os castros conformam uma nova achega à fisionomía do território e à compreensão da sua estrutura e da forma das actividades e relações entre as diferentes comunidades.

Estes assentamentos, que começaram a levantar-se a partir do século VIII a. C., tiveram uma comprida ocupação, porque foram romanizados e, em geral, continuaram ocupando até o século V ou VI da nossa era, e mesmo até mais tarde, quando em tempos convulsos, ante a ameaça externa, as gentes da Ribeira abandonavam provisionalmente os seus novos assentamentos e povoados das terras baixas para refugiar-se nestas acrópoles, para proteger os seus bens, ou como referência para compreender o seu território.

No que respeita à sua tipoloxía, estes apresentam planta de forma oval, circular ou bem elíptica, e o seu sistema defensivo conforma-se a base de fossos e muralhas. São elementos que podemos apreciar na configuração topográfica porque fazem parte da realidade paisagística ou bem porque foram a base de núcleos urbanos actuais, como é o caso de Monforte ou de Castro Caldelas. A maior parte deles mantiveram a sua ocupação e transformaram durante a época galaico-romana, porque a presença do Império neste território, rico em metais preciosos, levou a um processo de romanização intenso, mas na sua crise e paulatina retirada, os castros continuaram a ser de utilidade em tempos da insegurança derivada das lutas de poder por parte de múltiplos grupos locais, e voltaram ser ocupados na Alta Idade Média, o que está sendo demonstrado pelas múltiplas investigações recentes que contrarian o critério habitual baseado no seu total abandono.

Uma vez concluídas as Guerras Cántabras, inicia-se a romanização do território e a exploração dos seus recursos. A minaria foi um dos mais intensamente explorados e que deixou uma meirande pegada no território, com enormes transformações, algumas delas baseadas nos trabalhos tecnológicos mais precisos e avançados para a época. A exploração foi intensa no rio Sil, no sistema que como nas Médulas, no Bierzo, empregaram o sistema de ruina montium, em especial em Montefurado e na Covela (Torbeo), por mencionar dois exemplos dos mais assinalados, mas são abundantes as amostras de perfis modificados por estas actividades. Junto a estes xacementos auríferos primários existem também outros secundários, procedentes da sua erosão, geralmente surgidos pelo arraste das correntes dos diversos rios e depositados nas suas terrazas ao longo de milhões de anos, e dos cales o rio Sil é um dos más fecundos e famosos, que possui amplos trechos com pequenas concentrações de ouro exploradas a pequena escala e de maneira artesanal, nas quais eram habituais os trabalhos das aureanas e oureiros, que trabalhavam quando o nível deste rio baixava consideravelmente. Um dos lugares mais singulares deste tipo de exploração está também em Montefurado, onde em tempo da ocupação romana foi perforada a montanha com a finalidade de desviar o canal do rio Sil e assim lavar as areias depositadas no grande meandro que descreve nesta zona.

Se bem que é evidente que a exploração mineira do Império Romano foi intensa, não existem provas tão firmes de que os cultivos generalizados do vinho tivessem origem romana na Ribeira Sacra.

Dadas as características genéticas das cepas galegas, parece que existe uma grande variedade e componente arcaica na sua natureza que pode levar a afirmar que a dominação romana favoreceu a enxertía e cultivo da vinde e, a partir de um momento de desenvolvimento, a produção de vinhos.

Ainda que não existem evidências que permitam assegurar a transformação das peadas ladeiras em socalcos produtivos em época romana, sim é possível reconstruír a biografia das espécies mais abundantes ao longo da sua história, o castiñeiro e a vinde, até esse momento.

As vias romanas construídas para o controlo do território e para o transporte dos recursos contribuíram também de forma decisiva à configuração da paisagem. A via mais importante foi a Via Nova, que comunicava Bracara Augusta com Asturica Augusta e que, desde Ourense, cruza o vale de Maceda, o alto do Rodicio e chega a São Xoán de Camba e Castro Caldelas. A partir desta arteria principal saíam as que comunicavam com Chantada e Lugo, através de Temes, ou com Monforte.

A verdadeira magnitude da concepção de um território singular começa a partir da época romana tardia, da qual permanecem espléndidos vestígios arqueológicos em Proendos, Castillóns, Temes, Atán, São Xoán de Camba, Rocas, Montefurado e Licín, e ainda de forma mais relevante na Alta Idade Média, que será quando o território tome consciência da sua personalidade como a autêntica Tebaida da antiga Gallaecia romano-visigótica. Na configuração da paisagem da Ribeira Sacra um elemento essencial foi a presença dos primeiros cristãos, que provavelmente chegaram e se instalaram nas proximidades dos castros habitados e nos assentamentos mais ou menos estáveis do exército romano que se deslocou à Gallaecia para controlar as explorações mineiras, já que nos primeiros momentos é um culto governamental associado à vida urbana, que teve dificultai para penetrar nos paganus (camponeses).

Dessas datas iniciais são os restos do sartego de Temes, que se encontra sobre o arco triunfal do presbiterio da igreja de Santa María de Temes, que está muito próxima à confluencia do Sil e do Miño e de uma via romana secundária. Esta peça procede de obradoiros italianos, está feita em mármore branco, representa o tema da Epifanía, e é uma testemunha da importância que desde as suas origens teve esta religião no interior da Galiza. A maiores, contamos com outra peça sobranceira, como é o Crismón da Ermida de Quiroga, localizado também nas ribeiras do Sil, e que é uma obra de referência ineludible na inicial cristianização do território e na conformación da sua identidade como espaço espiritual. Poucos outros exemplos decorativos existem em todo o âmbito da romanização galaica mais intensa ligada às explorações auríferas e ao controlo do território através das vias e calçadas, entre os quais é preciso destacar na Ribeira Sacra o relevo em mármore provavelmente local na fábrica da igreja de Santaia de Licín, no Saviñao, e que refere me as for decorativas e significativas culturalmente romanas: uma xerra da qual surgem motivos vegetais com uma flor central, relacionada com cultos à feminidade ou à morte.

Mas, ademais destas evidências materiais e que são em sim peças valiosas pelo seu interesse artístico e histórico, existem referências à importância deste vasto território como um lugar de oração, de retiro, de meditación e de penitência desde os primeiros tempos do cristianismo, quando as primeiras comunidades de anacoretas se instalaram numa ampla zona que engloba os territórios do Bierzo e da Ribeira Sacra, por volta do Sil, em que estes cristãos renunciavam às riquezas e viviam na pobreza dedicados à oração e à glória de Deus, rodeados de uma natureza inalcanzable e monumental face à debilidade do homem. No extremo mais ocidental do antigo Império Romano nasce, sobre as bases de um priscilianismo estendido entre as comunidades rurais e dispersas, no remate do século IV, uma nova Tebaida que, como a sua referência egípcia, se converteu num deserto para a meditación e o sacrifício consagrado a uma vida encaminhada a merecer a riqueza espiritual depois da morte.

Em parte, a relevo e a singularidade deste espaço, na sua vertente berciana, já foi reconhecida mediante o Decreto 1244/1969 (BOE de 24 de junho) pelo que se declarava lugar pintoresco o telefonema Tebaida Leonesa e, portanto, desfruta na actualidade da consideração de bem de interesse cultural, reconhecimento que, em justa medida e com base em semelhantes argumentos históricos, também é extensible à Ribeira Sacra, já que nesse momento da história partilhavam uma certa identidade.

Da evidência e da importância que este movimento anacoreta teve na Igreja ocidental ficaram algumas pegadas sobranceiras, como pode ser a da monja Exeria, peregrina que diversos autores vinculam com o próprio Prisciliano, e que, procedente da Gallaecia interior, viajou entre 381-384 a Constantinopla, Ásia Menor, Palestiniana, Sinaí, Egipto, Arabia e Síria e recolheu todas as suas experiências para logo lhe as transmitir à sua comunidade, e que se enquadra nessa vida de renúncia e de ascetismo rigoroso que defendiam os priscilianistas.

O papel de Exeria somente pode perceber neste contexto em que a mulher pode participar da vida de igreja quase em relação de igualdade com o homem e no que se reconhece a sua achega, papel que não havia ser assumido pela posterior ortodoxia. O priscilianismo incorpora elementos da espiritualidade pagá ou precristiá que defendiam o animismo ou as romarías em lugares onde a natureza podia identificar com as cenas do paraíso, limpo de todo pecado. Essas crenças, que buscavam o bem absoluto através da natureza como caminho de chegar a identificar-se com a própria divindade, encontraram na Ribeira Sacra um espaço ideal de ocupação.

O priscilianismo segue uma interpretação rigorista do cristianismo, onde a ascese cobra especial importância e o bem se encarna no espírito enquanto o mal se vincula com o material, daí a procura do bem através da ascese e da mística. No conceito panteísta da vida, a divindade reside em todos os seres criados. O priscilianismo concebeu comunidades de anacoretas dúplices, onde homens e mulheres levavam uma vida de renúncia e penitência, livre e independente de regras e convenções da ortodoxia dos primeiros bispos. Consideravam importante nas suas práticas religiosas a música e a dança, comportamentos muito censurados pela Igreja de Roma e mais próximos às práticas, ritos e cerimónias das comunidades rurais da Ribeira. As ideias do priscilianismo foram condenadas no Concilio de Caesaraugusta no 380 e Prisciliano foi condenado pelo papa Dámaso, junto a alguns dos seus discípulos, em Tréveris em 385, mas a pegada que as teses priscilianistas deixaram nesta região da Gallaecia foi muito profunda. A defesa de uma vida ascética, rigorista, organizada em torno de comunidades, é um anúncio da vida monacal, assim como a aposta papel da mulher nessas primeiras comunidades, em que podia participar na leitura de Biblia, foi uma questão problemática para a ortodoxia e por isso acabou em herexía. Mas na Gallaecia, essas comunidades de primeiros cristãos tiveram o seu desenvolvimento e buscaram o seu lugar em paisagens inhóspitas, longe das principais vilas e cidades, como eram os vales do Miño e do Sil, e ali permaneceram. De facto, no I Concilio de Braga, que se celebrou no ano 561, São Martiño de Dumio condenou explicitamente desde um ponto de vista doutrinal e moral o priscilianismo e assinalou que a ortodoxia defendida em I Concilio de Nicea ainda estava seriamente ameaçada na Galiza pela persistencia tenaz da herexía priscilianista; portanto, mais de um século depois do desaparecimento do seu fundador, os seus seguidores seguiam sendo considerados um problema nestas terras.

O carácter animista do primeiro credo cristão e do priscilianismo, na procura de paraísos naturais afastados das riquezas do ouro e do que pode ser comido pela touza, não alterados pelo homem, a vida em harmonia com a natureza, favorecerá a implantação das comunidades nesta zona, que terão já no século VI uma forte presença. Estes assentamentos justificariam a importância que o monacato chegará a ter nos séculos VI-X, na Alta Idade Média.

Em tempos da monarquia sueva (409-585) está documentada a importância do eremitismo neste território, onde os anacoretas viviam afastados e celebravam as suas cerimónias em cova. O melhor conhecido é o mosteiro de São Pedro de Rocas, santuário eremita. No ano 572 a Igreja volta congregarse no II Concilio de Braga, e um ano mais tarde a comunidade de Rocas refunda o mosteiro de acordo com a ortodoxia da Igreja romana. Assim o testemunha o pé de altar que se conserva no Museu Arqueológico de Ourense e a inscrição que está no templo, na qual se pode ler: «+ HEREDITAS: N (ostrorum) / EVFRAXI: EVSANI / QVINEdI: EATI: FLAVI / RVVE: ERA: dª C. X AI :», que poderia traduzir-se por «Isto (que estais a contemplar) é a herança de todos nós, é dizer, de Eufrasio, Eusano, Quinedo, Eato, Flavio e Rvve, (e consagrado na) Era (hispânica) de 611 (ano 573)», e que é interpretada como acta fundacional do mosteiro antes da anexión do reino suevo ao reino visigodo.

Os reinos visigodos mantinham uma continuidade em decadência do governo do Império no resto da Península através principalmente da sua estrutura de poder, sustida numa poderosa igreja, mas submetidos a múltiplas e contínuas lutas internas de poder. Mas a sua superioridade estratégica e de meios com a respeito dos suevos era evidente. No ano 586 os visigodos vencem os suevos e começa uma nova etapa. Conquistam os seus territórios e submetem os aurigenses e os roucóns, povos prerromanos que permaneceram à margem do poder de Roma.

O rei suevo Miro (570-583) tentara submetê-los previamente e, com o pretexto de reduzí-los, os exércitos visigodos penetraram na Gallaecia e, como consequência, anexionaron o reino suevo.

Visigodo era também Frutuoso de Braga, que desde o Bierzo penetra pelo Sil no século VII para assentar a sua Regula Monachorum e promover também novas fundações, antes da chegada dos beneditinos e a xeneralización da sua regra.

Mas também o reino visigodo é, pela sua vez, derrotado pelos exércitos omeias do Califato de Damasco nas primeiras décadas do século VIII, em que se submete Lugo, capital do reino da Gallaecia, e ainda que conseguiram uma rápida expansão política e de controlo dos recursos, a ocupação e o assentamento não foram regulares em todo o território da Península. No norte os assentamentos permanentes não resultaram efectivos e não correspondiam com a sua estratégia, ainda que as incursões e saques resultaram muito frequentes ao longo da segunda metade do século VIII e princípios do IX, especialmente durante o reinado de Fruela (757-768) e Bermudo I (788-791),o que favoreceu, em especial na Ribeira Sacra, que a povoação voltasse ocupar os antigos castros como assentamentos dotados de melhor refúgio.

Neste contexto, ao desaparecer o poder político de uma monarquia, que estava submetida a um poder afastado, a igreja ocupou a gestão da produção do território. Atingiu-se deste modo uma certa independência e afastamento do controlo directo do poder e, ainda que submetidos a ele e às lutas derivadas das suas diferentes estratégias, os núcleos situados por volta dos mosteiros desenvolveram um sistema exaustivo e eficaz de gestão das terras.

A mudança do exercício do poder, a instabilidade das lutas e das pillaxes da guerra levaram muita povoação a fugir da parte meridional e central da Península para zonas isoladas e afastadas, e assentar-se em refúgios protegidos e de difícil acesso, para assim aumentar as suas possibilidades de defesa.

O processo de repovoamento iniciou nos anos quarenta do século VIII quando o rei Afonso I encarregou ao bispo Odoario a reorganização da diocese de Lugo. O labor deste prelado é muito importante em relação com as comunidades assentadas nos vales do Sil e sobretudo no Miño, em Atán ou Diomondi, onde a pegada do prelado foi relevante e ainda é visível.

Foi então quando começou a definir-se a organização parroquial dentro da reestruturação da diocese. Para definir os lindes e assegurar o seu conhecimento e eficácia empregaram-se os elementos significativos do território, que em muitos casos eram elementos culturais preexistentes, o que explica a habitual integração dos campos de mámoas, petróglifos ou castros como limites recoñecibles e consensuados dessas freguesias e que permanecem com escassas variações até o dia de hoje.

Nos séculos da Alta Idade Média, a presença de anacoretas neste território foi relevante e intensa, como testemunham a necrópole de Barxacova em Parada de Sil, um dos maiores conjuntos funerarios rupestres conhecidos, com dezenas de tumbas antropomorfas disposto escavadas na rocha, ou a inscrição localizada num impoñente farallón pétreo na desembocadura do rio Fiscaíño no Bibei, na Pobra de Trives.

Esta inscrição, recolhida numa cartela de 4×7 m contém: «+ IN NNE DNI / INCOAVIMVS / HANC OPVS FABRILE / IN. ERA. M. Já / LOCO ISTO / VERE. OPIDV SCE / MARIE. DICITVR /» que podemos desenvolver e traduzir como: «No nome do Senhor iniciamos a presente construção na era de 1010 (ano 972), que se diz ser este lugar a autêntica cidade de Santa María».

São amostras do sistemático repovoamento promovido pelos reis cristãos numa época conflituosa e cheia de confrontos bélicos, com contínuos avanços e retrocessos, que conflúe com o processo de retirada espiritual de ascetas anacoretas que buscaram nas quebradas abismais dos grandes rios da Ribeira Sacra não só um lugar de retiro senão também um refúgio dos perigos do mundo.

No caso da cidadela de Santa María, muito próxima à inscrição supracitada, conserva-se um lagar rupestre conformado dentro de uma estrutura rectangular. O pão e o vinho eram os dois elementos imprescindíveis para a celebração da eucaristía cristã.

O cultivo do cereal era o principal sustento das comunidades, plantado nos terrenos mais acessíveis da bocarribeira, em especial centeo ou trigo. O cereal era um dos produtos fundamentais da dieta e do pagamento das rendas, pelo que ocupava os melhores e mais rendíveis terrenos.

O vinho, por sua parte, ocuparia os socalcos, que se trabalhariam com o fim de completar a dieta fundamental tanto para o corpo como para o espírito. O território das ribeiras do Miño e do Sil foi assumindo o suporte de pan e vinho de uma extensa vida fundamentalmente influenciada pelos anacoretas, eremitas, incipientes comunidades de monges, refugiados e repoboamentos promovidos por reis cristãos em luta por recuperar territórios para o seu poder, o que dotava o lugar de uma funda espiritualidade. Esta circunstância favoreceu a fundação dos primeiros mosteiros dúplices, promovidos pela nobreza local como lugar de acollemento no final da sua vida e como oferenda para favorecer o seu julgamento espiritual.

Estes primeiros mosteiros dúplices de comunidades femininas e masculinas que partilhavam uma pequena igreja ou capela não faziam parte de nenhuma congregación mais grande e eram células independentes baixo o controlo do abade, que actuava como reitor da comunidade. A regra de São Frutuoso de Braga foi a que atingiu um maior desenvolvimento nestes primeiros tempos.

Ainda que não existe um património documentário que reafirme a existência pretérita destas fundações prerrománicas, a profusão de fundações e doações nos primeiros anos do século X, junto com as amostras da actividade anacoreta, são amostras suficientes. Cenobios primitivos como São Xoán de Camba, São Paio e Santa Trega de Abeleda (Castro Caldelas), Santa Marta de Fontao (A Teixeira), Santo Adrián de Sacardebois, São Lourenzo e São Vítor de Barxacova, Santa María de Chandrexa do Sil (Parada de Sil),... e muitos outros dos que se pode ir construindo a sua geografia relacionada com o eremitismo, completada com inscrições, xacementos e toponímia que completam com rigor os argumentos. A esta importante presença do anacoretismo e do monacato na Alta Idade Média ter-mos-ia que acrescentar a expansão no século XI e XII da ordem de São Bieito, inicialmente graças ao apoio do rei Afonso VI e do seu xenro Raimundo de Borgoña, que impulsionaram a chegada dos monges bieitos.

Os mosteiros dúplices deixaram passo às abadias masculinas e femininas entre as quais destacam, sem sermos exaustivos: Santo Estevo e Santa Cristina de Ribas de Sil, São Salvador de Asma e Santo Estevo de Atán, no caso das masculinas, e Santa María de Pesqueiras, São Xoán da Cova, São Fiz de Cangas e São Miguel de Eiré no caso das femininas.

Com os monges regulares chegou uma nova forma de organizar o trabalho e a gestão do território. Introduziram novos cultivos, entre eles novas variedades de vindes que conviveram com as existentes e provavelmente mantiveram o sistema de cultivo em socalcos, aproveitando as mesmas pedras do terreno para fazer as muras.

Este sistema de exploração da terra permitia aproveitar as ladeiras de forte pendente para o cultivo tanto da vinde como de outros produtos como legumes, verduras, fruteiras, oliveiras ou castiñeiros. Ainda que não se encontraram referências escritas às construções de socalcos nestes momentos, interpreta-se como amostra de que esta questão técnica não representava uma novidade nem na gestão nem na transmissão de direitos sobre as terras ou os seus produtos, pelo que podem testemunhar a sua presença no território desde, quando menos, as fundações e os repoboamentos.

As novas comunidades regulares aproveitaram as fundações dúplices preexistentes para fundar as suas abadias, mantendo o locus sacratum, como podemos constatar em São Vicente de Pombeiro, Atán, Eiré ou Rocas.

No marco da consolidação do poder dos reinos resistentes à expansão do Califato, Afonso IX (1188-1230) retoma no seu reinado o modelo desenvolvido por Afonso III e Ramiro II, e impulsiona um novo repovoamento do noroeste peninsular com a concessão de privilégios, cartas pobras e foros que favoreceram o assentamento de novos colonos em terras pouco povoadas. Especialmente importantes foram para este território as cartas pobras de Monforte de Lemos, Portomarín e Sarria, pelas que nasceram novas povoações como A Pobra do Brollón e A Pobra de Trives, entre outras muitas.

Ao longo dos séculos XI e XII eríxense as principais igrejas románicas, onde trabalham importantes obradoiros, alguns deles vinculados ao mestre Mateo, como se pode apreciar em Santo Estevo de Ribas de Miño ou em Santa María de Pesqueiras, ou do obradoiro da catedral de Ourense, como em Santo Estevo de Ribas de Sil. Estas relações operativas e de gestão da construção e renovação dos templos na Ribeira Sacra estão reforçadas pelo passo de peregrinos que visitam as reliquias do apóstolo Santiago pelo Caminho de Inverno. Esta rota emprega uma entrada ao território galego mais favorável em determinadas épocas do ano que a da rota francesa; utiliza em grande parte o itinerario das vias de comunicação anteriores e, em especial, as rotas romanas que desde Quiroga e A Pobra de Trives levam para os vaus do Miño em Chantada, bem abeirando o Sil até Doai ou bem através da Pobra do Brollón, para, desde Monforte de Lemos, continuar para Compostela.

Na segunda metade do século XII difundiu-se a reforma cisterciense pela Ribeira Sacra e algumas das fundações incorporaram à reforma, como os mosteiros de Montederramo e de Ferreira, que se converteram nas principais casas masculina e feminina da comarca.

Durante a Baixa Idade Média, o monacato viveu um período de profunda crise no religioso, económico e social. As comunidades religiosas confiaram a sua defesa e protecção aos nobres, apareceu assim a figura do abade comendatario, um civil que a mudança dessa protecção administrava as propriedades do mosteiro, abadias seculares que tinham um exercício de controlo e supervisão económico de uns direitos que resultava dificultoso administrar.

Tanto os mosteiros como os nobres exploravam o território mediante um sistema de foro que em muitos casos vinculava uma família por três vidas prorrogables. Nesses contratos não só se explorava a vinha, a horta ou o souto, senão também a pesqueira ou o muíño que estava junto ao prédio. O pagamento das rendas fazia-se mediante a entrega de uma parte da colheita, que desde meados do século XV será em vinho, centeo, forraxes ou castanhas fundamentalmente. Os foreiros tinham que prestar alguns serviços extras anuais ao mosteiro ou ao senhor, como «nossos vassalos servente». Entre o labor que se lhes encarregava estava o «arquear as cubas» ou assistir com «fouciña» a trabalhos nas vinhas.

Esta expansão da vinde a partir do século XV fica documentada nos contratos de foro onde se obriga aos foreiros a plantar as leiras ou montes para produzir vinho branco, mosto ou tinto, «sem agoa et sem mau sabor» e, ao mesmo tempo, se lhes obriga a construir pequenas adegas na leira com as suas cubas e todo o necessário para fazer o vinho. A partir do século XV os mosteiros constroem um número importante de adegas para o armazenamento do vinho, espalhadas pelos diferentes territórios onde têm as suas propriedades. Assim, o mosteiro de São Salvador de Asma em 1433 tem documentadas sete adegas, às cales se acrescentaram outras novas nos séculos XVI-XVIII.

A situação mudou com as políticas activas dos Reis Católicos no século XV, quando impulsionaram, com o apoio do papa Alexandre VI, a reforma das ordens regulares. Todos os mosteiros da Ribeira Sacra foram revistos e concentrados. Os bieitos incorporaram-se na Congregación de São Bieito de Valladolid e os cistercienses na Congregación Observante de Castela.

Este processo de mudança levou a uma reorganização tanto do monacato como da gestão do território e dos recursos. O número de fundações era tão elevado que resultava pouco eficaz e dificultava o seu controlo, pelo que foram reduzidas; as casas mais importantes conservaram a consideração de mosteiros e as mais modestas converteram-se em priorados. Nesta reorganização, as fundações femininas foram praticamente eliminadas, decaendo assim o importante papel que tiveram até daquela na organização do território. Todas as religiosas da ordem bieita foram transferidas à força ao convento de São Paio de Antealtares, em Santiago de Compostela, enquanto que só a comunidade cisterciense de Ferreira de Pantón permaneceu na Ribeira Sacra. Pesqueiras, Eiré, Cangas ou A Cova ficaram reduzidos a simples granjas e priorados dependentes de um poder afastado.

Os novos abades tinham entre os seus objectivos melhorar o rendimento dos seus privilégios e explorar a riqueza do território mediante um sistema de foros e arrendamentos reforçados. Os novos requerimento e a melhor organização produziram o crescimento da exploração dos prédios e dos seus cultivos e, em geral, de todos os recursos disponíveis, incluídos os produtos dos rios e a percepção do décimo.

As rendas dos mosteiros não deixaram de aumentar e produziu-se também uma renovação artística. Nas principais abadias acometem-se grandes reforma nas edificações, mobiliario e nos objectos litúrxicos, enquanto que nas fundações mais modestas, em que se mantiveram as fábricas medievais, se impulsionou uma modernização estética mediante a decoração interior dos templos, com ciclos de pintura mural que, ademais, favoreciam a catequización dos fiéis. Na Ribeira Sacra, ao contrário que na maior parte do território galego, ainda se conservam muitos destes grandes e formosos painéis pictóricos que são um bom exemplo da plástica manierista ou contrarreformista, entre os quais destacam os de Nogueira de Miño, Seteventos, Pesqueiras, Proendos, Diomondi ou Eiré. O crescimento e a importância estratégica que atingiram os mosteiros como administrador deste rico território durante os séculos XVII-XVIII resulta evidente em vista das grandes obras e construções das fábricas de Santa María de Montederramo, Santa María de Ferreira de Pantón ou Santo Estevo de Ribas de Sil. Boa parte destas obras custeou com a venda das rendas e dos décimos que os mosteiros percebiam.

A partir de fins do século XV, e maiormente no XVI e XVII, essas rendas pagavam-se em cereal, castanhas, legumes ou vinho, e nos contratos de aforamento estabelecia-se a proporção que cada produto devia ter na renda. A abundante documentação destes privilégios permite conhecer com precisão os cultivos mais estendidos por estas freguesias.

O poder exercido desde os mosteiros tinha desde época medieval neste território o contrarresto do poder da nobreza terratenente personificado nos Condes de Lemos, que exerciam os seus domínios desde o norte e o sul das ribeiras do Sil em Monforte e em Castro Caldelas, ou nos condes de Amarão desde o Castelo de Maceda.

Ao mesmo tempo, outras casas señoriais tinham na Ribeira Sacra os seus pazos a as suas propriedades como os Quiroga, os Somoza, os López de Lemos, os Camba, os Varela, os Temes ou os Taboada.

Estas casas nobres também exerciam o seu poder com foros e arrendamentos, em especial nas zonas de bocarribeira, partilhando o espaço limítrofe com as posses dos mosteiros e entrando de vez em quando em conflito pela sua gestão. Exemplo deste poder agrícola derivado das linhagens guerreiras medievais e das riquezas de diversa origem são as magníficas casas e pazos que se conservam. Nelas a arquitectura e a natureza formam um microcosmos perdurável no tempo, como acontece na fortaleza de Taboada, nos pazos de Perrelos, Buía e de Relás (Taboada), no pazo de Tor (Monforte) ou de Bóveda, assim como nas casas grandes de Boán e do Pacio em Sabadelle (Chantada),na casa grande de Touza (Carballedo), na casa grande da Lagariza (Pantón) ou no pazo de Cristosende (A Teixeira), verdadeiros centros de poder, indústrias de transformação agrícola e cómodoas residências de lazer em que se misturavam o trabalho do campo e a cultura.

Estes pazos eram células economicamente case autosuficientes também coma os mosteiros, posto que, ademais da exploração agropecuaria, rexentaban os muíños, as pesqueiras, as ferrarias, os curtidoiros... e mais adiante, as fábricas da luz.

Os pazos organizavam-se para produzir todo aquilo que necessitavam para o desenvolvimento da vida diária mas, ademais, estas elites tiveram um papel importante nos movimentos culturais da época, ocupando no século XVIII e XIX o lugar que deixaram os mosteiros; daí a importância de algumas das bibliotecas destas casas, que conservam peças únicas da nossa literatura. Depois do processo reformador do Estado que levou às sucessivas desamortizações das propriedades das ordens eclesiásticas no século XIX, foram estas famílias as que, em geral, se fizeram com as titularidade dos edifícios exclaustrados dos quais foram expulsadas as comunidades religiosas, e principalmente todos os territórios produtivos passaram às suas propriedades. Mantinha assim a povoação uma certa continuidade na sua relação com a terra, da qual fazia uso e produção através de arrendamentos e pagamentos em espécie que, em troques de ir às comunidades religiosas, passava aos senhores que, por sua parte, também sofreram as suas crises para serem quem de gerir os lugares, numa lenta decadência acompanhada das radicais mudanças sociais que questionavam cada vez mais os direitos e o exercício do poder sobre as terras que manejavam.

O território que fora conformando-se século a século com o trabalho contínuo das comunidades que nele residiam, ao serviço em geral de um poder assentado nas suas proximidades e ligado a ele, viu-se submetido à uma funda transformação em meados do século XX, na década dos quarenta, quando a sua fisionomía se transformou de forma radical e vertiginosa.

O recurso que vinha sustendo este território, o propício vale, peado e inacessível, dos canhões abancalados do Miño e do Sil, que oferecia vinho, castanha, fruta, cereal, salmón e lamprea, de repente, como sucedera dois mil anos antes, fica em segundo lugar face a uma novidade tecnológica: o potencial de energia da água acumulada para produzir electricidade.

Como antes os romanos com o ouro, a electricidade, moeda imprescindível para o sostemento do desenvolvimento industrial e da vida urbana, requer de uma abundante e constante produção. Construíram-se no Miño as barragens de Belesar e Os Peares e no Sil os de São Martiño, Sequeiros, Santo Estevo e São Pedro. Estas novas infra-estruturas, feitas com o desenho e dimensões mais avançados da época, monumentais desde um ponto de vista técnico e exemplos singulares e sobranceiros do património industrial, asolagaron numerosas povoações, assim como as terras mais férteis de cultivo, que ficaram baixo as águas.

No momento da sua construção geraram um grande impacto visual e ainda são visíveis as pegadas das pedreiras necessárias para acumular o material dos centos de milhares de toneladas precisas para sujeitar a empurrada da água. Maior impacto supôs, porém, a amortização dos vales que, desde aquela, permanecem como uma paisagem fosilizada baixo a água que agroma, de vez em quando, nos processos de manutenção do sistema hidroeléctrico.

Por outra parte, mais aprofundo que esta pegada resulta o trauma de perder em vida o fogar por uma força e poder estranho, para uma utilidade que, no seu momento, malamente podia ser compreendida, e por umas dimensões que também não podiam ser assimiladas pela sua imensidão. A mudança de sistema de vida, do passo de barca, da ponte, da pesqueira e do porto, a deslocação dos monumentos, das habitações e dos morridos do cemitério foi o resumo e o retrato de uma mudança de paradigma a nível mundial, uma sociedade que passava do lhe o vê complexo agrário a uma comunidade de produção industrial que precisava de mão de obra concentrada nos núcleos urbanos e que devia deixar o seu fogar.

A percepção do espaço, as comunicações, a forma de cultivo e a forma de vida do território viram-se submetidas a uma profunda transformação. Porém, as comunidades seguiram ligadas ao território. Ainda que amortizada sob dezenas de metros de água permanece uma parte da paisagem, sobre ela emerge com força a identidade de um lugar marcado pela pendente, pelas muras e pela orientação, ainda cheio de vindes, e também pela memória do que foi arrebatado e do que ainda permanece baixo o nível das águas e assoma de vez em quando com a memória das pontes, os passos de barca, os caneiros e pesqueiras, as casas e os soterramentos.

Os requerimento das actuais formas de vida, ligadas ao consumo de energia para o confort dos fogares e a capacidade de produção industrial, acrescentaram uma nova potencialidade à Ribeira Sacra propiciada pela extrema geografia e a água abundante, que é a ideal condição dos acoplados vales para serem zonas produtoras de energia hidroeléctrica. A necessidade de electricidade, que na sua produção hidráulica se caracteriza por ser limpa e renovável, mais ali das suas condição de implantação territorial, é uma condições indispensável num modelo de desenvolvimento sustentável e respeitoso com o meio a longo prazo. Porém, os processos de implantação e as consequências desta permanecem na memória entre o trauma do abandono e a vertigem das mudanças. Na actualidade os vales de ribeira, ainda que com um nível de águas muito superior, mantêm uma rica biodiversidade que permitiu qualificar as ribeiras do Sil, do Mau e do Miño como zonas da Rede Natura precisamente por estes valores. Na actualidade a visão e panorama do conjunto não se vê empecida pela presença da água encorada, que permite um uso também ligado à própria percepção da paisagem fluvial, num lugar em que o rio foi o centro das vidas e a via de comunicação mais rápida e que permanece na memória das comunidades e resulta um dos recursos mais relevantes para a sua ajeitada gestão.

– A toponímia e a transmissão do conhecimento sobre os lugares.

Nos termos autárquicos da paisagem cultural da Ribeira Sacra existem um total de 2.589 entidades (a soma dos lugares, freguesias e câmaras municipais); que ascendem a 3.829 na totalidade do território. De todos eles mais de 1.000 são topónimos únicos (só existem uma única vez no nomenclátor galego), o que, ainda que matizable, supõe uma proporção excepcional. A estimação, a falta de que possam ser completados os trabalhos de forma estendida a todo o território, é que possam superar-se os 30.000 microtopónimos na Ribeira Sacra. Além disso, em contraste com o resto da Galiza, resultam mais abundantes os topónimos de componente latino e menores os de origem prelatina, o que mostra um maior desenvolvimento relacionado com a construção do território nos períodos tardoantigo e altomedieval.

Porém, existem autênticas reliquias indoeuropeas de atestación única. Num país tão abundante em rios coma A Galiza, não é estranha uma denominação onde dois rios se cruzam. Uma delas é Águas Mestas (latín AQUAS MISTAS), que se encontra em Quiroga. Mas em Carballedo a forma é Ambas Mestas, onde se pode reconhecer o celta amba «água», e que demonstra que essa antiga forma indoeuropea se conservou como apelativo nesta área até o século XIII quando menos. Em Sober há um lugar chamado Brosmos, que foi o nome prerromano do canhão do Sil, e procede do superlativo de Ver- (uer-), «a beira grande, a ribeira grande», em plural.

Outra peculiaridade desta área é a quantidade de topónimos formados com a palavra casa, seguidas de um nome pessoal ou de um apelido ou alcunha, alguns deles contendo a preposição de (Casdecide, Casdeguístola, Casdelope, Casdemiro, Casdequille, Casdomato, Casdoncende, Casdosteo), mas a maioria não: Casbeiro, Cascarballo, Cascortés, Casebio, Casenando, Casfarexa, Casferreiro, Casfiel, Casgoíñas, Casguil, Casgutierre, Casixordo, Caspedro, Caspicón, Casqueixeiro, Casribeira, Castinande, Castomás, Caxerigo.

Um procedimento peculiar na Galiza consistia em nomear núcleos a partir de nomes pessoais: o dono de uma pequena exploração agropecuaria nomeava o lugar com o seu nome em xenitivo, que acabou consolidando-se, precedido ou não da palavra vila. Este procedimento foi mais produtivo entre os séculos VII e XI, coincidindo com o definitivo fim do mundo tardorromano e o nascimento do altomedieval, baseado em poderes locais e comunidades aldeás, num processo global em toda a Europa.

Depois desapareceu, pelo que podemos datar o arco cronolóxico aproximado do nascimento dessas primitivas granjas, que depois foram medrando até constituirem núcleos de povoação. Nesta área são especialmente frequentes: constituem um 20 % do total dos topónimos, o que fala da densidade deste tipo de assentamentos naquela época, com uma distribuição equilibrada entre nomes germânicos e nomes latinos.

São muito abundantes os topónimos referidos à terra e às suas formas e uso, aos cultivos e edificações singulares, mas de forma muito especial ao lugares sagrados ou esquecidos, que fã referência a uma intensa vida religiosa se calhar vista com uma certa distância pelos camponeses e ganadeiros, acostumados à sua presença ou ao seu recordo.

Existem lugares ligados à forma da terra, a pedra e as águas: Cova, Campos, Furco, Fornas, Loio, Loña, Monte, Penhasco, Penas, Rocas, Lama, Mato; Porto, Portela ou Portizó ...; ao seu uso: Adega, Alvariza, Fonte, Minas, Mazo, A Barca…; às árvores: Carballo, Carballedo, Carvalhal, Nogueira, Pereira, Mazaira, Soutelo, Pumar…

Mas é de destacar a abundante presença a lugares e eventos do uso por eremitas, monges e comunidades, e os lugares e soterramentos antigos, como Abadia, Aira Velha, Airexa (Eirexe, Eirexa e outros), Alberguería, Convento, Cruz, Fonte dos Frades, Campos dos Frades, Mosteiro e Mosteiro Lhe o Vê, Campos das Tombas, Oleiros, A Silla dos Freires, Adro Lhe o Vê, Eirexa Velha, Capela, Vale Sagrado, Priorato, O Penhasco dos Penitentes, Cova do Santo, Castro da Virxe, Águas Santas,... ou advocações de santuários desaparecidos como São Vitorio, São Facundo, São Pedro, Seoane,... todos eles vivos na memória junto com as dos mouros e dos encantamentos em recantos e lugares.

Também é abundante a presença tanto visual como na memória de rochas decoradas com gravados e outras manifestações prehistóricas e históricas, como as mámoas, os castros e outros lugares despoboados, os marcos e mesmo os restos de construções abandonadas.

A existência destes lugares e a sua identificação consciente pela diferentes xeneracións desencadeia uma série de lendas que têm por objecto tanto transmitir essa geografia mental do território como incorporar os conhecimentos da vida e da natureza, mesmo do universo e das relações humanas, integrados com as informações de todo o tipo que conformam o conhecimento.

Assim, vão-se realizando apropriações dos lugares da memória voltando inscrever símbolos, imagens ou contos actuais. Os painéis rupestres, os castros, as rochas são cristianizados e os ritos cristãos são humanizados e levados à história de pessoas. E, de volta noutro processo contínuo de adaptação e evolução, muitos lugares cobram novos significados.

Assim permanecem presentes e identificados no território Mámoa, Medorra, Modorra, Mama, Mamoíña, Medoña,… Castro, Castrelo, Castriño e Castros sem maior identificação, ou Castroncelos, Castrosante, Castromaior, Castrolázaro e outros múltiplos Castros de Ribada, Lagariza, Candaz, Caldelas, Moreda, Morgade, Ferreira, da Virxe, da Roda, de Trasar, de Arriba e de Abaixo,… os Montes, Colinas, Penas, Torres ou Cotos do Castro,...

Também existem numerosos castros de advocações antigas e primitivas ligadas com cristianização de cultos ligados às águas, às pedras, ao tempo… como os Castros de Santa Marinha, São Cibrao, São Mamede, São Martiño, Santa Bárbara, Santa Andrea, Santa Águeda, Santo Estevo ou São Cristovo, assim como muitos outros topónimos ligados também a infra-estruturas de domínio histórico mais próximo, como os múltiplas Torre, Castelo, Castí, Castillóns, Marco, Coto.

As mouras, a virxe e as meigo misturam-se numa amálgama de conhecimentos sintéticos que têm como fonte comum as próprias evidências existentes no território. Seres da imaginação, seres da lembrança e seres transmitidos pela ortodoxia e pelo ensino são os mesmos seres que habitam os lugares, alguns ameazantes e perigosos, outros cheios de promessas de saúde e de riqueza, de lascivia ou de oportunidade. No equilíbrio das consequências está a liberdade de eleição. As lições estão gravadas na paisagem pelos nossos antepassados e alimentam com a transmissão oral em lugares como Vilar de Mouros, Castro de Mouros e Castro de Mourelos, Medorra da Moura, A Pena dos Mouros e O Penhasco dos Mouros, O Boco da Moura, O Buraco dos Mouros, O Teso dos Mouros, Petouto dos Mouros,… Na Ribeira Sacra existem amostras associadas a este tipo de continuidade no uso de lugares ligados à transmissão oral e à tradição, como a Pedra da Virxe do Santuário de Cadeiras (Sober) ou a Virxe da Pena, em Pantón, onde as rochas gravadas na prehistoria mantêm viva a sua relevo cobrando novos sentidos religiosos, ou as Penas da Pastora, da Rainha ou da Moura em San Xoán de Río.. 

Os lugares mantêm a sua relevo enquanto se complementa a sua associação a personagens paradigmáticos ou esquemáticos mais compreensível, que representam as concepções sociais das comunidades, associadas neste caso também ao aparecimento de restos de passados míticos, como a espada de Mouruás, ademais do próprio valor estético dos próprios penhascos para as sensibilidades tanto actuais como passadas.

– A freguesia como unidade da estrutura do território.

A freguesia é a unidade de estruturación social do território galego. Mais ali da pervivencia ou não da estrutura do parroquial suevo, que testemunha a antigüidade deste sistema, assim como da possível asimilación do exercício do controlo territorial e produtivo herdado da dominação romana, é evidente que em toda a Galiza a pertença à freguesia de uma pessoa, de uma família, de uma casa ou lugar ou de qualquer território não é cuestionable e faz parte da identidade consciente. As freguesias valeram-se dos fitos do território, tanto naturais como de criação humana, para serem delimitadas, e marcam espaços de episódios relevantes para a vinda das pessoas e das comunidades.

Por tal motivo estimou-se que a divisão parroquial deve ser a que de facto estabeleça a delimitação da paisagem, pois aquela está concebida pela comunidade e não determinada pelos seus acidentes geográficos ou políticos.

A estrutura da freguesia sim que permanece com claridade estável ao longo da história deste território, quando menos bem mais estável que qualquer outra figura ou concepção. Mesmo mais estável que a própria fisionomía da paisagem e muito por riba da sua funcionalidade religiosa. Quase não há variações entre as freguesias existentes e mesmo os núcleos de povoação ligados aos inícios da exploração do território pelas regras monásticas que os actuais. Na actualidade segue a ser uma forma de gestão prática, não só baseada nos laços familiares, senão que a própria actividade económica e administrativa se regula em função da própria estrutura parroquial. Estas unidades de gestão, pelas suas dimensões e pelas relações existentes entre os seus membros, devem ser as unidades de gestão futura da Ribeira Sacra.

– Os socalcos: a construção de terrazas muradas.

Na Guia da Galiza, Otero Pedrayo em 1926 define assim esta paisagem: «uma das formas interessantes do cultivo é a dos socalcos ou terrazas vitícolas que esculpen e decoran as rudas pendentes sobre o Sil, o Miño em verdadeiros trechos, o Bibei, o Navea, o Cabe, rectificando o labor destruidor das torrentes e oferecendo um admirable exemplo da perseverancia secular das gerações lavradoras, tratando em estilo inconscientemente artístico a paisagem».

A construção mais evidente da paisagem cultural da Ribeira Sacra, a elaboração de um novo solo artificial, refazendo a terra com a mistura do xabre, do tojo, das uces e do esterco para ganar uma precária linha planície de trabalho, às vezes escassa para passar de canto, e peada que requer as mãos para passar de salto a salto.

Frei Martín Sarmiento na sua Colecção de vozes y frases de la lengua gallega da segunda metade do século XVII define o socalco: «Na Galiza és muy usada la voz socalco, que entienden muy bien los ninhos. Cuando se cultiva um montecillo para viñedo o frutales, porque no se caiga la tierra, hacen nele monte o cuesta um género de gradillas como de monumento o valladares, que sostengan la tierra que está enzima, y a estas gradillas llaman socalcos, como que estão debajo de lo que se pisa o calca o cultiva», pelo que o seu significado referiria precisamente a construção feita para cultivar. Os dicionários de Juan Manuel Pintos Villar: «Ele corte o zanja que se hace num terreno costanero formando um caballete ò lomo em la parte superior para que la tierra no se corra al inferior, camellón, bancal» o de Marcial de Valladares: «Muro que sostiene tierra em declive» no século XIX rematam por precisar o termo para identificar o muro do bancal. Eladio Rodríguez e X.L. Franco Grande recolhem o termo também na sua variante «sucalco» durante a segunda metade do século XX.

A definição do Diccionario enciclopédico gallego-castellano recolhe: «muro o albarrada que me a for bancales em terrenos de mucha pendiente, para que las tierras no sean arrastadas por las lluvias torrenciales. Ele sistema de socalcos de emplea especialmente nele Ribeiro de Avia y em otras zonas vitícolas y labrantías da Galiza. És uma forma de cultivo muy curiosa, aconsejada por la experiência e impuesta por la necesidad de detener las tierras com muretes escalonados, que em toda la extensão dele pronunciado declive formam a modo de gradas o peldaños más o menos altos. Ele trabajo que esto impone a los trabajadores és extraordinariamente penoso, pues tienen que conduzir a hombro sobre sus espaldas los abono por senderos estrechísimos».

A presença e utilidade prática deste elemento leva à recolhida, no âmbito do território da Ribeira Sacra, de múltiplas acepções para o mais relevante dos seus elementos construtivos, sendo o de «muras» o mais habitual e estendido na actualidade, e o mais repetido junto com o de paredes» na documentação histórica.

Assim, recolhem-se: sucalcos ou socalcos, pataos, pataus ou patais, muras ou muros, liños, bancadas, bancais, paredós, calçadas, poxadas,… o que é outra amostra da riqueza linguística e toponímica do lugar.

– As cavadas ou cavaduras.

As cavadas são unidades de medida, específicas do lugar, que medem o trabalho diário de um homem, superfície final que depende da dificuldade do terreno, acessibilidade e pendente, e transformam a unidade de tempo, em superfície, propriedade e forma.

A cavadura adopta definir-se como o bom trabalho de uma jornada em que se atendem cem cepas. Sob medida adopta equivaler noutro tipo de produção agrícola ao ferrado e pode-se dividir em média cavada, um quarto de cavada, até contar a propriedade por regos, gerando um parcelario que nas pendentes da Ribeira Sacra se faz protagonista, criando um tapiz múltiplo de formas, que obedece a umas regras fondamente assentadas no tempo e que se reflectem na paisagem e a relação homem-natureza. O estudo da extensão do parcelario no âmbito da Ribeira Sacra revela que se está perante um dos lugares em que o minifundismo, chegado ao microfundismo, é um dos máximos expoñentes.

– Os núcleos de povoação.

As aldeias e os assentamentos de povoação da Ribeira Sacra possuem características determinadas pelas especiais condições orográficas e os pelos de atracção que supuseram os mosteiros e as actividades de exploração agrária do território, em especial, o vinho. As ribeiras do vinho fazem parte de territórios caracterizados pelo domínio da montanha, com grandes contrastes ambientais entre as terras baixas e as altas. Em muitas ocasiões os cultivos do vinho ficam afastados da antiga aldeia, com uma intensiva transformação das ladeiras mediante socalcos de escasso fundo, fugindo as antigas aldeias das inclinações dos vales acoplados. A distância a respeito dos cultivos e a dificuldade do acesso conduz a edificar construções apoiadas num dos muros dos socalcos para dispor o lagar e a adega. Quando existem plataformas mais planícies, concentram a disposição dos núcleos combinadas com uma maior variedade de cultivos.

A incidência da paisagem do vinho como contorno dos assentamentos rurais tradicionais vai variar em toda a zona entre a proximidade dos cultivos, o mosaico de diferentes produtos em núcleos com colheitas escassas e a concentração de áreas específicas de vinho em terrenos afastados das aldeias, case que sempre rodeadas de um perímetro de monte baixo. A combinação das fendas de regatos curtos ou farallóns pétreos com claros ou redutos dedicados ao vinho também caracteriza outras partes do território. Em ocasiões, o conjunto das antigas aldeias do vinho situa-se em plataformas aplanadas por riba do curso fluvial, afastadas da zona vitícola e no meio de um contorno de agro em que os núcleos aproveitam uma maior macieza do relevo para colonizar os vales secundários com pequenas aldeias muito próximas entre elas, formando agregações compactas. Noutras zonas as antigas aldeias avançam aqui sobre salientes da parte alta das ribeiras e desenvolvem amplos contornos de socalcos na pendente das ladeiras. À medida que o vale vai deixando ladeiras em costa orientadas ao meio-dia, o aproveitamento das pendentes volta mostrar um intensivo trabalho de modelaxe do terreno em estreitos socalcos, que vai caracterizar boa parte das ribeiras, onde as antigas aldeias voltam ficar algo afastadas das vinhas.

Em conclusão, destaca a orientação para o meio-dia e a adaptação a um lugar condicionar pela orografía, com aldeias de pequeno tamanho, compactas e densas, próximas entre elas, que ocupam lugares propícios em contextos de grandes pendentes, em esporões salientes ou pequenas planícies, ou bem em zonas de vale alto, rodeadas de agras e cultivos de cereal e pastos, onde se reduzem as pendentes.

Pedro de Llano conclui que a casa da Ribeira Sacra se agrupa em conjuntos fechados de edificações amoreadas sem ordem por volta dos caminhos, assentamentos polinucleares a média pendente, por adição de pequenos núcleos ou bairros que se vão disseminando na medida em que os vales se abrem e o permite a orografía, com a presença de hortas e currais. Em geral existe uma proximidade da casa à plataforma de cultivo e uma orientação para o meio-dia. Os muitos mosteiros contribuíram tanto à difusão do cultivo do vinho como à concentração das relações territoriais com verdadeiros núcleos vizinhos, com agregações próximas às construções religiosas ou com crescimentos realizados ao longo dos caminhos. Um efeito similar produzem as casas grandes ou os pazos que gerem grandes extensões de terreno e provocam estruturas de assentamento menos compactas e mais irregulares.

Também o ferrocarril estabeleceu umas dinâmicas que caracterizam a disposição de núcleos densos e compactos aliñados com o seu traçado, como em Montefurado ou Os Peares.

– A casa tradicional.

A casa lavradora das bacías do Miño e do Sil caracteriza-se por uma forma rectangular exposta ao sul a média pendente, de duas alturas, alguma delas parcialmente soterrada com o objecto de obter espaços óptimos para a conservação do vinho, mas com múltiplas variações e alterações produzidas pela múltipla natureza das singularidades da topografía. Os acessos habituais são por patíns ou corredores de escassa altura e de verdadeira amplitude que facilitam as funções agrícolas e o acondicionamento ante os extremos climáticos. As casas têm função de habitação, adega e corte, que se separam por grosos muros estruturais e de escassas aberturas. No interior as divisões são escassas, alguma parede para isolar a cocinha, que em ocasiões se desloca para o corredor nas habitações mais singelas. As mais complexas distribuem-se com divisões em quartos, sala e cocinha.

Nos núcleos de maiores dimensões são também habituais casas de três andares, os dois primeiros parcialmente soterrados, com a planta terrea dedicada à adega, com um amplo portão de duas folhas, e de ordinário entre medianeiras, que exemplifica o crescimento associado a uma exploração mais sistemática do vinho nos séculos XIX e XX. A planta primeira será a do dormitório principal e a sala, namentres que a última, que também terá acesso directo desde o exterior pela parte posterior, acolhe a cocinha.

O material de construção é variado e responde à natureza do solo. A presença da pedra adopta fazer innecesaria a cimentação e permite uma execução rápida com o material acessível, seja xisto de escassa qualidade, com a introdução pontual de perpiaños de grão ou coios, seja granito de boa qualidade. Entre a heteroxeneidade de materiais destaca, pelo geral, a técnica da pedra em seco de procedimentos mais modestos.

Como se indicou, as aberturas e ocos adoptam ser de pequeno tamanho, com cargadeiros e linteis precários, marcos de madeira ou pequenos arcos de descarga de cachotaría. O maior dos ocos será a porta da adega, em que também se dispõem grades practicables. Complementariamente destaca o uso do pallabarro ou dos barrotes de madeira como técnica para a execução de tabiques ou mesmo de cerramentos exteriores não estruturais, que adoptam coincidir com os corredores e as fachadas principais, e as técnicas de esgrafado, com amostras fantasiosas de formas animais e orgânicas que decoran a pele exterior.

– As adegas e os sequeiros.

É a própria habitação a que adopta recolher as funções de adega, corte, curral e celeiro. A disposição complexa sobre o terreno e a escassez geral de terreno disponível justificam a acumulação de funções nas casas localizadas nas ribeiras mais peadas.

Destaca, ao invés, a construção de adegas de guarda nas próprias vinhas. São construções executadas com as mesmas técnicas de uso da cachotaría e a pedra em seco, recolhida do próprio lugar e cimentada directamente sobre os socalcos das ladeiras e como continuidade deles.

Plantas rectangulares ou quadradas de um só oco de acesso, generoso, normalmente com uma porta de duas folhas, e algum pequeno oco de ventilação sem contra e resguardado.

As cubrições, normalmente a uma água, seguem a queda da pendente e, na sua posição parcialmente soterrada, podem pôr-se como exemplo de integração no seu ambiente.

Em casos excepcionais, existem agrupamentos destes conjuntos de adegas, como o caso de Vilachá, ou grandes adegas retiradas das pendentes, a médio caminho dos núcleos dos vales altos que, seguindo uma tipoloxía e funcionalidade semelhante, atingem uma dimensão maior, ou construções de tipo cova, com uma fachada e uma coberta que se estendem à entrada de um espaço escavado na terra.

Estas dependências podem acolher os lagares, que, no caso das casas grandes e dos pazos da zona, eram dependências associadas à própria edificação principal, ainda que também existem amostras de lagares rupestres, localizados nas próprias ladeiras e imediatos às vinhas, dos cales quase não fica a pegada sobre a rocha ao terem perdido a sua funcionalidade.

Em relação com o uso da castanha, também pode destacar-se a presença, ao pé mesmo dos castiñeiros e afastados dos núcleos de povoação, dos sequeiros, construções da mesma tipoloxía de pedra em seco destinadas a secar a castanha. Estas dependências, como as adegas de guarda das vinhas, podiam acolher nas temporadas de trabalho a residência provisória das pessoas que as trabalhavam.

No seu interior diferenciam-se os espaços de um pequeno cortello para cebar os porcos com o produto sobrante, um armazém de lenha e zona de passagem e um lar em que se fazia o lume para secar a castanha num canizo, uma trama de madeira à altura do piso em que estender as castanhas. Noutros núcleos existem também agrupamentos de sequeiros, normalmente de pequenas dimensões e orientados à entrada dos caminhos.

– O património fluvial.

Uma das amostras de mudança e evolução mais radical das comunidades no seu território é o que seguiu a construção das barragens e asolagamento dos vales do Miño e do Sil. O sistema começou a executar-se e funcionar há aproximadamente uns 70 anos, o que implica que ainda permanecem com vida algumas das pessoas que sofreram a transformação que afectou especialmente os núcleos mais próximos, que deveram ser transferidos no seu conjunto, e dos cales a amostra mais evidente é o próprio Portomarín, no limite norte da Ribeira Sacra do Miño e o passo do Caminho de Santiago, assim como alguns significativos monumentos como as igrejas de Chouzán e a Cova. Porém, uma parte dessa memória, em especial a relacionada com a própria produção de peixe dos rios, permanece como relicta baixo o nível das águas. Os rios Miño e Sil, assim como trechos do Cabe, Bibei, Navea, Soldón e Asma eram navegables, e este uso propiciou o desenvolvimento de até dez modelos de embarcações próprias da Ribeira Sacra, algumas das cales, através de processos de recuperação de uso específico, mostram a capacidade destes bens de ter uma utilidade na recuperação e identidade das comunidades locais.

Os passos de barca eram o modo preferente de comunicação entre as ribeiras, já que os passos de ponte eram limitados. Ademais, eram um recurso económico rendível para os seus posuidores até a metade do século XIX, ainda que perduraron até meados do século XX. Os principais passos de barca estavam localizados em Portomarín, relacionados com o Caminho de Santiago; em Pincelo (Taboada); no Porto (O Saviñao); em Sernande (Chantada), que chegou em uso até os anos 70; em Chouzán (Carballedo) e nos Peares e Beacán (A Peroxa), documentada já no século X. Mas existiam outros passos e portos de maior ou menor importância, mas de forma estável e uso quotidiano ao longo dos séculos.

As balsas, normalmente de fundo plano e com a madeira local disponível, adaptavam-se em meios e tamanhos aos requerimento funcional, com assentos, plataformas ou cavidades variadas, em especial acondicionadas para os trabalhos agrícolas e o transporte de produtos e pessoas.

A tipoloxía e modelos de barcas, com as suas diferentes adaptações e funcionalidades, deu lugar à balsa dos Peares, as barcas de Portomarín, de Chantada, do Cabe e do Sil, a lancha ou o barco de dornas, um dos modelos mais originais e singulares, composto de um duplo capacete de troncos inteiros esvaziados com uma plataforma superior.

A abundante produção de peixe produziu ao longo dos séculos, até a construção das barragens, uma relação particular das comunidades locais que acudiam a esta fonte de abundante xenerosidade e variedade. A pesca, ademais das embarcações, produziu além disso uma ampla colecção de aparelhos específicos, uma variedade complexa e adaptada às condições do lugar e aos próprios volumes e comercialização dos recursos.

Um destes recursos mais singulares são as pesqueiras, pescos ou caneiros, das quais permanecem na toponímia significativos exemplos e que provavelmente surgiram como evolução de uns primeiros sistemas mais efémeros de canas atadas, conduziam os fluxos das águas por meio de muros de pedra estáveis, espigas ou guiares, reforçados no seu leito, para um ou vários ocos ou bocas nos quais dispor redes com um sistema complexo de troncos, ramas e cordas. Ainda são visíveis, quando as águas baixam o seu nível, estes muros de pedra, e mesmo as casetas, executadas sobre elas, para guardar estes tesouros durante a noite. Também estas casetas tinham os seus antecedentes efémeros em pallozas ou pallazas feitas de canas com a finalidade de abrigar-se. A anguía e a sua criação, o meixón, eram a represa mais abundante e que dava mais fama e mais rendibilidade a este trabalho.

De tal forma estava especializado, que se podiam salgar para transportar ou conservar com vida em arquetas que se afundavam no rio bem protegidas por fortes cadeados, e fazer desta pesca o sistema económico de sustento de muitas famílias, já que os caneiros eram infra-estruturas de propriedade familiar que podiam transmitir-se em herança.

O rio conforma no vale, ademais, um fito em que se confrontam as relações e as identidades. Entre destes elementos de reconhecimento próprio das comunidades estão os berros que nas colheitas se dirigem os vizinhos das ribeiras de Chantada e de Lemos (papeiros e rabudos), e as múltiplas considerações com respeito à pertença a uma comunidade específica: a casa como primeiro núcleo e a freguesia como o agrupamento imediato e dignificado pela presença da advocação de uma santidade como propiciatoria de benefícios e vantagens várias em relação com os do arredor.

O rio como propiciador, mas também como ameaça, personifícase nas figuras das xacias e dos mouros, ou os ibios, que atraem as pessoas com os seus engados mas da mesma forma produzem a desgraça e a perdición, misturando tanto os aspectos próprios dos desejos humanos mais incontrolables face à segurança e rigor da ordem e a ortodoxia, identificada no sentimento religioso.

Associações como O Carrual, relacionada com os caneiros do Miño, Barcas do Miño, que atesoura em Chantada a maior colecção de embarcações fluviais e promove trabalhos específicos de investigação, ou o Ecomuseo de Arxeriz, são amostras da actividade das próprias comunidades no conhecimento, gestão e revitalização deste património cultural específico próprio da Ribeira Sacra.

– A construção mental do território e a pertença.

O território da Ribeira Sacra percebe-se como uma paisagem cultural bem delimitada pelos seus valores culturais e naturais, apesar da ausência de uma consideração administrativa, um poder histórico identificable ou mesmo uma consciência própria. Porém, é uma paisagem representativa dos valores essenciais da identidade galega, o seu celme mais original e próprio, depurada ao longo do tempo num espaço que requer o sacrifício e o amor à sua terra. Um território intensamente vivido e construído, educado à forma de ser própria, desde a origem da memória até hoje. Hoje a Ribeira Sacra, já sem ouro e com novos eremitas, com os mouros agachados nos castros e nas rochas e nos penhascos sem mostrar o seu caprichoso actuar, como o capricho das forças da natureza, é concebida, se calhar mais que nunca, como um lugar sagrado, um lugar santificado pelo esforço heroico dos que ainda vivem nele e o fã possível, contra a inércia de uma forma de vida que cada vez lhes exixir um maior esforço e militancia para seguir a viver a sua vida.

A mesma apreciação cultural existe desde o paleolítico, sacralizado pelos primeiros eremitas, acrecentado pelos sobranceiros mosteiros da Idade Média, os singulares pazos e casas grandes, barrocas e renacentistas, até as centrais hidroeléctricas do passado século, primeiras na sua categoria e, desde logo, nas pendentes viñateiras que a caracterizam hoje, e que engaiolan os que as visitam e que mostram com modéstia os seus proprietários. A estreita relação com o território propiciou o xurdimento de um riquisimo catálogo de conhecimento popular, crenças, ritos e cerimónias, uma sistemática de saberes relativos à natureza e à vida que gira por volta dos rios e dos principais elementos da paisagem, e que foi transmitindo ao longo dos séculos, em muitas ocasiões com as pedras e os lugares como suporte material e evidência da sua validade.

As xacias, as meigo ou os mouros são persoeiros habituais na transmissão oral e na própria percepção do território. A toponímia e a diversidade. Do mesmo modo, nasceram tradições ancestrais que seguem mantendo-se como o carnaval, festas do final de Inverno ou festas de Primavera, de celebração da resurrecção da vida e da natureza, ritos relacionados com o sol, com o lume e as actividades necessárias para propiciar os benefícios de uma boa colheita ou de uma boa saúde.

Estes seres fantásticos, mouras (habitantes dos castros, dos petróglifos, dos penhascos), xacias (metade peixe metade mulher, que vivem nas pozas dos rios), santos e virxes, adoptam relacionar-se com os vizinhos do lugar, as vezes com fatais resultados que justificam uma catástrofe quase não presente ao recordo, mas muito activa na memória. Entre estes seres da memória acoplaria também o lobishome, temor recolhido já no século XVI por Torquemada, e que no século XIX se evidenciaría no corpo de Romasanta, nascido em Esgos. Como manifestações mais relevantes, neste expediente têm-se recolhido de maneira específica:

1. Folión de Fachas e Festa dos Fachós:

Exemplo desta especial relação entre as vidas da pessoas, as mudanças cíclicos e a geografia real e da memória são as festas de Fachas e Fachóns, actos feriados realizados pelo conjunto dos vizinhos, que na véspera de uma celebração religiosa, celebram o Folión, a festa própria da comunidade, em que juntam elementos previamente preparados ao longo de dias ou semanas, de material vegetal, palha, herbáceas ou madeira, segundo o caso, para portá-las ardendo e logo queimá-las num lugar significativo, festejando com música e baile contra a noite e até que o lume apaga.

As comunidades locais assumem que são festas de antigo e estão associadas a lugares relevantes da sua geografia próxima, em concreto os castros ou o Castelo, os lugares mais elevados e visíveis desde o arredor, em que cada casa tem o lugar para a sua facha e esta pode ser vista desde o resto de freguesias do território.

Trata-se de celebrações festivas multitudinarias em que participam todos os membros das famílias e abertas às freguesias da contorna. Entre as que se conservam estão a Festa dos Fachós de Castro Caldelas que tem lugar o 19 de janeiro, na véspera de São Sebastián, e que resulta espectacular pelo porte e queima do imenso fachón de uns 30 metros de comprido, assim como o Folión de Fachas de Vilelos (O Saviñao), promovida pela Associação de Vizinhos de São Martiño de Vilelos, e a Queima das Fachas de Castelo (Taboada), promovida pela Associação Cultural As Fachas.

Nestes actos evidéncianse o sentido de pertença a uma comunidade acostumada a um território, o especial significado de alguns dos seus lugares que remete a um passado mítico e pouco conhecido, e a necessidade de reivindicar-se como parte de uma estrutura do território, a freguesia, face a outras às cales se lhes convida a uma boa e fraternal convivência, com música, baile e comida à luz das fachas e fachós.

2. Festas do Carnaval:

O carnaval, ou o antroido, entrado, introito, entrudio... foi declarado manifestação representativa do património cultural inmaterial de Espanha pelo Real decreto 383/2017, de 8 de abril, ao amparo do disposto na Lei 10/2015, de 26 de maio, para a salvaguardar do património cultural inmaterial, por ser uma das manifestações mais emblemáticas, vivas e representadas em todo o território nacional.

A sua origem é muito antiga e tem recebido muitas achegas culturais ao longo do tempo, em especial de cerimónias do Inverno e propiciadoras da Primavera. Pelo seu carácter catártico e libertario, tem sido condenada e proibida em ocasiões.

São festividades em que os róis pessoais se transformam ou exaxeran e que se celebram em comunidade, nos espaços públicos, com a participação, activa ou pasiva, mesmo involuntaria, de todos os vizinhos. Os seus aspectos lúdicos e pícaros antepóñense, no ciclo religioso, a um período de penitência e devoção mas, nos seus aspectos mais universais, a celebração do remate do Inverno e a promessa da Primavera estariam em relação com a futura fertilidade.

Todos esses aspectos se mantêm em comum nas festas de carnaval, mas na Ribeira Sacra esta manifestação atinge categorias distintivos e de singularidade que é preciso reconhecer, já que é uma das festas que com mais incidência redundam na formação de um carácter próprio, sobretudo na actualidade, em que o Carnaval é uma cerimónia que perdeu a sua significação em relação com os ritos agrários e que foi recuperada e mantida como reforço da identidade ameaçada de desaparecimento.

O Carnaval Ribeirao celebra-se principalmente na freguesia de Santiago de Arriba de Chantada, com os seus volantes e puchos, que são os seus elementos mais vistosos e complexos, com grandes pesos e exixencias físicas tanto para o seu transporte como para dar voltas e choutos. Também há outros singulares adubíos da festividade como as máscaras ou carautas e os peliqueiros que, em contraste com a figura de cores e complexa dos volantes, civilizada e festiva, achegam a parte animal, com pelexos, cabeças de animais e cornamentas. Completam o elenco representativo os maragatos, coroceiros e mecos, que assumem os diferentes róis sociais. Actividades elas recuperadas e promovidas pela Associação de Amigos do Carnaval Ribeirao, que se esforça em fazer partícipes aos mais pequenos, em muitas ocasiões alheios ao longo dos seus primeiros anos às formas de vida no rural ou mesmo na Galiza, e que recuperam a sua pertença ao lugar através destes processos.

Outro carnaval tradicional na Ribeira Sacra são os Felos de Esgos, que partilham elementos com os tradicionais carnavais ourensãos, mas com características próprias e diferenciadas, como o uso de máscaras de papel, a modo de grande cilindro em que se mete a cabeça, que tem uma decoração livre e pessoal. Andam às carreiras com os caxatos na mão e vestem botas altas que na actualidade adoptam ser de borracha para a água, acompanhados de madamas¸ que personifican jovens finas e bem vestidas, assim como anões, vestidos com roupas frouxas e recheadas de palha para avultar, assim como remedos de bestas e asnos factos de pelicas e ramas. Entre os ritos deste Carnaval recuperou-se a prática de pôr a coresma, que consistia em levar um boneco de palha à porta de uma casa, o que implicava ser o objecto da burla de todos os vizinhos.

Desde época recente a Associação de Vizinhos de Salcedo Associação Cultural-Etnográfica Felos e Madamas de Esgos mantém a tradição.

Também destaca na Pobra do Brollón, um dos que combina elementos de transições entre as comunidades ribeireñas e as da montanha, como é o Osso de Salcedo. Durante as festas do Carnaval de Salcedo madamas, mulheres que vestem de branco e levam na cabeça sombreiros de flores e cintas de papel de cores, e danzantes, homens que vestem de preto com uma máscara branca, remedan o baile de casais ricas.

Também se realizam representações paródicas de acontecimentos domésticos e familiares e cantigas, até que chega o dia do Osso, que é a segunda-feira de Carnaval. Esse dia, fugido ou levado pelos ser-vos, chega o Osso por algum lugar dos rueiro da aldeia, vestido de peles de ovelha e uma máscara de couro com o aspecto do animal. O Osso leva umas cinchas com sinos colgando da cintura e vai precedido pelo osiño e pelos seus ser-vos, andam pela vila pelo meio da gente, mete-se a fazer algum balbordo e com a ajuda dos criados, envoltos em peles e trapos pardos, armados com uma vara e um caldeiro onde levam o sarrio (mistura de gordura de cinza), e tirando ao chão a gente, tísnalles a cara, e se calhar, o peito e o bandullo, até que marcha sem que lhe dêem caça. Na actualidade a cerimónia festiva é sustida pela Associação de Vizinhos de Salcedo.

3. Folión de Carroças de Chantada:

Entre estas actividades de difusão e posta em valor do próprio, destaca o acto feriado do Folión de Carroças que se celebra em Chantada no quarto sábado de agosto e, como o resto de folións da Galiza, é uma festa prévia às festas patronais, uma actividade livre dos actos mais regulados e ligados aos ritos religiosos do dia seguinte. Esta actividade, sustida e difundida pela Associação Cultural Amigos do Folión, depois da sua recuperação em 1949, dá-lhe continuidade a uma manifestação que, sem conhecer a sua origem, está documentada desde vai casi 200 anos, e que mostra um compromisso pela exibição da identidade rural e agrária, estendida aos ofício e profissões próprias do âmbito, às pessoas e aos seus meios. Mais ali do processo de recreação ou de simples simulação, não existe um intuito grotesco ou de evidenciar o pintoresco, senão de valorar o próprio, o que enlaça com a terra.

O Folión desenvolve-se como uma paragem de carroças tirados por bois sobre as que se representam cenas de trabalhos, com as vestimentas, os modos tradicionais e os meios apropriados para desenvolvê-las, de tal forma que, ademais da componente festiva, se completa com a exposição didáctica tanto das actividades como das próprias carroças, que são um dos seus elementos fundamentais e nos cales cada vez as xugadas de vacas ou de bois são mais escassas, mas também das circunstâncias próprias das comunidades e o seu sentimento identitario, como a própria perda de um modelo de vida, o sacrifício do trabalho no rural, a emigração… O Folión é a amostra da actividade de bairros e famílias carroceiras, especialmente as do arredor da vila, que durante as datas prévias se dedicam ao desenho e construção de carrozas sobre as carroças, com um intuito lúdico ou emotiva e na qual participam todos os membros e vizinhos, sejam crianças ou mestre facedores, e o resto de vizinhos que colaboram com as suas achegas e lembranças.

4. Olaría de Gundivós e Niñodaguia:

A olaría da Ribeira Sacra é um exemplo paradigmático da conservação e salvaguardar dos saberes técnicos ligados às formas de vida tradicionais e a aposta na sua conservação e difusão como um modo de vida.

A olaría é, se calhar, a técnica que encontrou um meio próprio de subsistencia ao recuperar as formas tradicionais próprias, derivadas de uma funcionalidade específica e herdeiras da sua componente estética e emocional, e que podem ser usadas na actualidade como suporte dessa memória, ainda que com uma funcionalidade limitada.

Porém, por volta do vinho e das visitas das pessoas interessadas no território existem novas possibilidades, tanto práticas como ornamentais, que beneficiem do esforço e trabalho de recuperadores e cientes do ofício como Elías González no seu Centro Oleiro de Gundivós ou a Alfarería de Agustín e José Vázquez e a Associação de Amigos do Barro de Niñodaguia.

5. Outras actividades e técnicas tradicionais:

Entre as técnicas tradicionais da Ribeira Sacra características e muito próprias da sua singularidade há outras muito relevantes que se estão a realizar dentro dos processos de documentação e informação e, na medida em que possa acreditar-se o seu valor sobranceiro e as suas características destacables, poderão também ser reconhecidas como manifestações de interesse cultural.

Entre estas actividades podem assinalar-se os trabalhos de cordelaría, de cestaría ou de tonelaría. Também os trabalhos de folha de lata e de cobre, em especial os alambiques e as peças para o trabalho nas vinhas. Ou, ademais de todos eles, o dos afiadores e paraugueiros de Esgos e Castro Caldelas, que levaram o seu ofício por toda a Península, precedidos pelo são do seu apito e acompanhados de uma roda de afíar. Errantes pelo mundo adiante, levando canda eles a sua ferramenta e um idioma próprio, o barallete.

ANEXO V

Regime de protecção geral dos bens integrantes da paisagem cultural

A) Regime geral de protecção dos bens classificados.

O regime de protecção derivado da delimitação da paisagem cultural da Ribeira Sacra e a sua zona de amortecemento complementa o sistema de protecção do conjunto de bens imóveis e inmateriais existentes no território e que contam com classificação em virtude dos seus valores culturais, bem reconhecidos por figuras de protecção prévias, pela pertença a catálogos de instrumentos de planeamento urbanístico existentes ou por ter-se incoado a sua protecção ou classificação específica como medida complementar a este procedimento.

De tal modo, nos anexo I a III deste decreto recolhem-se os elementos que singularmente se classificam como bens de interesse cultural no território da Ribeira Sacra, bens imóveis catalogado no âmbito da paisagem cultural (tanto na zona BIC como na zona de amortecemento) e bens imóveis catalogado pelo seu carácter sacro ou religioso na território da Ribeira Sacra, estendida à totalidade das câmaras municipais.

Para este conjunto de bens e os seus contornos de protecção serão de aplicação as normas gerais derivadas do regime de protecção em função da sua classificação que, de forma sintética, se recolhem de seguido e que são as que derivam da Lei 5/2016, de 4 de maio, do património cultural da Galiza (LPCG):

1. Autorização: em virtude do disposto nos artigos 39, 65 e 96, será precisa a autorização da Direcção-Geral de Património Cultural (DXPC) para intervir nos bens classificados, com as excepções estabelecidas e sem prejuízo das habilitacións de que possam ser objecto as câmaras municipais recolhidas na LPCG.

2. Uso: os usos ficarão condicionar a que não se ponham em perigo os valores pelos que foram protegidos, pelo que as suas mudanças de uso substanciais também requererão da autorização da DXPC.

3. Dever de conservação: os proprietários, posuidores e demais titulares de direitos reais sobre estes bens estão obrigados a conservá-lo, mantê-lo e custodiá-lo devidamente e a evitar a sua perda, destruição ou deterioração (artigo 32 da LPCG).

4. Acesso: os proprietários, posuidores e demais titulares de direitos reais sobre os bens facilitarão o acesso, com fins de inspecção, à DXPC e o acesso dos investigadores, depois de solicitude motivada.

5. Projectos de intervenção e memória final: as intervenções que excedan das de conservação e manutenção requererão a elaboração de um projecto de intervenção e de uma memória final da intervenção segundo as condições descritas no artigo 43 da LPCG.

B) Regime geral de aplicação aos bens de interesse cultural.

Adicionalmente ao estabelecido no ponto anterior, para os bens classificados coma bens de interesse cultural assim como aqueles que em virtude da sua tipoloxía ou antigüidade possam ter a mesma consideração, em aplicação das diferentes determinações estabelecidas na LPCG e, em especial, aquelas que fã referência às amostras de arte rupestre, aos hórreos, cruzeiros e bolsos de ánimas anteriores a 1901, e castelos e outros elementos de arquitectura defensiva anteriores a 1849, serão de aplicação as seguintes obrigações e condições:

1. Visita pública: os proprietários, posuidores e demais titulares deverão facilitar a visita pública nas condições e com as excepções estabelecidas na normativa vigente (artigo 48 da LPCG e 13 da LPHE).

2. Transmissão: toda a pretensão de alleamento ou venda que afecte o bem deverá ser notificada à Direcção-Geral de Património Cultural, com indicação do preço e das condições em que se proponha realizar (artigo 49 da LPCG e 38 da LPHE).

3. Expropiação: o não cumprimento das obrigações de protecção e conservação será causa de interesse social para a expropiação forzosa por parte da Administração competente.

4. Deslocamento: um imóvel é inseparable do seu contorno e não se poderá proceder ao seu deslocamento excepto que resulte imprescindível por causa de força maior ou interesse social, depois de relatório favorável da DXPC e segundo o disposto no artigo 52 da LPCG e no 18 da LPHE.

5. Plano de conservação: os imóveis classificados bem de interesse cultural do anexo I requererão da elaboração de um plano director ou plano integral de conservação, em função da sua complexidade e a dos problemas, patologias ou necessidades de rehabilitação que possam considerar-se, ou por justificar-se não resultar necessários os anteriores, um plano de conservação preventiva.

C) Regime geral de actuações pontuais de manutenção e uso ordinário em bens classificados pelo seu valor cultural.

Devem considerar-se como actuações que não precisam da autorização prévia da DXPC as actuações pontuais de manutenção ou o uso ordinário, de muito escassa entidade técnica e construtiva, justificadas pela deterioração material dos elementos sobre os quais se propõe a intervenção, com um alcance muito concreto e parcial e que requerem de uma rápida execução pela ameaça que pode supor para a sua conservação ou apreciação. Estes trabalhos, que têm um alcance semelhante aos de manutenção recolhidos no artigo 40.c) da Lei 5/2016, de 4 de maio, mas que possuem um menor alcance e se realizam com carácter pontual ante uma situação de deterioração, perceber-se-ão sempre de forma restritiva e limitar-se-ão aos da tipoloxía e natureza descritos, como os que se relacionam:

1. A limpeza e retirada de pó ou lixo depositado e não fortemente aderido, sempre que não requeira médios auxiliares que possam comprometer a sua integridade.

2. A eliminação de resíduos e depósitos sobre sumidoiros, canlóns e baixantes que façam parte do sistema de evacuação de água pluvial das cobertas ou a substituição parcial de elementos deste sistema por outros de idênticas características dimensionais e de material, sempre que não suponham a substituição total de todos eles.

3. A limpeza com técnicas não agressivas e sem afectar o material de suporte existente. Em qualquer caso, proíbem-se os chorros de areia sobre as fábricas de pedra vista e os chorros de água a pressão precisarão de autorização.

4. A reposição parcial de material de cubrição ou revestimento de fachada movido acidentalmente ou a substituição pontual de algum elemento deteriorado do material de coberta, sempre que seja parcial e sem afectar os elementos estruturais que o suportam e a composição construtiva e formal da cobertura.

5. O ajuste de janelas e portas, sem actuar sobre o material ou quando a actuação seja muito parcial e limitada sobre os seus elementos de ancoraxe ou ajuste.

6. A substituição de vidros deteriorados e a reposição de vidros sempre que se empreguem outros de similar espesor e aspecto que não requeiram de técnicas ou materiais diferentes que os originais para a sua disposição.

7. A revisão e afianzamento de suportes e ancoraxes de instalações existentes desprendidas ou deterioradas parcialmente, sempre que não seja precisa a substituição ou reforço. Excluem deste critério as linhas aéreas de transporte de energia ou comunicação e as antenas existentes em xacementos ou zonas arqueológicas.

8. O corte de erva ou maleza e a roza por médios manuais ou com maquinaria ligeira portátil, sem movimentos de terra e respeitando todos os exemplares arbóreos existentes ou elementos de jardinagem, assim como podas parciais de manutenção.

9. A instalação de médios auxiliares para o desenvolvimento dos trabalhos agrícolas e florestais de escassa entidade como guias e protecções individuais, assim como o amoreamento e movimento do próprio produto do cultivo, sem afectar elementos recoñecibles da paisagem como os próprios caminhos, cómaros, vai-los, socalcos, sebes e outros de natureza análoga.

10. O cultivo de terrenos sempre que não seja precisa a modificação das rasantes existentes e os trabalhos que se produzam a nula ou escassa profundidade, e sempre fora dos bens arqueológicos.

11. A reposição ou reparação que inclua a substituição pontual e parcial dos elementos de jardinagem, pavimento e mobiliario urbano por outros análogos.

12. A realização de actividades e eventos efémeros, sempre que se produzam de forma isolada e sem instalações de carácter permanente, ligadas a actividades públicas periódicas como festas, actividades lúdicas, culturais ou desportivas, romarías, encontros, concertos, e se disponha dos médios para a normal vigilância e cautela dos bens que possam verse afectados e que, com carácter geral, não permaneçam montadas um prazo maior de 72 horas, e sempre que não se afectem materialmente os bens protegidos, em especial com as ancoraxes, instalações, médios auxiliares ou apoios em imóveis protegidos.

13. A venda ambulante, nos casos em que não esteja proibida pela legislação sectorial na matéria.

14. Também não precisam da autorização prévia as actuações em imóveis protegidos com um nível de protecção ambiental que não afecte os elementos e valores que determinaram o alcance da dita protecção, como obras de fontanaría, modificação de distribuições interiores, novos azulexados, pavimentos e outras semelhantes que não afectam a envolvente do edifício.

15. Paralização e solicitude de autorização da DXPC. Se em qualquer momento, por falta de previsão ou por circunstâncias sobrevidas, as actuações indicadas propostas ou em realização sobre bens protegidos pelo seu valor cultural superam o alcance definido, deverá requerer-se a paralização da intervenção e que se definam adequadamente as actuações necessárias para a sua autorização pela DXPC.

16. Intervenções de manutenção de carácter contínuo ou periódico. Para o caso das intervenções de manutenção que têm um carácter contínuo ou periódico, deverá avaliar-se a possibilidade de estabelecer ou requerer a elaboração de um protocolo ou projecto de manutenção adaptado às características próprias do imóvel, sempre que resulte proporcionado à previsão das intervenções ou aos especiais valores culturais do bem. De ser o caso, e uma vez que o dito protocolo de manutenção seja autorizado, poderão perceber-se autorizadas todas as intervenções que o desenvolvam, sempre que se tenham especificado convenientemente as características técnicas e materiais das operações e a sua vigência e periodicidade, assim como os critérios para a avaliação da sua eficácia e necessária revisão, se for o caso. Isto é, que uma vez autorizado um protocolo de manutenção, a realização das operações que o desenvolvam ao longo do tempo, e até que seja necessária a sua revisão em função dos indicadores objectivos que se estabeleçam, também não serão precisas posteriores autorizações.

17. O mesmo procedimento poderá estabelecer-se ou requerer-se para o caso de rozas de manutenção e limpezas periódicas de vegetação nos solos afectados por âmbitos de protecção do património cultural, especialmente nos contornos de protecção do património arqueológico, assim como para determinadas operações de manutenção dos tendidos de linhas eléctricas.

D) Regime geral de protecção nos conjuntos históricos de Castro Caldelas e Monforte de Lemos.

No caso do conjunto histórico de Castro Caldelas, posto que conta com um plano especial de protecção aprovado em vigor, a câmara municipal será competente para autorizar as intervenções que o desenvolvem nas condições descritas no artigo 58 da LPCG. No caso de Monforte de Lemos, posto que nestes momentos está em tramitação o plano especial de protecção, será de aplicação o regime específico recolhido no artigo 57 da LPCG.

E) Regime geral de protecção de bens mobles e o património cultural inmaterial.

Para os bens mobles e para as manifestações do património inmaterial incluídos no anexo I como bens de interesse cultural, será de aplicação, ademais, o regime de protecção específico recolhido na LPCG, nos artigos 62 e 63 para o caso dos bens mobles e 69 e 70 para o estabelecimento de medidas de salvaguardar do património cultural inmaterial.

A protecção dos bens imóveis ligados às manifestações do património cultural inmaterial assumirá a sua celebração nas condições que vêm desenvolvendo-se e, em qualquer caso, poderão coordenar com as entidades identificadas como organizações as medidas específicas que possa requerer a sua conservação e interpretação.

Além disso, poderão ser acrescentados à listagem do anexo I aqueles bens mobles e manifestações do património cultural inmaterial que se identifiquem e se proponham no futuro, sempre que resultem compatíveis e coherentes com as linhas gerais dos valores reconhecidos neste decreto.

F) Regime geral de protecção nos contornos de protecção dos bens classificados.

Nos contornos de protecção dos bens classificados singularmente no âmbito do território da Ribeira Sacra, seja na zona BIC como na zona de amortecemento e mais ali dela no âmbito de todas as câmaras municipais recolhidas nesta declaração, será de aplicação a estrutura interpretativo da Instrução de 8 de novembro de 2017 relativa ao trâmite de autorizações em matéria de património cultural nos bens imóveis catalogado e declarados de interesse cultural, os seus contornos de protecção e as zonas de amortecemento (DOG núm. 231, de 5 de dezembro de 2017), na qual se recolhem os critérios para determinar o alcance das autorizações em função da intensidade das intervenções sobre os bens do património cultural da Galiza.

1. Actuações com autorização da DXPC: requererão autorização prévia da DXPC as intervenções que se realizem no contorno de protecção dos bens declarados de interesse cultural e catalogado quando tenham por objecto:

a) As novas construções e instalações de carácter definitivo ou provisório.

b) As intervenções de qualquer tipo que se manifestem para o espaço exterior público ou privado das edificações existentes.

c) As actuações que afectem a estrutura parcelaria, os elementos configuradores característicos da estrutura territorial tradicional, os espaços livres e a topografía característica do âmbito, incluídos os projectos de urbanização.

d) A implantação ou as mudanças de uso que possam ter incidência sobre a apreciação dos bens no território, incluídas cortas e repovoamentos florestais.

e) As remoções de terras de qualquer tipo no contorno de protecção dos bens integrantes do património arqueológico.

2. Actuações sem necessidade de autorização prévia da DXPC: o resto de intervenções nos contornos dos bens classificados que não tenham efeitos sobre as condições de apreciação nem perturbem o sentido do bem protegido no seu ambiente não precisam de autorização prévia em matéria de protecção do património cultural como:

a) As intervenções que pelo seu carácter de escassa complexidade técnica e nula afecção aos bens protegidos (aos seus valores, à sua consideração, apreciação ou estudo e ao carácter arquitectónico e paisagístico da zona), e que não impeça ou perturbem a sua consideração nem suponham nenhum risco para os bens –por se produzirem no interior de edifícios ou locais que não contem com nenhuma protecção pelo seu valor cultural e não suponham nenhuma manifestação em absoluto para o exterior– não precisam da autorização prévia da DXPC.

b) As actuações de investigação e manutenção que, realizadas sobre os imóveis localizados no contorno, não afectem os próprios bens protegidos. Estas intervenções devem interpretar-se de modo estrito segundo a definição do artigo 40.a) e c) da Lei 5/2016 e não implicar efeitos sobre a conservação dos materiais tradicionais, a integração volumétrica e os aspectos cromáticos do conjunto, é dizer, aplicando os critérios definidos no artigo 46, em especial, empregando «materiais, soluções construtivas e características dimensionais e tipolóxicas em coerência com o âmbito em qualquer tipo de intervenções».

c) As reparações de cobertas que afectem só o material de cubrição, repondo o mesmo material tradicional existente, se este é coherente com a tradição da área geográfica em que se encontra o imóvel. Estas reparações não poderão incluir modificações da forma do telhado, abertura de ocos, construção de chemineas nem modificação da solução dos beirís introduzindo cornixas, voos etc. que, se for o caso, sim precisarão de autorização.

d) A pintura de fachadas e das carpintarías exteriores na mesma cor existente, sempre que esta seja coherente com a tradição da área geográfica em que se encontre o imóvel ou se ajuste aos critérios de cor que se possam definir ou orientar desde a Xunta de Galicia. No caso contrário, deverá submeter-se a autorização com o objecto de determinar a cor e acabamentos apropriados.

e) A reparação de carpintarías sempre que se mantenha o material, a solução formal e construtiva e os acabamentos existentes, excepto nos casos em que se tenha estabelecido por alguma condição geral de protecção do âmbito a necessária adaptação a algum tipo original característico do âmbito.

f) A reparação de revestimentos se se mantém a solução formal e construtiva existente, assim como as suas cores e acabamentos. Não se aplicará este critério à manutenção de materiais construtivos desenhados para empregar-se revestidos e que permaneçam vistos ou sem rematar como as fábricas de bloco de formigón ou tixolo visto ou o emprego de materiais de construção em sistemas ou funções para os quais não estejam desenhados, como os forros de fachadas com materiais de cobertura de cobertas, ou os encerramentos de leiras e edifícios com elementos de mobiliario ou refugallos industriais. Admitir-se-ão as reparações das impermeabilizações de medianís e fachadas secundárias com forros de placa de fibrocemento minionda sempre que, como remate, se pintem da mesma cor que o resto das fachadas do imóvel.

g) Os trabalhos de reforço ou melhora estrutural, sempre que não produzam nenhum efeito visível ou aparente desde o exterior e não exista uma protecção, ainda com carácter geral, que estabeleça alguma determinação concreta de protecção estrutural para os imóveis localizados no supracitado contorno. Também deverão ser submetidos a autorização este tipo de trabalhos quando afectem o subsolo no caso de contornos de bens do património arqueológico.

h) As reparações e reposições de encerramentos de leiras que empreguem os materiais, técnicas e soluções construtivas tradicionais originais dos elementos em que se intervém ou a construção de novos encerramentos segundo os modelos que possam definir-se desde a Xunta de Galicia, excepto no caso dos contornos de protecção dos bens do património arqueológico.

i) A reposição de tendidos de instalações de subministração de energia, voz e dados, ou outros serviços públicos existentes sempre que se realizem sem alterar o traçado, posição e características ambientais dos tendidos de redes, linhas e instalações existentes e não afectem o registro arqueológico dos bens, ou os novos elementos diminuam o impacto dos que substituem.

j) A reparação de materiais de pavimentación de vias ou espaços públicos mantendo os existentes e sempre que não suponha actuações de carácter geral.

k) A reparação do mobiliario urbano mantendo o material, a solução formal e construtiva e os acabamentos existentes.

l) Os trabalhos de limpeza de bens imóveis, espaços livres, vias públicas ou bens artísticos localizados neles que não contem com uma classificação individualizada.

m) Os trabalhos de roza e os de gestão da biomassa florestal relacionados com o cumprimento da Lei 3/2007, de 9 de abril, de prevenção e defesa contra os incêndios florestais, em especial no relativo aos perímetros de protecção que estabelece a Lei para a segurança das pessoas e dos bens, sempre que não afectem âmbitos especificamente protegidos pelo seu valor arqueológico, para os quais será necessária a autorização prévia da DXPC. Como indica a disposição adicional terceira da dita lei, a gestão da biomassa limitará às espécies assinaladas no texto e, em todo o caso, poderão conservar-se aqueles que cumpram funções ornamentais ou estejam isolados e não supusessem um risco para a propagação de incêndios florestais.

n) Os trabalhos de poda e tratamento de silvicultura sobre árvores e arbustos de relevo ambiental, sempre que não se altere o seu carácter em relação com a cena urbana e a paisagem natural em que se enquadram.

ñ) As mudanças de actividade sem reforma dos locais ou quando a reforma não afecta o aspecto exterior. Os rótulos e sinalização sim deverão submeter à autorização, excepto nos casos em que se empreguem os mesmos suportes e dimensões que os existentes e já fossem autorizados previamente.

o) Paralização e solicitude de autorização da DXPC: em caso que, ainda que as obras sejam semelhantes às definidas nos pontos anteriores mas se proponham diferenças de materiais, acabamentos e técnicas construtivas, ou a incorporação de novas instalações visíveis ou mudanças dimensionais, as intervenções descritas sim teriam efeitos sobre a sua apreciação e, portanto, requeriam da correspondente autorização da DXPC.

p) Actuações de carácter contínuo ou periódico: para o caso de intervenções que tenham um carácter contínuo ou periódico, deverá avaliar-se a possibilidade de estabelecer ou requerer a elaboração de um protocolo ou projecto de manutenção, adaptado às características próprias do âmbito, que resulte proporcionado à previsão das intervenções ou aos especiais valores culturais do bem. De ser o caso, e uma vez que o dito protocolo de manutenção seja autorizado, poderão perceber-se autorizadas todas as intervenções que o desenvolvam, sempre que se tenham especificado convenientemente as características técnicas e materiais das operações e a sua vigência e periodicidade, assim como os critérios para a avaliação da sua eficácia e necessária revisão, se for o caso. Isto é, que uma vez autorizado um protocolo de manutenção, a realização das operações que o desenvolvam ao longo do tempo, e até que seja necessária a sua revisão em função dos indicadores objectivos que se estabeleçam, também não precisará de posteriores autorizações.

q) Quando as intervenções requeiram a total substituição dos elementos originais pelo seu grau de deterioração, se não se pudesse garantir a total correspondência com os materiais, desenho e técnicas tradicionais, será precisa a autorização da DXPC.

G) Regime geral de protecção na zona de amortecemento da paisagem cultural.

O regime da zona de amortecemento será o que corresponde à sua natureza e justificação como medida adicional de salvaguardar dos aspectos territoriais, de implantação, integração e percepção e, portanto, o do controlo da actuação em matéria de grandes infra-estruturas e instalações que, pelo seu alcance, possam supor um impacto territorial. Na zona de amortecemento poderão realizar-se, em geral, todo o tipo de obras e instalações fixas ou provisórias e as actividades normais segundo a natureza do solo ou mudar o seu uso ou destino de conformidade com o planeamento vigente sem necessidade da autorização da DXPC.

Porém, pelo seu alcance e o risco de deterioração ou destruição dos valores naturais e culturais identificados na paisagem cultural da Ribeira Sacra e que estão intimamente relacionados com a sua implantação territorial, requerer-se-á a autorização prévia da DXPC nas seguintes intervenções localizadas nas freguesias que rodeiam a paisagem cultural delimitada:

1. A construção de novas explorações agrícolas, ganadeiras ou de acuicultura que superem os 1.000 m2.

2. Os projectos de exploração das extractivas que suponham uma actividade a céu aberto do material, as suas instalações ou entullos, quaisquer que seja a sua dimensão.

3. A nova implantação de instalações da indústria energética como refinarias, centrais térmicas, de combustíveis fósseis, hidráulicas, eólicas, solares, nucleares ou de qualquer outro tipo de produção, transporte ou depósito.

4. A nova implantação de instalações da indústria siderúrxica, mineira, química, têxtil ou papeleira.

5. O novo desenho ou a modificação dos seus traçados de infra-estruturas de transporte e comunicação como estradas, ferrocarril, portos, aeroportos, canais, centros logísticos ou similares. Em caso que, através de algum procedimento de consulta prévia, se justifique a pouca relevo da modificação, não será precisa a autorização na zona de amortecemento para modificações menores.

6. A nova implantação de infra-estruturas hidráulicas e de aproveitamento da água.

7. As instalações de depósito, gestão e tratamento de resíduos.

8. As transformações da natureza do território para a implantação de novos usos, superiores a 2 há. No caso das ribeiras em que se constate a existência de socalcos tradicionais, submeterão à autorização da DXPC as intervenções que possam supor o seu desaparecimento. No resto dos casos, não será necessária a autorização para a sua posta em uso, conservação ou restauração nem para a sua adequação.

9. As explorações florestais superiores a 2 há, excepto aquelas que contem com um instrumento de ordenação ou gestão aprovado com relatório favorável da conselharia competente em matéria de património cultural ou as que suponham a plantação de espécies coma o carvalho, o castiñeiro, a oliveira, fruteiras e outras autóctones.

As actuações de manutenção e conservação das instalações e construções existentes tanto na zona de amortecemento como na própria paisagem cultural não requererão da supracitada autorização nas condições descritas nos pontos anteriores.

As actuações de modificação ou ampliação de instalações existentes requererão também da autorização prévia da DXPC nas mesmas condições que as novas instalações excepto que se acredite que, nem pelas condições de implantação, nem pelas dimensões dos elementos anovados ou por outras considerações relevantes, se afecta a percepção do território no seu contexto.

Os instrumentos de gestão e planeamento territorial tomarão a referência das especiais condições de protecção desta paisagem cultural, para os efeitos de aplicar e priorizar medidas de carácter ambiental e sustentáveis no âmbito da paisagem cultural da Ribeira Sacra e a sua zona de amortecemento.

As actividades e instalações de carácter territorial deverão incluir na sua avaliação o estudo a varejo das consequências ambientais de apreciação sensorial em todos os seus aspectos, assim como as medidas correctoras e protectoras que possam derivar-se.

A DXPC poderá determinar a necessidade de medidas complementares ou mesmo a sua proibição em caso que se determine a sua total incompatibilidade para a conservação da paisagem cultural, percebida esta como a viabilidade para as comunidades locais para desenvolver as suas formas de vida tradicionais.

ANEXO VI

Regime de protecção específico da paisagem cultural da Ribeira Sacra

A paisagem cultural exixir um regime de protecção próprio adaptado à sua dimensão territorial e aos valores culturais, naturais e mistos que a conformam. O artigo 59 da Lei 5/2016, de 4 de maio, do património cultural da Galiza (LPCG), estabelece a necessidade de um instrumento específico de ordenação territorial ou urbanística que contenha as determinações precisas para assegurar a sua protecção e salvaguardar os seus valores. O conteúdo básico deste documento desenvolverá, segundo o artigo citado, três aspectos principais: a caracterización da sua estrutura territorial, a sua natureza, significação cultural e as características gerais do contorno, que são os que se recolhem nesta declaração com carácter geral; um catálogo exaustivo de todos os bens que o conformam, dos que neste documento se avançam os que devem contar com uma classificação do mais alto nível, e as directrizes gerais para a protecção do património cultural.

Entre tanto e de forma prévia à elaboração do dito documento, é preciso que existam umas normas para a intervenção que sejam de aplicação directa e específica para garantir a protecção dos valores culturais da Ribeira Sacra concebida como uma paisagem cultural. Em definitiva, uns critérios que estabeleçam tanto a forma de intervir no território como as cautelas para a sua ajeitada integração, sempre desde a perspectiva de que a protecção de uma paisagem é permitir a viabilidade para as comunidades que a habitam e o respeito pelas decisões que têm que ver com a sua interpretação e o julgamento sobre os aspectos essenciais da sua valoração.

Neste procedimento especificam-se quais são as intervenções que, pela sua afecção potencial aos valores que se identificam, devem contar com a dita autorização prévia da DXPC no âmbito da paisagem cultural, e de forma complementar ao regime geral que se recolheu no anexo anterior.

Em qualquer caso, poderão desenvolver-se as medidas do documento específico de forma global ou de forma parcial por âmbitos ou sectores da actividade de tal modo que, de forma gradual e adaptando às circunstâncias e eventualidades que possam ser precisas, se favoreçam as medidas de salvaguardar e as próprias inércias da paisagem cultural orgânica, evolutiva e viva da Ribeira Sacra.

A) Actuações submetidas à autorização prévia da DXPC.

O objectivo principal da protecção da paisagem cultural da Ribeira Sacra é garantir que os seus valores culturais se conservem e se transmitam, e que existam as condições ajeitadas para a sua interpretação de forma compatível com os modos de vida das comunidades implicadas. Para isso, ademais do regime estabelecido para os bens classificados e o seu contorno de protecção, no resto do território da paisagem cultural será precisa a autorização da DXPC em:

1. As intervenções em bens classificados e no seu contorno de protecção segundo o descrito no regime geral do anexo V deste decreto.

2. As novas construções de edificações. A execução de pavimentos de madeira ou de pedra sem movimentos de terra, e a construção de pérgolas abertas ou descobertas associadas a construções existentes não terá a consideração de construção ou edificação e não requererá autorização prévia da DXPC.

3. As novas infra-estruturas e instalações de carácter definitivo, com as excepções que se reproduzem nas seguintes epígrafes. No caso modificações das redes de instalações existentes de serviços de abastecimento e electricidade, assim como as de saneamento, só requererão de autorização as partes das actuações que suponham novos traçados e as edificações novas que as acompanhem. Na substituição de redes, arquetas, elementos de controlo e transformação, e suportes não será necessária a solicitude de autorização sempre que as dimensões dos elementos visíveis não seja superior aos existentes. Em qualquer caso, priorizarase a integração ambiental das instalações com o carácter tradicional dos núcleos, evitando os traçados aéreos e os materiais plásticos.

4. A reconstrução de imóveis derruídos. A recuperação de edificações tradicionais existentes em estado ruinoso será também um objectivo prioritário e favorecer-se-á a sua recuperação por meio da reconstrução, reestruturação ou rehabilitação quando tenha por objecto possibilitar a sua posta em uso relacionada com as actividades tradicionais ligadas à sustentabilidade da paisagem, à assistência às comunidades locais e os seus serviços, à interpretação cultural e natural do território e, excepcionalmente, a outras actividades complementares ou serviços para os visitantes.

5. As intervenções de reestruturação de edificações existentes não classificadas, excepto quando a reestruturação seja pontual e justificada como consequência da recuperação dos elementos e sistemas construtivos derruídos, sem que se produza modificação nem do volume nem dos sistemas construtivos.

6. As obras de ampliação de construções existentes que superem de por sim ou em conjunto com as existentes os 50 m2. Todas as actuações de ampliação que requeiram a autorização da DXPC deverão justificar a necessidade objectiva, a funcionalidade e o benefício que para a apreciação do conjunto na paisagem possa supor a ampliação em relação com novas implantações.

7. As actuações que modifiquem a estrutura territorial tradicional e os seus elementos configuradores característicos, em especial muros, valados, encerramentos e caminhos. Não terão esta consideração as intervenções que afectem uma única parcela catastral, sempre que não exceda os 2.000 m2, ou as que no seu conjunto sejam inferiores a 5.000 m2.

8. As actuações que tenham por objecto a construção de novos socalcos ou bancais sem muras em âmbitos que careçam deles que superem os 5.000 m2 de superfície, com as seguintes condições:

a) Os muros serão preferentemente construídos com a técnica da pedra em seco e as suas dimensões dependerão da pendente existente, mas não superarão a altura mais alta das muras tradicionais da sua contorna. A técnica tradicional da pedra em seco é uma manifestação do património cultural da Galiza censada segundo a Resolução de 31 de agosto de 2016 (DOG núm. 186, de 29 de setembro).

b) Proíbe-se o uso como material de acabamento do bloco ou muro de formigón ou do tijolo cerámico.

c) Excepcionalmente, poderão ser autorizados muros e socalcos em que a pedra seca seja o acabamento visível, enquanto que a função estrutural a assuma outro tipo construtivo. Esta solução não será a habitual e deverá estar justificada por razões pontuais de estabilidade, de precariedade ou de segurança.

d) O uso de bancais sem muras será também excepcional, justificado nas condições de não visibilidade e sempre que os taludes resultantes se ajustem às alturas de muras do contorno.

9. As actuações de socalcamento com terrazas sem muras em pendentes superiores ao 30 % em qualquer superfície. A execução de bancais sem muras não será autorizada nos âmbitos em que se acredite a permanência ou existência de paredes tradicionais.

10. A construção de plataformas, vias e acessos no interior dos prédios, que serão os mínimos, preferentemente em material de xabre compactado ou formigóns com areias pardas e de largos limitados.

11. As intervenções de integração ambiental de socalcos e edificações existentes não tradicionais, assim como os materiais apropriados para a sua melhora.

12. A instalação de meios de sinalização de carácter turístico ou interpretativo do património cultural, assim como as instalações destinadas a este objecto, nomeadamente os miradouros, aparcadoiros, mobiliario público, painéis e outros que se localizem no âmbito da paisagem cultural. Todos os elementos de sinalização terão carácter provisório enquanto não se elabore e ajustem às condições de um plano específico e, se é o caso, poderá proibir-se a sua instalação se resulta redundante ou prejudica a apreciação da paisagem ou os bens do património cultural.

B) Actuações que não requerem autorização prévia da DXPC na paisagem cultural.

No âmbito da paisagem cultural da Ribeira Sacra e na sua zona de amortecemento, sempre que não esteja afectado pela protecção de algum outro elemento classificado, será de aplicação o regime geral de protecção nos contornos de protecção dos bens classificados no referente às actuações que não requerem de autorização prévia da DXPC e que recolhem o disposto na Instrução de 8 de novembro de 2017 relativa ao trâmite de autorizações em matéria de património cultural nos bens imóveis catalogado e declarados de interesse cultural, os seus contornos de protecção e as zonas de amortecemento (DOG núm. 231, de 5 de dezembro de 2017). Além disso, em virtude dos aspectos específicos que se assinalaram nas considerações supracitadas, relativas às actuações que sim precisam de autorização ou que resultam proibidas, não requererão da autorização prévia da DXPC as que suponham o normal desenvolvimento da actividade agrícola e de manutenção das infra-estruturas e construções existentes.

1. Actividad agrícola.

Respeitar-se-á a estrutura do território da paisagem cultural, em especial a que deriva da organização da propriedade e das comunicações e acessos, tomando em consideração que se trata de uma paisagem viva sustida por uma actividade agrícola fundamentalmente mantida pelo cultivo da vinde e o castiñeiro. Esta actividade agrícola, tanto de vinhas como de outras produções tradicionais do âmbito (oliveiras, fruteiras, etc.) não precisará de autorização prévia da DXPC.