Galego | Castellano| Português

DOG - Xunta de Galicia -

Diario Oficial de Galicia
DOG Núm. 230 Sexta-feira, 13 de novembro de 2020 Páx. 45062

III. Outras disposições

Vice-presidência primeira e Conselharia de Presidência, Justiça e Turismo

ORDEM de 4 de novembro de 2020 pela que se aprova a modificação parcial dos estatutos do Colégio Oficial de Escalonados Sociais da Corunha e Ourense.

De acordo com o estabelecido no artigo 150.2 da Constituição espanhola, a Lei orgânica 16/1995, de 27 de dezembro, de transferência de competências à Comunidade Autónoma galega, transfere, no marco da legislação básica do Estado, o desenvolvimento legislativo e a execução em matéria de corporações de direito público representativas de interesses económicos e profissionais.

A transferência em matéria de colégios oficiais ou profissionais fez-se efectiva através do Real decreto 1643/1996, de 5 de julho, assumiu pelo Decreto 337/1996, de 13 de setembro, da Xunta de Galicia, e corresponderam à Vice-presidência primeira e Conselharia de Presidência, Justiça e Turismo as competências nesta matéria, em virtude do Decreto 74/2018, de 5 de julho, pelo que se estabelece a estrutura orgânica da citada conselharia, e do Decreto 110/2020, de 6 de setembro, pelo que se estabelece a estrutura orgânica da Xunta de Galicia.

A Lei 11/2001, de 18 de setembro, de colégios profissionais da Comunidade Autónoma da Galiza, ditada em virtude da citada competência, dispõe no seu artigo 16 que os colégios profissionais desfrutarão de autonomia para a elaboração, aprovação e modificação dos seus estatutos, sem mais limites que os estabelecidos pelo ordenamento jurídico. O artigo 18 da mesma norma estabelece a obrigatoriedade de comunicar à conselharia competente em matéria de colégios profissionais os estatutos aprovados, assim como as suas modificações.

Dando cumprimento a esta disposição, o Colégio Oficial de Escalonados Sociais da Corunha e Ourense acordou em assembleia geral a aprovação da modificação parcial dos seus estatutos, que foram apresentados ante esta Vice-presidência primeira e Conselharia de Presidência, Justiça e Turismo, para os efeitos da sua aprovação definitiva, depois da qualificação de legalidade, em cumprimento do estabelecido no artigo 18 da Lei 11/2001, de colégios profissionais da Comunidade Autónoma da Galiza.

Em virtude do anterior, e verificada a adequação à legalidade da modificação dos estatutos apresentados, em uso das faculdades que me foram conferidas,

DISPONHO:

Artigo 1. Objecto

1. Aprovar a modificação parcial dos vigentes estatutos do Colégio Oficial de Escalonados Sociais da Corunha e Ourense aprovados pela Ordem de 2 de abril de 2013 (DOG núm. 79, de 24 de abril).

2. A modificação afecta o conteúdo do artigo 36, que figura como anexo à presente ordem, no qual se regula a eleição dos cargos da Junta de Governo do Colégio.

Artigo 2. Publicação e inscrição

Ordenar a publicação da modificação no Diário Oficial da Galiza e a inscrição correspondente no Registro de Colégios Profissionais da Comunidade Autónoma da Galiza.

Disposição derradeiro única. Entrada em vigor

Esta ordem entrará em vigor o dia seguinte ao da sua publicação no Diário Oficial da Galiza.

Santiago de Compostela, 4 de novembro de 2020

Alfonso Rueda Valenzuela
Vice-presidente primeiro e conselheiro de Presidência,
Justiça e Turismo

ANEXO

Modificação do artigo 36 dos estatutos do Colégio Oficial de Escalonados Sociais da Corunha e Ourense aprovados pela Ordem de 2 de abril de 2013

Artigo 36. Eleição de cargos à Junta de Governo

1. A Junta Geral elegerá o cargo de presidente por proclamação e mediante votação nominal específica. Os cargos da Junta de Governo de vice-presidente, tesoureiro, e interventor-contador serão designados pela própria junta entre os vogais exercentes elegidos pela Junta Geral e por proposta do presidente.

2. Os cargos da Junta de Governo de secretário e vicesecretario serão designados pela própria junta entre os vogais elegidos pela Junta Geral e por proposta do presidente.

3. Os cargos da Junta de Governo terão uma duração de quatro anos, renovar-se-ão por metades cada dois e poderão ser reeleitos sem limitação.