Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 238 Terça-feira, 14 de dezembro de 2021 Páx. 60888

III. Outras disposições

Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação

ORDEM de 30 de novembro de 2021 pela que se estabelecem as bases reguladoras para a concessão de ajudas a entidades locais da Galiza para o financiamento de actuações em matéria de biorresiduos de competência autárquica, co-financiado pelo fundo europeu relativo ao Mecanismo de recuperação e resiliencia da UE no marco do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, financiado pela União Europeia-NextGenerationEU, e se procede à sua convocação em regime de concorrência não competitiva por antecipado de despesa para os anos 2022 e 2023 (código de procedimento MT975K).

Segundo o estabelecido no artigo 1 do Decreto 42/2019, de 28 de março, pelo que se estabelece a estrutura orgânica da Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação esta conselharia é o órgão da Administração da Comunidade Autónoma da Galiza ao que lhe correspondem as competências e funções em matéria de ambiente, ordenação do território e urbanismo, conservação do património natural, paisagem e habitação, conforme o estabelecido no Estatuto de autonomia para A Galiza nos termos assinalados na Constituição espanhola, com o nível de desenvolvimento que se indica neste Decreto para cada um dos órgãos integrantes deste departamento.

Em particular, segundo o artigo 10 do referido decreto, a Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático exerce as competências e funções em matéria de avaliação e controlo da incidência que sobre o ambiente provoque a actividade humana, o fomento de sistemas e estratégias de correcção da dita incidência, a avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente, a gestão dos sistemas de observação ambiental e predição meteorológica da Galiza e o impulso da investigação ambiental e o desenvolvimento tecnológico para o alcanço da adequada protecção ambiental.

Incluem-se aqui:

a) A elaboração e o seguimento dos programas autonómicos de prevenção de resíduos e dos planos autonómicos de gestão de resíduos incluídos no âmbito de aplicação da Lei 6/2021, de 17 de fevereiro, de resíduos e solos contaminados da Galiza, e das acções de desenvolvimento destes.

b) O fomento das acções de minimización da produção de resíduos, da sua reutilização e reciclagem e dos programas de colaboração com as câmaras municipais e com outras organizações para a aplicação das acções indicadas.

c) A realização de campanhas de formação e sensibilização em matéria de resíduos.

d) O planeamento e o fomento de acções relacionadas com a economia circular.

Por sua parte, as entidades locais são competente para a gestão dos resíduos nos termos estabelecidos na Lei 7/1985, de 2 de abril, reguladora das bases do regime local, na Lei 6/2021, de 17 de fevereiro, de resíduos e solos contaminados da Galiza e na Lei 22/2011, de 28 de julho, de resíduos e solos contaminados e demais normativa de aplicação.

De acordo com o que se acaba de assinalar, e tal como se preceptúa no artigo 12, ponto 5 da mencionada lei básica corresponde às câmaras municipais como serviço obrigatório a recolhida, transporte e o tratamento dos resíduos domésticos gerados nos fogares, comércios e serviços na forma em que estabeleçam as suas respectivas ordenanças de conformidade com o marco normativo aplicável.

A Directiva 2018/851 do Parlamento Europeu e do Conselho de 30 de maio de 2018 pela que se modifica a Directiva 2008/98/CE sobre resíduos, estabelece no seu artigo 22 que os biorresiduos deverão separar-se e reciclarse em origem ou bem recolher-se de forma separada como muito tarde o 31 de dezembro de 2023, o que coincide com o disposto na Lei 6/2021, de 17 de fevereiro, de resíduos e solos contaminados da Galiza.

O Plano de gestão de resíduos urbanos da Galiza 2010–2022, estabelece as bases para impulsionar a gestão de resíduos urbanos na Galiza para um novo palco mais sustentável e acorde com a hierarquia de resíduos marcada pela normativa, fazendo especial fincapé na prevenção e a valorização dos resíduos.

O plano recolhe os objectivos marcados pela normativa vigente e estabelece novas metas especialmente em matéria de prevenção, onde pela primeira vez se estabelece um objectivo cuantitativo, no tocante ao incremento da recolhidas selectivas, tanto em quantidade como em qualidade.

A partir da diagnose realizada com ocasião da elaboração do plano, as conclusões ou prioridades detectadas incluíram, em matéria de gestão de resíduos domésticos e pelo que atinge ao objecto e finalidade da presente ordem, as seguintes:

a) Potenciar a gestão/recolhida em origem da fracção orgânica dos resíduos autárquicos.

b) Minimizar a vertedura final em depósitos controlados, especialmente de fracção biodegradable e materiais recuperables.

c) Desenvolver as infra-estruturas precisas para tratar os resíduos gerados e para atingir os objectivos e potenciar desta maneira a organização territorial e a capacitação de técnicos, sob critérios de suficiencia e proximidade, viabilidade económica e ambiental.

Para tal efeito, o Plano organiza-se em torno de dez grandes linhas estratégicas que aglutinan as actuações a desenvolver no actual horizonte temporário do planeamento autonómico que abrange, trás a actualização operada em dezembro de 2016, até o ano 2022.

O plano inclui uma linha estratégica específica para a melhora da recolhida separada da fracção orgânica (LÊ 3), na que se recolhem diferentes modalidades de gestão dos biorresiduos, que as entidades locais deverão pôr em marcha atendendo às características territoriais e da povoação. Para o tratamento dos biorresiduos de competência autárquica recolhidos separadamente, Galiza conta, na actualidade, com 5 plantas de tratamento de biorresiduos autorizadas e outra mais em processo de autorização, somando instalações públicas e privadas: planta de compostaxe de Cerceda (Sogama), planta de compostaxe e dixestión anaerobia de Nostián (A Corunha), planta de compostaxe do Barbanza (Lousame), planta de compostaxe de Compost Galiza, S.A. (Leiro), planta de compostaxe de J.A. Neira Ribadavia (A Estrada) e a planta de compostaxe do Morrazo-Urbaser (Cangas) que está pendente de obter a autorização correspondente.

Além disso, o Plano inclui um planeamento de infra-estruturas necessárias para dar tratamento aos biorresiduos recolhidos separadamente que está a ser actualizada para incorporar as novas plantas de compostaxe que construirá Sogama e às que as entidades locais se poderão aderir para tratar ali os seus biorresiduos, uma vez tenham implantada a recolhida separada desta fracção.

Neste marco a Conselharia de Médio Ambiente e a Sociedade Galega do Meio Ambiente (Sogama) estão a planificar um Plano logístico de infra-estruturas para dar cobertura à recolhida dos biorresiduos na prática totalidade do território galego. O Plano logístico de Sogama baseia-se no despregamento de quatro plantas de compostaxe (Cerceda, Cervo, Vilanova de Arousa e Verín), e 13 plantas de transferência nas que se realizará o trasvasamento da fracção orgânica recolhida no quinto contedor (o de cor marrón). Estas plantas de transferência de apoio à recolhida dos biorresiduos serão as seguintes: PT. Cee, PT. Curtis, PT. Ponteceso, PT. Riotorto, PT. Chantada, PT. Sarria, PT. Silleda, PT. A Cañiza, PT. Vigo, PT. A Lama, PT. A Rúa, PT. de Narón e PT. do Porriño. Com estas 13 plantas de transferência mais as 4 plantas de compostaxe prestar-se-á serviço a um total de 280 câmaras municipais (2.183.520 habitantes), os quais disporão de uma planta de compostaxe ou bem de uma planta de transferência a menos de 50 quilómetros de distância para poder transportar a estas a matéria orgânica recolhida selectivamente nas suas localidades através do quinto contedor.

Entre os instrumentos disponíveis para a consecução dos objectivos propostos, o plano recolhe especificamente o estabelecimento de linhas de subvenções dirigidas a entidades locais destinadas a impulsionar medidas que contribuam à consecução dos objectivos vigentes nesta matéria, trás as novidades introduzidas no contexto comunitário de conformidade com a folha de rota cara uma Europa Eficiente no uso dos recursos, no marco da Estratégia 2020, assim como tendo em conta as medidas recolhidas no pacote de economia circular, aprovado pela Comissão Europeia em dezembro de 2015, pilares básicos para uma gestão eficiente dos recursos e dos resíduos que se sustenta, fundamentalmente, na prevenção e a reciclagem e em reforçar o princípio de hierarquia nas opções de gestão de resíduos.

Aplicando esta hierarquia, a prevenção é a melhor opção de gestão seguida, nesta ordem, da preparação para a reutilização, da reciclagem, de outras formas de valorização (incluída a energética) e, por último, da eliminação (o depósito em vertedoiro, entre outras).

Trás a realização de um estudo pormenorizado da situação actual na Galiza a respeito do cumprimento das obrigações estabelecidas em matéria de gestão de resíduos autárquicos pela normativa comunitária, conclui-se que o procedimento de concessão da subvenção regulado no artigo 19.2, da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, resulta ser o mais ajeitado para o cumprimento de tais objectivos, ao promover directamente com estas subvenções as actuações necessárias para atingir tal fim.

Em consequência, tendo em conta as competências assumidas por este departamento, a presente convocação vai destinada a apoiar às entidades locais na procura de respostas aos reptos e oportunidades associadas ao cumprimento do actual marco normativo vigente, assim como dos objectivos que a dita planeamento persegue.

Para tal fim serão objecto de financiamento, ao amparo da presente convocação, os projectos destinados à implementación de medidas de gestão dos resíduos domésticos conforme o esquema de prioridades e o princípio de hierarquia aplicável em matéria de resíduos. Em particular, englobam-se aqui actuações destinadas a potenciar a prevenção, recolhida separada e valorização dos biorresiduos de competência autárquica com a finalidade de contribuir ao cumprimento dos objectivos fixados pelo actual marco normativo.

É preciso assinalar que com data de 14 de abril de 2021 se aprovaram, na Conferência sectorial de médio ambiente, as bases reguladoras das subvenções que devem convocar as comunidades autónomas e o compartimento propriamente dito das ajudas previstas para o Plano de apoio à implementación da normativa de resíduos, Programa de economia circular e PIMA resíduos.

O artigo 60.2 da Lei 13/2015, de 24 de dezembro, de medidas fiscais e administrativas, indica que as convocações públicas de ajudas e subvenções da Administração geral da Comunidade Autónoma da Galiza e dos entes instrumentais do sector público autonómico destinadas às entidades locais da Comunidade Autónoma, deverão primar, na forma em que se estabeleça nas correspondentes bases reguladoras, as solicitudes apresentadas conjuntamente por mais de uma entidade local baixo qualquer forma.

Para tais efeitos, as presentes bases reguladoras prevêem a possibilidade de que os ditos agrupamentos de entidades locais possam aceder à condição de beneficiários destas subvenções.

Esta ordem enquadra no marco do Mecanismo de recuperação e resiliencia, dentro do eixo/componente 12: política industrial de Espanha 2030, medida investimento I3: Plano de apoio à implementación da normativa de resíduos e ao fomento da economia circular (resíduos e economia circular), submedida 001: resíduos e economia circular, modalidade de financiamento 4620-MRR, do Plano estatal de recuperação, transformação e resiliencia (PRTR), financiado pela União Europeia-NextGenerationEU, e no cumprimento da normativa autonómica, estatal e da União Europeia que regula este tipo de investimentos, e ficam sujeitas, em todo o caso, ao cumprimento, execução e realização dos objectivos fixados no supracitado plano.

O investimento é coherente com o objectivo «Aumento dos resíduos autárquicos recolhidos selectivamente», tal e como se define no anexo da proposta de decisão de execução do Conselho relativa à aprovação da evaluación do plano de recuperação e resiliencia de Espanha [SWD(2021) 147 final], resultando apto para atingir um mínimo do 30 % de recolhida selectiva dos resíduos autárquicos, de conformidade com a Directiva 2008/98/CE, que constitui o indicador correspondente a este objectivo.

Neste marco resultam de aplicação o Real decreto lei 36/2020, de 30 de dezembro, pelo que se aprovam medidas urgentes para a modernização da Administração pública e para a execução do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, assim como o Regulamento (UE) nº 2020/2094 do Conselho, de 14 de dezembro de 2020, pelo que se estabelece um Instrumento de recuperação da União Europeia para apoiar a recuperação, trás a crise da COVID-19 e regulado segundo o Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia. Resultando também de aplicação a Lei 9/2021, de 25 de fevereiro, de simplificação administrativa e de apoio à reactivação económica da Galiza, assim como a Ordem HFP/1030/2021, de 29 de setembro, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia e a Ordem HFP/1031/2021, de 29 de setembro, pela que se estabelece o procedimento e formato da informação a proporcionar pelas entidades do sector público estatal, autonómico e local para o seguimento do cumprimento dos fitos e objectivos e de execução orçamental e contável das medidas dos componentes do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

Estarão submetidas à plena aplicação dos mecanismos de gestão e controlo que se estabeleçam para o Mecanismo de recuperação e resiliencia da UE e à normativa da União Europeia aplicável à gestão, seguimento e controlo que se estabeleça para o Plano de reconstrução, transformação e resiliencia, assim como às específicas relativas à informação e publicidade, verificação e demais impostas pela normativa da União Europeia, cuja aplicação será de obrigado cumprimento.

Além disso, todas as actuações que se executem dentro do marco do Plano nacional de recuperação, transformação e resiliencia (PRTR) devem cumprir o princípio de «não causar prejuízo significativo» aos seguintes objectivos ambientais recolhidos no artigo 17 do Regulamento 2020/852 do Parlamento e do Conselho, de 18 de junho, de 2020, relativo ao estabelecimento de um marco para facilitar investimentos sustentáveis (princípio DNSH):

a) A mitigación da mudança climática.

b) A adaptação à mudança climática.

c) O uso sustentável e a protecção dos recursos hídricos e marinhos.

d) A economia circular.

e) A prevenção e controlo da contaminação.

f) A protecção e recuperação da biodiversidade e os ecosistemas.

O financiamento máximo outorgado para as actuações reguladas nesta ordem de ajudas não excederá o 90 % do custo total do projecto. A percentagem restante será assumida pelo beneficiário/a e será compatível com o financiamento que os beneficiários possam receber de outras administrações, sempre e quando não supere o custo total do projecto que se vai financiar. O financiamento achegado não é compatível com os projectos clima, promovidos através do Fundo de Carbono para uma Economia Sustentável (FÉS-CO2), assim como com ajudas, subvenções, receitas ou recursos para a mesma finalidade procedentes de qualquer outro fundo europeu, tais como o Feder, REACT-UE, FSE, Feader, HORIZONTE EUROPA, etc.

Em virtude do anterior, no uso das atribuições que me confire o artigo 34 da Lei 1/1983, de 22 de fevereiro, de normas reguladoras da Junta e da sua Presidência,

DISPONHO:

Artigo 1. Objecto e linhas de subvenção

1. Esta ordem tem por objecto regular a concessão, em regime de concorrência não competitiva, de ajudas para a execução de actuações em matéria de resíduos de competência autárquica, em concreto, encaminhadas à melhora da gestão dos biorresiduos, às entidades locais autárquicas e supramunicipais e agrupamentos de entidades locais da Galiza que tenham assumida a competência de prestar os serviços de recolhida ou de tratamento de resíduos autárquicos (procedimento MT975K), ao tempo que se faz pública a sua convocação para os anos 2022 e 2023.

2. São linhas subvencionáveis as seguintes:

a) Linha 1. Projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia).

b) Linha 2. Projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica ou comunitária (compostaxe in situ).

Artigo 2. Beneficiários

1. Poderão ser beneficiárias as entidades locais autárquicas e supramunicipais e agrupamentos de entidades locais da Galiza, de conformidade com as competências que lhe correspondam em matéria de gestão de resíduos, que cumpram os requisitos estabelecidos para cada uma das linhas subvencionáveis:

a) Linha 1. Projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia):

1º. Câmaras municipais que se encontram dentro da área de influência (<50 quilómetros) de algumas das plantas autorizadas actualmente na Galiza para o tratamento de biorresiduos de competência autárquica e/ou das plantas de compostaxe/transferência previstas no Plano logístico de infra-estruturas de Sogama.

2º. Câmaras municipais nos que não exista a recolhida separada de biorresiduos previamente.

3º. Câmaras municipais que não receberam ajudas para a implantação da recolhida separada de biorresiduos previamente, ou qualquer outro tipo de colaboração económico-financeira com fundos públicos para implantar esta recolhida separada.

4º. Câmaras municipais que, no caso de receber ajudas ou colaboração económico-financeira previamente para a implantação da recolhida separada de biorresiduos, ainda têm pendente a extensão deste serviço a toda a sua povoação e podem completar as ajudas para ditas implantações.

5º. Ficam excluídas da possibilidade de financiamento as entidades locais que já tenham implantada a recolhida separada de biorresiduos em todo o seu território com destino a instalações específicas de tratamento biológico.

b) Linha 2. Projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica ou comunitária (compostaxe in situ):

1º. Câmaras municipais que não têm implantada a compostaxe doméstica e/ou comunitária no seu território, previamente.

2º. Câmaras municipais que não receberam ajudas para a implantação da compostaxe doméstica e/ou comunitária, ou qualquer outro tipo de colaboração económico-financeira com fundos públicos para implantar estes modelos de gestão.

3º. Câmaras municipais que, no caso de receber ajudas ou colaboração económico-financeira previamente para a implantação da compostaxe doméstica e/ou comunitária, ainda têm pendente a extensão deste serviço a toda a sua povoação e podem completar as ajudas para ditas implantações.

4º. Câmaras municipais nos que é necessário complementar a implantação da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico, com a compostaxe in situ, naqueles âmbitos espaciais de actuação onde não se possa levar a cabo a primeira modalidade de recolhida citada. De forma que nesses âmbitos espaciais concretos a totalidade dos biorresiduos gerados têm que ser geridos mediante compostaxe doméstica, compostaxe comunitária, ou ambas.

5º. Ficam excluídos da possibilidade de financiamento os projectos de implantação de compostaxe doméstica em câmaras municipais qualificados de urbanos, segundo o índice de ruralidade estabelecido no PXRUG 2010-2022, e os projectos de implantação de compostaxe comunitária em câmaras municipais de menos de 3.000 habitantes, salvo que não se esgote o crédito com as solicitudes dos beneficiários potenciais recolhidos pelos anteriores pontos desta linha 2.

2. Tendo em conta o anterior, as entidades locais poderão formular solicitudes de subvenção bem de forma individual ou bem de forma agrupada com outras entidades locais que reúnam estes mesmos requisitos. No caso de solicitudes apresentadas por agrupamentos de entidades locais, observar-se-á o estabelecido no artigo 8.3 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, no tocante, em particular, à identificação dos compromissos de execução assumidos por cada membro do agrupamento, do montante de subvenção que se aplicaria a cada um deles que terão, igualmente, a condição de beneficiários, assim como em relação com a necessária nomeação da entidade local, que actuará como representante do agrupamento para cumprir as obrigações que, como beneficiária, lhe correspondem ao agrupamento.

As câmaras municipais agrupadas terão, em todo o caso, a condição de entidade beneficiária, pelo que, para poder conceder a subvenção solicitada, todos eles têm que cumprir os requisitos, condições, obrigações e compromissos estabelecidos nesta ordem. A falta de acreditação do cumprimento de algum requisito por parte de alguma das entidades participantes suporá a inadmissão da solicitude conjunta quando afecte a entidade que tem a representação; nos outros casos, manter-se-á a validade da solicitude, sempre que se comunique por escrito a exclusão da câmara municipal afectada pelo não cumprimento, dentro do prazo concedido para o efeito.

3. Uma entidade local não pode concorrer à convocação de maneira simultânea e para a mesma actuação de maneira individual e através da entidade supramunicipal ou agrupamento na que se integre. De dar-se o caso, não se admitirá a solicitude que, de conformidade com a data de apresentação, fosse posterior no tempo.

4. Para poder ser beneficiária destas ajudas, as entidades locais deverão ter apresentado as contas a que se refere o artigo 208 e seguintes do Real decreto legislativo 2/2004, de 5 de março, pelo que se aprova o texto refundido da Lei reguladora das fazendas locais, do exercício orçamental que corresponda, no Conselho de Contas da Galiza.

5. Não poderão ter a condição de beneficiários as entidades em que concorra alguma das circunstâncias previstas no artigo 13.2 da Lei 38/2003, de 17 de novembro, geral de subvenções, e no artigo 10.2 e 10.3 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

Artigo 3. Actuações subvencionáveis e requisitos

1. Ao amparo desta ordem de ajudas serão subvencionáveis as actuações que se citam a seguir para cada linha de ajuda.

a) Linha 1. Projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia).

Os conceitos subvencionáveis dentro deste tipo de projectos, assim como os requisitos que devem cumprir os mesmos, são os que se recolhem na seguinte tabela:

Conceitos financiables

Requisitos

Caldeiros domésticos de biorresiduos

O caldeiro para a recolhida separada de biorresiduos será de tipo aireado e de cor marrón, total ou parcialmente. Deverá incorporar, no mínimo, a identificação (com um adhesivo ou serigrafía) dos materiais que se podem depositar no seu interior. Incluem-se também os caldeiros domésticos de achega na via pública para a recolhida separada porta a porta de biorresiduos na via pública.

Bolsas compostables de uso doméstico

Bolsas compostables para a recolhida separada da fracção orgânica que deverão cumprir com a norma UNE-EM 13432. Deverão incorporar, no mínimo, a identificação de que são bolsas compostables específicas para os resíduos orgânicos.

Caldeiros comunitários de biorresiduos

Caldeiros para as comunidades de proprietários. O caldeiro deverá incorporar, no mínimo, a identificação (com um adhesivo ou serigrafía) dos materiais que se podem depositar no seu interior, e deverão ser total ou parcialmente de cor marrón.

Sistemas de achega para o porta a porta

Colgadores e/ou compartimentos de caldeiros ou bolsas individuais ou comunitários para a recolhida porta a porta.

Sistemas de identificação de utente e pesada

Sistemas de identificação de utente e pesada de caldeiros e contedores e/ou de parede e os sistemas informáticos associados necessários (leitores, antenas, software). Não é subvencionável a manutenção, só a aquisição.

Contedores para a via pública

Os contedores para a recolhida separada de biorresiduos na via pública deverão ser, parcial ou totalmente, de cor marrón ou incorporar uma identificação de cor marrón. A resistência dos contedores será a equivalente ao peso do contedor cheio de matéria orgânica e estes deverão permitir a incorporação de sistemas de identificação e pesado. O contedor incluirá uma impressão permanente dos materiais que podem ser depositados no seu interior.

Construção de áreas de achega e controlo de acesso

Construção de áreas de achega fechadas com contedores dentro destas e controlo de acesso de utentes, incluindo a tecnologia necessária, mesmo para limitar a achega da fracção resto.

Tiras reutilizables para a recolhida de restos vegetais

Tiras reutilizables para a recolhida separada de restos vegetais. As tiras incluirão uma impressão permanente dos materiais que podem ser depositados no seu interior.

Biotrituradoras

Biotrituradoras transportables ou portátiles para a trituración in situ dos restos vegetais gerados nas podas, para facilitar o transporte destes resíduos.

Caldeiros para biorresiduos de grandes geradores (*)

Deverão ser, parcial ou totalmente, de cor marrón ou incorporar uma identificação de cor marrón. O caldeiro incluirá uma impressão permanente dos materiais que podem ser depositados no seu interior.

Bolsas e fundas compostables para biorresiduos de grandes geradores (*)

Bolsas e fundas compostables para a recolhida separada da fracção orgânica que deverão cumprir com a norma UNE-EM 13432. Deverão incorporar, no mínimo, a identificação de que são bolsas compostables específicas para os resíduos orgânicos.

Camiões para a recolhida de biorresiduos, preferivelmente não compactadores

Limitado a entidades locais com povoação superior aos 5.000 habitantes, nas que se financiará a aquisição de um camião por projecto nas câmaras municipais até 60.000 habitantes, e de dois camiões em câmaras municipais de mais de 60.000 habitantes. A ajuda máxima para a aquisição de um camião será de 30.000 €, e terá que ser preferivelmente não compactador. O camião deverá levar serigrafiado num lugar visível que é para a recolhida separada de biorresiduos.

Campanha de informação, difusão e sensibilização à povoação e seguimento do projecto

As actuações de formação, informação, difusão do projecto e sensibilização da povoação atendida no projecto deverão incluir um plano de trabalho e uma guia na que se detalhe que biorresiduos são objecto da recolhida separada, assim como a vigilância e controlo.

Campanha de informação, difusão e sensibilização aos grandes geradores e seguimento do projecto (*)

As actuações de formação, informação, difusão do projecto e sensibilização dos grandes geradores atendidos no projecto deverão incluir um plano de trabalho e uma guia na que se detalhe que biorresiduos são objecto da recolhida separada, assim como a vigilância e o controlo.

Nas actuações que compreendam diferentes fracções, como campanhas de comunicação, encerramento de contedores, por exemplo, só serão elixibles os custos correspondentes às percentagens associadas às fracções subvencionadas, o que se determinará considerando as percentagens da bolsa tipo considerada no PXRUG 2010-2022.

(*) Perceber-se-ão por grandes geradores de biorresiduos os restaurantes, maioristas, cantinas, serviços de restauração colectiva e estabelecimentos de consumo a varejo. A entidade solicitante só poderá solicitar financiamento para estes conceitos se gere os biorresiduos destes grandes geradores de conformidade com as suas ordenanças (conforme a Lei 22/2011, de 28 de julho, de resíduos e solos contaminados (artigo 12, ponto 5c).

Não se considerarão conceitos subvencionáveis os custos do serviço de recolhida selectiva, o tratamento dos resíduos, assim como também não os custos de manutenção nem os alugueres.

b) Linha 2. Projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica ou comunitária (compostaxe in situ).

Os conceitos subvencionáveis dentro deste tipo de projectos, assim como os requisitos que devem cumprir estes, são os que se recolhem na seguinte tabela:

Conceitos financiables

Requisitos

Caldeiros domésticos de biorresiduos

O caldeiro para a recolhida separada de biorresiduos será de tipo aireado e de cor marrón, total ou parcialmente. Deverá incorporar, no mínimo, a identificação (com um adhesivo ou serigrafía) dos materiais que se podem depositar no seu interior.

Composteiros domésticos

Composteiros para habitações unifamiliares com jardim ou horto nos que se depositem e se composten os biorresiduos.

Construção de áreas de composteiros comunitários

Construção de áreas de composteiros comunitários, ou a parte proporcional de áreas partilhadas com a achega de outras fracções de recolhida separada.

Composteiros comunitários

Composteiros para zonas comunitárias nas que se depositem e se composten os biorresiduos.

Na quantia máxima financiable para os composteiros comunitários considera-se incluído o montante dos aireadores, termómetros e tamizadoras.

Biotrituradoras

Biotrituradoras para a trituración de material estructurante.

Aireadores, termómetros e tamizadoras para a compostaxe doméstica

Aireadores e termómetros específicos para controlar o processo de compostaxe e tamizadoras para a cribaxe do compost obtido.

Os aireadores, termómetros e tamizadoras da compostaxe comunitária consideram-se incluídos dentro da quantia do conceito «Composteiros comunitários».

Actuações de formação, difusão e seguimento do projecto

As actuações de formação, difusão e seguimento deverão incluir um plano de trabalho, assim como a vigilância e o controlo. Entre estas actuações incluir-se-á uma guia para cada habitação participante na que se detalhem os biorresiduos que podem ser objecto de compostaxe.

Cartazes explicativos nas áreas de compostaxe comunitária

Os cartazes deverão incorporar, no mínimo, a identificação dos materiais que se podem compostar, assim como uma explicação das acções para levar a cabo pelos participantes (achega de material estructurante, proporção, etc) e um telefone ou correio electrónico de contacto para a resolução de dúvidas dos participantes.

2. As entidades locais que optem a estas subvenções adquirirão o compromisso firme de implantar a recolhida separada e/ou a compostaxe in situ dos biorresiduos, segundo a ajuda concedida, no máximo antes de 30 de novembro de 2023.

3. As entidades locais que cumpram os requisitos para ser beneficiárias de acordo com o estabelecido nos artigos precedentes poderão concorrer a esta convocação ao amparo das duas linhas subvencionáveis recolhidas nestas bases reguladoras, e deverão apresentar uma solicitude por cada linha, tendo em conta as quantias máximas de ajuda estabelecidas no artigo 5 destas bases reguladoras.

Artigo 4. Despesas subvencionáveis

1. Com carácter geral, e de acordo com o estabelecido no artigo 29 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, consideram-se despesas subvencionáveis aqueles que, de forma indubidable, respondam à natureza da actividade subvencionável e cumpram o estabelecido no artigo 17 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro, de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia (em diante, Mecanismo).

2. Em particular, não serão despesas subvencionáveis os seguintes:

a) As despesas não justificadas correctamente ou que não sejam objecto de subvenção, assim como as despesas não imputables ao investimento.

b) O imposto sobre o valor acrescentado.

c) As despesas financeiras derivadas do investimento.

d) Os investimentos realizados mediante contrato de arrendamento financeiro ou leasing.

e) As despesas de pessoal.

f) Os prêmios ou agasallos não relacionados com a actuação e/ou innecesarios.

g) Os custos associados aos serviços de recolhida e o tratamento dos resíduos autárquicos.

h) A respeito dos bens de equipamento de segunda mão, estes serão subvencionáveis quando se cumpram os requisitos seguintes:

1º. Que conste uma declaração do vendedor sobre a origem dos bens e sobre que estes não têm sido objecto de nenhuma subvenção nacional ou comunitária.

2º. O preço não poderá ser superior ao valor de mercado e deverá ser inferior ao custo dos bens novos similares, acreditando-se estes pontos mediante certificação de taxador independente.

i) Os custos de alugamentos e pagamento de serviços a terceiros.

j) Em caso que o projecto, ou determinados conceitos deste, afectem fluxos de resíduos cobertos pela responsabilidade alargada do produtor, não será financiable a parte atribuíble à responsabilidade alargada do produtor.

k) Não se valorarão factores energéticos.

l) Assim como todas aquelas despesas que figurem no artigo 29 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, como não subvencionáveis.

3. As entidades solicitantes poderão subcontratar a totalidade da actuação subvencionável, de conformidade com o disposto no artigo 27 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza. Se é o caso, as entidades subcontratadas deverão comprometer-se a cumprir com os standard mais exixentes em relação com as das normas jurídicas, éticas e morais, adoptando as medidas necessárias para prevenir e detectar a fraude, a corrupção e os conflictos de interesse, assim como respeitar os princípios de economia circular e evitar impactos negativos significativos no meio natural («DNSH» pelas suas siglas em inglês «do no significant harm») na execução das actuações levadas a cabo no marco de dito plano, assim como a não incorrer em duplo financiamento e que, se é o caso, não lhe conste risco de incompatibilidade com o regime de ajudas de Estado. Para estes efeitos, o cumprimento nestes me os ter acreditar-se-á mediante declaração da subcontrata correspondente, no momento da justificação (artigo 20.3.h), segundo o modelo incluído como anexo VIII nesta ordem.

Dever-se-á observar o disposto na normativa aplicável em matéria de contratação pública vigente na tramitação do procedimento de contratação e, se é o caso, a respeito de contrato menor com adjudicação directa.

O beneficiário deverá solicitar, no mínimo, três ofertas de diferentes provedores, com carácter prévio à contratação do compromisso para a prestação do serviço ou a entrega do bem, salvo que pelas especiais características das despesas subvencionáveis não exista no comprado suficiente número de entidades que o subministrem ou prestem.

Artigo 5. Crédito e quantia das ajudas

1. As ajudas convocadas ao amparo desta ordem financiar-se-ão com cargo ao Mecanismo de recuperação e resiliencia da UE no marco do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, financiado pela União Europeia-NextGenerationEU, segundo se indica a seguir:

a) Com cargo à aplicação orçamental 08.02.541D.760.1 (código de projecto 2022 00034) correspondente aos orçamentos gerais da Comunidade Autónoma da Galiza para o ano 2022 até um máximo de seis milhões sete centos trinta e oito mil cento cinquenta e seis euros (6.738.156 €), procedentes do Mecanismo de recuperação e resiliencia da UE no marco do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, financiado pela União Europeia-NextGenerationEU, com a seguinte distribuição:

1º. Montante para a linha 1: projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia): 4.278.162 €.

2º. Montante para a linha 2: projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica ou comunitária (compostaxe in situ): 2.459.994 €.

b) Com cargo à aplicação orçamental 08.02.541D.760.1 (código de projecto 2022 00034), correspondente aos orçamentos gerais da Comunidade Autónoma da Galiza para o ano 2023 até um máximo de seis milhões sete centos trinta e oito mil cento cinquenta e seis euros (6.738.156 €), procedentes do Mecanismo de recuperação e resiliencia da UE no marco do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, financiado pela União Europeia-NextGenerationEU, com a seguinte distribuição:

1º. Montante para a linha 1: projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia): 4.278.162 €.

2º. Montante para a linha 2: projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica ou comunitária (compostaxe in situ): 2.459.994 €.

2. O crédito estabelecido nas linhas 1 e 2 da subvenção poderá ser redistribuir de uma a outra se em alguma delas as solicitudes beneficiárias não resultam suficientes para esgotar os fundos disponíveis.

3. O financiamento máximo outorgado para as actuações reguladas nesta ordem de ajudas não excederá o 90 % do custo total do projecto. A percentagem restante será assumida pelo beneficiário/a e será compatível com o financiamento que os beneficiários possam receber de outras administrações, sempre e quando não supere o custo total do projecto que se vá financiar. O financiamento achegado não é compatível com os Projectos clima, promovidos através do Fundo de Carbono para uma Economia Sustentável (FÉS-CO2).

Com base no estudo pormenorizado da situação actual na Galiza a respeito do cumprimento das obrigações estabelecidas em matéria de gestão de resíduos autárquicos pela normativa comunitária, estabeleceu-se uma ratio de investimento por habitante em função das necessidades detectadas neste estudo, assim como das características das diferentes entidades locais galegas. Portanto, a ajuda económica que se conceda a cada entidade local de forma individual poderá atingir um limite máximo por câmara municipal segunda o indicado a seguir para cada linha subvencionável. Para as entidades locais, supramunicipais e os agrupamentos de entidades locais a ajuda económica que se conceda poderá atingir um limite máximo, que será a soma do financiamento máximo correspondente a cada câmara municipal da entidade local supramunicipal ou do agrupamento de entidades locais solicitante, segundo o indicado a seguir para cada linha subvencionável.

a) Linha 1: projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia): a quantia máxima da ajuda por Câmara municipal estabelece-se em função dos seguintes trechos, até o esgotamento do crédito a que se refere o presente artigo:

1º. Câmaras municipais até 5.000 habitantes: 5 €/habitante.

2º. Câmaras municipais até 30.000 habitantes: 3 €/habitante + 30.000 € (dotação complementar para o financiamento da aquisição de um camião não compactador destinado à recolhida de biorresiduos a grandes geradores).

3º. Câmaras municipais até 60.000 habitantes: 2 €/habitante + 30.000 € (dotação complementar para o financiamento da aquisição de um camião não compactador destinado à recolhida de biorresiduos a grandes geradores).

4º. Câmaras municipais de mais de 60.000 habitantes: 2 €/habitante + 60.000 € (dotação complementar para o financiamento da aquisição de dois camiões não compactadores destinados à recolhida de biorresiduos a grandes geradores).

No caso das entidades locais que perceberam ajudas prévias para este tipo de recolhida separada, mas que ainda podem complementá-la, detraeráselle do montante da ajuda máxima prevista o montante da subvenção adjudicada em convocações prévias. As convocações de ajudas e/ou subvenções precedentes que se consideram para a detracción dos montantes correspondentes, às entidades locais beneficiárias, recolhem no anexo VII desta ordem.

b) Linha 2: projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica ou comunitária (compostaxe in situ), a quantia máxima da ajuda por Câmara municipal estabeleceu-se em função dos seguintes trechos, até o esgotamento do crédito a que se refere o presente artigo:

1º. Câmaras municipais até 5.000 habitantes: 4,5 €/habitante.

2º. Câmaras municipais até 30.000 habitantes: 3 €/habitante.

3º. Câmaras municipais até 60.000 habitantes: 2 €/habitante.

4º. Câmaras municipais de mais de 60.000 habitantes: 1 €/habitante.

No caso das entidades locais que perceberam ajudas prévias para este tipo de projectos de compostaxe in situ, mas que ainda podem complementá-la, detraeráselle do montante da ajuda máxima prevista o montante da subvenção adjudicada em convocações prévias. As convocações de ajudas e/ou subvenções precedentes que se consideram para a detracción dos montantes correspondentes, às entidades locais beneficiárias, recolhem no anexo VII desta ordem.

4. As entidades locais que concorram às duas linhas subvencionáveis poderão distribuir a ajuda económica total da forma que melhor se adapte às suas necessidades, segundo o modelo de tratamento de biorresiduos assumido pela entidade local ou o grau de implantação de cada um deles no seu território.

5. Segundo o previsto no artigo 21.2 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o regulamento da Lei de subvenções da Galiza, a achega pública fixa-se como um montante verdadeiro e sem referência a uma percentagem ou fracção do custo total, pelo que não se abonará mais que o montante justificado com o limite da subvenção concedida. Percebe-se que fica por conta do beneficiário a diferença de financiamento necessário para a total execução da actividade subvencionada, de ser o caso.

6. Em aplicação do disposto nos artigos 67.1 e 67.2 da Lei 9/2021, de 25 de fevereiro, de simplificação administrativa e de apoio à reactivação económica da Galiza, no que se recolhe a tramitação antecipada de expedientes de despesa com cargo aos fundos do MRR, em caso que os expedientes se tramitem com anterioridade à aprovação do Projecto de Lei de orçamentos da Comunidade Autónoma, o órgão administrador deverá emitir um relatório no que se faça constar que existe crédito adequado e suficiente para o gasto que se pretende efectuar. A concessão destas ajudas fica condicionar à existência de crédito ajeitado e suficiente no momento da resolução da concessão.

7. Uma vez esgotadas as quantias máximas fixadas nestas bases, no ponto 1 deste artigo, assim como, de ser o caso, as ampliações de crédito efectuadas, publicar-se-á o esgotamento das quantias máximas fixadas e acordar-se-á a inadmissão das posteriores solicitudes; a dita publicação fá-se-á no Diário Oficial da Galiza e na página web https://sirga.junta.gal/

8. De acordo com o previsto no artigo 30.2 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o Regulamento da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, excepcionalmente poder-se-á alargar a quantia máxima dos créditos disponíveis quando o aumento venha derivado de uma geração, ampliação ou incorporação de crédito; quando existam remanentes de outras convocações financiadas com cargo ao mesmo crédito ou a créditos incluídos no mesmo programa ou em programas do mesmo serviço ou no suposto previsto no artigo 25.3 do regulamento. O incremento do crédito fica condicionar à declaração de disponibilidade como consequência das circunstâncias assinaladas e, de ser o caso, depois de aprovação da modificação orçamental que proceda. A ampliação do crédito publicar-se-á nos mesmos meios que a convocação, sem que implique a abertura de prazo para apresentar novas solicitudes nem o início de novo cômputo de prazo para resolver.

Artigo 6. Solicitudes e prazos

1. As solicitudes apresentar-se-ão obrigatoriamente por meios electrónicos através do formulario normalizado disponível na sede electrónica da Xunta de Galicia, http://sede.junta.gal (código de procedimento MT975K). Este formulario junta-se como anexo I a estas bases.

De conformidade com o artigo 68.4 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas, se alguma das pessoas interessadas apresenta a sua solicitude presencialmente, requerer-se-lhe-á para que a emende através da sua apresentação electrónica. Para estes efeitos, considerar-se-á como data de apresentação aquela na que fosse realizada a emenda.

2. Para a apresentação das solicitudes poderá empregar-se quaisquer dos mecanismos de identificação e assinatura admitidos pela sede electrónica da Xunta de Galicia, incluído o sistema de utente e chave Chave365 (https://sede.junta.gal/chave365).

3. As solicitudes podê-las-á apresentar individualmente uma câmara municipal ou conjuntamente mais de uma entidade local, bem seja por meio de entidades de carácter supramunicipal, que pela sua vez têm a consideração de entidade local, bem baixo a modalidade de agrupamento de entidades locais.

No caso de solicitudes conjuntas apresentadas baixo a modalidade de agrupamento, fá-se-á constar na própria solicitude, na epígrafe destinada à identificação do solicitante, a referência a «Agrupamento de» seguida da identificação das entidades de que se trate.

4. As solicitudes (anexo I) serão subscritas directamente pelas pessoas que desempenhem a sua representação. A apresentação da solicitude implica o conhecimento e a aceitação destas bases reguladoras.

No caso de solicitudes formuladas por agrupamentos de entidades locais, a entidade local designada para actuar como representante deverá achegar, ademais da documentação requerida ao amparo do artigo 8.3 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, um documento em que se deixe constância de que as pessoas representantes das entidades locais participantes autorizam a apresentação da solicitude.

5. No formulario de solicitude (anexo I) as entidades solicitantes indicarão as actuações e conceitos subvencionáveis a que concorrem nesta convocação, assim como o investimento e a temporalidade de execução previstos.

6. O prazo de apresentação de solicitudes será desde o 15 de dezembro de 2021 até o 31 de janeiro de 2022, ambos incluídos.

7. Para o caso de dificuldades técnicas ou no caso de requerer mais informação, a Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação põe à disposição dos interessados o seu serviço de assistência técnica, através do endereço de correio electrónico axudas.cmaot@xunta.gal

Artigo 7. Documentação complementar

1. Para solicitar as ajudas que se regulam mediante esta ordem, as entidades locais autárquicas e supramunicipais, assim como os agrupamentos de entidades locais, apresentarão a documentação geral e técnica que se indica a seguir:

a) Acreditação da nomeação da pessoa representante para as suas relações com a Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação.

b) Certificação de o/da secretário/a da câmara municipal em que conste o acordo adoptado pelo órgão competente e que recolha a decisão da entidade ou entidades locais pelo qual se aprova a sua participação nesta convocação (anexo II).

c) Declaração responsável em que se faça constar que se dispõe de crédito suficiente no orçamento da entidade local para o pagamento da parte proposta para o co-financiamento por sua parte, no suposto de que a entidade local achegue fundos ao projecto/actividade/actuação para a que se solicita subvenção.

d) Certificação de que a entidade solicitante remeteu ao Conselho de Contas da Galiza as contas do último exercício orçamental a que legalmente está obrigada. Nesta certificação deverá ficar acreditado que a remissão das contas se efectuou antes do vencimento do prazo de apresentação de solicitudes (anexo II).

e) Declaração, por parte da entidade solicitante, do compromisso em relação com a execução de actuações do Plano de recuperação, transformação e resiliencia (PRTR) no sentido do artigo 8, ponto 2.e), da Orden HFP/1030/2021, do 29 de septembro, do Ministério de Fazenda e Função Pública, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação y resiliencia (anexo III).

f) No caso de solicitudes apresentadas por agrupamentos de entidades locais, deverão achegar:

1º. Documentação justificativo da pessoa ou entidade local designada para actuar como representante para formular a solicitude apresentada.

2º. Relação de entidades locais participantes.

3º. Justificação, de ser o caso, de que as pessoas representantes das entidades locais participantes autorizam a apresentação da solicitude, assim como no relativo à remissão das contas do último exercício orçamental a que legalmente estão obrigadas ao Conselho de Contas (anexo II).

4º. Os compromissos de execução assumidos por cada membro do agrupamento.

5º. O montante da subvenção que se vai solicitar para cada entidade membro do agrupamento, tendo em conta as quantias máximas e critérios de ajuste que constam no artigo 5.

2. A documentação complementar deverá apresentar-se electronicamente. Se alguma das pessoas interessadas apresenta a documentação complementar presencialmente, requerer-se-lhe-á para que a emende através da sua apresentação electrónica. Para estes efeitos, considerasse como data de apresentação aquela em que fosse realizada a emenda.

As pessoas interessadas responsabilizarão da veracidade dos documentos que apresentem. Excepcionalmente, quando a relevo do documento no procedimento o exixir ou existam dúvidas derivadas da qualidade da cópia, a Administração poderá solicitar de maneira motivada o cotexo das cópias achegadas pela pessoa interessada, para o que poderá requerer a exibição do documento ou da informação original.

3. Sempre que se realize a apresentação de documentos separadamente da solicitude dever-se-ão indicar o código e o órgão responsável do procedimento, o número de registro de entrada da solicitude e o número de expediente, se se dispõe dele.

4. Em caso que algum dos documentos que se vá apresentar de forma electrónica supere os tamanhos máximos estabelecidos ou tenha um formato não admitido pela sede electrónica da Xunta de Galicia, permitir-se-á a sua apresentação de forma pressencial dentro dos prazos previstos e na forma indicada no parágrafo anterior. A informação actualizada sobre o tamanho máximo e os formatos admitidos pode consultar na sede electrónica da Xunta de Galicia.

5. De conformidade com o artigo 28.3 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum, não será necessário achegar os documentos que já foram apresentados anteriormente pela pessoa interessada ante qualquer Administração. Neste caso, a pessoa interessada deverá indicar em que momento e ante que órgão administrativo apresentou os ditos documentos, que serão recolhidos electronicamente através das redes corporativas ou mediante consulta às plataformas de intermediário de dados ou outros sistemas electrónicos habilitados ao efeito, excepto que conste no procedimento a oposição expressa da pessoa interessada.

De forma excepcional, se não se puderam obter os citados documentos, poderá solicitar-se novamente à pessoa interessada a sua achega.

Artigo 8. Trâmites administrativos posteriores à apresentação de solicitudes

Todos os trâmites administrativos que as pessoas interessadas devam realizar trás a apresentação da solicitude deverão ser efectuados electronicamente acedendo à pasta cidadã da pessoa interessada, disponível na sede electrónica da Xunta de Galicia.

Artigo 9. Comprovação de dados

1. Para a tramitação deste procedimento consultar-se-ão automaticamente os dados incluídos nos seguintes documentos em poder da Administração actuante ou elaborados pelas administrações públicas, excepto que a pessoa interessada se oponha à sua consulta:

a) NIF da entidade solicitante.

b) DNI/NIE da pessoa representante.

c) Certificar de estar ao dia no pagamento das obrigações tributárias com a AEAT.

d) Certificar de estar ao dia no pagamento com a Segurança social.

e) Certificar de estar ao dia no pagamento das dívidas com a Administração pública da comunidade autónoma.

f) Consulta de inabilitações para obter subvenções e ajudas.

g) Consulta de concessões de subvenções e ajudas.

2. Em caso que as pessoas interessadas se oponham a esta consulta, deverão indicar no quadro correspondente habilitado no formulario correspondente e achegar os documentos.

Quando assim o exixir a normativa aplicável, solicitar-se-á o consentimento expresso da pessoa interessada para realizar a consulta.

3. Excepcionalmente, em caso que alguma circunstância impossibilitar a obtenção dos citados dados poder-se-lhes-á solicitar às pessoas interessadas a apresentação dos documentos correspondentes.

Artigo 10. Procedimento de concessão

O procedimento que se empregará para a concessão das ajudas será o de concorrência não competitiva recolhido no artigo 19.2 da Lei 9/2007, de subvenções da Galiza.

Estas subvenções serão tramitadas pelo procedimento abreviado regulado no artigo 22, sem que seja necessária a intervenção de um órgão avaliador.

Consonte o estabelecido no artigo 6.4 da Ordem HFP/1030/2021, de 29 de setembro, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, as pessoas que intervenham no processo de selecção dos beneficiários ou nos processos de verificação do cumprimento das condições, manifestarão, de forma expressa, a ausência ou não de conflicto de interesses através de uma Declaração de ausência de conflicto de interesses (DACI), de acordo com o modelo estabelecido na supracitada ordem.

Em caso que concorra conflicto de interesses, a pessoa afectada concretizará as solicitudes sobre as que recae o dito conflicto, devendo abster-se de intervir na sua selecção com o fim de mitigar os riscos de materialização deste conflito.

Artigo 11. Órgãos competente

1. A Subdirecção Geral de Resíduos da Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático, como órgão instrutor do procedimento, reverá as solicitudes recebidas e a documentação apresentada. No caso de estar incompleta, ter erros ou não apresentar toda a necessária, o defeito nas solicitudes ser-lhes-á notificado às pessoas interessadas e, de conformidade com o previsto no artigo 20.5 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, dar-se-lhes-á um prazo máximo e improrrogable de dez (10) dias hábeis, contados a partir do dia seguinte ao da recepção do requerimento, para emendar os erros ou omissão, com indicação de que, de não fazê-lo assim, se considerará que desistem da seu pedido, depois da resolução que deverá ditar-se nos termos do artigo 21 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas.

Igual requerimento se efectuará no suposto de resultado negativo da consulta efectuada à Agência Estatal da Administração Tributária (AEAT), à Tesouraria Geral da Segurança social (TXSS) e à conselharia competente em matéria de economia e fazenda, tendo que achegar nestes casos o solicitante as correspondentes certificações ou documentos.

2. Os requerimento de emenda, assim como qualquer tipo de notificação, realizar-se-ão através de meios electrónicos, de conformidade com o estabelecido no artigo 68 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas, de maneira que, quando existindo constância da posta à disposição da notificação, transcorressem 10 dias naturais sem que se aceda ao seu conteúdo, perceber-se-á que a notificação foi rejeitada, salvo que de ofício ou por instância do destinatario se comprove a imposibilidade técnica ou material do acesso.

3. Em aplicação dos princípios de eficácia e eficiência na asignação e utilização dos recursos públicos estabelecidos na Lei de subvenções da Galiza e sendo uma convocação de subvenções em concorrência não competitiva, as subvenções resolver-se-ão por ordem de registro de entrada das solicitudes apresentadas tendo em conta os requisitos que devem de cumprir os possíveis beneficiários de cada linha. Não obstante, naqueles supostos em que, ao amparo do estabelecido no parágrafo um deste artigo, se lhes requeresse aos solicitantes a emenda de erros ou omissão na solicitude ou documentação apresentada, perceber-se-á por registro de entrada da solicitude apresentada a data em que o dito requerimento estivesse correctamente atendido.

Artigo 12. Notificação

1. As notificações dos actos administrativos, diferentes da resolução de concessão, praticar-se-ão só por meios electrónicos, nos termos previstos na normativa reguladora do procedimento administrativo comum.

2. De conformidade com o artigo 45.2 da Lei 4/2019, de 17 de julho, de administração digital da Galiza, as notificações electrónicas praticarão mediante o comparecimento na sede electrónica da Xunta de Galicia e através do Sistema de notificações electrónicas da Galiza-Notifica.gal. Este sistema remeterá às pessoas interessadas aviso da posta a disposição das notificações à conta de correio e/ou telemóvel que constem na solicitude. Estes aviso não terão, em nenhum caso, efeitos de notificação praticada e a sua falta não impedirá que a notificação seja considerada plenamente válida.

3. De conformidade com o artigo 47 da Lei 4/2019, de 17 de julho, de administração digital da Galiza, as pessoas interessadas deverão criar e manter o seu endereço electrónico habilitado único através do Sistema de notificação electrónica da Galiza-Notifica.gal, para todos os procedimentos administrativos tramitados pela Administração geral e as entidades instrumentais do sector público autonómico. Em todo o caso, a Administração geral e as entidades do sector público autonómico da Galiza poderá de ofício criar o indicado endereço, para os efeitos de assegurar o cumprimento pelas pessoas interessadas da sua obrigação de relacionar-se por meios electrónicos.

4. As notificações perceber-se-ão praticadas no momento em que se produza o acesso ao seu conteúdo. Perceber-se-ão rejeitadas quando transcorressem dez dias naturais desde a posta à disposição da notificação sem que se aceda ao seu conteúdo.

5. Se o envio da notificação electrónica não fosse possível por problemas técnicos, a Administração praticará a notificação pelos médios previstos na normativa reguladora do procedimento administrativo comum.

Artigo 13. Resolução e publicação da resolução de concessão

1. A pessoa titular da Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático elevará as correspondentes propostas de concessão à pessoa titular da Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação, quem resolverá.

2. Nas resoluções de concessão figurarão os seguintes aspectos:

a) O nome da entidade local beneficiária.

b) O montante das despesas consideradas subvencionáveis sobre os quais se faz o cálculo da quantia.

c) A quantia da ajuda.

d) Que a ajuda está co-financiado num 90 % com cargo aos fundos do Mecanismo de recuperação e resiliencia da União Europeia, estabelecido pelo Regulamento (UE) nº 2020/2094 do Conselho, de 14 de dezembro de 2020, pelo que se estabelece o Instrumento de recuperação da União Europeia para apoiar a recuperação trás a crise da COVID-19, e regulado segundo o Regulamento 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia. Resultando de aplicação o Real decreto lei 36/2020, de 30 de dezembro, pelo que se aprovam medidas urgentes para a modernização da Administração pública e para a execução do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, assim como a sua normativa comunitária, estatal e autonómica de desenvolvimento.

O dito financiamento fica legalmente vinculada à realização das actuações subvencionadas.

e) Prazo para a execução do serviço.

f) As obrigações que correspondem ao beneficiário, os requisitos específicos relativos ao projecto subvencionável, o plano financeiro e o calendário de execução, assim como os demais requisitos previstos na normativa aplicável.

3. O prazo máximo para resolver os procedimentos iniciados em virtude desta ordem será de cinco meses, contados a partir da finalização do prazo de apresentação de solicitudes.

Transcorrido o prazo para resolver sem que o interessado recebesse comunicação expressa, poderá perceber as suas pretensões desestimado por silêncio administrativo, conforme prevê o artigo 23.5 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, sem prejuízo da obrigação legal de resolver expressamente conforme o disposto na Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas.

4. Publicar-se-á no Diário Oficial da Galiza (DOG), de conformidade com o estabelecido no artigo 45 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas, a resolução de concessão. Além disso, será igualmente objecto de publicidade através da página web https://sirga.junta.gal/

5. De conformidade com o Real decreto 130/2019, as subvenções concedidas serão incorporadas à Base de dados nacional de subvenções, com possibilidade de acesso da administração e dos órgãos mencionados no artigo 22 do MRR à informação contida no Registro de titularidade reais criado poa Ordem JUS/319/2018, ou o acesso a outras bases de dados da Administração que podan subministrar os ditos dados sobre titularidade reais, assim coma de cessão de informação entre estes sistemas e o sistema de fundos europeus, segundo as previsões recolhidas na normativa européia e nacional aplicável.

Artigo 14. Recursos

As resoluções ditadas ao amparo destas bases porão fim à via administrativa e contra é-las poderá interpor-se recurso potestativo de reposição ante o mesmo órgão que as ditou, no prazo de um mês contado a partir do dia seguinte ao da sua notificação, ou bem impugná-la directamente diante do Tribunal Superior de Justiça da Galiza, no prazo de dois meses se a resolução fosse expressa, de acordo com o disposto nos artigos 123 e 124 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas, e 46 da Lei 29/1998, de 13 de julho, da jurisdição contencioso-administrativa.

Artigo 15. Modificação da resolução de concessão

1. Toda a alteração das condições tidas em conta para a concessão da subvenção e, em todo o caso, a obtenção concorrente de outras achegas fora dos casos permitidos nas normas reguladoras poderão dar lugar à modificação da resolução de concessão, de acordo com o artigo 17.4 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

2. O órgão competente para a concessão destas ajudas poderá acordar a modificação da resolução por instância do beneficiário, devendo cumprir-se, em todo o caso, os requisitos recolhidos no artigo 35 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o Regulamento da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

Artigo 16. Aceitação e renúncia

1. A pessoa representante das entidades locais autárquicas, supramunicipais ou agrupamentos de entidades locais beneficiários disporá de um prazo de dez dias, contados a partir do dia seguinte ao da notificação da resolução, para comunicar a aceitação da subvenção e das condições contidas nela, ou bem comunicar a renúncia à subvenção concedida.

Transcorrido o prazo sem que se produza manifestação expressa, perceber-se-á tacitamente aceite a subvenção.

2. As entidades locais beneficiárias das subvenções, uma vez aceites estas, ficarão obrigadas a destinar os fundos percebidos ao objecto concreto para o qual foram concedidas.

3. A Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático da Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação poderá comprovar, quando o considere conveniente, a execução dos projectos subvencionados.

4. A renúncia à subvenção poder-se-á fazer por qualquer meio que permita a sua constância, de acordo com o estabelecido no artigo 94 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas.

Em caso que se comunicasse a renúncia, ditar-se-á a correspondente resolução, que se notificará ao interessado por meios electrónicos.

Artigo 17. Obrigações dos beneficiários

Sem prejuízo das demais obrigações estabelecidas no artigo 11 da Lei 9/2007, de 13 de junho, as entidades beneficiárias das ajudas concedidas ao amparo desta ordem ficam obrigadas a:

1. Cumprir o objectivo, executar o projecto, realizar a actividade ou adoptar o comportamento que fundamenta a concessão das subvenções.

2. Cumprir a normativa comunitária, estatal e autonómica de aplicação, em particular, a normativa em matéria de subvenções e contratação pública, quando proceda.

3. Justificar ante o órgão concedente o cumprimento da finalidade da subvenção, a realização da actividade ou adopção do comportamento que fundamentou a sua concessão e o seu custo real.

4. Destinar os fundos percebidos ao objecto concreto para o qual foram concedidos e realizar as actuações que integram o projecto subvencionado, segundo o estipulado no artigo 41 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o Regulamento da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

5. Submeter às actuações de comprovação e controlo que deva efectuar o órgão concedente através da intervenção ambiental, ou a Intervenção Geral da Comunidade Autónoma, a Intervenção Geral da Administração Geral do Estado, o Tribunal de Contas, o Conselho de Contas, assim como às medidas de controlo e auditoria recolhidas no Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia e o Regulamento (UE, Euratrom) nº 2018/1046 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de julho de 2018, sobre as normas financeiras aplicável ao orçamento geral da União. Em particular, deverão autorizar à Comissão, à OLAF, ao Tribunal de Contas Europeu, e quando proceda, à Promotoria europeia a exercitar os direitos que reconhece o artigo 129, ponto 1, do referido Regulamento financeiro.

6. Assumir a aplicação de medidas antifraude eficazes e proporcionadas no seu âmbito de gestão, assim como a obrigação de comunicar ao órgão administrador os casos de suspeitas de fraude «bandeiras vermelhas»). Assegurar a adopção de medidas dirigidas a prevenir, detectar, comunicar e corrigir o fraude, a corrupção e prevenir o conflito de interesse e o duplo financiamento.

7. Comunicar ao órgão concedente a obtenção de subvenções, ajudas, receitas ou recursos que financiem as actividades subvencionadas, assim como a modificação das circunstâncias que fundamentassem a concessão da subvenção. Esta comunicação deverá efectuar-se tão em seguida como se conheça e, em todo o caso, com anterioridade à justificação da aplicação dada aos fundos percebidos.

8. Manter um sistema contabilístico separado ou um código contável ajeitado em relação com todas as transacções relacionadas com as despesas subvencionáveis, sem prejuízo das normas gerais da contabilidade, que permita seguir uma pista de auditoria sobre os conceitos financiados com cargo à subvenção e a obrigação da manutenção da documentação suporte. O aporte da informação realizar-se-á nos termos que estabeleça o Ministério de Fazenda de conformidade com a normativa nacional e da União Europeia. Mantendo os requisitos de pista de auditoria de conformidade com o antedito artigo 22 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo.

9. Dispor de capacidade administrativa, financeira e operativa para cumprir os objectivos do projecto para o qual se solicita a ajuda.

10. Custodiar e conservar a documentação da actividade financiada pelo Mecanismo de recuperação e resiliencia de conformidade com o artigo 132 do Regulamento (UE, Euratom) nº 2018/1046 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de julho de 2018, sobre as normas financeiras aplicável ao orçamento geral da União, durante um período de cinco anos a partir do pagamento do saldo ou, a falta do dito pagamento, da operação. Este período será de três anos se o financiamento é de um montante inferior ou igual a 60.000 euros.

11. Cumprir os requisitos estabelecidos no artigo 15, número 3 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, pelo que toda a actividade, investimento ou material (incluído o que se difunda de maneira electrónica ou empregando meios audiovisuais) que se realize contando com financiamento obtido a partir destas ajudas deverá cumprir os requisitos de comunicação do financiamento público do projecto, de conformidade com o estabelecido no anexo IV destas bases. Além disso, devem cumprir com as obrigações de informação e publicidade que as autoridades competente estabeleçam relativas ao financiamento do Mecanismo de recuperação e resiliencia. Em particular, nas medidas de informação e comunicação das actuações que desenvolvam os investimentos (cartazes informativos, placas, publicações impressas e electrónicas, material audiovisual, páginas web, anúncios, inserções em imprensa, certificados, etc., onde se fará menção da origem deste financiamento e se velará por dar-lhe visibilidade, quando proceda, mediante o emblema da União e uma declaração de financiamento adequado que indique financiado pela União Europeia-NextGenerationEU», tal como se reflecte no artigo 34 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia. Todos os cartazes e placas deverão colocar-se num lugar bem visível de acesso ao público.

12. Facilitar a recolha de indicadores de resultado cuantitativos e cualitativos, trás a execução do projecto subvencionável, e num prazo dentre seis meses e três anos depois da finalização e facilitar a informação que permita ao órgão concedente medir o contributo da actividade subvencionada ao correspondente indicador estabelecido sobre o rendimento do Mecanismo de recuperação e resiliencia, consonte ao artigo 30 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, e estabelecido com o número 188, em relação com a medida C12.I3, no anexo da proposta de decisão de execução do Conselho relativa à aprovação da avaliação do Plano de recuperação e resiliencia de Espanha [SWD(2021) 147 final]. Assim como facilitar a informação que permita ao órgão concedente medir o contributo da actividade subvencionada ao correspondente indicador.

13. Subministrar toda a informação necessária para que a conselharia possa dar cumprimento às obrigações previstas no título I da Lei 1/2016, de 18 de janeiro, de transparência e bom governo.

14. Respeitar o princípio de «não causar um prejuízo significativo» na execução das actuações subvencionadas no sentido do artigo 17 do Regulamento (UE) nº 2020/852 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 18 de junho de 2020, relativo ao estabelecimento de um marco para facilitar os investimentos sustentáveis e pelo que se modifica o Regulamento (UE) nº 2019/2088.

15. Dispor das licenças, permissões e/ou autorizações administrativas exixir pela normativa para o exercício da sua actividade, assim como, de ser o caso, para o desenvolvimento do projecto subvencionável. A assinatura da solicitude comporta a realização da declaração relativa a esta disposição.

16. Submeter às disposições comunitárias sobre o Mecanismo de recuperação e resiliencia e às actuações da autoridade de controlo ou das entidades que actuem baixo a sua coordinação ou responsabilidade. Em particular, no relativo à obrigación de aseguramento da regularidade da despesa subxacente e da adopção de medidas dirigidas a prevenir, detectar, comunicar e corrigir a fraude e a corrupção, prevenir o conflito de interesses e o duplo financiamento. Para tal efeito, estabelecer-se-á um sistema eficaz e eficiente e recuperar-se-ão os montantes abonados sob erro ou empregados de maneira incorrecta, no sentido do artigo 22 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo e à Ordem HFP/1030/2021, de 29 de setembro, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

17. Assumir qualquer outra obrigação comunitária ou nacional que resulte de aplicação por razão do financiamento do Mecanismo de recuperação e resiliencia, assim como da Ordem HFP/1030/2021, de 29 de setembro, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

18. Contribuir ao correcto funcionamento da Base de dados nacional de subvenções (BDNS) em cumprimento do disposto na Ordem HFP/1030/2021, de 29 de setembro, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia como ferramenta de consulta no procedimento de concessão de ajudas, cumprindo adequadamente com as obrigacións de subministração de informação a esta (Real decreto 130/2019, de 8 de março):

• Contributo à fiabilidade do sistema, em geral, e do sistema de seguimento de indicadores do cumprimento de fitos e objectivos e de seguimento do custo estimado, em particular.

• Requisitos de pista de auditoria de conformidade com o antedito artigo 22 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo.

• Obrigacións de comunicação sobre o financiamento das medidas incluídas nestas bases já que se incluíram no Plano para a recuperação e resiliencia.

• Subministração de informação dos dados sobre o perceptor final dos fundos, quando não seja o mesmo, assim coma dos contratistas e subcontratistas em caso que o perceptor final seja um poder adxudicador.

Artigo 18. Período subvencionável e prazo de execução

1. O período subvencionável será, com carácter geral, o compreendido entre o 1 de março de 2020 e o 30 de novembro de 2023, ambos incluídos, se bem que condicionar ao exercício orçamental ao que se queira imputar e tendo em conta as datas limite para a sua justificação segundo o assinalado neste mesmo artigo.

2. Não serão subvencionáveis os projectos concluídos materialmente na data de apresentação da solicitude. Perceber-se-á que um projecto está concluído materialmente quando esteja implantado e em funcionamento.

3. As despesas subvencionáveis deverão estar realizados e com efeito pagos com anterioridade ao remate da data limite para solicitar o aboação da ajuda e a sua justificação consonte o estabelecido no parágrafo seguinte.

4. A data limite para executar o projecto e apresentar a documentação justificativo dos investimentos será:

a) O 30 de novembro de 2022 para os projectos que se imputem ao orçamento correspondente à anualidade 2022. Incluirão neste orçamento as actuações executadas entre o 1 de março de 2020 e o 30 de novembro de 2022, se é o caso.

b) O 30 de novembro de 2023 para os projectos que se imputem ao orçamento correspondente à anualidade 2023.

Artigo 19. Justificação

1. Os beneficiários das ajudas ficam obrigados a acreditar, no prazo máximo a que se refere o artigo anterior, a realização do projecto subvencionado e a justificar a totalidade do orçamento; em caso de não justificar-se a totalidade do orçamento do projecto, a subvenção será minorar na mesma proporção.

2. A solicitude do pagamento efectuá-la-á o beneficiário através de meios electrónicos, mediante a apresentação do anexo V, que se junta a título informativo, que estará acessível na pasta cidadã da pessoa interessada disponível na sede electrónica da Xunta de Galicia.

3. Com esta solicitude achegar-se-á a documentação justificativo do investimento requerida. A Administração poderá, excepcionalmente, requerer a exibição do documento original para o cotexo da cópia electrónica apresentada, segundo o disposto no artigo 28.5 da Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas.

4. Tal e como dispõe o artigo 46 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o Regulamento da Lei de subvenções da Galiza, quando o órgão administrativo competente para a comprovação da subvenção aprecie a existência de defeitos emendables nas justificações apresentadas pelos beneficiários, pôr no seu conhecimento e conceder-lhes-á um prazo de dez (10) dias para a sua correcção. Os requerimento de emenda serão notificados segundo o estabelecido nas presentes bases reguladoras.

Igual requerimento se efectuará no suposto do resultado negativo da consulta efectuada à Agência Estatal da Administração Tributária (AEAT), Tesouraria Geral da Segurança social (TXSS), conselharia competente em matéria de economia e fazenda, assim como a verificação do DNI do solicitante (pessoa física) e do representante da pessoa jurídica e o NIF do solicitante (pessoa jurídica), ou quando como resultado da comprovação se obtenha um resultado negativo na comprovação de causas de inabilitação para receber subvenções ou ajudas; neste caso, o solicitante terá que achegar as correspondentes certificações ou documentos.

No suposto de que transcorresse o prazo estabelecido para a justificação sem ter-se apresentado documentação nenhuma, requerer-se-á igualmente o beneficiário para que no prazo improrrogable de dez (10) dias hábeis a presente. A falta de apresentação da justificação no prazo estabelecido neste parágrafo comportará a perda do direito ao cobramento total ou parcial da subvenção, a exixencia do reintegro e demais responsabilidades estabelecidas na Lei de subvenções da Galiza. A apresentação da justificação no prazo adicional estabelecido neste parágrafo não isentará o beneficiário das sanções que conforme a lei correspondam.

Artigo 20. Documentação justificativo de investimentos

A conta justificativo com entrega de comprovativo de despesas, de conformidade com o estabelecido no artigo 48 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o Regulamento da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza, conterá a seguinte documentação:

1. Solicitude de aboação efectuada pela entidade beneficiária conforme o modelo que se facilita no anexo V que se junta.

2. Memória de actuações justificativo do cumprimento das condições impostas na concessão da subvenção, na que se identifiquem as actividades realizadas e os resultados obtidos, com o seguinte conteúdo mínimo, segundo a linha de subvenção da que se trate:

a) Linha 1: projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia).

1. Âmbito de actuação do projecto (identificar: núcleos, ruas, colégios, grandes geradores…).

2. Palco base, prévio à implantação do projecto (grau de implantação da recolhida separada de biorresiduos existente no município prévia à nova implantação executada, indicando os tipos de biorresiduos que se vinham recolhendo fracção verde, biorresiduos domiciliários ou biorresiduos de grandes geradores– e a percentagem de povoação atendida a dita recolhida com carácter anterior à execução do projecto).

3. Número de habitantes e número de grandes geradores atendidos pelo projecto.

4. Sistema de recolhida implantado (sistemas porta a porta, sistemas de achega mediante contedores na via pública abertos ou com contedores na via pública fechados).

5. Estimação da quantidade total de biorresiduos recolhidos com o projecto, indicando que parte destes biorresiduos corresponde aos grandes geradores, e estimação da quantidade de compost produzido anualmente.

6. Estimação das emissões de gases de efeito estufa evitadas e das toneladas de resíduos que contribuiriam ao cumprimento dos objectivos nesta matéria.

7. Indicadores e medidas de seguimento do projecto.

8. Identificação da instalação de tratamento biológico de destino dos biorresiduos.

9. Actuações de formação, informação e sensibilização realizadas à povoação involucrada no projecto, perfeitamente detalhadas.

10. Materiais empregados (tipo e quantidade).

11. Calendário da execução.

12. Orçamento detalhado do projecto (incluindo a desagregação do material e das actuações previstas -unidades e custo unitário-).

O orçamento incluirá os conceitos recolhidos no artigo 3.a), assim como a sua desagregação em partidas subvencionáveis e não subvencionáveis, indicando expressamente se o IVE está incluído nos seus respectivos montantes.

13. Orçamento total do projecto.

b) Linha 2: projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica ou comunitária (compostaxe in situ).

1. Âmbito de actuação do projecto (identificar: núcleos, ruas, colégios, associações,…).

2. Palco base prévio à implantação do projecto (indicar se previamente à execução do projecto existia compostaxe doméstica e comunitária no município, e em que grau de implantação – % de povoação atendida com a compostaxe doméstica e comunitária preexistente)

3. Descrição da preselecção dos participantes levada a cabo, tendo em conta as seguintes recomendações:

– Que disponham de parcela para o uso do compost obtido, já seja jardim ou horto, com uma superfície mínima de 25 m2.

– No caso de habitações unifamiliares, valorar-se-á positivamente o facto de que a habitação seja a sua residência habitual, assim como o maior número de membros da unidade familiar.

– Os participantes deverão estar especialmente consciencializados com a importância do projecto e com os objectivos que se perseguem.

– No caso de participantes colectivos (centros educativos, associações, comunidades de vizinhos, hortos colectivos, etc.), deverá designar-se um responsável por levar a cabo as actuações do projecto.

4. Número de habitantes e de participantes colectivos involucrados no projecto.

5. Estimação da quantidade total de biorresiduos compostada com o projecto e estimação da quantidade de compost produzido anualmente.

6. Estimação das emissões de gases de efeito estufa evitadas e das toneladas de resíduos que contribuiriam ao cumprimento dos objectivos nesta matéria.

7. Localização e dimensionamento das áreas de compostaxe comunitária. Descrição da disponibilidade de material estruturante suficiente, procedência e posta a disposição para os utentes.

8. Actuações de formação dos participantes involucrados no projecto, com referência expressa à estratégia desenvolvida para a formação dos participantes (por exemplo, emprego de manual de compostaxe, formação teórica e prática, mecanismos para a resolução das dúvidas, etc.).

9. Indicadores de seguimento do projecto.

10. Seguimento técnico do projecto, com referência expressa ao procedimento implantado para o seguimento deste, tanto durante a posta em andamento do projecto (visitas periódicas a participantes, asesoramento por telefone ou correio electrónico, etc.) como uma vez finalizada a posta em marcha deste (com uma duração, no mínimo, de 1 ano). Para este seguimento, a entidade deverá acreditar que dispôs de um coordenador técnico com a formação adequada para realizar o seguimento destes projectos.

11. Materiais empregados (tipo e quantidade).

12. Calendário da execução.

13. Orçamento detalhado do projecto (incluindo a desagregação do material e das actuações previstas -unidades e custo unitário-).

O orçamento incluirá os conceitos recolhidos no artigo 3.b), assim como a sua desagregação em partidas financiables e não financiables, indicando expressamente se o IVE está incluído nos seus respectivos montantes).

14. Orçamento total do projecto.

Esta memória, junto com a solicitude de pagamento, acompanhar-se-á de qualquer outro material noticiário (fotografias, publicações, reseñas em web, etc.) que se considere de interesse.

3. Memória económica justificativo das actividades realizadas, que conterá:

a) Tanto os comprovativo de despesa como os dos pagamentos deverão ter data compreendida dentro do período de subvencionabilidade previsto no artigo 18 destas bases.

b) A entidade beneficiária achegará uma certificação que deverá estar expedida pela Intervenção ou o órgão que tenha atribuídas as faculdades de controlo da tomada de razão em contabilidade e do cumprimento da finalidade para a qual foi concedida. Fá-se-á constar, no mínimo:

1º. O cumprimento da finalidade da subvenção.

2º. Uma relação classificada das despesas e investimentos da actividade, com identificação do credor e do documento, o seu montante, data de emissão e data de pagamento. Em caso que a subvenção se outorgue segundo um orçamento, indicar-se-ão as deviações produzidas.

c) As facturas ou documentos de valor probatório equivalente no trânsito jurídico mercantil ou com eficácia administrativa incorporados na relação a que se faz referência no parágrafo anterior. As despesas aparecerão desagregados por conceitos ou unidades de obra. Tratando-se de administrações públicas apresentar-se-ão facturas originais, ou facturas electrónicas registadas no ponto geral de entrada de facturas electrónicas da Administração geral do Estado (FACE) ou plataforma similar.

A expedição das facturas e o seu conteúdo ajustar-se-á ao disposto no Real decreto 1619/2012, de 30 de novembro, pelo que se aprova o Regulamento pelo que se regulam as obrigações de facturação.

Quando o beneficiário não disponha de facturas electrónicas para a justificação da subvenção, deverá achegar uma cópia autêntica electrónica dos documentos originais em papel, de acordo com os procedimentos que estabelece a normativa vigente.

d) Comprovativo bancários dos aboação efectuados (transferência bancária, certificação bancária ou extracto bancário da receita efectiva pelo portelo) em que deverão constar ademais do emissor e receptor do pagamento, o número de factura objecto do pagamento, assim como a data em que se tivessem efectuado a qual deverá estar compreendida entre a data de início e a data limite da justificação.

Não se admitirão os pagamentos em efectivo, assim como os comprovativo obtidos através da internet se não estão validar pela entidade bancária ou dispõem de códigos para a sua verificação por terceiros na sede electrónica da dita entidade bancária.

e) No caso de aquisição de bens de equipamento de segunda mão certificar de taxador independente devidamente acreditado e inscrito no correspondente registro oficial e declaração do vendedor em que conste a origem dos bens e que estes não têm sido objecto de nenhuma subvenção nacional ou comunitária.

f) Os documentos acreditador das despesas realizadas com meios ou recursos próprios.

g) Uma relação detalhada de outras receitas ou subvenções que financiassem a actividade subvencionada com indicação do montante e a sua procedência.

No momento da justificação da execução do projecto e, em qualquer caso, antes do pagamento, o peticionario deve apresentar uma declaração complementar do conjunto das ajudas solicitadas, tanto as aprovadas ou concedidas como as pendentes de resolução, para o mesmo projecto, das diferentes administrações públicas competente ou quaisquer dos seus organismos, entes ou sociedades.

h) Certificação expedida pela secretaria da entidade local, na que se acredite que se respeitaram os procedimentos de contratação pública e se faça constar a aprovação por parte do órgão competente da conta justificativo da subvenção. Na dita certificação, se é o caso, deverá acreditar-se o cumprimento por parte das entidades subcontratadas com os standard mais exixentes em relação com o cumprimento das normas jurídicas, éticas e morais, adoptando as medidas necessárias para prevenir e detectar a fraude, a corrupção e os conflictos de interesse, assim como a respeitar os princípios de economia circular e evitar impactos negativos significativos no ambiente («DNSH» pelas suas siglas em inglês «do no significant harm») na execução das actuações levadas a cabo no marco do dito plano, assim como a não incorrer em duplo financiamento e que, se é o caso, não lhe conste risco de incompatibilidade com o regime de ajudas de Estado. Para estes efeitos, o cumprimento nestes me os ter acreditar-se-á segundo o modelo do anexo VIII das presentes bases reguladoras, assinado pelas subcontratas correspondentes.

i) Certificar da secretaria ou intervenção onde se assinale que o IVE subvencionado não é recuperable por parte da câmara municipal beneficiária.

j) No caso dos agrupamentos de câmaras municipais, apresentar-se-á um documento assinado por todos os participantes que conformem o agrupamento beneficiário da ajuda no qual se recolham expressamente todos os termos dos aspectos requeridos nas presentes bases para as solicitudes apresentadas de forma conjunta.

4. Documentação de ter realizada a publicidade ajeitada (fotografias dos cartazes informativos, publicidade através de página web, exemplares da documentação escrita, etc.) que justifique ter dado cumprimento às obrigações estabelecidas em matéria de informação e comunicação, sobre o apoio procedente dos fundos do Mecanismo de recuperação e resiliencia tal como reflecte o artigo 34 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia e segundo o que se estabelece no anexo IV que acompanha às presentes bases reguladoras.

5. Para os projectos da linha 1, quando a subvenção se tivesse outorgado para projectos de implantação da recolhida separada de biorresiduos: identificação da instalação ou centro de tratamento prevista para tratar os biorresiduos recolhidos de forma separada, tendo em conta que deverá de tratar de uma instalação ou centro devidamente autorizada/o (ou em trâmite de obter a autorização) para o tratamento da fracção orgânica dos resíduos autárquicos, com capacidade suficiente, e com uma linha separada para o tratamento da fracção orgânica procedente da recolhida autárquica, não permitindo-se o tratamento conjunto com outro tipo de resíduos de origem industrial.

Artigo 21. Pagamento da ajuda

1. O aboação da subvenção praticar-se-lhe-á directamente à câmara municipal beneficiária na conta bancária indicada por este, que deverá ser da sua titularidade. Em caso das entidades locais supramunicipais ou agrupamentos de entidades locais, a câmara municipal que assuma a representação receberá a ajuda atribuída a este fim.

No caso de agrupamentos de entidades locais, a câmara municipal que actue como representante deverá apresentar, no prazo máximo de um mês desde a recepção dos montantes cobrados, comprovativo bancários dos aboação efectuados (transferência bancária, certificação bancária ou extracto bancário da receita efectiva pelo portelo) às restantes câmaras municipais que constituem o supracitado agrupamento.

2. Poderá antecipar-se até o 50 % do importe concedido, de acordo com o estabelecido no artigo 31.6 da Lei 9/2007, no artigo 63 do Decreto 11/2009 e nesta convocação.

As entidades beneficiárias que queiram acolher à modalidade de pagamento antecipado deverão manifestá-lo expressamente no prazo máximo de 10 dias hábeis a partir do seguinte ao da notificação da resolução de concessão, mediante a apresentação da correspondente solicitude de pagamento antecipado, empregando o modelo que se incorpora como anexo VI.

3. De não apresentar a solicitude de pagamento antecipado, percebe-se que a entidade solicitante renúncia ao antecipo. Neste caso o pagamento das ajudas efectuar-se-á uma vez efectuado o investimento ou realizado a despesa ou actividade e depois da apresentação por parte da entidade beneficiária, no prazo estabelecido, da documentação justificativo a que se refere o artigo anterior.

4. Conforme o artigo 65.4 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, para a concessão dos pagamentos antecipados não se exixir a apresentação de garantias por parte das câmaras municipais beneficiárias.

5. Transcorrido o prazo estabelecido neste artigo sem ter apresentado a correspondente justificação, perceber-se-á que a entidade renúncia à subvenção, sem prejuízo do estabelecido nos artigos 45.2 e 46 do Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o regulamento da Lei de subvenções da Galiza.

6. Recebida a documentação justificativo da subvenção, os órgãos competente em matéria de inspecção da conselharia concedente, antes de proceder ao seu pagamento final, poderão realizar as actuações de comprovação oportunas para verificar a realização da actividade e o cumprimento da finalidade que determinaram a concessão da subvenção, de acordo com o estabelecido no artigo 30 da Lei 9/2007, assim como o cumprimento do compromisso em relação com a execução de actuações do Plano de recuperação, transformação e resiliencia (PRTR), no sentido do artigo 8, ponto 2.e), da Orden HFP/1030/2021, do 29 de septembro, do Ministério de Fazenda e Função Pública, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

Os órgãos competente da conselharia concedente poderão solicitar ao beneficiário os esclarecimentos ou relatórios relativos à justificação do investimento que considerem convenientes, com a advertência de que a falta de apresentação da justificação no prazo concedido para o efeito poderá comportar a perda do direito à subvenção e a exigência do reintegro no caso de ter recebido quantidades em conceito de antecipo, e demais responsabilidades estabelecidas na Lei 9/2007.

7. Quando o custo justificado da actividade ou investimento fosse inferior ao que figura na resolução de concessão, manter-se-á a ajuda, mas diminuir-se-á proporcionalmente o seu montante.

8. O pagamento realizar-se-á, depois de verificação do órgão concedente do cumprimento da obrigação de estar ao dia no cumprimento das obrigações tributárias ou face à Segurança social e de não ter pendente de pagamento nenhuma outra dívida com a Administração pública da comunidade autónoma.

Artigo 22. Perda do direito ao cobramento da subvenção e procedimento de reintegro

1. Produzir-se-á a perda do direito ao cobramento total ou parcial da subvenção no suposto de falta de justificação do cumprimento do projecto, das condições impostas na resolução de concessão, das obrigações contidas nestas bases reguladoras ou na demais normativa aplicável, assim como nos supostos previstos no artigo 33 da Lei 9/2007, de subvenções da Galiza, o que dará lugar a devolver total ou parcialmente a subvenção percebido, assim como os juros de demora correspondentes.

2. O procedimento para declarar a procedência da perda do direito de cobramento da subvenção e para fazer efectiva a devolução a que se refere o ponto anterior será o estabelecido no título II da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

3. Não cumprimento dos projectos:

a) Não cumprimento total: se o beneficiário justifica conceitos, partidas e/ou elementos subvencionáveis aprovados que representem menos do 50 % do montante total do investimento subvencionável, perceber-se-á que não atingiu os objectivos propostos na solicitude e, portanto, perderá o direito de cobramento da subvenção.

Além disso, o não cumprimento do compromisso em relação com a execução de actuações do Plano de recuperação, transformação e resiliencia (PRTR), no sentido do artigo 8, ponto 2.e), da Ordem HFP/1030/2021, do 29 de septembro, do Ministério de Fazenda e Função Pública, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia, dará lugar à devolução total da subvenção percebido, assim como os juros de demora correspondentes.

b) Não cumprimento parcial: sempre que se cumpram os requisitos ou condições essenciais tomadas em conta na concessão das ajudas, e a justificação seja igual ou superior ao 50 %, poderá apreciar-se um não cumprimento parcial, devendo resolver sobre o seu alcance aplicando a mesma ponderação que tivesse a condição incumprida na resolução de concessão.

Sem prejuízo de outros supostos que possam concorrer, no caso de condições referentes à quantia ou conceito da base subvencionável, o alcance do não cumprimento determinar-se-á proporcionalmente à despesa deixada de realizar ou aplicado a um conceito diferente do considerado subvencionável; dever-se-ão, se é o caso, reintegrar as quantidades percebido na dita proporção.

4. Incorrer em causa de não pagamento ou reintegro das ajudas no caso de não manter as condições estabelecidas nestas bases de conformidade com a gradação seguinte:

a) Suporá a perda de um 2 % da subvenção concedida não manter um sistema contabilístico separado ou um código contável ajeitado em relação com todas as transacções relacionadas e os investimentos subvencionáveis, sem prejuízo das normas gerais da contabilidade, que permita seguir uma pista de auditoria sobre os conceitos financiados com fundos do Mecanismo de recuperação e resiliencia da União Europeia.

b) Suporá a perda de um 2 % da subvenção concedida não dar publicidade ao financiamento dos investimentos que sejam objecto de subvenção, de acordo com o estabelecido nestas bases.

c) Suporá a perda de um 5 % não comunicar ao órgão concedente desta ajudas a obtenção de outras subvenções, ajudas, receitas ou recursos que financiem as actividades subvencionadas, assim como a modificação das circunstâncias que fundamentassem a concessão da subvenção, uma vez recalculada e descontado o excesso obtido sobre os topes máximos legalmente estabelecidos.

d) Suporá a perda da totalidade da subvenção concedida a constatação de que não se levou a cabo a implantação da recolhida separada de biorresiduos e/ou da compostaxe in situ de conformidade com o objecto subvencionado ao remate dos prazos recolhidos no artigo 3.2.

5. No caso de condições que constituam obrigações que a entidade beneficiária deva acreditar em fase de justificação, tais como obrigações de publicidade ou comunicação de outras ajudas, estas deverão justificar-se em todo o caso para poder proceder ao pagamento da subvenção pelo que a graduación fixada no ponto anterior só resultará aplicável para supostos de reintegro, no caso que se detecte em controlos posteriores ao pagamento algum não cumprimento relativo às ditas obrigações.

Artigo 23. Transparência e bom governo

1. Deverá dar-se cumprimento às obrigações de transparência contidas no artigo 17 da Lei 1/2016, de 18 de janeiro, de transparência e bom governo, e no artigo 15 da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

2. Em virtude do disposto no artigo 4 da Lei 1/2016, de 18 de janeiro, de transparência e bom governo, as pessoas físicas e jurídicas beneficiárias de subvenções estão obrigadas a subministrar à Administração, depois de requerimento, toda a informação necessária para que aquela cumpra as obrigações previstas no título I da citada lei.

3. Por outra parte, de conformidade com o previsto nos artigos 17.3.b) e 20.8.a) da Lei 38/2003, de 17 de novembro, geral de subvenções, transmitirá à Base de dados nacional de subvenções a informação requerida por esta, o texto da convocação para a sua publicação na citada base e o seu extracto no Diário Oficial da Galiza.

Artigo 24. Compatibilidade das ajudas

1. Estas ajudas são compatíveis com outras ajudas ou subvenções públicas destinadas à mesma finalidade, procedentes de qualquer Administração ou ente público ou privado, nacional, da União Europeia ou organismo internacional, sempre que o montante total das ajudas percebido não supere o 100 % do investimento subvencionável do projecto, com a excepção dos Projectos Clima, promovidos através do Fundo de Carbono para uma Economia Sustentável (FÉS-CO2), assim como com ajudas, subvenções, receitas ou recursos para a mesma finalidade procedentes de qualquer outro fundo europeu, tais como o Feder, REACT-UE, FSE, Feader, HORIZONTE EUROPA, etc.

2. Não obstante, e de acordo com o estabelecido no artigo 9 do Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia, a ajuda concedida no marco deste Mecanismo somar-se-á à proporcionada de acordo com outros programas e instrumentos da União. As reforma e os projectos de investimento poderão receber ajuda de outros programas e instrumentos da União sempre que a dita ajuda não cubra o mesmo custo.

3. A obtenção de outras ajudas ou subvenções deverá comunicar-se à Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático tão em seguida como se conheça e, em todo o caso, no momento em que se presente documentação justificativo da execução do serviço.

4. Em todo o caso, antes de conceder a ajuda e no momento da justificação, solicitará à entidade solicitante ou beneficiária uma declaração sobre qualquer ajuda recebida para este mesmo projecto.

5. O não cumprimento do disposto neste artigo poderá dar lugar à modificação da resolução de concessão nos termos previstos nestas bases reguladoras ou, de ser o caso, à iniciação do procedimento para declarar a procedência da perda do direito ao cobramento da subvenção ou para o seu reintegro.

Artigo 25. Infracções e sanções

O regime de infracções e sanções aplicável ao estabelecido nesta ordem é o previsto no título IV da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

Artigo 26. Medidas antifraude

A detecção de factos, que puderam ter sido constitutivos de fraude ou irregularidade em relação com projectos ou operações financiados total ou parcialmente com cargo a fundos procedentes da União Europeia no marco da presente convocação, serão comunicados ao Serviço Nacional de Coordinação Antifraude (SNCA) da Intervenção Geral da Administração do Estado, por meios electrónicos através do canal habilitado para o efeito: http://www.conselleriadefacenda.es/areias-tematicas/planificacion-e-fundos/periodo-
comunitário-2014-2020/medidas-antifraude/snca-olaf. Nos termos estabelecidos na Comunicação 1/2017 do SNCA, de 6 de abril, sobre a forma na que podem proceder as pessoas que tenham conhecimento de feitos com que possam ser constitutivos de fraude ou irregularidade em relação com projectos ou operações financiados total ou parcialmente com cargo a fundos procedentes da União Europeia. A detecção de irregularidades pode implicar a aplicação de correcções financeiras e a solicitude de devolução dos montantes percebidos indevidamente, tal como se estabelece no Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo e na Ordem HFP/1030/2021, de 29 de setembro, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

Artigo 27. Regime jurídico

A respeito de todo o não previsto nesta ordem observar-se-á o disposto nas seguintes normas, entre outras de procedente aplicação:

a) Plano estatal de recuperação, transformação e resiliencia (PRTR).

b) Real decreto lei 36/2020, de 30 de dezembro, pelo que se aprovam medidas urgentes para a modernização da Administração pública e para a execução do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

c) Lei 9/2021, de 25 de fevereiro, de simplificação administrativa e de apoio à reactivação económica da Galiza.

d) Regulamento (UE) nº 2020/2094 do Conselho, de 14 de dezembro de 2020, pelo que se estabelece um Instrumento de recuperação da União Europeia para apoiar a recuperação, trás a crise da COVID-19.

e) Regulamento (UE) nº 2021/241 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 12 de fevereiro de 2021, pelo que se estabelece o Mecanismo de recuperação e resiliencia.

f) Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

g) Decreto 11/2009, de 8 de janeiro, pelo que se aprova o seu regulamento.

h) Lei 38/2003, de 17 de novembro, geral de subvenções.

i) Decreto 887/2006, de 21 de julho, pelo que se aprova o seu regulamento.

j) Lei 39/2015, de 1 de outubro, do procedimento administrativo comum das administrações públicas.

k) Decreto legislativo 1/1999, de 7 de outubro, pelo que se aprova o texto refundido da Lei de regime financeiro e orçamental da Galiza.

l) Ordem HFP/1030/2021, de 29 de setembro, pela que se configura o sistema de gestão do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

m) Ordem HFP/1031/2021, de 29 de setembro, pela que se estabelece o procedimento e formato da informação a proporcionar pelas entidades do sector público estatal, autonómico e local para o seguimento do cumprimento dos fitos e objectivos e de execução orçamentária e contável das medidas dos componentes do Plano de recuperação, transformação e resiliencia.

Disposição derradeiro primeira

Autoriza-se expressamente a pessoa titular da Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático para actuar por delegação da pessoa titular da Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação para resolver a concessão, denegação, modificação ou outras incidências das subvenções previstas nesta ordem.

Além disso, delegar na pessoa titular da Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático as faculdades relativas aos procedimentos de reintegro assinaladas no título II da Lei 9/2007, de 13 de junho, de subvenções da Galiza.

Disposição derradeiro segunda

Faculta-se a pessoa titular da Direcção-Geral de Qualidade Ambiental, Sustentabilidade e Mudança Climático para ditar, no âmbito das suas competências, as resoluções precisas para a execução desta ordem.

Disposição derradeiro terceira

Esta ordem terá efeitos o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, 30 de novembro de 2021

Ángeles Vázquez Mejuto
Conselheira de Médio Ambiente, Território e Habitação

missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file
missing image file

ANEXO VII

Convocações de ajudas e/ou subvenções anteriores que se consideram para a detracción dos montantes adjudicados nestas sobre a quantia máxima da ajuda estabelecida

Linha 1. Projectos de implantação, ampliação ou melhora da recolhida separada de biorresiduos destinados a instalações específicas de tratamento biológico (compostaxe e/ou dixestión anaerobia).

No caso das entidades locais que perceberam ajudas prévias para este tipo de projectos, mas que ainda podem complementá-la, o montante da ajuda resulta de restar à quantia máxima estabelecida o montante correspondente à ajuda concedida previamente:

a) Convocações da Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação:

– Convocações de compartimento de contedores marróns**, no marco do contrato de Subministração de contedores para a recolhida selectiva de resíduos de fracção orgânica, co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional num 80 % no marco do programa operativo Feder Galiza 2014-2020, objectivo temático 6-prioridade de investimento 06.1-objectivo específico 06.01.1: desenvolver a separação, recolhida selectiva e tratamento dos resíduos, incluindo as acções de encerramento de ciclo; recolhendo tanto os planos de gestão como o investimento em infra-estruturas-actuação 6.1.1.1» (expediente 44/2017 QUE).

– Projectos demostrativos (implantação do quinto contedor-Santa Comba) desenvolvidos ao amparo do contrato «Serviço para o desenho e execução das actuações para a melhora da gestão de resíduos urbanos durante o ano 2018, co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional num 80 % no marco do programa operativo Feder Galiza 2014-2020, objectivo temático 06-prioridade de investimento 06.01-objectivo específico 06.01.01-actuação 6.1.1.1-desenvolvimento do PXRUG 2010-2022» (expediente 43/2017 QUE).

– ORDEM de 14 de dezembro de 2018 pela que se estabelecem as bases reguladoras para a concessão de ajudas a entidades locais da Galiza para o financiamento de actuações em matéria de resíduos de competência autárquica, co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional com cargo ao programa operativo Feder Galiza 2014-2020, e se procede à sua convocação em regime de concorrência competitiva para o ano 2019, tramitadas como expediente antecipado de despesa (código de procedimento MT975I).

– Ordem de 5 de maio de 2020 pela que se estabelecem as bases reguladoras para a concessão de ajudas a entidades locais da Galiza para o financiamento de actuações em matéria de resíduos de competência autárquica, co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional com cargo ao programa operativo Feder Galiza 2014-2020, e se procede à sua convocação em regime de concorrência competitiva para os anos 2020-2021 (código de procedimento MT975I).

b) Convocações do Ministério para a Transição Ecológica e o Repto Demográfico (MITERD):

– PIMA resíduos 2017 (30.3.2017).

– Ajudas resíduos 2018 (22.2.2018).

– Ajudas resíduos 2019 (4.3.2019).

– Ajudas resíduos 2020 (15.5.2020).

** Para efeitos de valorar a ajuda percebido pela dotação dos contedores marróns, aplicar-se-á um montante unitário por contedor subministrado de 120 €/contedor (IVE incluído).

Linha 2. Projectos de separação e reciclagem em origem de biorresiduos mediante a sua compostaxe doméstica e comunitária (compostaxe in situ).

No caso das entidades locais que perceberam ajudas prévias para este tipo de projectos, mas que ainda podem complementá-la, o montante da ajuda resulta de restar à quantia máxima estabelecida o montante correspondente à ajuda concedida previamente:

a) Convocações da Conselharia de Médio Ambiente, Território e Habitação:

– Projectos demostrativos (compostaxe doméstica-As Nogais, Compostaxe comunitária-Mondoñedo) desenvolvidos ao amparo do contrato «Serviço para o desenho e execução das actuações para a melhora da gestão de resíduos urbanos durante o ano 2018, co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional num 80 % no marco do programa operativo Feder Galiza 2014-2020, objectivo temático 06-prioridade de investimento 06.01-objectivo específico 06.01.01-actuação 6.1.1.1-desenvolvimento do PXRUG 2010-2022» (expediente 43/2017 QUE).

– Ordem de 5 de maio de 2020 pela que se estabelecem as bases reguladoras para a concessão de ajudas a entidades locais da Galiza para o financiamento de actuações em matéria de resíduos de competência autárquica, co-financiado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional com cargo ao programa operativo Feder Galiza 2014-2020, e se procede à sua convocação em regime de concorrência competitiva para os anos 2020-2021 (código de procedimento MT975K).

b) Convocações do Ministério para a Transição Ecológica e o Repto Demográfico (MITERD):

– PIMA resíduos 2017 (30.3.2017)

– Ajudas resíduos 2018 (22.2.2018).

– Ajudas resíduos 2019 (4.3.2019).

– Ajudas resíduos 2020 (15.5.2020).

c) Programa de compostaxe de Sogama (dotação de composteiros domésticos)**.

d) Plano revitaliza da Deputação Provincial de Pontevedra (dotação de composteiros domésticos e comunitários)***.

1.

** Para efeitos de valorar a povoação servida com estes subministros, estima-se que cada composteiro individual dá serviço a 3 habitantes.

*** Para efeitos de valorar a povoação servida com estes subministros, estima-se que cada composteiro individual dá serviço a 3 habitantes e cada módulo de compostaxe comunitário da serviço a 25 habitantes potenciais.

missing image file